Issuu on Google+

1 De onde virá nossa ajuda? Salmo 121. Guia de leitura bíblica participativa. São José, Costa Rica, 5 de fevereiro de 2010. Harold Segura

De onde virá nossa ajuda? Para seguir meditando, rezando e agindo em favor do Haiti

Salmo 121 Harold Segura Apresentação do tema No dia 13 de janeiro de 2001 ocorreu um dos terremotos mais fortes na história de El Salvador. Este foi o movimento sísmico que ocasionou a maior destruição na América Central, nos últimos vinte anos. Um mês depois daquele terremoto (13 de fevereiro ), ocorreu outro no mesmo lugar, além de várias réplicas que aumentaram o pânico da população. O sacerdote e teólogo catalão-salvadorenho, Jon Sobrino, radicado na capital salvadorenha já por várias décadas escreveu, pouco tempo depois da tragédia uma reflexão teológica sobre o sucedido. Esse texto, junto a outros do mesmo autor, foi publicado sob o título de Terremoto, terrorismo, barbárie e utopia. El Salvador, Nova Iorque e Afeganistão.1 Esta obra é considerada uma das mais importantes contribuições da teologia pastoral da América Latina, nos últimos anos. Hoje, depois do terremoto de Haiti, fazemos bem em repensar sobre algumas das frases de Sobrino para receber inspiração, provocação e promover a ação solidária a favor daqueles que estão sofrendo. Pensando nessas frases e pensando num dos salmos de esperança, faremos a seguinte meditação.

Oração pelo povo do Haiti (Por: Jorge Ziljstra, Secretário Regional do Conselho Latino-americano de Igrejas, para o Caribe e a Grande Colômbia)2

Diante da dor que desgarra, Clamamos a uma voz, Intercede junto a nós, Oh solidário Senhor. Todos: Por teu povo sofrido do Haiti, clamamos solidários, Oh Senhor Diante da morte que fere, E marca com a dor, Dá-nos a força do abraço E a paz que nos dá Teu amor. Todos: Por todos os resgatadores e voluntários e por toda mão solidária existente no Haiti, clamamos solidários, Oh Senhor Diante da injustiça que mata E reclama a conversão, Move-nos para transformar o mundo E que toda morte se faça canção. Todos: Por aqueles que perderam seres queridos no terremoto, clamamos solidários, oh Senhor. Diante da desolação e do pranto, Diante da impotência e da frustração, Fica do nosso lado, Sopra-nos tua vida, Senhor. Todos: Por aqueles que têm que dar consolo e esperança, clamamos solidários, oh Senhor.

1 2

Jon Sobrino, Terremoto, terrorismo, barbárie e utopia, Trotta, Madrid, 2002. Oração publicada pelo Conselho Latino-americano de Igrejas, http://www.claiweb.org/liturgias/oracionporhaiti.html


2 De onde virá nossa ajuda? Salmo 121. Guia de leitura bíblica participativa. São José, Costa Rica, 5 de fevereiro de 2010. Harold Segura

Tu és o Deus dos pobres, Aquele que planta esperanças, Aquele que entrega Seu amor. És o Deus solidário, o Eterno, o Grande Eu Sou. Tu és Deus conosco, Deus abraço, Deus canção. Deus carícia, Deus esforço, Deus entrega, Deus ação. Todos: Por cada um de nós, por nossa solidariedade, serviço e ação, clamamos solidários, oh Senhor. Venha Teu reino ao doente, Venha Teu ouvido ao clamor, Venham Tuas filhas e filhos, Para mostrar Teu rosto fraterno, Oh Solidário Senhor. Todos: Graças por ser Deus conosco e através de nós! Amém.

Texto bíblico: Salmo 121 (Nova Versão Internacional) 1

Às montanhas levanto meus olhos; de onde haverá de vir minha ajuda? 2 Minha ajuda provem do SENHOR, criador do céu e da terra. 3 Não permitirá que teu pé escorregue; Ele jamais dorme, Ele que te cuida. 4 Jamais dorme nem se adormece Aquele que cuida de Israel. 5 O SENHOR é quem te cuida, o SENHOR é tua sombra protetora. 6 De dia o sol não te fará dano, nem a lua de noite. 7 O SENHOR te protegerá; de todo mal protegerá tua vida. 8 O SENHOR te cuidará no lar e no caminho, desde agora e para sempre.

O salmo, depois do terremoto Este é um dos conhecidos salmos de subida; dos que entoava o povo nas peregrinações em direção ao templo de Jerusalém, apesar de que também é possível que tenha se originado nas reuniões locais antes de ter sido incorporado naquelas peregrinações 3. É muito provável que seu contexto esteja situado nas condições de angústia, opressão e necessidade de ajuda. Uma pergunta para a meditação pessoal em grupo: O que podemos dizer sobre este salmo depois do terremoto do Haiti? (O grupo terá que expressar algumas reações pessoais diante do salmo lido). Palavras de Jon Sobrino4 As seguintes frases podem ser lidas por diferentes pessoas (com algo de tempo, podemos preparar essas frases em tirinhas de papéis individuais, para que várias pessoas as leiam na ordem que aqui são apresentadas). Depois de cada leitura é concedido um breve espaço de tempo para que um dos participantes expresse alguma reação ou complemento à frase lida). «O terremoto não é, pois, somente uma tragédia, senão que é também uma radiografia do país. Na maioria das vezes são os pobres que morrem, são eles que ficam soterrados, são 3

Tirsa Ventura, Corpos peregrinos, DEI, San José, 2009, pp. 103-104.

4

J. Sobrino, Op. Cit.


3 De onde virá nossa ajuda? Salmo 121. Guia de leitura bíblica participativa. São José, Costa Rica, 5 de fevereiro de 2010. Harold Segura

eles que têm que sair correndo com as quatro poucas coisas que possuem, os pobres dormem à intempérie, ficam angustiados pensando no seu futuro, encontram imensos obstáculos para refazer suas vidas, os pobres não conseguem crédito… Os terremotos, como os cemitérios, revelam a iniquidade e a desigualdade de uma sociedade» (p. 32) «Tragédias como as de um terremoto têm causas naturais, logicamente, mas seu impacto desigual não se deve somente à natureza, senão a que nós os seres humanos fazemos uns com os outros, uns aos outros, uns contra os outros» (p. 32) «A tragédia foi grande para os pobres. Hoje em dia ainda se fala dela, mas rapidamente, desaparecerá das cenas e será substituída por outros interesses, os mesmos interesses de sempre» (p. 35) «O pior, e o que mais nos indigna, é que o fato de que as coisas sejam assim parece ser natural, como se pertencesse a uma ordem da natureza, não da história» (p. 35) «Muitas coisas devem ser feitas perante um terremoto, mas a primeira, sem a qual nenhuma outra reação será adequada, é deixar-se afetar pela tragédia, é não fugir da mesma, nem suavizar suas consequências. Com isso não tratamos de fomentar o masoquismo nem de exigir impossibilidades psicológicas. Trata-se de um primeiro momento de honra com a realidade. Fugir, sutil ou grosseiramente da tragédia é uma forma de sair da realidade do nosso mundo. Nós devemos ser conscientes: se não ficarmos e se não nos aferrarmos à realidade não receberemos ajuda de ninguém, nem dos necessitados de fora, nem de nós mesmos por dentro» (pp. 37-38) «Este deixar-se afetar pela tragédia é também salvador para aqueles que na verdade se deixam afetar. Essa realidade nos posiciona na verdade e nos faz superar a irrealidade na qual vivemos» (p. 38) «Neste contexto, é especialmente importante que os meios de comunicação façam a opção preferencial pela verdade, começando pelo mais externo a ela, mesmo sendo muito importante, oferecendo dados fidedignos da realidade e avançando ao mais profundo das suas causas» (p. 38) «Para a pergunta de: Onde está Deus no sofrimento? Não há uma resposta lógica nem racionalmente convincente… a resposta à pergunta de onde está Deus, somente se decide na vida: se do mistério último, também em tempo de catástrofe, surge uma esperança. Em outras palavras, se a esperança não morre» (p. 41) «A maior tragédia --- seja num terremoto ou em qualquer outra situação--- não são as perdas materiais, senão a destruição do humano. A maior solidariedade é ajudar a reconstruí-lo. A maior esperança é continuar caminhando, praticando justiça, amando com ternura» (p. 42) «E em meio de todas estas perguntas clamorosas e de respostas silenciosas, balbuciantes, em presença do terremoto algo se me impunha, mais em forma de sentimento que de uma ideia: a indignação de que sempre é “a mesma coisa” e sofrem “as mesmas pessoas”, o desejo de que algum dia as coisas não sejam assim, e uma espécie de veneração perante a vida dos pobres antes, durante e depois das catástrofes, perante o que chamei de sua santidade primordial» (p. 43)


4 De onde virá nossa ajuda? Salmo 121. Guia de leitura bíblica participativa. São José, Costa Rica, 5 de fevereiro de 2010. Harold Segura

A leitura dos textos de J. Sobrino podem ser encerrados com algumas frases de síntese que ressaltem sua mensagem mais importante.

Segunda leitura do texto bíblico: Salmo 112 (Versão Popular Deus Fala Hoje) 1

Ao contemplar as montanhas me pergunto: "De onde virá minha ajuda?" 2 Minha ajuda virá do Senhor, criador do céu e da terra. 3 Ele nunca permitirá que escorregues! Nunca dormirá Aquele que te cuida! 4 Não, Ele nunca dorme; Nunca dorme Aquele que cuida de Israel. 5 É o Senhor quem te cuida; O Senhor é quem te protege, quem está junto a ti para ajudar-te. 6 O sol não te fará nenhum dano de dia, nem a lua de noite. 7 O Senhor te protege de todo perigo; Ele protege tua vida. 8 O Senhor te protege em todos os teus caminhos, agora e sempre.

Nossa resposta à Palavra Nesta ocasião, esta experiência de leitura em prece, se encerra com um exercício no qual cada participante escreve um breve salmo pessoal, já seja inspirado nas palavras do Salmo 121 ou nas reflexões e meditações feitas durante este encontro. Estes salmos são lidos em duplas e, depois, algumas pessoas podem lê-los diante de todo o grupo.

«O Senhor é quem te cuida; o Senhor é quem te protege, quem está junto a ti para ajudar-te»


De onde virá nossa ajuda?