Page 123

Como já foi mencionado, tanto a cultura negra quanto as crenças indígenas foram fundamentais para a configuração dos muitos festejos presentes no carnaval do Recife, como as tribos de caboclinhos. Elas fazem uma apresentação das mais marcantes e admiráveis do carnaval. Os caboclinhos são constituídos por um grupo de homens, mulheres e crianças fantasiados de índios, que dançam ao som de uma música leve e ligeira, executada, principalmente, por instrumentos muito característicos, como a inúbia, que tem origem tupi-guarani e, assim como o pífano, que assemelha-se a uma flauta, chamada por algumas tribos de “gaita”. Fazem parte também do apoio instrumental o surdo e o caracaxá, uma espécie de chocalho que, como explica dona Zuleide, presidente do Caboclinho Oxóssi Pena Branca, é bastante conhecido como mineiro. A caixa e o atabaque também podem ser usados. Outro som importante é o da preaca, espécie de arco e flecha que, quando manipulados, produzem uma marcação que serve para definir o ritmo da dança. Os caboclinhos têm um componente religioso muito acentuado, por meio de cultos indígenas ou afro-brasileiros, seguindo a jurema ou o candomblé.

Imagens Fantásticas do Carnaval do Recife  

Esse livro foi desenvolvido a partir da dissertação do Mestrado em Multimeios do Programa de Pós-Graduação do Instituto de Artes da UNICAMP...

Imagens Fantásticas do Carnaval do Recife  

Esse livro foi desenvolvido a partir da dissertação do Mestrado em Multimeios do Programa de Pós-Graduação do Instituto de Artes da UNICAMP...

Advertisement