Page 1

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO IMIP – Instituto de Medicina Integrada Professor Fernando Figueira CNPJ: 10.988.301/0001-29 Rua dos Coelhos, nº 300 – Boa Vista. Telefone: (81) 2122-4722, 2122-4144, 2122-4713 Diretor Técnico: Dr. Geraldo José Ribeiro Dantas Furtado – CRM 6446 (Não possui título de especialista registrado no Conselho). Por determinação deste Conselho fomos ao estabelecimento acima citado verificar suas condições de funcionamento. O que motivou a vistoria foi ofício solicitação verbal do 2º Secretário e Chefe da Fiscalização Dr. Ricardo Albuquerque Paiva. Foi objetivo da vistoria a “UTI da Hemodinâmica” e comparação com a situação observada em vistoria prévia datada de 22 de outubro de 2013. Recebe doentes de outros estados do Nordeste, além de Pernambuco. Na rede de saúde local, só é oferecido serviço de hemodinâmica semelhante no IMIP, PROCAPE, HC, Pelópidas e HR. Informado pelo diretor técnico da Unidade Dr. Geraldo Furtado que o nome do ambiente foi modificado para recuperação da hemodinâmica e funciona de 2ª feira a sábado pela manhã (07horas) em regime de plantão e que a escala médica está completa, com 01 plantonista 24 horas. Relatado que quando existe necessidade de hemodinâmica no final de semana é utilizado como referência o Hospital Pelópidas Silveira. O atual chefe da hemodinâmica no IMIP é a Dra. Aline Hofman Baião, CRM 16721 (Não possui título de especialista registrado no Conselho).

Página 1 de 6


Os principais informantes foram os funcionários do setor da hemodinâmica, e na ocasião da vistoria foram identificadas as seguintes condições de funcionamento: A porta de entrada da área vistoriada na hemodinâmica persiste com o nome de UTI Hemodinâmica. No momento não há nenhum paciente internado, pois foi informado que a máquina da hemodinâmica está quebrada a cerca de 20 dias, portanto não estão realizando nenhum exame. O ambiente possui 05 leitos. Relatado que a média de permanência dos pacientes é de 24 horas. Sextas-feiras são elencados casos menos complexos para a realização de procedimentos, que não demandem o serviço no final de semana, quando ele fecha. O ambiente é climatizado. Não há parlatório e não há sala específica para acompanhante. Utiliza a recepção da hemodinâmica na qual há cadeiras, acesso à água, mas não conta com banheiro para os acompanhantes. Possui enfermeira coordenadora do setor hemodinâmica e enfermeiras plantonistas e informa escala completa. Não conta com um técnico de enfermagem para cada 02 leitos (Possui apenas 02 técnicas de enfermagem para os 05 leitos). Não há fisioterapeuta no setor. Não possui funcionário exclusivo responsável pelo serviço de limpeza. Informa acesso a cirurgião geral, torácico, cardiovascular, neurocirurgião, ortopedista e vascular.

Página 2 de 6


Não conta com hemogasômetro (gasimetria) no setor. O hospital conta com laboratório de análises clínica disponível 24hrs do dia, agência transfusional disponível, Ultrassonografia, eco-doppler-cardiógrafo, Laboratório de microbiologia, terapia renal substitutiva, aparelho de raio X móvel, serviço de nutrição parenteral e enteral e serviço social. Possui serviço de psicologia. Não realiza procedimentos de urgência. O Hospital oferece acesso a: • Endoscopia digestiva • Fibrobroncoscopia • Eletroencefalografia Materiais e Equipamentos encontrados: • Possui cama de Fawler, com grades laterais e rodízio, uma por paciente. • Monitor de beira de leito com visoscópio para cada leito. • Há 01 carro ressuscitador com monitor, desfibrilador, cardioversor e materiais para intubação endotraqueal. • Ventilador pulmonar com misturador tipo blender e do tipo microprocessado. • Um oxímetro de pulso para cada leito. • Todos os leitos possuem bombas de infusão e conjunto de nebulização. • Todos os leitos possuem conjunto padronizado de beira de leito contendo: termômetro, esfigmomanômetro, estetoscópio, ambu com máscara. • Possui bandejas para procedimentos de: diálise peritoneal, drenagem torácica, toracotomia, punção pericárdica, curativos, flebotomia, acesso venoso profundo, punção lombar, sondagem vesical e traqueostomia. Página 3 de 6


• Monitor de pressão invasiva. • Possui 01 eletrocardiógrafo portátil. • Não há maca para transporte com cilindro de oxigênio, régua tripla com saída para ventilador pulmonar e ventilador pulmonar para transporte. • Máscaras com Venturi que permitem diferentes concentrações de gases. • Não conta com negatoscópio. • Pontos de oxigênio e ar comprimido medicinal com válvulas reguladoras de pressão e pontos de vácuo para cada leito. • Possui conjuntos de CPAP nasal mais umidificador aquecido. • Não há oftalmoscópio nem otoscópio. • Há marcapasso cardíaco externo. Possui iluminação natural acessível a todos os leitos. O relógio é visível em todos os leitos. Conta com divisória entre os leitos tipo cortina. Há garantia de visitas dos familiares e informações diárias dos pacientes. Considerações Finais: É importante salientar que o ambiente vistoriado é de difícil classificação, se apresentando entre uma sala de recuperação pós-anestésica e uma UTI. Levando-se em consideração principalmente o tempo de permanência do paciente no setor e as regras utilizadas de acompanhamento médico e enfermagem, seguimos principalmente os normativos de UTI como parâmetro para verificação de rotinas e equipamentos no local. Os principais normativos de referência para esse relatório são: • RDC nº 50, de 21 de fevereiro de 2002 que dispõe sobre o regulamento técnico para planejamento, programação, elaboração e avaliação de projetos físicos de estabelecimentos assistenciais de saúde. Página 4 de 6


• Resolução CFM nº 2007/2013, de 08 de fevereiro de 2013 que dispõe sobre a exigência de título de especialista para ocupar o cargo de diretor técnico, supervisor, coordenador, chefe ou responsável médico dos serviços assistenciais especializados. • Resolução CREMEPE nº 01/2005, de 22 de junho de 2005 modificada pela resolução CREMEPE nº 04/2005 (o parágrafo III do artigo 1º) que determina os parâmetros a serem obedecidos, como limites máximos de consultas ambulatoriais, de evoluções de pacientes internados em enfermarias, de atendimentos em urgências e emergências e os realizados em serviço de terapia intensiva. • Resolução CFM 1342/1991 modificada pela Resolução CFM 1352/1992, estabelece normas sobre responsabilidade e atribuições do diretor técnico e do diretor clínico. • Resolução CFM nº 1481/97 de 08 de agosto de 1997 que dispõe sobre o Regimento Interno do Corpo Clínico e suas diretrizes. • Portaria GM/MS nº 3432, de 12 de agosto de 1998 e portaria MS/GM nº 332, de 24 de março de 2000 que estabelece critérios de classificação para as unidades de tratamento intensivo. • Resolução – RDC nº 07 de 24 de fevereiro de 2010 que dispõe sobre os requisitos mínimos para funcionamento das unidades de terapia intensiva e dá outras providencias. • Resolução CFM nº 1802/2006 de 01 de novembro de 2006 e retificação publicada no Diário Oficial da União na data de 20 de dezembro de 2006 que dispõe sobre a prática do ato anestésico. Foi solicitado no termo de fiscalização: • Lista de médicos e escalas de trabalho, com nomes, com CRM, por especialidade do setor da hemodinâmica vistoriado. • Produção e características da demanda da hemodinâmica nos últimos 03 meses.

Página 5 de 6


É importante analisar o relatório em tela em conjunto com o outro relatório da unidade também datado de 22 de outubro de 2013. Conceito Final – “E”

Recife, 14 de março de 2014.

Sylvio Vasconcellos – Médico Fiscal

Otávio Valença – Médico Fiscal

Página 6 de 6

Relatório de Fiscalizaçaõ da UTI do IMIP (14.03.2014)