Page 1


2

editorial A colheita do café está no pico,

Mais de 28 mil cabeças de gado são vacinadas em Campos Gerais e Campo do Meio contra a febre aftosa

safra boa, porém o rendimento será prejudicado em função da falta de chuva. Temos ainda outro problema com a peneira da safra. Realmente os grãos estão menores e mais leves do que o normal, gastando mais grãos para produzir uma saca de café. A Fundação Procafé fez um bom trabalho; a pesquisa encomendada pelo CNC (Conselho Nacional do Café) tem mostrado que o resultado será realmente de quebra de até 70% para lavouras de 3 a 4 anos. Os preços estão estabilizados num patamar que remunera o produtor, mas temos que olhar o futuro, pois a safra de 2015 ainda é uma incógnita. Vamos colher os cafés, vender o necessário para liquidar os débitos e, se sobrar, fazer caixa para 2015.

Expediente

Tarcísio Rabelo Presidente da Coopercam

No mês de maio aconteceu a primeira etapa de vacinação contra a febre aftosa em Minas Gerais. O Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), junto com o Ministério da Agropecuária (MAPA), exige a vacinação de bovinos (bois, vacas) e bubalinos (búfalos) para que o país ostente o título de zona livre de doença, de acordo com os critérios estabelecidos pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Em Minas Gerais existem 24 milhões de cabeças de gado e, em 2013, 97,15% desse número foi vacinado. Este ano, o resultado da primeira etapa ainda não foi apresentado pelo IMA. O produtor rural que não vacinar seus animais e/ou não declarar a vacinação está sujeito a multas: R$ 75,86 por cabeça não vacinada e R$ 13,19 por declaração não apresentada. A segunda etapa da vacinação acontece em novembro. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), existem em Campos Gerais quase 26 mil bovinos e em Campo do Meio são pouco mais de cinco mil. Desse número, 28 mil foram vacinadas na primeira etapa. Segundo José Raimundo Lima, chefe do escritório da seccional do Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA) em Campos Gerais, já foram vacinadas até o momento 28.303 cabeças de gado, número que corresponde a 95,63% do total de bovinos cadastrados para 921 criadores. Já em Campo do Meio foram vacinados 95,6% (5.168) de um total de 5.425 cabeças de gado.

Minas gerais avalia circulação viral da febre aftosa

O IMA irá realizar, durante o mês de junho, em todo o estado mineiro, um monitoramento sorológico de circulação do vírus da febre aftosa. O objetivo é apoiar a certificação de ausência de circulação viral em Minas Gerais, que é uma zona livre com vacinação. Estão previstas pouco mais de sete mil coletas de amostras de soro em 169 municípios e 219 propriedades selecionadas. As análises serão realizadas pelo Laboratório Nacional Agropecuário de Minas Gerais (Lanagro/MG). O diretor-geral do IMA, Altino Rodrigues Neto, explica que, com esse estudo será possível conferir a condição sanitária dos rebanhos e atender os requisitos do mercado para exportação. “A ação também é importante para manter o status de zona livre de febre aftosa com vacinação perante a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE)”, afirma. A realização dos estudos sorológicos segue determinação do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e será efetuada por todos os estados que integram a zona livre de febre aftosa com vacinação. (Com informações da Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais)

Conselho de Administração: Tarcísio Rabelo, José Eduardo Vanzela, José Afonso Gomes, Oswaldo Pimenta Duarte, Benigno Carvalho Machado. Suplentes: José Lúcio Ribeiro, José Maurício de Souza, Valeria Miarelli. Diretoria Executiva: Tarcisio Rabelo, José Eduardo Vanzela, José Afonso Gomes. Conselho Fiscal 2014: Marcos Francisco de Oliveira, José Nicodemos dos Santos e Mauro Dias Palhão (efetivos); e José Donizeti Correa, Vitor Raimundo de Abreu Salgado e José Maria Soares (suplentes). Jornalista Responsável e Redação: Eliana Sonja Rotundaro MTb 12982. Colaborador e fotos: Hendrix Brasiliense. Diagramação: Sakey Comunicação. Tiragem: 2 mil exemplares. Impressão: Gráfica Novo Mundo.


3

Café em Bags: boa adesão dos cooperados ao novo sistema

A Coopercam, sempre em busca de melhoras em sua logística de recebimentos e embarques de cafés, iniciou nesta safra 2014/2015 o recebimento de cafés a granel e em BAGs. Apesar do pouco tempo de implantação, essa nova opção de recebimento já é um sucesso junto aos cooperados, pois essa modalidade é mais vantajosa em relação à modalidade convencional, ou seja, a sacaria. O cooperado, ao depositar o café a granel na Coopercam economiza sacaria e mão de obra (que está escassa). Com isso, reduz seus custos e ainda consegue otimizar seu tempo. Além de dinamizar o recebimento e embarques de cafés comercializados, a gra-

nelização traz uma redução de mão de obra e reduz o tempo dos serviços prestados aos cooperados, tornando-se assim uma alternativa prática e vantajosa, pois tem melhores condições de conservação e higiene aos cafés recebidos pela cooperativa. O recebimento de cafés a granel e em BAGs na Coopercam já chegou a 35% da safra 2014/2015 (até o momento). Mas a expectativa é que esse valor chegue a 50% do recebimento total ao final da safra. Com o aumento significativo do volume de cafés recebidos pela Coopercam nos últimos anos, é necessária a busca por soluções sustentáveis e modernas para

atender aos cooperados. No ano de 2013, a bolsa de valores de Nova York (ICE FUTURES US) aceitou a entrega do café brasileiro e agora permitirá o recebimento do café a granel. Até o momento são realizadas as entregas de cafés nos armazéns licenciados pela ICE em sacaria de juta. Outra facilidade do recebimento do café a granel é o seu rastreamento nos armazéns, já que os BAGs podem ser equipados com um código/chip e assim fazer parte de um sistema informatizado que controla todo o armazenamento. Hélvio Zacaroni Gerente do Departamento de Café da Coopercam


5

Coopercam distribui Cartilha do Produtor de Leite Objetivo é aumentar produção e a qualidade do leite A pecuária leiteira, assim como qualquer atividade agropecuária, exige dedicação e muitos cuidados para que o produtor tenha um negócio de sucesso. Os especialistas são unânimes: não existe uma fórmula para o alcance desse sucesso. É necessário, sim, que o produtor tenha consciência de que, para garantir lucratividade com a produção de leite, a competência com que ele irá gerir o negócio é fundamental. Além do tino administrativo, o produtor precisa estar aberto às mudanças e às tecnologias para se produzir leite em quantidade e com qualidade exigida. O produtor deve entender de que nada irá adiantar ter um baixo custo de produção se em contrapartida a produção também for baixa, pois a pequena renda que ele irá obter no final do mês não será suficiente para que ele possa investir na atividade. Dessa forma, um grande volume de produção é essencial para que o produtor possa se manter e crescer na atividade. Mas, algumas estratégias são eficazes no sentido de garantir lucros aos produtores. Foi com essa premissa que a Coopercam confeccionou e distribuiu aos associados produtores de leite a Cartilha do Produtor de Leite. O material, simples e objetivo, mostra os cuidados que se deve ter em todas as etapas da produção de leite. “São 15 itens essenciais para o produtor, que vão dos cuidados com as vacas leiteiras ao transporte do leite”, diz Júlio Moreira, veterinário da Coopercam. “O que a Coopercam deseja é ajudar a todos os cooperados que produzem leite a ficarem cientes de que lucratividade é sinônimo de cuidado e dedicação”, completa Antônio Celso Palaquim. A cartilha está disponível nas lojas da Coopercam de Campos Gerais, Campo do Meio e Córrego do Ouro.


6

Departamento Técnico da Coopercam:

suporte aos produtores rurais em todas as demandas Um dos setores mais importantes de uma cooperativa agropecuária é o Departamento Técnico. Através desse setor os produtores podem contar com uma consultoria direcionada ao homem do campo e, dessa forma, ajudar o produtor em todas as suas demandas rurais. No caso da Coopercam são onze profissionais, entre técnicos agrícolas e engenheiros agrônomos, sempre à disposição para prestar todas as assistências aos seus cooperados. Toda a estrutura de trabalho e serviços do Departamento Técnico da

Coopercam está inserida dentro da área comercial da Cooperativa, que tem trabalhado de forma constante para atender ao produtor com um portfólio completo e compras integradas. Assim, os serviços prestados e o atendimento comercial realizado durante o ano, principalmente no Dia de Negócios, têm como objetivo subsidiar os cooperados em seu processo produtivo, com vistas para o aumento da produtividade e a melhoria de renda. Cada tipo de serviço é realizado de uma forma distinta, mas de tal forma que o produtor possa obter todas as in-

formações necessárias para sua lavoura e/ou pecuária. Nesse sentido, há visitas técnicas, treinamentos, campanhas e eventos. Entre os serviços prestados pelo Departamento Técnico da Coopercam, destacamos o planejamento e recomendação nutricional, correção de solo, monitoramento de pragas e doenças, tecnologia de aplicação, acompanhamento de certificações de café, laudos para projetos agrícolas, tour tecnológico, áreas demonstrativas e eventos (Dias de Campo, Circuito de Tecnologia e Dia de Negócios).


7

Coopercam a todo vapor para a 7ª edição do Dia de Negócios Com a colheita de café já bem avançada, está no momento dos produtores começarem a planejar os tratos culturais que serão realizados em suas lavouras após o término da safra. Para os associados Coopercam, é momento, por exemplo, de se preparar para a sétima edição do Dia de Negócios, oportunidade única de bons negócios. Este ano, o evento acontece nos dias 27 e 28 de agosto e a Coopercam já está a todo o vapor com as preparações. Em 2014 o evento “Dia de Negócios Coopercam” atinge a sua 7ª edição com excelente retrospecto de negócios. O sucesso foi conseguido, sobretudo, pela oportunidade de uma só vez negociar implementos, máquinas, insumos e serviços de uma maneira rentável e diferenciada, trazendo ao cooperado a sensação de conforto e certeza de realização de bons negócios. Na 6ª edição, realizada em 2013, a feira atingiu um público de mais de quatro mil pessoas e cerca de

70 empresas expositoras, respaldando o profissionalismo e a eficiência desde as primeiras edições do evento. Da primeira até a 6ª edição o crescimento de público foi 2.566% e o de expositores foi de 2.233%. Uma média de crescimento de

500% ao ano. A Coopercam em 2014 disponibilizará estrutura completa voltada totalmente às necessidades de seus associados comercializadores de café e leite, oportunizando momentos de fechamento de bons negócios em um único local. E os benefícios não serão somente para os associados, já que as empresas participantes poderão contar com uma grande equipe de colaboradores que subsidiarão a realização de negócios in loco e online, agilizando e captando vendas, além de poder expor suas máquinas, implementos agrícolas e materiais.


Informativo Coopercam Maio/Junho  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you