Page 1

TUDO QUE ELE QUER Dominada pelo bilionรกrio Parte 9: Nรกufrago 4


Traduções:

Gabriela A. Claudia C. Iara R. Fernanda M. Sandra C.

Revisão: Solange C. G.

Esta tradução e disponibilização parcial foi feita por não ter previsão de lançamento no Brasil, ausente de qualquer obtenção de lucro, direta ou indiretamente. O mesmo não deve ser disponibilizado nem divulgado de nenhuma forma em outros meios de comunicação, seja impresso ou digital, sem a prévia e expressa autorização por escrita do responsável pela tradução. Fica ciente toda e qualquer pessoa que ao desrespeitar este preceito legal, responderá pelos seus atos, eximindo os/as tradutores/as. Após sua leitura considere a possibilidade de adquirir a versão original. Desta forma, você estará incentivando os autores e a publicação de novas obras.


Dizem que os pecados do pai são passadas para as sucessivas gerações, e isto não mais do que na família Hamilton.

O pouco que resta de esperança no coração de Lucy é abalada por acontecimentos e o trauma da perseguição de um louco.

Superada e enganada a cada momento, Lucy será forçada a fazer uma escolha terrível que terá consequências duradouras, não só mais com o coração. Pois em suas mãos está o destino de dois homens, ambos que ela ama, e ela tem que decidir quem vai viver e quem vai morrer.

Sem luz no final deste túnel escuro, Lucy vai ser capaz de escolher o caminho certo? Ou ela estará destinada a derrubar o legado da família Hamilton?


Algo sobre suas palavras fez arrepios saírem da minha carne.

"Jeremiah", murmurei, "Você se lembra do que disse antes sobre bater dois pássaros com uma pedra só?"

Todas as cabeças se viraram para olhar para mim, inclusive Marie.

Eu olhei para eles, então de volta para Jeremiah.

"Estamos todos aqui, no mesmo lugar, com base em informações que supostamente são do próprio Alexander..."

Eu vi clarear a compreensão primeiro no rosto de Marie. A lógica que o meu cérebro não queria compreender mobilizou a agente. Ela começou rosnando ordens e o grupo à nossa volta começou a desmontar as suas diversas configurações.

"Soltem suas algemas!"

Um agente negro jogou um jogo de chaves para Lucas que rapidamente abriu punhos de seu irmão e então a minha própria. Jeremiah ficou de pé, e assim fez Lucas que me puxou para cima.

"Precisamos sair daqui agora."

Então meu mundo explodiu.


Capítulo 16

Acordar foi doloroso. Eu fiquei em um estado de confuso estupor por muito tempo, meu cérebro ainda incapaz de lidar com a realidade, antes que eu finalmente ficasse lúcida. Meu corpo todo machucado, como se eu tivesse batido no chão várias vezes por uma equipe de linebackers1. Fiquei ali por um momento, fazendo um inventário de todas as pequenas dores, antes de me atrever a mover tanto quanto uma polegada. Imediatamente eu soube que estava em apuros quando minha perna não se mexeu. Algo pesado estava em cima dela, mas na escuridão, eu não podia ver o que era. Tossi, o ar uma mistura de fumaça e poeira. Meu cérebro não parecia pronto para o desafio de pensar muito além do desconforto, o ato enviando cacos de dor através do meu crânio. Presa no lugar, eu deitei de volta para o chão irregular, fechando os olhos e simplesmente tentando respirar. Meus pulmões sentiam-se apertados, muito cheios de partículas, mas naquele momento a respiração era tudo que eu conseguia. Doía para fazer qualquer coisa, e quando a tosse começou trouxe dores cortantes até a perna presa. Jeremiah. A memória estava lá, mas distante. Eu via o rosto de um homem conhecido em minha mente, olhos verdes olhando para mim, mas nada doía mais que pensar. Eu fechei meus olhos, lágrimas caíam e secavam quase que instantaneamente contra a poeira em meu rosto.

1

Uma posição do futebol americano e canadense, são membros do time de defesa.


Estendi a mão cegamente, sentindo a minha volta, e senti algo mover nas proximidades. Um gemido ecoou pelo pequeno espaço como se alguém acordasse. "Você está bem?" Consegui sussurar, minha voz desaparecendo. Houve silêncio por um longo momento. "Lucy?" A voz me fez lembrar de uma personalidade irreverente despreocupada. Fechei os olhos. "Lucas, o que aconteceu?" "Não sei." Eu ouvi ele se mover ao meu lado, e então ele deu um pequeno gemido. "Espere". A luz de um celular iluminou o espaço, e eu pisquei quando foi apontada diretamente para mim. Protegendo meus olhos, olhei em volta da pequena área e vi pedaços grossos de madeira segurando escombros a menos de um metro de distância. "Eu gostava mais quando eu não sabia o que estava em cima de mim", sussurrei baixinho. "Sem brincadeiras, ok?" O silêncio aguçou minha audição, e através da dor no meu crânio eu pensei ter ouvido vozes. Lucas deve ter ouvido também, porque ele disse: "A ajuda está a caminho." Eu apertei os olhos com força, letargia me sobrecarregando. "Tão cansada", eu murmurei, querendo apenas dormir. "Ei!" A voz aguda ecoou dentro do pequeno espaço. "Sem dormir até que estejamos fora. Você pode ter uma concussão."


A letargia, no entanto, continuou a se espalhar, e não importa o quanto eu tentei me manter acordada, meu corpo exigia o contrário. Estendi a mão para sua voz. "Lucas". Lembro-me vagamente de alguém puxando meu braço e dizendo algo no meu ouvido, mas nada podia manter-me acordada. A próxima vez que eu acordei, luzes brilhantes brilhavam nos meus olhos. Eu bati as mãos debilmente, os raios atravessando minha cabeça como pregos, e a luz desapareceu. Vozes ecoavam em volta de mim, e quando eu pisquei o mundo em foco, elas começaram a fazer sentido. "Estou te dizendo, nós não podemos voltar para o seu escritório." "Essa é a única opção que tenho neste momento." O forte sotaque de Marie me disse que a francesa estava sob um monte de estresse. "Nós não estamos preparados para lidar com uma situação como esta." "Ele espera que façamos isso, você não vê? Nós não podemos fazer o que se espera ou vamos caminhar diretamente em outra armadilha." "Eu penso que devemos fazer o que você disser" eu resmunguei com a voz rouca, e ambas as partes argumentando fizeram uma pausa para olhar para mim. Instantaneamente Jeremiah estava ao meu lado, ajoelhando-se e pegando a minha mão. "Como você está se sentindo?", ele perguntou baixinho, colocando seus dedos na minha articulação. Acenei uma mão fraca no ar. "Ui" O movimento machucou - Merda, respirar doía -, mas o gesto pareceu relaxar Jeremiah. Mudei minhas pernas e puxei uma


respiração aflita. "Meu tornozelo", eu gemi, fazendo-me ainda continuar. "Você estava presa sob a principal viga do telhado da cabana. Demorou algum tempo para tirá-la do seu pé". "E Lucas? Ele está bem?" "Presente, em uma única peça. Bem, na maior parte." Virei a cabeça para trás para ver a aproximação de Lucas, mancando ligeiramente. Ele estava segurando sua barriga e moviase lentamente, mas o seu sorriso ainda brilhava na escuridão. Ele dispensou qualquer preocupação, ajoelhando nas proximidades. "Como está a perna?" Garantindo a mim mesma, eu mexi meus dedos, e então meu pé flexionado me deu a dica indispensável. Eu não tinha idéia de quanto tempo eu estive desacordada, mas poderia dizer que estava duro e inchado. A dor ainda estava lá, mas pelo menos neste momento não era tão surpresa. "Já esteve melhor, na verdade." O sorriso de Lucas ampliou. "Essa é minha garota." Os braços em volta de mim apertaram, e os olhos de Lucas voltaram para Jeremiah. Eu dei um gemido frustrado, percebendo a tensão que a declaração trouxe à tona, mas Lucas recuou. "Sabe o que aconteceu?" ele perguntou a Marie, que eu notei também apoiada em uma muleta. "RPG, granada de mão, bombas, isso já foi avaliado?” "Eu tenho pessoas trabalhando nisso, mas a maioria dos nossos equipamentos foi danificado na explosão." A voz de Marie soava rouca, como se tivesse respirado fumaça ou dando ordens a noite


toda." Nós não temos luz suficiente para fazer uma varredura completa, e ainda temos o nosso próprios feridos para cuidar." "Bem, nós não podemos ficar aqui." "Isso eu sei, Sr. Hamilton." Um outro homem em um terno sujo se aproximou e sussurrou para a agente francesa e Marie foi se afastando mancando. Eu pendi a cabeça para os lados contra o braço de Jeremiah. "O que aconteceu?" Eu sussurrei, feliz com a escuridão. Minha dor de cabeça estava diminuindo, mas não rápido o suficiente para a minha paz de espírito. "Lembro-me de minhas algemas serem retiradas, depois a explosão." "Houve três explosões na verdade", Jeremiah respondeu com uma voz rouca "Tudo perfeitamente direcionado para derrubar a cabana. Aquilo não foi direcionado a uma única pessoa, foi projetado para atingir quantas baixas fossem possíveis." Eu fechei meus olhos, engolindo em seco. "Posso conseguir um pouco de água?" "Eu vou buscar", disse Lucas antes que Jeremiah pudesse responder. O homem da cicatriz ficou firmemente de pé e arrastouse para dentro da escuridão. Entre a dor no meu tornozelo, a dor de cabeça horrível, e o estresse de ser alvo de um louco, tudo que eu queria fazer era chorar. "Como você está?" Eu perguntei, apertando sua mão. "Satisfatório. O sofá caiu em cima de mim, me protegendo da maioria das explosões". A imagem na minha cabeça, me fez sorrir. "Você foi atacado por um sofá?"


"Vamos manter esse segredo entre nós, não vamos? Ele definitivamente conteve o impacto do ataque, mas quando tudo estava estabelecido eu não conseguia encontrá-la.” Suas últimas palavras foram irregulares, e um grande nó se instalou na base da minha garganta. "Eu quero que isso acabe", eu murmurei, agarrando-me a camisa de Jeremiah. Ele puxou uma respiração irregular, e, em seguida, colocou a mão no meu cabelo. "Eu tenho você", ele murmurou, inclinando-se para baixo e beijando o topo da minha testa. Eu não pude evitar de me perguntar se isso seria o suficiente para sobreviver.

***

"Eu preciso entrar em contato com o meu pessoal." "E eu estou te dizendo que poderia ser uma péssima idéia." Vozes abafadas me acordaram pela terceira vez. Eu ainda estava em uma área escura, mas perto eu podia ver luzes iluminando uma pequena área ao lado da ruína da cabana. Minha cama também não era mais a grama de fora, mas uma cama estreita, com uma jaqueta enrolada servindo como um travesseiro. A dor em meu crânio tinha finalmente diminuído, e eu me sentei com cuidado, testando os níveis de dor. Eu notei que alguém tinha engessado meu tornozelo, e deixou uma única muleta de madeira no chão ao meu lado. Balançando as pernas para o lado da cama estreita, sentei-me ali por um momento para me certificar de que eu estava bem antes de


tentar ficar de pé. A primeira tentativa foi ruim, uma dor atingiu o meu tornozelo machucado, e eu amaldiçoei sob a minha respiração. A segunda vez eu mantive meu pé ruim fora do chão e virei-me, usando a cama como alavanca para chegar no outro pé. Pegando a muleta, eu coloquei debaixo dos meus braços e manquei em direção à luz. Eu não era o única machucada do grupo. Várias pessoas, algumas das quais tinham roupas ensanguentadas e ataduras, estavam sentadas nas camas ao longo da parede da cabana. Ao redor da luz, eu podia ver várias figuras cobertas deitadas no chão. Enquanto eu olhava, outra pessoa foi colocada ao lado da fileira, e eu vi uma mão pálida rolar por debaixo da capa. Eles estavam mortos. Estremeci e desviei os olhos. A única luz à minha frente brilhava sombras irregulares no chão. Eu manquei cambaleando pelo chão em direção às vozes familiares, ainda discutindo. "Sr. Hamilton, enquanto eu respeito a sua experiência em alguns assuntos, eu preciso levar meus homens e seu pessoal para um local seguro.” "E eu estou lhe dizendo que é perigoso demais para confiar em qualquer comunicação que você pode receber. Precisamos descobrir algo livre de qualquer influência exterior." "Nós já sabemos o que aconteceu?" Minha voz soou rouca, como se eu tivesse dormido muito tempo, mas a minha pergunta chamou as suas atenções. Marie imediatamente rejeitou a minha presença, voltando-se para um outro agente que surgiu ao lado dela, mas Jeremiah correu para mim.


"Como você está se sentindo?", Perguntou ele, a conversa com a agente da Interpol esquecida. "Cansada. Como se eu tivesse um tornozelo quebrado. Ele está quebrado, não está?" "A pele estava roxa quando eu a vi o que não é um bom sinal, mas não saberemos ao certo até que a levemos a um hospital." Eu gemi. Eu estava completamente impotente, inútil, e o perigo estava longe de terminar. “O que nós vamos fazer agora?” "Nós não podemos ficar aqui. Ninguém pode dizer como ocorreu a explosão, o que significa que não sabemos se pode se repetir. Agora somos alvos fáceis. Eu não confio em qualquer comunicação, qualquer equipamento elétrico, porque tudo pode ser rastreado. Mesmo os malditos carros que eles dirigiram até aqui têm chips dentro do GPS ". "Meus homens estão trabalhando agora para removê-los dos dois veículos. Os danificados serão levados de volta, enquanto o terceiro está sendo consertado." Jeremiah balançou a cabeça para as palavras de Marie. "Ele ainda pode nos rastrear dos céus. Até onde eu sei, não existem túneis por aqui para nós nos escondermos de satélites, e nós temos que assumir que ele irá tirar proveito disto.” A mulher mais velha deu um suspiro. "Será que estamos mesmo certo de que era Rush?” Jeremiah olhou para ela com os olhos apertados. "O que você quer dizer? Quem mais poderia ser?" Atrás de nós, alguém limpou a voz. "Eu posso ter feito alguns inimigos no último dia ou dois."


Eu inclinei minha cabeça para o lado quando Lucas deu de ombros, com um sorriso animado se espalhando por todo o rosto. "Depois de nos separarmos no aeroporto, eu dei um ligeiro espetáculo a fim de atrair a atenção da adorável agente aqui. Realmente querida", ele acrescentou, olhando para o rosto com os lábios apertados de Marie, “Sua equipe sempre me nota." "Você não precisava bater no segurança", Marie disse com uma voz firme, ignorando o sorriso de Lucas e olhando para mim. "Mas ele foi muito rude comigo quando eu estava passando pelo posto de controle de segurança", disse Lucas, fechando seus olhos inocentemente. "Loki aqui estava nos dando informações", Marie continuou , ignorando o homem sorrindo ao lado dela. "As fotos que eu mostrei para você no aeroporto foram parte daquilo. Ele está nos ajudando a identificar algumas das peças chaves em sua área". Olhei para Lucas. "O Sr. Smith das docas?" Lembrei-me do bem-vestido, homem mais velho e calmo das docas na Jamaica. Ele não parecia perigoso, mas, lembrando-me do medo nos olhos de Niall, algo me dizia que não têm amabilidade com traição. "Você acha que ele já sabe?" Um músculo tremeu no rosto de Lucas, embora o sorriso nunca deixou seu rosto. "Eu não tenho nenhuma dúvida que ele sabe, por isto eu não estou certo de que este é necessariamente Rush.” "Você está ajudando?" Lucas olhou para Jeremiah, levantando uma sobrancelha para a nota dúbia na voz de seu irmão.


"O seu irmão mais velho também não pode ser um herói? Aposto que você pensou que tinha o monopólio sobre isso em nossa família." "Mas nós fomos enviados para cá", eu disse, frustrada. "Quem nos enviou deve ser o único que armou isso." "A menos que se sabia sobre o outro e queria matar dois coelhos com uma cajadada só." Uma voz chamou Marie. "Se vocês me derem licença", disse ela, em seguida, desapareceu na escuridão. Ao nosso lado, Lucas se mexeu. "Eu acho que, provavelmente, devo ir me deitar." Eu não tinha percebido até que ele disse algo de como debruçado Lucas estava. "Você está bem?" Eu perguntei, movendo-me em direção a ele, mas ele me dispensou. "Eu vou ficar bem, só preciso descansar um pouco." Ele olhou para Jeremiah, o canto da boca levantando. "Vejo você em breve." Ele definitivamente não parecia muito bem quando ele mancou para longe de volta para a cama, um braço em volta de sua barriga. Parte de mim queria se certificar de que estava tudo bem, mas meu tornozelo latejante me lembrou que ninguém estava muito bem. Minha mente voltou para o morto ao redor da luz, e me empurrou para aprofundar no abraço de Jeremiah. Acima de mim, Jeremiah estava olhando com desconfiança na escuridão. "Eu não confio neles." "Talvez não”, eu murmurei, passando a mão ao longo de seu ombro em um gesto reconfortante “Mas que escolha temos?" "Nenhuma".


Eu coloquei minha cabeça contra ele, pressionando-me contra o calor de seu corpo. "Tudo isso é a Interpol?", perguntei. O pouco que eu tinha ouvido falar sobre a organização não parecia se encaixar nesse cenário. Jeremiah balançou a cabeça. "Eles trouxeram as armas pesadas, bem como as autoridades locais. A agência de Crime da Grã-Bretanha tem uma mão nisto, e eu já vi alguns emblemas da NATO2 em alguns homens e equipamentos. Eu não ficaria surpreso se algumas dessas pessoas fossem da CIA3. Rush fez a si mesmo um inimigo internacional, e nós estamos presos no meio disto.” Abaixo de mim, ele estava duro como uma rocha, cada músculo tenso. Dentro havia um touro enjaulado, procurando algo, alguém, para cobrar. No momento, porém, nenhum inimigo à vista, e os perigos desconhecidos espreitavam na escuridão. Ele estava praticamente vibrando da tensão de tentar se segurar. Quando eu passei a mão pelo seu cabelo, senti um pouco dessa tensão diminuir. Ele olhou para mim, então estendeu a mão e segurou meu rosto com uma das mãos. "Eu nunca machucaria você." A mudança abrupta no assunto me confundiu. Eu me afastei e olhei para ele. “Eu sei disso." Havia coisas que eu tinha medo que ele fizesse, mas levantar a mão para mim, nunca foi levado em consideração. 2

OTAN ou NATO por vezes chamada Aliança Atlântica, é uma aliança militar intergovernamental baseada no Tratado do Atlântico Norte. 3

A Central Intelligence Agency, mais conhecida pela sigla CIA, é uma agência de inteligência civil do governo dos Estados Unidos responsável por investigar e fornecer informações de segurança nacional para os senadores daquele país.


"Quando estávamos no hotel... Quando cheguei em você e você se afastou." Ele parou e olhou para a escuridão. "Meu pai..." O pouco que sabia sobre sua família, qualquer sentença prefaciada com essas duas palavras nunca terminava bem. O mais delicadamente que pude, peguei seu queixo e virei seu rosto para mim. A carranca tinha desaparecido, mas mesmo na penumbra pude ver a dor brilhando em seus olhos. "Nem uma única vez quando brigamos eu acreditei que você pudesse me machucar." Minhas palavras não pareciam ter feito muito efeito. "Eu poderia ter", ele murmurou. "Teria sido tão fácil". "Mas você não fez." A veemência na minha voz finalmente chamou sua atenção. "Você me machucou com as suas palavras, sim, mas você tinha direito a sua dor. Mesmo se você tivesse cumprido suas ameaças..." Eu apertei meus lábios, percebendo que meus ferimentos eram muito crus para mim. A memória de suas palavras ainda doía, e eu eventualmente teria que lidar com isso. "Nós dois cometemos erros, e o perdão não vai acontecer da noite pro dia." "Talvez." "Jeremiah." Eu puxei a cabeça de lado novamente, para garantir que estivéssemos olho no olho "Eu não sei as particularidades de sua vida familiar enquanto crescia, mas eu acho que sei o homem que você é agora." Eu manquei ao redor com a muleta até que estávamos cara a cara, e depois entrelaçei os braços ao redor de seu pescoço. Jeremiah estava me observando em silêncio, mas eu sabia que tinha sua atenção total. Inexplicavelmente, as lágrimas formaram em meus olhos e pisquei enquanto continuava.


"Você é incrível, e apesar de tudo o que passamos, estou muito feliz que você foi colocado na minha vida." O silêncio se estendeu entre nós, mas eu não olhei para longe de seus olhos. Eles brilharam na fraca luz, e mesmo que eu não pudesse dizer o que estava acontecendo dentro de sua cabeça eu não me importei. Finalmente, ele limpou a garganta e desviou o olhar. "Devemos ver como todo mundo está se saindo." Se eu tivesse esperado uma declaração semelhante dele, teria sido uma resposta decepcionante. Sendo assim, eu apenas bufei e revirei os olhos. Homens. "Você se importa de dar a uma menina uma mãozinha?" Ele virou-se um pouco e estendeu o cotovelo em direção a mim. Entregando-lhe a minha muleta, coloquei meu braço através dos braços dele, me espremendo mais perto. Havia muito mais que eu queria dizer a ele, mas isso viria mais tarde. Naquele momento tínhamos outros problemas para nos preocupar, e com a sua ajuda eu manquei de volta a luz para o resto do nosso grupo.


Capítulo 17 “Nós temos alguma ideia de onde estamos indo?” “Nenhuma pista. Mas eu acho que o consenso geral é de que nós não podemos ficar aqui”. Eu fiz uma careta para Lucas que estava ao meu lado. “Você está bem?” Nós estávamos próximos de uma das enormes vans preta que estavam em frente ao que tinha sobrado da cabana. Na luz fraca, eu podia ver uma linha de suor escorrendo pelo rosto de Lucas. Sua pele pálida brilhava na escuridão, e ele estava se inclinando fortemente contra o capô da van. “Sim, Estou bem como a chuva”. Ele olhou para mim. “Ao menos eu não virei um aleijado”. Eu corei, remexendo minha muleta. “Você me puxou para fora?” Eu perguntei, ignorando seu sarcasmo. “O máximo que eu pude”. Com uma mão, ele gesticulou vagamente para meu tornozelo. “Você pode colocar algum peso nele?” Eu me endireitei e lentamente coloquei o pé machucado no chão. A dor ainda estava lá, mas não tão grande como antes. “Um pouco”, respondi, levantando-o para cima e descansando novamente sobre as muletas. “É um bom sinal. Talvez seja uma distensão, ou apenas uma contusão causada pela viga”. Ele ficou em silêncio, algo que ele não fazia com frequência. “Você realmente não parece estar bem”, eu disse, minha testa franzindo em preocupação. Lucas foi salvo de dar uma resposta quando Marie e Jeremiah voltaram. Debrucei-me contra Jeremiah enquanto ele olhava para


seu irmão. Seu abraço em volta dos meus ombros estava apertado, e apesar de estar agradecida por sua presença, a tensão me dizia que ainda tinha muitas coisas que precisávamos conversar. “Nós temos dois carros prontos para ir”, Marie disse, abrindo a porta de passageiro ao meu lado. Os Agentes haviam desativado as luzes do interior do carro para evitar identificação, mas ela iluminou o interior com uma lanterna, como se para fazer uma última varredura. “Um dos nossos foi danificado na explosão e meus homens estão trabalhando nisso agora, mas nós precisamos deixar nossos feridos em segurança”. “Ele poderá nos rastrear, não importa se deixaremos as luzes ligadas ou não”. “É um risco que temos que correr. Eu tenho homens machucados e Lucy pode estar com o tornozelo quebrado. Ela certamente não poderá correr se acontecer outro ataque”. Eu fiquei levemente irritada, sem apreciar o fato de ter minha condição usada para obter alguma cooperação de Jeremiah, mas ele assentiu. “Está van será para quem estiver ferido, nós já tiramos os bancos traseiros”. Marie assentiu e fez um gesto em direção à escuridão. Várias pessoas saíram. Alguns se apoiando em outros enquanto eles mancavam em direção ao veiculo. Um por um eles foram carregados para dentro da van, um silêncio pairava no ar, exceto por um suspiro ocasional ou um gemido de dor. Eu inclinei minha cabeça para o braço de Jeremiah, mas ele se afastou e abriu a porta de passageiro. “Aqui, vamos colocar você para dentro”.


Eu deixei que ele me ajudasse a sentar, e ele colocou a muleta no meu colo. “Você vai dirigir?”, perguntei, enquanto puxava meu cinto de segurança. Ele não respondeu imediatamente, ao invés disso abriu a porta de correr ao lado. “Venha me ajudar”, ele disse bruscamente ao seu irmão, enquanto as pessoas se aproximavam. “Jeremiah”, eu disse com uma voz firme, “Você está vindo conosco, não está?”. “Não parece”, Lucas disparou sem se mover do seu lugar contra o capô. Seus dentes brilhavam na escuridão. “Meu palpite é que ele vai ficar para trás e bancar o herói novamente”. Não! Eu olhei para Jeremiah, mas estava muito escuro para ver sua expressão. “Isso é verdade?” perguntei, minha voz firme. Quando ele continuou sem responder, eu estendi a mão e agarrei sua manga. “Você vai ficar aqui?”. "Só por pouco tempo." As palavras pareciam arrancadas dele, como se ele não tivesse a intenção de me contar. "Eu vou ajudar com o terceiro carro e estarei bem atrás de você." "Quanto tempo vai demorar?" "Não deve demorar muito. Mas temos mais feridos que precisam ficar em segurança. Eu estarei bem atrás de você." Eu quero ficar com você. As palavras ficaram presas na minha garganta enquanto minha respiração ficava irregular, a ansiedade ameaçando tomar conta de mim. A ideia de implorar ia contra cada aspecto do meu ser, mas naquele momento, era a única opção que eu podia imaginar. Eu, no entanto, mantive meus lábios apertados,


olhando para ele em silêncio, enquanto o observava ajudar a colocar as últimas pessoas no carro. “E o outro carro?”, perguntei. “Era muito pequeno para caber mais pessoas, e também está carregando a maioria dos equipamentos remanescentes. Os dois carros estarão pegando rotas diferentes para casa, em caso de estarmos sendo seguidos, mas devem chegar ao mesmo tempo”. Ele fechou a porta e se inclinou contra a janela aberta. “Nós vamos pegar o outro carro que está a caminho, e encontraremos vocês no destino final”. Algo me dizia que ele não ia mudar de ideia, e isso me fez querer agarrá-lo bem forte. Por aqui era muito perigoso; quem sabia o que se escondia nas sombras. Mas eu engoli as minhas dúvidas e medos, sabendo que eles não iriam ajudar, e coloquei uma mão trêmula contra sua bochecha. “Tenha cuidado”. Ele pegou minha mão e beijou a palma. De perto, eu podia ver a aprovação e gratidão nos seus olhos, como se ele estivesse orgulhoso da minha resposta. Eu corri meus dedos pelo seu rosto, memorizando as texturas e formas, então relutantemente puxei minha mão para dentro. Eu queria chorar e argumentar, implorar e pedir, mas não adiantaria nada a não ser me fazer parecer patética. Engolindo meus medos, eu puxei minha mão para o carro e sentei de volta no assento, mordendo o interior da minha bochecha para não chorar. “Vamos Lucas”, Jeremiah disse, sinalizando para que seu irmão o seguisse. Lucas se moveu contra o capô.


“Eu...” Ele parou sua cabeça virando para pegar meu olhar através do para-brisa. “Eu não acho que consigo”. “O quê...” Eu dei um grito estrangulado quando Lucas deslizou para o lado e caiu na frente da roda. Imediatamente, Jeremiah estava ao lado dele, e eu espichei o pescoço para fora da janela para ver o que estava acontecendo. A respiração de Lucas estava superficial, e ele deu um pequeno gemido quando os dedos de seu irmão pressionaram seu abdômen. Jeremiah levantou sua camisa e, mesmo na luz fraca, eu podia ver os hematomas escuros ao longo da sua barriga. “Seu idiota arrogante”, Jeremiah resmungou enquanto Marie sinalizava para que dois Agentes viessem ajudar, “porque você não disse a ninguém que estava ferido? Isso parece ser hemorragia interna”. “É isso que é?” Lucas perguntou baixinho enquanto três homens se posicionavam para levantá-lo e coloca-lo na van. Eu não poderia dizer se era uma pergunta séria, mas sua voz fraca me assustou. Ele foi levantado cuidadosamente e colocado dentro da van, no banco atrás de mim, o único que havia sobrado dentro da van. Eu me virei no meu assento o máximo que meu cinto permitia e atrai o olhar de Lucas. Ele me deu um sorriso fraco e um pequeno aceno. “E ai, docinho?”. Marie subiu no banco do motorista e deu partida na van. As portas se fecharam e Jeremiah deu um passo para trás. Na nossa frente, eu vi o segundo carro sair da garagem, rapidamente sendo engolido pela escuridão. Nenhum dos carros estava com os faróis ligados, e eu estava pensando como os motoristas iam dirigir até que vi Marie colocar um par de óculos de visão noturna sobre seus olhos.


“Vamos lá”. Eu assisti impotente enquanto a van seguia caminho. Afastando rapidamente da escassa luz da cabana. A figura de Jeremiah também foi engolida rapidamente pela escuridão, e eu virei para a frente. Meu peito apertou e eu engoli minhas lágrimas. As memórias voltaram para o terrível dia que meus pais morreram. A policia me ligou várias horas depois para me contar do acidente, e eu tinha dirigido sozinha até o hospital para identificar os corpos. De jeito nenhum eu iria fazer isso de novo; eu perderia a cabeça se isso acontecesse com Jeremiah. “Então, você é originalmente do Canadá?”. A voz de Marie cortou o silêncio, me fazendo voltar para o presente. Eu olhei na direção dela, e então de volta para a escuridão na minha frente. “Quebec, na verdade”, murmurei, limpando a garganta. “Nos mudamos quando minha avó faleceu e deixou pra nós sua casa em New York”. “Ah, franco - canadense. Eu tenho uma irmã em Montreal”. Eu sabia que ela estava tentando manter alguma conversa, mas eu não estava no clima. Girando um pouco no meu assento, eu estiquei meu braço para trás em direção ao assento atrás de mim, procurando cegamente por Lucas. Quando eu encontrei seu cotovelo, deslizei minha mão para cima até que estivesse segurando seus dedos. Dei um pequeno aperto neles, e fiquei grata quando ele retribuiu o gesto. “Porque você não nos disse que estava ferido?”. “Foi mais engraçado ver seu rosto quando eu caí. Eu queria estar com uma câmera”. Eu bufei.


“Se você não estivesse com ferimentos internos, eu bateria em você”. “Vá em frente, duvido que agora faria muita diferença”. Suas palavras estavam tensas, e eu agarrei sua mão com mais força. “Marie”, perguntei com uma voz trêmula, “Falta quanto para chegarmos?”. “Nós estaremos lá o mais rápido possível”. Dirigimos em silêncio, a estrada parecendo eterna. Dois Agentes estavam na parte de trás com ossos quebrados; eu podia escutar eles gemendo enquanto passávamos pelos buracos na estrada, mas eram os gemidos de Lucas que faziam meu coração doer. Marie então tirou os seus óculos e ligou os faróis quando chegamos na estrada principal. Meu tornozelo latejando era um pensamento distante na minha mente enquanto eu contava as milhas até paramos.

***

Já estava claro lá fora quando nós chegamos a um hospital próximo a Londres. Uma equipe médica escoltada por Agentes saiu do prédio, se movendo diretamente para a nossa van. Eu saí do carro, os músculos rígidos depois da longa viagem. Descartando uma cadeira de rodas que haviam trazido para mim, assisti Lucas ser colocado em uma maca. Eu manquei atrás dos médicos que o levavam para dentro, mas fui impedida de entrar com ele no elevador.


“Ele vai para a cirurgia”, Marie disse quando tentei passar por ela. “A partir daqui são apenas os médicos”. Diminui o passo, assistindo impotente enquanto as portas se fechavam. “Ele vai ficar bem?” “Quem pode dizer, mas esses médicos vão fazer o melhor que eles puderem”. Ela indicou meu tornozelo. “Você deveria pedir para alguém examinar sua perna”. Para tentar provar que ela estava errada, flexionei meu pé colocando-o no chão. Doeu na parte que estava inflamada, e apesar da dor ainda ser grande já não era mais tão insuportável. “Estou bem. E Jeremiah e os outros agentes?”. “Seu grupo informou a trinta minutos atrás que eles estavam na estrada vindo para cá”. Meus ombros caíram, a respiração que eu não tinha percebido que estava segurando tomou conta do meu corpo. Eu não me sentiria segura até que Jeremiah chegasse, mas era bom saber que ele estava a caminho. “Nós nunca tivemos a oportunidade de falar plenamente sobre o que aconteceu com você depois que você saiu de Londres. Talvez, possamos conversar?”. A Agente estava quase sendo simpática, e eu olhei para ela desconfiada. “Nós estávamos algemadas e sob guarda a última vez que conversamos”. “Vocês tinham acabado de aparecer em um lugar protegido, no meio

de

uma

grande

operação.

Então,

compreensivelmente um pouco desconfiados”. Direto ao ponto.

nós

estávamos,


“Eu vou falar tudo o que você precisa saber”, eu disse e então suspirei. “Estou mais do que um pouco cansada de aventuras neste momento, pronta novamente para uma vida chata”. “Cuidado com o que você deseja, pode não ser possível depois do que você passou. Embora eu certamente entenda esse sentimento, você se apaixonou por alguém que pode nunca te dar a paz desta forma”. “Não brinca”, murmurei, mas um dos lados dos meus lábios inclinou-se. “Você tem algum lugar aonde eu possa apoiar o meu pé?”. Marie não teve tempo de responder antes que um jovem Agente chegasse correndo até ela. “Nós os achamos”, disse em uma voz apressada. “Quem?”. “A família do Agente Sanders. Sua esposa ligou de um orelhão a menos de uma milha de distância perguntando pelo marido dela. Nós estamos trazendo ela aqui agora”. Os lábios de Marie se apertaram em uma linha sombria. “Ao menos algumas pessoas saíram dessa ilesa”, ela murmurou, e então se virou para mim. “Eu preciso ir, mas ainda quero falar com você”. “Eu posso ajudar de alguma forma?” perguntei, seguindo-a nas minhas muletas. “Talvez apenas ouvir a historia deles? Se eu puder ajudar com qualquer coisa eu deixo você saber”. A francesa parou e olhou para mim, então relutantemente balançou a cabeça. “Primeiro eu preciso informa-los sobre a morte do Agente Sanders, então questiona-los sobre qualquer coisa que eles saibam. Se eles disserem alguma coisa que você puder ajudar a identificar, eu te


informo”. Ela parou e então limpou a garganta. “Eu percebi que você

era

a

parte

prejudicada,

mas

apesar

do

seu,

eh,

desentendimento com o Agente Sanders, ele era um bom homem de família e oficial. Posso contar com seu silencio sobre a relutante participação dele nesse caso?”. “É claro”. O desespero no rosto do Agente quando ele apontou sua arma para mim surgiu na minha cabeça. Ele tinha sido colocado em uma situação sem saída, forçado a escolher entre sua família e nós. Apesar de tudo, eu podia entender porque ele nos atacou. Eu não transferiria o peso da sua reação para nenhuma família, especialmente alguém que poderia estar sendo mantida refém por Alexander Rush. “Eu vou com você?”. “Não, fique aqui. Assim que alguém examinar você e Lucas estiver bem o suficiente para sair, nós levaremos vocês dois”. Seus lábios se apertaram e ela me examinou de perto. “O que ele é para você?”. Eu escutei a clara insinuação na voz dela, mas já sabia minha resposta e tentei não parecer ofendida. “Ele é um bom amigo. Nada menos, nada mais”. Marie pareceu desconfiada, mas assentiu. “Eu sei que você insiste que está bem, mas peça para um médico examinar sua perna”. Meus lábios se contorceram para baixo, mas acatei sua sugestão e assenti. Enquanto Marie se afastava, um jovem médico, escoltado por outro Agente se aproximou de mim. “Por aqui senhora”, ele disse, e eu o segui pelo corredor. O médico confirmou minha suspeita de distensão e apenas substituiu as ataduras. Meu pé ainda estava inchado, mas ele


explicou que a contusão era mais externa, devido ao trauma causado pela batida da viga na minha perna e menos de ter quebrado. Ele sugeriu um raio-X, mas reconheceu que como eu estava

me

movendo

sem

problemas

e

sem

muita

dor,

provavelmente era uma distensão. A nova atadura protegeu toda a área, facilitando um pouco para caminhar, embora ele tenha me advertido a não fazer isso por enquanto. Lucas ainda estava atrás das portas principais, provavelmente em cirurgia, quando eu terminei meu exame. Eu não tinha certeza quanto tempo fiquei sentada lá, mas apesar de tudo o que estava acontecendo, me permiti descansar os olhos por um instante. Muitas coisas estavam acontecendo ultimamente, muito perigo; então por esse breve momento eu me senti segura, e não queria abandonar esse sentimento. A dor de cabeça que sutilmente me assolava desde a explosão da cabana finalmente foi embora, e eu descansei minha cabeça contra a parede e fechei meus olhos. “Srta. Delacourt?” Uma voz próxima me sacudiu do meu devaneio. Perto de mim estava outro médico, esse um pouco mais velho, olhando em volta com expectativa. Eu não tinha ideia de quanto tempo tinha cochilado, mas vi que os mesmo Agentes ainda estavam alinhados ao longo do corredor. “Sim?” perguntei, ao me sentar. O médico olhou para mim e sorriu levemente. “Seu amigo Lucas está perguntando por você”. Isso me acordou completamente. Peguei minhas muletas e fiquei de pé enquanto o médico continuava a falar. “O sangramento dele não era grave, então pudemos controlar com uma pequena cirurgia. Ele ainda vai precisar repousar por um tempo”. A última parte parecia


estar sendo dirigida mais aos Agentes do que a mim. Uma senhora saiu do seu lugar na parede puxando um celular do seu bolso. “Ele vai ficar bem?” perguntei, atraindo a atenção do médico para mim. “Posso vê-lo?”. O medico assentiu. “Ele vai estar um pouco tonto por um tempo, mas sim, eu posso leva-la até ele”. “Posso ter um momento antes de você entrar?”. Eu olhei, para ver uma dos Agentes saindo do seu posto no corredor do hospital e vindo na minha direção. “Agente Anderson”, ela disse em uma breve apresentação, me dando um rápido aperto de mão. Ela ignorou o médico e fez sinal para que a seguisse. “Agente Gautier gostaria de ter uma palavra com você”. A nova Agente tinha um sotaque americano, o que eu achei interessante. Eu a segui alguns metros pelo corredor entrando primeiro no quarto que ela indicou. Minhas experiências nas últimas semanas me deixaram nervosa por tê-la atrás de mim. Parte de mim queria confiar nela, mas eu tinha passado por muita coisa para ser tão irresponsável pela minha segurança. Mesmo agora, eu estava mentalmente catalogando tudo, tentando descobrir a saída mais rápida em caso de emergência. Eu imaginei se era assim que Jeremiah se sentia o tempo todo. Nós paramos a poucos metros de distância, fora do alcance de qualquer pessoa próxima, e a Agente estendeu um celular na minha direção. Eu peguei e o coloquei na minha orelha. “Sim?” “Eu tenho algumas perguntas para fazer antes de você ver Lucas”. Eu senti como se ela estivesse me observando; e por tudo o que sabia, ela estava. “Claro”.


“Eu falei com a viúva do Agente Sanders, e ela tem uma boa historia para contar. No entanto, eu também gostaria de ouvir a sua”. “Eu irei ajudar como puder, mas eu nem tenho certeza do que estava acontecendo. Jeremiah nos levou para o subúrbio, trocando de carro assim que chegamos”. “Trocando de carro? Não, não importa. Vocês pararam em algum lugar? Encontraram alguem?”. “Apenas uma pessoa”, menti determinada a manter se possível Ethan fora disso. Jeremiah não queria seu ex-parceiro nesse caso, e eu iria assegurar suas vontades. “Nós paramos em um pub e encontramos um homem chamado Ronny. Foi ele quem nos avisou sobre o suposto esconderijo de Rush, que veio a ser sua cabana”. “Você pode descrevê-lo?” “Baixo, magro, chato. Orelhas grandes, nariz grande, cabelo loiro e bagunçado como um boneco troll. Ele estava cheio de si até que Jeremiah o pressionou e conseguiu a informação. Nós o encontramos em um velho pub em frente uma mercearia e uma lavanderia, mas eu não conheço a cidade. Jeremiah poderia lhe dar mais informações, ele já chegou?”. “Um assunto de cada vez. Ele tinha sotaque?”. Mesmo que ela não pudesse me ver, dei de ombros. “Eu poderia descrever como londrino, mas eu não poderia ser mais especifica do que isso. Eu definitivamente poderia reconhecê-lo fora da cena”. “Obrigada Srta. Delacourt, é por nossa conta agora”. “Mas e ...” a linha caiu no meio da minha fala. “...Jeremiah?”. Uma frustação me encheu sem deixar espaço para o medo. Respirando forte, eu devolvi o telefone para a Agente. “Por favor, me informe


assim que você puder se eles têm noticias de Jeremiah”, pedi, minha voz rouca. A mulher ruiva assentiu, e eu deixei escapar uma respiração irregular. Engolindo meus medos, levantei meu queixo e segui o médico até um quarto próximo. Lucas estava deitado na cama, e assim que eu entrei ele rolou sua cabeça para o lado. “Ei”, disse forçando meus lábios em um sorriso. “Você esta horrível”. “O sujo falando do mal lavado”. Lucas deu um sorriso cansado. “Estou feliz em ver você também. Onde nós estamos?”. “Hospital. Por enquanto de qualquer maneira”. Suspirei e me sentei. “Como você está se sentindo?”. “Pronto para dançar um jig4. Ele mudou de posição na cama, empurrando-se para trás para ficar mais na vertical, então fez uma careta. “Bem, talvez apenas uma valsa”. Eu olhei para minhas mãos, mexendo nas minhas unhas, sem saber se ele estava confortável. “Eu quero que isso acabe Lucas”, murmurei, envolvendo minhas mãos em volta da borda da sua cama. “Eu quero ir para casa e esquecer que isso aconteceu”. “O mundo não funciona dessa maneira, infelizmente. Você não pode escapar do seu passado, apenas enfrenta-lo e esperar sobreviver a isso”. A certeza sombria na voz de Lucas me dizia que ele já tinha passado por isso antes. Nossa situação era tão incerta, com muitas variáveis desconhecidas. Minha vida parecia uma zona de guerra, mesmo quando eu estava em solo seguro. Cada sentido


intensificado, minhas emoções muito próximas da superfície. Não tinha nenhuma maneira de saber onde o martelo iria cair. Um pequeno barulho no lado de fora da porta me fez pular na cadeira, e lancei um olhar preocupado para a entrada. Olhei rapidamente na direção de Lucas e o vi me observando, então deixei meu olhar cair novamente para minhas mãos. Ao meu lado, Lucas suspirou. “Eu queria poder dizer a você que tudo vai ficar bem. Seria uma mentira simples, especialmente vinda de mim, certo? Mas levando em conta tudo o que você sabe sobre a situação, você acreditaria em mim?”. Não. Mentiras não importam o quanto são bem intencionadas, são inúteis. As apostas eram muito altas e muito pessoais para dar algum conforto vindo de promessas vazias. Eu continuei olhando para meus dedos e o silencio se prolongou entre nós. Uma escuridão negra brotou dentro de mim, drenando todas as boas memórias que eu ainda tinha. “Lucy, olhe para mim”. Eu arrastei meu olhar relutantemente para vê-lo me observando, a cabeça inclinada para o lado. A cicatriz em seu rosto se destacou em contraste com sua pele pálida, mas seus olhos azuis esverdeados estavam alerta, como sempre. A aparência suave e sofisticada que lembrava o ex-traficante tinha desaparecido; aqui estava alguém cujo cada centímetro precisava estar no hospital. Ele levantou a mão, gesticulando com os dedos na minha direção. Relutantemente, eu levantei minha mão para ele, que a cobriu com as suas. “Lucy Delacourt”, ele disse com uma voz solene que eu nunca tinha escutado sair dos seus lábios. „Eu prometo que vou fazer tudo o


que eu puder para deixar você e meu irmão em segurança. Você me entendeu?”. Você também. Eu não poderia suportar a ideia de perder o arrogante,

irritante

homem

que

estava

diante

de

mim.

Espontaneamente, eu me inclinei para frente, removendo minha mão das suas, colocando seu cabelo rebelde atrás de sua orelha. As palavras de Lucas se perderam no silêncio; sua garganta vibrou silenciosamente com o meu gesto, aqueles olhos brilhantes cavando buracos em mim. Ele parecia pronto para perguntar alguma coisa, mas alguém bateu na porta atrás de mim, assustando nós dois. Engolindo em seco, abri a uma fresta para espiar lá fora. A Agente com quem eu havia falado mais cedo estava parada na entrada. “Eu pensei que você deveria saber”, ela disse em voz baixa, alto o suficiente para que eu pudesse escutar. “Eu soube pela Agente Gautier. A equipe que ficou na cabana não tem entrado em contato há mais de uma hora. Nós não temos ideia de onde eles estão”.

______________________________________________________ 4

Jig – dança típica irlandesa.


Capítulo 18

Eles nos moveram Lucas e eu, para fora do hospital em poucas horas, provavelmente para uma melhor segurança. Lucas foi retirado em uma cadeira de rodas e transportado por uma Van, enquanto eu fui em um carro com os outros agentes. Ninguém falou, talvez entendendo que não havia muito a dizer. Eles encontraram o carro, menos todos os seus ocupantes, uma hora depois de eu ter sido informada e foi tomada a decisão de tirar todos para fora do hospital público. Eu não disse nada, apenas segui ordens. No interior, permanecii congelada, meu corpo em movimento no piloto automático. Uma dormência se espalhou por mim, envenenando toda a esperança e contaminando toda a possibilidade de um bom resultado. Pela primeira vez, a realidade bateu que podia não haver um final feliz, que eu ou alguém que eu amava não sairia desta situação vivo. A apatia era um ferro pesado na minha barriga, me puxando para baixo e até mesmo me fazendo caminhar com dificuldade. A nova localização era da mais alta segurança, um edifício completamente moderno atrás de um espesso portão. Guardas estavam a postos em todos os lugares, armas em prontidão, quando nos empurraram para o interior. A agência estava nos escondendo, claramente pronta para uma guerra e por todos os indicadores passados eles provavelmente teriam uma. Eu não conseguia achar dentro de mim mais cuidados. Arrastaram-nos abaixo no hall de entrada, passando pela segurança e até o elevador. Em última análise, acabamos em outro corredor sem janelas, dentro do edifício. A agente Anderson que estava ao meu lado o tempo todo me levou para outra sala e apesar


do meu humor, dei um suspiro de alívio quando vi Lucas. Ele estava em uma cadeira de rodas, rodeado por dois agentes e parecia um rei sentado em seu trono. Eles se inclinaram para ajudá-lo e Lucas deu um grunhido quando foi colocado cuidadosamente em um sofá próximo. Os olhos de Lucas me encontraram e apesar de sua palidez um largo sorriso se espalhou por seu rosto. "Bem, veja o que o gato arrastou para dentro", disse ele e então seus olhos se viraram para a agente do meu lado. "Ah, é sempre bom ver um rosto bonito nestas situações. Ás vezes muita testosterona." A agente ruiva corou mas por outro lado o ignorou. Ela sinalizou para os outros dois agentes que a seguiram para fora da sala. Os olhos de Lucas assistiram a partida e depois o sorriso caiu um pouco. "Alguma notícia sobre Jeremiah?" "Nada." Eu me sentei na cadeira ao lado dele apoiando minha cabeça para trás e olhando para o teto. "Eles deveriam ter chegado aqui horas atrás, mas não há nenhum sinal ou palavra do grupo." "Aposto que eles estão desejando que o carro tivesse um GPS agora". Quando eu dei a ele um olhar reprovatório, Lucas ergueu as mãos. "O que você quer que eu diga? Que eu gostaria que ele estivesse aqui? Ele é meu irmão, é claro que eu gostaria." "Eu sei." Eu puxei uma respiração instável. "Eu odeio estar impotente." "Ah, você está pregando para o coral." Lucas acenou com a mão sobre seu corpo, estendido no sofá. "Se os bandidos rompessem por aquela porta ali, o melhor que eu poderia fazer seria espantá-los para fora."


As imagens quase me fizeram sorrir, mas eu não estava com disposição para o humor. "O que vai acontecer com você depois que tudo isso acabar?" "Não faço ideia. Se conseguirmos sobreviver a esse lunático do meu meio-irmão, espero que eu seja levado para fora por algum outro antigo conhecido cujo nome já recusei." Meu olhar foi para Lucas, depois a distância. "Somos uma piada, não somos?" Os lábios de Lucas esticaram em um sorriso triste. "Comediantes reais. Exatamente o que a situação exige." "Eu não sei o que fazer sobre Jeremiah." As palavras sentidas arrancadas do meu peito como se elas não fossem mais capazes de ficarem presas dentro de mim. Quase imediatamente, eu queria trazê-las de volta, mas mantive meus lábios bem fechados. A ironia da minha situação, pedindo conselhos de relacionamento do "outro homem", não estava perdida em mim. Mas eu precisava de respostas e apesar de tudo, pensava em Lucas como um amigo e aliado. Ele deu de ombros com seus olhos olhando para longe. "Não há nada que você possa fazer neste momento", Lucas murmurou. "Ou ele te perdoa ou não perdoa." "Mas..." Eu engoli o gosto amargo na garganta sabendo que ele estava certo. "Mas como vou saber se ele realmente me perdoou?" "Você não vai", Lucas disse sem rodeios. "Se o que aconteceu entre nós é tão divisivo, isso vai dar um salto de fé em ambas as partes. Mas não é nenhum segredo que você caiu na cama comigo em processo de recuperação da estupidez do meu irmão, sem qualquer amor por mim."


Eu vacilei no tom amargo ali sentindo minhas entranhas murcharem um pouco. "Sinto muito", eu murmurei me sentindo mais miserável por ter, mesmo que não intencionalmente, o usado. "Não sinta". Lucas suspirou. "Anya me amava. Eu sabia disso e manipulei seus sentimentos para promover meus próprios objetivos, e a mandei para um caminho de destruição. Além disso, quem sabe quantas outras eu machuquei com o contrabando. Acredite em mim, eu mereço muito pior." "Mas..." Eu parei quando vozes se elevaram do lado de fora da minha porta. Marie estava de volta e enquanto eu não conseguia entender o que ela estava dizendo, reconheci a voz dela. Saltando para fora da minha cadeira cruzei a sala o mais rápido que pude e abri a porta olhando freneticamente no corredor. A agente Anderson estava imediatamente ao meu lado. "Srta. Delacourt algo errado?" "Será que eles o encontraram?" Eu perguntei quando Marie passou por mim. A mulher francesa fez uma careta. "Srta. Delacourt, você deveria estar descansando..." "Dane-se descansar. Deveríamos descobrir onde o grupo que ficou para trás foi levado. Você encontrou Jeremiah ou Ronny?" Marie apertou os lábios juntos e trocou um olhar com Anderson que falava baixo. "A polícia local reconheceu quase imediatamente quem você descreveu", disse ela finalmente, quando um elevador no final do corredor abriu. "Eles nos ajudaram a encontrá-lo, agora precisamos ver o que ele sabe. Assim que eu descobrir alguma coisa, vamos deixar você saber."


Eram palavras vazias, tão sem sentido quanto o ar em mim logo em seguida. Minhas mãos tremiam com uma combinação de raiva e medo e eu agarrei no batente da porta para evitar que alguém percebesse. Marie já estava olhando para o hall dispensando minha presença. "Ronny não vai parar," eu murmurei, tentando e não conseguindo conter minha emoção. "Nós temos que encontrá-los agora." "Eu vou te informar se eles descobrirem alguma coisa", disse Anderson, se movendo diante de mim quando vi que estava sendo escoltada até o corredor. Ronny me notou rapidamente e o desprezo que dividiu seu rosto mostrou que me reconheceu. "Oi, amor", disse ele lambendo os lábios lascivamente, "você não teve o suficiente de mim, teve? Gostaria de um rolo agora que seu cara está fora do filme?" Encolhi quando Ronny riu e algo dentro de mim explodiu. Por muito tempo eu estava correndo e cansada de ser impotente. Suas palavras respondiam minha própria pergunta: Esse escroto sabia algo sobre o desaparecimento de Jeremiah, mas pensei, isso tudo é um jogo. Ele não diria: para ele era mais divertido ver todo mundo fracassar e espancar à toa, certo até o tempo acabar. Sua risada atravessou em cima de mim, ecoando dentro da minha cabeça, até que não havia mais nada para eu fazer além de agir. Anderson ficou entre nós com sua atenção sobre a cobra de algemas. Eu a estava observando mais discretamente do que a minha mente consciente compreendia e sabia que ela tinha uma arma. Quando ela se inclinou para frente, eu realmente a vi pela primeira vez, aninhada em segurança contra seu quadril.


Sem pensar nas conseqüências, mergulhei para sua arma, desabotoei o coldre e a puxei livre. Todos os olhos se voltaram para mim na comoção e sabia que precisava agir rápido. Ignorando a dor no meu tornozelo, me joguei diretamente para Ronny agarrando sua roupa e meu impulso nos empurrando para trás. O corredor era estreito e nos chocamos contra a parede oposta, um emaranhado de pernas e corpos. Os dois homens segurando Ronny foram pegos despreparados e perderam o controle sobre os braços do informante algemado. Nós desabamos no chão, eu em cima do homem atordoado, a arma ainda na mão e apontei para sua cabeça. O desprezo desapareceu do rosto de Ronny agora com os olhos esbugalhados de surpresa, mas eu não me importava. De perto, ele cheirava ainda pior do que eu imaginava. Seus lábios estavam puxados para trás em choque revelando dentes marrons e mau hálito que me fez querer vomitar. A arma estava solta contra seu peito e eu recuperei meu juízo rápido o suficiente para mover em direção ao seu rosto. "Lucy, não!" Eu ignorei a voz de Marie trazendo a arma para cima e sob o queixo de Ronny. Em volta de mim, ouvi gritos e outras pessoas com armas puxando de seus coldres, mas meus olhos não deixaram o rosto de Ronny. A raiva que me pôs nesse caminho não era um recurso sustentável. Pavor do que a seria conseqüência floresceu dentro do meu peito, tornando difícil respirar. "Ela não pode fazer isso!" Abaixo de mim, Ronny se contorceu incapaz de fazer muita coisa com os braços presos embaixo dele. Suas palavras provocaram uma lembrança na minha cabeça e eu olhei para a arma. Mãos me puxavam tentando me separar de Ronny. Eu pressionei uma pequena aba direita preta acima do


gatilho eliminando a segurança e gritei: "Tirem as mãos ou ele está morto." Eu parecia um policial mau de filme, mas as palavras funcionaram. As mãos me largaram e deixando ele para fora da segurança intensificaram o medo no rosto de Ronny. Eu empurrei a arma, a minha mão tremendo de adrenalina. "Para onde ele foi levado?" "Como é que eu vou saber?" Ronny estava rígido como uma tábua embaixo de mim, os olhos arregalados e olhando diretamente para a minha mão. Eu poderia realmente atirar nele? Eu não tinha certeza. A arma tremia na minha mão e eu esperava que ele achasse que era raiva e não medo. Tudo o que eu conseguia pensar era em Lucas com os médicos e Jeremiah em perigo. Mas eu sabia que se eu visse aquele sorriso naquela cara de fuinha novamente, puxar o gatilho seria muito mais fácil. "Lucy." A voz calma de Marie veio de algum lugar atrás de mim. "Deixe-o ir e coloque a arma no chão." "Você tem que saber alguma coisa", disse ignorando o apelo de Marie. "Como você conseguiu as informações sobre aquela cabana?" "Ele ligou no meu celular! Eu juro, eu não sei onde ele ou qualquer outra pessoa está!" "Qual era o número?" "Porra se eu sei, mas era americano!" Nunca na minha vida tinha pensado em ver esse tipo de terror dirigido a mim. Ronny parecia genuíno, uma verdadeira fonte de informações agora que sua vida estava em risco. Nada do que ele havia dito porém, foi de alguma utilidade na busca por Jeremiah. O


desespero era uma escuridão sufocante e naquele momento obter Jeremiah de volta era tudo que eu poderia focar sem enlouquecer. "Vou contar até três. Um." "Lucy, deixe-o ir agora!" "Dois." "Cúchulainn!" Eu pisquei, sem entender a palavra. "Quem é esse?" "O Cúchulainn. É um bar em Londres." Ronny estava tremendo agora, grandes tremores que ameaçaram me deslocar. "Essa é a única vez que eu o encontrei pessoalmente. Eu sei que a merda toda é sobre seu homem, mas p-por favor, por favor, não me mate." Seu apelo finalmente tocou algo dentro de mim. Eu olhei para a arma na minha mão, a vergonha me consumindo. Eu tive uma vontade súbita e incontrolável de vomitar quando a arma escorregou da minha mão, caindo com um baque surdo sobre o piso de linóleo. Mãos me agarraram e me arrancaram para longe de Ronny, me empurrando de bruços no chão. A voz alta de Ronny era parte do burburinho, mas eu estava muito presa no meu próprio desespero para ouvir. Gritos continaram em cima de mim enquanto meus braços e punhos foram arrancados para trás. Grandes soluços formaram no meu peito, me deixando com falta de ar. Eu fechei meus olhos, meu rosto contra o chão frio e tentei esquecer o terror que eu vi naqueles olhos castanhos momentos antes. Uma culpa rasgava dentro de mim e eu me perguntei o quanto eu estraguei. "Você tem que me proteger." Ronny estava balbuciando, o medo ainda em sua voz. "Se ele descobrir que eu te disse alguma coisa..."


"Leve-o para a sala de interrogatório, eu vou cuidar da menina." A voz aguda de Marie cortou meus pensamentos sombrios. Dois homens grandes me levantaram em meus pés por uma proposição estranha com as algemas e um tornozelo latejante. Quando a adrenalina rapidamente passou, a dor se intensificou. Eu me esforcei para equilibrar em um pé, temendo o momento em que eu teria que andar. "Eu não posso ter manobras como essa, Srta. Delacourt." Eu meio que esperava ser transportada para fora em alguma prisão, por isso foi uma surpresa quando eles me guiaram de volta para o meu quarto inicial. Ao meu lado, eu vi Marie entregando a arma de Anderson novamente. "Tente não deixar isso acontecer de novo", ela disse em uma voz seca e Anderson apertou os lábios corando. "Apresente um relatório de volta para a sua agência", a mulher francesa continuou, "nós vamos cuidar da Sra. Delacourt." Os guardas me colocaram em uma cadeira. Perto dali, Lucas já estava de pé, apoiando-se fortemente contra uma mesa próxima. "O que você fez com ela?" Ele exigiu se movendo em direção a mim, mas encontrou seu caminho bloqueado pelos agentes. "Relaxe Loki, ela está bem. As algemas são para mantê-la de fazer qualquer outra coisa estúpida." Eu desviei o olhar, envergonhada demais para olhar para eles. O rosto de Ronny não saía da minha cabeça, o medo que eu tinha visto em seus olhos continuaram a me assombrar. A desgraça derramava através de mim e eu lutei contra as lágrimas. Houve muito ultimamente e eu não tinha o direito à auto-piedade nesta situação.


Marie saiu enquanto Lucas se sentou ao meu lado com ternura. Eu mantive minha cabeça e não me virei disposta a não deixá-lo ver a minha dor. Ele ficou em silêncio por muito mais tempo do que eu poderia ter imaginado antes de finalmente falar. "Eu poderia tirar essas algemas, se você quiser." Eu não respondi apenas olhando para os meus joelhos. Ao meu lado, Lucas tomou uma respiração profunda. "O que quer que seja que você fez lá fora, não foi culpa sua." "Sério?" Eu dei a ele um olhar de desaprovação. "Eu roubei a arma de Anderson e a segurei em Ronny para fazê-lo falar. Como isso não é culpa minha?" Uma sobrancelha arqueou com a minha confissão. "Pervertida." Quando eu não disse nada para a sua piada, ele suspirou novamente. "Pense sobre isso, Lucy. Você faria algo parecido se Rush não a colocasse nesta situação?" Rejeitando a sua linha de raciocínio, eu me mantive quieta. Um momento passou, então Lucas perguntou: "Ele disse alguma coisa?" Eu balancei minha cabeça e engoli em seco, meu peito crescendo apertado. "Eu estou com medo." A confissão puxou uma rolha de drenagem, a onda de emoção tomou conta de mim e eu solucei um soluço. Lucas deve ter visto algo em meu rosto, porque me recolheu em seus braços. Não havia como parar, em seguida contra a fina camisa de Lucas, deu lugar às emoções e chorei. Lucas segurou os braços em volta de mim enquanto eu chorei e chorei, incapaz de apagar a minha incerteza e o rosto aterrorizado de Ronny da minha mente.


***

A agente Anderson nunca mais voltou à minha porta. Marie voltou cerca de duas horas depois acompanhada por dois homens que haviam me levado para a sala. "Deixe-me tirar essas algemas de você." Eu fiquei em pé cuidadosamente em minha perna boa, um dos homens segurando meu braço e me ajudando a levantar. Marie abriu as algemas das minhas costas, permitindo esticar meus braços, mas prontamente trancou meus pulsos juntos na minha frente. Eu suspirei, mas não disse nada, apenas me perguntando o quanto eu estava envolvida em problemas. "Temos algumas pistas para prosseguir. Uma equipe já foi enviada para procurar o bar que Ronny mencionou. Ele se calou após o pequeno incidente, exigindo proteção contra o seu empregador, por isso estamos buscando tudo o que temos." "Você está se juntando a eles?" Marie balançou a cabeça. "Apesar do que você viu, eu normalmente não sou um agente de campo. Mas eu vou saber imediatamente se ele aparecer em qualquer lugar no grid." Lucas saltou. "E a agente Anderson?" Marie deu a ele um olhar desconfiado, mas respondeu: "Ela está com a sua própria agência no momento." "Ela não está em nenhum problema, está?" Eu odiava pensar que eu poderia ter manchado sua carreira. "Isso não sou eu quem decide, mas ela vai estar em campo e você vai estar aqui. Não haverá mais manobras como aquela Srta.


Delacourt ou suas próximas acomodações não serão tão boas como esta." Eu tilintei as algemas no meu pulso e suspirei enquanto os agentes deixaram a sala. "Eu cavei no fundo desta vez, não foi?" "Anime-se, botão de ouro. Ainda estamos vivos, certo?" "E Jeremiah?" Lucas ficou em silêncio com a menção de seu irmão. Uma depressão escureceu meu coração e eu tentei mudar de assunto. "O que você vai fazer depois que isso acabar?" "Tentar não morrer?" No meu olhar irritado, ele encolheu os ombros. "Isso depende se as autoridades usarão minha informação ou não. Pode variar em qualquer coisa, desde a prisão até a proteção de testemunhas." "Uma nova vida? Poderia lhe dar uma segunda chance na vida." Lucas bufou. "Proteção de Testemunhas significaria que eu teria que ser muito chato e não atrair a atenção. O que provavelmente envolveria um trabalho de escritório em um cubículo." Ele estremeceu. "Eu quase prefiro prisão no subúrbio." "Não é tão ruim assim. Talvez você até goste." "Esse pensamento me assusta ainda mais." Ele inclinou a cabeça para o lado. "Você realmente roubou a arma de Anderson?" Uma diversão derrubou suas palavras e eu olhei para ele com curiosidade. "Vocês dois se conhecem?" "Oh, nos conhecemos há anos, mas eu duvido que ela se lembre de mim. Sim, não há nenhuma história como história antiga."


"Ah vamos lá, você não pode dizer uma coisa dessas e não ..." Eu parei quando as luzes apagaram. "O que está acontecendo? A energia acabou?” Lucas balançou a cabeça. "O aquecedor ainda está ligado. Vá conferir a janela." Eu manquei até o outro lado da sala e olhei para baixo. "Eu não vejo nada acontecendo lá embaixo." "Verifique com os guardas na porta, talvez eles..." Lucas piscou. "Você está se sentindo de repente, cansada?" De fato eu estava. Minhas pernas pareciam que estavam cheias de chumbo, como se estivessem enraizadas no local. Esforçando-me para o sofá, peguei uma muleta e a usei para me apoiar até o outro lado da sala na porta. Andar com estas algemas era um negócio difícil, mas eu consegui abrir a porta ao máximo do lado de fora. Dois homens já estavam imóveis no chão, enquanto o outro estava tentando fracamente engatinhar em direção à curva do corredor. Um guarda estava faltando, mas o outro estava caído ao lado da porta com os olhos fechados. Com o coração batendo no meu peito eu bati a porta fechada. "Merda", murmurei em minha voz alta e fraca. "Volte para lá." Tentei mancar em toda a sala, mas a muleta bateu contra a borda da mesa, quase me despejando no chão. A cabeça de Lucas estava pendendo para trás contra a cadeira, como se ele não pudesse manter mais para cima. ”Merda", ele sussurrou, os olhos arregalados e olhando diretamente para mim. Não havia travas de janela, não havia maneira de deixar o ar fresco entrar. Meus braços estavam sobrecarregados, mas eu ainda


peguei uma cadeira dobrável perto e joguei com toda a minha força no vidro. A cadeira saltou para trás e no recuo caiu fora das minhas mãos. Eu não poderia me segurar mais e caí no chão, a dor disparando na minha perna enquanto caía em meu tornozelo torcido. Eu tentei rolar, mas minhas pernas já não queriam mover a partir do chão. Lucas estava semelhante e caiu em sua cadeira, com os olhos cintilando abertos e fechados, enquanto tentava resistir a toxina. Atrás de mim, ouvi a porta abrir e os passos de alguém que entrou na sala. Uma mão enluvada agarrou meu braço e eu fui arrastada sobre e para os lados até que eu estava cara a cara com uma máscara de gás. Senti uma alfinetada de medo, o último vestígio da minha mente consciente, antes que a escuridão finalmente me consumisse.


Capítulo 19

Eu acordei tremendo contra uma cama de gelo. Minhas mãos não estavam mais ligadas, mas a escuridão me cercava. A madrugada colocou nuvens em cima de mim no azul escuro, destinado a ficar mais brilhante, mas não leve o bastante para navegar. Colocando a mão no chão perto da minha cabeça senti pedras ásperas sob meus dedos, frias e úmidas na geada do inverno. "Ah, finalmente acordada. Eu me perguntava por quanto tempo nós arrastaríamos isso." Aquela voz me deu calafrios que não tinha nada a ver com o ar da noite. Tremendo muito mais do que apenas do frio, rolei para minhas mãos e joelhos para ver que Alexander Rush estava por perto. Ele ficou me olhando com calma, seu rosto não me mostrando nada. Enquanto eu puxei minhas pernas debaixo de mim, senti algo como um cabo no meu tornozelo bom, algum tipo de restrição. Na escuridão eu não conseguia ver o que era, e estendi a mão para encontrar uma grossa corrente proveniente de uma argola na minha perna. A corrente chiou contra as pedras quando puxei, esperando encontrar resistência, só para ter algo rolando e cambaleando em direção a mim. Uma bola de ferro maior do que meu punho estava lá, fixada de forma segura no fim da corrente ligada a minha perna. Havia resistência o suficiente para me segurar no lugar, mas não o bastante que eu não pudesse arrastar se necessário. Isso pode não ser bom. "A velha bola e uma corrente. Parecia bastante justo, você não acha?"


A voz relaxada irritou meus nervos, me dando a vantagem que precisava para empurrar de lado o medo. "O que você quer, Rush?" "Sem

suplicar

ou

implorar

por

sua

vida?

Uma

mudança

refrescante." Rush caminhou em minha direção, seus passos molhados contra os paralelepípedos e em seguida se ajoelhou ao meu lado. Ele não parecia nada preocupado com a proximidade ou que eu poderia apenas estender a mão e tocá-lo. Então, novamente, segurei tudo dentro de mim para não recuar em sua presença. Nós estávamos em uma estrada de algum tipo, embora eu não pudesse dizer onde. Barreiras ao longo dos lados me fizeram pensar em uma ponte de algum tipo e em algum lugar próximo eu podia ouvir o som distante de água corrente. Uma névoa escura engolia a maior parte da área circundante, exceto por uma luz brilhante no lado direito da estrada. Eu podia ver o brilho de uma outra luz na rua, mas a ligeira subida da estrada e minha baixa posição obscureceu a sua origem do meu ponto de vista. "Eu quero algo muito simples para você, minha querida. Eu quero que você faça uma escolha, isso é tudo, então você está livre para ir." Livre para ir? Olhei desconfiada para Rush, mas ele não parecia nem um pouco perturbado. "Que tipo de escolha?" Houve um gemido alto nas proximidades, como se alguém estivesse

tentando

falar

através

de

uma

mordaça.

Um

aborrecimento brilhou brevemente nas características de Rush antes de suavizar.


"Desculpe-me por um momento", disse ele, a voz quase educada. Empurrando-se a seus pés, ele se moveu de volta para a beira da estrada. Eu segui seus movimentos e vi algo do outro lado da estrada se movendo na penumbra. Rush se abaixou e puxou a pessoa encapuzada por seus pés, arrastando para mais perto da minha posição ao lado da estrada. A figura encapuzada tinha uma grande pedra amarrada no tornozelo que o segurava um pouco, mas Rush era implacável. Grunhidos e gritos abafados vieram sob o capuz e notei que quem quer que fosse tinha as mãos e os pés acorrentados juntos atrás das costas. Meu coração se apertou dolorosamente no meu peito quando Rush se abaixou e ergueu a pedra sobre a pequena saliência. Ele tirou o capuz para revelar Ronny, e em seguida se virou para olhar para mim. "Um rosto familiar, não?" Eu cobri minha boca com uma mão incapaz de falar. Mesmo na luz fraca pude mais uma vez ver o terror no rosto do informante, enquanto tentava desesperadamente falar com a mordaça. Tudo o que saiu no entanto foram os gritos guturais, ininteligíveis ao redor do tecido na boca. Rush indicou a pedra ao lado dele. "Eu esperava apenas três, mas eu tive que fazer com o que eu tinha. Então, o que ele lhe disse? A localização para o meu esconderijo secreto? Um número de telefone que pode ser rastreado?" Rush suspirou e olhou para o homem tremendo ao lado dele. "Não importa. É tão difícil encontrar uma boa ajuda." Oh Deus, não.


Ronny gritou ao redor do pano em sua boca, desesperado para ser ouvido, mas ele não tinha chance. Levantando uma perna, Rush chutou a grande pedra sobre a borda, dando Ronny um empurrão na mesma direção. A folga agora bem apertada e os pés de Ronny foram empurrados para fora debaixo dele e em direção à borda. Com as mãos amarradas atrás das costas, não havia nenhuma maneira dele conseguir qualquer ajuda, ele rolou para cima e sobre o mureta, um grito abafado engolido pela escuridão. Houve um breve silêncio, prova da nossa distância acima da água e então ouvi um pequeno splash abaixo. Rush espiou para o lado, então aparentemente satisfeito com o que viu, se virou. "Quem é o próximo?" Um horror me sufocou e eu senti a histeria borbulhando para a superfície. Um discurso era impossível, eu olhava para o espaço que Ronny tinha ocupado momentos antes, chocada com a rapidez com que tinha acontecido. "Talvez o seu amante, então? O filho do meio, sempre desesperado por atenção." Paralisada pelo medo, eu assisti quando Rush se moveu em direção a um monte imóvel em um dos lados da ponte. As suplícas morreram em meus lábios quando notei a silhueta quadrada empoleirada na borda acima. Parecia um pouco maior do que a bola em volta do meu tornozelo e muito sólida. À luz subindo, eu vi uma corrente que ía até o monte de trapos deitado na estrada. "Sim, meu irmão mais velho Jeremiah." Rush cutucou o caroço escuro com a ponta do pé." Ele aprendeu rapidamente ficar quieto enquanto eu falava, mas ainda levou algumas lições." O Jeremiah que eu conhecia já teria quebrado a perna de seu irmão neste momento, mas do jeito que ele ficou parado me disse que


algo ruim tinha acontecido. Não querendo ficar em uma posição tão baixa por mais tempo, eu me alavanquei na vertical. Além da borda da ponte eu não conseguia ver nada; nevoeiro obscurecia tudo de tal forma que eu não conseguia nem ver as extremidades da ponte. Todo o meu corpo tremia quando a atenção de Rush foi novamente dirigida para mim, e sob a luz fraca ele sorriu. "O rio aqui é superficial, nem mesmo 3,0 metros abaixo da ponte. Mais do que suficiente, no entanto para fazer o truque. Devo comprometer o seu amante o próximo para os braços da água?" Tentei falar, mas tudo o que saiu foi um gemido angustiado. Engolindo em seco, eu respirei fundo e tentei novamente. "Rush, por favor..." "Então você é o bastardo que meu pai falou." Rush parou ao ouvir a voz de Lucas. Virei para ver uma outra figura se desdobrar no lado oposto da ponte se elevando a uma posição sentada contra a borda. "Nossa mãe descobriu sobre você, você sabe." A voz de Lucas era firme e se eu não soubesse melhor, eu não acharia que ele estava ferido. "Ela não se importou que ouvimos quando ela enfrentou nosso pai sobre isso. Ele disse a ela que tinha cuidado disto, antes de ficar em silêncio novamente." Lucas inclinou a cabeça para o lado. "Eu sempre me perguntei o que ele queria dizer com isso." "Mew, então você já sabia sobre mim. Que interessante você nunca me procurar." "Eu duvido que você seja o único irmão bastardo que temos. Mas se você acha que nossas vidas "legítimas" eram melhores do que a sua você estava errado. Eu diria que você teve sorte de não estar sob o mesmo teto que aquele filho da puta."


"Oh," Rush disse em tom de conversa, "você também assistiu o seu pai assassinar sua mãe?" A facilidade com que ele falou as palavras parou Lucas congelado. O contrabandista não falou por um longo momento. "Ele o quê?" "Minha mãe ia trazer a atenção da imprensa para a minha existência. Éramos pobres, e eles ofereciam um bom dinheiro para uma história como esta." Rush deu de ombros. "Minha mãe me escondeu em um armário e determinou que eu visse meu pai, mas que ele não poderia me encontrar e possivelmente me levar embora. Quando ele chegou, discutiram e ele bateu nela, o que a fez emitir-lhe um ultimato sobre a imprensa." Rush deu de ombros, como se estivesse relatando um detalhe sem sentido de sua vida. "Então, ele a estrangulou. Eu tinha apenas sete anos de idade e não sabia quem ele era até muito mais tarde. Naquele momento então, é claro, era tarde demais." Ele parou por um momento, como para deixar aquilo afundar. "Ela era bonita demais, cabelos escuros e olhos azuis. Eu mantive uma foto comigo por vários anos, até que um dos meus pais adotivos queimou na minha frente." A facilidade com a qual ele contava seus eventos de vida era de arrepiar. "Eu matei o meu primeiro homem, quando eu tinha doze anos. Os policiais me deixaram livre porque eu tinha sido estuprado, selaram meus registros como um menor, mas isso não importou. No momento em que eu estive fora do sistema e tinha o conhecimento exato para a minha vingança, o homem que havia me enviado por este caminho já estava morto."


O silêncio caiu de novo e em seguida, Lucas limpou a garganta. "Bem, bem", ele disse lentamente, "quando você coloca isso dessa forma nossas vidas foram um mar de rosas." Quando a pena aflorou dentro de mim, eu pisei sem piedade. Ignorando a conversa, eu voltei minha atenção para Jeremiah. Ele permaneceu em silêncio e imóvel, caído contra o muro baixo da ponte. Eu não conseguia dizer se ele estava ferido, não conseguia nem dizer se ele estava vivo, exceto por breves movimentos de sua cabeça. O amanhecer do céu iluminou a névoa em volta de nós, não o suficiente para ver seus recursos, mas para que eu pudesse ver a sua forma. A pele pálida brilhava contra as roupas escuras e eu quase chorei de alegria quando ele olhou para cima e nossos olhos se encontraram. "Mas nós não estamos aqui para falar sobre o passado, estamos?" Descartando Lucas, Rush se virou para mim. "Você tem uma escolha a fazer, minha querida. Qual vai ser?" Olhei para ele, tentando manter minhas emoções sob controle. “Qual vai ser o quê?" Eu perguntei deliberadamente o mal entendido. Rush era tudo menos paciente. "Eu estou te dando uma escolha. Dois de vocês vão andar fora desta ponte, permitindo viver mais um dia. Mas você deve escolher aquele que morrerá." Palavras me falharam. Minha boca se moveu enquanto eu me esforçava para falar, mas não havia nada que eu pudesse dizer que faria esta situação menos hedionda. "Só um?" Eu disse sem fôlego, incapaz de envolver minha mente ao redor do conceito.


"Um vai andar - ou no seu caso cambalear - na saída dessa ponte com você e outro vai afundar até o fundo do rio Tâmisa debaixo dessa ponte. E nenhum dos dois cavalheiros tentem decidir por ela," Rush acrescentou, erguendo a voz para que ele pudesse ser ouvido pelos irmãos. "Se qualquer um de vocês tomar o assunto em suas próprias mãos, todos morrem. Não, esta escolha cabe a sua mútua senhora aqui." "Não." A palavra era mais um gemido do que fala, mas foi a primeira vez que eu ouvi Jeremiah falar. Eu fiz um pequeno choramingo de angústia quando o vi tentar se alavancar na posição vertical e escorregar nas pedras molhadas. Suas mãos eram negras na luz baixa e algo me dizia que a mancha escura reunida debaixo dele não era lama. “Sim, na verdade," Rush disse como se estivesse repreendendo uma criança. "Não pense que eu vou deixar o irmão vencedor ficar livre por muito tempo, mas terá mais um dia de vida, dependendo do que Lucy decidir aqui." Rush se voltou para mim. "Minha querida, ambos de seus homens estão em extrema necessidade de cuidados médicos. Cabe a você escolher rapidamente." O rosto olhando para mim não poderia ser muito mais velho do que eu, mas o mal que eu vi me gelou até os ossos. Rush estava perto o suficiente de mim o que seria apenas dar alguns passos para eu atacar. O peso na minha perna normalmente não seria um grande problema, se eu não estivesse empurrando com o tornozelo lesionado. A articulação agredida pulsava com cada batimento cardíaco, inchada, não completamente dolorosa, mas eu não podia confiar nela para me segurar de pé. Após um pequeno momento Rush suspirou.


"Eu vejo que precisamos dar um incentivo adicional." Ele se moveu para o centro da ponte e chegando em seu casaco, tirou uma longa arma e apontou em direção a Jeremiah. "Um." Implorar não mudaria nada, mas eu caí de joelhos de qualquer maneira. As pedras irregulares afundando em minhas pernas, meu tornozelo queimando na nova posição. Nada disso importava, no entanto, eu estava prestes a perder tudo, não importava o que eu decidisse. Rush virou a arma para Lucas. "Dois." "Eu escolho a mim mesma." Ele fez uma pausa. "Isso não foi uma das minhas opções." "Estou falando sério. Pense nisso," eu respondi rapidamente, surpreendendo a mim mesma pela forma como forte a minha voz estava. Lambi meus lábios secos. "Ambos me amam. Você poderia exigir sua vingança no futuro, mas fazê-los sofrer neste meio tempo." Rush me estudou por um momento então seus lábios se contraíram, tão pouco sobre o que poderia ter sido um sorriso. "Tudo bem, vá em frente então. Se jogue da ponte." Tudo dentro de mim congelou. Uma coisa era você dizer sacrificar a si mesmo - outra coisa era completamente ir adiante naquilo. "Você promete:" Eu perguntei com uma voz trêmula, "deixar ambos ir se eu fizer isso?" "Não." A resposta dele cortou o ar como uma faca. "Mas", ele admitiu depois de um momento de hesitação, "você fez um ponto interessante."


"Mas você não vai matá-los aqui na ponte?" Eu repeti minha voz vacilante. Os arrepios que me seguravam me endureceram com o medo e deram lugar a um tremor que ameaçava me partir no meio. "Eu poderia." Rush deu de ombros. "Você não receberá nenhuma garantia de mim, só que eu vou matar todos vocês agora, se você não tomar uma decisão." Eu olhei para a grande bola de metal presa à minha perna a avaliando e então lentamente me levantei novamente. Agarrando a corrente, eu manquei até a parede mais próxima, puxando o peso pesado atrás de mim. Era mais leve do que eu pensava, mas não mais do que peso suficiente para me manter abaixo da superfície da água. Não haveria como nadar com isto ligado a minha perna. Com o canto do meu olho vi o fiasco de Jeremiah na estrada se arrastando para mim. "Lucy." Minha face franziu por seu apelo, mas eu não conseguia olhar para ele. Eu não queria morrer e ainda de alguma forma encontrei força para atravessar a estrada e levantar esse peso sobre a borda. Lágrimas escorriam pelo meu rosto enquanto Jeremiah repetia meu nome, com mais força desta vez, ainda tentando se mover em direção a mim. A corrente sacudiu para trás em seguida e puxou tensa, interrompendo seu movimento em direção a mim. Cuidadosamente me levantei na barreira de pedra, mas não podia fazer nada mais do que agachar lá. A água abaixo ainda não era visível através do nevoeiro, mas muito mais alta por esse ângulo. Em algum lugar próximo, o grito de uma gaivota soou, sinalizando a vinda do amanhecer. Olhei para dentro do buraco negro tentando trabalhar a coragem de inclinar para frente alguns centímetros. Atrás de mim, Rush fez um som irritado.


"Você precisa de alguma assisten..." "PARADOS, POLÍCIA!" Luzes brilhavam em nós por duas direções, longe o suficiente para não me cegar, mas o suficiente para iluminar a situação. A menos de três metros de mim estava Jeremiah, deitado na rua, suas roupas e pele manchada com muito sangue. Rush olhou para ambas as extremidades da ponte, comprimindo os lábios em uma linha firme. "Eu não penso assim." Ele tirou algo do bolso e apertou um botão. Explosões idênticas, uma de cada lado de nós, iluminaram o céu da noite. Chamas amarelas dispararam para o ar, desligando as luzes e fazendo a ponte velha estremecer. A explosão sacudiu a borda debaixo de mim, ameaçando me derrubar para baixo na água abaixo. Sacudindo meus braços, eu oscilei na borda antes de cair para trás em um pouso forçado nas pedras. O ar apressado do meu corpo, me deixando desorientada e sem fôlego. Virando a cabeça, eu vi o movimento de Rush para Jeremiah. O rosto do jovem estava torcido de raiva quando olhou para o seu irmão. Eu rolei para o lado, ainda tossindo para respirar e o olhar de Rush vascilou na minha direção. Sem uma palavra, ele levantou um pé e chutou o peso sobre o lado da ponte. O grito rouco que veio de Jeremiah cortou através de mim. Sua perna seguida de seu peso, o tirando do chão e o rolando de lado, assim como Ronny. Ele arranhou fracamente através do ar, à procura de algo para agarrar, mas não encontrando nada. Eu gritei e não importando com a dor em mim mesma me joguei em cima dele com tudo o que me restava.


Aterrissei sobre metade dos braços de Jeremiah, meu quadril dolorosamente impactando o canto do parapeito de pedra. Eu mal conseguia agarrar a camisa de Jeremiah molhada com sangue e despojado de trapos, mas meu controle foi suficiente para deter seu impulso e lhe permitir agarrar a borda. Subi o seu corpo, agarrando tudo o que eu podia tocar para mantê-lo de cair o resto do caminho para baixo. Sua pele estava lisa fazendo o meu trabalho mais difícil. Apenas os ombros e braços permaneceram no topo do parapeito da pedra rígida e se esforçavam para mantê-lo de cair. Acima de mim, eu ouvi os ecos de um helicóptero se aproximando quando Rush entrou em cena perto de mim. Eu não ousei olhar para cima muito focada em manter o meu domínio sobre o homem em meus braços, mas Jeremiah encarou além de mim para o irmão. "Você estava certa, você sabe." Rush se ajoelhou ao lado de nós, meros

centímetros

de

distância

e

nos

estudou

desapaixonadamente. O foco helicóptero brilhava sobre nós, fazendo sombras escuras no rosto e dando seu sorriso já sinistro um brilho maníaco. "Sua morte vai machucá-los muito mais." Ouvi o clique de uma arma e fechei os olhos e então olhei para Jeremiah. Sangue e machucados cobriam seu rosto, o dano pelas mãos de Rush obscureciam muito do seu belo rosto. Mas seus olhos verdes brilhavam e em seu olhar impotente eu vi minha morte. Uma corrente sacudiu atrás de nós e Rush deu meia-volta. "O que..." Algo bateu em Rush o jogando contra a parede na barreira ao nosso lado. Eu tive uma breve visão de cabelos escuros e um rosto familiar, e em seguida, um tiro cortou o ar. Ambos os homens empurraram e cairam de lado, outro peso de ferro quadrado oscilando sobre a borda. O foco helicóptero se afastou, nos


mergulhando na escuridão repentina, mas eu podia ouvir uma luta certa ao meu lado. Minhas mãos estavam cheias mantendo Jeremiah no alto, mas meus olhos estavam fixos na cena ao meu lado. Rush e Lucas se levantaram do chão no momento que o helicóptero fez outra varredura, mostrando a silhueta de dois homens contra a luz. Seja pelo design ou acidente, a briga deles deslocou o peso restante da borda, mergulhando em direção à água. Eu assisti com horror silencioso enquanto ambas figuras rolaram de um lado para outro em seguida despencaram para dentro da negra escuridão abaixo. Um grito mudo emergiu de dentro para a dolorosa perda. Eu me agarrei desesperadamente a Jeremiah enquanto o vento pegava gritos vindo de perto. Eu não olhei, não querendo mover de modo a não deixar cair o homem em meus braços. De repente, havia mais mãos segurando e puxando Jeremiah, o arrastando para cima e sobre a barreira. Eu não me soltei dele, nem mesmo quando ouvi o ruído de peso metálico pousando no calçamento de pedra. Soluços angustiantes sacudiam meu corpo e alguém me arrancou suavemente longe de Jeremiah. Eu rastejei para trás o suficiente para deixar os paramédicos fazer o trabalho e vi quando eles arrastaram seu corpo imóvel. Não tinha me dado conta até que alguém me envolveu num cobertor que eu estava tremendo, mas que não era apenas por causa do frio. O helicóptero havia pousado nas proximidades da ponte e uma parte isolada de mim viu Marie correndo em nossa direção. Eu mal a reconheci quando ela parou ao nosso lado, me olhando primeiro depois para Jeremiah.


"Precisamos levá-lo em algum lugar quente", disse ela por fim, pegando a minha mão e me puxando para cima. Alguém me empacotou em um cobertor, mas eu só tinha olhos para Jeremiah. Eu vi quando eles o transferiram para uma prancha longa amarrando com cuidado. "A explosão destruiu uma grande parte da estrada", disse Marie à minha pergunta silenciosa. "Por isso não conseguimos veículos aqui, mas não o suficiente que não pudéssemos caminhar através dela." Junto à parede, vi uma figura solitária olhando para o lado da ponte. A agente Anderson olhou para o local onde Lucas e Rush tinham desaparecido e me movi para ficar ao lado dela. "Você o conhecia antes disso, não é?" Ela ficou em silêncio por um longo momento e depois assentiu. "Trabalho mal feito em uma operação secreta três anos atrás. Ele estava lá." Eu sabia que havia uma história lá, mas suas palavras deram poucos detalhes. O rosto de Anderson estava coberto pela escuridão, mas a forma como ela ainda estava lá olhando para baixo na água falava litros. Ficamos ali em silêncio compartilhado por um momento, antes de os verem levantar Jeremiah fora da terra. "Ele era um bom homem", eu murmurei virando para seguir os paramédicos. "O melhor.” Fiz uma pausa, uma ponta de curiosidade querendo fazer mais perguntas, mas eu deixei para lá. As pessoas têm direito a seus segredos e eu supunha, no final das contas, já não importava.


A cratera formada pela explosão de Rush em um dos lados da ponte foi difícil para passar com as minhas muletas e no final fui levada por um dos guardas maiores. Eu não perdi de vista Jeremiah mesmo quando o carregaram até a rua e para dentro da ambulância, me certificando de permanecer ao lado dele enquanto as portas se fechavam e nós nos movemos de volta para o hospital.


Capítulo 20 A mídia entrou num frenesi com a história – jornais saíram com todas as bombas, teorias da conspiração debatidas online que realmente atingiram o objetivo – mas fomos misericordiamente deixados de fora delas. Nunca foi dito à imprensa as nossas identidades, uma bênção que eu não apreciei devidamente naquela altura. Jeremiah precisou de duzentos e onze pontos para reparar os danos que enfrentou, tanto interno como externamente. Rush trabalhou verdadeiramente nele, assegurando-se que haveria cicatrizes para recordá-lo. Três dias depois, ele ainda não tinha acordado, e eu senti como se eu estivesse lentamente a enlouquecer. Eu fiquei com ele cada dia, apreciando a pausa da ação, mas doendo por dentro pelos seus braços para me abraçarem de novo. Quaisquer problemas que poderíamos ter tido com os nossos passaportes, e o pular por países foram tratados pelos advogados e as agências internacionais. O homem corado que eu tinha visto no aeroporto de Londres apareceu no hospital por duas vezes com breves atualizações, que ele deu para mim em vez de Jeremiah. Eles encontraram o meu passaporte verdadeiro, o americano desta vez, e disseram que o caminho para casa estava livre. Mas eu continuei a ouvir todas as notícias sobre o que acontecia fora do hospital ou do meu quarto de hotel. Agora que o perigo tinha passado, tudo o que eu queria era esquecer. Isso ,no entanto, era mais fácil falar do que fazer. Fiquei num hotel perto do hospital nas primeiras noites. Os pesadelos mantinham-me acordada, sonhos negros que eu nunca recordava. Eu acordava suando, um grito nos meus lábios, para a


escuridão de um solitário quarto de hotel A falta de sono fez as minhas horas acordada virtualmente insuportáveis, até ao ponto que eu queria fugir de tudo. O estado de saúde de Jeremiah só tornou tudo pior, como se eu tivesse perdido o meu chão. Eu não falei para ninguém, só esperei pacientemente que ele acordasse. Na terceira manhã, Georgia Hamilton chegou ao hospital de Londres. Como ela era sua mãe, eu dei-lhe espaço para estar com o seu filho, mas de qualquer forma eu duvido que eu pudesse tê-la detido. Ela ignorou-me completamente, mas começou a interrogar as enfermeiras e o staff do hospital, exigindo saber o seu progresso. A cara de Georgia parecia ter mais rugas do que eu me lembrava, como se ela tivesse envelhecido uma década desde a última vez que a vi. Ela era tão amarga quanto eu me recordava, mas eu suponho que perder um filho fazia isso com você. Ela estava fora do quarto, ocupada com planos para a sua transferência imediata, quando a mão que eu segurava torceu e depois apertou a minha levemente. Eu levantei a cabeça da cama e olhei para cima e depois comecei a chorar, quando eu vi os olhos verdes que pestanejavam a olhar para mim. Eu não sabia o que dizer demasiadamente feliz para falar, por isso murmurei, “Ei.”. “Ei.” A sua voz estava enferrujada, a cara ainda cansada e desgastada, mas ele estava acordado. Eu vi a sua boca se mexer e dei-lhe água, levantando-me da minha cadeira para lhe dar um gole. Tudo o que eu queria era abraçá-lo apertado, mas eu vi as suas feridas e sabia que só lhe causaria dor. Eu acariciei, no entanto, a minha


mão pela sua face, por cima dos curativos nas suas bochechas e testa feliz por estar tocando-o. Ele apertou a minha mão de novo, um pequeno sorriso aparecendo no canto da boca, e depois fechou os olhos enquanto eu apertava o botão para chamar as enfermeiras.

***

A viagem para casa foi no avião da família, o mesmo que eu tinha sido levada de Nova York para Paris, há menos de dois meses atrás. Esta viagem era muito mais sombria, e ainda havia mais passageiros para monitorar a saúde de Jeremiah. Georgia desaprovava a minha permanência ao seu lado, dizendo que eu estava no caminho e nem sequer era família. “Ela fica.” As duas palavras, ditas com uma voz áspera tingida pela dor calaram os argumentos de Georgia. Eu podia sentir a raiva da mulher dirigida a mim, mas eu não me importei, contente por não ter de deixá-lo. Estar de volta a solo americano não foi bem o alívio que eu tinha imaginado. Eles instalaram Jeremiah no seu apartamento em Manhattan, alegando que ficava mais perto do hospital e do staff médico do que a propriedade dos Hamptons. Por mais que eu não gostasse da sua mãe, a mulher estava em cima de tudo. Empregados domésticos, visitas do staff do hospital, terapia física em casa, ela tratou de tudo sozinha e insistiu em ficar para garantir que tudo funcionasse. Georgia instalou-me no quarto de hóspedes, no lado oposto da suíte principal, mas eu não estava em estado de discutir. Dois dias depois que chegamos a Nova York, Marie visitou-


nos no apartamento. Quando ela chegou lá em cima, eu me apressei em cumprimentá-la. A agente da Interpol parecia muito mais relaxada agora que o perigo tinha passado, ela até sorriu quando apertamos as mãos. “Você percorreu um longo caminho.” Eu disse, surpreendida por quão contente eu estava em vê-la. “Um telefonema não é suficiente para algumas notícias,” ela respondeu, olhando à volta para o espaçoso apartamento. “Jeremiah está bem, eu espero?” “Ele está. Ainda confinado a uma cama que ele odeia, mas melhor.” “E você?” Eu fiz uma pausa, tentando decidir uma resposta e depois encolhi os ombros “Tão bem quanto se pode esperar, eu acho.” Nós descemos para o quarto de baixo onde Jeremiah estava deitado, o seu fino computador em cima de uma pequena bandeja de café da manhã. Quando ele viu Marie, fechou-o e segurou a sua mão em cumprimento. “Eu não pensei vê-la novamente.” “Eu estava nos US a serviço e pensei que deveria trazer a ambos as notícias. Ontem tiraram o corpo de Rush do Tamisa.” Eu engoli em seco. “Eles têm a certeza?” Marie assentiu. “Testes preliminares de DNA mostram uma relação familiar com você e com o seu irmão. Como tão pouco era conhecido sobre ele, saberemos mais com certeza nas próximas semanas.” E Lucas?” eu perguntei. Pelo canto do meu olho eu vi Jeremiah ficar imóvel.


“Ainda nenhum sinal, mas eu prometo manter vocês informados se descobrirmos alguma coisa.” Ela fez uma pausa e depois perguntou, “lembram se alguma coisa estava… atada a Rush enquanto ele foi para o lado?” A pergunta pareceu estranha, e eu olhei para Jerimah para confirmar. “Não, Rush estava livre, havia apenas aqueles pesos em Lucas e Jeremiah. Por quê? “Aparentemente, Rush tinha algo à volta do seu punho quando foi encontrado, apesar de não haver nenhum peso como o que descreveu.” Ela encolheu os ombros. “De qualquer modo, ele está morto, e eu queria que soubessem.” “Quer uma bebida?” eu perguntei, me dando conta que eu estava sendo uma má anfitriã, mas Marie balançou com a cabeça. “Eu preciso estar de volta a Washington no final da tarde, por isso é melhor ir.” Eu pensei brevemente em abraçá-la, mas em vez disso estendi a mão. “Obrigada por ter vindo até aqui. A sua faze suavizou um pouco enquanto olhava para mim. “Estou feliz por ter vindo, Menina Delacourt.” “Pobre Lucas.” Eu murmurei após mostrar a saída À agente francesa. Eu me sentei na ponta da cama, perto de Jeremiah, pegando na sua mão. “Espero que tenha sobrevivido.” Entre os seus ferimentos anteriores e os dois tiros de pistola que eu ouvi antes de eles irem para o outro lado da ponte, a minha parte pragmática duvidada que o contrabandista sobreviveu. O mundo parecia mais escuro sem a sua presença. “Você o amou?”


Eu afastei-me com aquela pergunta, largando a mão de Jeremiah. Não era possível negar a amargura na sua frase, mas a sua cara estava fechada, no seu tom uma simples pergunta. Um nó instalouse na minha garganta, e eu balancei a cabeça “Ele foi meu amigo, quando eu precisei de um, e agora ele se foi”. A resposta pareceu satisfazer Jeremiah, que se deitou e fechou os olhos.Os hematomas escuros no seu lindo rosto me faziam querer chorar. Eu não tinha ideia do que ele tinha passado nas mãos de Rush, mas eu tinha visto as feridas no corpo de Jeremiah. A visão magoava a minha alma e me fazia querer matar o bastardo de novo. Uma voz estridente subiu da sala de estar e eu suprimi um gemido enquanto Georgia entrava no apartamento. Dentro de segundos ela estava dentro do quarto, acompanhada por duas enfermeiras e mulheres da limpeza. “Ah, querido,” ela disse, inclinando-se para beijar a bochecha do seu filho como se ele ainda fosse uma criança. “As enfermeiras estão aqui para verificar o seu progresso, e eu trouxe alguma ajuda para limpar o chiqueiro. Realmente, minha querida, você é uma empregada horrível.” A última parte era dirigida a mim, e a acusação atingiu-me rapidamente. Eu olhei para fora, a auto-estima morrendo debaixo da acusação mordaz que eu sabia não ser verdadeira, mas que eu não tinha forças para lutar. Quando eu não me mexi do meu lugar na cama, Georgia finalmente dignou-se a olhar para mim com desprezo no olhar. “Bem, mova-se. Desapareça e deixe os profissionais trabalharem.” “Mãe, pare com isso” disse Jeremiah com uma voz perigosa, mas eu me levantei.


“Não, deixa-as ver você! Eu engoli para dentro as palavras que eu, desesperadamente, queria dizer a Georgia Hamilton e, tentando manter o meu queixo para cima, marchei pela porta fora. Eu pensei tê-lo ouvido chamar o meu nome, mas não podia ficar ali nem mais um minuto. As lágrimas estavam demasiadamente perto da superfície, e eu seria maldita se eu deixasse algum deles me ver chorar. Várias empregadas andavam apressadas pela cobertura, limpando e arrumando coisas. Os meus sentimentos impotência cresceram enquanto as observava limpar tudo que poderiam me manter ocupada, coisas que talvez me dessem algo para fazer. O apartamento não estava sujo, antes de chegarmos, tinha sido exaustivamente preparado para a nossa chegada, provavelmente pelo mesmo exército de empregadas. Eu mantive as coisas tão arrumadas o quanto pude, e mesmo assim essas senhoras estavam ocupadas o suficiente para eu ver que eu não tinha sido meticulosa. Eu nunca fui alguém orgulhosa da minha habilidade de limpar – honestamente, eu não era muito “doméstica” no melhor cenário – mas isto era mais um golpe para o meu orgulho. Eu estava sentada no sofá, tentando ficar fora do caminho, quando Georgia saiu do quarto. Imediatamente as senhoras que estavam limpando acabaram o que estavam fazendo e moveram-se atrás dela, já prontas para sair. Georgia olhou para baixo do nariz dela para mim e revirou os olhos. “Certamente tem algo mais útil para fazer do que ficar sentada na casa do meu filho sem fazer nada.” Ela fungou, dirigindo-se para a porta. “Eu odeio pensar que ele se prenderia a uma vagabunda como você.”


Palavras de raiva subiram e morreram nos meus lábios. Eu queria defender-me, fazê-la sentir indigna, mas eu estava fora do meu domínio. Se eu tivesse a coragem de lhe lançar insultos, talvez eu tivesse descido ao nível dela, mas as farpas deixaram-me demasiadamente chocada para falar. Isso não pode ser como eu sou vista nesta casa. Ou é? A minha respiração acelerou, o sangue correu para a minha cabeça enquanto o meu peito apertava. Eu fiquei em pé, de repente precisando me mexer fazer alguma coisa, mas o desespero empurrou-me para o chão. Cobrindo a minha boca com uma mão, eu tombei para baixo ao lado dos bancos do bar, pegando num enquanto eu tentava obter o controle das minhas emoções de novo. Eu tinha de me lembrar de respirar enquanto me sentia aturdida e engolia várias arfadas de ar. Uma menina com quem eu andava na escola costumava ter ataques de pânico regularmente, e eu reconheci alguns dos sintomas.

O

meu

coração

espremeu

apertado,

quase

dolorosamente, e eu lutei para não ser sufocada. Havia uma leve confusão perto, depois eu ouvi Jeremiah chamar pelo meu nome. Ouvir a voz dele deu-me algo a que me agarrar, uma distração da minha súbita miséria. Eu consegui respirar fundo nos meus constritos pulmões, o que ajudou. “Estou aqui”, eu disse, chateada quando a minha voz falhou. Levantei-me para vê-lo franzir a testa para mim. “O que você estava fazendo no chão?” “Estava alongando” eu odiei quão facilmente a mentira deslizou pela minha língua, mas eu não podia explicar os meus problemas para ele. O meu corpo continuou acelerado, o que me levou a fazer alguma coisa, por isso me movi para a cozinha.


“Quer que eu te prepare alguma comida?” “Eu estou bem, mas faz alguma coisa para você se tiver fome.” Era a minha vez de franzir as sobrancelhas para ele, enquanto o estudava. “Você pode ficar de pé?” “Estou cansado de me sentir inútil naquela maldita cama.” Eu estremeci com as suas palavras e tentei não ler nada nelas, mas isso era difícil devido ao meu estado de espírito. “Eu só estou tentando ajudar.” Eu disse, incapaz de manter o tom amargo distante das minhas palavras. Pelo menos estava de costas para ele, por isso ele não podia ver a minha cara, que eu estava tendo dificuldade em me manter composta. Atrás de mim, o ouvi suspirar. “Eu sei disso.” Eu daria quase tudo para sentir o toque dele nesse momento, ouvilo dizer que tudo ficaria bem, mas ele manteve o silêncio enquanto mancava para a cozinha. Eu tirei uma caixa de brownies e comecei a procurar na enorme cozinha os itens necessários. Óleo, ovos e algumas nozes eram fáceis de encontrar, mas eu não conseguia encontrar a panela. Abaixando-me, procurei nas prateleiras de baixo até encontrar alguns pratos de vidro que funcionariam. Jeremiah moveu-se atrás de mim. “Deixa-me ajudar você com isso.” “Não, já consegui.” “Lucy, eu posso ajudar…” “Eu disse que já consegui.” As palavras saíram mais afiadas do que eu tinha pretendido. Mortificada pela minha explosão, levantei-me demasiadamente rápido e segurei o prato de vidro na beira da bancada. Escapou das


minhas mãos, e eu vi enquanto caía no chão de ladrilhos e partia-se em vários pedaços. “Merda” eu comecei a tremer enquanto a minha ansiedade subia de novo. Procurei à volta por uma vassoura ou um pano de pó mas não encontrei nada, por isso apanhei um rolo de papel da bancada. “Lamento muito” murmurei, tirando várias folhas de papel e ajoelhando-me para apanhar os pedaços. “Lucy, para você está descalça.” “Não, eu preciso limpar isto…” “Lucy, para…” Mesmo agora a sua voz tinha o poder de me comandar. Mas quando eu parei o movimento, as emoções finalmente tomaram conta de mim, e um único suspiro escapou dos meus lábios: “Eu não posso fazer mais isto.” O silêncio encheu o apartamento com as minhas palavras. Não havia maneira que eu pudesse olhar para Jeremiah naquele momento, tudo o que eu queria fazer era enrolar-me numa bola e chorar. Os tremores não tinham parado, mas eu escondi as minhas mãos atrás das costas. Eu torci os meus dedos à volta das folhas de papel, usando-as para aliviar algum stress. “Não pode fazer o quê?” Jeremiah perguntou depois de uma longa pausa. “Isto. Tudo.” Eu acenei a mão vagamente ao redor. “Você nem sequer precisa de mim. Eu te amo tanto e no entanto…” Eu nem conseguia dizer o que queria, estava tudo demasiadamente embaralhado na minha mente. Jeremiah continuou em silêncio e, respirando fundo, tentei de novo: “Eu preciso saber onde estamos, onde ficamos. Com a nossa relação.” Deus, era difícil dizer as palavras. Engoli e continuei,


quando ele não respondeu. “Agora que o perigo passou, você nem sequer me toca. Eu sou inútil aqui e isso está me matando…” Eu fiz uma pausa, percebendo que estava prestes a chorar e a me odiar por essa fraqueza. “Está me matando estar ao seu lado e não saber se…” Se nós sequer temos uma chance. A minha garganta fechou, incapaz de terminar a frase. Tinha atingido o coração do problema, e só tinha percebido agora que eu tinha colocado em palavras. “Isto também não é fácil para mim, você sabe.” Jeremiah gesticulou para o seu corpo com uma mão. “Você não é a única que se sente inútil e presa pela situação. Você vai me deixar assim?” Eu encolhi a amargura ali contida e senti um momento de vergonha, mas o aumento da raiva tomou conta de mim. “Se não agora, então quando? Quando será o momento certo para eu ir? Uma semana, um ano? Ou eu estou sujeita a ficar presa sentada a sua volta cuidando da sua saúde esperando que, finalmente, você me chute para fora?” “Lucy, você não está presa.” “Para mim parece que estou. Você já tem muita ajuda, não há nada para eu fazer, nenhum papel a desempenhar na sua recuperação. Tudo o que eu faço neste apartamento é sentar por aí mal falando com você e eu sequer sei se você me quer aqui.” Quando ele não disse nada em resposta, a última esperança foi drenada para fora. “Você me perdoou sobre Lucas?” eu perguntei finalmente, a minha voz só um pouco acima de um sussurro. Um silêncio ecoou pela enorme cobertura por tempo demasiado. Eu não desviei o olhar do seu, mas eu já sabia a resposta antes de Jeremiah finalmente falar.


“Eu não sei.” As palavras pareciam arrancadas dele, como se ele não quisesse admiti-las em voz alta. “Deixa-me limpar isto e eu sairei.” Eu disse, dando-lhe um único aceno. O nó no meu peito estava apertando, o suficiente para impedir as minhas emoções de rolarem livremente. O movimento maníaco que me tinha empurrado antes tinha desaparecido, e eu apanhei cuidadosamente os pedaços de vidro e limpei o chão de quaisquer pequenos cacos. Jeremiah desapareceu de vista, mas, enquanto eu saía da cozinha, o vi de pé perto da porta. Se algum de nós tivesse dito algo mais, se ele tivesse me pedido para ficar, a minha decisão talvez tivesse se modificado, mas ambos ficamos silenciosos. Eu sabia o que isto significaria para qualquer pessoa: Eu o estava deixando quando ele estava por baixo, como se eu não aguentasse os seus ferimentos ou como fraco ele estava. Na verdade, se ele tivesse dito que me perdoava, eu teria ficado para sempre. Mas ele não era um homem de mentiras, e o seu silêncio disse-me tudo o que eu precisava saber sobre a sua incerteza. Ele desviou-se de mim, os seus movimentos incertos. “Eu chamo para você a limusine.” “Jeremiah.” Eu pousei a mão no seu braço e ele parou. “Eu já não sou da sua responsabilidade.” Dei-lhe um sorriso trêmulo, apesar dele não olhar para mim. “Isto é Manhattan. Sou uma menina crescida, eu posso apanhar um táxi.” “Para onde você vai?” “Eu não sei.” Na verdade, eu não tinha um plano e poucas opções, mas eu tinha uma conta de banco cheia, graças ao homem diante


de mim. Pegando o celular que ele me deu, comecei a deixá-lo na mesa perto da entrada, quando ele falou. “Mantenha-o. Por favor!” Eu parei e depois o coloquei de novo no bolso. Uma parte de mim dizia apenas para sair e não olhar para trás, mas eu não podia fazer isso. Muitas coisas tinham acontecido para eu sair tão friamente assim. Eu aproximei-me mais perto e, colocando-me nas pontas dos pés, inclinei-me para beijar a sua bochecha, exceto que no último momento a sua cabeça virou-se para mim. Os nossos lábios encontraram-se suavemente, quase um beijo casto. Lágrimas apertaram entre as minhas pestanas enquanto ele acariciava a minha face, as suas palmas mornas contra as minhas bochechas. Eu não queria deixá-lo, não queria ser quem quebrava o beijo mais doce que eu já tive, mas como por mútua decisão, finalmente nos separamos. “Adeus”, eu sussurrei, incapaz de suportar o pestanejar nos seus olhos por mais um momento e saí da suíte. Eu estava errada sobre chamar o meu próprio táxi; o porteiro do edifício o fez para mim, o que foi uma espécie de alívio para mim. Os meus membros estavam presos e pesados com cada passo que dei para me afastar, mas ainda consegui entrar no táxi e direcionálo para um hotel qualquer fora de Manhattan. O tráfico estava tão complicado como sempre, mas o motorista logo percebeu que eu não estava com disposição para conversa e o silêncio reinou dentro do carro. Uma dolorosa dormência espalhou-se por mim, mas era melhor do que a dor. Eu olhei resolutamente para frente, vendo a cidade deslocar-se perante mim, até chegarmos a Nova Jersey. O


motorista foi bom, encontrou-me um hotel decente com boas acomodaçþes em Clifton. Eu subi as escadas e entrei no meu quarto, deitei o rosto na cama, e solucei silenciosamente na minha almofada atÊ o sono tomar conta de mim.


Capítulo 21

O primeiro buquê de flores chegou na minha mesa, três meses depois. “Parece que alguém tem um admirador secreto", brincou Amanda enquanto eu olhava para o arranjo com surpresa. "Isto é para mim?" "É o que o cartão diz. Então fale: quem você está namorando?" Eu alcancei o pequeno envelope, arrancando-o. Realmente dizia o meu nome nele, e estava escrito no pequeno cartão dentro uma mensagem de quatro palavras que fez meu coração palpitar: Eu não esqueci você. “Lucy? Parece que você está prestes a chorar. O que diz, é algo bom? Posso ver?” Peguei a nota, colocando-a distante, onde ela não poderia pegá-la, dando-lhe um olhar divertido. "Você

não

deveria

estar

jogando

conversa

fora

com

os

canadenses?” “Bem, era sobre isso que eu vim falar com você. Eles são de Quebec e falam mais francês do que Inglês, então eu pensei que eles gostariam se alguém pudesse acrescentar algo mais, além de apenas o inglês.” Ela me acotovelou, acrescentando ênfase. "Como você sabe que eu falo francês?” "Eu vi você com aquele casal haitiano no mês passado, mais eu li na sua ficha. Você é mesmo de Quebec, assim você poderia perfeitamente se relacionar com esses caras. Ou você pode fingir que você é - talvez você até seja - uma irmã perdida deles ou algo assim!”


“Isso não é o seu trabalho?” Eu perguntei, balançando a cabeça e sorrindo. Amanda Reed ajudou a conseguir a arrecadação de fundos para o The Hope Doctors Network, o qual funcionava em meu pequeno escritório satélite no Brooklyn. Era uma instituição de caridade pequena, fundada pela minha amiga Cherise, cujo marido trabalhava como médico em Bornéu. Quando eu a enviei um e-mail perguntando-lhe sobre opções de carreira, ela conseguiu me encontrar um trabalho, em um escritório na área de caridade. Aparentemente, eu já tinha conhecido o fundador da caridade em um jantar anterior, onde eu havia ajudado Cherise a arrecadar dinheiro, o que ajudou a lubrificar as engrenagens e obter-me o trabalho. No meu primeiro dia, eu já sabia que eu havia encontrado minha vocação. Eu tinha muito trabalho, todos os dias, mas eu nunca havia antes sentido tanto orgulho no meu trabalho. "Vamos Lucy. Por favor, por favor, eu realmente preciso de ajuda!” Amanda me lembrava muito a Cherise, com sua constante e borbulhante animação, a qual nunca sabia quando parar. Ela era jovem, recém-saída da faculdade, com o cabelo vermelho curto e sardas por todo o rosto. Seu rosto sempre com um sorriso e, eu descobri rapidamente que ela era muito difícil de ser dobrada quando queria alguma coisa. Perfeito para alguém cujo trabalho era solicitar doações para uma instituição de caridade. “Ok, tudo bem”, eu disse finalmente, “Me convenceu eu vou com você, caramba.” "Você é um salva-vidas, muito obrigada, obrigada, obrigada! Ela olhou por cima do meu ombro novamente. “Então, o que ele diz? Vai, não é um segredo de Estado, é?”


Eu apenas lhe dei uma piscadela e coloquei o cartão no bolso. Seu rosto imediatamente caiu, drasticamente. "Ahhh, vai, por favor, por favor, por favor?” “Quantos anos você tem, dez?” Ela sorriu para mim. “Somente às sextas-feiras.” Revirei os olhos, mas peguei meu casaco e a segui para fora. As flores continuaram a chegar regularmente depois daquela vez, às vezes grandes buquês, às vezes uma única rosa. Amanda continuou a me incomodar sobre de quem eram, mas eu não contei a ela, principalmente porque eu não queria ter esperanças. O trabalho passou rápido como a primavera ate começar a descongelar o último floco de neve e as perguntas foram diminuindo, ja que ela se ausentava mais do escritório. Eu não via nenhum sinal do próprio Jeremiah, mas as flores continuavam a vir, cada vez mais bonitas com o verão se aproximando. Mesmo quando minha mesa estava cheia de cores e cheiros maravilhosos, eu não podia me desfazer delas ate que elas ja estivessem murchas. Então, um dia, um pequeno pacote com o meu nome chegou com as flores. “Oh, o admirador secreto mudou de estratégia!” Amanda inclinou-se sobre a minha cadeira. “Hum, uma empresa de títulos? Como isso pode ser sexy?” Franzindo a testa, eu abri o envelope, retirando o que havia dentro. Era uma espessa pilha de papéis, grampeado junto com notas coloridas, visíveis ao redor das margens. Um endereço familiar mais ao alto da página imediatamente chamou minha atenção. A sala em volta de mim começou a girar, e eu estava feliz por estar sentada.


Amanda se inclinou para perto. Ela franziu o rosto enquanto lia sobre o meu ombro. “Que cidade e essa?" Eu cobri minha boca em choque. “Eu estou recebendo minha casa de volta.” "O quê! Seu admirador secreto comprou para você uma casa?” Folheei a papelada para ver o meu nome em quase todas as páginas. Pequenas notas indicavam os lugares em que eu precisava assinar, um papel grampeado na pasta era um cartão de visita de uma empresa de títulos local. Vasculhando, eu fui para uma página que continha fotos da avaliação, e eu tive que cobrir a minha boca para não gritar. "Linda casa", Amanda disse, inclinando-se mais perto. “Caramba. Será que realmente é sua agora?” “Como é que isso chegou?” Nunca tinha me ocorrido perguntar quem entregava os meus pacotes a cada dia. Amanda pareceu surpresa com a pergunta, mas deu de ombros. “Alguma empresa de entrega eu suponho. Ei, onde você está indo?” Deixei o pequeno escritório quase correndo, ignorando o elevador e indo direto para as escadas. Já havia se passado meses desde o incidente da ponte, mas meu tornozelo ainda doía enquanto eu avançava os três lances de escadas. Eu não tinha certeza do que iria encontrar, mas quando cheguei até o nível da rua, fiquei desapontada ao descobrir nada fora do comum. Olhei para os dois lados da calçada, tentando encontrar alguém com a altura e estrutura de Jeremiah. Poucas pessoas estavam andando ao redor desta área da cidade, e nenhum deles se parecia em nada com um bilionário.


Um nódulo duro estava na minha garganta. Peguei meu celular e olhei para ele por um momento. Nele continha, entre meus contatos de trabalho, o número de telefone do homem que podia responder a todas as minhas perguntas. Eu tinha quase certeza de que ele tinha feito isso por mim, quem mais eu sabia que poderia me comprar uma casa? Mas por qualquer razão ele optou por não se apresentar. Eu considerei encontrar o número e chamá-lo, antes de lentamente guardá-lo. Eu ainda tinha meu orgulho. Havia enfrentado uma verdadeira batalha recentemente, mas eu estava devagar, juntando os pedaços da minha vida. Eu sabia que tinha cometido erros, e parte de mim se arrependeu do jeito que eu tinha deixado Jeremiah, em seu apartamento em Manhattan. Não havia maneira de desfazer as minhas escolhas neste momento, apenas conviver com elas. Envolvendo o meu casaco em volta do meu peito, dei uma última olhada ao redor da área antes de voltar para o meu escritório.

***

Poucos dias depois de receber o envelope, eu recebi um convite no meu apartamento para um evento em memória de Lucas James Hamilton. Eu olhei para a folha de papel cinza por alguns minutos, em seguida, coloquei cuidadosamente de volta, dentro do envelope e deixei sobre o balcão. Olhei em volta do meu apartamento, enquanto enxugava as lágrimas. Meu trabalho mal pagava o aluguel daqui, mas era em um edifício tranquilo e em um bairro decente. Mesmo se eu não tivesse pego este trabalho, eu poderia ter ficado aqui por um ano com o que eu tinha guardado no banco. Depois de


tudo que passei para manter minha cabeça acima da superfície, era bom ter um fundo de emergência caso fosse necessário. O evento em memória era em quatro dias e eu sabia que não iria perder. Eu não tinha recebido nenhuma noticia desde que deixei o caso, e não tinha ideia em que pé estava. Eu não tive noticias de Marie ou de qualquer outro escritório do governo, então eu não tinha certeza se eles encontraram o corpo de Lucas, ou se eles simplesmente haviam desistido de procurar. Eu supunha que em quatro dias, eu descobriria O excelente tempo no dia do memorial desmentia a ocasião sombria. Lucas, se estivesse ali, provavelmente teria dito algum gracejo espirituoso sobre a primavera em Nova York. Ele provavelmente teria apreciado isso mais do que a chuva, de qualquer maneira, mas parecia estranho lamentar em um excepcional e ensolarado dia de primavera. Como eu esperava, havia segurança na entrada e eu mostrei-lhes o meu convite. Eles permaneceram um tempo olhando para um tablet, eu assumi que havia uma lista de convidados e, em seguida, o guarda finalmente balançou a cabeça. “Eu não vejo o seu nome aqui, Sta. Delacourt”. “Ela está comigo.” Jeremiah dirigiu-se a nos, de dentro do pavilhão, e eu respirei fundo, bebendo da sua visão. Seu cabelo estava comprido e não com um corte, como antes, as pontas escovavam a parte superior de sua camisa. Ele parecia bem, mas eu ainda podia ver as linhas rosada em seu rosto, as cicatrizes deixadas pelas mãos de Rush. Uma bengala estendida em uma mão, comprovava que ele continuava no caminho para sua


recuperação. "Senhor, ela não está na lista.” “Você pode ver isso lá em cima com a minha mãe.” Ele passou pelos dois homens na entrada, movendo-se até o meu lado, oferecendo me o braço. Eu hesitei somente um momento antes de tomá-lo, e me permiti ser escoltada ate o interior do pavilhão. "Acho que sua mãe retirou o meu nome?” Minha voz não estremeceu, o que eu contei como uma pequena vitória. "Apesar do que ela pensa ou faz, você é minha convidada e bemvinda aqui.” Caminhamos lentamente através de um pequeno corredor por trás da entrada antes de emergir para fora em um verdadeiro paraíso. “Oh,” eu disse, ofegante, enquanto olhava para a grande área. Flores e grandes árvores foram quase artisticamente espaçadas e passarelas estreitas pavimentavam através das áreas principais de colinas verdejantes, perfeitas para um piquenique. "É uma área privada, usada principalmente para casamentos e festas. Costumávamos vir aqui quando eu era jovem. Apesar dos melhores esforços do meu pais, em contrário, eu ainda tenho boas lembranças deste lugar.” "É lindo.” As árvores aqui estavam em plena floração, um mês antes da maioria dos outras que eu tinha visto na cidade. O Inverno tinha sido longo e foi bom ver sinais de seu final. Mordi o lábio, e depois coloquei a mão no seu braço. “Como você tem passado?” “Cada vez melhor, apesar do que parece.” Ele fez um gesto com a bengala. “Minha mãe acha que isso é só para eu ficar mais leve e sofisticado.” Ele colocou-a no chão empurrou o queixo para cima, fazendo uma pose. “Você não concorda?”


Eu não podia acreditar que eu estava tendo essa conversa com Jeremiah, eu sorri para ele, ele parecia muito mais tranquilo do que eu me lembrava, como se não houvesse mais peso o puxando para baixo, por algum stress invisível. “Você sempre foi sofisticado”, eu disse, batendo-lhe com o meu ombro. “Um pouco mais leve do que um touro em uma loja de porcelana”. “Anotado”. Enquanto o jardim ocupava uma grande área, apenas uma pequena porção no fundo estava sendo utilizada para o memorial e a recepção mais tarde. Os convidados, nenhum dos quais eu conhecia, misturavam se entre si, e fiquei agradecida quando Jeremiah nos conduziu em torno dos vários grupos. Eu vi uma mulher magra, toda vestida de preto à vista, um chapéu empoleirado no topo de sua cabeça com um delicado véu sobre o rosto. Mesmo a partir de seis metros de distância, eu podia sentir o olhar de desaprovação de Georgia Hamilton, que não se aproximou e eu não me importei Eu fui convidada, eu estava aqui, e ela teria que lidar com isso. O memorial foi curto, com apenas algumas pessoas em pé para dizer algumas palavras. Jeremias falou, disse em termos gerais, sobre quando seu irmão era mais jovem. Eu pensei brevemente em ir até palco e dizer algo, mas percebi que eu não o conheci o suficiente para elogiar ou louvar as suas virtudes. Algo me disse que eu provavelmente o conheci melhor do que várias das pessoas presentes. Logo em seguida, várias pessoas se aproximaram de Jeremiah, claramente querendo falar com ele.


Ele educadamente se desvencilhou de todos e me puxou pela multidão. Lembrei-me de como, uma das últimas vezes que eu tinha visto Georgia Hamilton, ela tinha enfrentado acusações de vender o acesso ao seu filho bilionário. Certamente ela não faria uma coisa dessas no funeral de seu outro filho. Então, novamente, eu coloquei essa mulher horrível no passado. “Caminha comigo?” De braços dados, nos distanciamos do grupo, avançando para o parque. Uma fileira forrada de flores fluiu através do centro, preguiçosamente sinuosa através das colinas verdejantes. Assim que nos movemos, eu ouvi risos de crianças nas proximidades. “Todo este jardim é parte de um grande parque privado", disse Jeremiah, como se estivesse respondendo a minha silenciosa pergunta: “mas a entrada lá atrás não é o único caminho para dentro.” Uma corredora passou por nós, com um cachorro em uma coleira curta mantendo o ritmo. No final de uma pequena estrada era o playground, onde eu vi de onde o riso vinha. Havia poucas pessoas ao nosso redor, dando um sensação de privacidade com muito espaço. “Eu já te disse que mulher incrível você é?” Engoli em seco e olhei para ele. Penetrantes olhos verdes olhavam através de mim, e eu limpei minha garganta. “Não", eu disse, tentando manter meu tom leve”, mas você pode continuar a falar.” Sua risada aqueceu meu coração, e eu apertei seu braço por alguns instantes.


”O que você tem feito?”, ele me perguntou enquanto nós continuamos a andar. "Trabalhando, principalmente, e eu acho que você sabe onde é.” “Ah, então você recebeu meus pacotes.” “Se por pacotes, você quer dizer flores, então sim. Elas são lindas". Eu limpei minha garganta novamente. ”E eu não sei como lhe agradecer por... o presente maior.” “Apenas me diga que você não vai recusar." Surpreendentemente eu comecei a rir. “Eu não tenho tanto orgulho, eu vou tê-la de qualquer maneira que eu puder.” Eu coloquei minha cabeça em seu ombro. “Obrigada.” “Você está saindo com alguém?” É uma pergunta ousada, tão direto como sempre. Eu meio que esperava por isso, eventualmente, no entanto, eu balancei a cabeça. “Não da maneira que você pensa, apenas uma terapeuta toda semana. Ela me ajudou muito.” “Ajudou como?” “Lidar com a PTSD5.” Se o conhecimento o surpreendeu, ele não mostrou. Eu não lhe contei sobre os ataques de pânico ou os pesadelos; agora não era o momento, e mesmo assim eles vinham menos frequentes nas últimas semanas. Nós caminhamos em silêncio por algum tempo, em direção a uma ponte de pedra. Paramos perto de um homem velho que alimentava pombos sentado em um banco do parque e uma família que brincava com um bebê em um cobertor. Jeremias deixou meu braço ir, inclinando-se contra o muro. “Eu sinto falta do meu irmão.” Minha garganta fechou com o sentimento.


“Eu também.” "Ele podia ser um idiota às vezes, mas... Você sabe que ele me salvava o tempo todo da raiva do meu pai? Ele era bom em distrair o Rufus, dizendo as coisas erradas na hora certa e desviando qualquer punição para ele.” Eu me mudei e passei meus braços em volta dele, dando um beijo em seu ombro. “Ele te amava.” “Eu sei. Mas eu não sei se ele percebeu que eu sentia o mesmo ou o quanto.” "Eu acho que ele sabia.” Eu peguei uma das mãos de Jeremiah e a puxei, até que ele se virou para mim. Alcançando uma mecha escura de cabelo, eu a tirei de seu rosto, passando meu polegar sobre a cicatriz rosa. Ele estendeu a mão e segurou meu pulso, pressionando a palma da minha mão contra sua bochecha. "Você sabe o quanto eu te amo?" Deixei escapar um pequeno suspiro, sentindo, de repente, lágrimas correndo dos meus olhos. Arrastando uma respiração irregular em torno da emoção que ameaçava me sufocar, eu balancei minha cabeça. Sua outra mão segurou meu rosto, os dedos traçando o contorno do meu rosto. “Eu amo, você sabe” ele murmurou. “Eu soube quando eu te vi chegar até a borda para saltar, e acho que ainda antes disso.” Um canto de sua boca inclinou-se. “Eu acho que já sabia quando você era aquela menina em um elevador cujo olhar tímido me fazia selvagem."


Ele enxugou uma lágrima que vazou através dos meus cílios, dando um passo mais perto de mim. A muleta, esquecida agora, caiu no chão. Ele se inclinou para perto e deu um beijo na minha testa. “Eu sempre achei que as palavras eram desnecessárias, até mesmo banais, se o sentimento está lá, por que você precisa nomeá-lo? Mas se perder Lucas me ensinou alguma coisa, é que eu preciso dizer as palavras que eu tenho certeza que elas significam.” "Então, Lucy Delacourt, quero que saiba que eu sou completamente e totalmente apaixonado por você." "Por quê?" Eu poderia ter me chutado para uma pergunta tão boba, mas Jeremiah, inclinou a cabeça para trás e riu. Olhei, percebendo que eu nunca o tinha visto tão feliz antes. Ele se aproximou, acariciando meu rosto novamente, tocando, mas não me segurando. “Porque você é forte, você é corajosa, e você coloca os outros em primeiro lugar. Porque você é linda por dentro e por fora, e alguém que eu considero meu igual, e que eu fui estúpido de deixá-la sair por aquela porta aqueles meses atrás." "E Lucas?" Minha voz saiu num sussurro, mas Jeremiah só balançou a cabeça. “Eu não sou alguém que pode jogar pedras nos erros. Como meu irmão provou, a forma como lidei com Anya e com ele mesmo, eu fiz mais do que uma parte justa.” Ele acariciou minha sobrancelha com o polegar, e eu me inclinei em sua mão. "Você vale a pena lutar, e eu sinto muito por ter deixado que você saísse pela minha porta."


Lágrimas riscaram meu rosto enquanto eu tocava seu rosto, consciente das novas cicatrizes ainda curando lá, então disse com a voz embargada: “Agora acho que isso não foi tão difícil, foi?” Jeremiah riu novamente, e então me puxou para perto. Eu passei meus braços em volta dele, enterrando meu rosto no seu casaco. “Eu te amo", eu murmurei contra ele, e senti seus braços apertarem em volta de mim. Senti algo úmido contra minha bochecha, e por um momento pensei que era uma lágrima. Quando senti outro, depois outro na minha mão, eu me afastei e olhei para cima. Desde que eu cheguei no parque, o céu acima tinha ficado nublado novamente, e eu senti uma gota de chuva batendo no meu rosto. "Você quer voltar ao evento?” Jeremiah perguntou quando eu coloquei a mão estendida, testando a velocidade das gotas de chuva. "Eu gostaria de ficar aqui, na verdade.” As nuvens ainda não haviam bloqueado a luz do sol, apesar de terem se dirigido nessa direção. “Eu gostaria que tivéssemos trazido um guarda-chuva, porém, apenas no caso da chuva começa a cair." "Eu volto logo em seguida." "O quê? Não, não podemos voltar, sua perna..." "Lucy. Fique aqui.” Ele levantou meu queixo até que eu o encarasse. “Eu volto logo, não será mais do que um minuto ou dois.” Eu vi seus lábios se movendo, ouvindo, mas realmente não prestei atenção em suas palavras. A fome familiarizada varreu-me, e eu me inclinei para frente os últimos centímetros, pressionando seus lábios nos meus. Imediatamente ele me apertou contra ele, sua boca tomando o controle do beijo, e eu derreti em seus braços. Eu tinha


esquecido o quão bem o homem beijava, ele deixava o meu corpo em chamas, alternadamente mordiscando meu lábio inferior, em seguida, me provocando com sua língua. Quando nós finalmente separamos, eu estava respirando com dificuldade, e não apenas da falta de oxigênio. Ele bateu na ponta do meu nariz com um dedo. “Volto já". Suspirando eu corri para um banco do parque nas proximidades e me sentei. Ao meu lado, um cavalheiro mais veho espalhava algumas sementes para os pássaros na frente dele. Pombos principalmente o cercaram, mas chegaram alguns passarinhos e pardais na mistura. "Você gostaria de tentar?" O velho tinha um forte sotaque da Nova Inglaterra, mas parecia bastante decente. Eu olhei para o saco hesitante, depois dei de ombros e concordei. ”Claro." Ele derramou um pouco de semente em minha mão e nos revezamos jogando fora pedaços para os pássaros bicando a chão. “Parece ser um homem jovem e bonito que você conquistou ali", disse ele depois de um momento. "Eu acho que ele é um protetor.” Olhei ao redor do parque, com um sorriso fixo em meus lábios. “O caminho até este ponto não foi fácil." "As melhores coisas da vida são raras. A partir daquele beijo, seu namorado parece estar muito apaixonado por você, também.” Ele balançou as sobrancelhas grossas sugestivamente, fazendo-me corar, e, em seguida, olhou para o relógio.


"Aqui", ele disse, entregando-me o saco de sementes, “Eu acho que você pode usar isso mais do que eu. As aves ainda são estão com fome e eu preciso terminar minha caminhada." "Obrigada...” Eu parei, quando eu encontrei o olhar do velho. Olhos azul-esverdeados brilharam para mim, e por um breve momento eu esqueci de respirar. "Eu ouvi o que ele disse a você", o velho continuou, olhando ao redor do parque enquanto eu lutava por palavras. “Eu aposto que seu irmão teria gostado de ouvir isso.” Ele lambeu um dedo e colocou para cima como se estivesse testando o tempo. Como se pela sugestão, a chuva começou a descer progressivamente mais forte. Eu a senti começar a escorrer pelo meu couro cabeludo e no meu rosto, mas não consegui quebrar o meu silêncio atordoado. Ele sorriu para mim com dentes retos e brancos. “Agora este é mais o clima para um funeral. Muito sol, e os mortos são susceptíveis de levantar-se só para aproveitar o dia." Eu assisti, com a boca entreaberta, quando o velho levantou-se e espreguiçou-se. “Muito prazer, senhorita", disse ele para mim, piscando o olho. “Talvez nós vamos nos ver novamente algum dia?" Nenhuma palavra sairia, mas quando ele começou a se afastar eu pulei para os meus pés. “Espere! Jeremiah, ele gostaria..." "Ele é um homem bom, e ele te adora.” O homem desviou o olhar para baixo na direção que Jeremiah tinha desaparecido apenas um minuto antes. “Cuide do meu irmão. E diga-lhe...” Ele fez uma pausa, e então sorriu. “Diga a ele para parar de ser uma pessoa retógrada."


"Ele está progredindo.” O sorriso que iluminou meu rosto não poderia ser regulado; minhas bochechas praticamente doíam da expressão. “Você ficaria orgulhoso dele." "Tarde demais, eu já sou. Cuide de si mesmo, Lucy.” Ele se esticou, quando ele se levantou e sacudiu suas mãos, em seguida, os ombros se inclinaram de repente, como se com a idade. Ele olhou para todo o mundo como qualquer homem mais velho indo embora em um casaco de lã e calças de golfe. Ele começou a assobiar uma melodia alegre enquanto ele desaparecia sobre a ponte e em um espesso bosque de árvores. Sentei-me de novo, incapaz de tirar o sorriso do meu rosto. Eu jogava um pouco de semente para as aves quando Jeremiah virou a esquina, o guarda-chuva estava aberto em cima dele. “Você parece feliz", disse ele, estendendo o guarda-chuva para me cobrir. Seus olhos viajaram para o saco de papel em minhas mãos e viu como eu agitava algum do seu conteúdo para o chão. “Semente para pássaro?", ele perguntou. "Você não acreditaria em mim se eu lhe dissesse.” Eu enfiei a mão dentro do saco por mais sementes e senti algo grande e pesado sob as sementes. Franzindo a testa, eu o puxei para fora e segureio contra a luz. Era um anel masculino com uma pedra preta e faixa grossa. Havia uma inscrição no interior que estava desgastada com a idade. "O que... Deixe-me ver isso." Eu entreguei a Jeremiah, e vi quando ele o examinou de perto. “Audentes fortuna iuvat.” Ele olhou de mim para os pássaros. "O velho?" Quando eu assenti, Jeremiah olhou ao redor do parque, mas quando ele começou a se afastar Eu agarrei sua mão.


“Você não vai encontrá-lo." Jeremiah parou, com as mãos enrolando em punhos. “Por que ele não me contou?" "Ele acabou de fazer.” Eu puxei a manga até que Jeremiah finalmente olhou para mim. “Ele também ouviu tudo o que você me disse." Por um momento, eu pensei que ele iria a caça de qualquer forma, tentar seguir atrás de seu irmão. Finalmente no entanto, Jeremiah sentou-se ao meu lado, girando o anel mais e mais em suas mãos. Olhei para ele com curiosidade. “De quem é?" "Ele pertencia a nosso avô, mas desapareceu na mesma época que Lucas. A inscrição significa: A sorte favorece os corajosos.” Ele olhou para o anel por um pouco de tempo, e então olhou para mim. “Ele ouviu tudo o que eu disse?" Quando eu balancei a cabeça, um sorriso divertido surgiu no rosto de Jeremiah. “Deus". Ele deslizou o anel em seu dedo, em seguida, ficou de pé e estendeu a mão. “Vamos dar um passeio." Eu passei minha mão na sua mão quente, levantando-me e aproximando para bem perto dele. Inclinei minha cabeça, deitando em seu braço e vi quando ele entrelaçou os dedos nos meus. A chuva batia contra o material fino do guarda-chuva enquanto as pessoas em volta de nós corriam para se esconder, mas nós apenas continuamos abaixo pelo caminho, felizes com o momento não importando o que os céus atiravam sobre nós.

____________________________________________________5 5

PTSD: distubio de estresse pós-traumático


Epílogo

"Então, eu finalmente vou conhecer o seu homem misterioso? E, oh meu Deus, posso apenas dizer mais uma vez como fabulosa você está com esse vestido?" "Obrigada, mais uma vez, pelo elogio." Eu balancei a cabeça para a exuberância da ruiva. "E não, eu disse que é uma surpresa." "Oh, você é tão má. Mas eu te disse quem eu ouvi estava vindo hoje à noite? Ok imagine: bonito, rico, poderoso e gostoso. Eu considero sua presença minha peça de resistência". "Jeremiah Hamilton?" "Ah, eu queria que fosse uma surpresa! Eu devo ter te falado, não? Mas eu não me lembro de ter te falado de qualquer forma... você realmente adivinhou? Porque isso é um pedaço de um bom palpite." "Amanda, qual a quantidade de café que você teve hoje?" "Apenas alguns potes, por quê?" Os convidados começaram a chegar, e me esforcei para dar uma olhada. Amanda e o grupo de recrutamento tinha feito um ótimo trabalho com este, recebendo várias celebridades top para bater o tapete vermelho. A imprensa estava em toda parte, cobrindo o evento de caridade de todos os ângulos. Estávamos certos de estar em todos os blogs de celebridades e notícias na parte da manhã, aumentando a consciência para a nossa pequena caridade. Eu não poderia estar mais orgulhosa de fazer parte da organização do evento. "Omg6, Cher fez isso! E aquele é Joan Rivers bem ali entrevistando pessoas e ... Caramba, é ele, é ele! Alto, moreno e sexy, doze horas, doze horas!" Eu segui seu dedo apontando e soltei um suspiro.


Sexy, de fato! Jeremiah se afastou da limusine, ignorando as câmeras enquanto subia as escadas para o evento. Ao meu lado, Amanda estava praticamente vibrando enquanto ele se aproximava, mas tudo que eu podia ver era o homem que eu amava se movendo em direção a mim. Entre quando eu o conheci e agora, ele finalmente havia descartado aquele visual corte limpo. Foi-se o cabelo penteado e comportado, substituído por ondulados, despenteado e uma atitude de mal cuidado. Usava tudo preto esta noite, um estilo diferente do que as figuras que nos cercavam. "Oh, ele está olhando para cá. Eu vou morrer se ele falar com a gente!" Quando ele parou perto de nós, eu pensei ter ouvido um pequeno "chiado" de canto de Amanda, mas Jeremiah tinha toda a minha atenção. Ele me olhou de cima a baixo, e os seus lábios apareceram quase predatórios sorrindo. "Você parece saborosa o suficiente para comer." Eu tive que enrolar as minhas mãos em punhos ao meu lado para não correr através de seu cabelo. "Você parece simplesmente estonteante", eu respirei, pronunciando cada sílaba. Ele ofereceu-me o braço e, sem olhar para Amanda, eu peguei e caminhei ao lado dele. Câmeras nas proximidades saíram, mas eu tentei ignorá-las, mantendo minha cabeça erguida e tendo certeza de não cair dos meus saltos. "Omg, que inveja!" Eu sufoquei uma risada quando o último grito de Amanda ecoou um pouco pela entrada. Não havia nenhuma maneira de que eu nunca ouviria isto de alguém do escritório.


O grande salão de baile do hotel estava lotado, todos se misturando juntamente como o planejado. Garçons de smokings passando entre os convidados, mantendo taças de vinho e champanhe cheias. Perto do centro, havia uma pista de dança com vários casais, e os demais se sentaram nas mesas ao redor do palco. Jeremiah manteve uma mão possessiva em minhas costas quando ele me conduziu através da multidão. Eu não sabia o destino que ele tinha em mente, mas estava bastante contente quando ele me girou em seus braços na pista de dança. Virei-me duas vezes e então me estabeleci contra ele, inclinando-me para respirar o cheiro dele. Deus ele cheirava bem. "Vejo que você escolheu um vestido diferente daquele que eu tinha enviado," Jeremias disse no meu ouvido, sua respiração quente na minha pele me fazendo tremer. "Eu sinceramente aprovei." "Eu não preciso de sua permissão para escolher o que vestir", eu disse com uma voz altiva, tentando não mostrar como satisfeita eu estava com o seu elogio. "Além disso, este foi um décimo do custo e parece tão bom como algo de alta moda ". "Mas eu aprovei, no entanto." A música mudou para algo mais lento, e Jeremiah me puxou para perto. Algo cutucou minha barriga e, sobrancelhas subindo, dei a Jeremiah um olhar divertido. "Sério? Agora?" Jeremiah me girou em volta da pista de dança, parecendo muito satisfeito consigo mesmo, enquanto eu batalhava entre a exasperação e a crua necessidade. O desejo explodiu dentro da minha barriga, com um brilho possessivo nos olhos, e eu me


esforcei para me manter sob controle. Nós tínhamos feito uma decisão mútua de levar as coisas devagar, uma reunião para tomar um café ou jantar, e nos separarmos depois, com pouco mais do que um beijo. Bem, ok, um pouco de apalpadas e uma breve sessão de amassos na parte de trás de sua limusine uma noite, mas era tudo. Aparentemente, esta noite Jeremiah estava disposto a lançar todos os nossos planos cuidadosamente definidos pela janela. Foi a minha vez de aprovar. Eu não estava olhando para onde estávamos indo, muito contente de estar tão perto dele, até que a música terminou. Jeremiah continuou segurando a minha mão e me levou para trás do palco, onde os elevadores se escondiam. Eu contive uma risadinha quando ele apertou o botão, mordendo meu lábio em antecipação. "Você e elevadores" Eu disse, e então dei um grito quando ele me pressionou contra as portas de aço. "O que eu posso dizer? Eu sou uma criatura de hábitos..." Ele caiu para frente, capturando meus lábios, e eu me inclinei indo ao encontro de seu ataque. Um suspiro escapou de mim quando eu enlacei meus braços ao redor de seu pescoço, apertando meu corpo contra o seu. "Sua pequena atrevida", ele murmurou contra meus lábios enquanto suas mãos se moviam para baixo para cobrir a minha traseira. "Você não está usando calcinha." Foi a minha vez de rir. "Brownie point7 por estar preparada?" As portas atrás de mim apitaram e eu me agarrei a Jeremiah, quando ele nos girou para dentro do elevador. Seu peito ressoou com o riso quando ele me levantou no ar, me pressionando para trás contra a parede do elevador. Eu dei um pequeno suspiro


quando senti sua firme dureza contra o meu núcleo, e inclinei a cabeça para trás para lhe dar acesso. "O que você vai me dar?", Disse ele, revirando os quadris contra mim. Sua boca caiu para o meu pescoço, sugando a pele delicada lá. "Seu corpo? Sua alma?" "Tudo", eu respirei, minhas unhas cavando em seus ombros. Eu senti sua cabeça se mover para baixo entre os nossos corpos, e dei um grito tão alto que provocou a carne sensível entre as minhas coxas. "Você vai me dar o seu amor?" "Sempre." Eu cobri seu rosto com as minhas mãos, movendo-me para frente para beijá-lo suavemente. A necessidade e desejo que eu vi refletido ali fez o fogo na minha barriga aumentar, mas foi o que fez o meu coração derreter. "Eu te amo", ele murmurou, movendo as mãos para cima dos meus lados para apertar meus seios através do fino material do vestido. Eu envolvi minhas pernas em volta de sua cintura, dando-lhe espaço suficiente para se libertar de suas calças antes de me ajustar sobre o seu eixo rígido. Ele apertou o botão para o andar mais alto quando eu flexionei meus músculos da coxa, levantandome para cima e dentro dele. Dado o quão molhada eu já estava, eu ainda engasguei quando ele deslizou para dentro de mim, minhas paredes esticando para acomodar o seu perímetro. "Eu te amo", ele repetiu, afundando em mim e me fazendo gemer. Fiquei olhando em seus belos olhos verdes, com um leve sorriso, quando eu revirei os quadris e ouvi-o ofegar. Ele olhou para mim, os olhos arregalados e cheios de desejo. "E o que você vai me dar?" Eu murmurei, apertando ao redor dele. "Tudo", disse ele, sua voz rouca com a necessidade.


Inclinei-me e esfreguei meus lábios nos dele. "Tudo que eu quero é o seu amor." "Você tem", ele respirou, sua língua arremessando contra a minha. "Você sempre vai ter." Meu Amado.

FIM

___________________________________________________________ 6 Omg: Oh Meu Deus 7 Brownie Points: no uso moderno é uma moeda social hipotética, que pode ser adquirida por fazer boas ações ou ganhar favor aos olhos dos outros, muitas vezes, de um superior.

1


Nota da Autora

Não há nada como publicar o seu primeiro livro, quer seja com uma editora tradicional ou com um ebook através da auto-publicação. Quando eu escrevi uma pequena história intitulada "Tudo que ele quer", eu nunca poderia sonhar que iria decolar como aconteceu, ou que eu iria encontrar um grupo tão diverso e incrível de leitores. Eu gostaria de entregar uma mensagem de despedida para Delta e Lili Booth, meus editores, Addy Cooper meu IMPRESSIONANTE artista de capa, Lauren Murray por me acalmar quando eu ficava louca com uma cena difícil, e os Sirens por seu suporte. Foram os leitores que, entretanto, já se marcaram em meu coração. Eu adoro cada um de vocês, é você quem tornou isso possível, que me permitiu a alegria eterna de uma carreira a tempo integral, que eu amo. Assim, para todo mundo que ficou comigo desde o início, ou que apenas me encontrou nesta pequena história que nunca acabava, obrigado. Porque, sério? Você é malditamente fantástico. Será que estamos no fim? E que não haverá mais de Jeremiah ou Lucas, não mais partes de AHW(Anything He Wants)? Bem, isso é você que decide, nos próximos meses - acredite em mim, eu escutarei meus leitores. Felicidades!


Bônus

Bem. Eu estou fodido. Lucas colocou a cabeça contra as pedras, uma mão hesitante contra a barriga doendo. Em frente dele estava Rush, emitindo suas ameaças e ultimatos, mas logo em seguida, as palavras eram sons sem sentido. Uma letargia corria por Lucas, deixando-o mal conseguir manter os olhos abertos. Provocar o outro homem tinha sido fácil, mas manter a atenção de Rush era difícil. Em qualquer outro momento, talvez, Lucas poderia tê-lo mantido conversando até o sol nascer. Agora, porém, ele estava em tal agonia que era difícil ver direito, muito menos manter um bom argumento. Perto dali, Jeremiah estava em um monte, mal se movendo. Lucas não conseguia se lembrar de quando ele o tinha visto pela última vez desta forma. Seu irmão ex -Ranger nunca permitiria ameaças como esta sem fazer alguma coisa, então o seu silêncio significava que algo estava muito errado. Rush estava falando novamente, e Lucas tentou treinar sua mente de volta ao presente. Mas eram as palavras de Lucy que imediatamente chamaram sua atenção. "Eu escolho a mim mesma." Escolhe o que? Lucas percebeu que ele não estava prestando atenção e se forçou a sentar-se reto, rangendo os dentes contra a dor. Rush encolheu os ombros. "Tudo bem, vá em frente então. Jogue-se da ponte." As palavras arrancaram Lucas fora de sua letargia. Não! Ele olhou para Lucy, que estava espiando por cima da borda.


"Você promete deixar ambos ir se eu fizer isso?", Perguntou Lucy, com a voz trêmula. "Não." Rush quase soou presunçoso aos ouvidos de Lucas. "Mas você fez um ponto interessante." Lucas tentou puxar-se a seus pés, mas escorregou nas pedras molhadas, falta a resposta de Lucy. As algemas em volta de seu tornozelo apertadas, refletindo no amanhecer no céu fraco e chamando a sua atenção. Parecia um tempo atrás, onde ele se ofereceu para ajudar Lucy a se livrar de seus punhos, e ele ainda tinha o pino de metal dentro da sua meia. Atento para não fazer barulho, ele puxou a fina peça de metal para fora e trabalhou em libertar os punhos, mas manteve seu foco na cena desenrolando diante dele. "Você não receberá nenhuma garantia de mim" Rush continuou enquanto Lucas trabalhava "Só que eu vou matar todos vocês agora, se você não tomar uma decisão." Quando Lucy se moveu, arrastando-se lentamente em direção à borda, Jeremiah finalmente moveu-se, rolando e fazendo o seu caminho em direção a ela. "Lucy". O queixoso, tom agonizante no pedido de seu irmão apertou Lucas. Era a voz de um jovem irmão, a quem Lucas sempre jurou proteger, e apanhou-o agora como fazia quando eram crianças. A determinação e o desespero revigorou Lucas, e adrenalina varreu seu corpo quando ele sentiu um clique suave ao redor de seu membro. Rush fez um som irritado. "Você precisa de alguma assisten... " "PARADOS, POLÍCIA!"


A luz brilhante brevemente desorientou Lucas, e ele ergueu a mão para bloqueá-la, tentando ver do outro lado da ponte, Rush apenas virou-se para olhar para o movimento. "Eu não penso assim." O chão estremeceu sob Lucas quando chamas gêmeas dispararam para o ar a partir de uma das extremidades da ponte. Lucas segurou os cargos da ponte para apoio e observou Lucy balançar em cima da barreira antes de bater dolorosamente contra as pedras abaixo. O olhar de Rush virou-se para a loira e, sem uma palavra, ele levantou um pé e chutou o peso do quadril ligado a Jeremiah. "Merda!" Gritou Lucas, misturado com o grito rouco de Jeremiah quando ele foi levado para cima e sobre a borda. Lucy gritou, um som tão cheio de terror como desafio, e se jogou em cima de Jeremiah. Lucas se esforçou para ver o que estava acontecendo, mas percebeu que tinha um problema maior quando Rush avançou sobre eles. A dor era uma memória distante quando Lucas agarrou o parapeito de pedra e colocou-se de pé. Do outro lado da ponte, Rush se ajoelhou ao lado de Lucy. "Você estava certa, você sabe." As palavras flutuaram para os ouvidos de Lucas quando Rush virou a arma em sua mão para Lucy. "Sua morte vai machucá-los muito mais." O avanço não foi tranquilo, as algemas e os pesos em suas mãos bateram contra o calçamento de pedra. Ou Rush tinha esquecido dele ou pensou que ele estava longe demais para fazer alguma diferença, mas Lucas cruzou a ponte em apenas alguns passos. Rush ouviu a tempo de ficar de pé e dar meia -volta, mas não havia tempo para reagir antes de Lucas colidir com ele.


Não havia nenhum plano para o ataque, nenhuma estratégia de Lucas, apenas uma necessidade primordial para atacar. Seu impulso impeliu em cima de Rush, os dois oscilando no parapeito estreito. A dor floresceu novamente na barriga de Lucas quando um tiro soou, mas derreteu-se com a agonia profunda de não quebrar o seu foco. Ele conseguiu balançar o peso de repente mais pesado no corrimão de pedra, e em seguida, seu corpo estremeceu quando um outro tiro foi disparado. O cansaço se espalhou por Lucas, transformando seus membros difíceis para lidar. Era tudo o que podia fazer para manter seu domínio sobre Rush lutando, mas com cada golpe ele sentia-se mais fraco. Como se o tempo parasse, seus olhos caíram em relação ao peso, à beira do abismo, pronto para ir para o lado com apenas a menor cutucada. No final, foi a luta de Rush que o enviou caindo na escuridão abaixo. O peso virou na mão de Lucas, dando-lhe apenas o choque que ele precisava para ganhar a mão superior. Seu braço permaneceu em volta de Rush, sua mão agarrando a parte de trás da calça do outro homem, então ele se enrolou e acabou. Então não havia nada, apenas os gritos enfurecidos de Rush por um ouvido e vento no outro. Lucas fechou os olhos, envolvendo seus braços em volta de seu irmão e de espera para o fundo. Em sua mão, o peso puxou-os inexoravelmente para baixo para a escuridão abaixo. Houve um momento de pura leveza, a sensação de estar no espaço. Em seguida, as águas do Tâmisa caíram em volta deles, expulsando o ar dos pulmões de Lucas.


Rush foi arrancado de seus braços, mas Lucas manteve seu domínio sobre o cinto do outro homem. Os pesos de ferro os arrastaram para as profundezas escuras do rio. Com o pé descalço Lucas chutou duas vezes no ombro, mas ele quase não sentiu os golpes. A água estava congelando, mas um entorpecimento abençoado já tinha envolvido Lucas. Seria uma coisa fácil se deixar vencer a gravidade, continuar seu curso atual. Ele viu a luz fraca recuar acima dele, a escuridão engolir a sua visão, e se perguntou se essa era a sua morte. Uma mão bateu no rosto de Lucas, como se para levá-lo de volta para seus sentidos. A parte primordial de seu cérebro, a parte que não queria morrer, percebeu o que estava acontecendo e agiu. Quando o outro lado girou perto dele, Lucas agarrou e bateu um soco ao redor do braço antes de empurrar longe o corpo. Ele nunca viu Rush - a água estava muito negra para isso - mas ele sentiu o homem sendo arrastado para as profundezas sombrias. Mãos se debateram em Lucas, agarrando para se segurar, mas não o encontrando. Mãos tentaram pegar no seu pé, só para se libertar quando o sapato dele escorregou. Então, ele estava sozinho. Não havia nenhuma maneira de saber qual caminho era para cima, então Lucas desistiu de tentar. Seus pulmões queimavam, mas ele manteve um último pequeno gole de ar dentro de seu corpo até que sentiu as costas quebrarem na superfície do rio. Rolando-se de costas, ele engasgou com o ar frio. Bom, tudo bem. Agora estou realmente fodido.


Lucas manteve os olhos abertos, olhando para o nevoeiro Inglês quando ele foi iluminado por um azul pálido com o crescente sol. Um pequeno sorriso inclinou um canto dos lábios, depois outro. É assim que eu vou morrer? Algo bateu-lhe na cabeça. O golpe o surpreendeu, puxando-o de volta ao presente. Com a expectativa de encontrar um pedaço destroçado na água, ele olhou para trás para ver uma rampa de carga crescente do rio. Ele piscou, tentando fazer o sentido da visão, e, em seguida, bateu a razão, rolando para o lado, até que ele sentiu as pedras viscosas sob seus joelhos e mãos. A rampa não era íngreme, mas, a partir deste ponto de vista, parecia longa. Deus. Isso vai doer como uma merda. Isso foi um eufemismo. Sem a flutuabilidade da água, a gravidade puxou seu corpo e lembrou-lhe que, oh yeah, ele estava morrendo. Uma dor agonizante também, o que é claro, fez tudo pior. Deitado seria muito mais fácil, mas ele ainda se viu subindo a rampa em suas mãos e joelhos até chegar na calçada acima. "Caramba, você está bem?" Uma atleta se ajoelhou ao lado dele, com os olhos arregalados em choque. Lucas tentou falar, mas o rastejamento na rampa tinha tomado todas as suas reservas. Tudo o que ele conseguiu foram grunhidos ofegantes. Abandonando palavras, ele imitou um telefone com o polegar e o mindinho, e a menina entregou-lhe o celular. Três anos é muito tempo para manter o mesmo número de telefone, especialmente no mundo em que trabalhava. Havia apenas uma pessoa, no entanto, que Lucas sabia que podia confiar que estaria nas proximidades. Se ele ainda pudesse confiar neles, essa foi a


pergunta de um milhão de dólares, mas com a morte sendo sua única outra opção, Lucas não tinha muita escolha. Surpreendeu o inferno fora dele quando o número tocou e uma voz familiar respondeu apenas um segundo depois. "Agente Anderson." "Ei, linda" Lucas conseguiu , ofegando com o esforço da respiração. Sua respiração agitada como se ele estivesse falando através da água. "Estou cansado de jogar duro para conseguir, o que dissemos alcançar?" Houve uma pausa. "Lucas?" "Oh, estou morrendo de vontade de vê-la novamente." Ele caiu para trás, olhando para o céu. A atleta de cabelos escuros olhou para ele, de cabeça para baixo a partir de seu ponto de vista, o que lhe pareceu divertido. Ele tossiu. "Ou talvez apenas morrendo." "Onde você está?" Ele esboçou um sorriso. "Agora, que tipo de agente secreto que você seria se eu tivesse que lhe dizer tudo? Você vai descobrir isso.” Puxando o telefone longe de sua orelha, ele terminou a chamada e devolveu o celular para a atleta, que olhou para ele em dúvida. "Hum, eu deveria chamar uma ambulância ou mais alguma coisa, senhor?” "Nah..." Movendo-se lentamente, estabeleceu as mãos sob a cabeça, olhando para todo o mundo como um homem apenas dormindo no chão frio. "A ajuda está a caminho." Agora vamos ver se eles chegam a tempo. -------Continua?

Envolvida por um bilionario parte 9  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you