Issuu on Google+


12 20 br o No ve m

Medicamentos

Portugueses gastaram menos 52 milhões de euros

Saúde Oral

Portugueses só vão ao dentista quando têm dores de dentes

Empreendedorismo

Grupo Medlog associa-se a movimento mundial


EDITORIAL ce di Ín

O empreendedorismo como estado de arte!

02 -

Análise de mercado

Novembro é o mês inspirador do empreendedorismo. Uma vez mais, o Grupo Medlog afir-

03 -

Report

ma o seu papel empreendedor ao associar-se à Global Entrepreneurship Week 2012 (Sema-

04 -

Especial Saúde

06 -

Publireportagem

08 -

Bonificações Top

08 -

Novos

08 -

Cosmética e Higiene Corporal

12 -

Diagnóstico

espírito empreendedores que estão, desde sempre, enraizados no Grupo Medlog.

12 -

Dispositivos Médicos

Promovemos o empreendedorismo qualificado e de base tecnológica, injectamos no ADN

14 -

Éticos

da equipa Medlog uma atitude empreendedora que nos conduz a novos conhecimentos

20 -

Galénicos

e competências diferenciadoras. É por este caminho que identificamos oportunidades,

21 -

Higiene Bebé

21 -

Higiene Oral

21 -

Ice Power

21 -

Interapothek

22 -

Med. Não Suj. a Rec. Médica

24 -

Não Comercializados

24 -

Nut. e Prod. à Base de Plantas

26 -

Nutrição Infantil

26 -

Não Catalogado

26 -

Ortopedia

26 -

Parafarmácia

28 -

Químicos

28 -

Veterinária

29 -

Breves

na Global do Empreendedorismo 2012), o maior movimento mundial de empreendedorismo que mobiliza mais de 100 países em torno do tema. Perante o cenário atual, impõe-se que as empresas assumam políticas de fomento ao empreendedorismo como uma das soluções para contornar a crise. É de facto esta cultura e

agarrámo-las e transformamos crescimento e produtividade. Novembro é, por isso, o mês de homenagem ao empreendedorismo como estado de arte!

FICHA TÉCNICA | Administração e propriedade: Cooprofar Rua José Pedro José Ferreira, 200 - 210 4424-909 Gondomar T 22 340 10 00 F 22 340 10 50 cooprofar@cooprofar.pt www.cooprofar.pt

Direcção: Celso Silva Coordenação Editorial: Natércia Moreira Produção Redactorial: Cooprofar

Publicidade assessoria@cooprofar.pt 22 340 10 21 Design e Paginação: Creative Blue

Publicação: Mensal Tiragem: 1500 exemplares

Distribuição: Gratuita

O Período de vigência das Bonificações decorre entre 25 de Outubro e 24 de Novembro, inclusive. Os Preços indicados estão sujeitos a alterações de acordo e devido as condições de mercado. Os Valores indicados são vingentes, salvo erro tipográfico. Aviso: Os textos foram redigidos ao abrigo do novo acordo ortográfico.


de e is do ál rca An Me Crescimento face ao período homólogo

Crescimento Mercado

00

Jan

Fev

Mar

Abr

Mai

Jun

Jul

Ago

Set

Out

Nov

Me rca do To tal

Be ja

Fa ro

Se túb al

Év ora

ém Po rta leg re Lis bo a

Sa nta r

oB ran co Le iria

bra Co im

Ca ste l

Vis eu

Po rto

Av eir o

Vil a

05

Re al Bra ga nç a

Via na do Ca ste Bra lo ga

10

Gu ard a

Crescimento Mercado Setembro 2012 vs. mês homólogo

Dez

-05

-10 -15

-12,0% -13,4%

-20

-19,9% -21,9%

-13,3%

-18,1%

-17,6% -18,1% -18,8%

-18,1%

Nova taxa sobre cosméticos, produtos de higiene, dispositivos e homeopáticos O governo criou uma taxa sobre a comercialização dos produtos cosméticos e de higiene corporal, bem como dos dispositivos médicos e produtos farmacêuticos homeopáticos, segundo uma versão preliminar da proposta de Orçamento do Estado (OE) para 2013. O documento indica que esta taxa tem de ser paga por todas “as entidades que procedam à primeira alienação a título oneroso em território nacional” dos produtos cosméticos e de higiene corporal. Terão igualmente de realizar este pagamento as entidades responsáveis pela colocação no mercado de produtos farmacêuticos homeopáticos e de dispositivos médicos – incluindo os ativos e não ativos e os para diagnóstico in vitro e acessórios. Esta taxa incide sobre o montante do volume de vendas destes produtos, deduzido o Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) realizado pelas entidades que têm de efetuar o pagamento. A taxa terá de ser autoliquidada e paga mensalmente com base na declaração de vendas mensais que têm se ser registadas na autoridade que regula o setor (Infarmed).

Portugueses gastaram menos 52 milhões de euros em medicamentos no primeiro semestre No primeiro semestre deste ano, os portugueses gastaram menos 52 milhões de euros (menos 11,7%) com medicamentos comparticipados, comparativamente com o período homólogo, segundo dados da Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde (Infarmed). De acordo com a Análise do Mercado de Medicamentos, em Ambulatório, até final de agosto deste ano (últimos dados disponíveis), os encargos do Estado com a comparticipação de medicamentos diminuíram 9,4%, em comparação com o período homólogo. No que respeita ao mercado total de medicamentos vendidos em farmácias comunitárias até agosto, registou-se uma diminuição de 12,1% (1,74 mil milhões de euros), comparativamente a igual período de 2011 (1,98 mil milhões de euros). Este decréscimo ocorreu a par de um aumento do volume de vendas de 2,3%, ou seja mais 3,6 milhões de embalagens vendidas. O preço dos medicamentos tem vindo a descer ao longo do ano, custando em média 10,85 euros, face aos 13,20 de 2011. O preço dos medicamentos genéricos também tem vindo a cair, com uma média de custo de 6,57 euros em agosto, contra 10,43 euros no ano anterior. Este valor médio dos medicamentos genéricos foi atingido em julho, o mais baixo dos últimos cinco anos.

02

-18,4% -21,5%

-21,8% -24,0%

Governo prevê poupar 146 milhões com medicamentos O governo inscreveu no Orçamento do Estado uma poupança de 146 milhões de euros com medicamentos, de acordo com um documento que integra o Orçamento do Estado aprovado dia 15 de Outubro em Conselho de Ministros. Esta poupança vem em linha com as metas acordadas no memorando da ‘troika’, que prevê a redução da despesa pública com medicamentos para 1% do PIB em 2013. Este ano, através de um acordo com a Apifarma, o Governo conseguiu poupar 300 milhões de euros na despesa com medicamentos.

-13,7% -16,2%

-17,4%

-21,2% -22,9%

Saúde é o Ministério mais castigado pelo OE Nenhum Ministério vai registar, em 2013, um corte na despesa tão grande como a Saúde. Não é uma estreia. Já no ano passado, a pasta liderada por Paulo Macedo tinha sido, a par da Educação, aquela que registou um maior corte na dotação a si destinada. A dotação dirigida à Saúde, no âmbito do subsetor Estado, é de 7.863 milhões de euros, de acordo com relatório da proposta do Orçamento do Estado para 2013. O número fica 19,8% abaixo daquele que estava estimado para o presente ano. Os números referem aos transferidos no âmbito do subsetor Estado, pelo que os ministérios poderão receber dotações por parte de outros subsetores. Ainda assim, mesmo nesse caso, a Saúde perde quase dois milhões do seu orçamento. A dotação da Saúde é aquela que mais cai entre os vários Ministérios. Aquele que mais se aproxima regista apenas uma descida de 5,6% da despesa consolidada transferida no âmbito do subsetor Estado.


or t Re p Grupo Medlog adere ao maior movimento empreendedor à escala mundial À semelhança de anos anteriores, o Grupo Medlog vai aderir à Semana Global do Empreendedorismo (SGE) que decorre de 12 a 18 de Novembro em mais de 136 países. Trata-se do maior evento mundial dedicado à promoção do empreendedorismo, criatividade e inovação, agregando neste movimento várias entidades e envolvendo apoios de todos os setores da sociedade. Uma vez mais, é esperado que os 6 continentes se unam em prol do empreendedorismo, encorajando as pessoas a ter uma atitude mais dinamizadora e a transformar ideias em projetos. Em Portugal, a organização da semana está a cargo da Associação Portuguesa de Business Angels (APBA) e da Sedes - Associação para o Desenvolvimento Económico e Social. Segundo Trigo da Roza, presidente da APBA, os objectivos deste evento passam por desenvolver as capacidades empreendedoras dos participantes, promover o empreendedorismo em Portugal e “unir esforços de forma coordenada numa semana única”. Além disso pretende-se “influenciar e relacionar decisores a nível local, nacional e internacional”. Este ano, o destaque da SGE vai para o Empreendedorismo nas Indústrias Criativas e, deste modo, foi convidada para embaixadora Guta Moura Guedes, co-fundadora e presidente da associação cultural sem fins lucrativos “Experimenta – Associação para a Promoção do Design e Cultura de Projecto”. A sessão de abertura da SGE12 decorre no dia 12 de Novembro, em Lisboa, no ISCET – Instituto Universitário de Lisboa.

Cooprofar e FPC assinalam Dia Mundial da Alimentação com ação de formação A Cooprofar assinalou o Dia Mundial da Alimentação com uma ação de formação em parceria com a Fundação Portuguesa de Cardiologia (FPC). Nutrição no Idoso foi o tema da iniciativa dirigida para a equipa da Farmácia. Considerando a data, todos os formandos receberam um livro de receitas saudáveis co-produzido pela (FPC) e outras entidades. Conduzida pela nutricionista Rosa Maria Santos, a ação de formação abordou o envelhecimento como um processo natural, que se reflete em todo o organismo, ainda que de forma faseada, mas seguramente irreversível. Segundo a especialista, os efeitos de uma alimentação inadequada, tanto por excesso, como por carência de nutrientes têm grande incidência na população idosa. Na terceira idade, a alimentação deve ser enquadrada com os fatores de risco e com a polimedicação, considerando a interação medicamento/alimento. A ação teve como objetivo principal aprofundar as competências do profissional de saúde de forma a auxiliá-lo na sua atividade diária de aconselhamento, concretamente, quando está perante utentes da faixa da terceira idade. A parceria com a FPC estende-se a outra ação de formação intitulada «Hipertensão Arterial – Inovação, Evidências e Mundo Real», a realizar dia 13 de Novembro, no Auditório da Cooprofar, em Gondomar.

03

I Fórum da Distribuição Farmacêutica: Medlog fala sobre Boas Práticas O Grupo Medlog participou no I Fórum da Distribuição Farmacêutica que decorreu em Alcântara. O evento, organizado pela Groquifar em parceria com a IMS Health, teve como objetivo discutir e debater com todos os players e parceiros da distribuição o estado da arte do mercado, no âmbito das dificuldades e grandes constrangimentos que o setor enfrenta. O encontrou incidiu na construção de uma plataforma única de conhecimento, debate, partilha de experiências e procura de soluções entre todas as empresas e parceiros da Distribuição Farmacêutica. Foram abordados temas como a Dinâmica do Mercado Farmacêutico; as Boas Práticas da Distribuição em revisão a nível europeu – painel este onde a Medlog (Cooprofar) esteve representada pela Diretora Técnica e de Qualidade, Susana Quelhas, que interveio sobre a vasta experiência da Medlog, bem como, a certificação do serviço de distribuição alcançada em 2009. No fórum, estiveram outros temas em cima da mesa como o futuro sistema de traceabilidade dos medicamentos, bem como, as obrigações e oportunidades que podem resultar na implementação de tal sistema; a Distribuição e Logística na Área Hospitalar e as Novas Formas de Remuneração do setor da Distribuição, de modo a assegurar a sobrevivência das empresas e consequentemente a sustentabilidade do próprio Serviço Nacional de Saúde. O evento contou com a participação de Martim Fitzgerald, Assessor Jurídico da GIRP - The European Association of Pharmaceutical Wholesalers.


e AdL CeI o lEis aDdE SáP rÚc AEn MSeA

Saúde Oral

Portugueses só vão ao dentista

quando têm dores de dentes... Apesar de quase todos terem hábitos de higiene oral, apenas quatro em cada dez portugueses vão ao dentista quando têm dores na boca, revela um estudo da APHO. Fruto da melhor nutrição e cuidados de saúde, nas crianças portuguesas os dentes estão a desenvolver-se mais cedo. Este mês, falamos de Saúde Oral! E De acordo com um estudo conduzido pela Associação Portuguesa de Higiene Oral (APHO), mais de 80 por cento dos 1.256 inquiridos lava os dentes mais do que uma vez por dia – 51 por cento escovam-nos duas vezes e 23 por cento três ou mais vezes. Apesar de a maioria da população revelar hábitos de higiene oral e reconhecer a importância do flúor (70 por cento), 36 por cento apenas visitam um dentista quando têm dores de dentes e só 29 por cento usam elixir, 15 por cento fio dentário e nove por cento o flúor, como complemento da higiene oral. Contudo, mais de um quinto da população (27 por cento) refere ter como rotina anual as visitas ao dentista para efeito de vigilância, e 15 por cento realizam-nas uma vez de seis em seis meses. Contrariamente à recomendação dos profissionais de saúde oral (que aconselham a trocar de escova de três em três meses), 42 por cento dos entrevistados apenas fazem a substituição quando consideram que a escova já não exerce limpeza de forma adequada. Quando questionados sobre o estado da sua saúde oral, 39 por cento dos inquiridos consideram ter algum problema, destacando-se os residentes nas zonas mais urbanas, como Lisboa e Porto. São estes precisamente os que mais visitam os profissionais de saúde oral (32 por cento vão pelo menos uma vez em cada seis meses). Os indivíduos mais novos (entre os 15 e os 24 anos), de estrato social mais baixo e residentes no Alentejo, Algarve e Interior são os que referem não ter qualquer problema de saúde oral, sendo também os que referem que só vão ao dentista quando têm dores.

04


ES SA PEC Ú IA DE L Dentição das crianças portuguesas está a desenvolver-se mais cedo Os dentes das crianças portuguesas estão a desenvolver-se mais cedo do que há um século atrás, como resultado da melhoria na nutrição, cuidados de saúde e salubridade, segundo uma investigação publicada no American Journal of Human Biology. Esta investigação, liderada por Hugo Cardoso, antropólogo e investigador da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, e que envolveu cientistas portugueses e norte-americanos, é a primeira a demonstrar, de forma clara e consistente, a influência dos fatores ambientais na maturação dentária. Para o trabalho foram avaliadas mais de 500 crianças portuguesas, com idades entre os seis e os 18 anos, de classe socioeconómica média a baixa, recrutadas nas consultas da Faculdade de Medicina Dentária da Universidade do Porto. De acordo com a universidade, “o aceleramento do desenvolvimento dos dentes tem início depois do final do regime ditatorial em Portugal, altura em que se registaram melhorias consideráveis em termos económicos e se investiu em sistemas de saúde e ação social”. Os autores explicaram ainda que estas conclusões vão ter implicações na prática clínica, “uma vez que sugerem que a idade de referência para realizar tratamentos ortodônticos nos adolescentes dos países mais desenvolvidos pode estar desatualizada, devendo ser antecipada”.

OA Saúde Oral em Crianças 1- A partir de que idade e com que regularidade a criança deve consultar um médico dentista? A primeira consulta deve ser realizada quando os primeiros dentes temporários (ou «de leite») erupciona ou, no máximo, até à criança completar o primeiro ano de vida, de modo a estabelecer um programa preventivo de saúde oral e interceptar hábitos que possam ser prejudiciais. Idealmente, quando existe uma boa saúde oral, a criança deve ser observada cada seis meses. Em situações de elevado risco de cárie, esta periodicidade deve ser reduzida para intervalos de três meses. 2- Em que idade aparecem os primeiros dentes e quando se completam as dentições? Em média, a erupção da primeira dentição tem início entre os 6 e os 8 meses de idade, sendo as meninas geralmente mais precoces; entre os 2 anos e meio e os 3 anos de idade os 20 dentes temporários já estarão presentes na cavidade oral A dentição permanente ou definitiva inicia-se entre os 5 e os 7 anos e poderá constituir-se de 32 dentes, caso erupcionem os terceiros molares (sisos), o que nem sempre ocorre. A erupção mais precoce ou tardia não está necessariamente relacionada com patologia; no entanto, caso a criança não apresente qualquer dente após completar 1 ano de vida, deverá ser observada na consulta de Medicina Dentária. 3 - Quais as queixas que podem estar relacionadas com a erupção dos dentes e como pode ser ajudada a criança? Os sintomas mais comuns são: gengivas avermelhadas, aumento da salivação, perda de apetite e alteração dos hábitos nutricionais, ansiedade, dificuldade em dormir. Se a criança apresentar febre, vómitos ou diarreia, deverá ser consultada pelo seu médico assistente pois poderá existir outra causa subjacente. O desconforto da criança pode ser aliviado limpando a boca 2- 3 vezes por dia com uma gaze molhada ou recorrendo a mordedores e geles disponíveis no mercado. 4 - Quando deve cessar o uso da chupeta, biberão ou sucção digital? Os hábitos de sucção não nutritiva (chupeta, por ex.) devem ser abandonados até cerca dos 3 anos de idade, atendendo à possibilidade de auto-correção de desarmonias no desenvolvimento das arcadas dentárias. Relativamente ao biberão, o hábito deve ser abandonado, idealmente, quando a criança completar 1 ano. Alguns métodos podem constituir uma mais-valia, nomeadamente diluir gradualmente em água o conteúdo do biberão, para que após 2 semanas se ofereça à criança apenas água; outra forma será reduzir gradualmente a quantidade de fluido até que o hábito cesse, sendo o biberão substituído, por exemplo, pelo copo com palhinha ou colher. 5 - Como se pode prevenir o aparecimento de cáries precoces na infância? Várias medidas são importantes na prevenção de lesões de cárie na primeira infância: promover a amamentação materna pelo menos até aos 4-6 meses de idade, colocar apenas leite ou água no biberão e oferecer à criança sobretudo durante o dia e nunca quando esteja a dormir; não colocar líquidos açucarados no biberão nem na chupeta; logo que os primeiros dentem erupcionem, promover a sua higiene com uma gaze, dedeira

05


e AdL CeI o lEis aDdE SáP rÚc AEn MSeA

O papel do farmacêutico na promoção da Saúde Oral Há doenças e medicamentos que fragilizam a saúde oral, podendo o farmacêutico constituir uma fonte de informação e orientação. O farmacêutico, além de estar bem posicionado para promover nos seus utentes as regras da boa higiene oral, bem como, orientar para a melhor terapêutica. Os utentes têm toda a vantagem quando abordam o seu farmacêutico em procurar expor com clareza o estado de saúde da sua boca, como seja: se os seus dentes são sensíveis a variações de temperatura (para o quente e para o frio), se as suas gengivas sangram com facilidade, qual é a periodicidade das suas idas ao dentista e se existem doenças crónicas que obriguem à toma de medicamentos e quais (é o caso da epilepsia, diabetes e asma). Nas doenças ligeiras da boca sabe-se que há pessoas que desenvolvem pequenas lesões ou inflamações, como é o caso das estomatites e as gengivites. A estomatite vulgar é uma inflamação da boca que pode afetar a mucosa interior das bochechas, a língua, o céu da boca e as gengivas. Aparece com intensidade variável, com vermelhidão e dor, podendo apresentar-se com o aspeto de uma úlcera. O farmacêutico pode vir a ser chamado a intervir no tratamento das aftas, mas há situações mais graves em que a prescrição médica é indispensável. As gengivites são inflamações (agudas ou crónicas) das gengivas, com vermelhidão e inchaço podendo apresentar pontos hemorrágicos. Não é raro a gengivite ser acompanhada de estomatite. Nestes casos, o tratamento passa por uma boa higiene buco-dental, realizada após a ingestão de alimentos. Podem ainda realizar-se bochechos com anti-sépticos e outros produtos.

ou escova macia, idealmente após as refeições. 6 - Quais as causas mais frequentes para a ocorrência de alterações de cor dentário numa criança? A alteração da cor poderá ter várias causas. Assim, para além das lesões de cárie, também situações traumáticas, perturbações na formação do esmalte e dentina, higiene oral deficiente ou pigmentação extrínseca de origem bacteriana ou alimentar, por exemplo, podem conduzir a este tipo de transtornos. 7 - Deve administrar-se flúor às crianças? A administração de flúor às crianças tem sido alvo de controvérsia. Face à evidência disponível, e de acordo com as recomendações da Direção Geral da Saúde, é dada prioridade às aplicações tópicas sob a forma de dentífricos administrados na escovagem dos dentes desde a sua erupção. Os comprimidos e gotas anteriormente recomendados só serão administrados após os 3 anos a crianças de alto risco à cárie dentária. Nesta situação, os comprimidos devem ser dissolvidos na boca, lentamente, preferencialmente antes de deitar. As ações de educação para a saúde devem, prioritariamente, promover a escovagem dos dentes com dentífrico fluoretado. 8 - Como deve ser efetuada a escovagem dentária nas crianças? As características da escovagem numa criança estão dependentes de vários fatores, mas essencialmente da idade da mesma. Assim, de acordo com as normas da Direção Geral da Saúde: 0-3 Anos: escovagem realizada pelos pais a partir da erupção do primeiro dente, 2x/dia (uma obrigatoriamente ao deitar), utilizando uma gaze, dedeira ou escova macia de tamanho adequado.

Saber distinguir as indisposições gástricas Quando as queixas digestivas, particularmente do estômago, são ocasionais e muitas vezes associadas a excessos alimentares, é recomendado o recurso à indicação farmacêutica. Estes males digestivos são de diferente natureza, manifestando-se por dores, náuseas, vómitos, azia, arrotos e digestões difíceis. Falando da azia, as situações mais ligeiras podem ser aliviadas com a toma de antiácidos que, ao diminuírem a acidez do estômago, abrandam a sensação de ardor e a agressividade sobre o esófago. Os antiácidos podem também trazer alívio na gastrite (uma inflamação do estômago) e na úlcera gástrica (sempre que as dores persistirem, é imprescindível o diagnóstico médico).

3-6 Anos: escovagem realizada progressivamente pela criança, devidamente supervisionada e auxiliada, 2x/dia (uma das quais obrigatoriamente ao deitar), utilizando escova macia de tamanho adequado. A quantidade de dentífrico fluoretado (10001500 ppm) deverá ser semelhante ao tamanho da unha do 5º dedo da criança. >6 Anos: escovagem realizada pela criança, devidamente supervisionada e auxiliada caso não possua destreza manual suficiente, 2x/dia (uma das quais obrigatoriamente ao deitar), utilizando escova macia (ou em alternativa média). A quantidade de dentífrico fluoretado (1000-1500 ppm) deverá ser do tamanho de uma pequena ervilha ou até 1cm de dentífrico.

Mais de 50% da população adulta sofre de mau hálito Esta é uma realidade desconhecida por muitos e uma situação incómoda e embaraçosa, que pode diminuir a auto-estima, gerar stress e afetar as relações inter-pessoais sociais e profissionais. Ou seja, o mau hálito diminui a nossa qualidade de vida de forma muito significativa. Estima-se o mau hálito seja a 3ª razão mais frequente para procurar dentista. O mau hálito tem geralmente uma causa comum: os Compostos Sulfurados Voláteis (CSV) que são expelidos na cavidade oral. Os Compostos Sulfurados Voláteis (CSV) são emitidos por bactérias anaeróbicas como resultado da degradação de proteínas, constituintes habituais da alimentação.

Fontes: Ordem dos Médicos Dentistas; Associação Portuguesa de Higienistas Orais (APHO); Farmácia Saúde; Sapo Saúde; RCMPharma; CPCH 06


obrigatória a prescrição eletrónica A prescrição eletrónica de medicamentos dispensados em ambulatório hospitalar passou a ser obrigatória desde dia 15 de outubro, como já acontece com as farmácias comunitárias. O governo justifica a medida com a necessidade de melhorar e uniformizar os mecanismos de monitorização dos medicamentos dispensados gratuitamente em regime de ambulatório nas farmácias hospitalares, “em situações especiais devidamente regulamentadas”.

genéricos

laboratórios europeus queixam-se de Portugal à CE Os laboratórios europeus apresentaram uma queixa contra Portugal na Comissão Europeia por causa de uma lei aprovada pelo governo para acelerar a entrada de genéricos no mercado, alegando que esta “viola os direitos da propriedade intelectual da indústria”.

3.758.393

medicamentos falsificados apreendidos em todo mundo Cerca de 100 países estiveram envolvidos numa operação internacional (Pangea V) dedicada ao combate aos medicamentos falsificados e ao alerta para os perigos associados à compra destes medicamentos através da internet, que culminou com a detenção de 79 indivíduos e a apreensão em todo o mundo de 3.758.393 medicamentos falsificados, potencialmente letais e com um valor estimado de 10,5 milhões de dólares (cerca de 8 milhões de euros), revelou o Infarmed.

inovação

peritos debatem nova política do medicamento Um grupo de personalidades ligadas ao setor da Saúde em Portugal vai constituir uma nova plataforma de discussão sobre o acesso à inovação na área do medicamento. A iniciativa “Latitude”, inédita em Portugal, decorrerá ao longo de três anos e tem como objetivo contribuir de forma prática para uma política do medicamento que integre o acesso à inovação em benefício do doente, através da atualização da legislação aplicável.

gripe

vacinas da gripe com forte procura O apelo à vacinação, principalmente à população alvo da vacinação gratuita, teve uma resposta intensa logo desde o início, o que provoca o consumo rápido das vacinas nos centros de saúde”, revelou a DGS. Desde o dia 1 até ao dia 10 de Outubro, tinham sido administradas nos serviços de saúde mais de 160 mil doses de vacina gratuita contra a gripe a pessoas com idade igual ou superior a 65 anos.

percentis

OMS define novas curvas As curvas de crescimento das crianças têm novas características, definidas pela OMS. Os novos percentis são menos tolerantes face à obesidade e mais permissivas com os bebés alimentados apenas por leite materno que, nos primeiros meses de vida, podem crescer um pouco mais devagar. As mudanças são também ao nível das consultas. Ao calendário são acrescentadas duas novas: uma aos cinco anos, outra aos dez, no início da puberdade. As alterações devem constar do Programa Nacional de Saúde Infantil ainda este ano.

29

Br ev e

s

farmácias hospitalares

psoríase

Infarmed aprova gel inovador O Infarmed já aprovou a comercialização de um novo gel que promete revolucionaro tratamento da psoríase do corpo. Comparticipado pelo Serviço Nacional de Saúde (SNS), o novo fármaco, desenvolvido pela Leo Farmacêuticos, representa um claro passo em frente para a qualidade de vida dos doentes que padecem deste problema dermatológico que afeta milhares de pessoas em todo o mundo.

tomate

reduz risco de AVC Comer tomate, rico em licopénio, poderoso antioxidante que dá a cor vermelha ao fruto, reduz o risco de um Acidente Vascular Cerebral (AVC), conclui um estudo publicado EUA. A investigação, publicada na revista Neurology, indica que as pessoas com taxas mais elevadas de licopénio no sangue têm menos probabilidades de ter um AVC, comparativamente com as que têm níveis inferiores.

maçã

mais uma razão para a degustar A ingestão de uma maçã por dia reduz em 40% os níveis sanguíneos de uma substância associada com o espessamento das artérias, refere no “Journal of Funtional Foods”. Os investigadores verificaram que o consumo diário de uma maçã diminui os níveis do colesterol LDL (“mau” colesterol) oxidado. Quando o colesterol LDL interage com os radicais livres fica oxidado e apresenta uma maior probabilidade de promover a inflamação e causar danos nos tecidos.

17%

taxa de mortalidade em rota descendente até 2030 A taxa de mortalidade por cancro pode entrar numa rota descendente até 2030, diminuindo em 17% nos próximos 20 anos, segundo as últimas estimativas do Instituto de Investigação do Cancro do Reino Unido, avança o PIPOP – Portal de Informação Português de Oncologia Pediátrica.

osteoporose

cada 30 segundos uma pessoa na UE sofre uma fratura A APOROS – Associação Nacional Contra a Osteoporose, recorda, em comunicado de imprensa, que a cada 30 segundos uma pessoa na União Europeia (UE) sofre uma fratura e que um quarto dos doentes que apresentam uma fratura do colo do fémur morre no ano seguinte.

11

portugueses que morrem de cancro do pulmão por dia Morrem, em média, 11 portugueses por dia vítimas de cancro do pulmão. Em Portugal são diagnosticados 3.800 novos doentes por ano e apenas 15 por cento dos pacientes sobrevivem ao fim de cinco anos. Os dados constam do relatório de 2012 do Observatório Nacional das Doenças Respiratórias.



My Cooprofar Novembro 2012