Page 1

L etra s & Treta s | 1

Letras

Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria Ano letivo 2013/2014 Edição Nº 11

Tr e t a s Projetos Atividades Comemorações

Mãos na massa

Entrevistas Prosa Quadro de Mérito Jantar Lusitano Notícias Desafios Curiosidades

Halloween!

Concursos Antigos Alunos Associação de Estudantes

SANTA IRIA

Desporto Escolar Europa

Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria


2

|

EdiçãoNº8

Diretora do Agrupamento toma posse Em 2 de abril de 2012, surgiu a proposta de agregação da Escola Santa Maria do Olival com o agrupamento de escolas D. Nuno Álvares Pereira. Nascia, assim, o Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria, uma nova unidade orgânica educativa que passou a oferecer desde a educação pré-escolar até ao ensino secundário, constituída por 21 estabelecimentos, 202 professores, 86 funcionários e 2232 alunos. Foi, então, nomeada uma Comissão Administrativa Provisória, a quem coube assegurar a transição e gerir o processo de agregação. A cargo do Conselho Geral Transitório, esteve a seleção do novo diretor: a docente Maria Celeste Gonçalves Simões de Sousa, que tomou posse no dia 12 de junho de 2013, perante um auditório repleto e na presença do Presidente da Câmara Municipal de Tomar, Presidente do IPT e de muitos outros convidados.

A nova Diretora irá cumprir um mandato de 4 anos, em que lhe é pedida liderança forte, responsabilidade, capacidade de organização e autonomia na administração e gestão do Agrupamento nas áreas pedagógica, cultural, administrativa, financeira e patrimonial, sendo-lhe exigida eficácia. Maria Celeste Sousa disse sentir-se preparada para “agarrar” tal desafio e levá-lo até ao fim, com muita entrega, incontestável determinação e enorme dedicação, com grande modéstia e humildade, sendo essencial manter convicções. Considerou ser em equipa, que continuará a ter como missão ensinar aos alunos uma forma de vida que os leve ao sucesso, fazendo-os crescer livres, solidários e responsáveis, através de um ensino de qualidade e de aprendizagens bem sucedidas, no verdadeiro sentido do desejo de aprender.

Assinatura de Contrato de Autonomia O Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria, nas pessoas da Diretora, Maria celeste Sousa e da Presidente do Conselho Geral Transitório, Maria Júlia Morgado, assinou o contrato de autonomia, no dia 14 de outubro de 2013, no Fórum Luísa Tody, em Setúbal, na presença do Senhor Secretário de Estado, João Casanova de Almeida e do Diretor Geral dos Estabelecimentos Escolares, José Alberto Duarte. Com este contrato o Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria aceitou assumir uma maior responsabilidade e novos desafios nas áreas pedagógica, organizacional, nos recursos humanos e financeiros/materiais. Escola Secundária /3 Santa Maria do Olival


L etra s & Treta s | 3

REGRESSO ÀS AULAS: NOVO AGRUPAMENTO, NOVOS DESAFIOS Setembro traz de volta, tão certo como o Outono, o retorno à rotina de mais um ano escolar. Traz também muita dor de cabeça, apreensões, investimentos mais ou menos avultados por parte das famílias em equipamento tecnológico, vestuário, material escolar, manuais escolares (muitos já reutilizados, graças, por exemplo, a iniciativas implementadas nesse sentido no Agrupamento), expetativas e novas resoluções quer para jovens, quer para adultos. O arranque do ano letivo 2013/2014 ocorreu no Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria de forma faseada, ao longo dos dias 9, 10, 13 e 16 de setembro. A Diretora, Maria Celeste Sousa e outros elementos da Direção, fizeram questão em estar presentes em todas as receções aos pais e encarregados de educação. Em cada sessão, para além de desejar um bom ano letivo a todos, a Diretora não deixou de dar conselhos e enunciar algumas regras essenciais que devem ser respeitadas, a fim de serem proporcionadas condições adequadas para o sucesso na aprendizagem de todos os alunos. As palavras responsabilidade e trabalho foram muito reforçadas pela Diretora, bem como o cumprimento de regras por todos.

Receção na Biblioteca Municipal

Receção na EB1 Santo António

Receção na EB1 Raúl Lopes Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria


4

|

EdiçãoNº8

Receção aos 5º e 6º anos na EB D. Nuno Álvares Pereira

Receção aos 7º, 8º e 9º anos na EB D. Nuno Álvares Pereira

Receção na ES Santa Maria do Olival O sucesso escolar dos alunos depende da convergência de esforços dos vários agentes envolvidos na árdua e nobre tarefa de educar: dos professores, das condições que a escola oferece, mas também da ação dos assistentes operacionais, das Associações de Pais, sobretudo no pré-escolar e no primeiro ciclo do ensino básico, do apoio da Câmara Municipal e das Juntas de Freguesia, e do acompanhamento da vida escolar dos seus educandos, por parte dos pais e encarregados de educação. Torna-se ainda necessário desfazer alguns mitos que distorcem a visão de muitos jovens sobre o processo de ensino-aprendizagem. Foi por isso que a Diretora referiu a importância de os alunos não irem para a escola sem tomarem o pequeno-almoço, de estudarem um pouco todos os dias a fim de evitarem momentos de angústia antes dos testes, de se cultivarem, de lerem, de frequentarem bibliotecas, de não chegarem atrasados às aulas, e de terem hábitos regulares de sono, de forma a estarem em melhores condições para poderem aprender melhor. A este respeito, anunciou a realização de uma palestra sobre a importância de uma boa higiene do sono para o rendimento escolar das crianças, destinada sobretudo para os pais e encarregados de educação do pré-escolar e primeiro ciclo do Agrupamento, a realizar no dia 19 de setembro.

Escola Secundária /3 Santa Maria do Olival


L etra s & Treta s | 5

Para além do empenho escolar, é também importante fazer com que os jovens se construam e se valorizem pessoal e socialmente, por exemplo através de atividades artísticas, desportivas, culturais ou sociais participando, por exemplo, em ações de voluntariado e de solidariedade ou de defesa e preservação do meio ambiente. A diversidade de atividades e de comprometimentos obrigará os jovens a darem mais importância ao tempo e a estabelecer prioridades. Uma boa bagagem académica, um bom conhecimento dos outros e do mundo, hábitos de cidadania atuante e participativa ajudarão os jovens a serem adultos com uma formação abrangente, rica e diversa, plenamente integrados na sociedade de amanhã, e aptos a tomar as melhores opções. A Diretora aproveitou estas sessões de boas vindas para proceder à entrega dos Diplomas aos alunos que integraram o Quadro de Mérito Académico e Desportivo do 4º ao 12º anos, no ano letivo transato. Alunos que integraram o Quadro de Mérito Académico e Desportivo

ES Santa Maria do Olival, 3º Ciclo do Ensino Básico e Ensino Secundário

EB D. Nuno Álvares Pereira, 2º e 3º Ciclos do Ensino Básico Ainda neste contexto, a Associação dos Antigos Alunos do Liceu de Tomar, representada por Luís Boavida, fez a entrega de um cheque, no valor de duzentos e cinquenta euros, a fim de financiar a entrada no Ensino Superior de um aluno do quadro de Luís Boavida mérito que apresente algumas carências económicas.

Atuação de alguns elementos da TunaSabes Cantar Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria


6

|

EdiçãoNº8

Alunos que integraram o Quadro de Mérito Académico e Desportivo 1º CICLO MÉRITO ACADÉMICO EB1 Carregueiros José Eduardo Fiães Pimentel EB1 D. Nuno Álvares Pereira Camila Pardal Martins Maria Francisca Silva de Assunção Rute Fernandes Gomes EB1 Santo António Duarte Nuno Dias Farinha Eduardo José dos Santos Ferreira Francisca Pinto Coelho da Costa Rico Guilherme Abrantes Marques Inês Vieira Valentim Maria Inês Martins Carrão Rita Curado Sousa

Escola Básica 2,3 D. Nuno Álvares Pereira 2º CICLO MÉRITO ACADÉMICO Adriana Lopes Cartaxo Afonso Miguel Henriques Ferreira Alexandre Matos Ferrão da Silva Ana Margarida Gonçalves Lopes Ana Paula Maia Mourão Ana Rita Ferreira Marante Miranda Ribeiro Anaís Carlos Pintassilgo António Luís Tavares Ferreira Beatriz Brás Marques Beatriz de Jesus Simões Beatriz Leonor do Rosário Godinho Bernardo Rafael Godinho Rodrigues Bruna Margarida Pereira Ferreira Carolina Soeiro Maria Catarina Garcia Cartaxo Catarina Viana Moreira Cardoso Diogo Martins Dias Emídio Eva Rodrigues Dias Claro Filipa Godinho Duarte Flávia Antunes Tomaz Guilherme Maia Mourão

Henrique Leal Honrado Inês Couceiro de Figueiredo Fat Inês Margarida Rufino Sousa Joana Vitória Pina Vieira João dos Anjos Silva Mourão João Francisco Bernardo Navalho João Pedro Pereira Rodrigues Jorge Miguel Farinha do Rosário Lara Vicente Ferreira Leonor Conde Ferreira Luana Paiva Infante Jardim Alves Lucas Santos Ventura Manuel Duque Santos Margarida Andreia Pereira Mota Maria Rita Sousa da Silva Maria Sofia Mateus Pinho Mariana Ferreira Geraldo Mariana Henriques Antunes Marina Laura Protásio Marta Maria Morais Vaz Matilde Antunes Alves Miguel Oliveira Ferreira Nuno António da Costa Ferreira Nuno Ferreira Bernardo Nuno Jorge Rodrigues dos Santos Pedro Brandão Vasconcelos Pedro de Jesus Pereira Ferraz Pilar Marquês Alves Rita Sofia Lourenço Pires Rodrigo Ferreira Geraldo Samuel Alberto Lopes Sofia Margarida Pais Pereira 3º CICLO MÉRITO ACADÉMICO Adriana Leal Mourão Cartaxo Afonso Francisco Dias Farinha Amandina Neto Nunes Ana Filipa Marques Clemente Ana Rita Lourenço Pedroso Ana Teresa Simões Branco André Filipe Eira Silva Ferreira Bárbara Sousa Trindade Bruno Miguel Rodrigues Filipe Carina Liliana Garcia Eira Carolina de Seixas Gonçalves Faleiro Catarina de Jesus Fernandes Henriques Cristiana Felícia Francisco Marçal

Escola Secundária /3 Santa Maria do Olival

David João Arinto Martins David Luís Andrade dos Santos Sousa Francisco Coelho Martins Francisco Miguel Dinis Esteves Jie Zhou Joana Patrícia Silva Lopes João Diogo Moteiro Lopes Laura Baptista Caetano da Graça Luís Carlos Azevedo Gonçalves Margarida Marques da Silva Mariana Lopes Vicente Mariana Sofia da Graça Batista Marta Sofia Azevedo Gonçalves Nicole de Jesus Mendes Patrícia da Silva Mourão Pedro Rafael Marques Boto Rui Eduardo Ferreira Fortes Tiago Alexandre da Cruz Leal Tomás da Cunha Garcia Simões Vanessa Alexandra Fernandes Henriques Escola Secundária/3 Santa Maria do Olival 3º CICLO MÉRITO ACADÉMICO Ana Margarida Fernandes Pereira Ana Patrícia Narciso Costa Ana Rita de Sousa Marques Ana Rita Oliveira Graça André Morgado Ribeiro António Manuel dos Santos Henriques Bernardo Ferreira Lopes Nunes Vigário Bernardo Henriques Azevedo Santos Catarina Alexandra Rodrigues Freire Diogo Marante Pereira Duarte Filipe Cotrim Nunes Eva Peixoto de Castro Filipe de Jesus Pereira Ferraz Guilherme de Oliveira Barrela Chaves Gomes Guilherme Santos de Oliveira Pires da Silva Henrique Lopes Ribeiro Mendes Hugo Miguel Lardosa Leal


L etra s & Treta s | 7

Iria Rita Vieira de Freitas Joana Carolina Pinheiro Marques Joana Margarida Santos Costa João Alexandre Costa e Silva João Carlos de Sousa Gonçalves João Filipe Diamantino Ferreira João Francisco Dionísio Laranjeira João Pedro Correia Machado Coelho João Tomás Laborinho Ribeiro Leandro dos Santos Francisco Luís Miguel Gonçalves Fialho Morais Lucas Filipe Roberto de Barros Madalena Martins Correia Becerra Vitorino Manuel Cajada Coelho Lopes Manuel Falcão Cardoso Palo Margarida Barbosa Marques Margarida Cajada Honório Pereira Margarida Carvalho Dias Maria Beatriz Batista Mourato Cordeiro Maria Beatriz da Cruz Silva Pina de Almeida Maria Carlota Monteiro Pedro Maria Francisca Quádrio da Silva Maria Luísa de Menezes Magalhães Ferreira da Silva Mariana Fernandes de Faria Guedes Mariana Isabel Graça Mendes Mariana Isabel da Silva Tavares Miguel Marante Pereira Miguel Silva Assunção Patrícia Sofia Lopes dos Santos Paulo Brandão Vasconcelos Pedro Henrique Coelho Mendes Pedro José Ribeiro Tornada Pedro Manuel Gonçalves Borges Grácio Nunes Rafael Patrocínio Batista Duarte Rita Maria Marante de Oliveira Rita Peixoto Pereira Sancha Pinheiro Borges Baptista Barroso Shana Marie Amor Azevedo Collinge Sofia Dias Duarte Susana Domingos Gonçalves Thomas Alexandre Rodrigues Basílio

Tiago Mateus Silveira Lourenço Fonte Vasco Bento Moucho de Matos Diogo Vera Lúcia Cardoso Nunes VITÓRIAS E MENÇÔES HONROSAS João Carlos de Sousa Gonçalves Leandro dos Santos Francisco Manuel Filipe Redol Cotralha Dias Nuno Moreira Pires Madureira Miguel Paulo Brandão Vasconcelos Sofia Azevedo Rodrigo ENSINO SECUNDÁRIO MÉRITO ACADÉMICO Ana Catarina Fernandes Pereira Ana Catarina Jorge Pires Ana Filipa Costa Figueiredo Afonso Lopes Kuser Afonso Lopes Ribeiro Mendes Afonso Miguel de Melo Tomaz Diogo Velez Ana Helena Correia doa Santos Pinheiro Lopes Ana Manuela Ramalho Luzio Ana Maria Ferreira Gameiro André Filipe Graça Lopes Andreia Filipa Graça Mendes António Júlio Simões Lopes Ariana Gonçalves Marques Beatriz D’Almeida Abegão Miguel Silva Bernardo Mata da Silva Honrado Carla Sofia Marques Costa Carolina Sofia Freitas Duarte Céline Felicidade Freitas Cláudio Teixeira Santos Daniel Alves Carvalho David Miguel Carramão Leitão Diogo Filipe Mineiro Ferreira Diogo Miguel Rosa Pereira Francisco Jorge Costa Neves Guilherme de Melo Antunes Hélder Gonçalves Espírito Santo Cristóvão Henrique Raposo de Carvalho Inês Silva Santos Inês Sofia Lopes Santos Inês Sofia da Silva Melo

João Braz das Neves João Carlos Almeida Rodrigues Lopes João Francisco Ferreira Simões João Pedro Gonçalves Fialho de Morais João Pedro Marques Simões Jorge Alexandre Esteves Pires José Miguel Gonçalves Espírito Santo Cristóvão Laura Antunes Manteigas Leonardo Guilherme Ferreira da Cruz Leonor Bento Moucho de Matos Diogo Luísa Alexandra Teixeira Nunes Baptista Luna Fernandes Barreto Maria Francisca de Dias Rato e Gonçalves Maria Raquel Rebocho Calafate Mariana Vasconcelos Taxa Tenreiro Marques Miguel José Antunes Francisco Miriam Raquel Nunes Pereira Patrícia Alexandra Henriques Cândido Pedro Pinhão Antunes Rafael José Oliveira Honório Ricardo Manuel Esperança de Brito Ricardo Manuel Nunes da Costa Cabral Rodrigo da Cruz Silva Pina de Almeida Sofia Isabel de Lencastre Tuna Sofia Mourão Santos Soraia Alfaro Falcão da Fonseca Vanessa Marques Domingos Yasser Maged Montemor Abuhazima MÉRITO COMPORTAMENTAL José António Fernandes Ferreira VITÓRIAS E MENÇÕES HONROSAS Ana Catarina Azevedo Santos Ana Catarina Fernandes Pereira

Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria


8

|

EdiçãoNº8

À conversa com… O «Letras e Tretas» esteve à conversa com à conversa com Eduardo Mendes, professor no AENSM e um dos dinamizadores dos projetos «Máquina do Tempo» e «Festival de Estátuas Vivas». Mais que positiva ou negativa, hoje a mudança é imparável e corre cada vez mais rápida na direção de um novo mundo. O melhor é inventarmos caravelas e não ficar na praia, em críticas ou lamentos. L&T - Atualmente, devido à nossa situação socioeconómica somos diariamente ''atacados'' pelos media com notícias de cortes salariais, nos recursos materiais, greves... O que nos leva, a nós, comunidade escolar, a andarmos mais ''cinzentos''. Considera que estas medidas afetam a qualidade do ensino? EM - Será lógico e previsível que as restrições de meios e recursos, bem como a alteração de políticas, impostas ao ensino público tenham consequências sobre a sua Letras & Tretas - Quer fazer-nos uma breve biografia do qualidade. Esta situação é especialmente preocupante, na medida em que a escola pública é a única que garante professor Eduardo Mendes? Eduardo Mendes - Sou professor de História e Geografia o direito ao ensino em todo o território e a todos os estratos socioeconómicos. de Portugal, 2º Ciclo. Iniciei a carreira a lecionar em S. Miguel, Açores, no ano letivo 1986-87. Ensinei depois em diversas escolas do nosso distrito, até me tornar docente da Escola D. Nuno Álvares Pereira, em 2006-07.

Mais que positiva ou negativa, hoje a mudança é imparável… O melhor é inventarmos caravelas e não ficar na praia, em críticas ou lamentos.

L&T - Recorda os seus tempos enquanto aluno? O que mudou verdadeiramente desde então? EM - Muito mudou. Quando tinha a idade dos meus alunos não havia liberdade em Portugal. A polícia política perseguia os que tinham opinião diferente do único partido, o do Governo. A Censura proibia livros, filmes, músicas, controlava todas as notícias. A Escola refletia o Estado. A percentagem de analfabetismo atingia os 25%. O ensino obrigatório era até ao 4º ano, sendo o castigo físico muitas vezes usado como método disciplinar e “pedagógico”. Hoje a informação circula por novos canais, livre e rápida, onde os alunos "navegam" tão bem ou melhor que os seus mestres. Nunca a Escola teve um desafio assim, nem um campo tão rico para a partilha do conhecimento entre professores e alunos L&T - Sente que essa mudança foi positiva ou negativa? EM - Noutra época em que o mundo também andou depressa, durante os Descobrimentos portugueses, dizia Camões: “…Todo o mundo é composto de mudança, Tomando sempre novas qualidades…” Escola Secundária /3 Santa Maria do Olival

L&T - Além das duas funções enquanto professor da história do AENSM, é também coordenador do Projeto Máquina do Tempo. Que projeto é este? EM - A Máquina do Tempo é uma parceria pedagógica entre a Câmara de Tomar, o Convento de Cristo, o IPT e o AENSM, que faz a coordenação deste projeto. Iniciada em 2007-08, esta parceria desenvolveu atividades em três áreas: Eventos – Festival de Estátuas Vivas Websites - Tomar Terra Templária (História e Património), Memória Digital de Thomar (arquivo digital concelhio, c/ cerca de 5.000 documentos já disponíveis), Festival Estátuas Vivas de Tomar (divulgação/programação do evento) Recursos Educativos - guarda-roupa Sam Levy (50 fatos históricos); Laboratorium/Jardim d’Aromas (centro interpretativo de plantas aromáticas no castelo templário). L&T - Para terminar, o Projeto Máquina do Tempo está relacionado com o Festival de Estátuas Vivas, ao qual sei que está intimamente ligado. Quer-nos explicar esta relação? EM - O Festival de Estátuas Vivas, além da vertente pedagógica inicial, deu ao projeto uma forte dimensão turística e cultural, tornando-o numa


L etra s & Treta s | 9 Festival de Estátuas Vivas … referência regional e nacional. referência regional e nacional. Realizaram-se já 4 edições do evento, iniciado em 2010, cofinanciadas pelo QREN, no âmbito da Rota dos Mosteiros Portugueses Património da Humanidade. Com o fim deste apoio financeiro, o Festival 2014 irá iniciar numa nova fase da sua existência, tendo de comprovar a sua sustentabilidade, para garantir a continuidade e manter o nível de qualidade.

Desde a sua 1ª edição, o Festival tem como principais objetivos: - Reforçar o ensino lúdico da História local e de Portugal. - Fortalecer o sentido de cidadania e ligação à comunidade. - Desenvolver o intercâmbio geracional de aprendizagens. - Promover a dinamização turística e económica do concelho. Entrevista realizada por Manuel Faria, 11ºF

Apresentação do Livro “Ofício dos Pássaros” O Auditório da Biblioteca Municipal de Tomar foi palco, no dia 24 de outubro, da apresentação do último livro de poesia de Alberto Riogrande (no seu percurso de poeta já editou "A Lua no Teu Umbigo" em 2010), pseudónimo literário do professor José Sobral, num evento organizado pela Papelaria/Livraria Nova. O primeiro livro, A Lua no Teu Umbigo, foi n.1 no Top FNAC Poesia durante meses e esgotou duas vezes. Também esgotou nas Livrarias Bertrand. Depois de Lisboa, onde decorreu a cerimónia de lançamento, agora foi a vez de Tomar conhecer O Ofício dos Pássaros, cuja apresentação ficou a cargo de José Paulo Vasconcelos. Ana Lúcia, antiga aluna do professor Sobral, leu alguns dos poemas que compõem o livro e a Tuna Sabes Cantar dedicou ao poeta - colega e amigo - o momento musical. São de Maria João Cantinho, professora, poeta, ensaísta e doutorada em Filosofia, as palavras que se seguem. Não deixa de ser curioso o título do livro de Alberto Riogrande. (…) Que ofício é esse, o dos pássaros? O canto, dirão quase todos e, muitos, dirão que é o ofício de voar. O poeta transforma aqui o voo na metáfora do encontro amoroso. (…) Alberto Riogrande não é o seu nome real, mas sim pseudónimo, como ele próprio nos diz. Como me explicou uma vez o poeta, que nasceu numa quinta, entre as montanhas e à beira do Rio Mondego, o nome Riogrande designa esse rio cujo som se perde na sua memória, desde a infância, e com o qual sente essa identidade que se inscreve no nome. Uma identidade com o tempo antigo, o tempo das aldeias, onde o toque dos sinos é que marcava as horas, inscrevendo o ritmo da vida. E a sua poesia bebe dessa matriz milenar, visível certamente na intensidade dos elementos usados na sua poética: fogo, ar, água e terra.

Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria


10

|

EdiçãoNº8

BEM DORMIR PARA MELHOR APRENDER – UMA EVIDÊNCIA “A má qualidade de sono na infância e na adolescência está associada ao insucesso escolar e a dificuldades de equilíbrio emocional e de interação social.” Projeto Sono Escolas A Direção do Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria, consciente da importância de hábitos regulares de sono na promoção de uma aprendizagem escolar de sucesso, tem prestado todo o seu apoio a várias iniciativas levadas a cabo pelos seus professores bibliotecários, a coordenadora do PNL, e outros professores colaboradores, enquadradas nos projetos, de âmbito nacional, Sono Escolas e Dormir + para Ler Melhor. Assim, neste agrupamento, está já em fase de desenvolvimento o Projeto Bem Dormir para Melhor Aprender. Após a realização da palestra para todos os docentes, em julho passado, as Dr.ª Helena Rebelo Pinto e Teresa Rebelo Pinto, do Projeto Sono Escolas, deslocaram-se novamente a Tomar, na quinta-feira, 19 de setembro, para, por volta das 20:00 horas, no auditório da Biblioteca Municipal de Tomar, dinamizarem uma sessão de esclarecimento sobre a mesma temática mas que, desta vez, era dirigida aos pais e encarregados de educação. É de salientar que o Centro de Formação “Os Templários” tem, também, prestado uma ativa colaboração, na concretização das vindas destas personalidades a Tomar.

É de louvar a forma viva, contundente, clara e objetiva como a palestra foi dinamizada pela Dr.ª Teresa Rebelo Pinto e a Dr.ª Helena Rebelo Pinto, e a grande adesão por parte de pais e encarregados de educação, bem reveladora do interesse que o tema despertou.

Pais com nota máxima Correspondendo ao convite lançado pela Diretora do Agrupamento, Maria Celeste Sousa, Pais e Encarregados de Educação – sobretudo de alunos do pré-escolar e do 1º Ciclo –, mas, também, alguns professores e vários alunos, encheram por completo o auditório da Biblioteca Municipal. Os Pais e Encarregados de Educação do Agrupamento demonstraram, desse modo, a sua preocupação e o seu empenho na educação dos seus filhos, não hesitando em prescindir de algumas horas de descanso, após um dia de trabalho, para poderem estar presentes. Deve portanto ser realçada a atitude de todos quantos compareceram a esta sessão, em noturna hora. Não deram certamente o seu tempo por mal empregue, pela atenção que prestaram às informações fornecidas pelas palestrantes, pelas questões pertinentes que colocaram e pelos comentários feitos no final da palestra. Aposta ganha, portanto! Agradecemos, por fim, a entrevista gentilmente concedida pela Dr.ª Teresa Rebelo Pinto na qual esclareceu, de forma clara e objetiva, que dormir bem é essencial para uma vida saudável e, também, para propiciar uma aprendizagem de qualidade por parte das crianças e dos jovens em idade escolar.

A Diretora do Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria, Maria Celeste Sousa, dirigiu a sessão, e agradeceu a presença e a disponibilidade dos pais e encarregados de educação presentes. Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria


L etra s & Treta s | 11

Entrevista à Dr.ª Teresa Rebelo Pinto No intuito de partilhar alguma informação com os pais e encarregados de educação da comunidade, os alunos e todos quantos se interessam pelos assuntos relacionados com a educação e a saúde e que não tiveram a oportunidade de estar presentes nesta palestra, transcrevemos, de seguida, a entrevista concedida pela Dr.ª Teresa Rebelo Pinto, uma grande especialista nacional sobre a temática do sono. Detentora de um Mestrado integrado em Psicologia na área Educacional (ISPA-IU) e uma Pós-graduação em Ciências do Sono (FML), a Dr.ª Teresa Rebelo Pinto possui uma vasta experiência de avaliação psicológica e psicoterapia com adultos e jovens, com problemas relacionados sobretudo com ansiedade, depressão, stress e distúrbios de sono, mantém também uma forte ligação ao meio científico, com trabalhos publicados sobre saúde dos jovens, educação do sono e a importância do papel do psicólogo, e participa regularmente em reuniões científicas internacionais. Nesta entrevista, a Dr.ª Teresa Rebelo Pinto evoca os benefícios do sono nos jovens: para que leiam melhor, compreendam melhor e aumentem os seus níveis de literacia e de sucesso escolar e a importância da ação concertada de todos os agentes educativos, professores, pais e família, para que se alterem comportamentos e rotinas desadequadas, e hábitos de sono prejudiciais ao bem-estar individual, ao convívio social e à aprendizagem. _ Dr.ª Teresa Rebela Pinto, o que é o sono? Para que serve? O sono é uma função de sobrevivência, precisamos dele para nos mantermos despertos e para responder aos desafios do dia-a-dia. Passamos melhor sem comer do que sem dormir, mas infelizmente maltratamos muitas vezes o sono. As funções do sono são várias: a regulação da temperatura corporal, recuperação de energia e desintoxicação cerebral são as mais conhecidas. Mas é também durante o sono que crescemos e desenvolvemos o cérebro. Todas as funções do sono são cumpridas exclusivamente neste estado, o que nos diz que dormir é insubstituível.

_Há quem durma pouco, muito, quem se preocupe com o sono e quem desvalorize as horas de sono. Quantas horas, em média, devemos dormir? O que é dormir bem? O número de horas que cada pessoa deve dormir deve ser determinado individualmente, observando qual a duração de sono que lhe permite sentir-se e funcionar bem no dia seguinte. Claro que há linhas orientadoras, como por exemplo as crianças dormem mais que os adultos e estes mais que os idosos. As médias apenas nos revelam que a maioria das pessoas precisa de 7 a 8 horas de sono para se sentir bem. Mas pode haver quem precise de 9 ou quem se sinta bem ao fim de 6 horas, e isso deve ser respeitado. As medidas de qualidade do sono focam-se na forma como se dorme e eventuais sintomas diurnos. Se acordamos bem-dispostos, sentimos que o sono é reparador e andamos bem durante o dia, então dor-

mimos bem. A perceção sobre o sono interessa muito para a sua qualidade.

_ Os alunos portugueses dormem um número de horas adequadas, comparativamente com os estudantes de outros países? Em Portugal temos muito maus hábitos de sono. As horas de deitar são muito tardias desde pequenos, o que provoca grandes privações de sono nos jovens portugueses. Investigações internacionais têm revelado que o sono vai piorando pela adolescência fora e Portugal não escapa à regra: à medida que crescem, os nossos alunos dormem cada vez menos, adotando padrões progressivamente mais irregulares e aumentando os riscos da privação de sono. Num estudo nacional, verificámos que 64.7% dos alunos entre o 7.º e o 12.º ano dormem menos de 8h por noite, nos dias de semana!

_Quais as principais funções do sono na criança em idade escolar? Para as crianças em idade escolar, o sono é fundamental para garantir a aprendizagem, segurança, vida familiar e saúde equilibrada. O sono constitui-se como um dos principais marcos de desenvolvimento das crianças.

Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria


12

|

EdiçãoNº8

_Quais são os principais benefícios do sono para crianças e jovens? As crianças que dormem bem são mais alegres, relacionam-se mais facilmente com os outros, aprendem melhor, ficam menos vezes doentes e são mais criativas. Além disso, têm menos risco de desenvolver a longo prazo doenças crónicas graves, como diabetes, hipertensão, obesidade, depressão ou insónia.

_ Os pais compareceram em grande número a esta palestra. Por que é que se reveste de tão grande importância a colaboração das famílias com a escola, na promoção de bons hábitos de sono? O sono é muito pessoal, mas é também um assunto familiar e escolar, pois a sua importância diz respeito a todos e só com uma postura abrangente se consegue trabalhar na Educação do Sono. A escola tem a oportunidade ideal para gerar aprendizagens sobre este tema e o Projeto Sono Escolas incentiva a criatividade, aliás também ela relacionada com o Sono. Por outro lado, os pais ocupam um papel central na

melhoria dos hábitos de sono dos nossos alunos, quer pelo seu poder na organização da vida familiar, quer pela necessidade de se constituírem eles próprios como exemplo a seguir.

_Que recomendações pode fazer aos pais, para criarem, em casa, um ambiente propício ao descanso, um ambiente que “chame o sono”? Para incentivar a qualidade do sono, recomendo que sigam as pistas do Projeto Sono Escolas: Durmam o suficiente. Tenham horários de sono regulares (incluindo no fimde-semana). Durmam cada um no seu lugar. Tenham um dia a dia equilibrado. Criem rotinas de final de dia compatíveis com o sono. Tenham uma alimentação cuidada e regular. Procurem saber coisas sobre o sono (cientificas!). Gostem de dormir. Estejam atentos a eventuais perturbações do sono (e peçam ajuda a um especialista).

Teresa Rebelo Pinto é psicóloga, licenciada e mestre em Psicologia Educacional pelo Instituto Superior de Psicologia Aplicada e pós-graduada em Ciências do Sono pela Faculdade de Medicina de Lisboa. Integra a equipa de Educação e Terapêutica do Sono do CENC, com atividades de consulta de crianças e adolescentes. Participa ativamente no Projeto Sono Escolas, quer na disseminação junto de instituições de diversos níveis de escolaridade, quer na produção de materiais e científicos e pedagógicos, quer na formação de professores e técnicos. Helena Rebelo Pinto é psicóloga, licenciada e doutorada pela Faculdade de Psicologia da Universidade de Lisboa. Especialista em Psicologia da Educação, foi pioneira em Portugal da abordagem educativa do sono e do tratamento psicológico da insónia. É atualmente Professora Catedrática Convidada da Universidade Católica Portuguesa. Participa ativamente no Projeto Sono Escolas na produção de materiais científicos e pedagógicos para as ações a implementar e na formação de professores e técnicos envolvidos nessas ações.

Sobre o sono, os seus mecanismos, a sua importância e os seus benefícios, recomendam-se estas interessantíssimas obras. Para saber mais sobre o SONO Projeto Sono Escolas: http://sonoescolas.com Associação Portuguesa do Sono: http://www.apsono.com Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria


L etra s & Treta s | 13

MUNDIALMENTE AMIGOS Tornam a nossa vida mais divertida. Preenchem solidões. Mexem com as nossas emoções. Amigos, companheiros... animais, sim, mas nossos amigos quotidianos. Há que respeitá-los, protegê-los e, sobretudo, acarinhá-los! No dia 4 de outubro, Dia Mundial dos Animais, poder dedicar uns momentos de reflexão às condições de vida de todos os animais, não somente os que têm a sorte de terem donos atenciosos, mas sobretudo os que são vítimas do descuido, da brutalidade, da ganância do ser humano: animais perseguidos, explorados, maltratados; espécies desaparecidas por ação impiedosa do homem, outras em vias de extinção pondo em causa uma das grandes riquezas do planeta, a sua incrível BIODIVERSIDADE. São as ações humanas contra o bem-estar e contra a vida dos animais que justificam a existência de Associações de Proteção dos Animais, tais como: a criação de reservas naturais, a fim de assegurar a sobrevivência de muitas espécies, e o empenho de associações ecologistas a nível mundial, entre as quais podemos destacar a WWF, a Greenpeace, a fundação Nicolas Hulot e, a nível nacional, a Quercus. Como em muitas outras situações da vida, muito temos a aprender com as crianças. A maioria delas sente uma empatia imediata com os animais, que dá gosto apreciar, pela atração e pelo carinho que em relação a eles manifestam. Não poderiam, por isso, educadores, professores e professores bibliotecários do agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria ignorar essa efeméride. Ao longo do dia 4 de outubro realizaram-se várias atividades relacionadas com os animais, entre as quais uma sessão de leitura para os pequeninos do Jardim de Infância, efetuada pela professora bibliotecária da EB1 Raúl Lopes. Nessas sessões, os animais ganharam novos amigos.

Atentos, meninas e meninos ouviram histórias pondo em cena simpáticos e divertidos animais, na Biblioteca da EB1 Raúl Lopes.

Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria


14

|

EdiçãoNº8

TALK TO ME! PARLE-MOI! ¡HÁBLAME! PARLAMI! FALA-ME ! Uma das palavras-chave do séc. XXI é, sem dúvida, a palavra comunicar. Vivemos na sociedade da informação, que é a sociedade da partilha, da colaboração, da exposição. Neste mundo interligado e interdependente, dominar várias línguas é uma incontestável mais-valia. Se, de facto, o mundo é uma aldeia, as línguas da nossa aldeia não nos devem ser estranhas. Por isso, neste mundo tão exigente e competitivo, o multilinguismo é um trunfo para a vida. Promovido todos os anos pelo Conselho Europeu, o Dia Europeu das Línguas é celebrado a 26 de setembro, com a realização de uma série de atividades em toda a Europa: iniciativas diversas dirigidas às crianças, programas de rádio e televisão, aulas de línguas, conferências, etc..., tendo como principais objetivos: Þ Consciencializar as pessoas para a riqueza da diversidade linguística da Europa, que deve ser mantida; Þ Alertar para a necessidade de diversificar o leque de línguas aprendidas, a fim de promover o multilinguismo; Þ Alertar para a importância de cada cidadão europeu dominar, pelo menos, duas línguas estrangeiras. As Bibliotecas Escolares do agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria não podiam deixar de assinalar esta efeméride, celebrando com exposições e concursos, a variedade linguística europeia – são cerca de 225, as línguas faladas na Europa – e as vantagens do multilinguismo. Para todos os que se interessam por assuntos relacionados com as línguas, aconselha-se vivamente uma visita ao site do DIA EUROPEU DAS LÍNGUAS: http://edl.ecml.at. Thank you, merci, gracias, grazie, obrigado!

A Escola fez anos

No dia 25 de outubro festejaram-se os 42 anos da ESSMO! No intervalo das 10h, com todos reunidos na sala polivalente, cantaram-se os parabéns e provou-se o bolo. Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria


L etra s & Treta s | 15

DÁ-ME MÚSICA! “Não consigo escrever poesia: não sou poeta. Não consigo dispor as palavras com tal arte que elas reflitam as sombras e a luz: não sou pintor… Mas consigo fazer tudo isso com a música…” Wolfgang Amadeus Mozart No Dia 1 de Outubro, a música, os músicos e os melómanos em geral, estiveram em festa! Com efeito, nesse dia, celebrou-se o Dia Mundial da Música. Criado em 1975 por Lorde Yehudi Menuhin, então Presidente do Conselho Internacional da Música, este dia visa

aprofundar a reflexão sobre o papel da música. Para Lorde Menuhin, o Dia Internacional da Música “constitui um cumprimento das nossas atividades e torne-se um acontecimento que visa enriquecer o conhecimento da nossa arte tanto quanto a reforçar as relações de paz e de amizade que unem os povos graças à música”. As professoras de Educação Musical da Escola Básica 2,3 D. Nuno Álvares Pereira celebraram condignamente esta efeméride, promovendo várias atividades, entre as quais uma visita à Biblioteca Escolar. Contribuíram, assim, para espalhar, com alegria, os valores da paz e da amizade entre os povos, através da linguagem universal que é a música. Obrigado aos alunos e às professoras que nos brindaram com um belo momento musical!

No dia 1 de outubro, palavras e sons juntaram-se na Biblioteca. Unidos pela música, alunos e professoras de Educação Musical vieram à Biblioteca celebrar com alegria um dia carregado de sentido.

O fim da guerra e da pobreza mundial Os políticos do mundo inteiro resolveram esta tristeza. A tristeza que estamos a sofrer é a guerra, o ódio e a pobreza. Os políticos do mundo inteiro planearam acabar com a guerra e com o ódio para que só exista paz. Os políticos vão fazer com que a guerra e o ódio não exista, que não passem de lendas e fantasias, como nos livros de super-heróis e nas televisões como nas novelas e nos vídeo-jogos. Os políticos do mundo inteiro vão substituir as moedas pelo peso das pedras, pelas conchas, pelos búzios, por ramos e folhas que há no chão. Assim, os políticos já resolveram esta tristeza. As pessoas respeitam-se umas às outras e há regras de comportamento que todos respeitam. O mundo será muito mais feliz. Afonso Gomes Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria


16

|

EdiçãoNº8

16 de outubro - DIA MUNDIAL DA ALIMENTAÇÃO APRENDER A BEM COMER Porque se torna cada vez mais imprescindível ensinar aos mais jovens princípios básicos de uma alimentação saudável e equilibrada, no dia 16 de outubro, em várias escolas do Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria, nomeadamente nas do 1º Ciclo, realizaram-se várias atividades em que os alimentos foram o alvo das atenções. Esta comemoração, que teve início em 1981, é na atualidade, celebrada em mais de 150 países como um importante dia para consciencializar a opinião pública sobre questões da nutrição e alimentação. Esta data assinala também a fundação de uma Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura: a FAO. Para além dos livros, das histórias, dos jogos, dos PowerPoints, e de muita informação, na EB1 de Santo António não faltou mesmo um lanchinho equilibrado e saboroso: uma deliciosa gelatina enriquecida com pedacinhos de fruta, feita especialmente para comemorar este dia. E não esqueça: se quer ter uma vida sã, respeite a roda dos alimentos, faça uma alimentação equilibrada e o mais natural possível.

Se seguir as recomendações da Roda dos Alimentos, a sua saúde correrá mais facilmente sobre rodas.

As Brincadeiras na Feira de Santa Iria Dia 19 de outubro começou a feira - Feira de Sta. Iria. Este ano a feira está muito fraca, não está lá a roda gigante, a casa dos espelhos … Todos preguntam porque é que estão poucas brincadeiras na feira, eu sei porquê. Porque os feirantes ficaram fartos de estar só sentados, sem fazer nada, porque não tinham clientes. Boas notícias. Este ano quem for à feira faz muito bem, podem não estar lá as brincadeiras mais fixes mas, não fiquem em casa, vão e divirtam-se. Bem, eu fui com a minha família. Foi só brincar. Espero que ninguém fique em casa, vão à feira e divirtam-se. Kika Almeida

Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria


L etra s & Treta s | 17

A ALEGRIA DE CONTAR A FELICIDADE DE SONHAR A evocação da Lenda de Santa Iria que, para sempre, une as cidades de Tomar e de Santarém não só pelas águas dos rios, mas pela memória do sangue da bela Iria injustamente vertido, serviu de pretexto para mais uma viagem proporcionada a 6 turmas de alunos dos 1º, 3º e 4º Anos da Escola EB 1 /JI Raúl Lopes pelo mundo da fantasia, pelo grupo “Os Birrentos”. O grupo “Os Birrentos” é atualmente constituído pelo professor Arlindo Marques e pelo professor bibliotecário Hugo Vaz da Escola Básica 2,3 D. Nuno Álvares Pereira, e conta, ainda, com a colaboração pontual do alguns professores e membros da Equipa da Biblioteca da Escola EB 2,3 D. Nuno Álvares Pereira. Criado há já quatro anos, o grupo tem como finalidade a realização, quer para a comunidade educativa do atual Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria, quer para a comunidade envolvente, de espetáculos culturais. Nos dois últimos anos, no âmbito do projeto “Bibliotecas Amigas”, um projeto de parceria com outras bibliotecas escolares, o grupo tem sido convidado a efetuar representações em vários locais do país, e tem também participado em ações de solidariedade.

No dia 17 de outubro, em duas sessões mágicas realizadas no Auditório da Escola Básica 2,3 D. Nuno Álvares, uma da parte da manhã e outra da parte da tarde, os alunos reviveram a milenar lenda de Santa Iria. Sendo o apoio à abordagem dos textos de Educação Literária constando das recentes Metas Curriculares de Português uma preocupação do grupo “Os Birrentos”, foram também apresentados, com elevado grau de aceitação e participação dos alunos, alguns dos textos de Educação Literária para o 1º Ciclo, tais como Tudo ao contrário de Luísa Ducla Soares, Ou Isto ou Aquilo de Cecília Meireles e O Gigante Egoísta de Oscar Wilde.

Soberba e contagiante interpretação do professor Arlindo Marques, no papel do Gigante Egoísta

Atenção, concentração, risos, emoção… as histórias fizeram vaguear a imaginação das crianças

O trabalho do grupo tem incidido, em especial, na divulgação de textos literários, preferencialmente de autores portugueses declamados, dramatizados ou musicados. Paralelamente, “Os Birrentos” têm também vindo a elaborar textos originais, especialmente pensados para alunos de diferentes níveis etários.

Uma vez mais, as “birras” literárias ditas, cantadas, declamadas, lidas ou dramatizadas foram-se sucedendo, apanhando de surpresa os alunos e despertando sorrisos e um atento entusiasmo. “Os Birrentos” renderam-se à energia positiva e a alegria emanadas dos jovens que, no final da cada sessão, os brindaram de maneira efusiva. Eles provaram-nos, uma vez mais, que a aposta na qualidade, na inteligência e no humor são um eficaz caminho para ter acesso aos textos dos melhores autores e espalhar o gosto pela leitura e pelos livros.

Cada sessão de apresentação de Histórias requer muitas horas de preparação e alguma imaginação por parte dos “Birrentos”. Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria


18

|

EdiçãoNº8

«Back to School» A Europa na Escola A Representação da Comissão Europeia em Portugal está a organizar, com a colaboração Direção-Geral da Educação, mais uma edição do Evento Back to School. Esta iniciativa tem por objetivo convidar funcionários portugueses das instituições europeias a visitar as suas antigas escolas, contribuindo para a divulgação da cultura, das oportunidades e das especificidades do trabalho na Europa e está integrada nas atividades em torno do Ano Europeu dos Cidadãos.

Carlos Morais Pires trabalha na Comissão Europeia desde 1998. É Chefe do Sector de “Infraestruturas de Dados Científicos”. Possui um Mestrado (1991) e um Doutoramento (1996) em Engenharia Eletrotécnica, pelo Instituto Superior Técnico. Em 1991 recebeu do governo português o Prémio Investigador Jovem (Prémio Nacional Boa Esperança) pelo seu trabalho “Técnicas para Codificação de Fotografia Digital a Cores”. Entre 1991 e 1995 trabalhou nos laboratórios de pesquisa da Telecom Itália em Turim, no desenvolvimento do primeiro descodificador digital de televisão europeu, inserido no programa EUREKA VADIS. Este trabalho permitiu-lhe publicar mais de 35 artigos científicos. Antes de entrar para a Comissão Europeia foi docente de redes de computação e processamento de sinais na Universidade de Lisboa (ISCTE). Desde que em 1998 entrou para a Comissão Europeia tem contribuído activamente na implementação de programas-quadro europeus de investigação e desenvolvimento e na transposição de resultados de pesquisa para políticas e actividades de regulação. Carlos Morais Pires participa em muitas conferências científicas a nível mundial na área de infraestruturas de investigação.

Neste sentido, a Escola Secundária Santa Maria do Olival recebeu, no passado dia 28 de outubro, o Professor Doutor Carlos Morais Pires, da Comissão Europeia, que, apesar de não ser antigo aluno, tem laços com a região. Foram dinamizadas duas sessões de 90 minutos, no auditório da Biblioteca Municipal, com alunos entre os 15 e os 18 anos, subordinadas ao tema «Cidadania na Era da Internet». Através de um discurso coloquial, conversou com uma plateia atenta, começando por apresentar a União Europeia (UE) e respetivas instituições. Chamou a atenção para o facto de não ser certo que a UE seja o nosso destino, cabendo aos jovens o importante papel de perceber os mecanismos a que podem ou não ter acesso de modo a serem parte integrante e ativa neste projeto. Devem, por isso, construir a sua cidadania europeia, com a consciência de que o centro da UE é cada metro quadrado, seja em Tomar ou em qualquer outro ponto da Europa, numa interação ainda mais facilitada pelas redes de comunicação. Houve ainda oportunidade de conversar com professores, no sentido de alertar para os mecanismos existentes que permitem intercâmbios entre escolas, com vista a uma construção europeia mais participada.

Centro de Radiologia de Tomar, S.A. Rua António Joaquim Araújo, 40 2300-555 Tomar Tel.: 249 329 020 Fax: 249 329 029

Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria


L etra s & Treta s | 19

Prevenção da Violência no Namoro O Projeto Afetos + de Santarém (promovido pelo Núcleo Distrital de Santarém da EAPN / Portugal - Rede Europeia Anti-Pobreza e cofinanciado pelo POPH/QREN na medida 7.7 na Prevenção da Violência de Género) dinamizou, no âmbito da Promoção das Relações Interpessoais Saudáveis, sessões de sensibilização sobre Prevenção da Violência no Namoro, no dia 30 de Outubro, na Escola Secundária Santa Maria do Olival. Estas atividades visaram o treino de competências sociais e pessoais nos alunos do ensino secundário no âmbito das relações interpessoais de modo a capacitá-los para a resolução positiva de conflitos no contexto escolar. «O dom da vida e do amor são os mais importantes», foi a frase que a plateia, composta por alunos do 10º ano, ouviu, na apresentação do tema da sessão «Violência no namoro». Como é que uma relação pode resultar? Todos nós somos príncipes e sapos ou princesas e bruxas, ou seja, todos nós temos duas “faces”, e, para o namoro resultar, temos de aprender a lidar com cada uma dessas faces. A arte de construir uma bela história de amor é aprender a amar sem se perder aquele que recebe amor mas não dá amor, é arrogante – e, nesta aprendizagem, só cada um se pode proteger a si mesmo. Como se deve agir perante situações de violência? Em qualquer ato de violência é importante manter a distância de segurança ou de conforto, como se estivéssemos numa «bola de privacidade». Amor e romance: o romance constrói-se com o saber amar. E neste saber, o respeito tem de sobrepor-se à violência.

Uma relação é frágil e é preciso confiar. A relação tem duas pontas, uma de cada pessoa, e cada um é responsável pela sua.

Texto de Catarina Trezentos e Sónia Mendes, 10ºC Fotos de Paulo Vasconcelos, 10º C

Georgette Lima e Leonor Ferreira, dinamizadoras da ação Aspeto da assistência

Para uma relação funcionar é preciso dar e receber, pedir e recusar, perdoar. Sem isto, a relação torna-se frágil e dura pouco tempo. Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria


20

|

EdiçãoNº8

Biodiversidade - 10ª edição

A Escola Secundária Santa Maria do Olival, sob a orientação do Professor Doutor Jorge Paiva, levou a efeito mais uma edição da atividade BIODIVERSIDADE. O que, em 2003, parecia ser “apenas” um jantar temático (lusitano), com muita castanha, precedido de uma palestra sobre biodiversidade, proferida pelo Professor Doutor Jorge Paiva, afinal vai já na sua 10ª edição. No dia 15 de novembro, 6ª feira, tivemos a oportunidade de, mais uma vez, ouvir as palavras cativantes do Professor de Botânica, seguidas de um jantar lusitano.

Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria

Com a biodiversidade como desculpa, sob o título da “Biogeografia da cor” pudemos constatar que “na Natureza nada é aleatório. Tudo o que nela existe resultou de milhões de anos de evolução. Os seres vivos não evoluíram independentemente, mas integrados nos respetivos ecossistemas.” O que é que pode explicar o facto de, nem no tempo dos lusitanos, nem nos atuais, em Portugal, as flores das nossas plantas nativas não serem vermelhas, embora algumas dessas mesmas plantas autóctones já apresentem frutos vermelhos? E por que razão as flores de uma das plantas nativas mais emblemática de S. Tomé e Príncipe, a Florcamarão (Impatiens buccinalis), é tão exuberantemente vermelha que, na sua última expedição à maior ilha do arquipélago, quando o Professor, “à beira de um caminho mais largo, coberto de folhas, junto a um pequeno fio de água que corre montanha abaixo”, a vislumbra, o momento entusiasma visivelmente o experiente botânico que o leva a exclamar: "Aqui, olha! Que maravilha, e em flor!"? Foi sobre estes e muitos outros casos de coloração de plantas e animais que incidiu a palestra deste ano. Voltámos a aplaudir este homem que, com os seus 80 anos, continua a ter na natureza o seu refúgio e não se cansa de percorrer o mundo para observar in loco o que, ali, exatamente ali, a natureza tem para lhe oferecer. Palestra sobre a «Biogeografia da Cor», no Auditório da Biblioteca Municipal, pelo Professor Doutor Jorge Paiva.


L etra s & Treta s | 21

Jantar Lusitano Este jantar, mais uma vez surpreendentemente agradável e delicioso, voltou a recordar a Lusitânia, através dos produtos alimentares que constituiram a ementa. Desta fizeram parte os produtos vegetais da flora autóctone portuguesa (castanhas e bolotas) e as carnes que, no passado, eram o prato central das refeições dos lusitanos (coelho, javali, pato bravo, porco bísaro e veado). Para além da “sopa de castanhas” e “creme de chícharos com agriões”, não pode faltar a ímpar “Salada Professor Doutor Jorge Paiva”, confecionada com 12 espécies de plantas Atuação da “Tuna Sabes Cantar”, dirigida nativas de Portugal. pelo seu maestro, professor José Morgado. A refeição foi ainda adoçada pelos pudins de castanhas e de maçã, requeijão e doce de mirtilhos, medronhos, e acompanhada por cidra e licores diversos. A “Tuna Sabes Cantar”, dirigida pelo seu maestro, professor José Morgado, proporcionou melodiosos momentos com as canções interpretadas e enriqueceram ainda mais esta noite, os alunos de Expressão Dramática, do 8ºano, que, com a direção artística da professora Ana de Carvalho e a direção plástica do professor José Morgado, participaram na animação em homenagem ao Professor Doutor Jorge Paiva e à 10º edição da Biodiversidade. Com a vontade de continuar esta iniciativa, ficamos a aguardar pela 11ª Edição da Biodiversidade!

A ementa, contituída por produtos alimentares que recordaram a Lusitânia, fez as delícias dos comensais.

Homenagem ao Professor Doutor Jorge Paiva e à 10º edição da Biodiversidade, pelos alunos de Expressão Dramática, do 8ºano, com a direção artística da professora Ana de Carvalho e a direção plástica do professor José Morgado. Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria


22

|

EdiçãoNº8

O Testemunho de quem homenageou Guilherme Silva, 8º H – Tudo começou com a pergunta «O que é que vamos fazer na noite do jantar Lusitano?» A partir daí as nossas cabeças começaram a funcionar como aqueles comboios antigos, a vapor, que transportavam sonhos, pensamentos, arte…

Maria Valente, 8º F – Escolhemos a cor negra pois é uma cor neutra que serviu para chamar a atenção para as plantas que levávamos na cabeça. Demorámos dois meses a ensaiar para este espetáculo.

Sofia Silva, 8º G – Nos bastidores correu tudo bem, vestimo-nos, penteámo-nos, depois fomos ensaiar e voltámos para a sala.

Marta Silva, 8º G – Achei interessante a ideia de alguns de nós serem plantas.

Liliana Matos, 8º G – As meninas foram-se vestir para a sala C4. Quando já estávamos vestidas, enfeitámos a cabeça com flores. De seguida veio um professor tirar fotografias.

Eva Castro, 8º H A parte mais interessante foi a montagem dos blocos e a iluminação da cara do professor Jorge Paiva.

Diogo Leitão, 8º G – Gostei de participar, pois foi fantástico colaborar com os meus colegas e também se iniciou a nossa vida de pequenos atores.

Maria Beatriz Almeida, 8º F – Fazer uma atuação perante uma grande audiência causou, penso que a todos, uma grande pressão e nervos. Mas mesmo com isto, se me convidarem a participar numa experiência semelhante a esta, participarei sem hesitar.

Ana Margarida, 8º F – Uma grande homenagem a um grande senhor!

Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria


L etra s & Treta s | 23

SABOROSAS TRADIÇÕES DE OUTONO Se é tradição, é para manter. Um pouco por todas as escolas do agrupamento, o outono tem deixado um cheirinho a canela, abóbora, mel e erva-doce, à mistura com muitos sorrisos, histórias e mostras de grande habilidade. Foi assim, por exemplo, no Jardim-de-Infância da EB1 Raúl Lopes e nas Escolas da Pedreira, onde as professoras e a educadora organizaram uma feirinha com ajuda das assistentes operacionais e de algumas mães. Todos os familiares dos pequenos anfitriões puderam comprar frutos secos, fruta da época, diversos produtos hortícolas, bolos variados, e na EB 1 e Jardim-de-Infância da Pedreira, também pipocas….e até panquecas feitas na hora!

Na Escola Básica do 1º Ciclo e do Jardim-deInfância da Serra de Cima, por seu turno, para além de se ter confecionado a já tradicional marmelada e doce de abóbora, tão apetecíveis neste outono, e que a todos deliciou, as crianças presentearam também as suas famílias com um frasquinho destes doces. Depois, ao ar livre, ajudados pelo São Pedro, pintaram lindas e coloridas lagartinhas comilonas, após o visionamento da respetiva história, num trabalho de permanente cooperação entre Escola e Jardim-de-Infância!

Já na EB 1 de Santo António, após uma lição de culinária onde os mais novos aprenderam também a origem e características dos alimentos, todos puseram a mão na massa para moldar deliciosos bolinhos que a todos encantou. E os pais também gostaram!

Como não podia deixar de ser, também as Bibliotecas Escolares se associaram às festividades de Todos-os-Santos e ao imaginário fantástico da festa de Halloween. Não faltaram exposições, apresentações em Powerpoint, histórias com bruxinhas terríveis, abóboras iluminadas, morcegos assustadores, jogos e desenhos alusivos ao tema, e até uns docinhos, nas bibliotecas do 1º Ciclo, que souberam a pouco. Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria


24

|

EdiçãoNº8

Confeção dos bolinhos no Centro de Formação

pegar) e moldámos os bolinhos. Colocámos os bolinhos num tabuleiro, pincelámos com gema de ovo, enfeitámos alguns com frutos secos. De seguida foram colocados no forno, para cozer. No final deram-nos um saquinho com bolinhos e ainda trouxemos alguns para serem repartidos, no Dia do Bolinho, por todos os alunos da escola. Enquanto o grupo do segundo ano fazia os bolinhos fomos ao cabeleireiro e fizemos belos penteados: as meninas tranças e totós, os rapazes cristas e poupas.

Na quinta-feira, dia trinta e um de outubro, fomos ao Centro de Formação Profissional fazer “os bolinhos”. A nossa turma, em conjunto com uma turma de primeiro ano e duas de segundo, saíram da escola a seguir ao almoço, a pé. Já no Centro de Formação fomos ao setor da padaria/pastelaria para confecionar “os bolinhos”. Pusemos um avental, lavámos muito bem as mãos e vimos a receita. A massa já estava feita, polvilhámos as mãos com farinha (para a massa não

Quando estávamos despachados, regressámos à escola. Foi uma tarde fantástica! EB1 Raúl Lopes - Tomar 3.º ano – Turma G

ALUNOS DA EB 1 RAÚL LOPES PARTICIPARAM EM “WORKSHOPS” Na quinta-feira, 31 de outubro, fomos ao Centro de Formação Profissional, da parte da tarde. Fizemos bolinhos com a ajuda dos alunos do Centro. Tivemos que pôr farinha nas mãos para a massa não se agarrar aos dedos. Depois os tabuleiros foram para o forno. De seguida fomos para o cabeleireiro. As alunas fizeram tranças às meninas e puseram gel no cabelo dos meninos. Quando voltámos para a escola levámos um saquinho de bolinhos quentinhos. Lara Neves, 2.º D Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria


L etra s & Treta s | 25

Tradições na Escola E. B. 1 Cem Soldos A Lenda de S. Iria e o dia de Todos os Santos Somos os alunos, da Escola E.B.1 de Cem Soldos da turma M-BC2. Resolvemos comemorar algumas datas importantes: Lenda de Santa Iria e o dia de Todos os Santos. Estávamos nós a trabalhar em Estudo do Meio: o passado do meio local e as fontes primárias, quando a professora nos pediu para sermos as suas fontes primárias, em relação à Lenda de Santa Iria. Todos fizeram um texto, mas houve uma colega nossa, a Matilde, que em vez disso, quis fazer um teatro utilizando fatos e adereços. Quando o teatro ia começar deram flores a todos os presentes, para no final, serem atiradas à Leonor que fazia de Santa Iria. Todos gostaram do teatro e as professoras, que são novas na escola, ficaram a conhecer, de uma maneira diferente, uma das nossas lendas. Fomos uma boa fonte primária! Este ano, pela primeira vez, não foi feriado no dia 1 de novembro, mas nem por isso o nosso dia foi pior, porque comemorámos o dia de Todos os Santos de maneira especial. Nesse dia, fizemos broinhas de mel, na escola. A D. Beatriz Antunes emprestou-nos o seu forno, os pais contribuíram com os ingredientes e nós com o nosso trabalho. Isso é que foi amassar! Depois do almoço, as broas ficaram prontas e a professora deixou-nos comer uma, porque ainda estavam quentinhas. Ainda durante a manhã fomos visitados pelas crianças do pré-escolar que também nos trouxeram as suas broas. Estas eram tão boas como as nossas, embora a receita fosse diferente. Foi um dia muito divertido, à exceção das dores de barriga, que alguns meninos abusadores tiveram no dia seguinte! A turma M_BC2 de Cem Soldos

Concurso de Trabalhos Escolares alusivos à Feira de Santa Iria / Feira das Passas Trabalho classificado em 1º lugar no 2º escalão (3º ciclo) - trabalho tridimensional coletivo, do Concurso promovido pela Câmara Municipal de Tomar, de "trabalhos escolares" alusivos à Feira de Santa Iria / Feira das Passas 2013 Foi elaborado pelos alunos nº 1 - Afonso Lourenço e nº 20 - Xavier Cunha, do 7º G, tendo a orientação do professor responsável - José Morgado O valor do prémio foi de 125 €. Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria


26

|

EdiçãoNº8

SANTO ANTÓNIO E RAÚL LOPES FESTEJAM O SÃO MARTINHO Um dos exemplos mais fortes de solidariedade e de altruísmo é-nos oferecido pela magnífica Lenda de São Martinho. Tudo acontece num dia de violenta tempestade, quando Martinho, um soldado romano, está de regresso a casa e divide a sua capa com um mendigo que treme de frio. Ao fazê-lo, a natureza, aprovando a ação humana, afasta a tempestade e, então, imperial, o sol brilha quente e sorridente num límpido céu azul, em pleno mês de novembro. No manhã do dia 11 de novembro, no auditório da Escola Básica 2,3 D. Nuno Álvares Pereira, graças ao grupo Os Birrentos, os alunos da Escola EB 1 Santo António puderam reviver a fantástica lenda, de São Martinho, bem como outras histórias e textos de leitura recomendados no âmbito das Metas Curriculares de Português para o 1º Ciclo. E nesse dia, como todos os anos, houve sol e calor para relembrar o gesto extraordinário de Matinho, o soldado romano, que, há centenas de anos, dividiu a sua capa com um mendigo. À tarde, não faltaram as castanhas assadas, e até uma feirinha organizada pela associação de pais da Escola EB1 Santo António. Já os alunos da EB1 Raúl Lopes e os pequeninos do Jardim-de-Infância puderam assistir à dramatização de peça “ A Maria Castanha”, por alunos do terceiro ano, ensaiados pela professora Sofia Shirley, participando também eles cantando canções alusivas às saborosas castanhas.

“SABORES DE OUTONO” E “MARIA CASTANHA” no J.I. e EB1 RAÚL LOPES Como já vem sendo habitual, também neste ano, no dia 31 de outubro, o Jardim de Infância da Raúl Lopes primou-nos, com primorosos “Sabores de outono”, uma feirinha bem animada e colorida pelos bonitos trajes e sorrisos dos mais pequeninos. Esta atividade teve como objetivos preservar as tradições e fomentar a relação J.I / família/ comunidade educativa, e contou com a especial contribuição dos pais / encarregados de educação e toda a comunidade. Mais uma vez, todos estão de parabéns! Já no dia 11 de novembro do presente ano letivo, realizou-se, na escola EB1 Raúl Lopes, uma atividade dinamizada pela professora Sofia Shirley, com o apoio da professora Paula Vaz e da coordenadora do Jardim de Infância, Zélia Matos.

Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria


L etra s & Treta s | 27 Salientou-se, nesta atividade, a realização de um teatro musical, alusivo ao dia de São Martinho, com o tema “Maria Castanha”, encenado pela professora Sofia e representado por algumas crianças da Escola EB 1 Raúl Lopes. A esta representação assistiram todas as crianças do Jardim de Infância e da EB1 acima referida. De salientar ainda a preciosa colaboração da assistente operacional D. Carminda na elaboração do fantástico cenário que a todos encantou. Para finalizar uma manhã bem animada, crianças, professores e assistentes operacionais partilharam um magusto no pátio do Jardim de Infância.

1º Prémio do Concurso de Curtas-Metragens Biblioteca José Cardoso Pires – Vila de Rei O aluno Pedro Joaquim, nº 12, do 12ºD do curso de Artes, ganhou o 1º Prémio do Concurso de Curtas-Metragens promovido pela Biblioteca José Cardoso Pires, de Vila de Rei. Como o tema a concurso era Vila de Rei, o Pedro recolheu na própria biblioteca uma lenda tradicional local, que adaptou e filmou, tendo sido premiado com o valor de 100 €. Este aluno tinha ganho uma menção honrosa no mesmo concurso do ano passado. Para quem quiser visualizar o filme, o link é: http://www.youtube.com/watch?v=olIv051XtQU&feature=youtu.be.

Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria


28

|

EdiçãoNº8

BIBLIOTECA DA EB 1 RAÚL LOPES COM MOBILIÁRIO NOVO A Biblioteca da Escola EB 1 Raúl Lopes tem sido acarinhada pela diretora do Agrupamento. Desde o mês de outubro, por sinal o Mês Internacional das Bibliotecas Escolares, a biblioteca apresenta uma agradável surpresa. As cadeiras são novas, coloridas, confortáveis e divertidas. As mesas são novas, de altura adequada e propícias ao trabalho, ao estudo e à leitura. Ainda falta apetrechar o magnífico espaço com uns sofás, é certo. Na sequência desta iniciativa da direção do Agrupamento, aguarda-se ainda o contributo dos antigos alunos do Colégio Nun’Álvares que se associarão certamente a todos os esforços que têm sido empreendidos na criação de uma biblioteca de qualidade, que constituirá uma mais-valia para a nossa comunidade educativa, na promoção da leitura e do sucesso educativo.

LEITURAS DE TOMAR O escritor Nuno Garcia Lopes dinamizou uma sessão de sensibilização para a escrita e para a leitura no auditório da Escola EB 2, 3 D. Nuno Álvares Pereira, durante a manhã do passado dia 5. Esta actividade foi organizada pela área disciplinar de Português e destinou-se aos alunos do 5º ano de escolaridade. Nuno Garcia Lopes explicou à plateia extremamente atenta e interessada a génese e a história de três das suas obras: O Dia em que Choveu Pétalas, Este Pão não É de Trigo, É de Papoilas e Linhaceira e as suas Escolas. Após a abordagem destas obras, o autor tomarense com ligação afectiva a esta escola, prestou-se a responder às imensas questões formuladas pelos alunos, a que se seguiu uma concorrida sessão de autógrafos. Nota: Este texto foi escrito de acordo com a Antiga Ortografia

Um exemplo a seguir…

Alunos oferecem Livros à Biblioteca da EB1 Raúl Lopes No passado dia 23 de outubro, a Biblioteca da Escola Básica do 1ºCiclo Dr. Raúl Lopes ficou mais rica. Os alunos que integraram a turma A do 5º ano no ano letivo 2011/2012 ofereceram livros para que os seus colegas do 1ºciclo possam ter ao seu dispor mais algumas opções de histórias que os ajudem a viajar pelo maravilhoso mundo da leitura. Esta oferta resultou do projeto que a referida turma integrou, designado “Empreendedorismo na Escola”, durante o ano letivo 2011/2012, tendo a turma decidido, desde o início, que parte do lucro resultante das suas “empresas” seria utilizado na aquisição de livros para essa Biblioteca. Assim, representados pela delegada de turma, Rita Pires, e pelo subdelegado, António Pereira, e acompanhados pela Diretora de Turma, Fernanda Curado e pelo professor Carlos Mendes, que gentilmente acedeu a nos acompanhar, a turma procedeu à entrega dos livros adquiridos à professora bibliotecária Paula Vaz, tendo como convidados os alunos de uma turma do 4º ano. Foi um momento de boa disposição e de ótimas leituras!

Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria


L etra s & Treta s | 29

Happy Halloween! English is fun!

English is fun!

Os alunos do 1º CEB da Carregueiros e da Serra de Cima celebraram o Halloween (31 de outubro) num ambiente de festa e alegria.

Halloween Parade…before

- Knock, knock, trick or treat? - Who are you? - I'm a witch, I'm a little witch.

“And the winners were... Inês and Bernardo!”

Halloween Parade…during Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria


30

|

EdiçãoNº8

"Liceu em Revista" no Cine Teatro Paraíso

O 4º Encontro dos Antigos Alunos do Liceu Nacional de Tomar/ Escola Secundária Santa Maria do Olival reuniu mais de cem pessoas no jantar na Estalagem de Santa Iria e levou mais de duzentas até ao Cine Teatro Paraíso, para assistir ao espetáculo “Liceu em Revista”, encenada pelo Veterano Mor deste ano, Carlos Carvalheiro, que resultou num estrondoso êxito, aplaudido de pé pela plateia. Carlos Carvalheiro, diretor da Companhia de Teatro “Fatias de Cá”, contou na primeira pessoa a história dos 10 primeiros anos do Liceu de Tomar (1965/1975), que começou por ser uma Secção do Liceu Nacional de Santarém. Recorrendo a fotos da altura e a sketches representados ao vivo por antigos alunos, Carlos Carvalheiro, trouxe à cena, as situações que marcaram quem passou pelo Liceu de Tomar, na primeira década da sua existência, como o carisma e a atitude de alguns dos professores que marcaram aquela época, e as realizações culturais, como as Récitas, as Festa de Natal ou os Bailes de Finalistas. A referência ao “comboio de Tomar” que transportava um número significativo de alunos do Entroncamento e localidades vizinhas, como Lamarosa, Barquinha, Vila Nova, não foi esquecida e foi retratada de forma sublime. A qualidade do espetáculo apresentado, não deixou de provocar emoções que levaram a “muitas lágrimas ao canto do olho” nos presentes, que no final não deixaram de expressar o seu reconhecimento pelo excelente trabalho apresentado. Antes do tradicional jantar, que decorreu na Estalagem de santa Iria, houve uma romagem ao “Salgado”, na altura uma taberna nas traseiras do Liceu, onde muitos dos alunos comiam as tradicionais sandes de atum, acompanhadas de copos de groselha, ou para os mais velhos do “copo de três” ou da “imperial”.

Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria


L etra s & Treta s | 31 E foi vê-los a recordar sabores antigos, trazidos pelas sandes de atum da Casa Salgado, agora renovada, menos escura, com mais luz, mas sem as “meias portas” de molas, tipo bar do Texas, que tínhamos de empurrar para entrar. No final do jantar, Luís Costa presidente da Assembleia Geral e Luís Boavida, presidente da Direção da Associação dos Antigos Alunos do Liceu/ESSMO Tomar, juntamente com Carlos Carvalheiro e os anteriores três Veteranos-Mor (Manuel Gonçalves, Aurora Cardoso e Lourenço dos Santos) anunciaram Leonor Machado como a Veterana-Mor para as comemorações do 5.º Encontro em 2014, a terem lugar no dia 25 de outubro.

In

http://www.entroncamentoonline.pt/portal/galeria/4%C2%BA-encontro-dos-antigos-alunos-do-liceu

Exercer para Mudar

Trabalho elaborado no âmbito do Clube Europeu

Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria


32

|

EdiçãoNº8

DE TIMOR A TOMAR AGRUPAMENTO NUNO DE SANTA MARIA ACOLHE PROFESSOR TIMORENSE

O Projeto Partilha Pedagógica é uma iniciativa do Ministério da Educação de Timor-Leste, no sentido de capacitar os seus professores e colmatar as dificuldades ao nível da sua formação científico-pedagógica. Assim, tendo em vista proporcionar aos professores timorenses o contacto com exemplos de boas práticas pedagógicas, de modo a que possam melhorar o seu desempenho profissional nas escolas em que estão colocados em TimorLeste, bem como partilhar com os seus colegas os conhecimen-

tos e experiência adquiridos, foi estabelecida uma parceria com o Ministério da Educação e Ciência e as escolas secundárias portuguesas. Este projeto visa abranger vários domínios:  organizacional que passa pelo conhecimento da complexidade da estrutura e organização pedagógica da escola;  pedagógico, no que se refere à preparação e desenvolvimento das aulas, à avaliação e à documentação inerente;

 institucional, relacionado com os documentos orientadores da escola / agrupamento, bem como com a legislação em vigor. Neste contexto, o Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria foi selecionado para acolher um professor timorense que se pretende que possa assistir ao funcionamento de uma escola, com uma estrutura mais complexa, num ambiente de imersão no que se refere ao uso da Língua Portuguesa. O Projeto Partilha Pedagógica terá a duração de dois meses e meio. No dia 5 de outubro chegou ao Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria o professor Sebastião Fabião que ficará até ao dia 19 de dezembro de 2013. A sua integração será coordenada pela Diretora Maria Celeste Sousa e ainda pela professora Cristina Marques, no domínio das Tecnologias de Informação, com quem desenvolverá um trabalho de partilha pedagógica, no Ensino Secundário.

NA HORA DA DESPEDIDA… DE TOMAR A TIMOR Quando decidi integrar este projeto, o que me motivou foi compreender que ele seria muito vantajoso para mim. O projeto correu bastante bem e era o que esperava. Vai ser muito importante para o que vou fazer no meu futuro profissional. Aprendi várias metodologias relacionadas com as várias disciplinas. Apesar de ter dificuldades em termos da Língua posso garantir que vou esforçar-me nos próximos anos para melhorar. Penso que irei aplicar o que aprendi com este projeto, quer nas várias disciplinas, quer, especialmente na minha área, a de informática. Fui recebido com cortesia e fiquei muito lisonjeado com a forma como me acolheram na escola. A ideia que eu levo dos portugueses para Timor-Leste é muito favorável pois foram todos muito agradáveis comigo. Vou ter saudades! Sebastião Fabião

Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria


L etra s & Treta s | 33

Dia Mundial da Filosofia Todos os anos, desde 2002, a Unesco dedica a terceira quinta-feira do mês de novembro à filosofia. O Dia Mundial da Filosofia de 2013 comemorou-se a 21 de novembro e foi guiado pela temática "Sociedades Inclusivas, Planeta sustentável". Irina Bokova, diretora-geral da UNESCO, afirmava, no seu discurso inaugural que «Este dia é um convite para repensar as condições que permitam a inclusão e a sustentabilidade das sociedades (…) Neste mundo de múltiplas fraturas, a Filosofia desempenha um papel indispensável para pensar e agir para uma maior dignidade humana e harmonia. A Filosofia relembra-nos que os recursos do nosso pensamento são de facto os únicos recursos renováveis que temos.» A nossa escola tem organizado eventos para assinalar o dia. Este ano Platão foi o filósofo de referência, pela influência determinante que teve e tem, juntamente com Sócrates, ao alertar para a necessidade de que cada indivíduo cultive um pensamento crítico. Em parceria com a BECRE/Centro de Recursos, projetou-se o filme de animação «Plato’s Allegory of the Cave»*. A Alegoria da Caverna (presente no livro VII da «República» de Platão) é um diálogo entre o mestre de Platão, o filósofo Sócrates, e o irmão de Platão, Glaucon sobre como a filosofia pode libertar da condição de ignorância que nos aprisiona. Na entrada da ESSMO os alunos puderam ler a Alegoria na versão do autor brasileiro de BD, Maurício de Souza, «As Sombras da Vida». A Catarina Fernandes e o Ricardo Cabral (alunos do 11º A), a Carla Costa e a Mariana Luís (alunas do 11º F), deslocaram-se à aula de Português do 7º E, F e G. Aí mostraram às turmas o filme de animação, proporcionaram alguns momentos de diálogo sobre a filosofia e provocaram os colegas mais novos a pensar sobre o sentido da frase inscrita na imagem «Saiam da caverna e vejam o sol», que sintetiza a mensagem de Platão na «Alegoria da Caverna». *O filme pode ser visto em http://www.youtube.com/watch?v=RtuhNm6z10E

Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria


34

|

EdiçãoNº8

«Saiam da caverna e vejam o sol»

Cláudia Gomes, 7º F - O vídeo a que assistimos, apresentava um prisioneiro que foi libertado e que nunca tinha visto nada, para além da gruta. Depois de explorar o mundo exterior, quis que os seus companheiros soubessem o que ele tinha visto, no entanto, estes não compreendiam nada do que ele dizia, pois nunca tinham saído de lá. Tatiana Amor, 7º F - Certo dia, um homem que foi solto e voltou à caverna para contar ao resto dos prisioneiros como era a vida lá fora, mas eles não entendiam nada do que ele dizia, porque ele estava muito diferente. Mariana Mendes, 7º E - Porque é que foi só um dos presos que foi liberto? Não sei, mas sei que o preso que foi liberto adorou o que viu e só queria partilhar para que os outros pudessem ficar tão admirados como ele ficou. A caverna é como se fosse a nossa casa. Nós estamos sempre na caverna a jogar. Os nossos pais dizem para irmos para a rua mas nós não ligamos. Perdemos tudo de excitante do que há na vida enquanto estamos presos pelos jogos que não nos deixam viver a vida na rua. Quando estamos a jogar pensamos que a vida é como está no écran. Quando vamos à rua percebemos que perdemos muita coisa enquanto estamos em casa.

Fernando Brito,7º E - Eu acho que nós, «as crianças», estamos muito dependentes da tecnologia. Em vez de irmos jogar à bola às escondidas ficamos a jogar. Devíamos aproveitar as coisas boas que a vida nos dá. Filipa Simões,7º E - Esta frase significa que nós temos de abrir os olhos e encarar a realidade. José Luís Santos,7º F - Significa que uma pessoa que não viaja, que não lê, que não estuda, não conhece o mundo tal como ele é, apenas faz uma ideia. Gonçalo Gomes, 7º F - Esta frase significa que devemos dar importância à liberdade que nos dão e que não devemos tirar a liberdade aos outros. Constança Rocha, 7º F - Sair da caverna e ver o sol significa que não devemos estar escondidos da sociedade, que devemos ver além das coisas. Devemos ser amigos uns dos outros. João Antunes, 7º E - A frase quer dizer para não ficarmos na caverna mas devemos sair e conhecer a rua. Pedro Farias, 7º E - Acho que a frase significa «libertemse e vivam a vida.»

O que é a filosofia? O que é a filosofia? Definir filosofia não é tarefa fácil. Muitas são as definições apresentadas por filósofos, mas nenhuma delas é conclusiva ou universal. E porquê? Bem, isto acontece, pois não houve, não há, nem há de haver uma definição com estas características. Cada filósofo tem a sua maneira de ver e interpretar o mundo, e é nesta análise do mundo que assenta a filosofia. Deste modo, cada um deles apresenta uma definição diferente. Para além disto, também não há acordo face aos temas e interesses abordados por cada um. Surgiu na Grécia antiga, com o filósofo Pitágoras, palavra “Filosofia” que significa “Amor pela sabedoria”. Pitágoras defendia que a sabedoria plena apenas pertencia aos Deuses, mas os homens podiam amá-la tornando-se filósofos. Este amor pela sabedoria é expresso através da atitude tipicamente interrogativa e argumentativa de um filósofo. Este questiona e inquieta-se com as suas questões. Os filósofos inventam argumentos ou criticam argumentos de outras pessoas, analisam crenças e clarificam conceitos. A filosofia converte uma afirmação numa pergunta. Ocupa-se de questões relacionadas com o Homem e com o sentido da vida. Nada escapa à reflexão filosófica. “Filosofar” é fascinante dado que esta atitude nos leva a recuar às origens das nossas crenças. Podemos então analisá-las e perceber se é legítimo afirmar “Acredito”, ou se aquilo que todos dão como certo, não passa de um preconceito. Citando Alexander George, no seu livro Que diria Sócrates?: «Homo Philosohicus teria sido uma designação mais adequada para a nossa espécie.» Porquê? Porque todos somos filósofos, todos colocamos questões filosóficas ao longo da vida. Convido-vos então a tentar refletir e descobrir por vocês próprios, o que é, afinal, a filosofia. Texto de Mariana Batista, 10º B Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria


L etra s & Treta s | 35

Aristides de Sousa Mendes "O século XVII foi o século das Matemáticas, o XVIII das Ciências Físicas, o XIX da Biologia. O século XX é o século do Medo. Dir-me-ão que o medo não é uma ciência. Mas também a Ciência aqui se encontra implicada, já que os últimos progressos teóricos a levaram a negar-se a si própria, e os avanços práticos hoje ameaçam destruir toda a terra. Além do mais, se o medo não pode considerar-se em si uma ciência, não há dúvida que ele é, apesar de tudo, uma técnica.” Albert Camus, escritor francês, Prémio Nobel da Literatura

O final do século XIX e o que lhe sobreveio, até à 1.ª Guerra Mundial, foi, nos países mais desenvolvidos, um período de paz e de rápido crescimento económico, acompanhado por um extraordinário desenvolvimento científico e técnico, o que fez acreditar num admirável mundo novo, nome de um livro, igualmente admirável, de Aldous Huxley. Mas a ciência e a técnica, tão pujantes, que antecipavam, para muitos, a solução para todos os males e insuficiências da Humanidade, acabaram por mostrar, no decurso do primeiro conflito à escala mundial, o seu lado negro. As novas máquinas de guerra, criadas pela ciência e pela técnica, tinham a particularidade de matar mais e mais depressa do que em guerras anteriores. A guerra química, em que os alemães foram pioneiros, mas rapidamente secundados por ingleses e franceses, mostrou uma face do horror que se repetiria vezes sem conta por todo o século XX, nas mais variadas latitudes e regimes políticos, sem esquecer a sua utilização na recente e brutal guerra civil que tem enlutado a Síria. O século XX, como diz Albert Camus, é o século do medo e do terror atómico, em que os americanos são tristemente célebres, na destruição sem nome de Hiroxima e Nagasaki, o que provocou a morte de mais de duzentos mil civis, indefesos, obrigando os japoneses à rendição incondicional e ao fim da 2.ª Guerra Mundial. Paradoxalmente, nunca como no século XX, o ser humano foi tão escolarizado, com acesso cada vez mais dilatado à informação e à cultura. Mas a ascensão a esse patamar civilizacional não impediu que o mesmo homem mostrasse o seu lado mais

desumano e cruel. Tiranos, ditadores, dirigentes políticos sanguinários, da esquerda e da direita - o século XX apresenta um quadro devastador, que mereceram páginas infindáveis na literatura. Entre todos, é comum assumir-se que o pequeno austríaco de bigode quadrado, Adolf Hitler, representa a besta humana no seu vértice mais cruel. Da destruição e horror e caos provocados pela 2.ª Guerra Mundial, destaca-se o Holocausto, quando o regime nazi idealizou a matança de um povo, o genocídio dos judeus. Na fuga à prisão e a morte nas câmaras de gás, milhares de judeus encontraram em Aristides de Sousa Mendes, diplomata português no consulado da cidade francesa de Bordéus, o seu anjo salvador, quando lhes concedeu vistos para atravessarem a Espanha e chegarem a Portugal, país neutro durante a guerra. Essa atitude de profunda humanidade de Aristides de Sousa Mendes, contrariando as ordens de Salazar, valeu-lhe a expulsão da carreira diplomática e ter que enfrentar penosas dificuldades na sua vida pessoal, acabando por morrer praticamente na miséria e no abandono. O Estado Novo, na pessoa de Salazar, ostracizou-o. O regime democrático, trazido com o 25 de Abril de 1974, reabilitou-o, valorizando o seu ato heroico, o seu nome e o seu legado. O seu contributo em defesa dos direitos humanos, contrariando o ditador de Santa Comba, valoriza Portugal e deve ser lembrado e acarinhado nas escolas portuguesas. Em Israel, é considerado um herói. Prof. José Sobral

Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria


36

|

EdiçãoNº8

Lista G A Lista G foi uma união entre pessoas que rumam todas juntas e unidas para o mesmo e único objetivo, tornar a Associação de Estudantes mais participativa na nossa escola. Sendo o nosso único públicoalvo os seus alunos, para que possam ter sempre alguém com quem contar ao longo do presente ano letivo. Pretendemos ser o órgão que facilita a ligação entre alunos e direção, para que haja mais comunicação e melhor cumplicidade entre estes. Para nós, uma Associação de Estudantes é isto mesmo, a representação de todos os seus alunos e defender os seus direitos, tornando mais ativa a sua participação na escola com atividades, palestras, workshops e muitas outas coisas. Pretendemos alcançar todos os objetivos a que nos propusemos e ouvir os alunos para que tenham liberdade de expressão e participem ativamente na nossa escola e não só nas aulas, pois muitos passam muito tempo, para além das aulas, na escola. Na nossa campanha inteiramente feita e organizada por nós, pretendemos mostrar o que somos capazes de fazer com os meios que nos são disponibilizados sem ajudas externas, não nos foi possível demonstrar tudo devido ao mau tempo, mas queremos que estas atividades não fiquem por um dia só e que possam perdurar durante todo o ano letivo contando com a disponibilidade e participação dos alunos. Somos um grupo disponível para trabalhar pelos alunos e fazer deste o melhor ano na nossa escola, deixando um exemplo a seguir pelos que serão os nossos sucessores. Muito obrigada a todos os nossos apoiantes! Lista G, a trabalhar por ti, para ti. Mariana Cardoso Nunes

Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria

Lista R Eu candidatei-me à Associação de Estudantes porque sempre quis deixar a minha marca na escola. Juntamente com um grande grupo de alunos lista R, queríamos que este ano tudo fosse diferente. Uma Associação de Estudantes tem por base um simples ideal - o bemestar dos alunos e a defesa dos seus direitos, e é com esta filosofia que a lista R se empenhou arduamente na preparação do dia de campanha que decorreu de forma excecional. A Associação de Estudantes serve como ponte de ligação entre alunos e a direção. Queremos reforçar a participação dos alunos no que toca a decisões da escola. Aproveito este espaço para apelar à não abstenção! O voto é um direito que assiste a cada aluno e considero ridículo os exorbitantes números da abstenção nos últimos anos! Também quero agradecer, em nome da lista R, a disponibilidade da Dra. Natália Nogueira e da Dra. Ana Célia que nos ajudaram com toda a burocracia inerente a este processo de candidatura. Agradeço também a todos os nossos patrocinadores, e de forma especial à "X-travel" que nos apoiou incondicionalmente. Por fim, agradeço a todos os elementos da lista R e seus apoiantes, pois sem eles nada disto teria sido possível! Foram incansáveis do primeiro ao último momento o que tornou tão mágico o dia de campanha! António Lopes


L etra s & Treta s | 37

Dias de Campanha Eleitoral

Pela primeira vez na nossa escola, realizou-se um debate entre as listas concorrentes à Associação de Estudantes. Contrariamente ao que ambas esperavam, o anfiteatro esteve com bastantes alunos, sendo importante referir a postura cívica de todos, mostrando todo o seu interesse no assunto. Ambas as listas apresentaram o seu plano de atividades e revelaram o que para eles era o papel de uma Associação de Estudantes, bem como a principal razão para que os votos fossem para a sua lista. Enquanto moderadora do debate, posso concluir dizendo que foi uma ótima amostra do civismo que os alunos da nossa escola possuem. Recomendo que, em anos posteriores, se voltem a realizar debates antes das eleições. No entanto, alerto para que ainda mais alunos participem, porque, na minha sincera opinião, é no debate que se percebe qual a lista que merece o nosso voto. Laura Antunes, 12ºE

Dia de Eleição

Resultados: Eleitores – 817 Lista G – 170

Votantes – 537 Lista R – 344

Nulos – 18

Brancos – 5

Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria


38

|

EdiçãoNº8

a Economia em Notícia Os alunos do 10º ano de Economia A foram recolhendo, ao longo do período, notícias económicas, com vista à construção desta rubrica.

Aumentou quase quatro vezes o consumo de antidepressivos No ano 2000, eram consumidas em média 20 doses diárias por mil portugueses, este ano quase 90 doses em cada mil. A utilização de psicofármacos no contexto de crise económica é um estudo realizado pela Infarmed para avaliar a tendência de utilização de psicofármacos desde que a Troika entrou em Portugal. In RTP-Noticias; 2013-10-26

Exportações para a América Latina Portugal está numa fase da sua economia em que precisa de fazer tudo o que está ao seu alcance para melhorar. Por isso pretendese aumentar as exportações para fora do espaço Europeu e a América Latina é a prioridade política de Portugal.

O consumo das famílias pode ter estabilizado ou até aumentado no segundo trimestre deste ano. Depois de vários trimestres a cortar nas despesas e até a aumentar a poupança, o comportamento dos consumidores pode ter melhorado entre abril e junho. In Económico, 2013-08-16 (Marta Moitinho Oliveira)

Mais de 30 municipios com poder de compra acima da média nacional Um total de 36 municípios portugueses apresentam um poder de compra "per capita" acima da média nacional, situando-se os valores mais elevados nas áreas metropolitanas de Lisboa e Porto. O estudo do INE aponta uma relação entre o grau de urbanização dos municípios e o poder de compra aí manifestado no quotidiano.

In RTP-Noticias; 2013-10-20

In Jornal de Noticias; 8-11-2013

Famílias gastam mais 2,1% na comida e vendas de smartphones dispararam

Portugueses têm de modestos" nos gastos.

Os portugueses consumiram menos no primeiro semestre, mas as despesas com alimentação aumentaram (2,1%). De resto, a crise ditou cortes em quase tudo. Escaparam os smartphones, cujas vendas dispararam (+73,9%). In Jornal de Notícias; 2013-09-04 (Paula Brito)

Famílias podem já ter aumentado o consumo Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria

ser

"mais

O patriarca de Lisboa considerou no dia 02/11/13 que os portugueses têm de ser “mais modestos” e reduzir despesas. Manuel Clemente afirmou que a sociedade portuguesa está a atravessar um momento em que há muita falta de recursos próprios, com muita dependência dos recursos externos e muitas dividas a pagar. Os portugueses têm de ser mais modestos nos gastos e mais solidários nos rendimentos. In Jornal Económico; 2013-11-02 (Manuel Clemente, patriarca de Lisboa)


L etra s & Treta s | 39 O ministro da Economia, António Pires de Lima, apelou ao consenso com o PS em torno da reforma do IRC

Portugal já tem quase meio milhão de jovens que não estudam nem trabalham

"Gostaria de sossegar os espíritos mais inquietos: o Governo está totalmente coeso e unido num propósito comum que é o de concluir o Programa de Ajustamento Económico e Financeiro”, garantiu hoje o ministro da Economia, António Pires de Lima, durante a conferência da Antena 1 / Económico, sobre o Estado e a Economia - Um Orçamento pós-Troika.

São os chamados “nem-nem”. Jovens entre os 15 e os 34 anos que não têm emprego, não estudam, nem estão em formação. De 2008 para cá, há mais 92 mil nesta situação. In Público, 2013-11-24

In DN Portugal, 2013-11-02

Comemorar o 10 de dezembro “Vamos salvar as Florestas e os Sonhos!” A Diretora do Agrupamento, Maria Celeste Sousa, foi convidada a fazer uma intervenção com o tema «Escola e Direitos Humanos - Breve reflexão sobre uma longa experiência», no colóquio “Vamos salvar as Florestas e os Sonhos!”, no Auditório do Metropolitano, no Alto dos Moinhos, em Lisboa. Esta atividade, dinamizada pela Fundação Aristides de Sousa Mendes, está integrada no projeto «Pensar. Agir. Festejar.» que pretende celebrar os direitos humanos e comemorar os 60 anos da morte de Aristides de Sousa Mendes, Cônsul de Portugal em Bordéus durante o período da 2ª Guerra Mundial. A intervenção da Diretora, baseou-se na missão do Agrupamento que pretende ensinar às suas crianças e jovens uma forma de vida que os leve ao sucesso, ajudando-os a crescer livres, solidários e responsáveis, tolerantes e críticos, para o pleno exercício de uma cidadania democrática, através de uma educação e de um ensino de qualidade e de aprendizagens bem sucedidas, no verdadeiro sentido do desejo de aprender. Neste âmbito, o Agrupamento celebra, ao longo de todo o ano, os valores da tolerância, cooperação, solidariedade e voluntariado.

Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria


40

|

EdiçãoNº8

Parabéns Pedro! Chama-se Pedro Alexandre, tem 13 anos, é atleta de competição na modalidade de Judo e aluno do 9º F na ESSMO. Começou aos 9 anos na Sociedade Filarmónica Gualdim Pais com o mestre Francisquinho. Na altura treinava uma hora, três vezes por semana. A atividade foi ficando mais séria e os treinos intensificaram-se: em 2012/2013 passaram a ser de uma hora e meia três vezes por semana e, presentemente, treina uma hora e meia quatro vezes por semana. Garante que a modalidade não interfere com a escola, pois é responsável e consegue conciliar amigos, escola, judo… tudo. Além disso, o mestre Igor Sampaio está atento ao que se vai passando com as notas dos atletas.

Um atleta de competição no judo tem de ter uma dieta equilibrada, rica em proteínas e hidratos de carbono, para dar energia. Qualquer descuido pode levar ao aumento ou diminuição de peso, o que condiciona a competição. No dia da prova são feitas pesagens para confirmar a categoria em que se compete. Cerca de 45 minutos antes de iniciar a prova, o Pedro come massa cozida (equivalente a mais ou menos dois pratos de sopa). A meio dos combates come frutos secos, marmelada e algumas (poucas!) gomas. Está habituado a entrar em competições nacionais e internacionais. Em 2010 obteve o 3º lugar no Torneio Internacional de Valdemoro, Espanha e o 5º lugar no Torneio Internacional “Villa de Avilés”, também em Espanha; em 2011 obteve o 5º lugar no Torneio Internacional “Villa de Avilés”; em 2012, o 3º lugar no Torneio Internacional de Valdemoro, pela seleção distrital de Santarém e o 5º no Torneio Internacional “Villa de Avilés”; em 2013 começou a ir ao zonal (zona centro) e ao nacional onde foi campeão zonal dos -42 e, duas semanas depois, campeão nacional dos -38 (legenda da foto); ainda participou no Torneio Internacional “Villa de Avilés” onde não conseguiu classificar-se, tal como na Super Copa de Espanha Hondarribia, desta vez pela seleção distrital de Santarém. Por ter sido o atleta com melhores pontuações na categoria -38, vai merecer um reconhecimento da AJDS (Associação de Judo do Distrito de Santarém) e, para o próximo ano, se tudo correr bem, poderá integrar a seleção nacional de judo. Parabéns Pedro!

Celebrar os Direitos Humanos - Visita de Estudo à Estação Parque O 11ºC do Curso de Ciências Socioeconómicas e o 12º F do curso Profissional de Multimédia visitaram a Estação do Metropolitano do Parque. Esta visita surge do facto da sua decoração consistir em azulejos e esculturas, da autoria de Françoise Schein e Federica Matta, duas artistas de nacionalidade belga e francesa, respetivamente, detentoras de larga experiência no campo do tratamento artístico de espaços públicos, tendo sido autoras de diversos trabalhos, entre os quais os realizados para as redes de metro de Paris, Bruxelas e Haifa, seguindo um programa sugerido pela União Internacional de Transportes Públicos (UITP) que preconiza a inscrição em locais públicos da Declaração Universal dos Direitos do Homem. A estação Parque foi incluída neste programa, encontrando-se atualmente a sua nave totalmente revestida com os trinta artigos desta Declaração. Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria


L etra s & Treta s | 41

O AMOR É ASSIM… Cruzas-te com ele e o que era de esperar acontece. O coração palpita como da primeira vez. A respiração torna-se muito mais acelerada, é o nervosismo a falar mais alto e as emoções não têm controlo possível. Dominam-te completamente. Será que choras, será que sorris? Pois, nem tu sabes. Tremes quando te apercebes que não sabes o que fazer. Precisas de um abraço, de uma palavra ou de algo que te conforte naquele momento e só quem está contigo nesse exato momento o pode fazer. Só quem te conhece verdadeiramente bem é que se vai aperceber de quão perturbada tu estás. Tudo se tranquiliza. No entanto, é apenas por meros segundos. Até que, inevitavelmente, se dá aquela troca de olhares e tu és obrigada a agir. Ainda assim, não tens reação. Apenas lhe levantas a mão, em tom de comprimento entre conhecidos. Tal como toda a envolvente das circunstâncias te obrigaram a fazer. Ficaram, então, por ali. Ele ignora e tu ignoras também. Segues caminho. Os óculos de sol naquele momento são mesmo os teus “melhores amigos” porque são eles que vão como que esconder aquelas lágrimas que ele te fez soltar. É a única solução que tens naquele instante, é verdade. A voz torna-se fraquinha. Mal te conseguem ouvir. Só te perguntam “então miúda?”. Só te dizem “então princesa, que é isso? Ele não merece que chores por ele, não é rapaz para ti.” Mas aos teus olhos não é assim. Aos teus olhos ele era o rapaz ideal, que mais alegrias e mais sorrisos te trazia. No entanto, tu não consegues mudar nada disso. Tens saudades do que era e deixou de ser. Sabes que a vida continua e que és forte. És feliz, acima de tudo. No entanto, é muito complicado gerir tudo isto que anda a acontecer à tua volta. Todo este sentimento que, pouco a pouco, te vai destruindo interiormente mas que quase te obriga a sorrir, a pôr de parte tudo, quando estás entre amigos. É como uma voz interior que te diz

que só assim te é possível mostrar a verdadeira e forte personalidade que tens. Certo é que, sozinha, com música ou com uma folha e uma caneta, tudo volta a renascer. Volta tudo a subirte à mente, a bater no ponto fraco do coração e, é nesse momento, que sentes o fracasso de quem sofre por amor a apoderar-se de ti. Das tuas melhores recordações. Por culpa dele. Por culpa das atitudes dele. Mas bem, princesa que é princesa não desiste da própria felicidade. Continua, de cabeça erguida, procurando alguém que a faça feliz no futuro. Deixa o passado para trás e fixa-se apenas no que vem depois. Espera que um novo amanhecer chegue, com a esperança de que tudo possa ser diferente. Como tal, e à parte de tudo isto, não tentes fugir ao amor de que precisas, sempre que algo não corra como esperado. Não tentes fugir àquele carinho que só aquela pessoa te pode dar. Por muito estranho que possa parecer, tu precisas de tudo isso e talvez de bem mais. Ainda assim, não tenhas pressa. O amor acontece nas alturas que menos esperas e não na altura que tu queres. E porquê? Porque o amor é mesmo assim. É aquele sentimento controverso e inesperado. É o sentimento que nos faz sorrir de manhã à noite como também pode ser aquele que mais nos faz crescer. Aquele que mais nos faz chorar. Contudo, ele é o sentimento mais forte, pois sendo feliz ou sofrendo por amor, nunca ninguém desistiu de amar. Mariana Luís , 11º F

10 de dezembro - Dia Internacional dos Direitos Humanos O DIREITO À DIGNIDADE HUMANA Na página da UNICEF é referida a importância dos Direitos Humanos consagrados pela ONU: “Os direitos humanos são essenciais para a nossa vida de seres humanos – são normas básicas sem as quais as pessoas não podem sobreviver e prosperar de forma digna. Eles são inerentes à pessoa humana, universais e inalienáveis.” Após as atrocidades que fustigaram a humanidade durante a Segunda Guerra Mundial e milhões de mortos, a Declaração Universal dos Direitos Humanos, aprovada pela ONU, em 1948, elencou, em 30 Artigos, os princípios segundo os quais todos os membros da família humana, ricos e pobres, fortes e fracos, mulheres e homens, de todas as raças e religiões devem ser tratados e respeitados. Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria


42

|

EdiçãoNº8

Notícias das Bibliotecas Escolares Das várias atividades desenvolvidas pelas BE do Agrupamento, selecionámos apenas algumas, aquelas que, de alguma forma, se revestiram de um maior impacto e visibilidade nas diferentes comunidades escolares. Para o sucesso de tais atividades, em muito terá contribuído o empenhamento e dedicação dos professores bibliotecários e das equipas que com eles trabalham. No entanto, o envolvimento pessoal da diretora do agrupamento permitiu que essas mesmas atividades fossem possíveis. OUTUBRO - MÊS INTERNACIONAL DA BIBLIOTECA ESCOLAR

Outubro traz sempre de volta memórias antigas. Outubro desperta saudades das histórias da infância contadas pelos avós, pelos irmãos ou pelos pais, com o sabor encantador da viagem e da descoberta. Para o ano de 2013, decidiu a IASL escolher um dos mais belos motes até hoje apresentados para celebrar o MÊS INTERNACIONAL DA BIBLIOTECA ESCOLAR: Biblioteca Escolar, uma porta para a vida. Por isso, as Bibliotecas escolares estiveram de portas abertas no dia 28 de outubro, tendo sido organizadas atividades diversas para assinalar esse dia, tais como “À DESCOBERTA DA AVENTURA”, um bibliopaper, informação sobre a rede de bibliotecas de Tomar e distribuição de marcadores de páginas.Sendo parte integrante da vida escolar, as bibliotecas contribuem também decisivamente para abrir as portas para uma vida mais preenchida, mais intensa e interventiva que verte na formação de cidadãos mais responsáveis. BEM DORMIR PARA MELHOR APRENDER Foi aprovada a candidatura apresentada pelo agrupamento, no âmbito dos projetos “SONO ESCOLAS” e “DORMIR + PARA LER MELHOR”. Previsto para ser implementado ao longo de dois anos letivos, o projeto Bem Dormir para Melhor Aprender vai envolver vários docentes e alunos de diversos níveis Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria

de ensino, desde o Pré-escolar ao 3º ciclo do Ensino Básico, com o apoio de todos os professores bibliotecários do agrupamento. Conta-se também com o apoio dos pais e encarregados de educação, os quais já puderam participar numa sessão de esclarecimento sobre a temática. A monitorização e acompanhamento do projeto será garantido pelas equipas do projeto “DORMIR+ para LER MELHOR”, sob a orientação do Plano Nacional de Leitura (PNL) e dos peritos e investigadores do Centro de Eletroencefalografia e Neurofisiologia Clínica, nomeadamente as psicólogas Helena Rebelo Pinto e Teresa Rebelo Pinto. Este Projeto pretende essencialmente que as crianças e os jovens percebam a importância da higiene do sono para a reposição da energia física e para a ativação da memória e da capacidade de aprenderem. Na verdade, de acordo com o PNL, o projeto “DORMIR+ para LER MELHOR” “visa a promoção da leitura, partindo dos benefícios que a qualidade de sono das crianças e dos jovens trazem para que leiam melhor, compreendam melhor e aumentem o seu sucesso escolar. A qualidade do sono, prática pouco cumprida nestas faixas etárias, assume um papel fundamental no pleno desenvolvimento individual, nomeadamente, no + que concerne ao nível de literacia atingido. Dormir significa, pois, estar em melhores condições físicas, ter + mais energia para Dormir e para compreender melhor + + o que se lê. Dormir significa Dormir e Melhor com os indiscutíveis benefícios que a capacidade de compreender traz para o desenvolvimento das literacias e para que se aprenda mais”.1 “Sabe-se hoje que os maus hábitos de sono (…) estão associados a uma maior prevalência de doenças crónicas, como hipertensão, diabetes, obesidade, bem como a um maior consumo de medicamentos e tóxicos e uma mais elevada taxa de acidentes. Estudos recentes comprovam a gravidade do problema em Portugal, com taxas de sonolência excessiva em mais de 50% dos estudantes e um claro impacto dos problemas de sono no sucesso escolar e no comportamento social. Uma intervenção educativa neste domínio pode contribuir 1

DORMIR+ LER MELHOR. FASE 2 - 2013/2014. [Em linha]. [Consult. 05/dez/2013]. Disponível em WWW: <URL: http://www.planonacionaldeleitura.gov.pt/escolas/projectos.php?idT ipoProjecto=50#.>


L etra s & Treta s | 43 para evitar ou corrigir situações-problema relacionados com o sono”2. O agrupamento assumiu, inequivocamente, a necessidade de contribuir para melhorar os hábitos de sono dos seus alunos. REFORÇO DO FUNDO DOCUMENTAL A oportunidade de dispor de verbas para aquisição de fundo documental, com vista a responder às várias solicitações dos departamentos curriculares, permitiu “rechear” as diferentes bibliotecas de novidades. Umas de caráter mais académico (por exemplo, as que correspondem às exigências das Metas de Aprendizagem) e outras, seguramente, mais lúdicas, mas que permitirão uma utilização “prazerosa” e de inestimável contributo para a formação integral de cada uma das pessoas que constituem os seus utilizadores. FEIRAS DO LIVRO São as feiras do livro verdadeiros momentos de convívio e de partilha. Observar, tocar, folhear livros no seu suporte tradicional - o papel - tem um sabor especial num mundo em que, cada vez mais, ecrãs e teclados reivindicam preponderante papel no acesso à informação. A realização de Feiras do Livro natalícias nas Escola Básica 1 Santo António, Escola Básica 1 Raúl Lopes, Escola Básica 2,3 D. Nuno Álvares Pereira e Escola Secundária C/3º Ciclo Santa Marial do Olival demonstram bem o empenho na promoção do livro e da leitura por parte dos professores bibliotecários. Todas estas feiras contaram com o apoio da Papelaria Nova de Tomar. Os professores bibliotecários Hugo Vaz, Maria de Deus Monteiro e Paula Vaz

Dia Internacional da Pessoa com Deficiência Na manhã do dia 16 de dezembro, a fim de assinalar o Dia

Internacional da Pessoa com Deficiência que se comemora anualmente a 3 de dezembro, os professores da Educação Especial do Agrupamento realizaram um interessantíssimo, e muito bem organizado, Peddy Paper destinado a sensibilizar os alunos para as dificuldades sentidas pelas pessoas portadoras de deficiência, mobilizando a comunidade para a defesa da dignidade, da autonomia, dos direitos e do bem-estar destas pessoas. Assim, alunos de várias turmas, devidamente enquadrados por diversos professores, percorreram as ruas de Tomar, procurando resolver os desafios que lhes foram sendo colocados em vários locais estrategicamente escolhidos: Escola EB 2,3 D. Nuno Álvares Pereira, Biblioteca Municipal, Casa dos Cubos, Praça da República, Hostel, Junta de Freguesia Santa Maria dos Olivais, Praceta Dr. Raúl Lopes e, finalmente, Escola Sec/3º Ciclo Santa Maria do Olival. Ao longo do percurso, os alunos iam experimentando as dificuldades com que se defrontam as pessoas portadoras de deficiência auditiva, visual ou motora, através de dispositivos (vendas, auscultadores isoladores de ruído, cadeiras de rodas, …) postos à sua disposição, vivenciando, assim, os obstáculos que aquelas têm de ultrapassar no seu quotidiano. Foi uma atividade de elevado valor pedagógico. Os professores do Ensino Especial e todas as entidades que se associaram a esta iniciativa meritória estão de parabéns.

2

Sessão de formação no âmbito do Projeto Sono Escolas, em Águeda. [Em linha]. [Consult. 05/dez/2013]. Disponível em WWW: <URL: http://www.edufor.pt/component/content/article/1-geral/662sessao-de-formacao-no-ambito-do-projeto-sono-escolas-emagueda Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria


44

|

EdiçãoNº8

E porque não ler?... Bruno Filipe, 10º C «A Ilha das Trevas», de José Rodrigues dos Santos O livro relata-nos a história da guerra entre Timor-Leste e a Indonésia, nomeadamente as causas da guerra, o modo vida dos timorenses e como eram tratados nas mãos dos indonésios naquela época. O livro continua ainda por narrar a vida de alguns repórteres, quer portugueses, quer estrangeiros, a ajuda de Portugal e de Organizações Mundiais prestadas a Timor-Leste, os desentendimentos entre o povo e o governo indonésio e por último, as consequências do após guerra. Confesso que me aborreci um pouco com o início do livro, mas à medida que os acontecimentos vão sendo desenvolvidos, comecei a tomar consciência da realidade. Aos poucos fiquei a conhecer a "trágica verdade", ainda que através de algumas personagens fictícias, sobre os suplícios vividos pelo povo timorense numa luta desigual pela paz e independência daquela que, durante anos, seria uma "ilha de trevas"!

Carla Guerreiro, Assistente Operacional «Verão

Quente», de Domingos Amaral

O livro descreve um crime acontecido na Arrábida, em 1975, altura em que Portugal se encontra dividido num momento de libertação (da ditadura de Salazar) mas, também, de perigo, que acelera o inquérito e a descoberta do assassino. Aquele não é só um crime, mas igualmente uma metáfora sobre a irracionalidade que assola Portugal, em 1975. Será que polícia e o tribunal agiram corretamente ou foram coagidos, devido à política em que se vivia naquela altura? É um livro interessante, emocionante, além de manter o suspense até se descobrir o que ocorreu realmente. Para quem gosta de aprender e conhecer o que passou.

Catarina Trezentos, 10º C «O Menino que Ninguém Amava», de Casey Watson Justin tinha apenas 5 anos quando a mãe, toxicodependente, o deixou sozinho em casa com os irmãos de dois e três anos. Desesperado, Justin acaba por incendiar a casa onde vivem e é então entregue aos cuidados dos serviços sociais. Seis anos mais tarde e depois de ter passado por vinte colocações falhadas, Justin chega a casa de Casey e de Mike- um casal de acolhimento especial, vocacionado para casos particularmente problemáticos. Mas Justin está profundamente traumatizado por uma infância marcada pela rejeição e pela dor e parece determinado em rejeitar com violência qualquer manifestação de afeto. Na minha opinião, este é um livro que nos pode ensinar, sobre a vida, muito mais do que o que conhecemos. Uma historia verdadeira de abuso e abandono, capaz de mudar a perspetiva que temos da nossa própria vida.

Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria


L etra s & Treta s | 45

NOTÍCIAS DA MATEMÁTICA XXXII OLIMPÍADAS PORTUGUESAS DE MATEMÁTICA Os professores das Áreas Disciplinares de Matemática do Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria regozijam-se com a participação dos alunos do segundo e terceiro ciclos e secundário, na 1ª eliminatória das Olimpíadas das XXXII Olimpíadas Portuguesas da Matemática, que decorreram no dia 13 de novembro, pelas 15h30m. Verificou-se a presença de 81 alunos da Escola D. Nuno Álvares Pereira e 38 da Escola Secundária/3 de Santa Maria do Olival, que na tarde de uma quarta-feira sem aulas, substituíram o seu merecido descanso pela participação nas Olimpíadas de Matemática, dedicando-se à resolução de problemas, pelo que, independentemente dos resultados, merecem desde já os nossos parabéns. Esta atividade, cujo principal objetivo é incentivar o interesse e o gosto pela Matemática, é anualmente organizada pela Sociedade Portuguesa de Matemática e dinamizada pelos professores de Matemática do agrupamento. Os alunos participantes integram-se em quatro categorias: - Pré-Olimpíadas (5º ano); Categoria Júnior (6º e 7º anos), Categoria A (8º e 9º anos) e Categoria B (10º, 11º e 12º anos). Brevemente serão divulgados os resultados da prova. Os alunos das Categorias Júnior, A e B, apurados nesta fase, participarão na 2ª eliminatória, a realizar no dia 15 de janeiro, numa das escolas da cidade, podendo vir a participar na Final Nacional, que terá lugar no Agrupamento de Escolas Dr. Mário Sacramento, em Aveiro, de 3 a 6 de abril. Em julho, realizam-se as Olimpíadas Internacionais de Matemática, na África do Sul e as Olimpíadas de Matemática da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, em Timor-Leste. Em setembro, as Olimpíadas Iberoamericanas de Matemática terão lugar nas Honduras. Para mostrar como os participantes se empenharam, reparem nestas fotos… Área Disciplinar de Matemática

Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria


46

|

EdiçãoNº8

Corta a figura abaixo pelos traços representados Rearranja agora as peças resultantes de acordo com o esquema. O que aconteceu ao ovo? http://plus.maths.org

Professores Martin Howard e Alison Smith

Modelos matemáticos usados por uma equipa de cientistas do Centro John Innes, em Norwich (Reino Unido), provaram que a quantidade de amido consumido pelas plantas de noite é calculada com precisão através de operações de matemática. Os investigadores estudaram a Arabidopsis thaliana, uma planta da família das Brassicaceae, a que pertencem também as couves e a mostarda, que é usada como planta modelo para experiências científicas, nomeadamente no estudo da biologia genética vegetal. Durante a noite, quando esta planta não pode usar a energia solar para converter o dióxido de carbono em açúcares e amido, regula as suas reservas de amido através de operações de divisão para garantir que estas se mantêm até ao nascer do sol. E há uma repartição de tarefas. Enquanto os mecanismos do interior das folhas medem a quantidade de Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria

Cada linha, coluna, cor (incluindo as fragmentadas) devem conter os números de 1 a 9.

amido armazenado, a informação sobre o tempo tem origem num relógio interno semelhante ao relógio interno do corpo humano. Dois tipos de moléculas em jogo Os cientistas defendem que este processo é mediado por concentrações de dois tipos de moléculas: S para o amido e T para o tempo. As moléculas S estimulam o consumo de amido, enquanto as moléculas T evitam que tal aconteça. Então a taxa de consumo de amido é calculada pela planta através de uma operação em que S é dividida por T. "É o primeiro exemplo concreto na biologia de tal cálculo aritmético sofisticado", afirmou à BBC o matemático Martin Howard, um dos membros da equipa. "Estas experiências não provam que as plantas têm inteligência, mas sugerem antes que as plantas têm um mecanismo concebido para regular automaticamente o ritmo a que queimam os hidratos de carbono de noite", avisa Richard Buggs. O investigador da Universidade de Londres acrescenta que "as plantas não fazem operações matemáticas de forma voluntária e com um objetivo em mente como nós, humanos, fazemos". Aliás, os cientistas dizem que os pássaros usam métodos matemáticos semelhantes para conservar os seus níveis de gordura durante as migrações.


L etra s & Treta s | 47 Girassóis usam sequências de Fibonacci

A DATA DE ANIVERSÁRIO ?????

Mas a matemática envolve outros domínios. A revista "Sience" revelou recentemente que investigadores da Universidade do Arizona (Tucson, EUA) demonstraram que as sementes do girassol se organizam em espiral na flor, da forma mais eficiente para maximizar a sua capacidade de captar a luz do sol. E para isso, os números sucessivos de espirais no sentido dos ponteiros do relógio e no sentido retrógrado em que estão organizadas as sementes do girassol são números da famosa sequência de Fibonacci (1, 1, 2, 3, 5, 8, ...), em que cada número é igual à soma dos dois anteriores. Na origem desta organização matemática sofisticada está uma hormona da planta chamada auxina, que estimula o crescimento das folhas, flores e outros órgãos. As espirais das sementes crescem onde a auxina se concentra. Usando um modelo matemático que descreve como essa hormona e certas proteínas interagem para se transportarem dentro da planta, os investigadores americanos conseguiram prever onde se acumulam as hormonas. Fenómenos semelhantes baseados na sequência de Fibonacci têm também lugar no desenvolvimento da couve-flôr, da alcachofra e da casca do ananás. Os investigadores admitem mesmo que este padrão pode ser mais universal na natureza do que antes se previa.

A Antónia adivinha o dia e o mês do nascimento de qualquer pessoa. Também podes fazê-lo. - Multiplica o dia em que nasceste por 2. - Soma 5. - Multiplica por 50. - Soma o número do mês. - Subtrai 250. No resultado obtido, os dois últimos algarismos indicam o mês em que nasceste; os dois primeiros o dia. Por exemplo: 1205  nasceste em 12 de maio. 0103  nasceste em 1 de março.

A MAGIA DOS NÚMEROS

http://expresso.sapo.pt/plantas-fazem-calculos-dematematica-para-controlaralimentos=f816046#ixzz2jcKDaqZn

O NÚMERO DO SAPATO CONTOS DE 3º GRAU Os contos de 3º grau é uma rubrica do Clube de Matemática, escrita por episódios por 6 matemáticos. De cindo em cinco dias, um episódio. No final de cada mês uma história. Tens já várias histórias disponíveis. E muito mais por onde “passear” neste fabuloso clube da sociedade portuguesa de matemática. http://www.clube.spm.pt/

Quando entras numa sapataria dizes logo qual o número que calças: 34, 36, 38... O que significam estes números? Serão milímetros, centímetros ou polegadas? Nada disso, parece que representam uma medida convencional. Quando dizemos «sapato n.º 40» nem por sombras desconfiamos que esse tamanho se baseia no comprimento dado por 40 grãos de cevada, postos em fila, uns atrás dos outros. Este sistema de medir o calçado começou a usar-se no século XVII e até hoje ninguém se atreveu a substituí-lo por milímetros ou centímetros.

Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria


48

|

EdiçãoNº8

Desporto Escolar O desporto escolar inicia um novo ciclo a nível nacional. Na nossa escola, o projeto para o ano letivo 2013-2014, inclui grupos equipa que abrangem os dois ciclos de ensino e um leque de ativi-

dades que permite alguma escolha para todos os alunos: Badminton, ambos os sexos e qualquer escalão etário - profª. Paula Barrela; Basquetebol juvenis masculino - prof. Jorge Evaristo; Desportos Gímn icos, ambos os sexos e qualquer escalão etário - prof. Paulo Lopes; Futsal juniores masculino - prof. Samuel Neto; Ténis, ambos os sexos e qualquer escalão etário - prof. Paulo Lopes; Ténis de Mesa, ambos os sexos e qualquer escalão etário - profª. Marta Lopes; Voleibol juvenis feminino - prof. Carlos Laranjeira; Xadrez, ambos os sexos e qualquer escalão etário - prof. Eduardo Vaz. Os grupos estão a trabalhar em plenitude com vista a uma participação honrosa nos campeonatos que se avizinham. Relativamente à atividade interna (a que decorre na escola), já se realizaram os torneios de badmínton (cujos resultados são os únicos conhecidos até ao momento), ténis e ténis de mesa, com uma afluência considerável. O encontro dos desportos gímnicos teve um caráter formativo, cujo objetivo foi dar novas vivências aos alunos. Quanto à atividade externa (encontros competitivos entre escolas), participámos nas modalidades de badmínton, xadrez, desportos gímnicos, futsal, ténis e ténis de mesa. Onze de dezembro é o dia do corta mato concelhio e a nossa escola conta com uma participação efetiva de 200 alunos do terceiro ciclo e secundário.

Torneio de badmínton -resultados Infantis B - Gonçalo Gomes, do 7ºF - 1º lugar; Luís Guilherme Santos, do 7ºE - 5º lugar. Iniciados masculino - Manuel Maria Neves, do 9ºH - 2ºlugar; Guilherme Gomes, do 9ºG- 3º. Iniciados feminino - Maria Beatriz Almeida, do 8ºF- 1º lugar. Juvenis feminino - Ana Sofia Conceição, do 11ºB – 1º lugar; Andreia Pereira, do 11ºC - 3º lugar; Marisa Simões, do 10ºF - 4º lugar. Juvenis masculinos - Miguel Coelho do 10º - 2º lugar. Juniores masculinos - Gonçalo Rodrigo, do 12ºA – 1º lugar; Alexandre Ferreira do 12ºC, 3º lugar. O desporto escolar tem tido uma boa adesão, o que reflete o compromisso que se estabeleceu entre a escola e os seus alunos Prof. Paulo Lopes

Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria


L etra s & Treta s | 49

Desporto Escolar Xadrez No dia 27 de novembro, realizou-se na ESSMO o torneio de Xadrez de abertura da CLDELMT (Coordenação Local do Desporto Escolar da Lezíria e Médio Tejo) - 2013/2014, com a presença de 17 participantes, envolvendo 4 escolas: Artur Gonçalves - Torres Novas; Afonso IV, Conde de Ourém – Ourém; Pedro Ferreiro – Ferreira do Zêzere; e ESSMO – Tomar. A nossa escola obteve os seguintes resultados: -Roberto Ribeiro, do 11º B - 4º lugar, com 4 pontos (os mesmos do primeiro classificado); -João Bernardo, do 9º H - 7º lugar, com 3 pontos; -Daniel Bernardino, do 10º G - 9º lugar, com 2,5 pontos; Todos os jogadores estão de parabéns pelo honroso desempenho revelado. Prof. Eduardo Vaz

Canoagem Decorreu no passado dia 20 de novembro, no Rio Nabão, o 1º encontro do Campeonato Distrital de Canoagem de Desporto Escolar (Lezíria e Médio Tejo). Esta atividade, incluiu as provas de resistência e de slalom, e contou com a participação de 35 alunos em representação do Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria (Tomar), da Escola Secundária Sá da Bandeira (Santarém) e da Escola EB 2,3 José Relvas (Alpiarça). Para além do notável despenho desportivo demonstrado, os participantes neste evento, evidenciarem um excelente espírito de convívio e de desportivismo.

Atletismo No passado dia 4 de dezembro o Grupo de Educação Física da Escola EB 2,3 D. Nuno Álvares Pereira, organizou um Torneio Escolar de Atletismo. Esta atividade, que decorreu no Estádio Municipal de Tomar, envolveu 95 alunos dos 2º e 3º ciclos. Para além de promover estilos de vida saudáveis e possibilitar o convívio entre os participantes, este evento permitiu apurar os alunos que representarão a nossa escola no Megasprint da Lezíria e Médio Tejo. Parabéns a todos os participantes! Prof. Sílvio Ramadas

Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria


50

|

EdiçãoNº8

Espaço Europa Instituições Europeias

Banco Central Europeu

Banco Europeu de Investimento

Tribunal de Justiça Europeu

Tribunal de Contas Europeu

O Banco Central Europeu (BCE) é a instituição central da política monetária da União Económica Monetária (UEM), e o centro do Sistema Europeu de Bancos Centrais (SEBC) Estabelece e aplica a política monetária europeia, dirige as operações de câmbio e garante o bom funcionamento dos sistemas de pagamentos. Tem como objetivos:  Manter a estabilidade de preços na UEM  Garantir o bom funcionamento do sistema de pagamentos  Administrar as reservas de divisas  Colaborar com as autoridades de cada país nas funções de supervisão bancária  Emitir as notas de euro  Estabelecer a quantidade de moedas de euro que os países membros devem cunhar O português Vítor Constâncio é o Vice-presidente O Banco Europeu de Investimento (BEI) tem como missão contribuir para o desenvolvimento equilibrado da comunidade, através da integração económica e da coesão social. O banco não concede financiamentos, regra geral, mas faz cofinanciamento em projetos específicos, de forma parcial e subsidiária. O BEI não tem fins lucrativos e pratica uma taxa de juro próxima do custo do empréstimo.

O Tribunal de Justiça tem como principal missão apreciar a legalidade dos atos da União e assegurar que a legislação da UE é interpretada e aplicada pelos tribunais nacionais da mesma forma em todos os Estados-Membros O Tribunal de Justiça aprecia questões referentes à aplicação dos Tratados e do direito comunitário. O Tribunal de Contas verifica se os fundos da União Europeia, vindos dos contribuintes, são cobrados de forma adequada e utilizados de acordo com a lei, de forma económica e para o fim a que se destinam. A sua missão consiste em assegurar que os contribuintes retirem o maior benefício possível do seu dinheiro e tem o direito de realizar auditorias junto de qualquer pessoa ou organização que se ocupe da gestão dos fundos da União Europeia. A principal missão do Tribunal é controlar a boa execução do orçamento da União Europeia. Trabalho realizado pelos alunos de Economia A, 11ºC

Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria


L etra s & Treta s | 51

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Os Direitos Humanos constituem os fundamentos sobre os quais se edifica a vida em sociedade. Sem eles, a felicidade sustentada seria impossível, porque não haveria nem segurança pessoal, nem liberdade, nem hipóteses de construir um futuro melhor. Infelizmente, ainda hoje, em muitos países há pessoas que são vítimas de injustiça, de tortura, de fome, de tráfico humano e de discriminação. Muitos seres humanos ignoram ainda o conteúdo da Declaração universal dos Direitos Humanos e dos direitos que ela define. Muitos seres humanos não sabem o que é a liberdade, a paz, a justiça. Há um abismo entre o ideal consagrado na Carta dos Direitos Humanos e a realidade. Assim, para assinalar o Dia Internacional da Declaração dos Direitos Humanos, as Bibliotecas Escolares do Agrupamento em colaboração com professores do Grupo de Geografia, de Filosofia, de Português, de História, da professora de Religião e Moral e de alunos, promoveram iniciativas destinadas a divulgar os direitos humanos e a sensibilizar a comunidade educativa para a importância da sua aplicação. Ao longo da manhã do dia 10 de dezembro, todos os membros da comunidade educativa foram desafiados a (re)construir em vários placards das escolas EB 2,3 D. Nuno Álvares Pereira e Escola Secundária Santa Maria do Olival, os artigos da Carta dos Direitos Humanos, com os direitos que nos protegem.

Criaram-se rosas-dos-ventos, com o intuito de orientar para o caminho certo e de aludir aos direitos dos migrantes.

Em espaço de sala de aula, várias foram as disciplinas que versaram o tema transversal dos Direitos Humanos. Em resultado desta abordagem foram elaborados trabalhos que refletiram sobre as situações que, no mundo atual, constituem violação de direitos humanos, foi recordada a ação dos principais ativistas dos direitos humanos e feita a ligação entre a literatura e esta temática.

Os Direitos Humanos são o garante de um desenvolvimento sustentável, num mundo mais justo e livre. Há que conhecê-los bem, para melhor defendê-los. Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria


52

|

EdiçãoNº8

LITANIA DO NATAL José Régio A noite fora longa, escura, fria. Ai noites de Natal que dáveis luz, Que sombra dessa luz nos alumia? Vim a mim dum mau sono, e disse: «Meu Jesus…» Sem bem saber, sequer, porque o dizia. E o Anjo do Senhor: «Ave, Maria!» Na cama em que jazia, De joelhos me pus E as mãos erguia. Comigo repetia: «Meu Jesus…» Que então me recordei do santo dia. E o Anjo do Senhor: «Ave, Maria!» Ai dias de Natal a transbordar de luz, Onde a vossa alegria? Todo o dia eu gemia: «Meu Jesus…» E a tarde descaiu, lenta e sombria. E o Anjo do Senhor: «Ave, Maria!» De novo a noite, longa, escura, fria, Sobre a terra caiu, como um capuz Que a engolia. Deitando-me de novo, eu disse: «Meu Jesus…» E assim, mais uma vez, Jesus nascia.

Respostas

Ficha Técnica Coordenação, Redação e Arranjo Gráfico: Isabel Conceição e Isabel Gamelas Colaboraram nesta edição: Afonso Gomes -11º C, Kika Almeida 1ºCEB, Catarina Trezentos - 10ºC, Sónia Mendes - 10º C, Paulo Vasconcelos - 10º C, alunos de Expressão Dramática - 8ºF,8ºG e 8ºH, alunos do 3º ano da EB1 Raúl Lopes - turma G, Lara Neves - 2º D, EB1 Raúl Lopes, alunos da turma M BC2 de Cem Soldos, prof. Rosa Fernandes, prof. Sandra Dionísio, Antigos Alunos do Liceu Nacional de Tomar/ Escola Secundária Santa Maria do Olival, Mariana Batista 10º B, alunos do 7º E e 7º F, Mariana Cardoso Nunes - 12º B, António Lopes, Laura Antunes -12º E, Pedro Alexandre - 9º F, Mariana Luís 11º F, prof. Eduardo Mendes, Manuel Faria - 11º F, professores da área disciplinar de matemática, prof. Paulo Lopes, prof. Eduardo Vaz, prof. Sílvio Barradas, prof. José Morgado, professores bibliotecários Hugo Vaz, Maria de Deus Monteiro e Paula Vaz, prof. Natália Nogueira, prof. Maria Celeste Sousa. Escola Secundária/3 Santa Maria do Olival –Tomar, Alameda dos Templários 2300-303 Tomar Tel. 249328360 mail:essmo.tomar@mail.telepac.pt Letras & Tretas - Edição nº11 – dezembro 2013

Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria

Profile for AENSM

Jornal 1º período - 2013/2014  

Jornal do agrupamento

Jornal 1º período - 2013/2014  

Jornal do agrupamento

Advertisement