Page 1

SEMANÁRIO

FUNDADO EM 05 DE OUTUBRO DE 1922 DIRETOR ANTÓNIO MAGALHÃES SUB DIRETOR EDUARDO COSTA Nº 4547 - 04 MARÇO DE 2014 PREÇO 0,50 € (IVA INCLUÍDO) www.correiodeazemeis.pt Taxa Paga | Devesas - 4400 V. N. Gaia | Autorizado a circular em invólucro de plástico fechado | Autorização n.º 5804/2002 DCP-2

91

Distinguido pelo Governo com Diploma de Louvor de Mérito Jornalístico e Empresarial da Comunicação Social Regional e Local

FUTEBOL> DERROTA CASEIRA FRENTE AO AC VISEU

> NESTA EDIÇÃO:

Oliveirense de novo em penúltimo

> ATRIBUIÇÃO DE SUBSÍDIOS

Página 20

Centro de Línguas e Academia “dividem” políticos de Azeméis

> ÚLTIMA ASSEMBLEIA MUNICIPAL FICOU ‘MEIA DEPENADA’

Socialistas abandonam a reunião magna...

Página 06 > NUM QUIOSQUE DE BUSTELO

1.º Prémio da lotaria contempla cinco oliveirenses

Página 18

> MAIS UMA “ESCOLA PARA A VIDA” EM FOCO

Escoteiros da cidade precisam de seguidores

Páginas 16 e 17

‘Bolsa de €mprego’ Páginas 04 e 05

O Correio de Azeméis publica, novamente, ofertas de emprego, em colaboração com IEFP. Consulte na página 31

PUB


02

Terça-feira, 04 de março de 2014

POESIA

Fado do Zé das pielas Quando passo eu na rua Se já levo a perua, Vejo-me metido nelas. Uns chamam pobre, coitado, Outros, um pobre diabo A este Zé das pielas. Vejo só gente às janelas A dar assobiadelas Só para me chatear. Muitos atiram piropos Por eu ter bebido uns copos Até me emborrachar. Passo a vida na adega, Onde a gente se embebeda E me sombreia o dia. Minha amiga verdadeira É somente a bebedeira A fazer-me companhia. Eu sou o Zé das pielas. Ando por ruas e vielas A falar alto sem nexo. Se de mim caçoa alguém Trato essa gente “bem” Só com palavras do sexo.

ABERTURA

BILHETE POSTAL

Os Monopólios

EDUARDO OLIVEIRA COSTA

Ainda há quem insista que “de Espanha nem bom vento nem bom casamento”. Agora, a empresa de energia Endesa veio dar uma machadada naqueles que defendem o contrário. Afinal, a energia mais barata que ofereceram no leilão da Deco, já é mais cara que os concorrentes! Quem aderiu ao leilão da Deco está prejudicado. Na atualização de tarifas, dentro dos valores aprovados pela Lei, enquanto os concorrentes pouco subiram, os espanhóis aproveitaram para aplicar a subida máxima permitida! A espanhola Endesa pode ter cumprido a Lei, mas não cumpriu a expetativa e o compromisso que assumiu: quem assinasse contrato teria eletricidade mais barata! A Deco também fica bastante mal na fotografia. Em meu entender, devia ter assegurado que, numa correção de preço, a Endesa aplicaria a mesma percentagem dos concorrentes. Uma coisa é certa: quanto mais concorrência houver e mais livre for, melhor! Nunca se percebe muito bem as Leis que

protegem grupos empresariais. Quem paga é o povo, todos os consumidores! Ainda nos lembramos dos astronómicos preços das chamadas telefónicas, quando havia monopólio. Mas os monopólios continuam e a prejudicar todos! Apenas dois exemplos: os transportes levam parte dos nossos impostos e são caros para quem usa! A Televisão do Estado tem quatro vezes mais funcionários que os concorrentes! E todos nós a pagarmos! Pelo menos dois insuspeitos ministros das Finanças (Vítor Gaspar e Bagão Felix), não tiveram ‘papas na língua’ e denunciaram que há grupos de interesses que impedem que o Estado gaste menos e os portugueses sejam beneficiados, quer pagando menos impostos, quer tendo serviços mais baratos. Aliás, o primeiro-ministro Passos Coelho disse mais ou menos o mesmo, quando iniciou funções. Mas parece que o Poder dos interesses é grande... E, em bom português, também têm uma palavra decisiva na eleição dos políticos...

E já com andar cansado, Fico mais aliviado Com o trato que eu dou. Se você for meu amigo, Nunca se meta comigo P’ra não ouvir o que escutou. A. EVANGELISTA DE PINHO

ESTANTE Tornado Sandra Brown Bellamy Lyston tinha apenas doze anos quando a irmã mais velha, Susan, foi morta num dia de feriado tempestuoso em finais de Maio.

Estatuto Editorial O Correio de Azeméis, no cumprimento duma obrigação legal, renova o conteúdo do seu Estatuto Editorial, na mesma linha que orientou as décadas que leva de publicação ininterrupta, de colocar os verdadeiros interesses do concelho de Oliveira de Azeméis como sua prioridade inquestionável, não se misturando com os interesses de grupos, nomeadamente políticos. O Correio de Azeméis renova o compromisso de respeitar os princípios deontológicos da imprensa e a ética profissional, de modo a não poder prosseguir apenas fins comerciais, nem abusar da boa fé dos leitores, encobrindo ou deturpando a informação.

Misericórdia ência, quis Salvador Ferreira Brandão que a Em Gulpilhares, no palacete que foi sua resid pobres de mais asilo “destinado unicamente às pessoas de V. N. de Gaia, sua herdeira, instalasse um am sido tenh o tornarem inválidas e que ao mesmo temp ambos os sexos que por doença ou idade se . 1933 de Brandão, inaugurado em 18 de outubro trabalhadoras e honestas”. É o Lar Salvador


ABERTURA

EDITORIAL

SEMÁFORO

SALVADOR FERREIRA BRANDÃO

O benemérito “torna-viagem” Salvador Ferreira Brandão nasceu no lugar do Fojo, da freguesia de São Martinho de Cucujães, a 25 de Janeiro de 1858, filho de Manuel Ferreira da Silva e Margarida Rosa de Jesus, considerados os maiores proprietários da região. Baptizado aos vinte e um dias de vida, teve por padrinhos os tios António Gomes Brandão e Maria Brandão, residentes em Lisboa e representados pelos procuradores Manuel Soares e Vitória Rosa de Jesus, do Carregoso. O padrinho, um grande benemérito, receberia, em 1869, o título de Visconde do Carregoso. Muito jovem, e ao jeito da época dos “torna-viagem”, partiu para o Brasil, sugerindo o seu biógrafo que se tenha envolvido no chamado comércio de “secos e molhados”, grandes armazéns de produtos alimentares de importação, abastecedores do mercado retalhista local. Senhor já de avultada fortuna, regressa a Portugal com pouco mais de vinte anos, residindo na aldeia natal. Aos 27 anos de idade casa na igreja de São Salvador de Valadares com Lucinda Monteiro de Castro Portugal, ali moradora no lugar de Campolinho, e com apenas 17 anos. Mas antes, adquirira um imponente palacete típico da “arquitectura dos brasileiros”, no lugar da Chamorra, freguesia de Gulpilhares, à face da secular estrada de Espinho a Gaia. E aí viveria até à morte, em 1932, aos 74 anos de vida, mas mergulhado na solidão os últimos 11 anos, perante a morte da esposa, em 1921, no verdor dos 53 anos. Sem filhos, terão sido anos de dolorosa amargura, mas tempos também de profunda reflexão naqueles muitos que, tocados pela idade e sem recursos, viam carregada de negras nuvens a linha de horizonte. Tudo reflectido no testamento em que nos revela fervor religioso, carinho pela família e consideração pelos empregados. Não esqueceu a terra natal. O remanescente da herança, o grosso de uma grande fortuna, legou-o à Santa Casa da Misericórdia de Vila Nova de Gaia, a quem impôs o encargo de criar no palacete e quinta que foram sua residência o Asilo Salvador Brandão, “destinado unicamente às pessoas mais pobres de ambos os sexos que por doença ou idade se tornarem inválidas e que ao mesmo tempo tenham sido trabalhadoras e honestas (…) tendo sempre preferência os meus parentes pobres até segundos primos e os criados e criadas que estiverem ao meu serviço quando eu falecer”. É o actual Lar Salvador Brandão, que a Misericórdia de Gaia dirige com superior desvelo na casa, devidamente adaptada aos novos fins, onde o fundador viveu, amou e sofreu, e onde os utentes encontram o amor e o carinho a que fizeram jus. Bem andou a Misericórdia, apoiada no talento do Doutor Eugénio dos Santos, Doutor em História, ao editar a biografia de Salvador Brandão, “fazendo justiça à memória deste homem de bem que a ela confiou o grosso dos seus haveres”. E bem podem os cucujanenses orgulhar-se do exemplo de vida do seu conterrâneo.

www.correiodeazemeis.pt geral@correiodeazemeis.pt

Fundador: BENTO LANDUREZA (1922) SEDE: Edifício Rainha, 8º piso Telefs. 256049890 • Fax: 256046263 3720 OLIVEIRA DE AZEMÉIS Horário de 2ª a 6ª • 9.00/18.30H Assinatura anual : (C/IVA 6%) (Entre Douro e Vouga) 20,00 (Resto do País) 22,50 (C/IVA 6%) (Europa) 65,00 (C/IVA 6%) (Resto do Mundo) 97,00 (C/IVA 6%)

Terça-feira, 04 de março de 2014

ANTÓNIO MAGALHÃES

Ordem Hospitaleira de São João de Deus João Cidade deixou Montemoro-Novo aos oito anos de idade e correu mundo. A peregrinação a Santiago de Compostela ter-lhe-á exaltado o espírito religioso. Dado como louco, foi internado num hospício de Granada por vários anos. Saindo, visitou o Mosteiro de Guadalupe, regressando a Granada para fundar, em 1539, um hospital de doenças contagiosas e incuráveis, que esteve na origem da Ordem dos Irmãos Hospitaleiros, sob a regra de São Agostinho, aprovada por Pio V. João Cidade foi beatificado em 1630 e canonizado pelo Papa Alexandre VIII em 1690, com o nome de São João de Deus. É o padroeiro dos hospitais, dos doentes e dos enfermeiros e tem dia litúrgico a 8 de Março.

Dia da Igualdade Salarial A data foi instituída pela União Europeia com o objetivo de sensibilizar a opinião pública para a disparidade nos salários en- tre homens e mulheres e incentivar medidas para alterar esta realidade. O Dia da Igualdade Salarial foi assinalado pela primeira vez em 2013. Portugal celebra a data a 6 de Março, pois, na prática, as mulheres teriam de trabalhar até esta data para estar em igualdade com os homens, uma vez que os homens ganham, em média, mais 18% que as mulheres. O Código do Trabalho transpôs a directiva comunitária de 2006 sobre o princípio da igualdade de tratamento entre homens e mulheres, mas que, na prática, não é respeitada.

Dia Internacional da Mulher Divergem as opiniões sobre a origem do Dia Internacional da Mulher. Aquela que pode ser a mais próxima da realidade refere que teve como origem as manifestações de mulheres russas por melhores condições de trabalho e contra a entrada da Rússia czarista na Guerra de 1914-1918, que podem ter marcado o início da Revolução de 1917. Mas a ideia poderá ter surgido antes nos Estados Unidos e na Europa, integrada na luta das mulheres por melhores condições de vida e ainda pelo direito ao voto. A ONU designou 1975 como Ano Internacional da Mulher e em Dezembro de 1977 o Dia Internacional da Mulher passou a recordar as conquistas económicas, sociais e políticas das mulheres.

03

A ‘RESSACA’ DA SEMANA Mais uma vez o S. Pedro demonstrou que não alinha em ‘grandes carnavais’. Esperemos que, hoje, terça-feira de entrudo, não se alie ao ‘nosso primeiro’ e deixe a malta ir para a folia, esquecer as agruras da vida e dar asas ao seu contentamento. De ‘chuvinha’ está o povo cansado, ansiando por umas boas horas de interregno, numa ‘grande ponte’ de bom tempo que a todos contemple! É que, à última hora, a Câmara Municipal oliveirense decidiu dar tolerância de ponto aos seus funcionários, apanhando a todos de surpresa, nomeadamente o Correio de Azeméis, que, ainda na edição passada, obteve a confirmação que tal não se verificaria. ‘Para mal (bem) dos nossos pecados’, eis que ‘o dito’ se transforma em ‘não dito’, e, vai daí, hoje as portas da autarquia estão fechadas. Apesar da cidade de Oliveira de Azeméis não ver os mascarados passarem, em Pindelo (e não só...) ‘reza-se’ a todos os santinhos para que venham umas boas ‘abertas’ e o sol aqueça o dia, porque o investimento está feito e as vontades é de dar o ‘corpo ao manifesto’ e esquecer as ‘frustrações’ do dia a dia. E por falar em ‘aquecer’, se há coisa que anda bem ao ‘rubro’ é o ambiente político da ‘nossa praça’. A Assembleia Municipal de 27 de fevereiro de 2014 (última quinta-feira) ficará para a história com o ‘abandono’ da reunião magna por parte dos vereadores e dos elementos da bancada socialista, com exceção dos presidentes de juntas eleitos por esse partido. Parece que os ânimos andam demasiado exaltados e os desentendimentos entre o partido que governa a Câmara e a oposição ‘rosa’ continuam em circunstâncias próprias de uma acesa ‘campanha eleitoral’, que, meus senhores, já lá vai... Se nos permitem uma pequena ‘achega’ (esperamos que seja bem entendida), julgamos que importa um pouco mais de contenção e respeito mútuos, e muito menos politiquice e ‘show off ’... é isso que os oliveirenses esperam dos eleitos para estes cargos, quer no poder instituído, quer na sua oposição. O que não falta mesmo são temas e assuntos importantes a discutir, civilizadamente, para o crescimento do nosso concelho. Neste contexto, todas as opiniões devem ser dadas, livre e democraticamente, caso contrário cremos que as coisas continuarão ‘mal paradas’. Até quando? As eleições já foram em setembro... a campanha antecedeu-as - estes são os factos que urge recordar para o bem de todos e o desenvolvimento do nosso concelho. Pensamos que o “incidente” será ultrapassado, porque, a exemplo dos anteriores políticos oliveirenses do pós 25 de abril de 74, estes devem saber - esperamos - o lugar que ocupam e como o ocupar. Vamos esquecer o assunto, ‘passar a esponja’... até porque estávamos em vésperas de Carnaval! A REDAÇÃO

Diretor: António Magalhães • Subdiretor: Eduardo Costa (Cart. Prof. nº 1738) • Chefe de Redação: Ângela Amorim (Cart. Prof. nº 2855) • Redatores: • Gisélia Nunes (Cart. Prof. nº 5385) • Diana Cohen (Cart. Prof. nº 9479) •CORRESPONDENTES: Carregosa: António Amorim: Cesar: Carlos Costa Gomes; Macieira de Sarnes: Manuel Lopes; Macinhata da Seixa: António Magalhães; Nogueira do Cravo: Alírio Costa; Ossela: A. Jesus Gomes; S. Martinho da Gândara: Arlindo Gomes e Sérgio Tavares; S. Roque: Eduardo Costa; Ul: Olímpio Costa. Fotógrafo: Alfredo Pinho • COLABORADORES: • Adelino Ramos • António Vidal • António Santos • Batalha Gouveia • Beatriz Costa • Frederico Bastos • Hugo Tavares • João Araújo • Joaquim Silva • Manuel Costa • Manuela Inês • Manuel Alves Paiva • Maria Emília Costa • Mário Rui • Manuel Laia • Marisa Gonçalves • Paulo Rui • Rodrigo da Cunha (Pe) • Rui Duarte • Samuel Oliveira • Sérgio Costa • Tavares Ribeiro. (Os artigos assinados são da inteira responsabilidade dos seus autores não vinculando necessariamente a opinião da direção) Os textos do Correio de Azeméis já obedecem às regras do acordo ortográfico, salvo os da responsabilidade de autores ainda não aderentes.

Propriedade: Globinóplia, Unipessoal, Lda NIF: 509 071 341 Ed. Rainha, 8º Piso • Oliveira de Azeméis Telef.: 256 049 890 • Fax 256 046 263 Impressão: CORAZE Oliveira de Azeméis Telf.: 256 040 526 / 910 253 116 / 914 602 969 e-mail: geral@coraze.com Depósito Legal nº 27755/89 Nº ICS 104639 Tiragem média: 6.500 exemplares


04

Terça-feira, 04 de março de 2014

CONCELHO

>EM CAUSA “DESRESPEITO” E “OFENSAS” AOS SEUS MEMBROS

Socialistas abandonam reunião da Assembleia Municipal Discutia-se a ‘ética dos órgãos autárquicos’ e, repentinamente, a ‘última gota entornou o copo’, que tem andado ‘(quase) cheio’ desde a campanha eleitoral. PS ‘aponta o dedo’ ao presidente da Assembleia Municipal (AM), que acusa de “incompetência”; PSD e o seu líder camarário saem em sua defesa. Entre uns e outros, os ânimos exaltam-se… e eis o que fica para a história: Socialistas retiramse, inesperadamente (ou talvez não), da reunião do deliberativo, quando ainda se estava no primeiro ‘round’.

A bancada socialista ficou ‘despida’. Permaneceram somente os seis presidentes de juntas de freguesia e uniões eleitos pelo PS.

>NO PERÍODO RESERVADO AO PÚBLICO

Leonel Martins lamenta o “incidente” O oliveirense Leonel Martins – um habitual interveniente nestas reuniões – retratou-se nas palavras do líder da bancada do PS e lamentou o “incidente” político: “Longe de

de Freguesias de Nogueira do Cravo e Pindelo) e António Marques Silva (S. Martinho da Gândara). Estes permaneceram na sala da Biblioteca Municipal, ANGELA AMORIM participando na sessão até ao seu términus, o que acabou por ser ‘Ainda a procissão ia no adro’ saudado e enaltecido pelos lídee já os ‘andores abanavam’. Com res da Câmara e da Assembleia, os ‘nervos à flor da pele’, ataques e por outros sociais-democratas mais ou menos cerrados, eis que e membros da AM ainda presentudo se precipita. Entre a ‘troca tes. de galhardetes’ e as recriminações mútuas, socialistas e sociais- “É um presidente democratas desentenderam-se, [o da AM] sem perfil” mais uma vez, na Assembleia Na origem da ‘contenda’ esMunicipal (AM). E desta vez – teve a intervenção do líder da na passada quinta-feira - não foi bancada do PS, Carlos Afonso, propriamente apenas entre os e as posteriores reações, nomemembros das respetivas banca- adamente dos presidentes da das, mas sobretudo com o presi- Assembleia e da Câmara mudente da mesa deste órgão e al- nicipais, Jorge Oliveira e Silva e guns representantes do executivo, Hermínio Loureiro, respetivanomeadamente o seu presidente mente. O tema trazido por Care os vereadores do PS. los Afonso foi, precisamente, a Os ânimos exaltaram-se a tal “ética dos órgãos autárquicos”, ponto que, pela primeira vez – uma matéria que tem dado azo julgamos – na história da política a múltiplas discussões e até proconcelhia recente, os vereadores postas, pré e pós eleições Autársocialistas abandonaram a reu- quicas de setembro último. nião magna e, atrás de si quase “No passado dia 27 de dezemde seguida, saíram os elementos bro, foi aprovado, nesta AM, da bancada do PS, com a exce- um voto de repúdio por todas ção para os presidentes das Jun- e quaisquer ações atentatórias tas eleitos por este partido: Ama- da dignidade e do bom nome ro Simões (S. Roque), Armindo dos órgãos autárquicos de OliNunes (União de Freguesias do veira de Azeméis”, começou Pinheiro da Bemposta, Palmaz por lembrar Carlos Afonso para e Travanca), Rui Cabral (Lou- prosseguir: “Lamentavelmente, reiro), Simão Godinho (Cucu- pouco tempo depois, foi esta jães), Agostinho Tavares (União Assembleia, ou melhor os seus

mim ofender quem quer que seja”, afirmou, lembrando que, de facto, nas suas palavras na última reunião do deliberativo municipal, usou o termo “iluminados”. No entanto, o professor Leonel, como também é conhecido, estranhou a atitude de Carlos Afonso, aliás seu “conhecido” e com quem se relaciona “muito bem”.

membros, apelidada de bando ou grupo de inteligentes ou iluminados, mas o senhor presidente da AM, certamente porque já não lhe interessava, deixou passar em claro um ato atentatório da dignidade e do bom nome desta Assembleia. Cabia ao senhor presidente – continuou o líder da bancada socialista - tomar à letra o teor da deliberação para que o respeito pela AM e seus membros fosse assegurado. Nada fez e ‘assobiou para o lado’…”. E “mais grave”, para os membros do PS, foi o chefe máximo do órgão deliberativo “permitir que fosse proferida réplica a posições tomadas pelo PS, sem que mais uma vez tomasse a postura adequada a um verdadeiro presidente da AM”. Tudo isto a propósito de uma intervenção por parte de um cidadão oliveirense, que, no final da reunião da passada quintafeira, acabou por se retratar (ver caixa em cima). Daí que o porta-voz do PS tenha lembrado o artigo regimental que se refere a esse período concedido ao público, recordando que o presidente da AM deve “interromper o orador” quando “o discurso se tornar ofensivo, devendo retirar-lhe a palavra se persistir na sua atitude”, o que, no entender de Carlos Afonso, não aconteceu: “O que se passou é que o senhor pre-

sidente permitiu que esta AM e os seus membros, em particular os eleitos pelo PS, fossem ofendidos e não tomou as atitudes adequadas à de um verdadeiro presidente. Isto leva a concluir pela falta de competência para dirigir com dignidade este órgão, porque aprova deliberações de respeito e, a seguir, permite o desrespeito e a ofensa do órgão sem tomar qualquer atitude. É um presidente sem perfil”, acusou o líder socialista na AM. Como justificação do que acabara de afirmar, Carlos Afonso salientou: “Decorridos quatro meses ainda não há novo Regimento (…)” e “estamos há dez meses sem que venham a esta AM as atas das reuniões realizadas desde abril de 2013 até à presente data. (…) Esta inércia de V/ Ex.ª só confirma a sua impreparação para este cargo”. “Não têm categoria para me afetar” Nas suas próprias palavras, Jorge Oliveira e Silva – principal visado no discurso de Carlos Afonso – não conseguiu perceber “as referências que o senhor deputado quis fazer. Aqui dentro, desde que dirijo esta AM, sempre pugnei pela verdade e pelo respeito; e não me lembro, desde que assumi estas funções, que se tenha faltado ao respeito e eu não tives-

se tomado uma posição”. Indo mais longe e supostamente dirigindo-se aos socialistas, o presidente da AM assegurou que “não têm categoria para me afetar”, desafiando-os para explicarem “quando e por quem o PS foi afendido. (…) Será que o senhor está a ver fantasmas onde não existem?”. Mais tarde, o chefe máximo do deliberativo, num momento de maior nervosismo e exaltação, chegou mesmo a considerar Carlos Afonso “uma pessoa que não merece respeito da minha parte. (...)” Jorge Oliveira e Silva é “legitimamente e bem” o presidente da AM Saindo em defesa do seu homólogo no deliberativo municipal, o presidente da Câmara começou por manifestar-se surpreendido com as palavras de Carlos Afonso, até porque, como afirmou, “o senhor tem cultura política e formação jurídica”. Para Hermínio Loureiro, “um dos princípios da ética política é respeitar as decisões do povo. Os mais votados são quem tem condições para exercer a liderança”. Ainda neste contexto, o autarca referiu-se a “um escrito” de Carlos Afonso, no Correio de Azeméis, no qual “parecia até que teve mais votos para a Assembleia Municipal do que o Dr. Jorge Oliveira e Silva”, quando foi este “o mais votado”, lembrou. “Eu e a minha bancada [PSD] temos muito orgulho neste presidente da AM. Ele é, legitimamente e bem, o presidente desta Assemebleia Municipal…”. A intervenção de Hermínio Loureiro foi interrompida, mais ou menos neste momento, pelo vereador do PS, Joaquim Jorge Ferreira. Já de pé e em tom exacerbado, o socialista chamou a atenção: “O senhor presidente da Câmara não tem de fazer este tipo de intervenção (…) se se continua a dirigir-se desse modo, a bancada do PS retirase”, avisou. Aqui o ‘copo entornou a água’ por completo. ‘Se assim o disse, melhor o fez’. Os vereadores socialistas abandonaram a sala, seguidos, poucos segundos (minutos?) depois, pelos membros da bancada do PS, à exceção, como já frisámos, dos autarcas eleitos por este partido.


concelho >Amianto, IPSS’s, Centro de Línguas e Praça da Cidade foram a ‘essência’ da reunião

Assembleia Municipal não se resumiu ao ‘caso político’… Após a retirada dos socialistas, a reunião prosseguiu com a discussão de vários assuntos e a votação de uma ordem de trabalhos com 18 pontos, tendo o último (revisão do Regimento da Assembleia Municipal) sido adiado para próxima sessão, com a anuência de todos os presentes, exatamente pela ausência do PS. Angela Amorim

Outros membros do órgão deliberativo, para além dos citados na página anterior, detiveram-se em considerações sobre o “incidente” (António Rosa, Amaro Simões, Armindo Nunes, José Campos…), mesmo já na ausência dos vereadores e elementos socialistas da Assembleia Municipal (AM). De um modo geral, enquanto uns se mostraram surpreendidos e criticaram o comportamento do PS, considerando-o precipitado e lembrando outros momentos em que os ânimos estariam mais exaltados e nunca tal aconteceu, outros compreenderam e lamentaram o sucedido, apelando a que não fossem atiradas ‘mais achas para a fogueira’, até porque o importante “é discu-

tirmos o essencial e res­p eitar­mos a perspetiva de cada um”. Como confessaram alguns, a “tristeza” ficou a pairar no ar. De reter, ainda, que na reunião de quintafeira do órgão deliberativo do município, assuntos de muito interesse para os oliveirenses estiveram em cima da mesa, como a problemática da existên­ cia de amianto em es­truturas da Escola Básica 2,3 Bento Carqueja (Agrupamento Escolar Soares Basto); a situação precária e de dificuldade em que se encontram algumas instituições particulares de solidariedade social (IPSS’s), como o Centro Social Dr.ª Leonilda Aurora da Silva Matos, Obra Social de S. Martinho da Gândara e a Associação de Melhoramentos Pró Outeiro; a condição em que se deve enquadrar o Centro de Línguas de Oliveira de Azeméis (autosustentabilidade /custos sociais – ver também página 06); o ‘caso Praça da Cidade’ e a sua concessão recente; entre outros de que o Correio de Azeméis dará conhecimento em próximas edições. Reações a posteriori As comissões políticas concelhias do PSD e do PS já reagiram e emitiram a sua posição sobre o ‘caso’ ocorrido nesta sessão ordinária da AM de Oliveira de Azeméis. Tendo em conta a relevância política do assunto e as divergentes opiniões, o Correio de Azeméis decidiu publicar ambos os press releases recebidos na íntegra (ver ao lado).

>Comunicado da comissão política concelhia do PSD

Bancada do PS desrespeita Assembleia Municipal “A comissão política concelhia do Partido Social Democrata (PSD) de Oliveira de Azeméis lamenta e condena o facto dos vereadores e deputados eleitos da bancada do Partido Socialista (PS) terem abandonado a última Assembleia Municipal, ocorrida no dia 27 de fevereiro. Este ato demonstra um profundo desrespeito pelos munícipes que marcaram presença na sessão, bem como pelos membros da Câmara Municipal e da Assembleia Municipal presentes, entre os quais os presidentes de Junta de Freguesia eleitos pelo PS, que permaneceram até final dos trabalhos, participando ativamente no seu desenrolar. É público e sobejamente conhecido o registo permanente de crítica negativa e destrutiva adotado por estes mesmos senhores, que agora foram longe demais, demonstrando não estar à altura das responsabilidades que lhes foram atribuídas e que deveriam constituir o foco da sua atividade municipal. A atitude dos vereadores e deputados eleitos da bancada do PS revela uma falta de cultura democrática preocupante e que não se coaduna com as responsabilidades de um órgão como a Assembleia Municipal, que deve ser um espaço de diálogo sobre assuntos fundamentais para o concelho. O PSD não se revê neste tipo de comportamento e espera que os seus responsáveis se retratem desta postura indigna e insultuosa para com os oliveirenses, que lhes confiaram os seus votos, e que possam dar à Assembleia Municipal e ao município o devido contributo. O PSD de Oliveira de Azeméis manter-se-á empenhado em trabalhar para melhorar o nosso concelho e a qualidade de vida de todos os oliveirenses. A Comissão Política Concelhia do Partido Social Democrata de Oliveira de Azeméis”

Terça-feira, 04 de março de 2014

05

>Nota de imprensa da comissão política concelhia do PS

Tomada de posição dos autarcas do PS na última Assembleia Municipal “Na sequência dos acontecimentos ocorridos durante a última Assembleia Municipal, a comissão política concelhia do Partido Socialista pretende esclarecer todos os oliveirenses acerca das motivações que levaram os vereadores do órgão executivo e os deputados municipais eleitos pelo PS a suspender a sua presença nos trabalhos. 1) Na sessão da Assembleia Municipal de 27 de dezembro de 2013, o PSD submeteu à discussão um voto de repúdio por todas e quaisquer ações atentatórias da dignidade e do bom nome dos órgãos autárquicos de Oliveira de Azeméis, tendo o mesmo sido aprovado por unanimidade; 2) No final dessa mesma reunião, o presidente da Assembleia Municipal, Jorge Oliveira e Silva, permitiu que fosse levada a efeito uma intervenção que visou criticar a atuação dos deputados municipais eleitos pelo PS no exercício das suas funções; 3) Este facto, além de contrariar o espírito do voto anteriormente aprovado, violou o expresso no n.º4 do artigo 49 da Lei n.º 75/2013 que, relativamente às sessões e reuniões dos órgãos das autarquias locais, refere: “A nenhum cidadão é permitido intrometer-se nas discussões, aplaudir ou reprovar as opiniões emitidas, as votações feitas ou as deliberações tomadas”; 4) Na última sessão da Assembleia Municipal, durante o período ‘antes da ordem do dia’, o deputado municipal Carlos Afonso criticou a forma como o presidente da Assembleia conduziu este processo e questionou-o acerca da gravidade de, desde há 10 meses, continuar a adiar a aprovação das atas das reuniões deste órgão, incluindo as atas das últimas sessões do anterior mandato; 5) Na sequência desta intervenção e após a resposta dada pelo presidente da Assembleia, o presidente da Câmara Municipal, Hermínio Loureiro, resolveu também tecer um conjunto de críticas à intervenção do deputado, referindose a matérias para as quais não tinha sido questionado e, usando e abusando do tempo de intervenção, ultrapassou claramente os limites da sua ação perante o órgão que o fiscaliza, sem que o presidente da Assembleia Municipal lhe impusesse qualquer moderação, como seria de esperar. Face à reiterada falta de imparcialidade que o presidente da Assembleia Municipal tem vindo a manifestar para com as intervenções de Hermínio Loureiro, o qual teima em fazer deste órgão um palco para fazer ‘chicana política’ inútil e improdutiva, sem qualquer moderação por parte de quem tem o dever de fazer cumprir com isenção as regras de funcionamento, os eleitos do Partido Socialista entenderam que não deveriam permanecer numa reunião conduzida sem a dignidade e a competência que o órgão exige e os oliveirenses merecem. Com este ato, pretenderam demonstrar de forma inequívoca que em nome do Partido Socialista se recusam a pactuar com ações que subvertem todas as regras inerentes ao exercício da democracia e, sobretudo, que exigem ao atual presidente da Assembleia Municipal que abandone a sua postura de demagogia política e seja coerente com o espírito das afirmações que proferiu aquando da tomada de posse: “É tempo de darmos as mãos e, em conjunto, defendermos os interesses da nossa terra e dos nossos concidadãos. Saibamos fazê-lo, apesar das diferenças que felizmente existem, com elevação e urbanidade, e, sempre mas sempre, com elevado espírito de cidadania e enorme responsabilidade. O presidente da Comissão Política Concelhia do PS, Joaquim Jorge” PUB


06

Terça-feira, 04 de março de 2014

CONCELHO

> UM DE 75 MIL EUROS AO CENTRO DE LÍNGUAS E UM OUTRO DE 45 MIL À ACADEMIA DE MÚSICA

Atribuição de subsídios “divide” Câmara Municipal Não é que a oposição esteja “contra o ensino de línguas e de música”, mas considera necessária uma reflexão sobre “se aquilo que [o CLOA e a AMOA] custam em termos de erário público se justifica”. Já a maioria, liderada por Hermínio Loureiro, tem “a certeza” que, se os papéis políticos se invertessem, os socialistas não poriam em causa a gestão das duas instituições. GISÉLIA NUNES

Na reunião pública da Câmara de 20 de fevereiro, tanto o Centro de Línguas de Oliveira de Azeméis (CLOA) como a Academia de Música oliveirense (AMOA) ‘vieram à baila’, respetivamente, nos pontos 06 e 07 da ordem do dia, tendo ambos os assuntos ‘dividido’ o executivo municipal. Em cima da mesa de trabalhos, para serem discutidas e, depois votadas, estavam duas minutas de protocolos de colaboração – um a celebrar com o CLOA (aprovado com o voto de qualidade do presidente da Câmara e os votos contra do PS) e o outro com a AMOA (aprovado pela maioria com a abstenção do PS), instituições de ensino cujos número de alunos e oferta educativa têm vindo a crescer, de acordo com a sua presidente da direção, vereadora Gracinda Leal. E isto porque, à semelhança

“40 mil euros é um custo social suficiente para esta estrutura”, daí que, no passado, “já votei a favor de dois subsídios quando estes apontavam” para este segundo valor.

Os subsídios camarários atribuídos, não só à Academia de Música, mas também ao Centro de Línguas (na foto), continuam a não gerar consenso entre a maioria e a oposição

de outros anos letivos, também neste em curso há já alguns meses, quer o CLOA, quer a AMOA solicitaram à autarquia – aquando do envio dos seus planos de atividades e orçamentos para 2013/2014 - a atribuição de um subsídio: Um de 75 mil euros no caso do CLOA e um outro de 45 mil no que toca à AMOA, os dois para “apoio ao desenvolvimento de atividades e projetos”. Até aqui tudo bem, não fosse a vereação do PS, na pessoa de Joaquim Jorge Ferreira, a afirmar que “isto é tudo menos uma gestão rigorosa e competente” e, por isso mesmo, a defender que “devemos refletir se aquilo que [o CLOA e a AMOA] custam em termos de erário público se justifica”. O socialista deixou bem claro que “não estamos contra o ensino de línguas e de música”, contudo, “somos coerentes em dizer que deve haver uma reflexão séria sobre os dinheiros públicos”. PS diz que subsídio do CLOA é para pagar “dívidas” Esta reação de Joaquim Jorge Ferreira - que é de opinião que “faria sentido que, através de uma auditoria externa,

tentássemos perceber se os dinheiros públicos estão a ser bem aplicados ou não” - surgiu na sequência da intervenção de Gracinda Leal, segundo a qual o CLOA ainda não alcançou “a autonomia”, no entanto está a trabalhar para isso. Aliás, no entender da autarca, “em dois anos, não sei o que se podia fazer mais para melhorar a receita”, sendo que “o problema está apenas no facto de só termos receita durante dez meses, mas termos de pagar 14 meses aos funcionários”. E mais: Em resposta a Hélder Simões, que disse que estes 35 mil euros acima do montante que já foi concedido em outros anos letivos (40 mil euros) “é o diferencial do valor das dívidas à Segurança Social e ao Fisco”, Gracinda Leal assegurou que, “para pagar [as tais dívidas], o CLOA gera rendimentos suficientes e ainda sobra dinheiro”. Quanto “ao nosso compromisso com as Finanças”, “já não existe (…). Foi-nos concedido o perdão fiscal”, informou a responsável política. De salientar que Ana de Jesus (PS) referiu, igualmente, que “os 35 mil euros são para pagar dívidas”. Na sua ótica,

“Vamos continuar a apoiar o Centro de Línguas” Para o edil oliveirense, que já percebeu que “esta é uma matéria que nos divide” e pela qual “estamos a ser, permanentemente, atacados”, o CLOA “é um investimento, um instrumento” essencial para a competitividade deste concelho que tem uma vocação exportadora, do qual garante que não vai abdicar. “Vamos continuar a apoiar o Centro de Línguas”, garantiu Hermínio Loureiro, que, na ocasião, disse ainda ter “a certeza que se [Joaquim Jorge Ferreira] estivesse deste lado não teria a coragem de encerrar” o CLOA. Hermínio Loureiro até chegou a convidar Joaquim Jorge Ferreira a estar presente na cerimónia da entrega dos diplomas aos alunos do CLOA, para que este ficasse com uma ideia real do trabalho que lá se desenvolve. Mas nem o seu ‘adversário político’, nem outro vereador do mesmo partido político (PS) marcaram presença na Biblioteca Municipal Ferreira de Castro, na noite de sexta-feira transata. Note-se que, depois desta sessão, os dois documentos foram encaminhados para a Assembleia Municipal, no seio da qual, na última quinta-feira, também se dividiram as opiniões, levando o líder desse órgão, Jorge de Oliveira e Silva, a votar contra a comparticipação financeira do CLOA, por parte da edilidade, que Gracinda Leal considera ser “essencial” (ver texto secundário nesta página).

> NO CONCELHO DE OLIVEIRA DE OLIVEIRA DE AZEMÉIS

Água passa a ser distribuída pela Indaqua A distribuição da água no concelho de Oliveira de Azeméis é, desde este último sábado, responsabilidade da empresa Indaqua, no âmbito de uma concessão que - segundo nota informativa da Lusa e conforme o nosso semanário divulgou oportunamente - a autarquia considera ser a melhor forma de garantir os 60 milhões de euros necessários para uma cobertura de 90% no concelho. Ainda de acordo com a agência de notícias nacional, esta concessão abrange, por um prazo de 30 anos, os serviços de água e saneamento e implicará algumas alterações nos tarifários em vigor, entre as quais um aumento de preço nos escalões de consumo mais baixos e uma descida nos clientes empresariais e industriais. Em declarações à Lusa, Hermínio Loureiro, presidente da Câmara Municipal, garantiu que esta é a solução para “recuperar o tempo perdido e os atrasos na implementação das redes de água e saneamento, com o objetivo de, em seis anos, se atingirem os 90% de cobertura que são meta do PEAASAR [Plano Estratégico de Abastecimento de Água e de Saneamento de Águas Residuais]”. A título de curiosidade, a Indaqua Oliveira de Azeméis - Gestão de Águas de Oliveira de Azeméis, S.A. (serviços administrativos) está situada no piso 01 do edifício Rainha, em pleno centro da cidade. É a este local que, daqui para a frente, os clientes devem dirigir-se para tratar de quaisquer assuntos relacionados com a água e/ou saneamento.

> CENTRO DE LÍNGUAS DE OLIVEIRA DE AZEMÉIS

Presidente da AM vota contra protocolo de colaboração O protocolo de colaboração a celebrar com o Centro de Línguas chegou à Assembleia Municipal (AM), na passada quinta-feira. Uma matéria que gerou algumas opiniões díspares – entre os que defendem esta entidade como um ‘serviço/

custo social’ e aqueles que lhe apontam um rumo de ‘necessária de autosustentabilidade’ –, tal como daremos a conhecer em próxima edição. De entre estes últimos, de destacar a intervenção de Pinto Moreira (CDS-PP), que foi elogiada por elementos

de outros partidos, nomeadamente pelo próprio presidente da mesa, Jorge Oliveira e Silva, que acabou por fazer a diferença ao ser o único social-democrata a votar contra esta proposta da Câmara Municipal. Não obstante os votos contra

dos presidentes de Junta eleitos pelo PS (os restantes elementos da bancada já se tinham retirado – ver pág. 04), de dois do CDS-PP e de um do PSD (presidente da AM, como já referimos), este protocolo acabou por passar no órgão deliberativo

municipal com 16 votos favoráveis do PSD e um do autarca independente de Cesar (eleito com o apoio da Social-Democracia concelhia). De reter que se registou ainda a abstenção do autarca de Fajões. ANGELA AMORIM


CONCELHO > FLÁVIO CAPULETO NATURAL DE S. ROQUE LANÇA NOVO LIVRO

> MESA DO CONGRESSO DO PARTIDO SOCIAL DEMOCRATA

‘Inferno no Vaticano’ é já ‘best-seller’ O livro ‘Inferno no Vaticano’ chegou aos escaparates das livrarias no passado dia 22 de janeiro e entrou, de imediato, para o top nacional de vendas. Trata-se de mais um romance de Flávio Capuleto, pseudónimo de Flávio Luís de Jesus Costa, que nasceu na freguesia de S. Roque, no ano de 1942.

‘Inferno no Vaticano’ dedicado ao Papa Francisco ‘Inferno no Vaticano’ é um livro que foi lançado em janeiro e que, de imediato, se tornou num ‘best-seller’, atingindo o top nacional de vendas. Já em segunda edição, neste momento, encontra-se na segunda posição no top da Bertrand, que é ‘apenas’ a maior cadeia de livrarias do país. A obra junta os melhores ‘ingredientes’ e ecoa muitas

Hermínio Loureiro é vicepresidente ‘Inferno no Vaticano’ será apresentado em S. Roque (dia 15 março) e em Oliveira de Azeméis (12 de abril)

ANGELA AMORIM

“Há um morto nas catacumbas do Vaticano. Francesco Barocci, curador do Tesouro, é encontrado sem vida na Sala das Relíquias. Foi assassinado: Chuparamlhe o sangue. Há bispos e cardeais em pânico. Um português, o inspector Luís Borges, e uma simbologista, a escaldante Valeria Del Bosque, encarregam-se da investigação. Um tesouro que todos conhecem e todos querem esconder, uma conspiração que ameaça o Papa, uma sociedade secreta que semeia as igrejas de cadáveres. São estes os mistérios que o inspector e a simbologista têm de decifrar. Uma batalha cruel, florentina, com mais ouro e sexo do que incenso e mirra”. Este é apenas um ‘cheirinho’, para ‘aguçar o apetite’ e a curiosidade da nova obra literária do escritor Flávio Capuleto, atualmente, a residir em Santa Maria da Feira.

07

Terça-feira, 04 de março de 2014

> APRESENTAÇÃO EM S. ROQUE DIA 15 MARÇO E NA CIDADE DE OLIVEIRA DE AZEMÉIS 12 DE ABRIL

‘Inferno no Vaticano’ chega até nós O livro de Flávio Capuleto tem já agendadas duas apresentações públicas para o nosso concelho. A primeira tem lugar na terra-natal do escritor, freguesia de S. Roque. Será já no dia 15 do corrente pelas 15h30 no auditório da autarquia local. Cerca de um mês depois, isto é a 12 de abril, à mesma hora, ‘Inferno no Vaticano’ é dado a conhecer ao público na Biblioteca Municipal Ferreira de Castro, na cidade Flávio Capuleto, de Oliveira de Azeméis. o autor do livro Outras ações do género estão marcadas para Aveiro, Coimbra, entre outras localidades. A projeção do romance e do seu autor tem sido excecional, quer em eventos públicos, quer através dos diversos órgãos de comunicação social regionais e nacionais (imprensa e audiovisuais).

das tensões que têm atravessado o Vaticano nos últimos anos. Neste romance, considerado “chocante, atrevido e erótico”, o autor – natural do nosso concelho, mais precisamente de S. Roque – levanta questões importantes, no que se refere à postura da Igreja e dos seus representantes. Sem medo das palavras nem de ‘pôr o dedo na ferida’, Flávio Capuleto não esconde a admiração pelo Papa Francisco, a quem dedica este seu livro, que, aliás, fez questão de enviar diretamente ao chefe supremo da Igreja Católica. “Ser escritor foi o sonho da minha vida. Realizei-o agora, quando este mundo de consumo, que despreza os mais idosos, parece dizer-nos que já não temos direito a sonho algum. É nesse sonho, de um homem de 71 anos, em que continuo a acreditar, que eu venho partilhar com Vossa Santidade. Com o meu Papa, meu irmão em Cristo, a quem dedico este livro. Dedicar a Vossa Santidade este livro é o mais emotivo e o mais belo acto de toda a minha vida”, lê-se num excerto da carta que o escritor enviou para o Vaticano dirigida ao Papa. Há dois anos sensivelmente (edição de 23 de fevereiro 2012), em entrevista ao Correio de Azeméis – a propósito do lançamento do seu anterior livro, ‘No calor dos trópicos’ -, Flávio Luís de Jesus Costa (‘Flávio Capuleto’) admitiu-nos que “todo o ser humano, que acredita com toda a força da alma, tem sempre possibilidades de alcançar os seus sonhos. No último encontro que tive, em Lisboa, com a minha editora, disse-lhe, meio a sério, meio a brincar, que gostaria de um dia chegar ‘lá cima’”... o que é um facto: Flávio Capuleto, já ‘lá’ chegou!

Hermínio Loureiro foi eleito vice-presidente da Mesa do Congresso do PSD, acompanhado – nas mesmas funções – por Fernando Costa. Já Fernando Ruas, ex-presidente da Câmara Municipal de Viseu, foi reeleito para a presidência desse órgão, numa lista que obteve 684 votos a favor. Duarte Pacheco, Isaura Morais, Domingos Dias e Anabela Anjos são os secretários. Participaram na votação 773 congressistas, o que dá uma votação favorável à Mesa do Congresso de 88,5% dos votos, uma percentagem semelhante à do congresso de há dois anos, quando conseguiu 89%. O resultado desta eleição foi anunciado pelo presidente do Conselho de Jurisdição, Calvão da Silva, no XXXV Congresso do partido, que decorreu, recentemente, em Lisboa. > 24.º ALMOÇO DA ASSOCIAÇÃO

‘Rogérios de Portugal’ convivem em Azeméis O almoço deste ano da Associação ‘Rogérios de Portugal’ realiza-se em Oliveira de Azeméis no dia 09 de março. A concentração para esta 24.ª edição do convívio está marcada para o parque de La Salette, pelas 10h30. Faça a sua inscrição pelo telemóvel n.º 914 265 037 (Rogério Silva, Mafra)


08

Terça-feira, 04 de março de 2014

CONCELHO

> PROJETO DE “CERCA DE 80 MIL EUROS” ATRAVESSOU TRÊS MANDATOS ROTÁRIOS

Mónica já recebeu as chaves da sua nova casa Num domingo em que o sol brilhou como há muito não se via e em que o Rotary International completava 109 anos de atividade, o Rotary Club inaugurou a nova casa da sua bolseira Mónica Pereira e festejou o seu 35.º aniversário. Para os lados de Palmaz houve festa com direito a foguetes e tudo.

Mónica Pereira cortou a fita simbólica da inauguração da sua nova casa

maiores a nível nacional, tendo atravessado três mandatos: Ano Iluminado por um sol como rotário 2011/2012 - presidente já não se via há muito, 23 de fe- Marco Azevedo; 2012/2013 vereiro de 2014 foi duplamente João Xará; e 2013/2014 - Adílio festivo para o Rotary Club de Bastos Pinto. Oliveira de Azeméis (RCOA). É que, no mesmo dia em que o Gratidão para com clube de serviço oliveirense co- todos que ajudaram memorou 35 anos de atividade Marco Azevedo, João Xará e o Rotary International 109 e Adílio Bastos Pinto (este (ver página seguinte), Móni- ainda em funções) foram “os ca Pereira - bolseira do RCOA três capitães” de um grupo de desde o 10.º ano e que, neste trabalho liderado por Manuel momento, frequenta o 3.º ano Bastos Pinto, que, no entender de Psicologia – recebeu, junta- deste, “sempre souberam inmente com os pais, as chaves terpretar no terreno as necesda sua nova casa, como, aliás, o sidades da equipa na concreCA havia anunciado oportuna- tização desta obra”. mente. Depois de fazer um agraChega, assim, ao fim, ou decimento público não só aos melhor quase ao fim - porque dois past-presidentes e a Adílio ainda falta inaugurar o memo- Bastos Pinto, mas também aos rial (ver caixa) – aquele que, até restantes ‘companheiros’, que ao momento, é o maior projeto formaram este “coletivo forte”, individual do RCOA e um dos o diretor de protocolo fez “uma GISÉLIA NUNES

confidência”: “Nunca pensei que este projeto [que contou com a Câmara como parceira] ficasse tão dispendioso”. Sim, porque, contas feitas por alto, além da oferta de mão de obra, “em donativos em dinheiro, em materiais, em equipamentos e mobiliário, e em utilidades domésticas”, “estão aqui investidos cerca de 80.000 euros”, informou. Segundo Manuel Bastos Pinto, cuja intervenção foi posterior à ‘saudação às bandeiras’, “dezenas de empresas e personalidades foram sensíveis aos nossos apelos, dando-nos o seu donativo”; “centenas de pessoas participaram nos eventos de angariação de fundos por nós realizados”; “milhares de pessoas participaram no ‘Jogo das Estrelas’ que opôs os amigos de Hermínio Loureiro aos amigos do Pedro Miguel, e

que trouxe ao Estádio Carlos Osório grandes figuras do desporto, comunicação, mundo empresarial e moda”. O membro do RCOA ainda fez questão de referir as instituições rotárias que, de igual modo, “deram a sua contribuição financeira”. A saber: O Rotary, “com mais de 5.000 euros das suas poupanças”; a Casa da Amizade, “com 1.000 euros e que prescindiu das receitas de diversas parcerias de angariação de fundos”; o Rotaract, com 500 euros; a Fundação Rotária Portuguesa, “com 2.216 euros, através de um projeto de apoio aos clubes a que nos candidatámos”; e “os nossos sócios honorários, que fizeram questão de ajudar com donativos em numerário, oferta de equipamentos, roupas e até prestação de serviços”. Nesta cerimónia que teve lugar na Raposeira, em Palmaz, e que até direito a foguetes teve – estes para assinalar o corte da fita e a entrada de Mónica Pereira na habitação -, intervieram ainda Marco Azevedo, João Xará, Adílio Bastos Pinto, Mónica Pereira, Pedro Marques, Álvaro Gomes e Simões Pinto – os três últimos, respetivamente, o vereador da autarquia, o representante da Fundação Rotária Portuguesa e o governador assistente do Distrito Rotário 1960. Nota, de igual modo, para a bênção do imóvel pelo pároco palmacense, Padre António Santiago.

> ROTARY PEDE À CÂMARA PARA LHE DISPONIBILIZAR ESPAÇO NO CENTRO DA CIDADE

Atual sede é tida como local “demasiado soturno e assustador” Por se encontrar no XXXV Congresso Nacional do PSD, que decorreu, durante esse fim de semana, em Lisboa, o líder da autarquia não pôde estar presente nesta cerimónia, contudo, fez-se representar por Pedro Marques. Vereador a quem o RCOA, na pessoa de Manuel Bastos Pinto, dirigiu uma mensagem, pedindo-lhe que, mais tarde, a transmitisse a Hermínio Loureiro. A Pedro Marques, o diretor de protocolo disse que “está na hora da Câmara nos disponibilizar o espaço que lhe pedimos”. “Verifiquem as alternativas que lhes propusemos e, por favor, decidam pela

positiva”, apelou, uma vez que -“onde estamos atualmente [estalagem S. Miguel], não podemos desenvolver todas as capacidades que temos e colocá-las ao serviço da comunidade”. “Como reunimos à noite, o local atual é demasiado soturno e assustador, principalmente, para as senhoras que já representam um terço do nosso quadro social”, acrescentou.

Rotários oliveirenses dispostos a fazer obras Segundo Manuel Bastos Pinto, “melhor que deixar degradar os edifícios públicos é permitir às associações que os recuperem

e aí desempenhem atividades em prol das comunidades”. E, no que diz respeito a isso, depois de, com a ajuda de pessoas que já se mostraram disponíveis para contribuir monetariamente “repor as nossas reservas [15.000 euros]” que emprestaram ao projeto ‘Casa da Mónica’, os rotários preveem alocar as suas poupanças “às obras de uma eventual adaptação do espaço que nos cederem”.

“Se há instituição que merece ser reconhecida é o Rotary” Pedro Marques não só garantiu que iria fazer chegar o ‘recado’ a Hermínio Loureiro, como deu

a entender que este pedido não estará longe de ser acedido. “Se há instituição que merece ser reconhecida é o Rotary”, assegurou o autarca, acrescentando que a edilidade, nomeadamente a divisão de Ação Social, “estará sempre ao lado de iniciativas” como esta, que servem “de exemplo não só a Portugal, mas também ao resto do mundo”. Aliás, em seu entender, “[o município] dependemos da qualidade dos nossos munícipes e instituições”. Para o vereador, aquilo a que, naquele momento, estava a ter era “uma visão magnífica do que é a humanidade”, huma-

> TODOS OS QUE CONTRIBUÍREM COM 100€ OU MAIS TERÃO NOME INSCRITO

Memorial para 28 de junho “Apesar de todas as contas estarem já saldadas, temos ainda um buraco de 15.000 euros, que foi suprido recorrendo aos fundos que o clube granjeou nos últimos anos e que estavam reservados para a obtenção de uma sede própria”, disse, no passado dia 23 de fevereiro, Manuel Bastos Pinto. O diretor de protocolo do Rotary voltou a focar a necessidade do clube de serviço “ter de ir à procura de mais ajuda para repor a situação”, sendo o memorial “a ferramenta que utilizaremos para tal”. Segundo aquele que é conhecido como “alma mater” e “pai” deste projeto, “há uma promessa 5.000 euros, pelo que só nos faltam mais 10.000”. “Como sabem - prosseguiu -, existe o compromisso de inscrever no memorial todas as empresas e pessoas que contribuam para o projeto com uma oferta igual ou superior a cem euros”, sendo certo que, “se nos ajudarem, será possível inaugurá-lo a 28 de junho, passados dois anos sobre o lançamento da pedra fundamental em que muitos de vós tivestes a oportunidade de inscrever o vosso nome”. Quem responder a este apelo, através de um donativo, ajudará “não só a saldar esta casa”, como “estará a apoiar a conseguirmos ter uma sede própria”. Os interessados em apoiar podem fazê-lo através do NIB 0035055800062084430-97. Serão emitidos recibos de donativos para todas as verbas . Mais informações através dos telemóveis n.ºs 919 976 309 ou 963 174 152 ou email rotaryoaz@hotmail.com. nidade que permitiu acabar com “as condições inimagináveis em que esta família vivia” e dar-lhe uma habitação digna. N.R.: Note-se que, de acordo com o que o Correio de Azeméis conseguiu apurar, já à margem das comemorações do passado dia 23 de fevereiro, o RCOA tem em vista alguns espaços situados no centro da cidade para onde poderá vir a mudar-se caso a edilidade responda positivamente ao seu apelo. Mas quando questionado sobre a localização geográfica de uma eventual nova sede, Manuel Bastos Pinto optou por não se pronunciar.


CONCELHO

Sérgio Figueiredo Martins (no púlpito) fez a evocação dos 35.º e 109.º aniversários do RCOA e do RI, respetivamente

09

Terça-feira, 04 de março de 2014

O corte do bolo coube a José Azevedo Tavares, único sócio fundador que ainda faz parte do RCOA, e a António Couto, líder do ‘clube padrinho’ de Estarreja

A Escola de Samba ‘Renascer’ , de Pindelo, ‘abriu o apetite’ para o Carnaval 2014

> “UM CLUBE É TANTO MAIS IMPORTANTE QUANTO O FOR O SEU QUADRO SOCIAL”

Sócios fundadores do RCOA evocados em dia de aniversário Em Palmaz não houve mesmo falta de motivos para celebrar. Além de, no domingo 23 de fevereiro, ter sido inaugurada da nova casa de Mónica Pereira, foram também comemorados os aniversários do Rotary Club de Oliveira de Azeméis e do Rotary International.

anos do Rotary Club de Oliveira de Azeméis (RCOA) e do Rotary International (RI), respetivamente, à qual não faltaram bolo e espumante. Nota ainda para o facto de também naquele dia João Xará, past presidente do RCOA, estar a celebrar mais um aniversário e, por isso, também, tal como os outros dois ‘aniversariantes’, ter direito a ouvir ‘os parabéns a você’. Voltando a Sérgio Figueiredo Martins, o mais recente membro do RCOA foi convidado pelo ‘seu’ presidente, Adílio Bastos Pinto, a fazer a evocação dos 35 anos do clube de serviço roGISÉLIA NUNES tário, em relação ao qual, apesar da sua ainda curta permanência Depois de um ‘cheirinho’ a no seio do grupo de líderes proCarnaval, dado pela Escola fissionais, já “pude constatar a de Samba ‘Renascer’ (Pinde- riqueza da sua ação em prol da lo) – não fosse aquele ‘domin- comunidade, em particular, e go magro’ -, Sérgio Figueiredo do movimento rotário, em geMartins tornou-se o centro das ral”. atenções de todos aqueles que Aliás, Sérgio Figueiredo ficaram para a segunda parte Martins disse-se “satisfeito do programa. Desta constou por ingressar no clube num a comemoração dos 35 e 109 momento de grande pujança”,

> POR TODOS OS MEMBROS JÁ FALECIDOS

Rotary Club guardou um minuto de silêncio “Neste momento importante da vida do Rotary Club de Oliveira de Azeméis”, houve lugar ainda a um minuto de silêncio em memória de todos os sócios que, ao longo destes 35 anos, “tombaram devido à lei inexorável da vida”. A saber: Adílio Gonçalves da Costa; Álvaro Figueiredo; António Almeida e Costa; António Santos Martins; António Carvalho Lima; Jorge Pinto; José Calejo; José Luís Pereira da Silva; José Pereira da Silva; José Pinheiro Paixão; José Soares Pinto; Júlio Mateiro; Manuel Silva Lopes; Osvaldo Ferreira Pinto; Pedro Figueiredo; e Ruy Beleza Gomes.

sendo, na sua ótica, a inauguração da casa de Mónica Pereira e de seus pais “o culminar de grandes feitos ao longo deste percurso de 35 anos”. “Um clube é tanto mais importante quanto o for o seu quadro social”, prosseguiu, deixando, de seguida, um “testemunho de gratidão” aos sócios fundadores que, a 23 de fevereiro de 1978, “com o país ainda a viver a ressaca dos momentos conturbados que se seguiram à Revolução, ousaram ter a coragem de fundar o Rotary Club de Oliveira de Azeméis”. Foram eles: Albertino Bastos; Amândio Amílcar Ferreira; Ângelo da Silva Azevedo; António Almeida e Costa; António Monteiro de Freitas; António Teixeira Araújo; António Carvalho Lima; Armindo Pinho e Silva; Francisco Paiva Bastos; Gonçalo Almeida Ferreira; João Dantas Martins; Joaquim Nadais; Jorge Onofre Pereira; José Oliveira Catalão; José Lopes da Silva; José Azevedo Tavares; José Carlos Osório; José Soares

da Costa; José Pereira da Silva; José Soares Pinto; Licínio Vieira Dias; Osvaldo Ferreira Pinto; e Ruy Beleza Gomes. Evocação do 109.º aniversário do RI Passados 109 anos desde que o Rotary International foi iniciado por Paul Harris (advogado), Silvester Schiele (negociante de carvão), Gustavus Loehr (engenheiro de minas) e Hiram Shorey (gráfico), hoje, “fazem parte deste movimento mais de 1.200.000 rotários, integrando mais de 34.000 clubes, espalhados por mais de 200 países ou regiões geográficas do mundo inteiro”. Além de fazer referência a quem esteve por detrás da criação deste movimento mundial, Sérgio Figueiredo Martins falou ainda da “erradicação da Pólio Plus, uma luta que está prestes a ser ganha”, como exemplo de uma das ações do RI “para atestar toda a sua grandeza”.

> ERA O RESPONSÁVEL PELA DIOCESE DE AVEIRO DESDE 2006

D. António Francisco dos Santos é o novo Bispo do Porto No passado dia 21 de fevereiro, D. António Francisco dos Santos, de 65 anos, foi nomeado, pelo Papa Francisco, Bispo do Porto, sucedendo, assim, a D. Manuel Clemente, que, desde o ano transato, é o patriarca de Lisboa. O novo responsável pela Diocese do Porto, que, durante estes últimos quase oito anos, foi Bispo de Aveiro, anunciou – em D. António Francisco dos texto enviado à Agência EccleSantos sia - o desejo de uma particular “presença junto dos doentes, dos pobres e dos que sofrem” mundo melhor”. para procurar fazer um “cami“Quero ser apóstolo das nho de bondade e de esperan- Bem-Aventuranças nestes ça na busca comum de um tempos difíceis que vivemos”,

disse ainda, segundo o mesmo documento. Nesta que é a diocese mais populosa da Igreja Católica em Portugal, com mais de dois milhões de habitantes e uma área de 3010 km2 que engloba 26 concelhos, inclusive o de Oliveira de Azeméis, D. António Francisco dos Santos vai contar, como bispos auxiliares, com D. Pio Alves, atual administrador apostólico, D. António Bessa Taipa e D. João Lavrador. A data da sua entrada solene na diocese nortenha, na Catedral do Porto, “será indicada proximamente”.

Quem é D. António Francisco dos Santos? Natural de Tendais, concelho de Cinfães (Diocese de Lamego), D. António Francisco dos Santos foi ordenado padre em dezembro de 1972. Após os estudos no seminário da sua diocese, licenciou-se em Filosofia na ‘École Pratique de Hautes Études Sociales’, com mestrado no Instituto Católico de Paris, onde obteve ainda o diploma de Sociologia Religiosa. Aquando da sua formação académica na capital francesa, foi membro da equipa sacerdotal da Paróquia de São João Baptista de Neuilly-sur-Seine,

assumindo a responsabilidade pastoral da comunidade portuguesa. Em dezembro de 2004, João Paulo II nomeou-o auxiliar de Braga e entretanto, em março de 2005, foi ordenado bispo na Sé de Lamego. Entretanto, em setembro de 2006, D. António Francisco dos Santos foi indicado Bispo de Aveiro, por Bento XVI, tendo tomado posse a 08 de dezembro do mesmo ano. Na Conferência Episcopal Portuguesa, ocupa o cargo de vogal do Conselho Permanente e preside à Comissão Episcopal da Educação Cristã e Doutrina da Fé.


10

CONCELHO

Terça-feira, 04 de março de 2014

> REPRESENTAÇÃO NO EVENTO QUE DECORREU NA EXPONOR FOI APOIADA PELA ADRITEM

Produtos de Terras de Santa Maria no ‘HORTA COMIGO’ O ‘HORTA COMIGO – Evento de HortasJardins e Produtos Naturais’, que decorreu entre 13 e 23 de fevereiro, na Exponor, em Matosinhos, contou com a participação da Associação de Desenvolvimento Rural Integrado das Terras de Santa Maria. Com esta participação da Associação de Desenvolvimento Rural Integrado das Terras de Santa Maria (ADRITEM) no ‘HORTA COMIGO – Evento de Hortas-Jardins e Produtos Naturais’ “quisemos dar visibi-

A ADRITEM marcou presença no ‘Horta Comigo - Evento de Hortas-Jardins e Produtos Naturais’

lidade a alguns dos produtos oriundos do nosso território, reforçando a promoção e o desenvolvimento de micronegócios”, diz Teresa Pouzada, em nota de imprensa remetida à nossa redação. “A nossa ação passa também

por acolher e apoiar microprodutores que, de outra forma, não têm estrutura para promover e comercializar os seus produtos. E estas oportunidades não podem ser descuradas”, sublinha ainda a coordenadora da ADRITEM.

Também através deste comunicado, a responsável agradece o convite da organização e a todos quantos se envolveram, “num esforço conjunto que enriqueceu o certame e demonstrou, uma vez mais, que a região que servimos tem muito para oferecer”. Organizado pela Exponor - Feira Internacional do Porto, o ‘HORTA COMIGO – Evento de Hortas-Jardins e Produtos Naturais’ colocou em destaque soluções e serviços, troca de experiências, workshops, demonstrações, passatempos e a horta-jardim ao vivo, numa altura em que se assiste a um crescente interesse das pessoas em praticarem - como ‘hobby’ - tarefas ligadas à terra e em produzirem alguns produtos para consumo próprio.

Expositores oliveirenses foram dos mais visitados Contando com o apoio logístico da Câmara de Santa Maria da Feira e da empresa municipal ‘Feira Viva’, o espaço da ADRITEM incluiu a presença de produtores do PROVE e de promotores das Terras de Santa Maria (Horta d’ Avó, Museu Vivo da Fogaça e Cerveja Vadia). O stand, muito visitado durante o certame, englobou uma instalação de hidroponia (técnica de cultivar plantas sem solo) - da responsabilidade das empresas Fopil e Gostas Frescas - e ainda uma mostra de produtos do projeto ‘Há Festa na Aldeia’, com a participação da Emotion Jardin (Horto), Biscoitos Valonguenses, Sabores aos Molhos, Flor de Cacau, Diálogos de Primavera, Francisca Henriques, pão de Ul e Barraca da Praia.

e tratamento de tubagens. No caso do reservatório de S. João de Ver foi efetuada a substituição total do revestimento interior, que garantirá a proteção da estrutura de betão armado e o aumento da longevidade da infraestrutura, através da aplicação de um produto certificado para estar em contato com água para consumo humano.

No seu conjunto, estes reservatórios têm uma capacidade de armazenamento de 14.350 m3 de água, que permitem garantir o abastecimento de água a milhares de pessoas, de acordo com press release enviado à nossa redação, que conclui tratar-se “de uma obra de extrema importância para a empresa”.

> ABASTECIMENTO À ZONA SUL DO GRANDE PORTO

AdDP reabilita reservatórios A Águas do Douro e Paiva substituiu, recentemente, o revestimento interior dos reservatórios de água localizados em Santa Maria da Feira. Esta empreitada permitirá garantir a qualidade da água que abastece àquele concelho, bem como a Arouca, Espinho, Oliveira de Azeméis e S. João da Madeira.

O valor do investimento da empreitada ‘Reabilitação do sistema de revestimento interior dos reservatórios de S. Vicente de Louredo, Milheirós de Poiares, S. João de Ver e Mozelos’, fixou-se em 83.804,86 euros, e foi executado em 57 dias, pela empresa Redecor – Revestimentos de Proteção e Decoração, S.A..

A empreitada incluiu a substituição das juntas dos reservatórios pré-fabricados localizados naquelas freguesias feirenses, o que permitiu anular os pontos de fuga de água que se tinham detetado, bem como a reparação pontual de zonas onde o revestimento interior desses reservatórios se encontravam danificado e, ainda, a pintura

> ASSINALADO PELA ACREDITAR NA ESTAÇÃO DO METRO DA TRINDADE PORTO

Dia Internacional da Criança com Cancro O Dia Internacional da Criança com Cancro foi assinalado pela Acreditar - Associação de Pais e Amigos de Crianças com Cancro, numa comemoração organizada no interior da Estação do Metro da Trindade, no Porto. Neste evento, para além dos responsáveis mais diretos da entidade promotora, participaram os ‘Barnabés’, que são jovens voluntários que já tiveram cancro e levam aos hospitais um ‘sorriso’, uma palavra de amizade e de esperança às crianças internadas, partilhando as suas experiências e proporcionando-lhes momentos de lazer - estes aproveitados

A Acreditar comemorou este dia com uma iniciativa no Metro da Trindade, na cidade do Porto

pelos respetivos pais para um curto intervalo na sua tarefa de estar junto de seus filhos 24 horas sobre 24 horas, durante várias semanas ou meses. Recorde-se que o Dia Internacional da Criança com Cancro é celebrado a 15 de fevereiro. A data visa ajudar todas as crianças vítimas de cancro a terem acesso a melhores tra-

tamentos e medicamentos, e, simultaneamente, ajudar as famílias e os amigos a enfrentarem a realidade e a melhor forma de como com ela lidar. Cancro infantil em Portugal Todos os anos são diagnosticados em Portugal 350 novos casos de cancro em crianças (ver também caixa ao lado. Os

especialistas defendem que o diagnóstico precoce é fundamental, permitindo salvar oito em cada dez crianças. Os tipos de cancros mais frequentes na infância são as leucemias, tumores do sistema nervoso central e linfomas. Todos os anos são diagnosticados 13.000 novos casos de cancro infantil (até aos 19 anos de idade) na Europa. A taxa de cura ronda os 75%, mas o cancro continua a ser a principal causa de morte nas crianças após um ano de vida. Portugal é o segundo país europeu e o terceiro no mundo com mais dadores de medula óssea por milhão de habitantes.

Sinais a ter em conta na deteção precoce do cancro infantil • Manchas brancas nos olhos • Estrabismo súbito • Cegueira • Febre inexplicável prolongada • Perda súbita de peso • Palidez • Fadiga • Sangramento fácil • Ossos doridos • Dores inexplicáveis nas articulações e costas • Fraturas fáceis • Mudança ou deterioração da caminhada equilíbrio ou no discurso • Inchaço na região da cabeça


opinião

Eutanásia: o pedido para morrer já é permitido às crianças… 1 - A partir do momento em que permitido matar ser humanos (saudáveis) “antes de nascer”, um dia haveria de chegar a lei que permitisse matar “depois de nascer”. E esse dia chegou! A Bélgica, por iniciativa parlamentar, aprovou, no passado dia 13 de Fevereiro (com os 86 votos a favor dos partidos socialista, liberal e ecologista, 44 contra dos democratas-cristãos e 12 abstenções) a lei da eutanásia sem limite de idade. A um menor de dezoito anos doente em estado terminal é-lhe dada a possibilidade legal para pedir eutanásia, isto é pedir para morrer. O mesmo é dizer, pedir para o matar. 2 - O que está em causa nesta lei, segundo o meu entendimento e de alguns especialistas, não se trata de eutanásia infantil, na medida em que a eutanásia, por definição, pressupõe, sempre, o pedido da própria pessoa para que a matem. Aqui, no que respeita às crianças, e são muitas nos hospitais pediátricos, não são elas que pedem para morrer – a experiência diz-nos isso –, mas sim os familiares, principalmente os pais ou os representantes legais. Logo, como se pode concluir, neste caso, significa que esta lei, ao ser aplicada, não é eutanásia, mas sim suicídio assistido que será mais infanticídio ou homicídio não a pedido da criança, mas sim de terceiros. 3 - Do ponto de vista jurídico esta lei é uma má lei. Atropela o direito fundamental que é o de garantir o conforto e o cuidado dos mais fragilizados; uma lei que, a entrar em vigor, envergonha a humanidade. Retomamos a monstruosidade do passado recente do século XX. Do ponto de vista ético é inaceitável, na medida em que, como no abortamento, a opção de viver ou não viver é sempre de terceiros, esquecendo um direito indelével que é o direito à vida. Ao nível do exercício médico é uma prática intolerável. Esta lei é ainda mais iníqua quando por detrás da legalização da eutanásia está, na opinião de alguns médicos (belgas), a questão política/económica - que é a de poupar dinheiro -, uma vez que é mais fácil e mais barato legalizar a eutanásia do que construir e implementar uma rede de cuidados paliativos. 4 - A morte é um acontecimento biológico inevitável, porque a vida está organizada com um programa natural finito, da qual a inteligência humana tem consciência. Por isso, a eutanásia nega o valor da vida e não deve ser aceite. Mas, do mesmo modo que a eutanásia não deve ser praticada, também a distanásia deve ser evitada. Isto é, o encarniçamento com os cuidados intensivos em fim de vida, já totalmente desproporcionados em relação aos benefícios que se pretendem obter, como se os médicos pretendessem negar a inevitabilidade da morte corporal, não é uma boa prática médica. Deixar morrer não é o mesmo que praticar a eutanásia. Deixar morrer é acompanhar e cuidar a pessoa doente, seja adulta ou criança, até ao fim da sua vida biológica, com total respeito e dignidade de quem está na derradeira etapa final da sua existência humana.

Terça-feira, 04 de março de 2014

11

Sinais de riqueza

Jorge Azevedo Carlos da Costa Gomes

Desde já quero declarar que não tenho qualquer conflito de interesses com a riqueza ou os sinais exteriores de riqueza. Até acho muito bem que as pessoas com esses sinais se devem tratar, antes que as finanças lhos diagnostiquem. Quando inventaram os ‘sinais exteriores de riqueza’, abaixo descritos apenas por ‘sinais’, vi logo que isto era mais um indicativo contra o direito, liberdade e garantias dos cidadãos, e, tal como a nossa liberdade não pode colidir com a liberdade do outro, os sinais não podem chocar com a pobreza do outro. Acho que está bem esclarecido e vou ter de me apressar, porque estou a aproximar-me rapidamente do fim do meu espaço que termina no ponto final. “Até nas flores se encontra a diferença da sorte: Umas enfeitam a vida, outras enfeitam a morte”, diz o adágio popular; até nos animais há os ricos e os pobres, estes sem nada para exteriorizarem senão a falta de tudo, os outros com o direito aos sinais. Aquela cadela ia sentada no ban-

co do pendura - para quem pouco sabe de automobilismo, no banco ao lado do condutor-, muito direitinha para a frente e atenta às manobras do condutor, quando se aproxima dum local onde estava uma mão-cheia de outros cães, com os seus donos, aguardando a chegada da vacina anual, para muitos deles a única vez que saem de junto da casota, a menos que partam o cadeado. Nos olhos da passageira estou convencido que vi como que um paralelismo humano, entre o que vai para o centro de saúde público e o que vai para a clínica privada; os seus olhos viram a humilhação de estar ali ao frio e ao vento, uma injeção dada a correr, ‘venha o próximo’, e ela a tomá-la na data certa, no seu posto de saúde com o médico de família, ar climatizado, chuveiro, cabeleireiro, perfumaria. Apesar desta riqueza, ainda se mantém a incompreensível proibição de entrar nos seus ‘hipermercados’, a escolher o seu alimento, como fazem os humanos. E ponto final!

A ‘lotaria’ das faturas

Manuel Martins

Há ideias estapafúrdicas, mas a mais recente só podia ser de alguém com vidência gratuita. “Se pedir fatura habilita-se, por sorteio, a ganhar um automóvel ‘topo de gama’”. Não quero fazer apreciações do ‘ser’ ou não ‘ser’ boa intenção de um governo desgovernado, não cair na tentação de pensar que o significado desta palavra pode ter a composição de vários sinónimos, como por exemplo desordem, desperdício, desregramento, esbanjamento, etc., etc.. Mas tenho por direito de manifestar o meu parecer sobre o assunto e afirmar que um governo que está a retirar regalias básicas, como por exemplo baixa ordenados, impostos sobre reformas de miséria, decreta um fundo de compensação salarial, vende património lucrativo, não investe em empresas lucrativas, faz reformas estruturais ruinosas, agora vem prometer aos portugueses prémios orçamentados em 192 mil euros por semana (833 mil por mês), é de pensar que tal governação está ‘sem norte’. Orçamento de Estado (OE) para 2014 apresenta, no seu art.º 228.º uma autorização legislativa, agora já aprovado por Decreto-Lei n.º 26-A/2014 de 17 de fevereiro, designada por “fatura da sorte”. Neste contexto titulei o OE para 2014 como ‘A montanha pariu um rato’, publicado recentemente neste semanário. Sendo do conhecimento da população que as promessas do senhor primeiro-ministro têm sido fictícias, por isso não levei muito a sério tal promessa, até porque - pelas minhas contas - os valores acima referidos são

equivalentes ao custo de 10 milhões de euros/ano, o que para equilibrar os mesmos a receita terá que ser igual ou superior, o que me parece ser mais um conto de fadas quando a informação, expressa no artigo 228.º do OE, afirma que a despesa dos prémios é suportada no próprio orçamento ou como abatimento à receita do IVA. Que me desculpem, os meus amigos leitores, pela sátira aplicada e, não brincando com coisas sérias, estou a imaginar determinada situação que possa surgir a qualquer ser humano, a utilização, por necessidades fisiológicas, ter que utilizar um WC público. Claro está que este deve estar, preferencialmente, equipado com todos os adereços, nomeadamente, alguma estética, asseio e higiene, como tudo isto tem os seus custos, ao pedirem a fatura não se distraiam, pois uma das condições necessárias para se habilitarem ao sorteio é a menção do número de contribuinte na fatura – recibo!!!!… Senhores governantes: A exigência da emissão de fatura é uma obrigação social de todos que acreditam num país de bem! Contrariamente e com decisões destas, tal atitude está a destruir a cultura de um sistema fiscal decente que se chama Portugal, ao mesmo tempo é transformar o mesmo num autêntico offshore em IRC. Senhores ministros: Não se pode impor uma obrigação de cidadania, mas antes ensinar, com exemplos vindos das cúpulas, o que representa para o povo os impostos que se pagam! Tomem como exemplo o caso da Suécia e dêem ao povo o que é do povo!


12

Terça-feira, 04 de março de 2014

Uma visão de futuro Acredito que não haja partidos perfeitos e que as suas virtudes e defeitos resultam da natureza e massa humana de quem os integra. Porém, sempre combati e procurei denunciar a incompetência e a mentira, assim como a hipocrisia e a arrogância de quem, sem princípios, usa títulos de doutor ou presidente para politicamente se impor aos demais. Esta frontalidade e o privilégio de ter contactado ao longo da minha vida pessoal e política com diversos responsáveis de todos os quadrantes partidários permitiu-me, digo-o com orgulho, manter relações de excelente cordialidade com a esmagadora maioria dos meus adversários políticos e, nalguns casos, manter mesmo relações de grande amizade. Foi com muita honra que entre 94 e 97 integrei o executivo liderado por Ângelo Azevedo, eleito pelo PSD, com o qual estabeleci uma relação de profundo respeito e de amizade que é mútua e perdura, decorridas duas décadas. Durante esse mandato senti que existia elevação e verdadeiro respeito pela divergência de opiniões das diferentes forças partidárias; e foi com essas diferenças que o referido autarca promoveu a união de esforços no sentido de todos podermos contribuir para o desenvolvimento e enriquecimento da nossa comunidade. Vem isto a propósito da forma como agiram na última Assembleia Municipal os atuais presidentes de Câmara e Assembleia Municipal. Tratou-se de um comportamento inaceitável que os membros do PS não podem tolerar e, estou certo, é reprovado pela maioria dos Oliveirenses e de muitos sociais-democratas que não se revêm na atuação destes representantes do PSD local. Como a prática tem vindo a demonstrar, Hermínio Loureiro é o exemplo do político profissional que não assume a sua incompetência, aposta tudo na desculpabilização e atribui quase sempre as responsabilidades dos seus erros aos serviços que tutela, dirigentes locais e regionais, ou até mesmo a diferentes governantes. Aliás, é tão elevado o seu grau de demagogia, quando chega a culpar a meteorologia e a oposição pelas dificuldades que enfrenta na gestão autárquica, como é baixa a sua “estatura política”, quando usa argumentos de natureza pessoal e profissional para atingir vereadores e deputados municipais da oposição, assim como quando não poupa críticas à comunicação social que, mesmo que timidamente, ouse denunciar factos e publicar a verdade. Por outro lado, a dirigir a Assembleia Municipal, órgão a quem compete fiscalizar a ação do executivo camarário, temos alguém que ao contrário de constituir uma referência de isenção e elevação no concelho, tem protagonizado lamentáveis episódios de clara má-educação e ataques pessoais a candidatos de órgãos autárquicos e a deputados municipais. Porém, não julguem estes dois protagonistas que, ao desonrarem a nobreza dos cargos que ocupam com o exercício demagógico de maledicência, intimidação e crítica gratuita, inibem quem tem a determinação de continuar a contribuir para dignificar a política e, sobretudo, representar com muita honra os Oliveirenses que ainda acreditam ser possível ter políticos com a estatura à altura de quem os elege.

Joaquim Jorge

opinião

Causa comum Momento de reflexão

Irresponsabilidade, desrespeito e imaturidade são alguns dos adjectivos, infelizmente todos negativos, que podem ser usados para caracterizar a atitude de abandono da última assembleia municipal por parte dos eleitos do partido socialista, encabeçados e nervosamente comandados pelo líder da concelhia socialista. Honra seja feita aos presidentes de junta do PS que não acataram esta ordem de retirada e se mantiveram dignamente na sessão, contribuindo para a discussão dos pontos em análise. Demonstrando uma clara falta de cultura e maturidade política, o PS Oliveirense abandonou a Assembleia Municipal. Demonstrando uma incrível falta de tolerância à crítica política, os seus elementos (que nos mais variados fóruns, sítios, crónicas e localmente efectuam críticas maledicentes que prejudicam muitas vezes o próprio concelho e com termos bem ofensivos em relação a responsáveis do PSD, e que escolheram o presidente da camara municipal como alvo pessoal) sentiram-se ofendidos na última assembleia. Sem motivo absolutamente nenhum, importa desde logo afirmar. Na sequência de uma intervenção do líder da bancada do PS, usando termos pouco dignos em relação ao Presidente da Assembleia Municipal, talvez nervoso pela excelente intervenção politicamente assertiva mas sem ofender por parte do presidente da Camara Municipal, o PS amuou. Sem perceber a importância do órgão autárquico que é a Assembleia Municipal, o PS desrespeitou não só a Assembleia Municipal, mas acima de tudo os Oliveirenses. O nervosismo dos principais responsáveis socialistas até pode ser tolerado, mas a falta de cultura democrática revelada não é compreensível aos olhos de ninguém. Conhecemos a táctica que o PS vai usar sobre este assunto, a vitimização, tentando provavelmente deturpar os factos ocorridos, tentando passar a mensagem de que foram muito mal tratados. Mas os factos falam por si e nada do que possam dizer vai certamente apagar aquilo que realmente aconteceu. Nada vai apagar da história o grande ato de irresponsabilidade, praticado por pessoas eleitas pelos Oliveirenses para defenderem acima de tudo Oliveira de Azeméis. Com esta atitude não defendem coisa nenhuma, e apenas contribuem, como tantas vezes o têm feito ao longo dos anos, para momentos menos felizes da nossa terra. Em Oliveira de Azeméis temos duas realidades distintas. Os que se empenham e colocam os interesses de Oliveira de Azeméis acima de tudo, tentando contribuir para o constante desenvolvimento do concelho. Neste rol incluo muita gente para além do PSD, gente que mesmo sendo de outras cores partidárias e pensando de forma diferente assume as suas responsabilidades, e nos órgãos para que foram eleitos criticam, assumem as suas divergências mas estão presentes até ao fim. Do outro lado estão os que não respeitando ninguém, também não têm cultura política suficiente para assimilar a crítica, os que preferem viver em clima de guerrilha política permanente, os que abandonam a Assembleia Municipal, os que preferem abandonar em vez de ficar e discutir temas da maior relevância para o nosso concelho.

José Campos

Estimados leitores o assunto da concessão da água aos privados volta à ribalta pelos piores motivos e segundo o tribunal de contas na maioria dos contratos de concessão de água a privados, as câmaras assumiram a responsabilidade de indemnizar as empresas concessionárias pelas reduções no consumo face aos valores estimados no contrato, entre outros riscos relaciona- Miguel dos com a construção e exploração dos Portela sistemas. Agora que a Indáqua entre em pleno na concessão de Oliveira de Azeméis importa relembrar alguns aspetos do trajeto desta concessão, começando pelo facto de a Assembleia Municipal ter concedido autorização ao executivo para o lançamento do concurso da presente concessão sendo como premissa mínima atingir os objetivos de cobertura perto dos 100% em 6 anos. Ou seja nos primeiros 6 anos concluir as metas do Plano Estratégico de Abastecimento de Água e Saneamento de Águas Residuais (PEAASAR) e esta era uma regra base para se entregar a concessão, terá sido este também o entendimento da Entidade Reguladora dos Serviços de Águas Residuais (ERSAR), segundo o seu relatório. A proposta da Indáqua não cumpriu o estabelecido e mesmo assim ganhou esta concessão, sendo que as metas do PEAASAR não serão cumpridas com as consequências nefastas que isso trará para o concelho de Oliveira de Azeméis. Outro aspeto a verificar será o preço da fatura que recebemos mensalmente, foi garantido pela autarquia o controlo da fatura da água, vamos estar atentos e verificar o cumprimento desta promessa. O próprio Tribunal de Contas alerta que “é urgente reavaliar os ambiciosos planos de investimento assumidos por alguns municípios concedentes, assim como rever os níveis de remuneração dos acionistas das entidades gestoras, de modo a salvaguardar os interesses financeiros das entidades municipais concedentes e dos utilizadores.” Muitas vezes os superiores interesses dos cidadãos são mal geridos, sendo estres em última análise aqueles que pagam a fatura destas parcerias público-privadas (PPP) que deveriam existir apenas para colocar o risco no privado, ou pelo menos partilha-lo, não para ajudar o privado a enriquecer com o dinheiro dos contribuintes. Como dizia Adam Smith, o pai da economia moderna, “É injusto que toda a sociedade contribua para custear uma despesa cujo benefício vai apenas para uma parte dessa sociedade.”, e será esse o meu grande receio de mais este contrato aprovado no concelho de Oliveira de Azeméis. Despeço-me com amizade...


REGIONAL

Terça-feira, 04 de março de 2014

13

UF OAZ/SANTIAGO DE RIBA-UL> FOI FUNDADO POR ADÉLIA SILVA QUE AINDA O DIRIGE

54.º Aniversário do Grupo Coral Litúrgico Foto Tavares Ribeiro

Foto de Arquivo

Adélia Silva estava visivelmente satisfeita, no passado dia 23 de fevereiro

Ao longo de 54 anos, foram muitos os coralistas que passaram (alguns ainda continuam) no Grupo Coral Litúrgico de Santiago de Riba-Ul

No passado domingo, 23 de fevereiro, o Grupo Coral Litúrgico de Santiago de Riba-Ul comemorou, condignamente, o seu 54.º aniversário. Adélia Silva foi quem o fundou e que, passados 54 anos, ainda o dirige.

de Santiago de Riba-Ul teve de ultrapassar para responder às necessidades do tempo. Agremiação que, ao longo destas mais de cinco décadas, tem respeitado a essencial renovação permanente, para fazer caminhos de elevação no entusiasmo do canto, principalmente como coral da Igreja. O aperfeiçoamento cada vez mais notório e o gosto pela atividade de todos os seus elementos, quer femininos, quer masculinos, sem limitações de idade, tem TAVARES RIBEIRO distinguido a participação em vários concertos corais e eventos Fundado e dirigido, desde a da comunidade, que são promoprimeira hora, por Adélia Silva vidos por iniciativa própria ou e com atividade contínua nestes nos quais participa. longos 54 anos de participação No passado domingo, dia 23 ativa na paróquia ribaulense, de fevereiro, a manhã comevários foram os desafios que o çou com a celebração litúrgica, Grupo Coral Litúrgico (GCL) onde a solenidade da eucaristia

UF NC/PINDELO> MAS, ANTES, OS FOLIÕES VÃO JÁ DESFILAR HOJE  TERÇAFEIRA

Chuva adia Carnaval de Pindelo para o próximo dia 08 Depois de um Carnaval 2013 ‘ensombrado’ pelo mau tempo, que os impediu de saírem à rua nos dois dias previstos, os foliões de Pindelo voltaram a não poder desfilar no ‘domingo gordo’ de 2014, uma vez mais devido a condições metereológicas adversas. Mas, como ‘a folia é a última a morrer’, a festa programada para esta terça-feira mantém-se e a do passado dia 02 foi adiada para este próximo domingo, 08 de março. Ambos os desfiles têm início às 15h00, na Rua dos Combatentes, em Carro Quebrado, e vão percorrer algumas das principais ruas pindelenses até às imediações do edifício da Junta

Foto de Arquivo

de Pindelo. Ruas vão estar fechadas ao trânsito Tal como em outros anos, a comissão organizadora do Carnaval de Pindelo 2014 apela ao bom senso e à compreensão de todos, sobretudo dos condutores, visto que - quer hoje, ‘terça-feira gorda’, quer no domingo - as artérias por onde passa o corso vão estar fechadas ao trânsito, a partir das 13h00, reabrindo, só depois, às 17h00. Para que conste, vão estar encerradas as ruas dos Combatentes, Almeida Garrett, Prof. Sampaio Melo, Lousada, dos Barreiros e Ferreira de Castro.

contou com a arte coral, experiência e juventude do GCL de Santiago de Riba-Ul. No momento de ação de graças, um dos seus elementos subiu ao altar para manifestar a alegria e união que a todos motiva, fazendo especial referência ao seu historial: “Hoje o Grupo Coral e Litúrgico, criado e dirigido pela D.ª Adélia, festeja os 54 anos da sua existência. Foi preciso muita coragem e esforço para vencer e suportar as incompreensões e

divergências ao longo destes anos (…)”. Depois da eucaristia, já no salão paroquial, decorreu a tradicional confraternização que o Grupo Coral Litúrgico de Santiago de Riba-Ul promove para manter bem vivas as ligações com os membros e a comunidade ribaulense. Por isso, também esteve de portas abertas à presença de familiares, amigos e convidados, tendo as comemorações se prolongado pela tarde adiante em ambiente de notória

alegria e festa muito participada. A agradável surpresa de animação, no convívio, foi deveras apelativa. Com a atuação do grupo de concertinas ‘Contradicordes’ de Pindelo, que exibiu dotes de músicos de concertinas, violão, guitarras, cantadores, dançarinos, e sabemos lá mais… animando a ‘plateia’, que se regozijou com tão dinâmica partilha de entusiasmo e até praticou o seu pézinho de dança. Parabéns a todos! PUB


14

Terça-feira, 04 de março de 2014

REGIONAL

S. MARTINHO DA GÂNDARA > CATEQUESE EM AÇÃO

Um dia solidário para crianças e jovens Crianças e adolescentes da catequese da paróquia de S. Martinho da Gândara foram ao encontro dos jovens da casa do Gaiato de Santo Antão do Tojal. Um dia diferente e vivido de forma solidária. PAULO SILVA

Um grupo de crianças da catequese da paróquia de S. Martinho da Gândara do 3.º ano (catequese da infância) e do 7.º ano (catequese da adolescência), coordenados pelo pároco são martinhense, Padre Domingos Gomes, juntamente com alguns adultos, dirigiram-se à casa do Gaiato de Santo Antão do Tojal. Esta casa é um dos exemplos das muitas obras espalhadas pelo país que são a esperança para crianças e jovens que sonham ter um dia uma vida feliz. Esta instituição acolhe cerca de 64 rapazes, cujo lema é educar, amar e ajudar. Ao longo deste ano de cate-

Catequizandos da paróquia de S. Martinho da Gândara foram ao encontro dos jovens da Casa do Gaiato de Santo Antão do Tojal

Momentos de descontração em Lisboa e Peniche quese, estes grupos decidiram Aproveitando a deslocação aceitar e viver o desafio do Papa à capital, os paroquianos visiFrancisco: “Não tenho ouro taram a estufa fria e quente do nem prata, mas trago o que Parque Eduardo VII. Todos fode mais precioso me foi dado: ram unânimes em afirmar que Jesus Cristo!”. Isto é, deixarmos este espaço é “fantástico” e que de pensar em nós e dedicarmoos deslumbrou. No regresso a nos aos outros, através da nossa casa, ainda puderam parar e presença amiga. Por isso, os joconhecer Peniche, uma cidade vens de S. Martinho da Gândara rica de lazer e história. quiseram estar mais próximos Os organizadores aproveitam destas crianças do Gaiato, em para “agradecer a toda a comuespírito de fraternidade, parti- instituição, onde todos os re- hora do repasto, o contato e o nidade paroquial de S. Marlha, amor, união e alegria. cursos são aproveitados. Os diálogo com alguns dos jovens tinho que fomentou a ternucampos são cultivados e até institucionalizados proporcio- ra, carinho, amor voluntário, Todos somos “um pedacinho azeitona é colhida para vender. naram-se, sendo transmitido sobretudo, para com os mais de Deus” Registe-se, igualmente, que a que cada um deles “é um peda- desprotegidos, carenciados de Já na casa do Gaiato de maior fonte de receita interna cinho de Deus que os serve e amor e atenção, tanto familiar, Santo Antão do Tojal, os são é a tipografia. os ama incondicionalmente”. como moral e espiritual, pois martinhenses foram recebidos Houve ainda a oportunidade É importante referir que esta foi possível juntar quase o vapelo seu responsável, José João, de almoçar com os jovens desta casa não tem qualquer ajuda do lor de 1.400 euros. Este valor que lhes deu as boas-vindas. casa, sendo a refeição preparado Estado, sendo o grande pilar o foi dividido por várias instituiVisitaram as instalações da pelos jovens da instituição. Na Patriarcado de Lisboa. Todo o ções de apoio aos jovens”.

UF NC/PINDELO > COM A ANIMAÇÃO DO GRUPO DE CAVAQUINHOS DA USOA

Centro Social de Pindelo promove a socialização em festa No passado dia 17 de fevereiro, o Centro Social Cultural e Recreativo (CSCR) foi palco de uma tarde musical, animada pelo Grupo de Cavaquinhos da Universidade Sénior de Oliveira de Azeméis (USOA). Tratou-se de mais uma atividade desenvolvida com a população sénior e que teve como principal objetivo incentivar a socialização e as relações interpessoais. Foi uma soirée, especialmente, destinada aos utentes do Clube Sénior e SAD (Serviço de Apoio Domiciliário) do CSCR de Pindelo. Apesar do rigor deste inverno, cerca de meia centena de ‘maiores’, alegres e expetantes, deslocou-se a esta instituição para participar no convívio semanal e admirar a classe do Grupo de Cavaquinhos da USOA. Logo aos primeiros acordes, o entusiasmo e a alegria tomaram conta de todos os participantes e o lema foi cantar, dançar

dinheiro e bens são adquiridos através de doações, empresas, particulares e de alguns trabalhos que os rapazes fazem para fora. Depois de um dia longo, foi com pena que todos se despediram, mas também com um grande sentimento de dever cumprido.

O Grupo de Cavaquinhos da USOA ajudou a esta festa do CSCR de Pindelo

e conviver. Assim se viveu uma tarde bonita, plena de calor humano, que a todos colocou um sorriso no rosto e deixou saudades quando terminou. Nesta partilha de emoções, também se fizeram ouvir os talentos da casa. E, como é hábito, foram devidamente celebrados os dois mais recentes aniversários, que, neste dia, tiveram direito a uma homenagem especial.

As duas aniversariantes mais recentes tiveram direito a uma homenagem especial

‘Velhice ocupada... velhice saudável e alegre’ De acordo com os responsáveis do CSCR pindelense, esta foi mais uma iniciativa destinada a melhorar a qualidade de vida da população sénior, pois acreditam que uma velhice ocupada, com atividades positivas que fomentem as necessidades de relacionamento, o sentimento de pertença e de autorrealização é imprescindível ao desenvolvimento hu-

mano, proporcionando uma sensação de bem-estar. Esta tem efeitos multiplicadores e acaba por se generalizar, mudando não apenas a vida dos próprios seniores, como também de todos aqueles com os quais se relacionam. Este foi mais um dia especial no CSCR de Pindelo, proporcionado pela alegre generosidade do Grupo de Cavaquinhos da USOA, ao qual a instituição muito agradecem.

MACIEIRA DE SARNES > NA ESCOLA BÁSICA 1

Colheita de sangue no domingo No próximo domingo, dia 09 de março, o Lions Clube de Oliveira de Azeméis promove mais uma colheita de sangue. O local desta recolha é o estabelecimento de ensino EB1 de Macieira de Sarnes, que abre as portas para esta atividade entre as 09h00 e as 13h00. No âmbito desta parceria entre este clube de serviço oliveirense e o Instituto Português do Sangue, podem dar sangue todas as pessoas entre os 18 e os 65 anos. Não deixe de dar sangue. Pode salvar uma vida.


REGIONAL

15

Terça-feira, 04 de março de 2014

CARREGOSA> TÍTULO FOILHE ATRIBUÍDO EM ASSEMBLEIAGERAL

Diamantino Melo é o primeiro sócio honorário da URATE Na última quintafeira, os associados da União Recreativa ‘Os Amigos da Terra’ URATE reuniram-se, em assembleia-geral ordinária, tendo em vista a aprovação das contas e do relatório do PAAJ de 2013 e ainda a votação da proposta do seu primeiro sócio honorário, Diamantino Melo. JOSÉ AUGUSTO SANTOS

A sessão da assembleiageral (AG) do passado dia 27 de fevereiro, na sede da URATE, começou pela apresentação aos sócios do relatório de contas de 2013, que, posto à votação, foi aprovado por unanimidade. Nesta altura, José Augusto Santos, extesoureiro do anterior biénio, enalteceu “a sustentabilidade de quase todas as secções e atividades, dando folga para que a direção possa fazer investimentos em alguns equipamentos úteis à URATE para o desenvolvimento das iniciativas”. Neste primeiro ponto da ordem de traballhos foi referido que a URATE teve 20.719,92 euros de receitas e 18.078,06 euros de despesas, tendo o ano transato termi-

Coube a Jean Ascenso, presidente da assembleia-geral, entregar um diploma simbólico que atesta o facto de Diamantino Melo ser o primeiro sócio honorário da URATE

nado com um saldo positivo de 2.641,86 euros – facto elogiado por Fernando Pinheiro, secretário da mesa da AG. Chegado o segundo ponto, Renato Oliveira, presidente da direção, interveio para apresentar o relatório final do PAAJ (Programa de Apoio ao Associativismo Juvenil). O dirigente destacou o cumprimento de todas as metas orçamentadas perante o IPDJ (Instituto Português do Desporto e Juventude) e realçou também “a boa renegociação para um apoio, por parte deste órgão, na ordem dos 47%, a qual permitiu uma mais fácil execução orçamental sem termos que devolver verbas”.

À semelhança das contas, registe-se que também este documento foi, unanimemente, deliberado. Ex-autarca carregosense reconhecido pela URATE De seguida, Jean Ascenso, que lidera o órgão deliberativo da URATE, passou a palavra à vice-presidente da direção, Andreia Rocha, que, por sua vez, propôs a atribuição do título de sócio honorário desta agremiação carregosense a Diamantino Melo, ex-presidente da Junta de Freguesia e atual líder da mesa da Assembleia de Freguesia. Esta distinção foi justificada por “todo o acompanhamento que Diamantino Melo fez à URATE, desde a sua fundação em julho de 2000, mas, es-

sencialmente, pelo seu trabalho em prol da cultura e dos jovens carregosenses com a construção do auditório, palco experto, Centro Anima e praça pública”. Segundo Andreia Rocha, “o salto qualitativo da URATE foi enorme e espelho disso foram os quatro anos consecutivos em que o grupo de teatro venceu a eliminatória distrital do concurso nacional de teatro amador do INATEL”. Além disso, igualmente, o aparecimento de novos projetos, como a secção de dança Ponta Solta, a revista Terra e a URATE’tv, “foi [na sua ótica] fruto da melhoria de condições de trabalho proporcionadas muito à custa da existência do espaço cultural construído

pelo empenho pessoal do homenageado”. De salientar que esta proposta da URATE foi aprovada e aplaudida, por unanimidade, tendo, seguidamente, Jean Ascenso entregue em mão um diploma simbólico ao, assim, primeiro sócio honorário da história da associação. Por sua vez, Diamantino Melo dirigiu-se à AG agradecendo este momento e contou um pouco da sua história até ter chegado à presidência da autarquia local, explicando ainda o porquê de ter enveredado pela construção deste equipamento cultural. “Contra algumas vozes, coloquei-vos aqui, porque este espaço tinha que ser dinamizado e vocês têm-no feito de uma forma extraordinária”, sublinhou. Aproveitando a ocasião solene, Jean Ascenso entregou a Renato Oliveira, de igual modo, uma moldura, desta feita, com uma menção honrosa póstuma dedicada à sua mãe, Lucília Oliveira Melo. Em outros assuntos de interesse, Renato Oliveira elogiou a Festa da Quinta, promovida pela URATE’tv, como “a melhor festa de sempre organizada pela URATE”. Já no período destinado ao público, o sócio Hélio Soares lembrou o concerto da Orquestra Atípica, no próximo dia 08 de março, alusivo ao Dia Internacional da Mulher. Note-se que esta AG terminou com a leitura e aprovação da minuta da ata.

CARREGOSA> GRUPO FOLCLÓRICO DE S. MIGUEL D ’AZAGÃES

Agremiação carregosense foi criada em 1954 Contrariamente ao que veio mencionado na edição anterior do Correio de Azeméis (página 12) o Grupo Folclórico de S. Miguel d ’Azagães, freguesia de Carregosa, concelho de Oliveira de Azeméis (Douro Litoral Sul) não conta com 54 anos. Segundo dados facultados pela presidente da direção, a sua criação remonta a 1954, tendo-se mantido em atividade durante cerca de uma década e tendo atuado pela última vez em Azagães (Carregosa) em 1961.

As origens do Grupo Folclórico de S. Miguel d’ Azagães (Carregosa) remontam ao ano de 1954

Também de acordo com Sandra Pinho, após um interregno de cerca de 36 anos, a agremiação carregosense ‘renasceu’ em 1997 e, mais tarde, a 08 de fevereiro de 2000, foi legalizada, através da sua fundação enquanto associação: ACESMA - Associação Cultural Etnográfica de S. Miguel d’ Azagães. Daí, na sua intervenção aquando do 14.º aniversário da ACESMA, a dirigente ter dito que “fazemos 14 anos enquanto associação, mas já atingi-

mos a maioridade enquanto grupo de folclore, para além dos anos que já existiam do outro grupo de 54, que todos nós conhecemos” e não, como erradamente foi publicado, “fazemos 14 anos enquanto agremiação, mas já atingimos a maioridade enquanto Grupo de Folclore de S. Miguel de Azagães, que já conta com 54 anos”. Por este lapso - da autoria da edição e não do autor do texto - apresentamos as nossas desculpas.


16

Terça-feira, 04 de março de 2014

REGIONAL

UF OAZ/O. AZEMÉIS> GRUPO 212 DA ASSOCIAÇÃO DOS ESCOTEIROS DE PORTUGAL

Escotismo: “Uma Escola para a vida” A falta de um grupo de escoteiros na sede do concelho levou Osvaldo Vieira a avançar com a ideia da criação de uma agremiação do género. Passados dez anos, o Grupo 212 da AEP, que aquele oliveirense chefia, está bem e recomendase, mantendo atuais os objetivos que estiveram na origem da sua formação. GISÉLIA NUNES

Oficializado a 04 de julho de 2004, o Grupo 212 da Associação dos Escoteiros de Portugal (AEP) está, precisamente, a quatro meses de comemorar o seu 10.º aniversário. A falta de um grupo de escoteiros na sede do concelho levou Osvaldo Vieira, já antes, no ano anterior, a “apresentar o projeto à chefia regional da AEP e às autoridades locais” e, posteriormente, a “reunir a equipa [composta não só por ele, que é o atual Chefe de Grupo, mas também por Sónia Loureiro, Sérgio Correia e Ana Marques] que, a partir de 13 de setembro de 2003, iria começar a trabalhar com os jovens” (ver também coluna nesta página). “Criar bons cidadãos” é objetivo Em entrevista ao semanário Correio de Azeméis, Osvaldo Vieira falou, assim, dos

“Este dia mudou as nossas vidas para sempre!”

Os escoteiros do Grupo 212 de Oliveira de Azeméis estiveram presentes nas comemorações do centenário da Associação dos Escoteiros de Portugal que, em 2013, tiveram lugar no Estádio Nacional do Jamor, em Lisboa

objetivos que nortearam a criação do Grupo 212 da Associação dos Escoteiros de Portugal, o qual pratica “escotismo interconfessional, ou seja, aceita [no seu] seio várias religiões”. Segundo o responsável, na origem desta agremiação oliveirense esteve a vontade “de poder transmitir às crianças e jovens oliveirenses os valores do escotismo e pô-los em contato com a natureza”. Aliás, em seu entender, “enquanto houver crianças e jovens, o escotismo [inclusive o Grupo 212 que dirige] estará a lutar por atingir o seu objetivo: Criar bons cidadãos”. O escotismo visa “formar crianças e jovens para uma cidadania ativa, desenvolvendo o seu caráter, promovendo a sua autoestima e a sua capacidade de reação perante situações diversas, privilegiando o contato com a natureza, ensinando-os a respeitá-la, protegê-la e dela poderem desfrutar em plena

harmonia”. Tanto é assim que, para o chefe de Grupo, “o escotismo é apelidado - com toda a razão - de uma escola para a vida”. Na sua ótica, a aprendizagem é, por um lado, “constante e para todos os escoteiros [que, neste caso, integram o Grupo 212 da AEP]” e, por outro, “individual, pois, como todos são diferentes, precisam de acompanhamento diferente, apesar de – note-se - os objetivos genéricos para as divisões etárias serem iguais”. Ainda de acordo com Osvaldo Vieira, “no escotismo, o progresso é individual e interiorizado gradualmente, através de atividades em que os escoteiros põem à prova todos os ensinamentos adquiridos – é o chamado o aprender fazendo”. As grandes iniciativas do trimestre são idealizadas e preparadas pelos próprios escoteiros, contrariamente ao que acontece, por exemplo, num ATL.

UF OAZ/O. AZEMÉIS> GRUPO 212 FOI OFICIALIZADO A 04 DE JULHO DE 2004

Queres ser escoteiro? Se tens entre sete e 20 anos de idade e desejas saber o que é o escotismo e viver uma série de experiências novas e muita aventura, vem fazer-nos uma visita. A nossa sede fica no n.º 02 da Rua 5 de Janeiro (antigas instalações da delegação de Oliveira de Azeméis da Associação de Comandos), na cidade de Oliveira de Azeméis, quem vai para Ul: Latitude: 40º50’5.131’’ Longitude: -8º29’7.9584’’. O Grupo 212 da Associação dos Escoteiros de Portugal encontra-se lá à tua espera, todos os sábados, das 15h00 às 18h00.

No blogue do Grupo 212 da Associação dos Escoteiros de Portugal (AEP), fomos encontrar um testemunho que remete para os primórdios da agremiação sedeada na cidade de Oliveira de Azeméis, nomeadamente para 13 de setembro de 2003. Nessa altura, 12 jovens curiosos e quatro adultos motivados davam os primeiros passos para o que viria a ser o Grupo 212 da AEP. No site vem referido que a tarde desse dia “superou as expetativas dos presentes: Houve jogos, formação e muita vontade de querer conhecer mais”. Entretanto, dez meses depois, chegava o esperado dia 04 de julho de 2004. Se bem que “tudo começou na noite anterior”. “Com intuito de promover o espírito escotista, partimos para um raid noturno e, com verdadeiro espírito de equipa, lá fomos nós, até encontrarmos local para passarmos a noite. Após umas maravilhosas salsichas com cinza, ainda em volta do calor da fogueira, falámos sobre o passo importante que íamos dar no dia seguinte e a responsabilidade de ser Escoteiro. Este dia mudou as nossas vidas para sempre!”


REGIONAL

17

Terça-feira, 04 de março de 2014

UF OAZ/O. AZEMÉIS> ESTA “DIFICULDADE” TEM SIDO CONTORNADA COM VISITAS ÀS ESCOLAS PARA DIVULGAÇÃO DO ESCOTISMO

Grupo 212 tem falta de efetivos Questionado sobre eventuais problemas com que, presentemente, o Grupo 212 da Associação dos Escoteiros de Portugal se depare, Osvaldo Vieira afirmou haver “algumas dificuldades a nível de efetivo”.

UF OAZ/O. AZEMÉIS> ESCOTEIROS OLIVEIRENSES FICARAM COM A SEDE QUE ERA DELEGAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO DE COMANDOS

Instalações “são razoáveis”

GISÉLIA NUNES

Segundo o chefe de Grupo oliveirense, “a variedade de atividades [que há atualmente] leva a que as crianças e os jovens estejam demasiado ocupados” e não lhes sobre tempo para “experimentar o escotismo”. Hoje em dia, de acordo com Osvaldo Vieira, assiste-se à “deslocação” dos mais novos “para outros grupos de escoteiros e associações fora da cidade”. Além disso, também os adultos, “que são indispensáveis para o bom funcionamento de um grupo de escoteiros, para que este possa desenvolver um escotismo de qualidade, com segurança e atrativo, são escassos”. Aliás, o dirigente do Grupo 212 da Associação dos Escoteiros de Portugal (AEP) chama a atenção para o facto de o escotismo exigir bastante tempo e dedicação, e de as responsabilidades serem também grandes, o que nem sempre é compatível com a vida quotidiana da esmagadora maioria, que anda sempre a correr de um lado para o outro. No entanto, “se há coisa que qualquer escoteiro não faz é desistir”. E, como tal, “já iniciámos visitas a escolas com o intuito de apresentar o

O contato com a natureza é uma constante na vida dos escoteiros em geral, inclusive dos pertencentes ao Grupo 212 de Oliveira de Azeméis

UF OAZ/O. AZEMÉIS> FUNDADOR OSVALDO VIEIRA É O ATUAL CHEFE DE GRUPO

te, com ele dirige os escoteiros oliveirenses. São eles: Rui Nelson Ferreira Dinis (escoteiAtuais dirigentes do ro subchefe de Grupo), Maria João Pereira Grupo 212 da AEP (escoteira chefe de Clã - jovens dos 16 aos 21 anos), Emília Oliveira (escoteira chefe da Na entrevista que deu ao Correio de Tribo de Escoteiros - jovens dos 11 aos 13), Azeméis, Osvaldo Vieira, principal responsá- Rui Caralinda (escoteiro chefe da Tribo de vel pela criação do Grupo 212 da Associação Exploradores - jovens dos 14 aos 15) e Rita dos Escoteiros de Portugal e atual chefe de Caralinda (escoteira subchefe da Tribo de Grupo, deu-nos a conhecer quem, juntamen- Exploradores) escotismo aos mais novos”. “Durante duas horas, explicamos, divulgamos e interagimos com os alunos e convidámo-los a juntaremse a nós”, relatou Osvaldo Vieira, agradecendo, entretanto, “à EB1 de Fonte Joana [Escola EB1 n.º 4 de Oliveira de Azeméis], que foi a primeira a aderir ao nosso projeto e por nos receber de braços abertos”.

direitos humanos, etc., e de que são exemplos a angariação de alimentos para o Banco Alimentar, caminhadas, acampamentos, jogos de orientação, raids sobrevivência, caminhadas, animação em lares de idosos, entre outras, o Grupo 212 da AEP tem projetos seus. E estes últimos foram dados a saber por Osvaldo Vieira. “Para este ano, vamos relançar o projeto ‘Rios’, que ficou um pouco esquecido 2014 prevê-se dinâmico e é muito importante para com muitas atividades a nossa região”. E, a nível da Além das atividades comuns promoção da cidadania, “vaa todos os grupos de escoteiros, mos iniciar um projeto apreque passam pelo social, preser- sentado pelos escoteiros de vação e desfrute da natureza, embelezamento de alguns promoção da cidadania e dos locais da nossa cidade vanda-

Mais uma atividade ao ar livre levada a cabo pelos elementos desta agremiação oliveirense

lizados”, adiantou. População não sabe que há escoteiros na cidade Não é que a recetividade dos oliveirenses ao Grupo 212 da AEP não seja boa, mas, na ótica do responsável, há “uma falta de conhecimento muito grande, por parte da população, sobre a existência de um grupo escoteiros em Oliveira de Azeméis”. De qualquer modo, e ‘desconhecimentos à parte’, aqueles que conhecem “gostam do movimento ” ao ponto de, “em jogos que fazemos na cidade, nos ajudarem bastante e de ensinarem certas histórias que se vão perdendo com

‘Festival de Bandas’ na estalagem S. Miguel

Atualmente instalado no n.º 2 da Rua 5 de Janeiro (antigas instalações da delegação de Oliveira de Azeméis da Associação de Comandos), o Grupo 212 da Associação dos Escoteiros de Portugal não tem razão de queixa da sua sede. “As instalações atuais são razoáveis para a prática do escotismo”, afirmou Osvaldo Vieira, que, no entanto, também fez questão de deixar claro que a “manutenção” das mesmas “só é possível com a ajuda da Câmara Municipal”. “Sem esta ajuda seria impossível mantermonos nestas instalações”, reforçou a ideia e, aproveitando a ocasião, agradeceu, de seguida, à autarquia de Oliveira de Azeméis. Ao jornal Correio de Azeméis, o Chefe de Grupo pediu ainda para fazer mais dois agradecimentos públicos: Um dirigido à solicitadora Deolinda Pereira, que, “na altura do contrato, coordenou e agilizou todo o processo para que este fosse possível”, e o outro tendo como destinatário Pedro Saavedra, responsável pela área técnica da Juventude na edilidade. “Sem ele muitas das ações do Grupo 212 e a sua própria existência teriam sido mais difíceis de concretizar. Ele acompanhanos e ajuda-nos desde os tempos em que ainda éramos projeto de grupo em formação”, disse Osvaldo Vieira.

o tempo”. E quanto a sócios? “Temos, mas não são pagantes”, disse Osvaldo Vieira, em resposta à nossa questão, acrescentando que “o escotismo é totalmente suportado pelos elementos que compõem o Grupo 212, com uma quota mensal e com ações que promovemos ou em participamos para angariar fundos”.


18

Terça-feira, 04 de março de 2014

REGIONAL/TRIBUNAIS E POLÍCIA

S. ROQUE> NO LUGAR DE BUSTELO

Quiosque Bustelense dá primeiro prémio da Lotaria Cinco pessoas do concelho receberam um total de 300 mil euros, depois de terem comprado cinco das dez frações premiadas.

Diana Cohen

DIANA COHEN

O primeiro prémio da Lotaria Clássica de terça-feira passada saiu a cinco oliveirenses que adquiriram cinco frações no Quiosque Bustelense, na freguesia de S. Roque. Os ‘sortudos’, que receberam, cada um, 60 mil euros tão cedo não deverão esquecer a lotaria do Dia Internacional da Língua Materna, oitava extração de 2014, que deu o prémio maior ao número 46652. Os proprietários do estabelecimento, Aníbal Xará e Maria de Fátima Santos, ficaram radiantes. “Finalmente saiu o primeiro prémio da lotaria no nosso quiosque. E, ainda por cima, com um

Aníbal Xará não esconde a satisfação por ter ‘dado’ 300 mil euros a cinco dos seus clientes

número que era vendido aqui há mais de 20 anos”, diz o comerciante, visivelmente satisfeito.

prémio do Euromilhões, o primeiro do Totoloto e 20 mil euros em raspadinhas. Só faltava o primeiro da lotaria e fica ainda a faltar o Um quiosque com sorte… primeiro do Euromilhões Não foi a primeira vez que no currículo”, descreve em o quiosque de Bustelo distri- jeito de brincadeira. buiu prémios significativos. Aníbal Xará julga saber “Já tinha dado o segundo quem são os felizes contem-

plados, mas, como qualquer vendedor sério, não levanta a ‘ponta do véu’. “Só posso dizer que foi bem empregue. Calhou a pessoas que jogavam com muita frequência e há muitos anos. São essas as que mais merecem”, afirma, acrescentando que “o que ganharam não é bem

> SUPREMO MANTÉM A DECISÃO

UF PB/PALMAZ> DIVULGAR A MODALIDADE É UM DOS OBJETIVOS

Confirmada condenação de juiz por agressão Supremo nega provimento ao recurso do magistrado condenado a pagar multa por alegadas agressões a um casal, após um acidente rodoviário. DIANA COHEN

O Supremo Tribunal de Justiça (STJ) decidiu manter a pena que o Tribunal da Relação do Porto aplicara ao juiz-presidente do Círculo Judicial de Oliveira de Azeméis, pelo crime de ofensa à integridade física. O magistrado António Alberto Pinho foi condenado

em abril de 2012 ao pagamento de uma multa de quatro mil euros num acórdão que deu como provado que agrediu um casal, no âmbito de uma discussão gerada, depois de um acidente rodoviário. Não se resignando, o arguido recorreu para o STJ, que, numa sessão realizada esta semana, negou provimento aos recursos interpostos pelo juiz e outros arguidos também condenados no mesmo processo, soube o Correio de Azeméis.

que provocou danos materiais na viatura do magistrado e no automóvel em que seguia um casal, o primeiro ausentou-se do local e foi a casa estacionar o carro, apesar de os ofendidos insistirem em chamar as autoridades, provou-se em julgamento. O acórdão deu também como provado que, posteriormente, o juiz António Alberto Pinho regressou ao local e, quando a namorada do condutor manifestou intenção de telefonar para a GNR, o arguido agrediu-a e Já lá vão quase desferiu-lhe “uma pancada quatro anos… que a atingiu no pulso e na Em discussão esteve um face”. Em seguida, “desferiu episódio ocorrido no dia 27 murros no peito” do compade março de 2010, em Gião, nheiro, que, entretanto, inSanta Maria da Feira, nas terveio. imediações da residência do O coletivo de desembargajuiz. Depois de uma colisão dores entendeu que a versão

uma fortuna, mas dá jeito a qualquer pessoa”. Os apostadores premiados que, eventualmente, receiem que o seu ‘segredo’ possa vir a ser descoberto, podem estar descansados. É que o dono do Quiosque Bustelense nem à própria mulher, com quem partilha o negócio, costuma revelar quem são os clientes bafejados pela sorte. “Atrás do balcão, não tenho olhos nem ouvidos. Quando dei o primeiro prémio do Totoloto, ela só soube a quem tinha saído muito tempo depois... e não foi por mim!”, brinca. O empresário afirma, com orgulho, ter cumprido mais um objetivo. “É o sonho de qualquer vendedor dar um primeiro prémio”, confessa Aníbal Xará, aproveitando para agradecer aos seus fiéis apostadores. “Tenho de agradecer aos premiados, mas também àqueles que jogam sempre e que devem continuar a jogar, porque, está mais do que visto, pode sair a qualquer um”, remata, com um sorriso nos lábios.

‘Jantar de zumba’ no próximo dia 15 do magistrado não mereceu credibilidade e sancionou-o por ofensa à integridade física na forma simples, deixando cair a qualificação do crime. O juiz sempre garantiu que nunca maltratou ou agrediu ninguém, mostrando-se convicto de que os depoimentos das testemunhas da acusação foram manipulados. No mesmo processo eram acusados mais quatro homens, sendo que um foi absolvido, porque não foi possível situá-lo no local do incidente. Os arguidos pronunciados por agressões ao casal foram condenados ao pagamento de quase 5.500 euros, um montante que ficou muito aquém dos 50 mil pedidos inicialmente.

Promovido por Sofia Baptista, instrutora de zumba oliveirense, tem lugar no Vale do Rio Hotel Rural, em Palmaz, no próximo dia 15, um ‘Jantar de zumba’. Segundo a promotora, esta iniciativa tem como finalidades fomentar o convívio entre as pessoas que aceitarem o convite e também divulgar as aulas de zumba. Aliás, para esta noite, estão reservadas demonstrações da modalidade e surpresas. O preço do jantar é 15 euros por pessoa, com tudo incluído exceto bebidas brancas. Mais informações podem ser obtidas através do telemóvel n.º 916 025 176.


04 de março de 2014

desporto

BASQUETEBOL> CAMPEONATO DA LIGA  FASE REGULAR

Imperou a lei do mais forte OLIVEIRENSE, 74 BENFICA, 85

Alfredo Pinho

> RUI ALVES SATISFEITO

“Fizemos um excelente jogo”

Oliveirense: João Abreu (11), Aaron Fuller (18), João Soares (19), James Blasczyk (9), e Renato Azevedo (12). Jogaram ainda: André Pereira (1), João Reveles (4) e Nelson Costa. - Treinador: Rui Alves. Benfica: João Gomes (16), Tomás Barroso (3), Jobey Thomas (12), Seth Doliboa (12) e Frederick Gentry (4). Jogaram ainda: Carlos Ferreirinho (2), Diogo Carreira (7), Mário Fernandes (14), Cláudio Fonseca (11) e David JR (4). Treinador: Carlos Lisboa Jogo no Pavilhão Dr. Salvador Machado, em Oliveira de Azeméis Árbitros: Pedro Coelho, Paulo Pereira e Ricardo Severino Por períodos: 17-24; 20-21; 25-23; 12- 17.

Numa partida marcada por bastante equilíbrio nos primeiros três períodos, a vitória acabou por sorrir à equipa do Benfica, mas só foi desenhada nos últimos dez minutos. Além de apresentarem mais soluções no banco, os lisboetas foram, reconhecidamente, mais fortes.

Apesar da derrota, a Oliveirense fez uma boa exibição ante a melhor equipa do Campeonato

demonstraram, mais uma vez, desportivismo e emoção, dando, assim, um valioso contributo para o grande espetáculo a que os adeptos assistiram e que resultou numa excelente propaganda para a modalidade. Sem dúvida que o Pavilhão Dr. Salvador Machado mostrou uma excelente moldura humana, que não se cansou de apoiar a equipa. É um facto que, no final, imMais do que falar nesta vi- perou a lei do mais forte, mas tória final do Benfica, importa também não deixa de ser versalientar o comportamento da dade que o jogo possibilitou Oliveirense, nesta 17.ª jornada, à Oliveirense mostrar a sua frente ao primeiro classificado. qualidade. Sem nunca baixar Os comandados de Rui Alves os braços, o conjunto esteve

muito efetivo. Mestre de táticas, o técnico Rui Alves procurou deter o controlo do ritmo do jogo, alternando o sistema defensivo entre uma zona 2x3 e homem a homem, o que serviu, efetivamente, para atrapalhar um pouco o discernimento atacante benfiquista. Contudo, os unionistas estiveram reféns das diferenças de estatura, não só por não conseguirem dominar a luta das tabelas, quer ofensiva, quer defensivamente, mas também, raras vezes, conseguiram argumentos para travar o base Mário Fernandes, um jogador

> MEIO SÉCULO DA LIGA PORTUGUESA CONTRA O CANCRO  NÚCLEO REGIONAL DO NORTE

Caminhada solidária em março No próximo dia 09 de março, a partir das 10h00, tem lugar uma caminhada solidária, cuja receita angariada reverte na totalidade a favor da Liga Portuguesa Contra o Cancro – Núcleo Regional do Norte (NRN), que, este ano, assinala 50 anos de existên-

cia. O valor de inscrição é de 3 euros e o percurso será de três quilómetros, numa iniciativa da Câmara Municipal de Oliveira de Azeméis. Os interessados devem inscrever-se na Piscina Municipal, de onde partirão os pedestrianistas participantes,

que receberão uma t-shirt e água. Os apoios são do Instituto Português do Desporto e Juventude, Programa Nacional de Marcha e Corrida, da Universidade do Porto – Faculdade de Desporto e Federação Portuguesa de Atletismo.

bastante rápido e explosivo, que provocou constantes desequilíbrios nas situações de um contra um. Era, sem dúvida, muito difícil fazer melhor. Ainda assim, a Oliveirense deixou uma imagem bastante positiva, assente nas boas exibições de João Soares que conquistou o MVP do encontro com 19 pontos; dez ressaltos e quatro assistências, o que lhe valeu 25,5 de valorização, tendo sido o jogador de maior destaque na Oliveirense, seguido, bem de perto, por Aaron Fuller, autor de também um duplo (18 pontos e oito ressaltos). Foto de Arquivo

No rescaldo da partida, Rui Alves era um treinador satisfeito com o desempenho da equipa azul e vermelha: “Fizemos um excelente jogo e procurámos discutir o jogo frente à melhor equipa do campeonato”, analisa. O técnico acrescenta que “não foi possível, infelizmente, dar uma alegria ao imenso público que, hoje, voltou ao pavilhão para nos apoiar”. Uma vitória teria sido um presente merecido, “mas temos de reconhecer que o Benfica possui outros argumentos e que nos impossibilitou de discutir o jogo no último período”.


20

Terça-feira, 04 de março de 2014

DESPORTO

HÓQUEI EM PATINS> I DIVISÃO NACIONAL

Oliveirense segura quarto lugar Foto Alfredo Pinho

UD OLIVEIRENSE, 8 JUV. VIANA, 5 Oliveirense: Diogo Almeida; Tó Silva (3), Poka (2), André Azevedo e Gonçalo Alves (1). Jogaram ainda: Domingos Pinho, Diogo Silva, Gonçalo Suissas (2), Nélson Pereira e Rúben Pereira. - Trinador: Nuno Resende. Juv. Viana: Jorge Correia; João Pinto (1), André Centeno, Luís Viana (4) e Joel Coelho. Jogaram ainda: Gustavo Lima, Diogo Fernandes e Nuno Félix. - António Carvalho. Jogo no Pavilhão da Escola Livre de Azeméis Árbitros: Rui Torres e Cristiano Jardim (Minho)

Os visitantes tinham vencido, em casa, na primeira volta (8-6), pelo que a vitória em Oliveira de Azeméis teve sabor a desforra. Ao mesmo tempo, impediu que os minhotos assaltassem o quarto lugar da UDO, que, à entrada para esta 16.ª jornada, estavam separados por apenas 3 pontos na tabela. A equipa capitaneada por Diogo Silva, de regresso ao rinque após lesão, até venceu por um resultado, ligeiramente, mais expressivo, graças a uma combinação entre uma defensiva muito desconcentrada e a um guarda-redes a ter um péssimo dia. Mas, acima de tudo, os unionistas até jogaram bem. Podiam ter marcado mais, é verdade, pois foram menos concretizadores do que as oportunidades criadas. Mas o público não deu por perdida a mudança do Pavilhão Dr. Salvador Machado para o da Escola Livre de Azeméis, devido à ausência de energia elétrica na zona do primeiro. Com efeito, às 17h00 – hora marcada para o apito inicial – a casa da UDO estava às escuras devido a uma avaria que a EDP previa resolver apenas às 19h00, pois a equipa de técnicos destacada teria de deslocar-se de Viseu. Mas já passava das 18h15 quando se resolveu mudar o local do desafio. E o público

A Oliveirense impediu o assalto da Juventude de Viana ao quarto lugar

que até nem parecia muito no enorme ‘Salvador Machado’ encheu a bancada da casa da ‘santinha’, o que tornou o jogo mais aconchegante para os da casa. E talvez isso tenha ajudado à exibição azul e vermelha, que, nos cinco minutos iniciais, ameaçou, por várias vezes, a baliza de João Correia, que até conseguiu um roubo de bola soberbo a Gonçalo Alves, quando este lhe apareceu, isolado, pela frente. Um brilharete que foi um dos poucos do 28 vianense, que esteve bastante desinspirado em todo o encontro. Estava difícil capitalizar A UDO seguia bastante pressionante, mas a Juventude poderia ter aberto o ativo num penálti que Luís Viana cobrou, mas para a defesa de Diogo Almeida. A partir daí, a Oliveirense apertou a defensiva e dificultou bastante as penetrações na sua área, ao mesmo tempo que conseguia recuperações e roubos de bola, uns a seguir aos outros. Difícil, mesmo, era capitalizar em golos essas ações ofensivas, pois ou o guardaredes minhoto tinha uma sorte de todo o tamanho, ou

à Oliveirense não saía mais nada senão o azar. Com 18’ para o final da primeira metade, surge o primeiro da União: Um remate frontal de meia distância desfeiteia João Correia, que volta a ficar mal na fotografia, instantes depois, quando permite que a bola saltite, devagarinho, para dentro da baliza, após remate de Tó Silva que acerta no ferro e acerta no equipamento do guardião. O 2-1 surgiu, aos 12’57’’, num golo fácil para Luís Viana, que ficou esquecido, completamente sozinho, à frente da baliza. Mas Tó Silva voltaria a marcar quatro minutos depois, repondo a diferença. Seguiram-se cinco minutos em que os locais poderiam, facilmente, ter disparado no marcador. João Correia acusava já algum desgaste e acumulava defesas incompletas e bolas que não deveriam passar para trás da baliza. A veia concretizadora da União é que teimava em não pulsar e acabou por ser Luís Viana a reduzir para 3-2, depois de dois lances consecutivos em que os homens da casa ficaram a pedir falta na meia pista contrária, sem

Nas próximas jornadas, a Oliveirense tem em agenda a deslocação a Tomar, amanhã, dia 05, e a receção ao Cambra, no próximo sábado, 08 de março

que o árbitro não condescendesse. Antes do fim dos primeiros 25 minutos, Tó Silva voltou a marcar para o 4-2, com que foi para os balneários. Póquer para Luís Viana No reatamento, Suissas marcou ainda no primeiro minuto e Tó Silva poderia ter feito o 6-2, contudo, falhou um penálti. O marcador seguiu para o 4-3, após um lance muito contestado, já que foi assinalado tardiamente – o contra-ataque unionista já decorria quando o juiz da partida validou o golo mi-

nhoto e após as reclamações dos forasteiros. O 5-3 teve a mão de Poka, que, simplesmente, atirou quase do meio campo e deixou mal – mais uma vez – João Correia, que permitiu que a bola passasse por baixo das pernas. Gonçalo Alves ainda poderia ter ampliado, mas quis fazer tudo sozinho e deixou de fazer o 6-3 para os unionistas. Fê-lo, antes, Tó Silva ao assinar o hat-trick no desafio, numa altura em que talvez tivesse sido melhor fazer sair do banco o ‘keeper’ suplente – o 28 estava visivelmente agastado fisica e psicologicamente, pois para a Oliveirense já parecia há muito que bastava atirar que a bola entrava. Entretanto, Poka bisou e fez o oitavo. O Juventude de Viana ainda marcaria mais dois, para o 8-5 final, em dois lances de bola parada: Um penálti assinalado por infração de Diogo Almeida, que, assim, cedeu o lugar a Domingos Pinho. Este ainda defendeu o remate de Luís Viana, contudo, não conseguiu segurar a recarga. Depois, na marca dos sete metros para livre direto, o ex-benfiquista fez póquer no encontro.


DESPORTO

21

Terça-feira, 04 de março de 2014

> HÓQUEI EM PATINS

HÓQUEI EM PATINS> II DIVISÃO  ZONA SUL

UDO demolidora em Turquel

Equipa da ELA perde em Sesimbra

A Oliveirense foi a Turquel, a meio da semana passada, vencer a equipa local, por uns expressivos 2-6. Uma e outra entraram na jornada com a moral ferida pelas derrotas europeias sofridas no fim de semana anterior, mas os homens de Oliveira de Azeméis sacudiram melhor a pressão e não deram espaço para manobras àquela que é uma das equipas com grandes tradições na modalidade. Ainda assim, o Turquel não baixou a cabeça perante o quarto classificado na tabela do Nacional, mas os azuis e vermelhos adiantaram-se primeiro no marcador, por intermédio de Poka, aos dez minutos. Os anfitriões souberam responder e, logo no imediato, Paulo Passos empatou a contenda. Gonçalo Alves foi o senhor que se seguiu na contagem dos golos e desfez o nulo, aos 12 minutos, com uma meia distância indefensável. O Turquel procurou responder, mas foram, de novo, os unionistas a destacaremse, com Tó Silva a fazer bonito. No reinício após o intervalo, a Oliveirense continuou dominadora, contudo, o Turquel não deixava muito folgadas as linhas recuadas dos forasteiros. Assim, Daniel Matias conseguiu reduzir e relançou a partida. O problema foi que a UDO aumentou a pedalada e os homens da casa sucumbiram. Tó Silva bisou na cobrança de um penálti e também Gonçalo Alves meteu o segundo, ampliando para 5-2. E já que estavam numa de marcar outra vez, também Poka apontou o segundo, sentenciando o encontro. Os homens de Nuno Resende conseguiram uma vitória importante para o Campeonato, depois de um par de desaires com equipas – teoricamente – inferiores.

Alfredo Pinho

G.D. SESIMBRA, 5 E.L. AZEMÉIS, 1 G.D. Sesimbra: Alexandre Maricato; Carlos Rainho, André Domingos, Jorge Coelho (1) e Bruno Fuzeta (1) Jogaram ainda: Gonçalo Marcelino (2), João Ramalho e Daniel Marques (1). Escola Livre: Hélder Cereja; Ricardo Bastos, Pedro Silva, Bruno Andrade e José Rodrigues (1). Jogaram ainda: Daniel Gaspar, Francisco Almeida e Rui Pinho. Pavilhão G.D. Sesimbra Árbitro: Pedro Mota e Cidalino Lamosa

A Escola Livre de Azeméis deslocouse ao pavilhão G.D. Sesimbra para disputar o jogo da 21.ª Jornada, a contar para o Campeonato Nacional da 2.ª Divisão Zona Sul. Numa primeira parte de um jogo muito rápido, os escolares

A equipa da ELA encontra-se, neste momento, na 10.ª posição da tabela classificativa

foram superiores e abriram o marcador por José Rodrigues num contra-ataque. Resultado que se manteve até ao fim da primeira parte. Na segunda metade, a Escola Livre de Azeméis (ELA) continuou a lutar pelo objetivo delineado pelo técnico Rui Batista, mas foi a equipa da casa a assinar todos os golos, atra-

vés de livres diretos impostos, erradamente, pela arbitragem, chegando ao resultado 5-1. Além dos escolares jogarem uma grande parte do segundo tempo com três jogadores de campo, a dupla de arbitragem não se revelou digna de apitar este encontro, pois influenciou e prejudicou o trabalho feito pelos homens de Olivei-

ra de Azeméis na primeira parte, estragando, assim, um bom espetáculo de hóquei em patins. A Escola Livre de Azeméis, encontra-se na 10.ª posição da tabela classificativa num total de quinze equipas. O próximo jogo será em casa dos escolares para defrontar a equipa do Oeiras.

> RECENTEMENTE NO PORTO

Centro de Treino de Boccia Municipal conquista mais um pódio Decorreu, recentemente, no Pavilhão Rosa Mota, na cidade do Porto, o Campeonato Nacional Individual (Zona Norte) na classe BC3, o qual serviu de apuramento para o Campeonato Nacional (Fase Final). A prova integrou um total de 32 praticantes. A participação do Centro de Treino de Boccia Municipal de Oliveira de Azeméis (CTBMOA), a funcionar nas instalações da Cerciaz, contou com três atletas: Bruno Ribeiro, Raquel Teixeira e Bruno Sousa, todos em fase ascendente. Bruno Sousa, com o seu assistente Pedro Melo, conseguiu passar à fase de grupos em segundo lugar e, assim, passou aos oitavos de final da prova, tendo acabado por perder por 5-0 para um adversário do Arda Porto. Já Raquel Teixeira, com o seu assistente Pedro Resende, não conseguiu passar a fase de grupos, tendo apenas ganho um jogo. Quanto a Bruno Ribeiro e ao assistente João Correia, consegui-

O atleta do CTBMOA, Bruno Ribeiro (à esq.ª), aspira ser convocado para os estágios da Seleção Nacional de Boccia rumo ao Campeonato do Mundo que vai decorrer na China

ram o apuramento para o Campeonato Nacional, ganhando todos os jogos da fase de grupos com algum à vontade, passando assim aos oitavos de final. Defrontando uma atleta do SC.Braga, venceram de forma clara por 13-1, passando, deste modo, aos quartos de final. Nos quartos, disputaram a eliminatória com o atleta paralímpico Luís Silva: Um jogo muito dificil, mas que, no final, foi ganho por 3-2, o que lhes garantiu o pas-

saporte para as meias finais. Já apurados para o Campeonato Nacional, seguiu-se Mário Peixoto, do SC Braga, a quem não conseguiram levar de vencida, perdendo por 3-2. Acabaram por disputar os terceiro e quarto lugares, numa partida muito bem gerida desde o início, o que lhes permitiu vencerem por 7-2, conquistando um lugar no pódio. Em declarações ao Correio de Azeméis, Bruno Ribeiro fez votos

para que estes resultados (campeão em pares, em dezembro, e, agora, terceiro lugar individual) que contribuam para que comece a ser convocado para os estágios da Seleção Nacional, rumo ao Campeonato do Mundo que se realiza em setembro na China. Aproveitando este apontamento do nosso jornal, quis tornar pública a sua gratidão “ao meu técnico, João Correia, e à Cerciaz, que me têm dado todas as condições”.


22

Terça-feira, 04 de março de 2014

DESPORTO

HÓQUEI EM PATINS> SEGUESE DUPLA DESLOCAÇÃO A SOBREIRA

Imaturidade na II Divisão dita derrota do Cucujães Prova difícil para a equipa sénior de hóquei em patins do Clube Desportivo de Cucujães, que defrontou o Famalicense AC. Falou mais alto a imaturidade de jogar na II Divisão Nacional e os homens de Carlos Gonçalves perderam por 5-7. Diante de uma equipa com mais experiência neste tipo de andanças, o Famalicense AC acabaria por inaugurar o marcador à passagem do minuto 9, por intermédio de André Ferreira, depois de uma jogada de puro entendimento atrás da baliza do guardião José Martins. A vantagem seria ampliada ao minuto 12 por André Barbosa: Foi com bastante inteligência que conseguiu desfeitear o guarda-redes do CD Cucujães. Com uma desvantagem de dois golos, os atletas do CD Cucujães não deixaram de acreditar e mostraram-se determinados em modificar a toada do jogo. E como o querer era tão grande, os locais reduziram (2-1) por intermédio de Duarte Resende, num movimento de rotação por trás da baliza. No minuto seguinte, João Teles teve no stique a oportunidade de reestabelecer a igualdade, mas não conseguiu marcar uma grande penalidade.

Hugo Teixeira

Falhado o exame frente ao Famalicense, o Cucujães tem de agarrar pontos em Sobreira

vilhão do CDC. O Famalicense logrou ampliar a vantagem ao minuto 21, após André Barbosa converter o livre direto, que sancionou a décima falta de equipa dos homens da casa. Os últimos 30 segundos da primeira parte ficaram marcados por uma grande confusão, no meio da qual Marcelo Santos viu o cartão azul. No seguimento, André Barbosa não só não marcou o livre direto, como a defensiva famalicense permitiu que Miguel Oliveira recuperasse a posse da bola e avançasse rapidamente para o ataque. Só que foi travado por uma falta feia de Pedro Teixeira, que também viu a cartolina que o suspendeu por dois minutos. Quem não marca Na marca dos sete metros, sofre mesmo Duarte Resende desperdiçou a Quem não marca, sofre e possibilidade de reduzir, mas o isso voltou a ser regra no Pa- final da primeira parte chegou

com o marcador em 1-3. Chuva de golos a abrir segunda parte No reinício da partida, a intensidade do jogo subiu bastante e isso viu-se quando o placar foi guarnecido com mais quatro golos, logo nos primeiros cinco minutos. Primeiro foi Tiago Oliveira a aparecer, ao minuto dois, para concluir uma jogada de perfeito entendimento do Cucujães. Ainda no mesmo minuto, André Barbosa voltaria a colocar o resultado em dois golos de diferença (2-4). Ao minuto 4, André Ferreira ampliou a vantagem, marcando o quinto golo para a equipa do Norte. Mas não tardou muito a que a diferença voltasse a ficar em dois golos, pois, no minuto seguinte, Duarte Resende bisou na partida, fazendo o terceiro

da equipa visitada. A décima falta da turma de Famalicão surgiu aos nove minutos jogados e, desta vez, Miguel Oliveira não vacilou e colocou o resultado na margem mínima (4-5). No minuto seguinte, Duarte Resende poderia ter reestabelecido o empate, mas não conseguiu marcar uma grande penalidade. Pelo meio, Manuel Pinheiro ainda recebeu um cartão azul. Minutos depois, surgiu a 15.ª falta do CD Cucujães, que não foi aproveitada por André Barbosa. À passagem do minuto 16, Celso Silva marcou para o Famalicense AC e, de novo, dois golos separavam os emblemas em confronto. Um sol, porém de pouca dura, já que logo depois Pedro Costa finalizou da melhor forma a grande jogada da partida, após uma triangulação perfeita (5-6). O resul-

Hóquei em Patins

CAMPEONATO NACIONAL I DIVISÃO

Oliveirense X HA Cambra Sábado, 08 de março, 17h00, Pavilhão Dr. Salvador Machado

tado final seria estabelecido a dois segundos do fim, quando Airton Barros converteu o livre direto relativo à 20.ª falta dos locais. O apito final chegou, deixando a clara impressão de que os anfitriões mereciam um resultado bem melhor. Na análise ao encontro, Carlos Gonçalves confirma que a derrota explica-se pela “falta de maturidade dos jogadores de Cucujães face à da equipa adversária”. Sem querer atribuir culpas às más decisões da arbitragem, o treinador do CD Cucujães prefere olhar em frente e pensar nos próximos jogos: Há dupla deslocação a Sobreira, sendo que a primeira (08 de março, 21h15) será importante nas contas para a manutenção e a segunda (no sábado seguinte) valerá para a Taça de Portugal.


DESPORTO

23

Terça-feira, 04 de março de 2014

LIGA CABOVISÃO> VISEU MAIS FORTE NA VISITA AO ‘CARLOS OSÓRIO’

Oliveirense de novo em apuros O terreno, fustigado pela chuva, não ajudou ao espetáculo e o futebol virou jogo do sorte, ou, melhor, de azar para a Oliveirense, que volta a ficar em zona de perigo na tabela. A Oliveirense voltou a cair, desta feita, frente ao Ac. Viseu. Depois de algumas jornadas em que parecia ter conseguido dar a volta por cima, os homens de Artur Marques regressam a um lugar perigoso na tabela: Estão em penúltimo, em igualdade pontual (32) com o Trofense. Em último segue o Atlético, com 27, o que coloca a União com as contas apertadas, numa altura em que faltam dez jornadas para o final do Campeonato. Com o terreno muito difícil para jogar futebol – bom ou mau – saiu-se melhor o Viseu, embora com as dificuldades impostas pelo lamaçal que já é frequente no estádio azul e vermelho.

Alfredo Pinho

OLIVEIRENSE, 0 AC. VISEU, 2 Oliveirense: João Pinho; Califo (Ângelo, 74’), Sérgio, Banjai, Godinho, Laurindo, Sérgio, Renan (Carlitos, 46’), Rui Lima, Ely (Hélder Silva, 62’) e Yero. Suplentes: Mammadu, Paulinho, Ângelo, Zé Sousa, Carlitos, Hélder Sousa e Duarte Duarte. - Treinador: Artur Marques. Ac. Viseu: Ricardo Janota; Tomé Mendes, Thiago Pereira, Cláudio, Tiago Costa, Capela, João Martins (Fausto, 75’), Bruno Loureiro, João Alves (Tiago Rosa, 85’), Luisinho (Zé Rui, 79’) e Cafú. Suplentes: Hélder Godinho, Tiago Gonçalves, Tiago Rosa, Leonel, Bruno Gou, Zé Rui e Fausto. - Treinador: Ricardo Chéu.

Depois de ‘cair’ em casa, a Oliveirense está a cinco pontos de voltar a ser lanterna vermelha

Também por isso o golo podia ter calhado a qualquer um dos conjuntos, já que não se tratava de técnica, tática ou tão pouco estilo. Tinha de ser a sorte a falar mais alto. E foi o que aconteceu quando uma alegada mão de Ely, na área, ofereceu um penálti aos forasteiros, que João Martins converteu sem contemplações. A vencer pela margem

mínima, o Viseu optou por guardar o seu reduto, mas não deixava de importunar a defensiva anfitriã, que, por seu turno, parecia não ter quaisquer argumentos para repor o marcador. E assim chegou o intervalo, do qual a UDO veio algo mais esclarecida. Ainda assim foi o Viseu que ameaçou primeiro, por Cafu, que, aos 62 minutos, atirou bem perto

> FORMAÇÃO

Escolinha do Cesarense ‘com iniciativas na manga’

Nos dois últimos fins de semana, a equipa da Escolinha do FC Cesarense visitou o Centro de Formação da AD Sanjoanense e do SC Alba. Esta equipa integra os atletas mais jovens do FC Cesarense, nascidos nos anos de 2006, 2007 e 2008 e que ainda não está integrada nas competições oficiais

da Associação de Futebol de Aveiro. O conceito idealizado, neste momento, passa por agendar jogos/convívios com várias escolas de futebol, de modo a que os respetivos jogos não tenham um peso demasiado competitivo. Para os próximos meses, o Dep. Formação do Clube

está já a agendar novos convívios, quer em Cesar, quer fora de portas. O trabalho de angariação de novos atletas continua em marcha e, assim sendo, mais miúdos e miúdas com vocação para a prática de futebol e nascidos entre 2006 e 2008 vão continuar a ser bem recebidos. R. CASTRO

da baliza – mas ao lado. Na resposta, Yero mandou tiro para a frente e acertou na defensiva adversária. De novo, qualquer uma das equipas poderia voltar a fazer ‘cantar-se golo’ no Carlos Osório. No entanto, para tristeza dos adeptos locais, foi o Viseu que fez mexer as redes – Cafu, de novo, mas, desta vez, servido por um cruzamento de Luisinho, bi-

Jogo no Estádio Carlos Osório, Oliveira de Azeméis Árbitro: José Laranjeira (Coimbra). Cartões amarelos: Laurindo (35’ e 90’+3), Ely (44’) e Cláudio (87’). Cartão vermelho: Laurindo (90’+3, a.a.). Marcadores: 0-1, João Martins, 45 minutos (g. p). 0-2, Cafú, 68’ minutos

sou no encontro. Desta vez, o Viseu não se escudou na defesa: aliás, reforçou o ataque e deu que fazer aos homens de Artur Marques. Já a Oliveirense, por mais que lutasse, não conseguia ‘virar o tempo a seu favor’: Yero quase reduziu aos 77, só que Ricardo Janota tirou-lhe o doce da boca. Inspirado, aos 90 negou o golo também a Rui Lima.


24

Terça-feira, 04 de março de 2014

DESPORTO

CN SENIORES> FASE SUBIDA  NORTE

Cesarense acabou a partida com sete em campo Neste domingo de Carnaval, com muita chuva, o Cesarense deslocou-se a Ponte de Lima para defrontar o Limianos, vencedor da Série A na primeira fase. Ambas as equipas partiram para este encontro sem pontos amealhados e repartindo o último lugar. R. CASTRO

Foi uma partida atípica, esquisita, marcada por quatro expulsões, três para o Cesarense e uma para a equipa da casa, apesar de não ter sido um jogo violento ou com entradas à margem das leis, mas sim em consequência da falta de bom senso, decisões inexplicáveis e muito excesso de zelo da arbitragem. Como lhe competia, o conjunto da casa entrou ao

Foto Arquivo

AD LIMIANOS, 0 FC CESARENSE, 0 AD Limianos: Litos, Luís Pimenta, Vítor Hugo, Win, Gustavo (Jena, 16’), Vasco, Manuel Cordeiro, Pedro Maciel (Joni, 64’), Mickael (Ricardo Nogueira, 58’), Ricardo Silva, Nuninho. - Treinador: Carlos Cunha. FC Cesarense: João Silva, Oliveira, Careca, Tiago Resende, Rosas, João Pinto, Bruno Fogaça (Castro, 63’), Hugo, Tó Frangolho, Alex (Paulo Ferreira, 87’), Bruno Anciães (Américo, 40’). - Treinador: Luís Miguel. Jogo no Campo do Cruzeiro, em Ponte de Lima Àrbitro: Albano Correia (AF Braga) Cartões Amarelos: Nuninho (20’), Hugo (35’, 82’), Mickael (37’), João Silva (46’), Américo (77’). Cartões Vermelhos: Careca (27’), Rosas (41’), Ricardo Nogueira (65’), Hugo (82’, a.a.)

O treinador, Luís Miguel, viu a sua equipa chegar ao final do jogo reduzida a sete elementos

ataque, com o Cesarense a procurar equilibrar o jogo e a atacar pelas alas, sempre que possível, e com ambos os guarda-redes em bom nível, a não darem muitas facilidades. À passagem dos 27 minutos, o Cesarense sofreu o primeiro revés, com a expulsão sem sentido de Care-

ca e, mais tarde, já perto do intervalo, Rosas também foi expulso de uma forma inexplicável. Ambas as expulsões evidenciaram muita falta de bom senso e, talvez, necessidade de protagonismo do árbitro da partida. Apesar de jogar em inferioridade numérica, o Cesa-

rense conseguiu ‘segurar’ o adversário longe da sua área e manter a sua baliza inviolável até ao intervalo. No reatamento, Luís Miguel reorganizou a sua equipa e criou duas linhas defensivas, por forma a adiar o mais possível o que parecia inevitável, -o golo da equipa minhota - e só indo para a frente em situações de contra-ataque. O jogo caiu de qualidade, a equipa da casa não conse-

guia criar lances de perigo junto da baliza de João Silva e o tempo ia jogando a fazer do Cesarense. As coisas melhoraram para os alvi-negros com a expulsão de um atleta do Limianos, que esteve em campo sete minutos. Aos 82’, Hugo vê o segundo cartão amarelo e consequente expulsão, aparentemente, por ter jogado a bola com a mão quando estava no chão. Aos 40’, Nuninho entrou na área do Cesarense e, quando parecia que ia fazer golo, rematou atabalhoadamente ao lado da baliza. Esta foi a melhor oportunidade de golo na segunda parte. O Cesarense acabou a partida com sete elementos em consequência da lesão de Paulo Ferreira e com todas as substituições já efetuadas. No final, pontos repartidos por ambas as equipas, com o Cesarense a ser justamente premiado pelo esforço, empenho, espírito de sacrifício e entreajuda dos seus atletas. Arbitragem de fraca qualidade.

CN SENIORES – PERMANÊNCIA> BUSTELO DOMINA MAS ACABA DERROTADO

Má finalização dita derrota injusta Foto: Arquivo

LOUROSA, 1 S.C. BUSTELO, 0 Lourosa: Rui Pedro; Sanguedo, António, Rui Jorge, Ivo; Vitor Fonseca, Moisés, Lima (Nélson, 90’); Bino, Batista (Hugo Silva, 78’) e Quim Pedro (Mauro, 66’). S.C.Bustelo: Janita; Paivinha, Luís, Renato, Almeida (Zé Pedro, 85’), Dani, Azevedo (Bruno Tiago, 66’), Diego (Marcelo, 77’), Miguel Soares; Ayrton e Miguel. Estádio do Lusitânia FC Lourosa Árbitro: Marco Gomes (Leiria) Cartões amarelos: Vitor Fonseca (7’), Sanguedo (40’), Almeida (53’), Lima (78’) e Dani (81’e 85’). Cartão Vermelho: Dani (85’ a.a.) Marcador: Lima (63’)

Depois da goleada fora de portas na deslocação a Estarreja, o Bustelo procurava novo resultado positivo para continuar na liderança da Série em que está inserido. Foi uma equipa muito personalizada aquela que se apresentou em Lourosa, conseguindo impor o seu domínio, sobretudo, ao longo do primeiro período.

O Bustelo recebe, na próxima jornada, o Vildemoinhos

Os comandados de Miguel Oliveira entraram muito bem no encontro e, logo nos minutos iniciais, poderiam, por duas vezes, ter inaugurado o marcador. Primeiro, por Miguel, que, em boa posição, permitiu uma excelente defesa ao guarda-redes e na recarga Diego enviou a bola à barra da baliza de Rui Pedro. Pouco depois, o guardião lo-

cal voltou a brilhar, com mais uma bela defesa, respondendo a um cabeceamento de um atacante Bustelense. A primeira metade foi, então, quase de sentido único, já que a equipa da casa não conseguia chegar perto da área contrária. Assim, o nulo ao intervalo penalizava bastante a ineficácia visitante. Na segunda metade, a

equipa local procurou como lhe competia alterar o rumo dos acontecimentos e, de certa forma, equilibrou a partida assegurando mais posse de bola a meio campo sem que, no entanto, criasse qualquer situação de perigo. Foi, portanto, com alguma surpresa que surgiu o único golo da partida: Quando nada o fazia prever, Lima aprovei-

tou a única desatenção defensiva bustelense ao longo de todo o jogo e, ao segundo poste, cabeceou para o golo. Pouco depois, o Bustelo ainda reclamou uma grande penalidade, por mão na bola, de um jogador Lourosense, na área, mas o árbitro nada assinalou. Ao invés, já perto do final, acabou por expulsar Dani e assinalou grande penalidade contra o Bustelo. Mas Janita, com uma excelente defesa, negou o 2-0 ao Lourosa, mantendo a diferença mínima no placar até ao final. Depois do golo sofrido, os visitantes passaram a jogar mais com o coração do que com a cabeça e o discernimento já não era o mesmo da primeira metade. Por isso, acabaram por sair derrotados nesta deslocação, antes da receção ao Lusitano de Vildemoinhos, na próxima jornada.


DESPORTO

25

Terça-feira, 04 de março de 2014

FUTSAL> CN III DIVISÃO  SÉRIE B

Faltou ‘um bocadinho assim’ Foto de Arquivo

tenso e rápido nas oportunidades, tanto para um lado quanto para o outro, mas o Azagães revelou-se mais concretizador e Carlos fez o segundo para a sua equipa. A partir deste ponto, tudo parecia encaminhar-se para um

jogo, com alguma tranquilidade, no marcador, contudo, o Gondomar conseguiu reduzir e deixar o resultado na margem mínima antes do descanso. No segundo tempo, os forasteiros chegariam ao empate com a ajuda de Tiago, que ainda tocou na bola antes desta entrar. O jogo parecia que iria ser resolvido para a equipa que errasse menos, mas ambas estiveram bastante equivalentes. Carlos ainda faria o terceiro para a equipa do Azagães e o segundo na conta pessoal, mas o Gondomar empatou logo de seguida. Até ao fim quer uma, quer outra equipa podiam ter feito mais golos, sobretudo, a equipa do Azagães que desperdiçou, várias vezes, o golo quase de baliza aberta. Resultado que castiga as duas equipas, em especial o Azagães por aquilo que produziu no somatório de todo o encontro, num grande jogo de futsal.

Passados poucos segundos e fruto de estar a jogar em superioridade numérica, Andorinha elevou para 3-1, resultado com que chegou ao intervalo. A segunda parte abriu, praticamente, com golo da equipa da casa na marcação de um canto. O FCA, muito forte, não se deixou afetar pelo golo e respondeu com dois golos, praticamente de rajada, Joel e Ruca, com ajuda de um adversário, colocaram o marcador em 5 a 2 e sentenciaram o

vencedor da partida. Spock, já perto fim, estabeleceu o resultado final. Vitória justa, num ambiente hostil. De lamentar que, já muito depois da partida terminar, a equipa de Oliveira de Azeméis tenha de ter aguardado pelo reforço de elementos da GNR para poder sair do pavilhão. Muitas ofensas verbais e físicas aconteceram e só a boa e rápida intervenção da GNR não deixou que as porporções destes atos tivessem sido ainda mais graves.

AZAGÃES, 3 GONDOMAR, 3 Azagães: Pião; Padeiro, Tiago, P Bastos, Carlos, jogaram ainda: Diogo, Jorge, Messi, Calão. Treinador: Paulo Lima Gondomar: Rui; Fernandes, Hugo, Rúben, Azevedo, jogaram ainda: Carlos, Baltar, Renato, Pedro, Marques, Diogo. Treinador: Hélder Monteiro Cartões amarelos: Pião, Diogo, Jorge, Rúben, Azevedo e Pedro Marcadores: Tiago, Carlos (2), Hugo, Rúben e Pedro Árbitros: Sérgio Mendes, Pedro Soares Cronometrista: Verónica Rato

Depois de, na última jornada, ter saído derrotada frente aos Leões Valboenses e da paragem para os jogos da Taça de Portugal, a turma de Paulo Lima recebeu e empatou frente à equipa do Gondomar.

O Azagães cedeu um empate caseiro

do Azagães foi aquela que tomou conta do jogo, tentando chegar ao Com duas equipas muito pró- golo sempre em ataque continuximas na tabela a defrontarem-se, ado. avizinhava-se um grande jogo de E foi Tiago a abrir o ativo a futsal e isso foi o que aconteceu. meio do primeiro tempo. Com o Sempre mais ofensiva, a equipa golo, o jogo ficou ainda mais inFREDERICO BASTOS

FUTSAL> EM JOGO ENTRE CANDIDATOS

Vitória categórica SAAVEDRA GUEDES, 2 FUTSAL AZEMÉIS, 6 Saavedra Guedes: Oliveira, Dário, Frank, Daniel e Kaniggia. Jogaram ainda: Paulinho (1), Rato, Nuno Seco (1), Ventura, Ricardo e Beiças. - Treinador: José Romão. Futsal Azeméis (5): Inácio, Spock(2), Hélder(1), Andorinha (1) e Joel (1). Jogaram ainda: Lourenço, Robinho, Pipokah, Ruca (1) e Paulo Azevedo. - Treinador: Ricardo Canavarro. Árbitros: João Silva e Alexandre Costa Cartões amarelos: Inácio e Spock Cartão vermelho: Dário

Num jogo entre candidatos, apimentado devido aos incidentes da 1.ª volta, o Futsal Clube de Azeméis (FCA) foi a Pardilhó efetuar uma exibição de gala. A turma de Oliveira de Azeméis entrou muito forte na partida, muito pressionante. Aliás, foi algo que se notou ao longo de todo o jogo mesmo quando já se encontrava a ganhar. Com cinco minutos de jogo, Hélder fez o 1-0, num lance de insistência para, volvidos três minutos, Spock

culminar com golo um contra ataque, elevando para a 2-0. O Saavedra Guedes, num lance de contra-ataque, ainda reduziu para 2 a 1, talvez na única desatenção defensiva da equipa oliveirense. Já nos instantes finais da primeira parte, num lance de génio de Ruca, um jogador da equipa da casa tirou a bola com a mão quando esta ia a entrar. Consequentes expulsão e penálti, lance que não foi aproveitado, pois Pipokah, na marcação, atirou ao poste.

FUTSAL FEMININO> COMPETIÇÃO ENCERRADA COM GOLEADA

P.A.R.C. termina campeonato em quinto lugar C.A.P.ALQUERUBIM, 1 P.A.R.C., 9 C.A.P. Alquerubim: Márcia Lopes, Nicole, Tânia, Ruth Guimarães e Márcia Mendes. Jogaram ainda: Ana Mendes, Ana Nogueira e Anabela. - Treinador: António Alves. P.A.R.C.: Sílvia, Lena, Raquel, Joana Silva e Aida Borges. Jogaram ainda: Carolina, Joana Fernandes, Liliana, Filipa, Alice e Tuka. - Treinador- Hugo Tavares. Jogo no polidesportivo de Alquerubim Árbitros: Luciana Oliveira e António Coutinho Marcadoras: Lena(2), Filipa(2), Joana Silva(2), Joana Fernandes(2), Liliana e Ruth Guimarães.

No último jogo do campeonato, as pindelenses queriam encerrar da melhor maneira com a quinta vitória consecutiva, mas, para isso, teria de ultrapassar o lanterna vermelha, o C.A.P. Alquerubim. Apesar de uma entrada

muito apática, a P.A.R.C. era equipa com maior ascendente, por isso, esperava-se um golo madrugador. E foi o que aconteceu, passava o minuto quatro: Numa das raras movimentações nesta primeira parte, Lena inaugurou o marcador, mas outros quatro volvidos e sem fazer por isso as locais empataram numa transição rápida. Continuando sem fazer um bom jogo, a turma que se deslocara de Pindelo era a única que criava perigo, con-

tudo, até ao intervalo só finalizou com êxito mais duas vezes, por Filipa e Joana Silva. Na segunda parte, as comandadas de Hugo Tavares puxaram pelos seus galões e mostraram a sua superioridade, com jogadas rápidas e concluídas ao segundo poste. Daí resultaram mais seis golos até ao fim, os quais sentenciaram a partida com uma goleada. Encerrou, desta forma, a participação da P.A.R.C. no campeonato distrital época

2013/14, tendo alcançado o quinto posto com 40 pontos, construídos com 89 golos marcados e 51 sofridos. Um bom resultado, apesar do técnico Hugo Tavares tivesse desejado conseguir um maior número de pontos. O vencedor do Campeonato foi equipa com o Always Young a ser o vencedor do campeonato. A P.A.R.C. irá participar na prova extra. Até ao fecho da presente edição os jogos estavam aindapor definir.


26

Terça-feira, 04 de março de 2014

DESPORTO

FUTEBOL> SUB 18

>MOTORES

Vitória justa moraliza FC Cesarense Feminino A equipa Sub 18 de futebol feminino do FC Cesarense recebeu e venceu, no passado fim de semana, a turma da A.D. Ovarense.

Foto: António Cardoso

ROSÁRIO SANTOS

O Estádio do Mergulhão serviu de palco a este jogo, que contou para o Distrital, e que resultou numa partida emocionante e muito bem disputada por ambas as equipas. Após alguns minutos do início do jogo a equipa cesarense apontou o seu primeiro golo, seguido de um fulminante canto cobrado pela jovem atleta Ângela Cardoso. Ao ser afastada pela equipa adversária, a bola sobrou e foi novamente intersetada pela mesma jogadora, que soltou para Mariana Almeida desfe-

Uma vitória que foi também um bom prémio para as jovens atletas

rir um remate possante à entrada da área, finalizando da melhor forma. Mantendo-se sempre um jogo com grande atributo, aos 26 minutos a equipa do A. D. Ovarense conseguiu empatar através da marcação de uma grande penalidade. Na segunda parte, as comandadas de Tino Lima en-

traram muito fortes e pressionantes. Uma postura que deu frutos, já que após várias tentativas por parte da equipa Cesarense em chegar à vitória, surgiu o segundo golo marcado pela atleta internacional Sub 17, Susana Silva, que despertou uma grande emoção, tanto nas suas companheiras de jogo quanto no público

presente. O resultado não se alterou mais até ao final do jogo. De registar o excelente empenho e determinação que a equipa Cesarense tem vindo a demonstrar. Com esta importante vitória, a equipa FC Cesarense Sub 18 Feminino, alcançou o quarto lugar na tabela classificativa.

>MOTOCICLISMO

André Sousa sobe de categoria Para este ano de 2014 há grandes novidades: depois das boas prestações de André Sousa em 2013 e dos azares que o acompanharam durante toda a época, o piloto de Oliveira de Azeméis teve o convite para subir de categoria para as 600cc, numa equipa com um grande historial no mundo da competição: o ‘Clube Motorizado do Troço’.

Recorde-se que esta equipa conquistou até ao momento bastantes títulos nacionais nas variadas classes e participou no GP de Macau, sendo neste momento a equipa mais antiga deste campeonato e que detém o maior historial. A mota que André Sousa irá correr no campeonato de 2014 é uma Triumph Daytona 675, que em 2013

foi vice-campeã a apenas um ponto do primeiro classificado. Este campeonato de 2014 irá contar com oito provas sendo duas delas internacionais: o Campeonato do Mundo de Superbikes e o CEV, ambos a serem disputados no Autódromo Internacional do Algarve e com transmissão televisiva em direto.

André Sousa passa a integrar o ‘Clube Motorizado do Troço’

Sueca em Pindelo O Centro Lúdico promove no dia 13 de março, pelas 14h30, um Torneio de Sueca, no âmbito do programa “Azeméis Ativo 2014”. A iniciativa, que encerra em novembro, tem como objetivo a promoção de momentos de

convívio e troca de interesse e habilidades através da valorização dos saberes tradicionais. Torneios de sueca, damas, dominó, concurso de dança, campeonato de xadrez e um encontro municipal de jogos tradicionais são algumas das

atividades desenvolvidas para proporcionar um envelhecimento mais ativo. Para participar nas ações, destinadas à população em situação de reforma, é fundamental a realização de uma inscrição realizada na respetiva junta de fre-

guesia, pelo representante do Conselho Municipal do Idoso e pelo programa Viver Melhor. As inscrições são válidas até às 14h00 dos dias de Torneio. Para este dia a atividade acontece no Salão da Freguesia de Pindelo.

Os Últimos em aniversário O Moto Clube Os Últimos vai assinalar a passagem do seu 19.º aniversário com um

dia de celebração que temiAs festividades concen- sendo que os atos oficiais nício às 10:00 horas do dia 8 tram-se na Rua das Padarias, decorrem a partir das 17:00 de março. junto à sede da coletividade, horas.

Team Clássico Racing/Isvouga com estratégia definida Após uma época de 2013 recheada de excelentes resultados, o Team Clássico Racing/ Isvouga prepara com afinco a nova temporada, tendo em vista vitórias nas corridas e no campeonato. A equipa sedeada em Sta. Maria da Feira fechou o lineup para 2014 e irá contar, tal como em 2013, com os préstimos dos pilotos Alberto Pires e Pedrinho Martins, sendo António Nicolau o Team Manager da equipa. Alberto Pires é detentor de uma grande experiência em motos de estrada e de corrida, sendo piloto ensaiador há muitos anos. Participou nos anos 90 em várias corridas de Velocidade, nomeadamente no Challenge Aprilia. Em 2010, participa pela primeira vez numa prova do Troféu de Clássicas, tendo vencido em 2011 a prova final desenrolada em Braga. O ano transato foi um ano pleno de sucessos com diversas vitórias à geral em corrida, que permitiram conquistar o Troféu da classe C3 e da Geral Conjugada. Pedrinho Martins iniciouse em 1992 no campeonato nacional de raides e de enduros com uma KTM EXC 125. A passagem pela Velocidade dá-se com o Challenge Aprilia e com a BMW Boxer Cup, somando-se ainda uma participação no CNV a convite da MotoMotor com uma Yamaha R6. Em 2011 regressou à competição, no Troféu Nacional de Clássicas com uma Yamaha RD 250 e venceu, no ano seguinte, uma prova na classe C1. No ano passado obteve como pior classificação o segundo lugar da geral e da C3 em todas as provas disputadas, vencendo a última prova do Estoril à geral. Com o currículo destes pilotos o lema só pode ser vencer. Ouvindo Pedrinho Martins percebe-se isso mesmo “a aposta da equipa é levar o Alberto Pires à obtenção do título de campeão. Assim, tentarei participar no maior número possível de eventos e ajudar a o Alberto até ao lugar mais alto do campeonato, de modo a repetir o excelente ano desportivo que 2013 representou para nós”.


TRIBUNAIS E POLÍCIA/GERAL

27

Terça-feira, 04 de março de 2014

>DEFESA VAI RECORRER

Solicitadora condenada a seis anos de prisão efetiva Tribunal entende que o montante desviado e a conduta da arguida “não é compatível com penas suspensas”. A defesa da exsolicitadora considera a pena desajustada e vai recorrer.

Diana Cohen

DIANA COHEN

A ex-solicitadora que se apoderou de mais de meio milhão de euros num processo de penhoras foi, ontem, condenada a seis anos de cadeia, no Tribunal de Oliveira de Azeméis. “O desfalque que aquela conta é uma coisa que só visto. Fez o que quis com aquele dinheiro”, disse o magistrado à arguida, de 44 anos, lamentando que esta nunca tenha justificado o destino da quantia. “Nunca disse, de forma concreta, onde foi parar aquele dinheiro todo. A quantia dissipou-se, desapareceu e não se conseguiu encontrar-lhe o rasto”, acrescentou o magistrado. “É uma mensagem clara para todos os agentes de execução. No que é dos tribunais não se toca”, afirmou o juiz-presidente, João Grilo, durante a leitura do acórdão, que deu como provada a totalidade da acusação do Mi-

Arnaldo Sanfins ficou sem 507 mil euros e receia que esse montante nunca venha a ser-lhe devolvido

nistério Público, que imputava a Laudemira Oliveira um crime de peculato. Em causa estavam 507 mil euros que Arnaldo Sanfins disponibilizara, no âmbito de um processo de execução e que foram depositados no Tribunal de Vila do Conde, à ordem da arguida. Dinheiro que, agora, o empresário, de 79 anos, teme nunca mais reaver, apesar da antiga agente de execução ter sido condenada a devolvê-lo, bem como a pagar ao ofendido cinco

mil euros relativos a danos nãopatrimoniais. O presidente de coletivo classificou de “inadmissível” o comportamento da mulher, entretanto expulsa da profissão, que, de resto, nunca negou a autoria do crime. E referiu, também, que as repercussões do sucedido na sociedade são “gritantes”. “As pessoas ficam perplexas quando alguém da função pública se apropria de valores. Acham repugnante”, sublinhou.

“... Uma lição para a gestão da justiça” O magistrado aproveitou ainda a leitura da decisão para fazer considerações acerca da gestão da justiça. “Há que pensar até que ponto foi vantajoso entregar estas funções do domínio público a privados. Deu no que deu”, afirmou, referindo-se não só ao processo em julgamento, como a outros de natureza idêntica. “Fico satisfeito, na medida em que é uma lição para a gestão da justiça”, disse o representante de Arnaldo Sanfins, à saída da sala de audiências. No entanto, o causídico considera “chocante” que o empresário “fique numa situação sem saber se e quando vai receber o dinheiro”. Sucede que, para além de se ter pedido o rasto do dinheiro da avultada quantia, a conduta de Laudemira Oliveira terá lesado mais pessoas. Segundo Braz Marques, os desfalques ultrapassam os 800 mil euros e o montante que restava nas contas, aquando da apreensão pela Polícia Judiciária, “vai entrar na liquidação”. A defesa anunciou que vai recorrer da decisão. “Percebemos os argumentos, mas consideramos a pena ligeiramente desajustada em relação à situação da arguida”, declarou o advogado, Paulo Gomes.

Última Hora

Faleceu Monteiro de Freitas

Pelas 16h00 de hoje, terça-feira, vai a sepultar António Coutinho Monteiro de Freitas. Contava 78 anos. Veio para Oliveira de Azeméis gerir a Agência Ford, estando entre os que, em 1974, fundaram o núcleo local do então PPD. Foi deputado à Assembleia Constituinte e integrou o movimento que conduziu à criação do Clube Rotário oliveirense. Voltaremos ao assunto na próxima edição.

CUCUJÃES> NA ÚLTIMA ‘NOITE QUENTE DE INVERNO’ DE 2014

Casa do Torreão recebe ‘Festival de Tunas Académicas’ No próximo sábado, 08 de março, o departamento cultural do Núcleo de Atletismo de Cucujães (NAC) promove muita diversão na Vila de Cucujães, no âmbito da qual todas as mulheres vão ter direito a serenatas, não fosse o Dia Internacional da mulher. Para começar, ao início da tarde, várias tunas académicas vão percorrer a freguesia nas já tradicionais arruadas, atuando

em diversos espaços comerciais e associações. Posto isso, e após pausa para jantar, a festa continua, pelas 21h30, na Casa do Torreão, onde vai ter lugar o ‘Festival de Tunas Académicas’, com a participação da Tuna Académica do ISEP (Instituto Superior de Engenharia do Porto); TAIPAM – Tuna Académica do IPAM (Instituto Português de Administração

e Marketing de Matosinhos); Tuna Feminina de Biomédicas (Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar do Porto); e Vitis Tuna (Tuna Mista da Escola Superior Agrária de Coimbra). Na ocasião, para além da ‘tuna vencedora’, vão ser premiados ‘o melhor solista’, ‘o melhor pandeireta’, ‘o melhor porta estandarte’, ‘o melhor instrumental’ e ‘a tuna mais tuna’.

Esta vai ser a última ‘Noite Quente de Inverno’ deste ano, motivo mais do que suficiente para marcar presença neste espectáculo musical, cheio de cor e alegria, apanágio da melhor tradição académica. A entrada custa três euros reverte a favor do NAC, associação juvenil sem fins lucrativos, de utilidade pública, que se dedica ao desporto e à cultura. PUB

Manuel Fernando de Jesus Ferreira - 79 Anos - Rua Manuel Ferreira da Silva Brandão-Vila de Cucujães -

Sua esposa, filhos, netos e demais família vêm, por este meio, agradecer a todos quantos se dignaram tomar parte nas cerimónias fúnebres, ou que, de outra forma, se lhes associaram na dor. Renovam profunda gratidão pelas presenças amigas na liturgia de 7.º dia, em sufrágio pela sua alma, que se celebrou ontem, dia 03, pelas 19h00, em Cucujães. Agência Funerária António Oliveira & Guedes, Lda | Rua do Casal, nº 68 | 3700-732 Milheirós de Poiares E-mail: agencia.funeraria.ag@hotmail.com | tel: 968 685 709 - 965 815 114 | Fax: 256 811 124

35.º Aniversário Lutuoso - 19/12/2014

Teresinha Maria Silva Pires 9.º Aniversário Lutuoso - 08/03/2014

Sérgio Eduardo Silva Pires - Curval-Pinheiro da Bemposta -

A mãe recorda o vosso sorriso, A chorar com grande saudade, 40 anos de sofrimento, à custa da vossa lindeza e da vossa bondade, três despedidas forçadas, três dores, três lutas travadas, três vidas encurtadas, três felicidades inacabadas.


28

necrologia/geral

Terça-feira, 04 de março de 2014

> Agraciado com a comenda da ordem militar de avis

Faleceu o capitão-de-mar-e-guerra Iglésias Gonçalves Faleceu o capitão-de-mare-guerra Fernando das Neves Iglésias Gonçalves. Contava 82 anos de idade. Natural de Espinho, fixou-se em Oliveira de Azeméis criança ainda. Seu pai, Joaquim Iglésias Gonçalves, chegava então ao Centro Vidreiro, onde foi quadro superior durante décadas. Rapidamente integrado na sociedade oliveirense, esteve no punhado de entusiastas que, em 1949, criou a Edificadora Oliveirense, uma institui-

ção pioneira na época. Concluído o ensino liceal no extinto Colégio, Fernando Iglésias Gonçalves matriculouse no Instituto Superior de Ciências Económicas e Financeiras, em Lisboa, que abandonaria concluído o 3.º ano para frequentar a Escola Naval. Na sua longa e brilhante carreira, entre outras missões, prestou serviço na Base do Alfeite, no Ministério da Marinha, no Estado Maior General das Forças Armadas, lecionou

na Escola Naval e serviu numa longa comissão em Macau. Casara, entretanto, com a professora Edite Gomes da Costa Iglésias Gonçalves, filha de João Carlos Gomes da Costa, um inesquecível servidor da causa desportiva, referência oliveirense, e de sua esposa Albertina Oliveira Gomes da Costa. Foi agraciado com a comenda da Ordem Militar de Avis, a ordem portuguesa mais antiga, destinada exclusivamente a

Amorosa dos Santos Rebelo - 83 Anos - Rua D. Manuel II-Carregosa -

Sua família vem, por este meio, agradecer a todas as pessoas que se dignaram tomar parte das cerimónias fúnebres, realizadas em Carregosa, no passado dia 03 de março, ou que, de outra forma, se lhe associaram na dor. Renova profunda gratidão pelas presenças amigas na liturgia do 7.º dia em sufrágio pela sua alma, que será celebrada na igreja matriz Carregosa no próximo dia 07 de março, pelas 19h00. Funeral a cargo de Alcino & Filho, Serviços funerários e lutuosos www.alcinoefilho.com tel: 256412007 – 917571219

pre­miar altos serviços militares. Passado à reforma, regressou a Oliveira de Azeméis, onde agora repousa. No cemitério municipal foram-lhe prestadas as honras militares do estilo. A sua invulgar inteligência e a sua esmerada educação serão sempre recordadas por quantos o conheceram. O Correio de Azeméis apresenta cumprimentos de pesar à família enlutada. António Magalhães

Virgínia de Oliveira Rebelo - 92 Anos - Rua do Barão-Loureiro -

Seus filhos, netos e demais família agradecem, reconhecidamente, a todas as pessoas que acompanharam as cerimónias fúnebres, ou que, de outra forma, lhes manifestaram o seu pesar, assim como a missa de 7.º dia, que será celebrada amanhã, dia 05 de março, pelas 19h00, na igreja matriz de Loureiro. Agência Funerária Beira-Mar – Rua Conde Santiago de Lobão, n.º 230 – Oliveira de Azeméis Filial: Rua S. João Baptista (Lugar da Igreja) Loureiro – Telf.: 256 682 905 * Telm.: 917 533 018 (24 horas)

Rufino de Jesus Pinho - 69 Anos

Amélia da Silva Marques - 80 Anos

Sua família vem, por este meio, agradecer a todas as pessoas que se dignaram tomar parte das cerimónias fúnebres, realizadas em Carregosa, no passado dia 04 de março, ou que, de outra forma, se lhe associaram na dor. Renova profunda gratidão pelas presenças amigas na liturgia do 7.º dia em sufrágio pela sua alma, que será celebrada na igreja matriz Carregosa no próximo dia 07 de março, pelas 19h00.

Seu marido, filhos, nora, genros, netos e demais família agradecem, reconhecidamente, a todas as pessoas que acompanha­ ram as cerimónias fúnebres, ou que, de outra forma, lhes manifestaram o seu pesar, assim como a missa de 7.º dia, que será celebrada quinta-feira, dia 06 de março, pelas 18h00, na igreja matriz de Ul.

- Rua do Serrado-Carregosa -

Funeral a cargo de Alcino & Filho, Serviços funerários e lutuosos www.alcinoefilho.com tel: 256412007 – 917571219

1.º Aniversário Lutuoso - 08/03/2014

Deolinda Margarida da Silva Monteiro da Costa - Oliveira de Azeméis -

Um ano já passou, muitos mais passarão... Sem ti junto de nós, mas sempre contigo no coração Seu marido, filho, nora e netos recordam-na, com imensa saudade, e participam que será celebrada missa em sua memória, sábado dia 08 de março, pelas 19h30, na igreja matriz de Oliveira de Azeméis.

Belmiro de Jesus e Silva (Ladinho) - 65 Anos (F. 27-02-2014) - Macieira de Sarnes -

A família de Belmiro de Jesus e Silva, sensibilizada e reconhecida com todas as provas de carinho e pesar recebidas aquando do seu falecimento. Participa que a missa de 7.º dia será celebrada amanhã, quartafeira, pelas 19h15, na igreja matriz de Macieira de Sarnes. Funerária José Pina Lda. - Praça José da Costa nº 107 – 3720-217 -Oliveira de Azeméis - R. Visconde n. 2259 – 3700-269 S. João da Madeira - Tel. 919743670 e 256682116 - E-mail: funerariajosepina@hotmail.com

António Coutinho Monteiro de Freitas - 78 Anos (F. 02-03-2014) - Oliveira de Azeméis -

A família de António Coutinho Monteiro de Freitas participa a todas as pessoas das suas relações e amizade que o funeral se realiza hoje, terça-feira, pelas 16h00, na igreja matriz de Oliveira de Azeméis. Par­ ti­cipa que a missa de 7.º dia será celebrada no próximo sábado, pelas 19h30, na igreja matriz de Oliveira de Azeméis. Funerária José Pina Lda. - Praça José da Costa nº 107 – 3720-217 -Oliveira de Azeméis - R. Visconde n. 2259 – 3700-269 S. João da Madeira - Tel. 919743670 e 256682116 - E-mail: funerariajosepina@hotmail.com

Manuel Soares da Silva - 86 Anos (F. 24-02-2014) - Ossela -

A família de Manuel Soares da Silva, sensibilizada e reconhecida com todas as provas de carinho e pesar recebidas aquando do seu falecimento e missa de 7.º dia. Funerária José Pina Lda. - Praça José da Costa nº 107 – 3720-217 -Oliveira de Azeméis - R. Visconde n. 2259 – 3700-269 S. João da Madeira - Tel. 919743670 e 256682116 - E-mail: funerariajosepina@hotmail.com

- Lugar do Troviscal-Ul -

Agência Funerária Beira-Mar – Rua Conde Santiago de Lobão, n.º 230 – Oliveira de Azeméis Filial: Rua S. João Baptista (Lugar da Igreja) Loureiro – Telf.: 256 682 905 * Telm.: 917 533 018 (24 horas)

Maria Marques da Silva - 94 Anos - Rua da Póvoa-Travanca -

Seus filhos, genro, sobrinhos e demais família agradecem, reconhecidamente, a todas as pessoas que acompanharam as cerimónias fúnebres, ou que, de outra forma, lhes manifestaram o seu pesar, assim como a missa de 7.º dia, que será celebrada quinta-feira, dia 06 de março, pelas 18h00, na igreja matriz de Travanca. Agência Funerária Beira-Mar – Rua Conde Santiago de Lobão, n.º 230 – Oliveira de Azeméis Filial: Rua S. João Baptista (Lugar da Igreja) Loureiro – Telf.: 256 682 905 * Telm.: 917 533 018 (24 horas)

Serafim Domingues de Ascenção - 84 Anos - Alviães-Palmaz -

Sua esposa, filhos, noras, netos, sobrinhos e demais família agra­decem, reconhecidamente, a todas as pessoas que acompa­ nharam as cerimónias fúnebres, ou que, de outra forma, lhes manifestaram o seu pesar, assim como a missa de 7.º dia, que será celebrada sexta-feira, pelas 18h00, na igreja matriz de Palmaz. Agência Funerária Beira-Mar – Rua Conde Santiago de Lobão, n.º 230 – Oliveira de Azeméis Filial: Rua S. João Baptista (Lugar da Igreja) Loureiro – Telf.: 256 682 905 * Telm.: 917 533 018 (24 horas)

Admite-se colaborador para

Setor de Passamanarias (Produção em Tecelagem) Requisitos: - Experiência mínima de 2 anos na função - 9.º Ano ou superior - Idade inferior a 35 anos - Boa capacidade de aprendizagem - Disponibilidade para trabalhar por turnos - Informática na ótica de utilizador (Office) - Residente num raio de 20 quilómetros da empresa Oferecemos: - Integração em equipa jovem e dinâmica - Remuneração compatível com experiência demonstrada - Possibilidade de progressão na carreira Resposta ao Apartado 2091 | 3701-906 Cesar


SAÚDE E BEMESTAR

Terça-feira, 04 de março de 2014

29

> OSTEOARTROSA, LOMBALGIA OU RELACIONADA COM O CANCRO

Compreenda a sua dor

A dor serve de sinal de alerta de uma lesão iminente ou atual

A dor é percecionada a nível do cérebro, mais precisamente, no córtex cerebral. Todavia, antes do sinal da dor poder ser percecionado, já percorreu o organismo, desde a periferia até ao sistema nervoso central (SNC). DR. JORGE BRANDÃO*

A dor serve de sinal de alerta de uma lesão iminente ou atual. Como tal, desempenha uma importante função na prevenção de lesões orgânicas e, quando ocorre efetivamente lesão, no restabelecimento das funções normais do organismo. Todavia, poderá também ser, ocasionalmente, percecionada na ausência de qualquer lesão tecidular, ou a sua intensidade poderá não ser proporcional à lesão original, sendo considerada aqui uma doença por direito próprio: Dor crónica. As razões mais frequentes que levam os doentes a sofrerem de dor crónica são a osteoartrose, a lombalgia e a dor relacionada com o cancro. Osteoartrose É a mais prevalente de todas as doenças articulares crónicas, perfazendo metade de todas as formas de artrose; é uma das razões mais comuns para a instituição de uma terapêutica analgésica. A dor aguda associada à fase mais precoce da osteoartrose tende, frequentemente, a atenuar-se, mas pode retornar e tornar-se crónica caso a dor não seja, nas fases precoces, devidamente, controlada.

Lombalgia Não constitui, por si só, uma doença, mas sim o sintoma de múltiplos e diferentes tipos de doenças subjacentes. As causas da lombalgia são, entre outras, a osteoartrose, a osteoporose, as hérnias discais ou as distensões musculares. Em muitos casos, não é possível diagnosticar, com rigor, a causa real da lombalgia. O diagnóstico preciso da lombalgia é difícil de estabelecer, devido à existência de diversos sintomas, e pode apresentar. simultaneamente, caraterísticas

alizados para diagnóstico da doença. O tratamento atual da dor crónica baseia-se no nível e na intensidade da dor percecionada pelo doente. A escada analgésica da dor da Organização Mundial de Saúde (OMS), que divide os medicamentos analgésicos em três degraus distintos, defende, por exemplo, a utilização de fármacos não opióide no primeiro degrau, seguindo-se os opióides fracos e os opióides fortes, dependendo do aumento da intensidade da dor. Contudo, uma vez que as condições associadas à dor crónica são, na sua maioria, de natureza multifatorial, o controlo efetivo da dor requer que sejam tomados em consideração os seus mecanismos subjacentes para permitir a seleção de um tratamento mais direcionado. Por isso, se sente uma dor persistennocicetivas e neuropáticas. te há mais de três meses, procure o seu médico de família ou especialista para Dor relacionado com cancro o ajudar a controlá-la. Se a dor não for, Resulta do tratamento oncológico ou adequadamente, tratada pode afetar, do desenvolvimento do próprio cancro. gravemente, a sua qualidade de vida. A dor relacionada com o cancro está Para mais informações pode consuldependente do tipo de cancro, estadia- tar: http://www.pain-cme.net ou www. mento da doença e limiar da dor (tole- change-pain.com.pt. rância à dor) do doente, resultando, ge*MÉDICO DE MEDICINA ralmente, da compressão ou infiltração GERAL E FAMILIAR em órgãos ocos, tecidos moles, ossos ou *MEMBRO DO CONSELHO DE ADMINISnervos. Mas poderá também ser causaTRAÇÃO DA FUNDAÇÃO GRÜNENTHAL da pelo tratamento ou pelos exames re-


30

Terça-feira, 04 de março de 2014

necrologia/geral

12.º Aniversário Lutuoso - 04/03/2014

Armindo Costa Correia de Pinho - S. Roque -

Pelo amor e carinho que sempre nos dedicaste Jamais morrerás no nosso coração Na passagem do 12.º aniversário sobre o falecimento de Armindo Costa Correia de Pinho, sua esposa, filhos e netos recordam-no com saudade.

1.º Aniversário Lutuoso - 09/03/2014

Agradecimento

Ana Maria de Azevedo Oliveira Gomes - 61 Anos (Esposa do Sr. Manuel - Marmorista de Arrifana) - Mato d’Arca-Cesar-Oliveira de Azeméis -

Lucinda da Silva Costa - Santiago de Riba-Ul -

Guardamos a tua imagem, ver jamais te veremos Apesar da longa distância, nós nunca te esqueceremos Sua família recorda-a, com profunda e eterna saudade. Manda cele­brar missa em sufrágio pela sua alma, no dia 08 de março, pelas 18h00, na igreja matriz de Santiago de Riba-Ul.

4.º Aniversário Lutuoso - 08/03/2014

José Manuel da Conceição Moura - Carregosa -

Longe ou perto de ti, estamos sempre a recordar Estás à beira de Jesus, onde um dia te iremos encontrar Sua esposa, filha e restante família recordam-no, com profunda e eterna saudade. Mandam cele­brar missa em sufrágio pela sua alma, no dia 08 de março, pelas 16h30, na igreja matriz de Carregosa.

6.º Aniversário Lutuoso - 06/03/2014

Joaquim Henriques de Pinho - Cidacos-Oliveira de Azeméis -

No dia em que se completa o 6.º aniversário sobre o falecimento de Joaquim Henriques de Pinho, sua esposa recorda-o com profunda e eterna saudade. Participa que será celebrada missa pela sua alma, no próximo dia 06 de março, pelas 19h30, na igreja matriz de Oliveira de Azeméis.

11.º Aniversário Lutuoso - 07/03/2014

Maria Teresa Moreira Almeida

- Carregosa Que Deus te tenha no céu e na Sua companhia Sejas coberta com o véu... da pureza de Maria!! No dia em que se completa o 11.º aniversário sobre o falecimento de Maria Teresa Moreira Almeida, seu marido, filhos e netos recordam-na com profunda e eterna saudade. Participam que será cele­brada missa pela sua alma, no próximo dia 07 de março, pelas 19h00, na igreja matriz de Carregosa.

O seu marido, filhos e demais família vêm, por este meio, agradecer, reconhecidamente, a todas as pessoas das suas relações e amizades, que se digna­ ram assistir ao funeral e missa do 7.º dia do seu ente querido, ocorridos nos passados dias 22 e 27 de fevereiro, na igreja matriz de Cesar, bem como todas as provas de estima, cari­ nho e amizade que lhes foram demons­tradas. A família. Cesar, 04 de março de 2014

Agência Funerária Porto & Serralva | Rua Luís de Camões, n.º 10 | 4505-501 Lobão - Santa Maria da Feira Telf.: 256 915 149 | Telm.: 963 017 212

António Gomes de Resende - 71 Anos - Rua Alto dos Foguetes-São Roque -

Sua família vem, por este meio, agradecer a todos quantos se dignaram tomar parte nas cerimónias fúnebres, ou que, de outra forma, se lhe associaram na dor. Renova profunda gratidão pelas presenças amigas na liturgia de 7.º dia, em sufrágio pela sua alma. LUZ DO HORIZONTE – Funerária, Lda. (M. Augusto Sousa & Rui Santos) – Vale de Cambra Tms. 918 712 770 / 914.542.819

Manuel José de Almeida (Mingão) - 88 Anos

António Pinto Soares - 78 Anos

Sua esposa, filhas, genros, netos e bisnetos vêm, por este meio, agradecer a todas as pessoas que se dignaram tomar parte nas ceri­ mónias fúnebres, ou que, de outra forma, se lhes associaram na dor. Renovam profunda gratidão pelas presenças amigas na liturgia de 7.º dia, em sufrágio pela sua alma, que se celebra na próxima sexta-feira, dia 07 de março, pelas 19h00, na igreja de Cucujães.

Sua família vem, por este meio, agradecer a todas as pessoas que se dignaram tomar parte das cerimónias fúnebres, realizadas em Carregosa, no passado dia 02 de março, ou que, de outra forma, se lhe associaram na dor. Renova profunda gratidão pelas presenças amigas na liturgia do 7.º dia em sufrágio pela sua alma, que será celebrada na igreja matriz de Carregosa no próximo dia 07 de março, pelas 19h00.

- Rebordões-Vila de Cucujães -

Funerária Cristino Ld.ª - Santiago de Riba-Ul - Telf.: 256 682 451 * Telm.: 919 697 374

Jaime Soares de Almeida - 92 Anos - Vila Nova-Vila de Cucujães -

Suas filhas, genros e netos vêm, por este meio, agradecer a todas as pessoas que se dignaram tomar parte nas ceri­mónias fúnebres, ou que, de outra forma, se lhes associaram na dor. Renovam profunda gratidão pelas presenças amigas na liturgia de 7.º dia, em sufrágio pela sua alma, que se celebra na próxima sexta-feira, dia 07 de março, pelas 19h00, na igreja de Cucujães. Funerária Cristino Ld.ª - Santiago de Riba-Ul - Telf.: 256 682 451 * Telm.: 919 697 374

Manuel de Oliveira - 89 Anos - Faria de Baixo-Vila de Cucujães -

Sua esposa, filhos, noras, genro, netos e bisnetos vêm, por este meio, agradecer a todas as pessoas que se dignaram tomar parte nas ceri­mónias fúnebres, ou que, de outra forma, se lhes associaram na dor. Renovam profunda gratidão pelas presenças amigas na liturgia de 7.º dia, em sufrágio pela sua alma. Funerária Cristino Ld.ª - Santiago de Riba-Ul - Telf.: 256 682 451 * Telm.: 919 697 374

- Ínsua-Carregosa -

Funeral a cargo de Alcino & Filho, Serviços funerários e lutuosos www.alcinoefilho.com tel: 256412007 – 917571219

Núcleo Sportinguista de Oliveira de Azeméis

Assembleia-Geral Ordinária Convocatória Nos termos dos estatutos deste núcleo convocam-se os associados a reuniremse em assembleia-geral ordinária na sua sede, sita à rua paralela à rua Luís de Camões, 81, no próximo dia 07 de março, pelas 21h30 com a seguinte: Ordem de Trabalhos 1- Situação atual dos sócios do núcleo. 2- Apreciação, discussão e votação do relatório e contas referentes ao ano de 2013. 3- Eleição dos corpos gerentes para o ano de 2014. 4- Discussão de qualquer assunto de interesse para o ano Núcleo Sportinguista. Se à hora marcada não estiver presente o número legal de sócios, a assembleia funcionará meia hora mais tarde com qualquer número de presenças. Oliveira de Azeméis, 05 de fevereiro de 2014 O presidente da mesa da assembleia-geral (Dr. Djalma Pinto de Sá Moscovo Marques)

C. A. n.º 4547 de 04/02/2014


publicidade

Albino de Oliveira Pinho - Suiça -

Tio Miranda

28/02/2014 60 Anos

Pai querido, que ‘sortudo’... só agora completou as suas lindas 60 primaveras!!! Espero que neste ano possa conquistar todos seus sonhos e objetivos, mesmo aqueles mais loucos que só pensamos que existem nos filmes. Sei que já muitos foram conquistados, mas precisamos sempre de conquistar cada vez mais, para cada vez mais termos também mais motivações e emoções no nosso viver! Pai, apenas lhe quero retribuir metade daquilo que fez por mim. Aproveito, igualmente, para lhe agradecer pela excelente educação, caráter e personalidade que me transmitiu; todas suas preocupações, dedicações e lições só me fizeram crescer! Desejamos-lhe, eu sua filha Micaela, seu genro José, netos Kelly, Kevyn e Kethlyn, muitos parabéns, misturados com muitas felicidades e que continue merecedor de tantas qualidades. Beijinhos e seja feliz... seja sempre muito feliz!!!

narciso Fbp imob. - Ind. S. Roque Aluga

vendem-se Apartamentos

Os anos foram passando E atravessou algumas eras Foi a 28 de fevereiro Que fez 80 primaveras Viva lá Sr. Miranda Pois é com grande alegria Que lhe desejamos felicidades E muitos anos de vida Estes anos de vida Já têm vocabulário Espero que tenha passado Um feliz aniversário

Dos teus amigos Um grande abraço

Deseja reforçar a sua equipa comercial e procura

Um Técnico Moldes de Injeção ou Técnico de Máquinas de Injeção para Portugal

Telem.: 935 130 880 Santo Expedito

Em 1934 algo de novo aconteceu Foi um ano de alegria Porque o Tio Miranda nasceu

Líder mundial no fornecimento de sistemas de Injeção implementado em mais de 35 países

Escritórios - Lojas - Pavilhões

Meu Santo Expedito das causas justas e urgentes, socor­ re-me nesta hora de aflição e desespero, interceda por mim ao Senhor Jesus Cristo, vós que sois o Santo dos desesperados e das causas urgentes. Proteja-me e dai-me força, coragem e serenidade. Atenda o meu pedido... Devolva-me a paz, atendendo ao meu pedido... com urgência. Serei grato para o resto da minha vida e levarei o seu nome a todos os que tiverem fé. Rezar um Pai Nosso.

31

Terça-feira, 04 de março de 2014

aluga-se Casa

C/ 2 quartos, sala grande, cozinha, despensa e casa de banho completa na Rua Padre Manuel Oliveira Ferreira, Oliveira de Azeméis 256 673 027/960 069 226

Sua missão : • Desenvolver e fomentar a relação com o cliente (injetores, fabricantes de moldes & Gabinetes de Desenho) • Instalar os sistemas de injeção nas instalações do cliente • Assegurar o serviço pós-venda do sistema de injeção • Assistir aos arranques de produção nas fábricas de teste ou centros de produção • Visitar os clientes Perfil : • Dinâmico, motivado, autónomo & sério • Ter noções de afinação de parâmetros de injeção será uma mais-valia • Ter experiência técnica em produção ou fábricas de testes • Dominar o Inglês & o Francês Enviar CV e carta de motivação por e-mail para: mastip-portugal@mastip.fr

Empresa de Calçado pretende recrutar Colaborador para Escritório

Acabados de construir

Objetivo: Fazer gestão de encomendas, clientes e fornecedores. Requisitos necessários: Falar fluentemente Francês e ter conhecimentos informáticos

963 021 817

Enviar currículo para Apartado 37 - 3720-902 Santiago de Riba-Ul

Com empréstimos a 100% Com taxa de juro especial p/ empréstimo

dão-se explicações Em casa ou ao domicílio Contato:

967 691 914 827 121 698

aluga-se Habitação térrea

no Curval (P. Bemposta)/Coche

C/ 2 quartos, cozinha completa, sala, casa de banho c/ hidromassagem, lavandaria, 1 pátio coberto.

250 euros

Contato: 918 416 667


32

GERAL

Terça-feira, 04 de março de 2014

>DECISÃO FOI TOMADA ESTA ÚLTIMA SEXTAFEIRA

UF OAZ/MACINHATA DA SEIXA> FESTA VAI SER ANIMADA PELO ORFEÃO DE LOUREIRO

Afinal a Câmara dá tolerância de ponto no dia de Carnaval Não obstante o Correio de Azeméis (CA) ter avançado, na sua edição anterior, que a Câmara de Oliveira de Azeméis não ia dar tolerância de ponto aos seus funcionários a 04 de março, a verdade é que estes vão, mesmo, ter um dia de descanso no Carnaval. A decisão foi tomada nesta última sexta-feira e só foi dada a conhecer aos colaboradores camarários já ao final da tarde, ‘apanhando de surpresa’ muitos, conforme conseguimos apurar entretanto. Precisamente no passado dia 28 de fevereiro, em declarações

Afinal as portas da Câmara Municipal estarão hoje fechadas, graças a uma decisão de ‘última hora’.

ao nosso jornal, no final da cerimónia da entrega dos diplomas aos alunos do Centro de Línguas de Oliveira de Azeméis, na qual marcou presença, Hermínio Loureiro justificou esta mudança de posição do executivo municipal - face ao que tinha decidido em 2013 e con-

trariando o que o vereador do Movimento Associativo, Isidro Figueiredo, e o presidente da Federação das Associações do Município de Oliveira de Azeméis (FAMOA), António Luís Grifo, tinham referido ao CA, na semana transata, a propósito do Corso de Carnaval Pub.

GMM celebra 79.º aniversário este sábado

Infantil e do Carnaval Oliveirense, respetivamente – com o facto de “a maior parte das empresas dos setores do calçado, moldes, etc., do município [também] estar encerrada”. A julgar pelas declarações do edil ao jornal, este “sinal” pode ser entendido como um primeiro passo no sentido do regresso do Carnaval Oliveirense às principais ruas da cidade, quem sabe já no próximo ano. Entretanto, enquanto 2015 não chega, com esta folga, os oliveirenses (e não só) que trabalham na Câmara Municipal de Oliveira de Azeméis têm, assim, oportunidade de, já na terça-feira, ir ver os desfiles que têm lugar em Pindelo e em outras localidades concelhias ou de fora do concelho. Mas, para isso, é preciso que S. Pedro também ajude à folia carnavalesca ‘mandando vir sol’.

Neste próximo sábado, dia 08, o Grupo Musical Macinhatense (GMM), sedeado em Macinhata da Seixa, celebra o seu 79.º aniversário. A festa, que vai contar com a animação do Orfeão de Loureiro, tem início por volta das 22h00, na sede do GMM. Aos sócios e a outras pessoas que já têm por hábito frequentar esta agremiação, fundada a 07 de março, a direção do GMM faz um convite: “Venha festejar mais um grande aniversário nesta que é a sua segunda casa”.

>UMA APOSTA DA JUNTA DE FREGUESIA DE LOUREIRO

Promoção de novos empresários Na Junta de freguesia de Loureiro, no próximo dia 07 de março, sextafeira, a partir das 09h00, realizar-seá, uma ação de formação dedicada ao tema ‘Como criar um negócio’. As matérias da formação incidirão sobre os aspetos essenciais a considerar na abertura de um negócio e/ou na constituição de uma empresa. Numa perspetiva eminentemente prática serão abordados os conceitos de empresário/empreendedor, noções básicas de marketing, como lidar com o dinheiro, a elaboração

do plano de negócios, as questões legais e fiscais, bem como os apoios disponíveis para a constituição de negócios. Esta ação é gratuita, mas com inscrições limitadas. Todos os interessados em participar deverão efetuar a sua inscrição na autarquia ou no site da empresa organizadora Olivetree Consult (www.olivetree.pt/formacao). Esta ação é promovida e organizada por Olivetree Consult (consultoria em gestão) e Helena Terra Advogados.

>EROS PORTO 2014

Correio dá bilhetes a novos assinantes Maior ousadia, áreas renovadas, mais conteúdos abertos, introdução do hardcore gay, aumento do número de stands, apresentação de um novo gadget para relacionamentos à distância e a manutenção de preços reduzidos são algumas das novidades do Eros Porto – Salão Erótico do Porto, que decorre entre os dias 06 e 09 de março, na Exponor. Correio

de Azeméis tem bilhetes para oferecer para o certame, que decorre no pavilhão 6 da Exponor (Matosinhos). Para obter uma entrada gratuita basta apenas fazer-se nosso assinante: Dirija-se ao 8.º piso do Edf. Rainha ou entre em contato connosco via email (geral@correiodeazemeis.pt) ou telefonicamente (256 04 98 90).

4 02 2014  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you