Page 1

J. M. Barrie ILUSTRAÇÕES GUTO LACAZ TRADUÇÃO SERGIO FLAKSMAN

POSFÁCIO JACK ZIPES


TEXTO J. M. BARRIE ILUSTRAÇÕES GUTO LACAZ POSFÁCIO JACK ZIPES TRADUÇÃO Sergio Flaksman QUARTA CAPA Denise Fraga FOTOS Edson Kumasaka CAPA brochura com orelhas e sobrecapa em papel vegetal MIOLO 4 cores FORMATO 15,8 × 23 cm PÁGINAS 288 ILUSTRAÇÕES 28 TIRAGEM 2 000 PREÇO R$ 89,00 ISBN 978-85-405-0258-1


“São meninos que não querem crescer e sutilmente nos fazem lembrar de nosso sonho, nossa própria lei, nossa crença no impossível. Quando exatamente perdemos a capacidade de voar? [...] É difícil crescer, mas Mr. Barrie nos faz acreditar que existem muitas maneiras de voar, também na vida adulta. Ler este livro é uma delas.” Denise Fraga, na quarta capa de Peter e Wendy


A HISTÓRIA QUE NUNCA ENVELHECE Quem nunca ouviu falar em Peter Pan, Sininho, Wendy e Capitão Gancho? A história do menino que não queria crescer faz parte do imaginário de diferentes gerações de leitores. Porém, talvez poucos tenham tido a oportunidade de adentrar a Terra do Nunca pela versão original do romance do escritor escocês J. M. Barrie, Peter e Wendy, publicado pela primeira vez em 1911. É com entusiasmo, então, que a editora Cosac Naify coloca nas prateleiras uma edição excepcional da obra, com tradução do texto integral de Barrie por Sergio Flaksman, ilustrações do artista plástico Guto Lacaz, posfácio inédito no Brasil do especialista em clássicos e fábulas Jack Zipes e quarta capa assinada pela atriz Denise Fraga.


O NASCIMENTO DE PETER Peter Pan teve sua primeira aparição em um livro destinado a adultos, The Little White Bird (1902), e, dois anos depois, protagonizou a peça Peter Pan or the Boy Who Wouldn’t Grow Up, quando Barrie se debruçou sobre a construção do personagem. A peça estreou no Natal de 1904 e alcançou sucesso imediato: os espectadores ficaram tão envolvidos com a história que, quando Peter pediu para que quem acreditasse em fadas batesse palmas para ressuscitar Sininho, o teatro explodiu em aplausos, emocionando a atriz Nina Bocicault, que interpretava Peter. A repercussão positiva manteve a montagem em cartaz até abril de 1905, com turnê internacional e apresentação inclusive nos Estados Unidos. Em 1906, o editor de Barrie extraiu alguns capítulos de The Little White Bird e os publica sob o título Peter Pan in Kensington Gardens, com ilustrações de Arthur Rackham. O romance Peter e Wendy surgiu apenas cinco anos depois e é até hoje considerado a versão definitiva da história do personagem, a mais complexa, que traz o olhar crítico, e por vezes manipulador, do narrador onisciente.


A CON TRIBUIÇÃO

LITERÁRIA DE

PETER E WENDY Peter e Wendy dá inicio a um novo tipo de literatura para crianças. Se até o século XIX a produção para esse público restringia-se a rimas e versos, Barrie acrescentou a seus personagens densidade psicológica, assim como Charles Dickens (Oliver Twist) e Rudyard Kipling (Mogli, o menino lobo). Mais transgressor ainda é o fato de abordar a questão da sexualidade, por meio das tensões entre Peter e Wendy, temática que na época da publicação do livro começava a ser explorada por Freud em seu Três ensaios sobre a teoria da sexualidade (1905). O próprio título do livro já evidência a importância dessa relação ao incluir a figura feminina, que representa a mãe de Peter.


NA TERRA DO NUNCA Peter e Wendy é a história do menino Peter Pan (cujo nome é inspirado em Pan, o mítico deus grego conhecido por suas farras), que se recusa a crescer, e suas aventuras com os irmãos Darling pela Terra do Nunca, “a segunda à direita, e depois sempre em frente até o amanhecer”. Ali, num lugar onde a fantasia se torna realidade, Wendy, John e Michael conhecem os meninos perdidos, “as crianças que caem dos carrinhos de bebê quando a babá se distrai e olha para o outro lado” – que tomam Wendy por mãe –, a lealdade dos peles-vermelhas, a crueldade dos piratas e as perigosas sereias. Cada criança desempenha um papel diferente conforme o jogo: ora são meninos perdidos, ora são piratas, ora são índios. Fazendo de conta, aprendem sobre confiança e lealdade, a efemeridade da infância e amor parental.


PARA ADULTOS QUE NÃO QUEREM CRESCER No posfácio, o professor da Universidade de Minessota Jack Zipes traz uma leitura inédita sobre o texto ao afirmar que, na verdade, o livro foi escrito por Barrie visando o público adulto. Um forte argumento é o fato de o narrador se dirigir, em suas conversas com o leitor, a alguém que já esteve na Terra do Nunca: “Nessas paragens mágicas, as crianças que brincam estão sempre ancorando os seus caiaques. Nós também já estivemos lá; ainda nos lembramos do som das ondas, mas nunca mais desembarcaremos nessas praias”. Na visão de Zipes, o romance acaba por tomar a forma de um manual de instruções para adultos que precisam reaprender a sonhar. “Peter e Wendy, assim, é um anticonto de fada, e se esforça por explicar o mistério em situações nas quais os contos de fada se limitam a expor a mágica e o mistério. É um livro de autoajuda escrito por um autor que pretendia poder ajudar os adultos que tivessem perdido o contato com sua imaginação, precisando retomá-la através de uma reintrodução às brincadeiras imaginativas das crianças.”


HUMOR BRITÂNICO EM PORTUGUÊS O tradutor Sergio Flaksman, que já recebeu o Prêmio Machado de Assis concedido pela Academia Brasileira de Letras, lidou com o texto de maneira habilidosa, criando uma versão fluente em português para uma narrativa essencialmente britânica, repleta de referências culturais e um humor típico daquele país. A brincadeira de Barrie com os nomes dos meninos perdidos e dos piratas foi mantida por Flaksman com perfeição, equilibrando humor e significado: Nibs virou Bicudo, Slightly se transformou em Levemente-Estragado e Curly passou a se chamar Crespo.


ILUSTRAÇÕES EXCLUSIVAS As ilustrações exclusivas de Guto Lacaz foram feitas a partir de recortes de papéis coloridos e vegetal e fotografadas em estúdio, por Edson Kumasaka. As imagens contêm um interessante jogo de luz e sombra ao capturar, por exemplo, as nuances da passagem do dia através da luminosidade que incide em uma janela ou quando Sininho toma veneno para salvar Peter e a ilustração “se apaga”. Ao trabalhar somente com silhuetas, Lacaz despersonificou as representações já enraizadas no imaginário popular. Assim, não se trata de Peter, Wendy ou do Capitão Gancho, mas de qualquer um de nós, lutando contra seus conflitos interiores.


PROJETO GRÁFICO DIFERENCIADO O projeto gráfico cria um diálogo interessante com o trabalho de Lacaz. O fundo colorido das páginas não foi aplicado em computador, mas, assim como as ilustrações, trata-se de papel fotografado, que resulta em um belo dégradé. O mesmo aconteceu com os títulos dos capítulos, manualmente recortados. A grande surpresa fica por conta da sobrecapa em papel vegetal, que, quando dobrada, se transforma em luminária. Com o auxílio de uma lâmpada de led de baixa voltagem, cria um bonito efeito sobre as figuras de Wendy, Peter, Sininho, Capitão Gancho e os meninos perdidos, para iluminar todas as viagens à Terra do Nunca.


CLÁSSICOS REVISITADOS Peter e Wendy dá continuidade à iniciativa da Cosac Naify de revisitar clássicos da literatura universal com viés contemporâneo, em volumes especiais e arrojados, a exemplo das edições de Alice no País das Maravilhas (2009) de Lewis Carroll, ilustrado por Luiz Zerbini, e As aventuras de Pinóquio (2012), de Carlo Collodi, ilustrado por Alex Cerveny.

LEIA TAMBÉM

Alice no País das Maravilhas (2009) Lewis Carroll, ils. Luiz Zerbini

As aventuras dwe Pinóquio (2012) Carlo Collodi, ils. Alex Cerveny


SOBRE O AUTOR JAMES MATTHEW BARRIE nasceu em 1860 na Escócia, penúltimo entre dez irmãos. Aos sete anos James perdeu o seu irmão David, favorito de sua mãe, que morreu em decorrência de um acidente de patinação, causando muitos traumas que seriam posteriormente explorados em seus livros. Barrie frequentou a Universidade de Edinburgo, e iniciou sua carreira literária trabalhando como jornalista para o Nottingham Journal. Estreou no mundo da ficção com Auld Licht Idylls (1888). Também escreveu peças de teatro, entre elas When Wendy Grew Up: An Afterthought (1908), adaptação do último capítulo do romance Peter e Wendy, no qual a filha de Wendy parte com Peter para a Terra do Nunca. Barrie morreu em 1937.

SOBRE O ILUSTRADOR GUTO LACAZ nasceu em São Paulo, em 1948. Formou-se em arquitetura pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo de São José dos Campos em 1974, e começou sua carreira fazendo ilustrações para o jornal paulistano Jornal da Tarde. Como artista plástico, expôs o seu trabalho em solo nacional e internacional, contando com exposições na Coreia (95 Kwangju Internacional Biennale, 1995) e em Paris (Salon des 100, 2001), e realizou instalações em lugares alternativos como o lago do Parque Ibirapuera, em São Paulo. Para a Cosac Naify, ilustrou O livro da 1.ª vez (2004), do escritor Otavio Frias Filho. Guto foi duas vezes vencedor do Prêmio Abril de Jornalismo na categoria Ilustração (em 1983 e em 1990), e em 2002 foi eleito um dos cinco Melhores Designer Gráficos pela revista Design Gráfico.

SOBRE O TRADUTOR SERGIO FLAKSMAN nasceu no Rio de Janeiro no ano de 1949. Em 1966 começou a trabalhar como assistente editorial de Antonio Houaiss, na Grande Enciclopédia Delta Larousse. Estreou no mundo da tradução literária com Bonequinha de luxo, novela de Truman Capote (Nova Fronteira, 1968). Flaksman trabalhou como editor na revista Ciência Hoje e como diretor editorial adjunto da editora Record, onde permaneceu até 1986. Traduziu grandes nomes da literatura e do teatro, entre os quais se encontram Shakespeare, Camus, Mark Twain e Émile Zola. Em 2011, recebeu o Prêmio Machado de Assis por tradução dado pela Academia Brasileira de Letras. Para a Cosac Naify, já traduziu O grande jogo de Billy Phelan (2010) e Ironweed (2010), de William Kennedy.


COSAC NAIFY | ASSESSORIA DE IMPRENSA JULIA ALVES julia.alves@cosacnaify.com.br tel. 11 3218 1466 JOÃO PERASSOLO joao.perassolo@cosacnaify.com.br 11 3218 1468 VANESSA GONÇALVES vanessa.goncalves@cosacnaify.com.br tel. 11 3218 1469

Release Peter e Wendy | Cosac Naify  

A história do menino que não queria crescer faz parte do imaginário de diferentes gerações de leitores. É com entusiasmo que a editora Cosac...