Page 9

LEITURA

Sociedade Roraimense de Pediatria cria cantinhos da leitura no HCSA O

s benefícios da leitura para as crianças são inúmeros: melhora a criatividade, exercita o cérebro, aumenta a imaginação, entre outros. A leitura pode ser feita em qualquer lugar, em hospitais, por exemplo, contribui para a recuperação mais rápida e menos traumática das crianças. Com o objetivo de auxiliar na recuperação das crianças que estiverem internadas ou no serviço de emergência e urgência do Hospital da Criança Santo Antônio (HCSA), a Sociedade Roraimense de Pediatra realizou uma campanha de arrecadação de livros e criou cantinhos da leitura na unidade hospitalar. Foram arrecadados mais de 300 exemplares de literatura infanto-juvenil. Os livros estão disponíveis em seis locais do HCSA, nos blocos F, G, H, da internação, no corredor da Brinquedoteca, na observação e emergência. “Nesta fase a criança que ouve os pais lendo pra ela já vai achando natural,

As pediatras Nympha Salomão, Carla Patrícia, Adelma Figueiredo e Mareny Damasceno na inauguração do Cantinho da Leitura

criando e desenvolvendo o hábito da leitura. Já é comprovado que o vocabulário de 70% das crianças que leem possuem mais palavras do que aquelas que não

têm o costume de ler. A leitura aumenta o poder cognitivo das crianças”, destaca a presidente da Sociedade Roraimense de Pediatria, Adelma Figueiredo.

CRM – RR alerta sobre o perigo de cirurgias plásticas realizadas na Venezuela

D

esde o ano de 2014, o Conselho Regional de Medicina de Roraima (CRM – RR) tem alertado a população sobre o perigo de realizar cirurgias plásticas no país vizinho, a Venezuela. Nesse mesmo ano, foi realizada uma ação em parceria com a Polícia Federal, Ministério Público Estadual, Delegado Roraimense da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, que resultou na detenção de uma médica venezuelana. A profissional estava no Brasil realizando sem autorização consultas na periferia de Boa Vista. O CRM embora seja um órgão de fiscalização, não tem poder de atuação no país vizinho, o que impossibilita que algumas medidas sejam tomadas. Por essa

limitação, tem alertado principalmente às mulheres do perigo de ir ao pais vizinho realizar procedimentos cirúrgicos. “É preciso muito cuidado ao ir para Venezuela, ou qualquer outro país, para realizar cirurgias plásticas. O indicado é que realizem aqui no Brasil, que procurem um médico especialista e de qualificação reconhecida. Pois, se houver qualquer intercorrência o próprio médico que realizou o procedimento poderá corrigir em tempo hábil, evitando assim, sequelas irreversíveis. Saúde não tem preço. O barato pode custar caro”, disse Blenda Garcia, presidente do Conselho Regional de Medicina de Roraima. Este ano, duas brasileiras morreram

na Venezuela após passarem por cirurgias plásticas. De acordo com o cirurgião plástico e delegado em Roraima da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, Márcio Arcoverde, estima-se que em Roraima no ano 2015, 55 pacientes sofreram algum tipo de complicação cirúrgica. “As pessoas estão comprando uma ilusão, sob a alegação de menor investimento, o que não é realidade. O público de perfil feminino, em sua maioria, corre atrás do ‘corpo ideal’ no país vizinho, mas não sabe o risco a que estão sendo submetidas. O resultado tem sido seios mutilados, mulheres sem umbigo, entre outros. Essa situação já virou um caso de polícia”, disse Arcoverde.

CRM-RR | 9

Jornal CRMRR - 47ª edição  

Informativo do Conselho Regional de Medicina do Estado de Roraima | Dezembro de 2016 - 47ª edição

Jornal CRMRR - 47ª edição  

Informativo do Conselho Regional de Medicina do Estado de Roraima | Dezembro de 2016 - 47ª edição

Advertisement