Issuu on Google+

Braskem estréia na Fórmula 1 com troféu de plástico verde pag 17

Responsabilidade Social: está em nossas mãos cuidar do nosso futuro pag 08

20 anos de história e desenvolvimento em Alagoas, Maceió pag 12

outubro/2008

24

SDC renovado para orientar sua carreira de forma personalizada pag 19

Inovações que nascem de um sonho do cliente

pag 04

Alexandre Castro, Gerente de Conta da Braskem e Antônio Torres, Diretor da Fortlev


Geração Braskem 

Editorial

Inovar para surpreender, sempre

A palavra é sua

O cliente satisfeito é o fundamento da existência da Braskem. Entender as necessidades de cada segmento de mercado para, em conjunto com nossos clientes, identificar oportunidades e desenvolver soluções inovadoras, criativas e que agreguem valor a alma do nosso negócio. Todos os processos da nossa empresa são orientados para servir ao cliente com qualidade, produtividade e inovação. Mesmo as áreas que não têm ligação direta com o cliente final devem ter a consciência de que seu trabalho é fundamental para atingirmos esse objetivo. A Braskem se tornou uma referência no setor petroquímico no Brasil e no exterior pela capacidade de inovar e desenvolver novos produtos. Para se ter uma idéia, 20% das nossas vendas são produtos desenvolvidos nos últimos três anos. Um dos principais exemplos de nossa vocação para inovação é o desenvolvimento e certificação das resinas verdes. Conseguimos chegar a uma solução que significa novos horizontes para os clientes. Solução que vai se transformar em aplicações que, em breve, estarão dentro de nossas casas, fazendo parte de nossas vidas. Nesta edição da revista Geração Braskem, você vai conhecer alguns frutos das nossas parcerias com clientes. Além disso, todas as outras ações retratadas aqui nestas páginas refletem uma atuação voltada à superação de desafios e satisfação dos clientes. São exemplos da nossa capacidade e qualificação, da nossa força de vontade e espírito de servir. Vamos continuar vendo em projetos, sonhos, em oportunidades, desafios, em resultados, satisfação.

A edição que relançou a revista Geração Braskem, em agosto, recebeu muitos comentários de Integrantes de todas as unidades e regiões em que a Braskem atua. Confira alguns depoimentos:

Boa leitura!

Líder da Unidade Poliolefinas

Índice

Geração Braskem 24

Capa Parcerias com clientes

Gostaria de parabenizar a maravilhosa idéia de colocar cada Integrante na capa da revista Geração Braskem. Muito feliz a idéia, vocês marcaram um gol de placa. A reportagem “Nomenclatura das plantas” já se fazia necessária, uma vez que a empresa cresceu bastante e já não conseguimos mais decorar a localização de todas as plantas. Oscar Ruggiero, Engenharia, SP As reações foram as mais diversas: alguns ficaram emocionados, outros surpresos, outros felizes, outros “se achando o máximo” e no geral adoraram a surpresa. Todos pareciam crianças. Foi fantástico! Cristina Ribeiro, Pessoas e Organização, BA

Sustentabilidade Mudanças climáticas

Responsabilidade Social: entrevistas

Envie comentários sobre a revista, reportagens ou sugestões de pauta para: geracao@braskem.com.br

Expediente Responsabilidade Corporativa 

Marcelo Lyra, Vice-presidente de Relações Institucionais Editor Responsável  Nelson Letaif Coordenação  Danielle Espósito Projeto Gráfico  Keenwork Design Apoio Editorial  Andrea Jucá, Beatriz Filgueiras, João Ruy Dornelles Freire, Marcos Lessa Colaboradores  Anthony Campos, Consulado das Letras Produções Editorias, Denise Marques, Graziela Vasconcelos, Lucca Rossini, Tais Hens (Moglia Comunicação Empresarial) Fotos  Banco de Imagens Braskem, Carlos Casaes, Clleber Passos, Eddy Ferreira, Luiz Alonso, Nilton Souza Impressão  Gráfica Laborprint Tiragem  6.500 exemplares é uma publicação interna da Braskem Av. das Nações Unidas, 4777, 3º andar, CEP 05477-000 • São Paulo, SP www.braskem.com.br

Alfredo Tellechea

03

Mercado História

PVC no setor imobiliário

20 anos da PVC - Alagoas

Notas Meia Maratona Braskem - BA

Eu recomendo! Dicas sobre arte, cultura, viagens


04

  Geração Braskem • Capa

Capa • Geração Braskem 

03 05

Trabalhando para realizar

SONHOS

,,

Todos os desafios aos quais venha a submeter-se o liderado, por sua própria vontade e entusiasmo, têm um só propósito: aguçar sua percepção acerca das reais necessidades do cliente e mobilizar sua criatividade, em busca de inovações capazes de satisfazê-lo. Tecnologia Empresarial Odebrecht

Antônio Torres, Diretor da Fortlev e Alexandre Castro, Gerente de Conta da Braskem

Da esquerda para a direita: Jorge Alexandre (Des. Mercado Braskem), Alexandre de Castro (Gerente de Contas Braskem), Fabiano Zanatta (Engenheiro de Aplicação Braskem), Marcello Cavalcante (Des. Mercado Braskem), Leonard Schenk (Ger. Produção Fortlev) e Francisco Torres (Sócio Proprietário Fortlev)

Satisfazer o cliente, compreender suas necessidades e surpreendê-lo são práticas arraigadas no time da Braskem. Essa verdadeira relação de parceria permite a interação de negócios e inovação constante na cadeia do plástico. “Para atender bem ao cliente, é preciso sonhar o sonho dele e se dispor a encontrar formas de realizá-lo”, destaca Isabel Figueiredo, diretora comercial da Unidade Petroquímicos Básicos (Unib). A equipe de Isabel realizou em outubro encontro com quatro clientes para entender suas expectativas em relação à Braskem e avaliar os pontos em que o atendimento pode melhorar. “No caso da Unib, a relação com o cliente é umbilical. Estamos ligados a eles por dutos”, afirma. Na unidade, como em toda a Organização, a política de atendimento é rigorosa e mantém as portas abertas para os clientes que podem e devem expor suas dúvidas, problemas e planos. “O encontro foi rico. Nos aproximamos dos clientes, conhecemos seus projetos futuros e as oportunidades de negócios”, diz Isabel. Na primeira etapa de conversas, a equipe da Unib se reuniu com Unigel, Oxiteno, Innova e Lanxess. A intenção é ter conversas com os clientes em eventos a cada três meses. O posicionamento da Braskem agradou Roberto Noronha, vice-presidente de operações da Unigel. “A Braskem é um fornecedor flexível e com bom atendimento ao cliente. Sua estratégia comercial privilegia a parceria e, com isso, sempre conseguimos

negociações justas”, afirma. No caso da Unigel, a parceria com a Braskem é fundamental no estabelecimento de planos futuros. “Trazemos nosso planejamento para discutir com a equipe comercial, que está sempre disposta em garantir o fornecimento para cumprirmos nossas metas”. Para a Braskem, negociar com o cliente significa viabilizar projetos. Isso aconteceu com a Fortlev, que produz cisternas de polietileno para substituir estruturas de concreto, uma alternativa moderna para o mercado de construção civil. Para o lançamento do produto, a empresa contou com a parceria da Braskem, que acompanhou todo o processo de pesquisa e desenvolvimento. “Em 2007, viajamos para a Austrália com o cliente para conhecer uma solução de rotomoldagem de cisternas com ótima aplicação no mercado brasileiro”, explica Fabiano Zanatta, engenheiro de aplicação de rotomoldagem da Braskem. Alexandre Castro, gerente de contas de rotomoldagem, que também esteve na Austrália, diz que, além de substituir o concreto, o reservatório de polietileno não exige uma estrutura de alvenaria para a sua instalação subterrânea. “O material é robusto o suficiente para ser enterrado diretamente no solo”, afirma. Com capacidade individual de armazenagem de 5 mil litros de água, o produto pode ser utilizado em residências, condomínios, hotéis, hospitais e outros empreendimentos. A cisterna é uma solução para armazenar e utilizar água de chuva ou de primeiro


06

  Geração Braskem • Capa

Capa • Geração Braskem 

uso, garantindo economia de água. O produto foi lançado na Feira Internacional da Indústria da Construção (Feicon Batimat), em abril, em São Paulo. “Em agosto, a Fortlev iniciou a sua linha de produção”, conta Zanatta. Houve um acordo de transferência tecnológica, firmado entre a Fortlev e a australiana LINPAC/Viscount, que vendeu os moldes e a tecnologia para a produção das cisternas no Brasil. “A Braskem desenvolveu uma resina para a aplicação”, diz Castro, ao lembrar que a Braskem apoiou o cliente também no processo de negociação. A transferência tecnológica permi-

tiu ao fabricante trazer para o Brasil uma solução de reservatório utilizada em um país, cuja tecnologia para armazenar água é muito avançada. “Com o projeto, pudemos conhecer o que há de melhor no segmento”, avalia Castro. “Não temos a Braskem apenas como uma fornecedora de matéria-prima, porque buscamos juntos oferecer o melhor produto para o consumidor final”, avalia Francisco Torres, presidente da Fortlev. Para ele, o desenvolvimento da cisterna é um exemplo de como fornecedor e cliente podem encontrar novas soluções para o mercado brasileiro. Na Unidade Poliolefinas, a estratégia de viabilizar a fabricação de um produto se repetiu com a cliente Videolar, que junto com a Braskem desenvolveu um estojo para acomodar a nova mídia Blu-ray, novo

DVD de alta definição com capacidade de armazenamento de até 50 gigabytes. O diferencial do estojo está em sua resistência e cor: azul. “A idéia da Viodeolar é que o consumidor veja o produto na prateleira e, pela embalagem, saiba que se trata de uma mídia diferenciada”, afirma Arinaldo Zanota, engenheiro da Braskem. Coube à Braskem identificar a melhor resina, o polipropileno H-105, para atender às exigências do cliente, atuando ainda como parceira na identificação da aplicação adequada para o material, busca de qualidade, resistência mecânica, aparência e durabilidade. A equipe da Unidade Vinílicos, res-

ponsável pelas resinas de PVC, atuou na normatização dos eletrodutos (conhecidos como conduítes) de PVC. Por não possuir uma norma, eletrodutos de baixa qualidade dominavam o mercado e incomodavam clientes como Tigre e Amanco, que primam pela qualidade dos produtos. O avanço veio com a conquista, em 2005, da obrigatoriedade de os eletrodutos serem eficazes para não propagarem chamas em caso de curto ou incêndio. “Conseguimos isso ao atuar como influenciadores da norma de instalações elétricas prediais”, afirma Antonio Rodolfo, engenheiro da Braskem. A Braskem liderou um movimento para normatizar a fabricação desse tipo de duto, assegurando característi-

07

cas como utilização de materiais que não propagam fogo, durabilidade e resistência. Em 2007, o trabalho de articulação resultou em uma norma, a NBR 5410, da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). A questão foi debatida com o Sindicato da Construção Civil para mostrar que a idéia era regular o mercado, garantindo mais qualidade e confiabilidade aos dutos. “Com isso, a concorrência ficou mais justa. Nossos clientes poderão dobrar o volume de vendas no segmento”, comenta Rodolfo. Na ponta da matéria-prima, a equipe de PVC trabalhou no desenvolvimento de uma resina mais competitiva para a fabricação dos dutos. “Com a mesma qualidade, conseguimos um insumo mais barato, aumentando as possibilidades de negócios de nossos clientes”, diz. •


08

  Geração Braskem • Responsabilidade Social

Responsabilidade Social • Geração Braskem 

Responsabilidade

SOCIAL

A responsabilidade pelo nosso futuro está em nossas mãos

Marcos Lessa

Estabelecer metas compatíveis com o desenvolvimento sustentável da sociedade, preservando recursos ambientais e culturais para as gerações futuras, respeitando a diversidade e promovendo a redução das desigualdades sociais. Segundo o Instituto Ethos, organização não-governamental criada com a missão de mobilizar, sensibilizar e ajudar as empresas a gerir seus negócios de forma socialmente responsável, a qual a Braskem se associou recentemente, esse é o papel das empresas quando o assunto é responsabilidade social empresarial. Conversamos com Marcos Lessa, Responsável por Responsabilidade Social na Braskem, e Fabio Rocha, consultor especializado nessa área, para que você, Integrante, saiba mais sobre a atuação da Braskem.

Para a Braskem, o que é responsabilidade social empresarial? Marcos Lessa: Entendemos responsabilidade social ou responsabilidade socioambiental, como preferimos chamar, como algo transversal à gestão e que deve estar presente em todas as nossas relações. A responsabilidade socioambiental deve estar ligada à busca do equilíbrio entre a empresa, as partes interessadas (stakeholders) e o meio ambiente.

Qual é o papel da Braskem na busca por um mundo sustentável? ML: A Braskem, além de ter estabelecido o objetivo de buscar um modelo de gestão socialmente responsável, e já há alguns

anos realizar investimentos em projetos sociais, culturais e ambientais, pode contribuir muito na disseminação de práticas e compromissos para todo o segmento petroquímico. Como uma empresa líder, ao buscar práticas de referência, deve procurar conduzir o setor petroquímico para que a responsabilidade socioambiental seja pré-requisito essencial. Nossos desafios envolvem questões relativas à redução de emissões e resíduos, redução do consumo de água e energia e o compromisso com a cadeia produtiva da origem ao pós-consumo, trabalhando questões como matérias-primas renováveis e questões relativas à redução, reutilização e reciclagem do plástico. 

09

Fabio Rocha Como é a atuação da Braskem na área de responsabilidade social empresarial? E quais são os planos para o futuro? ML: A Braskem tem uma série de práticas de gestão socialmente responsáveis nas mais diversas áreas. Exemplos claros são nossas práticas de governança corporativa, que vão além da exigência legal; práticas diferenciadas na relação com os Integrantes; investimentos significativos em saúde, segurança e meio ambiente; investimentos na qualificação dos parceiros, Investimento Social Privado (ISP), por meio de projetos de educação ambiental, promoção cultural e inclusão social, entre outros. Nesse momento, estamos realizando um diagnóstico preciso do nosso estágio atual, ouvindo as lideranças da empresa, aplicando indicadores propostos pelo Instituto ETHOS, entrevistando os principais stakeholders e avaliando o portfólio de ISP, para considerar projetos que tenham aderência às nossas políticas, que beneficiem as comunidades vizinhas e que tenham conexão com o nosso negócio. Como os Integrantes podem contribuir com as ações da Braskem em relação à responsabilidade social empresarial? ML: O conhecimento profundo da TEO e sua aplicação já é um grande exercício, pois muitos dos seus princípios são extremamente alinhados com este movimento. Ser pró-ativo para conhecer nossas políticas corporativas e projetos socioambientais também é um bom caminho. Como existem várias ações bem sucedidas dentro da Braskem, acreditamos que a troca de experiências em práticas socialmente responsáveis entre as unidades poderá contribuir muito. Tenho certeza que este envolvimento irá crescer à medida que avancemos no aperfeiçoamento do programa.

As empresas estão mais preocupadas com fatores sociais hoje em dia? Por quê? Fabio Rocha: O paradigma de que não existem empresas de sucesso em sociedade fracassadas realmente tem fundamento. As empresas começam a perceber que os problemas sociais têm um grande custo econômico. Alguns são tangíveis, como trânsito, desqualificação da mão-de-obra, insegurança pública, disponibilidade de renda para consumo, etc. E outros são intangíveis, como stress, depressão, reputação da empresa quanto a compromissos com sociedade, etc.    Em que se concentra a atuação das empresas? Há uma tendência? FR: Segundo pesquisas, temas como educação e públicos como crianças e adolescentes, sempre aparecem como prioritários, mas, o que assusta é ainda um grande investimento em ações assistencialistas e emergenciais por parte de empresas de todos os portes.  No caso das grandes empresas, as mesmas geralmente estabelecem linhas de atuação e viabilizam estes investimentos através de projetos próprios e/ou de terceiros. Mas ainda deixam muito a desejar em questões como critérios de seleção de projetos, estruturação das relações de parcerias, avaliação do impacto social, entre outras. A ação social traz benefícios para a empresa também ou só para a sociedade? FR: Sem dúvida, nenhuma os benefícios ocorrem para ambos os lados. As empresas são um novo player na área social, ou seja, um novo investidor, que inclusive é muito mais exigente na busca de resultados. E para a empresa, se este investimento estiver voltado para comunidades vizinhas às unidades de negócio, temas correlatos ao negócio e projetos sociais com resultados efetivos, com certeza os benefícios também existirão.

É possível aliar desenvolvimento sustentável e crescimento econômico? FR: O desenvolvimento sustentável não exclui a questão econômica, pelo contrário, entende que a geração de riquezas é fundamental para geração de maiores/ melhores oportunidades sociais e preservação de recursos naturais para as gerações futuras.  Já o crescimento econômico a qualquer custo ou preço, tem inclusive impactos na própria questão econômica. Por exemplo, os custos atuais e futuros dos recursos naturais são conseqüência da degradação ambiental. Uma empresa é socialmente responsável ou os indivíduos são socialmente responsáveis? FR: A responsabilidade social começa com a responsabilidade dos próprios indivíduos. Podemos chamar de responsabilidade social individual ou cidadania. O fato novo é o crescimento da responsabilidade social da pessoa jurídica, mais recentemente, a responsabilidade social corporativa ou empresarial. Apesar das ações e/ou falta de ação serem geradas por comportamento dos seus integrantes e/ou lideranças, as organizações não podem esperar que isto ocorra a partir de critérios individuais. A empresa deve deixar claro suas crenças, conscientizar as pessoas e gerenciar para que as mesmas sejam aplicadas. O Código de Conduta, certificações socioambientais e políticas são instrumentos que podem exercer este papel. •


02

03 11

  Geração Braskem • Capa

Sustentabilidade Capa • •Geração GeraçãoBraskem  Braskem 

Estratégia para preservar o

futuro Braskem discute o desafio das mudanças climáticas, planeja ações e busca seu engajamento e de seus Integrantes para reduzir as emissões de gás carbônico

A Braskem reuniu 85 profissionais, entre Líderes, técnicos e convidados, em um workshop sobre mudanças climáticas e suas relações com o aumento das concentrações de gases de efeito estufa na atmosfera. O evento, realizado em agosto na Bahia, serviu como base para orientar, informar e iniciar as discussões do planejamento das iniciativas da Braskem na redução de emissões de gases no meio ambiente. “Integrantes de todas as regiões participaram, o que permitiu a todos se atualizarem sobre o assunto, avaliarem as ações e alternativas possíveis para que cada unidade dê sua contribuição”, diz Jaildes Brito, coordenadora de Meio Ambiente/Corporativo. O objetivo do workshop foi promover uma reflexão sobre o tema, identificando oportunidades e soluções para a Braskem frente às mudanças climáticas. “Temos consciência de que, como toda indústria, emitimos gases de efeito estufa. Assim, buscamos alternativas para minimizar os efeitos”. Ela explica que entre as oportunidades há investimentos em eficiência energética, com a redução do consumo de combustível fóssil, um dos principais contribuintes para o efeito estufa. No encontro, a equipe contou com a presença de palestrantes que atuam no Brasil e no exterior. Especialistas da Fundação Espaço Eco, da Basf, da Shell Global Solutions e da Rhodia participaram ao lado de professores e pesquisadores de universidades brasileiras dos debates. Eles expuseram as principais tendências, tecnologias e soluções para reduzir a emissão de gases como o gás carbônico. “O Brasil está presente no

ranking dos principais emissores de gases do efeito estufa. Por isso, o engajamento de empresas como a Braskem é de suma importância”, afirma Jaildes. Além de conhecerem as principais fontes de emissões e de entenderem como funciona o mercado de crédito de carbono, cujo volume de transações em 2007 atingiu 40 bilhões de euros, os participantes tiveram contato com as principais iniciativas e contribuições da Braskem sobre o tema. Em 2005, a empresa iniciou um inventário de suas emissões, identificando os pontos de atenção. No ano seguinte, a Braskem realizou um estudo para identificar oportunidades de desenvolvimento de projetos de redução de gases de efeito estufa, de 17 propostas, uma foi elegível por estar em conformidade com o protocolo de Kyoto. Em 2007, a empresa submeteu o primeiro projeto referente à redução de óxido nitroso (N2O) em seu processo produtivo. “As ações estão sendo planejadas. É preciso entender que as mudanças são estratégicas e mobilizam toda a empresa”, lembra Jaildes. Entre as conquistas de 2008, ela destaca a adesão da Braskem ao Carbon Disclousure Project (CDP6), que representa um marco no relacionamento com investidores, evidenciando a política de transparência da Braskem para com o mercado no que tange a questão das mudanças climáticas. Outra ação que está em análise é a participação da Braskem no mercado voluntário de crédito de carbono, que tem como principal exemplo a Bolsa de Clima de Chicago (CCX).


20 12

  Geração Braskem • História

Vinte anos de PVC Alagoas Superando desafios e unindo pessoas

 Era metade da década de 80 quando um grupo de supervisores, operadores e engenheiros da Companhia Petroquímica de Camaçari (CPC) recebeu o desafio de sair do pólo industrial baiano para construir uma unidade de PVC em Alagoas José Daniel Costa, na época supervisor, foi um dos que não demorou a aceitar a oportunidade de transformar o que era apenas um sonho em realidade. “A incumbência dada não foi nada fácil, mas vejo que o espírito de equipe foi decisivo para que tudo ocorresse bem desde o princípio”, relembra José Daniel, atualmente técnico de operação da PVC-AL. Colocar a planta em operação não seria o único desafio enfrentado por José Daniel e os demais. Para ativar a unidade, era preciso identificar pessoas que tivessem a mesma vontade de crescimento que os investidores tiveram ao optar pela criação de uma planta em terras alagoanas. A solução para resolver a situação era criar um curso de formação de operadores, que capacitou, logo na primeira turma, cerca de 40 novos Integrantes.  José Cícero dos Santos estava entre os operadores capacitados por José Daniel. Na época ele era um vigilante do pólo industrial que guardava dentro de si um desejo enorme de crescimento profissional. “Quando a oportunidade surgiu, não sabia nem o que era petroquímica”, mas para mudar sua vida, José Cícero teve de arriscar. Uma das exigências para se manter no curso de operadores era obter nas avaliações médias acima de 7,0. E para chegar a sua meta era preciso deixar de lado o emprego de vigilante e contar apenas com a certeza de que,

com muita disciplina e perseverança, era possível chegar aonde queria. Hoje José Cícero afirma que todo esforço valeu a pena. Agora, além de ROI de MVC ele se formou em administração e, mesmo depois de 20 anos, ainda cultiva a mesma visão de futuro que o levou a conquistar muitos de seus sonhos.  O tempo passou e, à medida que o sucesso da unidade ficava mais evidente com as ampliações na produção e o desenvolvimento tecnológico da companhia, os laços entre os Integrantes só ficavam ainda mais firmes. “Nossa área sempre foi muito caracterizada pelo espírito de servir. É por isso que essa fábrica cresceu tanto”, explica José Daniel.  Essa mesma idéia é compartilhada pela operadora júnior da área de polimerização, Alba Keley, que, além de carregar consigo o título de uma das primeiras mulheres a ingressar na área de operação, é referência para os colegas de trabalho quando o assunto é maratona. “Aqui é uma grande família. A troca de conhecimento é constante o que só aguça a nossa vontade de ir além!”, conta. Mas os desafios dos Integrantes da PVC-AL não param por aí. Este ano, foi feito um anúncio sobre a construção de uma nova planta que, juntamente com a atual, será responsável por quase o dobro do que é produzido atualmente. Contudo, segundo Augusto Del Rey, Gerente de Produção da planta, este não vai ser um desafio difícil de enfrentar. “Temos uma equipe diferenciada, por isso, a nossa sinergia faz com que todos que estão aqui sejam capazes de superar qualquer desafio”, garante. •

História • Geração Braskem 

13


Geração Braskem • Mercado

Mercado • Geração Braskem 

Nas imagens acima, janelas e portas de PVC no Vale de Loire da Odebrecht Empreendimentos Imobiliários

Desempenho do PVC no mercado | 1 º semestre

+38,8%

2007

2008

+8,7%

2007

2008

Demanda do mercado Brasileiro

Consumo aparente

(em mil toneladas)

(em mil toneladas)

Fonte: SIRESP (Sindicato da Indústria de Resinas Plásticas)

432,8

+30,3%

398,1

Responsável por 67% do mercado brasileiro de PVC, o segmento de construção civil vive um período de crescimento e deve puxar a demanda pela resina. A previsão é que o fôlego do mercado imobiliário pode durar, pelo menos, mais duas décadas, abrindo espaço para o lançamento de produtos inovadores. Levantamento realizado pela área de pesquisas econômicas do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aponta que R$ 535 bilhões deverão ser investidos em construção residencial de 2008 a 2011. Já estudo recente da Fundação Getúlio Vargas prevê que os investimentos habitacionais no País passarão de R$ 165,2 bilhões em 2007 para R$ 446,7 bilhões em 2030, uma média anual de R$ 315,9 bilhões e aumento médio de 4,4% ao ano. Para garantir o acesso à casa própria, o crédito imobiliário saltará do atual patamar de R$ 25,3 bilhões para R$ 290,4 bilhões no mesmo período. Pelas contas da FGV, o volume de crédito imobiliário sairá da marca de 1% do PIB brasileiro para 4,7% em 2030, crescimento de 11,2% ao ano. Com um ambiente de negócios favoráveis, o PVC avança a passos largos. De acordo com o último balanço do Sindicato da Indústria de Resinas Plásticas (Siresp), a demanda aumentou 30,3%. O potencial de mercado é grande porque o consumo per capta no Brasil ainda é baixo quando comparado com outros países. Enquanto os brasileiros consomem 4 kg de PVC ao ano, os norteamericanos chegam a consumir 21,1 kg e os europeus 14,1 Kg. A evolução no consumo brasileiro é sentida na adoção de novas soluções de PVC como portas e janelas. Entre as vantagens destes produtos, a fabricante Veka, cliente e parceira da Braskem, destaca o ótimo isolamento térmico, que reduz a troca térmica entre ambiente interno e externo, contribuindo para a economia de energia elétrica em ambientes com ar refrigerado ou calefação. “Outro fator que conquista os consumidores é o

Crescimento robusto

636,5

Com a expansão da construção civil, transformadores enxergam boas oportunidades para novos produtos

458,6

avança no ritmo do mercado imobiliário

15

328 m2, terão portas e janelas de PVC instaladas. Gilnei Trelles, gerente geral da Claris – marca da Tigre que é responsável pela fabricação de portas e janelas em PVC – também afirma que o mercado está aquecido e comenta que a Claris trabalha para lançar soluções voltadas a apartamentos com área entre 70 m2 e 150 m2. Assim, esse cliente da Braskem pretende oferecer opções que tragam vantagens no custo final do imóvel. “Nosso ideal é ofertar um produto mais competitivo em custo para atender à demanda habitacional brasileira, que está concentrada em imóveis com este perfil”, finaliza. •

614,5

PVC

isolamento acústico propiciado pelo PVC”, declara Uwe Lieber, diretor-geral da Veka. De acordo com Lieber, a empresa trabalhou em uma formulação de PVC especial para climas tropicais, que garante maior estabilidade das cores e dos perfis. Características como essas convenceram a Odebrecht Empreendimentos Imobiliários a apostar em janelas e portas de PVC no empreendimento Vale do Loire, condomínio de alto padrão que está sendo construído em Salvador (BA). O Vale do Loire conta com duas torres residenciais com 27 andares cada, dois apartamentos por andar e mais duas coberturas por torre. As 108 unidades, de

471,7

14

2007

2008

Produção (em mil toneladas)


16

  Geração Braskem • Inovação

Inovação • Geração Braskem 

Ciência da

Troféu

SUSTENTABILIDADE Braskem produz a primeira resina de polipropileno verde do mundo e comprova sua capacidade de inovação O trabalho de pesquisadores, engenheiros, cientistas e operadores de planta industrial garantiu à Braskem a conquista de um importante passo para consolidar a liderança no desenvolvimento de plásticos verdes: a produção das primeiras amostras de polipropileno a partir de matéria-prima 100% renovável. “Estamos diante de uma novidade científica. O projeto é inédito em todo o mundo”, comenta Antonio Morschbacker, Responsável por Tecnologia de Polímeros Verdes da Braskem. A descoberta envolveu equipes dos pólos de Camaçari (BA) e de Triunfo (RS) e contou com a dedicação de um time motivado para inovar o setor de plástico. Morschbacker calcula que cerca de 40 profissionais participaram de todas as etapas do projeto. “Trabalhamos arduamente por cerca

Antonio Morschbacker

de quatro anos. Os Integrantes estavam motivados para encontrar uma forma de produzir o polipropileno verde”. Ele explica que, após a produção do eteno verde em abril de 2007 e a produção de buteno verde em janeiro de 2008, o time teve sucesso também na produção de propeno a partir de matérias-primas 100% renováveis. “Uma primeira etapa da produção do propeno foi realizada pela equipe de Tecnologia de Processos da Unib-BA e a etapa final de purificação, além das polimerizações em escala de bancada e em planta piloto, foi conduzida no Rio Grande do Sul pela equipe de Tecnologia de Polímeros Verdes”, conta. Maria Auxiliadora Pinho, da equipe de tecnologia da Unidade Petroquímicos Básicos, na Bahia, comemora a conquista e afirma que o projeto trouxe a ela muito mais do que crescimento profissional. “Participar de uma inovação como essa traz satisfação pessoal para o pesquisador. Além disso, agreguei mais conhecimen-

Reconhecimento Internacional

17

Maria Auxiliadora Pinho

to à minha carreira”, comenta. Para Roberto Lemos, técnico de operação que trabalhou nos testes realizados em escala piloto para produção de propeno, o relacionamento da equipe industrial com os cientistas é extremamente rico e faz com que todos sintam-se parte do projeto. “Na área técnica, temos o desafio de encontrar novas formas de operação de planta para viabilizar produtos inovadores e isso nos torna parte importante dos projetos”, destaca. Os próximos passos da equipe consistem em aprimorar a rota tecnológica – que não foi revelada ao mercado por razões estratégicas – e torná-la competitiva do ponto de vista industrial. “Sabemos que podemos produzir o polipropileno verde. Agora, é só aperfeiçoar o processo”, finaliza Morschbacker.

tas na área de polímeros. O professo Martin Patel, da Universidade de Utrecht, admitiu: “Esperava a produção de polipropileno verde só daqui a dez anos. Esta é uma notícia fantástica para o setor”. A admiração veio de um O polipropileno verde da Braskem foi analisado pelo especialista em análise de ciclo de vida de produtos e aulaboratório norte-americano Beta Analytic Inc, líder toridade em desenvolvimento sustentável, que angariou mundial na análise de isótopos de carbono. A entidao prêmio Bioplastic Awards, em 2007, na categoria Perde atestou, por meio da metodologia para detecção de sonal Contribution to Bioplastics. carbono fóssil na amostra, que sua origem é de maté- Já Harald Kaeb, principal executivo da European ria-prima 100% renovável. Bioplastics, afirmou que a Braskem continua moviAlém dessa importante análise, a equipe da Braskem mentando o mundo do plástico com sua capacidarecebeu elogios, apoio e cumprimentos de especialisde de inovação. •

histórico

Braskem estréia no pódio da Fórmula 1 com troféu de polietileno verde desenhado por

Oscar Niemeyer O Grande Prêmio do Brasil de Fórmula 1, que aconteceu no dia 2 de novembro, teve um sabor todo especial para o time da Braskem. Como prêmio, os três primeiros pilotos que completaram a prova receberam um troféu desenhado por Oscar Niemeyer, ícone da arquitetura brasileira, e produzido com polietileno verde da Braskem, primeira resina certificada por utilizar matéria-prima 100% renovável. “Utilizar o plástico verde para associar a marca Braskem a um evento esportivo onde a alta tecnologia é fator principal de competitividade, nos permite destacar os nossos principais atributos: inovação e sustentabilidade”, afirma Frank Alcântara, Responsável por Marketing e Responsabilidade Social na Braskem. O troféu é parte de uma ação de marketing que representa uma nova face na linha de comunicação da companhia. Em sua primeira ação publicitária em um Grande Prêmio, a Braskem forneceu à Federação Internacional de Automobilismo (FIA) oito unidades dos troféus, dos quais quatros serão utilizados para premiar os três primeiros pilotos e a equipe vencedora. A entidade ficará com as réplicas dos prêmios, garantindo a memória dos primeiros troféus produzidos com plástico verde. A produção das peças contou com o trabalho das equipes da Braskem. O eteno verde foi fabricado na planta do Rio Grande do Sul e, de lá, 1.4 tonelada do gás seguiu para

a planta piloto na Bahia, que então gerou, pela primeira vez, 700 kg de resina UTEC verde. De Camaçari, o UTEC verde veio para São Paulo, onde prensado se transformou em chapas utilizadas na produção dos troféus. “A integração da equipe foi total. Motivados, fabricamos o polietileno verde em tempo recorde para figurar no pódio da Fórmula 1”, comenta Luis Cassinelli, Responsável por Tecnologia e Inovação. Além do troféu, a Braskem teve outras ações no GP Brasil. A marca da empresa foi aplicada em vários pontos do circuito, como no backdrop do pódio, em áreas de escape e placas. Como ação de relacionamento comercial, a Braskem levou 160 pessoas para assistir o GP, distribuídas entre o paddock e as arquibancadas corporativas. “Aproveitamos a ação publicitária e montamos uma bela ação de relacionamento com nossos clientes.”, destaca Frank. Outra ação importante foi a campanha publicitária, criada pela agência W Brasil e veiculada em TV aberta e fechada, que além do efeito institucional homenageou Oscar Niemeyer, cuja participação na criação do troféu de plástico verde foi gratuita. Dois teasers e um filme de 90 segundos foram exibidos no intervalo do Jornal Nacional, da Rede Globo, no sábado (01/11), um dia antes da corrida. “A atitude do arquiteto demonstra o seu engajamento com a sustentabilidade”, completa Frank. •


18

  Geração Braskem • Notas

Tem

novidade no ar

O Sistema de Desenvolvimento por Competências (SDC) da Braskem, metodologia criada para orientar a carreira dos Integrantes, passou por algumas adequações ao longo dos últimos meses e está disponível, desde 1º de outubro, com novidades, para utilização de todos os Integrantes. O processo de revisão do sistema teve o objetivo de garantir que a avaliação reflita a realidade do programa de cada Integrante. Na prática, o que ocorre é a personalização do processo de avaliação, uma vez que o sistema permite que o Liderado, junto com o Líder, defina as competências técnicas inerentes a sua carreira. Para iniciar um novo ciclo, esse processo deve ocorrer até o mês de dezembro de

2008. Após essa definição, Líder e Liderado já podem fazer a avaliação. De setembro a dezembro de 2009 o sistema ficará congelado para definição do plano de treinamento e orçamento do mesmo por parte de P&O, e em janeiro de 2010 será liberado novamente e assim por diante. Entre as novidades também estão a avaliação qualitativa, explicitação das características do Parceiro Odebrecht e criação de um Programa de Desenvolvimento Individual (PDI). O SDC deve ser acessado por meio do Nosso Portal (Meu Portal >> Você na Braskem). No mesmo espaço você encontra mais orientações sobre a utilização do sistema. Em casos de dúvidas, consulte a área de P&O de sua unidade/localidade.

Meia Maratona Braskem de Revezamento, em Salvador, reuniu mais de 3,5 mil atletas

SAP é implantado nas unidades recém integradas No dia 1º de outubro, o Projeto Fórmula Sul foi implementado com sucesso nas unidades recém integradas. Cerca de 80% dos processos destas unidades já estão funcionando com base na plataforma SAP. A segunda fase do projeto será iniciada e concluída em 2009. “Com a implementação do projeto, estamos integrados também do ponto de vista operacional”, explica Marco Antonio Villas-Bôas, Líder do projeto. Cerca de 200 pessoas, entre Integrantes e Parceiros, participaram dessa etapa do Projeto Fórmula Sul. No dia 30 de setembro, outro importante marco do processo de integração aconteceu, com a unificação jurídica das empresas. Desde então, todas as unidades da Braskem possuem a mesma razão social.

Corrida para animar a vida Benefícios para o coração, pulmão, condicionamento físico, emagrecimento. Prevenção de doenças, como diabetes, hipertensão e até o câncer. Fortalecimento dos ossos, músculos, tendões e ligamentos. Isso sem falar na melhora do humor e auto-estima. Se você ainda não está convencido, talvez valha a pena iniciar um treino de corrida, pois esses são alguns dos benefícios dos quais desfrutam os adeptos do esporte. Apesar de simples, antes de iniciar a atividade física é necessário consultar um médico para ter certeza de que a saúde está em dia. Outro fator muito importante é o acompanhamento dos treinos. “O correto é correr com acompanhamento de um treinador”, afirma o Integrante Vilton Santos, da área de Produção da Unidade Poliolefinas, um dos fundadores do clube de corrida da Braskem na Bahia. “Sem acompanha-

Líder e Liderado: diálogo para desenvolvimento da carreira do Integrante

mento, os prejuízos à saúde podem ocupar o lugar dos benefícios”, completa o Vilton, que é adepto do esporte há pelo menos 20 anos. A Braskem incentiva o esporte por meio das corridas de rua que organiza na cidade de Salvador, na Bahia, em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul e em Maceió, em Alagoas. Em setembro último, a Meia Maratona Braskem de Revezamento de Salvador reuniu cerca de 3.600 pessoas, entre atletas profissionais, amadores e Integrantes. A próxima corrida acontecerá em 14 de dezembro, em Maceió. As inscrições já estão abertas no site: www.maratonabraskem.com.br. Em breve serão anunciadas as informações sobre as seletivas classificatórias para Integrantes. Aguarde!

Para informações sobre como participar dos clubes de corrida, entre em contato com a àrea de saúde de sua unidade/ localidade

Novos

Trainees 2008: plano de treinamento completo para enfrentar desafios

talentos

A 6ª edição do Programa de Trainees Braskem bateu o recorde de inscrições, finalizadas em setembro. Foram 21.784 inscritos para 22 vagas. Em 2009, o programa de trainees contará com uma novidade: um programa especial para a área técnica (Produção, Manutenção, Automação e Processos). “Preparamos um pacote de treinamento específico para aqueles que querem desenvolver sua carreira na área técnica”, explica Loane Cruz, coordenadora do programa. Para Camila Dantas, Responsável por Desenvolvimento de Pessoas na Braskem, essa é uma possibilidade de assegurar oportunidades nos dois estilos de

carreira: uma focada no desenvolvimento de competências de gestão empresarial, e a outra direcionada aos jovens que desejam desenvolver carreira técnica. “Por meio da segmentação do programa, esperamos alinhar o perfil e as expectativas dos trainees às necessidades da Braskem” afirma Camila. O Programa de Estágio 2009 também teve suas inscrições encerradas em setembro, com mais de 9.000 candidatos. Eles estão concorrendo a 130 vagas. As demais fases do processo de seleção – dinâmicas e entrevistas – estão em andamento e serão finalizadas em dezembro próximo. A nova turma de estagiários ingressará na Braskem em janeiro e a nova turma de trainees, em fevereiro.


02

  Geração Braskem • Capa

eu

o

Conheça as recomendações de colegas sobre cinema, lazer, literatura, Internet e viagens. Confira e aproveite as dicas!

nd me

o rec

Aline Fernanda de Oliveira Unidade de Negócio: UNIB - RS

Uma música ou CD: “Go home – From Slane Castle” - U2 Um filme: Uma lição de amor Um livro: A menina que roubava livros,

de Markus Zusak. Um website: www.google.com.br Uma viagem: Áustria

Catarina Schallenbach Unidade de Apoio: Pessoas e Organização - SP

Uma música ou CD: O álbum “Ventura”, dos Los Hermanos. Um filme: “O fabuloso destino de Amelie Poulain” - Sobre fazer o

bem, realmente inspirador. Um livro: Ensaio sobre a lucidez, de José Saramago. Um website: www.facebook.com Uma viagem: Roteiro de Castelos e Vinhos na França. Uma verdadeira viagem cultural e gastronômica.

Marcondes Ricardson Costa Unidade de Negócio: Cloro/soda - AL

Uma música ou CD: “Pefil”,Chico Buarque Um filme: Farenheit 9/11 de Michael Moore. Outras realidades

sobre o óbvio. Um livro: O caçador de pipas,de Khaled Hosseini, onde as antíteses se encontram. O bem e o mal são faces da mesma moeda e estão muito bem definidos nos personagens. A indignação está em cada de nós. E no jogo da vida a sorte decide quem tem azar. Um website: Não tenho. O avanço tecnológico da informática, ainda não se compara a alegria de um simples aperto de mão. Uma viagem: Natal-RN


GB 24