Issuu on Google+

www.editorasaomiguel.com.br

Romaria Votiva expressa o amor pela terra

Fotos Luiz Chaves/Div./CR

Igreja / 18

Festa da Uva / 3

Governador Tarso Genro vem para a abertura do evento

www.redesul.am.br

Correio Riograndense Para assinar ligue: (54) 3220.3232

Ano 105 - Nº 5.380 - R$ 2,00

www.correioriograndense.com.br

Caxias do Sul - 29 de janeiro de 2014

9912326314 - DR/RS

✦ AGRICULTURA FAMILIAR

Ascom/MDA/Correio Riograndense

O Ano Internacional da Agricultura Familiar, 2014, é um reconhecimento a esse sistema sustentável que produz 70% dos alimentos e emprega 12 milhões de pessoas. Página central

Pequenos notáveis


CORREIO RIOGRANDENSE - Caxias do Sul, 29 de janeiro de 2014

“A agricultura familiar amortece significativamente o ruído dos famintos.” Editorial

2 - Editorial

A fome não pode esperar

O

pequena em área, mas gigante em produção. No Brasil, a agricultura familiar é responsável por 70% dos alimentos consumidos. O Censo Agropecuário de 2006 – o mais recente - identificou 4,3 milhões de estabelecimentos de agricultores familiares, o que representa 84,4% dos estabelecimentos agropecuários brasileiros. O segmento responde por 10% do Produto Interno Bruto (PIB) e 74,4% da ocupação de pessoal no meio rural. Não há escassez de oferta ou deficiência tecnológica que justifique a aberrante fome no mundo. A desigualdade é mais dramática nos países pobres e em

desenvolvimento. A realidade é perversa. Na África subsaariana, por exemplo, o contingente submetido à desnutrição saltou de 170 milhões em 1990 para 234 milhões, afetando hoje a vida de 23% da população. A latejante subnutrição é afagada pelos interesses econômicos de poucos, que usam a agricultura de forma ambígua - mais preocupados em alimentar animais que gente. A fome não pode esperar. E a agricultura familiar contribui para a segurança alimentar dos povos, destituindo a espiral da fome, dos preços altos e da falta de acessibilidade ao alimento. Por fim, a agricultura familiar amortece significativamente o ruído dos famintos.

Fernando Frazão/ABr/Correio Riograndense

mundo assiste à procissão de 870 milhões de pessoas com fome -12,5% da população da Terra sobrevivem em condições de subnutrição. O dado da FAO dimensiona esse flagelo, que tem cura, mas mantém a desconcertante e vergonhosa presença no repertório das vulnerabilidades humanas deste século. O fosso entre os que se fartam e os famintos só não é maior porque a agricultura familiar marca gritante presença no planeta. Não é a toa que a ONU declarou 2014 o Ano Internacional da Agricultura Familiar. Há três bilhões de pessoas que vivem em zonas rurais, a maioria dedicada à pequena agricultura e pecuária –

KISS, UM ANO DEPOIS No dia em que uma das maiores tragédias do país completou um ano, na madrugada da segunda-feira 27, familiares e amigos das 242 vítimas fatais e dos milhares de feridos do incêndio na Boate Kiss, em Santa Maria, fazem vigília em homenagem aos mortos (foto). Um congresso sobre o tema, uma caminhada, uma missa e o plantio de uma árvore frutífera, no campus da universidade, em alusão às vitimas que, em sua maioria, cursavam Agronomia, integraram as homenagens. Até agora, não houve condenação de culpados e nenhum dos réus do processo criminal está preso. A demora em apontar os responsáveis pela tragédia revolta a comunidade e deixa uma sensação de impunidade.

Correio Riograndense FUNDADO EM 13 DE FEVEREIRO DE 1909 Filiado à ADJORI-RS e ABRAJORI Diretor de Redação: frei João Carlos Romanini Editora-chefe: Andressa Boeira Editores-assistentes: Maria de Fátima Zanandrea e Marcelino C. Dezen Editado por: ASSOCIAÇÃO LITERÁRIA SÃO BOAVENTURA / EDITORA SÃO MIGUEL

Direção-geral: frei Álvaro Morés Redação, Administração, Comercial e Assinaturas: Av. Alexandre Rizzo, 534 CEP: 95110-000 - Caxias do Sul - RS Telefone: (54) 3220-3232 Impressão: Zero Hora Editora Jornalística S.A. / Jornal Pioneiro

Circulação às quartas-feiras Website:

www.correioriograndense.com.br Redação: E-mail:

jornalcr@jornalcr.com.br Comercial/Assinaturas:

comercial@jornalcr.com.br Representante Comercial

Media Opportunities do Brasil Comunicação Ltda.

Rua Frei Caneca, nº 91, 13º Andar Bairro Consolação – São Paulo/ SP Fone (11)3255-2522 - www.mobrasil.com.br (Em todo território nacional, exceto Caxias do Sul e Porto Alegre - RS) Porto Alegre (RS): Ramgrab Representações Rua Eça de Queiroz, 220/401 - Fone (51) 91050082 - 90670-020 - Porto Alegre - RS Veículo associado

Correio do leitor Roca Sales

“Como filho de Roca Sales, parabenizo a professora Giseli Buffon (CR 25/12) que ensina as crianças a cultivar os caminhos da salvação, isto é, a buscar o endereço da saúde do corpo e do espírito. Quem conhece a origem dos alimentos não se compra com produtos alimentícios de rótulos coloridos. Amigo/a: longe do sedentarismo, dos refrigerantes, da gordura animal, dos produtos industrializados e adeus obesidade mórbida”. Elvino João Sartori Ivoti-RS

Corrupção

Leitura crítica Agricultura familiar e a sucessão rural Olir Schiavenin

cífico, contemplando em seu currículo matérias sobre técnicas agrícolas, entre outras. A sucessão rural deve fazer parte das discusAtualmente uma das maiores preocupações sões e debates familiares. É uma questão que em relação ao meio rural é o tema que se refe- precisa ser tratada com a responsabilidade e re à sucessão rural e a consequente escassez de seriedade que merece, pois é a produção de alimão de obra na produção de alimentos. Infeliz- mentos para a humanidade que está em jogo. E mente, os jovens não se sentem mais motivados todos sabemos que a maior parte do alimento que chega à mesa do consumidor sai da pequee estimulados a permanecer na colônia. As causas que os levam a essa situação são as na propriedade. Não é por menos que a ONU (Organização mais diversas. Dentre elas, podemos afirmar que a mais importante é a educação, cujo currículo das Nações Unidas) decretou 2014 Ano Interdas disciplinas é voltado para o meio urbano. nacional da Agricultura Familiar. Essa atitude evidencia que tanto os goAs famílias são cada vez vernantes bem como a somenos numerosas e os pais Infelizmente, os jovens não ciedade do mundo inteiro nem sempre incentivam e se sentem mais motivados a devem entender as dificulapoiam os filhos a permapermanecer na colônia necerem na propriedade. dades e necessidades dos O tema da sucessão ruagricultores que clamam ral, na maioria das famílias, não é tratado como por políticas públicas específicas e estruturantes prioridade no planejamento familiar. A con- para viabilizarem sustentável e economicamentinuidade dos estudos e a busca de outra pro- te suas unidades produtivas. Nossa bandeira de fissão também contribuem para atrair o jovem luta continua a ser a defesa constante da agripara o meio urbano. cultura familiar para que possa continuar produPara o jovem se sentir motivado a continuar zindo alimentos saudáveis de forma sustentável na agricultura é necessário que ele tenha expec- para segurança alimentar da população. Sobre a importância da agricultura familiar tativa de renda e segurança para o seu futuro. É preciso tornar o meio rural um espaço atrativo não restam dúvidas. É importante refletirmos com toda a infraestrutura necessária. Com po- sobre esta afirmação: “Pelo menos uma vez na líticas públicas que garantam a valorização do vida precisamos de um médico, um advogado trabalho e ofereçam qualidade de vida. A educa- ou um engenheiro, mas de um agricultor precição deve conter disciplinas com conteúdo espe- samos três vezes ao dia”. Presidente do STR de Flores da Cunha e de Nova Pádua-RS

“O ano de 2013 foi marcado por uma série de manifestações populares. Entre os vários motivos, um é a corrupção. Questiono-me sobre a solução para tal. A corrupção no Brasil parece estar em todos os cantos, na sonegação de impostos do setor privado, na utilização de serviços e programas subsidiados pelo governo de forma indevida ou desnecessária pelo cidadão e, principalmente, no setor público, onde a corrupção acontece de várias maneiras. A corrupção causa indignação, porém é difícil desviar-se dela numa sociedade onde para tudo se dá um jeito. A política é corrupta, porém ela é um espelho da sociedade. Se os corruptos fossem punidos e a justiça fosse feita, talvez a corrupção diminuísse. O Brasil é um país corrupto, mas com uma educação de qualidade e orientada para a ética é possível construir cidadãos mais conscientes em todos os aspectos”. Edivan Carniel Carlos Barbosa-RS

Editora-chefe

“À Andressa Boeira, parabéns pelo novo posto e novos desafios. Feliz gestão. Ao Marcelino, obrigado pela paciência de revisar meus textos (Nanetto e fròtole) e a toda equipe um venturoso Ano Novo. Espero estarmos juntos por muitos e muitos anos e depois, ainda, até que Deus quiser”. Sergio Angelo Grando Porto Alegre-RS Cartas e e-mails devem conter endereço completo e telefone do remetente. As correspondências não são necessariamente publicadas na íntegra.


CORREIO RIOGRANDENSE - Caxias do Sul, 29 de janeiro de 2013

“A preocupação é oferecer ambiente agradável para a exposição, com as condições necessárias às uvas, valorizando a estrela maior da festa.” Araí Horn, diretor de Agricultura

3 - Caxias Felipe Luciano/Div./Correio Riograndense

✦ FESTA DA UVA 2014

Melhorias: pintura especial no telhado dos pavilhões para reduzir temperatura e decoração em graffiti spray

Pintura ameniza o calor

Tinta usada no telhado dos pavilhões reduz a temperatura em 6º C Mais uma vez, a Festa Nacional da Uva investe em uma nova alternativa para diminuir o calor dentro dos pavilhões do Parque de Exposições Mário Bernardino Ramos. A alta temperatura do ambiente é um problema que se arrasta há várias edições. Na tentativa de diminuir o desconforto térmico, diversas alternativas já foram adotadas: abertura das laterais do pavilhão dois, ventiladores que jogam água no ambiente e, na última edição, instalação de mais de 40 climatizadores de ar. Todas ajudaram a amenizar o problema, mas nenhuma o resolveu definitivamente. Agora, aposta-se na pintura do telhado. O uso de uma tinta especial para impermeabilização e controle do aquecimento do ambiente promete reduzir a temperatura interna dos pavilhões em 6°C, conforme a Coordenadoria de Infraestrutura da festa. Quem sabe, somadas, essas ações consigam garantir mais conforto a expositores e visitantes. É esperar para conferir! Ainda no que se refere à infraestrura

para a maior festa comunitária do Sul do país, há três semanas da abertura, os trabalhos seguem em ritmo acelerado. Nos pavilhões, também foram providenciadas adequações no Plano de Prevenção e Proteção Contra Incêndios e na acessibilidade, com instalação de banheiros adaptados e vagas de estacionamento especiais, com acesso pelo portão 6, além de rampas. Melhorias nos estacionamentos e a reconstrução do piso do pavilhão um também integram as ações, entre outros reparos menores. No centro da cidade, começou a ser montada a estrutura para o desfile cênico-musical, o que provoca alterações no trânsito. A área de estacionamento na rua Sinimbu, em frente à catedral, já está tomada por parte das arquibancadas, assim como a pista destinada à conversão para a rua Marquês do Herval. O bloqueio nesses pontos permanece até 12 de março. Em 13 de fevereiro, será bloqueada a conversão da Rua Dr. Montaury para a Sinimbu, até 11 de março. Entre os dias 5 e 16 de fevereiro, estará totalmente blo-

PARTICIPE da promoção

Exposição - A exposição de uvas, uma das principais atrações da festa, recebeu 318 inscrições este ano. “Agora, nossa preocupação é disponibilizar um ambiente agradável para a exposição e com as condições necessárias para as uvas, valorizando a fruta que é a estrela maior da Festa”, afirma Araí Horn, diretor de Agricultura. As uvas ficarão expostas em grandes vitrines de vidro no Centro de Eventos e, pela primeira vez, também nos pavilhões um e dois. A 30ª Festa Nacional da Uva abre dia 20 de fevereiro. Estarão presentes a presidente Dilma Rousseff e o governador Tarso Genro, que confirmou sua participação ao receber em audiência, no Palácio Piratini, uma comitiva da festa, que foi a Porto Alegre entregar a ele o convite oficial para a abertura do evento. A festa segue até 9 de março.

Máquina de Café Expresso Chef EMC10 Marca: Electrolux Potência (Watts) 1350 W Pressão da caldeira: 15 bar Características: Sistema Thermoblock Reservatório de água: 1,2 L Reservatório de água removível: Sim Placa de aquecimento para xícaras: Sim Seletor Central: Sim Frequência: 50/60 Hz Bandeja plástica de gotejamento removível : Sim Comprimento do cabo: 0,85 m Cor: Aço Escovado Peso: 3,32 Kg Acessórios: Suporte do filtro, Colher dosadora / pilão Dimensões: (LxAxP) 28 x 29,5 x 24,1 cm

O Correio Riograndense comemora 105 anos e quem ganha é você. Mande um e-mail com foto e um pequeno texto contando uma história entre você e o jornal e concorra a uma Máquina de Café Expresso. As melhores imagens e textos serão publicadas no jornal. Envie um e-mail até dia 4/02/14 para marketing@jornalcr.com.br Informações: (54) 3220.3232 Divulgação do ganhador dia 19/02/14

queada a avenida Júlio de Castilhos, na quadra da praça Dante Alighieri, sentido Oeste/Leste; assim como a Sinimbu, neste mesmo ponto, das 0h às 5h30.

Correio Riograndense

Jaime Bettega

Olhar à vida

Na outra margem

A

s margens do rio, em alguns horários, ficam tomadas por caniços de diferentes variedades. Anzóis são jogados e retirados da água com rapidez e determinação. É quase proibido distrair-se, pois, a qualquer momento, um peixe poderá se prender no anzol. O movimento brusco e certeiro garantirá o objetivo de tantas horas aguardando o que, às vezes, é incerto. Entre uma ‘puxada’ e outra, o olhar não deixa de acompanhar outros anzóis. Do outro lado do rio, um simples caniço é movimentado com maior frequência. Estaria lá o cardume? Não seria melhor trocar de lugar? Muitos são os pescadores que exercitam a imaginação e concluem que, na outra margem, dá mais peixe. Acabam cuidando mais do anzol dos outros do que do próprio. Parecem não totalmente convictos de que o movimento dos peixes independe da margem. A falta de persistência e de paciência pode deixar veteranos pescadores intranquilos e insatisfeitos. Dessa forma, o que poderia ser um bom lazer pode se transformar em frustração. Nos caminhos da vida, inúmeros são os ‘pescadores’ que vivem espreitando muito mais o desempenho dos outros do que o próprio aperfeiçoamento. Chegam a pensar O desempenho que a chuva é mais intensa no dos outros deveria terreno alheio; servir de impulso que as coisas só e inspiração e dão certo para os outros. A não de motivo insatisfação, a de inveja ausência de reconhecimento e gratidão inquietam o coração e deslocam o olhar da referência maior: a valorização da própria vida. Observe quantas coisas estão dando certo! Então, por que não vibrar e agradecer? Convém recordar que, ‘nem sempre o mar está para peixe’. Isto é, a vida é cheia de alternâncias. O desempenho dos outros deveria servir de impulso e inspiração e não de motivo de inveja. Se os outros estão indo bem, em nada ajuda querer tomar o lugar, invertendo posições. Sair-se bem nas atividades e decisões não é privilégio de alguns. Pelo contrário, oportunidade para todos. Afinal, não é unicamente a quantidade de peixes que qualifica um pescador. Se o desejo é passar para outra margem, em busca de novas alternativas, que o sentimento seja nobre. Um coração invejoso não prospera. Mais ainda: cuidar excessivamente do desempenho dos outros pode gerar baixa estima. O que importa mesmo é avançar, sempre agradecendo onde foi possível chegar. Se houver persistência, o resultado poderá se assemelhar à pesca milagrosa. Diariamente você pode acessar mensagem especial de frei Jaime, como a reproduzida ao lado, no Facebook, Twitter, Instagram e Pinterest

Vencedores nunca abriram mão da fé @freijaime


CORREIO RIOGRANDENSE - Caxias do Sul, 29 de janeiro de 2014

João Victor Domingues, secretário da Seinfra

4 - Municípios

FINFRAESTRUTURA

Informe CR

Estradas saem do papel

Caroline Bicochi/PP/Div./CR

“A conclusão da rodovia ERS-431 deve ficar para 25 de fevereiro.”

Anunciadas obras na Rota do Sol, viaduto e restauração na 431 vestimento previsto para concluir a 020 é de R$ 45 milhões. O serviço nessa estrada parou em março do ano passado em função de problemas de licenciamento ambiental. O secretário Domingues garantiu também a restauração da ERS-431, que liga Dois Lajeados a Bento Gonçalves, interditada há dois meses devido à rachadura na pista. “A conclusão deve ficar para 25 de fevereiro”, declarou o secretário. Há ainda a intenção do governo de construir o viaduto no entroncamento da RSC-470 com a RSC-453, no trevo da Telasul, próximo a Garibaldi. Segundo o Daer, o projeto será ela-

borado até maio para que a licitação ocorra ainda neste ano. O entorno do viaduto vai receber três quilômetros de duplicação e beneficiar os municípios de Garibaldi e Bento Gonçalves. O investimento gira em torno de R$ 5 milhões. Capão Bonito do Sul - A Comissão de Usuários da ERS-461 realizou, na sexta 24, o 1º Manifesto pela retomada das obras da rodovia, que liga Capão Bonito do Sul à BR-470 (Pinheiro Rachado). O trecho de 17,9 quilômetros faz parte do programa Acessos Municipais. A obra tem valor superior a R$ 13 milhões. Cassius Fante/Divulgação/Correio Riograndense

Ficou para fevereiro a retomada das obras (reparos e conservação) em quase 100 quilômetros da RSC-453 (Rota do Sol). Os serviços emergenciais, no trecho de 41 km entre Lajeado Grande e Tainhas, iniciam no próximo dia 3. A data foi anunciada pelo secretário de Infraestrutura e Logística do Estado (Seinfra), João Victor Domingues, a representantes da Câmara de Industria e Comércio de Caxias do Sul, em reunião no dia 14 de janeiro. A Seinfra e o Daer também acertaram a retomada em outras duas rodovias: a ERS-020, entre Cambará do Sul e São José dos Ausentes, e a ERS-439, acesso a Jaquirana. O in-

Governo vai construir o viaduto no entroncamento da RSC-470 com a RSC-453, no trevo da Telasul

F FLORES DA CUNHA

Asfalto beneficia a região da Produção mente R$ 38 milhões. A população celebrou a conquista da estrada. O prefeito de Vanini, Alceu Castelli, falou que a obra é uma vitória de 40 anos de batalha. “Um município sem ligação asfáltica é um município isolado. Estamos encurtando distâncias”, destacou Castelli. Materializamos a luta desta comuni- Abigail e prefeito abrem vindima dade”, disse o governador. Caco Argemi/PP/Div./CR

Os trechos da ERS-129, que liga Vanini aos municípios de David Canabarro, São Domingos do Sul e Casca, principal via de acesso do município situado na região da Produção, foram inaugurados pelo governador Tarso Genro, na quarta-feira 22. As obras somam 29,6 quilômetros, sendo 19 deles concluídos pela atual gestão, com investimento de aproximada-

Tarso inaugura trechos da ERS-129 que ligam quatro municípios

Divulgação/CR

F VANINI

Aberta safra da uva

Na propriedade da família Mazzaratto, em Otávio Rocha, Flores da Cunha, abriu oficialmente, na quinta 23, a safra da uva. Com o tema “É Tempo de Vindima”, o evento contou com a presença da secretária estadual do Turismo, Abigail Pereira, do prefeito Lídio Scortegagna, do diretor da Agavi, Darci Dani, e do presidente do STR, Olir Schiavenin. O evento integra a programação da 6ª Mostra Flores e da 3ª Feira Agroindustrial, que ocorre de 22 de fevereiro a 23 de março, aos finais de semana.

Diversos políticos acompanharam o ato Homenagem a Brizola Inaugurada a está- Vieira da Cunha (PDT). tua do ex-governador O governador Tarso Leonel Brizola na Rua Genro (PT) participou Dom Sebastião, entre a do ato, assim como os Catedral e o Palácio Pi- ex-governadores Alceu ratini, em Porto Alegre. Collares (PDT) e GerA homenagem foi orga- mano Rigotto (PMDB), nizada pela Fundação o senador Pedro Simon Caminho da Soberania, (PMDB) e diversos lídepresidida pelo deputado res trabalhistas. Talão do produtor A Secretaria da Recei- produtor deve dirigirta de Caxias do Sul infor- -se ao setor de ICMS da ma aos produtores rurais Prefeitura com o talão e que a revisão obrigatória as notas fiscais em mãos, do Talão do Produtor, das 10h às 16h. Talões relativa a 2013, encerra em branco também dedia 15 de fevereiro. O vem ser apresentados. Filme da Festuva I Os detalhes de como 80 anos - A Celebração a festa surgiu e se de- de uma Identidade, lansenvolveu, os fatos mais çado para convidados na importantes, as figuras quinta-feira 23, em Caproeminentes, as influên- xias do Sul. Dirigido por cias sociais, econômicas, Airton Soares, da CDI políticas e culturais estão Filmes, de Porto Alegre registradas no filme-do- (RS), o documentário cumentário Festa da Uva tem cerca de 84 minutos. Filme da Festuva II Durante a Festa da março, às 22h. Depois, Uva, o filme-docu- a produção deve ocupar mentário será exibido um dos dois maiores cijunto ao espaço Som nemas de Caxias. Tam& Luz, no parque de bém dever ser exibido exposições, dias 25 de pela TVCOM, TVE e fevereiro, às 21h; e 4 de UCS TV. Ampliação no Pompeia O Hospital Pompeia Centro de Endoscopia, de Caxias inaugura além dos novos equidia 6 de fevereiro a pamentos do Instituto ampliação do Bloco de Diagnóstico por Cirúrgico e o novo Imagem. Foco de dengue A Secretaria da Saúde bairro Cidade Nova. Com de Caxias encontrou o isso, todos os locais próprimeiro foco do mos- ximos à armadilha, num quito Aedes aegypti deste perímetro de 300 metros, ano. A larva estava em serão vistoriados. À couma armadilha instalada munidade, cabe evitar o em uma residência no acúmulo de água parada.


CORREIO RIOGRANDENSE - Caxias do Sul, 29 de janeiro de 2014 - PÁGINA 5

Por que financiar a agricultura familiar é bom pra todos?

Porque, se por um lado, aumenta a produtividade no campo, por meio do Pronaf, do Governo Federal, por outro, incentiva o comércio e melhora a qualidade dos alimentos que chegam à mesa dos brasileiros. E isso é bom pra todos.

@bancodobrasil

/bancodobrasil

bb.com.br/bompratodos

Central de Atendimento BB 4004 0001 ou 0800 729 0001 • SAC 0800 729 0722 Ouvidoria BB 0800 729 5678 • Deficiente Auditivo ou de Fala 0800 729 0088

Danielle Pedroso Cliente da Agência Sto. Antônio da Platina (PR)


CORREIO RIOGRANDENSE - Caxias do Sul, 29 de janeiro de 2014

6 - Opinião

“Numa sociedade onde o outro me serve enquanto me é útil, a derrota é da moral e da ética.” Pe. Zezinho

Leonardo Boff

Governança da pior espécie - dos mercadores

Leonardo Boff é autor de “Tempo de Transcendência: o ser humano como projeto infinito”, Vozes 2002.

A

nteriormente abordamos o império das grandes corporações que controlam os fluxos econômicos e, através deles, as demais instâncias da sociedade mundial. A constituição perversa deste império surgiu por causa da falta de uma governança global que se faz cada dia mais urgente. Há problemas globais como os da paz, da alimentação, da água, das mudanças climáticas, das migrações dos povos e outras que, por serem globais, demandam soluções globais. Uma governança global supõe que cada país renuncie um pouco de sua soberania para criar um espaço coletivo e plural onde as soluções para os problemas globais pudessem ser globalmente atendidas. Mas nenhuma potência quer renunciar uma unha sequer de seu poderio. Vigora uma cegueira lamentável na maioria dos economistas. Em seus debates – tomemos como exemplo o programa semanal da Globonews Pinel - onde a economia ocupa lugar privilegiado. No que pude constatar, não ouvi nenhum economista incluir em suas análises os limites de suportabilidade do sistema-vida e do sistema-Terra que põe em cheque

Frei Betto

a reprodução do capital. Prolongam o cultura, direitos autorais e patentes. Os enfadonho discurso econômico no velho contratos se prevalecem da fragilidade dos paradigma como se a Terra fosse um baú Estados e impõem condições leoninas. As de recursos ilimitados e a economia se corporações, por serem transnacionais, medisse pelo PIB. Falta pensamento. não se sentem submetidas às normas Queremos abordar um complemento do nacionais com respeito à saúde, proteção império perverso das grandes corporações, ambiental e legislação fiscal. Quando ainda mais desavergonhado. Trata-se estimam que por causa de tais limites o da busca de um Acordo Multilateral de lucro futuro esperado não foi alcançado, Investimentos. Quase tudo é discutido podem, por processos judiciais, exigir um a portas ressarcimento do fechadas. Mas Estado (do povo) Tudo vira mercadoria: as na medida em que pode chegar pessoas, seus órgãos, a cultura, que é detectado, a bilhões de a natureza, o entretenimento se retrai, para dólares/euros. e até a religião e o céu logo voltar sob Estas outros nomes. A corporações intenção é criar um livre comércio total consideram a Terra como de ninguém, e institucionalizado entre os Estados e à semelhança do velho colonialismo, e as grandes corporações. Os termos da conseguem que os tribunais lhes concedam questão foram amplamente apresentados direito de adquirir terras, mananciais de por Lori Wallach no Le Monde águas, lagos e outros bens e serviços da Diplomatique Brasil de novembro de 2013. natureza. Elas, comenta Wallach, “não Tais corporações visam saciar têm obrigação nenhuma para com os seu apetite de acumulação em áreas países e podem disparar processos quando pouco atendidas pelos países pobres: e onde lhes convier” (p.5). O tema da infraestrutura sanitária, seguro-saúde, poluição, da diminuição do aquecimento escolas profissionais, recursos naturais, global e da preservação da biodiversidade

Tragédia maranhense

Escritor, autor de “Diário de Fernando - nos cárceres da ditadura militar brasileira” (Rocco), entre outros livros

P

or descaso do governo Roseana o crime, como as extorsões telefônicas, em Sarney, o Brasil e o mundo que a vítima cai no trote de que um parente assistem a uma verdadeira está em mãos de bandidos. Das celas tragédia no Maranhão. Na Penitenciária da Penitenciária de Pedrinhas, facções de Pedrinhas, em São Luís, 62 presos criminosas ordenaram a queima de ônibus, foram assassinados nos últimos meses, que resultou na morte de uma menina, Ana a maioria degolada. As imagens brutais Clara Souza, de apenas seis anos. O Brasil clama por uma reforma estão na internet. O Alto Comissariado de Direitos do sistema prisional que adote novos Humanos da ONU pediu que o governo métodos de ressocialização dos detentos. brasileiro apure a chacina de Pedrinhas. Insisti nesse tema, junto ao Ministério da É bom lembrar que, em novembro de Justiça, nos dois anos em que assessorei o 2013, o ministro da Justiça, José Eduardo presidente Lula. Em vão. Vivi dois, dos quatro anos em que estive Cardozo, declarou que, no Brasil, “é encarcerado (1969-1973), como preso preferível morrer do que ficar preso”. Nosso país abriga, hoje, 515 mil comum. Em São Paulo, na Penitenciária do detentos. Muitos sem culpa formada. Estado, no Carandiru e na Penitenciária de A maioria dos Presidente Venceslau. encarcerados Constatei, na prática, O Brasil clama por uma vive amontoada reforma do sistema prisional como não é difícil promiscuamente, presos que adote novos métodos de recuperar sem que o sistema de comuns. Basta saber ressocialização dos detentos ocupá-los. Mas não segurança impeça a prática de delitos de com faxina, ajudante de dentro para fora da cadeia. cozinha ou capinando, como é frequente. Como explicar celulares nas prisões? Em Seis presos políticos, misturados a 400 nenhum aeroporto se consegue passar no comuns, promovemos grupos bíblicos, grupo controle eletrônico portando o aparelho. de teatro, oficinas de arte e curso supletivo Ora, sabemos que os agentes penitenciários de madureza (hoje, Ensino Médio). Mais de são mal pagos, insuficientemente 100 detentos foram beneficiados por aquelas preparados para a função, o que torna iniciativas, e vários se ressocializaram. Cada presídio poderia ser transformado, muitos deles vulneráveis à corrupção. em parceria com a iniciativa privada, Assim, os presídios se transformam em em escola de informática, culinária, queijos suíços, cheios de buracos pelos idiomas, formando também encanadores, quais entram celulares, drogas e armas. eletricistas, mestres de obras etc. Há diretores e funcionários de O nó da questão é que o governo não penitenciárias que resistem aos tem real interesse na ressocialização de bloqueadores porque ficariam sem contato presos comuns. Quem estiver interessado externo via celular. O crime agradece ao nas razões dessa absurda omissão leia corporativismo... De dentro de cárceres, Michel Foucault. de norte a sul do país, presos comandam

Pe. Zezinho

do planeta são letra morta para esses depredadores, em nome do lucro. A sem-vergonhice comercial chega a tais níveis que os países signatários desse tipo de tratado “se veriam obrigados não só a submeter seus serviços públicos à lógica do mercado, mas também a renunciar a qualquer intervenção sobre os prestadores de serviços estrangeiros que cobiçam seus mercados” (p.6). O Estado teria uma parcela mínima de manobra em questão de energia, saúde, educação, água e transporte. O que revelam estas estratégias? Uma economia que se autonomizou de tal maneira que somente ela conta, anula a soberania dos países, se apropria da Terra e a transforma num imenso empório e mesa de negócios. Tudo vira mercadoria: as pessoas, seus órgãos, a natureza, a cultura, o entretenimento e até a religião e o céu. Nunca se toma em conta a possível reação da sociedade civil que pode, enfurecida e com justiça, se rebelar e pôr tudo a perder. Graças a Deus que, envergonhados, mas ainda obstinados, os projetos estão se escondendo atrás de portas fechadas.

Fim do compromisso

Escritor, compositor e intérprete de músicas

A

era do individualismo, do no qual ele ou ela sentia-se parte lesada. pragmatismo, do vencedor a As coisas não iam como o indivíduo qualquer preço, do eu demais e do queria. Não sendo do jeito dele, partiu capitalismo selvagem, expulsou o nós e para ser feliz. Foi dessa experiência inaugurou o fim do compromisso. É o que que o salmista falou no salmo 14. As os adolescentes explicam pelo verbo ficar, pessoas não cumprem mais os seus que significa “por enquanto fico com você, compromissos… Há três mil anos a mas não aposte em mim, eu sou livre”. realidade era a mesma de hoje. Palavra Isso também explica porque, em países dada não é o mesmo que palavra como o Brasil, de cada quatro jovens, cumprida, nem quando existe contrato um tem pais separados. Seus pais não firmado. Vale o indivíduo. A cada dia, o se comprometeram para sempre ou, se nós vale menos do que o eu. A nossa é uma era de egos compromisso houve, doeu demais mantêsuperinflados; o outro é um mero detalhe. lo e eles o quebraram. Melhor separar-se O cristianismo, que é a religião com o do que viver sofrendo ao lado de quem Cristo, em Cristo e por Cristo é, também, deixou de ser “meu bem”. Uma das características da era “fim a religião do outro, com o outro e pelo de compromisso” outro. Quando é que, não tudo o que vale é o Trocar é, hoje, um dos importa qual seja sucesso do indivíduo verbos mais vividos por o contrato, não ou do seu grupo em uma geração que não importa qual o particular e quando aceita sofrer além da quota sentimento, se o outro, a quem a aparecer algo palavra foi dada, mais vantajoso a pessoa troca. Troca de fica para trás porque ele não conta, já Igreja, troca de partido, troca de família, não estamos mais falando de cristianismo. troca de clube e troca de empresa. Jesus nos mostra o Deus que é totalmente Trocar é, hoje, um dos verbos mais Outro, e nos ensina a vivermos para Ele vividos por uma geração que não aceita e para os outros. Numa sociedade onde sofrer além da quota. o outro me serve enquanto me é útil, a Não existe mais fidelidade à palavra derrota é da moral e da ética. É o mundo em que vivemos. Não há dada. E, mesmo quando é vendida e assinada, se aparecer oportunidade maior, mais compromissos. As coisas valem enquanto se leva vantagem. Não é à toa o indivíduo paga as multas que tiver que pagar, mas vai em busca da oportunidade que o poeta Vinicius de Moraes dizia, traduzindo o pensamento de toda uma maior e troca. A mentalidade invadiu geração: “Que seja eterno enquanto também as religiões. Pessoas trocam de dure”. A frase é muito bonita, mas religião, pregadores trocam de grupo de aberta à ideia da troca de parceiro, Igreja, fiéis trocam de fidelidade, de altar e de púlpito e até de profeta com a mesma típico da modernidade libertária, mas nem por isso mais livre! facilidade com que se rompe um contrato


CORREIO RIOGRANDENSE - Caxias do Sul, 29 de janeiro de 2014

“O sistema prisional não reeduca. A penitenciária transformou-se em uma universidade do crime.” Carta dos bispos do Maranhão

7 - Nacional

F DIREITOS HUMANOS

População carcerária cresce 30% A população carcerária do país cresceu quase 30% nos últimos cinco anos, aponta o Relatório Mundial sobre Direitos Humanos, divulgado pela organização não governamental Human Rights Watch (HRW). O número de adultos encarcerados é superior a meio milhão de pessoas, o que supera em 43% a capacidade do sistema prisional. Além disso, 20 mil adolescentes cumprem medidas socioeducativas com privação de liberdade. Os dados destacados no documento são do Sistema Integrado de Informações Penitenciárias (InfoPen), do Ministério da Justiça. Na avaliação da entidade, os atrasos no sistema de Justiça contribuem para a superlotação. Quase 200 mil presos aguardam julgamento. O Estado do Piauí tem a maior taxa do Brasil, onde 66% dos presos são provisórios. Além do número excessivo de encarcerados, a falta de saneamento facilita a propagação de doenças. A HRW aponta que o acesso dos presos à assistência médica continua inadequado. A tortura em delegacias e centros de detenção é considerada um problema crônico pela organização.

Marcello Casal Jr/ABr/CR

Mais de meio milhão de adultos e 20 mil adolescentes estão detidos

O número de pessoas detidas supera em 43% a capacidade do sistema prisional brasileiro do Estado e que, mesmo detidos, continuam transmitindo ordens aos seus comandados – como o ataque a um ônibus, no início de janeiro, na região metropolitana de São Luís, que resultou na morte de cinco passageiros, entre eles a menina Ana Clara Santos Souza, de 6 anos. Do lado de dentro das celas,

quatro mortes brutais já foram registradas este ano no Maranhão, três delas no Complexo Penitenciário de Pedrinhas, em São Luis, o maior do Estado. Segundo as autoridades, as mortes de detentos podem ter sido uma reação à transferência de presos, líderes de facções criminosas, para presídios federais de segurança máxima.

Carta dos bispos do Maranhão ao povo de Deus e às pessoas de boa vontade

“Ainda estão vivas em nós a forte emoção e dor provocadas pelos últimos acontecimentos violentos no Maranhão. O clima de terror e medo tomou a cida-

Troca de ministro Dando início à reforma ministerial, a presidente Dilma Rousseff formalizou pedido para Arthur Chioro (PT), atual secretário de Saúde de São Bernardo do Campo (SP), assumir o Ministério da Saúde no lugar de Alexandre Padilha, que será candidato ao governo de São Paulo. Chioro deve assumir em fevereiro. Arrecadação recorde A sociedade brasileira pagou nada menos que R$ 1,138 trilhão em impostos e contribuições federais em 2013. Segundo dados divulgados pela Receita Federal, o número é recorde e equivale a um crescimento real de 4,08% em relação a 2012.

adotadas em mais de 90 países. O documento que aborda a situação do sistema carcerário, entre outros temas, é divulgado justamente no momento em que, no Maranhão, atos violentos contra a população são atribuídos, pelas próprias autoridades estaduais, a líderes de Maranhão - Esta é a 24ª edição facções criminosas rivais que disdo relatório, que avalia as práticas putam o controle do narcotráfico

Os bispos do Regional Nordeste 5 da CNBB divulgaram carta na qual denunciam a cultura da violência no Estado. A seguir, alguns trechos:

Pelo país

de de São Luís. Essa cultura da violência, aliada à morosidade da Justiça e à ausência de políticas públicas, resulta em cárceres cheios de jovens. O sistema prisional não reeduca. A penitenciária transformou-se em uma universidade do crime. É verdade que a riqueza no Maranhão aumentou, mas está em mãos de poucos. Os índices de de-

senvolvimento humano permanecem entre os mais baixos do Brasil. Não é este o Estado que Deus e nós queremos. A cultura do amor e da paz é um dom de Deus, mas também tarefa nossa. Convocamos as pessoas para que, no próximo dia 2 de fevereiro, Festa da Apresentação do Senhor e de Nossa Senhora das Candeias, realizem em todas as comunida-

des uma caminhada silenciosa à luz de velas. Aos que não puderem participar da caminhada, sugerimos que acendam uma vela em frente à sua residência. Rogamos ao Espírito para que assumamos nossa responsabilidade social e política, para construirmos uma sociedade de irmãos, na igualdade, fraternidade e paz.”

Orçamento 2014 A presidente Dilma Rousseff sancionou o Orçamento da União para este ano. A previsão de receita é de R$ 2,488 trilhões. Desse total, R$ 654,7 bilhões serão usados para o refinanciamento da dívida pública. O restante, R$ 1,834 trilhão, irá para o orçamento fiscal, da seguridade social e das empresas estatais. O Orçamento prevê ainda que o Brasil fechará 2014 com inflação de 5,8%. Calor e energia O calor intenso fez com que o consumo de energia elétrica no país batesse dois recordes seguidos na semana de 20 a 26 de janeiro. Na terça 21, o Brasil alcançou pico de consumo de 81.591 megawatts. Na quarta 22, 82.306 megawatts. Elevação foi motivada pelas altas temperaturas principalmente nas capitais do Sul, Sudeste e Centro-Oeste, com destaque para Porto Alegre e Rio de Janeiro.


CORREIO RIOGRANDENSE - Caxias do Sul, 29 de janeiro de 2014

“Foz do Iguaçu é nosso cartão de visita, onde está a vitrine dos parques e das unidades de conservação do Brasil”. Roberto Vicentim, presidente do Instituto Chico Mendes

8 - Reportagem

F PARQUE NACIONAL DO IGUAÇU

A natureza do Paraná comemora

O Paraná está em festa. No ano em que o município de Foz do Iguaçu celebra seu centenário, a Itaipu Binacional completa 40 anos e o lado argentino do parque faz 80 anos, o Parque Nacional do Iguaçu, que abriga as Cataratas do Iguaçu, comemora 75 anos. O nome do parque é uma referência ao rio Iguaçu, que no idioma guarani significa água grande. O Parque Nacional do Iguaçu possui 185.262,5 mil hectares e abriga uma enorme biodiversidade. Dirigido pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, o Iguaçu é exemplo de integração entre a conservação e o uso sustentável dos recursos naturais. Criado em 1939, pelo decreto nº 1.035, o Parque Nacional do Iguaçu abriga o maior remanescente de floresta Atlântica (estacional semidecídua) da região Sul do Brasil. O local protege uma riquíssima biodiversidade, constituída por espécies representativas da fauna e flora brasileiras, das quais algumas ameaçadas de extinção, como onça-pintada (Pantheraonca), puma (Puma concolor), jacaré-de-papo-amarelo (Caimanlatirostris), papagaio-depeito-roxo (Amazona vinacea), gavião-real (Harpia harpyja), Parque possui 185.262,5 mil hectares e abriga as Cataratas

Fotos Alexandre Marchetti/Divulgação/CR

Unidade que abriga as Cataratas do Iguaçu e torna o Brasil conhecido completa 75 anos peroba-rosa (Aspidospermapolyneutron), ariticum (Rollínia salicifolia), araucária (Araucariaaugustifolia), além de muitas outras espécies de relevante valor e de interesse cientifico. Sítio - Essa expressiva variabilidade biológica, somada à paisagem singular de rara beleza cênica das Cataratas do Iguaçu, fizeram do Parque Nacional do Iguaçu a primeira unidade de conservação do Brasil a ser instituída como Sítio do Patrimônio Mundial Natural pela Unesco, no ano de 1986. Além de ser patrimônio natural da humanidade e o principal ponto turístico do Paraná, o parque abriga uma das Sete Novas Maravilhas da Natureza, as Cataratas do Iguaçu, eleitas em 2012. Unido pelo rio Iguaçu ao Parque Nacional Iguazú, na Argentina, o parque integra o mais importante contínuo biológico do Centro-Sul da América do Sul, com mais de 600 mil hectares de áreas protegidas e outros 400 mil em florestas ainda primitivas, responsabilidade ímpar para ações conjuntas entre brasileiros e argentinos nos esforços de preservação deste tão importante patrimônio mundial.

Plano de manejo prevê gestão e uso sustentável dos recursos naturais

Desafios - A área de visitação corresponde a 3% do território do PNI, que, no total, tem 18.262 hectares. A dimensão do parque é um dos desafios da gestão da unidade, assim como a biopirataria (apropriação indevida da fauna e da flora). “Estamos dispostos a ajudar no que for preciso para combater esse problema”, adian-

Caio Coronel/Divulgação/CR

Ao completar 75 anos, no dia 10 de janeiro, o Parque Nacional do Iguaçu (PNI) se consolida como modelo de gestão e de relacionamento com a comunidade entre as 313 unidades de conservação do país. A análise é do presidente do Instituto Chico Mendes, Roberto Vicentim. “Foz do Iguaçu é nosso cartão de visita, onde está a vitrine dos parques e das unidades de conservação do Brasil”, disse Vicentim. Para Vicentim, a visitação é poderosa força de educação e conscientização ambiental. A opinião é compartilhada pelo presidente do SOS Mata Atlântica, Mario Mantovani. “Esta é uma referência para os parques do Brasil. Não há nenhum parque no país com a infraestrutura do Parque Nacional do Iguaçu”, enfatizou Mantovani.

Parque protege espécies da fauna e flora, entre as quais a ameaçada onça-pintada tou o presidente do Fundo Iguaçu, Gilmar Piolla. Há outras metas em 2014. Entre elas, está o novo plano de manejo para prever a gestão e o uso sustentável dos recursos naturais. O sistema de transporte no interior do PNI é uma das pautas pre-

vistas para discussão, que deve contar com o apoio da Itaipu Binacional. No futuro, a ideia é traçar novo modelo de transporte que concilie o trabalho do Fundo Iguaçu , que é o transporte principal, e o transporte alternativo como força

complementar. “Trabalharemos em conjunto para a revisão do plano de manejo, a matriz energética do parque e a mobilidade sustentável no interior da unidade, conciliando preservação, turismo e envolvimento da comunidade”, concluiu Piolla.

Turismo de aventura: atração

Atrativo recebeu 1,5 milhão em 2013 O Parque Nacional do Iguaçu recebeu 1.518.876 visitantes no ano passado. O número é próximo do alcançado em 2012, quando a unidade de conservação contabilizou o ingresso de 1.535.382 pessoas. Em 2013, mesmo com menos feriados nacionais em dias de semana em comparação com o ano anterior, o local atraiu turistas de todas as regiões do Brasil e do exterior. Turistas de 164 países conheceram ou revisitaram o Parque do Iguaçu. Do total de visitantes, 755.460 (49%) eram brasileiros. Os países mais representativos em quantidade de visitantes, depois do Brasil, foram: Argentina, Paraguai, Estados Unidos, Espanha, França, Alemanha, Japão e Inglaterra. Já os 10 países que enviaram o menor número de turistas foram: Gana, Kiribati, Laos, Marshall, Moldávia, Benin, Djibuti, Nauru, Palau, Ruanda e Togo. Para o chefe do Parque Nacional do Iguaçu, Jorge Pegoraro, a movimentação durante todo o ano foi excelente. “Mesmo com as dificuldades econômicas dos principais centros emissores de turistas para as Cataratas do Iguaçu, como Europa, EUA, Japão e Argentina, nós conseguimos manter boa visitação”, avaliou Pegoraro. O Parque Nacional do Iguaçu é o segundo mais visitado do Brasil, ficando atrás apenas do Parque Nacional da Tijuca, localizado no Rio de Janeiro e que abriga o Cristo Redentor. O parque é administrado pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), órgão ambiental do governo brasileiro. O órgão conta com o auxílio da Concessionária Cataratas do Iguaçu, que presta apoio à visitação turística do atrativo desde o ano de 2000.


CORREIO RIOGRANDENSE - Caxias do Sul, 29 de janeiro de 2014

9 - Saúde

“Quem tem irritações frequentes nos ouvidos deve consultar um especialista e, se necessário, usar protetores ao entrar na água.” Rita de Cássia Guimarães, otorrinolaringologista

F HPV

Dor de ouvido exige avaliação médica. Se não tratada, infecção acarreta perda auditiva

Casos crescem no verão Contato com a água favorece a contaminação do ouvido

Sete em cada dez crianças têm, ao menos uma vez na vida, infecção no ouvido. As otites são uma das causas mais frequentes de visita ao pediatra na infância. Isso porque quando um processo infeccioso agride o ouvido da criança, logo provoca dor intensa, acompanhada de irritação e muito choro. A infecção no ouvido nem sempre é identificada rapidamente e, se não tomados os cuidados corretos, pode se tornar recorrente. Quando frequente e não bem tratada, a otite acarreta perda do nível de audição, o que pode levar a atraso no desenvolvimento da linguagem, distúrbios de fala e menor habilidade no aprendizado. Rita de Cássia Cassou Gui-

marães, otorrinolaringologista, explica que as otites podem ser causadas por vírus ou bactérias, e podem atingir a parte externa ou média do ouvido. “A otite externa aparece mais frequentemente depois dos quatro anos de idade e é comum nos períodos mais quente do ano, quando a criança fica muito tempo em contato com a água, em praias, piscinas, rios”, afirma. A umidade excessiva retira a proteção do canal auditivo, facilitando a ação dos micro-organismos presentes nas águas. No verão, o número de casos de otite aumenta 70%. “Quem tem irritações frequentes nos ouvidos deve consultar um especialista e, se necessário, usar protetores nos ouvidos ao

EDITAL DE CITAÇÃO DE INTERESSADOS, AUSENTES, INCERTOS E DESCONHECIDOS - USUCAPIÃO 3ª Vara Cível - Comarca de Caxias do Sul prazo de: dias. Natureza: Usucapião - Processo: 010/1.12. 0029728-8 (CNJ: 0061144-66.2012.8.21.0010). Autor: Iwanir Turella Biazus e Myriamn Pavinato Biazus. Réu: Slg Participações Ltda. Objeto: DECLARAÇÃO de domínio sobre o imóvel a seguir descrito IMÓVEL “Box número quatro (04), localizado no primeiro pavimento do prédio de alvenaria denominado, Edifício Garagem Planetário, sito na rua Garibaldi, número 180, nesta cidade de Caxias do Sul/RS, com a dimensão nominal de 2,40 metros por 5,85 metros, área de uso comum de 17,85m² área total de 17,85m², correspondendo-lhe a fração ideal de 0,0198 no terreno e nas coisas de uso comum e fim proveitoso do edifício.Que o terreno onde se acha edificada ao citado prédio é constituído pelo seguinte : um terreno urbano, constituído pelo lote número nove (09), do quarteirão número cento e quatorze (114), setor 2, numerações administrativas , desta cidade de Caxias do Sul/RS, sito na Rua Garibaldi, lado par, distando 42,375 metros da esquina com a rua Flores da Cunha, mais ruas Visconde de Pelotas e José Soares de Oliveira, com a párea de 1.675,58 m², com as seguintes medidas e confrontações ; ao Norte, por 22,10 metros, com a propriedade de Bruno Jaconi, por 16,50 metros, com o condomínio Edifício Netuno, por 27,50 metros e por 18,00 metros, com a área remanescente da propriedade do outorgante; ao sul, por 21,60 metros com a propriedade de Metalúrgica Tomasi Ltda, por 16,20 metros com o condomínio Edifício Júpiter, por 27,00 metros e por 18,00 metros, com remanescente de propriedade da outorgante; ao Leste por 46,50 metros com propriedade de Marcos Fischer, por 5,625 metros, com o Condomínio Edifício Netuno e por 6,625 metros com o condomínio Edifício Júpiter; e, ao oeste, por duas vezes 3,50 metros com rua Garibaldi, por 13,50 metros com o Condomínio Edifício Netuno, por 13,50 metros o Condomínio Edifício Júpiter e por uma linha curva de mais ou menos 31,60 metros, com remanescente de propriedade da outorgante”. Prazo de 15 (quinze) dias para contestar, querendo, a contar do término do presente Edital ( Art. 232, IV, CPC), sob pena de serem presumidos como verdadeiros os fatos alegados pelo(s) autor (es). Caxias do Sul, 11 de dezembro de 2013. SERVIDOR: Adriane Concatto, Escrivã Designada. JUIZ: Carlos Frederico Finger.

Meninas serão vacinadas em março O Ministério da Saúde definiu o esquema de vacinação de meninas contra o HPV (Papiloma Vírus Humano), que visa a prevenção do câncer de colo do útero, causado, na maioria das vezes, pelos subtipos 16 e 18 do vírus. A vacina será ofertada pelo Sistema Único de Saúde (SUS) a partir de 10 de março, para meninas de 11 a 13 anos. A vacina estará disponível na rede pública durante todo o ano, como parte da rotina de imunização. No entanto, o Ministério está incentivando as secretarias de Saúde para que promovam, em parceria com as secretarias de Educação, a vacinação em escolas. “A experiência mundial mostra que, quando combinamos vacinação com ambiente escolar, são alcançadas maiores coberturas”, ressaltou Alexandre Padilha, ministro da Saúde. Cada adolescente deverá tomar três doses para completar a proteção, sendo que a segunda,

seis meses depois da primeira, e a terceira, cinco anos após. Neste ano, serão vacinadas meninas de 11 a 13 anos. Em 2015, a vacina passa a ser oferecida para as adolescentes de nove a 11 anos, e em 2016 às meninas de nove anos. “Esta é a faixa etária em que a vacina tem a melhor resposta. Nesta fase, a pré-adolescente que tomar a vacina vai gerar mais anticorpos para se proteger contra o câncer de colo do útero”, observou Padilha. É um vírus transmitido pelo contato direto com pele ou mucosas infectadas por meio de relação sexual. Também pode ser transmitido da mãe para o filho no momento do parto. O Ministério da Saúde orienta que mulheres na faixa etária dos 25 aos 64 anos façam o exame preventivo, o Papanicolau, anualmente. A vacina não substitui a realização do exame preventivo e nem o uso do preservativo nas relações.

entrar na água, seja para a prática regular de natação ou apenas para momentos de diversão”, explica Rita. O protetor veda o conduto auditivo e impede a entrada de água. A otite não é causada por sujeira ou cera. Portanto, cutucar o local com haste flexível – o cotonete – só prejudica mais. “O objeto pode lesionar as paredes do canal auditivo e o tímpano ou até direcionar a cera para dentro do ouvido, prejudicando sua eliminação natural”, alerta a especialista. A limpeza da parte externa da orelha deve ser feita no banho ou logo depois dele. “Basta enxugar com a toalha ou uma fralda de tecido até onde o Vacina protege contra quatro tipos mais incidentes do HPV dedo alcançar”, conclui.

Assine o Correio Riograndense Informação, cultura, opinião, entretenimento, curiosidades e muito mais Preencha o cupom e envie. Não precisa selar. Basta recortar este cupom e colocar em qualquer caixa de coleta dos correios. A cobrança será feita por boleto bancário.

Assinale a opção de assinatura: □ Via Agente: R$ 135,00 □ Via Correio: R$ 145,00 (endereço na capa - mala direta) □ Carta: R$ 230,00 (dentro de envelope lacrado) E-mail: comercial@jornalcr.com.br - Fone: 54 3220.3232

Nome: _______________________________________ ______________________________________________ Rua: __________________________________________ _____________________________ Nº ______________ Compl.: ____________ Bairro: _____________________ Cidade: ________________________________________ CEP _____________________ Estado _____________ Telefones: ( ) __________________________________ E-mail: ________________________________________

9912326314 - DR/RS

Divulgação/CR

sxc.hu/Correio Riograndense

F OTITE


CORREIO RIOGRANDENSE - Cax

José Graziano, diretor-geral da FAO

10 - Agricu

Pequenos

GIGANTES

Eduardo Aigner/MDA/Divulgação/Correio Riograndense

“A agricultura familiar aglutina a carência e o potencial de milhares de comunidades em que se concentram os segmentos mais frágeis da população”

2014 é o Ano Internacional da Agricultura Familiar. Um reconhecimento ao setor que produz 70% dos alimentos e emprega 40% das famílias do mundo. Maria de Fátima Zanandrea/Correio Riograndense e Aldoir Santos/RedeSul/Rádio Fátima* liar para a segurança alimentar e a produção de alimentos. A agricultura familiar foi eleita tema do ano pelos 193 países membros. A declaração inédita para o setor é resultado do reconhecimento do papel fundamental que esse sistema agropecuário sustentável desempenha para o alcance da segurança alimentar no planeta. “Com esta decisão, a ONU reconhece a importância estratégica da agricultura familiar para a inclusão produtiva”, analisa o ministro do Desenvolvimento Agrário, Pepe Vargas. O diretor-geral da FAO, o brasileiro José Graziano, afirmou que UbirajaraMachado/Div./Correio Riograndense

Tudo isso nessa pequena área! A expressão de admiração foi de uma visitante ao conhecer uma propriedade familiar de menos de três hectares, no interior de Caxias do Sul. Nesse espaço, avistado de um pequeno monte, o agricultor cultiva frutas, cria gado confinado e galinhas poedeiras. Esse modelo é reproduzido em bilhões de empreendimentos rurais em todo o mundo. Não é por acaso que a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (ONU/ FAO) declarou que 2014 é o Ano Internacional da Agricultura Familiar. O objetivo da instituição internacional é sensibilizar governos e sociedade sobre a importância e a contribuição da agricultura fami-

A pequena produção emprega a mão de obra da família

a agricultura familiar, considerada por muitos um passivo, na verdade é um ativo estratégico dessa travessia. “Ela aglutina a carência e o potencial de milhares de comunidades em que se concentram os segmentos mais frágeis da população”, disse. E emendou: “Qualquer ganho na brecha de produtividade aí ampliará substancialmente a disponibilidade de comida na mesa dos mais pobres e de toda a sociedade, reduzindo a dependência em relação a alimentos importados e protegendo a economia da volatilidade das cotações internacionais.” Na avaliação do presidente da Or-

ganização das Cooperativas do Brasil (OCB), Márcio Lopes de Freitas, trata-se de uma declaração importante porque fortalece o modelo da agricultura familiar, tão expressivo dentro do cooperativismo brasileiro. “A exemplo do que ocorreu em 2012, quando os olhos de todo o planeta se voltaram especificamente para as cooperativas – em razão da declaração do Ano Internacional das Cooperativas –, esperamos que em 2014 possamos conquistar mais avanços ainda no que diz respeito ao fortalecimento destas instituições tão preciosas para o desenvolvimento da economia nacional e mundial”, afirmou Freitas. Para a Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag), a iniciativa é

A realidade mundial e a do Brasil Há três bilhões de pessoas que vivem em zonas rurais, cuja maioria se dedica à agricultura ou à pecuária familiar e tem essa produção como principal meio de subsistência. “Porém, possuem acesso limitado à terra e a outros recursos financeiros e tecnológicos para fazer da agricultura familiar uma empresa viável. O documento final da Conferência Mundial de Agricultura Familiar, realizada em outubro do ano passado, intitulado “Alimentar o mundo, cuidar do planeta”, dá conta de que atualmente há 1,5 bilhão de agricultores familiares trabalhando em 404 milhões de unidades rurais de menos de dois hectares; 410 milhões cultivando em colheitas ocultas nos bosques e savanas; de 100 a 200 milhões dedicados ao pastoreio; 100 milhões de pescadores artesanais; 370 milhões em comunidades indígenas, além de mais 800 milhões de pessoas que cultivam

hortas urbanas. No Brasil, a agricultura familiar é hoje responsável por 70% dos alimentos consumidos. De acordo com o Censo Agropecuário de 2006, são fornecidos pela agricultura familiar os principais alimentos consumidos pela população brasileira: 87% da produção nacional de mandioca, 70% da produção de feijão, 46% do milho, 38% do café, 34% do arroz, 58% do leite, 21% do trigo. Ainda possuíam 59% do plantel de suínos, 50% do plantel de aves, 30% dos bovinos. O censo identificou 4,3 milhões de estabelecimentos de agricultores familiares, o que representa 84,4% dos estabelecimentos agropecuários brasileiros. Este segmento produtivo responde por 10% do Produto Interno Bruto, 38% do Valor Bruto da Produção Agropecuária e 74,4% da ocupação de pessoal no meio rural (12,3 milhões de pessoas).

extremamente importante para o combate à fome e à pobreza no mundo e para o desenvolvimento rural sustentável. “Afinal, 70% dos alimentos produzidos são provenientes da agricultura familiar e cerca de 40% das famílias do planeta vivem desta prática”, observa o presidente da entidade, Alberto Broch. Contudo, Broch enumera necessidades para fixar o produtor ao meio. “Quando o agricultor permanece com a sua família no campo, ele é promotor de desenvolvimento. Precisamos oferecer infraestrutura, acesso a serviços básicos e sermos indutores de alternativas de geração de emprego e renda para que as famílias lá vivam com dignidade”, declara.

O que diz a lei nacional Pela lei brasileira (11.326/2006) que trata da agricultura familiar, o produtor familiar está definido como aquele que pratica atividades ou empreendimentos no meio rural, em área de até quatro módulos fiscais, utilizando predominantemente mão de obra da própria família em suas atividades econômicas. A lei abrange também silvicultores, aquicultores, extrativistas e pescadores.


as do Sul, 29 de janeiro de 2014

ultura - 11

“Pequena produção levou 5,3 milhões a ascenderem socialmente e 3,7 milhões a ingressaram na classe média.” Laudemir Müller, ministro interino do MDA

Exemplos bem-sucedidos são resultado do esforço de assentados de Vacaria, nos Campos de Cima da Serra. Os novos moradores cultivam, desde o final da década de 90, pequenas frutas. O projeto começou com a amora preta. Essa foi a senha para que, em seguida, fossem iniciados pomares de mirtilo e framboesa, a maioria em menos de um hectare. Passados mais de 15 anos, os agricultores estão organizados em associação, dividida em três núcleos de produção: Fazenda da Estrela, Sede e Quinto Distrito. Vencidas dificuldades como as de logística e escoamento da safra, os produtores avançam na construção de estruturas de armazenamento, já que o congelamento da fruta permite melhor inserção no mercado, garantindo melhores preços. Outra conquista foi a criação da Associação dos Produtores de Pequenas Frutas (Appefrutas). Hoje são 76 sócios. “A meta ainda é a instalação de uma agroindústria para agregar valor aos produtos, enfatiza o presidente da Appefrutas, Nilson Guerreiro. Um dos sócios é Volcir Zoraski, da capela Fátima, que quase desistiu do cultivo de amora. Repensou o negócio e decidiu retornar à atividade implantando novo pomar com irrigação. Outro é Marcelo Mazzoti, do assentamento Nova

Frei Ismael Sartor/Correio Riograndense

Pequenas frutas melhoram qualidade de vida dos assentados

Produção de pequenas frutas em Vacaria incrementa a renda e diversifica atividade rural Batalha. Em 2014, espera colher em que produz sucos. Os produtores torno de 7.000 quilos de amora. aguardam liberação de recursos para o projeto que prevê a fabricaEstrela - Nos assentamentos da ção de geleias de pequenas frutas Fazenda da Estrela, apenas duas e de uva. Nove famílias são sócias das 39 famílias não produzem da agroindústria. Na propriedade de Dionisio Depequenas frutas. Na comunidade está instalada uma agroindústria lalíbera, a mão de obra é da própria

Meta - A meta para 2014 é investir em tecnologias para o manejo dos pomares, a fim de garantir maior produtividade e qualidade, enfatiza Vargas. A intenção também é agilizar os projetos de irrigação. A produção de pequenas frutas na região serviu também para manter as famílias unidas e no meio rural. Os jovens encontraram fonte de renda que assegura qualidade de vida. A produtora Mercedes Guerreiro é um exemplo. Um dos filhos, Nilson, além de permanecer na propriedade preside a associação, a Appefrutas.

Picada Café readapta o Pronaf Rogério Fernandes/Div./Correio Riograndense

Cultivos orgânicos garantem renda e sustentabilidade A agricultura familiar brasileira avançou e busca a sustentabilidade dos cultivos e o respeito à natureza. Esse tem sido o objetivo da família de Ruben Harff, que reside com a esposa em uma propriedade de sete hectares, na comunidade de Mucker-Eck, em Sapiranga (RS). Morando em um local importante para a história do Estado e até do Brasil, devido à chamada Revolta dos Mucker, a família demonstra que carrega a fibra e a força dos antepassados que moravam na comunidade. Quando começou a produzir, Ruben plantava de forma tradicional, com a aplicação de agrotóxicos, baseado na antiga Cartilha do Agricultor. “Com o tempo ficou complicado manter este sistema. Sempre apareciam novas pragas e fui tomando consciência de que podia produzir de outra maneira”, declara. O produtor começou a utilizar matéria orgânica e a procurar mais conhecimentos sobre ecologia. Há dois anos, foi formado um grupo de produtores orgânicos com apoio da Emater/RS. “Passamos por muitos cursos e aprendi como realmente funcionam as plantas, o solo, a natureza. Percebi que é até questão de lógica, pois o próprio ambiente oferece as condições ideais para produzir. A agricultura orgânica é que deveria ser a convencional, porque é a natural”, diz. A propriedade conta com uma gama bastante diversificada de

família. Ao colher 30 toneladas de amora nesta safra, obteve preço melhor, pois produz de forma orgânica. Já o produtor Joseel Souza instalou uma câmara fria na comunidade para receber a produção daquela região. No Quinto Distrito, Jair Vargas possui estrutura seme-

lhante; e na propriedade de Valderi Borges Maciel foi construído um túnel de congelamento e um contêiner. Os investimentos somam R$ 150 mil, em parceria com o Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Vacaria e Muitos Capões. O empreendimento tem a parceria de sete produtores rurais. Vargas foi um dos pioneiros na implantação de amora, na capela Santa Luzia. Ainda cultiva framboesa, mirtilo e morango. Na propriedade localizada no Passo da Porteira, o fruticultor Irineu Bortolotto também investiu em estrutura de armazenagem. E foi além: decidiu implantar um viveiro de mudas de mirtilo, atendendo as necessidades do grupo.

O município de Picada Café, na Serra gaúcha, inovou ao desvincular o produtor do Progama Nacional da Agricultura Familiar (Pronaf)) para agilizar trabalhos na agropecuária. “Com isso, desburocratizamos o atendimento”, defende o secretário municipal de Meio Ambiente e Agricultura, Elígio Adams. As ações da Prefeitura são voltadas para incrementar a renda

e facilitar a vida no meio rural. Uma delas auxilia os agricultores com o uso de máquinas sem ônus ao produtor. “Vamos fazer com que os agricultores permaneçam no campo com qualidade de vida”, frisa. Para isso, segundo a prefeita Cláudia Schenkel, o poder público subsidia compra de sementes, de adubos e mudas, além de participar de outras atividades praticadas na área rural.

Produção eleva a renda no interior Ruben Harff (D), de Sapiranga, dispensou os agrotóxicos produtos, como alface, rúcula, radicci, salsa, espinafre, tomate, frutas cítricas, banana, abacate, entre outros. “O consumidor deve se conscientizar mais sobre os orgânicos, que são alimentos mais saborosos, saudáveis e nutritivos, além de produzidos em harmonia com a natureza”, comenta. A questão financeira também acabou melhorando para a família Harff. “Consegui diminuir os gastos da produção, pois utilizo o que existe na propriedade, e também vendo tudo o que produzo”, ressalta.

O fato ocorreu no final do século XIX. Os Muckers formavam um grupo de imigrantes alemães envolvidos em um movimento messiânico liderado por Jacobina Mentz Maurer e seu marido, o curador João Maurer. Acirrados por profecias religiosas e indignados com as péssimas condições de vida da comunidade, os Mucker entram em confronto com forças policiais. Depois de dois confrontos, em 2 de agosto de 1874, os soldados chegaram ao morro Ferrabrás, onde Jacobina se escondia com o História - Foi na comunida- seus seguidores. Ali promoveram de de Mucker-Eck que ocorreu um massacre. E poucos Muckers a chamada Revolta dos Mucker. sobreviveram.

A agricultura familiar ganha este ano espaço impar. “O Brasil é referência em políticas públicas de incentivo à produção de alimentos. “A produção em pequenas áreas impulsiona o desenvolvimento, distribui melhor a renda e amplia os direitos”, opina o ministro interino do Desenvolvimento Agrário (MDA), Laudemir Müller - o titular é o gaúcho Pepe Vargas. Segundo Müller, essa estratégia levou 5,3 milhões de brasileiros a ascenderem socialmente e 3,7 milhões de

pessoas a ingressaram na classe média. “Isso trouxe aumento real de renda de 52% na agricultura familiar no período de 2003 a 2011”, salienta em entrevista ao CR. Além de ser responsável pela segurança alimentar, a produção familiar é fundamental para a política econômica. “Temos mais de R$ 40 bilhões investidos no Pronaf”, observa. Grande parte destes recursos se transforma em compra de equipamentos e estruturas, o que dinamiza a economia e gera empregos na indústria.

* Matéria produzida numa parceria entre Signis Brasil, Jornal Correio Riograndense e revista Família Cristã


CORREIO RIOGRANDENSE - Caxias do Sul, 29 de janeiro de 2014

12 - Agricultura F SOJA

Da Terra

A prática da adubação nitrogenada, seja na semeadura ou em qualquer outra fase do desenvolvimento da soja, é desnecessária. O alerta é feito aos produtores por pesquisadores das equipes da Embrapa Cerrados e da Embrapa Soja. Desde o início da expansão do cultivo da soja, na década de 70, houve o temor, por parte dos agricultores, de que somente a inoculação não fosse suficiente para suprir todo o nitrogênio necessário para se alcançar boa produtividade. As pesquisas realizadas na década de 80 demonstraram que, utilizando-se inoculante de boa qualidade, a prática da adubação nitrogenada na semeadura da soja era totalmente desnecessária. “Esses resultados foram confirmados na década de 90 quando a expansão do sistema de plantio direto voltou a gerar dúvidas com relação a possíveis problemas relacionados à imobilização do nitrogênio mineral do solo e/ou à competição inicial com ervas espontâneas”, explicam as pesquisadoras Ieda Mendes e Mariangela Hungria. Mais recentemente, a questão da necessidade de adubação suplementar com nitrogênio na cultura voltou a ser objeto da atenção dos pesquisadores. O Comitê Estratégico Soja Brasil (Cesb) coordenou na safra 2012/2013 protocolo de pesquisa visando avaliar a adubação nitrogenada (lanço e foliar) na fase de enchimento de grãos da soja (R5.3). Foram desenvolvidos

Fotos Divulgação/CR

Cultivo do grão dispensa adubação nitrogenada

51 experimentos nas principais regiões produtoras para avaliar efeito da suplementação com ureia (líquida e granulada) no estágio reprodutivo sobre o rendimento da soja. “Em 98% dos experimentos, foi avaliada a inviabilidade da aplicação de nitrogênio”, constataram. “No Brasil, graças ao processo de fixação biológica de nitrogênio, a inoculação substitui totalmente a necessidade do uso de adubos nitrogenados nas lavouras de soja. O inoculante contém bactérias selecionadas do gênero Bradyrhizobium que, quando associadas às

plantio a dose recomendada é o dobro da dose normal. Quando o inoculante é turfoso verifica-se que as sementes bem inoculadas ficam recobertas por uma camada fina e uniforme de inoculante. Após a inoculação, as sementes devem ser secas à sombra e semeadas em no máximo 24 horas, desde que fiquem protegidas do

F SARANDI

raízes de soja, conseguem conver- 1,7 bilhão nos aproximadamente ter o nitrogênio da atmosfera em 30 milhões de hectares cultivados compostos nitrogenados, que serão com soja em 2013. Destaca-se também o benefício utilizados pela planta”, afirma Ieda. ambiental ao deixar de usar os aduEconomia - A substituição dos bos nitrogenados industrializados. fertilizantes nitrogenados indus- Como cerca de 50% dos adubos triais pela inoculação da soja com nitrogenados aplicados ao solo são bactérias proporciona grande perdidos por processos como a lixieconomia. De acordo com os pes- viação, desnitrificação e volatilizaquisadores, o uso de apenas 20 kg ção, esses fertilizantes causam a pode N/ha, na forma de ureia (equi- luição de mananciais hídricos (rios, valente a 42 kg desse adubo), na lagos, lençóis freáticos) e a redução soja cultivada no Brasil resultaria da camada de ozônio que envolve em custo adicional de cerca de R$ o planeta, contribuindo consequen62,50 por hectare, totalizando R$ temente para o aquecimento global.

sol e umidade. Caso isso não seja possível, deve-se repetir a inoculação no dia do plantio. Também é muito importante que o produtor atente para o fato de que o inoculante não pode ser misturado com os fungicidas e micronutrientes, pois os mesmos são, em maior ou menor grau, tóxicos para as bactérias.

Primeiro deve-se fazer o tratamento de sementes com fungicidas e micronutrientes e só depois fazer a inoculação. No caso de sementes tratadas com fungicidas e inoculadas, a semeadura deve ser efetuada em no máximo 12 horas. Caso isso não seja possível, as sementes devem ser inoculadas novamente.

F COOPAVEL

Cooperativas definem calendário O planejamento e o calendário foram definidos durante o Fórum Regional do Cooperativismo, envolvendo as regiões do Médio Alto Uruguai e Rio da Várzea gaúchas. O evento, reali-

O engenheiro agrônomo João Marcelo Intini (foto) é o novo diretor da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Intini foi nomeado pela presidente, Dilma Rousseff, na quarta 22, para ocupar o cargo de Sílvio Porto. Intini é natural de São Paulo e graduado pela Universidade Federal de São Paulo.

Em 98% dos experimentos, foi confirmada a inviabilidade da aplicação de nitrogênio

Agricultor precisa seguir recomendações para fazer a inoculação O agricultor precisa seguir algumas recomendações ao fazer o processo de inoculação da soja. Toda a operação deve ser feita à sombra ou nas horas mais frescas do dia (pela manhã ou à noite), conforme as indicações de dosagem e aplicação fornecidas pelo fabricante do inoculante. Em solos de primeiro ano de

Novo diretor da Conab

zado em Sarandi, aconteceu juntamente com a Feira da Uva e da Agroindústria Familiar, na sede da Cooperativa de Produção da Agricultura Familiar de Sarandi (Coopafs), na sexta 17.

Próximos encontros serão em abril, julho e novembro

Show Rural exibe novidades rurais As novidades para a agricultura brasileira estarão no Show Rural Coopavel, evento eminentemente tecnológico que ocorre de 3 a 7 de fevereiro, em Cascavel (PR). A promoção é da Co-

opavel Cooperativa Agroindustrial. O Show acontece em área de 72 hectares, onde as principais empresas mundiais de pesquisa e de equipamentos lançam novos produtos e tecnologias.

Demonstrações técnicas ocorrem no parque de 72 hectares

Intini, diretor da Conab Carne/gado/exportações

Superando as expectativas para o ano de 2013, as exportações de carne bovina brasileiras atingiram a marca de US$ 6,6 bilhões - crescimento de 13,9% em comparação com os US$ 5,8 bilhões do ano anterior - e volume de 1,5 milhão de toneladas (marca 19,4% superior a 2012). Assistência/produtor/uva Para desenvolver a vitivinicultura de forma integrada, Secretaria da Agricultura e Emater assinaram na quinta-feira 16, em Jaguari, convênio para capacitação de 600 famílias do Vale do Jaguari, Quarta Colônia, Alto Uruguai, Centro Serra e Planalto. Com recursos do Fundo de Desenvolvimento da Vitivinicultura (Fundovitis) da ordem de R$ 2,2 milhões, elas vão receber durante dois anos conhecimentos sobre nutrição de plantas, manejo do solo e de videiras, poda, controle de pragas, doenças, ponto de colheita, qualidade da uva para consumo e industrialização. Viticultor de Chapadão

Dez engenheiros agrônomos contratados pela Emater serão responsáveis por acompanhar propriedades como a de Sérgio Dalla Valle, da região de Chapadão, no interior de Jaguari, na região Central do Estado. Aos 60 anos, dedicado à tradição herdada dos avós de cultivar uvas, tem uma cantina e 15 hectares onde planta uvas para fabricação de vinhos de mesa e seco.


CORREIO RIOGRANDENSE - Caxias do Sul, 29 de janeiro de 2014

“Como toda atividade humana, a atividade científica também deve obedecer a critérios éticos, sob o controle da coletividade, para não se desumanizar.” Frei Adelino Pilonetto

13 - Teologia

F CURSO A DISTÂNCIA

Respostas do terceiro módulo

Referem-se às lições sobre Bioética e foram elaboradas por frei Adelino Pilonetto As questões propostas são geralmente bastante abertas, dando lugar a respostas um tanto livres e criativas, sem fugir da objetividade. Tais respostas têm a seguinte direção. Lição 1 1) De que se ocupa a Bioética? Ocupa-se da vida, especialmente da vida humana, enquanto precisa ser preservada em sua dignidade diante das tecnologias inovadoras da biociência e da medicina. Estas tecnologias podem trazer imensos benefícios à saúde do povo, mas também podem comprometê-la seriamente. A bioética surgiu para garantir que tais avanços concorram para a saúde de todos, no respeito à dignidade de cada pessoa, e não sejam desviados por interesses que fazem da saúde um campo de comércio. 2) Qual o contexto de onde ela surge? A bioética surge do contexto científico, dado que este setor, atualmente, concentra enorme poder, dando lugar, ao mesmo tempo, a grandes sonhos e a grandes temores. O que impõe a necessidade de critérios éticos que avalizem os procedimentos conforme a justiça e em favor da humanidade. 3) Onde a bioética precisa estar presente? Sobretudo nos ambientes onde se fazem as pesquisas e as experiências, nos laboratórios e hospitais, e ainda na política, onde se tomam as decisões que garantem ou comprometem os direitos dos cidadãos, num tratamento solidário e justo.

partes do genoma humano, sendo ele patrimônio da Humanidade? De forma alguma. Todo conhecimento relativo ao patrimônio biológico humano, quer vindo do passado ou conquistado pela ciência recente, é patrimônio comum a ser administrado em proveito de todos, não uma mercadoria, objeto de apropriação com fins lucrativos. Procedimento contrário não seria ético, mas indigno.

próprios embriões humanos que ficam impedidos de nascer. 3) Alguém do seu meio já doou ou recebeu sangue? O sentido da pergunta é de estimular o gesto da doação de sangue, que é benéfico para quem o faz e para quem o recebe. Se alguém ainda nunca doou sangue, está certamente em atraso. Lição 5 1) Comente as discriminações existentes no campo da saúde. De novo, é o convite instigador a olhar a realidade da própria região e a partilhar o que nela se percebe, tendo em vista as possíveis superações. O Papa Francisco personifica exemplarmente o convite a superar a indiferença face aos migrantes, aos pobres, aos velhos... É óbvio que os ricos têm acesso fácil aos recursos da saúde, enquanto os pobres precisam de infinita paciência para ser atendidos. É onde há maior necessidade que se deve investir na saúde, não onde há maior retorno econômico. 2) Que medidas poderiam reduzir essas discriminações? As políticas públicas têm um papel importante a desempenhar, mas sem a consciência crítica da população, a política atola. 3) Qual a diferença entre os dois tipos de bioética acima mencionados? Um refere-se às pontas mais avançadas da medicina (primeiro mundo); outro refere-se ao alargamento dos atendimentos, visando incluir a todos, com um patamar mínimo de humanidade.

Lição 3 1) Tem a ciência direito de fazer tudo o que é capaz de fazer? Explique. A ciência aliada à tecnologia é capaz de coisas contraditórias, que vão do ótimo ao péssimo. Como toda atividade humana, a atividade científica também deve obedecer a critérios éticos, sob o controle da coletividade, que é o jeito para não se desumanizar. Se a ciência é capaz de produzir armas químicas para destruir populações inteiras, nem por isso tem o direito de fazê-lo. 2) Parece-lhe ético fazer clonagem com seres humanos? Claro que não. Seria o máximo da manipulação humana, intervindo em pessoas sem o consentimento delas e sem qualquer ganho pessoal para as mesmas, na experiência de que são objeto. 3) De quais inovações biomédicas você experimentou algum benefício?Aqui, trata-se de um convite a partilhar o que já pode estar acontecendo numa população. Muitos procedimentos médicos, hoje, salvam pessoas da morte em casos que, no passado, eram Lição 2 fatais. A consciência comum parLição 6 1) Quais, no seu entender, as ticipativa contribui para a saúde qualidades humanas mais carac- pública e incentiva os cidadãos a 1) Por que se deve respeito ao terísticas? Em primeiro lugar, fazerem uso dos meios existentes. embrião humano? Porque, mesa capacidade de amar, de ser mo não sendo ainda pessoa em Lição 4 fraterno e solidário, justo e, deplenitude, tem todas potencialida1) Conhece alguém que se be- des para sê-lo e já está a caminho veras, “humano”. A capacidade de ser livre e responsável é igual- neficiou de algum transplante? É, dessa meta; ele faz parte do filão mente importante. A inteligência de novo, o convite a olhar para a humano e tem dignidade pessoal, e a vontade são fundamentais, realidade ao nosso redor e a par- não pode ser tratado como meio desde que colocadas a serviço tilhá-la, pois isso ajuda a perce- para outros fins. É bom lembrar do amor e da solidariedade, mas ber as possibilidades disponíveis que todos fomos um dia embriões isto também pode não acontecer. e encoraja a utilizá-las. - e por sorte fomos respeitados. 2) Que esperanças e temores 2) Será coerente condenar o A qualidade mais humana - e desperta a pesquisa com células- aborto sem preocupar-se com a mais divina - é o amor. 2) Como impedir que informa- tronco? A pesquisa com células- gestante? De forma alguma, são ções genéticas humanas sejam tronco desperta esperanças de duas vidas entrelaçadas que deusadas em prejuízo de indivíduos, cura para doenças ainda incu- pendem uma da outra, as duas famílias, grupos? Antes de tudo, ráveis, como o mal de Alzhei- são importantes e, como diz o tomando conhecimento de que mer e outras, que têm sua base Papa Francisco, as duas precitais possibilidades técnicas com em tecidos lesionados que não sam ser protegidas. 3) Que princípios éticos podem seus riscos desastrosos realmen- conseguem se refazer: esperate existem. Essa questão precisa se das células-tronco essa ação iluminar as intervenções no coser conversada, debatida para se regenerativa (mas ainda estamos meço da vida? Quanto mais nos formar uma consciência crítica e nos ensaios iniciais). Quanto afastamos dos processos naturais vigilante. Por fim, cabe à política aos temores, destaca-se o risco intervindo com tecnologias, tanto um papel insubstituível no sentido de utilizar abusivamente células mais aumenta a responsabilidade de garantir leis adequadas. embrionárias para socorrer ou- humana, devendo cada intervenção 3) Parece-lhe correto patentear tros indivíduos, em prejuízo dos ser avaliada com critérios éticos.

Lição 7 1) Quais os elementos de uma boa saúde? São muitos, entre eles: o bem-estar físico, mental, social e espiritual; a capacidade de reagir a situações adversas e de conviver com as que não podem ser superadas; o sentido de vida também conta, bem como uma boa convivência. 2) Como se caracteriza a saúde preventiva? Consiste nas medidas que impedem a doença de chegar: alimentação sadia, saneamento básico, higiene pessoal, água de qualidade, habitação digna, convivência respeitosa, educação, trabalho, esporte, sem esquecer uma espiritualidade sadia, boa relação com a natureza aliada ao sentimento de justiça, solidariedade e paz. 3) Por qual porta a doença costuma entrar em sua região? É importante que a população se dê conta dos riscos que a saúde enfrenta na própria localidade, a fim de atacá-los com medidas correspondentes. Quem tem um corte no pé, não adianta botar o esparadrapo no nariz. Ademais, a ajuda mútua soma pontos. Lição 8 1) Que contradições percebemos em relação à longevidade? Quer-se viver uma vida longa, e tem-se desapreço pelo idoso. O próprio idoso não assume sua idade com realismo, bom humor e espiritualidade. Sem cultivo adequado, a vida é insossa em qualquer idade. A vida não se reduz ao “biológico”, ela tem de ser “humana”. De certas pessoas se diz: “como ela é humana!”. Este é um elogio que todos deveríamos merecer. 2) A pessoa idosa tem uma grande obra a concluir, como caracterizá-la? Trata-se de levar a termo a própria maturação, para não ser colhida “verde”. Fruta verde, obra inacabada é sempre algo sem graça. 3) Toda pessoa precisa cultivarse; e o cultivo do ancião passa por atitudes próprias. Quais? Ele precisa cultivar a gratidão, o desprendimento, o bom humor, a esperança... precisa elaborar as perdas, integrar as sombras, viver profundamente o perdão, cultivar o amor, a afeição, a bondade. Lição 9 1) Tem a medicina algo a fazer com o portador de doença incurável? Claro que sim, é ajudar a pessoa a viver até o fim sua vida da forma mais plena e humana. Aliviar seus sofrimentos, ajudá-la a perceber que não está sozinha,

favorecer sua lucidez, e ajudá-la a dar o passo da entrega final, que também implica a fé. Grande graça é começar bem a vida, graça maior é continuá-la bem, mas a graça das graças é vivê-la bem até o fim. 2) O que são e a quem se destinam os cuidados paliativos? São procedimentos destinados a aliviar a dor física e o desconforto psicológico e espiritual das pessoas com enfermidades avançadas e incuráveis. A vocação da medicina não é apenas curar, mas também ajudar a pessoa viver com sentido e dignidade seus últimos dias. A espiritualidade tem nessa fase significado muito especial. 3) Faz algum sentido estar junto ao enfermo? Com que atitudes? Faz sentido, pois o enfermo geralmente precisa sentir que não está só. A presença - afetiva, solidária, serena, portadora de fé - lhe faz bem; não assim a presença inoportuna, falante que não sabe respeitar o momento vivido pelo enfermo. Lição 10 1) Perdeu-se a naturalidade no trato com a morte: como entender esta afirmação? É como se a morte não fizesse parte do ser humano e passa a ser considerada como “tabu”: procura-se desconhecê-la e até parece que se quer encontrá-la de costas. Os tabus que antigamente acompanhavam o começo da vida foram deslocados agora para o final, como se fosse um grande avanço! Tudo que é humano merece ser tratado humanamente, sem fazer tabus. 2) Quais as atitudes típicas do doente terminal, e que proveito pode haver em conhecê-las? O doente terminal passa por momentos diversos, que é importante saber respeitar: negação, raiva, depressão, negociação, aceitação. É preciso certo tato para perceber o momento do silêncio, da palavra, do convite à oração... 3) Em que sentido pode-se falar de “elegância no despedirse”? Partilhar experiências dessa despedida. Francisco de Assis é o exemplo maior de elegância no despedir-se da vida: acolhe a morte com boas vindas e a chama de irmã, abençoa Assis, cidade natal, abençoa os frades presentes e futuros, louva a Deus por tudo, inclusive pela irmã morte... Mas são tantas as mortes que merecem ser lembradas: pela serenidade da acolhida, pela naturalidade da preparação, pela fé da partida... Por que não conversar com naturalidade sobre essas experiências de despedida? Ah, esse misterioso voo, que só faremos uma vez!


CORREIO RIOGRANDENSE - Caxias do Sul, 29 de janeiro de 2014

“Em nossa relação de amigos sempre temos flores nos olhos para sorrir... e aves na alma para sempre voar e amar ao infinito.” Frei Sylvio Dall’Agnol, autor de As flores e as aves falam...

F LEITURA

14 - Geral

Feira do Polo Naval As empresas dos segmentos automotivo, eletroeletrônico e metalmecânico de Caxias do Sul e região, que integram a cadeia do Arranjo Produtivo Local (APL) do setor, terão uma excelente oportunidade de conhecer e prospectar negócios na 3ª edição da Feira do Polo Naval, que ocorre de 11 a 14 de março de 2014 em Rio Grande. Os promo-

ro, Edições Loyola e Paulus, 40 págs.) Neste livreto, Spadaro, diretor da revista La Civiltà Cattolica, reúne respostas do atual Papa a uma entrevista feita pelo autor em agosto de 2013, que vão desde a explicação de quem é Jorge Bergoglio até o modo como ele gosta de rezar.

Soprano Utilidades Aproveitando o ano da Copa do Mundo, a Soprano Utilidades está lançando sua Linha Brasil de produtos, inspirada nas cores verde, amarelo e azul, da Bandeira Nacional, e símbolos brasileiros como a estátua do Cristo Redentor e a araucária. São nove itens com design moderno e criativo, desenvolvidos especialmente para trazer mais conforto na hora de assistir os jogos do Mundial. Destaques para a caixa térmica 28 litros, Cooler 20 litros, porta garrafa, porta lata, caneco térmico com gel 400 ml e caneca Illusion 400 ml.

Rota de colisão - A cidade, o trânsito e você. (De Eduardo Biavati e Heloísa Martins, Berlendis & Vertecchia Editores, 96 págs.). A obra traz uma inovadora reflexão sobre a sociedade, a cidadania e a vida nas cidades, considerando como ponto de partida o trânsito.

Linha Brasil da Soprano

Em relação com o mundo Livro propõe a reflexão e oração através das criaturas

As flores e as aves falam... - (de frei Sylvio Giocondo Dall’Agnol, editora São Miguel, 152 págs.). O novo livro de frei Sylvio, capuchinho que já escreveu dezenas de obras, é um livro místico, de grande praticidade no cultivo da oração, da contemplação e também em vivenciar as relações ecológicas e fraternas. O autor destaca que a vida é feita de relações, com as outras pessoas, com Deus, com a natureza, com as aves, com as flores... O livro propõe a reflexão e oração, a glória e o louvor a Deus, junto com todas as criaturas e os elementos da natureza. Obra pode ser encontrada nas Livrarias Vozes e Paulus ou no Muscap e na Livraria São Miguel, em Caxias do Sul. Você vai sair dessa! (de Max Lucado, Thomas Nelson Brasil, 206 págs.). Escritor e pastor evangélico americano, Max Lucado mostra, neste livro, que Deus traçou um plano de vitória para seus filhos. “Deus está a seu lado, mesmo quando os problemas parecem não ter solução”, afirma o autor. Lucado recorda, porém, que Deus

nunca prometeu que superar as adversidades seria fácil, rápido, sem dor, mas deixou o Espírito Santo para que possamos atravessar os momentos de dificuldade e turbulência. O poder reconfortador de Deus conforta e fortalece. Segure em sua mão e caminhe com Ele. O mel de Ocara - Ler, viajar, comer. (de Ignácio de Loyola Brandão, Global Editora, 232 págs.). Neste livro, estão facetas desconhecidas de um Brasil que Loyola vem descobrindo e revelando aos seus leitores nos últimos anos. Paisagens diferentes, comidas diversas, formas de falar e se expressar, próprias de cada cidade, que mostram a vastidão do nosso país. Nas crônicas, Loyola apresenta suas impressões de viagens (em 2012 percorreu 46 cidades brasileiras), deliciando-se com o que vê e prova e com a relação humana que trava com todos que encontra em seu caminho.

Organize e simplifique a sua vida. (De Kathi Lipp, Thomas Nelson Brasil, 224 págs.). A autora consegue provar que toda mulher pode organizar a vida e a casa sem se submeter a programas e métodos exagerados e cansativos. Trabalhando a partir dos próprios hábitos femininos, Lipp Entrevista exclusiva do Papa apresenta 21 projetos simples, inFrancisco ao padre Antonio teligentes e divertidos para tornar Spadaro. (de Antonio Spada- a casa um verdadeiro lar.

Morre agente do CR em Tunápolis Alois Kirchner, que durante décadas foi agente do Correio Riograndense, faleceu no dia 2 de dezembro de 2013, aos 93 anos de idade. Filho de Kaspar e Maria Kirchner, Alois nasceu no dia 12 de abril de 1920 na comunidade de Eben in Pongau, Salsburgo, Áustria. Emigrou com a família – o pai e quatro irmãos (a mãe faleceu 1929) – em 1932, estabelecendo-se em uma gruta às margens do rio Macaco Branco, na comunidade de Linha Pres. Becker, em Itapiranga (SC), sendo a primeira família imigrante do município. Em 1945 casou-se com Elisabeta Alles, falecida em 1999, com quem teve os fi-

lhos Maria Helena (que assumiu como agente do CR no lugar do pai), ir. Sofia, Francisco Estevão, Miguel, Jacin-

ta, José, Maria Lúcia, Roque, Ana e João Caetano, que lhe deram 20 netos e sete bisnetos. Dos filhos, três moram em Tunápolis, outros no PR e RS e dois na Suíça e Áustria. Alois era agricultor e apicultor. As abelhas eram seu hobby preferido. Também gostava de pescar e viajar. Participava ativamente em organizações sociais, na comunidade e na pastoral da Saúde. Ajudou a fundar e atuou em diversas associações, clubes e movimentos. Era fascinado por boas leituras, incluindo a Bíblia e o CR. Homem de intensa oração, cumpriu sua missão cristã em casa, com a família e na comunidade.

Estrada do Sabor A rota turística de Garibaldi, Estrada do Sabor, está com nova diretoria. Para a gestão 2014/2015, assume a presidência Vilmar Bettú, tendo como vice Salete Arruda, secretária Odete Bettú Lazzari e tesoureiro Samuel Brugalli. Em dezembro, a Estrada do Sabor conquistou o “I Prêmio de Inovação do Turismo RS”, promovido pela Secretaria Estadual de Turismo. SAE Brasil 2014 Astor Schmitt, conselheiro das empresas Randon, será o presidente do Congresso SAE Brasil 2014. O evento será realizado de 30 de setembro a 2 de outubro, no Expo Center Norte, em São Paulo.

Fotos Div./CR

Panorama

Divulgação no Simecs tores da feira estiveram na sede do Simecs, em Caxias do Sul, na quarta 22, divulgando o evento. Coopercentral Aurora A empresa catarinense responde por 60% dos embarques brasileiros de carne suína para o Japão. De julho a dezembro, foram 125 toneladas e até o final de janeiro serão mais 75. A participação brasileira ainda é pequena, mas deverá crescer nos próximos meses. O Japão importa cerca de 1,2 milhão de toneladas de carne suína por ano.

Intral Pesquisa realizada pela revista Eletricidade Moderna junto a lojas especializadas de todo o Brasil apontou a Intral como marca de luminárias fluorescentes, reatores e transformadores mais vendida de 2013. Agrale em Bogotá Foram entregues em janeiro as primeiras oito unidades, de um total de 161 novos ônibus urbanos, adquiridos pela ETB, de Bogotá, Colômbia.

Naturale A Naturale, de Lagoa Vermelha (RS), está expandindo sua unidade fabril com a aquisição de maquinário para criação de mais uma linha de fabricação de barras de cereais, que permitirá à empresa duplicar a produção. Parte do aumento da produção foi impulsionada pelo lançamento das barras de cereais com sabores inéditos: 7 Grãos, Granola, Doce de Leite com Cobertura de Chocolate e Doce de Leite.

Bodas de Ouro Luiz Roque Falcade e Ilia Soccol Falcade comemoraram 50 anos de casamento no dia 26 de janeiro de 2014. Os filhos Juraci, Rosane, Valdir, Eliane e Volnei prestaram homenagem a seus pais, com missa de ação de graças na Igreja Matriz de Cotiporã (RS). Após, foi servido almoço na comunidade da capela de São Vicente, onde residem Luiz e Ilia. “Obrigado pai e mãe por tudo o que fizeram por nós.” Que Deus e a Virgem Maria os abençõe com uma vida longa e feliz.


CORREIO RIOGRANDENSE - Caxias do Sul, 29 de janeiro de 2014

15 - Geral Loterias LOTERIA FEDERAL 25/01/2014

1º ........................ 57.851 2º ........................ 75.072 3º ........................ 81.646 4º ........................ 83.304 5º ........................ 16.514

QUINA

Concurso 3395

10 - 25 - 31 - 41 - 76 Concurso 3396

24 - 32 - 44 - 63 - 71 Concurso 3397

24 - 38 - 60 - 77 - 78 Concurso 3398

38 - 50 - 54 - 57 - 64 Concurso 3399

23 - 42 - 55 - 64 - 75 Concurso 3400

28 - 39 - 43 - 57 - 63 LOTOFÁCIL Concurso 1008

01 - 03 - 06 - 07 - 08 09 - 10 - 12 - 13 - 16 17 - 18 - 19 - 21 - 22 Concurso 1009

02 - 04 - 06 - 09 - 10 11 - 12 - 14 - 15 - 17 18 - 19 - 20 - 22 - 24 Concurso 1010

01 - 02 - 04 - 06 - 08 10 - 11 - 13 - 14 - 15 16 - 19 - 21 - 22 - 23 MEGA-SENA Concurso 1567

02 - 15 - 30 - 38 - 48 - 53 Concurso 1568

19 - 24 - 25 - 28 - 42 - 58

LOTOMANIA

Concurso 1421

05 - 07 - 13 - 16 - 18 - 19 - 21 22 - 29 - 31 - 37 - 52 - 55 - 57 65 - 66 - 71 - 73 - 90 - 95

Encontro de Gerações

Coluna do Agente Curso de Teologia a Distância Estão abertas, desde o início do ano, as inscrições para a 10ª edição do Curso de Teologia a Distância. Neste ano, os temas que serão abordados nos três módulos são: Evangelho de Mateus (9/4 a 18/6), Eclesiologia (25/6 a 03/9) e Família (10/9 a 19/11). Inscrições podem ser feitas até 30 de maio pelo e-mail extensao@estef.edu.br, por fax (51) 3217.4567 ou pelo correio (Estef, Rua Tomaz Edson, 212 CEP 90640-000 Porto Alegre-RS). O Departamento de Circulação vai enviar aos agentes folhetos

com as orientações para a edição de 2014. A participação e o apoio dos agentes foram importantes para o sucesso do curso. Por isso, ao receberem o material, motivem as pessoas a participarem. Entreguem o folheto a professores, agentes de pastoral, catequistas, religiosos/as e outras pessoas. Solicitem apoio do pároco, na divulgação. É uma bela missão e as pessoas poderão aprofundar seus conhecimentos sobre temas importantes para a vida espiritual e para o dia a dia.

CASAMENTOS

1 - MARCELO MENEGUZZI E DIANE BONATTO SILVEIRA. 2 - LUIZ ANDRÉ PAGNO E ESTER MARTIN FAGUNDES. 3 - LEANDRO DA SILVA GRÁS E ROSENILDA DA SILVA JACINTO. 4 - RONALDO DIOUSER ALLMER E VANESSA STEDILE DA SILVA. 5 - ALEXANDRO BAUMGARTEN E LILIANE CAROLINA DA SILVA. Se alguém souber de algum impedimento, oponha-o no prazo e na forma da lei. Caxias do Sul, 22 de janeiro de 2014

CASAMENTOS

Rua Alfredo Chaves, nº 557 - Fone: 3221.7645 CARLOS ALBERTO FRAINER - Registrador PELO REGISTRO CIVIL DE PESSOAS NATURAIS E DE INTERDIÇÕES E TUTELAS DA 2ª ZONA DESTA CIDADE, HABILITARAM-SE PARA CASAR AS SEGUINTES PESSOAS: Editais nº 31.295 á 31.309 - ANDRE LUIZ AIRES MIRALHA E ÂNGELA MARIA MOREIRA VIEIRA - ALEXANDRE RIBEIRO DA SILVA E LAURISETE KAHLER BOEIRA - ANDRE VILLA E ELIANE RODRIGUES OPPITZ - WALTER BONFÁ E LOURENÇO BENETTI - GERMANO JOSÉ CANALLI E ANA VENTURINI - ELVIS GUTIERRE LOPES E JÉSSICA DA ROCHA XAVIER - JOÃO MARIA DA LUZ BATISTA E IVONETE DE FÁTIMA BETTES - HIRTON SIQUEIRA NETO E SUELLEN SALERNO REIMANN - CARLOS ANDRE MELO DOS SANTOS E ANDRÉIA LEMOS DE MORAES - LAURENCE CRESTANI TASCA E DAIANE GABERT VIERO - JOELMIR CRUZ DOS SANTOS E GABRIELA DOS SANTOS - DARLAN ACKERMANN E FRANCIELE STECKER MOSTARDEIRO - RENATO CERBINO SILVA E SARAH REGINA MOURA DUARTE - ANDRÉ AMARAL DOS SANTOS E MICHELE MELISA FOCHESATTO - ALEX JÚNIOR DE LIMA E RAQUEL DE MOURA

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL - ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PODER JUDICIÁRIO - COMARCA DE CAXIAS DO SUL SERVIÇO DE REGISTRO CIVIL DAS PESSOAS NATURAIS DA 1ª ZONA

CASAMENTOS

Fone: 3226-7980 ROBERTO RUSCHEL DA SILVA - Oficial Registrador. FAZ SABER, que por este Serviço, habilitaram-se ao casamento as seguintes pessoas:

CINCO GERAÇÕES

Dia 11 de janeiro de 2014, celebrou Bodas de Ouro o casal Aristides Colombo e Odila Borsoi Colombo. A missa de ação de graças ocorreu na igreja matriz S. C. de Jesus de Farroupilha. O casal tem 4 filhos: Gilberto, Roberto, Maristela e Luciano; as noras Rosemeri, Ângela, Viviam e o genro Elio José; 5 netos: Larissa, Liana, Lucas, Geovana e Guilherme. Há mais de 50 anos Aristides é assinante do Correio Riograndense, que por muitos anos foi o único meio de organizar as liturgias na comunidade N. S. do Rosário de Pompeia, da paróquia de Carlos Barbosa. O casal ainda coordena a Pastoral Familiar da Paróquia S. C. de Jesus de Farroupilha-RS. Parabéns ao querido casal!

REGISTRO CIVIL DE ANA RECH - CAXIAS DO SUL-RS BR116, km 147, nº 15.999 - CEP 95059-520 Caxias do Sul-RS - Fone: (54) 3238.1111 Cláudio Klering - oficial Emerson Roberto Klering - oficial substituto Comunica que pretendem contrair matrimônio as seguintes pessoas: EDITAIS: 6026/009 até 6030/013

Caxias do Sul, 27 de Janeiro de 2014

Família de Dionísio Tres (in memoriam) e Amélia Taffarel Tres. Da direita para a esquerda: Amélia Taffarel Tres, a filha Leonides Tres Bozi, a neta Marivete Tres Bozi, o bisneto Rudinei Bozi Moreira e o trineto Vitor Moreira. Amélia e a filha Leonides residem na cidade de Pinhal (RS), enquanto a neta Marivete, o bisneto Rudinei e o trineto Vítor residem em Arroio dos Ratos (RS). Parabéns e saúde a todos!

BODAS DE OURO

(Editais nº 27.440 ao 27.555) - Eduardo Trentin e Mônica Ariela Mass - Edemar João Todescatto e Rosi Mari Ferreira Borges - Márcio de Azambuja e Talita Paula Mazzochi - Vanderlei Antonio Massochini e Liege de Andrade Marques - Mateus Portela Miranda e Márcia Rodrigues de Oliveira - Thiago Dal Ri e Alexsandra Posser - Wagner de Oliveira Pinheiro e Júlia da Rosa - Matheus Roncen e Francine Ferreira Lucena - Alan Christopher Plauda Maciel e Tauana Vaz Duarte - Valcir Jacó Henz e Marciele Bernardo do Nascimento - Genesis Guilherme Fidler e Micaela Fischer dos Santos - Maicol Scain e Sabrina Rech - Jilson Hemsing Cordeiro e Carla Dalla Barba Costa - Alessandro Moncay Quissini e Edinalva Dall’Agnol Maciel - Igor Ari Kittel e Liliam Prandi Faraon - Paulo Roberto de Oliveira Salgado e Patrícia dos Reis de Souza SE ALGUÉM SOUBER de algum impedimento, oponha-o no prazo e na forma da lei. Caxias do Sul, 27 de janeiro de 2014 ROBERTO RUSCHEL DA SILVA - Oficial Registrador

SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS GRÁFICAS, JORNAIS, REVISTAS E INDÚSTRIAS DE EMBALAGENS IMPRESSAS EM PLÁSTICOS, PAPEL, PAPELÃO, PVC E METAL DE CAXIAS DO SUL Com base territorial nos municípios de Antonio Prado, Bento Gonçalves, Caxias do Sul, Farroupilha, Flores da Cunha, Garibaldi, Guaporé, Ipê, Nova Prata, São Marcos, São Valentim do Sul, Serafina Corrêa, Vacaria, Vale Real, Veranópolis e Vila Flores.

EDITAL DE CONVOCAÇÃO ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA O SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS GRÁFICAS, JORNAIS, REVISTAS E INDÚSTRIAS DE EMBALAGENS IMPRESSAS EM PLÁSTICOS, PAPEL, PAPELÃO, PVC E METAL DE CAXIAS DO SUL, inscrito no CGC/MF sob nº 87.817.912/0001-39, com sede na rua Pinheiro Machado nº 1.640 - 2º andar em Caxias do Sul-RS, convoca a todos os trabalhadores integrantes da categoria profissional representada pela entidade, para participarem da Assembleia Geral Extraordinária a ser realizada, na forma como segue: I - Assembleia para os trabalhadores que exercem atividades nas cidades de Caxias do Sul, Farroupilha, Flores da Cunha, Ipê, São Marcos, Vale Real, Vacaria e Antonio Prado, DIA 08 DE FEVEREIRO DE 2.014, na sede do Sindicato, na rua Pinheiro Machado nº 1640 - 2º andar, em primeira convocação às 10:00hs e em segunda e última convocação às 10hs30min. II - Assembleia para os trabalhadores que exercem atividades nas cidades de Bento Gonçalves, Garibaldi, São Valetim do Sul, Vila Flores e Veranópolis, DIA 14 DE FEVEREIRO DE 2014, na sede do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção e do Mobiliário de Bento Gonçalves, sito na rua Candelária nº 235, bairro Juventude, Bento Gonçalves/RS, em primeira convocação às 18hs00min. e em segunda e última convocação às 18hs30min. III - Assembleia para os trabalhadores que exercem atividades na cidade de Guaporé, Nova Prata e Serafina Correa, DIA 15 DE FEVEREIRO DE 2.014, na sede do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Alimentação, sito na rua Padre Luiz Pedrazini nº 1630, bairro centro, Serafina Correa/RS, em primeira convocação às 10hs30hs e em segunda e última convocação às 11hs00min. A Assembleia tem por objetivo analisar e deliberar sobre a seguinte ORDEM DO DIA: 1 - Deliberar sobre a conveniência ou não de negociar para a realização de Convenção Coletiva de Trabalho; 2 - Em caso afirmativo, bases a serem pleiteadas inclusive para conciliação; 3 - Deliberar sobre a conveniência ou não de opção pelo arbitramento e Mediador de Negociação; 4 - Em caso de malogro das negociações ou de negativa de formalização de Convenção Coletiva de Trabalho, deliberar sobre a conveniência ou não de instauração de Revisão de Dissídio Coletivo; 5 - Caso afirmativo, bases a serem pleiteadas; 6 - Deliberar sobre a importância ou percentuais a serem descontados dos integrantes da categoria (associados ou não) e recolhidos aos cofres do Sindicato Profissional, a título de Contribuição Assistencial. 7 - Concessão ou não de poderes ao Presidente do Sindicato para as negociações com a Categoria Econômica, podendo aceitar ou rejeitar propostas, constituir procuradores, firmar acordos, bem como para ajuizar processo de Revisão de Dissídio Coletivo. Caxias do Sul, 27 de janeiro de 2014 Jaime Vieira Tavares Presidente


CORREIO RIOGRANDENSE - Caxias do Sul, 29 de janeiro de 2014

“Não tenhamos pressa, mas não percamos tempo.” José Saramago (1922-2010), escritor português

16 - Sabe-Tudo sxc.hu/Correio Riograndense

✦ OCEANO

Ria se puder 1) A moça chega em casa, após a estreia como cantora, e a mãe, orgulhosa, pergunta: - Então, filha, foi muito ovacionada? - Muito, mãe! Ovacionada, tomateada, alaranjada ... 2) O que é, o que é: tem dentes, mas não pode comer? - O pente!

Palavras cruzadas diretas

liga a crista e a base da onda.

Olha a onda!

• Parede:

Os surfistas percorrem diferentes regiões litorâneas em busca das melhores e maiores ondas, seja verão ou inverno. As crianças mais crescidas, em época de praia, se alegram com ondulações menores, jogando-se contra elas, mergulhando por baixo, “pegando carona” para voltar à beira mar. Já os pais, buscam águas calmas, preferencialmente sem ondas, para banhar os filhos ainda pequenos com mais tranquilidade e segurança nos dias quentes do verão brasileiro. Enfim, as ondas fazem a alegria de uns e a insegurança de outros, mas todos admiram o movimento das águas, que começa bem longe da praia. É em alto-mar que as ondas começam a se formar. Ventos for-

com ondulação bem suave. A extensão de uma onda pode variar de poucos centímetros a quase 800 metros. A altura também é bem variável. Algumas têm menos de meio metro; outras alcançam até 30 metros durante tempestades. Você sabia que terremotos ou erupções vulcânicas no fundo do oceano sacodem a água com tanta força que podem formar ondas imensas, chamadas de tsunamis, capazes de destruir cidades? Agora que você entende muito bem de ondas, pode se divertir com elas, mas sem avançar mar adentro. A regra para um veraneio feliz, na praia, é respeitar o mar. A dica dos salva-vidas é preciosa: água no umbigo, sinal de perigo!

é a parte que encosta na superfície da água e onde a onda começa a se elevar.

• Base:

Ela se forma em alto mar e ganha altura perto da praia tes, mudanças na pressão do ar, erupções vulcânicas submarinas, tremores ou deslizamentos no solo do oceano causam ondulações na superfície da água. Essas ondulações seguem para o litoral. Perto da praia, a profundidade do mar diminui e o fundo de areia “freia” a água. Isso faz o líquido se acumular e ganhar altura, formando as ondas. Quanto mais fortes as ondulações, mais altas são as ondas. Em praias sem obstáculos, como as encontradas em boa parte do litoral gaúcho, as ondas quebram com força. Em lugares mais abrigados, elas perdem energia ao bater antes em rochedos e as águas são calmas. Em Santa Catarina, há muitas praias

Auxílio-(?), benefício pago pelo Enfisema INSS a de- e câncer pendentes pulmonar do segurado preso Esboços de projeto

Ferramenta de compartilhamento de documentos (internet) Número de chifres do unicórnio (Mit.) Comum (fem.)

Nomear (alguém) para um cargo

Carlos Gardel, cantor Confusão

Molho típico da cozinha baiana

(?) Martinez, ator carioca

Bebida dos deuses do Olimpo (Mit.)

Cerveja de alta fermentação

Símbolo islâmico Jogo de tabuleiro

A vogal marcada no jogo da velha

Atividade criativa Sílaba de "garfo"

Sabor de balas refrescantes

Criação de jogos de RPG Inteira

Monitora a velocidade do carro, na rodovia Corpo sideral Saudação juvenil

Jet (?), ator de filmes de ação

BANCO

O Paraíso Terrestre (Bíblia)

C Ã O Z E S S U H O S E T I N O T E O C S R T E A M T R O L O I D E N A D A

Mês de agosto terá mais finais de semana

28 dias, enquanto o mês tem 31 dias. A diferença de três dias entre uma contagem e outra explica a repetição. Além disso, o início dos meses está em permanente rodízio, isto é, cada mês (em regra) começa num dia da semana diferente. Assim, sempre chegará o dia em que o primeiro dia de determinado mês cairá numa sexta-feira. E sempre que isso acontecer num mês de 31 dias, teremos cinco sextas, cinco sábados e cinco domingos.

46

Solução

✦ CALENDÁRIO

Diz mensagem que circula na Internet e pelos emails que o mês de agosto de 2014 terá um acontecimento raro: cinco sextas-feiras, cinco sábados e cinco domingos. Segundo a mensagem, meses com esses três dias repetidos cinco vezes só acontecem a cada 823 anos. Verdade ou mentira? Bem, que agosto de 2014 terá essa conformação é verdade, basta olhar o calendário e lá estão as cinco sextas, sábados e domingos. Mas é mentira que trata-se de um fenômeno raro. O mesmo ocorreu em julho 2011, em março de 2013; e deve-se repetir em maio de 2015, janeiro de 2016.... Trata-se, portanto, de um fenômeno bem comum, que ocorre, mais ou menos, a cada dois anos. Explica-se: todos os meses de 31 dias têm três dias que aparecem cinco vezes. Isso porque os dias da semana, que são sete, se repetem a cada

Farinha granulada extraída do arroz

Eliseo Visconti, pintor brasileiro Ave andina que figura no brasão do Chile (?) qual: do mesmo modo que Grande quantidade de tiros (fig.)

Intimamente ligado Reação às ameaças inesperadas

Molho ao (?): é apreciado em massas Os olhos da cor dos de George Clooney (?)-line: conectado à internet A mais antiga república constitucional do planeta, foi fundada no século III

© Revistas COQUETEL

A origem do Bairro prato "ceviche" carioca Usuários do sistema do Pão de Açúcar de leitura Braile

D P E E C L U S R E T R I U G C G O A S T A N N U A A N M A R A U L O G L E D O T A M O G AM E RA A S N D O R T A L E S A R A I V

Surfistas buscam ondulações grandes e bem formadas

Crista: é a parte de cima da onda. Quanto mais alta ela é, mais forte a onda quebra. Se a onda está perto da praia ou há muito vento, a água da crista se mistura com bolhas de ar e surge uma espuma esbranquiçada.

R D I S C O S D G O F U M C O

PALAVRAS CRUZADAS DIRETAS

www.coquetel.com.br

2/on. 4/mago — sugo — urca. 6/condor. 8/semolina. 9/san marino. 10/google docs.

Por dentro dela

Coletânea de poesias Mundo palavreado, do poeta e músico Ricardo Aleixo (Editora Peirópolis), reúne poemas de diversas fases do artista, alguns inéditos, voltados ao público jovem, mas que certamente agradam a todos que apreciam boa poesia. Nas páginas da obra encontram-se desde poemas visuais até peças mais longas e letras de canções. O livro tem 116 páginas e as ilustrações são de Silvana Beraldo.


CORREIO RIOGRANDENSE - Caxias do Sul, 29 de janeiro de 2014

“Va là, va là, Nene, ti si te si on simieto! Ze ani che no se vede più macachi su par qua.” Nanetto Pipetta

Arlindo Battistel

El ritorno de Nanetto Pipetta (751) Ilustração Derli Dutra, São José do Ouro (RS)

Nanetto Pipetta a Roma

El simieto sensa faméia

Balduino Antonio Andreola

Sergio Angelo Grando

Questi giorni go sentio na gravassion co’l frate Rovìlio su la stòria de Nanetto Pipetta. El ga rispondesto tante domande. La pi curiosa ze stata questa: Ndove zelo sepelio Nanetto Pipetta? E Rovìlio el ga dito che no se sa. Ze stà par questo che se conta che’l se ga negà nel rio Dasanta. Ma lora ve conto na stòria che me fa pensar che Nanetto no se ga mia negà. Mi go idea che frate Paolino se ga sbalià quando el ga scrito che Nanetto se ga negà tel rio Dasanta. E ve digo perché. Scolteme, mò. Nel ano 2005 son stà a Roma. I me ga invità a un congresso dei cento ani de nàssita de Mounier, un grande filòsofo, educador e cristian. I conferensisti i zera tanti. A mi i me ga domandà che parlasse su l’influensa de Mounier qua zo in Mèrica. El Padre Generale dei giusepini me ga invità a star ntela casa generalìssia dopo el congresso, fin al me ritorno. Sta casa na volta la zera na casa geriàtrica. Davanti la casa ghe ze due pin dei nostri. Don Celmo Lazzari, che’l zera del Consìlio Generale, e adesso ze véscovo missionàrio nel Equador, un giorno me ga dito: - Balduino, vien qua, che catemo su on pochi de pignoni! E che bei pignoni. Ghenò portà inquà trè o quatro par dàrgheli a frate Rovìlio. E lora go contà a lu la stòria come la scrivo adesso. Mi go proà scoltar qualche persona dela vicinansa là a Roma. No tante, parchè no go bio tempo. Na veceta la me ga dito che i pin i ze stati piantadi da on toso rivà dal Brasile, che el ze ndà trovar so pare nte sta casa geriàtrica. Vardando i pin, cato che i ga pi de otanta ani. Poderia dir con sicuressa che’l toso rivà dal Brasile el zera Nanetto Pipetta. No go bio tempo de studiar mèio la question. Ma se poderia domandarghe al padre Orides Balardin, dei giusepini, che el ze a Roma par menar avanti la causa de canonisassion del Padre Giovani Schiavo. El Orides el ze stà consiliere generale trenta o quaranta ani indrio. Lu el poderia veder ntei archivi de sta casa geriàtrica, se no i ze stati persi. Qualchedun pol domandarme: - Ma sto Nanetto se galo negà, si o nò? El frate Paolino el savea ben le cose e no’l contea mia busie parchè el zera on santo omo. Mi ghe respondo: - Sì, ma anca i santi i pol sbaliarse. E dopo Nanetto el zera poareto, sémplice, ma nò bauco. Mi go i parenti dela me dona, dela faméia Panizzi, de Montebelo, che i stea zo a Santa Tereza. I pi veci, belche morti, i catea che Nanetto ze ndà a pié fin Santa Tereza, là’l ga domandà carona ai paroni de na barca che ndea fin a Porto Alegro. Dopo de navio fin a Rio Grande, e nte un navio pi grando, el ze ndà al l’Italia. Se sa de tanti che i se imbarcava cola condission de giutar ntei laori del viàio. Go scrito quel che sò. Ma vui scrìverghe al padre Orides, par saver mèio ncora. E vui parlar anca col Paulo Geremia, che se no me sbàlio, el ze de Santa Tereza, par saver cosa che contea le persone pi vece dei so tempi. Un’altro che’l pol giutar a sciarar le cose ze el padre Geraldo Boniatti, perché anca lu ze stà consiliere a Roma. E don Celmo Lazzari el sa mèio de tuti la stòria dei due pin. Pi che ghe penso sora, pi me digo: Nanetto, poareto, no’l se meritea negarse ntel rio Dasanta. Lora, ndemo avanti, par saver mèio la stòria. Tuti che i ze de quei posti, del rio Dasanta, fin zo a Santa Tereza, cossa gali sentio contar dei pi veci? Me piaseria che altri i scrivesse altre informassion su sto viàio del Pipetta dal Brasile a Roma. Anca frate Paolino ghe piaseria saver che Nanetto no se ga negà.

Nanetto e Joan de Nane Nastàsio i ze ndai tender i columbi, parché, de tanti che ghenera, i fenia fora tuto. I se trava do in medo el riso a sami, come le cavalete. El riso, co le spighe drio vegner maùre, le pesava. I columbi gavea imparà che zera sol trarse insima un pié, questo se sbassava fin in tera e col zera intera zera sol tacar magnar. Quel che no magnava i columbi, i surdi fava la festa, o sinò la umidità dea tera se incaricava de rovinar i gran. I se mete sconti drio on baruscaro, pena rento del mate-

Porto Alegre - RS

Porto Alegre - RS

sel e, co i columbi vegnea a sami e i se trava zo, luri li s-ciopetava. No zera gnanca par coparli. Zera par spaurarli e salvar el riso. Zera na setimana che i tendea par veder se i fea ora de catar su calcossa de riso. Sul fine dea setimana, ghe ga mancà pólver e capete. Lora i ga pensà che zera mèio ciapar in quatro o sinque persone, ndar rento par la piantaion e coglier le spighe più maùre. De questa maniera, i salvava on poco de riso e, dopo, i columbi vedendo movimento de gente i se fava distante. Tel primo giorno, cossita i ga passà tuto el toco e i ghenà catà su na care-

tada. Desso zera solo méterlo tel sol e dopo liberar i grani dela paia e méterlo ntei cassuni. Tel secondo giorno, ze ndà solo Nanetto, Joan e el Nene. Intanto che Nanetto e Joan i molde ale spighe de riso, el Nene rento pa’l matesel co la fionda proava ciapar i columbi. Co ze stà rente sera, Nanetto sente el Nene ciamar: - Nanetto, vien qua che go scoltà on simieto sigar. - Va là, va là, Nene, dise Nanetto, ti si te si on simieto! Ze ani che no se vede più macachi su par qua. I se ga sconto tuti do pai capoeruni drio i rii. I ga paùra de le persone.

- Si che ze el sigar de on macacheto. Mi so parché go belche visto uno la de Nelso Turra a Pedancino. De tanto el Nene osar, Nanetto e Joan i ze ndati rento tel bosco e stati chieti. Fetivamente, insima on salta caval ghe zera pròpio on simieto solo, sensa so mare. El sigava desperà. - Chi sa qualchedun ga copà so mare, o la sia morta de qualche malatia, dise Nanetto. Mi vago su la pianta e proo

ciaparlo. Valtri, qua in tera sté tenti e me disé onde el va. Pianpianelo, Nanetto ga rampegà su e ze ndato a taco. Poareto! Zera strasseto e grando co fa on sorde. Nol se ga movesto del posto onde el zera, de tanto fiaco. Co Nanetto lo ga ciapà in man el se ga chietà. Me digo, ga pensà Nanetto, chel ze pien de fame. Chissà quanti di l’è lu solo. I tusi ga molà tuto quel che i zera drio far e i ze ndati casa darghe de magnar. I ga scaldà on s-ciantin de late col aqua e co’n contagosse i ghe ga dato da magnar. Zera de taiar el cuor veder la contentessa del poverin. Co Nanetto se fermava de strucar el contagosse, el simieto slongava la testa in serca dela teta. I giorni passava e el simieto ga messo corpo e onde el Nene ndava el macachin ghe ndava drio. I lo ga batedà col nome de Sico. Tel mesogiorno che’l Nene ndava a scola, i lo meteva rento te na gabie-

ta parché nol fese qualche dano, o se la fiocasse pal mato. Col ze vegnesto più grando, l’è deventà dispetoso e ghe ga tocà tégnerlo ligà. On di, el se ga cavà la colana e no se à più visto el Sico. El Nene ga piandesto pròpio tanto. La mama lo consolava: - No stà piander Nene. El ga derito anca lu dela libertà. Suito, suito el cata la moroseta e, insieme l’invia la so pròpia fameia, come te farè ti quando te vien più grando, se el Signor no te da la grassia de esser frate.

Sabores da terra Grostoli salgado

Ingredientes: 5 ovos; 5 colheres (sopa)

de azeite; 5 colheres (sopa) de cachaça; 1 colher (chá) de fermento em pó; 1 colher (chá) de sal; farinha de trigo até dar o ponto para espichar a massa. Modo de fazer: misturar os ingredientes formando uma massa lisa. Espichar com o rolo até a massa ficar bem fina. Fazer os grostolis e fritar em óleo quente. • Receita de Rosangela M. Dallegrave - Forqueta

Reprod./CR

Vita, Stòria e Fròtole

17 - Imigração

Fonte: Caderno de Receitas.Valorização da Mulher do Meio Rural. Organizado pela Coordenadoria Municipal da Mulher. Caxias do Sul, 2007 2ª edição.

Creme de suco de uva

Ingredientes: 1 xícara de leite; 1 xícara

de suco de uva; ½ xícara de açúcar; 2 colheres (sopa) de farinha de trigo; passas de uva ou uvas frescas sem semenModo de fazer: picar bem miúdo o tes, cortadas ao meio, a gosto; canela e frescas e servir gelado com chantili e creme de leite. presunto. Juntar os ovos cozidos bem cravo em pó. picados, a manteiga, a cebola, a salsa Modo de fazer: em uma panela, mis- • Receita de Deolide F. Guerra - Forqueta bem picada e o sal. Pode acrescentar turar o leite, o suco de uva, o açúcar, o também pedacinhos de queijo. Usar cravo e a canela. Levar ao fogo. Dis- Recheio de presunto para salgados esse recheio em pastéis, sanduíches, Ingredientes: 150 gramas de presun- canudinhos etc. solver a farinha em um pouco de leite e misturar ao creme. Cozinhar em fogo to cozido; 3 ovos cozidos; 1 colher de brando. Colocar em taças individuais, manteiga; 1 colher de cebola picada; sal • Receita de Maria Ilza C. da Silva Fazenda Souza enfeitar com as passas de uva ou uvas e salsa a gosto.


CORREIO RIOGRANDENSE - Caxias do Sul, 29 de janeiro de 2014

18 - Igreja

“A Romaria Votiva propõe a reflexão sobre o respeito à natureza, a generosidade da terra, a ecologia....” Padre Gilnei Fronza, reitor do santuário de Caravaggio

Aldo Colombo

✦ CARAVAGGIO Luiz Chaves/Correio Riograndense

Olhar diferente

Perdoai-nos, como perdoamos

U

m camponês, ao regressar de seu trabalho, escutou gemidos em meio à vegetação. Lá estava um homem caído, quase inconsciente. Socorreu-o, levou-o ao Posto de Saúde e, como não tivesse onde ficar, acolheu-o em sua casa. Já fora de perigo, o homem contou como foi assaltado e conhecia o agressor. Ele não descansaria enquanto não se vingasse, se fosse preciso, iria até o fim do mundo para realizar seu intento. Dias após, já em boas condições, despediu-se e deixou claro que partiria para a vingança. Ficou surpreendido quando o seu benfeitor disse-lhe: você me deve três mil moedas de ouro. Desculpou-se: sou um homem pobre e não tenho nem dez, muito menos três mil moedas de ouro. Foi a vez do hospedeiro questionar: se não podes pagar o bem que recebeste, que direito tens de cobrar o mal que te fizeram? No Evangelho, encontramos uma história parecida (Mt 18,21ss). Um empregado contraíra uma dívida impagável: 10 mil talentos. Como não tivesse como pagar, o patrão perdoou-lhe toda a dívida. Saindo dali encontrou um companheiro que lhe devia 100 denários. E como não tivesse como pagar, mandou que fosse preso até pagar a dívida. O talento era uma moeda equivalente a 26 quilos de ouro, enquanto o denário era a paga usual por um dia de trabalho. Novamente o patrão entra em cena e repreende o empregado, chamando-o de miserável e determinou que fosse jogado no cárcere até que toda a dívida – 10 mil talentos – fosse paga. Perdoar e ser perdoado está no coração do Evangelho. No Pai-Nosso nos atrevemos a propor a maneira de julgamento: “Perdoai-nos – ó Pai – assim como nós perdoamos” (Lc 6,12). Em outros palavras, estamos estabelecendo a norma de nosso julgamento. Essa postura é ambígua: pode nos ser favorável ou não. Já que não somos tão bons quanto gostaríamos de ser, tenhamos o expediente do perdão aos irmãos. O perdão é a única possibilidade de colocar um ponto final no pecado. O perdão zera a culpa e possibilita uma vida nova. Sem o perdão divino, seriamos um povo de condenados; com o perdão, nos transformamos num povo de redimidos. Mas o perdão que Deus nos dá sempre, depende do nosso modo de julgar. É perdoando aos outros que nos habilitamos ao perdão divino. Se Deus, que é Deus, perdoa sempre, quem somos nós para não perdoar o irmão, por mais grave que seja a ofensa? E, perdoando, recebemos em troca a bênção da paz. Se não temos como agradecer o bem recebido, não temos direito de cobrar o mal, por pior que seja. Além de pedir a Deus o perdão, precisamos também pedir a graça de perdoar.

Se Deus, que é Deus, perdoa sempre, quem somos nós para não perdoar o irmão?

Procissão motorizada mostra um pouco do cotidiano vivido pelos pequenos agricultores da Serra gaúcha

A generosidade da terra

Romaria Votiva expressa o amor do agricultor pelo chão sagrado O santuário de Caravaggio, em Farroupilha (RS), promove, no dia 2 de fevereiro, a 114ª Romaria Votiva. O evento deste ano tem como tema “Mãe de Caravaggio, ajudai-nos a cultivar e cuidar da generosidade da terra!”. No dia 24 de janeiro iniciou a novena no santuário, com missa sempre às 20 horas, coordenada por paróquias da região. “A cada noite é abordado um dos princípios da Carta da Terra, para que possamos refletir sobre o respeito à natureza, a harmonia do universo, a generosidade da terra, a ecologia...”, salienta o reitor do santuário,

padre Gilnei Fronza. No domingo 2, dia da romaria, haverá missas às 6h30, 8h, 10h30 (solene, ao término da qual ocorre a procissão motorizada na praça de Caravaggio e na avenida dom José Barea, com a participação de mais de 250 tratores e maquinários agrícolas), 13h30 (terço e bênção com o Santíssimo), 14, 15, 16 e 17 horas. A Romaria Votiva cumpre uma promessa feita em 1899, quando uma grave seca de mais de seis meses castigava a região. Fiéis de várias localidades realizaram uma romaria a Caravaggio, pedindo a chuva e as preces foram atendidas no

Primeira Profissão Religiosa – Irmãs ICM Ao nos chamar, Deus nos diz: “Você é importante para mim, eu te quero bem, conto contigo”. Entender isso é o segredo de nossa alegria. Sentir-se amados por Deus. Sentir que é Ele quem nos chama. Tornar-se sacerdote, religioso e religiosa não é, antes de tudo, uma escolha nossa, mas a resposta a um chamado e um chamado de amor”. Ir. Adriane e Ir. Angélica

(Papa Francisco - 2013).

No dia 21 de dezembro de 2013, as jovens Adriane Ferreira e Angélica de Oliveira fizeram sua primeira Consagração Religiosa, na Congregação das Irmãs do Imaculado Coração de Maria. A Celebração Eucarística aconteceu na Igreja Nossa Senhora Aparecida, no Bairro Diamantino, em Caxias do Sul. Adriane é natural de Santa Catarina e Angélica do Mato Grosso. A vocês queridas Irmãs, Adriane e Angélica, damos as Boas Vindas em nome da Congregação e do povo de Deus. www.icm-sec.org.br - www.icmcaxias.com.br

dia 2 de fevereiro daquele ano. A partir de 1902, a data tornou-se marco para a realização da Romaria Votiva em agradecimento àquele pedido atendido. Padre Gilnei destaca que, hoje, a romaria expressa três sentimentos: agradecimento pela vindima, que está em andamento; memória da graça alcançada em 1899; e penitencial, porque quer restaurar nossos vínculos com a natureza, nem sempre respeitada como deveria, com os irmãos e com Deus. A romaria é voltada aos agricultores da região, milhares dos quais estarão no santuário no dia 2.

Indagações da fé

Bruno Glaab, teólogo - Estef e-mail: freiglaab@gmail.com

Jesus pediu que não julgássemos a ninguém. Por que a Igreja condena quem faz aborto? Elza R. Cruz, Paraí-RS

É verdade, julgar só compete a Deus. Ninguém pode julgar ou condenar. Mas isto não significa que tenhamos de calar diante dos erros. Aliás, apontar para os erros é caridade. Já no Antigo Testamento se aponta para uma porção de pecados, como: não matar, não furtar, não cometer adultério etc (Ex 20,2-17). Os profetas anunciam o bem e denunciam o mal, às vezes até com linguagem agressiva (Is 1,10ss; Is 58,1ss). Também no Novo Testamento, tanto Jesus como Paulo e os demais anunciam e denunciam (Mt 5-7). Anunciar o bem e denunciar o mal é próprio da fé cristã. Então, a Igreja, fiel aos ensinamentos de Jesus, tem a missão de anunciar o Evangelho e denunciar os erros.

Se ela se calasse, não estaria sendo fiel a Jesus. Denunciar o aborto como crime é apenas mostrar a gravidade do ato, mas não se trata de julgar quem abortou. A Igreja, ao apontar para a gravidade do aborto, quer mostrar ao pecador o caminho da conversão. Na realidade, quer salvar a vida de inocentes e chamar os pecadores à conversão. Quer salvar tanto o feto quanto a pessoa que eventualmente o quer matar ou já o matou. Não se pode confundir advertência com julgamento ou condenação. Jesus disse à mulher adúltera: “Não peques mais”. Quando a Igreja condena o aborto, não condena quem cometeu aborto. Em outras palavras, condena o pecado, mas não o pecador.


CORREIO RIOGRANDENSE - Caxias do Sul, 29 de janeiro de 2014

19 - Igreja F SANTO ANTÔNIO DO PARTENON

Luiz Turra

Paróquia inova com Santuário da Palavra

F DESVIO RIZZO

Jovens acolhem os símbolos da JMJ Os grupos de jovens JEJ, JAUC e JEPAC, da paróquia Santíssima Trindade, bairro Cidade Nova, de Caxias do Sul, juntamente com os jovens das paróquias São José do bairro Desvio Rizzo e Santo Antônio de Forqueta, realizam, no domingo 2, a partir das 15h30, no Parque da Lagoa, do Desvio Rizzo, grande encontro. Denominado Jornada Jovem, o evento acolherá as réplicas da Cruz Peregrina e do Ícone de Nossa Senhora, símbolos da Jornada Mundial da Juventude. O encontro integra a festa de Nossa Senhora dos Navegantes, com procissão da imagem pelas águas da Lagoa, missa campal e show das bandas Áurea Free e Hava. No sábado, os símbolos da JMJ serão acolhidos com missa às 19 horas, na comunidade Santa Cruz, seguida de procissão luminosa, até a igreja de Fátima, no bairro Cidade Nova, onde ocorrerá adoração, pregações, momentos de convivência e música. Os jovens passarão a noite em vigília.

F DOM CASALDÁLIGA

Filme ganha prêmios A minissérie espanhola “Descalço sobre a terra vermelha”, do cineasta catalão Oriol Ferrer, ganhou dois prêmios FIPA de Ouro na 27ª edição do Festival Internacional de Programas Audiovisuais realizado na França. A minissérie conta a vida do bispo emérito de São Félix do Araguaia, dom Pedro Casaldáliga, e sua luta em favor dos pobres, indígenas e camponeses do Mato Grosso.

Elton Bozzetto/Div./CR

A paróquia Santo Antônio do Partenon, de Porto Alegre, viveu um momento raro de fé, alegria e emoção com a inauguração do Santuário da Palavra. Foi a primeira paróquia da capital gaúcha a inaugurar esse tipo de santuário. A iniciativa, inspirada pelo Ano da Fé, está em sintonia com as orientações da CNBB e da arquidiocese, para ampliar o conhecimento e estimular a vivência da Palavra de Deus. O santuário está instalado na torre da igreja matriz, na área destinada à antiga cantoria. O espaço foi abençoado no dia 31 de dezembro, pelo arcebispo dom Jaime Spengler. Vestindo o hábito franciscano, dom Jaime destacou que o santuário é o lugar da aproximação e do encontro íntimo com a Palavra e com o próprio Deus. “Nós devemos cuidar da Palavra e deixar-nos cuidar por ela, seguindo suas orientações”. O pároco da Igreja Santo Antônio do Partenon, frei Luiz Turra, salientou que este ambiente de escuta e reflexão da Palavra foi elaborado com uma estética especialmente concebida para a oração, para que as pessoas tenham um encontro pessoal com Deus. “Toda a estrutura e a concepção artística conduzem para a oração”, explica Turra. O pároco relata que todos os que já visitaram o santuário ficaram impressiona-

No coração da vida

A oração e a droga em questão

E

Novo espaço destina-se à oração, à meditação e à leitura da Bíblia dos e entusiasmados. Da torre também se vislumbra uma imagem magnífica da cidade de Porto Alegre. No interior do espaço, que pode acolher mais de 50 pessoas, foi colocada uma tenda para abrigar a Sagrada Escritura. O ambiente conta com sonorização e foi ornamentado com uma grande tela de Cristo Rei e outra dos quatro evangelistas. Turra afirma que hoje as pessoas procuram muito espa-

ços de meditação e este lugar místico se enquadra no perfil do público que busca esse tipo de prática religiosa. O Santuário da Palavra ficará aberto e poderá ser visitado no horário de funcionamento da paróquia, das 8 às 19 horas. Grupos poderão agendar a ocupação do espaço para retiros, momentos de oração e celebrações. Contatos com a paróquia pelos telefones (51) 3223.3494 ou 3223.2062.

F DEVOÇÃO MARIANA

Festa de Navegantes mobiliza regiões gaúchas Várias regiões do Rio Grande do Sul e do país celebram, no dia 2 de fevereiro, a festa de Nossa Senhora dos Navegantes. Considerada a festa religiosa mais importante do Estado, ela é destaque em diversas cidades gaúchas. Em Porto Alegre ocorre a 139ª edição da festa, que aguarda mais de 150 mil pessoas. Na paróquia de Tramandaí e Imbé, dedicada a Nossa Senhora dos Navegantes, ocorre a 106ª festa, com diversas missas e procissões no dia 2 de fevereiro. Em Pelotas, ocorre a 83ª edição da festa. Em Salto do Jacuí é realizada a 62ª Romaria de Navegantes e, em pelo menos três paróquias junto ao

rio Uruguai, a devoção é antiga e atrai milhares de fiéis. Em Porto Mauá ocorre a 83ª festa de Navegantes; em Porto Lucena, a 78ª; e em Porto Xavier, a 47ª. Mas a devoção está presente também na Serra gaúcha. A comunidade Navegantes, do Povoado Zanetti, em Nova Bassano, promove festa à padroeira, no dia 2, com a seguinte programação: 9h45, procissão com caiqueiros e motorizada, que inicia na igreja N. Sra. da Paz, em Serafina Correa, acompanhando a imagem pelo rio Carreiro. Às 10h30, missa campal, seguida de procissão até a igreja dos Navegantes, onde será dada bênção da garganta. Ao meio-dia, almoço festivo.

FFALECIMENTO

Irmã Lourdes Dotti morre aos 78 anos Faleceu no dia 4 de dezembro de 2013, aos 78 anos de idade e 55 de vida religiosa consagrada, a irmã Lourdes Dotti (foto), da congregação das Irmãs Franciscanas de Nossa Senhora Aparecida. Filha de Domingos e Mathilde Miotto Dotti, Lourdes nasceu em Antônio Prado (RS) aos 16/4/1935. É irmã de dom Orlando, capuchinho, bispo emérito de Vacaria, Justino, Isolda, Melzi, Gevaldino e Zenor. Como religiosa, dedicou-se com amor e competência, como enfermeira, em hospitais de Porto Alegre, Arvorezinha, Santo Antônio da Patrulha e Bom Retiro do Sul. Deu a todos um marcante testemunho de vida, de ale- de saúde da congregação em Bom Regria e de doação. Nos últimos anos vi- tiro do Sul. Foi sepultada no jazigo da veu na Betânia Sagrada Família, casa congregação, em Porto Alegre.

m 1974, chamou-me a atenção um livro de um autor francês, que estava sendo lançado, com o título: “A Oração e a droga”. O autor deste curioso livro é Jean Claude Barreau. Foi criado no ambiente ateu de sua família. Converteu-se aos vinte anos e tornouse sacerdote, dedicando-se intensamente aos problemas humanos mais complexos. Ao saber do livro, tive curiosidade de lê-lo, especialmente pelo título que trazia. Antes de abri-lo, porém, cheguei a pensar que fosse uma crítica maldosa à prática da oração dos simples. Na medida em que ia lendo percebia o quanto de verdadeira e sábia era sua reflexão. Depois da leitura até hoje, perdi de vista o livro, mas nunca esqueci alguns conteúdos importantes. O autor aproxima a oração e a droga para tirar conclusões pedagógicas. O núcleo do assunto confirma que o caminho de ida para a oração é o mesmo que o caminho de ida para a drogadição. Esse caminho começa movido pelo mesmo desejo - a busca da transcendência e o desejo de encontrar algo melhor. A ida para a oração acontece movida também pelo desejo de encontro, para uma experiência de bondade, de acolhida, de paz, felicidade e amor. O caminho de ida para a droga também se vê motivado a sair de um desconforto existencial, familiar, profissional etc, em busca de conforto, alento, paz, felicidade e superação. O problema não é o caminho de ida para ambas as buscas. Toda a diferença ocorre no caminho da volta, com suas consequências. Mesmo que a prática da oração seja um exercício exigente, o retorno para o cotidiano, tantas vezes opaco, se vê iluminado, fortalecido e esperançoso. A oração liberta e predispõe a uma vida rica de sentido por ser resultado da sintonia com Deus, em Cristo, pela ação do Espírito Santo, pela ajuda de Maria e dos santos. O caminho de volta da drogadição pode oferecer uma prova de transcendência embrulhada em triste ilusão. Essa aventura devolve a pessoa a si mesma sempre mais insatisfeita, conflituada e vazia. Nada mais responde a suas profundas aspirações a não ser o desejo compulsivo de se alienar sempre mais. Na busca de consumir a droga a pessoa vai se consumindo e anulando seu potencial humano, jogando-o no ralo da vida. Evidentemente, tanto a ida para a droga como para a oração revela o quanto somos finitos e carregados de desejos infinitos. Como humanos, somos tão grandes e tão pequenos, tão livres e tão sujeitos à escravidão, tão fortes e tão fracos. Lembramos as palavras do Papa Francisco, pronunciadas dia 25 de julho 2013 na visita ao hospital São Francisco, no Rio que promove a recuperação dos dependentes químicos: “Não é deixando livre o uso das drogas que se conseguirá reduzir a difusão e a influência da dependência química. É necessário enfrentar os problemas que estão na raiz... promovendo uma maior justiça, educando os jovens para os valores que constroem a vida em comum... dando esperança no futuro. Existe um futuro certo, diferente das propostas ilusórias, que dá nova força à vida de todos os dias. Não roubemos a esperança dos jovens!”

A oração liberta e predispõe a pessoa a uma vida rica de sentido


Correio Riograndense

Palavras

Caxias do Sul - 29 de janeiro de 2014

✦ PARANÁ

A vitrine da sustentabilidade Alexandre Marchetti/Divulgação/CR

Parque Nacional do Iguaçu completa 75 anos de respeito à natureza

“O governo tem um braço longo e um curto; o longo serve para pegar e chega a toda parte, o braço curto serve para dar, mas alcança apenas as pessoas mais próximas.” IGNAZIO SILONE (1900-1978), escritor e político italiano

É melhor calar-se e deixar que as pessoas pensem que você é um idiota do que falar e acabar com a dúvida ABRAHAM LINCOLN (1809-1865), político norte-americano

Prece Perseverança

Parque do Iguaçu, que recebe mais de 1,5 milhão de turistas por ano, guarda as Cataratas do Iguaçu. Página 8

Igreja no Mundo Cardeal do Haiti Entre os novos cardeais anunciados pelo Papa Francisco, uma das surpresas é dom Chibly Langlois, bispo da diocese de Les Cayes, Haiti, desde 2011. É o primeiro cardeal da história do país mais pobre das Américas. “É um gesto do Santo Padre não só para os católicos do Haiti, mas para todos os haitianos. E é um sinal de que a Igreja está dando mais atenção a nossa situação”, disse Langlois à Folha de S. Paulo.

Gaúchos em Les Cayes Les Cayes é uma pequena cidade de 50 mil habitantes, a 190 km de Porto Príncipe, a capital do país. Por coincidência, o anúncio do Papa foi feito no dia 12 de janeiro, exatamente quatro anos depois do violento terremoto que destruiu a capital haitiana e deixou mais de 300 mil mortos. Ainda hoje 170 mil pessoas vivem em barracas. Capuchinhos gaúchos atuam na diocese de Les Cayes. Eles integram a vice-custódia da República Dominicana e do Haiti, ligada à província do Rio Grande do Sul.

Encontro emotivo Um encontro, na audiência do celebrou 72 anos de ordenação e Papa de 12/01, foi marcado pela ainda exerce seu ministério reguemoção. Francisco recebeu a visi- larmente na paróquia de Filletino, ta de padre Alessandro De Sanc- 70 km a leste de Roma. Ele está a tis, de 95 anos, o sacerdote mais serviço da mesma paróquia desde velho da Itália, que em dezembro sua ordenação. Sacerdote dos recordes “Você tem 95 anos? E onde os e batizados, mas também por ter escondeu?”, perguntou o Papa, salvo, durante a 2ª Guerra Munem conversa com padre Alessan- dial, vários compatriotas que sedro. De Sanctis é um herói. Não riam fuzilados pelos alemães e apenas pelas 46 mil missas cele- por esconder uma família judia bradas, os 1.400 funerais presi- em um sótão. De Sanctis já beididos e centenas de casamentos jou a mão de nove papas.

Senhor, muitas foram as exigências ao longo deste dia. Senti-me cobrado e eu mesmo me cobrei nos mínimos detalhes. E agora, diante de vós, quero repassar este dia e pedir perdão pelos momentos que falhei. Meu desejo mais profundo era de acertar, de fazer bem todas as coisas. Recebi de vós o dom da vida, fui feito a vossa imagem e semelhança. Então, Senhor, que eu possa ter a necessária paciência com os outros e comigo mesmo. Que eu renove em mim o desejo de fazer cada vez melhor todas as coisas. Que os meus passos não se distanciem da vossa vontade. Que o meu caminhar seja sempre na direção de vossa luz. Amém. (Do livro “Quando a vida se torna oração”, de frei Jaime Bettega) PARA USO DOS CORREIOS ■ MUDOU-SE ■ CEP ■ DESCONHECIDO ■ NÃO EXISTE Nº INDICADO ■ RECUSADO ■ FALECIDO ■ INORMAÇÃO ESCRITA PELO ■ AUSENTE PORTEIRO OU ■ NÃO PROCURADO SÍNDICO ■ END. INSUFICIENTE REINTEGRADO AO SERVIÇO POSTAL EM ___/___/___

___/___/___

_________________ RESPONSÁVEL


Cr 2901