Issuu on Google+

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul R$ 3,10 - ANO XIII nº 573 25/08 a 31/08 de 2013

www.copopular.com.br

Entrevista da Semana

editorial

O povo cobra

Desembargador Juvenal Pereira da Silva, presidente do TRE-MT - “Como cidadão não sou favorável ao voto obrigatório”. Pág. 3

mais na página 2

SOB SUSPEITA

Strada Construtora tem contrato milionário em MT E

mpreiteira responde por operacionalização de patrulhas rodoviárias, mas não teria em seus quadros pessoal suficiente à prestação dos serviços para os quais outra grande empresa também foi contratada pelo governo; descontrolado ao telefone, empresário nega explicações e ofende jornalista. Um contrato previsto para pagamento máximo de R$ 12,79 milhões e que pode chegar à soma de quase R$ 50 milhões, graças aos famigerados “termos aditivos”, pode causar muita dor de cabeça ao governador Silval Barbosa. Trata-se do instrumento contratual nº 032/2011/00/00 – SETPU, firmado aos 17 de maio de 2011 entre a Secretaria de Estado de

mais na página b1

Foco Empresarial Mergulho Figth

Mulheres no tatame Empreendedores lançam espaço para artes marciais

mais na página b2

Transportes e Pavimentação Urbana e uma tal SM Construtora Ltda – que atualmente é denominada Strada Construtora e Incorporadora Ltda – para a prestação de “serviços de mão de obra para operacionalização das equipes que compõem as patrulhas rodoviárias envolvidas na manutenção e conservação da malha rodoviária estadual”. Em menos de dois anos, a empresa já recebeu aproximadamente R$ 30 milhões em pagamentos relativos a esse contrato. Algumas das ordens bancárias são muito estranhas – com vários depósitos milionários no mesmo dia. É o caso das três liquidações, todas emitidas no dia 02 de julho de 2013, cada uma delas no valor de R$ 1,218 milhão.

Precariedade

PS de Várzea Grande a beira de um colapso A precariedade no Pronto Socorro de Várzea Grande parece não ter fim. Pacientes e médicos denunciam a falta de medicamentos básicos, superlotação, falta de leitos e estrutura para atender a demanda. Pacientes formam filas e as reclamações são de todos os tipos, principalmente devido à demora nos atendimentos. Muitos doentes que deveriam receber atendimento em uma cama, rePor Fernando Ordakowski

ceber a aplicação intravenosa de um simples soro, se encontram sentadas em cadeiras impróprias nos corredores por falta de leitos disponíveis. Em todos os corredores internos que dão acesso aos diversos setores do Pronto Socorro como sala de curativos, raio-X, pediatria, clínica médica, cirurgia, ortopedia entre outras especialidades estão lotados de pacientes, a espera de atendimento.

mais na página 5

Denúncia

Mendes diz que só fala na Justiça sobre o caso “laranjas” mais na página 6

Livre nomeação

Transparência zero na prefeitura de Várzea Grande Ao questionar a assessoria da administração municipal que as informações referentes ao quadro de comissionados - cujas vagas dispensam concurso público e costumam ser preenchidas por indicação política - não estavam no Portal da Transparência, a reportagem do Centro-Oeste Popular foi comunicada que “só com autorização para passar este tipo de informação” e que “não somos do RH para saber esta informação”. Já a assessoria da prefeitura de Cuiabá alega que desde o ano passado o número de CCs continua o mesmo.

mais na página 7


2 Opinião - MT Editorial O povo cobra Os investimentos públicos cresceram, a desigualdade social caiu e o país avançou nas últimas décadas, mas três áreas fundamentais continuam no topo das reclamações dos brasileiros. De acordo com uma pesquisa divulgada pelo Ibope após as manifestações de junho, saúde, segurança e educação são os setores que recebem mais queixas da população, e especialistas veem com ceticismo a perspectiva de mudanças em curto prazo. No âmbito federal, o pacote envolve aportes milionários. Um dos setores com maior injeção é a saúde. Segundo a União, o investimento triplicou em 10 anos. As verbas são destinadas principalmente à atenção básica. A julgar pelos números, dinheiro não parece ser o único problema. Se em saúde os investimentos federais deram um salto, em educação as cifras duplicaram. Mesmo assim, não há garantia de êxito. Um dos exemplos disso está no

Fundo de Manutenção e desenvolvimento da Educação Básica - Fundeb. Conforme a CGU, sete em cada 10 municípios fazem mau uso das verbas repassadas pelo fundo. O programa federal Requalifica UBS tem o objetivo de financiar a reforma, ampliação e construção de unidades básicas de saúde (UBS). De 2011 a 2013 houve uma ampliação de 24% no Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) pelo país, que conta com 2,6 mil ambulâncias básicas e avançadas e uma cobertura populacional de 69,8%. Já o programa Mais Médicos foi criado para ampliar a presença de médicos em regiões carentes do país, no Interior e nas periferias das grandes cidades. Na educação temos o Pacto pela alfabetização, compromisso assumido pelo governo federal, Estados e municípios para assegurar que as crianças estejam alfabetizadas até os oito anos, ao final do 3º ano do Ensino Fun-

Divulgação

está acostumado com o cantinho da vovó. Muitas vezes, é a aposentadoria deles a única fonte garantida de renda. E eles acabam bancando o convênio médico ou a escola dos netos. Talvez essa ajuda seja algo prejudicial, pois na maioria dos casos o comprometimento com os gastos extras tem provocado desequilíbrio no orçamento doméstico. É necessário que haja o planejamento familiar, cujas famílias precisam levar em consideração a qualidade de vida que podem oferecer a essas crianças. Esse novo papel ganha força com o início do século 21, em que os idosos passaram a ter uma participação mais ativa na educação e no sustento dos netos. De fato, a situação econômica exige que as mulheres deixem o contexto familiar e trabalhem. Por isso, os avós passam a cuidar dos netos durante um período do dia ou integralmente. Os dados do IBGE mostra que, enquanto em 1991 cerca de 2,5 milhões de netos eram sustentados pelos avós, em 2000 este valor subiu para 4,2 milhões. Segundo a pesquisa, para os próximos anos, ele tende a aumentar ainda mais. O aumento da expectativa de vida está favorecendo a relação entre avós e netos. Eles acompanham as crianças até a fase adulta. Neste caso, todo cuidado é pouco para que os avós não assumam de uma vez por todas o papel dos pais. Aliás, envelhecer é o grande dom da vida. Se não envelhecermos não saberemos a delicia que é ter netos, bisnetos e, se a vida for muito gentil conosco, tataranetos.

Aumento da expectativa de vida está favorecendo a relação entre avós e netos

expediente

é propriedade da

Diretor Antônio Carlos Oliveira Diretoria Comercial Max Feitosa Milas Editoria e Reportagem-MT Beatriz Girardi - DRT - 1187-MT Editor e Reportagem - MS Jota Menon Reportagens Beatriz Girardi, Ana Sampaio, Regina Botelho, Juliana Radel, Jota Menon redacao@copopular.com.br Editor de Arte / Diagramação Mário Pulcherio Filho Diagramação / Projetos Leonardo Arruda - 65 9233-9018 Charge Fernando Ordakowski Circulação Brasília, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul

www.copopular.com.br

Artigos

Verdade Divulgação

damental. Todos os Estados e 5.421 cidades aderiram, com 299,2 mil professores alfabetizadores cadastrados. Na ampliação do número de creches, o governo federal está oferecendo recursos para que os municípios ampliem a oferta de creches. Desde 2010, foram concluídos 1.088 novos estabelecimentos do tipo. Outros 2,5 mil estão em obras e 1,9 mil em fase preparatória, totalizando 5,5 mil unidades. A intenção é financiar mais 3 mil creches até o fim de 2014. E, ainda o Programa Mais Educação que tem por objetivo ampliar a jornada escolar para sete horas (quatro no turno regular e três no contraturno), sendo metade delas nas disciplinas básicas e o restante em esportes, artes e outras atividades. Desde 2012, 81 mil escolas foram beneficiadas. A meta para 2014 é atingir mais 60 mil colégios. Um conjunto de ações essencial e necessária. O governo está investindo. Estamos no rumo certo.

Os avós de cada dia Aquele avô e avó quietinhos, sentados na varanda vendo o tempo passar está se tornando cada vez mais raro. Esses personagens não estão mais tão presentes na sociedade atual. Com a rotina Emanuel Pinheiro da vida moderna é deputado estadual em grande parte das faMato Grosso, pelo Partido da República (PR) mílias, que passam a maior parte do dia fora com obrigações entre trabalho e estudo, surgem os avós que estão cada vez mais atuantes no dia-a-dia dos netos. Segundo pesquisa recente do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), os avós têm se dedicado cada vez mais nos cuidados do neto principalmente das mães adolescentes. A pesquisa revela ainda que os índices da gravidez na adolescência no Brasil têm parecido com os da Bolívia, Paraguai, Colômbia, enfim, uma realidade muito triste. Parece assustador, mas a cada vinte minutos uma menina de 14 anos se torna mãe no Brasil. São vários os motivos que levam os velhinhos, que atualmente não são tão velhos assim, a se tornarem referência para os netos. Como muitas mulheres têm filhos muito jovens, a criança acaba morando com a avó desde bebê, e quando a mãe se casa o filho não quer acompanhá-la, pois já

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 573 25/08 a 31/08 de 2013

Sedes Avenida Miguel Sultil, nº 4.353 - Areão Cuiabá - Mato Grosso - CEP: 78.010-500 Fone (65) 3623-4300/e-mail: adm@copopular.com.br

Endereço Brasília CLSW - 301 - Bloco A - Edifício Spaço Vip Sala 136 - Setor Sudoeste Fones: (61) 3028-1388/3028-1488

Escrtório Campo Grande Rua Joaquim Murtinho, nº 184 - Centro Campo Grande - Mato Grosso do Sul CEP: 79.002-100 Fone (67) 3029-4214 e-mail: admms@copopular.com.br Assinaturas: (65) 3046-0400 (67) 3029-4214 Acesse: www.copopular.com.br

Os artigos de opinião assinados por colaboradores e/ou articulistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores. Não representam assim a opinião do jornal.

A verdade, sem meias-palavras ou nua e crua, Como mulher, cosespecialmente quando dita sob forte emoção, seja por tumo dizer que há moquestões do campo profissional, familiar ou da amiza- mentos em que até gosde, não faz bem e jamais será bem recebida. Quando taria de ser aquela que não gera conflitos ou até tragédias. espera pelo provedor, Levar a vida dizendo sempre a verdade, 100%, talvez pudesse ser mais é uma tarefa pesada, cansativa e sem-graça, entendo. tranquilo e cômodo. Viver assim, dizendo o que pensa a todo custo, doa a Todavia, é parte da quem doer, é impossível. minha personalidade, fePensando bem, até o nosso DNA é 99,99%. lizmente, ser forte, tomar Lembro minha adolescência e parte da fase decisões e ser indepenAlecy Alves adulta, até a chegada dos filhos, tentando viver com dente. é repórter do jornal Diário “minhas verdades” autoritárias, com dificuldade para Outro dia, li uma de Cuiabá entender ou aceitar a verdade do outro. Quanto sofri- frase que me provocou mento e prejuízos! riso: “Mulher escorpiana Felizmente, a maturidade nos torna, silenciosa- não se ama, se enfrenta”. mente, pessoas melhores, mais flexíveis, pacientes e Como escorpiana, não acredito que chegamos agradáveis com quase tudo à a tanto. Sei que não sou nada nossa volta. fácil na convivência cotidiana, A verdade parece bromas entendo que quando somos L e v a r a conscientes dos nossos próprios tar de maneira mansa e leve mesmo quando somos críticos podemos melhorar mais vida dizendo defeitos e expressamos nossas indigcomo pessoa. nações, esses sentimentos sempre a verdade, O que nos faz humanos e torinerentes ao ser humano que, 100%, é uma tarefa na a vida menos complexa, mais acredito, jamais podem ser agradável, é o respeito à igualdade pesada esquecidos. de direitos e a capacidade de aceiNo meu caso, gostaria tar e conviver com as diferentes que essa leveza fosse maior e de pensamento, credo, orientação permanente. Entretanto, mesmo com o amadureci- sexual e tantas outras. mento contínuo e as mutações naturais de conceitos Como pregou o cantor e compositor Gonzaguie pensamentos, ainda expresso traços dessa minha nha: viver é não ter a vergonha de ser feliz, cantar e verdade adolescente “nua e crua”. cantar a beleza de ser um eterno aprendiz...

Cuidado com o inimigo interno Divulgação

Claro que os inimigos externos devem ser combatidos. Mas nada mais corrosivo do que o inimigo interno, ele tem muitos disfarces, monta armadilhas iniludíveis. Pessoas e empresas vítimas do inimigo interno tomam decisões contra si mesmas, solapando suas próprias bases de apoio. Um deles é a miopia do pânico. Trata-se de um processo que interrompe a visão de longo prazo pelo medo de situações anunciadas. Geralmente, os planos estratégicos são traçados dentro de cenários otimistas. E dificilmente as estratégias contam com a unanimidade dos envolvidos, sempre há catastrofistas, aqueles burocratas que acreditam que tudo deve ser previsto, garantido com antecedência. No momento em que as primeiras nuvens se delineiam, são esses que surgem, bradando felizes o seu “eu não disse”? Se a empresa teve a sabedoria de mantê-los longe do poder, ela analisa os riscos e as oportunidades, faz as correções e continua seu rumo de longo prazo. Caso contrário, acontece o que estamos vendo em muitas organizações: aos primeiros sinais de redução do crescimento da economia do País, essas vítimas do inimigo interno simplesmente engavetam a visão que as orientava e comportam-se como se todas as bússolas estivessem desnorteadas. São as que, mesmo sem estar sofrendo os efeitos da crise, já estão mandando dinheiro para o exterior, acumulando dólares como se fossem garantia, esquecendo os planos de investimento, descartando-se dos colaboradores, aqueles mesmos seres humanos em quem depositavam todas as esperanças, o treinamento. Porque, para o inimigo, o que vale é as toneladas produzidas, o número de produtos, o resto, dizem, é resto. Mas, se há algo que as organizações

aprenderam durante os últimos vinte anos, é que nenhuma empresa é uma ilha e o que é material tem menos importância do que é imaterial. Não adianta produzir milhões de toneladas de produtos se eles não refletiam a essência da empresa e não agregam valor para o consumidor. Reinaldo do É infrutífero ter o Carmo de Souza número “certo” de co- é professor na Universidade de Cuiabá pelo Programa laboradores eles não de Expansão Universitário estiverem alinhados com a empresa. É inútil ser uma ilha de prosperidade boiando num mar de desgraças. Tudo aquilo que o inimigo interno denomina resto ou supérfluos é o que realmente interessa o que vai determinar se uma empresa vai estar presente no futuro, confirmem-se ou não as previsões pessimistas. Esse inimigo interno não só torce para que tudo dê errado como também trabalhe para isso. As empresas com visão de longo prazo têm comportamento saudavelmente oportunista. Para elas, toda notícia é boa, pois abre oportunidades de novos negócios. Quando a crise passa, e todas as crises passam, e todas as crises passam, são essas as primeiras empresas a se reerguer, a ocupar os espaços deixados pelas outras, e o fazem num patamar ainda melhor. Os brasileiros, que já viram esse filme, sabem que os burocratas têm um poder de destruição muito maior do que os poetas. As empresas, assim como as pessoas, revelam-se mais nos momentos de crise do que na bonança.

Pessoas e empresas vítimas desse mal tomam decisões contra si, solapando as bases de apoio

Respeito é bom e está na lei!

Divulgação

Isso foi há 23 anos, mas não tem como que não assimilam a esquecer. Lá estava eu, fazendo um juramento importância de seu perante a Ordem dos Advogados do Brasil, papel como “indisque dizia assim: “Prometo exercer a advocacia pensável e essencial” com dignidade e independência, observar a ao funcionamento ética, os deveres e prerrogativas profissionais da Justiça. Se a OAB e defender a Constituição, a ordem jurídica do pune os advogados Estado Democrático, os direitos humanos, a que ferem a ética, tem justiça social, a boa aplicação das leis, a rápida também o seu Triadministração da Justiça e o aperfeiçoamento bunal de Defesa das da cultura e das instituições jurídicas”. Era e Prerrogativas e este tem sido uma responsabilidade grande, porque tem sido incansável GARCIA DE não é fácil exercer a advocacia num país que na defesa de nossas JANETE OLVIEIRA VALDEZ tem como câncer social a corrupção decorren- prerrogativas, que são é advogada e licenciada em Letras do daí o caos vivenciado pela sociedade, em asseguradas por lei especial pelos mais pobres, que são vítimas federal. Quem as fere, da manipulação dos espertalhões. Defender o deve ser punido. direito à vida, à liberdade, à igualdade, à seNeste mês de gurança, à propriedade, e lutar pelos direitos agosto, dedicado ao Advogado, no âmbito sociais do povo, a exemda Comarca de Pontes e plo de educação, saúde, Lacerda, fomos atingialimentação, trabalho e dos em nossa dignidade, Fomos atingimoradia é uma guerra quando nos chamaram dos em nossa digdiária. de forma incisiva e repenidade, quando nos chaCada jura feita, ao titiva de frouxos. A carga se tornar advogado, tem semântica ali contida maram de forma uma carga imensa de manchou a advocacia incisiva e repetitiva significados e a ela agreprofundamente, uma de frouxos gamos a educação de vez que hoje as ofensas berço, os nossos valores morais ultrapassam as éticos, morais e religiosos. Eu tive e tenho a paredes em que foram lançadas já que são dicompreensão dessa responsabilidade, desde vulgadas pela mídia e atingem o mundo através o meu primeiro momento, quando optei pela da internet. Assim, o nome que se construiu ao carreira. A exemplo de toda profissão temos longo da vida é manchado para sempre ferinalguns que juraram cruzando os dedos e os que do de morte a sua moral e dignidade. Sermos caíram do berço e esquecem o seu teor. Nestes taxados de frouxos, imerecidamente, no mês casos, a OAB, através do seu Tribunal de Ética do aniversário, vocês hão de convir, não foi um e Disciplina, tem sido firme em punir aqueles bom presente.


Entrevista da Semana 3

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 573 25/08 a 31/08 de 2013

www.copopular.com.br

desembargador Juvenal Pereira da Silva, presidente do TrE-MT

“Como cidadão não sou favorável ao voto obrigatório” O

Juvenal Pereira da Silva, presidente do TriRegional Eleitoral de Mato Grosso (TRE-MT), nasceu no município de Poxoréu, no interior do Mato Grosso. Completou o ensino médio na Escola Estadual Liceu Cuiabano e cursou Direito na Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). Desempenhou a função de advogado por um período e, em seguida, entrou no concurso de magistratura onde foi aprovado com mais quatro concorrentes. A primeira comarca onde trabalhou, por coincidência, foi em Poxoréu, a segunda em Rondonópolis e a terceira em Cuiabá. Na capital o desembargador jurisdicionou na 7º Criminal, depois na 13º Cível onde permaneceu até entrar no Tribunal Eleitoral Regional. Confira a íntegra da entrevista. desembargador bunal

Beatriz Girardi e Juliana Radel Da Redação

Centro-Oeste Popular - Como está a preparação para as eleições de 2014? Novidades para o processo eleitoral? Juvenal Pereira da Silva - Nós estamos fazendo um adendo aqui para as eleições de 2014, inclusive há pouco terminamos uma reunião com todos nossos coordenadores para tratar do planejamento das eleições de 2014, desde orçamentária, pessoal, tecnologia, corregedoria e outras para que possamos ter uma eleição como sempre foi: tranquila. No final quem deverá sair ganhando são os eleitores e aqueles que forem eleitos que irão nos representar nos respectivos setores. CO Popular - O Judiciário tem ocupado maior espaço na sociedade, interferindo, inclusive, na atuação dos outros poderes. A Justiça Eleitoral também tem se tornado mais protagonista? Juvenal Pereira - O Judiciário em si ele não tem interferência em outros poderes, porque constitucionalmente os poderes são independentes. Mas, trabalham harmonicamente no que for preciso. Definir entre os outros poderes uma forma harmônica nós trabalhamos nesse sentido o judiciário como um todo, também não é diferente com a justiça eleitoral. CO Popular - A aplicação da Lei da Ficha Limpa foi o grande marco das eleições 2012? Juvenal Pereira - Algumas decisões têm sido modificadas diante de um entendimento jurídico que se aplica a determinado caso ou não. E há pouco, como havia dito, estávamos discutindo esse planejamento porque tem que lançar no site de quem já estaria julgado, incluído nessa lei da ficha limpa. Nós estamos fazendo com muita cautela pra que só sejam lançados aqueles que têm uma decisão definitiva para que não prejudique qualquer cidadão que possa pretender concorrer às eleições futuras. CO Popular - Qual o balanço que o senhor faz das eleições 2012 em Mato Grosso? Juvenal Pereira - Eu assumi posterior a realização das eleições de 2012, mas toda sociedade tem conhecimento de que as eleições transcorreram de uma forma transparente e sem qualquer incidente, tanto é que não houve nenhum incidente que poderia comprometer a justiça eleitoral com relação às eleições de 2012. CO Popular - O senhor acha que a campanha livre na internet proporciona mais igualdade entre os

candidatos? Juvenal Pereira - Temos que ter uma análise de como poderíamos controlar essa campanha através da mídia eletrônica pra que não haja uma extrapolação. Hoje a mídia eletrônica alcança a todos. Se for uma campanha em que venha trazer esclarecimento de como deve ser a participação, não denegrindo a imagem de qualquer cidadão, creio que muito irá melhorar o nível da nossa política. CO Popular - Qual a perspectiva da conclusão do recadastramento biométrico dos eleitores no estado? Quantos municípios estarão abrangidos pelo “voto biométrico” nas eleições de 2014? Juvenal Pereira - Hoje nós já temos 13 municípios com o biométrico encerrado. É uma preocupação que a gente tem sempre discutido aqui, pois muitos eleitores não compareceram para fazer esse recadastramento. Alguns cidadãos poderão ficar sem ter o direito de votar nas próximas eleições. Nós estamos vendo uma forma de implementar uma comunicação com as pessoas que ainda não fizeram o recadastramento para que venham na Justiça Eleitoral e façam o recadastramento biométrico para que possam exercer o seu direito nas próximas eleições.

sadas. Muitas vezes a gente tem que até deixar porque se não passamos a viver simplesmente só analisando as mídias eletrônicas e, na maioria das vezes, vem algumas informações que não é de muita utilidade. CO Popular - A legislação brasileira estabelece a obrigatoriedade do voto. O senhor é favorável? Juvenal Pereira - Pela legislação eu tenho que ser favorável, porque como magistrado eu tenho compromisso de estar aplicando a lei. Agora como cidadão eu creio que nós não poderíamos ter essa obrigatoriedade. CO Popular - O senhor é favorável a unificação das eleições no país? (municipais, estaduais e nacional)? Juvenal Pereira - Eu tenho analisado, mas estou ainda em um estudo. Se for fazer uma única eleição então tem que saber como aparelhar, nós não temos condições pela falta de estrutura material e também de recurso humano. CO Popular - A “compra de voto” é a grande adversária da democracia brasileira? Juvenal Pereira - Sempre foi, porque passa integrar um poder àquelas pessoas que não tem o compromisso com o cidadão. A partir do momento que ele comprou o voto ele simplesmente não tem compromisso com aquele eleitor,

Como membro do TJMT posso garantir que estamos respondendo adequadamente aos jurisdicionados CO Popular - Os candidatos com condenação na Justiça podem ser candidatos e assumir cargos eletivos? Juvenal Pereira - Nós vamos analisar no momento oportuno caso a caso. Há aqueles que foram condenados por uma determinada infração eleitoral e por isso são considerados pela lei inelegíveis, mas existem outros que, embora tenha ferido algum dispositivo, não integra nessa ilegibilidade. Então cada caso será analisado para que possamos definir quem poderá concorrer ou não as eleições. Na época do registro de candidaturas será analisado pelos respectivos relatores dos processos quem poderá ou não concorrer. CO Popular - Como o senhor tem acompanhado a utilização da internet e das mídias sociais nas eleições? Juvenal Pereira - Não tenho acompanhado muito em razão do grande volume e de informações que são repas-

pois pagou aquilo que o eleitor entendeu que seria necessário. E aqui eu deixo que todos os eleitores devam sempre estar conscientes de que a venda do voto é em prejuízo a ele próprio. CO Popular - Quais os principais avanços registrados na Justiça Eleitoral, especialmente com o advento da “Lei da Ficha Limpa”? Juvenal Pereira - O advento da ficha limpa trouxe para toda sociedade uma escolha, aquelas pessoas que possam estar comprometidas com a sociedade, comprometidas com a democracia. CO Popular - O senhor está acompanhando as discussões envolvendo a reforma política no país? Qual a sua posição? Juvenal Pereira - Eu tenho acompanhado muito pouco até porque as discussões estão ainda muito acanhadas. A gente não tem uma definição de quais são as questões que

serão debatidas na reforma política. Então hoje só temos a notícia de que há uma pretensão de uma reforma política, mas ainda não tem uma tese ou questões que seriam debatidas nessa reforma política. CO Popular - Há lacunas na nova legislação trazidas pela reforma eleitoral? Juvenal Pereira - Lacunas sempre vão existir. Mas no caso dessa lacuna, a jurisprudência com certeza irá sanar essa lacuna que existe dentro da lei. CO Popular - E quanto a prestação de contas exigida pela nova lei? Juvenal Pereira - O Tribunal tem feito um levantamento e questionamento sobre a prestação de contas exigidas pela nova lei, inclusive aqui nós temos o juiz José Luiz Blasack que tem questionado até que ponto o candidato é elegível ou não. Essa é uma discussão que está tendo em todo âmbito nacional inclusive com a participação do Tribunal de Contas para definir se também a prestação de contas de gestão irá influenciar com as decisões dos Tribunais de Contas Regionais e da União. CO Popular - Como o TRE atua para conscientizar a população sobre a importância de denunciar crimes eleitorais? Juvenal Pereira - Nós temos a ouvidoria e recebemos através de meios eletrônicos as determinadas apurações das autoridades competentes. No caso da Justiça Eleitoral, o responsável é a Polícia Federal que irá fazer as apurações de qualquer desvio de conduta eleitoral que possa tornar infração à lei. CO Popular - E quanto o direito de votar aos presos? Juvenal Pereira - O preso é um cidadão como outro qualquer e temos que respeitar esse direito. Só que nós temos que criar mecanismos pra que eles possam, dentro do presídio, exercer o seu direito de voto. Em algumas eleições anteriores os presos já participaram, mas nós temos uma dificuldade muito grande de manter a segurança. Selecionamos aqueles que estão quase em condições de serem reinseridos à sociedade para que eles possam participar e tomar o conhecimento do seu compromisso que também tem com a sociedade. CO Popular - Na sua opinião, o TJMT está respondendo adequadamente aos jurisdicionados? Juvenal Pereira - Dentro das possibilidades. Como membro do Tribunal eu posso lhe garantir que sim. Estamos correspondendo aos anseios da sociedade. Temos as nossas limitações, mas todo Tribunal, inclusive o presidente do TJMT, desembargador Orlando Perri, tem dedicado todos os esforços pra que essa escassez de pessoal, de material não interfira em atender aos nossos jurisdicionados.

CALOTE

Determinado a arrancar o couro dos contribuintes cuiabanos – inclusive com a cobrança judicial dos inadimplentes -, o prefeito da capital matogrossense, Mauro Mendes, não é propriamente alguém que possa ser chamado de bom pagador.

CALOTE 2

Pelo menos é o que afirma o empresário João Marcelo Pacheco, dono da HDEM Manutenções Industriais Ltda, firma quebrada depois de levar um calote milionário da Bimetal Indústria e Comércio de Produtos Metalúrgicos Ltda, do prefeito cuiabano.

CALOTE 3

A empresa foi contratada pela Bimetal para a execução de serviços de montagem industrial, mas a firma de Mauro Mendes não entregou no prazo o material a ser instalado – o que gerou custos adicionais para a HDEM, que ingressou na Justiça com ação de cobrança para o ressarcimento do prejuízo.

CALOTE 4

A Bimetal perdeu em primeira instância e também foi derrotada nos recursos que interpôs no Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) e no Superior Tribunal de Justiça (STJ). Depositou R$ 112 mil e pediu parcelamento do restante em seis vezes, mas até hoje não pagou a dívida, que beira meio milhão de reais – bens já foram inclusive penhorados para garantir a quitação do débito.

CALOTE 5

João Marcelo conta que teve que demitir seus empregados – à época eram mais de sessenta – e fechar as portas. “Na verdade, foi o Mauro Mendes que, com sua influência, fechou todas as portas para nós em Mato Grosso”, desabafa o empresário, que hoje está em Campo Grande. Já os pobres contribuintes cuiabanos... Bem, no dos outros é refresco.

LEMAT

Governador Silval Barbosa está mesmo determinado a ressuscitar a jogatina institucionalizada que atende pelo nome de Lemat – Loteria do Estado de Mato Grosso. A exploração do negócio será licitada, mas já houve contatos bem adiantados de um grupo ligado ao jogo do bicho que pretende abocanhar o valioso filão.

TOCANTINS

Tem uma empreiteira sediada em Tocantins que tem recebido religiosamente pagamentos milionários do governo matogrossense – enquanto muitos fornecedores e prestadores de serviço são tratados a pão e água -, relativos a um contrato de quase noventa milhões para pavimentar pouco mais de noventa quilômetros na rodovia MT-413.

TOCANTINS 2

A mesma empresa recebeu quase três milhões para fazer um asfalto na região do Xingu, mas não executou a obra. Serviço de Inteligência do Centro-Oeste Popular vai a campo conferir se o mesmo não se repete novamente.

CACHOEIRA

O mesmo vale para uma empreiteira de Brasília, também ligada ao esquema do bicheiro Carlinhos Cachoeira, contemplada com dois contratos para pavimentação na rodovia MT 320 – ao todo, são quase oitenta milhões. Anote e depois confira.


4

Geral - MT

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nยบ 573 25/08 a 31/08 de 2013

www.copopular.com.br


Política - MT

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 573 25/08 a 31/08 de 2013

www.copopular.com.br

5

Precariedade

PS de Várzea Grande a beira de um colapso Funcionários e pacientes reclamam da falta de estrutura material e de recursos humanos Fotos: Regina Botelho

Regina Botelho Da Redação

A precariedade no Pronto Socorro de Várzea Grande parece não ter fim. Pacientes e médicos denunciam a falta de medicamentos básicos, superlotação, falta de leitos e estrutura para atender a demanda. Pacientes formam filas e as reclamações são de todos os tipos, principalmente devido à demora nos atendimentos. Muitos doentes que deveriam receber atendimento em uma cama, receber a aplicação intravenosa de um simples soro, se encontram sentadas em cadeiras impróprias nos corredores por falta de leitos disponíveis. Em todos os corredores internos que dão acesso aos diversos setores do Pronto Socorro como sala de curativos, raio-X, pediatria, clínica médica, cirurgia, ortopedia entre outras especialidades estão lotados de pacientes, a espera de atendimento. Ana Karolina Santos, 25, auxiliar administrativa, moradora do bairro Nova Esperança, foi vítima de acidente de moto na quarta-feira (14) por volta das 22horas, na região do KM Zero. Ela foi socorrida e levada pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), à unidade de saúde. Porém, ao chegar ao local foi deixada no meio do Box de Emergência. Com fraturas expostas, foi atendida pelo médico de plantão onde solicitou tirar raio-x. Foi informada que a máquina estava estragada e que não tinha gesso, tala, gases e remédios para conter a dor. “Depois me jogaram

O médico Klewer Antônio da Silva denuncia a falta de estrutura, de medicamentos e de profissionais Os corredores que dão acesso aos diversos setores da unidade estão lotados de pacientes. Falta leitos e medicamentos. Pacientes que dependem do PS de Várzea Grande precisam esperar horas por atendimento de forma improvisada

horas uma transferência na ambulância da Unimed para um hospital particular de Cuiabá. Não tinha ambulância para qualquer eventualidade. Os profissionais queriam me transferir mesmo acidentada dentro da viatura da Polícia Militar”. Ana Karolina teve fraturas na perna direita e no braço direito e passará por cirurgia. Jonathan RiveroTeixeira, 20, estudante, morador do Maringá I, sofreu acidente de moto na quinta-feira (15), por volta das 22 horas e até às 10 horas da manhã de sexta (16), estava tomando soro sentado em um banco no corredor a espera de atendimento. “Essa situação é péssima, não têm ninguém para dar orientação. Ficamos aqui jogados ao léu”. Osvalmir Dalla Nora, 33, motorista, morador

obteve êxito. A máquina estava quebrada. “Esperamos mais de uma hora para sermos atendidos. O médico solicitou o exame, mas ele não vai ser realizado. Não tem ataduras para imobilizar a perna da minha mãe. A situação é lastimável. Uma das bandeiras do prefeito Wallace Guimaraes durante sua campanha eleitoral foi melhorar a saúde. Prometeu e não cumpriu. Gasta milhões com recuperação de mini estádios, mas a saúde continua a mesma porcaria. A única coisa que oferecem aqui é dipirona”, disse indignado.

moderada a intensa), antibióticos como clindamicina, fitas adesivas, plasil e esparadrapos. Segundo a técnica de enfermagem Luzia, apenas quatro técnicos atendem mais de 100 pessoas por dia. “A situação só vai mudar quando o atendimento nas policlínicas funcionar de forma eficiente”, aponta a profissional. Sobre as condições precárias no atendimento, o doutor Klewer diz estar acostumado, mas alerta

complexidade. “O Pronto Socorro é o único que presta atendimento em Várzea Grande, porém não funciona como deveria. Aqui morrem pessoas todos os dias. Além disso, recebemos pacientes de Nossa Senhora do Livramento, Poconé, Santo Antônio do Leverger, Cáceres”. O profissional conta que 70% dos atendimentos envolvem pacientes isquêmicos (acidente vascular cerebral –AVC), e o local não conta com um neurologista clínico. “A saúde pública piorou com a entrada do pre-

Sucateamento

Uma servidora do setor de Pediatria, que preferiu não se identificar temendo ser perseguida pela administração da unidade, disse que quando faltam remédios no setor os médicos fazem cotas para comprar. Já a doutora Beatriz Canellodo – do Box de Emergência, observa que o colapso na falta de condições de trabalho é uma questão antiga e que persiste há vários anos. “Falta tudo, principalmente insumos básicos e leitos”. O médico Klewer Antônio da Silva, na unidade há quatro anos, revela que o paciente que precisa de atendimento de urgência e emergência, Ana Karolina passou por atendimento no Pronto Socorro de Várzea de monitor cardíaco e Grande, mas aguarda cirurgia em hospital particular em Cuiabá manguito de pressão (aparelho de pressão) em uma maca e fiquei por do São Matheus estava ficam sem, pois não há no quase três horas no cor- no PS pela segunda vez. setor. “Há muito tempo redor. O meu sofrimen- Com fortes dores na per- não sabemos se a pressão to não foi maior porque na, trouxe novamente do paciente está baixa ou minha cunhada Patrícia sua mãe dona Terezinha alta”. Conforme ele, falta Anjos é enfermeira e con- Dalla, 57 anos, para fazer analgésico tramal ( indiseguiu depois de longas um raio-x. Contudo, não cado no tratamento da dor

Jonathan Rivero Teixeira foi vítima de acidente de moto e estava tomando soro sentado em um banco no corredor

que muitas vidas poderiam ser salvas se o PS de Várzea Grande tivesse os equipamentos necessários. Denuncia ainda que pacientes de baixa e média complexidade lotam a unidade e os profissionais ficam sem condições de atender os doentes de alta

feito Wallace Guimaraes. Apesar dele ser médico, não está fazendo nada para melhorar. Vai chegar um dia que vai ser difícil ter plantonista no Pronto Socorro. Por não ser valorizado, estou prestes a deixar a unidade. É muito triste convivermos com

falta de medicamentos, falta de profissionais, falta de leitos e de macas e ainda atender pessoas internadas em poltronas ou cadeiras nos corredores”, lamenta o médico.

Outro lado

A secretária de Saúde de Várzea Grande, Jaqueline Guimarães, disse que a falta de medicamentos básicos é devido ao atraso no processo de licitação. No entanto, garante que os que estão em falta são solicitados na farmácia e entregues no sábado pela manhã aos setores. Já em relação à superlotação, a secretária observa que o problema se refere ao caos nacional. “O Pronto Socorro é a única unidade de Mato Grosso que atende a população de portas abertas. Não temos poucos profissionais. Essa informação é falsa. Contamos com três cirurgiões gerais, anestesistas, três clínicos, três pediatras, dois ginecologistas, e neurologista que fica de sobreaviso. Não sei qual profissional que estava faltando no dia que a reportagem foi até a unidade”, disse a titular da pasta. Segundo Jaqueline, caos na saúde é os pacientes ficarem sem atendimento do lado de fora. Para ela o que realmente ocorre é que o município não tem atenção básica suficiente para atender a população no bairro que reside e acaba sobrecarregando a unidade. “Não atendemos somente pacientes do município, mas de toda a Baixada Cuiabana e de outros estados. A máquina de raio-x esteve com problemas, passou pelo conserto e funciona normalmente na unidade de saúde”, finaliza a secretária.


Política - MT

6

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 573 25/08 a 31/08 de 2013

www.copopular.com.br

Denúncia

Mendes diz que só fala na Justiça sobre o caso “laranjas” Prefeito se nega a responder equipe de reportagem do Centro-Oeste Popular sobre a transferência de empresas em sociedade com Santullo para laranjas O empresário e prefeito de Cuiabá, Mauro Mendes, em parceria com seu secretário de Gestão, o também empresário, advogado e contador Pascoal Santullo Neto, usaram indevidamente os nomes de dois trabalhadores sulmatogrossenses, colocando em nome deles uma empresa de informática sem que de nada soubessem – as assinaturas teriam sido falsificadas

Juliana Radel Da Redação

“Tudo que o Mauro Mendes tiver que pronunciar sobre este assunto ele se pronunciará na Justiça”, informou o secretário de Comunicação da prefeitura de Cuiabá, Kleber Lima, sobre a denúncia vinculada na última edição do jornal Centro-Oeste Popular que mostrou o prefeito Mauro Mendes (PSB) e seu secretário de Gestão, Pascoal Santullo, envolvidos em um esquema de superfaturamento no Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Mato Grosso (CREA-MT) e na antiga Telemat. Em seguida, as empresas que eram em sociedade de Mendes e Santullo foram transferidas para nome de laranjas de Mato Grosso do Sul. O vereador Toninho de Souza (PSD) ficou surpreso ao ver o nome do prefeito envolvido nesse tipo de negócio escuso. “A gente não tem conhecimento da origem do seu patrimônio, mas o prefeito sempre pregou outro tipo de imagem nas suas campanhas eleitorais, de um homem trabalhador, de um homem honesto que sempre ele frisou isso ao longo de uma imagem transmitida para a população e a reportagem comprova outro lado que a população não

conhece do Mauro Mendes”, comentou o parlamentar. Toninho afirma ainda que acredita na comprovação da reportagem do Centro-Oeste Popular. “Só posso dizer que é uma surpresa muito grande, enquanto cidadão e principalmente como vereador, eu digo que o prefeito Mauro Mendes tem muita coisa a explicar à Câmara de Cuiabá e principalmente à sociedade sobre esse passado dele”. O presidente da Câmara de Cuiabá, João Emanuel (PSD) também ficou surpreso com as denúncias relacionadas ao prefeito Mendes e ao secretário Santullo. “Vou requisitar oficialmente as informações e documentações ao Centro-Oeste Popular para fazermos

uma fiscalização sobre o caso”, e concluiu “tanto Mauro quanto Santullo vão ter que se explicar”. O vereador Allan Kardec (PT) acredita que o prefeito deve explicação tanto para a Câmara dos Vereadores quanto para a sociedade. “Com certeza Mendes precisa esclarecer este caso, são indícios fortes. A expectativa é que tenhamos mais informações sobre a denúncia para investigar o caso e tomar a devidas providências”, finaliza o petista. Entenda o caso Em 28 de julho de 1988, Mauro Mendes e Pascoal Santullo criaram a Rede Informática Limitada, através de uma sociedade por cotas de respon-

presa. O mesmo fez Santullo, que registrou a transferência de suas quotas para Gilson Barros dos Santos, também identificado como técnico eletrônico, ambos de Campo Grande. O objetivo era a exploração comercial no atacado e varejo de materiais, equipamentos, suprimentos e serviços na área de informática, representação comercial de empresas, bem como instalação e assistência técnica. Foi como titulares da Rede Informática que Mauro Mendes e Pascoal Santullo acabaram ganhando a concorrência do CREA que, inicialmente, apontava a vitória da Proceda Tecnologia. Na mesma época, a dupla também teria manipulado um parecer do CREA para

desclassificar a empresa J. Simões Engenharia, de Goiás, que vencera licitação da antiga Telecomunicações de Mato Grosso (Telemat) para um contrato milionário de serviços em informática – que acabou abocanhado pela empresa de Mendes e Santullo, que ficara em segundo lugar no certame. Depois, a firma seria transferida para os “laranjas” sul-matogrossenses. Tanto Gilson Barros dos Santos quanto Martins Barros dos Santos informaram que nunca estiveram em Cuiabá, não sabem como seus nomes foram envolvidos nesta trama e garantiram que as assinaturas que constam dos documentos registrados na Jucemat não passam de grossas falsificações.

sabilidade limitada. Documentos da Junta Comercial de Mato Grosso (Jucemat) comprovam que, em 04 de março de 1993, Mauro e Santullo registraram uma alteração contratual em sua empresa, que de “Rede Informática Ltda” passou a se chamar “Asx Informática”. Em seguida Mendes transferiu “ao sócio ingressante” Martins Barros dos Santos, identificado O vereador Toninho de Souza ficou surpreso ao ver o nome do prefeito envolvido como técni- em negócio escuso. O presidente da Câmara de Cuiabá, João Emanuel, também co eletrônico, ficou surpreso com as denúncias e concluiu “tanto Mauro quanto Santullo vão suas quotas de ter que se explicar”. Já o vereador Allan Kardec acredita que o prefeito deve explicação tanto para a Câmara dos Vereadores quanto para a sociedade capital na em-


Política - MT

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 573 25/08 a 31/08 de 2013

www.copopular.com.br

7

Livre nomeação

Transparência zero na prefeitura de Várzea Grande

Ao questionar a assessoria da administração municipal que as informações referentes ao quadro de comissionados - cujas vagas dispensam concurso público e costumam ser preenchidas por indicação política - não estavam no Portal da Transparência, a reportagem do Centro-Oeste Popular foi comunicada que “só com autorização para passar este tipo de informação” e que “não somos do RH para saber esta informação”. Já a assessoria da prefeitura de Cuiabá alega que desde o ano passado o número de CCs continua o mesmo A assessoria da prefeitura de Cuiabá alega que desde o ano passado o número de CCs (cargos políticos) continua o mesmo. Já a assessoria da prefeitura de Várzea Grande disse “só com autorização para passar este tipo de informação” e que “não somos do RH para saber esta informação”

Beatriz Girardi e Juliana Radel Da Redação

Uma das principais queixas das prefeituras dos municípios de Mato Grosso, e de todo Brasil, é a penúria financeira em que se encontram as gestões municipais. Essa pressão fez com que no mês de julho a presidente Dilma Rousseff anunciasse um repasse emergencial de R$ 3 bilhões aos municípios de todo Brasil. Apesar do repasse para o custeio de serviços públicos para sanar a crise nas prefeituras,

os cargos comissionadas (CCs) aumentam gradativamente. A abertura de vagas do tipo cargos de confiança avançou 33,4% de 2005 a 2012 no país, segundo o IBGE. Prefeitos brasileiros nomearam um batalhão de 127,1 mil CCs. São tantos os cargos que não se consegue chegar a um número exato de funcionários em toda a estrutura pública que envolve, não apenas as prefeituras dos municípios de Mato Grosso, mas as empresas públicas e instituições.

Só no mês de junho de 2013, por exemplo, a folha de pagamento dos servidores da prefeitura de Cuiabá foi de R$ 35 milhões (valor bruto mensal), para um quadro de 15.893 funcionários, sendo 760 comissionados. A assessoria da prefeitura de Cuiabá alega que desde o ano passado o número de CCs continua o mesmo. “Não houve aumento no número de cargos comissionados em relação ao ano passado. Existem dificuldades em algumas áreas, como educação e saúde,

embora haja concursos públicos, também temos contratos temporários para suprir essas necessidades”. Na prefeitura de Várzea Grande, um dos municípios importantes do Estado, não foi possível obter a informação de pelo menos quantos servidores trabalham para a prefeitura, tão pouco o número de comissionados. Ao questionar a assessoria da prefeitura que as informações não estavam no Portal da Transparência, a reportagem do Centro-Oeste Popular foi comunicada que “só com autorização para passar este tipo de informação” e que “não somos do RH para saber esta informação”. Para o cientista político João Edisom o processo de eleição é muito cruel. Conforme ele, as chamadas coligações nada mais é que um conluio, um arranjo de empregos para os politiqueiros das várias siglas agregadas. “Uma vez a chapa sendo vencedora, os ditos aliados de primeira

hora se transformam para sentarem nos cargos existentes e quando falta cadeira, e quase sempre falta mesmo, fabricam funções para aninhar tais pombos de eleição. E mais cargos são criados que em nada ajudam a administração a não ser sugar as energias e recursos do município”. Disse ainda que na sua grande maioria os comissionados são de nenhuma competência, a não ser a de fazer fofoca, correr bases eleitorais e segurar bandei-

ras na época de campanhas. “Os cargos comissionados são mais uma daquelas artimanhas do famoso jeitinho brasileiro, empobrece a política, e suga o dinheiro sagrado do povo”. Há um vício na administração pública brasileira, gerada pela legislação e pela incompetência política dos gestores. Os recursos são naturalmente escassos para a grande maioria dos municípios. Muitas indicações de cargos comissionados estão relacionadas a aliados políticos, o que gera um número desconhecido de cargos comissionados, por exemplo, que cada vereador tem nomeado no Poder Público Municipal.

Moeda de troca Em tese, a contratação desses funcionários deveria servir para qualificar as gestões. Os prefeitos argumentam que precisam montar equipes capacitadas e comprometidas com seus projetos, além de se cercar de subordinados com quem tenham afinidade política. Na prática, isso nem sempre acontece. Para retribuir o apoio eleitoral e conquistar maioria no Legislativo, os administradores acabam rifando cargos entre os partidos aliados. Em muitas cidades, as prefeituras acabaram se tornando, muitas vezes, o único empregador do município e a principal forma de incrementar a economia local.


Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 573 25/08 a 31/08 de 2013

www.copopular.com.br Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 573 25/08 a 31/08 de 2013

www.copopular.com.br

Turma de amigas animadíssimas em férias por Bariloche: Mariana Serafim, Renata Nardez Marques, Carla El Hage, Luciana Marques e Ana Carolina Vieira.

Elegantes, bonitas e altamente simpáticas: Julianna Navarros e Elizete Oliveira em dia de Lançamento.

Amor eterno! A filha e super make Camila Pacheco ao lado da empresária de moda Célia Pacheco, da Célia Boutique.

A harmonia em torno deste lindo amor: Juliana Caram Guimarães e o Promotor de Justiça Almir Guimarães, de bem com a vida!

A jovem estudante em São Paulo, Juliana Penasso, recebeu a visita da mamãe coruja e diversão não faltou durante a estada por lá!

Momento doce, por Curitiba, a madrinha Isabela Cascaes, o padrinho e aniversariante desta semana Paulo César Ourives junto ao casal Nelsinho Rangel e Juliana Cascaes e a princesa Valentina.

Bem vindos!

Mais anjinhos que chegam entre nós nesta última semana! São eles: o pequeno Gabriel trazendo muitas alegrias a assessora de imprensa da ALMT, a super mãe Sandra Gabriel Costa; e o pequeno Davi alegrando toda a família Moutran e Baggio!

Tour!

Sempre ativa, rodeada de amigas e boas conversas a Senhora Abadia Matos e um grupo para lá de animadas se reunirão em julho rumo a deliciosos roteiros pela Europa. Aproveitem!

Parabéns, Parabéns, Parabéns!

Durante a semana vários amigos e conhecidos comemoraram mais um ano de vida! Uns com muita festa, outros ao intimamente, mas o que importa é estarem todos bem para mais um novo ciclo que inicia pela frente! Parabéns a Raphael Martinelli, Celina Schuster, Khatia Ataya, Andrea Zugair Marcondes, Cecília Bumlai e neste domingo a comemoração fica por conta da querida Nabrirra Nasser em torno de amigos e familiares, do jeito que ela ama!

Brunch!

A empresária Jamille Grunwald Guisardi recebeu em alto estilo, na Princes Jóias, amigas, amigs e clientes em delicioso café da manha, no último sábado. A grande novidade ficou por conta da nova Coleção da conceituada marca Guerreiro. Simplesmente, Deslumbrante!

Salut!

A chiquérrima designer de interior Muriel Rios receberá amigas de longas datas na próxima terça, 27, no salão de festas da anfitriã Valquíria Diniz. No menu paella dos deuses, risadas, harmonia e muita diversão!

Pelo Bem!

Na próxima Terça, também, 27.08, o requintado Restaurante Mahalo será palco do Lançamento apenas para convidados, quando autoridades, im-

Os jovens Matheus Coutinho e Ana Maria Mendonça aproveitando o sabor do Amor e de lugares sensacionais que o mundo nos proporciona! Ces’t La Vie!

prensa e parceiros brindarão mais um ano do Cuiabá Fashion Week, tendo a frente a Primeira Dama da ALMT, Dona Dilair Savi e sua carismática equipe e assessoria. O evento que ocorrerá em Setembro, terá sua renda revertida a duas instituições de caridade esse ano. Vamos participar!

Alegria Geral.

O Sr. João Luiz Bettini de Albuquerque Lins nem se contém com tanta felicidade com sua filha Natália Lins que colou Grau, na última semana. Há cinco anos foram brindados quando ela passou em Primeiro Lugar na Faculdade e Terceiro Lugar na Universidade. Agora, além de ter sido a Oradora foi Consagrada como Melhor Aluna da Turma de Arquitetura e Urbanismo da turma. Parabéns a linda e dedicada jovem Natália!

Mais bela!

Sua beleza vem de dentro que ao depararmos, evidencia no seu exterior. Estou falando da libriana Glaucia Stefanini que sempre nos passa mensagens sensacionais e durante essa semana muitos vibraram por mais uma de suas conquistas : Ela passou no primeiro módulo da sua Pós, pela FGV, em Direito Constitucional. Continue Glaúcia, sempre em busca desse caminho que a te faz tão bem!

Avant Premier!

A Revista Destaque Magazine, na qual sou uma das Colunistas Sociais, junto a outros nomes de craques, receberá nesta quinta, 29.08, no Espaço Decorado da Rodobens: Golden Green, as 20hs. Vamos todos!

Morar Mais 2103!

Em nome dos empreendedores do Morar Mais, o casal Liara Buzetti e Rafael Dias, e as Colunistas Sociais Anamaria Bianchinni e Roseli Arruda, eu e outros colegas fomos super bem recebidos na última quinta, no Restaurante Di Pietro. Na oportunidade, os assuntos eram arquitetura / design / paisagismo / decoração / dos dias 05 de setembro a 15 de outubro.

Aguardem, mais surpresas!

Holofote!

Dia 29 de Agosto, na próxima quinta, o Colunista Social Lélio Duarte, receberá em uma grande festa dos seus 10 anos de Colunismo, nas dependências da Nuun. As madrinhas do Evento são encabeçadas por Izabella Corrêa e Marisa Batalha, entre a geração dourada já confirmada, da nossa cuiabania: Ana Rosa Cervellini, Ariana Guedes, Alia Yassin, Roseli Barbosa, Geisiane Antelo, Marúcia Méyer, Érika Abdala, Geanine Gasparroto, Eliane Favaretto, Márcia Pinheiro, Vanessa Moraes, Lorene Silva, Cláudia Malheiros, Liége Trevisan, Iêda Duarte, assim como os Padrinhos- Homens bem sucedidos e que muito admiramos pelo trabalho desenvolvido ao longo dos anos: Eliseu Freitas, Alan Zanatta, Werninho Reuter, Royi M. Riger, Allison Lima Barros, Lídio Moreira, Beto Dois a Um, Mário Zeferino, Paulo Sérgio Ribeiro, Edson Bock, Mariozinho Mansur, Adriano Silva e o bambã Igor Taques.

Bodas de Ouro!

A Refrigerantes Marajá completa no dia 23 de agosto meio século de história. Uma trajetória de 50 anos que iniciou em Rondonópolis, mas que agora, ganha destaque em diversos estados do Brasil e também no exterior. Com atuação em Mato Grosso, a empresa conquistou uma significativa participação no mercado, inovando a linha de produtos para atender aos paladares dos consumidores mais exigentes.

Rejuvenescimento!

A dermatologista Geisa Marjorie participando sempre dos melhores Simpósios mundo a fora, retorna em setembro para a Capital, trazendo em sua clínica as últimas técnicas em rejuvenescimento, como o microbotox, que consiste na aplicação de pequenas gotinhas da toxina botulínica diretamente na pele a fim de reduzir o tamanho dos poros e reduzir a oleosidade, entre aparelhos que apenas lá encontramos no Estado. Marquem na Agenda!

8


Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 573 25/08 a 31/08 de 2013

B1

www.copopular.com.br

SOB SUSPEITA

Strada Construtora tem contrato milionário em MT Empreiteira responde por operacionalização de patrulhas rodoviárias, mas não teria em seus quadros pessoal suficiente à prestação dos serviços para os quais outra grande empresa também foi contratada pelo governo; descontrolado ao telefone, empresário nega explicações e ofende jornalista Reprodução

Haroldo Assunção Especial para o Centro-Oeste Popular

Um contrato previsto para pagamento máximo de R$ 12,79 milhões e que pode chegar à soma de quase R$ 50 milhões, graças aos famigerados “termos aditivos”, pode causar muita dor de cabeça ao governador Silval Barbosa (PMDB). Trata-se do instrumento contratual nº 032/2011/00/00 – SETPU, firmado aos 17 de maio de 2011 entre a Secretaria de Estado de Transportes e Pavimentação Urbana e uma tal SM Construtora Ltda – que atualmente é denominada Strada Construtora e Incorporadora Ltda – para a prestação de “serviços de mão de obra para operacionalização das equipes que compõem as patrulhas rodoviárias envolvidas O contrato com o governo estadual é uma verdadeira mina de ouro para a empreiteira Strada Construtora e Incorporadora Ltda

na manutenção e conservação da malha rodoviária estadual”. Conforme o contrato, os serviços deveriam ser prestados em quatro grandes regiões, a saber: “Portal da Amazônia”, composta pelos municípios de Aripuanã, Rondolândia, Castanheira, Colniza, Cotriguaçú, Juína e Juruena, com extensão total de 1216 quilômetros; “Vale do Arinos”, composta pelos municípios de Colíder, Cláudia, Guarantã do Norte, Itaúba, Marcelândia, Matupá, Nova Canaã do Norte, Nova Guarita, Nova Santa Helena, Novo Mundo, Peixoto de Azevedo, Santa Carmen, Sinop, Terra Nova do Norte e União do Sul, com extensão total de 1104 quilômetros; “Alto do

Teles Pires”, composta pelos municípios de Brasnorte, Itanhangá, Juara, Novo Horizonte do Norte, Porto dos Gaúchos, Tabaporã e Tapurah, com extensão total de 1473 km, e a chamada “Região 6”, composta pelos municípios de Feliz Natal, Ipiranga do Norte, Lucas do Rio Verde, Nova Mutum e Nova Ubiratan, cuja extensão total da malha viária não é informada no documento. Em 29 de agosto de 2011 – pouco mais de três meses após a assinatura do contrato pelo então secretário Arnaldo Alves de Souza Neto e pelo empresário Francisco Miotto Ferreira -, foi acrescido o valor de R$ 2,7 milhões, por meio do termo aditivo nº

032/2011/01/02/ASJU. Ano passado, no dia 03 de maio, foi firmado o termo aditivo e de re-ratificação nº 032/2011/04/01-SETPU, por meio do qual a soma total subiu para mais de R$ 30 milhões. Na ocasião, a empreiteira foi representada por Patrícia Alonço dos Reis Soldatelli, que ingressara na sociedade – agora denominada Strada Construtora e Incorporadora Ltda – no lugar do empresário Jairo Francisco Miotto Ferreira. Finalmente, aos 10 de maio deste ano, um novo termo aditivo – de numeração 032/2011/01/03-SETPU – elevou o valor do contrato para R$ 46,47 milhões. É curioso que os cus-

tos não tenham aumentado tanto a ponto de justificar os astronômicos acréscimos ao valor originalmente contratado – assim como o volume de serviço a ser prestado também não se alterou. O contrato com o governo estadual é uma verdadeira mina de ouro para a empreiteira, que tem recebido religiosamente os pagamentos da Secretaria de Transportes e Pavimentação Urbana – enquanto muitos fornecedores e prestadores de serviços estão à míngua, com o pires nas mãos à porta do Palácio Paiaguás. Em menos de dois anos, a empresa já recebeu aproximadamente R$ 30 milhões em pagamentos relativos a esse contrato. Algumas das ordens bancárias são muito estranhas – com vários depósitos milionários no mesmo dia. É o caso das três liquidações, todas emitidas no dia 02 de julho de 2013, cada uma delas no valor de R$ 1,218 milhão. Interessante, também, que a Strada Construtora e In-

Referência nacional

PDI do TCE-MT como modelo de gestão pública Atricon apresenta proposta à Presidência da República

Da Redação c/ Assessoria

O Programa de Desenvolvimento Institucional Integrado (PDI) do TCE-MT foi apresentado à Presidência da República pelo conselheiro do Tribunal de Contas de Mato Grosso e presidente da Associação dos Membros de Tribunais de Contas do Brasil, Antonio Joaquim como modelo para melhoria da gestão pública brasileira. A reunião aconteceu no dia 12 de agosto último com o chefe do Gabinete Institucional e Pessoal da Presidência da República, Giles Carriconde Azevedo. Criado em 2012, o PDI prevê projetos e ações voltadas à melhoria da gestão pública, à transparência, aos resultados de políticas públicas e ao incentivo ao controle social. O presidente da Atricon entregou documento propondo à Presidência, a formalização de convênio entre o Governo Fede-

Conselheiro José Carlos Novelli , presidente do TCEMT: temos que registrar a importância da reunião do conselheiro Antonio Joaquim com o representante da presidente Dilma Rousseff, pois demostra a credibilidade das ações desta Corte de Contas no âmbito nacional

ral e a Atricon como objetivo de implantar o PDI em todos os Estados e municípios brasileiros. “A sugestão foi a de ter a participação do governo federal em parcerias visando estender a concepção do PDI para todos os Estados, tendo os Tribunais de Contas como instrumento de articulação dada à sua capacidade

de interlocução com os agentes públicos brasileiros”, explicou o presidente da Atricon. Ao comentar a iniciativa do conselheiro Antonio Joaquim, o presidente do Tribunal de Contas de Mato Grosso, José Carlos Novelli lembrou que o TCE-MT participou do Programa Nacional de Modernização do Controle Externo (Promoex) em 2005. O Promoex possibilitou o desenvolvimento e implantação de sistemas tecnológicos, aquisição de tecnologia de informação, capacitação técnica e gerencial, resultando no primeiro Plano Estratégico do órgão, em 2006. Para Novelli, o PDI pode ser utilizado pelo Governo Federal para a modernização de todos os órgãos públicos federais. “Temos que registrar a importância da reunião do conselheiro Antonio Joaquim com o representante da presidente Dilma Rousseff, pois demostra a credibilida-

de das ações desta Corte de Contas no âmbito nacional”, afirmou Novelli. Foi a partir da experiência com planejamento de longo prazo que o TCE-MT desenvolveu o Programa de Desenvolvimento Institucional Integrado. O PDI foi elaborado com o objetivo de contribuir com a gestão pública, melhorando a prestação de serviços, com um modelo de administração orientada para os resultados à sociedade. O foco do PDI é o desenvolvimento integrado e permanente do TCE-MT e de todas as instituições públicas fiscalizadas, a partir da transferência de conhecimento, tecnologias e boas práticas de gestão. Ao todo, aderiram ao PDI, 20 municípios de Mato Grosso e as Secretarias de Estado de Educação, de Segurança, de Saúde, de Administração e de Transporte e Pavimentação Urbana, além da Defensoria Pública e do Tribunal de Justiça.

corporadora, conforme apurou a reportagem do Centro-Oeste Popular, tem em seus quadros pouco mais de noventa funcionários – número presumivelmente pequeno para a magnitude dos serviços previstos no contrato com a SETPU.

OUTRO LADO

A reportagem do Centro-Oeste Popular procurou ouvir os sócios da Strada Incorporadora e Construtora, sem sucesso. No escritório da empreiteira, no décimo primeiro andar do Edifício Milão, em Cuiabá, não foram encontrados os irmãos Jairo e Francisco Miotto, nem Patrícia Soldatelli. Por telefone, Jairo Miotto atendeu. Grosseiro e descon-

trolado, o empresário identificou-se como “advogado da empresa” – o que não é verdade, conforme foi constatado em consulta à seccional matogrossense da Ordem dos Advogados do Brasil. “Põe no jornal, vocês são bandidos, vão pro diabo”, exasperou-se Miotto do outro lado da linha. Sentindo um certo tom de ameaça, o repórter registrou um boletim de ocorrência, por precaução. As ligações políticas do irritado empresário talvez sejam um indicativo sobre as razões da prosperidade conseguida pela Strada Construtora e Incorporadora. O gaúcho Jairo Francisco Miotto Ferreira começou os negócios numa serraria em Juína, nos anos 1970, e arriscou em alguns negócios até os anos 1990, quando com incentivos fiscais - criou a Milhobraz do Brasil, em Sorriso, e a Friama da Amazônia, em Matupá, além de agropecuárias em Matupá, Colíder e Nova Canaã do Norte. É irmão de Valter Miotto, ex-prefeito de Matupá, amigo do governador Silval Barbosa, do deputado federal Carlos Bezerra e consultor informal do senador Blairo Maggi, no governo de quem chegou a ser cogitado para assumir a Secretaria de Indústria, Comércio e Mineração. Também foi conselheiro da MT Fomento no governo Maggi – com ajuda de custo de R$ 500 para cada reunião da qual participou. Miotto ainda é sócio da CBL Construtora – que, coincidentemente, foi contratada para reformar as sedes da MT Fomento e da Secretaria de Estado de Fazenda.


Geral - MT

B2

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 573 25/08 a 31/08 de 2013

www.copopular.com.br

Foco Empresarial Academia

Empreendedores lançam espaço para artes marciais Mergulho Figth dispõe de novo mix de aulas para os adeptos das lutas marciais Fotos Regina Botelho

to com os homens e provam que estão longe de ser o sexo frágil. Com técnica agregada à Com investimentos na orsegurança, disciplina, força de dem de R$ 50 mil, reforma e vontade e muito suor as meninas estão conseguindo “parar” equipamento novos, a Academia Mergulho Fitness, em Cuiaas atividades dos atletas que bá, conta com espaço exclusivo malham na academia e chamam para artes marciais, a Mergulho a atenção por toda a habilidade Fight. O novo espaço foi inauguque já têm nas aplicações dos rada no último dia 05 e já tem golpes e defesas, é a luta da Academia Mergulho Figth conta muita luta rolando no novo mix moda. de aulas para os adeptos das com espaço exclusivo para prática Entre um time de de artes marciais lutas marciais. De acordo com alunas, está a recepcionista Silvania Pereira, o sócio proprietário, Rodrigo 29. Ela começou Tae Pouso Miranda, 33, o espaço Boxe há a mais de um foi ampliado após pesquisa de ano. Ela conta que além mercado, onde comprovou que do condicionamento fías academias ofereciam aulas de sico, diminui o stress e musculação, mas não contavam elimina calorias. “Gosto com espaço para o segmento de rentes simultaneamente. Nossa a prática de muito das aulas, mexe lutas do UFC (Ultimate Fighting meta é ampliar as atividades artes marciais com o corpo todo. São Championship, organização para contemplar as pessoas como ativivários movimentos, americana de artes marciais da terceira idade e portadores dade física apreendemos a chutar, mista) e MMA( Mixed Martial de necessidades especiais. Em está atraindo dar socos e ainda garanArts), que envolvem uma mis- breve teremos também o espaço cada vez mais tura de estilos como Jiu Jitsu, kids”, conta o empresário. o público fe- Rodrigo Pouso Miranda, sócio proprietário, enaltece que te fortalecimento musBoxe, Wrestling, Muay Thay, Miranda cita que as ativi- minino e re- as academias não contavam com o segmento de lutas cular e conforto para a dades realizadas no Mergulho presenta 90% mente”. Karate. Ela conta que nunca se Rodrigo Miranda frisa que Fight são o taekwondo, muay dos clientes. “Os treinos, come- rou paixão feminina. As luvas de faltava esse diferencial. Na se- thai, tae boxe, judô, karate, çam com um aquecimento com combate, caneleira, bandagem, deparou com uma situação que quência, a ideia foi amadurecida capoeira, jiu-jitsu, kick boing e polichinelos, alongamentos, são os novos itens da lista que se precisasse utilizar os golpes que e transformada em realidade. boxe. Segundo o sócio proprie- flexões de braços, abdominais tornaram acessórios para elas. aprendeu. “Eu sempre evito “No nosso novo empreendi- tário, a aceitação do segmento e agachamentos. Em seguida, Basta dar uma circulada na esse tipo de situação, mas se for mento são ministradas aulas está superando as expectativas. técnica com golpes em sacos e academia para se surpreender necessário, estou mais confiante de lutas com modalidades difeMiranda afirma ainda que combate entre as alunas. Além com a quantidade de alunas para me defender”, completa a de diversificadas e desestres- nas aulas. aluna. santes, são muito eficientes para A maioria entra para conA fisioterapeuta Eloiza queimar calorias e modelar o seguir a tão desejada e suada Zimmer, 28, pratica Tae Boxe corpo. O emagrecimento rápido boa forma, porém acabam to- há cinco meses. Após uma aula é um dos principais atrativos mando gosto pela arte e dis- experimental, se adaptou a atidas mulheres para praticarem putam golpe a golpe com os vidade. “Faço aulas três vezes homens adeptos do esporte o por semana. Além de perder a luta”, observa. avanço das técnicas. rápido muitas calorias, a atiMulheres no As alunas do Mergulho vidade contribui com melhor tatame Fight praticam os golpes jun- definição do corpo e melhora os Mulheres aderem às lutas de artes marciais. A feminilidade chegou ao tatame e, no A amplitude do movimento, chutes para o alto, as aulas de mínimo, equilibrou os espaços artes marciais trabalham a flexibilidade, concentração e a entre homens e mulheres. O coordenação motora muay thai ou boxe tailandês viRegina Botelho Da Redação

Silvania Pereira, 29, faz Tae Boxe para melhorar o condicionamento físico e diminuir o stress

Para Eloiza Zimmer, 28, após uma aula experimental, gostou e três vezes por semana realiza atividades das artes marciais Para mestre Terra, a atividade está em alta principalmente para mulheres que vem ocupando os espaços nas academias

Rodrigo Guimaraes, 20, é um exemplo de superação. De acordo com o professor Douglas, os benefícios das lutas ajudaram o aluno a melhorar a coordenação motora

As aulas de MMA em academias atraem cada vez mais mulheres de todas as idades e que querem ficar com o corpo sarado

contornos corporais”.

Preparação física

Os movimentos exigem uma forte preparação física e muito trabalho cardiovascular, por isso o gasto calórico é muito alto, cerca de 800 calorias em uma hora. Segundo o professor Reginaldo de Souza Terra, “mestre Terra”, 37, e que há 20 atua no Tae Box as aulas são baseadas em um treinamento de um atleta de MMA, mas não existe o contato físico, porém envolve todos os movimentos das artes marciais. “O objetivo principal das mulheres é a forma física, pois usa o corpo todo, emagrece, alonga, extravasa energias paradas e algumas até lutam”, explica. Para mestre Terra a atividade está em alta porque as mulheres estavam visualizando os lutadores e em contrapartida o segmento foi ganhando espaço. Ele conta que as aulas tem duração de 60 minutos e os movimentos são inspirados nas artes marciais. “Os exercícios mesclam treinos aeróbicos com abdominais, cordas e flexões, além de sequências de golpes, socos, chutes, joelhadas e cotoveladas com repetições de 20 a 30 vezes. Eles são aplicados em sacos de areia ou com movimentos ensaiados, nos quais as alunas se revezam para atacar e defender”. Segundo o professor, a atividade física das artes marciais é o auge do momento. Chegou para suprir o que faltava nas academias e o seu diferencial é que usa o peso do corpo natural que pode ser feita nos aparelhos. Benefícios O estudante Rodrigo Guimaraes, 20, começou a praticar a atividade há um mês. Ele procurou muay thai por indicação médica. Portador de necessidades especiais, está gostando das aulas que além de ajudar a melhorar sua coordenação motora ajuda a perder quilos. “Tive problemas na coluna cervical. Fiquei 30 dias andando de cadeira de rodas e 15 de andador. É uma grande vitória. Melhorei o meu estilo de vida”, afirma. Segundo o professor de muay thai, Douglas Domingos, 35, os benefícios das lutas de artes marciais são bons, pois trabalham com a coordenação motora, queimam calorias e garante mais estabilidade. Rodrigues, conta que a maioria das alunas que chegam para a aula têm como objetivo inicial emagrecer e os homens procuram mais pela luta em si e também para a definição muscular. “As aulas trabalham a flexibilidade e força muscular. Diferentemente da musculação, na qual os exercícios são repetitivos e com peso, na aula de muay thai elas não param nem um minuto. A própria amplitude do movimento (chutes para o alto, por exemplo) trabalha a flexibilidade, concentração e a coordenação motora. Os treinos trabalham velocidade e força e exercitam a agilidade mental e a coordenação motora. O professor diz que a parte da defesa pessoal é também muito importante. “O muay thai é uma arte marcial, não um esporte de combate. O que diferencia um do outro é quando um país se utiliza dele para se defender durante uma guerra”, explica.


Geral - MT

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 573 25/08 a 31/08 de 2013

www.copopular.com.br

B3

Morro da Mesa

Concessionária trás benefícios para região e gera emprego e renda A implantação da concessão trás benefícios sociais e econômicos para os municípios que margeiam a rodovia, além de desonerar vantajosamente os recursos públicos para outras áreas sociais sensíveis, como educação, saúde e moradia Da redação

No primeiro semestre de 2013 a Morro da Mesa manteve uma média de 477 empregos gerados, sendo 182 efetivos, 200 terceirizados e 95 indiretos, contribuindo diretamente para o desenvolvimento econômico dos municípios margeados pela rodovia sob sua administração. Para a Morro da Mesa Concessionária de Rodovias S.A, apostar no desenvolvimento de um profissional da sua equipe pode ajudar a perpetuar a cultura corporativa e reforçar o engajamento dos outros colaboradores. Por essa razão investe em programas de desenvolvimento e retenções de ta-

Morro da Mesa Concessionária de Rodovias S.A desenvolve um trabalho social que beneficia a comunidade, além de permitir o desenvolvimento e a formação de profissionais que futuramente poderão fazer parte da sua equipe

lentos, através de cursos de formação profissional e treinamentos.

Desde o início da con- em treinamentos, tendo cacessão até junho de 2013 a pacitado 278 profissionais empresa aplicou 7.676 horas na área de saúde e segurança

do trabalho, formação de lideres, perito criminal e judicial, direção defensiva, legislação trabalhista, gestão de departamento pessoal, sistemas, integração, qualidade de vida e outros. A equipe do RH da Morro da Mesa considera que o programa promove o envolvimento dos colaboradores com a empresa, e assim obtém bons resultados e, especialmente, a satisfação dos mesmos no ambiente de trabalho.

Primeiro emprego

Realizando um trabalho de inclusão social a Morro da Mesa aderiu o programa Aprendiz Legal e incluiu em

A Morro da Mesa incluiu em seu quadro de colaboradores jovens de 14 a 21 anos, do programa Aprendiz Legal

GUARDAQQUI / SELF STORAGE Sótãos, quartinhos e armários são coisas do passado. Chegou a solução mágica para ter a sua vida arrumada. Imagine um condomínio de pequenas salas à espera para guardar os seus bens com a máxima segurança. Sejam brinquedos, roupas, móveis, material de escritório, estoques ou documentos. Dizem que ter espaço é um luxo, mas este fica mais em conta do que se imagina.

Útil em época de mudança

GUARDAQQUI aluga espaço por metro cúbico

A Empresa GuardAqqui há 5 anos lançou o primeiro Self Storage de Mato Grosso. Este serviço está resolvendo dificuldades de espaço temporárias ou de longo prazo de empresas, profissionais e particulares. Localizado em Cuiabá, a GuardAqqui tem um armazém, dividido em boxes individuais que colocam à disposição dos clientes – particulares ou empresas para guardar temporariamente objetos. Esta solução acaba por ser uma “extensão das casas ou das empresas”, onde se podem guardar desde roupa fora de estação, até material desportivo volumoso, objetos de uso

sazonal, ou objetos que se pretendem manter, mas que não estão em uso. Pode também usar-se o espaço em época de mudança de casa ou escritório, para arquivo de empresas ou armazenamento de estoques. A GuardAqqui garante condições de segurança, incluindo controle de acessos, alarmes individuais, dedetização periódica e monitoramento 24 horas por empresas especializadas. Com seguro contratual e também com modalidades de seguros a escolher. A flexibilidade de contratação de tempo (mínimo 1 dia) e espaço (a partir de um metro cúbico), em

localização privilegiada (Bairro Pico do Amor, próximo ao Viaduto da Av. Fernando Correa), com preço reduzido (a partir de R$82,00 por mês) e a segurança, são as principais vantagens e fatores de diferenciação. Como Funciona ? É muito simples: você escolhe a área que precisa, a GuardAqqui preenche o contrato e, após o pagamento do primeiro aluguel, o espaço já fica disponível para você guardar suas coisas. Tudo muito rápido, prático, sem fiador e sem taxas adicionais como IPTU, luz, água, segurança, entre outros. Enfim, sem burocracia.

seu quadro de colaboradores jovens de 14 a 21 anos. As atividades de recrutamento e seleção foram realizadas no Espaço Prima Jovem – instituição que integra o programa e aplica a metodologia de ensino que busca inserir esses adolescentes no mercado de trabalho. Para a concessionária o objetivo é poder oferecer oportunidade de trabalho para esses jovens para que eles possam, posteriormente, ser um colaborador com formação profissional. Além do recrutamento e seleção o Gestor de RH e a Psicóloga da concessionária realizaram com o grupo de jovens atividades de preparação para futuras entrevistas de emprego, uma vez que, o mercado de trabalho está cada vez mais exigente. As atividades contemplaram dinâmica de grupo e dicas comportamentais durante as entrevistas e também no ambiente de trabalho. Essas contratações permitem a Morro da Mesa desenvolver um trabalho social que beneficie a comunidade, além de permitir o desenvolvimento e a formação de profissionais que futuramente poderão fazer parte da sua equipe permanente.


Economia - MT

B4

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 573 25/08 a 31/08 de 2013

www.copopular.com.br

Cidades

AMM quer agilidade na execução de planos de resíduos sólidos Instituição solicita à Secretaria de Estado de Meio Ambiente solução para pendências

Da Redação

Para agilizar a execução dos planos de resíduos sólidos nos municípios, a Associação Mato-grossense dos Municípios (AMM) pleiteou junto à Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) a solução de pendências administrativas para o encaminhamento dos planos. O superintendente da AMM, Darci Lovato, representando o

presidente da instituição - Valdecir Luiz Colle, o Chiquinho (PSD) - presidentes e representantes de Consórcios Intermunicipais de Desenvolvimento se reuniram com o secretário de Meio Ambiente, José Lacerda, na terça-feira (20) para tratar do assunto. O secretário assegurou que vai dar encaminhamento às licitações para viabilizar a execução dos planos nos municípios. Os

recursos para a elaboração dos planos de Resíduos Sólidos estão depositados na Caixa Econômica Federal, e serão liberados pelo Ministério do Meio Ambiente, através do governo estadual. Os municípios também têm que elaborar o Plano Municipal de Saneamento Básico, cujo prazo se encerra em dezembro de 2013. Já estão assegurados pelo governo federal o montante de R$ 15,6 milhões

Reprodução

Reprodução

O secretário de Meio Ambiente, José Lacerda, assegurou à Associação Mato-grossense dos Municípios que vai dar encaminhamento às licitações para viabilizar a execução dos planos nos municípios

para elaboração dos planos, em setembro. De acordo plano, considerando toporém o serviço ainda não com José Lacerda, a Sema das as etapas necessárias está sendo executado na vai trabalhar junto ao Mi- para executar o trabalho. maioria dos municípios nistério do Meio Ambiente O assunto deve voltar ao porque ainda há pendên- a inclusão dos quatro con- debate nos dias 09 e 10 de cias a serem solucionadas. sórcios restantes, totali- setembro, durante uma Do total de municípios zando os 141 municípios reunião na AMM com representantes da CNM. do estado, 117 já possuem do estado. Os representantes recursos garantidos para dos consórcios já haResíduos viabilizar o Plano de Resíviam se reunido na AMM, Sólidos e Saneduo Sólido e 34 dispõem para debater a elaboração amento Básico do dinheiro para elaborar o A AMM está em con- dos Planos Municipais Plano de Saneamento. O superintendente da tato com a Confederação de Resíduos Sólidos e AMM, Darci Lovato, so- Nacional dos Municípios de Saneamento Básico, licitou que os consórcios para viabilizar a prorro- obrigatórios por lei. A atuem em parceria com gação do prazo para en- reunião contou com a a AMM para viabilizar a trega do Plano de Sanea- participação de prefeiliberação dos recursos. mento Básico. A institui- tos, representantes das “A elaboração dos planos ção avalia que a maioria Secretarias de Estado de é imprescindível para que dos municípios não terá Desenvolvimento Rural e os municípios estejam condições de concluir o de Meio Ambiente. habilitados a pleitear recursos para investimento local”, afirmou. Dos 15 consórcios intermunicipais, 11 têm recursos alocados para os planos municipais de saneamento, dos quais três serão licitados em 28 de agosto. O secretário disse “A elaboração dos planos é imprescindível para que os municípios que os demais estejam habilitados a pleitear recursos para investimento local” serão licitados


Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 573 25/08 a 31/08 de 2013

www.copopular.com.br

www.copopular.com.br

LEGISLATIVO

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul R$ 3,10 - ANO XIII nº 573 25/08 a 31/08 de 2013

EDITORIAL

Assembleia sedia Seminário de Reformulação do Ensino Médio Página 3

É assim que eles nos tratam

Página 2

CAMPO GRANDE

Há 114 anos somando por uma região Centro Oeste mais forte O município de Campo Grande, Capital de Mato Grosso do Sul, comemora nesta segunda-feira, 26 de agosto, 114 anos de emancipação. Embora a independência política tenha se dado no limiar do século XX, mais precisamente em 1899, sua história se remonta, porém, há alguns anos antes quando aqui aportaram os pioneiros na busca por terras que pudessem produzir o cereal e permitir a cria e a recria de gado. Foi em 1870 (por razão da Guerra da Tríplice Aliança) que chegou a notícia aos moradores de Monte Alegre

de Minas (no Triângulo Mineiro) de terras férteis para agropecuária, na região do então “Campo Grande da Vacaria”. Isso acabou contentando José Antônio Pereira, que precisava de terras para alojar sua família. Em 21 de junho de 1872 chegou e se alojou em terras férteis e completamente desabitadas da Serra de Maracaju, na confluência de dois córregos - mais tarde denominados Prosa e Segredo - e que hoje é o Horto Florestal. Os córregos Prosa e Segredo, quando se juntam, formam um dos mais importantes rios da bacia do Rio Paraná,

o Anhandui, que deságua no Rio Pardo na divisa entre os municípios de Campo Grande, Ribas do Rio Pardo e Nova Andradina, No ano seguinte, José Antônio Pereira regressou a Monte Alegre, deixando o seu rancho e a sua lavoura incipiente entregues a João Nepomuceno, com quem se associara. Nepomuceno era caboclo de Camapuã, um arraial que morria, situado na antiga Fazenda Imperial do mesmo nome, nas cabeceiras do Coxim, e que ali aparecera, ‘de muda’ para Miranda.

mais na página 5

CORUMBÁ

FIM DE CONVERSA

Reinaldo diz que não abandona o ninho Prefeitura vai ouvir O deputado federal Reinaldo Azambuja declarou na manhã de quinta-feira que sua saída do ninho tucano está fora de cogitação. Recentemente, petistas questionaram a aproximação com o partido para as eleições 2014, devido à oposição da legenda ao

governo da presidente Dilma Roussef. Apesar das farpas, o pré-candidato ao governo de MS pelo PT, Delcídio Amaral, admitiu que tem conversado com Azambuja.

população sobre intervenções em áreas históricas

mais na página 3

RINDO ATOA

Deputado ganha na Justiça direito de continuar na AL e busca novo partido mais na página 3 Por Fernando Ordakowski

26 DE AGOSTO

Prefeitura garante mais conforto para quem for ao desfile na segunda-feira

Entre os projetos selecionados pelo PAC das Cidades Históricas para Corumbá, estão a recuperação e requalificação da Praça da República, Praça da Independência, Praça Uruguai, da Igreja Nossa Senhora da Candelária e a construção de um mais um acesso entre

o Centro da cidade e a região Portuária. Todas as obras vão beneficiar diretamente a população e, por isso mesmo, a comunidade deverá participar ativamente da execução das obras.

mais na página 7

SAFRINHA

Banda Municipal da Guarda se empenha para uma bonita apresentação no dia 26. Quem for acompanhar o desfile em comemoração aos 114 anos de Campo Grande, na próxima segunda-feira, dia 26, contará com uma melhor estrutura do que a oferecida ao público nos anos anteriores.

mais na página 4

Depois de despencar e causar apreensão, preço do milho reage no mercado interno A oscilação para baixo no preço da saca de 60 quilos do milho chegou a causar apreensão no segmento produtor rural nos últimos dias, principalmente quando a cotação, no Estado, chegou a cair abaixo da casa dos R$ 13,00.

mais na página 8


2

Editorial

Opinião - MS

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 573 25/08 a 31/08 de 2013

www.copopular.com.br

Artigos

É assim que eles nos tratam O povo brasileiro é considerado um dos mais receptivos e hospitaleiros do mundo. Aqui, graças á nossa própria miscigenação racial histórica, todos, vindos de qualquer canto do planeta, são bem recebidos e bem tratados. Japoneses, holandeses, alemães, italianos, espanhóis, asiáticos, enfim, não importa de onde venham, os imigrantes imediatamente sã o incorporados à Nação Brasileira e são tratados pelo povo brasileiro como nativos fossem. Contudo, ultimamente não temos visto recíproca de outras nações, principalmente as europeias que são as que mais “exportaram” gente para a formação da nossa raça que garante o convívio de brancos com negros, amarelos e índios. Um exemplo típico da falta de recíproca dos europeus para com os brasileiros foi dado nesta semana quando o jornalista brasileiro David Miranda, 28, ficou detido por horas a fio em Londres, no Reino Unido, sob suspeita de ser adepto de grupos terroristas.

Ele disse ao chegar ao Brasil, na manhã de segunda-feira, que agora aguarda providências do governo. Miranda, que mantém relação afetiva com o jornalista americano que denunciou o escândalo de espionagem digital dos EUA, ficou retido quase 9 horas numa sala com seis agentes da Scotland Yard (polícia metropolitana de Londres), quando fazia escala no país para voltar ao Rio. “Espero que o governo brasileiro faça alguma coisa porque a gente não sabe o que está acontecendo de verdade”, afirmou ao desembarcar no aeroporto internacional Tom Jobim (Galeão), na Ilha do Governador, zona norte do Rio, por volta das 5h15 desegunda-feira. O povo brasileiro espera, também, que as autoridades nacionais mostrem um pouquinho mais de respeito para com cidadãos nacionais que são maltratados no exterior, o que ofende a soberania nacional e derruba a autoestima do povo tupiniquim.

A vida privada é uma quimera romântica Nesta altura do campeonato, é uma idiotice imaginar que possa haver vida privada no mundo. Estamos sendo bisbilhotados de todas as maneiras. Invadem nossos computadores, nossos telefones, nossa vida doméstica, nossos gostos, nossas vontades, enfim, não há escaninho de nossa existência que não esteja sujeito ao conhecimento de governos e empresas. Talvez só não seja possível (até agora) invadir nossas almas, perscrutando nossos pensamentos secretos, mesmo porque isso pertence ao instante, e o instante só é possível ser revelado quando existir um aparelho que “leia” os momentos fugazes pelos quais seguimos adiante pela existência, às cegas e sem razão. Viver é alucinar e isso, por enquanto, é impossível de ser registrado por qualquer equipamento tecnológico. O mais grave é que estamos aceitando a regra do jogo. Colocamos esse problema numa balança e nos perguntamos: não é melhor abrirmos mãos da proteção de nossa intimidade para desfrutarmos de mais segurança e bem-estar, com a ampla disponibilidade às tecnologias que nos colocam à nossa frente num simples apertar de botões? A cada clic no mause temos acesso a informações múltiplas, o luxo e o lixo, o melhor e o pior, do mais brega ao mais sofisticado, do mais pudico ao mais promíscuo, sem contar que podemos ampliar nosso ambiente de relacionamento, conhecendo pessoas que jamais teríamos chance de conhecer não fossem as redes sociais e os milhares de aplicativos que nos colocam de corpo inteiro diante de possibilidades infinitas para saber de coisas e seres humanos que habitam culturas e costumes inimagináveis. Tudo isso dá um prazer imenso, não é? O presidente Obama disse outro dia: o preço que pagamos para que algum maluco seja impedido de detonar ogivas nucleares em qualquer parte do planeta é o de aceitarmos que organismos “secretos” possam acompanhar de perto (e de dentro) como fazemos nossas higiene, com quem e o que Dante Filho* *escritor e jornalista ( dantefilho@terra.com.br)

expediente

falamos, conhecendo, assim, nossas taras e nossas preferências religiosas, ideológicas e sexuais de ponta-cabeça. Na semana passada, por exemplo, por meio de informações disponibilizadas pelo Serasa no site “Consultor Jurídico”, ficamos sabendo que FHC fez compras na Tiffany, que Lula e Dilma tem créditos diferenciados na praça, que políticos e grandes figuras da Pátria são acompanhados pelo “Grande Irmão” em suas compras no mercado mundial numa demonstração clara de que tudo o que fazemos fica registrado numa grande máquina devoradora de informações, sem que tenhamos controle nem qualquer direito para saber quem as utiliza e para quais finalidades. Outro dia mesmo tive meu computador pessoal de trabalho invadido. Um sujeito esquisito (tenho as imagens) copiou todos meus arquivos profissionais para saber o que escrevo, para quem envio meus e-mails, o que acesso no dia a dia, enfim, o que faço na intimidade de meu trabalho. Achei graça porque sei que ele descobrirá que tenho uma vida monótona, casta e estritamente focada em assuntos que não interessam à maioria das pessoas. O chato disso tudo é que sempre tive obsessão pela preservação da intimidade. Sou um sujeito adstrito e previsível. Não participo de redes sociais e evito expor minhas idiossincrasias para o mundo. Já resolvi meus dramas interiores em anos e anos deitado no divã do psicanalista. A filosofia moderna tem refletido sobre estas questões – vida privada e Estado-total - de maneira contundente. Pensadores do momento dizem que vivemos num “Estado de Exceção”. Quando todas as informações sobre as pessoas estiverem dominadas, estaremos vivendo na plenitude do totalitarismo, eles dizem. Será fácil para os futuros ditadores nos alcançarem e nos abaterem. Eles alertam: quando isso ficar evidente aí será tarde demais para se arrepender deste maravilhoso mundo novo.

é propriedade da

Diretor Antônio Carlos Oliveira Diretoria Comercial Max Feitosa Milas Editoria e Reportagens-MT Beatriz Girardi - DRT - 118-MT Editor e Reportagem - MS Jota Menon Reportagens Beatriz Girardi, Ana Sampaio, Regina Botelho, Jota Menon redacao@copopular.com.br

Sedes Avenida Miguel Sultil, nº 4.353 - Areão Cuiabá - Mato Grosso - CEP: 78.010-500 Fone (65) 3623-4300/e-mail: adm@copopular.com.br

Endereço Brasília CLSW - 301 - Bloco A - Edifício Spaço Vip Sala 136 - Setor Sudoeste Fones: (61) 3028-1388/3028-1488

Editor de Arte Mário Pulcherio Filho Diagramação Leonardo Arruda

Escrtório Campo Grande Rua Joaquim Murtinho, nº 184 - Centro Campo Grande - Mato Grosso do Sul CEP: 79.002-100 Fone (67) 3029-4214 e-mail: admms@copopular.com.br

Charge Fernando Ordakowski

Assinaturas: (65) 3046-0400 (67) 3029-4214

Circulação Brasília, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul

Acesse: www.copopular.com.br

Os artigos de opinião assinados por colaboradores e/ou articulistas são de responsabilidade exclusiva de seus autores. Não representam assim a opinião do jornal.

Bosco Martins PS Luto: Neste mês de agosto, em 13/08/2013 o poeta perdeu seu filho mais velho, Pedro Costa Cruz Leite de Barros, aos 65 anos. Pedro havia cinco

O eterno Manoel de Barros um tímido que vive da palavra

Manoel de Barros vive em estado de sensibilidade pura. anos tentava se recuperar de Não relê os livros que três AVC. Era pai de Silvestre Nogueira de Barros, filho dele escreveu. E somente com dona Maria Nogueira. Stella tem o privilégio de ver os originais, antes que o Poeta os mande à editora. Diante da consagração e da condição dos iletrados pós-modernos, sua poesia é nossa mais absoluta demonstração de independência e soberania e de esperança nesses tempos de sociedade digital. Entre os assuntos recorrentes que aguçam a curiosidade de seus leitores, estão essas perguntas, que arquivei junto com as respostas curtas do Poeta: “Autores preferidos? Rimbaud é meu mestre. Aqui no Brasil, Guimarães Rosa, Padre Vieira. Novos autores? Há dez anos eu só releio. O que é poesia? Poesia é trabalho com palavras. Novo livro? Tento, com pouca força, outro livro de prosa poética. A posteridade? Sinceramente penso. Mas tenho todas as dúvidas. A timidez? Sou tímido. Um gole de vinho me tira a timidez. Fala do Poeta. Sou linguagem”.“ - Às vezes, o poeta ouve a harmonia das palavras – outras vezes, só ouve o “batecum gererê”.Manoel de Barros vai bem nos seus 96 anos (já conta os 97) e considera “um privilégio” ter chegado a esta altura, sem nunca precisar agradar ou bajular ninguém. Seus livros nunca foram recusados por nenhuma editora. Por conta da idade, Manoel diminuiu a produção. A idade trouxe ainda alguns dissabores, como maior dificuldade e lentidão para continuar escrevendo, agora, segundo ele, já em ritimo “baticum gerere”. O Poeta permanece escrevendo à lápis (ou com uma bic), usando à sua mão direita, já que à mão esquerda possui alguns dedos “adormecidos”. Mantem sua letra miúda e justifica: “Escrevo à lápis, pois não sei de máquina. E ignoro computador. Cheguei antes”. Em seu escritório continua a reunir seus tesouros: as fotos do pai João Wenceslau e da mãe Alice. Uma pequena biblioteca com os livros preferidos, dicionários, a escrivaninha, vários pequenos cadernos com anotações, tocos de lápis, etc, onde cria: relendo, escrevendo, ouvindo música clássica ou fazendo sua contemplação em sua lida diaria. Em minha visita mais recente defiz a preocupação de uma outra ida na casa dele, quando não consegui ve-lo por conta de “uma constipação”. Neste recente reencontro, desfiz de vez a preocupação: o amigo mantém o sorriso espontâneo e vivacidade que salta-lhe de seus pequenos olhos pretos. O sorriso inesquecivel do poeta e a cordialidade mineira de Stella continuam a mesma. Pouco mais de duas horas de conversa é perceptivel que o poeta ainda vive à fecundar a sua poesia sem perder o dom de lembranças de sua infância

com uma memória invejável. Manoel de Barros é um humanista, sem ranço ou traço de pieguice e nunca fez de seu conhecimento e sabedoria, fator de arrogância. Em nada diminui, nem mesmo nesse atual ritimo a sua perspicacia e bom humor. Mantém o hábito de antes do almoço tomar sua dose diária de destilado com única diferença de ter trocado as talagadas da boa pinga mineira por whisky com água de coco, orientação segundo ele de seu médico. Tem comido pouco. Gosta de ovo, arroz, carne, feijão, acompanhado sempre de fruta. Fazem parte de seu dia-a-dia, os 7 netos, 5 bisnetos, a filha Martha que mora no Rio, mas esta sempre presente, duas funcionárias que se revezam, a leitura dos jornais do dia, as visitas do irmão Abilio, sobrinhos, e seu gosto em ver novelas e tv. Tem saido raramente de casa e só permitido abrir as portas de sua residência para os familiares. Se emociona muito quando reve algum amigo. Pessoa de uma delicadeza natural, se toca emocionalmente quando admiradores se aproximam. Houve um tempo que atendia todo mundo, mas já não consegue mais. Se impressiona com o carinho das pessoas por ele. Sua poesia e obra cresceram tanto nestes anos que acabou tirando o seu sono. Por essas e outras é que o poeta esta cada vez mais disponivel para familia. Sua companheira de todas as horas, a esposa Stella Leite de Barros, não se lembra de crise entre os dois. Já estão casados há 64 anos. Mineira de boa sepa é o contrário dele, mas afinados ao extremo. Ela cuida das coisas da casa e ainda dos negócios da familia, com ajuda de Felipe, um de seus netos. É prática e bem pé no chão. O poeta sempre brinca que Stella é uma moça normal, enquanto ele é o avesso. O poeta continua o mesmo ser meio desligadão que conheci há anos e as vezes de tão concentrado aparta-se do restante das coisas. Sempre foi um pai e avô amigo e apegado à familia, sendo um homem extremamente carinhoso. Segundo Stella, que brinca sempre com esse lado do poeta, sua delicadeza é fruto de ter nascido sem arrebentar a bolsa da água, por isso teria nascido protegido, sendo um homem de muita sorte. Stella lembra ainda que o poeta nunca julga as pessoas pelo menos, até que se prove o contrário, pois acredita que todas as pessoas são boas. Sobre a morte um dos temas mais recorrentes em perguntas que lhe são enviadas, Manoel evita responder: não fala quase nada sobre ela. Quando morre alguém, nunca questiona, nunca analisa. Desta forma também lida com as doenças, noticias ruins, etc, nunca reclama de nada. O poeta detem uma incrivel capacidade de ouvir e a mais absoluta facilidade de decidir o que vai ser feito com as palavras. É assim que Manoel de Barros, caminha para suas origens através do encantamento e o prazer de sua prosa poética: Vida Longa, Poeta!!!

Falou e Disse

“Ele (Puccinelli) já declarou em diversas oportunidades que não é candidato em 2014 e eu não trabalho mais com essa hipótese. Então acredito que será a Simone. Ela aceita esse fato e até prefere ser candidata ao senado”. Senador Waldemir Moka (PMDB/MS) sobre as eleições 2014 no Estado

Ponto de Vista Boicote ao Brasil Somos um país de dimensões continentais e amplos recursos naturais. Aqui não faltam água, matérias primas, terras férteis, diversidade ambiental e climática e um povo trabalhador e criativo. Porque então ainda temos miséria, crianças sem escola, esgoto a céu aberto, mortes por epidemias, violência urbana crescente? É certo que os números de hoje são bem melhores que de décadas passadas, mas também é certo que poderíamos já ter chegado à 5ª economia mundial e andamos em marcha à ré. A resposta é simples: há um boicote ao Brasil! É isso mesmo, nosso país é boicotado toda vez que um gestor público decide não priorizar os investimentos em infraestrutura e deixar de tomar decisões que permitam à economia deslanchar. Temos graves deficiências nas estradas, ferrovias, hidrovias, portos e aeroportos. A consequência é o tal custo Brasil e a baixa competitividade de nossos produtos aqui e no exterior. Com isso, geramos menos empregos, arrecadamos menos impostos e vemos cada vez mais brasileiros comprando mais barato em outros países. Um exemplo claro é o que acontece com o nosso agronegócio. Em 2013, o IBGE estimou que a safra nacional deve chegar a uma produção de mais de 183 milhões de toneladas. Um recorde que esbarra na infraestrutura precária que segue em descom-

passo com o ritmo de nossa produção agropecuária. O agronegócio tem marca significa- Ruben Figueiró de Oliveira * Foi Deputado Estadual, tiva na composição Federal, Constituinte de do PIB, até para sal- 1988, Secretário de Estado vá-lo de um fatídico e conselheiro do Tribunal Contas. É Senador da percentual negativo. Rdeepública pelo PSDB-MS. Mas, de nada adianta sermos grandes produtores de commodities se a logística de transporte é totalmente falha. Temos tudo para transformar o Brasil num dos países mais importantes do mundo, mas a burocracia, a legislação tributária, as dificuldades operacionais do setor portuário, a precariedade das estradas, tudo isso, somado, nos mantém sob o manto do atraso e da pobreza. Os números da nossa produção agropecuária são respeitáveis, mas precisamos de atenção do Governo. A luta contra a miséria passa pelo aumento de produção dos alimentos, da melhoria dos índices de exportação, da evolução do PIB e da redução da inflação. A contradição é evidente: produzimos mais, só que mais caro. É lamentável que por falta de visão e ação política, o Brasil continue na contramão do processo de crescimento sustentável desperdiçando todo o potencial natural e humano de que dispomos.


Política - MS

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 573 25/08 a 31/08 de 2013

www.copopular.com.br

FIM DE CONVERSA

Reinaldo diz que não abandona o ninho O deputado federal Reinaldo Azambuja declarou na manhã de quinta-feira que sua saída do ninho tucano está fora de cogitação. Recentemente, petistas questionaram a aproximação com o partido para as eleições 2014, devido à oposição da legenda ao governo da presidente Dilma Roussef. Apesar das farpas, o pré-candidato ao governo de MS pelo PT, Delcídio Amaral, admitiu que tem conversado com Azambuja. Azambuja informou que esteve com Delcídio na quarta-feira (20) conversando sobre política e que o convite para o encontro teria partido do senador petista. Delcídio confirmou que esteve com o deputado em Brasília, a seu convite. “Ele (Delcídio) nos procurou e temos conversado sobre a possibilidade de uma aliança. É claro que todas as decisões passam pela executiva do PSDB e do PT. Hoje (quarta-feira) mesmo estive com ele, inclusive, apenas os dois conversando sobre política”, ressaltou.

Conforme Azambuja, Delcídio o chamou para conversar sobre as possibilidades, informando que o PT gostaria de ter o PSDB na aliança para 2014. “Eles (petistas) trataram esse assunto dentro da executiva nacional, com o Rui Falcão, segundo Delcídio me disse, e nos chamaram para expor a intenção de se unir. Nós estamos dialogando com todos, mas nosso foco principal nesse momento é o projeto Pensando MS”, explicou. O deputado disse ainda que assim como o PT, outras legendas têm conversado com o partido e que nenhuma porta está fechada. Sobre as declarações do deputado estadual Pedro Kemp (PT), de que o PT estaria ajudando a eleger um adversário político – já que o PSDB é oposição ao governo da presidente Dilma – e que a aliança seria facilitada se o deputado saísse do PSDB, Azambuja achou graça. Ele disse que não faz ideia porque o deputado disse uma coisa destas, mas que segue trabalhando. “Mudar de partido está

fora de cogitação. Para mim não seria ele que estaria elegendo um adversário, mas nós que estaríamos apoiando um candidato ao governo que não faz parte do nosso

quadro de aliados. Mesmo assim, tenho mantido conversações com o Delcídio e se é possível ou impossível essa união, vamos ver lá na frente”, disparou.

Deputado ganha na Justiça direito de continuar na AL e busca novo partido

Sem risco de responder por infidelidade, Lídio disse que desistirá da briga para continuar no Partido Progressista. “Agora vou buscar outro partido. Não tenho interesse

de ficar brigando com o Bernal (presidente do PP, Alcides Bernal)”, garantiu. Lídio explica que tem até o dia 3 de outubro, quando vence o prazo de filiação,

para definir o próximo partido. Ele também pretende aguardar os desdobramentos em Brasília para saber se haverá ou não reforma política. “Vamos analisar as siglas”, resumiu. Lídio foi expulso do PP após desentendimentos com Bernal. Ele foi acusado de não participar da campanha e ajudar o concorrente, Edson Giroto (PMDB), na campanha pela Prefeitura de Campo Grande. Suplente na coligação com o PT, Lídio chegou à Assembleia depois que Paulo Duarte (PT) foi eleito prefeito de Corumbá. Ele chegou a procurar a Justiça para se manter no PP, mas agora desistirá da ação.

LEGISLATIVO

Assembleia sedia Seminário de Reformulação do Ensino Médio

Assembleia Legislativa terá eventos de terça-feira a sábado na próxima semana

A Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul está repleta de eventos no período de 27 a 31 de agosto, com destaque para o Seminário de Reformulação do Ensino Médio e para os trabalhos da CPI da Saúde. Para terça-feira (27/8), às 15h, está programada a reunião semanal da Comissão de Constituição, Justiça e Redação. A CCJR é uma das comissões permanentes mais importantes da Casa de Leis. Por ela passam todos os projetos que são apreciados pela Assembleia Legislativa, tanto os que são de autoria dos

deputados como do Executivo, Judiciário, Ministério Público e Tribunal de Contas. É de prerrogativa da Comissão de Constituição, Justiça e Redação analisar o aspecto legal das propostas, se atendem as determinações constitucionais e se sua redação é condizente com o assunto. Ainda na terça-feira, mas no período das 19h às 22h, por proposição do deputado Professor Rinaldo (PSDB) será realizada uma sessão solene de entrega de Título Honorífico de Cidadão Sul-Mato-Grossense. O homenageado

POLITICANDO Jota Menon - jota.menon@uol.com.br

PRESSIONADA Sob pressão dos partidos aliados e ameaça de derrotas no Congresso, o governo Dilma Rousseff promove neste mês uma liberação inédita de verbas de interesse direto de deputados e senadores. Apenas nos primeiros nove dias de agosto, as autorizações para despesas incluídas por congressistas no Orçamento -conhecidas como emendas parlamentares- já atingiram o maior montante mensal do ano, com folga. Segundo levantamento feito pelo jornal Folha de S. Paulo, as 20 iniciativas orçamentárias que mais concentram emendas receberam, no curto período, R$ 1,2 bilhão, pouco abaixo do R$ 1,4 bilhão autorizado ao longo dos sete meses anteriores.

RINDO ATOA

O deputado Lídio Lopes, atualmente sem partido, ganhou na Justiça o direito de continuar com o mandato na Assembleia Legislativa. Segundo o deputado, por unanimidade o Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJMS) negou provimento ao PT, que solicitava o mandato por alegar que Lídio foi expulso do PP. “O mandato é nosso. Queriam pedir o mandato alegando que eu não estou filiado a nenhum partido político. Mas, a Justiça julgou improcedente a ação por entender que eu fui expulso do partido. Se tivesse me desfiliado e ido para outro partido, ai poderia considerar infidelidade”, justificou.

3

é o Reverendo Claudio Braga, presidente da Igreja do Evangelho Quadrangular no Estado de Mato Grosso do Sul. Já na quinta-feira (29/8), a partir das 14h, será realizada mais uma reunião da CPI da Saúde. Desta vez para ouvir o presidente do Hospital Universitário, Claudio Wanderley Saab, e o ex-diretor do Hospital do Câncer Adalberto Abrão Siufi. Antes disso, a CPI viaja para Naviraí, na segunda-feira; e para Nova Andradina, na terça-feira. Na sexta-feira (30/8), das 9h às 16h, no plenário Julio Maia, será realizada a eleição da diretoria da Asalmasul (Associação dos Servidores da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul) para o triênio 2013-2016. Também na sexta-feira, será realizado, no período das 12h às 19h, um seminário sobre a Reformulação do Ensino Médio. O evento será coordenado pelo deputado federal Antônio Carlos Biffi (PT). Uma comissão especial estuda a reformulação do Ensino Médio. O objetivo é discutir o assunto com especialistas e profissionais para apresentar uma proposta de

mudança na legislação atual, tornando o ensino médio mais atrativo aos jovens e reduzir a evasão escolar. Finalmente, das 18h30 às 22h, será realizada, no plenário, a sessão solene em comemoração ao Dia do Psicólogo, por proposição do 2º secretário da Assembleia Legislativa, deputado Pedro Kemp (PT). E no sábado (31/8), às 19h, a Assembleia Legislativa por intermédio do deputado Junior Mochi (PMDB), em conjunto com o CREF11/ MS-MT (Conselho Regional de Educação Física da 11ª Região Mato Grosso do Sul - Mato Grosso), realiza a abertura da Semana do Profissional de Educação Física – “Novas tendências e metodologias no campo da Educação Física”. O evento contará com as palestras de João Batista Freire da Silva (A relevância social da Educação Física) e de Iguatemy Maria de Lucena Martins (Desafios e Perspectivas da Intervenção Profissional em Educação Física). O mediador será o presidente do CREF11, Ubiratam Brito de Mello.

PRESSIONADA (1) Desde o início da atual administração, tal volume só tem precedentes nos meses de dezembro, quando o governo inscreve gastos atrasados para execução no ano seguinte, e em julho do ano passado, por ser prazo limite definido pela lei eleitoral para operações do gênero. Os dados evidenciam uma nova postura da articulação política do Planalto, que, até a queda dos índices de popularidade de Dilma, submetia os partidos da base de apoio a uma ração modesta de recursos orçamentários. Antes de agosto, as autorizações de verbas para emendas se concentravam em apenas dois dias atípicos: 28 de maio, quando a presidente ouviu queixas de líderes petistas, e 3 de junho, quando ela prometeu ao PMDB acelerar a liberação de dinheiro. SANEAMENTO Mais da metade dos municípios brasileiros não controla os serviços de abastecimento de água tratada e saneamento básico oferecidos à população. A informação é da pesquisa “Saneamento Básico – Regulação 2013”, lançada na segunda-feira (19) durante o 8º Congresso da Associação Brasileira das Agências de Regulação (Abar), que acontece em Fortaleza. Das 5.570 cidades do país, apenas 2.716 possuem regulação -- o que corresponde a 48% do total. Regulação é o nome dado a atividades de fiscalização e acompanhamento da qualidade dos serviços de água e esgoto e de definição de regras para os reajustes de tarifas. SANEAMENTO (1) Criadas por meio de leis, as agências reguladoras devem regular os serviços essenciais prestados por empresas públicas, de capital misto ou privado. Elas devem ter autonomia financeira e decisória e ser livres de interesses políticos. Muitos municípios preferem fazer parcerias para garantir a regulação, em vez de criarem órgãos próprios. “Quando não há agência regulando, a empresa prestadora do serviço fica livre para fazer como quer. A agência surge para cobrar que haja equilíbrio na tarifa, zelo pela qualidade do serviço e cumprimento das metas estabelecidas”, disse o presidente do instituto Trata Brasil, Edson Carlos. A pesquisa mostra que essas agências aplicaram 1.181 penalidades às empresas no último ano, sendo 89% apenas advertências. Segundo o coordenador da pesquisa, Alceu Galvão, o ritmo de crescimento da regulação – de 18% ao ano-- é “lento, mas tem sido consistente”. NOVIDADE O vereador Chiquinho Brazão (PMDB), eleito presidente da CPI dos Ônibus na Câmara Municipal do Rio de Janeiro, afirmou em entrevista exclusiva ao UOL que a possibilidade de se implementar a tarifa zero no transporte público, uma das reivindicações que constam na pauta da recente onda de manifestações no Rio e em outros Estados, está fora de cogitação: “Em que lugar do mundo existe essa mágica? Não existe tarifa zero. Alguém sempre vai pagar”. NOVIDADE (1) O peemedebista, colega de partido do governador Sérgio Cabral, disse que não se sente pressionado nem pela base governista nem pelos jovens e militantes que cobram a sua renúncia --eles defendem que o vereador do PSOL Eliomar Coelho, proponente da CPI, é quem deveria presidir a comissão. Questionado sobre um eventual conflito ético pelo fato de o objeto de investigação da CPI --a licitação dos ônibus feita em 2010-- envolver diretamente a gestão do prefeito Eduardo Paes (PMDB), Brazão afirmou não estar “atrelado a ninguém”: “Sou do PMDB bem antes de o prefeito Eduardo Paes se filiar à legenda”. CUTUCADA O senador Delcídio Amaral (PT) declarou na manhã desta segunda-feira (19) que as CPIs da saúde em Campo Grande precisam por o dedo na ferida e não ficar vaselinando. As declarações foram feitas em entrevista à rádio Cultura AM. O senador presidiu em 2005 a CPMI (Comissão Parlamentar Mista de Inquérito) dos Correios que culminou com a descoberta do caso conhecido internacionalmente como Mensalão. Durante a entrevista, Delcídio disse que a saúde em Campo Grande é “um desastre que se arrasta pelas administrações”. O senador afirmou que há solução para a saúde e que as Casas Legislativas (Câmara e Assembleia) estão cumprindo seu papel de fiscalizar o executivo. CUTUCADA (1) “As CPIs são positivas, mas os parlamentares têm que ter em mente que é preciso por o dedo na ferida e não ficar vaselinando. Se for pra chover no molhado e dar tempo pra coisa prescrever, ai não pode. Sob pena inclusive de ficar mal para o político”, disparou. Delcídio afirma que das investigações devem sair proposições para aperfeiçoamento de controle e citou como exemplo a questão da transparência, leis de previdência e outras que foram reflexo da CPI dos Correios. “É preciso ouvir a voz das ruas”, pontuou. VIVA O PORCO! Está ficando monótono, mas vai melhorar, porque vamos ferrar os adversários e ser bicampeões da Copa do


Geral - MS

4

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 573 25/08 a 31/08 de 2013

www.copopular.com.br

26 DE AGOSTO

Prefeitura garante mais conforto para quem for ao desfile na segunda-feira prefeitura duplica o número de pessoas que assistirão às apresentações sentadas. Para evitar enormes filas e transtornos, principalmente para o público infantil, 40 banheiros químicos estarão instalados no entorno da 14 de julho. Esta quantidade é quase três vezes maior que os 14 banheiros disponibilizados em 2012. Com o tempo seco e a baixa umidade do ar, uma outra preocupação da administração municipal foi garantir que o público tenha acesso mais fácil aos pontos de distribuição de água. Este ano, em cinco locais ao longo da via haverá equipes da prefeitura distribuindo água para quem solicitar. Mesmo sem querer fazer uma estimativa de públi-

Foto:Mário Bueno

Banda Municipal da Guarda se empenha para uma bonita apresentação no dia 26. Quem for acompanhar o desfile em comemoração aos 114 anos de Campo Grande, na próxima segunda-feira, dia 26, contará com uma melhor estrutura do que a oferecida ao público nos anos anteriores. Por determinação do prefeito Alcides Bernal (PP), os órgãos da administração municipal envolvidos na organização do evento buscaram a garantia de que as pessoas terão mais conforto durante o tempo em que permanecerem na rua 14 de Julho, acompanhando o cortejo dos mais de 60 participantes. O primeiro item que deverá chamar a atenção

da população é a arquibancada. Neste ano, ela estará

disposta dos dois lados da rua 14 de Julho, no trecho

FAZENDO JUSTIÇA

entre as ruas Dom Aquino e 15 de Novembro. Com isto, a

co, a administração do prefeito Alcides Bernal acredita que um grande número de pessoas comparecerá à rua 14 de Julho para prestigiar um dos principais eventos no calendário de comemorações do aniversário de Campo Grande. Desde o primeiro momento, tudo foi pensado para garantir mais conforto e segurança àquelas pessoas que dispuserem a sair de suas casas para assistir ao desfile. Vale que 26 de agosto é uma das datas em que a tarifa do transporte urbano é reduzida. “Estamos confiantes de que o desfile marcará, também, uma nova fase na forma de organizar eventos efetivamente pensando nas pessoas”, destacou o prefeito.

MS FORTE 2

Plenário Júlio Maia ficou lotado durante a solenidade de entrega do troféu “Jovem Empreendedor de MS. A Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul encerrou oficialmente na noite desta quinta-feira (22/8) a Semana Estadual do Jovem Empreendedor com a entrega do troféu “Jovem Empreendedor de MS” aos destaques do empreendedorismo do cenário sul-mato-grossense. “A semana surpreendeu pela quantidade de público, observamos que o jovem quer colocar em prática o que foi demonstrado pelos palestrantes”, disse o autor da lei 3.974 de 29 de novembro de 2010, que institui a honraria e também a semana, deputado estadual Marcio Fernandes (PTdoB). Beatriz Rodrigues foi uma das homenageadas da noite e disse estar lisonjeada pelo troféu. Com sua experiência em Londres, ela criou um espaço inovador, o “The Queen Nail Bar”, que é um salão de manicure e pedicure com um bar e espaço temático inspirado na capital inglesa. “Para ter o próprio negócio é necessário disciplina. Você trabalha dobrado,

mas vale a pena”, acredita a empreendedora. Rodrigo Barbosa Paulino é presidente do Conselho Nacional dos Jovens Empreendedores e afirmou que o jovem precisa ter visão ampla, vontade e determinação. “A cultura do empreendedorismo deve ser trabalhada desde a infância. A educação básica e familiar certamente vai influenciar na vida profissional”, salientou. Outro empreendedor que recebeu o troféu foi o publicitário Stênio Congro Neto, que é responsável pela gestão operacional do Grupo RCN de Comunicação. Ele também é diretor geral da TV Concórdia de Três Lagoas. “O mercado é competitivo, não é fácil. A gente tem que estar preparado a todo instante”, aconselha. O empresário Leonardo Lorents Merjan Soares também foi um dos agraciados da noite com o troféu “Jovem Empreendedor de MS” . Merjan é proprietário do restaurante Madame Japô e sócio-proprietário da casa noturna 21 Music Bar e da Concrete – Soluções e Acessibilidade. “ Me inspirei no meu pai que também é bas-

tante empreendedor. Nunca gostei da rotina que exige alguns empregos”, disse. A diretoria da AJE/MS (Associação de Jovens Empreendedores e Empresários de MS), cujo presidente é Danilo Félix dos Santos, esteve presente no evento. “Nosso objetivo é o de fomentar a cultura do empreendedorismo e para isso trabalhamos junto com o deputado Marcio Fernandes na Semana do Empreendedor”, comentou. Foram agraciados com o troféu “Jovem Empreendedor de MS”: Adiek Souza de Paula, Alfredo Zamlutti Neto, Alexander de Brito Machado, Beatriz Rodrigues Figueiredo, Carlos Thiago Bellin, Caio Duarte Miranda, Caroline Comin, Estevan da Silva Neves Congro, Erica Estela Almeida de Matos, Gabrielle Lopes, Gildo Cavalieri Neto, João Araújo, João Ricardo Meira Lubas, Kenia Fernandes, Leonardo Lorentz Merjan Soares, Marcio Batista, Marciana Rosa Ramos, Olívia Freire, Paulo Valcanaia, Kamil Hazini, Rafael Santana, Stênio Congro Neto, Sulivan Vareiro, Kamil Hazini e Wagner Souza Junior.

Com os investimentos do MS Forte 2, lançado pelo governador André Puccinelli no último dia 15, o governo do Estado vai garantir o recapeamento de pelo menos 1.656,555 quilômetros de asfalto. Somente de restauração de rodovias serão 809,780 quilômetros. O programa de obras e ações do governo do Estado conta com investimentos de R$ 3,6 bilhões, sendo que a área de infraestrutura e logística soma R$ 1,48 bilhão. De acordo com a programação do MS Forte 2, serão restauradas as seguintes rodovias: MS-295: Eldorado/Iguatemi/Tacuru (82,740 km); MS-156/295: Amambai/Tacuru (64,640 km); MS-386: Amambai/ Sanga Puitã (Ponta Porã) (81,900 km); MS-160: Tacuru/Sete Quedas (47,200 km); MS-240: Paranaíba/ Inocência (85,800 km); MS162: Dourados/Placa do Abadio - MS-470: Douradina/ Entr. BR-163 (23,910 km); MS-339: Miranda/Bodoquena (59,840 km); MS384: Entr. MS-164/Antônio João (30,180 km); MS-395: Anaurilândia/Bataguassu (66,560 km); MS-276/MS480: Batayporã/Anaurilândia - Entr. MS-276/Porto Primavera (79,650 km); MS147: MS-Vila Rica/Culturama (45,000 km); MS-164: Entr. MS-270 (Copo Sujo)/ Ponta Porã (73,200 km); MS-178: Bonito/Acesso Aeroporto de Bonito (14,160 km); MS-270: Entr. MS-162 (Placa do Abadio)/Itaum/ Entr. MS-164 (Copo Sujo) (55,000 km). ASFALTO NOVO O programa de obras e ações contemplará um total de 2.005,543 quilômetros de asfalto novo. As rodovias são: MS-112: Inocência/ Cassilândia (86,760km); MS-040: km 17,000 (Campo Grande) Santa Rita do Pardo (209,033 km); MS316/320: Entr. BR-060 (Paraíso das Águas)/Entr. MS377 (150,97 km); MS-162:

Foto Edemir Rodrigues

Foto: Roberto Higa

Estado vai restaurar mais de Destaques do empreendedorismo 800 quilômetros de rodovias são homenageados na AL

Avenida Guaicurus (Dourados) - (11,824 km); MS-010: Campo Grande/Rochedinho - (17,418 km); MS162/355: Quebra Coco/Dois Irmãos do Buriti (32,962 km); MS-274: Ent. MS-145/ Porto Vilma (13,700 km); MS-324: Água Clara/Córrego Barra Mansa (14,540 km); MS-178: Bonito/Entr. BR-267 (17,041 km); BR419: Entr. BR-163 (Rio Verde de Mato Grosso)/ Entr. MS-080/ Entr. BR-262 (Aquidauana) - (228,240 km); MS-165: Entr. MS-386 (Sanga Puitã)/Km 38,36 (Aral Moreira) – conclusão (38,860 km). Durante o lançamento do MS Forte 2, o secretário de Estado de Obras Públicas e de Transportes, Edson Giroto citou algumas vias importantes que receberão asfalto novo e outras que serão recapeadas. A pavimentação da Estrada do Curê, por exemplo, no prolongamento da MS-178 com o entroncamento da BR-267/MS, entre Bonito e Jardim vai proporcionar o asfalto em dois segmentos, numa extensão de 17 quilômetros. O primeiro trecho começa no Aeroporto de Bonito e termina no Km 17, e o segundo trecho a ser pavimentado será a partir da transposição do Rio da Prata. Nesta mesma região, o governo do Estado vai restaurar a rodovia MS-178 no acesso ao Aeroporto de Bonito, totalizando 14,160 quilômetros. “Essas obras

com o asfalto da Estrada do Curê consolidam a rota turística da região, já que o governo estadual já executou a pavimentação entre Bonito e Bodoquena”, destacou Edson Giroto. A pavimentação foi garantida através de uma parceria entre o governo do Estado de Mato Grosso do Sul e o governo Federal, durante visita do ministro do Turismo, Gastão Vieira, que em fevereiro participou da inauguração do asfalto da rodovia MS-178. Os investimentos somam R$ 19.925.406,69. CONTORNOS E ACESSOS O governo do Estado também vai executar outras obras importantes para o desenvolvimento dos municípios. Serão feitos o Contorno Viário de Caarapó mais a Avenida Duque de Caxias conclusão (3,177 km); acesso ao Núcleo Industrial de Aparecida do Taboado (3,200 km); acesso ao Aeroporto Municipal Santa Maria em Campo Grande (5,200 km); acesso ao Aeroporto Municipal de Três Lagoas (1,450 km) e a conclusão da construção do Contorno Ferroviário de Três Lagoas (12,400 km). Além da pavimentação e recapeamento, o MS Forte 2 continua com a manutenção permanente das pontes de madeira em rodovias estaduais, num total de 1.012 quilômetros, além de execução de obras de recuperação do pavimento de vias urbanas nos diversos municípios.


Política - MS

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 573 25/08 a 31/08 de 2013

www.copopular.com.br

5

CAMPO GRANDE

Há 114 anos somando por uma região Centro Oeste mais forte O município de Campo Grande, Capital de Mato Grosso do Sul, comemora nesta segunda-feira, 26 de agosto, 114 anos de emancipação. Embora a independência política tenha se dado no limiar do século XX, mais precisamente em 1899, sua história se remonta, porém, há alguns anos antes quando aqui aportaram os pioneiros na busca por terras que pudessem produzir o cereal e permitir a cria e a recria de gado. Foi em 1870 (por razão da Guerra da Tríplice Aliança) que chegou a notícia aos moradores de Monte Alegre de Minas (no Triângulo Mineiro) de terras férteis para agropecuária, na região do então “Campo Grande da Vacaria”. Isso acabou contentando José Antônio Pereira, que precisava de terras para alojar sua família. Em 21 de junho de 1872 chegou e se alojou em terras férteis e completamente desabitadas da Serra de Maracaju, na confluência de dois córregos - mais tarde denominados Prosa e Segredo - e que hoje é

Campo Grande nos primeiros anos do século passado

A matrópole que José Antônio Pereira deu início no último ano do século XIX

com dois carros de bois que o peso da carga fazia chiar nos eixos. [Rosário Congro (18841963), primeiro historiador da cidade]. No dia 14 de agosto de 1875, José Antônio Pereira enfim retorna com sua família

barro). As casas, de precário alinhamento, formaram a primeira rua (chamava-se Rua Velha, atual Rua 26 de Agosto, e terminava num pequeno largo (atual Praça dos Imigrantes), onde havia uma bifurcação, formando mais duas vias). José Antônio Pereira, fundador do arraial, construiu sua residência definitiva no final da ramificação de baixo (hoje Rua Barão de Melgaço). Faleceu em sua fazenda “Bom Jardim”, em 11 de janeiro de 1900, meses depois da emancipação política da vila (26 de Agosto de 1899). A partir de 1879 novas caravanas de mineiros foram chegando e sendo distribuídas nas terras devolutas, marcando suas posses, quase sempre sob a orientação do fundador. Estabeleceram assim as primeiras fazendas do Arraial de Santo Antônio do Campo Grande. No centro da

outros. Depois de cansativas e insistentes reivindicações (também devido a sua posição estratégica, e sendo passagem obrigatória em direção ao extremo sul do Estado, Camapuã ou ao Triângulo Mineiro), o governo estadual promulga a resolução de emancipação da vila e a eleva à condição de município, ao mesmo tempo que passa a se chamar apenas Campo Grande em 26 de agosto de 1899. Joaquim Vieira de Almeida havia faleceu em decorrência de tuberculose sem ver seu pedido atendido. O município de Campo Grande se desenvolve com a agropecuária, proporcionada pelo estabelecimento de fazendas de criação de gado em suas imediações e nos campos limpos de Vacaria. Torna-se um centro comercial bovino, de onde partiam comitivas conduzindo boiadas para o Triângulo

Igreja Matriz de São Francisco, até hoje uma das mais belas obras que contam um pouco da história da arquitetura do século XX

o Horto Florestal. Os córregos Prosa e Segredo, quando se juntam, formam um dos mais importantes rios da bacia do Rio Paraná, o Anhandui,

(esposa e oito filhos), escravos, além de outros (num total de 62 pessoas). No primeiro rancho, que houvera construído, encontra agora Manoel Vieira

Museu José Antonio Pereira, homenagem aos pioneiros

rua, no comércio e farmácia, que pertenciam a Joaquim Vieira de Almeida, reuniam-se a alta sociedade do local. Era o homem que tinha maior instrução na vila e era o redator de documentos de caráter público ou privado. E eram resolvidos ali os problemas comunitários, de onde saíam as reivindicações ao governo. Foi de autoria do próprio Joaquim Vieira de Almeida uma correspondência solicitando a emancipação da vila.

Mineiro e o Paraguai. Construída em 1900, por Manuel da Costa Lima, a estrada boiadeira (hoje BR163/BR267), passou a ligar Campo Grande às barrancas do Paraná. Com isso, as boiadas dirigiram-se também para São Paulo, onde se abriu novo mercado para a região e novas oportunidades para o comércio local, além de intercâmbio. Chega a Campo Grande em 1909 o engenheiro Temístocles Pais de Sousa Brasil, que foi indicado e designado pelo Exército para realizar os estudos para a locação e a construção do quartel-general e outros aquartelamentos das Forças Armadas da região de Mato Grosso, além de ser designado para projetar a pri-

A EMANCIPAÇÃO A região e a vila se desenMorada dos Baís, casarão dos pioneiros da cidade de Campo volviam em razão do clima e da Grande no estado do Mato Grosso do Sul. privilegiada situação geográfica. Isso atraiu os habitantes que deságua no Rio Pardo na de Sousa (Manoel Olivério) de São Paulo, Rio Grande do divisa entre os municípios de e sua família, provenientes Sul, Paraná e Nordeste, entre Campo Grande, Ribas do Rio de Prata, que aqui haviam chegado atraídos pelas notíPardo e Nova Andradina. No ano seguinte, José cias dos Campos de Vacaria, Antônio Pereira regressou juntamente com seus irmãos a Monte Alegre, deixando o Cândido Vieira de Souza e Joaseu rancho e a sua lavoura quim Vieira de Souza, e alguns incipiente entregues a João empregados, um dos quais JoNepomuceno, com quem se aquim Dias Moreira (Joaquim associara. Nepomuceno era Bagage). As famílias se unem caboclo de Camapuã, um ar- e originam a primeira geração raial que morria, situado na de campo-grandenses. antiga Fazenda Imperial do No fim de 1877 cumpre-se mesmo nome, nas cabeceiras uma promessa feita durante a do Coxim, e que ali aparecera, viagem de retorno e constrói ‘de muda’ para Miranda, que- a primeira igrejinha (rústica Rua Velha, em Campo Grande brando a monotonia do ermo de pau-a-pique com telhas de

meira planta urbana e rocio da vila de Campo Grande. A Comarca de Campo Grande é criada em 1910. Seu primeiro juiz de direito foi Arlindo de Andrade Gomes. Seu primeiro promotor público, Tobias de Santana. As idéias modernizadoras dos primeiros administradores influenciaram várias áreas, da pecuária ao urbanismo, e foi traçada a zona urbana com

cimento de água canalizada, energia elétrica e telefone. Em 1932, chegou a informação na cidade da deflagração da Revolução Constitucionalista. Quando a cidade soube da notícia, viu seu primeiro desafio: “de que lado ficar?” As lideranças da época (políticos e coronéis oriundos do norte do estado e radicados na região) romperam de vez com o poder e uniram-se a São Paulo

Estação ferroviária, um marco do desenvolvimento

avenidas e ruas amplas e arborizadas. É instalada a energia elétrica em 1916 e em 16 de julho de 1918, pelo Decreto nº. 772, o município é elevado à categoria de cidade. De 1921 a 1923, na gestão do intendente Arlindo Andrade, são feitas várias obras urbanas (urbanização da Av. Afonso Pena, arborização das vias principais e secundárias e ajardinamento da Praça Ari Coelho, entre outras). Outro fator de progresso para o município e para o estado de Mato Grosso foi a chegada da Estrada de Ferro Noroeste do Brasil, da RFFSA (atual ALL), em 1914, ligando as duas bacias fluviais: Paraná e Paraguai, aos países vizinhos: à Bolívia (via Corumbá) e ao Paraguai (via Ponta Porã). Foi um marco decisivo para o desenvolvimento de Campo Grande, que despontava como uma das mais progressistas cidades do antigo estado de Mato Grosso, superando a então capital estadual Cuiabá. Funcionando como pólo comercial e de serviços de uma vasta região, Campo Grande desenvolvia-se e firmava sua liderança no sul do Estado. A transferência, em 1921, do Comando da Circunscrição Militar, inicialmente sediado em Corumbá (antes de chegar á Campo Grande, a Circunscrição da 9ª Região Militar teve como sedes ainda as cidades de Cuiabá e Aquidauana). A transferência e construção dos quartéis e outros estabelecimentos militares foi outra iniciativa que contribuiu para o seu desenvolvimento e liderança. Outro passo para o seu desenvolvimento foi a vinda de imigrantes estrangeiros: (japoneses, árabes, armênios) a partir de 1924. Em 1930 já possuía cerca de doze mil habitantes (além de três agências bancárias, correios e telégrafos, várias repartições públicas, estabelecimentos de ensino primário e secundário, assim como clubes recreativos). Tinha acesso ao abaste-

contra tudo e todos. Com isso foi declarado um estado independente, o Estado de Maracaju, com Campo Grande sendo a capital administrativa. Seu governador foi o renomado médico Vespasiano Martins, então intendente. A sede (ou o palácio do governo) foi instalado no prédio da Maçonaria, de lá partindo as decisões e o planejamento do combate às forças legalistas. A capital legal do Estado, que era Cuiabá (esta recebia maior influência de Goiás, Rio de Janeiro, Paraná e parte de Minas Gerais), continuou legalista. Campo Grande acabou, deste modo, tornando-se a capital do estado de Maracaju, anseio concretizado que já era manifestado desde o início do século (o sul independente do norte), mas que durou poucos meses, de 11 de julho até outubro de 1932. Com a vitória legalista, o sonho de divisão é frustrado, mas se reiniciou em 1958, quando dois militares (então coronéis), Ernesto Geisel e Golbery do Couto e Silva, estavam em Mato Grosso para viabilizar a divisão do estado em dois, e concluíram que esta não era apenas viável, mas muito necessária, pois havia uma diferença enorme entre as regiões norte (entrada da Floresta Amazônica) e sul (representada por campos de pastagem). Com o general Ernesto Geisel empossado na Presidência da República nos anos 70, é nomeado o general Golbery do Couto e Silva para a chefia de sua Casa Civil. A divisão de Mato Grosso em dois finalmente acontece em 11 de outubro de 1977, com o surgimento de Mato Grosso do Sul ocorrendo em 1º de janeiro de 1979, quando foram empossados seus três primeiros senadores, sua primeira bancada de seis deputados federais e seus 18 deputados estaduais constituintes, além, é claro, do primeiro governador nomeador do Estado, Harrry Amorim da Costa.


6

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nยบ 573 25/08 a 31/08 de 2013

www.copopular.com.br


Estado - MS

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 573 25/08 a 31/08 de 2013

www.copopular.com.br

7

CORUMBÁ

Entre os projetos selecionados pelo PAC das Cidades Históricas para Corumbá, estão a recuperação e requalificação da Praça da República, Praça da Independência, Praça Uruguai, da Igreja Nossa Senhora da Candelária e a construção de um mais um acesso entre o Centro da cidade e a região Portuária. Todas as obras vão beneficiar diretamente a população e, por isso mesmo, a comunidade deverá participar ativamente da execução das obras. “Não vamos fazer nada da nossa cabeça. Vamos ouvir todas as partes e discutir com a comunidade o que será feito nesses locais”, afirmou o prefeito Paulo Duarte, que aproveitou o encontro com a imprensa para convocar toda a sociedade à conservação desses equipamentos públicos. “Um povo que não cuida do seu passado, não tem presente e, muito menos

Foto: Marcos Boaventura

Prefeitura vai ouvir população sobre intervenções em áreas históricas

Prefeito pediu apoio da população na conservação do patrimônio da cidade

futuro”, reforçou. Mesmo reconhecendo a importância do PAC das Cidades Históricas para o fortalecimento de Corumbá como destino turístico, o

prefeito enfatizou que as intervenções atingem, de forma imediata, na qualidade de vida local. “A restauração da nossa história, antes do turista, deve ser valorizada

e assumida pelo nosso povo corumbaense” ressaltou, destacando também os muitos empregos gerados pelas obras. A Prefeitura tem o prazo

de três anos para concluir todos os projetos do Programa de Aceleração do Crescimento. Os recursos, na ordem de quase R$ 20 milhões, estão garantidos pelo Governo Federal, sem a possibilidade de contingenciamento ou necessidade de contrapartida do município. Em todo o País, 44 cidades foram selecionadas para o PAC. Corumbá é a única representante de Mato Grosso do Sul. Mobilização Durante a entrevista coletiva, realizada na manhã dessa quarta-feira (21), Paulo Duarte agradeceu o empenho da Fundação de Desenvolvimento Urbano e do Patrimônio Histórico, comandada pela primeira-dama Maria Clara Scardini e responsável pela execução dos trabalhos, e a toda equipe da Prefeitura envolvida na elaboração dos projetos aprovados pelo Governo Federal. O prefeito ainda des-

tacou a atuação do senador Delcídio do Amaral para a inclusão de Corumbá no PAC das Cidades Históricas. “Hoje nada sai de Brasília sem uma boa articulação política, respaldada de um bom trabalho técnico”, disse. Prédios Particulares Os proprietários de imóveis históricos poderão se beneficiar do programa federal. Uma linha de crédito com mais de R$ 300 milhões está destinada para a recuperação e restauração desses imóveis. “Talvez essa seja a última oportunidade para os donos dos mausoléus abandonados pela cidade evitarem de entrar no IPTU Progressivo que vamos implementar no ano que vem”, afirmou. “Não vamos mais admitir isso. Não tem cabimento, uma vez que o governo está oferecendo subsídio, com juros baixos, para investir em um patrimônio próprio”, ratificou Paulo Duarte.

PORTO MURTINHO

Governadora vislumbra novo tempo de cooperação e progresso na fronteira Internacional As autoridades murtinhenses estão confiantes com as novas perspectivas que vêm sendo abertas para a integração fronteiriça. Logo após tomar posse do cargo, a governadora do Departamento do Alto Paraguay, Marlene Graciela Ocampos Benites, do Partido Colorado, garantiu que se empenhará à exaustão para buscar a mais completa e eficiente cooperação na fronteira habitada por brasileiros e paraguaios. E na festa de posse, realizada, na cidade de Puerto Casado, ela voltou a enfatizar seu compromisso, antevendo melhores dias para as comunidades a partir de uma dinâmica mais atual e presencial de intercâmbio e cooperação. A posse de

Marlene Ocampos foi muito concorrida e ela ganhou aplausos calorosos várias vezes, especialmente quando recebeu o bastão e a faixa das mãos do presidente da Assembleia Legislativa, deputado estadual Juan Gualberto Ortiz, o Pinti. De Porto Murtinho, o articulador para Assuntos Internacionais ex-vice-prefeito e pecuarista binacional Flávio Queiróz e o secretário municipal de Governo, André Luiz Mattos, representou o prefeito Heitor Miranda. Eles estavam acompanhados pelos produtores rurais Thiago Jacinto e Niversindo Cordeiro, presidente da Associação dos Pecuaristas do Alto Paraguay. Personagens de ponta na política daquele país

prestigiaram a festa, como o ex-presidente da República do Paraguay, Juan Carlos Wasmosy; a presidenta nacional do Partido Colorado, senadora Lilian Samaniego; e o líder do Governo no Senado, Luiz Castiglione, além de deputados federais de vários departamentos. Estavam presentes todos os prefeitos departamentais (Patron Bernal, de Baia Negra; Sergio Cuellar, de Fuerte Olimpo; Domingos Duarte, de Carmelo Peralta; e Garcete, de Puerto Casado). APOIO Em nome do prefeito Heitor Miranda (PT), o secretário André Mattos e o pecuarista Flávio Queiróz desejaram uma gestão profícua a Marlene Ocampos

Governadora vislumbra novo tempo de cooperação e progresso na fronteira

e disse que a Prefeitura e o povo murtinhenses estarão sempre à disposição para as parcerias institucionais que fortalecem a amizade entre os dois povos.

O pecuarista Flávio Queiroz discursou e endossou o apoio de Porto Murtinho ao programa de ações que o governo do Alto Paraguay anuncia para a região.

A apresentação da Banda Municipal de Porto Murtinho foi uma das formas de homenagear a nova governante e presentear a população, ganhando aplausos vibrantes. Mattos e Queiroz entregaram também um arranjo de flores a Marlene. A senadora Lilian Samaniego repercutiu o interesse de todos na cooperação fronteiriça e destacou o trânsito que a governadora terá no governo do presidente Horácio Cartes para alavancar as reivindicações de seu departamento. Ressaltou a presença de várias autoridades como sial de credibilidade e realçou os auxílios que a administração de Heitor Miranda vem dando aos paraguaios, principalmente na assistência em saúde.

TERENOS

Vereadores Caco e Leandro Caramalac denunciam prefeita Carla Diniz no TJ e no TCE Ela é acusada de ter adquirido 50 tablets pagando preço muito acima do que é praticado no mercado Amparados pelo artigo 168 e outros, do Capítulo VIII, Seção I, do Regimento Interno do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul, os vereadores Clayton Cleone Melo Welter, o Caco, e Leandro Guimarães Caramalac da Costa, respectivamente, presidente e vice-presidente da Câmara Municipal de Terenos, apresentaram denúncia ao TCE/MS contra a prefeita Carla Castro Rezende Diniz Brandão, acusando-a, com provas consistente, da prática de ato de improbidade administrativa. A mesma denúncia foi formulada à promotoria de Justiça da Comarca de Terenos. De acordo com a denúncia, a prefeita Carla Diniz, através de licitação realizada na modalidade carta-convite, n° 030/2013, cuja vencedora foi a empresa COMERCIAL CAMPANARIO LTDA

– ME, adquiriu 50 tablets, modelo Lenox TB 50, para presentear os melhores alunos da rede municipal de ensino. Homologado o resultado, houve a celebração do contrato administrativo n° 121/2013, no valor de R$ 33.750,00 (trinta e três mil setecentos e cinquenta reais). Como a Matemática é uma ciência exata, o resultado do contrato mostra

que cada tablete custou ao município R$ 675,00 (seiscentos e setenta e cinco reais) Ocorre que, segundo os vereadores denunciantes, o valor unitário gasto pelo município por tablet está em gritante descompasso com os valores praticados no mercado, havendo um acréscimo que gira em torno de R$ 300,00 a R$350,00 ou algo

em torno de 100% mais caro; de superfaturamento. “Mediante simples pesquisa nos sites dos maiores varejistas do Brasil, que por certo não se furtariam de participar de uma licitação caso fossem convidados, verifica-se que o valor unitário pago pelo município de Terenos beira o absurdo” afirmam os vereadores, acrescentando que “outro

ponto de destaque, é que um tablete da mesma marca, só que modelo superior (TB-52), atualmente é encontrado pelo valor de R$ 199,00 (cento e noventa e nove reais) conforme anúncio promocional das Lojas Americanas, o que corrobora com a suposição de indícios de irregularidades ora exposta”. Para dar consistência à denúncia, os vereadores Caco e Leandro Caramalac incluíram dados de pesquisa de mercado realizada em algumas lojas de Campo Grande, cujos resultados deixam claro que houve superfaturamento na aquisição dos tablets. Os preços obtidos para aquisição dos eletrônicos, mais caros, conseguidos pelos vereadores, foram: Comprafácil (R$ 349,90); Colombo S/A (R$ 329,00); Ricardo Eletro (R$ 349,00); Americanas ( R $ 379,05) e Extra (R$ 379,00).

Como a prefeita Carla Diniz autorizou o pagamento de R$ 675,00 (seiscentos e setenta e cinco reais) para cada tablet, tem-se que houve deliberado desrespeito ao erário. “Portanto, conforme demonstram os argumentos e as provas acostadas, há indícios de superfaturamento na aquisição dos tablets, o que culmina na transgressão dos princípios constitucionais norteadores da administração pública, mormente os princípios da moralidade e da economicidade, o que autoriza o manejo da presente denúncia” dizem os vereadores Caco e Leandro para, em seguida, formularem o requerimento no sendido de que sejam apuradas irregularidades no uso do dinheiro público no procedimento n°030/2013, contrato n°121/2013, no qual o município de Terenos adquiriu os referidos tablets.


Política - MS

8

Distrito Federal - Mato Grosso - Mato Grosso do Sul ANO XIII nº 573 25/08 a 31/08 de 2013

www.copopular.com.br

SAFRINHA

Depois de despencar e causar apreensão, preço do milho reage no mercado interno fixem na casa dos R$ 17,00 a R$ 20,00 a saca de 60 quilos, A oscilação para baixo o que cobrirá os custos da no preço da saca de 60 quilos produção e garantirá uma do milho chegou a causar razoável rentabilidade a proapreensão no segmento pro- dutores que atingirem a média dutor rural nos últimos dias, histórica de produtividade do principalmente quando a município, acima de quatro cotação, no Estado, chegou toneladas por hectare. a cair abaixo da casa dos R$ Atendendo pedido da 13,00. Entretanto, nos últimos reportagem do “CO Popular”, dias o preço vem reagindo o técnico Roney Pedroso efee deixando menos assusta- tuou alguns cálculos e explicou dos os produtores sul-mato- que se vender o milho a R$ -grossenses e, notadamente, 14,00 a saca, o produtor terá de colher pelos menos 4.260 quilos ou 71 sacas em um hectare para cobrir o custo de produção. Se vender a R$ 15,00, gastará 66 sacas por hectare. Porém, se o preço atingir R$ 20,00, Um belo exemplar de espigas de milho na com a colheita de Fazenda Diamante três toneladas (50 sacas de 60 quilos) os de Maracaju, onde foram o produtor já cobre o custo da cultivados mais de 200 mil safra. hectares na atual safra. De acordo com o engeA queda no preço do nheiro agrônomo, historicaproduto, de acordo com o mente o milhocultor maraengenheiro agrônomo Ro- cajuense colhe em média 90 ney Pedroso, da empresa de sacas ou 5,4 toneladas por consultoria agropecuária, MS hectare cultivado. “Hoje, a Integração, é consequência da maioria dos agricultores que supersafra que deve ser colhi- cultivaram a safrinha tende da neste ano. Como a maioria a ter lucro com a colheita do dos produtores não tem con- milho” avalia o pesquisador. dições de estocar a colheita, o mercado acaba ficando “satuARMAZENAGEM rado” e ocorre o fenômeno da Roney Pedroso ainda baixa nos preços. explicou à reportagem que Contudo, de acordo com um dos grandes problemas Roney, o mercado já reagiu e que se verifica na agricultura a tendência é que os preços se brasileira é a falta de logística Jota Menon e Paulo Garcia

Edson Beukhof, engenheiro agrônomo e produtor rural

pós-produção. Trocando em miúdos, faltam armazéns e o escoamento do campo até os armazéns graneleiros ou mesmo até os portos, para exportação, tem custos extremamente elevados. “Hoje, no Brasil, apenas 5% dos produtores têm capacidade estática para a secagem e o armazenamento do que colhe. O restante fica refém do mercado, como ocorreu nos últimos meses, quando foi colhida a maior parte da área plantada e foi ofertada ao mercado. Obedecendo a lei da oferta e da procura, o preço caiu porque havia muito produto para ser vendido e a reação natural do mercado comprador é essa mesma: de queda de preço” explanou. SILOBAG Método comum nas lavouras de grãos do Uruguai e da Argentina, o silo bag passou a ser visto com mais frequência nesta safra nos estados produtores brasileiros, princi-

palmente os do Sul, Sudeste e Centro Oeste. O saco substitui a armazenagem tradicional em silos nas propriedades, cooperativas ou cerealistas. Com capacidade de até 180 toneladas de soja, o saco custa em média R$ 1,5 mil e pode ser utilizado apenas uma vez. Os equipamentos para enchimento e retirada do grão custam em torno de R$ 100 mil e tem validade de muitos anos. O silo bag é uma alternativa quando os armazéns estão cheios. Dependendo da umidade, podem ficar na lavoura por até um ano, conforme explicam os engenheiros agrônomos. No Brasil, apenas 5% da safra de grãos é armazenada em silos bag. Segundo informações da colunista Joana Colussi, do Blog da Supersafra, em países como o Uruguai, esse percentual é superior a 70%. ANO ABENÇOADO Engenheiro agrônomo

O engenheiro agrônomo Roney Pedroso calcula que, a R$ 20,00 a saca de 60 k, colheita de 50 sacas por hectare cobre o custo de produção

e administrador da Fazenda Diamante, Edson Beukhof, 29 anos, diz que o ano de 2013 é o que se pode qualificar como “um ano abençoado por Deus” em que tudo deu certo para o agricultor que cultivou no tempo certo e usando as tecnologias certas. Com o uso de apenas uma aplicação na atual safra, ele diz que a média de produtividade de sua lavoura, localizada quase que contiguamente ao perímetro urbano maracajuense, será superior à do ano passado. “Nos talhões que temos colhido, temos registrado uma média de produção superior ao que produzimos no ano passado” admite o engenheiro agrônomo que administra as propriedades familiares. Para ele, o ano foi considerado perfeito, pois choveu na hora certa, não se registraram veranicos mais longos e a geada quando chegou a lavoura já tinha passado pelo

período crítico, seja, nada concorreu com a produtividade que garantirá a maior safra de milho da história de Maracaju. Contando com secador próprio, Edson admite que o sistema ainda é deficitário e apenas um terço da produção será estocado. As outras parcelas do que for colhido serão entregues aos compradores com quem foram firmados contratos de mercado futuro ou escoados para os portos de onde são comercializados com o comércio exterior. Na Fazenda Diamante a queda dos preços do milho nos últimos meses não causou sobressaltos. Segundo Edson, a maior parte do que for produzido na propriedade foi vendida no mercado futuro, o que garantiu contratos com preços na casa dos R$ 21,00, suficientes para cobrir os custos da produção e gerar lucros ao produtor.


Jornal Centro Oeste Popular