Page 1

Municípios / 4

Andréia Copini/Div./CR

Adcointer festeja a devolução de área para Caxias

Caxias / 3

Diversidade aponta o caminho da Feira do Livro

Correio Riograndense Para assinar ligue: (54) 3220.3232

Ano 105 - Nº 5.367 - R$ 2,00

www.correioriograndense.com.br

Caxias do Sul - 16 de outubro de 2013

9912326314 - DR/RS

✦ ALIMENTOS

✦ SAÚDE Wilson Dias/ABr/CR

Ciência muda o campo e a mesa do brasileiro

Soja orgânica, arroz vermelho... Essas e outras novidades estão sendo cultivadas. Entre as curiosidades, uma planta que produz batata e tomate. Página central Luiz Chaves/CR

✦ TRANSTORNOS

Atividade física pode ter tanta eficácia quanto medicamento Página 9

Fotos Divulgação/CR

✦ ERVA-MATE

No novo horário, produtor rural dorme menos, trabalha mais e fica exposto ao sol. Alguns não adiantam o relógio. Página 8

Horário de verão prejudica o agricultor

Área de cultivo reduz, preço dá salto e expõe crise anunciada Página 12


CORREIO RIOGRANDENSE - Caxias do Sul, 16 de outubro de 2013

“Solução é um transporte público organizado, confortável, seguro. O importante é que o cidadão sinta-se estimulado a deixar o seu carro em casa.” Editorial

2 - Editorial

Uma solução para dois problemas

O

aumento de veículos movidos a combustível fóssil em circulação. As ruas estão cheias, os estacionamentos ficaram lotados e a paciência esgotou-se. Além da demora, o trânsito está mais violento. Andar de automóvel em grandes, e até médias cidades, virou uma aventura repleta de competições, como se cada metro de pista fosse disputado por ferozes motoristas. É óbvio que a responsabilidade é muito maior da falta de planejamento do que do acesso facilitado a financiamentos para realizar um sonho. Mas o caos está instalado e deve ser, pelo menos, contido.

METRÔ, O ANÚNCIO Na extensa agenda que cumpriu no Rio Grande do Sul sexta e sábado passados, a presidente Dilma Rousseff participou da formatura do Pronatec, inaugurou creches, entregou 57 motoniveladoras a prefeituras e culminou a visita com o anúncio de recursos para o metrô de Porto Alegre (foto). O projeto, que integra o PAC da mobilidade, está orçado em R$ 4,8 bilhões. Desse total, R$ 3,54 bi serão recursos públicos (R$ 1,77 bi da União, R$ 1,08 bi do Estado e R$ 690 milhões da Prefeitura) e R$ 1,3 bi, de parceria-público-privada. A expectativa é de que as obras comecem em 2014 e estejam concluídas em 2020. São 11,7 km, da Zona Norte (Estação Triângulo) à Esquina Democrática (Centro). Dilma anunciou ainda quatro corredores de ônibus em Porto Alegre, Viamão, Guaíba e Canoas.

Correio Riograndense FUNDADO EM 13 DE FEVEREIRO DE 1909 Filiado à ADJORI-RS e ABRAJORI Diretor de Redação: frei João Carlos Romanini Editor-chefe: Ibanor J. Sartor Editores-assistentes: Maria de Fátima Zanandrea e Marcelino C. Dezen Editado por: ASSOCIAÇÃO LITERÁRIA SÃO BOAVENTURA / EDITORA SÃO MIGUEL

Direção-geral: frei Álvaro Morés Redação, Administração, Comercial e Assinaturas: Av. Alexandre Rizzo, 534 CEP: 95110-000 - Caxias do Sul - RS Telefone: (54) 3220-3232 Impressão: Zero Hora Editora Jornalística S.A. / Jornal Pioneiro

Circulação às quartas-feiras Website:

www.correioriograndense.com.br Redação: E-mail:

jornalcr@jornalcr.com.br Comercial/Assinaturas:

comercial@jornalcr.com.br Representante Comercial

Media Opportunities do Brasil Comunicação Ltda.

Rua Frei Caneca, nº 91, 13º Andar Bairro Consolação – São Paulo/ SP Fone (11)3255-2522 - www.mobrasil.com.br (Em todo território nacional, exceto Caxias do Sul e Porto Alegre - RS) Porto Alegre (RS): Ramgrab Representações Rua Eça de Queiroz, 220/401 - Fone (51) 91050082 - 90670-020 - Porto Alegre - RS Veículo associado

Solução existe e já foi apontada por vários especialistas: um transporte público organizado, confortável, seguro. De ônibus, metrô, aeromóvel... O importante é que o cidadão sinta-se estimulado a deixar o seu carro em casa. Isso representaria a retirada de milhões de veículos das vias e a redução drástica da poluição. Mais do que isso, uma demonstração de civilidade acentuada: o individual cedendo lugar ao coletivo, para o bem de todos e de tudo, incluindo em especial a natureza. O que é necessário? Começa pela conscientização de administradores – entre eles, alguns que ainda precisam despertar para esta realidade. Ainda há tempo, mas não muito.

Roberto Stuckert Filho/PR/CR

bjetivo perseguido há décadas, finalmente o Brasil consegue ser admitido no clube dos países desenvolvidos. Pena que esse “avanço” tenha ocorrido pela inversão do tipo predominante de poluição: até recentemente, o desmatamento era a principal causa local da emissão de gases de efeito estufa; agora, é a queima de combustível fóssil. O que coloca o Brasil como poluidor tipo primeiro mundo parte de um contracenso, que é a utilização de usinas termelétricas – num país com alguns dos maiores rios do mundo -, e de um problema que tem atormentado a vida de quase todos os brasileiros: o impressionante

Leitura crítica Cadáveres insepultos Pe. Alfredo J. Gonçalves

fatos. “Uma vergonha”, disse ele a respeito dos últimos mortos de Lampedusa. Não seria exagero falar de “cadáveres insepulProssegue inexorável o desfile de imagens, tos”, uma vez que, na quase totalidade dos casos, notícias, observações e análises sobre a tragé- sequer lhes são concedidos os costumes fúnebres dia recente dos refugiados no Mediterrâneo. De dos parentes e de sua cultura original. Privados acordo com o Corriere della sera (04/outubro), em vida de terra e trabalho, teto e pão; privados, um dos principais jornais italianos, o número mesmo depois da morte, de um velório, a luz de dos imigrantes mortos nas águas do mar, ao sul uma vela ou uma prece; privados, do berço ao túda Itália, nos últimos anos alcança a espantosa mulo, do respeito mínimo à dignidade humana. Para estes refugiados, não há qualquer possibilicifra de 19.142. Mas a tragédia de 3 de outubro, por suas pro- dade de retorno. Para trás ficaram as imagens sanporções inusitadas, parece ter sacudido a Europa grentas da guerra civil, os escombros, os brutais e o mundo para o drama assassinatos ou estupros de dos migrantes e refugiados: pais, irmãos/ãs, filhos/as... As rotas das migrações de um barco com cerca de 500 Para trás ficaram a pobreza massa encontram-se quase africanos em fuga sofreu e a miséria, a fome cruelum incêndio e naufragou sempre pontinhadas de cruzes mente estampada nos olhos, ao tentar aportar no sul da no rosto desfigurado e no Itália, perto da ilha de Lampedusa. Sobreviveram corpo esquelético de filhos órfãos de pais vivos... cerca de 150 pessoas. Os demais foram engolidos Como ponto final, levanta-se uma tríplice interpelação: os cadáveres insepultos dos migrantes e pelas ondas. Numa visão nua e crua dos fatos, as rotas dos refugiados, gritando por justiça e cidadania; a de deslocamentos humanos de massa, por toda par- Scalabrini, o “pai e apóstolo dos migrantes”, com te, encontram-se quase sempre pontilhadas de a máxima de que “para os migrantes, a pátria é a cruzes, tristes sinais de morte. As multidões que terra que lhes dá o pão”; e a do Papa, chamando a perdem a vida tentando atravessar as águas do atenção para a dignidade e a paz de toda pessoa, Mediterrâneo e do Mar do Caribe ou as areias do como linha mestra da Doutrina Social da Igreja, deserto entre México e EUA e no norte da África, independente de credo e religião, raça e cor da vêm crescendo de forma assustadora. Ao mesmo pele, língua, povo ou nação. Nada mais e nada tempo, assiste-se à “globalização da indiferen- menos do que os princípios básicos da Declaração ça”, como afirma o Papa Francisco diante de tais Universal dos Direitos Humanos (1948). Scalabriniano, Roma, Itália

Correio do leitor Defesa da família

“Vivemos num momento de muitas oportunidades para o bem e para o mal, porém, o risco dessas oportunidades nos empurram a falsos valores. Não pode existir meio homem ou meia mulher, nem meio valor. O Correio Riograndense se mantém fiel na defesa da vida, da família, onde reinam os verdadeiros valores com ética e compromisso. Para quem veio de uma família bem estruturada, é fácil descrever e viver os valores da fé, da união, da convivência com os irmãos, mas quem vem de família separada, desestruturada, tudo fica mais difícil. O CR, desde o conheço, continua fiel à boa informação, cultura de valores, defesa da família, mas a família composta por pai, mãe e filhos e não outra forma. Esperamos que esse importante veículo de comunicação continue transmitindo e defendendo a paz, o amor, a alegria de viver em família”. Ivan Carlos Cavaletti, Agente, Erechim - RS

Bioética

“Parabéns ao frei capuchinho Adelino Pilonetto pela abordagem do tema bioética no CR (Curso de Teologia a Distância), a começar pela página central da edição de 11 de setembro e em cada uma das lições. O tema é polêmico e controverso, mas a abordagem do frei é séria, esclarecedora, equilibrada”. Gabriel Sant’anna, Curitiba - PR

Hipocrisia

“Infelizmente, vivemos num país aonde a hipocrisia é marca registrada. Vejam o caso dos colonos. Os três poderes são contra eles, os sem terra, os sem teto... Mas sem teto e sem terra não nascem em árvores”. Deusdedit Rossetto, Florianópolis - SC

Editorial

“Parabéns pelo editorial da edição de 9 de outubro. Show de bola!”. Luiz Mario Roncato, Veranópolis - RS Cartas e e-mails devem conter endereço completo e telefone do remetente. As correspondências não são necessariamente publicadas na íntegra.


CORREIO RIOGRANDENSE - Caxias do Sul, 16 de outubro de 2013

“A Feira reflete um trabalho realizado ao longo do ano. Atraiu uma impressionante diversidade de público, com muitas crianças...” Daniela Ribeiro, coordenadora da Feira do Livro

3 - Caxias

✦ FEIRA DO LIVRO

Jaime Bettega

Resultados da diversidade

Olhar à vida

Seis dias de chuva e intervalos de fraco movimento verificados ao longo dos 17 dias da Feria do Livro de Caxias poderiam indicar baixas vendas. Ao contrário dessa sinalização, os números apresentados pela coordenadora do evento, Daniela Ribeiro, no domingo 13, dia de encerramento, com show do cantor Osvaldo Montenegro, refletem um desempenho recorde. Segundo ela, foram comercializados 103.370 exemplares, cerca de 15% acima da edição anterior. O público, calculado a partir dos livros vendidos, teria superado 400 mil. “Todo mundo saiu satisfeito. Mesmo com os seis dias de clima desfavorável”, avaliou Daniela em entrevista ao CR. “A Feira reflete um trabalho realizado ao longo do ano. Atraiu uma impressionante diversidade de público, com muitas crianças circulando e pedindo títulos, ou seja, sabendo o que queria”, acrescentou. Para ela, esta edição, que teve como patrono o cartunista Carlos Henrique Iotti e como homenageada, Iraci Hoch Maboni, apontou justamente o caminho para os eventos futuros: apostar na diversidade. O discurso do vice-prefeito, Antonio Feldmann, seguiu na mesma direção: “A feira é o encontro das diferentes percepções de mundo, a gente precisa aceitar as diferenças e trabalhar em prol delas.” Em relação a Daniela, Cristiano Bartz Gomes, presidente da Associação Dos Livreiros Caxienses, foi mais comedido: “A maioria dos livreiros saiu satisfeita”, afirmou. Ele destacou o aumento nas vendas. “Superamos a meta estipulada, de 100 mil livros. Tivemos grande procupa por livros e no geral esta edição agradou”, complementou.

✦ SAMAE

Andréia Copini/Div./CR

Evento deste ano supera recordes e indica caminho para o futuro

Público infantil: um dos diferenciais importantes da feira deste ano

Os títulos mais procurados Diferente de anos anteriores, na segunda 14 pela manhã ainda não estava elaborada a relação dos títulos mais vendidos nesta edição da feira. Mas Daniela afirmou que até a quinta-feira, ou seja, três dias antes do encerramento, a liderança era da Bíblia – o que tem se repetido. Entre os infantis, destaque para a coleção “Diário de um banana”, de Jeff Kinney. Já o público adulto pre-

feriu “A Culpa é das Estrelas”, de John Green (Cristiano acrescenta “1889”, de Laurentino Gomes). Dos lançamentos caxienses, Daniele citou “Anedotário da Praça Dante”, organizado por Suelen Mapelli, e “A Rainha está morta”, de Pedro Guerra. Cristiano incluiu “Miguel - a trajetória do papeleiro Miguel e seus cães Scooby e Prata”, de padre Renato Ariotti.

O que deve mudar para 2014 A próxima será a 30ª edição da Feira do Livro de Caxias, em 2014, merecerá atenção especial. “Ainda nesta semana começaremos a avaliar e discutir a edição do ano que vem”, informou a coordenadora Daniela Ribeiro. “Haverá mudanças na estrutura, vamos ampliar o espaço do café, entre outras coisas. Deveremos manter a ideia do fechamento

parcial da rua Dr. Montaury, que revelou ser um sucesso”, adiantou. O líder dos livreiros, Cristiano Gomes, também pensa em alterações. Entre elas estão a difusão, por sistema de som que atinja toda a Feira, das palestras e outras atividades realizadas no auditório, e o uso de telão para a transmissão das palestras, ao vivo ou em reprise.

✦ DIVULGAÇÃO

O prefeito Alceu Barbosa Velho e o diretor-presidente do Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto (Samae), Edio Elói Frizzo, assinaram termo de convênio para instalar novas centrais de autoatendimento da autarquia. O projeto-piloto contempla inicialmente cinco centrais: centro administrativo, aeroporto regional e nas subprefeituras do Desvio Rizzo, Ana Rech e Galópolis. Nessas centrais a população pode solicitar a segunda via resumida para pagamento de conta, informar vazamentos de água na rua, consultar editais, acessar notícias e entrar em contato, por meio do menu “Fale Conosco”. As mesmas funções já estão disponíveis no site do Samae (www.samaecaxias. com.br), que em 2014 será modernizado e reformulado, a fim de tornar a navegação mais prática. Atualmente, mais de 70% dos atendimentos nas lojas do Samae correspondem à solicitação de segunda via da conta de água.

Luiz Chaves/Div./CR

Melhor atendimento

Soberanas da Festa da Uva presentes na Expojuc, em Júlio de Castilhos

Festa da Uva prestigia feiras no Estado Na última semana, uma comitiva da Festa da Uva 2014 participou de diversos eventos e feiras do Rio Grande do Sul. Composta pelo casal presidente da Comissão Comunitária, Edson e Cristina Néspolo, a rainha Giovana Crosa e princesas Gabrielle Debastiani e Karina Furlin, acompanhadas de outros integrantes da comissão, visitaram Panam-

bi, Ijuí, Júlio de Castilhos e Santa Cruz do Sul. Em Ijuí, a comitiva visitou o Parque de Exposições da Expoijuí; em Júlio de Castilhos, participou da Expojuc; e em Santa Cruz do Sul esteve na maior Oktoberfest do Estado. Em todos os locais foram entregues convites para a Festa da Uva, que será realizada de 20 de fevereiro a 9 de março.

A

Continuar cantando

manhecera um daqueles dias em que se pensa duas vezes antes de sair de casa. Mas era necessário encaminhar as atividades. Por uns instantes, a distração permitiu que o ouvido captasse o cantar do sabiá. Parecia tão próximo da janela. De fato, estava na árvore do quintal. A chuva torrencial não impediu que o pássaro, um tanto molhado, continuasse sua ‘missão’: cantar ao amanhecer. As folhas que serviam de proteção não conseguiam impedir a quantidade de água daquele momento. Mesmo assim, a sinfonia alegrava os amantes da natureza. As horas do dia foram passando. A cada instante vinha à memória o cantar do sabiá encharcado pela chuva. Não poderia ter interrompido o canto, para continuar quando a chuva parasse? Nem plateia havia para cantar com tanto entusiasmo! A chuva serviria de desculpa, caso alguém reclamasse. Mas o sabiá continuou seu canto. Uma ‘missão’ intransferível; uma apresentação que independe de público. Subir ao ‘palco’, ou melhor, ao galho fazia parte da rotina diária. Não havia tempo para analisar variáveis incontroláveis. As pessoas nem sempre são persistentes quanto às competências diárias. Por qualquer motivo desistem, encontrando desculpa para A existência se tudo. Sem contar que muitos nem torna vitoriosa conseguem formuàqueles que não lar desculpas por desistem de tanta falta de entusiasmo. Não sabem ‘cantar’, apesar conviver e admidas tormentas nistrar dificuldades. Imaginam um caminho fácil, sem nenhum obstáculo. Enquanto se debruçam em lamentações, os dias passam. O tempo, porém, é implacável: não retorna mais. Se o sabiá continua cantando, mesmo com chuva torrencial, por que os humanos deixam de sorrir por qualquer motivo? Tristezas, decepções e dificuldades fazem parte da vida de todos os mortais. Mesmo assim é possível sorrir e cantar. Não faz bem interromper a ‘missão’ quando surgem contratempos. A chuva não dura para sempre. Um dia vai parar. O sol retorna ao cenário em seguida. As pessoas entusiasmadas enfrentam os mesmos problemas de todos: há dias em que tudo é mais exigente. Porém, elas não se deixam abater. Acabam se superando, aumentando o vigor, confirmando a esperança. Escolher como viver é uma tarefa inadiável. É questão de criatividade imprimir um ritmo saudável à vida. Entre risos e lágrimas, a existência se torna vitoriosa àqueles que não desistem de ‘cantar’, apesar das tormentas. Diariamente você pode acessar mensagem especial de frei Jaime, como a reproduzida ao lado, no Facebook, Twitter, Instagram e Pinterest

“Não perca tempo com o que lhe desagrada. Gaste seu precioso tempo com o que lhe encanta!” @freijaime


CORREIO RIOGRANDENSE - Caxias do Sul, 16 de outubro de 2013

“Em dois meses, a área da Ceasa-Serra deve ser devolvida à Prefeitura pela Companhia Nacional de Abastecimento.” Antonio Garbin, gerente da Adcointer

4 - Municípios

FABASTECIMENTO

Informe CR

Boas notícias na Serra

Divulgação/CR

Prestes a completar 15 anos, em novembro, a Administradora de Consórcios Intermunicipais (Adcointer ou Ceasa/Serra) contabiliza boas novas. A área de 73.000m² pode voltar ao município de Caxias do Sul. “A minuta da escritura está pronta e, em dois meses, deve ser devolvida à Prefeitura pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab)”, adianta o gerente da Adcointer, Antonio Garbin. Também em novembro está previsto o início das obras de construção de vestiários e banheiros. As melhorias vão consumir R$ 182 mil e beneficiam diretamente os fornecedores. “Os recursos são da própria Adcointer. A previsão de entrega da construção é de 150 dias”, revela Garbin. A Ceasa-Serra é formada por 11 municípios da região: Antônio Prado, Caxias do Sul, Farroupilha, Flores da Cunha, Garibaldi, Ipê, Nova Pádua, Nova Petrópolis, Nova Roma do Sul, Protásio Alves e São Marcos. O prefeito de Caxias do Sul, Alceu Barbosa Velho, e o secretário da Agricultura do município, Araí Horn, são o presidente do Conselho Deliberativo e o diretor-presidente da entidade, respectivamente.

Luiz Chaves/Divulgação/CR

Adcointer festeja a devolução da área para Caxias do Sul

Adcointer, administrada por 11 prefeituras, recebe produção regional Terreno - Fundada em 1982 pela Conab, a Ceasa/Serra teve a administração assumida pela Adcointer em 1998. O terreno da rua Jacob Luchesi, nº 3181, no bairro Santa Lúcia, onde a central de abastecimento está instala-

da, foi doado pela Prefeitura. A Conab construiu dois pavilhões, duplicados após o início da gestão do consórcio de municípios. E estava reivindicando a área desde 2010, espalhando temor entre os agricultores. Divulgação/CR

F FEIRA

André da Rocha Cerca de 20 mil pessoas participaram da 10ª Expo André da Rocha, evento que destaca o setor agropecuário da região dos Campos de Cima da Serra. “A feira é a segunda maior do Estado em número de animais de argolas (galpão)”, destaca o presidente do Sindicato Rural, César Vieira. Promoção da Prefeitura e do Sindicato Rural de André da Rocha, a feira, realizada em setembro, exibiu alguns campeões da Expointer 2013. Feira acolheu em torno de 20 mil pessoas de todo o Estado

Divulgação/CR

Implementos agrícolas beneficiam 35 prefeituras

Prefeito de Luzerna, Moises Diersmann (E), com o secretário do, Belmonte, Brunópolis, Catanduvas, Celso Ramos, Coronel Martins, Cunhataí, Formosa do Sul, Guarujá do Sul, Herval do Oeste, Ipuaçu, Iraceminha, Lindóia do Sul, Luzerna, Mondaí, Modelo, Nova Itaberaba, Nova Erechim,

Pela segunda vez A organização da Fena- esta será a segunda vez champ vai agora formali- que a festa vai parar nas zar o pedido de inserção páginas do renomado lido recorde no Guinness vro – a outra é o maior saBook. Caso se concretize, brage coletivo do mundo. Presidência do Ibravin Oriunda da agricul- cada por lideranças dos tura familiar, 33 anos, produtores de uva para o líder sindical e filiada ao cargo. A presidência do PT. Esses são alguns dos Ibravin segue um rodítraços do perfil da pro- zio entre trabalhadores vável futura presidente rurais, vinícolas e coodo Ibravin. Josecarla perativas – atualmente Signor é presidente do no comando, com Alceu Sindicato dos Trabalha- Dallemolle. Mudança dores Rurais de Farrou- é para 2014 e mandato pilha e está sendo indi- tem dois anos. Custo da produção de uva O custo da produção de atual preço mínimo é R$ uva vem sendo mantido 0,57 e não muda há duas em sigilo. É uma ferra- safras. O custo da produmenta importante na ne- ção apurado em 2012 foi gociação entre produtores, R$ 0,67. Em 2013, gira empresários e governo. O em torno de R$ 0,70.

F OESTE DE SC

Implementos agrícolas foram entregues a 35 municípios do Oeste catarinenses, durante a 19ª Exposição-feira Agropecuária, Industrial e Comercial de Chapecó (Efapi 2013), em Chapecó, dia 9. Na mesma solenidade foi repassado R$ 1,08 milhão para a Cooperativa dos Agricultores Familiares de Xaxim (Coafax) e Associação dos Produtores Feirantes de Chapecó (Aprofec). Segundo o secretário da Agricultura e da Pesca, João Rodrigues, os implementos são provenientes do Fundo de Desenvolvimento Rural (FDR) e representam investimento do governo do Estado de R$ 2 milhões. Entre os implementos agrícolas estão ensiladeiras, carretas agrícolas, distribuidor de calcário e adubo, balança bovina, grades niveladora e aradora, entre outros. Os municípios contemplados foram Abelardo Luz, Alto Bela Vista, Arvore-

Recordes na Fenachamp O dia 13 de outubro tiva de bater o recorde da pode entrar para a histó- maior taça de espumante ria da Fenachamp e de do mundo. Os 100 litros Garibaldi. No domingo é um marco em homenapassado, durante o even- gem ao centenário da proto, foram utilizadas 134 dução do espumante no garrafas de espumante, Brasil. O atual recorde é equivalente a 100,5 litros da Ucrânia, com uma taça da bebida, para encher de 1,75 metro e volume uma taça de 2,23 metros de 75 garrafas, conquistade altura (foto), na tenta- do em 2011.

Ouro Verde, Passos Maia, Pinhalzinho, Presidente Castelo Branco, Romelândia, Santa Terezinha do Progresso, Santiago do Sul, São Miguel do Oeste, Saudades, Sul Brasil, Tangará, Tigrinhos, Treze Tílias, Vargeão e Vargem.

Seleção do IFRS O Instituto Federal e Tecnologia em Procesde Educação, Ciência e sos Metalúrgicos (35), Tecnologia do RS (IFRS) em nível superior; e Faoferece 2.050 vagas em bricação Mecânica (60), cursos técnicos de nível Plásticos (95) e Química médio e 1.219 em cur- (60), em nível técnico. sos superiores em seus Inscrições até 11 de no12 campus. Para Caxias, vembro, pelo site www. são 290 vagas: Licencia- ifrs.edu.br. Prova ocorre tura em Matemática (40) em 1º de dezembro. Orquidófilos A Associação Garibal- Gaúcha, realiza a 30ª Exdense de Orquidófilos, posição Regional de Orcom apoio da prefeitura, quídeas. Evento ocorre Polo Regional da Ser- de 18 a 20 de outubro, no ra, Vale do Paranhana, salão da igreja N. Sra. do Vale do Caí e Federação Carmo, em Garibaldi.


CORREIO RIOGRANDENSE - Caxias do Sul, 16 de outubro de 2013

5 - Municípios ✦ EVENTO

Giro

Morro Reuter faz festa para a lavanda A 2ª Festa Nacional da Lavanda de Morro Reuter, que ocorre de 14 a 17 de novembro, apresenta atrações musicais (The Travellers, Acústicos e Valvulados, Armandinho, Megaloucos e Gabriel Valim), Encontro de Carros Antigos e dos Motociclistas, Caminhada Noturna e a 1ª Fest Bike Lavanda. Diversos produtos feitos com lavanda podem ser conferidos pelo público. Entre as feiras que ocorrem durante a festa estão a exposição de artesanato, cosméticos, floricultura, móveis, agropecuária e de máquinas agrícolas. As soberanas, a rainha Joice Zimmer e as princesas Thais Klaus e Larissa de Souza, entregaram o convite ao governador do Estado, Tarso Genro.

Soberanas: rainha Joice Zimmer e as princesas Thais Klaus e Larissa de Souza

Divulgação/CR

✦ SÃO LOURENÇO DO OESTE

✦ PINTO BANDEIRA Divulgação/CR

Xadrez movimenta escolas Rech Alves, Ana Paula Novakoski, Murilo Augusto Zanetti, Vanessa de Lima, Eduardo Franz Coelho, Rafaela Sperotto Cacciatori, Willian Gabriel Borges; Vanilde e João dos Santos Garcias, Andressa Ecco, Wellington de Witt e Francieli Killian de Paula. Divulgação/CR

As escolas de São Lourenço do Oeste movimentaram a cidade ao realizar o Campeonato Municipal de Xadrez. Promoção da Secretaria de Educação e do Comitê Desportivo, participaram estudantes do 1º ao 8º ano. Sagraram-se campeões Yuri

Serafina Corrêa/encontro Serafina Corrêa realiza, no próximo dia 26, III Encontro Artístico de Projetos Sociais. Trata-se do festival de dança, música e arte, com o tema o amor. Participam grupos de Caxias do Sul, Cruz Alta, Passo Fundo, Sapiranga, Vista Alegre do Prata, David Canabarro, Paraí, Nova Araçá, São Jorge, Casca, Bento Gonçalves, Guabijú, Nova Prata, Vila Flores, Flores da Cunha, Veranópolis, Santo Antônio do Palma, Nova Bassano e Garibaldi.

Trajeto exibe as belezas da primavera, em Pinto Bandeira

Caminhada integra duas cidades

Foram premiados todos os alunos do 1º ao 4º lugares

A Caminhada das Rosas, realizada no sábado 5, movimentou Pinto Bandeira e Bento Gonçalves. Dezenas de pessoas participaram do evento que homenageia Nossa Senhora do Rosário de Pompeia, padroeira do município.

O trajeto foi idealizado pelo padre Darci Bortolini, que recebeu o título de Cidadão Pinto- bandeirense (leia pág.19). O pároco de Pinto Bandeira, Luis Mascarello, abençoou os botões de rosa e a fita votiva.

Ciranda na Praça A Secretaria de Educação e Cultura de Encantado organiza a Ciranda na Praça, dia 19 de outubro, na Praça da Bandeira. Entre as atrações estão teatro, música, brinquedos infláveis e pintura facial. Pé na Trilha em Caibi Dezoito equipes estão inscritas para participar do Pé na Trilha 2013, de Caibi. Este ano serão mais de 300 jovens participando. A caminhada ocorre dia 20 de outubro. Festa do Leitão Nobre Dia 26 de outubro, no salão comunitário Rio Azul, em Aratiba (RS), realiza-se a Festa do Leitão Nobre, jantar à base de carne suína. Agrofeira de Três Passos A X Agrofeira - Schweinfest und milchfest ocorre dia 27 de ouburo, em Erval Novo, distrito de Três Passos (RS). Tratase de feira e almoço típico.

Descubra o seu lugar no universo. Inscrições até 20/nov | Prova: 8/dez Bacharelado • Licenciatura • Tecnologia


CORREIO RIOGRANDENSE - Caxias do Sul, 16 de outubro de 2013

“Sem educação não se pode pretender ser povo de cabeça erguida, que analisa a realidade e toma decisões. Sem educação não se constrói uma nação.” Maria Clara Bingemer

Maria Clara Lucchetti Bingemer

6 - Opinião

Escolas vazias de aulas e de justiça

Teóloga e autora de “O mistério e o mundo – Paixão por Deus em tempo de descrença”, Editora Rocco.

N

ão deixa de ser algo melancólico que em pleno mês de outubro, no qual se comemora o Dia do Mestre, se viva esse clima surreal e iníquo dos enfrentamentos entre professores e polícia nas ruas do Rio de Janeiro. E quando a violência passa a presidir os acontecimentos, a melancolia se transforma em indignação e até mesmo em raiva. Não é por ser professora que empenho toda a minha solidariedade aos grevistas. Até porque trabalho numa universidade privada. Mas o que se passa na rede pública é, no mínimo, vergonhoso para falar de maneira delicada e discreta. Vejo Mariana, menina de doze anos, filha de Ana, sem aula há mais de um mês. A mãe se preocupa. Mas o fato de Mariana estar sem aula é apenas a ponta de um processo que se arrasta há anos, há décadas de aviltamento do salário e da carreira daqueles que deveriam ser os profissionais mais valorizados de toda a cidade, de todo o país. Que profissão é mais importante que a de professor? O que pode ser mais fundamental em uma sociedade do que a educação, a formação das pessoas, do que aqueles que as ajudam a ingressar

Frei Betto

Isso é o dia a dia triste e desanimador na cidadania, nos direitos humanos, da educação brasileira. Mas quando no amplíssimo universo do saber? O professor é a chave de uma sociedade livre, a categoria vai às ruas, faz greve por melhores salários e condições de democrática, politizada e autônoma. Sem trabalho e além de não conseguir o que educação não se pode pretender ser povo de cabeça erguida, que analisa a realidade, reivindica apanha, aí já é demais. É simplesmente indecente ver professores tira conclusões e toma decisões. Sem com o rosto ensanguentado por haver educação não se constrói uma nação. Muitos homens públicos têm batido nesta defendido um colega contra a truculência da polícia. Dá tecla repetidamente. vontade de chorar Alguns já Quando a violência passa a ver professoras morreram, como presidir os acontecimentos, a com anos de o grande Darcy melancolia se transforma em sacrificado Ribeiro. Hoje indignação e até mesmo em raiva magistério temos Cristovam sendo contidas Buarque que não por policiais armados e protegidos por fala nem escreve sobre outra coisa. Tudo indica que só prosperam aqui os programas escudos. Talvez muitas delas tenham ensinado àqueles que hoje as atacam. eleitoreiros, dos resultados imediatos, que É perfeitamente compreensível não visam a transformações profundas e a desejar a manutenção de ordem longo prazo. nas ruas e a ausência de arruaças e As crianças vão à escola e têm uma porcentagem ínfima das aulas que deveriam quebra-quebra. Mas mandar a PM reprimir os professores armada com ter. Algumas vão por causa da merenda, spray de pimenta, gás lacrimogêneo e pois o boletim, ao final do ano, está cassetete... sinceramente. Não se está coalhado com a maldita sigla: SP (Sem lidando com criminosos, senhores. Nem Professor). E um professor tem que correr cidade afora para trabalhar em dois ou três com arruaceiros profissionais. Diante de vocês estão os trabalhadores da estabelecimentos.

Crianças robotizadas

Escritor e autor de “Alfabetto – autobiografia escolar” (Ática), entre outros livros. http://www.freibetto.org/> twitter:@freibetto

T

odos nós já vimos uma menina dar de beber à boneca, embora ela saiba perfeitamente que bonecas não bebem, assim como meninos conversam com cães como se estes fossem capazes de responder na mesma linguagem. É imprescindível à nossa saúde psíquica desfrutar ao máximo, na infância, o nosso universo onírico. Embora bonecas não bebam o suco que lhes é oferecido, nem cães possam estabelecer diálogo com uma criança, esta atribui à boneca e ao animal estados emocionais que são próprios de seres humanos. Toda criança é uma atriz, capaz de desempenhar múltiplos papéis. A menina é mãe, babá, irmã, professora e médica da boneca. Há uma interação entre as duas. A boneca, graças à projeção onírica da criança, responde, chora, come, bebe e faz manha. A fantasia é o recurso mimético que permite à criança transportar, à sua maneira, o universo dos adultos ao seu mundo e, ao mesmo tempo, é o complemento da sabedoria infantil, provedora de sentido e animação ao que, aos olhos adultos, carece de sentido e permanece inanimado. O menino, montado no cabo de vassoura, sente-se confortável em seu cavalo. Dê a ele um cavalo de brinquedo, com arreios e crina, e é bem provável que, dias depois, ele abandone o presente para voltar à vassoura – que dialoga com a sua imaginação. Exaurir a infância de tudo que

ela tem de próprio, como atividades lúdicas, brincar de roda, de escondeesconde, e enturmar-se com os amiguinhos, é essencial para o futuro saudável do adulto. Hoje em dia essa exigência se torna mais difícil. A rua é, agora, lugar perigoso, ameaçado pela violência e pelo trânsito. As crianças ficam retidas em casa, confinadas em apartamentos, entregues a jogos eletrônicos, TV e internet. A diferença com as gerações passadas é que, agora, o protagonista da fantasia não é a criança. É a animação do desenho virtual, como se a tecnologia “soubesse” por ela. A

Agora, o protagonista da fantasia não é a criança. É a animação do desenho virtual, como se a tecnologia “soubesse” por ela criança é relegada à condição de mera espectadora. A fantasia não brota dela, resulta do aplicativo ou do desenho animado ou filme projetado na TV e na internet. Na missa de domingo vi duas crianças compartilhando um smartphone, enquanto seus pais participavam da liturgia. Passaram todo o tempo atentas ao homem-aranha arrasando seus adversários. O que esperar de um adulto que, quando criança, divertia-se com a violência virtual e passava horas praticando assassinatos via bonequinhos eletrônicos? E de uma menina que, aos 4 ou 5 anos, se

maquia como adulta, fala como adulta, manifesta desejos de adulta, padecendo a esquizofrenia de ser biologicamente infantil e psicologicamente “adulta”? A puberdade, momento crítico para todos nós, é mais angustiante para essa geração que não exauriu seu potencial de fantasias. O medo do real é mais acentuado, assim como a dependência familiar, que mantém jovens de 25 e 30 anos ao abrigo do lar paterno. Essa insegurança frente ao real é a porta de entrada para a vulnerabilidade às drogas. O traficante, graças a uma perversa intuição profissional, oferece de graça sua mercadoria aos adolescentes, como se advertisse: “Você já não pode sonhar com a própria cabeça. Mas não tema. Há outro jeito de fugir da realidade e “viajar” legal. Só que agora depende da química. Experimente isso.” Preocupam-me também as crianças robotizadas que cumprem, além da escola, agendas apertadíssimas, com aulas de idiomas, natação etc, sem tempo para brincar com outras crianças e, assim, se educar nos códigos da sociabilidade, como saber admitir seus próprios limites e reconhecer o direito dos outros. Talvez essa robotização explique um fenômeno tão comum nas grandes cidades: adolescentes e jovens que, em ônibus e metrô, se fazem de cegos ao ver, de pé, idosos, portadores de deficiência e mulheres grávidas, e permanecem tranquilamente sentados, se lixando para a mais elementar educação.

educação que reivindicam melhores condições para poder formar as futuras gerações de brasileiros. O plano de cargos e salários elaborado pelo prefeito da cidade foi rejeitado. Esse fato desencadeou a ocupação da Câmara Municipal do Rio de Janeiro. Após a PM retirar à força mais de 100 professores que ocupavam o plenário, o plano foi votado e aprovado. Insatisfeitos, os professores anunciam a manutenção da greve. E o Rio continuou com escolas vazias e uma educação de má qualidade. Ausência de bom senso, ausência de diálogo, ausência de justiça. Enquanto isso, os salários dos políticos sobem, a “evolução patrimonial” de outros atinge níveis estratosféricos. Gastam-se milhões para fazer e desfazer estádios. E, no entanto, a educação amarga dias desanimadores e vê encurtar seus horizontes. As novas gerações não podem esperar grande coisa do futuro. Ações extrínsecas que maquiam o rosto do país são mais importantes que uma educação séria e de qualidade a eles oferecida. Oxalá os responsáveis abram os olhos e vejam para onde estão conduzindo o futuro da nação, o amanhã de suas crianças.

Pe. Zezinho Escritor, compositor e intérprete de músicas

D

Deslizes

eslizes não há quem não os cometa. Se for humano, mais dia menos dia, o crente escorregará. Não há santos sem escorregões. Por mais piedoso que pareça o monge, por mais provado que o pregador se revele em virtudes e por mais exemplar que seja sua vida, mais dia menos dia, acaba dizendo o que não devia, fazendo o que não deveria e pecando como jamais imaginava. Por isso, não nos apressemos em julgar os outros. Também somos candidatos aos mesmos escorregões. Uma coisa é discordar do comportamento de algum irmão na fé. Outra é nos arvorarmos em juízes. Discordemos dele e corrijamos. Mas discordemos sem diminuí-lo. Correção fraterna existe e é para ser usada. E precisamos ter a humildade de corrigir nossos erros quando alguém os aponta. Pregadores não são anjos e escritores, catequistas e compositores não são infalíveis. Podemos errar e erramos. Podemos ser tentados e somos, podemos cair e caímos. Que o povo ore por seus sacerdotes e pregadores e que padres e pregadores peçam misericórdia quando errarem, peçam desculpas e perdão quando se excederem e peçam preces ao povo para errarem o menos possível. Nunca seremos uma igreja de anjos. Anjos não precisam de igreja. Os humanos, sim! A ascese católica sabe que fiéis e pregadores erram. Estar lá na frente não é sinal de santidade. Ser mais visto não é o mesmo que ser mais sensato. Pensemos nisso quando bater a tentação de nos acharmos especiais. Nossa missão talvez seja. Quanto a nós, cabe viver como quem sabe das responsabilidades. Perfeito? Só Deus. Nós já erramos ou ainda erraremos. Por isso, comecemos bem nossas missas. Elas começam com o ato penitencial… Nem poderiam ser diferentes.


CORREIO RIOGRANDENSE - Caxias do Sul, 16 de outubro de 2013

“A taxa de desmatamento na Amazônia diminuiu bastante, mas a frota de veículos aumentou [invertendo o tipo de poluição predominante no Brasil].” José Marengo, peruano, representante do Brasil no IPCC

7 - Nacional

F CLIMA

F RESÍDUOS

Mudanças terão forte impacto

Só investimento resolve problema

Brasil sofrerá desastres naturais, mais doenças e falta de água e alimentos dengue, a malária, a febre amarela e a leishmaniose, ou por água e alimentos contaminados, como diarreias agudas, leptospirose e toxoplasmose. Acredita-se que alterações climáticas, como intensas ondas de calor, tenham impacto também sobre doenças crônicas não transmissíveis, como males cardiovasculares e respiratórios. Há ainda o agravante de se unir as mudanças no clima com a poluição atmosférica (que é um dos principais fatores de aceleração do aquecimento global). Há também a preocupação com os riscos de escassez de águas e alimentos e de transtornos psicológicos como o estresse provocado pelos eventos climáticos extremos. Diante de um cenário de incertezas em relação ao futuro do planeta, o governo brasileiro se prepara para tentar reduzir os efeitos colaterais do clima na saúde da população. Entre as metas do governo estão ampliar a cobertura vacinal da população, a vigilância sobre as doenças crônicas e a análise da qualidade da água, além de reduzir a incidência de doenças provocadas por vetores. (Com informações da ABr)

ABr/CR

As mudanças climáticas deverão provocar aumento do nível dos mares e da intensidade de eventos extremos, como secas e tempestades em todo o mundo. A previsão foi confirmada pelo último relatório do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC, sigla em inglês), divulgado no mês passado. E o Brasil deverá ser afetado de várias formas. De acordo com o governo brasileiro, espera-se que as mudanças no clima tenham impactos diretos (como no caso dos desastres naturais), indiretos (devido à mudança na qualidade da água, do ar e dos alimentos) e também por meio de perturbações sociais e econômicas. “A questão é como preparar o sistema de saúde para esses eventos. Dentro do sistema que já existe, temos que começar a prepará-lo para isso. Pelo que os relatórios apontam, haverá chuvas muito fortes e secas muito fortes no país”, afirmou o secretário nacional de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental do Ministério do Meio Ambiente (MME), Carlos Klink. Entre as preocupações do governo brasileiro, estão as doenças transmitidas por vetores como a

Brasil é desenvolvido – em poluição O desmatamento deixou de ser a principal causa de emissão de gases de efeito estufa no Brasil. Foi substituído pela queima de combustível fóssil, poluindo “como um país desenvolvido”, segundo avaliação do pesquisador peruano José Marengo, participante do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC). Ele foi indicado pelo Brasil para o programa de monitoramento do clima. De acordo com Marengo, o inventário de emissão de gases de efeito estufa de 2010, lançado em 2013 pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, mostra que houve a inversão do tipo de poluição predominante no Brasil em comparação ao relatório anterior, de 2004. “Desde 2008, a taxa de desmatamento na Amazônia diminuiu bastante, mas a frota de veículos aumentou. A agricultura também tem melhorado um pouco, mas ainda contribui. O que coloca o Brasil como país poluidor tipo primeiro mundo é a queima de combustíveis fósseis, basicamente termelétricas e a frota veicular”. Para ele, apesar da diminuição no desmatamento, a situação ainda é preocupante. “Se nós tivéssemos um sistema de transporte

massivo confiável, confortável, as pessoas deixariam os carros em casa. Mas para pegar um metrô é uma humilhação. Se você vai de bicicleta, te atropelam. Isso tem que mudar, e a única forma é favorecer o transporte público”. Transporte público decente reduziria queima de combustível Marengo lembra que o IPCC não trabalha com o tempo geológico, que estuda os grandes ciclos do planeta, e já provou que houve eras de aquecimento e Informação, cultura, opinião, resfriamento da Terra sem a inentretenimento, curiosidades e muito mais terferência humana. As análises são de um período de 200 anos Preencha o cupom e envie. Não precisa selar. Basta recortar este e mostram que as causas naturais cupom e colocar em qualquer caixa de coleta dos correios. do aquecimento são de longo praA cobrança será feita por boleto bancário. zo e levam a variações pequenas, enquanto a intervenção humana é Assinale a opção de assinatura: de curto prazo e tem ação “super □ Via Agente: R$ 135,00 rápida”. □ Via Correio: R$ 145,00 (endereço na capa - mala direta) “A única forma de evitar um □ Carta: R$ 230,00 (dentro de envelope lacrado) aquecimento maior é reduzir a emissão de gases de efeito estuNome: _______________________________________ fa, diminuindo, por exemplo, a ______________________________________________ frota de veículos, e aumentando energias renováveis, solar, eólica, Rua: __________________________________________ biomassa...”, reforça o pesquisa_____________________________ Nº ______________ dor, destacando que medidas de Compl.: ____________ Bairro: _____________________ mitigação são caras. As projeções mais otimistas estimam que a Cidade: ________________________________________ temperatura média do planeta vai CEP _____________________ Estado _____________ subir cerca de 1,5 grau Celsius Telefones: ( ) __________________________________ (ºC) até 2100. No caso das emissões de gases do efeito estufa, o E-mail: ________________________________________ aumento pode chegar até a 4°C.

O Brasil precisa investir R$ 6,7 bilhões para, de forma adequada, coletar todos os resíduos sólidos e dar fim a esse material em aterros sanitários. O dado foi divulgado pela Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe). De acordo com a entidade, caso o país mantenha o ritmo de investimentos na gestão de resíduos registrado na última década, a universalização da destinação final adequada deverá ocorrer apenas em meados de 2060. “No atual ritmo, chegaremos a agosto de 2014 com apenas 60% dos resíduos coletados com destino ambientalmente correto”, destaca Carlos Silva Filho, diretor executivo da Abrelpe. A Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) prevê para agosto de 2014 o fim da destinação inadequada de resíduos. Dados da Abrelpe mostram que há ainda cerca de 30 milhões de toneladas de resíduos sólidos urbanos com destinação inadequada no país. “Se não contarmos com esforços conjuntos e recursos disponíveis para custear o processo de adequação, corremos o risco de ver o principal ponto da PNRS não sair do papel”, destacou o diretor. Segundo a associação, a aplicação de 0,15% do PIB no setor de resíduos seria suficiente para as adequações necessárias. O Instituto de Pesquisa Econômica A plicada (Ipea) traz outro dado preocupante. Até o momento, apenas 9% dos municípios brasileiros entregaram o PNRS. Existem ainda no Brasil 2.906 lixões, em 2.810 cidades. Mais um indicativo de que a meta de eliminar os lixões até agosto de 2014 não será cumprida.

Assine o Correio Riograndense 9912326314 - DR/RS


CORREIO RIOGRANDENSE - Caxias do Sul, 16 de outubro de 2013

“De cada dez, no máximo dois são favoráveis. Em geral, eles dormem uma hora a menos e trabalham uma a mais.” Rudimar Menegotto, presidente do STR de Caxias, sobre os agricultores e o horário de verão

8 - Reportagem

F VERÃO

O novo horário e suas implicações

O lado bom do novo horário, para quem pode brincar, praticar exercícios ou esticar o dia em 1916. O Brasil implantou em 1931, por cinco anos, retomando sem interrupções em 1985. A partir de 2008, lei determina que comece no terceiro domingo de outubro (leia quadro). Prós- e contras - O horário de verão traz benefícios e problemas. Ele diminui os riscos de restrição de carga no horário de pico e oferece melhores condições de apro-

Adaptação suaviza efeitos da mudança Médicos consideram importante uma adaptação para que a mudança de horário não cause cansaço, fadiga e até mesmo exaustão – quando a pessoa apresenta sinais como irritabilidade, dor de cabeça e até diarreia e alteração de humor. Para o especialista em transtornos do sono e professor de Medicina da Universidade de Brasília (UnB) Raimundo Delgado Rodrigues, a atenção deve ser redobrada para as crianças e idosos. Na sua avaliação, a mudança no horário é um atentado à saúde da população. “Eles tentam adiantar o horário para poupar energia, mas a gente nunca vê uma justificativa nem um relatório convincente ao final do período e a gente repara na quantidade de pessoas que sofrem ao acordar uma hora mais cedo”, diz Rodrigues. O fisiologista Hildeamo Bonifácio recomenda que na primeira semana do novo horário as pessoas aumentem a ingestão de líquido e façam refeições leves. Também deve ser mantido o horário das refeições, para o cérebro se adaptar mais rapidamente com a mudança. Isso significa, por exemplo, continuar tomando café às 7 horas

Relógio: adiantar uma hora (6 horas pelo horário tradicional), mesmo que não tenha fome. Tática idêntica deve ser adotada com o sonho. Quem está acostumado a dormir às 22 horas, por exemplo, deve manter o horário, mesmo que ainda não tenha sono. “Se essas orientações não forem seguidas, é como se a pessoa estivesse em uma semana de carnaval: vai dormir tarde, acorda tarde, aí muda todo o relógio biológico”, diz o fisiologista. É preciso deixar claro: pelas dificuldades de adaptação do organismo, a mudança de horário está longe de ser uma unanimidade entre a população. (Com informações da Agência Brasil)

veitamento das capacidades de geração das usinas. Ajuda ainda a preservar o meio ambiente, evitando a poluição produzida pela queima de combustível fóssil para geração de energia de origem térmica. Também contribui para a melhoria na qualidade de vida da população, pelo melhor aproveitamento da luz solar. Isso vale mais para a população urbana. No meio rural, o horário de verão é mal recebido por

gerar transtornos (leia abaixo). Críticos do horário especial argumentam que a alteração provoca alterações no relógio biológico das pessoas, principalmente as mais idosas, causando prejuízos à saúde. Para evitá-los, são necessários alguns cuidados. Interfere ainda em hábitos – quem precisa levantar mais cedo, por exemplo, deve deitar-se também mais cedo, para evitar desgaste.

Ideia de 229 anos F Em 1784, quando não havia ainda energia elétrica, o político e inventor norteamericano Benjamim Franklin lançou a ideia do horário de verão. Mas não teve boa aceitação do governo dos EUA. Tanto que o primeiro país a adotá-la oficialmente foi a Alemanha, em 1916, na I Guerra Mundial, para economizar os gastos com carvão. F No Brasil, o primeiro horário de verão foi implantado entre 1931 e 1932, pelo presidente Getúlio Vargas, durante cinco meses. Vem sendo adotado sem interrupções desde 1985, com algumas diferenças nos Estados e períodos de duração. Em 2008, o decreto 6558, do governo Lula, definiu o tempo de duração, quatro meses, e as datas para a mudança de horário de verão: começa no terceiro domingo de outubro e termina no terceiro domingo de fevereiro. Exceção: quando o terceiro domingo de fevereiro coincidir com o domingo de Carnaval. Nesse caso, o horário de verão vai até o quarto domingo de fevereiro.

Agricultores da Serra não gostam e evitam a troca Não há um dado estatístico preciso, mas lideranças do setor garantem: mais de 90% dos agricultores são contra o horário de verão. A mudança gera muitos transtornos na atividade, porque o horário da propriedade é um e o da cidade é outro, obriga a jornadas mais longas e ainda à exposição em períodos de maior intensidade solar. São muitas as famílias de agricultores que ignoram o horário de verão e optam por orientar suas atividades, refeições e descanso pelo movimento do sol. Quando isso é possível, pouco ou nada sentem. Mas para a maioria delas essa postura é inviável. Quem entrega mercadorias na Ceasa ou carga de uva nas vinícolas precisa se adequar ao horário de verão. O mesmo ocorre com quem tem filhos na escola. “Já tivemos caso de associado que perdeu audiência, consulta médica ou até avaliação do INSS”, lembra Rudimar Menegotto, presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais (STR) de Caxias do Sul. “O agricultor de nossa região tem de se adaptar ao novo horário

Luiz Chaves/Divulgação/CR

À meia-noite do próximo sábado, dia 19, moradores das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste deverão adiantar os relógios em uma hora. Começa a vigorar nesses Estados o horário de verão. Nesta edição, a mudança permanecerá até o dia 16 de fevereiro de 2014. Com o horário definido pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), o Brasil passa a ter três fusos: menos duas horas em relação aos Estados do Acre, Amazonas, Roraima e Rondônia (meio-dia em Porto Alegre será 10 horas em Manaus); menos uma hora nos Estados do Nordeste (inclusive a Bahia, que, pelo segundo ano, preferiu ficar de fora), Pará, Amapá, Tocantins (optou por não aderir neste ano). Sul e Sudeste, mais Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul adotam o horário de Brasília. O objetivo do horário de verão é aproveitar o fato de os dias serem mais longos, devido à posição da Terra em relação ao Sol, para economizar o consumo de energia elétrica. Como? Acendendo as luzes mais tarde. O último horário de verão durou 133 dias, reduzindo em 4,6% o consumo no horário de pico nas regiões onde foi praticado. Em valores, no país, foi estimada economia de R$ 160 milhões. O horário de verão é uma ideia lançada em 1784, por Benjamim Franklin (EUA), mas o primeiro país a adotá-la foi a Alemanha,

Fotos Marcello Casal Jr./ABr/CR

Mudança traz benefícios e prejuízos, pode afetar a saúde e é mal recebida pelos agricultores

Agricultores ficam mais expostos ao sol: riscos e transtornos sem abandonar o horário normal. Isso é muito difícil”, avalia o líder sindical. Tem outro caso sem solução: o pecuarista não consegue mudar o horário de seu rebanho. Menegotto estima em mais de 95% o percentual de produtores rurais que não gostam da alteração do horário. “De cada dez, no máximo dois são favoráveis, quem sabe até só um. Em geral, eles dormem uma hora a menos e trabalham uma a mais. Pior:

quando começam a se acostumar, volta o horário velho”, descreve. Situação semelhante relata Josecarla Signor, presidente do STR de Farroupilha. “O dia fica mais extenso e para o agricultor, isso significa mais trabalho, ficar mais sob o sol. Quem pode, não muda o horário. Mas reconheço que isso é difícil, porque a vida deles não está isolada”, analisa a líder rural. “São quatro meses mais sofridos, mas não vejo opção”, conclui.


CORREIO RIOGRANDENSE - Caxias do Sul, 16 de outubro de 2013

“A importância é fazer com que a prescrição de uma dieta rica em vitamina K no Brasil seja feita da forma mais precisa possível”. Simone Aparecida Conceição Faria, autora da tabela brasileira de vitamina K

9 - Saúde

F PESQUISA

F APARELHOS

Exercício vale como remédio

OMS quer fim do mercúrio até 2020

O exercício físico pode ser pelo menos tão eficaz quanto alguns medicamentos para reduzir o risco de morte em pessoas com derrame cerebral ou com doença cardíaca, mostra estudo publicado na semana passada. Os investigadores da London School of Economics, da Harvard Medical School e da School of Medicine da Universidade de Stanford compararam os resultados de vários estudos para determinar a eficácia do exercício e a dos medicamentos em pessoas com doenças cardíacas, história de acidente vascular cerebral, prédiabetes e insuficiência cardíaca. Foram analisados 305 ensaios clínicos, envolvendo 339.274 indivíduos, e não foram encontradas “diferenças estatisticamente detectáveis” entre o exercício e o tratamento com medicamentos na redução da mortalidade de pessoas com doenças cardíacas ou sintomas de pré-diabetes, segundo comunicado da revista British Medical Journal, que publicou o estudo online. A equipe descobriu que o exercício era mais eficaz do que os medicamentos no caso das

José Cruz/ABr/CR

Estudo mostra que atividade física é tão eficaz quanto medicamento para doenças

Pesquisa científica envolveu 339.274 pessoas para ampliar importância da atividade física pessoas que tinham tido um acidente vascular cerebral, enquanto os fármacos eram melhores para tratar a insuficiência cardíaca. Os cientistas pediram que fossem feitos mais estudos para avalizar a sua descoberta, dada a

escassez de informação sobre o tema. Defenderam, no entanto, que até a essa altura o exercício “seja considerado uma alternativa viável ou acompanhe o uso dos medicamentos”, citou a agência de notícias portuguesa Lusa.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a inatividade física é o quarto principal fator de risco para a mortalidade global, estimando-se que cause 3,2 milhões de mortes anualmente em todo o mundo.

F TABELA

Estudo define valores de vitamina em hortaliças Os brasileiros já podem saber a quantidade de vitamina K contida em 22 hortaliças produzidas no país. Antes, profissionais de saúde utilizavam a tabela nutricional americana. Um estudo da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP mostra que os números dos Estados Unidos têm diferenças significativas dos valores encontrados na produção brasileira. A quantidade da vitamina na acelga brasileira (150,12 microgramas (µg) por 100 gramas (g)), por exemplo, chega a ser cinco vezes menor do que a encontrada na hortaliça dos EUA (830 µg /100g). A diferença ocorre em razão do tipo de solo do cultivo, da quantidade de luz recebida, dos dados pluviométricos e das estações do ano.

Vitamina K Diferenças em µg p/100 g Hortaliças

Brasil

EUA

Acelga

150,1

830

Alface

127,8

102,3

Rúcula

127,8

108,6

Repolho verde 352,8

76

americana

Brócolis

368,9

101,6

Salsa

500

1.640

Espinafre

375

482,9

"A importância [de mensurar os alimentos brasileiros] é fazer com que a prescrição de uma dieta rica em vitamina K no Brasil seja feita da forma mais precisa possível",

ANIVERSÁRIO 70 ANOS Domingo dia 6, na comunidade de São Roque Figueira de Mello - Garibaldi/ RS, Osvaldo Senter reuniu seus familiares, parentes e amigos para comemorar 70 anos de vida. Após missa em ação de graças, celebrada pelo frei Agenor Pitt, foi servido almoço de confraternização, contando com a presença das soberanas da Fenachamp. Na foto, o aniversariante com a esposa e a mãe de 91 anos. FELICIDADES!

explica a química Simone A. dos Santos Conceição Faria, autora da tese de doutorado. As hortaliças de cor verde foram selecionadas para o estudo por serem as maiores fontes da vitamina. "A tabela utilizada não condiz com a nossa realidade", avaliou Simone. Após publicação em revista científica, os dados irão compor a Tabela Brasileira de Composição de Alimentos da USP. Tiveram taxas levemente superiores no Brasil, hortaliças como a alface americana e a rúcula. No caso do repolho verde e do brócolis comum, as diferenças chegaram a ser três e quatro vezes maiores, respectivamente. No sentido contrário, a salsa descrita na tabela norte-americana tem três vezes mais que a brasileira (observe tabela).

Brasileiro ingere abaixo do ideal

Um trabalho da nutricionista Wysllenny Nascimento de Souza revela uma ingestão diária deficiente de vitamina K entre os brasileiros. A recomendação é de 90 µg/dia para mulheres e 120 µg/dia para homens. As taxas médias de consumo encontradas, no entanto, foram 88 µg/dia para jovens, 98 µg/dia para adultos e 104 µg/dia para pessoas com mais de 60 anos. A vitamina K tem papel importante para regular a coagulação sanguínea e estudos recentes apontam a atuação dela também na prevenção da osteoporose.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) fez apelo, na quinta 10, para a eliminação progressiva até 2020 dos termômetros e aparelhos de medição da tensão que contenham mercúrio, devido aos efeitos graves na saúde pública. A operação, chamada Cuidados de Saúde sem Mercúrio até 2020, foi lançada para marcar a assinatura da Convenção de Minimata sobre o Mercúrio. O mercúrio e os seus diferentes componentes são “uma preocupação para a saúde pública mundial e têm vários efeitos graves”, lembrou a OMS, citando uma série de problemas neurológicos, principalmente nos jovens. O mercúrio pode também ter efeitos nefastos nos rins e no sistema digestivo. A Convenção de Minimata autoriza a utilização de mercúrio nos termômetros apenas até o ano 2020, embora aceite algumas exceções até 2030. Na avaliação da OMS, as consequências do mercúrio para a saúde pública “são tão graves que tornam muito importante respeitar o prazo de 2020 fixado pela convenção”. “A assinatura da Convenção de Minimata sobre o mercúrio é um grande passo para a proteção definitiva das consequências devastadoras do mercúrio para a saúde”, disse a diretora-geral da OMS, Margaret Chan. Para ela, o mercúrio é uma das 10 substâncias químicas que mais preocupam em relação à saúde pública. A convenção orienta os países sobre as medidas que devem ser adotadas para eliminar as formas mais nocivas de utilização do produto. A OMS pretende ainda eliminar progressivamente os desinfetantes e produtos cosméticos que clareiam a pele e que são feitos à base de mercúrio, e também a utilização do metal nos tratamentos dentários.

ANIVERSÁRIO CASAMENTO ALBINO E OZANA FERRONATTO MORO comemoraram um dia muito especial, daqueles que nunca se apaga da memória. Muitas dificuldades enfrentaram na vida e muita luta venceram juntos. Isso é uma demonstração de amor, carinho e perseverança. Foi preciso muita coragem para vencer os obstáculos. Vocês são um grande exemplo de vida, de verdadeiro sentimento de amor que têm um pelo outro. Por isso, no dia 11 de outubro, filhos, genros, noras, netos e bisnetos, festejaram com vocês estes 66 anos de união, desejando tudo de mais excelente em suas vidas... Parabéns!!!


CORREIO RIOGRANDENSE - Caxi

10 - Espe

“A BRS kampai é a primeira cultivar de pêssego a receber a certificação de proteção no Brasil.” Pesquisadora Maria do Carmo Bassols Raseira

F ALIMENTOS

Nova mesa do brasileiro

Todo ano, a pesquisa agrícola coloca no mercado variedades novas, melhoradas, tecnologias diferenciadas e animais com características que atendem ao anseio do produtor. E a cada safra é preciso colher mais, em menor área ou até na mesma, derrubar gigantes (leiase pragas e doenças) e torcer para que o clima tenha comportamento favorável aos cultivos. Feiras e exposições agropecuárias do mundo são vitrines para o agricultor tomar conhecimento das novidades que, depois, saem do campo para rechear a mesa do consumidor. No país, a Embrapa se destaca quando se fala em pesquisa oficial pública. Um grande espaço para demonstrar o trabalho da empresa é a Expointer, que acontece anualmente em Esteio, no RS. Na edição deste ano, a Embrapa Clima Temperado, com sede em Pelotas, exibiu seis variedades de batata, indicadas para maionese, fritas ou em purê; quatro cultivares de pêssego e citros - uma laranja de polpa vermelha, um híbrido de tangerina sem sementes e um limão do grupo siciliano (leia mais na matéria abaixo). O Rio Grande do Sul é o quinto maior produtor nacional de citros e segundo em bergamota (tangerina). A atividade envolve 20 mil produtores, a grande maioria de base familiar. “A cadeia produtiva é completa, englobando desde fabricantes

Fotos Paulo Lanzetta/Embra/Div./CR

Variedades melhoradas chegam aos cultivos e incrementam o cardápio dos animais

Sem sementes: o Rio Grande do Sul é o segundo produtor nacional de bergamota de insumos até indústrias fabricantes de suco, embora o destaque seja para a produção de frutos para consumo in natura”, frisa o pesquisador Roberto Pedroso de Oliveira.

para lançar a publicação contendo o Zoneamento edafoclimático da olivicultura para o Rio Grande do Sul - trata-se do primeiro zoneamento oficial da América do Sul - e a apresentação do laboratório de análise Oliveiras - A Embrapa aprovei- de azeites, com avaliações físicotou a visibilidade da Expointer 2013 químico-sensoriais, principalmente

para detecção de adulterações. A publicação identifica áreas com maior potencial para a exploração racional da cultura da oliveira, considerando aspectos como clima e solo. “É um documento extremamente importante para formação de políticas públicas do governo bra-

sileiro. O zoneamento e o sistema de produção ajudam na elaboração do plano safra para a cultura, o que facilita a abertura de linhas de crédito”, afirma Enilton Fick Coutinho, um dos autores. Pêssego - Quatro cultivares de pêssego foram apresentadas, as BRSs kampai, regalo, fascínio e rubimel. A kampai tem como característica o bom sabor mesmo com a precocidade de maturação. “Esse é um diferencial da cultivar”, diz a pesquisadora Maria do Carmo Bassols Raseira. A película tem cor de fundo creme esverdeada, com coloração vermelha. “Esta é a primeira cultivar de pêssego a receber a certificação de proteção no Brasil”, emenda. A regalo produz frutas de forma redonda-cônica e cujo diâmetro tem variado de 5 a 7 cm. O caroço é praticamente sem ponta, mas se tiver é pequena. A polpa é branca, doce, com baixa acidez e suculenta. A película é branco-creme, podendo ter esverdeado no fundo. Adapta-se melhor a áreas com acúmulo de frio. Já a rubimel tem fruto com polpa amarela, bom sabor e baixa acidez. A fascínio foi desenvolvida com o objetivo de competir com as frutas importadas, por ter frutos grandes, firmes e polpa branca e esverdeada com traços de creme sabor doce com baixa acidez.

Planta dá batata e tomate-cereja

Gafanhoto altera qualidade do solo

A empresa britânica Thompson & Morgan lançou uma planta que produz batatas e tomates, chamada tomtato. O vegetal é capaz de produzir até 500 tomates-cereja “mais doces do que qualquer um que possa ser comprado no supermercado”, além das batatas, nas raízes. O produto é na verdade um enxerto entre um pé de batata e um tomateiro. “Isso foi feito de maneira experimental, mas não de forma comercial”, explica o especialista em batatas da Embrapa, Arione Pereira. O enxerto consiste em ligar partes de duas plantas, fazendo com que cresçam juntas, algo diferente dos cruzamentos de variedades que dão origem a plantas híbridas, com mistura de material genético. “Não é possível cruzar batata com tomate, portanto são duas plantas: tomate em cima enxertada em batata, na parte de baixo, e não um híbrido”, explica o professor da Unesp, Chukichi Kurozawa.

Uma pesquisa de cientistas da Universidade Hebraica de Jerusalém e da Universidade de Yale revelou que a ansiedade dos gafanhotos pode provocar alterações na qualidade do solo. De acordo com a pesquisa, o temor desses insetos pelas aranhas provoca stress tão grande no organismo deles que leva a mudanças no metabolismo, alterando a quantidade de nitrogênio em seus corpos. Com isso, os insetos comem plantas mais açucaradas, afetando os micróbios e processos químicos do ambiente. “Estamos lidando com um tipo absolutamente novo de mecanismo, pelo qual cada pequena mudança química numa criatura pode regular o ciclo natural, afetando desse modo o ambiente como um todo, como a quantidade de dióxido de carbono liberado para a atmosfera (por meio da decomposição) e a produtividade do campo”, diz Dror Halwena, pesquisadora da Universidade Hebraica.

Cara cara é uma laranja com polpa vermelha

Limão tipo siciliano tem acidez elevada

Trazidas do exterior, ampliam as opções de plantio Dentre os resultados da pesquisa apresentados pela Embrapa Clima Temperado estão as cultivares estrangeiras de citros. A cara cara é uma laranja de polpa vermelha. Ela apresenta excelente qualidade para o consumo in natura, sendo muito valorizada por sua coloração avermelhada e por não possuir sementes. Seu suco tem alta concentração de açúcares e baixa acidez e é marcado pelo tom róseo. Na culinária internacional, a cara cara é muito utilizada para enfeitar pratos. A melhor época para o plantio

dessa laranja é na meia-estação, com colheita de junho a julho. A coloração e o sabor dependem da região plantada. Em locais de temperaturas amenas, a laranja terá coloração mais intensa. Mas ela também pode ser cultivada em locais úmidos e de altas temperaturas. O híbrido de tangerina, denominado nadorcott, caracteriza-se pela casca fina e pela cor atrativa vermelho-alaranjada. Ela produz suco bem doce, mas diferentemente da cara cara, é muito ácido. No mercado, esse citro se destaca por ser fácil de descascar e por não

possuir sementes. No RS, a colheita é realizada de julho a agosto. Os frutos produzidos são pequenos e sensíveis a queimaduras do sol. Produz 30 toneladas por hectare. Fino - O limão fino do grupo siciliano apresenta excelente qualidade tanto para o consumo in natura, quanto para a produção industrial de suco, que tem acidez elevada. A colheita no Estado é feita de julho a setembro. E dependendo da condição de cultivo, tem produção anual de 50 toneladas por hectare.


do Sul, 16 de outubro de 2013

ecial - 11

“Outra peculiaridade da batata é a resistência à requeima, principal doença que dificulta a produção orgânica.” Fotos Epagri/Div./CR

Arione Pereira, pesquisador da Embrapa

Arroz marques, da Epagri, para mercado tradicional

Rubi é indicado para pratos mais elaborados

Ônix tem mais antioxidantes na sua composição

Arroz vermelho e preto tem mais propriedades

Soja preta - Resultado de mutação genética, a soja preta foi destaque no Seminário Sementes Patrimônio Sociocultural e 1º Encontro Regional pelas Sementes

Cultivar de gramínea BRS resteveiro

Máquina adaptada para plantio de pastagens

Crioulas, realizado em São Pedro, distrito de Tenente Portela. “O hilo, como é chamado o umbigo da soja, espalhou sua cor escura para todo o grão”, explica o pesquisador da Embrapa, Gilberto Beviláqua. Segundo os técnicos em agropecuária da Emater de Derrubadas, Daniel Anklam e Carlos Kirst, a soja preta é semeada e cultivada como as demais variedades de soja. “A diferença é que ela possibilita vários cortes no ano. Em nossa região, é usada para alimentar o Milheto próprio para forragem gado”, revela Anklam ao CR.

Batata convencional e orgânica Seja na salada, na maionese, fritas ou em purê, as batatas fazem parte da alimentação humana. Duas variedades, a BRS clara e BRS-IPR bel, foram lançadas recentemente. A clara tem como características a produção tanto no sistema convencional quanto no orgânico. Possui um período de desenvolvimento em torno de 10 dias. É preferencialmente consumida cozida ou em saladas. “Outra peculiaridade é a resistência à requeima, principal doença que dificulta a produção

orgânica”, destaca o pesquisador da Embrapa, Arione Pereira. “A clara é muito mais bonita e tem melhor comercialização, além de ser mais saborosa”, diz produtor Guilherme Berwaldt. Com período vegetativo de 110 dias, a bel é adequada para fritura e processamento na forma de chips e palha. “Com ela esperamos estimular e qualificar a indústria do gênero alimentício, em especial às pequenas que encontram dificuldades de obtenção de matéria-prima de qualidade”, enfatiza Arione.

Dentre as novidades deste ano está a cultivar de milheto BRS 1503, desenvolvida pela Embrapa. Com alta capacidade de rebrota, tolerante à seca e com alto teor de proteína, a cultivar é indicada para forragem. Adaptada à região Sul, a cultivar apresenta como diferenciais a resistência a diversos nematoides. Possui boa produção de massa verde e de massa seca, com produtividades médias de 42.180 kg/ ha e 7.091 kg/ha, respectivamente. Segundo os pesquisadores, o milheto1503 é excelente opção para cobertura do solo. As indicações de manejo são as seguintes: profundidade de semeadura entre 0,25 e 1 cm; espaçamento entre linhas de 30 cm; densidade de plantio de até 200 mil plantas por hectare; plantio no verão e pastejo iniciado quando

Andrea Miltema/Div./CR

Cardápio alternativo para alimentar vacas no outono

Capim ponteio: opção de inverno a planta estiver com 50 a 60 cm. Gramíneas - Já está disponível a semente básica da cultivar BRS resteveiro. A semeadura do resteveiro deve ser realizada no outono, com 4 a 5 kg de sementes por hectare. O pastejo deve iniciar

quando as plantas estiverem com 20 a 30 cm de altura, deixando resíduo de 15 a 20 cm. Trata-se de cultivar de trevopersa que reúne a boa qualidade das leguminosas com excepcional adaptação a solos úmidos. Chega a produzir 30 toneladas de pasto verde por hectare, o que corresponde a 6 toneladas de matéria seca. Sua forragem possui grande aceitação pelos animais e não causa timpanismo (abdome inchado). A ponteio tem como características o ciclo longo e a alta proporção de folhas. A semeadura deve ser realizada no outono. É recomendado o uso de 20 a 30 kg de semente por hectare. O pastejo deve iniciar quando as plantas chegarem a cerca de 20 cm de altura e encerrar quando restarem BRS clara é opção para plantios orgânico e comercial ainda 5 a 10 cm de altura.

Arione Pereira/Divulgação/CR

das técnicas de melhoramento genético, há a necessidade de trabalhos de pesquisa científica multidisciplinar durante 12 a 13 anos. “Essas atividades demandam intensos e detalhados trabalhos de campo e de laboratório que envolvem os cientistas e equipes de operários rurais e técnicos de apoio”, revela.

Jane de Assis Machado/Div./CR

destacada por conteúdos mais elevados de compostos fenólicos, importantes na alimentação, pois são antioxidantes. Conforme o gerente da Estação Experimental, José Alberto Noldin, as duas variedades especiais destinam-se a nichos de produtores e de mercado. “Isso representa novas oportunidades para algumas agroindústrias que podem se organizar desde a produção até a comercialização”, afirma Noldin. Para o desenvolvimento de uma nova variedade de arroz, através Embrapa/Div./CR

Outra novidade vem da pesquisa catarinense. A Estação Experimental da Epagri de Itajaí lançou três novas variedades de arroz: SCS118 marques, SCS119 rubi e a SCS120 ônix. A marques é adequada ao mercado consumidor tradicional de arroz, ou seja, a cor do grão é branca, quando descascado e polido. Já a rubi é de cor vermelha e a ônix é preta. As variedades rubi e ônix são consideradas especiais devido ao seu aspecto, adequado a pratos mais elaborados, além da sua composição química diferenciada,


CORREIO RIOGRANDENSE - Caxias do Sul, 16 de outubro de 2013

“O desequilíbrio agravou nos últimos anos, com a redução de 30% da área plantada, que veio acompanhada da queda na produtividade.” Alfeu Strapasson, presidente do Sindimate/RS

12 - Agricultura

F ERVA-MATE

Da Terra

Setor vive crise anunciada

Um dos símbolos do Rio Grande do Sul, a erva-mate, está escasseando e o consumidor viu o preço subir mais de 100% só neste ano, conforme cálculos do Centro de Estudos e Pesquisas Econômicas da Universidade Federal do RS (IPC/Iepe). A alta é consequência direta do corte de 10 mil hectares da planta nos últimos 10 anos. Desencojados pelos preços baixos, os produtores, que recebiam de R$ 5 a R$ 20 por arroba (14,69/ kg), derrubaram as árvores e colocaram no lugar culturas mais rentáveis como soja e fumo. Por conta disse, o preço atual atingiu os inacreditáveis R$ 30 por arroba – reajuste de 400%. E o produto começou a faltar para a indústria. Por conta desse panorama, representantes de sindicatos da indústria da erva-mate estiveram em Brasília em busca de apoio. Entre os pedidos, estão a isenção de PIS/Cofins sobre a erva. Os dirigentes cobram ainda solução emergencial para a grave crise econômica vivida pelas ervateiras. A indústria alega que não tem mais como repassar o aumento dos custos de produção para os consumidores, já que estes estão pagando muito caro pelo quilo do produto. “O desequilíbrio do setor se agravou nos últimos anos, com a redução de 30% da área plantada, que veio acompanhada da queda na produtividade”, analisa o presidente do Sindimate/RS, Alfeu Strapasson. Por outro lado, houve incremen-

Divulgação/CR

Preço ao produtor subiu 400% e para o consumidor, mais de 100%

Vinhos/Modervitis Os representantes da cadeia vitivinícola gaúcha apresentaram ao ministro o projeto Modervitis. A iniciativa busca promover a competitividade do setor por meio da modernização tecnológica dos vinhedos e da restruturação física e tecnológica das empresas vinícolas, principalmente nos polos tradicionais de produção.

A redução da área cultivada com erva-mate no Rio Grande do Sul foi de 30% em 10 anos to no consumo e das exportações. Além disso, a erva-mate está sendo utilizada em outros subprodutos. “O resultado é que a demanda cresceu mais do que a oferta de matéria-prima; o que é bom para o produtor e péssimo para a indústria e para o consumidor”, afirma. Participaram da reunião na capital federal os presidentes do Sindimate do Rio Grande do Sul, Alfeu Strapasson; do Sindimate de Santa Catarina, Obiratan Carlos Bortolon; do Sindimate do Paraná, Ignacio Carrau, e do Sin-

F TROFÉU

Sindivinho premia destaques presário Antônio Agostinho Salton, vice-presidente do Conselho de Administração da Vinícola Salton; o vice-presidente da Confederação Nacional da Indústria e ex-presidente da Federação das Indústrias do RS, Paulo Fernandes Tigre, e o economista André Cirne Lima. O Sindivinho é presidido por Cristiane Passarin. Maiara Herter/Objetiva/Div./CR

O Sindicato da Indústria do Vinho do Rio Grande do Sul (Sindivinho), em jantar comemorativo aos seus 65 anos, na CIC Caxias do Sul, agraciou três personalidades que contribuíram para o fortalecimento do setor vinícola gaúcho. O trio recebeu o Troféu Sindivinho. Os homenageados são o em-

Vinhos/competitividade Lideranças do setor vitivinícola brasileiro foram recebidas pelo ministro Fernando Pimentel, do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic) para dar encaminhamento a projetos para aumentar competitividade no mercado interno. Os representantes pediram ao ministro o alongamento das dívidas dos empréstimos do governo federal para as cooperativas e vinícolas, contraídas na compra de uva.

Os premiados: Paulo Tigre (esq.), Salton e Cirne Lima

dimate do Mato Grosso do Sul, desemprego em massa”, alertam Paulo Benitez. os presidentes dos sindicatos. Os dirigentes lembraram que a cultura Famílias - Os Estados do Rio gera impacto positivo no meio amGrande do Sul, Santa Catarina, biente. Além disso, o consumo da Paraná e Mato Grosso do Sul con- erva-mate faz bem à saúde. centram toda a produção nacional de erva-mate. Cerca de 30 mil faSanta Catarina - Após sete mílias de pequenos produtores de- anos, Santa Catarina reativou a pendem da cultura para sobreviver. Câmara Setorial da Erva-Mate. Aproximadamente 400 indús- Atualmente, o Estado é o seguntrias fazem o processamento da do maior produtor brasileiro, com folha. “Se nada for feito, de 20% 104 mil toneladas por ano, ficando e 30% dessas plantas industriais atrás do Paraná, que produz 152 vão fechar as portas, provocando mil toneladas anualmente.

Vitivinícultura/Simples Dirigentes do Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin) participaram da audiência pública, na quinta 10, em Brasília, que debateu alterações à lei complementar 123/06), que regulamenta o Simples Nacional. O setor vitivinícola reivindica a entrada do segmento no regime simplificado de arrecadação. Rússia libera frigoríficos A Rússia liberou na sextafeira 11seis frigoríficos exportadores de carne bovina de São Paulo (JBS e Frigol), Mato Grosso do Sul (JBS e Marfrig), Goiás (JBS) e Mato Grosso (JBS). Em 2013, o crescimento em volume de carne bovina exportada em relação ao ano anterior foi de 21% no acumulado de janeiro a setembro. Soja sem PIS/Cofins A presidente Dilma Rousseff sancionou na quinta-feira 10 a isenção de 9,25% de PIS/Cofins na venda de soja para todos os fins comerciais. A iniciativa permite a comercialização do grão nos mercados interno e externo, para a indústria de óleo, biodiesel ou para qualquer outro fim, sem a incidência do tributo. Emater concorre a prêmio A Emater/RS-Ascar foi certificada e está classificada, na categoria entidades sem fins lucrativos (receita anual total acima de R$ 500 mil), para concorrer ao Prêmio de Responsabilidade Social da Assembleia Legislativa do RS.


CORREIO RIOGRANDENSE - Caxias do Sul, 16 de outubro de 2013

13 - Agricultura F FRUTICULTURA

Da Terra

Caxias do Sul sediou debates do setor produtivo gaúcho a maçã em nove Estados e o fim do PIS/Cofins em território nacional. O programação de erradicação da cydia pomonella, a praga mais importante de cultura, foi apontado como um grande avanço pelo setor. O Brasil produz 1,3 milhão de toneladas de maçãs por ano - o mundo, 75 milhões de toneladas e a China participa com quase a metade. A área plantada gira em torno de 39 mil hectares. A atividade envolve 3.300 produtores. A maçã é a terceira fruta mais consumida pelos brasileiros. É superada pela laranja e a banana.

Divulgação/CR

Cydia pomonella: mal no fim

Cancro europeu preocupa O cancro europeu, que forma mancha nos galhos com a criação de esporos, provocando a podridão do fruto, foi assunto abordado pelo pesquisador da Embrapa, Silvio André Meirelles. A doença foi registrada no Brasil em 2012, em pomares e viveiros de maçã no RS, provavelmente introduzida a partir de mudas importadas O Ministério da Agricultura, instituiu, em junho de 2013, o Programa Nacional de Prevenção e Controle do Cancro Europeu das Pomáceas. Na instrução normativa

F SARANDI

Supercrem O produtor Mario Gelain, de Sarandi, surpreendeu-se ao colher uma batata de crem de corda pesando 2,57 quilos e medindo 40 centímetros, quando o normal são alguns gramas. “Nunca vi algo parecido. A batata deve ter 20 anos”, calcula. O tubérculo é ralado e preparado com vinagre. Serve de condimento e acompanha carnes, principalmente. O crem integra a culinária dos desMario Gelain colheu batata de crem pesando 2,57 quilos cendentes do imigrante italiano.

Rádio Sarandi/RedeSul/Div./CR

Introdução de novas variedades, melhoria dos porta-enxertos e produtividade marcaram o encontro dos produtores de maçã, realizado na sede do Sindicato Rural (Sindrural) de Caxias do Sul, presidido por Valmir Susin. A reunião contou ainda com a participação de dirigentes da Agapomi e ABPM, associações que representam os pomicultores gaúchos e brasileiros, respectivamente, e de representantes de instituições de pesquisa e assistência técnica. No encontro, o grupo reconheceu a necessidade de formar um consórcio, valorizar os sócios, promover a maçã no mercado e estudar a viabilidade da adotação da tela antigranizo. As entidades estudam ações para diminuir os resíduos da fruta e elevar o consumo no país, hoje estacionado em 4 kg per capita por ano. Outra dificuldade é a margem de lucro do agricultor. “O estabelecimento que vende a maçã e o intermediário aumentaram a margem de lucro, mas a do produtor chegou a ser zerada. Agora, esboça pequena reação positiva”, constata o diretor comercial da ABPM, Ricardo Venz. Nem só de preocupações vive o setor. Há também conquistas como a isenção do ICMS sobre

Guiomar Chies/Divulgação/CR

Cultivo da maçã desafia os produtores serranos

foram estabelecidos os critérios e procedimentos para a contenção da praga que ataca pereiras, macieiras, nespereiras, marmeleiros, ameixeiras e plantas ornamentais. Entre as medidas de prevenção e controle da praga em pomares, estão regras específicas para o período de poda e para a produção de mudas. Diante da instalação da praga no pomar, o pesquisador recomenda que o ramo seja podado, antes da poda verde ou da condução da planta. “O material deve ser enterrado ou queimado”, orienta.

F CAXIAS DO SUL

Eleições no STR Rudimar Menegotto, atual presidente do Sindicato de Trabalhadores Rurais de Caxias do Sul (STR), lidera a chapa única para a escolha da nova diretoria, prevista para ocorrer nos dias 27 e 28 de outubro. A candidata à vice é Benardete Boniatti Onzi, da localidade de Menino Deus. “A eleição traz mudanças. Entre elas, estão a alteração do estatuto (leia-se unifomidade da Fetag) e a participação de 20% de jovens na chapa”, destaca ele.

Safra histórica A produção brasileira de grãos para a safra 2013/2014 está estimada de 191,9 a 195,5 milhões de toneladas, que representa alta percentual de 2,6% a 4,5%, respectivamente, em relação à temporada anterior, quando foram colhidos 187,09 milhões de toneladas. O levantamento é da Conab. Soja e milho Os produtos com maior destaque são a soja e o milho, que cresceram tanto em área quanto em produção, devido ao bom comportamento dos cultivos e aos preços dos grãos no mercado internacional. A produção de soja deve alcançar entre 87,6 e 89,7 milhões de toneladas e a área, entre 28,6 e 29,3 milhões de hectares. Já o milho (total) tem produção estimada entre 78,4 e 79,6 milhões de toneladas e área de 15,3 a 15,6 milhões de hectares. Área plantada A área plantada da safra deve passar dos 54,1 milhões de hectares, podendo chegar a 55,1 milhões, o que representa incremento entre 1,6% a 3,5% em relação à área anterior, que chegou a 53,34 milhões de hectares. Maçã/vida longa A Universidade de Campinas (Unicamp) desenvolveu uma película que se mostrou capaz de proteger maçãs, peras e laranjas, aumentando em 15 dias o tempo de conservação. A película é formada com a ajuda de extrato de folha de manjericão. A proteção sai facilmente com água.


CORREIO RIOGRANDENSE - Caxias do Sul, 16 de outubro de 2013

14 - Geral

“Através do gestual, da cor, da composição, frei Celso consegue atingir níveis de alta qualidade de expressão no desenho.” Valéria Rheis

F RAUL RANDON

Panorama Div./CR

Homenagens na Itália

Cornedo Vicentino, terra dos Randon, acolheu empresário Sergio Barbosa. A Associação Nacional dos Alpinos é a mais importante e respeitada organização de voluntariado da Itália e é bem quista pela população por estar sempre à frente quando ocorrem desastres e catástrofes naturais. Não foi a primeira vez que Raul retornou à cidade de suas origens. A primeira vez foi há cerca de 20 anos. Cristoforo, o avô de Raul, emigrou para o Rio Grande do Sul em 1888, com apenas 21 anos. Nem ele, nem seu pai Abramo tiveram a oportunidade de retornar à Itália e reencontrar parentes e amigos.

Raul com placa, tributo ao empreendedorismo do caxiense

Pintura na sede do Grupo Alpino

F CAXIAS DO SUL A Galeria Arthista Um apresenta sua segunda mostra “Theatrum Bestiarum”, desenhos do artista visual Celso Bordignon, a partir do dia 19 de outubro, com visitação ao público de 21 de outubro a 14 de novembro, de segunda a sexta-feira, das 13 às 20 horas. São desenhos inéditos, só agora mostrados, e a partir de uma ‘provocação’ feita ao artista capuchinho por Valéria Rheis, que selecionou, organizou, concebeu e executou a curadoria da mostra. Theatrum Bestiarum é composta por uma seleção de desenhos inéditos, do período em que frei Celso viveu no Rio de Janeiro e estudou na Escola de Artes Visuais do Parque Laje (1989. Segundo Valéria, as cores surgem, energicamente, mostrando a expressividade do artista. “Através do gestual, da cor, da composição, com uma linguagem particular e original, consegue atingir níveis de alta qualidade de expressão no

Divulgação/CR

Galeria caxiense realiza mostra Theatrum Bestiarum

Machadinho ganha complexo da rede hoteleira Cidade com pouco mais de 5 seis empresários gaúchos, o Park mil habitantes, Machadinho, mu- Hotel surpreende pelas dimensões nicípio gaúcho do Alto Uruguai, – é formado por quatro blocos e conta, desde a sexta-feira 11, com uma área de 10 mil metros quaum dos maiores complexos da drados com 410 leitos distribuídos rede hoteleira do Sul do país – o em 155 apartamentos de alto paPark Hotel Termas Machadinho. drão; dois salões com capacidade Construído dentro da área do para 500 pessoas, quatro pista de complexo termal, administrado boliche, salas para eventos e baipela Machadinho Hotelaria e Tu- les, sala de jogos, anfiteatro, acarismo SA, empresa formada por demia e muitos outros atrativos. Veículos no RS Entre janeiro e setembro deste ano, foram comercializados no Rio Grande do Sul 230 mil veículos, incluídos automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus, motos e implementos rodoviários. Na comparação com o mesmo período de 2012, houve queda de 2,02% - 235 mil veículos. No período o setor de automóveis foi um dos mais afetados, com queda de 7,4% de 140 mil em 2012 para 135 mil unidades neste ano.

Móveis gaúchos O Rio Grande do Sul manteve a liderança no ranking das vendas de móveis ao exterior, no acumulado de janeiro a agosto de 2013. O Estado ocupa a primeira colocação com US$% 130,3 milhões exportados e 28,5% de participação. O principal destino é a Argentina, com US$ 83,6 milhões, seguida dos EUA (US$ 63,6 milhões). Mostra é composta por desenhos de frei Celso Bordignon desenho”, afirma Valéria. Frei Celso é diretor do Museu dos Capuchinhos (Muscap), doutor em arqueologia Paleo Cristã pelo Pontifício Instituto de Arqueologia de Roma, formado em artes, teologia e filosofia e professor de

desenho e pintura. Mais informações com Valéria pelo telefone (54) 3025.2111, das 13h30 às 19h30 ou pelo e-mail valeria.rheis@hotmail. com. A Galeria Arthista Um está na rua Almirante Tamandaré, 165, bairro Panazzolo, Caxias do Sul.

F ART&FATO

Maiores exportadores Estado

US$*

RS SC PR SP MG Brasil

130,3 122 79 72,7 38,5 456,6

% do total

28,5 26,7 17,3 15,9 8,4 100

* Em milhões Fonte: Movergs, jan/ago/2013

Grupo teatral de Venâncio valoriza o livro e a leitura Para valorizar o mês da leitura (outubro), o grupo teatral Art&fato, de Venâncio Aires (RS), estará em algumas escolas e feiras do livro da Serra gaúcha

Park Hotel Termas Machadinho: 155 apartamentos alto padrão

apresentando peça teatral sobre a valorização do livro e da leitura. No dia 18 fará duas apresentações no Colégio La Salle, em Caxias do Sul; no dia 19 na

Escola Ouro Verde, em Bento Gonçalves; e no final do mês, em Farroupilha. Escolas interessadas, contatar o grupo pelo e-mail papelitoleitura@gmail.com.

Andressa P. dos Santos/CIC/Div./CR

sua esposa, Nilva. O empresário caxiense foi um dos responsáveis pela construção da sede. Raul Randon mantém firmes laços com a pátria de seus antepassados, por isso, há três anos, recebeu a Cidadania Honorária de Cornedo Vicentino e as chaves da cidade. Agora, em setembro, foi homenageado com uma placa comemorativa em tributo à sua vitoriosa trajetória empreendedora, além de quadros, livros e um par de sapatos feitos à mão e personalizados com as iniciais de seu nome, RAR. Acompanhavam-no a esposa Nilva, a filha Maurien e o genro Fotos Prefeitura de Cornedo Vicentino/Div.CR

Em viagem que realizou recentemente pela região do Vêneto, norte da Itália, o fundador e atual presidente do Conselho de Administração das Empresas Randon, Raul Anselmo Randon, recebeu diversas homenagens locais. O empresário caxiense visitou a localidade de Cornedo Vicentino onde, em 1867, nasceu o seu avô, Cristoforo. O objetivo da visita foi a inauguração da nova sede do Grupo Alpino de Muzzolon (bairro de Cornedo Vicentino), nomeada “Casa Cristoforo Randon”, que em seu interior, recebeu uma pintura com as imagens de Raul e de

Nadir (E) e Francescutti Rizzi na CIC O empresário Nadir Rizzi foi eleito, na semana passada, vicepresidente do Conselho Superior da Câmara de Indústria, Comércio e Serviços de Caxias do Sul (CIC). A escolha ocorreu em virtude da vacância do cargo após a morte de Valter Gomes Pinto no final de agosto. Rizzi faz parte do Conselho Superior da CIC por ter presidido o Conselho Deliberativo na gestão 2010/12. A presidência do Conselho Superior é exercida por João Francescutti. Coopercentral Aurora Para aperfeiçoar seu sistema logístico de atendimento da clientela do sul do Brasil, a Coopercentral Aurora Alimentos inaugurou na sexta 11, em Chapecó (SC), o Centro de Distribuição Sul. O CD SUL, com capacidade de armazenagem de 3,081 mil toneladas, vai atender unidades comerciais e distribuidores em Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Garibaldi homenageia Metalúrgica Simonaggio A Metalúrgica Simonaggio, Família Giovanaz, ocasião em de Garibaldi, está completan- que o prefeito Antonio Cettolin do 40 anos de atuação. A data entregou placa a Olir Simonagfoi comemorada no dia 4 de gio, sócio fundador mais antigo outubro, no centro de Eventos da empresa.


CORREIO RIOGRANDENSE - Caxias do Sul, 16 de outubro de 2013

15 - Geral Loterias LOTERIA FEDERAL

Coluna do Agente

11/10/2013

1º ........................ 61.106 2º ........................ 01.235 3º ........................ 92.747 4º ........................ 59.372 5º ........................ 88.065

QUINA

Concurso 3309

02 - 18 - 22 - 27 - 68 Concurso 3310

17 - 19 - 39 - 43 - 54 Concurso 3311

01 - 07 - 14 - 20 - 57 Concurso 3312

03 - 04 - 35 - 37 - 46 Concurso 3313

02 - 15 - 45 - 54 - 80 Concurso 3314

10 - 14 - 21 - 25 - 56 LOTOFÁCIL Concurso 965

03 - 04 - 08 - 09 - 10 11 - 13 - 14 - 15 - 16 18 - 19 - 21 - 22 - 24 Concurso 966

02 - 03 - 04 - 05 - 06 07 - 08 - 10 - 11 - 12 17 - 19 - 21 - 22 - 25 Concurso 967

Promoção beneficia agentes Até o dia 1º de novembro de 2013, continua em vigor a promoção que concede prêmios aos agentes do Correio Riograndense. Os 10 primeiros agentes que enviarem cinco novas assinaturas do CR ganharão os livros Retratos da Colônia, 2ª edição, de frei Arlindo Battistel. Os livros (dois volumes) apresentam, em suas 1.360 páginas, 5.384 fotos (são 2.000 a mais que na 1ª edição) sobre costumes, tradições, atividades, religiosidade, moda agricultura..., enfim, a vida dos

CASAMENTOS

REGISTRO CIVIL DE ANA RECH - CAXIAS DO SUL-RS BR116, km 147, nº 15.999 - CEP 95059-520 Caxias do Sul-RS - Fone: (54) 3238.1111 Cláudio Klering - oficial Emerson Roberto Klering - oficial substituto Comunica que pretendem contrair matrimônio as seguintes pessoas: EDITAIS: 5955/133 até 5957/135 1 - RONALDO DUTRA HOFFMANN E SIRLEI DE FÁTIMA ANTUNES CARNEIRO. 2 - VALDINEI PALMEIRA NORONHA E GRACIELA LÚCIA HAHN. 3 - JÔNAS ALEX FINATTO E ANA CLÁUDIA SUSIN DANELUZ. Caxias do Sul, 09 de outubro de 2013

CASAMENTOS

Rua Alfredo Chaves, nº 557 - Fone: 3221.7645 CARLOS ALBERTO FRAINER - Registrador

Concurso 1537

PELO REGISTRO CIVIL DE PESSOAS NATURAIS E DE INTERDIÇÕES E TUTELAS DA 2ª ZONA DESTA CIDADE, HABILITARAM-SE PARA CASAR AS SEGUINTES PESSOAS:

06 - 10 - 33 - 50 - 51 - 56 23 - 27 - 35 - 52 - 53 - 57

LOTOMANIA

Concurso 1391

01 - 04 - 10 - 14 - 18 - 19 - 28 36 - 41 - 49 - 53 - 55 - 66 - 68 70 - 72 - 75 - 82 - 89 - 92

SFB COMERCIAL S/A

CNPJ 03.891.644/0001-05 NIRE 43300038653 ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA CONVOCAÇÃO Convocamos os Srs. Acionistas a se reunirem em Assembleia Geral Ordinária, na sede da companhia, sita à Rua Santos Dumont, 182, térreo, em Caxias do Sul, RS, em primeira convocação, às 9:00 horas do dia 08 de novembro de 2013, para deliberarem sobre a seguinte Ordem do Dia: 1- Examinar, discutir e v o ta r o R e l a t ó r i o d a D i r e t o r i a e a s Demonstrações Financeiras do exercício social findo em 31 de dezembro de 2012; 2Deliberar sobre a destinação do resultado do exercício e a distribuição de dividendos. Caxias do Sul, 16 de outubro de 2013. A Diretoria

CASAMENTOS

SERVIÇO NOTARIAL E DE REGISTROS DE CRIÚVA MUNICÍPIO DE CAXIAS DO SUL - RS

Rua XV de Novembro, s/nº - Distrito de Criúva - CEP: 95.143-000 - Telefone/Fax: (54)3267-8271

Daniela Bellaver - Registradora Civil Designada Comunica que pretendem contrair matrimônio, as seguintes pessoas:

Edital nº 611 DIOGO HORN SIGNORI e FRANTHELE MOCCELIN DE CARVALHO

Se alguém souber de algum impedimento, oponha-o no prazo e na forma da lei.

Caxias do Sul-RS, 09 de Outubro de 2013 Daniela Bellaver Registradora Civil Designada

CASAMENTOS

SERVIÇO NOTARIAL E DE REGISTROS DE CRIÚVA MUNICÍPIO DE CAXIAS DO SUL - RS

Rua XV de Novembro, s/nº - Distrito de Criúva - CEP: 95.143-000 - Telefone/Fax: (54)3267-8271

Daniela Bellaver - Registradora Civil Designada Comunica que pretendem contrair matrimônio, as seguintes pessoas:

Edital nº 612 SEVERINO SECCO e GUADALUPE TRASLATTI PANTE Se alguém souber de algum impedimento, oponha-o no prazo e na forma da lei.

Caxias do Sul-RS, 09 de Outubro de 2013 Daniela Bellaver Registradora Civil Designada

Se alguém souber de algum impedimento, oponha-o no prazo e na forma da lei.

02 - 03 - 04 - 06 - 08 09 - 10 - 11 - 16 - 17 20 - 21 - 22 - 23 - 25 MEGA-SENA Concurso 1538

imigrantes italianos, alemães, poloneses etc e sua interação com outras etnias na formação do povo gaúcho e do Sul. Para participar basta enviar os dados dos novos assinantes, dentro do prazo, para o e-mail comercial@jornalcr.com.br ou pelo telefone (54) 3220.3232, de segunda a sexta-feira, no horário comercial. Para quem enviar três ou quatro novas assinaturas, nesse período, receberá um exemplar da Bíblia, edição pastoral. Aproveitem! O prazo é limitado.

EDITAL DE CITAÇÃO - CÍVEL 1ª Vara Cível - Comarca de Caxias do Sul. Prazo de: 30 (TRINTA) dias. Natureza: Ordinária - Outros. Processo: 010/1.08.0032935-2 (CNJ: .032935175.2008.8.21.0010). Autor: Multimercantil Distribuidora de Alimentos Ltda. Réu: Silveira Distribuidora de Produtos e Alimentícios e de Limpeza Ltda. Objeto: CITAÇÃO de Silveira Distribuidora de Produtos eAlimentícios e de Limpeza Ltda, atualmente em lugar incerto e não sabido, para, no PRAZO de QUINZE (15) dias, a contar do término do presente edital (art. 232, IV, CPC), contestar, querendo, e, não o fazendo, serão tidos como verdadeiros os fatos articulados pelo autor na inicial. Caxias do Sul, 22 de julho de 2013. SERVIDOR: Nair Bez. JUIZ: Daniel Henrique Dummer.

Editais nº 30.991 a 31.013 - LUCAS MIOTTO E SCHIARA SOUZA DE OLIVEIRA - PAULO JUCIMAR BARBOSA E IARA CRISTINA DE BONA BRAGAGNOLO - FERNANDO RIBAS DA SILVA E KAREN LOPES ALMEIDA - MAICON ROBERTO RIZZON E JOICE CAGLIARI - ALEXANDRE CAETANO MOLON E RAQUEL DA SILVA RAMOS - ROQUE FORNER JÚNIOR E JULIANE STECKER - TIAGO PIROLI E MICHELE BUENO - SEBASTIÃO NOÉ LEMOS DOS SANTOS E MARIA ROZELI OLIVEIRA - MOISÉS BORGES DE OLIVEIRA E SAMARA PORT DE JESUS - HEITOR DARIO TURPIM BENATTI E RENATA FRANZOSI - LEANDRO MASSIGNANI E DAIANE TERESINHA BOLSON - SILVIO CUTTI E FLÁVIA CANTON - CARLOS GILBERTO RECH E GLÓRIA REGINA CIPRIANI - CRISTIANO DA CUNHA BORTOLUZZI E CARIN CRISTINE ALVES BISCUBY - JONATHAN SAMUEL DE LIMA E ESTÉFANE DE OLIVEIRA FISTAROL - FABRÍCIO TOLOTTI AVILA DA ROSA E JACQUELINE FLORES SCHMITZ - ADRIANO CARLOS PINTO DA SILVA E VERA LUCIA FERREIRA DA SILVA - LUÍS ALBERTO ROSCHILDT MONTE DE OCA E PAULA ROSSI MARCON - MAICON LIMA MEDINO E LETÍCIA TAMARA SPIERING - NEUCERI OTAVIO VENTURIN E ADRIANA RIBEIRO CAMPOS - ADRIANO DE SOUZA BORGES E FRANCIELE DOS SANTOS SCHMIT - CLEYTON RODRIGO FERREIRA DE SOUZA E TAÍS LENTZ MELETTI - GENIR MARCOS MARTELLO E FABIANA BERNARDES TAVARES Caxias do Sul, 14 de outubro de 2013

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL - ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PODER JUDICIÁRIO - COMARCA DE CAXIAS DO SUL SERVIÇO DE REGISTRO CIVIL DAS PESSOAS NATURAIS DA 1ª ZONA Fone: 3226-7980

CASAMENTOS

ROBERTO RUSCHEL DA SILVA - Oficial Registrador. FAZ SABER, que por este Serviço, habilitaram-se ao casamento as seguintes pessoas: (Editais nº 27.123 ao 27.187) -

Cleber Evandro Boldrin e Luciliane Ortolan Douglas Francis Ferronatto e Kelly Folchini Bráulio Bertuol e Karine Bianchi Ricardo Rancan e Eloisa de Oliveira Evandro Carijio e Dayanne Souza Schmidt Paulo Pancot e Miriane Maximovitz Jonas Feltrin Rigotto e Ana Carolina Sirtori Cristiano Oliveira Ribeiro e Daniela Zorzanello Renato Ribeiro e Maria Salete Silva Pereira Jefferson Oliveira da Silva e Vanessa Danna Reginaldo Grassi e Adriana Siqueira de Souza Marcos Bellincanta Grandi e Graziele Toscan Marcelo Damin e Cristina Gasparin Juliano de Oliveira e Rosangela dos Santos de Oliveira Pedro Afonso Fernandes Pagliosa e Dayla Jeanine Zolet Rafael Schvantes Rosa e Ariana Balestro Maschio Fernando Cardoso e Queila de Souza (cópia) Marcelo Rodrigues e Isabel Cristina Hollas Rafael Vinícius Hofmeister e Sinara de Souza Leandro Fernandes e Kélen Cristine dos Santos da Silva Luciano Führ e Catiane Pretto Marcelo Luís Costa e Andréa Machado da Silveira Diego Ricardo dos Reis e Silaine Pivetta dos Passos Daniel da Silva Rodrigues e Diele Fernandes Cardoso Johnatan Bizotto Martins e Ana Paula de Vargas Gearon Santos da Silva e Marilha Buzin Pacheco Francisco Moacir Fernandes Junior e Adriana Moraes da Silva SE ALGUÉM SOUBER de algum impedimento, oponha-o no prazo e na forma da lei. Caxias do Sul, 14 de outubro de 2013 ROBERTO RUSCHEL DA SILVA - Oficial Registrador

EDITAL DE CITAÇÃO - EXECUÇÃO 6ª vara Cível - Comarca de Caxias do Sul. Prazo de: VINTE (20) dias. Natureza: Execução de Título Extrajudicial. Processo: 010/1.11.0033024-0 (CNJ: 005683973.2011.8.21.0010). Exequente: Montec Mão de Obra Industrial Ltda. Executado: Foco da Luz Materiais Elétricos Ltda e outro. Objeto: CITAÇÃO de José Polidoro Arent, atualmente em lugar incerto e não sabido, para que pague, no PRAZO de TRÊS (3) DIAS, o débito de R$ 7.594,74, atualizado em data de 04/11/2011 e demais cominações legais, ficando ciente de que havendo o pagamento integral no prazo legal, a verba honorária arbitrada será reduzida pela metade; ou, querendo, ofereça EMBARGOS no prazo legal de QUINZE (15) DIAS, contados do término do prazo deste edital. No prazo de embargos, reconhecendo o executado o crédito do exequente e comprovando o depósito de, no mínimo, 30% (trinta por cento) do valor exequendo, inclusive custas processuais e honorários advocatícios, poderá o executado requerer seja admitido a pagar o restante em até SEIS (6) parcelas mensais, acrescidas de correção monetária e juros de 1% (um por cento) ao mês. Não efetuado o pagamento, se procederá a PENHORA, AVALIAÇÃO e DEPÓSITO de tantos bens quantos forem necessários para garantir a execução. Caxias do Sul, 18 de setembro de 2013. SERVIDOR: Maria Gorete Grisa. JUIZ: Luciana Fedrizzi Rizzon.

EDITAL DE CITAÇÃO - EXECUÇÃO 4ª Vara Cível - Comarca de Caxias do Sul. Prazo de: VINTE (20) dias. Natureza: Execução de Título Extrajudicial. Processo: 010/1.10.0011081-8 (CNJ: .011081189.2010.8.21.0010). Exequente: Banco do Estado do Rio Grande do Sul S/A. Executado: D’Agostini Informática Ltda e outros. Objeto: CITAÇÃO de D’Agostini Informática Ltda e Carlos Eduardo D’Agostini, atualmente em lugar incerto e não sabido, para que pague(m), no PRAZO de TRÊS (3) DIAS, o débito principal e demais cominações legais, ficando ciente(s) de que havendo o pagamento integral no prazo legal, a verba honorária arbitrada será reduzida pela metade. Na mesma oportunidade, intime o executado, para, querendo, oferecer EMBARGOS no prazo legal de QUINZE (15) DIAS, contados da juntada do presente edital aos autos. No prazo de embargos, reconhecendo o executado o crédito do exeqüente e comprovando o depósito de, no mínimo de 30% (trinta por cento) do valor exequendo, inclusive custas processuais e honorários advocatícios, poderá o executado requerer seja admitido a pagar o restante em até SEIS (6) parcelas mensais, acrescidas de correção monetária e juros de 1% (um por cento) ao mês. Valor do débito: R$ 59.560,10 em abril/2010. Caxias do Sul, 9 de julho de 2013. ESCRIVÃO: Osmar Cezar da Silva. JUIZ: Cláudia Rosa Brugger.

SINDICATO DOS ODONTOLOGISTAS DE CAXIAS DO SUL EDITAL DE CONVOCAÇÃO

O Presidente do Sindicato dos Odontologistas de Caxias do Sul, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo Estatuto Social, bem como na forma da legislação vigente, convoca os integrantes da categoria para se fazerem presentes nas Assembléias Geral Ordinária e Extraordinária a serem realizadas na sede do Sindicato, na Av. Júlio de Castilhos, 1188 sala 42, no dia 12 de novembro de 2013. ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA: às 18:00 h e 18:30 h, respectivamente em primeira e segunda convocação com qualquer número, com a seguinte ORDEM DO DIA: discussão e aprovação da Proposta Orçamentária para exercício de 2014, instruído pelo parecer do Conselho Fiscal. ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINARIA: às 19:00 h e 19:30 h, respectivamente em primeira e segunda convocação, com a seguinte ORDEM DO DIA: 1 - Leitura, discussão e aprovação ou não da Suplementação de verbas para o exercício de 2013, instruído com parecer do Conselho Fiscal; 2 - Fixação do valor da Contribuição Social para o primeiro semestre de 2014; 3 - Fixação do valor da Contribuição Sindical e ou Contribuição Confederativa, e sua distribuição, para exercício de 2014; 4 - Discussão e autorização ou não para o Sindicato outorgar poderes a Federação Nacional dos Odontologistas para negociações coletivas da categoria dos profissionais liberais da odontologia, sejam eles estatutários ou celetistas, para o exercício 2014/2015, podendo a outorgada substabelecer à Confederação Nacional das Profissões Liberais e fixarem a pauta de reivindicações. 5. Assuntos gerais. Caxias do Sul, 30 de outubro de 2013 SERGIO CALLEGARI - CD Presidente


CORREIO RIOGRANDENSE - Caxias do Sul, 16 de outubro de 2013

“As pessoas influenciam-nos, as vozes comovem-nos, os livros convencem-nos, os feitos entusiasmam-nos.” John Henry Newman (1801-1890), cardeal anglicano inglês

16 - Sabe-Tudo

✦ SACI-PERERÊ

Travessuras de um mito Lenda do folclore, o saci surgiu entre os índios do Sul O dia 31 de outubro é o Dia do Saci-pererê, personagem folclórico brasileiro que originou-se entre as tribos indígenas do Sul do país. A data foi instituída no Brasil em 2005 a fim de restaurar lendas e mitos brasileiros, em contraposição a influ-

Ria se puder No hospício, um dos loucos recebe uma carta. Logo forma-se um grupo de curiosos ao seu redor. O maluco abre o envelope e tira de dentro uma folha em branco.

Palavras cruzadas diretas PALAVRAS CRUZADAS DIRETAS

www.coquetel.com.br

R ão/C duç o r p Re ões/ traç Ilus

A pisadeira, personagem do folclore da região Sudeste, é uma

Antigo sucesso do cantor Fagner Caroline Ribeiro, top model paraense Criatura; indivíduo Pronome reflexivo Característica física do bebê prematuro

BANCO

As de esturjão são usadas no caviar Corpo vegetativo das algas (Bot.)

Apanhar um a um 10, em romanos

60 jogos mais de

de lógica ambientados no universo místico da Idade média

Pisadeira, velha de chinelos que aparece nas madrugadas

NAS BANCAS E LIVRARIAS

velha de chinelos que aparece nas madrugadas para arranhar a face ou pisar na barriga das pessoas, provocando a falta de ar.

www.coquetel.com.br

lobo numa noite de lua cheia e não morreu, porém desenvolveu a capacidade de transformar-se em lobo nas noites de luar. Ataca a todos que encontra pelo cami✦ A mula-sem-cabeça surgiu no nho. Somente um tiro de bala de interior do país e conta a história prata em seu coração seria capaz de uma mulher que teve um ro- de matá-lo. mance com um padre. Como castigo, todas as noites da quinta para ✦ A cuca, ou coca (uns dizem a sexta-feira se transforma em que é homem, outros que é mumula que galopa e salta sem parar. lher) sai à noite para levar embora as crianças inquietas ou ✦ O lobisomem é um mito pre- insones. Está presente em muitas sente em várias regiões. Um ho- músicas e um verso diz: “Dorme, mem teria sido atacado por um nenê, que a Cuca vem pegar”.

Símbolo Entrenó eleitoral de cana da demo- descascada cracia

Ouro, em espanhol (?) Morales, presidente boliviano

25

Solução

L E A L

tatá, também é protetor das matas e dos animais selvagens. É representado por um anão de cabelos compridos e com os pés virados para trás. Persegue e mata todos os que desrespeitam a natureza.

Antigo Testamento (abrev.)

T N I C O R I CO B T S PS I U BO L R I S I A A D R O R O V O A R S O

✦ O curupira, assim como o boi-

Ponte para evitar o trânsito de animais

Lázaro Ramos, ator brasileiro

U R RN O A L E T E

Uma dessas lendas é o boitatá, representado por uma cobra de fogo, que protege as matas e os animais e tem a capacidade de perseguir aqueles que desrespeitam a natureza. De origem indígena, acredita-se que seja um dos primeiros mitos do folclore brasileiro.

A letra do Zorro (HQ) Cheguei de volta

Pecado, em inglês Animal do presépio

A P

Histórias e personagens da cultura popular brasileira estão presentes em todas as regiões. Esses personagens folclóricos que povoam a tradição popular geralmente são uns monstrinhos, figuras assustadoras que vivem para amedrontar as pessoas, principalmente as crianças, ou então para fazer travessuras e até para proteger a natureza.

Subalterno imediato do sargento

Comitê olímpico (sigla) Silêncio!

C T O R M T I D C A O D I A B T U T T E C X O

Personagens que povoam o imaginário brasileiro

Vesícula (?): situase sob o fígado

Isolante (?), material como o isopor

Amostra (?), brinde de laboratórios Excitação exagerada do apetite sexual

Figura comum nos quartéis da Ditadura

R E T O R N E I

sacis é a travessura. São muito brincalhões, divertem-se com os animais (gostam de fazer os cavalos correrem e dar nós nas suas crinas) e com as pessoas. Por serem muito moleques, acabam causando transtornos como fazer o feijão queimar, colocar sal nos recipientes de açúcar e viceversa, esconder objetos, derrubar e quebrar as coisas, provocar redemoinhos, encantar as crianças e fazê-las se perderem na mata. De modo geral, não é considerado um personagem malvado e suas travessuras são fruto de um garoto que gosta de se divertir. Morre de medo de bentinhos e alho e em momentos de bom humor ajuda a encontrar coisas perdidas, além de ser um exímio conhecedor das propriedades medicinais das plantas e raízes da floresta. Segundo a lenda, o único meio de controlar um saci é tirar-lhe o gorro e prendê-lo numa garrafa. No RS ele é mascote do E. C. Internacional.

Concurso de gastronomia que elege os melhores tira-gostos do Brasil

D A T G R I Z A F R M A N C E S B A

Saci gosta de dar nós nas crinas

© Revistas COQUETEL 2013

Que não Brigitte Órgão da distingue Bardot ou Fiel aos Justiça do seus combem as Juliette Trabalho cores Binoche promissos (sigla)

3/oro — sin. 6/biliar — rolete. 7/noturno. 9/afrodisia — baixo peso — daltônico — mata-burro.

O saci-pererê é representado como um garoto de uma perna só, sempre de gorro e cachimbo na boca

ências folclóricas estrangeiras, como o Dia das Bruxas, vampiros e o lobisomem. O Saci é um personagem que habita o imaginário popular brasileiro, principalmente no interior do país, onde ainda se mantém o hábito dos mais velhos de contarem histórias às crianças nas tranquilas noites de lua. Atualmente é representado pela figura de um menino negro, de uma perna só, que possui um gorro vermelho na cabeça e traz sempre um cachimbo na boca. Originalmente, era um curumim endiabrado, com duas pernas, cor morena, mas perdeu uma perna lutando capoeira. Segundo a crença popular, os sacis vivem 77 anos e nascem em brotos de bambu. Após sete anos de ‘gestação’ dentro do gomo do bambu eles saem para uma longa vida de traquinagens e quando morrem se metamorfoseiam em cogumelos venenosos ou orelhas de pau. A principal característica dos

Um colega pergunta: - Quem escreveu? - Meu irmão. - Como você sabe? - É que a gente brigou e não está se falando!

Conto de fadas em quadrinhos Uma menina destemida, um garoto medroso e uma pré-adolescente que sonha em ser princesa formam o trio da aventura em quadrinhos Gigantes, cuidado! O lançamento da V&R Editoras, de autoria de Rafael Rosado e Jorge Aguirre, é voltado ao público infantil. A obra é um divertido conto de fadas que aborda, com leveza, temas como amizade, coragem, medo, preconceito, humildade. O livro tem 208 páginas e a tradução é de Alexandre Boide.


CORREIO RIOGRANDENSE - Caxias do Sul, 16 de outubro de 2013

“La verità ze che nensuni me ga invità, ma gnanca nensuni me ga dito che stasse casa.” Beppi Barùscolo

Arlindo Battistel

El giugo de boce Geraldo Sostizzo

Agente Consular Italiano, Cascavel - PR

Come i taliani parla de pi con le man che con la boca (i ze el pòpolo che più gesticula quando parla), un bon talian no l’è mai bon de star fermo. O el ga sempre un mestier de laorar in man o lora l’è drio trar sassade inquà e inà. Un talian l’è tanto brao par dar via sassade. Come mi, na volta, go dato na sassada te un vedel che lo go squasi copà e anca go copà raquanti osei e fin colombi con sassi de man. Ma tornando indrio na s-cianta, go idea che ze stati i taliani che ga inventà el giugo dele boce. Prima i giughea tela grama e pi tardi i ga fato le cance de tera e dopo i ghe ga messo sàbia de rieto e oncó ghe ze fin quele fate de plàstico. Le prime boce le gera fate le legno, mèio dire de gropi, che gera la parte pi dura del pin. Par no farle tute compagne, ghe gera le boce lise e quele a righe. Ogni banda gavea sei boce. Tuto el giugo de boce gavea dódese boce e un balin che gera quel che se giughea prima par dopo giugar quelaltra a ponto o pi darente che se podea. I primi tempi gera tuto a òcio, no i mesurea mia la distansa dele boce, ma dopo che i ga scominsià giugar campionati, ghe gera un sol par marcar chi rivea pi darente al balin e chi fea el ponto. Quando un ghe dea na bociada, el so compagno ndea veder e lo orientea diséndoghe: seca sei, o seca oto, dele volte no’l ghe rivea gnanca darente, ma dele volte el ghe trea polito che’l scambiea fin de posto le boce. Go visto tante de quele barufe tele boce che no me ga mai piasesto giugar. Me pupà el gera un dei mèio giugadori che stea là a Barro Preto e anca a Vila Flores, ndove noantri steimo e anca ndeimo a messa. Nel giorno de ncoi, ghe ze fin el campionato mondiale dele boce, ma el mèio gera ancora quel che i giughea con le boce de legno e i giughea sol par na caciasseta o dele volte na oselada, lora si gera bel de veder e mèio ancora de magnar e, sicuro, bever ben.

Par rider un pochetin La limòsina: Un poareto el osa: - Dame na limòsina, par carità, par portarla a me pare! – E ndove zelo to pare? – El ze nte l’altra rua, domandando monede par mi! La barufa: La nona resta cativa col nipote: - Gigeto, perché te ghe ghè dato na sassada a to cusin? – Perché el me ga spissigà! – E par cossa no te me ghè ciamà? – Perché? Ti no te ghe ciaparia una... Spiegassion: Un toseto ghe domanda a so pare de ndove el ze vegnesto. – Varda... fiol... el pupà ga dà un baso a to mama, dopo un strucon e cossita ti te si nassesto. – Aah! Sì!... – Ma parcossa te me ghè fato sta domanda, fiol? – Perché Piereto me ga dito che’l ze vegnesto de Garibaldi... Sorocaba: La infermiera ghe domanda a un giaponese malà, che’l savea parlar un pochetin de portoghese e anca un pochetin de talian: De ndove situ ti? -... so-ro-caba, el ghe risponde com dificultà. – Che coinsidensa. Anca mi son de Sococaba! – Mi no son de Sorocaba; mi vui dir de no sentar sora la manghereta senò el “soro caba”.

El ritorno de Nanetto Pipetta (737) Ilustração Derli Dutra, São José do Ouro (RS)

Ndove ghe zera festa, Barùscolo zera là la sposa, i genituri del casal, i fradei, le sorele e po, tuti. Dopo de bever e magnar a volontà, Na sera de filò, tea casa de on visin, zera lu che animava la festa e inviava Nanetto e el Nene i ga sentio el sàntolo la cantoria. Coei par banda dela sposa i Luigi contar questa stòria, intanto che pensava che’l zera on invità del sposo; i magnava pignui e patate dolse drio el quei de banda del sposo i catava che’l fogolaro: zera convidà dela sposa. Intanto - Tuti i lo ciamava de Barùscolo, ma, nensuni saveva el parché de quel nome. Solo meda dùsia de persone e la so dona i saveva che lè stà cresemà col nome de Beppi. Barùscolo zera persona liegra e festiva. Ndove ghe zera de magnar, bever e festa, capitava Barùscolo, col so fassoleto negro in tel col sarà co´n anelo de oro e, in testa, on capel de

par smascherarlo. Nte un de questi casamenti che se visinava, i genitori del sposo e dea sposa i ze ndati intisi de no convidar Barùscolo, par dopo veder se’l capitava a nosse. No à dato nessun altro! Nel giorno de le nosse, col so fassoleto negro tel col e el capel de trè ponte in testa, se presenta el simpàtico Barùscolo. Prima de afrontare el omo, i genituri se ga reonio coi fiui, par saver se qualchedun, par sbàlio, gavea invità el omo. Nensuni lo gaveva convidà. Alora i ghe ze ndati a taco e domandà suito: - Barùscolo, ma cossa feto qua? Te pol dirne chi te ga invità de vegner a nosse? Invesse perder el piombo, el vècio, soridente come mai, ghe responde: - La verità ze che nensuni me ga invità, ma gnanca nensuni me ga dito che stasse casa. Tel dùbio, son vegnesto comprimentarve. Son sicuro che la mia presensa ve porte alegria, o sonti sbalià? Diseme, fianchi! Se no gavi caro che ve salude, me la togo par la pi curta. No son omo de inventar increnche. Vanti questa lògica, nò solo el ze restà tea festa, ma anca convidà sentarse tela tola d’onore, insieme dele faméie dei spusi. E tuti, quando i se maridava, no i se desmentegava de invitar el vècio Barùscolo par animar el matrimònio.

Sergio Angelo Grando Porto Alegre - RS

trè ponte. Convidà o nò, ndove el so caval resistisse portarlo, el se faseva presente. Sempre ridente e festivo. Le so feste preferie zera aniversarii e casamenti. Là lu impienia la pansa a volontà e a scroc. El desmontava del caval e scomissiava saludar tuti: el sposo,

quela, el vècio la passava ben. El se sgionfava de magnar e anca de rider. Tutavia, ghe ze stà dele persone che se ga dato conto che Barùscolo se fava presente in tute le feste. I ga scomissià ténderlo. I gaveva squasi securessa che’l zera on scrocon, ma bisognava prove

Sabores da terra Peixe Ensopado Ingredientes: 1 kg de peixe (pintado ou jundiá); 1 cebola grande; 3 tomates grandes, sem casca; 1 copo de azeite; ½ copo de vinagre branco de maçã; sal a gosto. Modo de fazer: cortar a cebola em

Reprod./CR

Vita, Stòria e Fròtole

17 - Imigração

rodelas. Cortar também os tomates e os peixes, exceto se forem pequenos. Colocar tudo na panela de pressão, em camadas: primeiro a cebola, depois o tomate, o peixe e, por último, o azeite e o vinagre. Tapar a panela e colocar para com leite de vaca e acrescentar na miscozinhar, em fogo baixo, por três horas. tura. Por último, misturar as claras em neve. Levar para assar em forma untada. • Receita de Nadir C. Zanela - Agudo, Criúva Colocar sobre o bolo ainda quente o leite de coco reservado. Amor em pedaços Ingredientes: 2 xícaras de açúcar; 2 xí- • Receita de Therezinha L. Borelli - Fazenda Souza caras de farinha de trigo; 4 colheres de Bolo salgado manteiga; 4 ovos; 1 garrafinha de leite de Ingredientes: 3 xícaras de farinha de coco; 1 colher (sopa) de fermento; leite. trigo; 1 cebola; 1 lata de ervilha; 2 tomaModo de fazer: reservar metade do tes; 1 lata de milho; 4 ovos; 50g de queijo leite de coco com quatro colheres de ralado; 1 colher rasa de sal; 1 colher de açúcar. Bater as gemas com o açúcar e a fermento em pó; 1 xícara de azeite; 1 xímanteiga. Misturar a farinha e o fermen- cara de leite; salsa e cebola verde a gosto; to. Completar a garrafa de leite de coco cenoura e presunto a gosto, se desejar.

Modo de fazer: misturar todos os ingredientes, colocar em uma forma e assar. • Receita de Ana Odete S. Rodrigues - Criúva

Bolacha de mel

Ingredientes: 2 ovos; 2 xícaras de açú-

car; 1 xícara de mel; 1 xícara de leite; 1 colher (sopa) de canela em pó; 1 colher (sopa) de bicarbonato de sódio; 2 colheres (sopa) de manteiga; farinha de trigo até dar o ponto. Modo de fazer: misturar todos os ingredientes, acrescentando, por último, a farinha, aos poucos, até o ponto de passar na máquina de bolacha. Assar em forno médio até dourar. Esperar esfriar e passar em chocolate derretido. • Receita de Isadora Zanardi - Santa Lúcia do Piaí

Fonte: Caderno de Receitas. Valorização da Mulher do Meio Rural. Organizado pela Coordenadoria Municipal da Mulher. Caxias do Sul, 2007 - 2ª edição.


CORREIO RIOGRANDENSE - Caxias do Sul, 16 de outubro de 2013

“A maior parte da coleta é enviada ao Fundo Mundial de Solidariedade, que financia projetos de ajuda a missões em todo o mundo.” Pe. Camilo Pauletti, diretor nacional das POM

Olhar diferente

Casa feita sob encomenda

E

mpresário bem sucedido, homem público com invejável currículo, centenas de diplomas e títulos conquistados, seguindo a lógica comum, acabou morrendo. Os meios de comunicação exploraram o fato, a prefeitura decretou três dias de luto e teve um funeral de primeira classe. Na hora em que o caixão era descido à sepultura, parentes e amigos prestaram-lhe a última homenagem com uma salva de palmas. Apresentando-se na portaria do céu, foi acolhido pelo Homem das Chaves, São Pedro. Tudo era festa, alegria e paz. Seu nome constava na lista. São Pedro pediu a um anjo que o conduzisse à sua nova morada. Entraram numa imensa avenida onde se alinhavam palácios espetaculares. Esta moradia, com chafarizes, um jardim imenso cheio de flores, observou o anjo, é de Dona Maria. É aquela velhinha que estava sempre na igreja, disponível para qualquer serviço e sempre ajudando pobres e doentes. Ao lado morava o seu Antão que tocava o sino e providenciava os consertos na igreja e na escola. Casa de dois andares, com cobertura; até piscina tinha. E o anjo ia indicando os moradores: a catequista, aquele médico humanitário, o padre, a enfermeira... As casas fariam inveja a qualquer rico da Terra. O empresário, no entanto, deu-se conta que, por ordem que iam avançando na avenida, a qualidade das moradias ia diminuindo. Mais adiante entraram por uma rua lateral e no meio da quadra o anjo disse: esta é a sua nova casa. Nada da imponência das residências da grande avenida. Era uma casa simples e nova. Isto não é possível, protestou: deve ter algum engano! Na avenida, todos têm verdadeiras mansões. E o anjo explicou: aqui construímos as casas de acordo com o material que nos enviam da Terra. Chiara Lubich, mística, fundadora do movimento focolare e santa de nosso tempo, tem uma posição: “A eternidade é uma casa que estamos construindo agora para habitar depois”. O futuro tem tudo a ver com o presente. É no tempo que construímos a eternidade. Quando soar o apito final, como no futebol, vale o placar do jogo. A eternidade torna definitivo nosso projeto de vida. Na linguagem comum, dizemos que Deus salva ou condena. Na realidade, Ele respeita nossa escolha. Constrói nosso futuro de acordo com o material enviado. Pode ser ouro, pedras preciosas, madeira, palha ou barro, observa São Paulo (1Cor 3,12). Na Bíblia, lemos que Deus criou a Terra e o Céu. Não fala do Inferno, que é consequência de escolhas absurdas e infelizes. O céu é a Cidade do Amor; o Inferno é a Cidade da Solidão. O Céu é a realização de todas as nossas possibilidades; o Inferno é a frustração total e definitiva.

No Céu, Deus constrói nosso futuro de acordo com o material enviado

✦ MÊS MISSIONÁRIO

O protagonismo dos jovens Campanha Missionária recorda dimensão universal da missão

A Igreja Católica celebra, no domingo 20, o Dia Mundial das Missões. Neste ano, em sintonia com a Jornada Mundial da Juventude, realizada no Rio em julho, o tema da Campanha Missionária é “Juventude em Missão”. O lema foi tirado do profeta Jeremias: “A quem eu te enviar, irás” (Jr 1,7b). Pela Campanha Missionária, toda a comunidade cristã é convidada a renovar seu compromisso com o mandato de Jesus, que ordenou: “Ide, pois, fazei discípulos meus todos os povos” (Mt 28,19). E neste ano, a Igreja propõe refletir sobre os jovens como protagonistas da missão. “São os jovens que devem continuar a caminhada missionária, porém com o foco no mundo e não apenas em nossas comunidades, paróquias ou dioceses”, salienta padre Marcelo Monteiro, secretário nacional da Pontifícia Obra Propagação da Fé e a serviço das Pontifícias Obras Missionárias, entidade promotora da Campanha Missionária. E nos dias 19 e 20 de outubro, os cristãos também são convidados a contribuir com

POM/Div./CR

Aldo Colombo

18 - Igreja

Campanha deste ano aposta no dinamismo e atuação dos jovens como missionários

Uma jornada de fé e catolicidade a Coleta do Dia Mundial das Missões. As ofertas realizadas em todas as comunidades e paróquias são enviadas integralmente às POM, que as repassam ao Fundo Universal de Solidariedade para apoiar projetos missionários especialmente na Ásia e África.

O Dia Mundial das Missões, segundo palavras do Papa Paulo VI foi uma “genial intuição de Pio XI”, “um grande acontecimento na vida da Igreja”. Oficialmente, a data foi instituída em 14 de abril de 1926, pelo Papa Pio XI. O ardor missionário de Aquiles Ratti, eleito Papa Pio XI em 1922, era conhecido de todos. No Ano Santo de 1925 abriu no Vaticano uma esplêndida exposição missio-

Igreja no Mundo Família é desafio O Papa Francisco convocou, na terça 8, a 3ª Assembleia Geral Extraordinária do Sínodo dos Bispos, com o título “Os desafios pastorais da família no contexto da evangelização”. O Sínodo será realizado no Vaticano, de 5 a 19 de outubro de 2014, e seu novo secretário é dom Lorenzo Baldisseri, que foi núncio apostólico no Brasil de 2002 a 2012. Livro dos Livros O museu Terras da Bíblia de Jerusalém realiza, de 23 de outubro/2013 a 24 de maio/2014, a exposição “O Livro dos Livros”. Exposição traça as raízes judaicas do cristianismo e apresentará, entre outros, fragmentos da Septuaginta, as escrituras mais antigas do Novo Testamento, manuscritos raros e páginas originais da Bíblia de Gutemberg.

nária mundial e no ano seguinte publicou a Encíclica Rerum Ecclesiae, sobre missões. Nesse mesmo ano consagrou os seis primeiros bispos chineses. Mais tarde, a data passou a ser celebrada no 3º domingo de outubro, o mês missionário. No Brasil, há mais de 40 anos as Pontifícias Obras Missionárias promovem a Campanha Missionária, juntamente com toda a Igreja.

Indagações da fé

Bruno Glaab, teólogo - Estef e-mail: freiglaab@gmail.com

Peregrinação Nos dias 26 e 27 de outubro, o Papa Francisco participará em Roma do evento “Família, viva a alegria da fé - da Peregrinação das Famílias ao túmulo de São Pedro no Ano da Fé”. O Papa estará presente em meio aos peregrinos na tarde do sábado 26 e presidirá a missa no domingo 27. Gilbert Chesterton O bispo britânico Peter Haworth Doyle nomeou um sacerdote para investigar a causa de beatificação do escritor Gilbert Chesterton (1874-1936). Chesterton é um dos escritores ingleses mais citados do mundo. Escreveu inúmeros livros e influenciou muitos escritores, como John Tolkien, autor de “O Senhor dos Anéis”, Christopher Dawson, Ronald Knox e Jorge Luís Borges.

Comunicação a serviço da cultura do encontro “Comunicação a serviço de uma ções Sociais 2014. A Jornada é o autêntica cultura do encontro” é o único dia mundial estabelecido pelo título da mensagem do Papa para Concílio Vaticano II (Inter Mirifica, a Jornada Mundial das Comunica- 1963); ocorre em 24 de janeiro.

Ouvi dizer que as perguntas e respostas da coluna Indagações da fé virariam um livro. É verdade? Gabriel Cavalli, Canoas - RS

Sim, é verdade. Já coletamos quatro anos de “Indagações da fé”, publicadas semanalmente no Correio Riograndense e fizemos um livro. Trata-se de uma obra de 198 páginas com mais de 200 perguntas semanalmente respondidas. As perguntas e respostas foram classificadas em Bíblicas, Marianas, Dogmáticas e Gerais. Assim como foram publicadas no jornal, foram postas no livro. O nome do livro também é Indagações da fé. O objetivo é colocar ao alcance dos leitores do jornal e de outros cristãos interessados, um valioso trabalho de esclarecimento e de cultivo da fé. O desejo dos autores é esclarecer a fé, para que todos os fiéis tenham

maturidade naquilo que creem, bem como um compromisso decorrente da fé bem vivida. Pois cremos que a fé ingênua é muitas vezes inoperante e facilmente confundida pelas contrariedades da vida. O livro Indagações da fé pode ser adquirido pelo correio, no seguinte endereço: Bruno G. Glaab, Rua Mal. Mallet, 112, Bairro Harmonia, CEP 92310-640, Canoas - RS, ao preço de R$ 15,00, mais R$ 2,00 para despesa de correio. Os interessados podem enviar um cheque nominal e visado para o endereço acima mencionado. Não esquecer de colocar o nome e endereço de forma bem clara na carta para que possamos enviar o livro.


CORREIO RIOGRANDENSE - Caxias do Sul, 16 de outubro de 2013

19 - Igreja F BRASIL E BOLÍVIA

Luiz Turra

Irmãs de São José buscam a integração Fotos Divulgação/CR

Na terça-feira 15 de outubro, a congregação das Irmãs de São José de Chambéry completou 363 anos de fundação. A congregação teve origem na França, em 1650, fundada pelo sacerdote jesuíta Jean Pierre Médaille. Presentes no Brasil desde 1858, as Irmãs de São José estão divididas em cinco províncias – Caxias do Sul, Porto Alegre e Lagoa Vermelha, no Rio Grande do Sul; Curitiba (PR) e São Paulo (SP) – e duas regiões – Norte e Nordeste e uma na Bolívia. Desde 2005, a congregação vem trabalhando para uma integração entre essas províncias. A partir de 2011, esse processo foi reafirmado e fortalecido e um passo importante foi dado em setembro passado, com a realização de dois “Seminários Integrando”, que ocorreram em Garibaldi (RS) de 20 a 22, com mais de 130 religiosas; e em Itu (SP), de 27 a 29, do qual participaram 110 irmãs. Em ambos os encontros houve a presença de religiosas das cinco províncias e duas regiões. Irmã Ieda Maria Tomazini, conselheira geral, veio de Roma para represenar o Conselho Geral e acompanhar a caminhada. Irmã Virma Bairon, da congregação das Irmãs Carmelitas da Caridade de Vedruna, assessorou os seminários e toda a preparação que vem ocorrendo desde 2011. Os seminários são um marco para a

No coração da vida

N

Religiosas das cinco províncias e duas regiões no seminário de Itu congregação e foram resultado de uma longa preparação feita nas comunidades religiosas, especialmente levando em conta o “momento atual da realidade cristã, onde a renovação se faz tão essencial para o crescimento da obra de Deus”, salienta irmã Adelide Canci, da província de Lagoa Vermelha. Objetivo dos seminários foi fortalecer a integração entre as províncias, pois, em muitos aspectos, já existem muitas coisas em comum, como o aspirantado, postulado e noviciado; a formação continuada, os encontros dos conselhos provinciais e das regiões; site, revista e agendas; o Serviço de Animação Vocacional (SAVI); os retiros; e a colabora-

ção com a missão em outros países. Mas é possível avançar em outros aspectos, como fortalecer a liderança na dinamização da vida e missão; intensificar a missionariedade e parcerias; integrar as casas de repouso e lazer; a animação vocacional; construir uma forma de reorganização Brasil-Bolívia; articular uma gestão comum nas questões administrativas e financeiras etc. No Brasil, as Irmãs de São José somam cerca de 660 religiosas, seis noviças e três postulantes, divididas em 130 comunidades, vinculadas a uma família maior, que é a congregação, atualmente com 1.505 irmãs presentes nos cinco continentes.

F RECONHECIMENTO

Pinto Bandeira homenageia um dos líderes da emancipação O “Caminho de Pedras” foi o trajeto da 11ª edição da Caminhada das Rosas, realizada no sábado 5. O evento reuniu mais de 200 pessoas, que percorreram os 20 km entre a igreja Santo Antônio, em Bento Gonçalves, e o santuário N. Sra. do Rosário de Pompeia, em Pinto Bandeira. Na chegada, padre Darci Bortolini, idealizador da caminhada, presidiu a missa. No final da celebração, padre Darci foi homenageado pela comunidade com o título de “Cidadão pinto-bandeirense” (proposto pelo vereador Adair Rizzardo), por ser uma das figuras mais importantes na luta pela emancipação do município. Sacerdote passionista, padre Darci foi pároco de Pinto Bandeira de outubro/2001 a fevereiro/2005. Hoje atua em São Paulo. Padre Darci Bortolini com o diploma de “Cidadão pinto-bandeirense”

F SARANDI

Comunidades vivem as santas missões populares As Santas Missões Populares na paróquia de Lourdes, em Sarandi (RS), prosseguem, após mais de um ano do seu início. De 1º a 6 de outubro ocorreu a “semana missionária”. Até agora, as missões foram marcadas por muitos encontros, celebrações e reflexões. Além da participação de 400 missionários, também contaram com a colaboração de cursilhistas, vicentinos, ministros e jovens que conduziram reflexões sobre batismo, matrimônio, fé e oração, família missionária e comunidade de comunidades. E as missões continuam, no dia 19 de outubro, com um dia de formação aos 400 missionários, celebração,

Escola para o bom senso

Celebrações, como a Semana missionária, reanimam espírito cristão bênção e envio para a segunda visita e bênção às famílias em outubro e novembro. O encerramento das missões populares em Sarandi será do-

mingo 24 de novembro, dia de Ação de Graças, com a presença de todos os missionários e comunidades. (Por Fernando Luiz Concatto)

ão fica bem viver de saudades, mas sim de esperanças. Porém, é bom olhar para o passado para entendermos um pouco melhor o presente. Num passado recente, aprendia-se a viver numa sociedade simples onde as escolas do bom senso eram poucas e bem determinadas: a família, a Igreja e a escola. Neste ambiente, as instâncias de influência na formação falavam a mesma linguagem, passavam critérios de discernimento para o bom senso das opiniões, decisões e atitudes. Em nossos dias, a nova socialização ampliou as escolas do comportamento e das decisões humanas. A família, a Igreja e a escola reduziram ao mínimo seu poder de persuasão, no que se refere a valores de vida e sua autoridade educativa. Outras escolas passaram a ensinar e condicionar comportamentos e decisões: os meios de comunicação social, as redes sociais, as amizades, a mentalidade competitiva do mercado, a sociedade de consumo, os poderes econômicos e os grupos políticos etc. Os critérios do bom senso e os valores que garantem relações justas e humanas estão envoltos em névoa espessa na mente das multidões. Rotula-se com facilidade o “errado” como certo e o “certo” como errado. A justa medida passa por uma crise em todas as dimensões da vida pessoal e relacional. Não estamos aparelhados para indicar uma verdadeira escola de bom senso na sociedade atual, com suas crises e surpresas. Tudo o que é sólido parece continuar se desmanchando no ar. As instituições e estruturas continuam sendo fragilizadas. A insegurança nos invade, não somente ao nosso redor, mas também, profundamente, dentro de nós. No entanto, continuamos acreditando que é neste ambiente tumultuado que ainda há lugar para uma escola do bom senso. Administrando as crises de nosso precioso tempo, vamos nos convencendo que ainda precisamos valorizar o que é fundamental. Nós, cristãos, sabemos que o Mestre do bom senso, da justa medida e do jeito certo de opinar e decidir favoravelmente, é Jesus Cristo. Paulo ensina que Cristo é o único fundamento sobre o qual construímos com solidez e bom senso (1Cor 3,10-17). Porém, cada um, com sua liberdade, precisa cuidar para não se enganar no material utilizado. Pode-se construir com ouro, prata, pedras preciosas, madeira ou feno. O tempo vai se encarregar de provar a obra de cada um. O fogo provará a verdade e a qualidade de nossas escolhas. Estamos em tempo oportuno para orar ao Pai, como filhos em tempos difíceis e atrapalhados critérios de bom senso: “Ó Deus, tornai claros todos aqueles pedaços de coração que estão na obscuridade; ordenai nossos confusos sentimentos; dai-nos a inquietação positiva para administrarmos nossas decisões e relacionamentos com bom senso e justa medida! Dai-nos vossa luz para ver, julgar e agir conforme a verdade que nos liberta, e assim nos tornemos pessoas luminosas e não obscuras”. Amém.

Rotula-se com facilidade o ‘errado’ como certo e o ‘certo’ como errado


Correio Riograndense

PARA USO DOS CORREIOS ■ MUDOU-SE ■ CEP ■ DESCONHECIDO ■ NÃO EXISTE Nº INDICADO ■ RECUSADO ■ FALECIDO ■ INORMAÇÃO ESCRITA PELO ■ AUSENTE PORTEIRO OU ■ NÃO PROCURADO SÍNDICO ■ END. INSUFICIENTE

Caxias do Sul - 16 de outubro de 2013

✦ MÊS MISSIONÁRIO

Campanha convoca jovens para a missão

REINTEGRADO AO SERVIÇO POSTAL EM ___/___/___

___/___/___

Pe. Adilson Zílio/Div./CR

Igreja aposta no dinamismo da juventude para continuidade da evangelização

_________________ RESPONSÁVEL

Palavras “Onde se encontram caridade e sabedoria não há medo nem ignorância.” SÃO FRANCISCO DE ASSIS (1181-1226), canonizado em 1228

“A igualdade é decerto a maior evidência de civilização.” EÇA DE QUEIROZ (1845-1900), escritor português

“A bondade é inseparável da sabedoria: podemos ser bons sem ser sábios, mas ninguém é sábio que não seja bom.” Solidariedade: coleta do dia 20 de outubro é destinada a projetos missionários, especialmente na África. Página 18

MARIANO DA FONSECA, marquês de Maricá (1773-1848), político carioca

Curso de Teologia a Distância - Edição 2013 Bioética – Lição 5

BIOÉTICA DE RICOS E BIOÉTICA DE POBRES Frei Adelino Gabriel Pilonetto

Capuchinho, mestre em Teologia e professor da Estef

As desigualdades sociais são gritantes. Enquanto uns se fartam com tratamentos sofisticados na linha da “medicina dos desejos”, outros não têm como chegar ao hospital. Países de alta tecnologia enfrentam discriminações no atendimento às necessidades básicas do cidadão comum. O problema da justiça e da solidariedade torna-se então mais urgente que a discussão sobre a clonagem e a engenharia genética. Volnei Garrafa, da Universidade de Brasília e integrante do Comitê Internacional de Bioética da Unesco, defende uma proposta que dê atenção ao lado historicamente mais frágil da sociedade, de modo a garantir uma sobrevivência digna para todos: com saúde, alimentação, água limpa, oxigênio puro, moradia adequada, saneamento ambiental, educação, trabalho, em-

prego, descanso, cultura física, vestuário, aposentadoria... Como se vê, o mundo da saúde não se reduz a hospitais e a laboratórios. Passa também pela política e reclama uma biopolítica atenta às questões sanitárias e sociais, com capacidade para intervir nos conflitos resultantes da comercialização que toma conta dos medicamentos e da própria medicina. Não se justifica, por exemplo, que laboratórios transnacionais de países ricos executem em países pobres e de baixo nível econômico os testes com drogas que são direcionadas a doenças que afetam os pacientes de países ricos. Em artigo na Revista Bioética, do Conselho Federal de Medicina, Volnei Garrafa dá informações como estas: das 1.556 novas drogas desenvolvidas no âmbito mundial entre 1974 e 2004, somente

LUCRO QUE CONCORRE COM DROGAS E ARMAS

“A indústria farmacêutica oscila do primeiro ao quarto lugar entre as principais atividades lucrativas no mundo contemporâneo, competindo somente com os grandes bancos internacionais e com os mercados de armas bélicas e de drogas. Em 2005, o mercado da área movimentou cerca de 590 bilhões de dólares e apenas oito empresas do ramo foram responsáveis por 40% de todo o movimento financeiro mundial naquele ano” (Volnei Garrafa, Revista Bioética, n.20/1, 2012, p. 15).

10 eram destinadas a doenças comuns dos países pobres. E durante os últimos 30 anos, pouco mais de 1% das inovações farmacológicas foram dirigidas a doenças que afetam predominantemente as populações destes países. DOIS TIPOS DE BIOÉTICA Daí a necessidade de dois tipos de bioética: a das situações emergentes e a das situações persistentes. “A primeira diz respeito aos avanços de ponta da tecnociência, como clonagem, engenharia genética, reprodução assistida e transplantes de órgãos e tecidos humanos. Essa bioética é típica dos países industrializados e ricos.

QUESTÕES: 1) - Comente as discriminações existentes no campo da saúde.

2) - Que medidas poderiam reduzir essas discriminações? 3) - Qual a diferença entre os dois tipos de bioética acima mencionados?

Já a bioética das situações persistentes refere-se, entre outras situações, às condições sociais ligadas à discriminação, à exclusão social, ao racismo, à falta de equidade e justiça na distribuição das benesses do progresso e ao abandono das crianças e idosos” (Pessini). Esta última propõe que se gaste mais onde a necessidade e as doenças são mais graves, e não onde o poder econômico é mais forte. A saúde é um direito de todos, que o Estado deve tutelar mediante políticas sociais e econômicas que garantam o acesso igualitário e universal às ações e serviços públicos em vista da promoção, proteção e recuperação da saúde.

PRAZO: Prazo para enviar respostas desta lição: 20 de janeiro de 2014 RESPOSTAS PARA: ESTEF - Escola Superior de Teologia e Espiritualidade Franciscana Rua Tomaz Edson, 50 90640-100 - Porto Alegre - RS E-mail: extensao@estef.edu.br Fax: (51) 3217.4567

Cr 1610  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you