Page 1

SEMANÁRIO

FUNDADO EM 05 DE OUTUBRO DE 1922 DIRETOR ANTÓNIO MAGALHÃES SUB DIRETOR EDUARDO COSTA Nº 4544 - 11 FEVEREIRO DE 2014 PREÇO 0,50 € (IVA INCLUÍDO) www.correiodeazemeis.pt Taxa Paga | Devesas - 4400 V. N. Gaia | Autorizado a circular em invólucro de plástico fechado | Autorização n.º 5804/2002 DCP-2

91

Distinguido pelo Governo com Diploma de Louvor de Mérito Jornalístico e Empresarial da Comunicação Social Regional e Local

FUTSAL FEMININO> FESTA OLIVEIRENSE EM ALQUERUBIM

> NESTA EDIÇÃO:

Ossela conquistou Taça de Aveiro

Página 25 > PARA O ESPETÁCULO DOS ‘ANJOS’

Correio de Azeméis dá bilhetes a novos assinantes

> SECRETÁRIO DE ESTADO ESTEVE EM S. MARTINHO DA GÂNDARA

Página 28 e 32

> AINDA O CASO ‘TROÇO 3’  VIAS ESTRUTURANTES

Tribunal condena Câmara a pagar 380 mil euros Página 05 > CARREGOSA COM PATRIMÓNIO MAIS RICO

Quinta da Costeira é monumento de interesse público Página 13 > CONTINUAM A DOMINAR

Cozinha e minibus da

Obra Social inaugurados Páginas 16 e 17

IC2: Dois acidentes em menos de quatro dias... Páginas 09 e 28

‘Bolsa de €mprego’ O Correio de Azeméis publica, novamente, ofertas de emprego, em colaboração com IEFP. Consulte na página 31 PUB

Corpus Med


02

Terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

POESIA

Dia dos namorados Dia de namorados: Dia de abraços e beijinhos! Dia de dar e receber... Dia de amor... De andar de braço dado e manifestar carinhos! Numa aula da primária, a professora, Querendo lembrar o dia se S. Valentim, Mandou os alunos fazer um desenho dum coração. Logo o Luizinho, rapaz esperto, pensou assim: Que fácil, só preciso de concentração. E pegou num lápis e numa folha de papel, e desenhou Um lindo coração e pintou-o de vermelho. Quando estava terminado é que se lembrou De ouvir o pai dizer: - Ainda não estou velho, Abre as pernas coração..., dizia p’ra sua mãe. No outro dia à noite, quando estava na cama, Disse para si: Ainda não está bem!... Será que é pelo coração que se ama? E pegou no desenho e desenhou as pernas Que faltavam e entregou a obra d’arte À professora. O riso instalou-se - Também não tem antenas o nobre baluarte?, perguntou a professora ao Luizinho. O rapaz corou e disse assustadiço; - Não sei senhora professora, eu nunca o vi, Mas ouvi muito bem meu pai dizer (Sem ser metediço!...): ‘Abre as pernas coração e ela não reclamou... Isso ouvi!’

ABERTURA

BILHETE POSTAL

Venham os Ferraris!

EDUARDO OLIVEIRA COSTA

“Eles são muito espertos: com a cantiga de que dão carros de alta gama, fazem com que as pessoas peçam fatura e assim controlam os gastos de cada um. Ficam a saber quanto ganham! É um truque!” Esta interpretação do taxista, a quem pedi um recibo, mereceu um comentário extra: “Imagine uma família que peça recibos de quinhentos euros de coisas que eles achem que são excessivas: são capazes de cortar algum subsídio ou reduzir uma pensão!” Estava esclarecido! Bem sabia que o taxista estava tentar demover-me de andar por aí a pedir as faturas de tudo o que gasto. Mas numa coisa o homem estava a acertar: de facto, a informática da máquina fiscal vai passar a conseguir saber melhor o que cada um gasta! Lembro as palavras da então ministra das Finanças Ferreira Leite, há uns bons dez anos, a falar sobre o combate à evasão fiscal, sobretudo dos pequenos negócios: sempre que falava nisso a colegas europeus, todos lhe diziam o mesmo: informá-

tica! - é a solução! Acredito que, uma década depois, a miraculosa informática já esteja a postos! Agora, é preciso que faça o seu trabalho. O taxista, na sua inocência, era bem capaz de ter (alguma) razão! Bem sabemos que, se criarmos o bom hábito de todos pagarem os seus impostos, cada um dos que pagam vai pagar menos. É nisso que acreditamos. Mas com reservas! É que, nós por cá, temos um gordo, muito gordo, cheio de maus vícios, que dá pelo nome de Orçamento do Estado, que parece um papão sempre com fome! Insacíavel! Haja esperança de que as eleições no futuro sejam ganhas ‘à americana’: nos ‘states’ ganha quem consegue reduzir os impostos e manter as contas de casa equilibradas! Percam lá o pudor e comecem a dar ‘ferraris’! Quando sair a um pobre cidadão duma aldeia deste nosso pobre país, todos vão acreditar e querer jogar! E afinal, comprar bilhete desta lotaria não tem custo: basta pedir a fatura!

FERNANDO DAMAS

ESTANTE

Por Amor ou por Herança Ruth Cardello Quando Stephan Andrade é avisado de que Nicole Corisi se encontra na empresa e lhe deseja falar, sente-se submergir num turbilhão de emoções. O que poderá ela querer, depois de tantos anos de afastamento? Será ele capaz de recebê-la justamente no momento em que se prepara para fechar um negócio que significará a ruína de Dominic Corisi, o irmão odiado de Nicole? Stephan decide receber Nicole na esperança de acrescentar assim um travo pessoal à sua vendetta, só não contou que a paixão louca que no passado sentira por Nicole se pudesse reacender com tanta violência... Sofisticado e sensual, “Por Amor ou por Herança” vem dar continuidade à inebriante trama do romance de estreia desta autora bestseller - “Apaixonada por Um Milionário”.

Em 21 de Julho de 1995, os nogueirenses prestaram justa homenagem à memória do conterrâneo Manuel Godinho Valente (Levante), descerrando o monumento saído das mãos ágeis de António Augusto Mota. Recorde-se que no passado dia 9 de Maio ocorreu o centenário do nascimento deste nome grande da nossa literatura.


ABERTURA

EDITORIAL

SEMÁFORO

MANUEL GODINHO LEVANTE

- Poeta da nostalgia e da desventura Manuel Valente Godinho nasceu em Nogueira do Cravo a 9 de Maio de 1913 e aí frequentou a escola primária oferecida pelo pai, Manuel Pereira Godinho, em homenagem à esposa, promissora vida ceifada no verdor dos trinta e três anos. As qualidades de inteligência levaram-no à frequência do prestigiado Colégio Castilho, em São João da Madeira, principiando a escrever em prosa e verso e assinando os trabalhos, ora com Manuel Godinho, ora com o pseudónimo Levante, anagrama de Valente. Apaixonado pela leitura, logo revelou grande cultura, cativando quantos o ouviam. Temperamento irreverente, emigrou para o Brasil, aos 23 anos, somando já três livros de poesia e vasta colaboração na imprensa da região, nomeadamente “Correio de Azeméis” e “Regional”. Durante os 23 anos que permaneceu na Pátria Irmã, onde foi acolhido entusiasticamente nos mais exigentes meios literários, continuou a escrever intensamente, descobrindo-se-lhe então paixão pelo estudo dos problemas sociais do vasto país, que percorreu com apaixonantes conferências reclamadas de modo particular pelos sectores progressistas. Colabora na imprensa, publica mais livros acolhidos entusiasticamente pelos críticos; em 1959 regressa a Portugal rico de sabedoria e experiências, mas pobre, muito pobre, de bens materiais, e, pior ainda, muito pobre de saúde. A vida transforma-se-lhe num verdadeiro inferno, e, abandonado por muitos, acolhem-no no pavilhão de alienados do Albergue Distrital de São Bernardo, em Aveiro; compreensivelmente, sofria com tal ambiente nos momentos de perfeita lucidez, ocorrendo então o apoio de um punhado de amigos, entre eles o “Correio de Azeméis”, conseguindo a transferência para meio bem mais acolhedor, na Colónia Agrícola de Arnes, em Alfarelos, onde ocupava saudavelmente o tempo em tarefas de secretaria. Faleceria em 8 de Abril de 1978, repousando na sua tão querida Nogueira. Manuel Godinho terminou a colaboração no “Correio” na edição de 18 de Janeiro de 1964. Há precisamente cinquenta anos. Em jeito de amargurada despedida, escreveu: “Prossegue a vida e os amigos e desconhecidos passam: uns, com o seu aceno bom; outros, com a sua indiferença, que também pode ser boa… Sofre-se cá fora; sofre-se, lá dentro, no albergue. Estas são as minhas últimas palavras. Melhor é que me limite, meditando, na densa noite do albergue. Adeus.” O centenário de Manuel Godinho passou no mais doloroso e injusto esquecimento. Reconhecendo-se a impossibilidade, face aos custos, da publicação de toda a obra produzida, a reedição de um dos seus mais significativos trabalhos constituiria significante evocação do poeta do infortúnio e da desventura.

www.correiodeazemeis.pt geral@correiodeazemeis.pt

Fundador: BENTO LANDUREZA (1922) SEDE: Edifício Rainha, 8º piso Telefs. 256049890 • Fax: 256046263 3720 OLIVEIRA DE AZEMÉIS Horário de 2ª a 6ª • 9.00/18.30H Assinatura anual : (C/IVA 6%) (Entre Douro e Vouga) 20,00 (Resto do País) 22,50 (C/IVA 6%) (Europa) 65,00 (C/IVA 6%) (Resto do Mundo) 97,00 (C/IVA 6%)

ANTÓNIO MAGALHÃES

03

Terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

Dia dos namorados Sexta-feira é dia dos namorados. Diz a lenda que Valentim, padre cristão, desobedeceu às ordens do imperador romano Cláudio, proibindo-lhe a celebração de casamentos, porque os jovens, não querendo deixar a mulher amada, recusavam partir para a guerra. Cláudio II, ao descobrir a desobediência do padre Valentim, meteu-o a ferros na masmorra até ao momento do martírio, precisamente o dia 14 de Fevereiro do ano 270 da nossa era. Por isso sexta-feira é dia dos namorados. E embora não seja difícil verificar o aproveitamento comercial e consumista da tradição ligada ao dia de hoje, haveremos de reconhecer também o lado pedagógico da celebração: reafirmar à pessoa amada que ainda não a esqueceu.

Dia Mundial do Doente A Igreja consagra o dia de hoje a Nossa Senhora de Lurdes. Há 156 anos, a Virgem apareceu a uma jovem de treze anos, Bernardette Soubirous, manifestação que se repetiria dezasseis vezes. Erguida ali a basílica, Lurdes tornou-se o centro de concorridas peregrinações a que acorrem devotos de todo o mundo católico. Da fonte brota água a que se atribuem as mais maravilhosas curas. Mas têm lugar hoje também as celebrações do Dia Mundial do Doente. Para que, ao menos um dia no ano, as atenções de todos possam dirigir-se de um modo especial para aqueles muitos que sofrem e, angustiados, vêem carregada das mais negras nuvens a estreitada linha do horizonte da vida.

Recordar o Lar dos Pobrezinhos Recordarão quantos vêm desses tempos que, na década de quarenta, tempo das maiores carências, das senhas do acanhado racionamento no decorrer da trágica II Guerra (1939 – 1945), com milhões de vítimas, com longas bichas à porta dos estabelecimentos, os cortejos na nossa paróquia de S. Miguel foram decisivos para a criação e manutenção do então Lar dos Pobrezinhos, arrojada obra de apoio aos mais desfavorecidos quando a fome grassava, quando não havia Segurança Social, nem fundos comunitários. Lar dos Pobrezinhos que reconvertido, naturalmente, aos novos problemas da sociedade, foi embrião do hoje pujante Lar de S. Miguel.

A ‘RESSACA’ DA SEMANA Entre os ‘Miró(s)’ de Joan que eram para ser leiloados e as viaturas topo de gama com que o governo de Passos Coelho quer presentear os portugueses (com a discriminação para quem mais gasta!) se fez a ‘história’ de Portugal na semana que acabou. Já com a presente a dar um ‘ar da sua graça’, foi sem graça alguma que os noticiários anunciaram a ‘Stephanie’, tempestade cuja passagem pelo nosso país obrigou a Proteção Civil a acionar o alerta vermelha em muitos distritos do país, entre eles o de Aveiro. Na hora em que ‘escrevinhamos’ este apontamento (22h30 de domingo) ouvem-se ventos e chuva muito fortes e violentos, que fazem ‘arrepiar a espinha’ - esperamos não ter de reescrever esta ‘ressaca’ para lamentar alguma situação mais trágica no nosso concelho, que, até ao momento, não tem registado nada de muito grave. O mesmo já não se pode dizer da região, de um modo geral, sobretudo da Beira Litoral, que tem sido fustigada por preia-mares fortíssimas e com um poder destruidor infernal. A nossa costa está a ser, literalmente, ‘comida’ – por que não ‘devorada’? – pela fúria das marés, que rompem todo o tipo de obstáculos que o homem constrói. De nada valem a sua capacidade de improvisar, a sua inteligência e inovação (etc.) contra o poder de fenómenos, como tempestades, furacões, tornados, ciclones, tsunamis e outras coisas que tais. Certo, certo é que estas situações deviam servir de exemplo para nos consciencializarmos da nossa pequenez face à gigantesca força da natureza, grande parte das vezes ‘exacerbada’ pelos efeitos da ação humana, que teima em não respeitar o meio ambiente e a sua essência: Constroem-se bairros luxuosos na orla marítima, no sopé das arribas, no topo das falésias… e, depois, queixamo-nos que temos azar; veem-se crescer mansões paradisíacas mesmo no centro de áreas protegidas e pouco ou nada se faz; erguem-se edifícios nas áreas centrais das cidades, dando-se a ‘volta ao largo’ a regras impostas pelos respetivos planos urbanísticos, quando os há, e fazendo-se ‘tábua rasa’ para as necessidades infraestruturais dos futuros residentes; ainda ‘pululam como cogumelos’ fábricas que lançam, para os cursos hídricos e/ou para atmosfera, focos de poluição que teimam em manter-se ‘anónimos’; enfim… um incontável número de situações que devia deixarnos muito envergonhados com o nosso comportamento ao longo dos séculos. Nas últimas décadas muito se fala, pouco se faz. ‘Muita parra para pouca uva’ apenas para ‘inglês ver’. Bem à moda da velha tradição portuguesa do ‘deixa andar’... até um dia! Sabemos que tudo o que para aqui escrevemos não é novidade. Todos temos destas situações consciência, o que se torna ainda mais grave, pois, tal como diz o velho ditado, ‘o pior cego é aquele que não quer ver’ e, neste âmbito, meus senhores, estamos cada vez mais ‘míopes’.

Diretor: António Magalhães • Subdiretor: Eduardo Costa (Cart. Prof. nº 1738) • Chefe de Redação: Ângela Amorim (Cart. Prof. nº 2855) • Redatores: • Gisélia Nunes (Cart. Prof. nº 5385) • Diana Cohen (Cart. Prof. nº 9479) •CORRESPONDENTES: Carregosa: António Amorim: Cesar: Carlos Costa Gomes; Macieira de Sarnes: Manuel Lopes; Macinhata da Seixa: António Magalhães; Nogueira do Cravo: Alírio Costa; Ossela: A. Jesus Gomes; S. Martinho da Gândara: Arlindo Gomes e Sérgio Tavares; S. Roque: Eduardo Costa; Ul: Olímpio Costa. Fotógrafo: Alfredo Pinho • COLABORADORES: • Adelino Ramos • António Vidal • António Santos • Batalha Gouveia • Beatriz Costa • Frederico Bastos • Hugo Tavares • João Araújo • Joaquim Silva • Manuel Costa • Manuela Inês • Manuel Alves Paiva • Maria Emília Costa • Mário Rui • Manuel Laia • Marisa Gonçalves • Paulo Rui • Rodrigo da Cunha (Pe) • Rui Duarte • Samuel Oliveira • Sérgio Costa • Tavares Ribeiro. (Os artigos assinados são da inteira responsabilidade dos seus autores não vinculando necessariamente a opinião da direção) Os textos do Correio de Azeméis já obedecem às regras do acordo ortográfico, salvo os da responsabilidade de autores ainda não aderentes.

A REDAÇÃO

Propriedade: Globinóplia, Unipessoal, Lda NIF: 509 071 341 Ed. Rainha, 8º Piso • Oliveira de Azeméis Telef.: 256 049 890 • Fax 256 046 263 Impressão: CORAZE Oliveira de Azeméis Telf.: 256 040 526 / 910 253 116 / 914 602 969 e-mail: geral@coraze.com Depósito Legal nº 27755/89 Nº ICS 104639 Tiragem média: 6.500 exemplares


04 > PARA OS TRÊS EVENTOS NO CINETEATRO CARACAS

Preço dos bilhetes - Concerto de José Cid (01 de março, 21h30): Bilhete 12,50 euros; - Teatro de revista ‘Ó Zé bate o pé’ (05 de abril, 21h30): Bilhetes a 10 (plateia) e 8 euros (tribuna); - Stand up comedy ‘Quim Roscas e Zeca Estacionâncio’ (03 de maio, 21h30): Bilhetes a 12 (plateia) e 10 euros (tribuna). Para reservas ou informações, os interessados devem dirigir-se ao Cine-Teatro Caracas, na Avenida Dr. António José de Almeida, em Oliveira de Azeméis, ou, então, ligar para os números de telefone 256 682 408 e 256 600 621. Horário de funcionamento da sala de espetáculos: Das 09h00 às 12h30 e das 14h00 às 17h30. > “UMA NOVA APOSTA” DA AUTARQUIA

‘Anjos’ atuam no Caracas já esta sexta-feira Os ‘Anjos’ celebram o Dia de S. Valentim, em Oliveira de Azeméis, com um concerto intimista e romântico, que tem lugar no CineTeatro Caracas, pelas 22h00, já esta próxima sexta-feira, 14 de fevereiro. Atualmente a comemorar 15 anos de carreira, os irmãos Nelson e Sérgio Rosado recuperaram os seus êxitos, deram-lhes novos arranjos e apresentam-nos numa tournée de Norte a Sul do país, que vai durar até abril. Aproveitando a presença da imprensa local, Hermínio Loureiro fez questão de falar também nesta “nova aposta da Câmara”, cuja venda de bilhetes (no valor de 12 euros) “até estava a correr muito bem” até àquele momento (dia 05). “Temos já mais de meia casa vendida”, informou o líder da edilidade oliveirense, que, na ocasião, não pôs de lado a hipótese desta iniciativa camarária vir a ser repetida no próximo ano. N.R.: Tal como já anunciámos em anteriores edições, o Correio de Azeméis está a dar bilhetes para este espetáculo a novos assinantes (ver também nas páginas 28 e 32).

Terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

CONCELHO

> MAIOR CARTAZ CULTURAL DO MUNICÍPIO INCLUI AINDA ESPETÁCULOS ‘Ó ZÉ BATE O PÉ’ E ‘QUIM ROSCAS E ZECA ESTACIONÂNCIO’

José Cid abre ‘Ciclo da Primavera’ a 01 de março

Em Oliveira de Azeméis, a ‘primavera’ começa mais cedo, a 01 de março, pelas 21h30, com um concerto de José Cid - um dos grandes nomes da música portuguesa, cujo início de carreira remonta ao ano de 1956 -, no Cine-Teatro Caracas. GISÉLIA NUNES

Um dia depois de completar 72 anos de idade, o cantor de renome foi apresentado, a 05 de fevereiro, em conferência de imprensa (CI), como a grande novidade do ‘Ciclo da Primavera 2014’, o maior cartaz cultural do município de Oliveira de Azeméis que têm início no próximo mês e se estende até maio. Assim, pelo Caracas, também vai passar o teatro de revista ‘Ó Zé bate o pé’, desta feita, às 21h30 de 05 de abril e contando com a participação do ator Luís Aleluia, bem nosso conhecido como o ‘menino Tonecas’. A partilhar o palco vão estar ainda Susana Cacela, João Rodrigo, Fátima Couto e Piedade Fernandes. A fechar o ‘Ciclo da Primavera’, vão estar João Paulo Rodrigues (Quim Roscas) e Pedro Alves (Zeca Estacionâncio), com uma ‘stand up comedy’ marcada para as 21h30 de 03 de maio, que vai ser mesmo ‘de rir e chorar por mais’. Segundo Hermínio Loureiro, a Câmara Municipal de Oliveira de Azeméis, concretamente o pelouro da Cultura, procura, com estes três espetáculos, trazer até ao público oliveirense “figuras nacionais que, muitas vezes, entram na casa das pessoas através da televisão e que agora podem ser vistas ao vivo”. “Esperamos que seja um ‘Ciclo da Primavera’ do agrado de todos os munícipes e de quem nos visita”, disse ainda o autarca. Aumentar número de visitantes do Caracas é objetivo Para Gracinda Leal, outra das vozes que se fizeram ouvir na CI, “o ‘Ciclo da Primavera’ vem re-

Já com 58 anos de carreira, José Cid volta a Oliveira de Azeméis para mais um concerto que promete ser memorável

> AUTARCA HERMÍNIO LOUREIRO DEIXA CLARO:

Investimento de cerca de 800 mil e não de 18 mil euros na Cultura Numa conferência de imprensa que girou em torno da Cultura municipal, Hermínio Loureiro não perdeu a oportunidade de pôr termo a “alguma confusão” gerada aquando da aprovação do orçamento da autarquia para 2014. “Como [até à data] não houve um desmentido” em relação a esta matéria, “achámos que devemos informar com rigor os oliveirenses”, afirmou o líder autárquico, esclarecendo que, contrariamente ao que foi dito, “o Município alocou mais de 20% do orçamento total à Cultura”. Isto é, para este ano em curso, o investimento camarário nesta área “ronda forçar a aposta do Município na Cultura e a qualidade dos artistas vem contribuir para o aumento do número de utilizadores da casa de espetáculos [Caracas]”, o qual, aliás, em 2013, rondou os 22 mil. De acordo com dados divulgados pela vereadora da autarquia, os visitantes “distribuíram-se por muitos eventos, 38 realizados em parceria com

os 800 mil euros” - verba aprovada quer em reunião de Câmara, quer na Assembleia Municipal – e não 18 mil, como foi referido não só nestes dois órgãos autárquicos, mas também na imprensa local e no Facebook. ‘Ciclo da Primavera 2014’ vai custar menos do que o de 2013 Questionados sobre quanto iria custar o ‘Ciclo da Primavera 2014’, Hermínio Loureiro e Gracinda Leal ficaram-se pelos “valores previsionais que apontam” para um montante “mais baixo 50 a 60%” do que o do ano transato, ou seja, para perto de 15 mil euros. Recorde-se que, em 2013, foram investidos neste evento cultural à volta de 30 mil euros.

outras entidades/instituições/ associações e 14 da inteira responsabilidade da secção de ‘gestão da utilização de equipamentos/espaços socioculturais’”. No futuro, inclusive já este ano, o objetivo é “reforçar os eventos em parceria e aumentar o número de visitantes daquele espaço”, afirmou a responsável.

Hermínio Loureiro e Gracinda Leal convocaram a imprensa para dar a conhecer o ‘Ciclo da Primavera 2014’

A primeira edição do ‘Ciclo da Primavera’ realizou-se em 2002, ano em que a autarquia adquiriu o Cine-Teatro Caracas, passando a oferecer ao público um programa regular de animação cultural. Ao longo destes últimos 12 anos, passaram já por Oliveira de Azeméis nomes consagrados da música, dança, teatro e entretenimento, reforçando a imagem do município em termos de Cultura.


CONCELHO

Terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

05

> AQUISIÇÃO DEVIA TER SIDO DELIBERADA EM REUNIÃO DE EXECUTIVO MAS NÃO FOI

Câmara condenada a pagar cerca de 380 mil euros por três imóveis À custa de não ter honrado um contrato promessa assinado pelo antigo presidente e de ter deixado o assunto ir para tribunal, a Câmara Municipal foi, agora, condenada a pagar cerca de 380 mil euros a uma construtora oliveirense.

A socialista ainda fez questão de esclarecer que “esta crítica não é dirigida ao processo nem ao seu desfecho, mas à forma como foi conduzido desde o início”.

GISÉLIA NUNES

Foi só agora, na última reunião de Câmara pública, quando confrontados com “a ratificação da deliberação do pagamento, entretanto, efetuado”, que os vereadores do PS dizem ter tido conhecimento deste caso que, na sua ótica, “é imagem de marca dos executivos PSD”. Para os membros da oposição, que estiveram presentes na sessão do passado dia 23 e que votaram contra o ponto 05 da ordem de trabalhos, “houve ocultação de informação” em relação a este que foi “mais um mau negócio para o interesse público” e cuja resolução “se arrastou no tempo”. Aliás, segundo Ana de Jesus, esta recente condenação da autarquia de Oliveira de Azeméis “deve servir para refletirmos sobre a forma como gerimos o erário público” e, de acordo com Joaquim Jorge Ferreira, “deve ficar como ensinamento para situações futuras”. “Porque – ‘voltou à carga’ a advogada – isto custa-nos dinheiro e acaba por atrofiar o desenvolvimento” do concelho.

Este é o edifício de onde saíram os antigos inquilinos que a Câmara, na altura, presidida por Ápio Assunção decidiu realojar em imóveis situados próximo do ‘Pingo Doce’, no lugar da Farrapa

> CONTRARIANDO DEPOIMENTO DE ÁPIO ASSUNÇÃO

Vereadores de então dizem desconhecer o negócio A propósito deste assunto, tanto Gracinda Leal como Ricardo Tavares – os únicos vereadores de então que ainda fazem parte do atual executivo – foram questionados, na última reunião de Câmara pública, pela oposição, sobre se tinham conhecimento ou não deste negócio. Enquanto a vereadora se remeteu ao silêncio, o vice-presidente afirmou que desconhecia o que havia sido negociado com o antigo presidente da autarquia, contrariamente o que o próprio Ápio Assunção disse em julgamento. Ao que o Correio de Azeméis conseguiu apurar, após a sessão de 23 de janeiro passado, o ex-autarca de Oliveira de Azeméis, no seu depoimento, “… não deixou de referir que houve várias reuniões entre ele, como presidente, e os vários vereadores, onde o contrato em apreço foi discutido, esclarecendo que nunca era só o presidente que resolvia esse tipo de assuntos”. Ápio Assunção declarou, ainda, que “em diferentes reuniões havidas, mas não em reunião de Câmara, discutiu os assuntos relacionados com o contrato com outros departamentos, designadamente o financeiro”.

Aquisição nunca foi votada em sede de executivo Recorde-se que - conforme foi aventado em sede de executivo e, posteriormente, conseguimos apurar – em meados 2008, para a construção do Troço 3 das Vias Estruturantes, na cidade, era necessário demolir um prédio urbano, na Rua António Pinto de Carvalho, onde se encontravam três inquilinos, tendo Ápio Assunção, que então presidia à autarquia, assumido que os realojaria. Nesse sentido, foi negociada a aquisição de três frações de imóveis (dois apartamentos e uma loja), no lote 3 da Rua José Moreira Dias (junto ao ‘Pingo Doce’ da Farrapa), à Oliprojecta – Construtora Ld.ª, por cerca de 254.800 euros. Isto, através de um contrato promessa de compra e venda, assinado, em fevereiro de 2009, pelo então edil - documento no qual se comprometia a liquidar a verba em 18 mensalidades de 14.160 euros, a partir desse mês, o que nunca aconteceu. Mas note-se que antes, em setembro de 2008, a edilidade e a construtora oliveirense acordaram verbalmente a compra, tendo a primeira recebido, já nessa altura, as chaves das três frações. É de notar ainda que esta aquisição nunca foi objeto de aprovação em sede de executivo nem uma única prestação acordada foi paga, levando a Oliprojecta a avançar, em 2011, com uma ação judicial e, mais tarde, a recorrer da primeira instância,

> PRESIDENTE DE CÂMARA PRONUNCIASE SOBRE “PROCESSO DELICADO”

Hermínio Loureiro lamenta situação Também Hermínio Loureiro pronunciou-se sobre aquilo a que chamou de “processo controverso e delicado”. O presidente de Câmara, que sucedeu a Ápio Assunção, afirmou que “não posso deixar de lamentar esta situação (…) bastante desagradável”. “Mas – conforme prosseguiu – com a decisão da Relação do Porto e a execução, tivemos de cumprir e pagar”. Note-se que, assim como o seu antecessor, Hermínio Loureiro não trouxe, de igual modo, o assunto a reunião de Câmara e acabou por remeter a sua resolução para tribunal. “A partir do momento em que decidimos seguir a via judicial, não fazia sentido pagar as prestações”, afirmou, a propósito, o edil. que obrigava o município a devolver os imóveis. Agora, na sequência da decisão do Tribunal da Relação do Porto, a Câmara foi condenada a pagar 380 mil euros relativos à aquisição dos imóveis, montante que só de juros, custas judiciais e despesas de condomínio inclui mais de 120 mil euros. N.R.: Note-se que, na sequência deste assunto que ‘veio à tona’ na penúltima semana de janeiro, a comissão política concelhia do Partido Socialista remeteu à nossa redação uma nota de imprensa (ver página 32 desta edição).

> SENIORES VÃO CELEBRAR O DIA DE S. VALENTIM NA ZONA PEDONAL

‘O Cupido sai à rua’ esta sexta-feira Na próxima sexta-feira, 14 de fevereiro, ‘O cupido sai à rua’ na zona pedonal de Oliveira de Azeméis, a convite do Centro Social Dr.ª Leonilda Aurora da Silva Matos (Lar Vila Nida e

Centro de Dia) e do Lar S. Miguel. Trata-se de uma atividade interinstitucional que tem como objetivos comemorar o Dia de S. Valentim e promover o convívio entre instituições de

apoio à terceira idade. Entre as 14h00 e as 16h00, os seniores vão fazer uma caminhada, com início junto à igreja matriz e fim no Largo da República, depois de per-

correrem também parte da Rua António Alegria até à antiga Ourivesaria Guedes. Ao longo do trajeto, estão previstas serenatas e outras músicas alusivas à data, entre outras

surpresas. Note-se que, caso o S. Pedro não queira ‘colaborar’ com a organização, a atividade passa a ter lugar no salão paroquial.


06

Terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

concelho

>Levantamento feito pelo Jornal de Negócios sobre o número de trabalhadores das câmaras (2010/13)

Menos funcionários também em Oliveira de Azeméis Oliveira de Azeméis tem vindo a registar um decréscimo no número de trabalhadores municipais, um facto positivo para a conjuntura que atravessamos, mas que acabou por ser prejudicado pela internalização dos funcionários da GEDAZ. Angela Amorim

De acordo com um levantamento feito pelo Jornal de Negócios, o número de funcionários municipais tem vindo a decrescer desde 2010. As explicações residem, essencialmente, na própria imposição governamental, que, com a chegada da Troica, obriga as câmaras a reduzirem 2% do pessoal/ano. Além disso, devido à conjuntura económico-financeira, muitos municípios optam por não renovar os recursos humanos, à medida que estes se vão reformando. Também a devolução do pessoal não docente, que tinham recebido do Ministério da Educação, acaba por pesar nas contas de algumas autarquias. Porém, se há razões para esta baixa, há as também para casos de subida do número de trabalhadores municipais: a internalização dos funcionários

das empresas municipais e/ou serviços municipalizados ex­ tin­tos. A análise realizada pelo ‘Ne­gó­cios’ – e que passaremos a apresentar – baseia-se em dados da DGAL – DirecçãoGeral das Autarquias Locais (número de funcionários à data de setembro de 2013) e do INE – Instituto Nacional de Estatística (população/ Censos 2011).

Quase oito funcionários para cada mil habitantes no nosso município Oliveira de Azeméis é o município que regista o maior decréscimo do número de funcionários, entre 2010 e 2013 (-57), logo a seguir a Santa Maria da Feira (-236), no que diz respeito aos cinco concelhos do Entre Douro e Vouga (EDV). Já Arouca é o de menor baixa, com apenas -4 colaboradores

no mesmo período, enquanto Vale de Cambra se fica pelos -6 e S. João da Madeira tem menos 34 elementos. Para sermos mais precisos, em setembro de 2013, a DGAL indicou que a nossa autarquia tinha ao seu serviço 527 funcionários, isto é, cerca de 7,7 por cada mil habitantes. Santa Maria da Feira empregava bem mais (830), com um rácio de 6 por cada mil. O concelho vizinho sanjoanense seguia-se, com 260 colaboradores/12 por cada mil habitantes, enquanto

> Municípios do EDV e do distrito de Aveiro abaixo da média

Espinho é a exceção Segundo as contas do Jornal de Negócios, a média de funcionários por município (a nível nacional) caiu, no final do terceiro trimestre do corrente ano, para 393, o que, face a 2010 é significativo, já que nesse ano se registou uma média de 440. A média de trabalhadores camarários por mil habitantes, em 2010, era de 19,6 e, em setembro de 2013, quedou-se pelos 17,5, do que se conclui que a maioria dos municípios tem um rácio inferior à média, mais precisamente 185. Nestes englobam-se todos os concelhos do Entre Douro e Vouga (ver texto principal) e do distrito de Aveiro, com a exceção para Espinho, onde se verifica que cada mil habitantes dispõe de 17,6 funcionários municipais (ver quadro em baixo). que Vale de Cambra oferecia 9 a cada mil residentes, num total de 212 trabalhadores municipais. Por último Arouca, surgia com 202 na totalidade e 9 por cada mil pessoas no concelho. Recorde-se que, a 30 de dezembro último, foi aprovado pela Assembleia Municipal o mapa de pessoal da nossa Câmara Municipal para 2014, com os votos contra do PS. Então ficou patente que esse documento (para 2014) registava 510 lugares ocupados, aos quais se devem acrescentar os trabalhadores da GEDAZ (cerca de 25) que, com a extinção desta empresa municipal, foram internalizados na autarquia.

>Antigos combatentes oliveirenses são condecorados em dia de aniversário

NLCOA celebra 85 anos a 23 de fevereiro No próximo dia 23 de fevereiro, domingo, o Núcleo da Liga dos Combatentes de Oliveira de Azeméis (NLCOA) celebra o seu 85.º aniversário. O programa festivo tem início às 10h45, junto ao Monumento dos Combatentes do Ultramar, sito na Rua da Imprensa Oliveirense, em Oliveira de Azeméis, com a Guarda de Honra à Alta Enti-

dade, seguindo-se, no mesmo local, às 11h00, uma cerimónia de homenagem aos mortos e, às 11h15, a condecoração de antigos combatentes com a Medalha Comemorativa das Campanhas das Forças Armadas e o preito aos membros do NLCOA que completaram 25 anos de sócio. Para as 13h00, está previsto começar o almoço convívio.


CONCELHO

07

Terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

> “RESULTADO DO INVESTIMENTO CONCRETIZADO, DESDE 2008, NA LINHA DO VOUGA EM MATÉRIA DE PASSAGENS DE NÍVEL”

Ano transato sem qualquer registo de acidentes no concelho No ano passado, não houve acidentes no troço ferroviário que atravessa o concelho de Oliveira de Azeméis. Para a REFER, tal devese “ao investimento concretizado, desde 2008, na Linha do Vouga, em matéria de passagens de nível”.

ção ativa, enquanto, em 1999, de 2494 PN, apenas 26% dispunham desta proteção”. Contas feitas, “em termos globais e resultado das ações persistentes de supressão e reclassificação destes atravessamentos, existem hoje menos 65%” do que há 15 anos.

GISÉLIA NUNES

“Neste concelho - resultado do investimento concretizado, desde 2008, na Linha do Vouga em matéria de passagens de nível - foram alcançados resultados muito positivos, não só no que diz respeito à redução do número de atravessamentos existentes, mas também, e particularmente, do número de acidentes registados”. Quem o diz é a Rede Ferroviária Nacional – REFER EPE, através do seu gabinete de Comunicação e Imagem. Segundo a gestora da infraestrutura ferroviária em Portugal, no que respeita a sinistros, 2013 foi um ano em que, no município de Oliveira de Azeméis, não houve qual-

“Resultado do investimento concretizado, desde 2008, na Linha do Vouga em matéria de passagens de nível”, pela REFER, no ano passado, não houve acidentes no concelho

quer ocorrência. Aliás, contrariamente ao período entre 1999 e 2008, durante o qual se contabilizaram 57 acidentes, nos anos que se seguiram, assistiu-se a uma grande diminuição da sinistralidade. Senão vejamos: Em 2009, houve três; em 2010 um; 2011 um; e 2012 um. Em relação às passagens de nível (PN), importa salientar que, das 56 existentes em 1999, apenas restam 24, 11 das quais ativas (em 1999 eram cinco) e 13 passivas (em 1999 eram

bro e de uma estratégia continuada de atuação focada no objetivo da redução da sinistralidade, por parte da REFER, no domínio das passagens de nível, pela primeira vez, os atravessamentos com proteção ativa superam em número os que dispõem apenas de proteção passiva”, informa, em comunicado de imprensa, a REFER. Balanço a nível nacional A mesma fonte adianta ain“Resultado de uma política da que “das 870 PN existentes enquadrada pelo Decreto-lei em 31 de dezembro último n.º 568/99, de 23 de dezem- 436 dispõem, hoje, de prote-

51). Isto com base em dados referentes a 31 de dezembro de 2013, que nos foram divulgados também pela REFER. Note-se que quando se fala em PN de proteção ativa, esta é “conseguida através do guarnecimento humano ou por existência de sinalização automática (barreiras, sinalização sonora e luminosa)”.

> NO TROÇO DA LINHA DO VOUGA ENTRE OLIVEIRA DE AZEMÉIS E SERNADA DO VOUGA

Passageiros continuam a ser transportados de táxi Passados mais de três meses desde que, no troço entre Oliveira de Azeméis e Sernada do Vouga, os comboios foram substituídos por táxis, a situação permanece igual. Questionada sobre o assunto, Ana Maria Portela, da CP – Comboios de Portugal, confirmou, ao Correio de Azeméis, que “a CP mantém o transporte alternativo com recurso a táxis”. Recorde-se que a 25 de outubro do ano transato - na sequência das “limitações de velocidade”, impostas pela Rede Ferroviária Nacional – REFER EPE devido à “degradação da via [férrea]”, levando a “significativas perturbações ao nível da regularidade e pon-

Foto de Arquivo

dentro), foi-nos dito - desta feita por Susana Abrantes, do departamento de Comunicação e Imagem da REFER – que se tratam de “deslocações à oficina que fica em Sernada do Vouga” e não de “marchas comerciais”. Segundo a responsável, as referidas composições deslocam-se “em vazio”, ou seja, sem passageiros. Táxis apanham os passageiros na Estação da CP oliveirense A mesma fonte afirmou aine transportam-nos ao longo do troço até Sernada do da que não há quaisquer obras Vouga, fazendo, depois, o trajeto inverso a serem efetuadas no troço entre Oliveira de Azeméis e tualidade dos comboios” – a noticiou oportunamente. Sernada do Vouga: CP optou por substituir, temEntretanto, em relação a “Neste momento, [apenas] porariamente, o serviço ferro- algumas composições ferro- foi decidido fazer uma avaviário por rodoviário alterna- viárias que alguns oliveiren- liação em relação às conditivo, com recurso a dois táxis, ses têm visto a circularem na ções da vida e à sua viabiliconforme o nosso semanário respetiva via (às vezes, já noite dade”, rematou.

Redução da sinistralidade e do número de vítimas No mesmo sentido, tem-se assistido a “uma redução na sinistralidade e no número de vítimas, tendo, em 2013, ocorrido 27 acidentes (24 colisões e três colhidas), dos quais resultaram dez vítimas mortais, em contraponto com os 154 acidentes registados em 1999, que originaram 26 mortos - um decréscimo de 83% na sinistralidade e de 62% nas vítimas mortais”. De salientar ainda que, “dos 27 acidentes do ano transato, quase 50% ocorreram em PN dotadas de proteção ativa, o que denota, por um lado, um claro desrespeito pela sinalização em presença, e, por outro, que a eficácia que advém da introdução de medidas de reforço da segurança depende, sobretudo, do comportamento e co-responsabilização dos cidadãos utilizadores das PN”, refere o documento. > COMEMORAÇÃO DO ‘DIA INTERNACIONAL PARA A SEGURANÇA EM PASSAGENS DE NÍVEL’

REFER acolhe conferência temática a 03 de junho De acordo com a mesma nota informativa, a Rede Ferroviária Nacional – REFER EPE vai continuar - a par com as ações no terreno - a apostar em campanhas de sensibilização e iniciativas de alerta para a problemática, uma das quais a conferência internacional que assinala o ‘Dia Internacional para a Segurança em Passagens de Nível’, este ano, celebrado a 03 de junho. Vai caber à REFER o acolhimento deste evento no nosso país.


08

Terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

TRIBUNAIS E POLICIA

> NA RUA DO SALGUEIRO, EM SANTIAGO DE RIBAUL

Temporal destrói casa e desaloja homem Durante um período de chuva abundante, a fachada e parte do telhado de uma residência no Salgueiro, em Santiago de RibaUl, ruíram. O morador foi acolhido numa instituição. DIANA COHEN

A chuva e vento fortes que não têm dado tréguas foram os responsáveis pela derrocada de uma habitação de construção antiga que era ocupada por um homem. Três meses depois de ter sido vítima de um acidente de viação, que o deixou em estado crítico, a vida de Jorge Manuel Tavares, 47 anos, sofreu outro contratempo. A casa onde morava não resistiu à precipitação furiosa, que fustigou a região na tarde de terça-feira passada, e a fachada desmoronou, deixando o espaço sem condições de habitabilidade e o morador sem um teto. Na altura em que a habitação, situada na Rua do Salgueiro, ruiu parcialmente, não se encontrava ninguém no seu interior. O inquilino permanecia hospitalizado, devido a um atropelamento que o deixou com graves sequelas, ocorrido em outubro, no lugar do Outei-

Fotos Diana Cohen

ínas, onde, lavada em lágrimas, com o apoio de familiares, tentava recuperar alguns objetos. O filho, desempregado – que, entretanto, foi alojado numa instituição situada em Monção (Viana do Castelo), a única que tinha vaga - também ficou em choque com a notícia. “Contámos-lhe o que tinha acontecido e ficou muito aflito. Pediunos para tentarmos salvar o máximo de coisas que conseguíssemos e disse que, quando recuperar, volta para cá e tenta desenrascar-se”, relatou AuLuísa Correia e o filho perderam quase tudo o que tinham depois de a chuva ter arrasado a gusta Tavares. casa onde moravam há mais de três décadas A autarquia, através dos serviços de Proteção Civil, prontificouse, também, “a ajudar no que puro. A sua mãe, Luísa Correia, de der”, explicou a mulher. 77 anos, estava na casa de outro Tudo indica que, em breve, a filho, onde pernoita há já vários residência venha a ser alvo de demeses, ainda que continuasse molição, uma vez que ficou num a deslocar-se à antiga morada estado lastimável e há risco de ruir com frequência. na sua totalidade, o que poderia “Já se estava a prever uma custar muito mais do que simples coisa destas. A casa estava em danos materiais. muito mau estado e, mais cedo Segundo o comandante do corou mais tarde, sabíamos que po ativo da Associação Humanitáia acabar por ruir”, afirmou a ria dos Bombeiros Voluntários de nora da setuagenária em declaOliveira de Azeméis, Paulo Vitória, rações ao Correio de Azeméis. esta foi a maior marca deixada no “Tanto nós como o senhorio concelho pelo temporal que tem tínhamos conhecimento da siafetado a região nas últimas sematuação, mas a renda era baixa nas. O responsável informou ainda e, como o meu cunhado não que a corporação tem sido chamatinha mais qualquer sítio para da para resolver várias ocorrências onde ir, foi lá ficando”, contou relacionadas com quedas de árvoAugusta Tavares. Correia, que residiu naquela Três dias depois do mau tempo res, algumas das quais tombaram casa durante mais de 30 anos, ter destruído, praticamente, to- no Parque de La Salette, na passaFamília inconsolável não podia ter ficado mais des- dos os bens que a idosa e o filho da quinta-feira, “mas sem provoApesar do presságio, Luísa gostosa com o que sucedeu. tinham, não arredava pé das ru- car danos materiais”.

> TUDO INDICA QUE O SUSPEITO SEJA UM EXNAMORADO POLÍCIA

Mulher assassinada foi enterrada em Santiago de Riba-Ul A vítima foi baleada junto à casa do ex-marido, onde esperava pela filha de seis anos. O alegado homicida pôs termo à própria vida depois do crime. A mulher que foi morta a tiro na Branca, concelho de Albergaria-a-Velha, ao que tudo indica por motivos passionais, foi enterrada na passada quartafeira, em Santiago de Riba-Ul, o mesmo dia em que se realizou o funeral do suspeito homicida, que se suicidou após o crime. Margarida Martins, de 37 anos, estava dentro da sua viatura quando foi atingida à queimaroupa, alegadamente, pelo exnamorado, agente da PSP em Lisboa, acabando por morrer no

Margarida Martins tinha 37 anos quando foi assassinada, alegadamente pelo ex-namorado.

local, ao início da noite de sábado, dia 01 do corrente. A vítima acabara de estacionar o carro junto à habitação onde o ex-marido residia com os dois filhos do casal, na Rua do Condão, tendo sido baleada através do vidro do automóvel. Segundo informações recolhidas no local, a mulher, natural de Oliveira de Azeméis, mas que residia, atualmente, em Vale de Cambra, pressentira, já, que estava a ser seguida. “Telefonou a um colega a pedir ajuda e a dizer que estava com a sensação de que estava a ser perseguida”, comentava uma moradora. Margarida Martins deslocara-se ao local com o intuito de se en-

contrar com a filha, com quem habitualmente passava os fins de semana. Não foi possível apurar se a menina presenciou o crime, mas, segundo soube o Correio de Azeméis, foram os gritos da criança que alertaram os vizinhos. “Ela gritava ‘ai a minha mãe, ai a minha mãe’. Estava em choque”, contou a mesma mulher. As suspeitas recaíram, desde logo, sobre o ex-namorado da vítima, Carlos Junqueira, residente em Dornelas (Sever do Vouga), que não estaria a aceitar bem o final do relacionamento. Margarida Martins denunciara, inclusive, as ameaças à GNR e o Ministério Público também já tinha conhecimento do caso.

Após os disparos, testemunhas relataram ter visto um vulto a abandonar o local a pé, presumindo-se que teria o meio de transporte escondido nas imediações. De acordo com alguns moradores, foram ouvidos “tiros com som abafado”, existindo indícios de que o homicida tenha utilizado uma arma com silenciador. No dia seguinte, ao início da tarde, o polícia, que estava com baixa psiquiátrica devido a problemas mentais, foi encontrado morto, dentro da sua viatura, estacionada no lugar Fradelos, a alguns quilómetros do local do homicídio. DIANA COHEN


TRIBUNAIS E POLÍCIA

Terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

> GRANDE APARATO RESULTA NUM FERIDO LIGEIRO

Carro despista-se e derruba poste no IC2 Um automóvel que circulava no IC2, na manhã da passada sexta-feira, despistouse, embatendo com violência num poste de eletricidade que acabou por tombar.

Foto: Diana Cohen

DC

Apesar do aparato, o condutor sofreu apenas ferimentos ligeiros, tendo conseguido sair do interior da viatura pelo seu próprio pé. Ainda assim, foi assistido pelos Bombeiros de Oliveira de Azeméis e, posteriormente, transportado para o hospital. O acidente ocorreu cerca das 08h20, na ponte sobre a EN 224, sentido Sul/Norte, a poucos metros de distância da saída para o centro da cidade. Segundo apurou o Correio de Azeméis no local, o automobilista, residente na freguesia de Pinheiro da Bemposta, perdeu o controlo do veículo, chocando, lateralmente, contra o poste e uma placa de sinalização, que não aguentaram a força do embate e cederam. A GNR tomou conta da ocorrência e o trânsito, no sentido em que ocorreu o sinistro, esteve condicionado enquanto a situação não ficou resolvida.

Apesar da violência do embate, o condutor sofreu apenas ferimentos ligeiros

Este acidente aparatoso ocorreu no IC2, na ponte sobre a EN224, a poucos metros da saída para o centro da cidade

> DEVE TER SIDO O PRIMEIRO APÓS O CÉLEBRE ‘CASO DO DEDO’

09 > NUM STAND DE OLIVEIRA DE AZEMÉIS

Tentou vender carro comprado com cheque sem cobertura A PSP identificou um homem que terá tentado vender, em Oliveira de Azeméis, um carro comprado com um cheque sem provisão. O indivíduo, de 58 anos, agora indiciado por um crime de burla, foi intercetado no passado dia 03, três dias depois de se ter deslocado a Telheiras (Lisboa) para comprar uma viatura que estava à venda num sítio da internet. De acordo com a polícia, o suspeito, desempregado, passou um cheque de 11.500 euros que, veio a apurar o lesado, não tinha cobertura e, para além disso, estava em nome de uma outra pessoa que estaria proibida de emitir cheques. As autoridades seguiram, entretanto, o rasto do alegado burlão, tendo descoberto que o homem terá tentado vender o automóvel num stand situado em Oliveira de Azeméis. Para além do carro, a PSP da Feira apreendeu duas chaves de ignição, um Documento Único Automóvel e uma cópia do Cartão de Cidadão do antigo proprietário, entre outros documentos. “A ocorrência continuará a ser objeto de investigação criminal”, informou a polícia. DC

DR

Capela de La Salette foi arrombada e assaltada O santuário da Nossa Senhora de La Salette foi assaltado. Os ladrões forçaram a porta principal e a da sacristia para furtarem moedas e microfones. DIANA COHEN

A capela de Nossa Senhora de La Salette recebeu uma visita indesejada, na madrugada da última terça-feira. O assalto, que ‘rendeu’ somente um punhado de moedas e microfones, terá sido o primeiro naquele edifício religioso desde o episó-

dio do ‘dedo do ladrão’, ocorrido no ano de 1908. Depois de terem estroncado a fechadura da porta da entrada principal, o(s) ladrão(ões) arrombou(aram) a porta da sacristia por detrás do altar, tudo indica com um pé-de-cabra. Uma vez no interior deste compartimento, dotado com sistema de vídeovigilância, “desviaram a direção da câmara, virando-a de lado”, para que o equipamento não registasse as imagens do crime, contou o Padre Albino Fernandes ao Correio de Azeméis. Apesar do sucedido, o pároco de Oliveira de Azeméis mostrou-se satisfeito com o fac-

to dos ladrões não terem provocado outros estragos. “Pelo menos não destruíram mais nada nem partiram vidraças, porque, senão, o prejuízo teria sido muito maior”, afirmou. O reverendo declarou, ainda, não ter memória de assaltos, tendo como alvos a capela ou mesmo a igreja de Oliveira de Azeméis, nas últimas décadas. “Felizmente, temos sido poupados... não temos razão de queixa”, brincou. Na terça-feira da semana transata, a capela de La Salette Na mesma madrugada do recebeu uma visita dos ‘amigos do alheio’ furto no santuário de Nossa Senhora de La Salette, as instalações do Berço Vidreiro e do café por assaltantes, possivelmente vestigações dos assaltos, efetua Abrigo da Montanha, junto à os mesmos. diligências no sentido de idencapela também foram invadidas A GNR, que assumiu as in- tificar o(s) suspeito(s).


10

Terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

Uma visão de futuro Independentemente das opções políticas que cada partido possa defender para o desenvolvimento de um concelho, espera-se que uma vez eleitos os seus representantes desempenhem as funções com a lealdade e a transparência exigidas a quem ocupa cargos públicos. Isto é, embora as maiorias tenham legitimidade para definir e implementar as suas opções políticas de desenvolvimento, impõese que o façam de forma séria, com princípios e, sobretudo, respeitando a lei. Ora não tem sido isto que os autarcas do PSD têm praticado no nosso concelho. Sistematicamente recorrem a estratégias que visam ocultar a verdade e, quando esta se descobre, vitimizam-se e transformam a denúncia em ataques à oposição, que questiona e exige informação, assim como à comunicação social que a ousa publicar. Esta fórmula, perpetrada por sucessivos autarcas do PSD para desviar a atenção dos Oliveirenses da sua incompetência, conduziu o concelho à difícil situação que hoje temos e aprimorou-se com o atual presidente da Câmara. Com um discurso demagogo e banal, Hermínio Loureiro não se cansa de apregoar uma “gestão de excelência” que é facilmente desmentida pela realidade e gera “pesadas faturas”, sempre pagas pelos mesmos: os Oliveirenses. O mais recente exemplo da sua capacidade de gestão resultou numa condenação e penhora de contas bancárias, obrigando o município a pagar 380 mil euros à Oliprojecta. Num registo que lhe é característico, Hermínio Loureiro ocultou até ao limite da oposição, da comunicação social e dos Oliveirenses, os factos e a verdade, acabando por se justificar com uma afirmação de absoluta hipocrisia, referindo que os seus executivos “sempre pautaram e pautarão a sua atuação no rigoroso cumprimento da lei e na defesa dos superiores interesses do município”. Porém, a realidade demonstra exatamente o inverso. A condenação que agrava o pagamento em mais de 120 mil euros face ao que se pagaria em 2009, caso Hermínio Loureiro tivesse sabido gerir e honrar os compromissos do município, é também a condenação da forma leviana como agiu, assim como uma censura à ausência de lealdade e de princípios de boa-fé que teve para com as opções tomadas pelo seu antecessor. Os Oliveirenses têm tido pouca sorte com os gestores públicos que, durante décadas, não souberam potenciar o desenvolvimento do concelho. É um azar que resulta em equipamentos públicos que chegam muito mais tarde e mais caros que noutros concelhos; é uma enorme dívida sem tradução prática na nossa qualidade de vida; é a ausência de importantes infraestruturas básicas. Em suma, é uma sucessão de decisões de gestão erradas que condicionam o presente e comprometem o futuro de um concelho com tudo para ter sucesso. Tem valido ao concelho o dinamismo dos empresários, o profissionalismo e a qualidade dos nossos operários que, de sobra, têm o que falta à gestão municipal.

Joaquim Jorge

opinião

Causa comum Momento de reflexão

E de repente Portugal descobriu Miró. De repente, este pintor de proa do surrealismo passou a figura cultural de relevante interesse para a pátria Portuguesa. E de repente, os 85 quadros de Miró passaram a ser de uma importância extrema para a cultura Portuguesa. O que fazer aos quadros de Miró que estão na posse do Estado, e que pertenciam ao EXBPN? Este foi o tema da semana em Portugal. Os extraordinários parlamentares da esquerda radical Portuguesa e os nossos magníficos comentadores televisivos e radiofónicos apressaram-se a julgar a possível venda como um atentado à Cultura Portuguesa. Do PS, e não querendo sequer entrar na polémica surgida no fimde-semana, que até indica que esta possível venda começou a ser preparada no tempo do Governo Socialista, a ordem é para defender a manutenção de tão importante espólio. Afinal o que são 35 milhões de euros, ou até um pouco mais, para o estado Português, resultantes da possível venda em leilão destes quadros? Para o PS os dinheiro é algo de que o estado Português pode abdicar. É a mentalidade socialista do esbanjamento que levou o país à pré bancarrota. E mais uma vez, correndo o risco de me repetir, todas estas pessoas se insurgem contra a venda do espólio artístico em defesa do património nacional. Sinceramente é demasiada conversa fiada. Como podemos considerar fundamental para a cultura quadros de um pintor espanhol, cuja qualidade não foi ao que parece sequer avaliada, quando temos museus, castelos, arquivos e palácios degradados por supostamente não existirem verbas para a sua conservação? Portugal não tem um museu de arte moderna, infelizmente, mas seguramente não será agora, nos tempos difíceis que Portugal atravessa, que existem condições para a sua existência. Sendo assim, preservar 85 quadros na posse do estado, que provavelmente continuarão a não ser devidamente expostos, não serviria os interesses de tantos pseudo entendidos em questões culturais que apareceram nos últimos dias. De facto, parece-me óbvio que se fazia muito mais pela cultura nacional se a receita proveniente de uma possível venda destes quadros fosse utilizada no verdadeiro património cultural nacional que são os muitos museus, palácios e castelos que estão a precisar de conservação urgente.|

José Campos

Estimados leitores é assunto corrente, um pouco por todo o país, o sorteio de viaturas topo de gama a efetuar pelas finanças entre os contribuintes que tenham o seu número de contribuinte nas faturas de despesa. Para ficar habilitado tem que pedir para incluir o número de identificação fiscal na fatura que assim é válida e habilitada para o sorteio. Muitas têm sido as vozes críticas sobre esta estratégia das Miguel finanças que, em última estancia, visa in- Portela centivar os consumidores a solicitar a referida fatura de forma a combater a evasão fiscal. Realmente no nosso país a fatia de impostos cobrados será muito pequena relativamente ao valor real que deveria ser pago, obrigando a um esforço cada vez maior daqueles que cumprem as suas obrigações. O sorteio tão criticado a mim não me causa incómodo e assumo até que será uma estratégia capaz de motivar uma verdadeira caça à fatura, contudo acho apenas um contrassenso a atribuição de uma viatura topo de gama, não se enquadra na época que vivemos. Penso que em vez de um bom carro poderiam sortear duas ou três viaturas de gama mais modesta, essencialmente por duas razões principais; primeiro nem todos poderão ter hipóteses financeiras de custear os encargos que uma viatura topo de gama acarreta; segundo em vez de uma família contemplada seriam mais os contemplados e “felizardos”. Todos nós temos familiares e amigos com comércios e sabemos a realidade que vai existindo um pouco por todo o lado, acredito que esta estratégia irá levar a um aumento significativo do encaixe fiscal e levará ao mesmo tempo a um sufoco de muitos comerciantes que iam sobrevivendo com esta estratégia de não entregar todo o imposto que teoricamente deveriam entregar. Neste sentido será importante o Estado atuar com muita agilidade, percebendo que o cumprimento das contribuições deverá ser seguido do abaixamento das taxas atualmente a ser cobradas. Se pagamos muito por sermos poucos a pagar, quando formos mais a pagar penso que as taxas deverão ser revistas e atualizadas, refletindo dessa forma a nova realidade. Todos nós fomos criados, desde pequenos, num regime em que só pedimos as faturas quando necessitávamos destas para apresentar despesas, e assim fomos desenvolvendo o hábito de pagar e sair sem solicitar o comprovativo da nossa despesa. Este paradigma está a mudar e a nossa mentalidade também, a crise leva a que todos tenhamos que contribuir com a nossa parte, contudo e face às dificuldades que o nosso país atravessa será importante estarmos atentos à evolução do encaixe financeiro e a uma tendência equivalente no abaixamento das taxas. Acredito que realmente subir as taxas leva sempre à fuga para a frente tentado fugir a estas, temos sim que delinear estratégias de cobrança e torná-las mais suaves como forma de incentivo ao cumprimento da lei. Despeço-me com amizade


opinião

Terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

11

“Quem não chora não mama!”

A. Evangelista de Pinho

Em cada dia que passa, ouvimos falar de uma crise generalizada, mas, quem estiver mais atento à forma como a sociedade se comporta, chegará facilmente à conclusão de que essa crise só existe para os menos protegidos. Não se pretende convencer, seja quem for, de que não há pessoas que sintam muitas dificuldades no dia a dia para gerirem suas casas, pequenas empresas ou até oficinas, mas, daí a dizer-se que o país está em crise generalizada, vai toda a diferença. Nunca acreditámos nas vozes dos profe-

“Menino que não chore não mama” e aqueles que se habituarem à teta, será muito difícil largá-la da boca. Esta é mais uma das tristes verdades, que se verificam no cotidiano da vida.

tas da desgraça, quando nos tentam meter tal confusão na cabeça, sobretudo a dos tendenciosos meios audiovisuais, que, entrando em nossas casas sem nos pedirem licença, querem-nos fazer crer que somos um povo terceiro-mundista. Temos o direito, a liberdade e a frontalidade de rejeitar tudo quanto nos querem impingir, porque, enquanto vermos estádios a abarrotar de adeptos, tendo em conta o custo elevado dos bilhetes, as discotecas pejadas de utentes e dezenas de milhares de jovens em tantos e constantes festivais, cujas entradas são altamente pesadas, como será possível fazer acreditar que o país está em crise? No entanto, está fora de dúvida de que não somos contra esses divertimentos ou desportos, porque de alguns até gostamos, mas diz o povo na sua eterna sabedoria que “quem cabras olha e cabras não tem, de onde é que o dinheiro vem?”. Para todas essas festanças há sempre dinheiro e são muitos desses que amanhã irão

participar em manifestações de punho erguido e agredindo o ar da atmosfera, que respiram. No meio desta bagunça toda, somente nos preocupamos com os desempregados e não com todos, mas apenas com aqueles cujas fábricas fecharam as portas, aqueles que querem trabalhar e não encontram trabalho, bem como os que tenham fracos recursos, certos idosos, os sem-abrigo, a pobreza envergonhada e os deficientes. Somente para todos esses é que acreditamos que haja verdadeira crise. Todo o resto, a meu ver, é uma choramingueira oportunista, que consiste numa grande treta, propagandeada por aqueles que vivem de razoáveis ordenados, tornando-se cada vez mais atual e convincente o velho ditado popular: “Menino que não chore não mama” e aqueles que se habituarem à teta, será muito difícil largá-la da boca. Esta é mais uma das tristes verdades, que se verificam no cotidiano da vida.

era uma cábula para eu não me esquecer de por o título. Nada disso. ‘título’ foi o que arranjei para atrair à sua leitura, um título que nada diz, mas apela. O problema disto é que depois do título, curto e apelativo segundo os omniscientes entendidos, é necessário estruturá-lo, desenvolver o tema e, estará de acordo, aí é que ‘a porca torce o rabo’. Como transcrevi no primeiro parágrafo “uma folha de papel é indiscutivelmente um território de sedução”, mas, para seduzir, conquistar, é necessário ter com quê. Pois e aqui é que ‘a porca não destorce o rabo’. ‘Título’ é fácil, por vezes dá que pensar, o pior vem depois, principalmente quando não se tem que dizer, acabou a tinta, ou há tanto a exprimir que nem se sabe por onde começar. Sejamos sinceros e práticos!

Há uma coisa que eu sei e o leitor e a leitora também conhecem por experiência própria: De noite tudo é escorreito. Não faltam ideias para escrever, para falar no dia seguinte que é o mesmo, para trabalhar, mas, depois do escuro noturno, surgem as dúvidas e a falta de memória recente. Isto acontece muitas vezes - que sirva de exemplo a todos nós e ninguém se ria do outro que à sua porta vem parar. Por vezes fica por séculos e séculos. Por falar em séculos, por acaso o leitor e a leitora já repararam que é, como direi, antiquado/a(s)? Não, não quero ser grosseiro, só a lembrar que (já) nasceu no século passado; e até no milénio passado, isto a contar que quem tem uma dúzia de anos não lê uma coisa destas. E pronto. Assentei nesta folha de papel o resultado do travesseiro: Nada!

Título

Jorge Azevedo

“Na brancura de uma folha de papel (que é indiscutivelmente um território de sedução, um corpo a explorar) no centro e bem ao alto, planta-se a frase”. Isto está escrito no livro de José Cardoso Pires, ‘O Delfim’. E eu assim fiz: Título Ora o leitor, a quem me tenho dirigido diretamente e é a razão da minha escrita depois de mim, ao ler ‘título’, terá pensado que me enganei, estrambelhei ou lá o que é, e aquilo

“Na brancura de uma folha de papel (que é indiscutivelmente um território de sedução, um corpo a explorar), no centro e bem ao alto, planta-se a frase”

Um cantinho do Comércio Tradicional direção Associação comercial dos concelhos de oliveira de azeméis e vale de cambra

A Associação Comercial dos Concelhos de Oliveira de Azeméis e Vale de Cambra (ACCOAVC) saúda todos os comerciantes seus associados. Bem-vindos ao nosso cantinho. Hoje, o assunto é “como Criar um negócio”. Em colaboração com a Olivetree, tivemos a oportunidade de fazer um trabalho relacionado com novas oportunidades de negócios. Não podemos ficar, exclusivamente, por este trabalho. É necessário mais interesse e mais procura de soluções para cada caso. Os mes-

Voltamos a lembrar os cursos de formação. Aguardamos mais algumas inscrições para avançarmos com mais turmas. Candidatos precisam-se!

tres e promotores parceiros encontram-se em condições de ajudar a levar para a frente as ideias que cada um tiver idealizado e que seja exequível. Procurem-nos. O nosso site também tem essa informação. Está atualizado e contém as notícias mais importantes para os nossos sócios e para quem o frequentar. Voltamos a lembrar os cursos de formação. Aguardamos mais algumas inscrições para avançarmos com mais turmas. Candidatos precisam-se! Os benefícios de se tornar nosso sócio são evidentes. Já destaquei os serviços jurídicos, mas muitos outros existem para comodidade de todos. Temos parcerias com empresas de vários setores que trazem benefícios para os nossos sócios. Queiram consultar a lista e usufruir dos seus benefícios. Hoje mais algumas empresas nossas parceiras:

Pro-Extint – Comércio de equipamentos de segurança. Aqui encontra todos os equipamentos para a segurança do seu estabelecimento e da sua habitação. Aquimisa HACCP – Empresa especialista na implementação do HACCP no seu estabelecimento. Escusado será dizer que em qualquer parceiro da ACCOAVC encontrará não só os melhores serviços, mas também descontos significativos. Nas próximas semanas outros também serão lembrados. Por último, relembramos as novas leis que saíram relacionadas com os documentos que devem acompanhar o condutor quando faz o transporte de mercadorias e a lei que proíbe/ permite o acesso de animais aos estabelecimentos. Consultem-nas. Terminamos por hoje, desejando a todos um ano de bons negócios e a continuação de ótimo trabalho.


12

Terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

REGIONAL

CESAR> TENDO EM VISTA O LEVANTAMENTO DAS NECESSIDADES DA FREGUESIA

ADRITEM promoveu jornadas sobre o desenvolvimento local Com vista à elaboração de um plano estratégico fundamental para Cesar, a ADRITEM, Junta, associações e instituições locais, e, ainda, particulares estiveram reunidos, durante os passados dias 01 e 02 de fevereiro. O objetivo foi mapear as necessidades reais de Cesar e traçar um caminho sustentado e exequível para o futuro da vila.

Mesa que presidiu a um dos momentos altos destas jornadas técnicas.

CARLOS COSTA GOMES

Nesta organização - dirigida a associações, grupos de jovens, empresas, IPSS, população em geral da freguesia de Cesar e restantes instituições de caráter concelhio ou regional -, a ADRITEM contou com a parceria do município de Oliveira de Azeméis, Junta e Villa Cesari - Associação de Cultura e Desporto de Cesar.

As ‘Jornadas Técnicas para o Desenvolvimento Local de Cesar’ decorreram, nos passados dias 01 e 02 de fevereiro, no Centro Cívico Justino Portal e surgiram numa altura crucial para o futuro do território. A iniciativa – levada a cabo no âmbito dos ‘Encontros para o Desenvolvimento Local’, promovidos pela Associação de Desenvolvimento Rural Integrado das Terras de Santa Maria (ADRITEM) visou “identificar os problemas e as potencialidades da freguesia de Cesar e definir as linhas estratégicas do seu plano de desenvolvimento para 2014-2020”.

Cinco áreas temáticas Este ‘Encontro para o Desenvolvimento Local’ assentou em cinco áreas prioritárias: ‘Território, Ambiente e Recursos Naturais’; ‘Demografia e Capital Humano’; ‘Setor Social’; ‘Cultura e Património’; e ‘Atividades Económicas’. É de realçar a razoável participação das entidades locais, nomeadamente dos setores social e cultural, que marcaram forte presença no encontro. No que diz respeito aos outros campos, também é de registar boa adesão. Segundo Teresa Pouzada, coordenadora da ADRITEM,

Identificar os problemas e as potencialidades da freguesia de Cesar foi um dos objetivos destas jornadas técnicas, que decorreram no Centro Cívico Justino Portal.

as ‘Jornadas Técnicas para o Desenvolvimento Local de Cesar’ foram “um sucesso”, pois “a partilha e a discussão das temáticas e os contributos - quer em termos de levantamento de necessidades e problemas, quer no âmbito das ideias e sugestões de melhoria - constituem um caminho sólido

e uma visão estratégica de futuro”. Projetos inovadores e intervenções necessárias No que respeita às ideias e intervenções sugeridas pelos grupos de reflexão para o Plano Estratégico de Desenvolvimento 2014-2020, os contributos apresentados demonstraram muito bem a capacidade crítica das gentes de Cesar, em especial da geração mais jovem, presente em número muito relevante. “Os campos de ação propostos são vastos e terão, agora, de ser analisados no sentido de elencar uma lista de prioridades e definição de atividades concretas”, como defendeu José Rocha, presidente da direção Centro Infantil e Social de Cesar. No essencial e de modo conclusivo, o que se pode retirar destas ‘Jornadas Técnicas’ é que “as forças vivas lo cais - ainda que, explicitamente, não o dissessem - foram ao encontro daquilo que se pretende ao nível

Estes dias de trabalho em Cesar foram muito importantes em termos do levantamento das necessidades e carências da freguesia.

político para Cesar, isto é, um projeto estratégico e sustentável para a vila cesarense e não um projeto político/partidário”. “Mais do que projetar um programa político ou eleitoral para governar ou gerir os destinos de Cesar de quatro em quatro anos, é, como defendemos, já há décadas, necessário mapear um conjunto de medidas fundamentais para a nossa vila (que estejam acima da política partidária), como plano estruturante (não conjuntural) para o desenvolvimento e crescimento sustentável da freguesia”. Estas ‘Jornadas Técnicas’ “acabaram por solidificar a visão política defendida e seguida nos últimos anos em Cesar”, além de que alertaram “para a necessidade de compromissos políticos, visando as questões fundamentais do desenvolvimento local a longo prazo, ou seja, independentemente de quem venha a gerir os destinos da vila”.


REGIONAL

Terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

13

CARREGOSA > CLASSIFICAÇÃO JÁ FOI PUBLICADA EM DIÁRIO DA REPÚBLICA

Quinta da Costeira é monumento de interesse público A Quinta da Costeira, em Carregosa, foi classificada como monumento de interesse público pelo governo, através da Secretaria de Estado da Cultura, no passado mês de janeiro. “É classificada como monumento de interesse público a Quinta da Costeira, em Carregosa, freguesia de Carregosa, concelho de Oliveira de Azeméis, distrito de Aveiro”. Este é o teor da portaria n.º 46/2014 de 07 de janeiro último, publicada em Diário da República (DR) no passado dia 21 desse mesmo mês. Uma classificação dada pelo governo, através do secretário de Estado da Cultura, Jorge Barreto Xavier, após audiências escrita dos interessados, prevista na legislação, e prévia à Câmara Municipal de Oliveira de Azeméis. Esta classificação reflete os critérios legais nesta matéria,

deste monumento, em Carregosa, é fixado pela mesma portaria, conforme planta aí também publicada.

A Quinta da Costeira, na freguesia de Carregosa, assume agora o estatuto de monumento de interesse público

“relativos ao caráter matricial do bem, ao seu interesse como testemunho simbólico ou religioso, ao seu valor estético, técnico e material intrínseco,

à sua conceção arquitetónica e paisagística, e à sua extensão e ao que nela se reflete do ponto de vista da memória coletiva”. A zona especial de proteção

A Quinta da Costeira e o Bispo Conde Recorde-se – como o faz o documento, recentemente publicado no DR, que “da Quinta da Costeira existem notícias desde o primeiro quartel do século XVII. A casa original, de desenho neoclássico tardio, convive com a quinta agrícola, estando ainda rodeada por um frondoso parque florestal. Deve-se a um seu proprietário, D. Manuel Bastos Pina, conde de Arganil e bispo de Coimbra, ligado ao primeiro restauro da Sé Velha desta cidade, a campanha de ampliação da casa principal, em cujo exterior se destaca o frontão triangular decorado com o brasão episcopal. Data igualmente desta epoca a conversão da quinta em residência episcopal e santuário de peregrinação mariano, inspirado no santuário pirenaico de Lourdes, em função do qual os terrenos foram orde-

nados por largas alamedas, articulando entre si o jardim de buxo que antecede a residência episcopal, o volume da capela dedicada a N.ª Sr.ª de Lourdes e um jardim de inspiração religiosa e romântica, onde se desenvolvem patamares com pequenas arquiteturas cenográficas, bem como dois lagos em torno de um monte artificial. Num terreiro da mata envolvente fica a Gruta de N.ª Sr.ª e duas outras grutas semelhantes, entre diversos grupos escultóricos em barro e madeira, uma pequena fonte e um obelisco comemorativo da visita de D. Manuel II, em 1910. A capela de N.ª Sr.ª de Lourdes é precedida por uma pitoresca escadaria pontuada por rochedos e esculturas em barro da fábrica das Devesas, à laia de percurso devocional cenografado. No interior devem nomear-se as pinturas dos tetos, da autoria de José Maria Pereira Júnior, cenógrafo e ceramista lisbonense, e os azulejos do artista conimbricense Miguel da Costa, que também assina duas telas”.

CUCUJÃES> ESCOTEIRAS GRUPO N.º 18 TÊM DE DESENVOLVER ATIVIDADES ANTES DE RECEBEREM INSÍGNIA DE ESPECIALIDAE

Correio de Azeméis e Azeméis FM ajudaram a superar uma das provas Na última semana, o Correio de Azeméis e a Azeméis FM receberam a visita de três adolescentes pertencentes à Tribo de Escoteiros do Grupo n.º 18, que, neste momento, se encontram a trabalhar para merecerem a insígnia de especialidade. O jornal e a rádio oliveirenses ajudaram-nas a superar uma das provas. Catarina Brandão, Renata Pinho e Diana Alves, do Grupo n.º 18 da Associação dos Escoteiros de Portugal, sedeado na Vila de Cucujães, visitaram, na passada quarta-feira, as instalações do Correio de Azeméis e da Azeméis FM. Com esta visita, estes três elementos da Tribo de Escoteiros ficaram a conhecer o ‘outro lado’ - quer do jornal, quer da rádio de Oliveira de Azeméis -, bem como a esmagadora maioria dos profissionais que neles trabalham, superando, assim, uma das provas que lhes são exigidas antes de serem promovidas à divisão

seguinte. Progresso na Tribo de Escoteiros divide-se em três etapas Em declarações ao Correio de Azeméis, o escoteiro Chefe da Tribo de Escoteiros, Pedro Soares, explicou que estas três adolescentes encontram-se na terceira de “três etapas” em

que o esquema de progresso para a Tribo de Escoteiros está dividido, havendo, para além disso, “as especialidades (conjunto de provas)”. “Aliás - prosseguiu o responsável - depois de completada a 1.ª etapa [na qual os escoteiros encontram desafios que os ajudam a integrarem-se na Patrulha e na Tribo, assim como

a entenderem o que é o escotismo e a prepararem-se para o Compromisso de Honra; notese que, quando os jovens vêm de fora do movimento escotista, recebem o lenço do Grupo, neste caso, n.º 18 e o emblema de 1.ª etapa], podem escolher e fazer as que mais lhes agradarem”. Segue-se a 2.ª etapa, ao longo da qual “testam-se as capacidades dos escoteiros para que possam participar mais ativamente na vida na Patrulha e na Tribo, e, ao mesmo tempo, que os ajude a ver e a compreender melhor o mundo e as pessoas à sua volta”. Chegada a 3.ª etapa, “os desafios vão ser ainda maiores, levando-os a ajudarem os outros e a serem capazes de dinamizar as atividades da Patrulha e da Tribo”. Nesta altura, “provavelmente, estarão perto da idade de passagem para a divisão seguinte” e, por isso, “despedem-se da sua Pa-

trulha - isto é só um ‘até já’ e não um ‘adeus’ - e ingressam numa nova Patrulha com escoteiros um pouco mais velhos (…). A sua autonomia será bem maior e há muitas coisas novas que podem fazer e aprender”. No caso de Catarina Brandão, Renata Pinho e Diana Alves, uma das “especialidades” que escolheram nesta 3.ª etapa foi ‘audiovisual’, a qual requer, como atividade de patrulha, uma visita a uma rádio, TV ou jornal e, posteriormente, a elaboração de um relatório. Além disso, também vão ter de criar, com a Patrulha a que pertencem, um spot publicitário sobre o Grupo n.º 18 ou o escotismo; fazer uma maratona fotográfica sobre um tema e, depois, uma exposição, etc.. Note-se que, só no fim de todas estas as provas, é que vão receber a respetiva insígnia de especialidade para colocar na camisa do uniforme.


14

Terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

REGIONAL

PINHEIRO DA BEMPOSTA> SOCIEDADE MUSICAL HARMONIA PINHEIRENSE

Ensaio aberto da Banda Juvenil Inaugurando uma nova iniciativa - ‘Venha descobrir pequenos grandes talentos da nossa comunidade’ -, a população de Pinheiro da Bemposta e das freguesias limítrofes foi contemplada, na noite de sábado passado, com um ensaio da Banda Juvenil aberto à comunidade. TAVARES RIBEIRO

Na sede da Sociedade Musical Harmonia Pinheirense (SMHP), mais conhecida por Banda de Música de Pinheiro da Bemposta, abriu-se ao público para um ensaio da Banda Juvenil. O salão encheu-se, literalmente, de pessoas - umas sentadas e outras de pé, ao ponto de muitos terem de permanecer no átrio e corredor contíguo – que se juntaram para assistir à dedicação e ao entusiasmo com que os componentes juvenis se entregaram no conhecimento desta bela arte, desta vez, colocada em prática com honra de presença pública. Sob a direção do maestro Fernando Ferreira, o ensaio aberto pautou-se por êxito absoluto, recebendo os mais calorosos aplausos e elogios! Este projeto, levado a bom termo, serviu como nova ação de estímulo à formação musical e fruição do excelente

espaço na sede da filarmónica. Aliás, o mesmo comprovou a lucidez de todos que defendem a inserção da música nas bases da educação e sinaliza o importante fortalecimento do universo pais/alunos/componentes/maestros/direção/ amigos, que se identificam, culturalmente, com a agremiação musical, mantendo, com a mesma, fortíssimo e salutar relacionamento, constituindo precioso incentivo à boa continuidade da formação musical das crianças e jovens.

Boa harmonia no ensaio aberto da Banda Juvenil

PINHEIRO DA BEMPOSTA> BANDA DE MÚSICA ASSINALOU QUADRA NATALÍCIA

Concerto de Natal reforçou ‘laços de amizade’ Durante a quadra natalícia em que “a união fortalece o nosso sentido de vida” – no dizer do maestro Jonathan Costa – a família ganha uma outra dimensão. E a Banda de Música de Pinheiro da Bemposta no seu concerto de Natal do passado dia 21 de dezembro, na igreja matriz do Pinheiro da Bemposta, proporcionou uma partilha musical de profundo sentido. Com momentos únicos, intensos, belos... magníficos de significado e agrado. Provavelmente, indizí-

Fernando Ferreira, maestro da Banda Juvenil

veis, porque quando as sonoridades e acordes musicais se elevam a planar horizontes muito próximos do limite da perfeição tudo o mais que se pretenda adjetivar entra na moradia do supérfluo. Apenas acentua o evidente.

“Ganhamos laços de amizade uns com os outros” Com tanto potencial humano-artístico valorizado na formação por amor à música, a Banda Juvenil mantém-se em rejuvenescimento contínuo ao ser formadora de futuros executantes, permitindo-lhes, quando já estiverem aptos na música – arte por excelência –, a integração na SMHP, ou, porventura, dando-lhes a base de uma futura carreira. Conforme realçou o maestro da Banda de Música, Jonathan Costa, é sempre bom estarem reunidos, porque “ganhamos laços de amizade uns com os outros”, e isto é, para além da música, o que mais importa. E no mesmo diapasão afinou o presidente da direção, António Rodrigues, afirmando que este género de iniciativas, em que se mostra um pouco dos nossos ensaios, é sempre de elogiar. E no final deste ensaio aberto, houve lugar a um salutar convívio com comes e bebes e a muita música com o Dj Cuco.

Palavras do presidente da filarmónica do Pinheiro da Bemposta, incentivadoras para os jovens desta banda


REGIONAL

15

Terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

CUCUJÃES> AE DR. FERREIRA DA SILVA PROMOVEU SESSÃO SOBRE PERTURBAÇÕES DO ESPETRO DO AUTISMO

‘(Des)Construir o autismo’ No passado dia 29 de janeiro, no Centro Cultural de Cucujães, teve lugar uma sessão de esclarecimento sob o tema ‘(Des)Construir o autismo’, dinamizada por Noémia Coleta, professora/ investigadora que, ao longo das últimas décadas, tem dedicado a sua vida profissional à investigação e intervenção das perturbações do espetro do autismo.

A investigadora/ professora Noémia Coleta

Muitos foram os interessados em compreender melhor o autismo.

educativa para esta problemática, a ação despertou especial interesse junto dos pais e encarregados de educação que se deparam com esta disfunção global do desenvolvimento e o corpo docente que lida de perto com as suas especificidades ao nível do comportamento e intervenção pedaTendo por objetivo primei- gógica. ro sensibilizar a comunidade Sendo a perturbação do es-

petro do autismo uma patologia para a qual não há cura, o Agrupamento de Escolas (AE) Dr. Ferreira da Silva procurou, com esta iniciativa, dar a conhecer as práticas mais assertivas para melhorar de forma significativa a qualidade de vida destas crianças e jovens e maximizar o seu sucesso escolar. Noémia Coleta, através de

uma linguagem muito acessível, procurou que os presentes se inteirassem da temática em causa e explanou um conjunto de estratégias promotoras de uma melhor intervenção junto destes alunos, tendo em vista a obtenção de progressos académicos e sociais. Na ocasião, a oradora facultou à vasta plateia uma série de metodologias funcionais

CUCUJÃES> NO ÂMBITO DO PROGRAMA CULTURAL DO NAC

Talentos ‘aqueceram’ noite em Cucujães

ção cultural, dar a conhecer artistas cucujanenses e, simultaneamente, proporcionar o convívio social entre a população, que tende a isolar-se com frio do inverno. Assim, numa sala repleta de um público atento e curioso, foram surgindo talentos que deliciaram os presentes com as suas atuações: Irmãos Lestre; Alfazema; Instrumentos &

CUCUJÃES> ATÉ FINAIS DESTE MÊS

Centro Cultural acolhe workshop sobre ‘Economia familiar’

O talento de ‘Instrumentos & Companhia’.

Na noite do passado dia 25 de janeiro, o palco do Centro Cultural de Cucujães encheu-se de artistas, de várias idades, que se dedicam a diferentes formas de arte, nomeadamente dança, canto, música e teatro. O objetivo do departamento Cultural do Núcleo de Atletismo de Cucujães (NAC) - a entidade organizadora - era estimular a forma-

e úteis, adaptadas à educação pré-escolar e aos ensinos básico e secundário, bem como aos pais e encarregados de educação, com vista a maximizar a inclusão, os relacionamentos interpessoais, a comunicação do indivíduo com perturbações do espetro do autismo, bem como o seu desenvolvimento biopsicossocial.

Companhia; TEPAS – Teatro Experimental por Amadores Sanjoanenses; Grupo de Dança Sénior; e Sociedade Filarmónica Cucujanense. Como forma de agradecimento, o NAC ofereceu aos participantes uma boneca em tecido, executada pela artesã cucujanense, Sónia Oliveira, proprietária da loja Linhas Arrojadas, em Cucujães.

Desde a primeira semana deste mês que, no Centro Cultural de Cucujães, se encontra a decorrer a segunda edição do workshop ‘Economia familiar – saber viver em tempos de crise’. Trata-se de uma uma iniciativa promovida no âmbito do Projeto CLDS+ Time, que tem como destinatários todos os interessados em aprender a gerir, adequadamente, o seu orçamento familiar; receber informação relativa aos serviços e produtos financeiros mais vantajosos; proceder à tomada de decisões financeiras informadas; etc.. O workshop tem lugar em horário laboral, todas as quintas-feiras, das 14h30 às 16h00, até ao próximo dia 27; ou, então, em pós-laboral, todas as terças, das 18h30 às 20h00, até 25 de fevereiro. Mais informações podem ser obtidas na Junta de Freguesia da Vila de Cucujães ou através do email geral-cldsmais@hotmail. com.


16

Terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

REGIONAL

S. MARTINHO DA GÂNDARA> IPSS REQUALIFICOU COZINHA E ADQUIRIU MINIBUS GRAÇAS A CANDIDATURA AO PRODER

Secretário de Estado inaugurou “mais-valias” da Obra Social O secretário de Estado da Solidariedade e da Segurança Social deslocou-se, no passado sábado, a S. Martinho da Gândara para inaugurar as duas mais recentes “mais-valias” da Obra Social. Graças a uma candidatura ao PRODER, no valor de cerca de 105 mil euros, a instituição pôde requalificar a cozinha e adquirir um minibus. GISÉLIA NUNES

Agostinho Branquinho chegou à Obra Social de S. Martinho da Gândara (OSSMG) ainda antes das 11h30, hora prevista para o início de um programa que, além do descerramento de uma placa evocativa da inauguração da ‘renovação de equipamentos’, da bênção do minibus pelo Padre Domingos Gomes de Almeida, pároco da freguesia, e de uma visita guiada às instalações pela diretora técnica (da parte da infância) Alda Teorgas, incluiu um almoço antecedido por um período de intervenções. O secretário de Estado da Solidariedade e da Segurança Social foi convidado pela direção da OSSMG, liderada por António Arlindo Gomes, para presidir à cerimónia inaugural

Como não podia deixar de ser, a visita às instalações incluiu uma passagem pela cozinha requalificada

das duas mais recentes “maisvalias” da instituição particular de solidariedade social (IPSS): Requalificação da cozinha no valor aproximado a 70 mil euros e a aquisição de um minibus de cerca de 34 mil euros. Graças à aprovação de uma candidatura, de cerca de 105 mil euros, à Medida 3.2 – Melhoria da Qualidade de Vida do Programa de Desenvolvimento Rural (PRODER) 2007-2013, através da Associação de Desenvolvimento Rural Integrado das Terras de Santa Maria (ADRITEM), a IPSS são martinhense conseguiu “receber apoio a fundo perdido na ordem dos 75%”, facto que, no passado dia 08 de fevereiro, o presidente do órgão diretivo fez questão de tornar público. Aliás, segundo o próprio dirigente, “a cozinha [em funcionamento desde 1996, 1997] estava num estado tal que estávamos sempre à espera que uma fiscalização qualquer aparecesse e no-la fechasse, uma vez que

- Designação do projeto financiado pelo PRODER: ‘Renovação de equipamentos’;

A carrinha minibus foi benzida pelo Padre Domingos Gomes de Almeida

hoje em vigor”.

Minibus vai substituir duas carrinhas antigas Desde os seus primórdios que a OSSMG tem investido na compra de carrinhas para fazer o transporte dos seus - Beneficiário: utentes – crianças e idosos -, tendo, presentemente, oito ao Obra Social de seu serviço. Tanto é assim que, S. Martinho da no caso dos mais novos, “esta Gândara; instituição teve, desde sempre, no transporte das crianças de - Investimento total: casa para a creche, a pré-pri105.388, 12 euros; mária e o CATL - Centro de Atividades de Tempos Livres - Comparticipação [e vice-versa] uma das suas comunitária: mais-valias”, afirmou, com orgulho, António Arlindo Gomes. 63.232, 88 euros; Acontece que, com o passar dos anos, as viaturas – tal como - Comparticipação com os equipamentos da cozinacional: 15.808, nha – começaram a dar sinais 21 euros. de que “têm de ser substituídas”. Uma necessidade que a não respeitava as normas do Obra Social de S. Martinho da HACCP [ou, em português, Gândara conseguiu, agora, suAPPCC- Análise de Perigos e prir com esta candidatura, que Pontos Críticos de Controle], lhe possibilitou comprar um

minibus de 17 lugares, o qual, de acordo com o presidente da direção, “vai permitir, a curto prazo, substituir duas das mais antigas, nas quais, todos os meses, era preciso gastar dinheiro em reparações”. OSSMG agradece a quem a ajudou no projeto Na sequência, António Arlindo Gomes fez questão de agradecer a “uma pessoa amiga”, “que nos emprestou uma quantia significativa para fazer face às nossas obrigações contratuais no projeto”. Também os técnicos da ADRITEM, coordenados por Teresa Pouzada, “foram inexcedíveis” e, por isso, tiveram direito, de igual modo, a um agradecimento público. Quanto à autarquia de Oliveira de Azeméis, ali representada pelo autarca Hermínio Loureiro, o responsável mostrou-se convicto que “não nos vai deixar ficar desamparados”.

S. MARTINHO DA GÂNDARA> 36 PROJETOS APROVADOS NO CONCELHO ATÉ AO MOMENTO

“Cerca de 12 milhões de euros” investidos no território da ADRITEM Emídio Sousa e Teresa Pouzada marcaram presença na Obra Social de S. Martinho da Gândara – não fossem, respetivamente, o presidente e a coordenadora da Associação de Desenvolvimento Rural Integrado das Terras de Santa Maria (ADRITEM). No caso do líder da ADRITEM, este também fez questão de intervir no período dos discursos, que antecedeu o almoço. Emídio Sousa começou por dar a conhecer aos presentes, inclusive ao secretário de Es-

tado da Solidariedade e da Segurança Social, Agostinho Branquinho, que, até à data, são já 90 os projetos financiados no território da ADRITEM, 36 dos quais oliveirenses - estes últimos “graças, também, ao apoio da Câmara Municipal [de Oliveira de Azeméis]”. “Fomos buscar – conforme prosseguiu - ao PRODER [Programa de Desenvolvimento Rural 2007-2013] cerca de 12 milhões de euros para este território”, que integra várias fre-

guesias rurais dos concelhos de Oliveira de Azeméis, Santa Maria da Feira, Albergaria-a-Velha, Gondomar e Valongo. Em S. Martinho da Gândara, o também edil de Santa Maria da Feira afirmou estar “esperançado” que o trabalho da ADRITEM “se vai prolongar por 2014-2020”, tendo cabimento no novo quadro de apoios comunitários. Rematou a intervenção, agradecendo aos promotores dos perto de cem projetos, em particular à Obra Social.

De salientar que, nesta cerimónia, a ADRITEM também esteve representada por António Luís Grifo, da Federação das Associações do Município de Oliveira de Azeméis, que também desempenha o cargo de tesoureiro da direção da Associação de Desenvolvimento Rural. Obra Social “é uma referência para a freguesia” Mas antes de Emídio Sousa, já havia falado António Marques da Silva. O autarca de S. Martinho da Gândara aprovei-

tou a ocasião para afirmar que a instituição particular de solidariedade social (IPSS) são martinhense “é uma referência para a freguesia” e que a vinda de Agostinho Branquinho à Obra Social, “é um grande incentivo” para que a IPSS continue a desenvolver um “excelente trabalho [como tem feito até então]”. Quanto à requalificação da cozinha e à aquisição do minibus, o responsável político manifestou vontade para que ambas “sejam uma mais-valia” para a Obra Social.


REGIONAL

17

Terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

S. MARTINHO DA GÂNDARA> INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL EM FALTA PARA COM A OBRA SOCIAL

Instituição atravessa “dificuldades financeiras por causa do CLDS+” “Por causa de burocracias incríveis”, que envolvem o CLDS+ do qual a Obra Social de S. Martinho da Gândara é entidade gestora, a sustentabilidade financeira da instituição pode estar em causa. O presidente da direção, António Arlindo Gomes, pediu ajuda ao secretário de Estado da Solidariedade e da Segurança Social para ‘desbloquear’ a situação. GISÉLIA NUNES

António Arlindo Gomes aproveitou a visita do secretário de Estado da Solidariedade e da Segurança Social, Agostinho Branquinho, à Obra Social de S. Martinho da Gândara (OSSMG) para o pôr ao corrente das “preocupações (...) motivadas pelas burocracias que envolvem o CLDS+”, projeto de inclusão social que se centra em ações de luta contra a pobreza, sobretudo a infantil, privilegiando o combate

depois da aprovação do plano de ação, haveria um adiantamento de 30%, para além do reembolso das despesas efetuadas”. Acontece que, “por causa de burocracias incríveis, que me abstenho de comentar - imaginem que já tivemos de entregar três certidões de não dívida às Finanças e Segurança Social -, o contrato só foi assinado a 15 de janeiro”.

Segundo António Arlindo Gomes, a sustentabilidade financeira da IPSS pode estar em causa devido ao CLDS+

ao desemprego e o combate à exclusão social em populações e territórios especialmente vulneráveis, que, neste momento, afligem a direção a que preside. De acordo com o dirigente, passaram-se oito meses desde que a instituição particular de solidariedade social (IPSS) sãomartinhense – que foi convidada para ser a entidade gestora do Contrato Local de Desenvolvimento Social Mais (CLDS+) – “assinou o protocolo de compromisso” com o Instituto da Segurança Social (ISS) “e ainda não recebemos qualquer apoio financeiro”. Mas - no entender do líder diretivo - pior do que isso é o

facto de que “já tivemos de disponibilizar cerca de 60 mil euros, quase só com os vencimentos dos técnicos”. Aliás, “a sorte destes, porque de outro modo não recebiam o vencimento, foi termos conseguido um financiamento bancário para aquisição de equipamentos e realização de obras necessárias ao desenvolvimento do projeto, que nos permitiu fazer face às despesas de funcionamento e outras”, prosseguiu. Também de acordo com António Arlindo Gomes, “a portaria que regulamenta o CLDS+ refere que, após a assinatura do contrato, que ocorreria

“Ninguém com poder de decisão dá a cara” Uma vez que “ninguém com poder de decisão dá a cara” e também “porque não queremos ir ao fundo nem abandonar o CLDS+ à sua sorte”, o presidente da direção quis informar, diretamente, o governamental desta situação que o preocupa e aos seus colegas dos corpos sociais. Atualmente com cerca de 200 utentes (crianças e idosos) e perto de 40 funcionários, a OSSMG “já está a atravessar algumas dificuldades financeiras por causa do CLDS+”, chamou a atenção António Arlindo Gomes, acrescentando: “É certo que declarámos [via email à coordenação nacional do CLDS+] que tínhamos capacidade financeira, mas esta tem limites e, daqui para a frente, o que pode estar em causa é a sustentabilidade da

S. MARTINHO DA GÂNDARA> PARA AJUDAR A PAGAR REQUALIFICAÇÃO E COMPRA

Proposta de comparticipação de 25 mil euros vai a reunião de Câmara Passado pouco tempo depois do presidente da direção da Obra Social de S. Martinho da Gândara (OSSMG) mostrar-se seguro que, no que toca a estes dois últimos investimentos, a autarquia de Oliveira de Azeméis “não nos vai deixar ficar desamparados”, Hermínio Loureiro veio ao encontro da convicção de António Arlindo Gomes. Segundo o que o líder camarário disse - ainda antes do almoço ser servido pela Quinta de Santiago, com a colaboração de alguns alunos do Curso de Hotelaria e Restauração da EB 2,3 Bento Carqueja -, numa das próximas reuniões de Câmara, vai ser apresentada, para discussão e votação, uma proposta de comparticipação no valor de 25 mil euros. Isto, porque, em seu entender, “se for em parceria

[neste caso entre o poder local e o setor local], conseguimos fazer mais e melhor”. Por falar em parceria, o autarca oliveirense fez questão de tecer elogios a outros parceiros da edilidade, nomeadamente a Rede Social de Oliveira de Azeméis – a qual se destaca pela “sua atitude preventiva” – e a Associação de Desenvolvimento Rural Integrado das Terras de Santa Maria (ADRITEM), com a qual “estamos no terreno disponíveis para aproveitar estes fundos comunitários do PRODER”. Na oportunidade, Hermínio Loureiro também quis dirigir palavras elogiosas aos “excelentes profissionais comandados por Alda Teorgas” e à “equipa diretiva voluntária e benévola, que, muitas vezes, prejudica as suas vidas profissional e familiar

para dar o melhor de si à Obra Social”. Ainda em relação aos dirigentes, o edil afirmou tratarem-se de pessoas que “não dão passos maiores do que as pernas”, que “só fazem o que têm a noção clara de que podem cumprir”, o que, na sua ótica, vai acontecer no que diz respeito ao projeto de inclusão social CLDS+. “Nesta casa respira-se empreendedorismo social”, sublinhou o responsável político, acrescentando que António Arlindo Gomes e seus pares “nunca estão satisfeitos, querem sempre mais valências e respostas sociais” para a OSSMG, que se encontra inserida “num território rural de baixa densidade, mas que, se houver boas parcerias, sabe fazer tão bem como os de alta densidade”.

instituição, e esta temos obrigação de manter e os tempos não estão fáceis”. “Por tudo o que se tem passado, dá-nos a sensação que no ISS, em Lisboa, apenas temos um fiscal atento ao que de menos bem for feito e para cortar nas despesas”, ironizou ainda o responsável da Obra Social. “Sistema inferniza a vida das pessoas” Agostinho Branquinho não só ouviu António Arlindo Gomes, como também, logo ali, deu indicações quer ao seu chefe de gabinete, quer ao novo diretor distrital da Segurança Social de Aveiro, Rui Cruz, para tomarem diligências no sentido de resolver este impasse: “Vamos trabalhar no sentido de fazer chegar o dinheiro aonde ele deve chegar”. Na opinião deste membro do governo, o “sistema inferniza a vida das pessoas”, existindo “um conjunto de pessoas que inventam mil e uma burocracias só para manterem o seu emprego”. “Não é fácil lutar contra esta máquina”, admitiu ainda o governamental, que assegurou que “mais de 80% do meu tempo é despendido a pensar em como resolver os problemas das pessoas”.

> SECRETÁRIO DE ESTADO CHAMA A ATENÇÃO

“Tempo das grandes construções não vai voltar” Em S. Martinho da Gândara, Agostinho Branquinho defendeu que, “nos tempos que aí vêm”, o caminho a seguir vai ser mesmo o de requalificar em vez de fazer novo. “Este é o caminho que vamos ter de seguir neste novo quadro comunitário”, reforçou a ideia. Porque – prosseguiu o secretário de Estado da Solidariedade e da Segurança Social - “o tempo das grandes construções [que “talvez se tenham devido a grandes ambições”] não vai voltar”. Aliás, por ter “esta visão estratégica” de que “o país precisa para sair da crise” -, o governamental fez questão de felicitar a Obra Social de S. Martinho da Gândara, uma entre as muitas “empresas” que fazem parte do setor social, que “gera 5% do emprego nacional”. Para o governamental, “se não fossem o setor social e o trabalho que desenvolve, os efeitos da crise seriam, com toda a certeza, maiores”.


18

Terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

REGIONAL

Alguns dos docentes nesta iniciativa do agrupamento de folclore ulense

Alguns dos ‘protagonistas’ da noite cultural

UL> NOVO PROJETO DO RANCHO FOLCLÓRICO ‘CRAVOS E ROSAS’

Escola de Música afirma-se magnífica com espetáculo musical Na noite de sábado, 25 de janeiro, o Rancho Folclórico ‘Cravos e Rosas’ de Ul viveu, na sua sede (EB1 de Adães), mais um extraordinário momento de afirmação. Dezenas de alunos da sua recente Escola de Música exibiram os resultados do seu esforço e dedicação, nas várias disciplinas que frequentam, perante uma casa cheia. TAVARES RIBEIRO

Esta iniciativa da Escola de Música (EM) do Rancho Folclórico ‘Cravos e Rosas’ de Santa Maria de Ul constituiu-se um desafio animador que encantou o público, que foi pródigo em exprimir, por aplausos e elogios, notas muito positivas de agrado. A recriação de tradições da terra, através do canto e da dança, tanto mais se aproxima do êxito na continuidade quanto mais se abre a novas formas enriquecedoras e melhor consegue passar o testemunho à gente nova!

A boa perceção do Presente honra o Passado e também significa cuidar de ser Futuro.

A antiga EB1 de Adães, atual sede do ‘Cravos e Rosas’, tem recebido inúmeros eventos culturais; este espetáculo da Escola de Música foi o mais recente

No sentido de salvaguardar uma riquíssima herança coletiva da freguesia de Ul e da região em termos de trajes, danças, músicas e cantares e de divulgar todo esse inestimável património cultural, o agrupamento de folclore ulense é, na sua essência, uma escola espontânea, que procura preservar ancestrais hábitos, usos e costumes. O propósito que esteve na base desta organização do ‘Cravos e Rosas’ foi mais do que conseguido, já que a maturidade se evidencia nas suas exibições plenas de autenticidade no repertório com apego à terra-mãe e aos seus valores tradicionais ricos na diversidade etnográfi-

ca e folclórica. E com o intuito de preservar e divulgar tais valores da cultura popular, organiza e/ou participa em festivais de folclore, cortejos etnográficos, reposições de costumes e tradições, etc.. Sede é uma ‘fonte de eventos’ Esta foi uma ação, sem dúvida alguma, digna de registo. Mas note-se que, além desta, o Rancho Folclórico ‘Cravos e Rosas’ tem promovido, na sua sede, outras incluídas no seu programa de atividades, englobando outro cariz cultural, mas que o público também aprecia e têm obtido assinalável êxito: Feira de artesanato, duas

noites de fados, duas noites de cinema, entre outros, e - conforme bem salientou o presidente da direção da agremiação - “é para continuar com mais iniciativas”. Escola de Música conta já com dezenas de alunos A propósito da sua EM, o ‘Cravos e Rosas’ deu vida, recentemente, a este projeto que contempla o ensino de vários instrumentos: Acordeão, concertina, viola elétrica, guitarra portuguesa, flautas, etc., onde os alunos, maioritariamente jovens (mas também com boa frequência de crianças, adultos e seniores), obtêm instrução ministrada por um corpo

excecional de docentes nessas diversas áreas. O entusiasmo em torno da Escola de Música tem vindo a crescer, estendendose já a dezenas de alunos, que, ao longo de alguns meses de criterioso trabalho, foi aperfeiçoando a ‘arte’ e aceitou o desafio de mostrar, em exibição pública, os seus talentos e quanto caminho já percorrido, com força de vontade e determinação, sério e dedicado trabalho no domínio musical. Em breves palavras, o dirigente do ‘Cravos e Rosas’ manifestou regozijo por estes momentos tão significativos na vida da coletividade, enalteceu a grande dedicação e competência dos professores, a confiança dos pais e encarregados de educação, o trabalho dos outros membros da direção e o empenho sério dos alunos, alguns denotando verdadeiro virtuosismo. E, como se expressaram, unanimemente, na ocasião, todos os professores: “Neste processo todos aprendem”.


REGIONAL MACINHATA DA SEIXA> BODAS DE PRATA DO CENTRO SOCIAL

Significativa homenagem ao fundador

Há precisamente vinte e cinco anos, no dia 01 de fevereiro de 1989, Macinhata da Seixa vivia jornada de grande entusiasmo.

Junto à fotografia descerrada, a irmã Emília e as sobrinhas Alice e Isabel

miciliário. Razões, fortes razões, que levaram a direção da instituição a aproveitar a passagem das bodas de prata para prestar justa homenagem à memória do Padre Reis. E assim, após a missa vespertina, em cuja homilia o atual pároco, Padre Pedro Jamba, evocou a vida e a obra do antecessor, os muitos conterrâneos presentes dirigiram-se até junto do monumento ao Padre Reis, erigido pelos conterrâneos no adro paroquial aquando das bodas de ouro sacerdotais, em 1996, onde a irmã Emília Pereira Reis depôs uma coroa de flores. A homenagem prosseguiu

OLIVEIRA DE AZEMÉIS> CIDADÃO DE GRANDES PAIXÕES

Faleceu Fernando Oliveira (Leira)

Emília Pereira Reis depõe a coroa de flores na base do monumento em homenagem ao irmão

Após uma longa batalha, em que se caldearam as tradicionais teias burocráticas, as dificuldades financeiras e os sucessivos fracassos, de duvidosa origem, de dois empreiteiros, o Centro Social Paroquial (CSP) de Santo André abria as portas, então com as valências de creche e infantário. Instituições destas eram, então, uma novidade, e o edifício, implantado na colina airosa, apresentava as melhores condições. Macinhata da Seixa colocava-se na vanguarda. Realizava-se, assim, o sonho do Padre Manuel Pereira Reis, sucessor do Padre Manuel Pires Bastos, onde a ideia germinara. O último pároco residente não mais parou, lutou, arduamente, contra tudo e todos e apenas foi vencido na última batalha, esta contra a doença pertinaz que o vitimou em 2000. Mas, entretanto, e pelo mesmo esforço, o CPS macinhatense ampliara a ação à ocupação dos tempos livres, ao centro de dia e ao apoio do-

19

Terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

no Centro Social Paroquial com a irmã a descerrar a fotografia do homenageado, um acto anunciado pelo padre Pedro e saudado calorosamente pelos muitos que se quiseram associar. Foi então ensejo da vice-presidente do órgão diretivo, professora Rosa Fernandes, proferir uma alocução a relembrar o significado da evocação e a traçar a vida do abnegado pároco que escreveu páginas imorredouras na história da multissecular paróquia. O dia terminou num alegre convívio com momento alto na partilha do bolo e o tradicional coro dos “parabéns a você”.

Inesperadamente, aos 59 anos de vida, e quando tanto haveria ainda a esperar do seu entusiasmo, da sua dedicação, da sua generosidade de esforço, das suas tão repartidas paixões, a morte cruel arrebatou Fernando Tavares de Oliveira, popular e carinhosamente imortalizado pelo nome de Leira. ANTÓNIO MAGALHÃES

Funcionário da Câmara Municipal há mais de um quarto de século, profissional competente, zeloso nas suas tarefas, admirado e respeitado em todos os patamares da hierarquia, a sua partida deixa um travo amargo. Foi componente, dirigente, e, talvez, muito principalmente, devotado amigo do Grupo Folclórico ‘Padeirinhas de Ul’, que lhe deve os mais assinalados serviços, um inigualável exemplo como acompanhava e orientava jovens na forma de encarar a vida na luta contra todas as adversidades. O seu permanente sorriso denunciava um op-

timismo sem reservas. Brilhava nos olhos a felicidade da conseguida sede própria. Apaixonado pela sua Oliveirense, de que era sócio de longa data, pode dizerse que a serviu de todos os modos, muito principalmente, também aqui, por uma paixão sem limites. Antes dos jogos vendia rifas para apoio financeiro; nos intervalos dos jogos servia aos atletas o seu precioso chá, adoçado com o precioso mel. Dava força, no seu entendimento… Não jogando nos Veteranos, sempre fez questão da animada presença. Serviu inúmeras coletividades. Foi dinâmico membro da Comissão de Festas de Nossa Senhora de La Salette. Fervoroso adepto do Benfica, de que era sócio, recolheu ao longo da vida um autêntico museu dos clubes que amava… Oliveirense e Benfica. O seu funeral, no passado dia 01, foi uma autêntica consagração, por certo muito raramente vista no cemitério municipal. Os admiradores que quiseram render-lhe a última homenagem estenderam-se numa longa fila até junto do Lar S. Miguel. Manifestações que se repetiram em S. Martinho da Gândara, onde repousa para sempre. O jornal Correio de Azeméis apresenta cumprimentos de pesar à família enlutada.


11 de fevereiro de 2014

desporto

HÓQUEI EM PATINS> LIGA EUROPEIA

Oliveirense deu lição de hóquei aos italianos do Valdagno OLIVEIRENSE, 5 VALDAGNO, 2

Alfredo Pinho

UD Oliveirense: Diogo Almeida, Tó Silva(2), Poka, André Azevedo e Gonçalo Alves (2). Suplentes: Domingo Pinho, Gonçalo Suissas (1), Nelson Pereira e Rúben Pereira. - Treinador: Nuno Resende. Hockey Valdagno: Ricardo Gnata, Nicoletti, Máximo Tataranni (2), Mário Rodriguez e Matias Platero. Suplentes: Davide Pertegato, Giulio Cocco, Sérgio Festa e Andrea Bicego. - Treinador: Franco Vanzo. Jogo no Pavilhão Dr. Salvador Machado, em Oliveira de Azeméis Árbitros: Óscar Valverde e Francisco Garcia (Espanha).

A UDO terá de vencer na Catalunha para passar à fase seguinte.

A Oliveirense redimiuse da derrota que, na última jornada do Campeonato Nacional, trouxe de Braga ao vencer por 5-2 o Valdagno. A passagem aos quartos de final da Liga Europeia continua a ser viável, mas, para isso, há que vencer na casa do Reus, no próximo dia 22. Jogo eletrizante aquele que opôs, no passado sábado, Oliveirense e Valdagno: os homens de Nuno Resende tinham necessariamente de vencer para manter a ambição de permanecer na Liga Europeia e não desiludiram. Aliás, sacaram uma vitória expressiva aos italianos, que partiram para esta 5.ª jornada com o favoritismo do seu lado, mas acabaram por

levar uma valente lição de hóquei para casa. Foi como que uma ‘doce vingança’ da derrota imposta na primeira mão, na qual a turma de Oliveira de Azeméis perdeu por 5-4. Integrado no Grupo C, o Valdagno ainda não tinha perdido na competição, tendo já cumprido e vencido, inclusivamente os dois jogos com o Reus Deportiu – os espanhóis são outros claros pretendentes à passagem aos quartos. Na verdade, a passagem da UDO a essa fase da Liga depende, precisamente, de uma vitória perante aquela equipa, já que se encontram em igualdade pontual no grupo e, na média de golos marcados/sofridos, o Reus (34/22) está melhor que a Oliveirense (27/17). O tira-teimas será jogado na Catalunha, já a 22 deste mês. Depois do desaire sofrido no último jogo do campeonato português (marcado pela derrota pesada em Braga), a Oliveirense entrou transformada

no rinque.

Depois do primeiro, a baliza de Gnata permaneceu inviolável mesmo depois de ter estado sob a ameaça de um penálti apontado por Gonçalo Alves e de mais quatro livres diretos a favor do cinco português. Mas, lá está, o guardião azul e vermelho também parecia um muro em frente à baliza, e segurou a vantagem mínima para a UDO mesmo quando Tataranni cobrou um livre direto, que sancionou uma falta, para azul, do 77 unionista. Talvez esta tenha sido, até essa altura do jogo, a melhor oportunidade que os italianos tiveram para relançar a partida. Mas o desperdício do livre pareceu ter servido de abanão aos comandados de Franco Vanzo, que começaram a aparecer mais na meia pista da UDO. Mas o esforço não rendeu e o resultado foi para intervalo em 1-0.

Oliveirense superior Taticamente irrepreensível, a União esteve melhor do que o adversário, logo nos primeiros minutos de jogo. E não só no que diz respeito ao controlo das operações. É que um golo de Gonçalo Alves abriu o marcador aos 3 minutos e – perceber-se-ia mais tarde – a partida ficava sentenciada. É que o Valdagno nem sequer esteve perto de conseguir tomar as rédeas das operações, embora tenha batalhado ferozmente por isso. Mas o facto é que os locais foram claramente superiores, exibindo um ataque competente e uma defesa impressionante, completada por um Diogo Almeida em excelente forma. Mas melhor que o ‘keeper’ unionista esteve o transalpino Ricardo Gnata, a quem os forasteiros bem podem agradecer por não Valdagno reduziu, terem levado na bagagem uma mas não chegou derrota ainda mais incómoda. Na segunda parte, tanto os

anfitriões quanto os visitantes entraram a procurar imprimir o seu próprio ritmo na partida. Mas, de um e de outro lado, as réplicas dadas iam conseguindo manter inalterado o placar. Porém, oito minutos após o reinício, Gonçalo Alves bisou, correspondendo da melhor maneira a um entendimento com o outro Gonçalo da UDO, o Suissas. O Valdagno voltou a esmorecer numa tarde em que jogava sem Carlos Nicolia, um ativo importante do emblema, e lançou Giulio Coco, o prodígio de 16 anos que integra o plantel sénior dos transalpinos. Mesmo com um ascendente menor, o Valdagno importunava, volta e meia, o guarda-redes da União, que continuou a defender tudo o que havia para defender. No outro lado, Gnata não pôde fazer nada contra a penalidade eximiamente cobrada por Tó Silva, aos 11 minutos da segunda parte, e o 3-0 ficou feito. Aos 13 repetiu-se o frente a frente entre ambos, mas o 7 de Azeméis desperdiçou. Valeu Suissas, que marcou de seguida o 4-0. Só a cinco minutos do fim, Tataranni conseguiu reduzir para o Valdagno, através de livre direto, mas Tó Silva vingou-se e, também de livre, fez o 5-1, à entrada do último minuto. Tataranni voltou a marcar, 14 segundos antes do fim do encontro, fixando o resultado final em 5-2. Tatarrini ainda marcou mais um para o Valdagno, estabelecendo o resultado final.


DESPORTO >PROGRAMA VISA PROMOVER O CONVÍVIO E A VALORIZAÇÃO DOS SABERES TRADICIONAIS

‘Azeméis Ativo’ está de regresso Arrancou ontem, segundafeira, a edição de 2014 do programa ‘Azeméis Ativo’. A atividade inaugural é um Torneio de Sueca e a primeira sessão decorreu durante a tarde, na Associação de Pensionistas e Reformados de Carregosa. Recorde-se que o ‘Azeméis Ativo’ tem como objetivo a promoção de momentos de convívio e troca de interesse e habilidades, através da valorização dos saberes tradicionais. Torneios de damas, sueca, dominó e boccia são algumas das atividades desenvolvidas para proporcionar um envelhecimento mais ativo. Para participar nas ações, destinadas a todas as pessoas do concelho em situação de reforma, é fundamental a realização de uma inscrição feita nas juntas de freguesia, pelos representantes do Conselho Municipal do Idoso e pelo programa ‘Viver Melhor’. O espírito que orienta este projeto é o de motivar a população sénior de todas as freguesias do município, pessoas que já não estejam a trabalhar, reformados e inválidos, para toda uma maior envolvência ativa quotidiana, sendo importante manter o cérebro ativo e ocupado, com diversas atividades que podem ser físicas, através de exercícios de mobilidade vários, e lúdicas, através dos jogos, contribuindo assim para uma melhor qualidade de vida, daí que acima de qualquer sentido competitivo deve estar o prazer da participação e do convívio. O Torneio de Sueca, no qual podem inscrever-se um número ilimitado de pessoas até às 14h00 dos dias de Torneio em cada Freguesia, seguirá o seguinte calendário: Fase de Apuramento Carregosa – dia 10 de fevereiro, às 14h30 – Associação de Reformados e Pensionistas de Carregosa Cesar – dia 12 de fevereiro, às 14h30 – Sala de Leitura de Cesar Cucujães – dia 13 de fevereiro, às 14h30 – Centro Cultural de Cucujães Fajões – dia 14 de fevereiro, às 14h30 – Centro Social Leonilde Matos Loureiro – dia 17 de fevereiro, às 14h30 – Junta de Fre-

guesia de Loureiro Macieira de Sarnes – dia 20 de fevereiro, às 14h30 – Associação Reformados e Pensionistas de Macieira de Sarnes Ossela – dia 21 de fevereiro, às 14h30 – Pavilhão GCR de Ossela S. Martinho da Gândara – dia 24 de fevereiro, às 14h30 – Obra Social de S. Martinho da Gândara S. Roque – dia 7 de março, às 14h30 – Junta de Freguesia de S. Roque União de Freguesias de Nogueira do Cravo e Pindelo - Nogueira do Cravo – dia 10 de março, às 14h30 – Junta de Freguesia de Nogueira do Cravo - Pindelo – dia 13 de março, às 14h30 – Salão da Freguesia de Pindelo União de Freguesias de Oliveira de Azeméis, Macinhata da Seixa, Madail, Santiago de Riba Ul e Ul - Macinhata da Seixa – dia 14 de março, às 14h30 – Centro Social S. André - Madail – dia 17 de março, às 14h30 – Salão da Freguesia de Madail - Oliveira de Azeméis – dia 18 de março, às 14h30 – Centro Lúdico de Oliveira de Azeméis - Santiago de Riba Ul – dia 19 de março, às 14h30 – Salão da Freguesia de Santiago de Riba Ul - Ul – dia 20 de março, às 14h30 – Salão da Freguesia de Ul União de Freguesias de Pinheiro da Bemposta, Palmaz e Travanca - Palmaz – dia 24 de março, às 14h30 – Comissão de Melhoramentos Locais de Palmaz - Pinheiro da Bemposta – dia 27 de março, às 14h30 – Junta de Freguesia de P. Bemposta - Travanca – dia 28 de março, às 14h30 – Salão da Freguesia de Travanca Apurados: Até oito pares participantes os três primeiros; de nove a 16 pares participantes os cinco primeiros; com 17 ou mais pares participantes os sete primeiros. Fase Final Santiago de Riba Ul – dia 2 de abril, às 14h30, no Salão da Freguesia de Santiago de Riba Ul.

21

Terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

HÓQUEI EM PATINS> TAÇA DE PORTUGAL  2.ª ELIMINATÓRIA

Cucujães mantém-se na onda das vitórias

A ‘Frente Armada’ segue, atentamente, o seu clube

O Cucujães entrou no jogo visivelmente receoso, até porque estava a jogar com o líder da III Divisão, zona centro. Por isso, entrou em pista guardando o devido respeito pelo adversário decidido a manter uma postura mais controladora, sem criar muitos riscos e tendo a consciência de que os golos poderiam aparecer a qualquer momento. Foi o que veio a acontecer, através do Gabriel (0-1) e de

seguida, através de Miguel (0-2), resultado que se manteve até ao intervalo. Controlando os jogadores e sem correr muitos riscos, o treinador Carlos Gonçalves foi dando mais minutos àqueles jogadores que têm estado menos ativos e mesmo assim foi conseguindo os seus objetivos, dilatando o resultado para 0-3 por Hugo Oliveira. Na resposta o adversário ainda marcou o 1-3, só que Duarte Resende restaurou a diferença de três golos (1-4). A partir deste momento o CDC passou a tentar controlar a reação do O. Hospital, que conseguiu fazer

o 2-4. João Teles repôs, fazendo o 2-5, e quando tudo indicava que o resultado estava fechado os anfitriões beneficiou de um livre direto que lhes permitiu chegar ao 3-5 final. Nas bancadas, a ‘Frente Armada’ voltou a marcar presença, reiterando o apoio à equipa na qual depositam a confiança de que conseguirá cumprir o objetivo da manutenção. O Clube aproveita esta nota de reportagem para referenciar o acompanhamento fotográfico que é feito por Hugo Teixeira. Na próxima jornada, que se cumpre sábado às 18:00 horas, o CDC recebe o Fânzeres.

>CHUVA DE GOLOS FRENTE AO CASTRENSE

Escola Livre também na fase seguinte

A Escola Livre está nos 32 avos de final

A Escola Livre de Azeméis deslocou-se sábado a Castro Verde (Beja), para também cumprir a segunda eliminatória a contar para a Taça de Portugal. Ao vencer o clube local por 6-8 os homens de Oliveira de Azeméis ficaram apurados

para discutirem os os 32 avos de Final. Ricardo Bastos, José Rodrigues, Pedro Silva e Hugo Drumond foram os marcadores de serviço dos escolares. O próximo sorteio para a Taça de Portugal, realiza-se no

próximo dia 17 de fevereiro, pelas 18h00. Entretanto, na próxima jornada do Campeonato Nacional da II Divisão Sul o emblema da ‘Santinha’ terá pela frente a deslocação ao terreno do Marítimo SC.


22

Terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

DESPORTO

LIGA CABOVISÃO> DESLOCAÇÃO AO REDUTO DO MARÍTIMO FOI PROVEITOSA

Oliveirense volta a vencer A Oliveirense confirmou que os tempos difíceis poderão estar mesmo a ficar para trás: anteontem, visitou e venceu o Marítimo B, em jogo a contar para a 29.ª jornada da Liga Cabovisão. O jogo até teve um início equilibrado, embora os unionistas tivessem demonstrado um maior ascendente. Conseguiram, mesmo, pregar um primeiro susto às hostes anfitriãs, com Yero a cabecear ao lado da baliza. Mas parece que este foi um abanão para os locais, que, a partir de então, tomaram conta do jogo: aos 18 minutos, João Pinho viu-se obrigado a uma defesa em esforço, porém, aos 27 minutos da primeira parte, não conseguiu conter o maior caudal ofensivo do adversário. Fábio Abreu correspondeu com eficácia a um cruzamento

MARÍTIMO B, 2 OLIVEIRENSE, 3 Marítimo B: José Sá; Tiago, Fábio Santos, Teng Lei, Armando, João Luiz, Filipe Oliveira (Alemão, 90), Amar, Edivândio (Ibrahim, 89), Fábio Abreu e Kukula. (Suplentes: Rui Vieira, Ibrahim, Kiko, Luís Miguel, Ricardo Fernandes, Alemão e Carlos Daniel). Treinador: Ivo Vieira. Oliveirense: João Pinho; Carela, Banjai, Godinho, Califo, Guima, Laurindo (Sérgio, 84), Renan (Carlitos, 46), Ely (Hélder Silva, 72), Rui Lima e Yero. (Suplentes: Fábio Oliveira, Sérgio, Carlitos, Hélder Silva e Steven). Treinador: Martinho Almeida. Jogo no Estádio da Imaculada Conceição, Funchal Cartões amarelos: Laurindo (53), Fábio Santos (74), Banjai (78), Alemão (90+2), Guima (90+4). Cartão vermelho: Kukula (40). Marcadores: 1-0, Fábio Abreu, 27 minutos. 2-0, Filipe Oliveira, 36. 2-1, Guima, 51. 2-2, Rui Lima, grande penalidade, 74. 2-3, Carlitos, 90.

A UDO festejou a vitória pela segunda semana consecutiva.

de Kukula e fez o 1-0. Depois João Pinho evitou que o resultado fosse ampliado e fez uma bela defesa a um remate de Fábio Santos. Mas a bola seguiu desviada para canto e, no seguimento, Armando cobrou o lance e Filipe Oliveira cabeceou e fez o 2-0.

A cinco minutos do final da primeira parte, Kukula recebeu ordem de expulsão direta, uma reviravolta que poderá ter sido determinante para o resultado. Na segunda parte, a Oliveirense soube tirar proveito da vantagem numérica e, aos 51 minutos, Rui Lima cobrou um

canto para a cabeça de Guima, que reduziu para 2-1. Do lado do Marítimo, alguns desperdícios de excelentes ocasiões de golo faziam a UDO acreditar na cambalhota do marcador. E o empate surgiu, mesmo, a 15 minutos do fim, altura em que Rui Lima cobrou uma grande pe-

nalidade que sancionou falta de Fábio Santos por mão na bola. Já quase a entrar no período de descontos, Carlitos rematou em jeito e sem hipóteses para José Sá, que cedeu uma importante vitória para a UDO destacar-se um pouco da zona de despromoção: está em 20.º lugar, a cinco pontos do último, o Atlético CP.

II DISTRITAL – SÉRIE A>

Resultado demasiado pesado P. BRANDÃO, 4 MACIEIRENSE, 0 Paços de Brandão: Zé Manel, Zé Luís, Baptista, Neto, Fausto, Ramin, Feiteira, Peixinho (Sá Dias, 57’), Manecas (Diogo, 80’), Ken e Ratinho (Tiago Marques, 76’). Treinador: Neto Macieirense: Fábio, Dani, Xavi, Moisés, Brunito, Samu (Marcelo, 59’), Lúcio, Estrela, Ruben (Bernardo, 66’), Catrina (Walter, 72’) e Sérgio Gomes. Treinador: Miguel Tavares Jogo no Estádio D. Zulmira Sá e Silva em Paços de Brandão, St.ª Maria da Feira Árbitro: Ricardo Salvador auxiliado por João Silva e Jorge Salvador Cartões amarelos: Ruben (62’), Xavi (63’), Feiteira (78’), Moisés (83’) e Ramin (90’) Marcadores: Neto (42’ e 64’), Baptista (81’) e Feiteira (87’, g.p.)

Depois do nulo na primeira volta, o Macieirense deslocouse a Paços de Brandão, onde acabou por sair com uma goleada e com a particularidade de todos os golos terem surgido na sequência de bolas paradas. Os primeiros minutos do desafio ficaram marcados pelo equilíbrio, com nenhuma equipa a conseguir impor a sua superioridade face à outra. Apesar do maior pendor ofensivo dos

Triunfo justo para o Paços de Brandão, mas por números exagerados

anfitriões, a primeira ocasião pertenceu, curiosamente, aos visitantes, que viram Zé Manel impedir o golo de Sérgio Gomes e, na recarga, Estrela rematou à figura do guardião local. O Macieirense abordou este encontro, diante do terceiro classificado, com a intenção clara de obter um bom resultado, como revela este lance protagonizado pelo seu ataque, mas, do outro lado, estava um adversário que pretendia continuar a sua luta, por forma a ga-

rantir o segundo lugar, que dá acesso a disputar um play-off de acesso à 1.ª Divisão Distrital e, aos 23 minutos, Manecas por muito pouco não materializou essa vontade em golo. Num terreno de jogo muito rápido, o que condicionou - e de que maneira - o futebol praticado por ambas as equipas, principalmente na produção ofensiva, as oportunidades de golo sucederam-se, mas a eficácia revelada não foi a melhor. Quando pairava no ar o nulo

ao intervalo, Neto, num canto, saltou mais alto e fez o 1-0, desfazendo a igualdade que até se justificava. Nos segundos 45 minutos, o Macieirense, em desvantagem, entrou com uma predisposição mais ofensiva e exerceu, desde logo, uma pressão alta em todo o campo, que, contudo, não deu grandes resultados práticos. À passagem do minuto 64, em novo canto, o treinadorjogador Neto bisou na partida e este golo acabou por ter um

efeito negativo na formação de Macieira de Sarnes, que, a partir daqui, perdeu a agressividade e a organização que vinha a colocar dentro das quatro linhas e, só assim, o Paços de Brandão conseguiu o comando total do jogo. A meio deste segundo tempo, o temporal anunciado começou a fazer-se sentir e, por esta altura, Fábio, com duas excelentes intervenções, ainda evitou males maiores para os forasteiros. Porém, nada pôde fazer para impedir os golos de Baptista, o terceiro consecutivo na sequência de um canto, e de Feiteira, na marcação de uma grande penalidade indiscutível. A história desta partida pode resumir-se em dois momentos: o primeiro, até aos 64 minutos, onde o equilíbrio foi a nota dominante, apesar da vantagem mínima dos locais, e o outro, depois do consequente 2-0, que, praticamente, sentenciou o encontro. Triunfo justo do Paços de Brandão, mas por números exagerados. PAULO RUI


DESPORTO FUTEBOL> I DIVISÃO DISTRITAL

Divisão no dilúvio CUCUJÃES, 1 FIÃES, 1 At. Cucujães: Pedro; Rebelo (Rui Miguel, 67), Carlitos (Puskas, 58), João Lamas, Paivinha (Hélder. 20), Ricardo Nuno, Brinca, Canelas, Márcio, Litos, Casalinho. Treinador: Durbalino Lima. Fiães: Fernando Pais; Pedrinho, Nando, Porto, Adegas, Sousa, Jaiminho, Frodo, Rúben, Paulo Ferraz, Badolas. - Treinador: Vasco Coelho. Jogo no Parque de Jogos de Cucujães Árbitros: Hugo Abrantes, auxiliado por Micael Tomaz e Alexandre Ferreira. Cartões amarelos: Adegas (9), Frodo (27), Márcio (61), Rúben (71) e Nando (86). Marcadores: Frodo (45) e Ricardo Nuno (76).

A jogar em casa para a 19.ª jornada da I Divisão do Campeonato Distrital, o Cucujães procurava vencer para subir na tabela, mas pela frente tinha um adversário forte, o Fiães. O jogo começou equilibrado com as equipas a procurarem adaptar-se ao terreno. Aos 20 minutos surgiu a primeira contrariedade, com Paivinha a sair lesionado. Aos 24 minutos Pedro evitouprimeiro golo do jogo, após remate de Frodo. Quando parecia que o empate seria o resultado ao intervalo o Fiães fez o 0-1. por Frodo, a surgir desmarcado após cruzamento da direita e a bater Pedro. Na segunda parte o Cucujães, com o vento já mais favorável, entrou mais perigoso e, aos 53 minutos, Fernando Pais evitou o empate após remate de Casalinho, o mesmo que,a os 72, cobrou um livre que passou bem perto do Travessão da baliza dos visitantes. Aos 76 minutos, com todo o Cucujães ao ataque, surgiu o empate por intermédio de Ricardo Nuno, numa jogada de insistência na área. Até ao final o Cucujães ainda procurou a vitória, mas as condições atmosféricas agravaram-se e não deu para criar mais perigo. No final o empate aceitase pela entrega das duas equipas, num jogo disputado em condições adversas – primeiro com o muito vento que se fez sentir e, no último quarto de hora, pelo dilúvio que se abateu sobre o terreno.

Terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

23

ATLETISMO> LANÇAMENTO DO PESO

Atletas do NAC em evidência nos campeonatos de Aveiro Os atletas lançadores do Núcleo de Atletismo de Cucujães (NAC) conquistaram, este último fim de semana, em Aveiro, diversos títulos distritais, no decorrer dos Campeonatos de Aveiro de Lançamentos Longos organizados pela Associação

de Atletismo de Aveiro. O destaque vai mesmo para a atleta infantil Eva Gonçalves que, com a marca obtida no Lançamento do Disco, torna-se a segunda melhor portuguesa de todos os tempos do escalão infantil.

Lista dos novos campeões Eva Gonçalves José Pinho - Lançamento do Disco Juniores Leandro Gonçalves - Lançado Martelo e do Disco Infantis mento do Martelo Juniores Gonçalo Pinho - LançamenDiogo Moreira - Lançamento do Martelo e do Dardo Juvenis to do Martelo e do Disco InfanEva Gonçalves - Lançamento tis.

José Pinho campeão nacional de juniores Entretanto, o atleta do Núcleo de Atletismo de Cucujães (NAC) José Pinho conquistou, este domingo, na Pista Coberta de Pombal, o seu terceiro título nacional de juniores no Lançamento do Peso, em Pista Coberta, com a marca de 15m56cm, deixando a mais de metro e meio o segundo clas-

sificado. E com isto demonstrou, de forma inequívoca, a sua liderança a nível nacional no escalão júnior. Estes feitos são de realçar, tanto mais, porque as suas condições de treino, como é sabido, são insuficientes para tanta qualidade demonstrada.

> MOTORES

Quer correr no Alfa campeão? O Alfa Romeo 156 que foi campeão FEUP 3 no Desafio Único FEUP, 2013, e foi vencedor do Troféu de Circuitos FEUP 3 em 2012 encontra-se para alugar. Quer correr com ele? O carro tem um historial fantástico pelas mãos de João Rebelo Martins e Tó Zé Ferreira, tendo alcançado vitórias em mangas e à geral e poleposition em todos os circuitos em que correu: Boavista, Braga, Estoril e Portimão. Em 2013 o carro esteve presente em cinco pódios nas seis corridas em que participou! A Vettra Motorsport, pelas mãos de Luís Borges – telefone n.º 925995332 – e de Artur Bastos é uma equipa altamente credível e vencedora do Desafio Único FEUP, tendo alcançado os títulos de Campeão

e vencedor do Troféu de Circuitos e Troféu de Montanha FEUP 3, em 2013, com um total de três vitórias em sete corridas. Em 2012 alcança-

ram o Troféu de Circuitos, no FEUP 3 e foram Campeões no FEUP 1. A título de curiosidade, apenas na última prova do Desa-

fio Único FEUP é que o pódio apenas contou com a presença de um carro da Vettra Motorsport; em todas as outras corridas contou com dois.


24

Terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

Classificações

desporto

II Divisão Distrital Juvenis> Fase Primeiros

Vitória suada, mas justa DF Anta, 3 FC Cesarense, 4 ADF Anta: Vítor Oliveira, Marcelo, Nuno Filipe (Ivo, 67’), João Paulo, Tiago Miguel, Marco, António Ventura, João Miguel ©, Cláudio, Hugo, Diogo. - Treinador: Quaresma FC Cesarense: Diogo Almeida, Hugo Correia, Fausto, João Carlos, João Pedro, Bruno Correia © (Sergio, 64’), Rui Miguel, Paulo Filipe, Ruben Lopes (Eduardo Dias, 45’), Antonio Pinho, Daniel Vieira. - Treinador: João Pedro . Àrbitro: Vaz Pinto Marcadores (FCC): Antonio Pinho, Eduardo Dias (2), Bruno Correia Cartões Amarelos: Eduardo Dias, Bruno Correia, Antonio Ventura Cartão Vermelho: António Ventura (a.a.)

R. Castro

O FCC não entrou bem na partida, sofrendo o seu primeiro golo logo na fase inicial. Recompôs-se e, a meio da primeira parte, chegou ao empate, através de António Pinho, mas o Anta respondeu de imediato e colocou-se novamente em situação de vencedor. Na segunda parte, o Cesaren­

se realizou uma excelente exibição. A entrada de Eduardo Dias veio revolucionar a frente de ataque da sua equipa, marcando quase de imediato por duas vezes. Dois excelentes golos executados com remates de meia distância, em arco, a surpreender o

guarda-redes local. A equipa da casa ainda viria a empatar, porém, já ao cair do pano, o Cesarense carimbou definitivamente a sua vitória com um golo de Bruno Correia. Uma vitória justíssima, premiando a atitude positiva da equipa e nunca virando a cara à luta.

II Divisão Distrital Juniores> Fase Primeiros

Cesarense mantém-se invicto S. João Ver, 0 FC Cesarense, 1 SC S. João Ver: Tiago, André, Marcelo (Silvio, 90’), Diogo, Sergio, Pedro, Diogo Almeida (Daniel, 85’), Antonio (André, 45’), Samuel, Ricardo, Rui ©. - Treinador: Belinha. FC Cesarense: Jacinto, Pedro Ferreira, Filipe ©, Nelson, Simão, Batista (Xunbo, 82’), Coelho, Suarez, Semedo, Flávio (João Marques, 62’), Juan (Elsio, 90’). - Treinador: Justino Marques. Marcadores: Semedo (30’) Cartões Amarelos: Diogo, Marcelo, Filipe

Uma partida de nível muito exigente aguardava pela turma de juniores do Cesarense. O S. João de Ver era a única equipa que os alvi-negros não tinham vencido na primeira fase. O mau tempo que se fez sentir também não ajudou. No entanto, a equipa arregaçou as mangas e o seu forte espírito de grupo e de sacrifício ajudou a ultrapassar todas as dificuldades que foram surgindo ao longo da

partida. O objetivo da vitória foi alcançado por intermédio do golo solitário de Semedo, tento que valeu três preciosos pontos. A equipa está a fazer uma época de excelente nível. Nes­­ta fase decisiva para a subida de divisão, o Cesarense mantém-se invicto, segue isolado na frente da classificação com quatro vitórias em outros tantos jogos e ainda não sofreu golos. R. Castro

I Div. Distrital Iniciados> Dois jogos, seis pontos

Equipa tem condições de ir mais longe FC CESARENSE, 3 ANADIA FC, 1

Pratique desporto Desporto é saúde

FC Cesarense: Henrique Silva, Miguel Ângelo, Lucas, João André, Pedro Costa, Filipe Pinho (Bruno Bacelo, 54’), Renato, Gonçalo Azevedo, José Guimarães ©, Miguel Ângelo (Henrique, 29’), Daniel Ribeiro (Tiago Soares, 65’). - Treinador. Rui Estrela Anadia FC: Pedro Simões, Fábio, Daniel, Hugo Daniel, Bernardo, Hugo Filipe (André, 50’), Francisco (Bruno, 45’), Alexandre, Diogo Martins (Rui Pedro, 29’), Gustavo, Nicolay. - Treinador: João Miguel. Cartão Amarelo: Hugo Daniel Golos FCC: José Guimarães, Gonçalo Azevedo, Filipe Pinho

Mais uma excelente partida realizada pela equipa mais jovem de futebol 11 do Cesarense, realizada em condições muito adversas. Frio, chuva e muito vento não deram tréguas nesta partida. A equipa apresentou sempre um pendor atacante, procurando, desde cedo, colocarse em posição privilegiada por forma a garantir os três pontos em disputa. No final, mais uma merecida vitória. Em dois jogos a equipa já somou seis pontos, encontrando-se em primeiro lugar junta-

mente com o Fiães. Um arranque fulgurante nesta fa­se de subida aos Nacionais. O Cesarense não deixa de ser um outsider nesta fase, mas o empenho, espírito de grupo e a reconhecida qualidade desta equipa está evidenciada nos excelentes resultados obtidos e, passo a passo, vai amealhando preciosos pontos para as contas finais. O objetivo desta época está atingido, no entanto a equipa tem condições e dá sinais de poder ir mais longe. No final, far-se-ão as contas. R. Castro


DESPORTO

25

Terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

FUTSAL FEMININO> JOGO DECIDIDO A CINCO MINUTOS DO FIM

Ossela vence Taça Distrital de Aveiro cador até ao intervalo. Para a etapa complementar esperava-se uma Always Young mais pressionante e foi isso que aconteceu. Com efeito, o 1-2 chegou no quarto minuto, porém, as osselenses não se atemorizaram e continuaram a fazer o seu jogo. Até poderiam ter dilatado o marcador em diversas ocasiões, mas viria a ser o Always Young a fazer o 2-2, na cobrança de um livre à entrada da área. Se, na primeira parte, as atletas osselenses estavam determinadas e com uma vontade muito grande de oferecer esta vitória a todos os que se deslocaram até Alquerubim neste dia de muita chuva, havia ainda outra motivação extra: Oferecer uma vitória a Jessi, atleta que fora operada ao joelho, dias antes, e não pôde dar o seu contributo a esta partida. E foi com essa ideia que as jogadoras foram buscar as poucas forças que restavam para, a cinco minutos do fim, chegarem ao 2-3, por intermédio de Diana. Até ao final da partida foi sofrer, pois a bola, teimosamente, não entrava. O desnorte em que caiu, entretanto, a Always Young, que procurava o empate, ajudou ao resultado que foi favorável ao GCR Ossela, a equipa que, na verdade, mereceu vencer o desafio.

A. YOUNG ADRC, 2 GCR OSSELA, 3 Always Young ADRC: Andreia, Paula, Fernanda, Cláudia e Fátima. Jogaram ainda: Margarida, Diana, Daniela, Alexandra, Cátia e Ana. GCR Ossela: Ângela Aguiar, Marta Bernardo, Filipa Ferreira, Bárbara Tavares e Ana Pereira. Jogaram ainda: Diana, Andrea, Mara e Liliana. Jogo no Pavilhão de Alquerubim, em Albergaria a Velha árbitros: Fábio Jesus e Óscar Silva Marcadoras: Ana, Marta e Diana (GCRO). Cátia e Fernanda (A.Y.).

Um jogo de bom nível entre duas equipas que lutaram por um troféu que acabou por vir para Oliveira de Azeméis, como que a confirmar o melhor futsal praticado pelo GCR Ossela na partida. A equipa do GCR Ossela venceu, este fim de semana, a final four de Futsal ao derrotar a Always Young. Na véspera, tinham conseguido o apuramento, ao levarem de vencida a forte equipa do A.C.D. Gião (3-1) e a a da P.A.R.C. (ver texto abaixo).

A equipa de Ossela fez por merecer o ‘caneco’

O início da partida foi marcado por alguma cautela por parte de duas turmas que são já velhas conhecidas. Mas, com o decorrer dos minutos, as osselenses começaram por criar algumas oportunidades e, numa delas, Ana fez o 0-1, na passagem do quarto minuto. O golo galvanizou as mulheres de Oliveira de Azeméis, que conseguiram, mesmo, ampliar para 0-2, por intermédio de Marta. De imediato o técnico do Always Young pediu o seu minuto de desconto para serenar os ânimos, contudo, as osselenses estavam determinadas e mantiveram a procura do golo, apesar de não terem conseguido fazer andar, novamente, o mar-

Uma vitória ‘dedicada’ a Jessi

> FUTSAL FEMININO

P.A.R.C. não conseguiu contrariar favoritismo A. YOUNG ARDC, 6 P.A.R.C., 2 Always Young: Andreia Oliveira, Paula Fernandes, Nanda, Claudia Dias, Xana. Jogaram ainda: Margarida Cura, Diana Silva, Daniela Santos, Catia Cadima, Pipoca. - Treinador: Hermes Fernandes. P.A.R.C: Silvia, Liliana, Alice, Joana Silva, Aida Borges. Jogaram ainda: Carolina, Joana Fernandes, Daniela Pinho, Lena, Daniela Ferreira, Raquel, Tuka. - Treinador: Hugo Tavares Jogo no Pavilhão Polidesportivo de Alquerubim Árbitros: Ana Ventura e Daniel Costa. Cronometrista: Sandra Fernandes. Marcadoras: Alice, Liliana, Claudia Dias (2), Catia Cadima (2), Xana, Diana Silva

Perspetivava-se um jogo emocionante: Frente a frente, o atual primeiro classificado do campeonato distrital e o quinto, a P.A.R.C.. Mas a turma do Always Young confirmou o favoritismo e venceu por 6-2 apesar de, afinal de contas, a exibição de qualquer uma das equipas ter ficado aquém das expetativas.

A P.A.R.C. não teve argumentos para vencer o adversário

A disputar a final four da Taça Distrital, ambos os conjuntos entraram muito receosos, e isso via-se na quantidade de passes falhados e no futsal nem sempre bem jogado. Mas as pindelenses começaram melhor, com um remate fraco de Alice a surpreender a guardiã adversária. Apesar do maior ascendente

da turma de Hugo Tavares, a formação oriunda da Gafanha da Boa Hora começou a assumir o jogo, tirando também proveito da grande passividade da de Pindelo. Acabou por ser Cláudia Dias, com uma jogada individual, a igualar a partida que, apesar dos golos, continuou a ser muito pálida. De facto, e pela prestação que

vêm protagonizando no Campeonato, esperava-se mais de ambas as equipas. Mas só em lances de inspiração individual é que o jogo ganhava conteúdo. Foi, de novo, Cláudia Dias, mostrando uma impressionante capacidade técnica, velocidade e mudanças de direção soberbas, quem resolveu, com remate forte e certeiro a fazer a

reviravolta no marcador. As aurinegras acusaram – e muito – os golos sofridos. Aproveitou a equipa de Vagos para puxar dos galões e provar o porquê de ser líder do Campeonato. Foi, portanto, sem surpresas que se chegou ao intervalo com 4-1, com mais um bis (desta vez, por Cátia Cadima). Na segunda parte, o Always Young geriu o jogo baixando as suas linhas e atacando em transições. Então as comandadas de Hugo Tavares assumiram o jogo, mas sem criar lances de perigo. Com dois remates fortes e bem colocados as adversárias levara, o resultado para 6-1. A jogar com o quinto elemento, o máximo que as jogadoras de Oliveira de Azeméis fizeram foi reduzir, a um minuto do fim, por Liliana. Uma vitória justa, mas por uma diferença de golos exagerada, num jogo fraco.


26

Terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

DESPORTO

FUTSAL> DERROTA COMPROMETEDORA PARA O FCA

Beira-Mar vence em Oliveira de Azeméis e consolida liderança FC AZEMÉIS, 0 BEIRA-MAR, 3 Futsal Azeméis: Paulinho; Paulo Azevedo, Hélder, Joel e Pipokah. Jogaram ainda: Bráulio, Ruca, Spock (cap), Lourenço, Andorinha e Braga. - Treinador: Ricardo Canavarro. Beira-Mar: Maldonado; Gil, Hernâni (1), Nando Lara e Dudu. Jogaram ainda: Danny e Diogo (2). - Treinador: Fernando Rocha. Cartões amarelos: Joel e Gil Árbitros: Eduardo Coelho e Wilson Soares

Grande jogo, emocionante, com as duas melhores formações da prova e as duas primeiras classificadas. Partida intensa, equilibrada e com o Pavilhão Prof. António Costeira cheio e ao rubro. O público de ambas as equipas esteve fantástico no apoio às respetivas.

Muitos adeptos encheram o pavilhão.

O Futsal Clube de Azeméis (FCA) entrou forte e dominou a fase inicial do encontro. Só que o Beira-Mar equilibrou as operações e Hernâni inaugurou o marcador num lance de pura infelicidade da defensiva oliveirense. A partir daqui, o BeiraMar remeteu-se a defender com as linhas muito baixas e apostando no contra-ataque. Ao intervalo, o resultado de 1-0 castigava duramente a ineficácia ofensiva do FCA e premiava o melhor desempenho da equipa aveirense. Na segunda parte, a equi-

O Futsal Clube de Azeméis não conseguiu vencer o Beira-Mar.

pa do Beira-Mar, apesar de praticamente limitar-se a de fender, esteve taticamente muito bem e concentrada, enquanto a anfitriã mostrava muita ansiedade, jogando mais com o coração do que com a cabeça. O segundo golo do BeiraMar, marcado por Diogo, matou o jogo. Os locais ficaram ainda mais desorientados e, claro… a confiança dos auri-negros saiu reforçada. Diogo bisou no segundo tempo, fixando o resultado a quatro minutos do fim, já os comandados de Ricardo Canavarro jogavam com o quinto homem. Vitória comprometedora para o FCA: as duas equipas estão separadas por cinco pontos, que acabam por ser seis, uma vez que os aveirenses têm vantagem no confronto direto. Parabéns ao muito público que foi incansável no apoio ao Futsal Azeméis, que na próxima jornada tem deslocação ao terreno do Albergaria.

FUTSAL>III DIVISÃO NACIONAL SÉRIE B

Vitória fácil para o Azagães AZAGÃES, 6 CRUZ. E SANTANA, 2 Azagães: China; Padeiro, Carlos, Jorge, Tiago, Jogaram ainda: Gigante, Messi, Diogo. - Treinador: Paulo Lima. Cruzeiro de Santana: Carneiro, Leonardo, Jorge, Cerqueira, Maniche, Jogaram ainda: Petita, , Moura, Nelo. - Treinador: Luis Moreira. Cartões amarelos: Petita, Moura. Marcadores: Padeiro (3), Gigante, Messi, Diogo, Jorge, Moura. Árbitros: Pedro Miranda e José Silva. Cronometrista: José Neves

A equipa do Azagães voltou às vitórias depois de, no passado fim de semana, ter empatado 5-5 fora de portas em Satão, numa deslocação difícil a casa do Rio de Moinhos.

Uma boa prestação do Azagães.

FREDERICO BASTOS

O jogo começou mal para o Azagães a deixar o adversário chegar ao golo primeiro. Depois de sofrer o golo a turma de Paulo Lima ‘acordou’ e começou a ser pressionante, mas Padeiro e depois Tiago

foram travados pelo poste da baliza adversária. Porém, a meio do primeiro tempo Padeiro recolocaria o empate. A equipa do Azagães era mais rematadora, porém pouco assertiva, pois falhava por pouco. Antes do descanso, Padeiro bisou na partida

e Messi tinha deixado o aviso ao acertar no poste – a terceira vez, no total da equipa. Na etapa complementar, o poste continuou a ser o maior adversário da equipa visitante, mas Padeiro conseguiu bisar. Entretanto, a qualidade

defensiva do adversário do Azagães não era a melhor e depois de jogada combinada entre Padeiro e Carlos, Messi fez o gosto ao pé. Diogo seguiu-lhe as pisadas e, recém-entrado, aumentou a vantagem no marcador. E de seguida teve a oportunidade de ampliar, mas desperdiçou. O Cruzeiro de Santana via os números avolumarem-se contudo ainda logrou reduzir, a pouco mais de cinco minutos do fim. Não chegou foi para evitar a derrota e ainda sofreu mais dois golos, com Padeiro a fazer hat-trick na partida num lance em que o guardião ficou mal na fotografia. A poucos segundos do fim, Gigante fechou a contagem no marcador. Resultado justo num jogo que começou mal para as cores do Azagães, mas que terminou com uma vitória fácil. Jogo sem casos.


DESPORTO

BASQUETEBOL> NO PRÓXIMO SÁBADO HÁ RECEÇÃO AO CAB MADEIRA

Oliveirense afundou-se logo no início do jogo BARCELOS, 84 OLIVEIRENSE, 67 Barcelos: Carlos Fechas (10); Marco Lonkovic (17); André Silva (9); Nikola Tadic (13) e Rui Coelho (20) – Jogaram ainda – Bartolomeu Dias (2); Tiago Batista (2); Nuno Oliveira (6); Ricardo Correia; João Pereira; e David Gomes (5). - Treinador: José Rodrigues. Oliveirense: João Abreu (4); Aaron Fuller (23); João Soares (14); James Blasczyk (5); e Renato Azevedo (17) – jogou ainda – André Pereira (4), João Barbosa; Francisco Albergaria; e Rui França. - Treinador: Rui Alves Jogo no Pavilhaõ da Escola Secundária de Barcelinhos, em Barcelos Árbitros: Ricardo Rodrigues, Rui Manuel e Lopes Martins Por períodos: 25-19; 22-15; 20-11; 17-22.

Mais uma vez, a Oliveirense voltou a falhar fora de casa. Apática e algo cansada, era impossível vencer um Barcelos vigoroso, que se limitou a jogar o necessário para levar de vencida a formação de Rui Alves.

Aaron Fuller marcou 23 pontos

dido em Ovar na jornada anterior, frente à Ovarense, tinha, nesta última semana, diante da equipa de Barcelos, outra tarefa complicada. Foi a equipa de José Rodrigues quem ganhou, de início, vantagem no marcador. No primeiro período, acumulou uma vantagem de seis pontos (25-19) e, no segundo, (é verdade que o ADELINO RAMOS cinco de Rui Alves ainda reagiu) viu, uma vez mais, o adversário A Oliveirense, que tinha per- ganhar nova vantagem, agora

de sete pontos (22-15), chegando ao final dos primeiros vinte minutos de jogo a vencer por 47-34. No terceiro quarto, a formação de Rui Alves, fruto da influência de Aaron Fuller nos lançamentos interiores e de Renato Azevedo nos lançamentos triplos, a Oliveirense foi-se aproximando, paulatinamente, mas a equipa da casa não se atemorizou e manteve o mesmo bom ritmo: Soube sempre

responder e, com um parcial de 9-0, acabou, praticamente, com as pretensões da equipa de Rui Alves (67-45). Nos derradeiros dez minutos, os visitados, como já lideravam o marcador por 22 pontos, José Rodrigues deu minutos de jogo aos atletas menos utilizados: A Oliveirense aproveitou para reduzir a diferença para uns longínquos 17 pontos. A tripla formada por Aaron Fuller (23 pontos e dez ressaltos), Renato Azevedo (17 pontos, quatro triplos em sete, duas assistência e três roubos de bola) e João Soares (14 pontos, três assistências e três roubos de bola), não conseguiu disfarçar uma pálida imagem da equipa, num jogo em que houve muito Barcelos e muito pouco Oliveirense. A ausência de João Reveles, um dos melhores bases da equipa de Oliveira de Azeméis, alegadamente devido a lesão, não pode – de forma alguma – justificar tudo. A próxima jornada disputase este sábado, na casa da Oliveirense, a partir das 21h00, com a UDO, em oitavo lugar da tabela, a encontrar-se com o segundo colocado – o CAB Madeira.

FORMAÇÃO> TEM 16 ANOS E JÁ INTEGRA O PLANTEL SÉNIOR DA UDO

Francisco Albergaria chamado à Seleção Nacional Sub-18 de Basquetebol Carlos Seixas, selecionador nacional de Sub-18, acaba de convocar o atleta da UDO Francisco Albergaria para os treinos de observação da Seleção Nacional que começa, agora, a preparar a participação no Europeu Sub-18 que se disputará no próximo verão em Donetsk, Ucrânia. “Estamos certos que o Francisco, fiel ao seu caráter humilde e reservado, mas com o seu talento e uma paixão muito grande pelo jogo, começa já aqui a escrever as primeiras páginas numa carreira que se prevê coroada de êxito” vinca a União Desportiva Oliveirense no seu site oficial. Com ainda dezasseis anos, Francisco Albergaria é o benjamim da equipa sénior. Ele é já detentor do título de mais

Francisco Albergaria (na foto à esq.ª) acompanhado por José Barbosa

jovem atleta oliveirense que alguma vez competiu na LPB, depois de, no passado dia 03 de novembro, ter sido lançado em campo por Rui Alves para render o capitão João Abreu. Jogava-se o dérbi ante a Ovarense.

27

Terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

“O Francisco é o exemplo máximo de uma nova geração que irá ao longo dos próximos anos render esta geração mais velha que tantos sucessos tem dado ao clube, guindando-o desde a extinta CNB2 até ao

presente topo nacional da LPB” acrescenta a UDO, lembrando que o projeto do clube assenta “ numa base maioritária de atletas formados no clube”. Aliás, esse aspeto terá sido tido em conta aquando da preparação do plantel para atacar a presente época: “Rui Alves foi perentório ao decidir reservar espaço no grupo para jovens da nossa formação poderem evoluir trabalhando com os mais velhos”, afiança o clube. “Para a UDO, o Francisco representa a compensação do investimento na formação. Representa ainda um bom exemplo para os seus colegas mais jovens, mostrando que com trabalho e humildade as oportunidades serão sempre concedidas”, termina.

Workshop ‘Motivação no desporto’ O Centro Lúdico de Oliveira de Azeméis promove no próximo dia 14 o workshop ‘Motivação no desporto’, destinado a toda a população. A motivação, o psicólogo no desporto, os mitos da intervenção do psicólogo, a avaliação e o diagnóstico das pessoas e situações e a preparação mental e dos atletas, fatores psicológicos associados ao rendimento desportivo são os temas abordados durante a sessão, que decorre a partir das 15h00. A atividade tem a duração de 2h30 e o valor de 5€.

Mau tempo adia Caima Radical Devido às condições climatéricas o 12.º Raid/Passeio TT organizado pelo Caima Radical Clube TT de Palmaz, foi adiado para o próximo dia 15 de abril. Todo o restante programa se mantém inalterado, nas condições, horas e locais indicadas anteriormente.

Curso de árbitros de hóquei em patins A Federação de Patinagem de Portugal, a Associação de Patinagem de Aveiro e o Conselho de Arbitragem de Aveiro levam a efeito, no próximo dia 01 de março, um curso de árbitros de hóquei em patins. A inscrição é gratuita. Pode obter mais informações através dos telefones 256 668 148 e 256 674 850 ou dos e-mails crahpaveiro@sapo.pt e geral@ apaveiro.pt.


28

Terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

GERAL/PUBLICIDADE

>LIGA PORTUGUESA CONTRA O CANCRO

> ESPETÁCULO DOS ‘ANJOS’

Inauguração de laboratório de investigação pedagógico

Correio dá prémios a novos assinantes No próximo dia 14, o espetáculo da conhecida dupla musical portuguesa ‘Anjos’ promete um ótimo serão, sobretudo para os mais apaixonados. No dia de S. Valentim, o Caracas recebe os músicos, num acústico de grande qualidade, a partir das 22h00 da próxima sextafeira. Para esta noite festiva, o Correio de Azeméis oferece bilhetes às primeiras dez pessoas que se façam nossos assinantes, beneficiando estes, ainda, do desconto anual de 15 euros numa publicidade que pretenda efetuar no nosso semanário. Aproveite esta campanha. Vale a pena!!!

Promover a formação e a prevenção do cancro da população junto da população jovem é um dos objetivos deste Laboratório de Investigação Pedagógico.

O Núcleo Regional do Norte da Liga Portuguesa contra o Cancro inaugurou o Laboratório de Investigação Pedagógico (LIP), no passado dia 25 de janeiro, na sua sede no Porto, um evento integrado nas comemorações dos 50 anos de fundação deste núcleo. O LIP tem como objetivos promover a consciencializa-

ção, formação e prevenção do cancro na população jovem dos 07 aos 17 anos de idade. Aos sábados, das 09h30 às 12h30, permitirá aos jovens curiosos a elaboração de experiências relacionadas com a Oncobiologia, conciliando os conceitos básicos adquiridos na escola com a experimentação prática num

verdadeiro laboratório de investigação. As experiências científicas vão facilitar a compreensão dos mecanismos de funcionamento do organismo humano e a sua relação com os processos inerentes ao desenvolvimento de cancro. Destaque para o conhecimento da unidade básica de vida: a célula; a mo-

lécula chave da vida: o DNA; a influência da individualidade genética do indivíduo; e a possível interação destes com o meio ambiente onde o indivíduo está inserido. Inscreve-te se estás interessado: lip.nrnorte@ligacontracancro.pt; http://liplpcc.blogspot.pt; www.facebook.com/lip. lpcc; www.ligacontracancro.pt

ÚLTIMA HORA> MAIS UM ACIDENTE DE VIAÇÃO

Condutora ferida em embate violento no IC2 Dois automóveis chocaram, ontem, com violência, no IC2, resultando deste acidente ferimentos de média gravidade numa mulher de 31 anos. Um automobilista que se-

guia no sentido Sul/Norte terá perdido o controlo do volante e invadiu a faixa contrária, não conseguindo evitar o embate num carro que circulava nesse sentido. A colisão feriu, apenas,

a mulher que seguia no sentido Norte/Sul. Esta inspirava alguns cuidados e, depois de estabilizada no local pelos Bombeiros Voluntários de Oliveira de Azeméis, em conjunto com

a equipa da Viatura Médica de Emergência e Reanimação, foi transportada para o hospital. O sinistro ocorreu cerca das 08h45, nas traseiras das instalações da empresa de transportes

de mercadorias Álvaro Figueiredo, perto do local onde, em dezembro passado, ocorreu um outro que ceifou a vida a uma jovem de 19 anos. DC

PUB

Álvaro de Oliveira

Participação de Missa do 30.º Dia A família recorda este seu ente querido, com saudade, e participa que será celebrada missa em sua memória, amanhã, quarta-feira, pelas 18h00, na igreja matriz de Pinheiro da Bemposta. Funerária José Pina Lda. - Praça José da Costa nº 107 – 3720-217 -Oliveira de Azeméis - R. Visconde n. 2259 – 3700-269 S. João da Madeira - Tel. 919743670 e 256682116 - E-mail: funerariajosepina@hotmail.com

ALUGA-SE Alugo Apartamento No rés-do-chão em casa particular, com entrada individual, dois quartos, cozinha à americana, casa de banho e despensa exterior. O apartamento encontra-se bem situado, perto dos supermercados Continente e Intermarché.

Telef.: 964 105 071

OFERTA EMPREGO M/F Fábrica de calçado no lugar da Gândara, em S. Roque (junto à Columbofilia) Precisa PREGADOR DE MÁQUINA E MANUAL com experiência - salário a combinar

Telef.: 256 871 499 ou 918 269 066

Faça-se assinante do Correio de Azeméis

Ligue-nos: 256 049 890


Necrologia/pub.

João Tavares Rios - 55 Anos - Areosa-Pinheiro da Bemposta -

Terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

29

Maria Rosa da Costa Oliveira - 83 Anos - Pinhão-Pindelo -

Sua esposa, filhas e demais família agradecem, reconhecidamen­ te, a todas as pessoas que acompanharam as cerimónias fúnebres, ou que, de outra forma, lhes manifestaram o seu pesar, assim como a missa de 7.º dia, que será celebrada amanhã, quarta-feira, dia 12 de fevereiro, pelas 18h00, na igreja matriz do Pinheiro da Bemposta.

Seus filhos, noras, netas, bisnetos e demais família agradecem, reconhecidamente, a todas as pessoas que acompanharam as cerimónias fúnebres, ou que, de outra forma, lhes manifestaram o seu pesar, assim como a missa de 7.º dia, que será celebrada amanhã, quarta-feira, dia 12 de fevereiro, pelas 18h00, na capela de Pinhão.

Agência Funerária Beira-Mar – Rua Conde Santiago de Lobão, n.º 230 – Oliveira de Azeméis Filial: Rua S. João Baptista (Lugar da Igreja) Loureiro – Telf.: 256 682 905 * Telm.: 917 533 018 (24 horas)

Agência Funerária Beira-Mar – Rua Conde Santiago de Lobão, n.º 230 – Oliveira de Azeméis Filial: Rua S. João Baptista (Lugar da Igreja) Loureiro – Telf.: 256 682 905 * Telm.: 917 533 018 (24 horas)

Beatriz Alves da Cruz - 82 Anos - Macieira-São Martinho da Gândara -

Seus irmãos, sobrinhos e demais família agradecem, reconhecidamente, a todas as pessoas que acompanharam as cerimónias fúnebres, ou que, de outra forma, lhes manifestaram o seu pesar, assim como a missa de 7.º dia, que será celebrada amanhã, quarta-feira, dia 12 de fevereiro, pelas 08h30, na igreja matriz de São Martinho da Gândara. Agência Funerária Beira-Mar – Rua Conde Santiago de Lobão, n.º 230 – Oliveira de Azeméis Filial: Rua S. João Baptista (Lugar da Igreja) Loureiro – Telf.: 256 682 905 * Telm.: 917 533 018 (24 horas)

Maria Emília Tavares de Bastos - 85 Anos (F. 08-02-2014) - Portela-Ossela -

A família de Maria Emília Tavares de Bastos, sensibilizada e reconhecida com todas as provas de carinho e pesar recebidas aquando do seu falecimento. Participa que a missa de 7.º dia será celebrada no próximo sábado, pelas 19h00, na igreja matriz de Ossela. Funerária José Pina Lda. - Praça José da Costa nº 107 – 3720-217 -Oliveira de Azeméis - R. Visconde n. 2259 – 3700-269 S. João da Madeira - Tel. 919743670 e 256682116 - E-mail: funerariajosepina@hotmail.com

David Soares - 78 Anos (F. 04-02-2014) - Vilarinho de S. Luís-Palmaz -

A família de David Soares, sensibilizada e reconhecida com todas as provas de carinho e pesar recebidas aquando do seu falecimento e missa de 7.º dia. Funerária José Pina Lda. - Praça José da Costa nº 107 – 3720-217 -Oliveira de Azeméis - R. Visconde n. 2259 – 3700-269 S. João da Madeira - Tel. 919743670 e 256682116 - E-mail: funerariajosepina@hotmail.com

2.º Aniversário Lutuoso - 15/02/2014

Maria Nazaré Nunes Soares Nobre Dois anos se passaram, Desde a tua ‘partida’. As saudades ficaram… Para sempre nossas vidas! Seu marido, filhos, nora, genros, netos e bisneto participam que será celebrada missa dia 15 de fevereiro, pelas 19h00, na igreja matriz de Travanca.


30

Terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

necrologia/geral

1.º Aniversário Lutuoso - 17/02/2014

Ângela Tavares da Silva

- Oliveira de Azeméis Há um ano Deus levou-te, para junto D’Ele quis levar-te Com saudade e tristeza, continuaremos a recordar-te. No dia em que se completa o 1.º aniversário sobre o falecimento de Ângela Tavares da Silva, seus filhos e demais família recordam, com profunda e eterna saudade, este seu ente querido. Mandam celebrar missa em sufrágio pela sua alma no próximo dia 17 de fevereiro, pelas 19h30, na igreja matriz de Oliveira de Azeméis.

4.º Aniversário Lutuoso - 11/02/2014

Maria Norbinda da Silva Costa - Nogueira do Cravo -

Hoje, dia em que se completa o 4.º aniversário sobre o falecimento de Maria Norbinda da Silva Costa, sua filha Luciana Ribeiro recorda, com profunda e eterna saudade, este seu ente querido. Manda celebrar missa em sua memória hoje, dia 11 de fevereiro, pelas 19h15, na igreja matriz de Nogueira do Cravo.

2.º Aniversário Lutuoso - 09/02/2014

José Pereira de Oliveira Pela passagem do 2.º ani­versário sobre o falecimento do nosso ente querido, sua esposa, filho, nora e neto recordam-no, com profunda e eterna saudade. Descansa em paz junto de Deus.

Alcides Soares de Oliveira - 78 Anos

Maria Isabel da Costa Andrade - 47 Anos

Sua família vem, por este meio, agradecer a todos quantos se dignaram tomar parte nas cerimónias fúnebres, ou que, de outra forma, se lhe associaram na dor. Renova profunda gratidão pelas presenças amigas na liturgia de 7.º dia, em sufrágio pela sua alma.

Sua mãe, irmãos, cunhados e sobrinhos vêm, por este meio, agradecer a todas as pessoas que se dignaram tomar parte nas cerimónias fúnebres, ou que, de outra forma, se lhes associaram na dor. Renovam profunda gratidão pelas presenças amigas na liturgia de 7.º dia, em sufrágio pela sua alma, que se celebra na próxima segunda-feira, dia 17 de fevereiro, pelas 19h00, na igreja de Cucujães.

- Rua do Outeiro-Pindelo -

LUZ DO HORIZONTE – Funerária, Lda. (M. Augusto Sousa & Rui Santos) – Vale de Cambra Tms. 918 712 770 / 914.542.819

- Cavadas-Vila de Cucujães -

Funerária Cristino Ld.ª - Santiago de Riba-Ul - Telf.: 256 682 451 * Telm.: 919 697 374

Manuel José da Silva - 59 Anos

Custódia Costa Freitas - 80 Anos

Seus filhos, genro e neto vêm, por este meio, agradecer a todas as pes­soas que se dignaram tomar parte nas cerimónias fúnebres, ou que, de outra forma, se lhes associaram na dor. Renovam profunda gratidão pelas presenças amigas na liturgia de 7.º dia, em sufrágio pela sua alma, que se celebra no próximo sábado, dia 15 de feve­reiro, pelas 19h00, na igreja de Madail.

Seu marido, filhos, noras, genro e netos vêm, por este meio, agradecer a todas as pessoas que se dignaram tomar parte nas cerimónias fúnebres, ou que, de outra forma, se lhes associaram na dor. Renovam profunda gratidão pelas presenças amigas na liturgia de 7.º dia, em sufrágio pela sua alma, que se celebra na próxima sexta-feira, dia 14 de fevereiro, pelas 19h00, na igreja de Cucujães.

- Gândara-Madail -

Funerária Cristino Ld.ª - Santiago de Riba-Ul - Telf.: 256 682 451 * Telm.: 919 697 374

Margarida da Costa Martins - 37 Anos - Rua da Igreja-Madail -

Seus filhos, pai e demais família vêm, por este meio, agradecer a todas as pessoas que se dignaram tomar parte nas cerimónias fúnebres, ou que, de outra forma, se lhes associaram na dor. Renovam profunda gratidão pelas presenças amigas na liturgia de 7.º dia em sufrágio pela sua alma. Funerária Cristino Ld.ª - Santiago de Riba-Ul - Telf.: 256 682 451 * Telm.: 919 697 374

- Manta-Vila de Cucujães -

Funerária Cristino Ld.ª - Santiago de Riba-Ul - Telf.: 256 682 451 * Telm.: 919 697 374

Armando Ferreira de Pinho - 86 Anos - Rebordões-Vila de Cucujães -

Seus filhos, nora e netos vêm, por este meio, agradecer a todas as pessoas que se dignaram tomar parte nas cerimónias fúnebres, ou que, de outra forma, se lhes associaram na dor. Renovam profunda gratidão pelas presenças amigas na liturgia de 7.º dia, em sufrágio pela sua alma, que se celebra na próxima sexta-feira, dia 14 de feve­ reiro, pelas 19h00, na igreja de Cucujães. Funerária Cristino Ld.ª - Santiago de Riba-Ul - Telf.: 256 682 451 * Telm.: 919 697 374

Carmindo Rocha da Silva - 74 Anos

Maria Cristina de Oliveira Pereira - 40 Anos

Sua esposa, filhas, genros e netos vêm, por este meio, agradecer a todas as pessoas que se dignaram tomar parte nas cerimónias fúnebres, ou que, de outra forma, se lhes associaram na dor. Renovam profunda gratidão pelas presenças amigas na liturgia de 7.º dia, em sufrágio pela sua alma.

Seu marido, filha e demais família vêm, por este meio, agradecer a todas as pessoas que se dignaram tomar parte nas cerimónias fúnebres, ou que, de outra forma, se lhes associaram na dor. Renovam profunda gratidão pelas presenças amigas na liturgia de 7.º dia, em sufrágio pela sua alma, que se celebra na próxima sexta-feira, dia 14 de feve­reiro, pelas 19h00, na igreja de Cucujães.

- Rua Fundo do Lugar-S. Roque -

Funerária Cristino Ld.ª - Santiago de Riba-Ul - Telf.: 256 682 451 * Telm.: 919 697 374

Grupo Musical Macinhatense Convocatória

Considerando que os corpos diretivos em exercício pretendem cumprir o mandato que lhes compete nos termos da alínea a) do art. 34.º dos estatutos, vem a mesa da assembleia-geral do Grupo Musical Macinhatense convocar uma assembleia-geral ordinária, a realizar no próximo dia 15 de fevereiro de 2014, pelas 20h30, na sede do Grupo Musical Macinhatense, com a seguinte ordem de trabalhos: Ponto Um: Discussão do Relatório Anual de Contas – 2013 Ponto Dois: Discussão de outros assuntos de interesse Se, à hora marcada, não estiver presente a maioria dos sócios, no pleno uso dos seus direitos, a assembleia reunirá, ao abrigo do n.º 1 do art.º 18.º dos Estatutos, com poderes deliberativos, uma hora depois, com o número de sócios presentes. Macinhata da Seixa, 28 de janeiro de 2014 A presidente da mesa da assembleia-geral (Liliana Santiago Ramos, Dr.ª)

- Rua Colégio das Missões-Vila de Cucujães -

Funerária Cristino Ld.ª - Santiago de Riba-Ul - Telf.: 256 682 451 * Telm.: 919 697 374

Núcleo Camionistas Terras de La-Salette

Convocatória Assembleia-geral Nos termos e para efeitos do artigo 63.º dos estatutos, o Núcleo de Camionistas Terras de La-Salette vem, por este meio, convocar os seus sócios para a assembleiageral, a realizar no dia 15 de fevereiro (sábado), pelas 21h00, no salão polivalente da Junta de Freguesia da União das Freguesias de Pinheiro da Bemposta, Travanca e Palmaz, com a seguinte ordem de trabalhos: 1.º Apresentação do relatório de contas do ano 2013; 2.º Apresentação do plano de atividades do ano 2014; 3.º Outros assuntos A assembleia-geral só se reunirá, em primeira convocação, se estiver presente ou representada metade dos sócios. Já a segunda convocação iniciar-se-á meia hora depois da hora marcada, com os associados presentes. O presidente da assembleia-geral Manuel Sousa Marques

C. A. n.º 4544 de 11/02/2014

C. A. n.º 4544 de 11/02/2014


publicidade

Terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

Bodas de Ouro Matrimoniais - 09/02/2014

39.º Aniversário (caso fosse viva) - 15/02/2014

Gracinda Silva Santos Manuel Jesus de Figueiredo

Sandra Maria Correia Portela Pinho

- Loureiro -

Pela passagem do 50.º aniversário sobre o dia em que Gracinda Silva Santos e Manuel Jesus de Figueiredo uniram as suas vidas, seus filhos, noras, genros e netos desejam-lhes muitas felicidades. Parabéns!

Carolina Oliveira Costa - Fajões -

14/02/2014 11 Anos

Carolina, no dia em que completas a tua 11.ª primave­ ra, a tua mãe Sónia e avós, Maria do Carmo e Jorge Lima, desejam-te muitas felicidades e fazem votos para que esta data se repita por muitos e longos anos. Parabéns. És a nossa princesa!

miguel santos

Animação com música em cafés

Com aparelhagem incluída Preço económico

917 670 443

aluga-se Quarto no Centro da Cidade de OAZ Tlm.: 918 832 530

senhora

Com experiência, aceita tomar conta de idosos e crianças durante a noite

TM: 918 046 516

vendem-se Apartamentos

Acabados de construir Loureiro - OAZ (frente à Escola EB2,3)

963 021 817

Este espaço pode ser seu Contate-nos: 256 049 890

967 827 691

31

aluga-se T2

No Lugar da Igreja Santiago de Riba-Ul

Contato: 918 413 232

narciso Fbp imob. - Ind. S. Roque Aluga Escritórios - Lojas - Pavilhões

Telem.: 935 130 880

- Margonça-Cucujães Saiu da vida, mas não da nossa vida. Como poderíamos acreditar que morreu quem tão viva está nos nossos corações? “Ela continuará a amar-vos na outra vida, porque o amor está na alma e a alma não morre” Sua mãe, viúvo e família mandam celebrar missa pela sua alma no próximo dia 15 de fevereiro, pelas 18h00, na igreja matriz de Cucujães.

T2 c/ terraço - OAZ Edifício Solarium

Todo mobilado. Cozinha equipada. Garagem fechada. Lareira com recuperador de calor. Aquecimento central. Aspiração central.

914 508 951

vende-se Casa com 530 m2 brutos de construção

Em Cucujães, Rua do Couto

Motivo: Proprietário tem de ausentar-se do país. Com gás natural perto da porta, água própria e boa vista da Vila do Couto. Com quintal e 2 entradas. Vende o próprio.

Tlm.: 919 926 936


32

Terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

>PARA O PS, DECISÃO DO TRIBUNAL “AGRAVA A PESADA DÍVIDA DO MUNICÍPIO”

Autarquia condenada a pagar 380 mil euros De acordo com a nota de imprensa, enviada ao nosso jornal pela comissão política concelhia (CPC) do Partido Socialista, “o Tribunal da Relação do Porto condenou a autarquia a pagar 380 mil euros”, na sequência de “atos de gestão autárquica manifestamente incompetentes”. E passa a explicar a “gravidade da situação”: “Para a construção do Tro ço 3 das Vias Estruturantes era necessária a demolição de um prédio urbano, sito na Rua António Pinto de Carvalho, no qual se encontravam três inquilinos, tendo o presidente da Câmara Municipal [então, Ápio Assunção] assumido o compromisso de os realojar; para esse efeito, foi negociada a aquisição de três frações de imóveis à empresa ‘Oliprojecta’, pelo valor global de 254 mil euros, através de um contrato promessa de compra e venda, assinado pelo então presidente da Câmara, no qual se comprometia a liquidar a verba em 18 mensalidades de 14.160€, a partir de fevereiro de 2009; esta aquisição, apesar de ser do conhecimento de todos os elementos do PSD que constituíam o então executivo camarário, nunca foi objeto de aprovação em sede do órgão, o que não impediu que as frações fossem aceites pela Câmara e entregues para realojar os três inquilinos, mas sem que fosse honrado o compromisso de pagar qualquer prestação à empresa ‘Oliprojecta’ ”. E mais, continuam os socialistas: “Em 2009, quando ocupou o cargo da presidência, Hermínio Loureiro e os restantes vereadores do PSD, ignorando os acordos assinados anteriormente e ocultando toda esta situação aos vereadores do PS, recusaram honrar a aquisição dos imóveis, tendo remetido o caso

para tribunal; na sequência da decisão do Tribunal da Relação do Porto, o município foi condenado a pagar 380 mil euros relativos à aquisição dos imóveis, verba que só de juros e custas inclui mais de 120 mil euros”. Mais um “triste episódio” no meio de outros Este “triste episódio”, ainda segundo o press release da CPC do PS enviado à nossa redação, “agrava a já pesada dívida do município e associa-se “a tantos outros já conhecidos”, como por exemplo “as transferências ilegais de cerca de 700 mil euros, destinadas a encobrir os erros de gestão do Centro de Línguas; a herança de um passivo de 560 mil euros provenientes do desgoverno na gestão da GEDAZ, assim como o triste episódio da ‘venda’ dos estaleiros municipais por um milhão de euros, que, afinal, se traduziu numa espécie de doação, pois a autarquia passou de proprietária a inquilina, tendo pago aos atuais proprietários a quase totalidade do valor recebido em rendas”. Os responsáveis socialistas, nomeadamente o seu líder Joaquim Jorge Ferreira, que assina o comunicado, lamentam que “sejam os oliveirenses a pagar, no presente e no futuro, os erros que resultam da ação de quem tem assumido a gestão do município com um sentimento de total impunidade” e manifestam “grande apreensão pelo facto de existirem, atualmente, em curso muitos outros processos judiciais contra a autarquia, cujo desfecho desfavorável poderá obrigar ao pagamento de milhões de euros em indemnizações, o que, a verificar-se, constituirá mais uma pesada fatura a pagar pelos oliveirenses como resultado desta gestão leviana do erário público”.

CONCELHO

> PELO TERCEIRO ANO CONSECUTIVO

‘Grupo da Boa Vontade’ cumpre tradição das‘janeiras’

Mais uma vez, o Grupo da Boa Vontade andou a ‘cantar as janeiras’, mas as condições climatéricas adversas não permitiram que percorresse todos os locais previstos.

Entre 03 e 24 do passado mês de janeiro, decorreu mais uma iniciativa do ‘Grupo da Boa Vontade’, que se consubstanciou no ‘cantar das janeiras’. O objetivo foi, novamente, angariar fundos para ajudar instituições da nossa cidade, que enfrentam, no dia a dia, algumas dificuldades para responder a todas as solicitações. Colaboraram inúmeras individualidades do nosso concelho e do vizinho de S. João da Madeira, quer a título pessoal, quer empresarial, que contribuíram significativamente, com as expetativas a superarem as melhores perspetivas dos responsáveis por este grupo. Estes aproveitam para agradecer e enaltecer “a estimada colaboração e ajuda de todos aqueles que, connosco, se preocupam com o bem-estar das nossas instituições particulares de solidariedade social (IPSS’s). Desta forma, tentamos minimizar as dificuldades financeiras por que passam estas estruturas sociais, às quais, orgulhosamente, entregámos o valor angariado”. As IPSS’s em questão são: Centro de Apoio Familiar (CAF) Pinto de Car-

valho, Vicentinos de Oliveira de Azeméis, Cerciaz e Associação de Melhoramentos pró Outeiro. Neste momento, ainda é possível contribuir com o seu donativo, caso esteja interessado, e pode fazê-lo através do contato 918 878 838. Por muito pouco que seja… ‘são

as gotas de água que fazem os oceanos’. “O nosso muito obrigado a todos; bem hajam pela nobre causa que, connosco, abraçaram e ajudaram a superar”, rematam os responsáveis do Grupo da Boa Vontade, desejando a continuação de um ótimo 2014.

Oferta de bilhetes

Faça-se assinante e recebe um bilhete para o concerto

11 02 2014  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you