Page 1

# CAVALO PANTANEIRO

Rústico, mas de fácil manejo e adaptação

Nicoli Dichoff/Div/CR

Página 12

Correio Riograndense CR

Ano 108 - Nº 5.523 - R$ 2,50 - Caxias do Sul - 23 de novembro de 2016 - (54) 3220.3232 - facebook.com/jornalcr - www.correioriograndense.com.br

# IRRIGAÇÃO

Moacir P. Molon/Correio Riograndense

Área pode ser expandida dez vezes

Brasil utiliza só 10% da área potencial para a atividade. Tem 6,1 milhões de hectares irrigados, mas pode chegar a 61 milhões

Pivôs centrais: método ocupa 1,275 milhão de hectares em território nacional; 80% da área total concentram-se em quatro estados, MG, GO, BA e SP. Página central

# CELEBRAÇÃO

# BEM-ESTAR

# TEOLOGIA A DISTÂNCIA

Página 5

Página 9

Página 13

Cidades lançam programação Viver em cidades arborizadas Respostas do 2º módulo do festiva alusiva ao Natal é benéfico para o cérebro curso, que abordou Miquéias


CORREIO RIOGRANDENSE • Caxias do Sul, 23 de novembro de 2016

@

E

CR Editorial 2

jornalcr@jornalcr.com.br I www.correioriograndense.com.br

Finda o Ano Santo, mas não a misericórdia de Deus

m comunhão com toda a Igreja, atendendo à orientação do Papa Francisco, fecharam-se as portas da misericórdia em todas as dioceses do mundo e, por último, no domingo 20, fechou-se também a porta da misericórdia da Basílica de São Pedro, em Roma, findando o terceiro Ano Santo extraordinário da história da Igreja. O jubileu da misericórdia, iniciado a 8 de dezembro de 2015, solenidade de Imaculada Conceição de Maria, e concluído no domingo 20, solenidade de Cristo Rei do Universo,

evidenciou a urgência do perdão e deixou um legado de reconciliação. O Ano Santo se encerra, mas a misericórdia de Deus é para todos e para sempre, não tem limites e não se fecha a nós em nenhum momento. E é esse amor misericordioso e infinito que deve nos inspirar. O símbolo da porta é especialmente importante. Não só durante o jubileu, mas na rotina diária, é essencial que os cristãos abram as portas de seu coração aos irmãos e demonstrem compaixão. As portas do coração devem continuar abertas para

acolher, perdoar e ser sinal de caridade, sempre, nas igrejas, nas famílias, nas comunidades, na sociedade, nas relações humanas. O Ano Santo ultrapassou os limites da reflexão ao evidenciar as 14 Obras de Misericórdia como centro da fé cristã. Tais Obras se traduzem em ações de compaixão e cuidado com a vida. São maneiras simples, mas concretas, de praticar a misericórdia. As Obras de Misericórdia são as ações caridosas pelas quais podemos ajudar o nosso próximo, nas suas necessidades

corporais e espirituais. São o melhor antídoto ao vírus da indiferença. Ao dar de comer e beber, abrigar os peregrinos, vestir os nus, assistir aos doentes, bem como ao instruir, aconselhar, consolar, perdoar etc, assumimos verdadeiramente nossa vocação cristã. O Ano Santo encerrou, mas a misericórdia para com os irmãos precisa continuar. "Peçamos a graça de nunca fechar as portas da reconciliação e do perdão, e de saber superar o mal e as divergências, abrindo todas as vias possíveis de esperança", disse o Papa Francisco.

FATO EM FOTO

Antônio Cechin, irmão marista, morreu na quarta 16, aos 89 anos, em Porto Alegre (RS), de falência múltipla de órgãos. Ele estava hospitalizado para tratamento de uma fratura na bacia. Natural de Santa Maria, tinha 73 anos de vida religiosa marista e era reconhecido por seu engajamento social e político, sobretudo com movimentos ligados à ecologia. Formado em Letras Clássicas e Ciências Jurídicas e Sociais, fundou diversos organismos, como a Comissão Pastoral da Terra do RS, a Pastoral da Ecologia e o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra. Criou a Romaria da Terra e a Romaria das Águas. Autor do livro “Empoderamento popular: uma pedagogia de libertação”. Irmão Cechin foi sepultado no Cemitério Marista de Viamão.

Maristas/Divulgação/Correio Riograndense

Morre o profeta da ecologia

Correio do leitor

CR Correio Riograndense Leitura crítica FUNDADO EM 13 DE FEVEREIRO DE 1909 Filiado à ADJORI-RS e ABRAJORI Diretor de Redação: frei João Carlos Romanini Editora-chefe: Andressa Boeira Editores-assistentes: Maria de Fátima Zanandrea e Marcelino C. Dezen Editado por: ASSOCIAÇÃO LITERÁRIA SÃO BOAVENTURA/EDITORA SÃO MIGUEL

Direção-geral: frei Álvaro Morés Redação, Administração, Comercial e Assinaturas: Av. Alexandre Rizzo, 534 CEP: 95110-000 - Caxias do Sul - RS Telefone: (54) 3220-3232 Impressão: Zero Hora Editora Jornalística S.A. / Jornal Pioneiro

Circulação às quartas-feiras Website:

www.correioriograndense.com.br Redação: E-mail:

jornalcr@jornalcr.com.br Publicidade/Assinaturas:

publicidade@jornalcr.com.br comercial@jornalcr.com.br Representante Comercial

Media Opportunities do Brasil Comunicação Ltda.

Rua Frei Caneca, nº 91, 13º Andar Bairro Consolação - São Paulo/ SP Fone (11)3255-2522 - www.mobrasil.com.br (Em todo território nacional, exceto Caxias do Sul e Porto Alegre - RS) Porto Alegre (RS): Ramgrab Representações Rua Eça de Queiroz, 220/401 - Fone (51) 91050082 - 90670-020 - Porto Alegre - RS Veículo associado

O útil e o fútil do mundo digital grados modelos pedagógicos e educacionais, pondo abaixo a oralidade que predominava nas salas de aula. As novas metodologias ativas e tecnologias educacionais estão amplamente disponíveis, e cabe Biblioteca de Alexandria foi centro da cultu- ao bom professor agregá-las à sua aula expositiva. Estamos diante do meio perfeito de democratizara mundial entre os séculos III a.C. e IV d.C. Edificada no delta do rio Nilo, conjectura-se ção da informação? Seguramente não! Seria impróque estiveram sob sua guarda cerca de 700 mil rolos prio demonizar o ambiente online, mas, reconheçade papiros, tendo como objetivo adquirir um exem- mos, é um ecossistema que pode ser falacioso, pois significativa parcela de seus bits é fútil e perniciosa plar de cada manuscrito existente na Terra. Quando em 1455 Gutenberg inventou a tipogra- àquelas crianças e adolescentes que dedicam de duas fia, raros eram os livros – ainda manuscritos, grande a quatro horas diárias às redes sociais, aos vídeos – parte produzidos pelos monges copistas – e poucos nem sempre educativos – etc. Sacrifica-se a sociabilização, a cooperação sabiam ler (cerca de doméstica, a com15% dos europeus). TaSeria impróprio demonizar o ambiente pleição física por falmanha foi a influência ta de esportes e, em da imprensa que ela foi online, mas, reconheçamos, é um especial, as leituras e considerada a maior reecossistema que pode ser falacioso os estudos. volução tecnológica do No convívio famimilênio, pois propiciou liar ou entre amigos, os relacionamentos estão cada a democratização do conhecimento. Alçado sobre esses dois marcos históricos, o ad- vez mais virtuais, o que compromete o diálogo, o tovento da internet nos conduziu à Era da Informação, que e o afeto. Juntos, porém sozinhos, vivenciamos na qual esse fascinante mundo do “www” representa as ausências presenciais – são os cibersolitários. A internet é virtuosa na medida em que nos tora mais ampla e democrática forma de acesso ao saber e à pesquisa. A internet é um poderoso agente de na mais produtivos e oferta uma miríade de infortransformação do nosso modus vivendi et operandi. mações instantâneas e avanços extraordinários na A Cisco (líder mundial em TI) supõe existirem hoje qualidade de entretenimento e labor. É, no entanto, 25 bilhões de máquinas online, das quais 7 bilhões caótica e falaciosa pelo desperdício de tempo com são dispositivos móveis. Cerca de 60% dos brasilei- futilidades e conteúdos fragmentados, perda de conros se conectam diariamente e já gastam mais do do- centração e redução do contato presencial com amibro do tempo assistindo a vídeos digitais (13,6 horas/ gos e familiares. A sabedoria está no uso consciente e equilibrado deste útil, fascinante, porém pernicioso semana) em relação à televisão (5,5 h/semana). Essa conectividade global rompeu com os consa- e fútil mundo da web.

Jacir J. Venturi

Coordenador da Universidade Positivo, Curitiba - PR

A

Frei Jaime Bettega “Quero parabenizar frei Jaime Bettega pela sua coluna do dia 9/11 (Os pés de camomila). Parece que, pela cultura social, a retomada de valores continua sendo a melhor opção para os nossos dias, para amenizar a criminalidade que amedronta a todos”. A. J. A. B. P. – RS

Pe. Mônaco “Agradeço aos autores e colaboradores, em especial a Argel Rigo, que me enviou os livros do Pe. Mônaco e a história de Fagundes Varela, local onde chegaram meus tataravós em 1890 e onde meus pais nasceram. Fiquei surpreso quando avistei, na pág. 64, os sócios da capela do Rosário em 1933. Na legenda, o nº 35 era o meu avô João Tonello, com 33 anos. Agradeço o carinho e atenção de toda equipe. Que Pe. Mônaco abençoe a todos”. Itamir Tonello Tangará - SC Juventude “Há, infelizmente, muitos jovens que não contam com a dedicação de alguém – do governo, da sociedade, da comunidade a que pertencem, muitas vezes nem sequer da família biológica. Mas a Igreja Católica tem o CLJ, que com casais voluntários e sacerdotes, fazem retiros, reuniões, encontros de oração, participam de atividades, da liturgia, de cursos... Se não nos dedicarmos voluntariamente à preparação dos jovens, não teremos adultos aptos a cumprir seu papel na sociedade, engajados na dinâmica do amor divino, conectados com a Trindade”. Alice Monteiro Bueno Vacaria - RS Cartas e e-mails devem conter endereço completo e telefone do remetente. As correspondências não são necessariamente publicadas na íntegra.


CORREIO RIOGRANDENSE • Caxias do Sul, 23 de novembro de 2016

@

RESPONSABILIDADE SOCIAL

T

IR beneficia caxienses

Olhar à vida

JAIME BETTEGA

Pessoas físicas podem doar até 6% de imposto devido; jurídicas, 1%

odos os anos, os meses de março e abril são dotados de um corre-corre para enviar a Declaração de Imposto de Renda da Pessoa Física. Nesse período impera a necessidade de estar em dia com a Receita Federal para que não haja bloqueios no CPF, nem impedimento na realização de uma série de procedimentos. Até o dia 30 de abril de 2016, quando foi encerrado o prazo para a entrega referente aos rendimentos de 2015, quase 28 milhões de brasileiros enviaram sua declaração. Somente a delegacia da Receita Federal em Caxias do Sul recebeu mais de 123 mil declarações, neste ano. Muitos não sabem que uma parte do valor pode ser doada às entidades assistenciais ou aos fundos culturais, por meio da Lei Rouanet. Para se ter uma base, de acordo com o Comitê Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (Comdica), os caxienses poderiam repassar em torno de R$ 12 milhões para projetos assistenciais. No entanto, segundo a Receita Federal, pouco mais de R$ 1 milhão foram destinados à cidade. Todo cidadão brasileiro que declara o Imposto de Renda (IR) pelo formulário completo e paga o imposto sobre a renda pode selecionar projetos e destinar 6% do valor devido. A maioria dos gaúchos, no entanto, cerca de 90%, não tem conhecimento dessa possibilidade. Em Caxias do Sul, o Comdica é formado por representantes do poder público e de entidades não-governamentais, com funções de garantir

Jucimar Milese/Divulgação/CR

#

CR Caxias do Sul 3

felipe@jornalcr.com.br I www.correioriograndense.com.br

Lefan: projeto dos capuchinhos leva cultura e convivência a crianças, jovens e idosos

Como ajudar • Para abatimento na Declaração do mesmo ano base, o pagamento deverá ser efetuado até o último dia útil do ano. Empresas também podem doar. No entanto, elas podem contribuir com o montante de 1% do imposto devido na Declaração da Pessoa Jurídica. 1. Visitar o site www.comdica.caxias.rs.gov.br 2. Clicar em “cadastre-se”, preencher os dados solicitados e clicar em “salvar”. 3. Acessar novamente o site, digitar CPF/ CNPJ e senha. Clicar em “enviar”. 4. Para emitir a guia, clicar em “boletos” e clicar em “incluir”, no lado esquerdo da tela. 5. Preencher data de vencimento e valor e clicar em “salvar”. 6. Clicar em “imprimir boleto”. Será aberta a guia em “.pdf”, pronta para impressão.

assistência às pessoas que estão em situação de vulnerabilidade social. Nesse caso, as entidades conveniadas recebem a verbra integral que é doada pelo contribuinte. Os projetos de cada instituição que recebem o auxílio têm duração de dez meses (março a dezembro). “A aprovação desses projetos é feita por meio de editais e por aval da comissão de avaliação”, explica Junior Augusto Siota, do Comdica. É possível destinar o valor para o Comdica ou especificamente a uma entidade já cadastrada, como é o caso da Legião Franciscana de Assistência aos Necessitados (Lefan), do Instituto da Audiovisão (Inav), Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) e a Entidade de Assistência à Criança e ao Adolescente (Enca), entre outras.

# TRADICIONALISMO

Criúva prepara quinto rodeio crioulo nacional O Centro de Tradições Gaúchas (CTG) Pousada dos Tropeiros, do distrito de Criúva, irá realizar, de 8 a 11 de dezembro, a quinta edição do seu rodeio crioulo nacional. O parque João Covolan Filho irá sediar o evento que prevê provas campeiras de tiro de laço e gineteada. Além dos torneios de laço que contemplam piás, duplas, quartetos e ve-

teranos, os pequenos poderão participar do concurso de vaca parada. A programação artística, realizada no salão paroquial do distrito, contará com concursos de declamação, trova, intérprete vocal e de gaitas. O salão paroquial também será palco da terceira edição do Festival Gaúcho de Dança (Fegadan), que deverá reunir invernadas de diversos CTG’s

da região, e do segundo Festival Gaúcho de Chula (Fegachula). Na quinta-feira 8, o grupo Estação Fandangueira realiza o baile de abertura. No dia seguinte, a festa segue com a banda Sorriso Lindo. No sábado 10, o grupo Cosa Gaúcha anima o baile oficial do rodeio. Mais informações podem ser obtidas com Arlindo Guerra, pelo fone (54) 99922-1315.

Encontro da agroecologia A Universidade de Caxias do Sul (UCS), com o apoio da Rádio São Francisco, irá realizar o primeiro Encontro da Agroecologia da Serra Gaúcha. O evento será realizado no salão paroquial Santa Catarina, no domingo 4 de dezembro, com entrada franca. Haverá oficinas, yoga e palestra com Maria José Guazelli. Informações (54) 3218-2663.

Brilha Zona Norte Com o lema “Que a paz seja nossa Luz”, o projeto social Murialdo Santa Fé irá realizar o Brilha Zona Norte. Entre os dias 1º e 6 de dezembro, as famílias dos educandos deverão decorar suas residências de modo a dar espaço ao espírito natalino. As cinco melhores irão receber uma cesta natalina. Informações e inscrições (54) 3217-4729.

Informe CR Embalagens de agrotóxicos A Secretaria da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do município (Smapa) iniciou, na segunda-feira 21, a coleta das embalagens de agrotóxicos no meio rural. Para efetuar a entrega, é importante levar o Talão do Produtor. Para o recolhimento, os recipientes devem ser bem lavados e estar sem vestígios de agrotóxicos, sem tampas e furados.

A janela da alma

N

o vai e vem dos dias, imerso num mar de compromissos, sempre restam uns instantes para pensar longe, fugir da pressão da agenda e aliviar um pouco a alma. O final de ano se aproxima e a sobrecarga não conhece tréguas. Administrar o cansaço é imprescindível, verbalizar a esperança é uma questão de espiritualidade. Ser justo no balancete existencial é bom senso. Continuar vivendo a alegria, apesar dos desacertos e desencontros, é um medicamento eficaz. Mesmo que o calendário aponte para o fim, não há uma inclinação para o término. Nada finda. Tudo recomeça. É assim diariamente. Toda conclusão aguarda por uma continuação. Talvez não seja possível uma renovação total, mas dar sequência é um jeito criativo de viver. Sempre gostei de janelas. Mesmo que o tempo seja escasso, é bom ficar uns instantes debruçado, olhando tudo sem enxergar nada. As janelas possibilitam ângulos extraordinários. Há detalhes que só são vistos a partir dessas aberturas, que rasgam tijolos e concreto para garantir luminosidade. Mesmo com todo o aparato de grades e proteção, a janela sempre recorda que o infinito Mesmo que o não cabe dentro das calendário aponte paredes. Há um mundo que extrapola limites e para o fim, não há que inspira liberdade, uma inclinação convida à ousadia, provoca reinvenção diante para o término. da insistente monotonia. Mas há outras janeNada finda. las que precisam ficar Tudo recomeça escancaradas. A janela da alma não pode ficar apenas entreaberta por causa do desânimo e do cansaço. O corpo se ressente quando as exigências afrontam a resistência. Não é diferente com a vida espiritual. A Madre Teresa de Calcutá, agora santa, muito provada por querer transformar a gritante realidade do povo sofrido, usava uma expressão, inspirada em São João da Cruz, que faz pensar: ‘a noite escura da alma.’ Certamente ela experimentou a escuridão da incompreensão, da sua pequenez diante de um universo de necessidades. Todos têm momentos de escuridão da alma. Alguns desistem dos sonhos, outros se refazem pela fé e seguem adiante. Experimentar a ausência da luz, da esperança, do amor é mais do que humano. Nestes momentos, faz um bem enorme voltar à janela e olhar o firmamento, liberar os sentimentos, pensar o impensável, aliviar aquela autoimposição de que tudo deve ser como foi planejado. A noite escura da alma, quando bem administrada, poderá render o incrível amanhecer daquele amor sem fim, que recupera as energias e provoca infinitas alegrias. Sim, onde houver trevas, que eu leve a luz. Venda de veículos novos e seminovos. Nacionais e importados

(54) 3292.2399

Av. 25 de Julho, nº 3883 | Flores da Cunha www.itacarveiculos.com.br


CORREIO RIOGRANDENSE • Caxias do Sul, 23 de novembro de 2016

@

mariadefatima@jornalcr.com.br I www.correioriograndense.com.br

CR Municípios 4

# ESTRADAS

# REGIÃO CENTRAL

Dnit retoma obras na BR-285

Restauração de 251 quilômetros

Via foi parcialmente bloqueada entre São José dos Ausentes e litoral catarinense

D

Segurança - O Dnit reforça que o cronograma está sujeito a alterações e que uma possível interrupção total do tráfego, visando a segurança dos usuários, será previamente comunicada. O trecho em obras integra o lote 2 do empreendimento, o qual

Prefeitura Monte Timbé do Sul/Div./CR

urante os próximos seis meses, a BR-285 estará parcialmente bloqueada entre São José dos Ausentes e o Litoral de Santa Catarina. O trecho é conhecido como Serra da Rocinha e divide os dois estados. Segundo o Departamento Nacional de Infraestrutura dos Transportes (Dnit), o trecho de 22 km localizado entre os quilômetros 33,8 e o 55,8, em Timbé do Sul (SC), permanecerá interrompido das 8h às 18h, todos os dias da semana, possibilitando apenas o trânsito dos moradores locais. Nesse segmento serão inicialmente executadas atividades de terraplenagem e detonação de rochas, bem como a construção de viadutos. Placas informando as alterações estão sendo instaladas em pontos estratégicos de acesso à rodovia e haverá sinalização noturna para maior segurança dos usuários.

Rodovia: trecho é conhecido como Serra da Rocinha e divide os estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina compreende 22 quilômetros no município de Timbé do Sul. O contrato executado pelo consórcio Setep/Ivaí/Sotepa inclui duas pontes, quatro viadutos, a implantação

sentes, nos Campos de Cima da Serra, no Rio Grande do Sul, está paralisado e aguarda nova licitação para a retomada das atividades em trecho de oito quilômetros.

# BARÃO

# CREMA SERRA Fotos Divulgação/CR

RSC-453: foram recuperados trechos de Caxias do Sul a Lajeado Grande Sul - Lajeado Grande), a ERS122 (Antônio Prado - Vacaria) e a ERS-324 (Nova Prata - Casca). No total, são 141 km restaurados até agora. O secretário destaca que, na reta final do Crema Serra, os serviços ocorrem na BR-470, no trecho de 57 km entre Bento Gonçalves e Nova Prata. “Foram recuperados 9 km e outros 5 km estão com a primeira camada de asfalto aplicada”, esclarece. “Essa é a última rodovia a ser finalizada, o que deve ocorrer em 2017”, conclui.

Mostrar a agrobiodiversidade nativa que pode ser utilizada na alimentação. Com esse objetivo Barão realizou a 1ª edição do Seminário Resgate da Biodiversidade Alimentar à sua Mesa. A atividade também buscou promover a alimentação saudável, baseada em recursos locais e que pudesse eventualmente estar esquecida ou mesmo ser desconhecida. A intenção, de acordo com a extensionista Márcia Bondan, foi realizar evento que tivesse caráter educativo e que possibilitasse aos envolvidos a troca de experiências e de conhecimentos, além de esclarecimento de dúvidas. Entre as participantes estava a agricultora Maria da Penha Bon-

Ipiranga do Sul - Uma obra inacabada há 50 anos em uma rodovia que beneficiaria 49 municípios gaúchos. O assunto foi levantado pelo prefeito de Ipiranga do Sul, Mário Ceron. Com apoio dos prefeitos, buscou ajuda para atender essa reivindicação. “A conclusão dessa obra é importante não só para a região, mas para a economia brasileira”, defendeu. Ela é conhecida como Transbrasiliana e possui 4.355 km de extensão. A estrada que falta ser concluída liga Erechim a Passo Fundo. No RS, a rodovia atende a 68 municípios.

# FLORES DA CUNHA

Mostra valoriza biodiversidade nativa

80% das obras estão concluídas

O Contrato de Restauração e Manutenção de rodovias da região da Serra do RS (Crema Serra), um dos principais programas de recuperação de estradas, está com 80% das obras concluídas. O programa contempla 195,66 quilômetros da RSC-453, ERS122, ERS-324 e BR-470. “Até o momento, a autarquia investiu R$ 110 milhões dos R$ 153,6 milhões destinados às obras”, diz o secretário dos Transportes, Pedro Westphalen. Com o Crema Serra, foram recuperadas a RSC-453 (Caxias do

de um contorno na área urbana de Timbé do Sul (com extensão de quatro quilômetros) e a pavimentação da Serra da Rocinha. Já o lote 1, em São José dos Au-

A liberação para obras de sete rodovias estaduais ligando 11 municípios da região Central do RS (que integram o Crema Santa Maria/Cachoeira do Sul), teve ordens de início assinadas pelo governador José Ivo Sartori. Serão 251,26 quilômetros de obras nas ERS-149, 348, 511, 400, RSC-481 e 287, e VRS804. O investimento, oriundo do Banco Mundial para restauração e manutenção das rodovias, é da ordem de R$ 158 milhões. “Investir em projetos estruturantes para escoar a produção da nossa região é motivo para a população comemorar”, celebrou o prefeito de Agudo, Valério Trebien.

fante, da localidade de Vila Rica. Ao lado do marido Inácio e da cunhada Rosa Giovanella, trabalha com produtos agroecológicos há mais de 40 anos. “Temos mais de 100 variedades entre frutas, verduras, chás e plantas condimentares na propriedade”, salienta. Aos 66 anos, garante jamais ter tomado algum remédio químico. Orgulhosa daquilo que produz, Maria brinca que até os peixes nos açudes da família são livres de qualquer agroquímico. “É uma ideia que está tão enraizada na nossa família, que acaba sendo natural”, salienta, celebrando o fato de que hoje em dia a mídia tem contribuído, ao chamar mais a atenção para o tema.

Feira: famílias e estudantes trocaram experiências e conhecimentos

Aurélia Zuppa é nome de rua A cozinheira de festas de comunidades em Flores da Cunha, Aurélia Zuppa Meneguzzo é homenageada com nome de estrada. A indicação aconteceu na sessão de quarta-feira 16. A autoria é do vereador Alexandre Scortegagna. A rua fica no travessão Claro. Nascida em 4 de novembro de 1918, na comunidade da Fulina, Aurélia Zuppa foi casada com Ângelo Pedro Meneguzzo e teve oito filhos. Sua vida foi sempre muito simples. Trabalhava com o marido na agricultura. Para ajudar na criação dos filhos, complementando a renda, trabalhava como cozinheira em festas das comunidades e casamentos. Levantava de madrugada para fazer o pão, biscoitos, cuca e até o bolo dos noivos. Gostava muito de participar do clube de mães de Nova Roma. Preocupada com o próximo, não media esforços para ajudar os doentes e necessitados. Foi exemplo para seus filhos, netos, bisnetos e trinetos que a chamavam de Noninha Pequena, por ser baixinha. Muito querida por todos, faleceu em 3 de dezembro de 2012, aos 94 anos.


CORREIO RIOGRANDENSE • Caxias do Sul, 23 de novembro de 2016

CR Municípios 5 # NATAL

Comunidades preparam festejos para o nascimento de Jesus

Laço: artesanato valorizado Zaffonatto e Presépio Encantado, também com alunos da escola. A iniciativa é do Clube Ideal e de entidades, com o apoio da Secretaria Municipal de Turismo e Desporto.

Canela: município troca alimentos e brinquedos por ingresso para os espetáculos do Sonho de Natal Mauro Stoffel/Divulgação/CR

Bento Gonçalves – O Natal Bento e o Bento em Vindima ocorrem de 2 de dezembro de 2016 a 6 janeiro de 2017, e de 19 de janeiro a 19 de março de 2017, respectivamente. O Natal Bento agrega eventos alusivos ao Natal e Ano-Novo, com atrações que resgatam o espírito fraterno. Já o Bento em Vindima conta com atividades que valorizam a cultura e tradição. Entre as atrações estão a colheita simbólica e pisa das uvas, apresentações culturais de corais, jogos italianos e gastronomia típica. A programação ocorre também nos hotéis, vinícolas e restaurantes.

Fotos Divulgação/CR

N

atal. Festa para o nascimento de Jesus. Na cidade e interior, ruas e parques se vestem de cores para receber o Salvador do mundo. Em todos os lugares, a programação tem atrações repletas de religiosidade, espetáculos musicais, encenações, oficinas temáticas, feira de Natal e shows de fogos. É o que acontece com o Natal Cooperativo, em Nova Petrópolis. Pelo quinto ano consecutivo, o voluntariado mostra sua força com a realização do evento que ocorre na Linha Imperial, dia 4 de dezembro, em frente à Praça Theodor Amstad, com a participação das comunidades de Linha Imperial, Linha Brasil, Linha Araripe, Nove Colônias e Bairro Piá. Sob a direção da professora Célia Weber Heylmann, o evento apresenta o espetáculo “Os 7 Anjos e o Menino Jesus”, a partir das 20h30min, com a participação de coros das localidades, Grupo de Danças Böhmerlandtanzgruppe e do CTG Pousada da Serra. A mescla de teatro, dança, canções, som e luzes valoriza o espírito natalino e a cooperação. O evento será gratuito.

Nova Petrópolis: cooperativismo move festejos pelo interior iluminação é tradicionalmente inaugurada dentro da programação do Natal Sonho e Luz, que nesse ano inicia no dia 1º de dezembro. O prefeito Paulo Kasper lembra que o Natal é o momento para a reflexão das ações de todo ano, momento para agradecer a Deus pelas conquistas e refletir sobre os erros cometidos.

bosa prepara a Parada de Natal 2016. O evento acontece nos dias 10 e 17 de dezembro, na rua Buarque de Macedo. A expectativa da Secretaria da Indústria, Comércio e Turismo é de que mais de 300 pessoas participem como figurantes nos desfiles.

Flores da Cunha - Flores da Cunha abre a programação de Natal, dia 10 de dezembro, com a Feira de Arte e Artesanato - Natal & Arte. O evento ocorre a partir das 10h, na Praça da Bandeira. A participação na exposição é gratuita. A Secretaria de Turismo está recebendo as cartinhas do Papai Noel que podem ser retiradas na prefeitura até o final de novembro. Os presentes devem ser entregues até o dia 2 de dezembro. O início da entrega ocorre no dia 8 de dezembro na Casa do Papai Noel, instalada na Praça da Bandeira. Garibaldi - Com o tema “O Natal mais borbulhante do Brasil”, a 19ª edição do Natal Borbulhante, de Garibaldi, ocorre de 1º a 25 de dezembro, na Praça Loureiro da Silva. A programação conta com diversas atrações garibaldenses e regionais, que incentivam a produção artística e cultural. O show mais esperado é o de encerramento, quando o cantor, compositor e músico Erasmo Carlos se apresenta com o show Gigante Gentil, no dia 22 de dezembro, às 21h. A programação inclui eventos na Buarque de Macedo e na Igreja Matriz São Pedro.

estrados, tem na parte superior uma estrutura de metal. A árvore mede cerca de 10 metros de altura. Ao lado, acompanhando as dimensões, está sendo construída a Casa do Papai Noel. A atração está sendo montada na área do antigo prédio da Cooperativa de Ipê. Sarandi - A belíssima ilumiIpê - As ruas e praças de Ipê A Vila de Natal tem abertura nação da prefeitura de Sarandi começam a ganhar decoração na- prevista para o dia 9 de dezemé atração regional e destino de Canela - A tradicional troca talina. A novidade desse ano é a bro, com apresentação dos estu- de alimentos e brinquedos por muitas pessoas que deslocam-se Carlos Barbosa - Carlos Bar- Árvore Gigante. Construída com dantes da Escola Frei Casimiro ingresso para os espetáculos do para contemplar o espetáculo. A Sonho de Natal Canela está garantida em 2016. A partir do dia 26 de novembro canelenses podem trocar um quilo de alimento não perecível mais um brinquedo por um ingresso para um dos principais espetáculos do evento – Simplesmente Natal, Christmas in Concert e Auto de Natal. A troca será realizada diariamente das 8h às 19h, na Central de Informações Turísticas, na Praça João Corrêa. Estão disponíveis ingressos para todas edições do Simplesmente Natal (dias 10, 15 e 25 de dezembro), para o Christmas in Concert do dia 16 de dezembro e para o Auto Ipê: grupo leva solidariedade a Taquara, que sofreu vandalismo Flores da Cunha: cartas de crianças pedem brinquedos às pessoas de Natal do dia 18 de dezembro.


CORREIO RIOGRANDENSE • Caxias do Sul, 23 de novembro de 2016

@ #

CR Reportagem 6

jornalcr@jornalcr.com.br I www.correioriograndense.com.br

ANO DA MISERICÓRDIA

Jubileu deixa legado de reconciliação Ano Extraordinário trouxe à tona as Obras de Misericórdia e mostrou a urgência do perdão e da compaixão

A

sentimentos de misericórdia, para nos tornarmos instrumentos de misericórdia. Prossigamos, juntos, este nosso caminho”, lembrou o Pontífice. A Igreja Católica iniciou a

Dom lembra que o Ano Santo evidenciou algo que estava um pouco esquecido: as Obras de Misericórdia. Ele acredita que o Jubileu deixou um legado extremamente importante que mostra a necessidade cristã de ser testemunha da misericórdia

divina. “Temos muita guerra, ódio, vingança no coração. Precisamos vivenciar o perdão. Por isso, o grande legado deste Ano é a vivência do perdão nas igrejas, com as confissões, nas famílias e no fortalecimento das relações humanas”, aponta o prelado.

Ao lembrar das 14 Obras, que se traduzem em ações de compaixão e cuidado com a vida, o bispo se mostra contente. “Redescobrimos que existem as Obras. Elas são maneiras simples e práticas de ser cristão”.

Roma: no dia em que a Igreja concluiu o calendário litúrgico, o Papa fechou a Porta Santa por onde passaram 20 milhões (CNBB), dom Sergio da Rocha. Durante a solenidade de Cristo Rei, no domingo 20, os olhares do mundo se voltaram à basílica de São Pedro, onde Francisco proclamou o encerramento. “Muitos

A importância das Obras de Misericórdia

Patrícia Pellicioli/Divulgação/CR

poral dos pecados já confessados, ainda na vida terrena ou oferecê-la às almas do purgatório. Para o bispo da diocese de Caxias do Sul (RS), dom Alessandro Ruffinoni, o encerramento do Ano da Misericórdia é um sinal que o coração deva estar sempre aberto à compaixão. “Se foi fechada a Porta Santa das igrejas, não pode se fechar a porta do coração. Deve ficar aberta para acolher, perdoar e ser sinal de caridade. Perdoar é algo muito difícil, mas não impossível”, ressalta.

Bento Gonçalves (RS): Porta foi fechada no Santuário Santo Antônio

Carta apostólica pede acolhida às comunidades O Vaticano publicou, na segunda 21, a carta apostólica Misericordia et Misera (Misericórdia e mísera), escrita pelo Papa Francisco. O texto assinala o final do terceiro Ano Santo extraordinário da história da Igreja. “Celebramos um Ano intenso, durante o qual nos foi concedida, em abundância, a graça da misericórdia. Como um vento impetuoso e salutar, a bondade e a misericórdia do Senhor derramaram-se sobre o mundo inteiro”, escreve Francisco. No documento, o Pontífice faz alusão ao trecho bíblico em que Jesus se encontra com a mulher adúltera que seria apedrejada, no Evangelho de João. Dando seguimento ao estilo de Igreja mergulhada na “cultura do encontro”, o Papa toca num dos assuntos mais polêmicos da contemporaneidade: o aborto. Ele concede aos sacerdotes a

Vicenzo Pinto/AFP/CR

Porta: símbolo do amor do Pai Os jubileus convocados pela Igreja têm como sinal visível as Portas Santas. Elas são abertas nas catedrais, santuários e templos significativos das dioceses. São locais “onde qualquer pessoa que entre poderá experimentar o amor de Deus que consola, perdoa e dá esperança”, explica o Papa. Nesses templos, os fiéis são convidados à conversão, confissão, oração e mudança de vida para lucrar a indulgência plenária. Ela oferece ao penitente meios para apagar a pena tem-

peregrinos atravessaram as Portas Santas e saborearam a grande bondade do Senhor. Agradeçamos ao Senhor por isso e recordemonos de que fomos investidos em misericórdia para nos revestir de

tradição do Ano Santo com o Papa Bonifácio VIII, em 1300. A partir de 1475 houve a determinação de que os jubileus ordinários fossem realizados a cada 25 anos. O último fora realizado em 2000, às portas do Terceiro Milênio, nos dois mil anos do nascimento de Cristo. Até hoje, houve 26 anos santos ordinários e três extraordinários. Antes do Ano da Misericórdia, em 1983, o então Papa João Paulo II deu início ao Ano Santo da Redenção, pelos 1950 anos da morte de Jesus. Ao final daquela comemoração, presenteou os jovens católicos com a Cruz Peregrina e criou as Jornadas Mundiais da Juventude. Em 11 de abril de 2015, o Papa Francisco publicou a bula de convocação do Jubileu recémencerrado. “Há momentos em que somos chamados, de maneira ainda mais intensa, a fixar o olhar na misericórdia, para nos tornarmos nós mesmos sinal eficaz do agir do Pai. Foi por isso que proclamei um Jubileu Extraordinário da Misericórdia como tempo favorável para a Igreja, a fim de se tornar mais forte e eficaz o testemunho dos crentes”.

Tiziana Fabi/AFP/CR

o fechar a Porta Santa, animar-nos-ão, antes de tudo, sentimentos de gratidão e agradecimento à Santíssima Trindade por nos ter concedido este tempo extraordinário de graça.” Assim o Papa Francisco escreve sobre o encerramento do Ano da Misericórdia na bula Misericordiae Vultus (O Rosto da Misericórdia). Iniciado em 8 de dezembro de 2015, solenidade da Imaculada Conceição de Maria e aniversário dos 50 anos de encerramento do Concílio Vaticano II, o Jubileu foi concluído no domingo 20. Na basílica de São Pedro, em Roma, o Pontífice fechou a Porta Santa. Ela permanecerá lacrada até o próximo Ano Santo, em 2025. Seguindo uma orientação do Vaticano, as dioceses do mundo inteiro e as basílicas papais de Santa Maria Maior, São João de Latrão e São Paulo Fora dos Muros, encerraram o Ano da Misericórdia uma semana antes, em 13 de novembro. No sábado 19, num consistório, houve a criação de 17 novos cardeais, dentre eles o arcebispo de Brasília e presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil

Documento: Francisco assinou a carta durante missa de encerramento possibilidade de absolver as pessoas que incorreram nesse pecado. “Quero reiterar com todas as minhas forças que o aborto é um grave pecado; mas, com igual força, posso e devo afirmar que não existe algum pecado que a misericórdia de Deus não possa alcançar”, frisa. Ao lembrar da crise matrimo-

nial, pede aos sacerdotes que sejam responsáveis e façam o discernimento espiritual atento e profundo, para que toda pessoa, sem exceção, “possa sentir-se concretamente acolhida por Deus”. Disse também que essas pessoas devem se inserir na comunidade e se sentir parte do povo de Deus.


CORREIO RIOGRANDENSE • Caxias do Sul, 23 de novembro de 2016

CR Nacional 7

Filho de peixe, peixinho é nível de instrução dos pais é fator determinante na formação educacional dos filhos. É o que mostra o estudo Suplemento de Mobilidade Sócio-ocupacional, da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios 2014, lançado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Foi a primeira vez que o instituto abordou a forma como a origem sócio-ocupacional pode influenciar a inserção laboral dos filhos. Segundo os dados analisados, entre os pais que não eram alfabetizados aos 15 anos, 23,6% dos filhos também não eram na mesma idade e apenas 4% completaram o nível superior posteriormente. Entre os pais com nível superior completo, apenas 0,5% dos filhos não tinham instrução aos 15 anos, enquanto 69,1% também completaram o nível superior. O levantamento foi feito com pessoas a partir dos 25 anos e que moravam com o pai aos 15. Quanto ao rendimento médio desses trabalhadores, a escolaridade do pai também apresenta forte influência. Entre os que não têm instrução, o valor vai de R$ 717 para quem não tem pai instruído a R$ 2.324 para quem tem pai com nível superior completo. Na população de trabalhadores com nível superior completo, a renda varia de R$ 2.603, quando o pai não tem instrução, a R$ 6.739 quando o pai também tem nível superior.

Elza Fiúza/ABr/CR

O

Instrução dos pais é determinante na formação dos filhos

A análise apresenta leve variação quando se leva em conta a escolaridade da mãe, porém a tendência permanece a mesma observada com os dados do pai. Apesar de destacar a importância do suporte familiar, o IBGE ressalta que a formação e o rendimento do trabalhador envolvem uma conjunção de fatores. Outro fator analisado é a idade em que a pessoa entrou para o mercado de trabalho. Segundo o IBGE, enquanto 59,6% dos filhos de trabalhadores agrícolas começaram a trabalhar até os 13 anos de idade, o percentual cai para 7,5% entre os filhos de profissionais das ciências e das artes. A maioria dos filhos dessa categoria entra no mercado entre os 20 e 25 anos, com 30,8%. Entre os filhos de trabalhadores de serviços administrativos, 40,8% começam a trabalhar entre 14 e 17 anos, percentual que sobe

para 48,9% entre os filhos de trabalhadores da produção de bens e serviços e de reparação e manutenção. A idade com que a pessoa entra no mercado de trabalho também varia conforme a situação de ocupação dos pais. Enquanto 46,6% dos filhos de pessoas sem carteira assinada ingressam no mercado até os 13 anos, a proporção cai para 15,2% entre os filhos de militares e funcionários públicos estatutários. Do total de entrevistados, 33,4% reproduziram as ocupações dos pais, 47,4% melhoraram as condições de trabalho em relação aos pais e 17,2% ocuparam postos com maior vulnerabilidade e menor rendimento. Na comparação com a ocupação das mães, o IBGE identificou mobilidade ascendente de 45,2% e mobilidade descendente de 11,5% na ocupação dos filhos.

Surpreenda quem você ama e dê de presente uma assinatura do jornal Correio Riograndense. A assinatura, com valor promocional, dará direito de receber, semanalmente, entre dezembro de 2016 a janeiro de 2017, na casa do assinante, um curso de Teologia à Distancia.

Via agente: R$30,00

Via Correio: R$33,00

Preencha o cupom e envie. Não precisa selar. Basta colocar em qualquer caixa de coleta dos correios. A cobrança será feita por boleto bancário. • DADOS DO PRESENTEADO: Nome: _______________________________________________ CPF / CNPJ: ____________________________________________ Rua: ______________________________________Nº_________ Compl.: ____________ _Bairro: ____________________________ Cidade: ______________________________CEP _____________ Estado _________Telefones: ( ) ____________________________ E-mail: _______________________________________________ • DADOS PARA COBRANÇA: Nome: _______________________________________________ Código do assinante __________________Telefone:______________ Contatos:_____________________________________________

CR Correio Riograndense Informação, cultura, opinião, entretenimento, curiosidades e muito mais

Contatos: (54) 3220.3247 ou comercial@ jornalcr.com.br

marcelino@jornalcr.com.br

Turra/Emérito No dia 30 de novembro, às 14 horas, a Assembleia Legislativa Gaúcha realiza sessão solene de outorga da distinção “Deputado Emérito” ao ex-deputado marauense Francisco Turra. Cerimônia será realizada no Plenário 20 de Setembro, do Palácio Farroupilha. Proposta pelo deputado Frederico Antunes, a homenagem é justo reconhecimento aos esforços e trabalhos desenvolvidos por Francisco Turra tanto na atividade política quanto na empresarial.

Família: origem sócio-ocupacional interfere na inserção laboral dos filhos

Assinatura-presente do CR Assinale a opção de assinatura:

Panorama geral

Turra: “deputado emérito” Marcopolo/Chile A Marcopolo iniciou a entrega das primeiras unidades dos 37 ônibus Paradiso 1800 Double Decker para o Grupo Turbus, do Chile. O lote deverá ser concluído até o final do ano e os veículos serão utilizados em rotas interestaduais e internacionais. Medalha de ouro

Vanessa: medalha em matemática Aluna da Escola Municipal de Ensino Fundamental Madre Felicidade, de Garibaldi, Vanessa Sopelsa participou, no dia 7 de novembro, da cerimônia nacional de entrega de medalhas de ouro para os alunos premiados na Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas em 2015. É a única garibaldense, até hoje, a conquistar ouro nessa olimpíada. Ao todo, foram 500 medalhistas de ouro de todo o país, 45 dos quais gaúchos. No ano passado, 99,4% dos municípios participaram da olimpíada, com um total de 17,9 milhões de estudantes.

Odontologia O Brasil é o 3º maior mercado de odontologia do mundo, atrás apenas dos Estados Unidos e China. São 265 mil dentistas no país, o que representa 15% de todos os profissionais dessa área de todo o mundo.

Randon/resultados A Randon S.A. anunciou os resultados do 3º trimestre e dos nove primeiros meses de 2016. A receita bruta total, dos nove meses de 2016, antes da consolidação, é de R$ 2,8 bilhões, retração de 10,6% em relação a igual período do ano passado. A receita líquida consolidada foi de R$ 2 bilhões, 12,4% menor que a obtida nos nove primeiros meses de 2015 (R$ 2,3 bilhões). Aurora A Vinícola Aurora foi a única brasileira premiada no Decanter Asia Wine Awards 2016, concurso realizado pela britânica Decanter, maior publicação especializada do mundo. O Aurora Moscatel conquistou medalha de prata. Premiação chega ao mesmo tempo em que a vinícola realiza novo embarque de 100 mil garrafas de espumante para a China e Taiwan. RGE entre as dez A Rio Grande Energia (RGE) foi eleita a 10ª maior empresa do Rio Grande do Sul, segundo ranking da Revista Amanhã. A concessionária fornece energia para mais de 1,4 milhão de clientes em 255 municípios gaúchos. Na disputa entre as 500 maiores da região Sul, ocupa a 29ª colocação Empresário do Ano Gilson Vivian, diretor da Inviolável Segurança 24 Horas e da Prática Serviços, foi eleito Empresário do Ano 2016 na quinta 17, em solenidade que reuniu a comunidade econômica de Chapecó (SC), no Clube Recreativo Chapecoense. A distinção é uma das maiores honrarias destinadas ao empresariado catarinense. O evento, em sua 24ª edição, é organizado pela Associação Comercial e Industrial de Chapecó (Acic). Durante a cerimônia, a Acic também homenageou a Gol Empreendimentos Imobiliários e Laboratório de Análises Clínicas Merisio com o Troféu Acic de Excelência. Marcos Bedin/Div/CR

# EDUCAÇÃO

Div/CR

jornalcr@jornalcr.com.br I www.correioriograndense.com.br

Janete Sopelsa/Div/CR

@

Vivian: destaque em Chapecó


CORREIO RIOGRANDENSE • Caxias do Sul, 23 de novembro de 2016

@

CR Opinião 8

jornalcr@jornalcr.com.br I www.correioriograndense.com.br

Trump e Hillary, entre o ruim e o pior LEONARDO BOFF

Leonardo Boff é escritor, autor de “Que Brasil queremos?” (Vozes), 2000.

E Oxalá Trump seja menos belicoso e desdiga na prática as medidas duras prometidas contra imigrantes, mexicanos e muçulmanos

m todo o mundo estão se fazendo as mais desencontradas análises sobre o significado da vitória de Donald Trump nas eleições presidenciais dos EUA com os mais diferentes títulos. O mais significativo para mim foi o do senador chileno Alejandro Navarro: “Triunfo de Donald Trump es un castigo a los gobiernos del establishment”. O senador faz uma crítica mais geral, válida também para nós, que governos progressistas que chegam ao poder, acabam, sob pressão da macroeconomia globalizada, fazendo políticas claramente neoliberais com prejuízo para as classes mais vulneráveis. Parece-me justa a interpretação de Navarro: “o castigo aos governos do establishment reside no fato de que a população se cansou de entregar o poder a quem somente oferece mais do mesmo. Os eleitores optaram por Donald Trump, que embora represente o pior da cultura ianque, também soube representar o fastio dos setores precarizados com o neoliberalismo, a globalização e os empregos precarizados” (www.navarro.cl/sename). Ora, foram estes que majoritariamente votaram nele e o ajudaram na vitória. Afirma mais o senador, coisa que poucos acreditam: “Não devemos esquecer que nos Estados Unidos, supostamente o país mais rico, poderoso e influente do planeta, vivem 45 milhões de pessoas em situação de pobreza ou próximo a ela, que diariamente comem

graças ao ticket de alimentação que o governo entrega aos operários brancos e aos filhos de imigrantes que tendem a rejeitar a chegada de novos imigrantes por temer que sua posição privilegiada corra risco”. Se Trump representa o pior, o ruim é revelado por Hillary. Não são poucos os analistas dentro dos EUA que chamavam a atenção para o risco da eleição de Hillary Clinton para a presidência. Cito um entre outros, Jeffrey Sachs, considerado um dos maiores especialistas mundiais sobre a relação entre economia, pobreza e desigualdade social. É professor da Universidade da Columbia e publicou um artigo que reproduzi no meu blog de 8/02/2016. Aí elencou os muitos desastres da política de Hillary quando era secretária de Estado. Leva como título: “Hillary is the candidate of the War Machine”. Traduzindo: “Hillary é a candidata da máquina de guerra”. A primeira frase resume um longo arrazoado: “Não há dúvida de que Hillary é a candidata de Wall Street; mais perigoso ainda é que ela é a candidata do complexo militar-industrial; ela apoiou cada guerra solicitada pelo estado de segurança americano, comandado pelos militares e pela CIA”. Embora democrata, ela é, segundo Sachs, uma fervorosa neocon. Incentivou as guerras contra o Iraque, todas as do norte da África e contra a Síria. Achou hilariante declarar sobre Kadafi: “We came, we saw, he died” (“viemos,

Trump, caixa de surpresas Frei Betto é escritor, autor de “Reinventar a vida” (Vozes), entre outros livros.

N

ero pôs fogo em Roma; Hitler na Europa; e pode ser que Donald Trump venha a incendiar o mundo. Não sou fã de Hillary, mas a considero menos pior. Por conhecer bem os dois candidatos é que quase metade do eleitorado dos EUA se absteve. Como desmiolado, predador sexual, racista e xenófobo, tudo se pode esperar de um biliardário, dono de cassino, que jamais ocupou qualquer função política. Até que não cumpra suas ameaças de campanha, como a de construir um muro na fronteira de seu país com o México, como se isso fosse evitar a entrada de novos imigrantes. O fato é que os pobres votaram em Trump. Porque Enquanto Obama não cumpriu quase o dinheiro nenhuma de suas promessas. presidir a E por que imigrantes latinos democracia, que vivem nos EUA deram a ele? Porque esta será, na preferência muitos votam de olho no expressão próprio umbigo. Temem ianque, apenas que a chegada de novos um pato manco estrangeiros possa roubarlhes os postos de trabalho. Em 2017, Trump vai dispor de um orçamento de US$ 583 bilhões para despesas militares. O suficiente para erradicar a fome no mundo e resolver o drama dos refugiados que aportam na Europa. Mas com certeza o novo presidente estadunidense não está preocupado com os males que afetam os pobres do mundo. Como declarou ao vencer, quer dobrar o PIB dos EUA. E, na campanha, incluiu entre seus arroubos xenófobos a promessa de que fará as tropas de seu país abandonarem os conflitos

FREI BETTO externos. Esta seria uma boa medida. Os EUA possuem uma tropa de 1 milhão e 492 mil homens e mulheres, e mais 1 milhão de reservistas prontos a uma eventual convocação. A soma de seus drones, navios de guerra, porta-aviões, tanques, blindados, canhões e mísseis (7 mil ogivas nucleares) supera o conjunto de arsenais das outras quatro maiores potências militares: China, Reino Unido, França e Rússia. A esperança dos eleitores de Trump é que ele aplique mais recursos no combate ao desemprego, nos serviços de saúde e reaqueça a economia interna. Pode ser que, num gesto de lucidez, ele reduza o orçamento militar para tentar passar à história como o presidente que tirou os EUA da recessão. Hoje, a classe média estadunidense tem renda muito inferior à que tinha na década de 1980. Felizmente, Tio Sam não é dono do mundo. Há um equilíbrio que o obriga a levar em conta a China e a Rússia. Dizem que Trump e Putin se entendem... O fato é que o magnata-presidente já elogiou o controle que Putin tem sobre a Rússia. E deu a entender que os EUA não têm nenhuma obrigação de defender incondicionalmente seus aliados na Otan. O que soa como música aos ouvidos de Putin. Ainda bem que, em meio a tantos interesses em jogo, há quem ainda raciocina, não por interesses, mas a partir de princípios, como o Papa Francisco. Ele é, hoje, o único líder mundial capaz de aglutinar homens e mulheres que buscam a paz como fruto da justiça e um mundo menos desigual e injusto. A vitória de Trump me faz lembrar que Hitler também não chegou ao poder por golpe de Estado, como Temer, para citar um exemplo recente. Foi democraticamente eleito pelo povo alemão. E deu no que deu... Enquanto o dinheiro presidir a democracia, esta será, na expressão ianque, apenas um pato manco.

vimos e ele morreu”). Ainda como secretária de Estado tentou reiniciar a Guerra Fria com a Rússia, a propósito da conquista da Criméia e da guerra na Ucrânia. O balanço final que Sachs faz das ações desastradas de Hillary como secretária de Estado é devastador: “Por qualquer razão que tomarmos, ela bateu o recorde dos desastres” (www.JeffDSachs.com). Tudo isso não nos admira, como o demonstrou com análises minuciosas Moniz Bandeira em seu recente livro, denunciatório “A desordem mundial: o espectro da total dominação” (Leya 2016) onde estuda a violência do império norte-americano. Barak Obama, à exceção das relações com Cuba, continuou com a mesma lógica belicosa de Busch. Até foi pior, diria, um verdadeiro criminoso de guerra, pois por sua estrita ordem pessoal mandou atacar com drones e aviões não pilotados as lideranças árabes, exterminando grande parte delas (págs. 476477). Com a vitória de Trump, cujo enigma cabe ainda decifrar, nos libertamos de uma liderança belicosa, a de Hillary, que como política de Estado havia escolhido a violência militar como forma resolver os problemas sociais mundiais. Não sabemos que mundo teremos daqui por diante sob a presidência do magnata Trump. Oxalá seja menos belicoso e desdiga na prática as medidas duras prometidas contra imigrantes, mexicanos e muçulmanos.

Perigo do misoneismo Escritor, compositor e intérprete de músicas.

M

ilhares de pessoas passam por praças, ruas e avenidas cujo nome nunca leram. Perguntados, não sabem. Falta-lhes atenção. Crer e contemplar, segundo alguns teólogos, é exatamente isto: prestar atenção naquilo que antes víamos sem realmente ver. Estava ali, mas não nos parecia importante. Milhares olham para estrelas cujo nome nunca se importaram em conhecer e para O conservado- árvores cujo rismo da maioria nome não sabem. E daí das pessoas se é uma pode ser sibipiruna? resumido numa Embora expressão: estejam de sua “Já sei o que perto casa há 30 preciso saber” anos, que diferença faz saber o nome da quaresmeira ou do jasmineiro? Há também os que não se interessam por aprender nada mais do que já sabem. São formigas que não querem outro caminho além do carreiro. Milhares de cristãos de todas as Igrejas nunca fizeram esforço de saber nada além do catecismo que ouviram aos 12 anos. Depois disso, nunca mais

PE. ZEZINHO abriram um livro religioso. Não são curiosos sobre assuntos de fé. É como se tivessem herdado a bicicleta do pai e nunca mais quisessem outra, mesmo sendo ela agora pequena demais para o seu tamanho. Cai aos pedaços, mas não querem experimentar versões melhoradas. A fé é dinâmica. Acrescenta sabedoria, mas a maioria das pessoas fica no que aprendeu e chega a se zangar com quem propõe algo novo. Ofendem-se com o pregador que propõe um novo jeito de ver aquela doutrina, sem negá-la. Sofrem do que Carl Jung chamou de “misoneismo”: medo do novo, qualquer tipo de novo. O conservadorismo da maioria das pessoas pode ser resumido numa expressão: “Já sei o que preciso saber”. Mas alguém precisa dizer a elas que isso não é conservar; é deixar mofar... Conservar é bom, mas até o ato de conservar precisa ser dinâmico. Os museus estão todos os dias renovando suas técnicas, para que o antigo não se corrompa. Quem sofre de misoneismo precisa repensar sua vida. Nem tudo o que é novo é bom, mas também nem tudo o que é novo é mau. Sabedoria é ficar com o bom e melhorá-lo.


CORREIO RIOGRANDENSE • Caxias do Sul, 23 de novembro de 2016

@

jornalcr@jornalcr.com.br I www.correioriograndense.com.br

CR Saúde 9

# BEM ESTAR

Árvores calmantes

ólidas e serenas, vivas e vibrantes. As árvores produzem nas pessoas um efeito calmante e positivo. Mas viver perto desses gigantes verdes gera impacto muito concreto na saúde, especialmente nos habitantes das cidades, segundo novo estudo, divulgado pela BBC Mundo. E as consequências vão desde mudar a qualidade e a temperatura do ar a influir no funcionamento do cérebro. O estudo destacou três efeitos saudáveis no corpo humano ao se viver perto das árvores. O primeiro deles é a redução da matéria particulada, um dos piores tipos de contaminação. Uma árvore reduz a chamada matéria particulada ao seu redor de 7% a 24%, segundo um estudo publicado recentemente pela The Nature Conservancy (TNC), organização não-governamental que trabalha em escala global para a conservação da biodiversidade. Sediada nos Estados Unidos, tem atuação em 69 países. A investigação avaliou o impacto das árvores em 245 cidades ao redor do mundo. O contaminante material particulado pode ser classificado em dois tipos. O mais grosso tem dez ou menos micrômetros (um micrômetro é a milésima parte de um milímetro) de diâmetro, ou PM 10, e resulta do pó da construção e das ruas, entre outras fontes. Mas o tipo mais prejudicial de material particulado é o chamado PM 2,5. Ele tem diâmetro de 2,5 ou menos micrômetros e resulta da queima de combustíveis fósseis e madeira, entre outras fontes. Partículas - Essas partículas finas em suspensão podem penetrar profundamente nos pulmões e estima-se que causem 3,2 milhões de mortes por ano mundialmente, segundo o estudo. O material PM 2,5 está associado a um risco maior de acidentes vasculares cerebrais, problemas cardíacos e enfermidades respiratórias como a asma. Trata-se de um problema verdadeiramente global. A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmou, neste ano, que cerca de 90% da população ao redor do planeta, que vivia em centros urbanos em 2014, foi exposta a níveis de material particulado que excederam as recomendações da organização. O estudo publicado pela TNC destaca que, em ruas com muito tráfego, as árvores devem ser plantadas de maneira espaçada,

Zig Koch/Divulgação/CR

S

Viver em cidades arborizadas beneficia o cérebro

passe ao menos quatro horas por dia na floresta, totalmente livre de compromissos mundanos”, escreveu no século XIX o americano Henry David Thoreau em seu livro clássico Walden, que relata sua experiência de viver dois anos em uma cabana construída por ele mesmo às margens do lago do mesmo nome, em Massachusetts (EUA). Um estudo já conhecido, liderado pelo psicólogo ambiental Roger Ulrich na década de 1980, comparou pacientes de um hospital da Pensilvânia que haviam sido operados da vesícula. Aqueles que estavam em quartos com vista para árvores se recuperaram mais rapidamente que aqueles que estavam em quartos com janelas voltadas para edifícios.

Imbuia: planta, provedora de sombra, foi incluída na lista de espécies ameaçadas no Brasil para impedir que as copas redu- pacto dessas ondas de calor nas zam a circulação de ar. cidades seja ainda mais severo”, afirma o documento. Graus - O segundo grande A OMS estima que as mortes efeito é a redução da temperatura anuais por ondas de calor nas em até dois graus centígrados. O cidades podem chegar a 260 mil impacto das árvores na tempera- pessoas (leia-se 2015), a menos tura é crucial, dado que as ondas que os centros urbanos tomem de calor matam cerca de 12 mil medidas para se adaptar às novas pessoas por ano e dificultam a condições. vida de milhões. “A mudança “Muitos estudos científicos climática fará com que o im- demonstraram que a sombra das

árvores, além da transpiração durante a fotossíntese, contribuem para reduzir a temperatura do ar e consequentemente o consumo de eletricidade para ar condicionado”, afirma a investigação da organização não-governamental. Espírito - O terceiro efeito positivo é o bem-estar psicológico. “Não posso cuidar da minha saúde e do meu espírito a menos que

Cérebro - E um estudo recente de Gregory Bratman, da Universidade Stanford, na Califórnia, mediu o impacto no cérebro de caminhar durante 90 minutos na natureza. Um grupo que caminhou em meio a árvores foi comparado com outro que andou em uma rua com muito tráfego. As pessoas que andaram na rua tiveram um aumento da atividade de ‘ruminar’ criticamente sobre si mesmo ou sobre eventos do passado - padrão negativo de pensamento vinculado à depressão. Aqueles que caminharam entre as árvores tiveram menos tendência de ruminar pensamentos. O estudo também incluiu análise por ressonância magnética do cérebro dos participantes e constatou que os que caminharam na natureza mostraram uma atividade menor na região do cérebro associada à autocrítica e ao isolamento social comum de quem ‘rumina em excesso’. A importância das árvores nas cidades não pode ser subestimada. Ainda mais levando em conta que atualmente 54% da população mundial é urbana e que essa porcentagem chegará a 66% em 2050, conforme a Organização das Nações Unidas (ONU). “Em muitas cidades o departamento de saúde está de um lado e as árvores do outro”, observa Rob Mc Donald, um dos autores do estudo publicado pela TNC. “Uma das metas do nosso estudo é recordar às cidades que esses dois departamentos devem colaborar. “Se isso acontecer, minha esperança é que veremos um renascimento das plantações de árvores em centros urbanos”, conclui Mc Donald.


CORREIO RIOGRANDENSE • Caxi

@

CR 10

mariadefatima@jornalcr.com.br

# IRRIGAÇÃO

Agricu

Semeando água no solo

Brasil tem 6,1 milhões de hectares de área irrigada, mas potencial para expandir e chegar a 61 milhões

Superior - Segundo Dourado Neto, a definição da área com potencial para ser irrigada traz um fato novo, já que, segundo a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO),

Fernando Dias/Divulgação/CR

O

Brasil está entre os 10 países com a maior área irrigada do planeta, embora utilize apenas 10% da área potencial para a atividade. O país tem potencial para expandir e chegar a 61 milhões de hectares de terras irrigadas, o equivalente a 10 vezes a área atual. É o que aponta a pesquisa Análise Territorial no Brasil para o Desenvolvimento da Agricultura Irrigada desenvolvida pelos professores Gerd Sparovek e Durval Dourado Neto, da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) da USP, em Piracicaba, em parceria com o Ministério da Integração Nacional (MI). O estudo analisou 168.843 bacias hidrográficas do país, contendo cerca 5.000 hectares cada. Levou em conta contextos de governança pública e privada e dimensão física (vazão de rios, regime natural de chuvas e produtividade agrícola), em combinação com temas ambientais, sociais e econômicos. A pesquisa avaliou que 37% dos 6,1 milhões de hectares de área irrigada atual não contam com possibilidade de expansão devido ao esgotamento da água disponível e 44% são de regiões com possibilidade de desenvolvimento, mas que estão fora de áreas com possibilidade de intervenção pública, as quais representam apenas 19%.

No RS: Brasil está entre os 10 países com a maior área irrigada, embora utilize apenas 10% para a atividade

Área irrigada, por métodos (hectares) Método

Brasil

Norte

Nordeste

Sudeste

Sul

Centro-Oeste

Inundação

1.166.349

Sulcos

189.722

34.487

69.633

27.815

1.003.115

31.299

4.091

109.732

28.417

15.291

32.191

Aspersão (pivô central)

892.887

9.076

207.757

413.562

61.488

201.004

Aspersão (outros)

1.330.606

31.385

420.963

738.557

110.484

29.217

Localizado (gotejamento, microaspersão)

322.287

5.018

105.455

193.217

17.654

943

Outros

372.244

25.525

94.118

206.114

30.781

15.706

TOTAL

4.545.533

109.582

1.007.657

1.607.681

1.238.812

581.801

Fonte: IBGE/Censo Agropecuário/2006

o Brasil possui 29 milhões de hectares irrigáveis, ou seja, a pesquisa coordenada pelos professores da Esalq indica um número bem superior.

O pioneirismo do estudo, segundo Sparovek, se dá pela abrangência e olhar metodológico, apresentando os resultados dos temas tratados por meio de chaves classificatórias que

podem ser entendidas por pessoas não especializadas no assunto. “Há uma deficiência de estudos multitemáticos e abrangentes que ajudem o entendimento dos proble-

mas recorrentes da distribuição geográfica da área atualmente irrigada, mas conseguimos tratar do tema incluindo recentes avanços na área metodológica, a disponibilidade de água, condições climáticas, qualidade dos solos e realidade social e econômica do país”, observa. Além disso, conhecer a ordem de grandeza dos solos irrigáveis trarão, segundo o professor, mais qualidade de vida para as pessoas. “Isso norteará políticas públicas nessa área daqui para diante. Se podemos aumentar os hectares irrigados, precisaremos investir em infraestrutura, estradas, gerar energia, ou seja, dar condições para chegarmos a esse valor no futuro”, frisa. Conforme o estudo, só há condição de preservar e melhorar a qualidade de vida onde tem agricultura irrigada. “Portanto, se já sabemos quanto podemos avançar, estamos dando subsídios para que o governo faça um planejamento de longo prazo”, aposta Sparovek. Potencial - Hoje, a área irrigada do Brasil é considerada pequena, comparada ao seu potencial de crescimento. São diversos os benefícios que podem ser alcançados com essa expansão, como o ganho de eficiência e a redução de risco de insucesso na produção agrícola. Outros benefícios são a promoção do desenvolvimento social e econômico em regiões propícias à intensificação da produção, a redução de impactos ambientais pela menor necessidade de expansão face à maior produtividade com os cultivos irrigados e a segurança alimentar.

Vinte mil pivôs centrais ocupam 1,275 milhão de hectares em território nacional Divulgação/CR

O Brasil possui 20 mil pivôs, que ocupam 1,275 milhão de hectares, segundo o levantamento Agricultura Irrigada por Pivôs Centrais, realizado pela Agência Nacional de Águas (Ana) e a Embrapa Milho e Sorgo - aumento de 43% em relação à área levantada no Censo Agropecuário de 2006. O levantamento foi realizado com imagens de satélite, cobrindo todo o território nacional. Foram identificados pivôs em 21 unidades da federação, em 965 municípios. Entretanto, 80% da área total concentra-se em Minas Gerais, Goiás, Bahia e São Paulo. Mato Grosso e Rio Grande do Sul também apresentam áreas expressivas. Dentre os 965 municípios, os Território: pivôs estão em 965 municípios, com 80% da área centrada em apenas quatro estados 100 maiores concentram 70% da área total. A partir do mapeamento, foram identificados 16 polos regiões hidrográficas Paraná e São a demanda de água desse impor- tos agrícolas com grande potencial principais de irrigação por pivôs Francisco. tante setor usuário, já que o Brasil para aumentar sua área irrigada”, centrais, os maiores localizados nas “É muito importante quantificar é um grande exportador de produ- disse a diretora da área de Planeja-

mento da Ana, Gisela Forattini. O projeto pivôs é uma das etapas para construção do Atlas do Uso da Água na Agricultura Irrigada, que contempla o mapeamento de outros importantes grupos de áreas irrigadas, em especial cana-de-açúcar, café e arroz inundado. Imagens - Segundo Thiago Henriques Fontenelle, especialista em recursos hídricos da Ana, esse foi o primeiro levantamento da irrigação com pivôs centrais feito com imagens de satélites, o que é extremamente relevante. O especialista afirma que o uso de pivôs centrais contribui para diminuir a pressão com a ocupação de áreas pela agricultura e permite a otimização do uso da área. “Há pressão menor para a agricultura ocupar novas áreas, e isto é um fator benéfico para o aumento da produtividade”, defende Fontenelle.


as do Sul, 23 de novembro de 2016

ultura

11 CR

www.correioriograndense.com.br

Irrigador solar automático utiliza garrafas usadas Foto Joana Silva/Divulgação/CR

U

m irrigador automático que não usa eletricidade e ainda pode ser feito com materiais usados. Essa criação rústica e eficaz, do pesquisador Washington Luiz de Barros Melo, da Embrapa Instrumentação (SP), pode ajudar de pequenos produtores a jardineiros amadores a manter seus canteiros irrigados automaticamente pelo método de gotejamento. O equipamento é baseado em um princípio simples da termodinâmica: o ar se expande quando aquecido. Melo se valeu dessa propriedade para utilizar o ar como uma bomba que pressiona a água para a irrigação. Uma garrafa de material rígido, pintada de preto, é emborcada sobre outra garrafa que contém água. Quando o sol incide sobre a garrafa escura, o calor aquece o ar em seu interior que, ao se expandir, empurra a água do recipiente de baixo e a expulsa por uma mangueira fina para gotejar na plantação. “Funciona tão bem que se você sombrear a garrafa, o gotejamento para, e, ao deixar o sol bater novamente, a água volta a gotejar”, afirma o pesquisador. Fazem parte do invento outros dois depósitos de água: uma garrafa rígida também emborcada

Equipamento: econômico e ecológico, o irrigador solar é indicado à agricultura familiar que desempenha a função de caixa d'água para manter abastecida a garrafa do gotejamento, e um recipiente maior conectado à garrafa-caixa-d'água que armazena volume maior de água que será usado por todo o sistema. “Os tubos que interligam as garrafas podem ser de equipos de soro hospitalar, por exemplo, mas já

utilizei até capas de fios elétricos, retirei os fios de cobre de dentro e funcionou também”, conta o pesquisador Barros Melo. O maior desafio para quem for fazer o equipamento em casa é a vedação. Para o funcionamento do sistema é necessário que as três primeiras garrafas estejam fechadas hermeticamente. “Isso pode

ser obtido com adesivos plásticos, do tipo araldite, mas exige uma aplicação minuciosa”, ensina. Também compõe o sistema um distribuidor que pode ser construído com garrafa pet e do qual saem as tubulações que farão a irrigação. Objetos - As vantagens do irrigador caseiro são várias. Trata-

-se de um sistema automático sem fotocélulas e que não demanda eletricidade, pois depende somente da luz solar, tornando sua operação extremamente econômica. Ele promove igualmente economia de água, pois utiliza o método de gotejamento para irrigar, o que evita o desperdício do recurso. Além disso, é possível construí-lo com objetos que seriam jogados no lixo, como garrafas e recipientes de plástico, metal ou vidro. A versatilidade também é grande. A intensidade do gotejamento pode ser regulada por meio da altura do gotejador e o produtor pode colocar nutrientes ou outros insumos na água do reservatório para otimizar a irrigação.

Melancia: instrumento permite plantar no Amazonas gotejamento, entre outros procedimentos. Já o sensor diédrico é simples, de fácil leitura e mede a umidade de solos e substratos, indicando quando existe a necessidade de regar a planta no campo, em casa de vegetação e em jardinagem, servindo tanto para irrigação manual quanto automatizada. Samuel Vasconcelos/Div./CR

Melancias cultivadas à base de irrigação. A imagem mostra experimento implantado em área de terra firme no Amazonas, onde foram adotados procedimentos e técnicas recomendadas, como correção do solo, adubação, produção de mudas, cultivares adaptadas às condições locais e resistentes a doenças, controle de insetos e irrigação por

Trata-se de uma tecnologia social. Outro sensor, o igstat, da Embrapa Instrumentação, pode ser utilizado em diferentes instrumentos de gestão de irrigação com grande eficiência, pois tem a capacidade de controlar o acionamento da água de acordo com a umidade do solo, ou seja, ao se tornar permeável à passagem do ar em solo seco, libera o gotejamento de água. Paula Fernandes Rodrigues/Div./CR

Um dos desafios da agricultura moderna é gastar menos água na lavoura sem perder a produtividade, objetivo esse que pode contar com a contribuição tecnológica da pesquisa, como o uso de polímeros com alta capacidade de absorção e retenção de líquidos. A Embrapa Hortaliças lançou o equipamento irrigas, que mede a umidade do solo e tensão de água. Samuel Vasconcelos/Div./CR

Síglia Regina dos Santos Souza/Div./CR

Equipamentos da Embrapa facilitam e incrementam a produtividade

Sensor diédrico: mede a umidade de solos e substratos

Sensor igstat: controla o acionamento da água

Irrigas: sistema gasoso de controle de irrigação


CORREIO RIOGRANDENSE • Caxias do Sul, 23 de novembro de 2016

CR Agricultura 12

# PECUÁRIA

Pantanal alia perspectivas produtivas a demandas de pesquisa

Inclusão - Técnicas de conservação dos recursos naturais devem considerar questões econômicas em seu desenvolvimento, afirma o pesquisador. Porém,

Nicoli Dichoff/Divulgação/CR

N

o Pantanal, tudo se entremeia. Há muitos pantanais formando o ambiente local. A afirmativa é de Jorge Lara, pesquisador da Embrapa em Corumbá (MS), que discute a realidade do bioma diverso, plural e mutável no qual a instituição se encontra – antecipando transformações significativas, favoráveis a atividades produtivas que associem eficiência e sustentabilidade na região. Há muitas oportunidades, de acordo com o pesquisador. No caso da pecuária, ele afirma que o trabalho com os animais criados exclusivamente a pasto e a produção da carne orgânica são diferenciais nesse contexto. Porém, é necessário alavancar o desenvolvimento com o uso de tecnologias e voltá-las à sustentabilidade. “A nossa pecuária tradicional vai ter sempre o seu lugar. Enxergar o espaço rural de outra forma é o grande desafio”, comenta. Para Jorge, a diversificação das atividades representa uma alternativa real de negócios para as propriedades rurais, atualmente. A ocupação do Pantanal ocorreu há 300 anos e as fazendas vão sendo paulatinamente divididas pelo próprio processo natural de heranças. Entra aí a questão do uso multifuncional das propriedades, em que novas produções podem ser associadas às tradicionais. Mas para que isso aconteça não basta só usar novas tecnologias.

Criação: cavalos pantaneiros em área alagada no Pantanal de MS; raça surgiu há mais de dois séculos tecnologias voltadas à produção intensiva também devem ser analisadas sob a perspectiva ambiental. “Em ambos os casos, precisamos nos perguntar: há a inclusão social das pessoas que vão ficar ou estão à margem desse processo?”, ressalta. Além da pecuária, o Pantanal tem aquicultura, pesca, apicultura, possui uma fauna muito diversa, inúmeros recursos vegetais e um ilustre (e desconhecido) universo de microrganismos. Jorge destaca a importância da diversificação das pesquisas para apoiar o desenvolvimento do Pantanal. “Realizamos o monitoramento de animais selvagens, cooperando na elaboração

de ações de manejo. Já nossos estudos sobre raças naturalizadas – porco monteiro e cavalo, bovino e ovino pantaneiros – mostram características únicas de adaptabilidade”, revela. Além disso, o trabalho com sistemas de produção agroecológicos nas lavouras dos assentamentos estimula a geração de renda e promove a segurança alimentar. Origem - O cavalo pantaneiro vem despertando muito interesse. O início da formação do animal se deu há mais de dois séculos, na região do Pantanal mato-grossense, nos municípios de Poconé, Cáceres, entre outros. Trata-se de animal rústico,

porém domável e excelente para a lida do gado. Inicialmente, a raça era chamada de poconeano. A Embrapa associa a origem do pantaneiro a cavalos ibéricos trazidos ao Brasil na época da colonização. “Os cavalos se formaram de maneira natural, pela segregação, sendo originários de cavalos de Goiás, levados para o norte de Mato Grosso, cujo tipo era o béltico-lusitano, uma mistura de cavalos árabe e barbo”, relata o professor Domingues Barros. Há também evidências da participação de cavalos dos indígenas, procedentes do Paraguai, na formação deste tipo de animal. Dados da Associação Brasileira

# SANTA CATARINA

de Criadores do Cavalo Pantaneiro mostram que, em 1972, aconteceram os primeiros registros da raça pantaneira. O primeiro garanhão registrado foi o animal com o nome de Rei do Paiol, de propriedade de Joaquim da Cunha Fontes. Atualmente, a seleção genética dos criadores toma em consideração duas bases: função do animal e resistência. Manada – A Associação de Criadores orienta que o equicultor deve adquirir bons animais, de procedência segura e de criadores que fizeram boa seleção genética no cruzamento. O custo de produção é barato, uma vez que é criado a pasto, rústico, de fácil adaptação inclusive em outras regiões, já que os cascos desta raça são considerados um dos mais duros e mais resistentes que existem, atrás apenas do burro. O garanhão pode ser solto com a manada bem cedo. Barros desmistifica a ideia de que a raça, por ser quase selvagem, é de difícil manejo. O pantaneiro é raça muito mansa, dócil, de índole a toda prova, com bom temperamento, um cavalo que os americanos denominam como possuidor de cowsense (gosta do boi), então um animal preparado para o campo. O padrão racial é de qualquer cor de pelo, exceto a albina. O animal é de porte médio, cuja altura mínima é de 1,4 m para machos e 1,35 m para fêmeas, com musculatura bem distribuída. Tem constituição robusta e sadia, com ossos resistentes, articulações e tendões bem definidos. É altivo, vivo e dócil.

# PRODUÇÃO

Seminário visa debater a gestão de propriedades rurais Divulgação/CR

Estão abertas as inscrições para o seminário “Gestão de estabelecimentos da agricultura familiar: avanços e desafios”, que o Centro de Socioeconomia e Planejamento Agrícola da Epagri (Cepa) promove em Florianópolis no dia 29 de novembro. O grande objetivo do evento é criar uma rede interinstitucional para discutir a gestão na propriedade rural, a fim de estabelecer um pacote de políticas públicas voltadas para a área. O tema é amplo e complexo, porque inclui uma série de ações que não apenas a administração econômica. Na prática, todo agricultor é gestor de seu negócio, da forma que acredita ser a mais adequaAlto Vale: evento tem como público-alvo lideranças e gestores ligados à agricultura familiar da. Mas é importante disseminar boas práticas de gestão da ativi- melhores maneiras de negociar, maior assertividade nos investi- tabilidade na agropecuária. dade rural, que podem potenciali- novos nichos de mercado, mar- mentos. Somente as boas práticas Informações: (48) 3665-5076. zar o negócio, apontando novas e gens para redução de custos e são capazes de garantir a susten- As inscrições são gratuitas.

Agropecuária vale R$ 519 bi O Valor Bruto da Produção (VBP) agropecuária, que corresponde ao faturamento global dentro da propriedade rural, tende a estabilizar em torno de R$ 519,3 bilhões nesse ano. Os produtos com melhor desempenho foram banana, com aumento de 39,7%, trigo (26%), batata (25,4%), café (14,4%), maçã (12,3%), feijão (9,6%) e soja (2,7%). Na pecuária, o frango foi o destaque, com elevação de 2,8% em relação a 2015. As previsões indicam valor de R$ 562,5 bilhões para 2017. Com isso, o acréscimo real é de 8,3%. “Em grande parte, a projeção é atribuída às perspectivas favoráveis de algodão, feijão, milho, soja e arroz”, diz José Gasques, secretário de Política Agrícola.


CORREIO RIOGRANDENSE • Caxias do Sul, 23 de novembro de 2016

@

CR Teologia 13

jornalcr@jornalcr.com.br I www.correioriograndense.com.br

# CURSO A DISTÂNCIA

O profetismo pelo olhar de Miquéias

Os profetas eram porta-vozes de Deus, que não calavam diante das situações de injustiça e opressão

Lição 01 1) Qual foi o acontecimento em Israel/Samaria que, segundo este profeta, também afetaria Jerusalém/Judá? A queda da Samaria sob o domínio Assírio em 722 a.C. 2) Por que o profeta entende que o futuro de Jerusalém não seria diferente daquele sofrido pela Samaria? Cite um texto que evidencie este posicionamento. O que ele observa a partir do que acontece na porta da cidade, onde chegam pessoas refugiadas e onde acontece o comércio entre os mais pobres e se administra a justiça. Texto Miquéias 1, 2.9. Lição 02 1) Por que foi importante para a profecia de Miquéias sua origem na periferia e ver a situação do povo a partir do que acontecia na porta da cidade? Porque ele não tinha nenhum compromisso nem interesse ligado à monarquia ou ao templo de Jerusalém, permitindo-lhe superar a ideia da invulnerabilidade de Jerusalém que era promovida pelas elites de Judá. Além do mais, consegue perceber a mentira promovida pelos falsos profetas, sacerdotes, escribas e juízes vendidos à riqueza dos poderosos. 2) Qual é a contribuição dada pelas pessoas que sistematizam a profecia de Miquéias por escrito na mesma época? As pessoas que sistematizaram a profecia de Miquéias eram, possivelmente, escribas da porta da cidade, que preservaram o discurso deste simples

camponês, no formato de um processo judicial, permitindo que muitos anos depois fosse resgatado para compreender o sentido do Exílio Babilônico. 3) Qual é a contribuição das pessoas que continuam a escrever a profecia de Miquéias após passarem pela experiência do Exílio Babilônico e o retorno a Jerusalém, mais de 100 anos após a atuação profética de Miquéias? As pessoas que finalizaram a sistematização da profecia de Miquéias incluíram, após a experiência do Exílio e do retorno, a possibilidade da salvação, apesar dos pecados cometidos e dos males causados. Lição 03 1) Por que é possível distinguir que Mq 1,1-4 não corresponde à mística camponesa de Miquéias, e sim a um grupo que redigiu a profecia depois? Não há uma mística camponesa, mas uma mística escriba/ sacerdotal a partir do templo de Jerusalém.

do povo pobre se preocupa com a comida e com a bebida? Porque enquanto o povo trabalha duramente para apenas sobreviver diante da opressão e exploração, os governantes opressores se sustentam retirando a sua produção. 2) Por que Miquéias insiste em denunciar os falsos profetas? Porque assume a missão de denunciar suas mentiras e anunciar a justiça divina contra estes enganadores. Lição 06 1) Quais são as evidências de que a profecia de Miquéias foi sistematizada por redatores posteriores durante o Exílio Babilônico? O versículo 4,7 fala dos dispersos, que é uma expressão própria do Exílio, o que indica que este capítulo foi incluído depois.

Lição 07

2,8 e Is 9,5).

1) Qual é a esperança expressa pelos redatores imediatos de Miquéias? Esta gente quer um novo Davi! Por isso Belém é o lugar de onde virá a esperança. 2) Qual é o sentido da conclusão final do livro colocada pelos seus redatores na época do Exílio, e por que precisaram fazer isso? Que a condenação do profeta não duraria para sempre. Lição 08 1) Qual é a diferença entre os pontos de vista de Miquéias e Isaías sobre a mesma realidade? O ponto de vista de Isaías – um sacerdote do templo de Jerusalém – não é da periferia, como Miquéias, mas do centro. Reprodução/CR

O

2º módulo do Curso de Teologia a Distância, publicado no Correio Riograndense no período de 22 de junho a 31 de agosto de 2016, foi abordado pelo professor da Estef e bispo da diocese meridional da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil, Humberto Maiztegui Gonçalves. Abordou o livro do profeta Miquéias (sugerido pela CNBB como texto de estudos para o Mês da Bíblia de 2016). Revela o olhar de fé de um hortifrutigranjeiro na defesa de famílias refugiadas e pessoas pobres do povo. A seguir, as respostas das 10 lições do módulo 2 do CTD.

Porque vê Jerusalém e Samaria desde a periferia, a partir das pessoas mais pobres e vulneráveis, e que vê nas cidades e no templo instrumentos de dominação.

2) Por que a teologia profética deve considerar a vida concreta das pessoas pobres e oprimidas? Porque não é um mero “moralismo”, mas uma ética libertária que denuncia o sofrimento que acontece na vida concreta das pessoas mais pobres.

1) Podemos ser pessoas e comunidades proféticas hoje? Quais as perguntas que devemos nos fazer para descobrir o espírito e a mística profética em nós? Sim. Perguntando o que nos indigna e se opõe ao projeto de Deus revelado no Êxodo e – no nosso caso – na pessoa, mensagem e ação de Jesus Cristo.

1) Por que a opressão econômica é um sinal considerado pela mística camponesa de Miquéias? As referências vêm da vida no campo, onde será possível viver em paz ao transformar as armas em instrumento de produção na terra.

1) Por que a mística profética

1) Por que a teologia profética é uma teologia política? Porque a profecia se dirige a uma realidade política específica, que considera a conjuntura regional e internacional e sua relação com a política local ou nacional.

Lição 10

Lição 04

Lição 05

Lição 09

3) Por que a diversidade de pontos de vista não anula a revelação de Deus na profecia? Porque o mesmo Deus Libertador se manifesta de forma diferente através de ponto de vista diferente, aplicando o seu projeto a diferentes situações e realidades.

2) Qual a característica da mística de Miquéias em Mq 1,516 e como se conecta com o capítulo 3?

2) Por que o exílio das classes dominantes é visto como uma forma de libertação para o resto do povo? Porque, mesmo acreditando que o mal feito pelos impérios opressores foi autorizado por Deus, sabe que um Deus da Justiça não pode deixar impune nenhum mal feito contra as pessoas indefesas e vulneráveis.

3) Qual é a contribuição específica do profeta Isaías? Mostra que no templo prevalecia a Teologia da Criação, já que o templo era visto como centro do universo, por isso para ele a libertação deve incluir todas as criaturas.

Da periferia: agricultor, Miquéias era pouco ouvido pelo rei e sua corte 2) Qual é a importância do sonho da mística camponesa de um mundo de paz para as gerações futuras? A importância se mostra em que a mística camponesa de um mundo sem guerra e violência segue como forma de resistência e princípio de construção de uma nova sociedade para pessoas de outras gerações e em outras realidades.

2) Qual é a semelhança entre a profecia de Miquéias e Isaías que revelam a vontade do Deus Libertador e Criador? A denúncia contra a opressão das pessoas pobres (cf. Mq 3,4-5a e Is 10,2), coincidem na condenação de falsos profetas e enganadores do povo (Mq 3,11 e Is 29,10), e a proclamação de um mundo sem a dominação e a violência através da guerra (Mq

2) Que tipo de pergunta nos permite saber o quanto estamos perto ou longe de assumir a vocação profética? (Citar pelo menos duas). Estamos ouvindo o que elas nos dizem, ou preferimos ignorá-las como se falassem coisas “impossíveis”? Até que ponto nossa prática religiosa está servindo para enganar o povo e impedir que desenvolva uma consciência de resistência contra a opressão e a violência em todas suas formas? Até que ponto nossa prática religiosa afasta o povo da consciência política e ecológica?


CORREIO RIOGRANDENSE • Caxias do Sul, 23 de novembro de 2016

@

CR Geral 14

publicidade@jornalcr.com.br comercial@jornalcr.com.br

Loterias

SINDICATO RURAL DE CAXIAS DO SUL SEDE RUA BORGES DE MEDEIROS, 87 – CAXIAS DO SUL – RS CGC N° 92.867.944/0001-89

LOTERIA FEDERAL 19/11/2016 1º .............................08.114 2º .............................09.828 3º .............................47.577 4º .............................68.796 5º .............................12.207 QUINA Concurso 4233 10 – 18 – 26 – 72 – 79 Concurso 4234 20 – 37 – 46 – 55 – 60 Concurso 4235 13 – 23 – 37 – 40 – 63 Concurso 4236 16 – 25 – 28 – 30 – 68 Concurso 4237 15 – 24 – 28 – 65 – 72 LOTOFÁCIL Concurso 1435 01 – 02 – 03 – 04 – 05 06 – 09 – 10 – 12 – 16 17 – 19 – 20 – 21 – 23 Concurso 1436 01 – 02 – 03 – 05 – 06 08 – 11 – 12 – 15 – 17 18 – 19 – 22 – 23 – 24 Concurso 1437 02 – 04 – 05 – 06 – 07 08 – 09 – 11 – 13 – 14 17 – 19 – 20 – 23 – 25 MEGA-SENA Concurso 1877 13 – 16 – 23 – 24 – 32 – 35 Concurso 1878 12 – 16 – 26 – 40 – 56 – 57 LOTOMANIA Concurso 1711 03 – 04 – 08 – 10 – 14 – 15 – 18 19 – 21 – 52 – 59 – 60 – 68 – 73 75 – 80 – 81 – 88 – 91 - 98

SFB COMERCIAL S/A

CNPJ 03.891.644/0001-05 NIRE 43300038653 ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA CONVOCAÇÃO Convocamos os Srs. Acionistas a se reunirem em Assembleia Geral Ordinária, na sede da Companhia, sita à Rua Santos Dumont, 182, térreo, em Caxias do Sul, RS, em primeira convocação, às 9:00 horas do dia 30 de novembro de 2016, para deliberarem sobre a seguinte Ordem do Dia: 1- Examinar, discutir e votar o Relatório da Diretoria e as Demonstrações Financeiras do exercício social findo em 31 de dezembro de 2015; 2- Deliberar sobre a destinação do resultado do exercício e a distribuição de dividendos. Caxias do Sul, 09 de novembro de 2016. A Diretoria

CASAMENTOS

REGISTRO CIVIL DAS PESSOAS NATURAIS DE GALÓPOLIS CAXIAS DO SUL ESTRADA FEDERAL, BR 116, KM 160, Nº 755 - GALÓPOLIS - CAXIAS DO SUL-RS (54) 3284-1033 LOANDA MARIA LOPES MILANI OFICIAL Comunicam que pretendem contrair matrimônio as seguintes pessoas 1.838 - MATHEUS COLOMBO PEZZI E CARINA STRINGARI 1.839 – JÁTTES RODRIGUES DA RÓSA E INAÉ OTRAMAR Se alguém souber de algum impedimento, oponha-o no prazo e forma da lei. Caxias do Sul, 18 de novembro de 2016 LOANDA MARIA LOPES MILANI REGISTRADORA

EDITAL DE CONVOCAÇÃO Pelo presente Edital de Convocação, o SINDICATO RURAL DE CAXIAS DO SUL, convida a todos os ASSOCIADOS quites com suas mensalidades a se fazerem presentes para as ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA e ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA a realizar-se no dia 02 de Dezembro de 2016, às 19:00 horas em primeira Convocação, às 19:30 horas em segunda convocação, na sede da Entidade, à rua Borges de Medeiros, n° 87, Caxias do Sul – RS, a fim de deliberarem sobre a seguinte ORDEM DO DIA: I). ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA – Início marcado 19:00hs. a) Previsão orçamentária exercício 2017 e parecer do Conselho Fiscal, II). ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA - Início marcado 19:30hs. a) Suplementação de verba para o exercício de 2016. b) Assuntos Gerais. Caxias do Sul, 04 de Novembro de 2016. Valmir Antonio Susin - Presidente Sindicato Rural de Caxias do Sul

CASAMENTOS

Rua Alfredo Chaves, 557 NICÉIA VERONESE FACCHIN, Registradora Designada Fone 3221 7645

PELO REGISTRO CIVIL DE PESSOAS NATURAIS E DE INTERDIÇÕES E TUTELAS DA 2ª ZONA DESTA CIDADE, HABILITARAM-SE PARA CASAR AS SEGUINTES PESSOAS: Editais nº 33.580 à 33.591 :

- JUILIAN DA SILVA RODRIGUES e MICHELE KATIÚCIA SASSETT - JOÃO PEDRO GRASSELLI e MILENE LOPES GIMENES - FREDDY PUERARI CORRALES e FRANCIELE COMERLATO FORNER - FERNANDO CHRISTIAN DORNELES DA SILVA e ROSA MARIA LEAL ANTUNES - LUAN ALEX MASCARELLO e FERNANDA FIALHO DOS SANTOS - MATHEUS REIMUNDO SARTOR e CHALISA BOEIRA DALZOCHIO - ALISOM RAI MAGDALENO DE CAMARGO e JAQUELINE CORDEIRO NUNES DE JESUS - GEISON WERNER e MICHELLI ALMEIDA RAMOS - PAULO CESAR CAVALHEIRO FERREIRA e MARLI DE LIMA - ÍGOR FERNANDES SOUSA e ANA PAULA RAMOS TIBURI - JURANDIR DOS REIS MOREIRA e ELISIANE CARVALHO DE AVILA - JOÃO EVERALDO LEICINI e PATRICIA DE OLIVEIRA - RÓGER MICHAEL FREITAS DE OLIVEIRA e FERNANDA BRANDALISE Caxias do Sul, 21 de novembro de 2016.

SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO DE CAXIAS DO SUL

DA

Base territorial: Caxias do sul, São Marcos, Antônio Prado, Garibaldi, Carlos Barbosa e Nova Roma do Sul. CNPJ 88.662.275/0001-31. Sede Rua Borges de Medeiros, 334. Email: sticmcaxias.rs@terra.com.br Caxias do Sul – RS CEP 95020-310 Fone: 3332 2192

EDITAL DE CONVOCAÇÃO Pelo presente edital, convoco todos os trabalhadores integrantes da categoria profissional, exercentes de atividades nas Indústrias da Construção Civil, ( pedreiros, carpinteiros, pintores e estucadores, bombeiros hidráulicos e trabalhadores em geral, de estradas, pontes, e demais atividades afins, trabalhadores na indústria de olaria, do cimento e de cerâmica para a construção, de mármores e granitos, de pintura, decorações, estuques e ornatos, da indústria de serrarias, carpintarias, tanoarias, madeiras compensados e laminadas, aglomerados e chapas de fibras de madeira, oficiais marceneiros e trabalhadores na indústria de móveis de madeira, indústria de móveis de junco e vime e de vassouras, trabalhadores na indústria de escovas e pinceis, indústria de cortinados e estofados, de artefatos de cimento armado, oficiais eletricistas e trabalhadores na indústria de instalações elétricas, gás, hidráulica e sanitárias, indústria da construção de estradas, pavimentação, obras e terraplanagem em geral ( barragens, aeroportos, canais e engenharia (consultiva), trabalhadores na indústria de refratários e tratoristas, serventes e auxiliares em geral da construção civil e do mobiliário ( artigo 2º do Estatuto), na base territorial representada por este Sindicato, nas cidades de Caxias do Sul, Carlos Barbosa, Garibaldi, São Marcos, Antônio Prado e Nova Roma do Sul (artigo 1º do Estatuto), para uma sessão de Assembleia Geral Extraordinária, a realizar-se no dia 09 (sexta-feira) de Dezembro de 2016, às 18 (dezoito) horas em primeira convocação e às 19 (dezenove) horas em segunda convocação, tendo por local a sede social do Sindicato, nesta cidade de Caxias do Sul, sito na rua Borges de Medeiros, 334, a fim de deliberar sobre a seguinte ordem do dia: 1 – Estudo da conveniência ou não de ser instaurada Negociação Coletiva de Trabalho, com a Categoria Econômica paralela; 2 – Em caso afirmativo, bases a serem pleiteadas e para conciliação; 3 – Deliberar sobre a conveniência ou não de opção pelo arbitramento e/ ou Medição de Negociação; 4 – Em caso de malogro das negociações coletivas, deliberar sobre a conveniência ou não de instauração judicial de revisão de Dissidio Coletivo, 5 – Em caso afirmativo, bases a serem pleiteadas e para conciliação; 6 - Deliberar sobre importância ou percentuais a serem descontados e recolhidos aos cofres do Sindicato para fins de custeio de Assistência Social e Educacional conforme previsto no artigo 513, letra “e” da CLT, bem como fixar o prazo de 10 (dez) dias para os integrantes da categoria, contrários ao desconto se manifestarem por escrito e individualmente perante o Sindicato; 7 – Autorizar ou não o Presidente do Sindicato para negociar com a categoria econômica, em todas as fases, podendo receber contrapropostas, aceitá-las, rejeitá-las, firmar Convenção Coletiva de Trabalho, Acordo Coletivo de Trabalho, Acordo Judicial inclusive Acordos Aditivos e outorgar poderes a procuradores.

Caxias do Sul, 10 de novembro de 2016 Antônio Olírio dos Santos Silva Presidente

SINDICATO DOS CONTADORES E TÉCNICOS EM CONTABILIDADE DE CAXIAS DO SUL E REGIÃO NORDESTE – SINCONTEC CAXIAS Av.Júlio de Castilhos, 760/A – Sobreloja – Caxias do Sul – RS CNPJ 87 814 828/0001-61

ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA Convidamos os associados para Assembléia Geral Ordinária, a realizar-se em sua sede social sita à Av.Julio de Castilhos, 760/A, no dia 24/11/2016, em primeira chamada às 17 horas, com a presença de 1/3 dos associados e em segunda convocação às 18:30 horas com qualquer número de associados, para deliberarem sobre a seguinte ORDEM DO DIA: 1. Examinar, discutir e votar a Previsão Orçamentária para o exercício de 2017; 2. Fixar ou não a Contribuição Confederativa para 2017; 3. Deliberar sobre o valor da contribuição mensal para custeio e manutenção da Entidade Sindical no ano de 2017; 4. Deliberar sobre o valor a ser cobrado da mensalidade para associados estagiários; 5. Ratificar a Contribuição Sindical proposta pela CNPL para 2017; 6. Outros assuntos de interesse social. Caxias do Sul, 17 de novembro de 2016. Ana Marlene Gasperin – Presidente

CASAMENTOS

REGISTRO CIVIL DE ANA RECH CAXIAS DO SUL - RS BR116, km 147, nº 15.999 - CEP 95059-520 Caxias do Sul-RS - Fone: (54)3238.1111 Cláudio Klering - oficial Emerson R. Klering - oficial substituto Comunica que pretendem contrair matrimônio as seguintes pessoas: EDITAIS: 6610/165 até 6616/171 1-NILSON GARCIA DE OLIVEIRA E MARITANE PEREIRA DE CAMARGO. 2-DOUGLAS RAFAEL RECH E SHEILA DE SOUZA MENUNCIN. 3-ALEXSANDER DA SILVA CAMARGO E THAINÁ DA SILVA CARDOSO. 4-GILNEI DA CRUZ PEREIRA E JENNIFER NEGRINI DE QUADROS. 5-RUDIMAR CONSTANTE DA SILVA E REJANE CARDOSO MELOS. 6-ANDRIGO JOSÉ ZARDO E RENATA PEREIRA MOOJEN. 7-GEOVANI ELIAS ANTON E TACILE BOFF. Caxias do Sul, 17 de novembro de 2016. SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIMENTOS BANCÁRIOS DE CAXIAS DO SUL E REGIÃO Borges de Medeiros, 676 - 95020-310 - Caxias do Sul - RS - BrasilFone: |54| 3223-2166 - Fax: |54| 3223-2405

EDITAL DE CONVOCAÇÃO Pelo presente edital, convocamos os associados deste Sindicato, quites com a tesouraria, para uma sessão de assembleia geral ordinária a realizar se no dia 30 de novembro de 2016 na sede do Sindicato sita a rua Borges de Medeiros, 676, em primeira convocação as 17:00 horas e em segunda convocação as 17:30 horas a fim de ser deliberada a seguinte ordem do dia: Leitura, discussão, aprovação ou não da Proposta de Previsão Orçamentária para o exercício de 2017 com o parecer do Conselho Fiscal. Caxias do Sul, 23 de novembro de 2016. NELSO ANTONIO BEBBER Coord. Secret. De Organização e Política Sindical ARIOVALDO ADÃO FILIPPI Coord. Da Secret. Finanças Patrimônio e Administração

SINDICATO DOS ODONTOLOGISTAS DE CAXIAS DO SUL EDITAL DE CONVOCAÇÃO O presidente do Sindicato dos Odontologistas de Caxias do Sul, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo Estatuto Social, bem como na forma da legislação vigente, convoca os integrantes da categoria para se fazerem presentes na Assembleia Geral Extraordinária a ser realizada na sede do Sindicato, na Av. Júlio de Castilhos, 1188 – salas 41 e 42 – no dia 29 de novembro de 2016. ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA: às 19:00 horas e 19:30 horas, respectivamente em primeira e segunda convocação, com a seguinte Ordem do Dia: 1. Reforma do Estatuto Social: discussão e aprovação. Caxias do Sul, 23 de novembro de 2016. SERGIO CALLEGARI Presidente

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PODER JUDICIÁRIO - COMARCA DE CAXIAS DO SUL SERVIÇO DE REGISTRO CIVIL DAS PESSOAS NATURAIS DA 1ª ZONA

CASAMENTOS

Fone: 3226-7980 ROBERTO RUSCHEL DA SILVA - Oficial Registrador do Registro Civil das Pessoas Naturais da 1ª Zona. FAZ SABER, que por este Serviço, habilitaram-se ao casamento as seguintes pessoas: (Editais nº 29.521 ao 29.541) - FELIPE ALVARES KOCHENBORGER E THAÍSA BAGGIO SANDRI - PABLO FREITAS MOTTA E ANDRESSA ONZI ROCHA - LEONARDO ALONSO COUTINHO E CAROLINA LONGARAY SIMAS - CHARLES RODRIGO MARTINS E PRISCILA FERNANDA BRANDO - CLÉBER ALVES COSTA E LUCIANA RIBEIRO - MILER EDINALDO MEZZOMO E SÔNIA GUBERT - DOUGLAS PRUX DOS SANTOS E BARBARA GONÇALVES MACHADO - RENATO ROBERTO BRAGA E DAIANE BRUNETTA - JOÃO PAULO MACHADO BROGNOLI E LUIZA FEDRIZZI DEMOLINER - RAFAEL HAHN E ÁUREA GISELA GIRÃO CARVALHO - RAMON WITT RODRIGUES E ANDRELISA PIRES VIEIRA - ANDRÉ DA ROSA ANDRADE E THAYS MACHADO DA SILVA - VALDIR ANTONIO VIEIRA E MARIA INEZ CALAI MORAES DA SILVA - LEANDRO GONÇALVES COUTINHO E JOSIANE SILVEIRA DE SOUZA - RICARDO DE BRITO E VANESSA DE OLIVEIRA - MAIQUEL DA SILVA COUTO E CARLA JOSANE RODRIGUES DA PAZ - RAFAEL DOS SANTOS E ARIANE PISTORELLO - CRISTIANO DOS SANTOS SCHIRMER E MAURICLEIA DE OLIVEIRA LIMA - LUCIANO PEREIRA BARILLI E ROSA MARIA BORGES - RAFAEL AUGUSTO GRUDKA E PRISCÍLA DE ROSSI DE AVILA - CARLOS MIGUEL PIRES E JULIANA DE SOUZA *SE ALGUÉM SOUBER de algum impedimento, oponha-o no prazo e na forma da lei. Caxias do Sul, 21 de novembro de 2016 ROBERTO RUSCHEL DA SILVA Oficial Registrador


CORREIO RIOGRANDENSE • Caxias do Sul, 23 de novembro de 2016

@

CR Variedades 15

jornalcr@jornalcr.com.br I www.correioriograndense.com.br

# CULINÁRIA

Temperos realçam sabor da comida

Sal de ervas é alternativa prática para aproveitar benefícios das plantas e reduzir consumo de sódio Emater/Divulgação/Correio Riograndense

O

Veranópolis: líderes rurais aprendem a fazer o sal temperado em oficina promovida pela Emater-RS/Ascar mensais, sempre realizadas no horto de plantas medicinais, aromáticas e condimentares, localizado na Fepagro Serra. O foco do projeto é a promoção da saúde pelo uso e conhecimento das plantas bioativas. Desde 2006, o grupo participa de oficinas, entre elas a de sal temperado. Oficina - “Neste ano, trabalhamos fortemente na valorização, resgate e troca de receitas, com o uso dos temperos produzidos nas hortas caseiras,

fugindo do trivial e explorando melhor e de forma criativa a combinação de sabores”, diz Roseli. Segundo ela, para melhor aproveitar os temperos, é preciso conhecê-los bem, além das propriedades medicinais, é fundamental experimentar a combinação de sabores. “Fizemos oficinas com esse propósito também”, relata. Alguém, um dia, experimentou para saber que alecrim combina com peixes, sálvia acompanha bem o frango e o louro, o feijão”, exemplifica Roseli.

muitas das propriedades benéficas dos temperos, pois se tem uma grande variedade de plantas condimentares já prontas e armazenadas no sal, sem a necessidade de colher e picar cada uma delas a cada preparo das refeições. Roseli afirma que o uso cotidiano dos temperos na alimentação pode diminuir em mais de 50% a utilização do sal, sem que os alimentos percam o sabor. “Além disso, nos beneficiamos das diferentes substâncias contidas nas plantas condimentares, ricas em vitaminas, fibras e propriedades antioxidantes, digestivas e antissépticas, além de agregarem valor nutricional aos alimentos", afirma Roseli. Ervas frescas entram como a melhor opção para temperar as refeições, pois as secas já não possuem grandes quantidades dos seus componentes bioativos que beneficiam o organismo. No preparo do sal temperado, porém, os condimentos frescos estragam mais rápido, impedindo o armazenamento de quantidade maior por tempo mais longo. Nesse caso, o ideal é preparar quantidade menor e manter a mistura refrigerada. Confere nas receitas (abaixo) algumas sugestões de sal temperado!

Receitas

Plantas condimentares • Os temperos naturais fazem parte de uma alimentação saudá -vel, realçam o sabor dos alimentos e ajudam na digestão, pois possuem princípios ativos com propriedades terapêuticas. Alho - é um estimulante do organismo, ativa a produção de anticorpos para a defesa e proteção de enfermidades, útil para infecções em geral. Depurativo do sangue. Salsa – rica em vitamina C e A. A raiz tem ação diurética, indicada para problemas renais. É estimulante de apetite, digestiva, fortificante do organismo. Sálvia - tem ação antisséptica, para afta, inflamação de garganta e mau hálito. É cicatrizante, expectorante e digestiva. Manjericão - Ajuda a manter uma boa visão, antifebril e antimicrobiana. Indicada para aftas, estomatites, problemas respiratórios. Cebolinha - possui vitamina A e C, tem ação antioxidante, fortalece o sistema imunológico. Orégano – fortalece o sistema imunológico, estimula a digestão, é rico em fibras e contém antioxidantes, o que retarda o envelhecimento.

Para elaborar o sal temperado, na oficina, foi usada grande variedade de temperos, produzidos nas hortas caseiras das integrantes do grupo, como: salsa, sálvia, tomilho, manjericão, cúrcuma, rosmarinus, cebola, alho, hortelã, alecrim, orégano, manjerona e nirá (uma iguaria da culinária japonesa). As plantas podem variar de acordo com a preferência de cada um. Para as agricultoras e donas de casa que participaram da oficina, o sal temperado é uma forma prática de obter

Sal temperado

Ingredientes: 1 xícara (chá) de sal grosso; 1 xícara (chá) de orégano; 1 xícara (chá) de alecrim; 1 xícara (chá) de estragão. Modo de fazer: lavar bem as ervas e secá-las com um pano

Fotos Divulgação/CR

sal é capaz de realçar o sabor dos alimentos. Porém, o abuso do ingrediente traz problemas à saúde. Se consumido em excesso, o sódio, principal componente do sal de cozinha, pode elevar a pressão arterial, levar ao desenvolvimento de pedras nos rins, além de agravar a osteoporose. Segundo pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o sal de cozinha é responsável por 71,5% da ingestão de sódio pelo brasileiro. Para reduzir o consumo de sal e não ter uma comida “sem graça”, os nutricionistas sugerem investir nas ervas. Entra em cena o sal temperado! Nada mais é do que o sal misturado a ervas aromáticas e condimentos que realçam o sabor dos alimentos, diminuindo, automaticamente, a quantidade de sal usada no preparo dos pratos. Em Veranópolis, na Serra gaúcha, a extensionista social da Emater-RS/Ascar, Roseli Lazzarotti Bonesso, desenvolve o projeto Plantando Saúde com um grupo de mulheres de diversas comunidades rurais. Esse grupo, denominado Líderes Rurais, é assistido pela extensão rural individualmente e coletivamente em atividades

limpo. Depois, colocá-las junto com o sal no liquidificador ou no processador de alimentos e triturar tudo. Guardar a mistura em um recipiente fechado, preferencialmente na geladeira.

Com alho e cebola Ingredientes: 300 gramas de alho descascado na hora do preparo; 300 gramas de sal marinho (aproximadamente); ½ unidade de cebola; ¼ de maço pequeno de cebolinha; ¼ de maço pequeno de salsinha; 20 ml de azeite. Modo de fazer: picar a cebola grosseiramente e higienizar as

ervas. Colocar o azeite no liquidificador e acrescentar os outros ingredientes, menos o sal. Bater até formar um “suco”. Despejar em uma vasilha e acrescentar o sal, aos poucos, até formar uma pasta e não minar mais água. Colocar em pote esterilizado e tampado, mantendo na geladeira até 30 dias.

Com manjericão Ingredientes: 1 xícara (de chá) de sal grosso; 1 colher (de sopa) de alecrim; 2 colheres (de sopa) de tomilho; 2 colheres (de sopa) de manjericão; 2 colheres (de sopa) de orégano; 1 colher (de chá) de noz-moscada ra-

lada na hora. Modo de fazer: colocar todos os ingredientes no liquidificador e bater até que todos os ingredientes fiquem misturados e mais finos. Conservar em um recipiente com tampa.

Com louro Ingredientes: 1 quilo de sal fino; 1 cebola grande; 1 cabeça de alho; 1 maço pequeno de cheiro verde; orégano a gosto (se for fresco é melhor); 3 folhas de louro; folhas de manjericão fresco a gosto; 50 ml de azeite. Modo de fazer: bata no liquidificador a cebola, o alho descascado, o cheiro verde, o orégano, as folhas de louro, o manjericão e o azeite. Se estiver difícil de bater, colocar mais um pouco de óleo, mas só o suficiente para bater os ingredientes. Feita a pasta,

despejar o sal numa vasilha grande e misturar a pasta até que fique homogêneo. Guardar a mistura em vidros com tampa, preferencialmente na geladeira.


CORREIO RIOGRANDENSE • Caxias do Sul, 23 de novembro de 2016

#

CR Sabe -Tudo 16

felipe@jornalcr.com.br I www.correioriograndense.com.br

HISTÓRIA

Dinossauros gaúchos

Pesquisadores descobriram esqueletos de 320 milhões de anos

Fotos Luiz Munhoz/Ulbra/Div.CR

@

Precursores: Buriolestes schultzi e Ixalerpeton polesinensis são provas de que esses animais surgiram na América do Sul

Você sabia? • Jurássicos e terríveis: a palavra “dinossauro” foi inventada em 1842 pelo inglês Richard Owen, um estudioso de fósseis. Ele descobriu que algumas das maiores ossadas encontradas pertenciam a um grupo especial de animais sem nome. Então batizou-os de dinossauros, que significa “lagartos terríveis”. Pela sua grande estatura, estima-se que a velocidade de um desses animais tenha chegado aos 40 km/h.

Palavras Cruzadas PALAVRAS CRUZADAS DIRETAS

www.coquetel.com.br A luz dianteira dos automóveis A sandália muito baixa (pop.)

© Revistas COQUETEL

que se Conversar O indivíduo regenerou Consoantes Alegria que não se pode conter de "hiato"

Bife à (?): Ana é passado Carolina, na farinha cantora de rosca

Pequeno buquê de flores

Conjunto de mapas Combustível de ônibus

C R

(?) de fruta: antiácido

Animal que ainda mama Letra não usada antes de "P" e "B"

El. comp. de "policlínica" Eme

Sucesso do grupo Jota Quest Cá está!

I

A

Time alagoano (fut.) O "P" na sigla TPM

A saia muito curta Tempo de vida

Auxílio; socorro De boa saúde Terra; chão (?) metal: o dinheiro Produzir óvulos (Biol.)

Triste; inconsolável (pl.)

BANCO

Solução

F

sil, Chile, Colômbia, México e Peru, a pesquisa revelou que 85% dos usuários argentinos usam os dispositivos móveis para visitar as redes sociais com frequência. Na região, aplicativos de mensagens, vídeos e redes sociais são os mais populares entre os consumidores. WhatsApp, YouTube, Facebook, Messenger, Google Maps, Instagram e Twitter estão no topo da lista.

42

A

entre outras coisas, que usuários brasileiros, colombianos e chilenos passam o maior tempo conectados em seus smartphones por semana. Somente no Brasil, são mais de quatro horas diárias. O relatório foi baseado nos resultados de uma pesquisa online realizada pela “Internet Media Services” (IMS) com usuários de celulares e tablets com idades a partir dos 15 anos. Realizada na Argentina, Bra-

Animal abatido no matadouro

Ladeira (abrev.)

R E A B I L I T A D O

Que a universalização dos meios de comunicação e das ferramentas tecnológicas é uma consequência da globalização, todos sabem. No entanto, a necessidade de estar conectado à rede mundial de computadores revelou dado muito importante. Nove em cada dez latino-americanos conectados na internet usam smartphone. Divulgado recentemente, o “IMS Mobile in LatAm” aponta,

Informado; comunicado O sucessor do videocassete

# TECNOLOGIA

Nove a cada 10 latino-americanos conectados têm smartphones

Crustáceo de sopas (?) Vianna, atriz

Crença popular

A música que toca nas rádios (ingl.)

Os do quadrado têm tamanho idêntico Antônimo de "deslealdade"

O plano alternativo A família (fig.)

Direito do proprietário

R E S

Escavação: ossada pré-histórica

Nomes – O pesquisador da Ulbra observou que Buriolestes é uma homenagem ao sítio Buriol, onde foram feitas as escavações. Schultzi é uma reverência ao doutor Sérgio Leandro Schultzi, do Instituto de Geociências da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Já Ixalerpeton, que significa lagarto, foi escolhido porque o fóssil era de um animal de pequena estatura, provavelmente um saltador bastante ágil. Polesinensis faz referência à cidade de São João do Polêsine. O trabalho de escavação, coleta, restauro e pesquisa foi realizado num conjunto com cientistas de diversas universidades do Brasil e do exterior. Além das universidades e institutos federais, Ulbra, USP, Unilasalle, instituições alemãs e inglesas também participaram do estudo.

Desenho cômico O astro do verão

A L H E T C A T U R R F S P O L A M O R A L S I R C S A P R E A N I D V S A D I S J S O V U L A L I D A D O L A D O

Características – Cabreira analisa que o Buriolestes schultzi traz evidências que os dinossauros ancestrais seriam pequenos, carnívoros e com estrutura óssea de um bípede. Ele teria uma estatura média de 1,5m e pesaria algo em torno de 7kg. O professor da USP complementa a informação de que a espécie seria da família Sauropodomorpha, que inclui os quadrúpedes herbívoros e gigantescos. Acredita, portanto, que os descendentes foram muito diferentes que os seus precursores. Já o Ixalerpeton polesinensis seria um animal pequeno, comparado a uma ave pelo pes-

quisador. “Teria mais ou menos uns 40 centímetros de comprimento, por causa da calda, e uns 15 centímetros de altura. Seria muito leve e pesaria umas 150 gramas”, explica Cabreira. Max Langer analisa que o achado gaúcho seria um dos mais completos da família Lagerpetidae. “Esse aí tem os primeiros registros de crânio, as primeiras evidências da coluna vertebral, cervical e do tronco”, explica.

F R A M C A R I S O L A T L A E N D I E SE C R I A I S M N I H I T L A D O A F I D E D E S

da USP, acredita que os fósseis de São João do Polêsine seriam a comprovação de que os dinossauros teriam se originado na América do Sul. “A América do Sul e a África estavam unidas e a partir do que tem hoje a América do Sul, a gente teve a dispersão dos dinossauros”, afirma.

3/dvd — hit. 5/ajuda — falar. 7/euforia. 10/fidelidade.

U

m grupo de pesquisadores de diversas instituições do Brasil e do exterior apresentou, na quinta 10, dois novos fósseis pré-históricos. Considerados precursores dos dinossauros, os esqueletos ganharam o nome de Buriolestes schultzi e Ixalerpeton polesinensis. Eles haviam sido encontrados durante uma expedição entre 2009 e 2010, no sítio de Buriol, em São João do Polêsine, região central do RS. Anunciada simultaneamente no campus da Universidade Luterana do Brasil (Ulbra), em Canoas (RS) e na Universidade de São Paulo (USP), a novidade foi publicada pela revista norteamericana Current Biology. De acordo com o pesquisador da Ulbra, Sergio Furtado Cabreira, as duas espécies possuem mais de 320 milhões de anos. Com isso, pode-se ter informações consideradas fundamentais para o estudo e compreensão da evolução dos dinossauros. Ainda conforme Cabreira, esses achados dão uma nova tônica ao cenário da dispersão desses animais pré-históricos pelo mundo. Além disso, segundo ele, as descobertas trazem novas questões. “Como seria o ancestral de todos os dinossauros? Qual seria o padrão de evolução dos dinossauros?”, questiona o pesquisador. Max Langer, que é professor

Para vovó dormir No livro O estranho caso do sono perdido, a jornalista Míriam Leitão narra a aventura de uma menina e sua vovó no mundo dos sonhos. Na obra, a neta conta uma história para sua avó dormir. Disposta a ajudá-la, a menina faz um convite para que ela embarque numa viagem pelo mundo dos sonhos, lugar precioso da imaginação. Com ilustrações de Fran Junqueira, editado pela Rocco Pequenos Leitores, tem 36 páginas.


CORREIO RIOGRANDENSE • Caxias do Sul, 23 de novembro de 2016

CR Cultura 17

marcelino@jornalcr.com.br I www.correioriograndense.com.br

Vita, stòria e fròtole Nanetto, el piegoraro e la bionda Eduardo Grígolo

G

Jundiaí - SP

era una volta un piegoraro che pascolava la so mandra de piégore. Quel mistiero lo fea tuti i di, de doménega a doménega, sensa riposo. No gera un laoro schiavo, come se podea pensar, perché le gera tute sue quele bèstie. El pastor de piégore se si ciamava Nanetto. I so genitori lo vea batedà con quel nome per causa de Nanetto Pipetta e anca i volea omaiar tuti i frati capucini, ntele persone dei “Trè Moschetieri” - Achile Bernardi, el frate Paulino de Cassia, Rovìlio Costa e Arlindo Battistel. Quel omàio gera giusto perché ze sta lori che i ga fato per meritarlo, mantegnendo el talian vivo e presente in medo le faméie taliane migrante e so dissendensa per diverse generassion, ntel Rio Grande e Santa Catarina, i due stati che ga ciapà pi migranti taliani vegnudi dal Véneto. Nanetto, el piegoraro e sensa pipa, ze bon dirlo, gavea due sorte de aiuto. El inseparàbile can Beleche e un baston de due metri, come segnal d’autorità. El gavea pena scominsià so di de lavoro, le piégore magnea de gusto, gera bonoreta e la erba ancora fresca. Anca Beleche ndea avanti e indrio, insù e inzó, sempre legro e disposto. Nanetto no gera molto distante dea strada e sùbito se ferma un auto e bip bip, na dona ciama Nanetto. - Bongiorno, signorina! Me ciamo Nanetto, molto piacere, cosa vutu? - Bongiorno, Nanetto! Mi son la Gasperina. Piacere cognósserlo. Me son fermà perché gò tanta curiosità di cognosser na mandra (grei). Sètu, la stòria de Gesù e i piegorari, ancora la ze fresca ntela mia suca. - Alora, te presento la me mandra di piégore, ghe dise Nanetto, fàndoghe segnal cole man indressà ale bèstie che pascolava, sensa tempo per vardarli. - Mi son bona in tuto quel che fao, ghe parla alsando insù el naso. Son capace de induvinar quante piégore ghenè in questo posto. Nanetto gera furbo come na volpe e no’l dea punto sensa gropo. Come Nanetto Pipetta, anca lu ghe piasea coionar i altri. Alora’l ghe dise: - Te dao na piégora, te pol scòierla, se te me disi quante piégore ghenè qua. Sensa pensar un menuto la ghe risponde: 627. - Setu che te ghè induvinà giusto? Ghe dise, incrédulo, el toso. Te pol scòier. Fassera e saltando come na cavoreta, la tosa s’infurna in medo la grei e la ciapa na piégora e la la impianta rento el auto. Ma vanti che la vae via, Nanetto ghe domanda: - Signorina Gasperina, se anca mi induvino el color dei tui cavei, me darè de ritorno el mio can?

Par rider un pochetin

Miràcolo: Due òmeni se cata. – Piero, go catà un dotor che fà miràcoli de bon! Sol con trè quatro parole el ga curà completamente la me dona! – Ma cossa gaveela? – Crise nervose violente. – E cossa galo dito sto dotor? – Che questo zera segnal de veciessa!

El ritorno de Nanetto Pipetta (894)

Ilustração Derli Dutra, São José do Ouro (RS)

De un segnà de Dio, trè passi indrio

Z

o a Santa Tereza, Nanetto gavea un visino che piantava tanto mìlio cola piantadera e, dopo, al tempo dela racolta, el gavea la colietadera par torlo su. Ai giorni de oncó ghe ze màchine che fa squasi tuto in colònia. Cosi, no ocor far tute quele vite de na volta. Quanta gente sbarossada su de tanto coparse de laorar. E credo che se no ghe fusse ste comodità dei di de oncó, ghe saria pochi drio laorar in colònia. Ma, come zera drio contarve, sto visino ga tolto su el mìlio nte na bela vàrsia. La màchina la assa sempre cascar grani par tera e, alora, giorni dopo taca vegner i colombi. Bandi de carisò le vegneva chissà de ndove par catar su i gran. A Nanetto ghe ga dato na bruta spissa de coparghen raquante par dopo méterle a tòcio, ma quel òstrega del paron no assava nissuni cassar. Nanetto ga proà domandarghe, ma’l paron, puntilioso, ghe ga dito nò. Nanetto no gaveva gnente contra quel omo, con chi’l se dava ben, ma’l gavea un pochetin de timor perché el zera soto de na gamba e el se ricordava sempre che so pare, in Venèssia, ghe contava un ditado: ‘De un segnà de Dio, starghe trè passi indrio! De un soto, oto!”. Nanetto se ga tegnesto na setimana, ma veder tuto quel zolamento e el di intiero sentir “cuuuucu, cuuuucu” ze stà massa provocassion. Na matina de subischero el ciapa la s-ciopa e,

gnanca fato caso e, pensando che quel piegoron ghe fava gnente, le ga continoà sbecolar su mìlio passìfiche. Raquante ga mai savesto de che banda ze vegnesta la morte. Fin quatro con un tiro. El zera la che se la godeva quando’l vede, a diese metri de lu, un multon a scramussar cola testa in tera, cativo e desconfià de quela piégora tanto strània. I se varda fisso tuti due e el multon, catàndosse paron del piegorame, lo ga atacà de tuta corsa. El ghe ga molà de quele svéntole che Nanetto ghe ga tocà piantar là s-ciopa, colombi e tuto e tórsela vanti chel ghe spacasse na gamba. - E adesso, come fao par catar su quel che ze mio? El multon là chel ghe tendeva, rabioso, intanto Nanetto fea i servei scaldarse par catar na saìda. Ga metesto, ma la ze vegnesta. El va casa, ciapa un seston, ghe liga su el pelegro, ghe mete quatro gambete de legno, ghe fa na testa co na suca de col, lo mena ntela rossa e lo posta ben distante de ndove zera la s-ciopa e la bissaca dei colomboni. Ciò, quando el multon ga visto quela piégora ntei so dominii, el se mola a tuta carera par smultonarla. Intanto Nanetto ga tolto su quel che’l volea. - Perso un seston, ma la s-ciopa e i colombi i ze a salvo!

Marcelino Dezen Caxias do Sul - RS

de scondion, el va. Ma cari, quele colombe spavise no lo ga assà rivarghe a tiro tuta la matina. Nanetto zera deromai drio deventar mato. - Ga da esser un zeito de ndarghe a peto. El proa de na maniera, proa de quelaltra... e zero! Ma chi osserva, impara! El ga visto che el paron dela rossa gaveva molà piégore par magnar su pàia, erbe e anca gran de mìlio e i pomboni se spaurava mia de lore. La luce se ga fato ntela testa de Nanetto. El va casa, ciapa un pelegro bianco, se lo liga su ntela schena. Dopo el ciapa tochi de pano e li liga ntei brassi e ntele gambe, se mete su na màscara negra e, disfarsà de quela maniera, se mete a ndar de quatro, come na piégora. Ciò, le colombe ghe ga

# GEMELLAGGIO

# IMIGRAÇÃO Divulgação/CR

@

Bento Gonçalves: Zaia (4º a partir da esq.) reuniu-se com empresários e autoridades

Governador do Vêneto visita a Serra gaúcha Pela primeira vez em 141 anos, desde que chegaram os pioneiros italianos ao Rio Grande do Sul, um governador do Vêneto visitou a Serra gaúcha. Luca Zaia esteve no estado nos dias 15 e 16 de novembro, a convite do Comitato Vêneto. Na agenda, uma visita ao governador José Ivo Sartori, oportunidade em que

trataram da possibilidade de instalação de uma nova escola de enologia em Bento Gonçalves. Luca Zaia também esteve em Bento, no Vale dos Vinhedos, em Santa Tereza, onde inaugurou o quinto leão do projeto “Leoni nelle piazze”. Na Capital do Vinho, o governador descerrou uma placa

alusiva à sua passagem pela cidade. Ele esteve acompanhado pelo prefeito, Guilherme Pasin. Zaia emocionou-se com a região. “Realmente, este é um pedaço do Vêneto. Estou muito feliz com a receptividade e surpreso com este lugar”. Com a visita, a região deverá estreitar os laços com o Vêneto.

Galópolis busca pacto com Corbola O prefeito de Caxias do Sul, Alceu Barbosa Velho, recebeu na quarta 16 a comitiva que trata do gemellaggio (pacto de amizade) entre a cidade de Corbola, Itália, e Galópolis. Na ocasião, entregaram o documento oficial do prefeito da cidade, Michele Domeneghetti, que convida o chefe do executivo caxiense para a assinatura do acordo, em Corbola. No convite, Domeneghetti informa que a assinatura deve ocorrer em julho de 2017, com extensa programação para conhecer a cidade italiana e região. A comitiva também informou ao prefeito Alceu que deve iniciar um projeto de intercâmbio com escolas municipais e estaduais de Galópolis com escolas de Corbola. Participaram do encontro a presidente da Associação Piccola Itália de Caxias do Sul, Gabriela Dani, o vice, Leonardo Maltauro, além de Oliver Nava, Rosa Diligenti e Maria Patrício Pinto, membros da Associação dos Moradores de Galópolis.


CORREIO RIOGRANDENSE • Caxias do Sul, 23 de novembro de 2016

Olhar diferente

ALDO COLOMBO

U

CR Igreja 18

marcelino@jornalcr.com.br I www.correioriograndense.com.br

As surpresas de Deus

m santo monge, durante a oração, adormeceu. E sonhou que estava diante do céu e as portas se abriram, deixando-o entrar. Mesmo surpreso e cheio de encantamento, o monge deu-se conta de três surpresas. A primeira delas: muitas pessoas que, no seu entender, não estariam no paraíso, lá estavam. Uma segunda surpresa: pessoas que ele imaginava que estivessem no paraíso, efetivamente lá estavam, mas com menos glória e prestígio do que supusera. Por fim, a maior de todas as surpresas: ele também estava no céu. Uma das recomendações mais repetidas do Evangelho: não julgueis. Não julgar é um ato de sabedoria, pois quase nada sabemos dos outros. Mais: julgamos pelas aparências. Também julgamos a partir de nossos defeitos. Na parábola do trigo e do joio, Jesus nos mostra a possibilidade do engano. Trigo e joio são muito parecidos. A diferença só pode ser notada na colheita. Contrariamente ao que acontece na lavoura, a vida pode mudar. O trigo jamais poderá se tornar joio, o joio Deus não nos jamais se tornará trigo. ama na medida Mas as criaturas, redique merecemos, midas por Deus, podem a cada instante. mas nos ama mudar Podem mudar até o na medida que último instante. precisamos Nós somos salvos pela ação de Deus. O máximo que podemos apresentar a Ele é a nossa boa vontade. E Deus age em nós, também a partir de nossas falhas. Um velho ferreiro, que amava profundamente a Deus, foi atingido por uma doença. À semelhança da história de Jó, apareceu um amigo para observar: como você pode confiar tanto em Deus, que lhe manda tanto sofrimento? O ferreiro explicou: Quando quero fazer uma ferramenta, busco no depósito um pedaço de ferro. Ele passa pelo fogo, depois pela bigorna, se amolda e se torna um objeto útil. Se ele não se tornar um objeto útil, jogo-o na sucata das coisas inúteis. São Paulo afirma: Tudo contribui para o bem daqueles que amam a Deus (Rm 8,28). Mesmo pequeno, nosso amor encanta a Deus. E Ele tudo faz para nossa felicidade. Muitas vezes, ela brota do sofrimento. De resto, mais do que amar a Deus, devemos deixar que Ele nos ame. E Deus não nos ama na medida que merecemos, mas nos ama na medida que precisamos. Quanto mais longe imaginamos estar, mais perto estamos. É o pastor que busca a ovelha perdida e não sossega até encontrá-la. À semelhança do monge, São Paulo teve uma visão do céu. Depois explicou: Os olhos jamais viram, os ouvidos jamais escutaram, o coração jamais sentiu o que Deus prepara aos seus (1Cor 2,9). O céu pode ser definido como as “surpresas de Deus”, reservadas para nós.

# CATOLICISMO

Menos europeu e mais global Número de cristãos deverá continuar crescendo, apesar de prognósticos contrários

Q

uando Peter Seewald, biógrafo de Bento XVI, lhe perguntou sobre a descristianização da Europa, o hoje Papa emérito respondeu: “É tudo uma questão de repensar a presença, encontrar novas formas, trabalhar com talento”. Ou seja, em vez de seguir as vozes dos que prenunciam o fim das religiões até 2100 e de repetir a ladainha das igrejas vazias, fechadas e abandonadas, é muito mais útil entender que o problema é mesmo a fé, que está sedada e distraída. É dessa questão fundamental que se deve recomeçar, testemunhando Cristo de formas novas. Philip Jenkins, um dos maiores especialistas em história e ciência das religiões, afirmou recentemente no jornal The Catholic Herald (e reproduzido na Católicanet): “nada de fim, nada de extinção”. O problema, segundo Jenkins, está em pensar no catolicismo como algo europeu, ligado à teoria das antigas catedrais, aos ritos de um tempo que se foi, à catequese em doses maciças para crianças de 5, 6, 7 anos, toda manhã depois da missa e antes da escola. Na maioria das vezes, essas crianças são hoje os adultos que, desligados de deveres impostos, não colocam mais os pés na igreja nem levam seus filhos para dentro dela. O próprio Jenkins, no seu livro “A história perdida do cristianismo”, obser-

Pe. Adilson Zilio/Div/CR

@

África: continente registra maior crescimento cristão do planeta. Hoje, meio bilhão de africanos são cristãos vava que muitas religiões morrem, mas hoje ele reforça que esse prognóstico não se aplica à Igreja Católica. A maior instituição religiosa do planeta vem desfrutando de crescimento global. Em 1950, a população católica somava 347 milhões de pessoas. Em 1970, 640 milhões. Em 2014, 1,272 bilhão (17,77% da população global). Em 2050, conforme estimativas conservadoras, serão 1,6 bilhão. Para o especialista, o que vem ocorrendo é um catolicismo menos europeu e mais global. “Estamos habituados a pensar no cristianismo como uma fé tradicionalmente ambientada na Europa [...], mas essa religião se propaga em escala global. O número de cristãos está aumentando rapidamente na África, na Ásia e na América Latina. Uma fé associada princi-

palmente à Europa deve se adaptar a esse mundo mais vasto, redimensionando muitas de suas premissas”. Diante dessa observação, o próprio Jenkins se pergunta: Esse ‘novo’ cristianismo global permanecerá autêntico? E responde: “A interrogação é legítima, só que um tanto sem sentido, pois os grandes reservatórios do catolicismo estão hoje em países como o Brasil, México e Filipinas – aliás, neste último hou-

ve mais batismos em 2015 que na França, Espanha, Itália e Polônia juntas”. A Igreja na Europa está diante de um urgente desafio – renovar suas raízes cristãs cada vez menos percebidas. O Papa Francisco propõe a forma: “Identificando caminhos novos, métodos criativos e uma linguagem capaz de fazer que o anúncio de Jesus Cristo, em toda a sua beleza, chegue ao europeu contemporâneo”.

Entre os continentes, a África é a que abraça cada vez mais o cristianismo. Em 1900, eram cerca de 10 milhões de cristãos (não apenas católicos). Hoje, chegam a meio bilhão, 200 milhões dos quais católicos. E eles vão duplicar nos próximos 25 anos. A África terá mais católicos em 2040, diz

Jenkins, do que havia no mundo inteiro em 1950; e em 2030 terão superado os europeus. Em apenas uma geração. Nigéria, Uganda, Tanzânia e Congo estarão entre os 10 países mais católicos do planeta e isso que o catolicismo lançou raízes nesses lugares há apenas um século.

Em expansão nas terras africanas

Indagações da fé

BRUNO e MÁRIO GLAAB

E-mail: freiglaab@gmail.com

Como Jesus é descendente de Davi se José era apenas pai adotivo? Vitório Bohn, Lajeado - RS

Na Bíblia, nem sempre a descendência era diretamente carnal. Veja em Lv 25,5ss e Gn 38,8. Lá se diz que se um homem morrer sem deixar filhos, o irmão do falecido se case com a viúva para perpetuar o nome do falecido. Portanto o descendente do falecido não seria diretamente descendente sanguíneo, mas seria seu descendente. Falando de Jesus, mais do que dizer descendente direto, sanguíneo, quer dizer que ele era da tribo de Judá e está na

linhagem de Davi, pois em 2Sm 7 Deus fez uma promessa ao rei de Israel que sempre haveria um descendente dele para governar Israel. Em 596 ou 589 a.C. o último rei viu seus filhos serem assassinados e depois teve seus olhos vazados e foi levado para a Babilônia como prisioneiro (2Rs 24 e 25). Desde então, Israel não tem mais rei. Mas a esperança messiânica, embasada em 2Sm 7 sempre aguardava que viesse um descendente de Davi para se tornar rei

em Israel e cumprir o que 2Sm 7 prometera. Os evangelistas, principalmente Mateus, (Mt 1,1-17) veem em Jesus o cumprimento desta promessa. Logo, Jesus, que é da tribo de Judá, cujo pai adotivo é descendente de Davi, realiza esta promessa, mas não no sentido como eles pensavam. Ele é o messias, mas não o rei político que eles queriam. Em Jesus se cumpriu toda a Escritura. (Por frei Bruno Glaab)


CORREIO RIOGRANDENSE • Caxias do Sul, 23 de novembro de 2016

CR Igreja 19 # APARECIDA

Nomeado novo arcebispo da arquidiocese Ass. Impr. CNBB/Div/CR

O

Papa Francisco aceitou, na quinta-feira 16 de novembro, a renúncia do cardeal arcebispo de Aparecida, dom Raymundo Damasceno Assis. Para substituí-lo, nomeou como novo arcebispo dom Orlando Brandes, transferindo-o da arquidiocese de Londrina (PR). Dom Damasceno havia encaminhado pedido de renúncia em fevereiro de 2012, quando completou 75 anos, conforme prevê o Direito Canônico. Dom Orlando Brandes tem 70 anos e nasceu em Urubici (SC). Ordenado sacerdote em 1974, estudou Teologia na Pontifícia Universidade Gregoriana, em Roma, onde também se especializou em Teologia Moral, na Academia Alfonsiana. Nomeado como terceiro bispo da diocese de Joinville em 1994, por João Paulo II, foi transferido por Bento XVI para Londrina em 2006. Em entrevista à Rádio Aparecida, dom Orlando disse, a respeito de sua transferência para Aparecida, que acolhe com humildade e alegria a nova missão que lhe foi confiada. “Meu primeiro objetivo é conhecer o rosto da arquidiocese de Aparecida”, salientou o novo arcebispo. A posse foi marcada para o dia 21 de janeiro de 2017 e, até lá, dom Damasceno ficará na arquidiocese como administrador apostólico.

No coração da vida

Dom Orlando: transferido de Londrina para a arquidiocese da padroeira do Brasil

Santuário passa a ser também catedral O santuário de Aparecida, que em outubro abriu oficialmente as celebrações dos 300 anos do encontro da imagem de Nossa Senhora Aparecida nas águas do rio Paraíba do Sul em 1717, desde o dia 12 de novembro é também a catedral da arquidiocese de Aparecida. Apesar da importância religiosa de Aparecida, a sede da arquidiocese não estava na cidade que abriga o santuário

nacional e que acolhe, a cada ano, cerca de 12 milhões de peregrinos, mas em Guaratinguetá, terra de Santo Antônio de Santana Galvão. Com a autorização da transferência, decretada pelo Papa Francisco, a igreja Santo Antônio deixa de ser a catedral da arquidiocese. O decreto foi promulgado durante celebração eucarística realizada no santuário de Aparecida no dia 12 de novembro.

Morre capuchinho que foi provincial em duas províncias

anos em Roma, Itália. Além de ministro provincial, exerceu outros importantes cargos, como mestre de noviços, professor, diretor presidente da TV e Rádio Difusora de Porto Alegre, membro do conselho

superior da CRB Nacional, presidente da Cefepal em Petrópolis (RJ) e diretor do Instituto de Teologia do Oeste (Iteo) em Campo Grande. Desde 2005 integrava a fraternidade Nossa Senhora de Fátima, em Brasília. De espírito desbravador, assumindo com convicção todas as inúmeras funções que recebeu ao longo de sua caminhada, frei Jaime foi um apaixonado pela área da educação e formação humana. Cordial e fraterno, em todos os lugares onde viveu e trabalhou construiu relações fortes e saudáveis. Foi um frade de profunda capacidade de diálogo, reflexão e diplomacia. Depois de missa de corpo presente, presidida pelo provincial, frei Cláudio Fumegalli, foi sepultado no jazigo dos capuchinhos, no cemitério Campo da Esperança, em Brasília.

# CAXIAS DO SUL

# SCHOENSTATT

# CRICIÚMA

Prov. Brasil Central/Div/CR

Faleceu no dia 10 de novembro, no Hospital Alvorada, em Brasília, o sacerdote capuchinho frei Jaime Biazus. Ele contava com 94 anos de idade, completados no dia 24 de outubro, 75 anos de vida religiosa capuchinha e 70 de sacerdócio. Frei Jaime teve como causa mortis choque bipovolêmico, fratura de fêmur, ocorrida no dia 8, osteoporose e mieloma múltiplo. Natural de Flores da Cunha, filho de João e Lúcia Maria Muraro Biazus, frei Jaime foi provincial dos capuchinhos em duas províncias diferentes – na do Rio Grande do Sul (1969-1972), e na província Nossa Senhora de Fátima do Brasil Central (1983-1987). Em sua biografia, fez questão de registrar que viveu e atuou em 15 diferentes cidades – sete no Rio Grande do Sul, sete na região do Brasil Central e dois

Nesta quinta-feira 24, a paróquia de Lourdes, de Caxias do Sul, promove o 4º Viver e não ter a vergonha de ser feliz! Trata-se de um bate-papo, com muita música, reflexões e presença do padre do santuário de Caravaggio, Volnei Vanazzi, do músico Ladir Brandalise, da professora Tere Mandelli, do tenor Giovanni Marquezeli e do professor e filósofo Pablo Carlotto. O evento, gratuito (sugere-se doação de alimentos não-perecíveis) e aberto a todos, marca o dia de ação de graças.

Encerra o ano, não a misericórdia

É

# BRASÍLIA

Viver e ser feliz

LUIZ TURRA

Jaime Biazus: espírito desbravador

Instituto tem nova direção no Brasil

No jubileu dos 50 anos de presença no Brasil, o Instituto Secular dos Padres de Schoenstatt passa a contar com nova direção no país. Padre José Fernando Bonini foi nomeado superior do Instituto. Integram a direção os padres Alexandre Awi Mello e Afonso Wosny Filho, como conselheiros. Padre Bonini trabalhou em várias atividades apostólicas e, atualmente, respondia pela formação de sacerdotes em Schoenstatt, na Alemanha.

Muticom na diocese De 25 a 27 de novembro a diocese de Criciúma (SC) acolhe o 3º Mutirão Regional de Comunicação (Muticom). Promovido pela Pastoral de Comunicação do Regional Sul 4 da CNBB, que engloba as 10 dioceses de Santa Catarina, o evento será acolhido pela paróquia São Donato, de Içara. Palestras, celebrações, plenária, mostra cultural, partilha de experiências e workshops com profissionais e especialistas na área de mídias sociais, comunicação e catequese fazem parte do encontro.

inegável que, em nossos dias, estamos vivendo um tempo de intensa dispersão. O mundo da comunicação não só dispõe de meios eficientes e favoráveis, como também de altos riscos de incontida curiosidade dispersiva. A busca insaciável de novidades e alternativas de respostas momentâneas facilmente seduz as pessoas ao esquecimento do fundamental que harmoniza a vida e a convivência humana. Quando o Papa Francisco acordou a humanidade para o Ano Santo da Misericórdia queria nos lembrar que essa é eterna. Nela está o recurso de renovação a partir de Deus para as raízes de nosso ser e de nossas relações. É o fundamental que ajusta o provisório e sustenta o novo em bases sólidas e verdadeiras. A misericórdia, oferecida pela gratuidade do amor, não está sendo apresentada, em nossos dias, como um tema a ser estudado, mas como uma medicina a ser acionada e oferecida à humanidade que se encontra doente. A misericórdia não é um atributo de Deus, mas é o nome do próprio Deus que mostra seu rosto em Jesus Cristo, através de seu ser, do seu agir e de suas palavras. A misericórdia é a condição fundamental do Evangelho e a chave de compreensão da vida cristã. Em nossa Igreja, divina, mas também tão humana, mobilizam-se campanhas para responder A misericórdia a necessidades urgentes emergentes; situam-se é a condição eproblemas generalizados; fundamental promovem-se anos do Evangelho temáticos e momentos fortes solidariedade. Tudo isso e a chave de de é importante e necessário, compreensão mas também acontece, com da vida cristã facilidade, que ao passar a campanha ou o período temático, deixa-se na sombra o que antes veio à luz. Não podemos nos permitir que, passado o Ano Santo, a misericórdia passe para a sombra do esquecimento. Aqui se trata da pergunta sobre o Deus misericordioso, o Deus “rico em misericórdia” (Ef 2,4), que nos consola a fim de que nós, pela nossa parte, nos consolemos uns aos outros” (2Cor 1,3s). N’Ele, o único capaz de construir um novo começo, encontramos a coragem cotidiana e sempre atual para esperar contra toda a esperança e a força para começar sempre de novo. A misericórdia divina é sempre capaz de pôr um limite ao mal que sempre ameaça a vida querida por Deus no mundo. Numa época em que muitos contemporâneos nossos se sentem desalentados, sem esperança e feridos por toda sorte de agressões, a mensagem da misericórdia deve ressoar sempre mais forte como mensagem de confiança, de esperança e de cura. Encerra o Ano Santo, como um acordar para um novo tempo, mas não podemos deixar cair no esquecimento a misericórdia, como dom divino e como tarefa de todos os cristãos. Por palavras e obras somos chamados a testemunhála. Assim, por meio de um raio da misericórdia, o nosso mundo, frequentemente escuro e frio, pode tornar-se mais quente, mais luminoso, mais digno de ser habitado e amado.


# JUBILEU

CR

Correio Riograndense

PARA USO DOS CORREIOS

Caxias do Sul 23 de novembro de 2016

■ MUDOU-SE ■ CEP ■ DESCONHECIDO ■ NÃO EXISTE Nº INDICADO ■ RECUSADO ■ FALECIDO ■ INFORMAÇÃO ESCRITA PELO ■ AUSENTE PORTEIRO OU ■ NÃO PROCURADO SÍNDICO ■ END. INSUFICIENTE

comercial@jornalcr.com.br I publicidade@jornalcr.com.br I facebook.com/jornalcr

Papa encerra Ano Santo

REINTEGRADO AO SERVIÇO POSTAL EM ___/___/___

___/___/___

_________________ RESPONSÁVEL

“Muito elogio é como botar água demais na flor. Ela apodrece”

Divulgação/CR

Tiziana Fabi/AFP/Correio Riograndense

Solenidade de Cristo Rei marcou o fim do Jubileu Extraordinário da Misericórdia Palavras

CLARICE LISPECTOR (1920-1977), escritora brasileira

“A terra natal, mesmo que seja uma aldeia, é sempre o paraíso do mundo” MACHADO DE ASSIS (1839-1908), escritor e poeta carioca

“Tenho me arrependido muitas vezes de ter falado, nunca de ter me calado” PHILIPPE DE COMMYNES (1477-1511), escritor francês

“Ler é o único meio de viver várias vezes” Vaticano: na manhã de domingo 20, Francisco fechou a Porta Santa da basílica de São Pedro, em Roma. Ela será aberta novamente em 2025. Página 6

SANTO TOMÁS DE AQUINO (1224-1274), teólogo italiano

Igreja no Mundo

Rapto de albinos Uma das preocupações de irmã Marinês Biasibetti é o sequestro de pessoas portadoras de albinismo. Elas são raptadas porque existe uma crença, em vários países africanos, que essas pessoas são portadoras de benefícios, possuem poderes mágicos e não morrem (mas desaparecem). Os cabelos e a pele dos portadores de albinismo são usados como amuleto, para medicamentos dentro da medicina tradicional. “Essas pessoas não podem estudar, os adultos não podem trabalhar, justamente por medo - não somente em vida, mas depois que morrem seus túmulos são profanados”, relata a religiosa.

Papa Francisco renuncia à residência de verão Dois anos depois de abrir cal para suas férias. Agora, os aos turistas os jardins de Cas- visitantes poderão conhecer o tel Gandolfo, residência de interior desse remanso de paz, verão dos sucessores de Pe- adquirido pela Santa Sé em dro, o Papa Francisco decidiu 1596 como pagamento de uma abrir também para o público os dívida familiar dos Gandolfo apartamentos privados do pa- -Savelli. Em 1626, a proprielácio histórico, renunciando de dade tornou-se residência de forma definitiva ao uso do lo- verão dos pontífices. Divulgação/CR

Tráfico humano Reforçar a cooperação internacional no combate ao tráfico de pessoas foi o pedido do Papa Francisco ao receber em audiência, no Vaticano, os membros do chamado “Grupo Santa Marta”. O pedido do Pontífice está em sintonia com o trabalho que a religiosa scalabriniana gaúcha Marinês Biasibetti realiza em Moçambique, em parceria com ao Conferência Episcopal daquele país. Em entrevista à Rádio Vaticano, a religiosa destaca que mulheres, crianças e jovens são as principais vítimas do tráfico humano.

Castel Gandolfo: decisão põe fim a uma tradição de 420 anos Castel Gandolfo, villa italiana repleta de história A propriedade compreende vatório Vaticano. Durante a 2ª cinco hectares, repletos de arte, Guerra Mundial, graças a Pio história e natureza exuberan- XII o local serviu de esconderijo te. Com vista para o lago Alba- para mais de 3.000 judeus perseno, nas proximidades de Roma, guidos pelo nazismo. Desde seCastel Gandolfo abrange a villa tembro de 2015, turistas e pereBarberini e também a antiga villa grinos são levados da Cidade do do cruel imperador Domiciano, Vaticano a Castel Gandolfo por além do telescópio do Obser- um pequeno trem.

Da Olimpíada ao altar Em maio passado, o espanhol Carlos Ballbé foi ordenado sacerdote. Mas antes de chegar à paróquia de Santa Maria de Mataró, em Barcelona, Carlos integrou times de hóquei sobre a grama da primeira divisão no seu país e na Bélgica e, convocado pela seleção espanhola, mesmo já estando no seminário, defendeu o país na Olimpíada de Londres, em 2012.

Moldar o caráter “Se todo mundo trabalhasse a alma como Cristiano Ronaldo trabalha o corpo, seríamos muito melhores”, disse padre Carlos Ballbé. Atleta de elite, afirma que a educação em valores que o esporte oferece também ajuda a dominar e moldar o caráter das pessoas. Por isso, entre seus projetos sociais está formar uma escola de futebol para crianças carentes de sua paróquia.

Ordenações no Iraque Entre os sete sacerdotes que foram ordenados no final de setembro, no Iraque, está o jovem Martin Baani, 26 anos, que em agosto de 2014 arriscou a própria vida para salvar o Santíssimo da igreja de seu povoado e evitar que as milícias do Estado Islâmico (EI) o profanassem. As ordenações aconteceram em Erbil, no Curdistão iraquiano

Reconstrução No dia 6 de agosto de 2014, Martin Baani tornou-se um deslocado, depois que o EI atacou seu povoado, Karamlesh. A família de Baani emigrou para os EUA, mas Martin decidiu ficar com os jovens refugiados iraquianos para recuperar e reconstruir suas comunidades cristãs. “Não quero que nossa história (cristã) desapareça”, disse Baani.

À beira da destruição “Os cristãos poderão desaparecer do Oriente Médio”. O grito de alerta foi lançado na ONU pelo arcebispo Bernardito Auza, observador permanente da Santa Sé nas Nações Unidas. “Os cristãos e membros de outras minorias étnicas e religiosas no Oriente Médio estão à beira da destruição total. É preciso parar a violência em nome de Deus”, lamenta dom Bernardito.

Desprezo dos direitos Dom Auza fala, que enquanto as nações ricas e organizações discutem soluções, igreja, mosteiros e objetos de culto foram ou estão sendo reduzidos a pó e escombros. “Numa certa época houve integração entre judaísmo, cristianismo e islamismo. Hoje assiste-se a um total desprezo do direto humanitário internacional, que alcança níveis alarmantes de desumanidade”.

Cr2311