Page 1

Boletim Informativo

ANO VI, EDIÇÃO 32 -JUNHO 2014

pág. 08

- Editorial

pág. 02

- Reunião do Conselho Alargado de Junho

pág. 03

- Novo regulamento Interno da CSE

pág. 04

- Encerramento da parte lectiva do Curso de Formação em Unidades de Gestão de Saúde pág. 06 - 60 mil Internamentos Evitáveis só num ano pág. 07 - Calendário de Formações Internas

pág. 07

- Campeonato Mundial de futebol 2014

pág. 08

- A Importância da nossa colaboração na orientação do Utente - Gabinete do Utente - Desfazer Confusões

pág. 10 pág. 11 pág. 11

ÍNDICE


EDITORIAL O dia 4 de Junho do corrente ano fica registado como uma

as condições mínimas exigidas possam concorrer. De forma geral, as

data importante da Clínica Sagrada Esperança. Nesta data, ficou

chefias de departamento passam a contar com um líder coadjuvado

rubricada a ordem de serviço que legaliza a actualização da nova

por um técnico da área em referência e por um elemento do

figura gestionária da nossa Instituição, o que por si só, como temos

secretariado clínico, que deve ajudar a gerir o processo administrativo.

vindo a referir repetidamente, tem implicações na reorganização de

Os departamentos serão constituídos por serviços e estes poderão

toda a Instituição. Na mesma oportunidade, foi aprovada uma nova

ainda contar com núcleos específicos de desenvolvimento.

parceria estratégica da CSE que, a ser materializada, como ficou

3.2 A nova estrutura orgânica também interfere com a

previsto, poderá alterar, em muitos aspectos, o ritmo de crescimento

reorganização das áreas de suporte, administrativa, de produção,

e governação da Instituição.

finanças, contabilidade, manutenção, formação e gestão de pessoas.

Vejamos, em detalhe, o que a nova arrumação organizativa comporta: 1 – Conselho de Gerência

Esta concepção funcional exige a necessidade de organizar estas distintas direcções, as quais serão constituídas por sectores e estes por secções e subsecções.

Está nomeado o novo Conselho de Gerência, (C.G.) o qual, com o empenhamento de todos os responsáveis dos diferentes níveis e

4 – Actualização da Documentação

áreas de actividade, contando com a colaboração dos profissionais,

Nomeados os diversos Directores, tal como temos feito ao longo

procurará levar a bom porto a imagem da Clínica.

dos anos, a eles caberá, em coordenação com o Conselho de Gerência

Tal significa que o Doente, em si, e tudo quanto os nossos Cliente

e Conselho de Direcção Restrito (CDR), e os respectivos Chefes de

continuam a valorizar em termos de satisfação, constituem o objectivo

Departamentos ou Sectores, fazer a revisão da documentação base das

fundamental e a essência da actuação da Clínica Sagrada Esperança.

suas áreas de actividade:

O “Dar a Cara”, traduzido no zelo, na dedicação e na entrega digna ao trabalho, continuará a ser outra vertente fundamental da forma de

a) Estrutura orgânica do Departamento, Sector ou área de responsabilidade.

estar da actual gerência. Esta prosseguirá, seguramente, a senda do

b) Regulamento Especifico.

que já defendíamos, de acordo com o seu saber e suas capacidades,

c) Demais documentação como temos apreciado em reuniões de

para melhorar a confiança, a segurança e a imagem dos seus clientes

trabalho.

– doentes - utentes.

Os Chefes de Departamento e de Sector em plenário com os Directores e Gerentes irão constituir o Conselho de Direcção.

2 – Conselho de Direcção Restrito Constituído o C.G., passamos a ter, desde já, um segundo desafio:

5 – Conselho de Direcção Alargado

a constituição do Conselho de Direcção Restrito. Se, por um lado,

A figura do Conselho de Direcção Alargado será mantida, contando

contamos já com alguns Directores temperados por alguns anos

com os distintos chefes e responsáveis a todos os níveis, incluindo os

de governação com forte empenhamento, será agora necessário,

responsáveis das extensões e parcerias de Luanda, para além dos de

agregar, em harmonia necessária, juventude e ambição a este órgão

outras unidades – os centros de produção da Clínica.

de Direcção. Este é um dos nossos desafios para o 3.º trimestre do corrente ano.

6 – Os nossos Doentes e Clientes Os nossos doentes e clientes continuarão a ser a razão da essência

3 – Actividade Operativa 3.1 A actividade operativa da Instituição para a área clinica e prestadora de cuidados tem estado, até ao presente, sobre os ombros das chefias dos serviços. A CSE tem crescido e, por isso, é agora introduzida a figura do departamento. À luz da estrutura orgânica actualizada e do regulamento que a suporta, será dada toda a nossa atenção até ao final do corrente ano. Se as duas primeiras entidades assumem os cargos por nomeação, no que respeita aos níveis de actuação operativos, onde repousa a substância da prestação de cuidados, será fundamental a abertura de oportunidades para que todos aqueles que reúnam

2

e do sentido de actuação da Clínica Sagrada Esperança e, por isso, uma vez mais, deveremos ter em conta alguns princípios de actuação no que respeita à prestação de cuidados: 6.1 O imperativo ético de promover e concretizar a diminuição dos tempos de espera em todos os locais de atendimento e em todos os procedimentos. 6.2 A melhoria da qualidade das informações prestadas. 6.3 A proactividade no sentido de resolvermos realmente o problema do doente. 6.4 O cuidado ao doente da forma como gostaríamos que a nossa mãe fosse tratada.


ANO VI, EDIÇÃO 32- JUNHO 2014

6.5 A garantia constante da segurança, qualidade e excelência dos

que a Clínica Sagrada Esperança tenha atingido o actual nível de

cuidados ao nosso Doente.

organização e desenvolvimento. A eles, uma vez mais, o nosso agradecimento e o pedido de, sempre que tenham disponibilidade,

7 – Louvor

continuarem a colaborar com a CSE. A Clinica Sagrada Esperança foi

Para terminar: se por um lado, colocamos aqui, para reflexão, grandes

e continuará a ser a sua segunda casa.

desafios a quem se predispõe para, no futuro, fazer crescer a sua Instituição, é oportuno louvar aqueles que, por qualquer forma e com o seu saber e

Luanda, Junho de 2014

empenhamento, estiveram, até ao presente, sempre disponíveis para

A Direcção da CSE

REUNIÃO DO CONSELHO ALARGADO JUNHO 2014 No dia 7 de Junho de 2014 realizou-se a

diários de descanso e refeição e o dia de aos profissionais que estiveram no seu

Reunião do Conselho Alargado da Clínica

descanso semanal. O tempo de trabalho posto de trabalho, sem faltas, durante

Sagrada Esperança, sob a presidência do

é contado a partir do momento em que o o mês.

Dr. Rui Pinto, Presidente do Conselho de

profissional está no seu posto (ex: vestido

Gerência.

com a bata/uniforme, na enfermaria e de Junho, as chefias devem dirigir-

Foram

abordados

os

seguintes

temas:

pronto a atender o doente).

Nas primeiras duas semanas do mês se ao GGC (O QUE SIGNIFICAM ESTAS

Uma vez que muitos serviços não INICIAIS? GABINETE DE GESTÃO DE

1- Horários de trabalho;

funcionam ao sábado, por conveniência CUSTOS?) a fim de acertar as horas

2- Nova estrutura orgânica da CSE e

da instituição, as 44 horas semanais contratualizadas das suas equipas.

novo regulamento interno; 3- Comunicação

ao

previstas poderão ser condensadas de As chefias devem ainda ter as escalas Conselho

segunda a sexta-feira, perfazendo, por prontas 15 dias antes da sua entrada

Alargado da nomeação da nova

exemplo, 9 horas diárias de segunda a em vigor e os horários de trabalho

Directora de Enfermagem da CSE;

quinta-feira e 8 horas à sexta-feira.

4- Apresentação de nova psicóloga clínica.

devem ser afixados.

Os profissionais não devem fazer mais de 5 horas consecutivas, devendo o

2.

Seguidamente,

foram

período de trabalho ser intercalado com apresentados os novos organigrama 1.

O

Gabinete

de

Gestão

de

Competências apresentou à audiência algumas directrizes acerca de horários

descanso e refeição, que não devem ter e regulamento da CSE, (que serão apresentados

duração inferior a 1 hora.

neste

Boletim

Relativamente à picagem de ponto, é Informativo).

de trabalho, horas contratualizadas,

importante relembrar que o profissional

picagem de ponto e prémios de

é responsável por picar o ponto, com

assiduidade.

atenção e pessoalmente, no início e no foi comunicada a nomeação, para o

Assim, visto que a CSE é uma instituição privada, funciona ao abrigo da Lei Geral

3. A par da nova estrutura orgânica, cargo de Enfermeira Directora, da

fim da jornada de trabalho.

Sempre que o profissional faltar, Sr.ª Luzia Bartolomeu Alves Leitão deve

semanais; no entanto, no contrato de

sua justificação, pois o encerramento

trabalho de cada um deve estar explícito

das picagens é feito pelo Gabinete de anterior Enfermeira Directora, passa

o número de horas que o trabalhador

Monitorização da Produção e Custos, e as a deter o cargo de Gerente Não

tem que prestar semanalmente. A partir

faltas são automaticamente descontadas Executiva.

daqui, é responsabilidade do chefe de

ao trabalhador. Assim, cabe igualmente

serviço fazer a escala do profissional em

ao chefe de serviço validar as faltas e fazer

conformidade.

correcções nas picagens e escalas até ao informados de que a Clínica Sagrada

O horário de trabalho deve ainda determina as horas de início e fim da jornada laboral, indicar os intervalos

apresentar

imediatamente

a Ribeiro Campos.

do Trabalho, que determina 44 horas

prémios

de

4. Finalmente, os presentes foram Esperança conta com mais uma

encerramento do mês. Os

A Enfermeira Edite Silveira, nossa

assiduidade

e psicóloga clínica na sua estrutura, a

pontualidade são atribuídos pela Direcção Dra. Cristina Santos.

3


NOVO REGULAMENTO INTERNO DA CSE Pedimos a melhor atenção de todos os leitores para esta notícia:

A CSE tem um Novo Regulamento Interno! A importância do regulamento interno para qualquer organização é indiscutível. Quer a instituição tenha 10 (dez), 100 (cem) ou 1000 (mil) funcionários, independentemente da actividade em que actue no mercado, é vital a existência do Regulamento Interno (RI) para a orientação/ direção quotidiana dos funcionários dentro da organização. O RI deve ser do conhecimento geral e, em muitas instituiçõe, é entregue ao colaborador no seu primeiro dia de trabalho enquanto noutras empresas e feita uma leitura explicativa no momento da sua intergração. Outras instituições, como a nossa, além do RI da instituição, detêm ainda vários RI para os serviços que as compõem e, esses sim, devem ser obrigatoriamente do conhecimento dos colaboradores que integram esses serviços e estar acessíveis a todo e qualquer momento.

É, pois, muito gratificante informar que o novo Regulamento Interno da CSE foi aprovado em Assembleia de Sócios a 5 de Março de 2014 e entrou em vigor a 26 de Maio de 2014. Como vem descrito no Artigo 1º (Objecto): o RI define a estrutura organizativa da instituição e estabelece os princípios de organização, gestão, funcionamento e governação clínica, bem como as competências/atribuições dos diversos níveis hierárquicos, funcionais e de aconselhamento. O Regulamento Interno é um poderoso instrumento de gestão, pois: - Orienta a organização, gestão e governação clínica; - Contribui para o funcionamento harmonioso dos diversos departamentos, serviços, sectores e unidades funcionais; - Enriquece a comunicação interna e externa; - Fomenta um sistema de informação uniforme que possibilite a estandardização de indicadores e a sua mensurabilidade; - Assegura e fortalece a ideia de que a CSE é uma instituição de serviço de interesse social relevante.

Vêm expostos no RI os valores e princípios pelos quais se rege a Instituição:

Artigo 9º (Valores) e Artigo 13º (Princípios): EQUIDADE PRINCÍPIO SUPREMO DO PRIMADO DO DOENTE

RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL SISTEMA DE GESTÃO PARTICIPATIVO

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO RESPEITO PELA RECUSA

RESPEITO PELA LEI ANGOLANA

INTEGRIDADE

QUALIDADE TRANSPARÊNCIA

DIREITO A ESCOLHER E A UMA 2ª OPINIÃO

DIMINUIR O SOFRIMENTO HUMANIZAÇÃO CONSENTIMENTO INFORMADO

ÉTICA E DEONTOLOGIA PROFISSIONAIS

FORMAÇÃO CONTÍNUA 4

SALVAR VIDAS

INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO

RESPONSABILIDADE

RESPEITO PELOS DIREITOS E DEVERES DOS UTENTES DEFESA DO AMBIENTE


ANO VI, EDIÇÃO 32- JUNHO 2014

Conceitos importantes introduzidos pelo RI da CSE: a) Departamentalização; b) O Regime de residência médica fixa surge valorizado; c) O concurso como fonte de nomeação de chefias ênfase no conhecimento e capacidade humanas; d) Recrutamento transparente e Investimento na formação dos quadros da CSE; e) O Dever de complementar este regulamento através de regulamentos parcelares da cada estratura organizativa; f) Instrumento de trabalho dinâmico Alterações e adaptações em função da realidade da Instituição; g) Respeito pelo princípio supremo do primado do doente.

RENOVAÇÃO E ACTUALIZAÇÃO DO ORGANIGRAMA DA CSE A par do novo RI, a Clínica Sagrada Esperança apresenta igualmente o seu organigrama renovado, dado que, como sabemos, estes elementos não são estanques e devem acompanhar a evolução das instituições. Este novo documento entro em vigor no dia 15 de Maio de 2014 e chamamos a sua atenção para os seus principais aspectos.

Orgãos de Direcção - Concelho de Direcção Restrito - Concelho de Direcção Alargado

Orgãos de Administração - PCG - CG - Vice-presidentes do CG: - para área Assistencial - para área de Produção, de Economia e de Finanças

Orgãos de Consulta e Apoio Técnico - Concelho Clínico de Enfermágem e Técnico-Científico - Concelho de Médicos Residentes - Concelho de Apoio Técnico

Orgãos de Aconcelhamento - Internos - Externos

Gabinetes de Apoio Operativo à Gestão Chefias Operacionais e respectivas Unidades Funcionais, Serviços, Àreas ou Departamentos

5


ENCERRAMENTO DA PARTE LECTIVA DO CURSO DE FORMAÇÃO EM UNIDADES DE GESTÃO DE SAÚDE A Clínica Sagrada Esperança (CSE) em parceria O prelector cingiu as suas explanações a com a Escola Nacional de Saúde Pública da 12 pontos, a citar: Universidade Nova de Lisboa (ENSP/UNL) têm vindo, ao longo dos últimos três anos, a 1- Cada sistema de Saúde tem a sua história; desenvolver a realização de cursos nas áreas de Gestão, Medicina do Trabalho, Secretariado 2- Todos os sistemas de Saúde visam o bem Clínico e, neste âmbito, finalizou a parte lectiva comum; do Curso de Formação em Gestão de Unidades de Saúde (FOGUS). 3- Todos os sistemas de Saúde são parecidos entre si; Esta Formação tem como finalidade a capacitação de profissionais para o exercício de 4- As prioridades estão invertidas: predomínio actividades de gestão em diversas estruturas do tratamento sobre a prevenção; organizativas da CSE, suas extensões e parcerias e, eventualmente, noutras instituições do País, 5- No curto prazo, os sistemas não se reformam; dotando-os de conhecimentos e instrumentos gestionários, para um trabalho mais efectivo, no 6- Nem toda a ajuda para o desenvolvimento sentido da prestação eficiente de cuidados de é positiva; elevada qualidade, disponibilizando o acesso a melhor conhecimento nesta área. 7- Arrancar de dentro para fora e não o inverso; A conferência de encerramento teve lugar no dia 17 de Maio de 2014, às 10h00, em Luanda, no Anfiteatro da Clínica Sagrada Esperança, sobre o tema: ´´Cooperação Internacional em Saúde: Razões de Insucesso´´

8- A pedagogia do bom exemplo; 9- Sem sustentabilidade não há projectos; 10- Dever de conjugar dimensão, ambição e execução; 11- Recursos: nem de menos nem de mais;

E foi proferida pelo senhor Professor Doutor António Correia de Campos, Licenciado em Direito, Ex-Ministro da Saúde de Portugal e Deputado Europeu. A cerimónia contou com a presença de ilustres convidados, nomeadamente o Secretário de Estado da Saúde, Carlos Alberto Masseca, o Bastonário da Ordem dos Médicos, Carlos Alberto Pinto de Sousa, Responsáveis por Serviços de Saúde Públicos e Privados, para além de alunos, docentes e profissionais da área da Saúde.

6

12- informação é o alimento do sistema. Através desta e de outras iniciativas, a CSE pretende fomentar o conhecimento e desenvolver o espírito crítico dos seus jovens quadros, através de um diálogo livre e construtivo, aproximando os profissionais da realidade do nosso País e do contexto internacional que o envolve, no cumprimento permanente da sua Missão.


ANO VI, EDIÇÃO 32- JUNHO 2014

60 MIL INTERNAMENTOS EVITÁVEIS SÓ NUM ANO Cerca de 160 mil internamentos podiam ter sido evitados em 2012. Em causa estão situações de doentes crónicos que se tivessem sido bem acompanhados nos centros de saúde não precisariam de hospitalização. “Analisámos cerca de nove milhão de internamentos, registados entre 2004 e 2012. No ano passado 18% dos internamentos pertencem ao grupo de episódios em que se tudo tivesse sido feito como devia, podiam ser evitados com o atendimentos nos cuidados de saúde primários com prevenção e controlo da doença.

São cerca de 160 mil internamentos em 2012 que podiam ter sido evitados”, explicou ao DN ao DN Manuel Delgado, diretor geral da consultora IASIST Portugal e ex-administrador hospitalar. Os episódios evitáveis, apesar do número de internamentos gerais estar a descer, aumentaram 7% (mais 11 mil internamentos) em nove anos. Os dados fazem parte de uma avaliação que é apresentada hoje, na presença do secretário de Estado da Saúde Fernando Leal da Costa. por Ana Maia

JULHO

0581_DR_CF

Acção de Formação

Destinatários

2014 Duração

Formadores

Datas

Valor Propina

FOGUS – UC Português

Profissionais de Saúde

100 h

Joana Correia

2 de Julho a 27 Agosto

Com aproveitamento – gratuito Sem aproveitamento –45.000 AKZ/ Falta – 90.000 AKZ

Especialização em Medicina do Trabalho

Médicos

440 h

ENSP / CSE

Inicio – Set 2013 Termino – Jul 2015

Continuidade

Brigada de Incêndios Inicial - CM Luanda Sul

Brigada de Incêndio

24 h

Internos da CSE

30 Junho a 4 Julho

Com aproveitamento – 4.000 AKZ Sem aproveitamento – 8.000 AKZ/ Falta – 16.000 AKZ

Formação Comportamental – Acolhimento e Atendimento

Recepcionistas Consulta Externa

30 h

Lígia Carvalho

1 a 31 de Julho

Com aproveitamento – 30.000 AKZ Sem aproveitamento – 60.000 AKZ/ Falta – 120.000 AKZ

Inglês nível 1

Profissionais da Saúde

100 h

International House

7 de Julho a 12 de Setembro

Com aproveitamento – 70.000 AKZ Sem aproveitamento – 140.000 AKZ/ Falta – 280.000 AKZ

Inglês nível 2

Profissionais da Saúde

100 h

International House

7 de Julho a 12 de Setembro

Com aproveitamento – 80.000 AKZ Sem aproveitamento – 160.000 AKZ/ Falta – 320.000 AKZ

Inglês nível 3

Profissionais da Saúde

100 h

International House

7 de Julho a 12 de Setembro

Com aproveitamento – 90.000 AKZ Sem aproveitamento – 180.000 AKZ/ Falta – 360.000 AKZ

Formação Especializada em Higiene e Segurança no Trabalho

Profissionais de Saúde

120 h

CESPU - Formação

1ª fase -14 a 25 de Julho

Com aproveitamento – 90.000 AKZ Sem aproveitamento – 180.000 AKZ/ Falta – 360.000 AKZ

PEI – 1ª Intervenção + Eq EV Tipo A + Eq. Ev Tipo B

Serviços da CSE

Formadores internos PEI

14 a 18 de Julho

Gratuita – Contexto de Trabalho

Pós-Graduação em Fisioterapia

Técnicos de Fisioterapia

120 h

CESPU - Formação

Inicio – 14 de Julho Termino – 12 de Dezembro

Com aproveitamento – 350.000 AKZ Sem aproveitamento – 400.000 AKZ/ Falta – 450.000 AKZ

Reanimação Neonatal

Médicos e Enfermeiros

24 h

21 a 23 de Julho

Com aproveitamento – 60.000 AKZ Sem aproveitamento – 120.000 AKZ/ Falta – 240000 AKZ

Cateterismo Umbilical

Médicos e Enfermeiros

12 h

Formadores certificados Academia Americana de Pediatria

24 e 25 de Julho

Com aproveitamento – 40.000 AKZ Sem aproveitamento – 80.000 AKZ/ Falta – 160.000 AKZ

Dietas Hospitalares

Funcionários de Restauração

48 h

Margarida Lopes

28 Julho a 8 de Agosto

Com aproveitamento – 20.000 AKZ Sem aproveitamento – 40.000 AKZ/ Falta – 80.000 AKZ

Formação de Formadores em SBV - AHA

Médicos e Enfermeiros

40 h

Filipe Fernandes Formador certificado

28 de Julho a 1 de Agosto

Com aproveitamento – 40.000 AKZ Sem aproveitamento – 80.000 AKZ/ Falta – 160.000 AKZ

2h

7


CAMPEONATO MUNDIAL DE FUTEBOL O Campeonato Mundial de Futebol, também chamado Copa do Mundo, é uma competição internacional organizada pela FIFA (Federação Internacional de Futebol Associado), de quatro em quatro anos, criada em França em 1928, depois de várias tentativas goradas que já vinham de 1904. O primeiro campeonato teve lugar no Uruguai em 1930, sendo este o país escolhido por celebrar nesse ano o 1º centenário da sua independência, e foi ganho pela selecção deste país. De então até hoje apenas esteve interrompido nas edições que se deveriam ter realizado em 1942 e 1946, devido à II Grande Guerra. A partir da 2ª edição, em 1934, esta competição está organizada em 2 eliminatórias, sendo a 1ª constituída pelas selecções vencedoras de cada continente, num total de 32, que depois disputam o campeonato mundial durante cerca de um mês. O vencedor ganha a Taça Jules Rimet, nome do Presidente da FIFA que criou o evento. Este torneio é realizado num país anfitrião, definido pela FIFA com quatro anos de antecedência para permitir as acções necessárias. Já teve lugar em todos os continentes, com excepção da Oceânia, pelo que pôde ser visto na África do Sul em 2010. Em 2014, decorre a 20ª edição, no Brasil, até ao dia 13 de Julho (teve início no dia 12 de Junho).

O Brasil é a única selecção que tem estado presente desde a primeira edição e já venceu 5 campeonatos, pelo que ganhou, a partir do terceiro, o direito a guardar consigo a Taça. Quando estiver a ler estas linhas já saberá se este País conquistou a sua sexta taça, como era seu objectivo. Até esse momento o actual campeão mundial era a Espanha, que foi eliminada nesta edição de 2014 antes de chegar aos Oitavos da Final. Em 2018 a Copa do Mundo terá lugar na Rússia. Nomes e Números do Mundial Pelé, jogador brasileiro, foi o único jogador até hoje que foi tricampeão. O Brasil e a Espanha foram, até agora, as únicas selecções que venceram fora dos seus continentes. As 4 Selecções que jogaram mais vezes: Alemanha (99 jogos) Brasil (97 jogos), Itália (80 jogos) e Argentina (59 jogos). Na edição de 1986, realizada no México, a grande figura foi Maradona, capitão da selecção argentina, que se tornou lenda ao marcar o famoso golo “Com a Mão de Deus” e, logo a seguir, com um outro que viria a ser considerado o golo do século XX. E a Argentina ganhou o Mundial. Países onde se realizaram jogos da Copa do Mundo:

8

Países Nº. de vezes Uruguai 1 Itália 2 França 2 Brasil 2 Suíça 1 Suécia 1 Chile 1 Inglaterra 1 México 2 Alemanha 2 Argentina 1 Espanha 1 Estados Unidos 1 Japão 1 África do Sul 1


ANO VI, EDIÇÃO 32- JUNHO 2014

O que acontece nos países onde se joga a Copa?

A selecção dos Camarões, em 1960, em Itália, foi a primeira nação africana a qualificar-se para os quartos-de-final da competição, o que viria a alargar Muitos países se oferecem para realizar a possibilidade de entradas de mais equipas africanas. o Campeonato Mundial de Futebol e esta O campeonato Mundial de 2010 teve lugar pela disponibilidade tem que ser apresentada à FIFA com primeira vez no continente africano, na África do Sul. vários anos de antecedência. Por exemplo, neste E nesta edição estiveram presentes todos os momento este organismo já escolheu o anteriores vencedores do Mundial. Qatar para o Campeonato Mundial de 2022, embora neste momento sob Lothar Matthäus, da selecção reserva. alemã, (primeiro como jogador Os países desejam ser da Alemanha Ocidental e depois anfitriões porque há enormes da Alemanha reunificada), foi o consequências positivas, a todos jogador que jogou mais vezes no os níveis, e especialmente no sector Campeonato Mundial: 25 jogos. económico. A realização da Copa Os melhores marcadores, com obriga à construção ou renovação 15 golos, foram Ronaldo, do Brasil de enormes estádios em vários pontos e Klose, alemão, seguidos por Just do país, à criação ou melhoria de infraFontaine, francês, com 13 e Pelé, estruturas, o que, por sua vez, incentiva brasileiro, com 12. a economia local. Vêm trabalhadores, Maiores goleadas: Hungria 10- 01 El que é preciso alojar e alimentar. MelhoraSalvador, 1982; Hungria 9- 0 Coreia do se a vida dos habitantes locais, com a Sul, 1954; Jugoslávia 9-0 Zaire, 1974. construção de estradas, hotéis, pontes, El Salvador foi a selecção que perdeu aeroportos, etc. As populações adquirem mais jogos em que jogou: 6 jogos, em novos equipamentos tecnológicos que 1970 e 1982. lhes permitam seguir ou ver os jogos. Por sua Alguns jogadores jogaram em duas vez, estes acabam por promover o desporto, selecções: Luís Monti, Argentina em 1930 com resultados nas lojas de desporto e nos e Itália 1934; Ferenc Puskas: Hungria em ginásios. 1954 e Espanha 1962; José Santamaría; Além disso, o enorme fluxo de Uruguai em 1954 e pela Espanha1962; visitantes que aflui a ver os jogos traz José João “Mazzola” Altafini, Brasil em um extraordinário movimento que 1958 e Itália 1962; influi em largos sectores: hotelaria, Robert Prosinečki, que ficou famoso consumo interno, transportes, etc. quando se tornou oficialmente o No entanto, há que acrescentar primeiro jogador - e, agora, único - a marcar golo por que, normalmente, os gastos para a preparação dois países diferentes no Mundial: pela Jugoslávia, em de um campeonato mundial de futebol, são alvo 1990 e pela Croácia em 1998. de críticas e manifestações populares, como todos temos visto no Brasil. A construção dos imensos O melhor defesa da Copa foi Gordon Banques, estádios custa milhões e milhões de dólares e, guarda-redes inglês, na Copa de 1970, ao defender uma muitas vezes, a sua utilização esgota-se em apenas cabeçada de Pelé, numa jogada que ficou conhecida alguns jogos. Havendo, como ainda há, uma larga como a “defesa do século”. faixa da população que vive em situações de A partida com mais golos: foi num jogo entre a grande precariedade, tanto a nível de habitação Áustria e a Suíça, com o resultado final de 7-5 a favor e salubridade, como de saúde e educação, será dos austríacos, em 1954. sempre difícil encontrar o ponto de equilíbrio. 9


A IMPORTÂNCIA DA NOSSA COLABORAÇÃO NA ORIENTAÇÃO DO UTENTE Sabemos muito bem que só vamos a uma clínica ou a um hospital quando precisamos, quando estamos doentes. Também sabemos que o melhor ainda é prevenir a doença, mas falaremos disso em outro momento. Voltemos, pois, às vindas, por exemplo, à nossa Clínica. Todos os dias centenas de utentes nos procuram, ansiosos, preocupados, desconhecendo o que fazer, para onde ir, com quem falar, etc. A CSE tem procurado continuamente melhorar a informação sobre a localização de serviços, mas o estado de tensão em que aqui chegam e a diversidade de situações que aqui os traz não facilitam a sua movimentação, o que só serve para causar mais preocupação. É nosso dever, isto é, é dever de todos os que aqui trabalham, ajudar as pessoas que procuram informação. Faz parte do nosso trabalho, das nossas funções. E nem sequer devemos estar à espera que nos perguntem ou peçam ajuda: sempre que virmos alguém com ar perdido, preocupado, cansado, é nossa obrigação oferecer ajuda.

10

Como trabalhador da CSE ninguém tem o direito de dizer “Não sei”. Sabe, sim, e se não sabe deve acompanhar o utente até quem saiba ou o possa ajudar. Também não se deve dar meias informações ou informações sobre as quais não estejamos absolutamente certos. Lembre-se: a humanização começa com uma informação bem dada, esclarecida, com boa vontade. O utente precisa de se sentir seguro, de se sentir aceite por alguém em quem confia, que veja o seu próprio valor e, no entanto, que tenha iniciativas que o ajudem a fazer o que tem que ser feito. Para isso, todos os profissionais da CSE devem informar-se e receber a informação que lhes é dada para poderem informar com propriedade. Se trabalha na recepção, por exemplo, certifique-se de que sabe tudo sobre horários de consultas, exames, visitas.

Saiba onde se localizam os diversos serviços. Aprenda a dizer onde eles se situam, de forma clara e simples. Seja claro quando dá informações sobre médicos, sua presença, horas de consulta, vagas, etc.

Em resumo, aja! Diga coisas simples e directas, com amabilidade. Como gostaria que lhe fizessem a si. - Para chegar à farmácia volte até perto da entrada, vire à esquerda, passe o refeitório e vê logo onde ela está. - As suites novas são no 2º andar. Por favor, suba as escadas. - A sala para recolha de amostras para exames é já ali à frente, à esquerda, no 1º andar. Pode ir pelas escadas mas também há um acesso sem escadas. - Para fazer a radiografia tem que ir à Radiologia. Entre na 1ª porta à esquerda e encontrará logo uma recepção e uma sala de espera. Informe-se lá, por favor. - Não sei se precisa de vir em jejum para esse exame mas acompanho-a/a ao Laboratório. Faça o favor de vir comigo. - Os Serviços de Emergência são já aqui. Em que posso ajudar? - Sim, temos um Serviço de Neonatologia. Vou indicar-lhe o caminho. - Para ir às Enfermarias suba, vire à direita no fim dos Serviços de Urgência, suba mais ou menos a meio do caminho, em cima vire à direita e as enfermarias estão logo um pouco à frente. - Sim, pode comer alguma coisa na nossa cafeteria. Vou mostrarlhe o caminho.


ANO VI, EDIÇÃO 32- JUNHO 2014

GABINETE DO UTENTE Elogios e Agradecimentos dos Clientes pelo Bom Atendimento Prestados na CSE no IIº Trimestre /2014 10-Abr-14 Ficha Nº 971 - Elogio á Cafetaria

11/Mai/14 ficha Nº 1044 - UCI

Continuem com o bom atendimento, boas refeiçôes e

Venho por este meio expressar meus sinceros

higiene pessoal e geral, bom acompanhamento pelos médicos,

agradecimentos a todas as Equipas Médicas, enfermeiros

Todos

Enfermeiros.

e Auxiliares dos Cuidados Intensivos da clínica Sagrada

Esperança, pelos bons serviços e cuidados que me foram

16/Abril/14 Ficha Nº 989 Consulta Externa (Ortopedia)

prestados durante o meu internamento.

Estou satisfeito com o atendimento dos enfermeiros e do bom trabalho e da simpatia do Drº Cardoso. Sem outro assunto.

Não sabendo como agradecer, pois não existem palavras para o fazer!

Dr. Esmael e sua equipa de Médicos,

Dr. Torquato Cardoso e enfermeiros

Enfermeiros e Auxiliares

22/Abr/14 Ficha Nº 1005 - CSE

26/Mai/14 ficha Nº 1077 - Neonatologia

A vossa segurança é eficiente, profissional e excelente na

Em primeiro lugar quero agradecer e para bendizer pelos

Seguranças

serviços prestados na área de Neonatologia. Os médicos

forma como atende o cliente.

são excelentes, e os enfermeiros também. 29/Abr/14 ficha Nº 1014 Cuidados Int. Pediatria

Médicos e Enfermeiros

Durante o período do internamento o atendimento foi óptimo por parte dos enfermeiros e dos médicos, sem esquecer

11/Jun/14 Ficha Nº 1127 - Cafetaria

os Enfºs Lourenço, Gamboa, Dr. Teta e Dr. Muíla com o seu ar de

Fui muito bem atendido, encontrei pessoas simpáticas

gracinhas, transmitindo ao paciente.

e após ter feito o meu pedido, fui atendido em menos de

Dr. Teta, Dr. Muila e Enfermeiros Lourenço e Gamboa

Auxiliares de Mesa

5min. ( Eficiência)

DESFAZER CONFUSÕES É muito fácil confundir a escrita de “amaste” e “amas-te”. No verbo amar e na maior parte deles. Mas são aspectos diferentes de um mesmo verbo: “amaste” é o pretérito perfeito do verbo “amar” e “amas-te” é o presente do indicativo do mesmo verbo conjugado pronominalmente. Vejamos alguns exemplos:

E como sabemos que temos de usar o hífen?

Amas-te? Muito bem. E já amaste mais alguém?

Bem, o contexto da frase deveria ser o suficiente para nos

Chamas-te Inês? Chamaste o táxi?

decidirmos. Mas há um truque que nos pode ajudar: é pôr

Levas-te muito a sério? Levaste a história dele a sério?

a frase na negativa. Repare-se no que acontece:

Lavas-te com gel de banho? Lavaste bem atrás das orelhas?

Não te amas?

-

Comunicas-te com o teu irmão? Comunicaste bem mas eles

Não te chamas Inês?

-

não quiseram ouvir.

E por aí em diante…

Não te levas muito a sério?

Não amaste mais ninguém? Não chamaste o táxi?

- Não levaste a história dele muito a sério?

Muitas e muitas pessoas confundem estas formas verbais. Mas é muito fácil distinguir. Vejamos:

Não te lavas com gel de banho? -

Não lavaste atrás das orelhas?

Conclusão: Quando se conjuga um verbo pronominalmente

Amas-te

-

Amaste

no presente do indicativo na negativa, o pronome coloca-se

Chamas-te

-

Chamaste

entre o advérbio NÃO e a forma verbal. O que, evidentemente,

Levas-te

-

Levaste

Comunicas-te

-

Comunicaste

não acontece com o pretérito perfeito. Fácil, não é? Vá lá, não faça erros! Quando decidimos escrever para o público assumimos alguns compromissos:

Trata-se da 2ª pessoa

Trata-se da 2ª pessoa

do singular do Presente

do singular do Pretérito

do indicativo de verbos

Perfeito conjugados

conjugados reflexamente

reflexamente

escrever correctamente, não insultar ninguém, não usar vocabulário ofensivo…

Quer tirar dúvidas a Português? Esteja à vontade! Estamos aqui para isso! 11


EDITORIAL

A NOSSA CLÍNICA A saúde é o bem mais precioso. Cuidar dela é a nossa razão de ser. A CLÍNICA SAGRADA ESPERANÇA é uma instituição de serviço público, dotada de

E-mail da CSE: cse.secretariado@gmail.com

E-mail do Boletim: cse.boletim@gmail.com

Website da CSE: www.cse-ao.com

personalidade jurídica, com autonomia administrativa, financeira e patrimonial, com fins não-lucrativos. Tem a sua sede em Luanda e está localizada na Ilha de Luanda, Avenida Mortala Mohamed. Inaugurada em 1991, foi premiada em Abril de 2005 com a Medalha de Ouro da Foundation for Excellence and Business Practice, situada em Genebre Suíça.

MISSÃO Prestar cuidados de saúde diferenciados em regime de ambulatório e internamento, com qualidade, em tempo útil, na perspectiva de eficiência e eficácia, promovendo a melhoria contínua das prestações de cuidados, o aperfeiçoamento profissional e a satisfação dos seus colaboradores.

FICHA TÉCNICA

Participar no ensino e formação de quadros superiores, designadamente no ensino pré e pós-graduado de médicos e enfermeiros, na formação de farmacêuticos

Bárbara Mesquita

e bioquímicos, de quadros médios técnicos de saúde, em regime de estágios, em

Esmael Tomás

colaboração com as entidades públicas e privadas de educação em Saúde, bem como

Hipólito Calulu Marta Leal Narciso Mbangui

REDACÇÃO E REVISÃO Maria do Carmo Cruz

na formação de quadros de higienização, de serviços gerais e de logística. Desenvolver acções de investigação clínica, quer na área de Saúde Pública quer na Área Hospitalar.

VISÃO A CLÍNICA SAGRADA ESPERANÇA pretende ser, cada vez mais e de forma gradual e segura, uma verdadeira, justa e adequada referência na prestação de serviços de Saúde em Angola, visando: a satisfação dos clientes, o desempenho interno enquanto instituição de Saúde, a qualidade dos cuidados prestados, o envolvimento dos

DESIGN E PAGINAÇÃO

funcionários, a responsabilidade social.

Eduardo Brock

imagem cooporativa

IMCS-730/B/2014

CSE | Boletim Informativo N.º 32 | Junho 2014  

Visite-nos em www.cse-ao.com

CSE | Boletim Informativo N.º 32 | Junho 2014  

Visite-nos em www.cse-ao.com

Advertisement