Issuu on Google+


11 20 br o tu Ou

ANÁLISE DE MERCADO

Genéricos mais baratos e com entrada facilitada no mercado ESPECIAL SAÚDE

Portugueses pouco informados sobre prevenção de infecções respiratórias


02

Editorial

03

Análise de mercado

05

Fármacos

06

Especial Saúde

08

Report

10

Bonificações Top

10

Novos

11

Cosmética e Higiene Corporal

13

Diagnóstico

13

Dispositivos Médicos

14

Éticos

21

Galénicos

21

Higiene Bebé

21

Higiene Oral

22

Ice Power

22

Interapothek

22

Med. Não Suj. a Rec. Médica

25

Não Comercializados

25

Nut. e Prod. à Base de Plantas

26

Nutrição Infantil

28

Parafarmácia

28

Produtos Químicos

28

Químicos

28

Veterinária

29

Breves

O Período de vigência das Bonificações decorre entre 25 de Setembro e 24 de Outubro, inclusive. Os Preços indicados estão sujeitos a alterações de acordo e devido as condições de mercado. Os Valores indicados são vingentes, salvo erro tipográfico


EDITORIAL

FICHA TÉCNICA Administração e propriedade:

Responsabilidade Social é premissa intrínseca… Considerando que os locais de trabalho são centrais na resposta socialmente responsável ao VIH, nas vertentes de prevenção, acesso ao tratamento e não discriminação, o Grupo Medlog participou, recentemente, num Workshop “VIH e Sida e o Contexto Laboral: O Papel das empresas”, promovido pela Plataforma Laboral Contra a Sida. A formação nesta matéria deve, por isso, ser contínua por forma a actualizar os conhecimentos que nos comprometemos, em 2008, a transmitir ao universo de colaboradores do nosso Grupo. Recorde-se que em 2008, as empresas do Grupo Medlog assinaram, o “Código de Conduta Empresas e VIH” – que subscreve os princípios adoptados pelas agências da Organização das Nações Unidas e a Organização Mundial do Trabalho referente à infecção (VIH) - documento este que contou com mais 50 empresas nacionais signatárias.

Cooprofar Rua José Pedro José Ferreira, 200 - 210 4424-909 Gondomar T 22 340 10 00 F 22 340 10 50 cooprofar@cooprofar.pt www.cooprofar.pt Direcção: Celso Silva Coord. Editorial: Natércia Moreira Produção Redactorial: Cooprofar

A nossa Responsabilidade Social assume-se e, assumir-se-á sempre, como uma premissa intrínseca à matriz do Grupo Medlog.

Design e Paginação: Creative Blue Distribuição: Gratuita Publicação: Mensal Tiragem: 1500 exemplares

Aviso: Os textos foram redigidos ao abrigo do novo acordo ortográfico. 02


ANÁLISE DE MERCADO

Crescimento Mercado

10

05

00

Jan

Fev

Mar

Mai

Abr

Jun

Jul

Ago

Set

Out

Nov

Dez

-05

-10

-15 -20

Crescimento face ao período homólogo

o

-4,6%

-6,3%

-4,7% -4,9% -4,2% -4,7%

03

To ta do rca Me

ro Fa

ja Be

ora

al Év

túb Se

a

re Lis bo

leg rta

rém

Po

nta

-2,3% -2,4% -5,6%

-8,1%

Sa

iria Le

-0,7% -2,5%

-3,0%

l

nc Bra lo ste

bra

Ca

Co

im

a ard Gu

u Vis e

o Av eir

rto

nç a Po

ga

Re

al

Bra

Vil a

ga

Bra

Via n

ad

oC

as tel o

Crescimento Mercado Agosto 2011 vs. mês homólogo

-2,0%

-2,9%

-4,2% -5,9% -6,3%

-6,1%


de e is do ál rca An Me Estratégia orçamental até 2015: entrada facilitada de medicamentos genéricos no mercado O Governo aprovou em Conselho de Ministros uma proposta de lei que deverá facilitar o acesso dos medicamentos genéricos ao mercado, através de novos mecanismos relacionados com os direitos de quem os produz e introduz no mercado. A política do medicamento e a planeada promoção da utilização de genéricos estão contempladas na estratégia orçamental definida até 2015 apresentada pelo Governo. A proposta cria um regime de composição dos litígios emergentes de direitos de propriedade industrial quando estejam em causa medicamentos de referência e medicamentos genéricos. O novo regime estabelece uma separação entre a autorização técnica de introdução do medicamento no mercado e a eventual necessidade de resolver conflitos em matéria de patentes. Segundo o Executivo, com a nova legislação, a quota de mercado dos genéricos deverá aumentar e, em consequência, a fatura em medicamentos deverá diminuir para os utentes do Serviço Nacional de Saúde, e o sistema será mais sustentável. No âmbito da legislação agora proposta, é estabelecido que o preço de venda ao público (PVP) dos medicamentos genéricos a introduzir no mercado nacional é inferior no mínimo em 50% ao PVP do medicamento de referência, com igual dosagem e na mesma forma farmacêutica, sem prejuízo das especificidades estabelecidas na legislação sobre a formação de preços dos medicamentos. Farmacêuticos satisfeitos com medidas anunciadas pelo Governo Números revelados pelo Infarmed (Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde) mostram que, nos primeiros seis meses deste ano, a despesa com medicamentos baixou nas farmácias, mas os gastos nos hospitais aumentaram. Esta redução fica, sobretudo, a dever-se a uma menor despesa com a comparticipação dos fármacos vendidos pelas farmácias. Mas o cenário inverte-se nos hospitais, onde a factura continuou a “engordar”. Só os hospitais já gastaram mais 83 milhões de euros nos primeiros 6 meses do ano. Uma subida de 4,1 por cento em relação ao mesmo período do ano passado.

Troika impõe genéricos ainda mais baratos Os preços dos medicamentos genéricos vão baixar para metade do valor do mesmo medicamento de marca e não apenas 40% como anteriormente acordado, revela uma atualização do memorando da troika divulgado, em setembro, pelo Ministério das Finanças. Antes do acordo para o resgate financeiro firmado entre Portugal e a troika constituída pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), Comissão Europeia e Banco Central Europeu, os genéricos custavam 65% do valor dos medicamentos de marca. O texto divulgado não precisa quanto permite esta redução poupar no orçamento do Ministério da Saúde. Outra alteração do texto do memorando estabelece que vai passar a ser o Ministério da Saúde, sugerindo que o possa fazer através do Infarmed, a estabelecer os preços dos medicamentos e não o ministério da Economia, como sucedia até agora, através da Direção Geral das Atividades Económicas. Ainda em relação aos medicamentos, passa também a ser automática a redução de preços sempre que expira a patente de um determinado composto. O documento alarga o prazo de entrada em vigor dos cortes de dois terços nas deduções das despesas de saúde do final de setembro para o fim de outubro. Despesa pública com medicamentos desceu no 1º semestre Números revelados pelo Infarmed (Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde) mostram que, nos primeiros seis meses deste ano, a despesa com medicamentos baixou nas farmácias, mas os gastos nos hospitais aumentaram. Esta redução fica, sobretudo, a dever-se a uma menor despesa com a comparticipação dos fármacos vendidos pelas farmácias. Mas o cenário inverte-se nos hospitais, onde a factura continuou a “engordar”. Só os hospitais já gastaram mais 83 milhões de euros nos primeiros 6 meses do ano. Uma subida de 4,1 por cento em relação ao mesmo período do ano passado.

04

Inclusão de novos medicamentos no regime especial de comparticipação O Ministério da Saúde definiu as condições de inclusão de novos medicamentos no regime especial de comparticipação respectivo, nos termos do regime geral das comparticipações do Estado no preço de medicamentos. As regras entraram em vigor dia 16 de setembro. O diploma prevê essa inclusão de medicamentos utilizados no tratamento de determinadas patologias, ou por grupos especiais de utentes. Segundo informação do Governo, os regimes especiais de comparticipação de medicamentos abrangidos pelo regime geral das comparticipações vão ser revistos, simplificados e racionalizados. Para já, o Executivo esclarece que qualquer medicamento cuja comercialização feita após 17 de setembro, só poderá ficar abrangido pelo regime especial de comparticipação respectivo se for objecto de decisão de inclusão na lista de medicamentos comparticipados. A comparticipação do Estado no preço de medicamentos utilizados no tratamento de certas patologias ou por grupos especiais de utentes é graduada de forma diferente em função das entidades que o prescrevem ou dispensam e definida pelo Ministério da Saúde. Consumo de antidepressivos vai duplicar em cinco anos O consumo de medicamentos antidepressivos vai disparar para mais do dobro até 2016, de acordo com as previsões do grupo técnico que está a trabalhar no Plano Nacional de Saúde (PNS). De acordo com a notícia, os últimos dados disponíveis mostram que se consumiam 58,1 doses diárias definidas por mil habitantes/dia em 2009, estimando-se uma subida para 122 em 2016. As melhorias no tratamento da depressão, bem como o incremento do número de doentes são causas possíveis para esta subida. A região com uma maior subida será o Alentejo, que passará de 75,1 para 171,9, ou seja, mais 129%, mas a intenção é que se tomem medidas para ficar pelas 128,5 doses diárias. O Algarve é a região menos atingida, tendo como meta manter os valores projectados para 2016, que mesmo assim implicariam passar de 42,2 para 85,1 doses.


Fá rm ac os

Ministério diz que “não há” ainda qual- UE aprova primeiro tratamento para do- Autoridades europeias dão luz verde ao quer decisão sobre descomparticipações               entes                de EM   com disfunções da marcha            Zytiga                para   cancro da próstata metastiO Ministério da Saúde esclareceu que A Comissão Europeia aprovou a auto- zado                             “não há, até ao momento, qualquer rização de Introdução no Mercado A unidade da Johnson & Johnson (J&J), decisão sobre a descomparticipação de Condicionada para comercialização da Janssen-Cilag, obteve aprovação do medicamentos como anticoncepcionais, fampridina, a primeira terapêutica des- Zytiga (abiraterona) para o tratamento vacinas integradas no Plano Nacional de tinada a melhorar a capacidade de mar- de pacientes com cancro da próstata Vacinação e associação de medicamentos cha em doentes adultos com Esclerose metastizado. A companhia indicou que o antiasmáticos e broncodilatadores”. Num Múltipla (EM) que apresentem um nível agente, que foi sujeito a um processo ace“esclarecimento” a propósito de “recentes de incapacidade entre 4 e 7 pontos na lerado de revisão, é um tratamento oral, notícias referentes à descomparticipação escala de EDSS, avança comunicado de administrado uma vez ao dia, que inibe de medicamentos”, o gabinete do minis- imprensa. Trata-se do primeiro tratamento a produção de androgénios em todas as tro da Saúde, Paulo Macedo, adianta que que demonstrou ser eficaz em pessoas fontes. A aprovação surgiu na sequên“o Infarmed, como parte da sua atividade, com todos os tipos de EM, tanto na forma cia de uma recomendação positiva por enviou ao Ministério da Saúde propostas surto-remissão, como em formas progres- parte do Comité de Medicamentos para de descomparticipação de medicamen- sivas e pode ser usado em monoterapia Uso Humano da Agência Europeia do tos que se encontram em avaliação”. “As ou conjuntamente com outras terapêu- Medicamento em julho. O medicamento medidas adoptadas pelo Ministério da ticas para a EM, incluindo medicamentos deve ser administrado em conjunto com a Saúde nesta área procuram basear-se em imunomoduladores. Atualmente os doen- prednisona ou prednisolona para o tratainformação técnica e científica, pelo que tes com EM consideram, que a perda da mento de cancro da próstata metastizado o ministro solicitou informação adicional capacidade de andar significa uma perda resistente à castração em homens cuja sobre as propostas enviadas por aquele da independência, da capacidade de tra- doença progrediu durante ou depois de organismo e aguarda, agora, os novos balho e, consequentemente uma redução sujeitos a quimioterapia. A J&J apontou dados técnicos que lhe permitirão tomar do seu nível de rendimentos. A fampridina que no ensaio clínico de fase final, os a decisão política”, revela uma nota de vai estar disponível na Europa a partir de pacientes que receberam o Zytiga tiveram imprensa. Setembro de 2011, sendo a Alemanha o uma sobrevida global de 15,8 meses, em primeiro país a comercializar o medica- média, comparados a 11,2 meses entre mento. Em Portugal, o medicamento irá os que tomaram placebo. O fármaco já Infarmed na rede mundial de análise de agora ser submetido ao Infarmed para tinha sido aprovado pela Food & Drug medicamentos        obtenção de comparticipação. Administration para a mesma indicação O Infarmed anunciou que passou a inteem abril. grar a rede de laboratórios qualificados da Organização Mundial de Saúde (OMS) União Europeia aprova Votubia® da para a análise de medicamentos para o Novartis     IMS Health relança site global                    HIV/SID A, a malária e a tuberculose. A lista A Novartis recebeu a aprovação da União A IMS Health, consultora internacional abrange laboratórios de 22 países, seis dos Europeia para o Votubia®, o primeiro medi- em marketing farmacêutico, relançou quais europeus, e um total de 23 institui- camento para o tratamento de Esclerose o seu site global (www.imshealth.com) ções. O Programa de Pré-Qualificação de Tuberosa (SEGA), avança comunicado de para proporcionar um melhor serviço de Laboratórios de Controlo de Qualidade da imprensa. O Votubia® está indicado para resposta aos seus clientes e visitantes, OMS foi criado em 2004 e permite às insti- o tratamento de doentes com idade de 3 avança comunicado de imprensa. Desta tuições abrangidas colaborar com as agên- anos ou mais, com astrocitoma subepen- forma o novo site está dividido em três cias da ONU na avaliação de medicamen- dimário de células gigantes (SEGA) asso- componentes principais: consultoria, tos usados no tratamento do HIV/SIDA, ciado ao complexo da Esclerose Tuberosa análise e serviços e medições de mercado. malária e tuberculose. O reconhecimento (TSC), que necessitam de intervenção tera- O relançamento do site prende-se com a do laboratório do Infarmed – Autoridade pêutica, mas não são passíveis de cirurgia. necessidade de dinamizar estas três áreas Nacional do Medicamento e Produtos de O complexo de Esclerose Tuberosa, afeta da IMS Health. Agora os visitantes podem Saúde, tutelado pelo Ministério da Saúde, aproximadamente um a dois milhões explorar de forma simplificada os serviços foi decidido em Agosto e anunciado na de pessoas em todo o mundo e está fornecidos pela consultora, as novas tensemana passada à instituição portuguesa, associado a uma variedade de distúrbios dências na indústria da saúde, conhecer que hoje revelou a integração no grupo da incluindo convulsões, inchaço no cérebro as principais notícias sobre a indústria OMS. “A integração na lista oficial de labora- (hidrocefalia), atrasos de desenvolvimento farmacêutica, explorar dados e saber mais tórios da OMS permite ao Infarmed alargar e lesões na pele. Na Europa, a prevalência sobre a história da empresa. No novo site a colaboração já existente com os Países na população geral é estimada em cerca os utilizadores são dirigidos para a página Africanos de Língua Oficial Portuguesa de nove casos por 100,000. ims consulting group (www.imsconsultin(PALOP)”, refere uma nota divulgada pela ggroup.com) na qual é possível analisar instituição. Da colaboração com os PALOP, mais pormenorizadamente os serviços destaca-se a cooperação com o Comité de que a multinacional oferece na área da Coordenação do Combate à SIDA de Cabo consultoria, nomedamente em estratéVerde e a participação, com a OMS, em gia comercial das marcas, investimentos, Estudos de Estabelecimento de Padrões lançamentos de produtos, estratégia e Internacionais de Medicamentos, acresanálise de portfolios, preços e acessos a centa a nota. mercados.

05


e AdL CeI o lEis aDdE SáP rÚc AEn MSeA

Doenças respiratórias

chegam com o Outono As doenças mais comuns que surgem a partir do Outono são as complicações respiratórias, com maior incidência as gripes e constipações. A prevenção é a melhor maneira para evitar estas patologias, nomeadamente, no caso da gripe sazonal que afecta entre 700 mil a um milhão de portugueses todos os anos. Prevenção e Tratamento Vários estudos revelam que a vacina da gripe oferece uma protecção de 30% a 90% aos indivíduos vacinados. Uma vez que o vírus sofre alterações frequentes que o transformam num organismo diferente, a vacinação deve, também, ser repetida anualmente para poder ser eficaz. A vacinação deve ser feita especialmente nos grupos de risco (idosos, crianças e doentes crónicos). Habitualmente, a gripe é tratada com medicamentos para o alívio dos sintomas (analgésicos, antipiréticos, descongestionantes nasais, etc). Os antibióticos são ineficazes contra a infecção viral mas podem ser prescritos se surgir uma infecção bacteriana secundária à gripe. Existem actualmente medicamentos inibidores da neuraminidase, que bloqueiam a multiplicação dos vírus responsáveis pela gripe. Desta forma consegue-se suspender a rápida proliferação do vírus e controlar a doença. Os tratamentos de cada pessoa devem ser individualizados e conduzidos por profissionais de saúde.

Portugueses pouco informados sobre prevenção de infecções respiratórias Apesar das campanhas de vacinação contra a gripe, um em cada quatro portugueses não sabe como prevenir as infecções respiratórias. Esta é a principal conclusão de um estudo recente que incidiu sobre as atitudes e conhecimentos dos portugueses. O presidente da Sociedade Portuguesa de Pneumologia considerou “um pouco estranho” o resultado do estudo, face a “todas as campanhas que têm sido feitas”. Carlos Robalo Cordeiro mostrou-se ainda preocupado e lembrou que “há todos os anos mais de mil óbitos relacionados com as gripes sazonais”. A gripe sazonal afecta entre 700 mil a um milhão de portugueses todos os anos. Por isso, Robalo Cordeiro lembrou que a vacina é recomendada para os doentes crónicos, mais velhos e para as crianças com risco de doenças respiratórias. Numa altura em que as temperaturas começam a baixar, há outros cuidados que não devem ser esquecidos, como regras mínimas de higiene, “evitar diferenças de temperaturas” e “beber bastantes líquidos”, alertou. O tabaco é apontado como a principal causa para as infecções respiratórias, mas as alergias, mudanças no tempo e exposição a ambientes de risco, como os hospitais, são outras das causas identificadas neste estudo.

06


ES SA PEC Ú IA DE L Idosos procuram menos vacina contra a gripe A vacina contra a gripe está a ter menos procura entre os idosos. De acordo com estimativas do Instituto Ricardo Jorge, na última época gripal, vacinaram-se apenas 48,3% das pessoas com mais de 65 anos, uma diminuição de 4% em relação à época anterior. Uma quebra que é desvalorizada pela Direção Geral da Saúde, Graça Freitas: “Foi uma descida muito ligeira e nós vemos isso com naturalidade” porque “a vacinação contra a gripe tem muito a ver com a gravidade das épocas gripais, a gravidade percepcionada pelas pessoas”, explica. Apesar de desvalorizar esta quebra de 4%, Graça Freitas admite que será difícil atingir as metas estabelecidas e chegar a 2014 com 75% dos idosos vacinados contra a gripe. Este ano, a Direção Geral da Saúde vai reforçar a campanha de divulgação nos centros de saúde e lembra, desde já, que “temos 340 mil vacinas gratuitas para os beneficiários do complemento solidário para idosos”. Receitas da vacina da gripe válidas até 31 de Dezembro As receitas médicas das vacinas contra a gripe sazonal, para a época gripal 2011/2012, prescritas desde 1 de Agosto serão válidas até 31 de Dezembro, segundo um despacho do Ministério da Saúde publicado no “Diário da República”. O despacho assinado pelo secretário de Estado Adjunto da Saúde, Fernando Leal da Costa, determina a dilatação do prazo de validade das receitas, “com fundamento na possibilidade de existirem constrangimentos no funcionamento dos serviços públicos de saúde que afectem os utentes, designadamente os mais vulneráveis, por força de a vacinação contra a gripe sazonal, em cada época gripal, implicar a prescrição anual de um elevado número de receitas num período de tempo limitado”. Esta medida, que já tinha sido tomada em 2010, revelou-se “uma mais-valia para os profissionais e para os utentes, pelo que se justifica que, também este ano, o prazo de validade das receitas médicas seja dilatado, de modo a permitir a prescrição antecipada daquela vacina”, refere o despacho. Segundo o Decreto-Lei n.º 242 -B/2006, de 29 de Dezembro, o sistema de pagamento às farmácias da comparticipação do Estado no preço dos medicamentos determina que o prazo de validade das receitas médicas seja de 20 dias contados após a data de prescrição. Contudo, a legislação permite que esse prazo possa ser dilatado nalguns casos.

Fonte: sapo.saude.pt / ALERT Life Sciences Computing, S.A./Roche 07

DGS garante que vacina contra a gripe não vai deixar de ser comparticipada O director-geral de Saúde assegurou que a vacina contra a gripe não vai deixar de ser comparticipada, isto depois de terem surgido notícias que falavam em cortes nos apoios do Estado à vacina contra a estirpe B do vírus da gripe. Francisco George disse que houve uma confusão com os nomes das vacinas que estão dentro do grupo que vai ser alvo de reduções dos apoios do Estado e assegurou que a vacina contra a gripe “não está no plano de deixar de ser comparticipada”. Zinco atenua sintomas e gravidade das constipações Uma revisão de 15 estudos mostrou que ingerir zinco em forma de xarope ou comprimidos parece atenuar a gravidade e duração das constipações, no entanto, o trabalho não concluiu a dose certa a tomar. O zinco, quando tomado em xarope ou comprimido, diminui a gravidade das constipações, uma vez que parece impedir que o vírus entre no organismo através da mucosa do nariz. A substância foi ainda relacionada com o impedimento da duplicação do vírus, assim como parece ajudar o sistema imunológico a reduzir as reacções do corpo à infecção, de acordo com os testes realizados às 1 360 pessoas que participaram nos 15 estudos. 1,9 milhões de vacinas nas farmácias e 350 mil nos centros de saúde Cerca de 1,9 milhões de vacinas contra a gripe começam a ser vendidas nas farmácias na primeira semana de Outubro e 350 mil serão distribuídas gratuitamente às pessoas mais desfavorecidas e institucionalizadas, anunciou a Direcção-Geral da Saúde. «A logística já está toda montada e na primeira semana de Outubro a vacina da gripe estará disponível de duas formas: nas farmácias de oficina mediante receita médica e nos centros de saúde para os grupos mais desfavorecidos a quem esteja indicada a vacina», adiantou a subdiretora-geral da Saúde, Graça Freitas. Assim, estarão disponíveis cerca de 350 mil doses de vacina para os beneficiários do complemento solidário para idosos, para os residentes em lares de idosos de instituições particulares de solidariedade social, das misericórdias e de gestão directa da segurança social e para os doentes integrados na rede de cuidados continuados.


RT PO RE

Grupo Medlog presente nas comemorações do Dia do Farmacêutico 2011 Este ano, o Grupo Medlog associou-se às comemorações do Dia do Farmacêutico que tiveram lugar na cidade do Porto. Foram várias as actividades e iniciativas que assinalaram aquele que, também, é conhecido como o dia de São Cosme e São Damião, padroeiros da profissão. No dia 23 de Setembro, realizou-se, ainda, um Simposium subordinado ao tema “Os Farmacêuticos e as grandes questões da Saúde” no Ipanema Park Hotel que foi seguido de um Concerto Musical na Casa da Música intitulado “O Génio de Beethoven”. No dia 26 de Setembro, também no Porto, o Palácio do Freixo acolheu a Sessão Solene e o Jantar de Encerramento. Campanha nacional: Educar para a Saúde No âmbito do Dia do Farmacêutico, durante a semana de 26 de Setembro a 1 de Outubro, decorreu ainda uma Campanha Nacional de Promoção e Educação para a Saúde no âmbito da Saúde Sexual e Repodutiva, tendo a Cooprofar colaborado nesta iniciativa através da distribuição do material de suporte à campanha, junto das suas farmácias clientes. De acordo com a Ordem dos Farmacêuticos, a campanha assumiu particular relevância dado o aumento do consumo de medicamentos com indicação na Contracepção de Emergência que registou uma subida de 21% no ano de 2010 (Fonte: IMS Health). A necessidade de recorrer a Contracepção de Emergência é claramente uma oportunidade para dialogar com as mulheres, ou com os casais, que procuram aconselhamento farmacêutico. A iniciativa traduziu-se, assim, num momento privilegiado para educar para a saúde, com informação adaptada a cada caso, de forma a aumentar os conhecimentos e compreensão para que individualmente se façam as melhores escolhas em questões de saúde sexual – aspectos essenciais em promoção de saúde, na qual o farmacêutico deve estar permanentemente envolvido. Pretendeu-se, com esta campanha nacional, dar suporte à intervenção farmacêutica na Contracepção de Emergência assumindo-se os seguintes objectivos: prevenir a gravidez indesejada; promover o uso correcto, efectivo e seguro da contracepção de emergência e promover a saúde sexual e reprodutiva da população.

Workshop “VIH e Sida e o Contexto Laboral: O Papel das empresas” contou com participação da Medlog No âmbito da subscrição, por parte das empresas do Grupo Medlog no Código de Conduta Empresas e VIH, e perante a necessidade de aprofundamento de formação nesta área, vamos participar no Workshop “VIH e Sida e o Contexto Laboral: O Papel das empresas”, promovido pela Plataforma Laboral Contra a Sida, que terá lugar, no dia 8 de Setembro de 2011, na ARS Norte. O Código de Conduta foi assinado, em 2008, por várias empresas com a Coordenação Nacional para a Infecção VIH/Sida e a Organização Internacional do Trabalho. Por subscrever os princípios adoptados pelas agências da Organização das Nações Unidas e o Código de Conduta da Organização Mundial do Trabalho referente à infecção (VIH) e à protecção dos direitos humanos, as empresas do Grupo Medlog aderiram ao projecto Empresas e VIH. Como signatários, somos responsáveis por proporcionar condições de trabalho dignas, constituindo-se interlocutoras privilegiadas na resposta à infecção pelo VIH no local de trabalho, nas suas vertentes: não discriminação, prevenção e acesso no tratamento.

08


NASIVIN


menos crianças vacinadas As crianças portuguesas estão a ser menos vacinadas contra a meningite devido ao custo elevado da vacina. São 75 euros por cada dose da vacina e a imunização total das crianças só é garantida com a administração de quatro doses, o que representa 300 euros no orçamento familiar.

rir

gargalhada actua como um analgésico Dar uma boa gargalhada liberta substâncias químicas que agem como um analgésico natural, reduzindo a dor, indica um estudo da Universidade de Oxford, na Grã-Bretanha. “É o esvaziamento dos pulmões que causa o efeito”, constataram os investigadores.

dor

método de administração nasal intensifica resposta de analgésicos Uma abordagem nova e simples para administração nasal de drogas pode permitir que a morfina e outros analgésicos fortes sejam conduzidos directamente para o sistema nervoso central, de acordo com um estudo experimental publicado na revista Anesthesia & Analgesia.

anti-raios UV

medicamentos podem estar disponíveis em 5 anos Uma equipa de investigadores da Universidade King’s College, em Londres, acredita que pode reproduzir sinteticamente o composto orgânico que permite aos corais protegerem-se contra os raios ultravioleta (UV).

antibióticos

clínicas ilegais detetadas em seis meses Nos primeiros seis meses deste ano, a Entidade Reguladora da Saúde (ERS) detetou 96 estabelecimentos de saúde em situação ilegal. Em todas as empresas em questão havia falta de registo, uma condição obrigatória, a par do licenciamento, para que não exista ilegalidade.

antidepressivos

resistência é bem mais antiga que penicilina Uma pesquisa publicada no jornal científico Nature revela que há 30 mil anos já havia nos microorganismos genes resistentes a antibióticos, avança o portal IG.

ibuprofeno

risco de aborto espontâneo é maior Tomar analgésicos com ibuprofeno durante a gravidez duplica os riscos de aborto espontâneo. O ibuprofeno aumenta o risco de a implantação da placenta não se fazer da forma mais saudável, o que conduz muitas vezes a uma perda gestacional.

diabetes

risco de cancro sobe A relação entre cancro e diabetes é um tema polémico e ainda divide os especialistas. Haverá realmente mais casos de cancro em doentes com diabetes. Estudos em países nórdicos e americanos apontam essa relação. 29

Br ev e

s

meningite

chocolate

reduz doenças cardíacas em um terço O chocolate faz bem ao coração, reduzindo em mais de 30% o risco de doenças cardiovasculares. Foi esta uma das conclusões apresentadas no Congresso da Sociedade Europeia de Cardiologia, que decorreu em Paris.

três milhões

casos de cancro podem ser evitados anualmente Cerca de 2,8 milhões de casos de cancro poderiam ser evitados anualmente se fossem seguidos conselhos sobre alimentação, atividade física e controlo do peso, alertam especialistas em vésperas de uma cimeira na ONU sobre doenças não-transmissíveis.

cobre

induz envelhecimento celular Um estudo desenvolvido na Faculdade de Medicina do Porto demonstrou que o cobre pode estar envolvido no processo de envelhecimento celular, agindo sobre as células humanas da mesma forma que outros oxidantes, como a radiação UV.

fármacos nas águas

estudo alerta para existência de resíduos no Rio Douro Um estudo liderado pela investigadora Maria Elizabeth Tiritan, professora da Cooperativa de Ensino Superior, Politécnico e Universitário, alerta para a existência de resíduos fármacos, nomeadamente antiepilépticos, ansiolíticos e antibióticos, nas águas superficiais do Rio Douro.

caril

derivado poderá ajudar a tratar a tendinite Um derivado do caril indiano, a curcumina, poderá oferecer um novo tratamento para a tendinite, segundo demonstraram os investigadores da Universidade de Nottingham, Reino Unido.

1,7 milhões

número de pessoas sem médico de família em Portugal Uma equipa de cientistas europeus conseguiu produzir pela primeira vez em animais «anticorpos neutralizantes» do HCV (vírus da hepatite C), que abrem caminho para a elaboração de uma vacina contra a doença, comunicou o CNRS (Centro Nacional de Pesquisa Científica) de França.

depressão

comer o que gostamos ajuda a evitar Segundo um estudo realizado por cientistas da Universidade de Louvain, na Bélgica, “comer gordura parece tornar-nos menos vulneráveis às emoções tristes, mesmo quando sabemos que estamos a engordar.”



My Cooprofar - Outubro