Issuu on Google+

25 Caminhos

Ensaios de poesia no Maraj贸

Organizador Jorge Domingues Lopes

CPOEMA editora


25 CAMINHOS

ensaios de poesia no maraj贸


25 Caminhos: ensaios de poesia no Marajó

Projeto Gráfico, Editoração eletrônica, Revisão e Capa Jorge Domingues Lopes

Impressão e acabamento Centro Acadêmico de Letras – Soure

Dados Internacionais de Catalogação-na-Publicação ______________________________________________ 25 Caminhos: ensaios de poesia no Marajó / organizador Jorge Domingues Lopes. Soure: CAL, 2007. 20 p. 1. Poesia brasileira – Pará. I. Lopes, Jorge Domingues, org. CDD – 20.ed. 869.91 ______________________________________________ Todos os direitos desta publicação reservados para o Centro Acadêmico de Letras 13ª. Rua, s/n, Umirizal 68800-000 Soure-PA Impresso no Brasil


JORGE DOMINGUES LOPES (Org.)

25 CAMINHOS ensaios de poesia no maraj贸

SOURE 2007


APRESENTAÇÃO Estar na faculdade é perceber um mundo novo. As leituras propostas, os debates, a diversidade de pensamentos e opiniões nos proporcionam um olhar além do querer apenas formar-se e ser professor. É possível perceber o quanto temos compromisso social e que devemos nos formar e contribuir com o meio que nos “pariu’’, tendo em vista a plena consciência de que a Universidade e a sociedade devem caminhar de braços dados e que nós, estudantes, somos esse elo de ligação entre ambas. O Centro Acadêmico de Letras resolveu criar um evento que pudesse, de alguma forma, contribuir com nossa comunidade, em especial com alunos do Ensino Médio que almejam uma vaga na tão sonhada faculdade ou em um emprego. Daí, saber construir um ofício, interpretar um texto ou confeccioná-lo; estas foram idéias a serem implementadas. O grupo reuniuse, planejou e, é claro, teve dificuldades, mas o II Fórum Multidisciplinar do Marajó aconteceu e o público respondeu ao nosso chamado participando das palestras e oficinas, das quais destacamos a oficina de Construção de Textos Poéticos ministrada pelo professor Jorge Domingues Lopes, que muito interessou os jovens secundaristas e pôde até descobrir alguns talentos de nossa região. Isto nos deixou algo de grandiosa importância para o louvor do fórum e da cultura local, estes 25 Caminhos: ensaios de poesia no Marajó. “O contentamento no rosto das pessoas, é por saber que algo de bom foi construindo e implantado no coração de alguém, estamos sempre à disposição.” Centro Acadêmico de Letras / Soure


SUMÁRIO I.

Ana Karine da Silva Dutra, Um sonho infinito

11

II.

Anderson Souza de Carvalho, Presente, passado e futuro 11

III.

Anilton Correa Santos, Tu estavas lá

11

IV.

Cássio Heleno Cardoso, Busque na luz do dia

12

V.

Diego Valério, Eu sou a tarde

12

VI.

Docemira Maciel Moraes, A alegria é

12

VII.

Elielam S. Araújo, Alegria da manhã

13

VIII. Evio Nascimento do Nascimento, A casa dos sonhos

13

IX.

Gabriela Conceição Feio, As crianças estão na rua

13

X.

Gizelem Kerolaine da Silva Carvalho, Um sonho de vida

14

XI.

Jacira Vasconcelos Barbosa, A vida é bela

14

XII.

José Heleno Sousa Valle, Gostaria de ter liberdade

14

XIII. Kelly Cristina Ramos Sampaio, Coragem

15

XIV. Lorena Farias Gomes, Tu me deste a alegria

15

XV.

15

Lucidéia Bahia da Cunha, Alegria

XVI. Manuella França Ambé, A liberdade do vento

16

XVII. Mariam Rúbia Félix Bandeira, A liberdade

16

XVIII. Natália Flávia Nascimento Nascimento, A tarde da vida

16

XIX. Neuziane Dias, A tua coragem

17

XX.

17

Nilson Seixas de Moura, O sabor da liberdade

XXI. Paulo César Vasconcelos Gonçalves, A obscuridade

17

XXII. Rafael Pantoja Carneiro, O ser humano

18

XXIII. Shirley Pantoja de Carvalho, Sonho

18

XXIV. Shyrnara Rocha Barbosa, Sonhei contigo

18

XXV. Taisa Nascimento Santos, Vida

19


PREFÁCIO Eu canto porque o instante existe, E a minha vida está completa. Não sou alegre nem triste, Sou Poeta. Cecília Meireles

Os vinte e cinco textos deste livro são o resultado imediato da Oficina Construção de Textos Poéticos, que não durou mais do que três horas, realizada no Campus Universitário de Soure, por ocasião do II Fórum Multidisciplinar do Marajó, organizado pelo Centro Acadêmico de Letras de Soure. Quase todos os participantes eram estudantes do Ensino Fundamental ou do Ensino Médio de Soure ou Salvaterra, que estavam interessados em conhecer um pouco mais sobre a leitura de poemas e o próprio fazer poético. A partir de atividades para construção de frases com algum efeito poético e de descrições objetivas e subjetivas, os estudantes conseguiram, em pouco tempo, dar os seus primeiros passos rumo à poesia, e, na última hora da oficina, todos receberam a orientação para, a partir dos elementos já construídos nas atividades anteriores, criarem um pequeno poema relacionado a uma das seguintes palavras: Alegria, Coragem, Vida, Sonho e Liberdade.

Logo, todos os textos deste livro são verdadeiros ensaios de poesia, ensaio de pessoas que, em uma tarde de setembro, aceitaram o desafio de subverter a ordem antiga das palavras e das idéias e criar textos que pudessem ser caminhos novos, ao menos, para seus 25 autores. Jorge Domingues Lopes Professor da UFPA e ministrante da Oficina


I

Um sonho infinito

Ana Karine da Silva Dutra

Talvez não tenhas compreendido A beleza da vida, os pássaros Que nos envolvem, os lindos Raios solares. Enfim... A vida é bela E devemos desfrutá-la Como um sonho infinito.

II

Presente, passado e futuro

Anderson Souza de Carvalho

A vida é o Presente, Passado e Futuro De um mundo social. A vida é como água que cai do céu Como lágrimas de uma criança. A vida é um jardim de mar aberto Para uma nova contemplação da vida.

III

Tu estavas lá

Anilton Correa Santos

Tu estavas lá quando o cavalo Começou a correr atrás da Liberdade com as suas fortes Pernas e seus companheiros de Campos a campos livres com toda A sua liberdade de crescer muito Mais liberto.

11


IV

Busque na luz do dia

Cássio Heleno Cardoso Albuquerque

Busque na luz do dia, A liberdade de sonhar. Onde nessa busca Você pode me encontrar. Talvez eu esteja bem pertinho de você, Ou em outro lugar, Onde também a gente pode se amar.

V

Eu sou a tarde

Diego Valério

Eu sou a tarde que se alimenta Da alegria dos corações apaixonados, Que palpitam de amor e carinho E do sorriso das bocas

VI

A alegria é

Docemira Maciel Moraes

A alegria é uma coisa viva que nós temos, É um campo de animais ciumentos, É como uma rocha que não se perfura. A alegria é uma coisa quente Destinada à formosura de uma fervente regada.

12


VII

Alegria da manhã

Elielam S Araújo

Eu sou a alegria da manhã Com a felicidade de uma tarde Tão cheia de luz Esperando uma noite Que ficará para sempre Eternizada nos meus sonhos.

VIII

A casa dos sonhos

Evio Nascimento do Nascimento

Estive na casa dos sonhos Com seu amor Todas as pessoas sonham Com o futuro Que as espera Por isso, todo sonho de amor Vem da água dos sonhos.

IX

As crianças estão na rua

Gabriela Conceição Feio

As crianças estão na rua Elas têm liberdade Ou a liberdade delas é de pássaro. Mundo com ou sem liberdade tudo pode Será que as leis permitem. Liberdade e saúde Para ser liberdade Tem que ser saudável.

13


X

Um sonho de vida

Gizelem Kerolaine da Silva Carvalho

Você tem no brilho do seu olhar Um sonho de uma vida cheia de esperança. A imaginação de uma vida Completa de felicidade e amor Que existe em você. Com você eu posso acordar e ver Que o dia é ainda mais deslumbrante Do que ele já é. Você é minha fonte de vida.

XI

A vida é bela

Jacira Vasconcelos Barbosa

A vida é bela Como raio de sol Que nos traz sonhar Essa alegria imensa.

XII

Gostaria de ter liberdade

José Heleno Sousa Valle

Às vezes, gostaria de ter a liberdade de um cavalo para que o meu dia fosse simples e calmo como uma casa abandonada e bela, como a tarde que brilha. Imagino a leveza dos coqueiros tendo a liberdade de balançar suas folhas ao soprar do vento. É isso que preciso para que eu possa ser feliz.

14


XIII

Coragem

Kelly Cristina Ramos Sampaio

Queria ter coragem de te olhar Coragem de te tocar Coragem de te amar Queria ter coragem de ir à lua Coragem de ser só tua Queria ter coragem pra sair e gritar Pra poder expressar Que eu só sei te amar.

XIV

Tu me deste a alegria

Lorena Farias Gomes

Tu me deste a alegria de passear No campo dos teus sonhos Com a tua coragem Que me fez acreditar Em uma liberdade jamais alcançada.

XV

Alegria

Lucidéia Bahia da Cunha

Tua alegria me faz Andar de mãos dadas Com o trigo dos campos Onde pastam os gados felizes.

15


XVI

A liberdade do vento

Manuella França Ambé

Gostaria de ter a liberdade do vento, Passar em qualquer lugar sem nenhuma dificuldade Gostaria de sentir o prazer de um cavalo Ao correr pelo campo com tanta liberdade. Só não gostaria de ser como tu, Uma casa que não pode sentir o prazer Que eu gostaria de sentir.

XVII

A liberdade

Mariam Rúbia Félix Bandeira

Adoro o ar de liberdade Que teu amor me traz Adoro saber Que assim como as árvores secam E se erguem de novo O nosso amor sempre ressucitará.

XVIII

A tarde da vida

Natália Flávia Nascimento Nascimento

A tarde está se alimentando de felicidade, Da luz do sol que está ensolarado Com os capins secos do sol Com os cavalos famintos de tristeza. A tarde é como água de esperança Que traz dos ventos frios. Assim como o mar vem da natureza Com a natureza cheia de tristeza.

16


XIX

A tua coragem

Neuziane Dias

Eu desejei a tua coragem quando correste atrás da bola, Tu estavas livre, Ave flutuando sem destino, E sem rumo. Tua coragem é incompreensível, Teu sorriso incompreensível.

XX

O sabor da liberdade

Nilson Seixas de Moura

Tu és um passarinho Voando nos céus de onde Há de vir o amor, O saber e todo o sentido O sabor da liberdade.

XXI

A obscuridade

Paulo César Vasconcelos Gonçalves

A obscuridade pode-se dizer um lugar que, a partir do momento em que você entra, está em um lugar fechado, mas, quando você enfrenta isso, tem a sensação de estar sendo iluminado e é essa luz que faz com que enfrente essa obscuridade e pense que o amanhã vai ser um dia melhor para você e para todos que querem que a liberdade o envolva como um todo.

17


XXII

O ser humano

Rafael Pantoja Carneiro

Todo ser humano tem direito De ter a sua própria liberdade Que os animais tenham na natureza, O sol que ilumina as estrelas Que piscam toda noite Sem alguém que as impeçam de piscar.

XXIII Sonho

Shirley Pantoja de Carvalho

Você era o sonho que eu queria Mas não pude ter. O sonho que me fazia viver Mas sem esse sonho Estou perdendo a vida Então, sonho Não me deixa morrer E traz de volta A alegria de poder te ter.

XXIV

Sonhei contigo

Shyrnara Rocha Barbosa

Era uma tarde sombria quando, De repente, sonhei contigo. As folhas que balançam na tarde Me trazem a perfeição dos teus olhos

18


Que fizeram eu me apaixonar. A ventania lembra os teus cabelos Que naquele instante voavam sem direção, Aquela coisa momentânea que recorda O brilho de sua alma Que na calma desse vento me fez apaixonar.

XXV Vida

Taisa Nascimento Santos

A gente vê o tempo passando Eu e tu sentados à beira do riacho Olhando as crianças brincando Os pássaros sonhando, nós dois Apreciando o pôr-do-sol, mulheres Lavando as roupas. Como a vida Era bela quando eu estava contigo.

19


Título 25 Caminhos: Ensaios de Poesia no Marajó Formato 14,8 x 21cm Número de Páginas 20 Fonte Calibri 10 a 12

Fonte LOPES, Jorge Domingues (org.). 25 Caminhos: Ensaios de Poesia no Marajó. Soure: CPOEMA, 2007. Texto proveniente da Biblioteca Virtual do Clube do Poeta e do Escritor Marajoara <http://www.cpoema.org> Atenção Permite-se a redistribuição livre deste material, desde que ele não seja alterado e as informações acima sejam mantidas. Recomenda-se o uso deste livro e de seu conteúdo apenas para fins educacionais e culturais. Colabore Para colaborar conosco neste projeto de publicação, envie uma mensagem para <info@cpoema.org>


Fotografia: Jorge Domingues Lopes

Participantes da Oficina de elaboração de textos poéticos

Estes textos são o resultado da Oficina de elaboração de textos poéticos que aconteceu durante o II Fórum Multidisciplinar do Marajó, promovido pelo Centro Acadêmico de Letras da UFPA/Campus Universitário do Marajó/Soure.

CPOEMA Clube do Poeta e do Escritor Marajoara


25 CAMINHOS - ENSAIOS DE POESIA NO MARAJÓ