Issuu on Google+

PUB

Linha de Sintra - Passageiros contestam aumentos, 4

PUB

Concelho

Candidatura a Lisboa

JOMA: Crise Financeira

Escola Segura

POLÍTICA. Distrital do PSD pretende avançar com a candidatura de Fernando Seara a autarquia. Concelho, 6

ATLETISMO. Juventude operária de Monte Abraão pode fechar portas até final do ano, Desporto, 11

estabelecimentos escolares decorre há vinte anos. Cacém, 13

SOCIEDADE. Policiamento junto a

PUB


A abrir

6 de Fevereiro de 2012

editorial

Salta à vista...

Qual o papel real das assembleias de freguesia? não consegue chegar aos cidadãos. Muitos devem desconhecer, mas estas reuniões de fiscalização são públicas e raramente há populares a assistir e a participar. Importa perceber se se deve a um absoluto desinteresse pelas questões decididas em assembleias de freguesia, ou se se deve à ineficácia e, por vezes, ao amadorismo do trabalho desenvolvido pelos eleitos políticos neste órgão autárquico. Ou, mais grave, se será pela falta de divulgação das mesmas. Discutem-se questões de pormenor, que em nada contribuem para a melhoria da qualidade de vida das populações que os elegem. Não se consegue perceber como é que nas assembleias de freguesia se levam à discussão moções que, à partida, se sabe que não terão qualquer objetividade. Exemplo: não é numa assembleia de freguesia que se decide quais serão, ou não, as freguesias abrangidas pela reforma da administração local. Se em Agualva, Pêro Pinheiro ou Massamá se votar contra a extinção ou agregação de freguesias no município essa demonstração de intenção não terá qualquer peso a nível do Governo. Peca apenas por ser uma demonstração de intenções. Esta reforma administrativa pretende interferir não só ao nível da extinção de freguesias mas também na redução de empresas municipais, algumas delas ingeríveis financeiramente, mas também reduzir os membros políticos nas câmaras e nas juntas de freguesia. Esperemos que defina também, de uma vez por todas, o papel da fiscalização sobre estes órgãos.  JOAQUIM JOSÉ REIS

U

m morador da freguesia de Belas denunciou na internet o estado em que se encontra a estrada da Rua Dr. Sá Marques (Idanha). Segundo o morador, já passaram mais de quinze dias após a realização de obras no local e a situação continua por resolver.

Sintra em ruínas

Numa altura em que nos bastidores dos partidos se discute uma eventual nova intervenção do FMI, a nível local os mesmos partidos convergem sobre a reforma da administração local. Parece cada vez mais certo que a reforma vai mesmo avançar, quer se queira quer não. É consentâneo que a generalidade dos partidos concorda com esta mexida, mas divergem nos moldes desta alteração, sobretudo a nível da intervenção do território, que não deve ser desenhado a régua e esquadro, mas ter em conta as necessidades das populações. Os partidos devem ter em conta que uma agregação ou extinção de freguesias no meio urbano é diferente do que o fazer num meio rural onde as juntas de freguesia são, por vezes, dos poucos serviços públicos de proximidade que ali se encontram. Pedem-se mais competências para as juntas de freguesia, mas também mais financiamento. Atualmente, as competências das juntas podem ser próprias, como a gestão de cemitérios, ou delegadas pelas câmaras municipais, muitas vezes sem a correspondente transferência de meios financeiros adequados. Na prática, infelizmente, na delegação de competências tratam apenas dos espaços verdes e limpam as valetas. No entanto, em tempos de crise sobrepõem-se a outras instituições do Estado e, fruto de todo um trabalho de proximidade, intervém junto de situações de pobreza e fome da sua população. Mas a reforma administrativa tem que alterar o papel das assembleias de freguesia e revolucionar mesmo este órgão autárquico que

DR

2 Correio de Sintra

http://www.sintraemruinas.blogspot.com/

CASAL DO RIO DO PORTO Acesso pela Rua Azinhaga da Sardinha ou pelo Largo do Rio do Porto, onde funciona o Parque de Estacionamento gratuito na Volta do Duche, na Vila Velha. NOTAS A recuperação desta ruína tem-se vindo a arrastar desde 2005, pois está projetado nascer das ruínas do edifício o Museu Dorita de Castel-Branco, criando-se um paralelismo cultural com o Museu Anjos Teixeira. PROPOSTA DE INTERVENÇÃO Reabilitar todo o Casal do Rio do Porto seguindo o projeto do Museu Dorita de Castel-Branco ou outro.


PUB


4 Correio de Sintra

6 de Fevereiro de 2012

Passageiros contestam aumentos dos preços dos transportes públicos JR

SOCIEDADE. Os utilizadores da Linha de Sintra estão indignados com o agravamento do preço dos transportes públicos. Muitos fazem contas para apurar se ainda é vantajosa financeiramente a utilização deste meio de transporte.

A

1 de fevereiro entrou em vigor a nova tabela de preços dos passes e bilhetes dos comboios da Linha de Sintra. O Governo avançou que, em média, o custo de transporte aumentou cinco por cento, mas a Comissão de Utentes da Linha de Sintra e a Comissão de Utentes da Mobilidade do Concelho de Sintra consideram que “estamos perante uma habilidosa manipulação estatística para esconder que, para a maioria dos utilizadores, a subida dos preços dos passes sociais será bastante superior, sendo também muito prejudicados os jovens e os reformados”. As comissões explicam que os preços do Passe Intermodal L1 (4_18, sub23 e terceira idade) aumentaram 57,48 por cento face a dezembro de 2011, que o L12 aumentou 57,37 por cento e que o L123 aumentou 57,59 por cento. A 2 de fevereiro, dia de greve dos transportes que em Sintra não se fez sentir, alguns dos utilizadores da linha ferroviária disseram ao Correio de Sintra que os preços agora praticados põem em causa a capacidade financeira das famílias. Rosa Santos desloca-se diariamente do Cacém para Lisboa há mais de uma década. A passageira contesta a realização de mais uma greve no setor dos transportes por considerar que “não surge na melhor altura para o país” e lamenta o aumento dos preços. “Este foi a terceira vez, no espaço de um ano, que aumentaram os Pub

Greve de 2 de fevereiro não afetou circulação na Linha de Sintra.

Preços dos transportes públicos aumentaram três vezes no espaço de um ano.

transportes. Agora tive um aumento de cerca de dez euros no passe e pago, por mês, 66,10 euros. É muito caro”, disse. Nelson Tavares também contesta o aumento sucessivo nos preços dos transportes e pondera trocar de meio de transporte. “Já estou farto disto. Começo a pensar que ficava mais barato ir de carro, até

porque lá em casa somos três a utilizar e a pagar os passes da CP. A 66 euros cada um, mais vale gastar esse dinheiro em gasolina porque as viagens são mais cómodas e ainda poupamos à volta de sessenta euros por mês”, disse. Os utilizadores da linha ferroviária começam assim a ponderar trocar os comboios pelos veículos automóveis.

“Este é o último mês em que vou de comboio. Começa a ficar mais caro e nem as filas no IC19 me parecem tão complicadas como há uns anos atrás. Eu e a minha mulher vamos começar a levar o carro para Lisboa durante uma semana e na outra vamos de boleia com colegas nossos. Assim fica mais barato para nós e também para eles. É muito mais cómodo e não há o risco de apanharmos greves como estas”, disse José Alves. Rogério Antunes partilha da mesma opinião: “Tenho um passe social de terceira idade e, em 2009 pagava cerca de 24 euros e agora pago 49,80. É incrível, é mais do dobro do que pagava há três anos. Não me resta alternativa a não ser pegar no carro cada vez que tenho que sair de casa”, considerou. Para a Comissão de Utentes da Linha de Sintra, os aumentos na área dos transportes são penalizadores para as famílias que vivem no concelho. “As pessoas tentam organizar a sua vida familiar para as deslocações para empregos e escolas e deixam de andar de transporte coletivo para utilizar as viaturas. Este aumento é reforçado com o pagamento do estacionamento das estações e desta forma as pessoas vão mesmo deixar de utilizar os comboios”, disse ao Correio de Sintra o porta-voz da comissão, Rui Ramos. O responsável adiantou que “estas medidas surgem para possibilitar, mais tarde, a privatização da Linha de Sintra que há uns anos tinha cerca de 270 mil utilizadores e que hoje em dia tem menos de duzentos mil”. “Estes aumentos vão ser um desastre para a Linha de Sintra pois a tendência é a diminuição do número de utilizadores. Já fica mais barato uma família ir para Lisboa de carro do que de comboio, porque é seguramente mais barato”, afirmou.  JR.


6 de Fevereiro de 2012

5

Adiamento da estação da Reboleira prejudica sintrenses DR

SOCIEDADE. O Metropolitano de Lisboa adiou a abertura da estação de metro da Reboleira para 2014. A empresa avança que as dificuldades em obter financiamento junto das instituições financeiras obrigam ao adiamento que prejudica milhares de residentes no concelho de Sintra.

A

construção da estação da Reboleira foi anunciada em 2008 pela então secretária de Estado dos Transportes, Ana Paula Vitorino. O contrato da estação da Reboleira previa a construção de uma galeria dupla de cerca de duzentos metros, um término de 280 metros e uma estação com cais de cem metros de comprimento de ‘interface’ com a atual estação de comboios da Reboleira, na linha ferroviária de Sintra. Com a construção desta estação, os passageiros da Linha de Sintra tinham a possibilidade de sair na Reboleira e entrar diretamente na Linha Azul de metro em direção ao Colégio Militar. A empresa explicou que as dificuldades de financiamento obrigaram a

Obras da extensão da linha encontram-se praticamente concluidas.

uma redução “significativa” dos investimentos. No entanto, garantiu que não vai abandonar qualquer dos investimentos previstos: a remodelação das estações do Areeiro, Colégio Militar e Baixa-Chiado e o prolongamento da Linha Vermelha ao Aeroporto, que ficará concluído em junho deste ano. O Metropolitano de Lisboa avançou que depois da conclusão deste último

prolongamento “será possível dispor dos meios financeiros necessários para concluir o prolongamento da linha Azul à Reboleira”. A empresa garante que, neste momento, está a “ser revisto o projeto de acabamentos e instalações, de forma a adotar soluções inovadoras e menos onerosas, em consonância com as restrições que a conjuntura determina”. Ainda em 2012 “será iniciado o

procedimento de concurso público com vista à finalização desta expansão. O investimento deverá estar concluído no primeiro semestre de 2014”. O vereador da autarquia da Amadora com o pelouro dos Transportes disse ao Correio de Sintra que as obras da construção da estação de metropolitano da Reboleira estão “paradas desde junho”, e que teme que a obra de prolongamento da Linha Azul venha a ser suspensa definitivamente. Gabriel Oliveira considerou que a suspensão da obra “é um disparate”, explicando que a estação da Reboleira iria funcionar como um interface da CP e do metropolitano de Lisboa, com capacidade para servir milhares de pessoas. “Permitiria às pessoas que vêm do colégio militar irem diretamente para o comboio e terem uma forma de distribuição de passageiros completamente diferente. Estamos a falar de uma linha que não muda só a vida da Amadora mas muda, fundamentalmente, a vida do concelho de Sintra, porque é muito diferente sair em Sete Rios ou Entrecampos, ou apanhar a linha no seu princípio”, disse. JR. Pub


6 Correio de Sintra

Concelho

6 de Fevereiro de 2012

Concelho

DR

PSD prepara convite a Seara POLÍTICA. A distrital de Lisboa do PSD pretende avançar com a candidatura de Fernando Seara a uma câmara municipal na área da Grande Lisboa nas autárquicas de 2013. Segundo apurou o Correio de Sintra, a autarquia de Lisboa deve ser a escolhida.

O

presidente da câmara de Sintra termina o seu terceiro e último mandato em 2013 e, recentemente, avisou que estava a preparar o regresso à advocacia e ao ensino na universidade, mas não exclui avançar a outra autarquia. O presidente da Comissão Política Distrital de Lisboa do PSD, Miguel Pinto Luz, anunciou a 31 de janeiro que pretende dar “mais um desafio” ao autarca, quando este terminar o mandato à frente da câmara de Sintra. “Estamos quase em 2013, data em que termina o seu último mandato como presidente da Câmara Municipal de Sintra, e sabemos que tem a legítima intenção de ir para casa e de regressar às suas aulas. Desenganese, senhor professor, nem pense nisso”, afirmou Miguel Pinto Luz, dirigindo-se a Fernando Seara. Durante uma sessão de apresentação do programa do PSD, o responsável adiantou: “O distrito precisa de si, o partido precisa de si e o país precisa

Fernando Seara (à dta) durante uma visita de Cavaco Silva ao concelho de Sintra.

de si. Em 2013 vamos dar-lhe mais um desafio”. Estas declarações surgem depois de afirmações de Fernando Seara, em que disse estar a preparar o regresso à advocacia e ao ensino na universidade, dos quais tem “saudades”. “Quero regressar à minha vida profissional. Tenho saudades de ir a tribunal. O meu gabinete continua com a minha secretária, com o meu computador e com os meus livros. E de quinze em quinze dias já lá vou para olhar para os livros e já estou a recomprar alguns para me atualizar. Principalmente em algumas áreas proces-

suais”, disse o autarca ao Correio de Sintra, à margem da última Assembleia Municipal que decorreu no Palácio Valenças. No entanto, quando questionado se vai deixar a política após 2013, Fernando Seara adiantou que nunca conseguirá “deixar a política”. O autarca não exclui assim a possibilidade de avançar com uma candidatura a outra autarquia. “Não tenho capacidade para antecipar o que quer que seja”, sublinhou. Fernando Seara é um dos 21 sócios da firma Correia, Seara, Caldas & Associados e tem como principais áreas o

Direito Administrativo, Direito Constitucional, Direito Comunitário, Direitos Reais e Direito do Desporto. O autarca líder da Coligação Mais Sintra (PSD e CDS-PP) foi professor assistente no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade Técnica de Lisboa e professor auxiliar convidado dos Departamentos de Direito da Universidade Internacional e da Universidade Lusíada de Lisboa. O presidente da câmara considera que, apesar de ser ainda cedo para fazer um balanço dos três mandatos à frente do município de Sintra, cargo que exerce desde 2002, esta experiência de mais de dez anos à frente da autarquia será benéfica no exercício da advocacia, sobretudo na área do Direito Administrativo.“Acho que Sintra me proporcionou um enriquecimento pessoal, teorético e empírico para construir modelos teóricos sobre a organização política administrativa de um território”, frisou. O PSD começa assim a preparar as candidaturas às autarquias da Grande Lisboa, onde vários dos atuais autarcas terminam os últimos mandatos. Carlos Carreiras, sucedeu a António Capucho em Cascais, a meio do mandato, e deve ser a aposta do partido. Em Sintra, o vice-presidente, Marco Almeida, já manifestou a intenção de ser o próximo candidato do PSD. JR

Quercus recupera espécies da Peninha SOCIEDADE. A associação ambientalista Quercus vai receber o apoio financeiro da SANEST para que continue a conservação e recuperação da flora da Peninha, área situada no Parque Natural de SintraCascais, no âmbito de um projeto de micro-reservas biológicas.

A

micro-reserva biológica da Peninha está inserida na rede de vinte microreservas que a Quercus gere a nível nacional e corresponde a uma parte da herdade que é propriedade do Instituto de Conservação da Natureza e Biodiversidade na serra de Sintra. Segundo Nuno Sequeira, da Quercus, o protocolo assinado com a SANEST permite trabalhar na conservação e preservação de espécies que “apenas existem nesta zona”, como o Cravo de Sintra e o Cravo Romano. O responsável adiantou que este acordo per-

mite ainda criar percursos pedonais para a realização de visitas e retirar espécies “exóticas” infestantes como o chorão ou as acácias. “Pensamos que todas estas medidas terão impacto nesta zona, permitindo que seja valorizada. É importante que estas zonas passem a ser protegidas, porque são áreas com valores importantes a nível natural”, disse o responsável. Nuno Sequeira adiantou que as micro-reservas são pequenas áreas com uma gestão dirigida à conservação de habitats, fauna, comunidades vegetais e endemismos botânicos raros ou ameaçados, em terrenos adquiridos pela Quercus ou então geridos em conjunto com os proprietários. No final da iniciativa, o presidente do conselho de administração da SANEST, Arnaldo Pêgo, disse que, por se tratar de uma empresa cujo setor incide no ambiente, “é lógico que estas atividades são importantes”.

Comissão de Utentes em vigília junto ao centro de saúde de Belas.

“O objetivo é patrocinarmos a recuperação de espécies que existem aqui. É habitual associarmo-nos a este tipo de iniciativas”, disse o responsável, adiantando que a empresa vai financiar o projeto com 7500 euros. Numa parte da área abrangida, será ainda feita a florestação espe-

cialmente vocacionada para a recuperação do carvalhal de carvalhonegral e, noutra área, a associação vai proceder à eliminação de silvados e manutenção de espaços mais abertos adequados ao desenvolvimento das espécies arbustivas e herbáceas.  REDAÇÃO


PUB

6 de Fevereiro de 2012

Correio de Sintra 7


PUB

8 Correio de Sintra

6 de Fevereiro de 2012


PUB

6 de Fevereiro de 2012

Correio de Sintra 9


PUB

10 Correio de Sintra

6 de Fevereiro de 2012


Desporto

6 de Fevereiro de 2012

Correio de Sintra 11

JOMA pode fechar portas até ao final do ano AOP

ATLETISMO. Aos 39 anos de existência,

o JOMA, Juventude Operária de Monte Abraão, é um clube histórico do município de Sintra, com vários títulos nacionais no currículo, mas as dificuldades financeiras e a falta de infra-estruturas próprias põe em causa a sua sobrevivência.

O

alerta lançado pela direção do clube, durante a cerimónia comemorativa do 39.º aniversário, tem sido uma ameaça constante nos últimos anos. “A falta de verbas e a dívida contraída ao banco têm sido insustentáveis. Queremos continuar o trabalho que temos vindo a construir, mas precisamos de apoios para o fazer”, disse João Pedro Cardoso, lamentando “o sistemático incumprimento das promessas feitas por responsáveis autárquicos”. Apesar de os muitos troféus alcançados a nível nacional e internacional, a situação do clube agrava-se diariamente por não possuir nenhum espaço desportivo. Além de não usufruir da

Filipa Martins e Andreia Felisberto no Centro de Alto Rendimento de Atletismo do Jamor.

única pista de atletismo do concelho, localizada no complexo desportivo do Real Sport Clube, o JOMA não possui carrinhas suficientes para transportar os atletas ao Centro de Alto Rendimento (CAR) de Atletismo no Jamor e à pista do Monte da Galega, no concelho da Amadora, dois locais habituais de treino. Sem solução imediata à vista para

colmatar a falta de instalações próprias, os atletas continuam a deslocar-se aos centros de treino por meios próprios. Filipa Martins, campeã nacional nos escalões juvenil e júnior com o símbolo do clube, disse ao Correio de Sintra que “a única solução” que encontrou para poder treinar no CAR foi recorrer aos transportes públicos. “Faço o trajecto de

comboio várias vezes por semana, mas é a minha maneira de ajudar o clube que está a atravessar um momento difícil”, disse a atleta. Andreia Felisberto, atleta há cerca de dez anos no JOMA, partilhou a mesma opinião e considerou “fundamental que os desportistas permaneçam no clube”. “Este ano tive a possibilidade de sair para um clube de maior dimensão, mas não o fiz por respeitar o emblema do JOMA e por sentir que o clube precisa de obter bons resultados através dos seus atletas inscritos em competições nacionais”, sublinhou. Embora tenha sentido o agravamento financeiro da instituição desportiva ano após ano, Andreia Felisberto reconheceu que a aposta na escola de formação poderá ser “uma solução para os problemas financeiros existentes”. “O JOMA forma excelentes atletas que participam em grandes campeonatos nacionais, tanto em atletismo como em judo e futsal. Mesmo com menos condições, o clube vai continuar a erguer o nome de Sintra a nível nacional”, disse.  Alexandre Oliveira Pereira

Ciclismo do Sintrense filia-se à UVP/FPC CICLISMO. A secção de ciclismo do Sport União Sintrense filiou-se à Federação Portuguesa de Ciclismo (UVP/FPC). Para o responsável pela modalidade, Pedro Queirós, a cooperação com a entidade desportiva permitirá ao clube integrar provas internacionais.

A

pós uma primeira filiação com a federação nos anos 90, com uma equipa de ciclismo de estrada, a secção do Sintrense volta a associar-se ao organismo nacional. “A filiação com a UVP/FPC nasceu devido ao interesse da secção se tornar oficial. É a única entidade integrada na União Ciclística Internacional que per-

mite competições tanto em Portugal como no estrangeiro”, disse ao Correio de Sintra Pedro Queirós. O responsável pela secção adiantou ainda que o clube teve que se adaptar às exigências da federação, reformulando a sua estrutura interna. “A filiação na UVP/ FPC obriga a que a secção deixe de ser um grupo de amigos de BTT ou de cicloturismo para passar a tratar de coisas mais sérias, nomeadamente é-nos obrigatório possuir um director desportivo, treinadores devidamente certificados pela Federação e pelo Instituto do Desporto de Portugal e atletas com exames médicos”, sublinhou Pedro Queirós. Apesar das dificuldades financeiras do clube, para o responsável, o objectivo

da secção passa por “dignificar o concelho e o Sintrense, através de provas realizadas de norte a sul do país”. “Pretendemos, nos próximos meses, para além de sermos um clube de ciclismo empenhado na participação em provas, poder organizar vários eventos oficiais como o Troféu de BTT Sintra, o Encontro Regional de Escolas de Ciclismo e também vários eventos de lazer na vila de Sintra onde a família esteja presente a pedalar”, explicou. A secção possui equipas constituídas por jovens dos cinco aos 12 anos que participam em provas regionais, sobre a égide da UVP/FPC e organizadas pela Associação de Ciclismo de Lisboa.  AOP Pub


12 Correio de Sintra

6 de Fevereiro de 2012

Desporto

Treino substituiu Grande Prémio Fim da Europa

Equipado de azul e de mochilas às costas, Tiago Marques foi uma das cerca de 300 pessoas que aceitou o desafio lançado pela organização ao longo do mês de janeiro. Preparado para percorrer 17 quilómetros que separam a Serra de Sintra e o oceano Atlântico, o participante preparavase para se associar ao novo formato por considerar o projeto inédito. “É a primeira vez que se juntam alguns apaixonados pelo atletismo para realizar uma prova que, depois de ser cancelada pela câmara, não tinha hipótese de se concretizar”, disse ao Correio de Sintra Tiago Marques. Para o Pub

AOP

ATLETISMO. Ainda faltava meia hora para as dez da manhã e muitos amantes de atletismo já se encontravam em frente ao Palácio da Pena para marcar uma viragem na história do Grande Prémio Fim da Europa, que este ano não obteve ajuda financeira da autarquia sintrense.

Prova teve início junto ao Palácio Nacional de Sintra.

participante, a primeira edição do Treino Fim da Europa tem um “sabor especial”. “É positivo para o atletismo ver tantas pessoas a acreditar na modalidade. Este projeto mostra que é possível realizar provas a custo zero. Além da prática física, a iniciativa fomenta valores como a solidariedade e a cooperação, pois nasce graças à vontade de um conjunto de pessoas em manter a tradição do Fim da Europa”, sublinhou Tiago Marques. Depois de algumas reco-

mendações por parte dos organizadores e da GNR, que esteve presente ao longo do percurso, a prova arrancou pouco depois das 10:00. Com o Palácio da Vila atrás das costas, os participantes subiram a rampa da Pena, em direcção à Estrada dos Capuchos. O objectivo era chegar à Azóia. Depois da travessia da aldeia, o Cabo da Roca estava mais perto. Cerca de duas horas de percurso, e o ponto mais ocidental da Europa continental já estava à vista de todos os participantes.

Sem registo de incidentes, o treino verificou uma adesão que superou as expectativas da organização. “Aquilo que era para ser uma iniciativa livre, de celebração da corrida no dia que lhe estava agendado, transformou-se num fenómeno que me surpreendeu. A forte adesão a este projeto revelou que a cidadania também pode ser exercida através do desporto”, disse um dos organizadores do projecto, Fernando Andrade. O membro da organização adiantou também que, apesar da falta de verba, todos os procedimentos legais foram cumpridos, como se de uma prova oficial se tratasse. “A autarquia não realizou a prova, mas emitiu a respetiva licença livre de taxas, o que já foi uma grande ajuda. Também, apesar de não ter existido cortes nas estradas para a realização do treino, a segurança e a vigilância estiveram coordenadas pela GNR”, explicou Fernando Andrade.  AOP

Breves

Real Sport Clube inaugura novo relvado

O clube de Massamá inaugurou, no dia 21, o novo relvado sintético do campo de jogos n.º 2 do Complexo Desportivo, em Monte Abrãao. A execução do projeto contou com a comparticipação financeira da câmara de Sintra no valor de cento e quarenta mil euros e consistiu na remoção do antigo relvado, no nivelamento do terreno e na colocação do relvado sintético. Estiveram presentes na cerimónia de inauguração, o vice-presidente da câmara e responsável pelo pelouro do Desporto, Marco Almeida, e o presidente do Real Sport Clube Massamá, José Manuel Libório. Segundo Marco Almeida, o projeto tornou-se possível devido à sinergia de vontades entre o clube e a autarquia. “Além do apoio camarário, só se conseguiu ter o relvado porque o Real, através dos seus dirigentes, teve a capacidade de chegar à banca e solicitar o empréstimo, já que a Câmara faz o pagamento a três ou quatro anos”, disse.


6 de Fevereiro de 2012

Agualva - Cacém

13

Escola Segura afasta criminalidade JR

SOCIEDADE. Há mais de um ano que o agente Vilela deixou a equipa de policiamento de proximidade para fazer parte da Escola Segura na PSP de Agualva-Cacém. É uma presença constante nas imediações dos estabelecimentos de ensino da cidade, onde trabalha na prevenção e irradicação de comportamentos desviantes dos alunos.

S

empre viveu na freguesia de Agualva. Frequentou a Escola Secundária Ferreira Dias e o facto de ser polícia na cidade onde nasceu faz com que “conheça a lei e o outro lado da lei”. Mas “trabalho é trabalho” e junto à Ferreira Dias, ou à Gama Barros, é já conhecido por muitos dos alunos e encarregados de educação. “Atuo dentro da proximidade. A Escola Segura diminui a criminalidade e a interação com os alunos passa muito por usar a linguagem deles. Eles sentem que estamos presentes e também nos procuram para pedir ajuda”, disse o elemento policial ao Correio de Sintra. O agente adiantou que muitas vezes é abordado por alunos que lhe perguntam o que fazer em casos de bullying ou de furtos de telemóveis, alguns dos crimes que ocorrem dentro das escolas

Agente Vilela e o comandante da esquadra de Agualva-Cacém, sub-comissário Tiago Fernandes.

um pouco por todo o país e que mais têm sido denunciados na comunicação social. Mas até hoje, ainda não deteve nenhum aluno, uma vez que a maior parte ainda não tem 16 anos e não podem ser detidos. “Já houve mais furtos de telemóvel do que agora. Não tem havido muitos delitos por aqui, mas quando há são logos identificados os infratores”, disse. Os pais consideram que a presença destes agentes junto aos estabelecimentos de ensino são importantes como efeito dissuasor da criminalidade. “A presença deles é importante porque antes de acontecer

alguma coisa, eles funcionam como prevenção. Esta é uma zona de circulação para a estação e a polícia tem que ter cuidados especiais. O trabalho deles é muito positivo e, por vezes, até andam aqui dentro da escola”, disse ao Correio de Sintra o presidente da Associação de Pais da Escola Secundária Ferreira Dias, Álvaro Silva. O programa Escola Segura teve início em 1992 e resultou de um protocolo entre o Ministério da Administração Interna e o Ministério da Educação. O objetivo é garantir segurança junto aos estabelecimentos escolares e nas suas proximidades.

Segundo o comandante da esquadra da PSP de Agualva-Cacém, o sub-comissário Tiago Fernandes, as equipas da Escola Segura fazem muito mais do que prevenção da criminalidade, uma vez que também identificam e sinalizam casos marginais. “Fazem todo um trabalho de prevenção e de repressão, porque também prendemos, se for preciso. E também participamos ocorrências criminais dentro das escolas e fazemos ações sobre prevenção rodoviária, sobre delinquência juvenil, sobre bullying e sobre prevenção de furtos nos transportes públicos”, disse o subcomissário. O comandante da esquadra adiantou que os alunos têm que ver o polícia como um amigo e lembrou que ainda recentemente a proximidade das equipas da Escola Segura impediu um confronto entre grupos rivais. “Um grupo da Tapada das Mercês e um do Cacém marcaram um encontro, junto à discoteca Alcântara, em Lisboa, para fazer um ajuste de contas. Um dos miúdos denunciou isto ao agente e no sábado à noite andámos junto às estações à procura dos grupos e de armas brancas. Acabou por não acontecer nada”, disse. O responsável adiantou que outro dos objetivos deste programa passa por afastar a venda de drogas junto às escolas.  REDAÇÃO Pub


14 Correio de Sintra

6 de Fevereiro de 2012

Queluz - Belas

Opinião

Vigília por um novo hospital e Breves melhores condições de saúde JR

Quinta Nova de Queluz

Os deputados do CDS e do PSD na Assembleia da República rejeitaram a 3 de fevereiro o projeto de resolução do Bloco de Esquerda que recomendava ao Governo a cedência da Quinta Nova de Queluz à população. O BE defendia que os espaços exteriores da Quinta Nova devem ser incluídos no complexo verde constituído pelo parque Felício Loureiro e pelos jardins do Palácio Nacional de Queluz e da Matinha. Segundo o partido, após a saída da Estradas de Portugal da Quinta Nova de Queluz, em 2009, este espaço alberga atualmente um conjunto de serviços administrativos do Exército, impedindo a utilização pública das zonas verdes.

Jovens detidos por roubos

Comissões de utentes de saúde protestaram junto às urgências do Hospital Amadora-Sintra. SAÚDE. Mais de cinco dezenas de pessoas protestaram a 27 de janeiro junto às urgências do Hospital Amadora-Sintra, numa vigília contra a “degradação” das condições de saúde nos dois municípios. Pela primeira vez um protesto decorreu dentro do perímetro do hospital.

A

vigília foi organizada pela Comissão de Utentes de Saúde de Sintra, que em janeiro fez várias ações semelhantes junto a centros de saúde, a exigir melhores condições nesta área. A comissão defende a colocação de mais médicos de família e enfermeiros nos centros de saúde, a revisão das taxas moderadoras e a construção de um novo hospital. “Viemos ao Hospital Amadora-Sintra porque atualmente serve 650 mil pessoas, praticamente o dobro para o que Pub

está capacitado. E há a questão das taxas moderadoras, em que cada vez mais a saúde é só para quem tem capacidade para pagar. Estamos a assistir à degradação do Serviço Nacional de Saúde”, disse ao Correio de Sintra a porta-voz da comissão, Paula Borges. A responsável adiantou que esta unidade de saúde “não tem capacidade para dar resposta a tantos utentes” e que é “urgente” encontrar uma solução, como a construção de um novo hospital em Sintra, onde moram mais de 400 mil pessoas e desses, 136 mil não têm médico de família. Como exemplo, Paula Borges referiu o serviço de pediatria, que naquela sexta-feira estava “muito cheio, sem lugar para as pessoas se sentarem e com as crianças ao colo”. Esta foi a última vigília em janeiro organizada pela comissão de utentes de Sintra, depois de várias ações junto

Pediatria do Hospital.

de centros de saúde. “Encontrámos um Serviço Nacional de Saúde entregue a um Governo que acha que os portugueses são cidadão de terceira categoria. Estes equipamentos não acolhem as necessidades das pessoas, muitos deles estão degradados e encontram-se em prédios de habitação, com dois e três andares sem elevador”, disse. No entanto, a comissão já avançou que vai fazer mais iniciativas semelhantes durante o ano de 2012. A vigília contou com a presença da Comissão de Utentes de Saúde da Amadora, que refere que a situação neste município é idêntica à de Sintra. “Na Amadora moram mais de 176 mil pessoas e 70 mil não têm médico de família. Há falta de enfermeiros, de equipamentos e de condições nos nossos centros de saúde”, disse o porta-voz da comissão da Amadora, António Tremoço.  JR.

A Policia de Segurança Pública (PSP) deteve dois jovens, de 18 e 20 anos, suspeitos de vários roubos em plena via pública através de coação física e ameaça de arma branca. De acordo com a PSP, os jovens atuavam preferencialmente em Queluz, Mem Martins e Cacém. Os suspeitos foram detidos a 26 de janeiro e as autoridades estimam que o montante dos assaltos ascende aos 2500 euros. Após as investigações, as autoridades conseguiram estabelecer ligação entre os detidos e pelo menos “cinco crimes” praticados nos últimos seis meses. O modo de atuação consistia em roubar as vitimas através de coação física com recurso a arma branca ou pelo método de esticão.

Mulher sequestrada em Queluz

Uma mulher foi obrigada a levantar 400 euros numa caixa-multibanco a 28 de janeiro, depois de ter sido sequestrada na rua Alda Nogueira, em Queluz. Depois de ter sido coagida fisicamente a entrar num Opel Corsa às 4:15, a mulher foi obrigada a revelar os códigos dos cartões multibanco. Ao fim de 15 minutos, os dois assaltantes deixaram a mulher na mesma rua. De seguida, vários carrospatrulha da PSP perseguiram a dupla até ao Cacém, onde os assaltantes embateram contra uma viatura, acabando por conseguirem fugir. Durante a perseguição, uma das viaturas da PSP despistou-se, mas os agentes não sofreram quaisquer ferimentos.


Tribuna

Afinal...

Q

uando Manuela Ferreira Leite se candidatou a Primeira-Ministra, muito se comentou aquela sua constante obsessão pelo Défice. De facto, o Empreendedorismo, as Pequenas e Médias Empresas (PMEs), a dita Dívida do Estado e a urgência premente de a controlar, eram presença constante nos seus discursos. Corria pachorrento o ano de 2009 e surgiam no horizonte mais umas eleições legislativas, as primeiras em que a crise em Portugal e na União Europeia prometia agitar a opinião pública. Por um lado, propostas realistas de rigor orçamental e controlo da despesa pública, de outro, o canto da sereia, negando a evidência. O povo acabou anestesiado pelas promessas de vida facilitada e confiou em comentadores e agentes políticos que, quais vendedores da ‘banha da cobra’, garantiam um futuro risonho e sem sacrifícios a troco de nada. Afinal, que tínhamos nós que ver com a Dívida do Estado? Sim. Nós, o povo, tínhamos as nossas próprias dívidas para tratar. Queríamos saber, isso sim, do subsídio de desemprego, das pensões, das

15

6 de Fevereiro de 2012

Afinal, as tais árvores eram um mito e a Europa e o FMI só emprestam dinheiro tendo como garantia que ele será bem gerido; que não será mais um remendo em pano roto. Havia, no entanto, uma premissa verdadeira: o Estado pode tudo. Pode portajar todas as SCUTs, aumentar o IVA, baixar as pensões e as reformas, mexer com os subsí-

reformas, das portagens. E queríamos saber de aeroportos novos, todos catitas, e comboios ultra rápidos (porque muito rápidos já nós tínhamos), que nos pusessem depressa em Espanha e na França. Isso é que era falar. O Estado que pedisse dinheiro à Europa, ao FMI, a quem quisesse. Ou então que plantasse umas árvores que dessem notas de quinhentos. Toda a gente sabe que o Estado pode. O Estado pode tudo!

… cabe-nos aceitar que Portugal, tal como o conhecíamos, acabou. Pelo menos pelos próximos anos. Cabe-nos mudar de estilo de vida …… dios, eliminar feriados e reorganizar o mapa administrativo. O povo descobriu (da pior maneira) que, afinal, o tal do Défice até lhe dizia respeito. Mais descobriu que o TGV e o novo Aeroporto, independentemente da sua necessidade, acarretavam custos incomportáveis, que

a atribuição indiscriminada dos Rendimentos Sociais de Inserção tinha que ser custeada por alguém, dando-se conta subitamente que não só lhe iriam pedir para pagar isso como também lhe iriam pedir para pagar anos de desvarios de governação fácil. Não há mesmo almoços grátis! Agora, cabe-nos aceitar que Portugal, tal como o conhecíamos, acabou. Pelo menos pelos próximos anos. Cabe-nos mudar de estilo de vida, de hábitos de consumo e aprender a poupar. Mas, sobretudo, cabe-nos ser agentes de mudança em sociedade. Dar o exemplo, levantar a cabeça e seguir em frente. Em alturas como esta, somos obrigados a sair do marasmo e, pela primeira vez, arriscar. Todos os sonhos que mantínhamos guardados numa gaveta a sete chaves pedem para sair e a frustração faznos questionar: porque não? É chegada a hora de acreditarmos em nós! Este artigo não foi escrito ao abrigo do último acordo ortográfico Helena Coelho Presidente da JSD de Sintra Pub

Funerária Serra das Minas abre também em Rio de Mouro

Concelho de Sintra Informação Geográfica

90

85

12 0

125

11

Complexo de Arqueologia Industrial Buracas de Armês

0

10

5

10

0

80

5

Legenda: Números de Policia

11

95

0

Pontos Cotados Linhas de Água Muros e Vedações Curvas de Nível Ruas Rodovias Área Classificada - Património Arqueológico Freguesias de Sintra Edificios

TERRUGEM

Buracas de Armês 1

Fonte dos dados: Câmara Municipal de Sintra

135

0 146,86

12

11 0

20

40 Metros

1:2.000

148,67

0 147,96

1

1

14

125 130 135

5

115

140

neste mercado tão competitivo. “Presenteamos, aos clientes, um serviço personalizado que prima pelo profissionalismo e pela elevada qualidade e modernização dos nossos serviços”, sublinha Hélder Correia. Disponibilizando serviços como a tanoestética (tratamento e embelezamento do falecido), a cremação, a transladação e a exumação, a agência possui um conjunto de artigos florais e religiosos para funerais. Sedeada na Avenida João de Deus, n.º51 – B, em Rio de Mouro, perto da igreja paroquial, a agência está aberta das 9h00 às 20h00, apesar de garantir um serviço funerário permanente.

12

O empreendedorismo e o profissionalismo praticado pela equipa da funerária Serra das Minas diferencia esta empresa das demais. No âmbito da expansão da empresa, a funerária abriu, em janeiro, uma nova agência, em Rio de Mouro, junto à igreja. Determinada em oferecer a excelência na condução e orientação de todo o processo lutuoso, a funerária diferencia-se por uma conduta de valores profissionais e morais que se estende a todos os que dela fazem parte. “Num momento difícil como é o da perda de um ente querido, o nosso propósito é servir com simpatia, dignidade e honestidade todos os clientes, de forma a aliviar a dor inerente ao tão complicado episódio. Preocupamo-nos em tratar a família em sofrimento com um respeito sublime e em elevar uma existência sempre saudosa daquele que parte”, diz Hélder Correia, proprietário da agência. Humanismo, dignidade, responsabilidade, solidariedade e inovação são as palavras-chave que distinguem a Funerária Serra das Minas

5

0 Referenciação Geográfica

55

Elipsóide de Hayford Projecção Gauss Datum Planimétrico: Datum 73 Datum Altimétrico: Marégrafo de Cascais


PUB


Edicao 38