Page 1


SETEMBRO

OUTUBRO

Maria José de Araújo e outro(s) Napoliana do Carmo da Silveira Silva e outro(s) Adriana Antunes Soares Antonio Marcos de Sousa Freire Rodrigo Aprígio da Silva Maria Cândida Moreira de Castro

José Maria de Oliveira I Francisco de Paula Vítor Machado Iraci Sabino de Oliveira Antônio Gleiber Cassiano Junior

Cooperados, fiquem atentos com o prazo de vacinação da febre aftosa A Coopercam comunica que a segunda etapa de vacinação contra a febre aftosa já está em andamento. Não deixe de vacinar o seu rebanho (bovinos e bubalinos abaixo de 2 anos de idade - 1 dia de idade até 24 meses). O prazo para a vacinação é de 1º a 30 de novembro de 2017 e é obrigatória. O produtor que não imunizar seu rebanho poderá ser multado. Lembre-se, também, de vacinar o seu rebanho contra a raiva. Na Coopercam, você encontra as vacinas necessárias e ainda tira dúvidas com o veterinário responsável. Não deixe para a última hora!

Depois de muita expectativa, previsões frustradas e até mesmo promessas por chuva, finalmente ela chegou em nossa região, embora ainda com baixo volume e distribuição irregular. Mesmo assim, a florada dos cafeeiros foi muito boa, o que nos dá a esperança de uma safra abundante. Diante disso, é chegada a hora de iniciarmos as adubações e as práticas de controle e combate às pragas e doenças que possam frustrar a tão esperada produção e nossas esperanças. A Coopercam, preocupada com a demanda dos insumos pelos produtores e os problemas enfrentados por ocasião da retirada dos mesmos, em particular dos fertilizantes, procurou antecipar a maior parte de suas compras para evitar tais transtornos. Começamos a retirar os produtos em meados de julho, e em meados de setembro já tínhamos em nossos pátios e armazéns, à disposição dos cooperados, cerca de 70% do total de fertilizantes comercializados na feira. Mesmo assim, não nos livramos dos problemas, pois nos últimos quinze dias a demanda por retirada de fertilizantes nas empresas aumentou muito, tanto nos fabricantes como nos fornecedores de matéria-prima, causando grandes filas para carregamento, falta de produtos nas fábricas, aumento no custo dos fretes etc. Problemas que, por mais que tentemos amenizar, não conseguimos nos livrar deles e que vieram refletir diretamente nos produtores que, com toda razão, solicitam a entrega de seus produtos e nem sempre conseguimos atendê-los de prontidão. Por tudo isso, gostaríamos de nos desculpar com nossos associados e mais uma vez contar com a paciência e compreensão de cada um, pois tenham certeza de que suas preocupações também são nossas. A Coopercam está sempre empenhada em fornecer, em tempo hábil, o que há de melhor a seus cooperados.

Diretoria Executiva: Tarcísio Rabelo, José Afonso Gomes e José Eduardo Vanzela. Conselho de Administração: Tarcísio Rabelo, José Afonso Gomes, José Eduardo Vanzela, Rosendo Pieve Pereira, José Márcio Rocha. Suplentes: Breno Miarelli, Jhyan Del Carlo Furbeta, Achiles Magno dos Santos. Conselho Fiscal: Salvador Gomes da Silva, Osmar Francisco de Carvalho e José Donizete Correa. Suplentes: Sidnei Novais Campos, Joaquim de Pascoa Justino e Ailson Edir Vieira. Jornalista Responsável e Redação: Eliana Sonja Rotundaro MTb 12982. Colaboradora e fotos: Pâmela Corrêa. Diagramação: Sakey Comunicação. Tiragem: 2 mil exemplares.


CHUVA DE GRANIZO EM CAMPOS GERAIS CAUSA PREJUÍZO AOS PRODUTORES DE CAFÉ

A forte chuva de granizo que caiu no 15 de outubro, na zona rural de Campos Gerais, causou sérios danos a associados Coopercam. De acordo com a Cooperativa, os cafeicultores relataram que a chuva durou cerca de 25 minutos e as pedras de gelo eram grandes. As comunidades mais afetadas foram Boa Vista dos Campos e Cascalho. De acordo com os técnicos da Coopercam,

não é possível medir a quantidade de granizo que caiu na zona rural de Campos Gerais, mas os pluviômetros indicaram 30 mm. Em quantidade de precipitação por hora, esse volume é considerado forte pelos meteorologistas. A total extensão de propriedades afetadas pela chuva de granizo e os prejuízos ainda estão sendo contabilizados pelos técnicos da Coopercam. Até o mo-

mento, pode-se dizer que cerca de 200 cooperados foram afetados pela chuva, ou em torno de 1 mil hectares plantados com café. Segundo a Coopercam, os cafeicultores precisam tomar algumas providências para poderem minimizar os prejuízos. O técnico Wellyson Silva, responsável pela área afetada, diz que “a princípio, é necessário que os produtores façam as aplicações

cicatrizantes de foliares para evitar o ataque dos pseudomonas, que são bactérias, e outras doenças típicas da época, como a Phoma. Após isso, o produtor deve se conscientizar que não se pode reduzir os tratamentos essenciais com as lavouras, pois muitos se assustam com os danos e desanimam com o futuro incerto. Mas os cuidados são necessários para que as lavouras se recuperem”.


CAMPOS GERAIS RECEBE ETAPA DA 17º EDIÇÃO DO CIRCUITO SUL MINEIRO DE CAFEICULTURA CULINÁRIA E ESPAÇO FEMININO

A Emater realizou, no dia 5 de outubro, no Clube da Melhor Idade, uma das etapas do Circuito Sul Mineiro de Cafeicultura. O evento contou com o apoio da Coopercam, da Prefeitura Municipal de Campos Gerais, da Polícia Militar, de estudantes dos cursos de agronomia e farmácia da Facica e de vários patrocinadores. Estiveram presentes cerca de 300 produtores rurais, presidentes das 14 associações rurais, autoridades e pessoas ligadas ao setor cafeeiro da cidade e da região. O evento ofereceu palestras com os temas segurança rural, fertirrigação

no cultivo do café, certificação de café e adubação nitrogenada. De acordo com Samantha Martinez de Carvalho, extensionista da Emater, “o objetivo do evento é levar informações pertinentes ao nosso público-alvo, ou seja, o agricultor familiar. É estreitar as relações em toda a cadeia produtiva do café com o objetivo de melhorar a rentabilidade para todos, do produtor ao consumidor, para que este tenha um melhor produto”. O Circuito é realizado nas quatro regiões produtores de café de Minas Gerais: Sul de Minas, Cerrado, Matas de Minas e Cha-

Durante o Circuito Sul Mineiro de Cafeicultura foi promovido um concurso culinário com o sugestivo nome de Delícias do Café. O principal ingrediente, é claro, independentemente de o prato ser doce ou salgado, foi o café. As receitas vencedoras foram o Lombo ao Molho de Café, preparada por Tatiana Luiza Leonardo, que ganhou um liquidificador e uma batedeira; e o Brigadeiro Gourmet de Café, feito pela Cyntia Siqueira Padovani Klaitr, que ganhou uma panela de ferro. Os prêmios foram doados pelos patrocinadores. Um espaço também foi montado exclusivamente para o público feminino, com a oferta de manicure e demonstração de cosméticos. pada de Minas. Ao todo, serão mais de 30 etapas e a participação dos produtores é gratuita. O evento teve início em março e vai até o novembro de 2017. A Coopercam foi representada por seu Diretor

COLABORADORES COOPERCAM RECEBEM TREINAMENTO DA STIHL FERRAMENTAS Para oferecer sempre o melhor a seus cooperados, a Coopercam, em parceria com a Stihl Ferramentas, ofereceu a colaboradores das lojas de Campo do Meio e Córrego do Ouro, treinamento em manutenção e manuseio de máquinas da marca. Essa é uma forma de levar mais informações aos colaboradores e melhorar a prestação de serviços aos cooperados. O curso foi realizado nos dias 3 e 5 de outubro, pelo representante de vendas Jonatan Roger Zanol, que apresentou muitas dicas e informações. A Coopercam oferece uma linha completa de ferramentas e máquinas portáteis aos seus cooperados: derriçadeiras, motosserras, entre outras que facilitam o dia a dia do produtor no campo.

Administrativo, José Afonso Gomes, e pela Analista de Marketing, Pâmela Corrêa. O ConCafé, Consórcio Público para o Desenvolvimento do Café no Sul e Sudoeste de Minas, também se fez presente no evento.


05

COOPERCAM RECEBE VISITA DO PRESIDENTE MUNDIAL DA COMPASS No dia 4 de outubro, a Coopercam recebeu a visita de duas grandes empresas do setor de agronegócios: a Compass Minerals e a Produquímica. Em um processo que teve início em 2015, a norte-americana Compass Minerals, com sede no Kansas, assumiu o controle acionário da Produquímica. A diretoria da Coopercam recebeu o presidente mundial da Compass, Fran Malecha, e os conselheiros Dick Grant, Lori Walker e Valdemar Fischer, que vieram dos Estados Unidos para conhecer um pouco sobre a cultura cafeeira. Pela Produquímica, empresa que possui parceria com a Coopercam há cerca de quatro anos, marcou presença o Diretor Brasil de Negócios Agrícolas e Pecuários, Paulo César Cau. Além de Cau, também compareceram Fábio Rossigalli, Maurício Carneiro, Ithamar Prada, Tiago Mota, Carlos Torres, Guilherme Sá e Fernando Rocha. Os visitantes puderam conhecer toda a estrutura da Coopercam,

principalmente o Departamento de Café, onde eles tiveram a oportunidade de conhecer variados tipos de grãos, assim como puderam entender melhor o processo de classificação e degustação. Da Coopercam, os visitantes foram à Agropecuária Santo Antônio, localizada em Boa Esperança, onde puderam conhecer uma lavoura de café.

Compass Minerals A Compass Minerals é fornecedora de minerais essenciais, incluindo sal para segurança do trânsito de inverno e outros usos de consumo, industrial e agrícola, além de minerais de nutrição vegetal que melhoram a qualidade e o rendimento da safra. Considerada uma das cem empresas mais confiáveis dos Estados Unidos (Forbes 2015 e 2016), a Compass Minerals tem como missão ser a melhor empresa de minerais essenciais. A empresa produz seus minerais em diversas localidades dos Estados Unidos, Canadá e Reino Unido.

Produquímica A Produquímica é referência no desenvolvimento de soluções inovadoras para nutrição vegetal, animal, florestal, setor de tratamento de águas e insumos quími-

Produtividade começa na terra Conheça as soluções da Terra de Cultivo, fertilizantes orgânicos e organominerais obtidos por compostagem e enriquecidos para alta performance no campo. O resultado já é percebido no número reduzido de aplicações, que otimiza o tempo na propriedade e reduz a mão de obra, além da praticidade dos produtos que podem ser aplicados com sol. Tudo isso gera nutrição gradual e equilibrada da lavoura, trazendo produtividade de forma natural e eficaz.

cos para processos industriais. Com presença ativa no mercado nacional e com expressiva atuação internacional, o Grupo Produquímica exporta seus produtos para todos os continentes, atingindo mais de 70 países.


06

PRODUTORES DE LEITE PARTICIPAM DE PALESTRA SOBRE ANTIBIÓTICOS O uso de antibióticos no gado leiteiro exige cuidados para manter a saúde dos animais e não causar prejuízos aos consumidores do leite. Esse assunto,

importante para os pecuaristas, foi tema de uma palestra realizada pela Coopercam, no dia 20 de setembro, em parceria com a empresa Ouro Fino

Saúde Animal. Ministrada pelo médico veterinário da Ouro Fino, Nicanor Soares Júnior, o tema apresentado foi “Antibióticos: o que são, para que servem

SETEMBRO VIOLETA E OUTUBRO ROSA SÃO CELEBRADOS NA COOPERCAM A Coopercam, ciente de sua responsabilidade social, nos meses de setembro e outubro, se juntou a duas causas importantes para a saúde pública. O Setembro Violeta tem como objetivo alertar sobre os sintomas da doença de Alzheimer e ajudar os que sofrem com esse transtorno neurogenerativo. A Coopercam fez a sua parte com a divulgação sobre a doença, compartilhando informações em seus painéis de comunicação, assim como a divulgação em redes sociais. Sabe-se que a memória é a mais afetada pela doença de Alzheimer e exercitar o cérebro é uma ótima forma de prevenção. Por isso mesmo, palavras-cruzadas foram oferecidas aos cooperados, como uma maneira de informar e exercitar a mente.

Já no mês de outubro, a Coopercam celebrou o Outubro Rosa, mês de prevenção do câncer de mama. Em forma de conscientização, os colaboradores usaram lacinhos rosas durante todo o mês. Além disso, um grande laço rosa foi colocado na caixa d’agua da Cooperativa, que chamou muita a atenção da comunidade de Campos Gerais. No dia 23 de outubro, a médica ginecologista e obstetra Lais Barros, também residente em mastologia, esteve na Coopercam e realizou uma palestra para as colaboradoras, que receberam orientações e aproveitaram para tirar dúvidas. Um material informativo sobre a doença e a prevenção também foi distribuído entre as colaboradoras e cooperadas.

e seus efeitos”. O evento contou com a presença de 25 cooperados, que puderam tirar dúvidas sobre o uso do antibiótico na terapia na atividade leiteira.


07 ARTIGO TÉCNICO

DE OLHOS BEM ABERTOS EM RELAÇÃO À BROCA DO CAFÉ POR WELLYSON ARAÚJO DA SILVA - REPRESENTANTE TÉCNICO DE VENDAS COOPERCAM A broca-do-café (Hypothenemus hampei), considerada uma das principais pragas da cafeicultura no Brasil, é originária da África Equatorial. As fêmeas medem 1,65 mm de comprimento por 0,67 mm de largura e 0,73 mm de altura, enquanto os machos, que são bem menores, medem 1,18 mm de comprimento por 0,51 mm de largura e 0,55 mm de altura. As fêmeas apresentam asas membranosas normais e voam. Os machos não voam, permanecendo nas sementes dos frutos,

de onde se originam. Seu ciclo reprodutivo varia de 21 a 57 dias, sendo influenciado pelo clima, em que as condições ideais para a sua ocorrência são temperatura e umidade altas. Os danos são causados pelas larvas do inseto, que vivem no interior do fruto do café, atacando geralmente uma só semente, raramente as duas, para sua alimentação. Inicialmente os prejuízos são ocasionados pela queda de frutos, pois já foi constatado que a broca aumenta a porcentagem de queda

natural de frutos na ordem de 8% a 13%. Os frutos broqueados que permanecem nas plantas sofrem a redução de peso, podendo chegar a 21% ou 12,6kg por saco de 60kg de café beneficiado. A broca do café também causa vários danos diretos e indiretos na qualidade final do grão beneficiado, passando do tipo 2 ao 7 somente com o aumento da infestação da praga, pois, de dois a cinco grãos broqueados, constituem um defeito. As perdas aumentam duran-

Ciclo reprodutivo da broca

Fruto infestado de larvas

Café beneficiado com defeitos causados por broca

te a operação de descascamento devido à fragilidade que o grão atacado passa a apresentar, sendo quebrado e descartado com a ventilação da máquina de descascar. Os danos provocados pela broca começam quando a infestação atinge entre 7% a 10% nos frutos da maior florada e proporcionam a penetração de microrganismos, como fungos dos gêneros Fusarium e Penicillium, que estão relacionados com a alteração da qualidade da bebida do café.

Monitoramento da broca O monitoramento da broca deve ser iniciado na época de “trânsito” do inseto, de novembro a janeiro, aproximadamente dois meses (60 dias) após a grande florada (outubro). Nessa época, as fêmeas adultas do inseto voam e perfuram frutos verdes desenvolvidos (chumbões) da safra seguinte e não colocam ovos, pois estes frutos estão com 80% de umidade na semente. Este é o momento ideal para o controle químico, pois os atuais produtos registrados para a praga somente são eficientes se aplicados preventivamente com, no máximo, 1% de frutos perfurados com brocas vivas. No monitoramento da broca, deve-se escolher aleatoriamente 30 plantas no talhão. Em cada planta escolhida, visualizar 60 frutos em seis pontos, ou seja, dez frutos por ponto, sem os coletar. Os dez frutos devem


08 ARTIGO TÉCNICO

DE OLHOS BEM ABERTOS EM RELAÇÃO À BROCA DO CAFÉ POR WELLYSON ARAÚJO DA SILVA - REPRESENTANTE TÉCNICO DE VENDAS COOPERCAM ser observados em diversos ramos e rosetas nos dois lados da planta, nas posições da saia, meio e ponteiro. Nos dez frutos observados por ponto, serão contados os broqueados, cujo total será anotado em uma folha, correspondente a cada ponto observado. Proceder da mesma maneira nas outras 29 plantas. Terminada a amostra-

Quem compara vê vantagem.

gem, somam-se separadamente todos os frutos broqueados de cada ponto, das 30 plantas escolhidas e observadas. O valor encontrado, ao ser dividido por 18 (fator fixo), dará diretamente a porcentagem de infestação no talhão. Se o valor encontrado for igual ou superior a 1% de frutos broqueados, deve-se realizar a pulverização no talhão.

Definição da infestação e posição da broca Durante o monitoramento, é importante verificar em que posição a broca se encontra no interior do fruto. Teremos um bom controle se a praga estiver nas posições A ou B, por ou-

tro lado, se estiver nas posições C ou D, não haverá resultado satisfatório, porque os defensivos com uso permitido atualmente não oferecem controle em profundidade no fruto.

Verdadero. Vale cada grão. Vale a produtividade.

FALSO - MELHORA O SISTEMA RADICULAR - CONTROLA FERRUGEM, BICHO-MINEIRO E CIGARRA - AUMENTA SUA PRODUÇÃO

© Syngenta, 2017.

Informe-se sobre e realize o manejo integrado de pragas. Descarte corretamente as embalagens e os restos de produtos.

www.portalsyngenta.com.br


09

PROPRIEDADE DE CAMPOS GERAIS É PIONEIRA NA IMPLANTAÇÃO DE AGRICULTURA DE PRECISÃO

O termo Agricultura de Precisão surgiu nos Estados Unidos, em 1929. Mas somente com os avanços e a difusão de sistemas de posicionamento geográfico e de informações geográficas, monitoramento e informática, é que começou a ganhar notoriedade na década de 80. Dos EUA, ganhou adeptos na Alemanha, Argentina, Austrália e Inglaterra. No Brasil, as primeiras pesquisas na área de Agricultura de Precisão remontam à década de 90. De acordo com a Embrapa, a agricultura de precisão “é um sistema de manejo integrado de informações e tecnologias, fundamentado nos conceitos de que as variabilidades de espaço e tempo influenciam nos rendimentos dos cultivos”. Dessa forma, a AP tem o objetivo de gerenciar de forma mais detalhada o sistema de produção agrícola como um todo, não somente as aplicações de insumos e mapeamentos, mas de todos os processos envolvidos na produção. Importante ressaltar que a AP não se limita a algumas culturas nem a algumas regiões. Ainda segundo a Embrapa, a Agricultura de Precisão é fundamentada em três pontos para se chegar na excelência dos resul-

tados: revolução gerencial, tecnologia de informação e agregação de valor à produção. Esses três itens devem ser trabalhados em conjunto para o aprimoramento da produtividade, da qualidade, do volume a ser produzido e da redução de preço dos produtos. Apresentado dessa forma, a AP mostra-se como um excelente agregador de resultados em uma propriedade. Mas por que então os produtores são reticentes em adotar esse sistema? Os representantes técnicos da Coopercam, Aloísio Fidelis e André Luis Silveira Oliveira, explicam que os principais empecilhos são falta de informação, dificuldade na aquisição de equipamentos e investimento inicial. Para os técnicos, o ideal é que o sistema financeiro – estatal e particular – criem linhas de crédito para essa finalidade de investimento. Mesmo com esses percalços, Fidélis e Oliveira trabalham para divulgar junto aos cooperados Coopercam a Agricultura de Precisão, através de visitas técnicas, palestras e informativos. Com a apresentação de resultados de cafeicultores de outras regiões, os cooperados José Vieira Barros e Paulo Henrique Barros se tornaram pionei-

ros em Campos Gerais na implantação desse sistema. A instalação da Agricultura de Precisão na propriedade dos Barros é recente. Começou em agosto deste ano com a coleta das amostras georreferenciadas nos talhões de café. Após isso, foi compilado os dados no software e programada as aplicações corretas de fertilizantes e a taxa de variação. Com esses resultados, os cooperados adquiriram os equipamentos necessários. Localizada em Campos Gerais, na comunidade Palestina, a propriedade dos Barros tem o nome de Pertinho do Céu. Possui uma área total de 112 hectares, com 320 mil pés de cafés plantados e colhe, em média, 3.500 sacas por ano. Os sócios plantam café desde 1979 e contam que o primeiro contato com o conceito de Agricultura de Precisão foi em um evento de agronegócios. Em busca de informações, eles vislumbraram na AP uma forma de melhorar a produção de café. Com o suporte técnico da Coopercam, os cafeicultores começaram a implantar a AP na propriedade, primeiro com a análise de solo georreferenciada e com aquisição de um GPS (Global Positioning System,

que em português significa Sistema de Posicionamento Global). Os tratores e implementos necessários a propriedade já possuía. Em curto prazo, o resultado é uma redução de fertilizantes usados na lavoura cafeeira. Mas, para a próxima safra, deverá haver aumento na produção de grãos, mas os resultados mais positivos devem surgir entre dois a quatro anos após a implantação da AP. Em médio a longo prazos, o produtor terá uma propriedade ambientalmente sustentável e mais rentabilidade na produção. Perguntados sobre a implantação da AP, os proprietários da Pertinho do Céu acreditam que “tudo indica que vai funcionar muito bem. Tem tudo para dar certo. No momento, não podemos recomendar a outros cafeicultores a Agricultura de Precisão, mas, dando tudo certo, indicaríamos para propriedades de médio e grande portes”, dizem os cooperados José Vieira Barros e Paulo Henrique Barros. Para saber mais sobre a Agricultura de Precisão, o cooperado pode entrar em contato com os técnicos Coopercam Aloísio Fidelis e André Luis Silveira Oliveira, pelo telefone (35) 3853-0320.


10

CERTIFICAÇÃO: PRODUTOR DEVE SE PREOCUPAR COM O BEM-ESTAR DE SEUS FUNCIONÁRIOS

A cada edição deste Informativo, a Coopercam trata de um ponto importante sobre a Certificação. Nesta edição, o assunto será sobre os cuidados com os funcionários. Vale lembrar que as normas de conduta para

se obter a certificação de uma propriedade cafeeira vão além de anotações e de manter uma organização geral da propriedade. O zelo pela saúde e bem-estar dos funcionários, por exemplo, é um princípio que deve

ser levado a sério. Para isso, a certificação exige que todos os trabalhadores recebam capacitações de acordo com as suas funções. Os cursos mais comuns são manutenção e operação de máquinas agrícolas, manutenção e operação de roçadeiras e derriçadeiras manuais, uso correto e seguro de defensivos agrícolas, primeiros socorros, entre outros previstos pela NR31. A NR31 estabelece os preceitos a serem observados na organização e no ambiente de trabalho voltadas para as atividades rurais. É importante ressaltar que o empregador que não esteja de acordo com as normas do Ministério do Trabalho

MAIS QUATRO TRATORES JOHN DEERE SÃO ENTREGUES A COOPERADOS COOPERCAM

Jair Lima

Adauto Reis

Valéria Miarelli

Paulo Rabelo

www.minasverde.com.br

pode ser multado. Um dos pontos mais importantes da certificação é que ela ajuda o produtor a se adequar e se manter dentro das exigências legais. Uma boa dica para o produtor que quer garantir o melhor aos seus funcionários – e também a sua certificação -, é procurar o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), que oferece de forma gratuita diversos cursos e treinamentos voltados ao meio rural. A Coopercam pode auxiliar seus cooperados nesse sentido, pois possui contato direto com os mobilizadores da região, facilitando o agendamento dos cursos junto ao Senar.


11

IBGE DÁ INÍCIO AO CENSO AGROPECUÁRIO 2017 O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) deu início ao Censo Agropecuário 2017. O objetivo é mostrar a realidade da produção agropecuária brasileira através da coleta de dados de todos os envolvidos na produção rural. A expectativa do IBGE é de que os mais de 18 mil recenseadores visitem todos os estabelecimentos agropecuários do País, estimado em cerca de 5,3 milhões, entre outubro de 2017 e fevereiro de 2018. A Coopercam ressalta que o Censo é importante para se conhecer melhor a realidade do campo brasileiro. Por isso mesmo, é fundamental que os cooperados recebam bem o recenseador e forneça a ele todos os dados solicita-

dos. Mas não basta apenas passar as informações: elas precisam, também, ser autênticas. Para identificar o recenseador, o produtor rural poderá confirmar a identidade do profissional através do QR Code disponível no crachá, localizado no lado esquerdo do peito do colete. O código pode ser lido pelo celular e será direcionado para o site do IBGE, que fará a checagem. O recenseador vai se apresentar, também, com o DMC (Dispositivo Móvel de Coleta), equipamento onde ele irá registrar os dados coletados de cada produtor visitado, assim como o gerorreferenciamento de cada propriedade.


12

CANTINHO DA RECEITA

A partir desta edição, a Coopercam irá compartilhar com seus cooperados receitas tradicionais de Campos Gerais e região. Para estrear a coluna, convidamos a cooperada Maria Aparecida da Silva, famosa por seus quitutes. A receita de Broa de Pau a Pique é fácil de fazer e muito gostosa. Que tal arregaçar as mangas e assar uma broa para o cafezinho da tarde? Importante: esta coluna está aberta para todos os cooperados que desejarem compartilhar suas receitas preferidas. Basta enviar a receita para o e-mail comunicacao@coopercam.com.br ou pelo telefone (35) 3853-0324. A Coopercam terá o maior prazer em publicar as receitas escolhidas com atenção e carinho por nossos cooperados.

Broa de Pau a Pique

por Maria Aparecida da Silva Ingredientes:

1 kg de fubá 8 ovos 6 copos (americano) de leite 4 copos de açúcar 5 colheres (sopa) bem cheias de margarina ou manteiga 2 colheres de fermento em pó 700 gramas de queijo fresco em cubinhos 1 colher rasa de sal Cravo a gosto

Para assar:

Folhas de bananeiras verdes cortadas em retângulos

Modo de preparo:

Coloque o leite, o sal, a margarina e o cravo para ferver. Acrescente o fubá e mexa até o ponto de “angu”. Deixe esfriar. Coloque os ovos, o queijo e por último o fermento em pó. Misture com as mãos. Com uma concha, coloque a massa sobre a folha de bananeira e enrole. Coloque em uma forma. Asse por aproximadamente 50 minutos.

Dicas da Dona Maria:

A textura da massa é mole mesmo e quando se colocar para assar na folha de bananeira, a mesma impede que ela cresça para cima, por isso ela cresce para as laterais. As folhas de bananeiras podem ser cortadas no tamanho que quiser, de acordo com o gosto de cada pessoa. O queijo também é à vontade, uso 700 gramas, mas pode se usar mais se assim preferir.

Informativo set out 2017  
Informativo set out 2017  

Informativo Coopercam Setembro Outubro de 2017

Advertisement