a product message image
{' '} {' '}
Limited time offer
SAVE % on your upgrade

Page 1

1

www.cooperativa.coop.com.br


EXPEDIENTE:

EDITORIAL

Palavra do Presidente

Afinal, qual é o futuro da produção de leite? Temos contado com uma mão de obra cada vez mais escassa, e em contrapartida aumentamos as despesas nas propriedades. Produzimos e adquirimos uma maior quantidade de alimento para o gado e, entretanto, tem se chovido cada vez menos, aumentando o custo das despesas. Esses e outros cenários vêm se desdobrando na pecuária leiteira.

COOPERJORNAL | Outubro 2017

Neste ano, realizaremos o nosso 3º Workshop Cre$er Cooperativa com o tema: O Futuro da Produção de Leite no Vale do Rio Doce. Queremos levar em discussão os próximos passos. O Brasil é o 6º maior produtor de leite no mundo. Como parte de uma das maiores potências mundiais, não podemos descuidar de um cenário que está mais próximo do que imaginamos. Neste Cooperjornal reforçamos o convite para o 3º Workshop realizado em parceria com o Sebrae Educampo. Apresentamos os resultados da 48ª ExpoagroGV e do 5º Concurso Leiteiro de Marilac. Trazemos mais informações sobre a democratização da genética, e alertamos sobre a vacinação sem resíduos. Uma revista completa sobre as atividades desenvolvidas para uma produção melhor e de qualidade está aqui. Através do trabalho evolutivo da Cooperativa, o Vale do Rio Doce também está em alerta quanto ao futuro da produção.

Conselho Administrativo Antônio Carlos Brandão Edson Constantino Ramos Fernando Antônio Ferreira Geraldo Antônio Birro Costa Guilherme Olinto Abreu Lima Resende João Marques Pereira Neto Mário Dias Leão Elias de Oliveira Alves Maurício Francisco de Souza Diretoria Executiva Diretor-presidente: Guilherme Olinto Abreu Lima Resende Vice-presidente: João Marques Pereira Neto Conselho Fiscal Turíbio Alves Modesto Marcos Leite Costa Otacílio Nunes da Silva Jasmo Antônio Braga Adair Soares dos Anjos Adalberto Corrêa de Almeida Textos Departamento de Comunicação e Eventos Juliana Pio – 12.137/MG Luciely Elorrany Revisão Tarciso Alves Fotos Arquivo Cooperativa Luciely Elorrany Colaboração Técnica Gilmar Oliveira (Gerente Geral) Pedro Repossi Júnior (Médico Veterinário) Roberto O. Costa Filho (Eng. Agrônomo) Marciano de Jesus (Educador Cooperativista) Wilian Salvador (Controller) Projeto Gráfico e Diagramação Pop Comunicação Inteligente Impressão Gráfica Arco-Íris

Saudações cooperativas! Guilherme Olinto Abreu Lima Resende. Rua João Dias Duarte, 1371/1395 Bairro São Paulo – 35030-220 Governador Valadares – MG Fone: (33) 3202-8300

2

Sumário


A Cooperativa Agropecuária Vale do Rio Doce e o Sebrae Educampo oferecem um dia de conhecimento e debate sobre o futuro da produção de leite no Vale do Rio Doce. Na 3ª edição do Workshop Cre$er Cooperativa serão abordadas quais as dificuldades impossibilitado produzirmos melhor, as resistências que ainda predominam e as soluções que tem se enquadrado na realidade da região. Além de contar com cases de sucesso do projeto Educampo, palestras sobre a escassez hídrica, manejo racional de pastagem, adequação ambiental e produtiva, o Workshop neste ano traz o coordenador do projeto Sebrae/Minas a nível estadual, Cristiano Nascif, referência em consultoria agropecuária. O projeto está na Cooperativa desde 2014, atuando na gestão socioeconômica da propriedade. Somente no ano passado foram 25% de crescimento na produção média de leite. A união Educampo e Workshop Cre$er foi na intenção de levar ao produtor uma tarde de conhecimento onde produzir mais signifique ganhar mais, gastando o mínimo, sem perder a qualidade.

Todos nós produtores estamos diante de um constante estado de alerta. Estamos com novos desafios, novas tecnologias, novas metas e novos cenários. O workshop tem o objetivo de explorar as possibilidades existentes e debater temas que proporcionam melhorias ao nosso dia a dia. A palavra de ordem tem sido precaução, e o conhecimento é a melhor forma de expandir sem sair perdendo. Guilherme Olinto Resende (Presidente da Cooperativa)

www.cooperativa.coop.com.br

Faça sua inscrição. Vagas limitadas! Entrada franca para cooperados e produtores de leite da região.

3


Cooperativa comemora 40 anos do Concurso Leiteiro na ExpoagroGV 2017

Mais um ano de sucesso! A participação da Cooperativa Agropecuária Vale do Rio Doce na 48ª ExpoagroGV, entre os dias 6 a 16 de julho, foi repleta de atividades para todos aqueles que visitaram o Parque de Exposições de Governador Valadares.

COOPERJORNAL | Outubro 2017

Cerimônia de Ampliação e Melhoria do Galpão Leiteiro

4

O Concurso Leiteiro da Cooperativa, ao longo dos anos, vem se intensificando em qualidade e produção. Assim, em homenagem a 40ª edição do Concurso, a Cooperativa Agropecuária Vale do Rio Doce ampliou e melhorou o Galpão Leiteiro, a casa do cooperado durante o evento. Proporcionando melhor conforto e a participação de mais cooperados, no dia 12 de julho, aconteceu a cerimônia, com descerramento da placa que marca e a entrega do novo espaço. Participaram cooperados, conselheiros e diretores da Cooperativa e da União Ruralista Rio Doce, além de convidados e autoridades da cidade e região. Este ano foi especial! Comemoramos 40 anos do Concurso Leiteiro da Cooperativa e, para isso, ampliamos e melhoramos o nosso Galpão Leiteiro.

Esta reforma foi para atender as necessidades do Concurso que a cada ano crescem ainda mais a participação e o interesse do cooperado. A solenidade prestigiada mostra a importância da Cooperativa para a nossa comunidade.” Guilherme Olinto Resende (Presidente da Cooperativa)


COOPERATIVA COMEMORA 40 ANOS DO CONCURSO LEITEIRO NA EXPOAGROGV 2017

40º Concurso Leiteiro da Cooperativa A Cooperativa realizou a 40º edição do concurso leiteiro, onde os cooperados têm a oportunidade de expor animais de alto padrão genético. No total participaram 32 animais, que juntos somaram 4.365,91kg de leite, numa média diária 1.455,30kg. O Concurso Leiteiro da Cooperativa é um incentivo ao aumento de produtividade com qualidade, tendo como objetivo levar para a maior Feira Agropecuária do Leste Mineiro o que há de melhor do gado leiteiro regional. O cooperado destaque foi o Ildeu Leite Moreira com a vaca Mileide, a grande campeã, com uma média diária de 68,492 kg leite, que produziu um somatório de 205,476 kg de leite.

Ildeu Leite Moreira (Cooperado)

www.cooperativa.coop.com.br

Ildeu foi o ganhador da categoria Grande Campeã Acima de 60kg

Essa foi a primeira vez em que estive participando. Levei ao parque de exposições o fruto de um trabalho familiar, e me sinto muito feliz por ter sido campeão na 40ª edição do conrcuso. Espero estar no concurso novamente, pois gostei da experiência. É emocionante.

Cre$êr Genética – Exposição de Primíparas de FIV

5

A Exposição de Primíparas FIV foi fruto do trabalho realizado pela Cooperativa em parceira com a In Vitro Brasil. Os cooperados participantes foram: Edberto José Zanon Resende, Guilherme Olinto Resende, José Barreto Lopes, Matheus Pigoretti de Souza, Ildeu Leite Moreira, e Milton Vicente Lopes Barreto, com o total de oito primíparas participantes. A primípara destaque foi a Bianca com produção total de 137,474kg de leite, do cooperado Edberto José Zanon Resende. A Exposição de Primíparas de FIV é o resultado do trabalho desenvolvido pela Cooperativa desde 2014.

A Cooperativa foi pioneira na adesão deste modelo de trabalho, e para nós da In Vitro Brasil, os resultados são extremamente satisfatórios. Através deste projeto Cre$êr Genética, estamos democratizando a genética de alta qualidade a produtores de todos os portes.” Walace Leite (médico veterinário da In Vitro Brasil)


COOPERATIVA COMEMORA 40 ANOS DO CONCURSO LEITEIRO NA EXPOAGROGV 2017

6º Leilão Maravilhas do Leite No dia 16 de julho, domingo, após a premiação do 40º Concurso Leiteiro da Cooperativa, as vacas e bezerras participantes do concurso foram levadas a arremate durante o 6º Leilão Maravilhas do Leite. No total, 32 animais de alto potencial genético que passaram pelo picadeiro montado no Galpão Leiteiro da Cooperativa, dentro Parque de Exposições. Os produtores da região têm a oportunidade de arrematar um animal de alto padrão genético.

A qualidade é o diferencial do nosso Leilão Maravilhas do Leite, promovendo uma excelente oportunidade para se fazer bons negócios.” João Marques Pereira Neto (Vice-presidente da Cooperativa)

COOPERJORNAL | Outubro 2017

Este ano o Armazém ganhou um espaço próprio. Durante os dez dias de evento foram oferecidos aos visitantes produtos com preços diferenciados, uma parceria com os nossos fornecedores.

6

Ganhamos uma filial dentro do nosso Galpão Leiteiro, foi construído um espaço aconchegante para todos os visitantes. Além disso, oferecemos para os nossos cooperados produtos com preços especiais.

Só temos que agradecer em mais um ano aos nossos parceiros: Capul, Virbac, Elanco, Guabi, Biogénesis Bagó, Ouro Fino, In Vitro Brasil, Hertape, MSD Saúde Animal, Mayor Química e Start.”

Armando Tavares (gerente comercial do Armazém da Cooperativa)

Agropecuária na Escola A Cooperativa e a União Ruralista Rio Doce levaram informação sobre o meio rural para os mais jovens. Entre os dias 10 e 14 de julho, passaram pelo Galpão Leiteiro da Cooperativa aproximadamente 600 crianças de escolas de Valadares e região. Coordenado pela Audete Melo e o educador cooperativista Marciano Adalberto o projeto já se encontra na quarta edição, contendo uma programação completa sobre os benefícios do sistema cooperativista e o agronegócio. Além disso, contamos com a presença de um técnico da Tetra Pak, mostrando para os participantes a conscientização sobre reciclagem. O projeto também contou com a presença dos associados da ASCANAVI (Associação dos Catadores Materiais Reciclados). Um dos princípios cooperativistas é “Educação, Formação e Informação”. Por isso, participar de projetos como este faz parte dos nossos princípios, enquanto uma cooperativa.

Trabalhamos de forma interativa com as crianças e adolescentes que nos visitaram com o objetivo de chamarmos a atenção sobre a atividade rural. Dessa forma despertamos nos mais novos a vontade de se dedicar ao agronegócio, independentemente da profissão que escolham no futuro.” Marciano Adalberto (Educador Cooperativista)


COOPERATIVA COMEMORA 40 ANOS DO CONCURSO LEITEIRO NA EXPOAGROGV 2017

Aula Magna da Universidade do Leite

De casa cheia, no dia 12 de julho, o Galpão Leiteiro da Cooperativa se transformou em uma grande sala de aula. Iniciou-se a 3ª turma da Universidade do Leite, um projeto realizado pela Cooperativa em parceria com a MSD Saúde Animal. A aula magna contou com a presença do Marcos Flávio Teixeira Pereira, coordenador de Território e Pecuária MSD Saúde Animal, e logo após, aconteceu o primeiro módulo, com o tema: Nutrição Animal, ministrado pelo Fabrício Neiva, zootecnista e supervisor comercial da Capul.

Conhecimento, é a palavra de sustentação para o sucesso. Em busca de conhecimento, uma nova turma da Universidade do Leite MSD se iniciou na Cooperativa de Governador Valadares. E é com grande satisfação que nós recebemos estes alunos e vamos fazer de tudo para que eles saiam daqui mais capacitados, com maior conhecimento no que diz respeito aos setores produtivos do leite. O foco é trabalhar para que, além da capacitação técnica, consigam também maior estabilidade e sustentabilidade dentro da atividade e principalmente satisfação pessoal. Marcos Flávio Teixeira Pereira (Coordenador de Território MSD Saúde Animal)

Concurso Sertanejo Noite da Viola

O ganhador do concurso, Rogério Soares, levou o primeiro lugar com a música Rancho Fundo, e se diz realizado pela colocação.

Participar do Concurso foi uma oportunidade para mostrarmos nosso trabalho. Mais legal ainda foi ganhar no meio de tantos outros talentos. Essa foi uma grande oportunidade de valorizar a nossa região”

www.cooperativa.coop.com.br

No dia 12 de Julho aconteceu a Noite de Viola, um concurso musical sertanejo com o apoio do Programa do Lobão, da Rádio Mundo Melhor. Foram 14 apresentações e o campeão que levou para casa, além do troféu, o prêmio de R$500,00 foi o cantor Rogério Soares. Em segundo lugar o premiado com o troféu e com o valor de R$300,00 o cantor Diego Ruan, e em terceiro lugar quem ganhou o troféu e o prêmio de R$200,00, o cantor Willi Andrade. Todos receberam medalhas de participação e tiveram o concurso como uma vitrine para novos talentos.

Rogério Soares (Ganhador do concurso)

Projeto Via Láctea – Stand da Fiemg Este ano o estande da Fiemg contou com a parceria da Cooperativa na realização da “Via Láctea Miniusina”. Durante a ExpoagroGV, o beneficiamento do leite foi demonstrado, e, além disso, foram oferecidos cursos práticos de fabricação de queijos, iogurte e outros derivados. A Cooperativa foi parceira do projeto na doação de 200 litros de leite/dia, para que o processo fosse realizado. Para o gerente geral da Cooperativa, Gilmar de Oliveira, a “Via Láctea Miniusina” prestou aos visitantes um novo olhar sobre como produzir, higienização, qualidade e outras dúvidas relativas ao processo.

O acompanhamento dos processos dá uma ideia do funcionamento de uma indústria e de seus equipamentos. Com a execução acessível à comunidade foi possível passar um pouco da experiência e levar maior valorização ao nosso produto, o leite.” Gilmar de Oliveira (Gerente geral da Cooperativa)

7


COOPERJORNAL | Outubro 2017

Dia C: Celebração da força cooperativista

8

Em Governador Valadares, o Dia de Cooperar (Dia C) é realizado através da união das cooperativas: Agropecuária Vale do Rio Doce, Sicoob AC Credi, Sicoob Crediriodoce, Unicred e Unimed, que juntas criaram o Elo Cooperativista Social (ECOOS). No dia 1º de julho, a Praça dos Pioneiros, foi o ponto de encontro para a festa que promoveu a celebração da força cooperativista. Contando com a presença de instituições como Trupe do Bem, Aprobem, a UFJF-GV, além de promover a cultura local com o concurso “GV Canta Cooperativismo” cujo ganhador em primeiro lugar foi Amador Netto, com a música “Sociedade Secular”; o segundo lugar Tuliane e Rafael Caires, cantando “Canção do Dia C”; e o terceiro lugar Maikel Bruno, com o rap “Refletir e Cooperar”. Segundo o gerente geral, Gilmar Oliveira, a ação aviva a missão das cooperativas que é promover a união. Em 2017, a ECOOS se propôs em realizar ações continuadas durante o ano. Dentre as ações propostas estão: a reforma na estrutura física da Casa de Recuperação Dona Zulmira, doação de fraldas e leite para a Associação Santa Luzia, implementação do Calendário Educacional Cooperativista, com o objetivo de aprimorar o crescimento financeiro e social da comunidade.

O Sistema Cooperativista é baseado no comprometimento da instituição com o seu associado no núcleo em que este atua. Tanto que um de nossos princípios foca apenas nisso, na relação com a comunidade. A integração de ambos se faz necessária para um desenvolvimento partilhado de todos. Isso é ser cooperativista.” Gilmar Oliveira (Gerente Geral da Cooperativa)


A Cooperativa Agropecuária Vale do Rio Doce participou entre os dias 29 de junho a 2 de julho da Megaleite, com uma comitiva de 32 pessoas. A maior Feira Agropecuária da América Latina aconteceu no Parque de Exposições Gameleira, em Belo Horizonte – MG. Entre cooperados, conselheiros, diretoria executiva e colaboradores, a comitiva presenciou grandes leilões de fazendas renomadas no gado leiteiro, e conferiu as novidades para o segmento. Segundo o presidente da cooperativa, Guilherme Olinto Resende, a presença da comitiva de Valadares na Megaleite é sinônimo de evolução.

Estamos sempre buscando aprimorar as práticas do dia a dia. A Megaleite reúne o que há de melhor no país e no mundo, e nós como referência em agronegócio não poderíamos ficar de fora. Dentro do evento, tivemos cooperados se destacando, sinal de que estamos no caminho certo” Guilherme Olinto Resende (Presidente da Cooperativa)

Destaques Babi JF - Fazenda Ygarapés

A vaca Babi JF da Fazenda Ygarapés quebrou o recorde mundial de produção, com média de 56,263kg de leite, além de ganhar no concurso leiteiro da raça Guzerá nas categorias: Grande Campeã, Reservada Campeã e melhor úbere.

Vitoria Mccutchen FIV Almenara – Fazenda Almenara Já a vaca Vitoria Mccutchen FIV Almenara, do cooperado Geraldo Birro, ganhou na 28ª Exposição Nacional de Girolando a categoria Campeã Bezerra Mirim 5/8 Hol + 3/8 Gir.

www.cooperativa.coop.com.br

Cooperativa marca presença na Megaleite 2017

9


Cooperados participam do curso de Doma e Bem-Estar Animal Entre os dias 28 de agosto a primeiro de setembro, no Parque de Exposições José Tavares Pereira, cerca de 18 cooperados, participaram do curso de Doma e Bem-Estar Animal, ministrado pelo Nilson Dornellas de Oliveira, referência nacional na área.

COOPERJORNAL | Outubro 2017

O curso busca, por meio de técnicas diferenciadas, estabelecer uma relação saudável entre os homens e os animais através de aulas teóricas e práticas.

10

Devemos conhecer melhor os animais para melhorar o nosso relacionamento, na busca do equilíbrio na relação homem x animal” Nilson Dornellas de Oliveira (Palestrante)

O cooperado Otácilio Nunes diz que a importância de ter participado do curso se dá por não ter sido apenas um curso de doma animal, mas também um curso de relacionamento.

Durante todo o curso, nos dispomos em melhorar o nosso relacionamento. Melhoramos primeiro pessoalmente para depois compartilhar esse relacionamento com o gado. E na vida do dia a dia da gente mudou muito também. Não vejo gado com o mesmo olhar, em que chegava e o olhava como um predador. Agora passo a olhá-lo como um conquistador” Otácilio Nunes (Cooperado)


Departamento de Política Leiteira: A Cooperativa no Campo

De volta à casa, Alexandre Negri Coelho é o novo gerente do Departamento de Política Leiteira. Formado em Agronomia, Alexandre trabalhou nas empresas: Produtos Alimentícios Fleischamn Royal (Leite Glória), Produtos Vale Dourado, Perdigão (BRF) e Lactalis. Em 2008, permaneceu por cinco anos na Cooperativa Agropecuária Vale do Rio Doce, como agrônomo e um dos responsáveis pela qualidade do leite. Agora nove anos depois, volta como gerente do Departamento de Política Leiteira da Cooperativa.

Volto pra casa com maturidade necessária para assumir este novo desafio. Espero conseguir desenvolver meu papel com o apoio de toda a equipe.” Alexandre Negri Coelho (Gerente do Departamento de Política Leiteira)

O vice-presidente da Cooperativa, João Marques Pereira Neto, destaca que a nova era dentro do departamento somará as estratégias da empresa.

Para nós, da Cooperativa é um privilégio poder resgatar um profissional que nos acompanhou por tanto tempo. Agradecemos ao Pedro Repossi, médico veterinário, que nos acompanhou por tantos anos, em projetos de grande importância para o desenvolvimento de nossos cooperados como o CFC, Plataforma Crê$er, Educampo, Workshop e tantos outros. Desejamos sucesso na caminhada e daremos sequência no trabalho que ele começou, com o sentimento de renovação” João Marques Pereira Neto (Vice-presidente da Cooperativa)

www.cooperativa.coop.com.br

Na Cooperativa cada departamento se faz necessário para a relação direta entre empresa e cooperado. E não é diferente com o Departamento de Política Leiteira. Sob nova gestão o setor responsável pela logística, captação, qualidade do leite, assistências técnicas veterinárias e agronômicas, é fundamental para o relacionamento da Cooperativa com o campo.

11

Qualidade superior em Qualidadeforrageiras. superior em sementes

sementes forrageiras.

sementesantafe.com.br

sementesantafe.com.br


Democratização Genética FIV Uma revolução genética está acontecendo no Vale do Rio Doce, graças ao Projeto Crê$er, da Cooperativa Agropecuária Vale do Rio Doce (COAPERIODOCE), uma das maiores cooperativas de leite do Brasil. O projeto teve início em 2012, chamado Crê$er Leite, com a escolha de algumas unidades demonstrativas em fazendas dos cooperados próximas a Governador Valadares. Estas unidades, chamadas de Unidades de Modelo de Manejo, demonstravam que o produtor poderia fazer investimentos com o que havia na fazenda utilizando tecnologias de baixo custo, plenamente alcançável para os produtores de leite cooperados, levando em conta as características da região como topografia acidentada, pastagens de forrageiras tropicais e rebanho Girolando, 1/2 sangue, 3/4 e 5/8. Esse modelo reunia algumas técnicas já conhecidas e visava oferecer aos produtores de leite do Leste de Minas exemplos de uso de tecnologias competitivas que garantissem o aumento da produção, com melhorias da produtividade e da rentabilidade da atividade leiteira, em bases sustentáveis. COOPERJORNAL | Outubro 2017

Em 2014 a Cooperativa uniu o projeto Crê$er Leite ao projeto Educampo do Sebrae, com o objetivo de acompanhar e orientar o cooperado através da capacitação gerencial e tecnológica para melhorar a propriedade e a capacidade de produção. E foi implantado no mesmo ano o Crê$er Genética, inicialmente incentivando os cooperados a investirem em Inseminação Artificial, passando à IATF (Inseminação Artificial Tempo Fixo), para

12

chegar finalmente à tecnologia de

ponta

na

reprodutiva:

genética

Parceria Cooperativa Vale do Rio Doce – In Vitro Brasil (IVB) democratiza a FIV e leva genética leiteira de ponta aos cooperados. Reportagem: Geraldo Magela Nogueira Dias

a Fertilização In Vitro, oferecendo a todos os cooperados o que existe de mais avançado em melhoramento genético bovino em todo o mundo. O Crê$er Genética garante a qualidade de vida para os cooperados utilizando recursos da própria Cooperativa onde o cooperado tem a oportunidade de melhorar a qualidade genética do seu rebanho, seja ele pequeno, médio ou grande, democratizando esta tecnologia de ponta, e principalmente levando ao crescimento do seu fornecedor de leite, tanto em tecnologia em seu rebanho como em melhorias em sua condição de vida e de sua família, aumentando sua renda.


DEMOCRATIZAÇÃO GENÉTICA FIV

Segundo Guilherme Olinto Abreu Lima Resende, Diretorpresidente da COAPERIODOCE, a escolha da empresa parceira do Projeto, a In Vitro Brasil (IVB), localizada em Mogi Mirim, SP, foi de fundamental importância para o sucesso do projeto Crê$er Genética. “É uma empresa pioneira no mercado de FIV mundial que viabilizou o uso do sêmen sexado na FIV, a tecnologia de transporte de embriões para longas distâncias, dentre outras técnicas de vanguarda na produção genética de gado de leite e corte no Brasil. Conhecemos o João, filho do Totó, um dos proprietários da In Vitro Brasil, que convidou a diretoria da Cooperativa para fazer uma visita técnica à sede da empresa e dessa visita nasceu a parceria perfeita para o Projeto Crê$er Genética. Essa parceria foi extremamente importante para a Cooperativa. A IVB já desenvolvia um projeto parecido na Colômbia e toda esta expertise foi trazida para o Projeto. Para garantir a viabilidade econômica da FIV nos rebanhos dos cooperados é de fundamental importância a sintonia entre a Cooperativa Agropecuária Vale do Rio Doce, as fazendas envolvidas no projeto e os programas de melhoramento genético da In Vitro Brasil”, diz Guilherme Olinto. Fundada em 2002, a IVB surgiu para atender o mercado crescente de produção in vitro de embriões bovinos. Com amplo investimento em pesquisa e busca constante por evolução, a empresa fez da inovação tecnológica seu grande diferencial. No ano de 2009, a participação no Projeto Integralat tornou-se um grande divisor de águas na história da IVB. Para o Projeto, que visava a produção de prenhezes de fêmeas Girolando em larga escala, foram produzidas mais de 9000 bezerras em 1 ano e todo o conhecimento adquirido serviu como impulso na mudança da estratégia da empresa. A partir desse momento, a IVB passou a direcionar seus esforços para a produção de embriões FIV em larga escala. Pouco tempo depois, a In Vitro Brasil iniciou a implantação de um sistema de afiliação, tanto em nível nacional como internacional. Nesse novo modelo de trabalho, outros laboratórios de FIV passaram a ter a oportunidade de trabalhar com a tecnologia IVB e ainda contar com todo o know-how do Grupo na execução de projetos de embriões. Atualmente, o Grupo IVB conta com 37 laboratórios, entre próprios e afiliados, distribuídos em 17 países. O alto desempenho e o crescimento

sustentável colocaram a empresa em destaque nos principais mercados globais e, no ano de 2015, concretizou a venda de suas ações para o maior grupo de melhoramento genético do mundo, Genus PLC, detentor das empresas PIC e ABS. Desde então, a IVB passou a contar com a expertise da ABS para oferecer as melhores soluções genéticas aos clientes de todo o mundo. Atualmente, com mais de 50% do Market Share Global, a In Vitro Brasil segue em busca de projetos globais de embriões FIV em larga escala, consolidando-se cada vez mais como a maior empresa de produção in vitro de embriões bovinos do mundo.

Fertilização In Vitro (FIV) Nos últimos anos houve um grande salto na tecnologia de Fertilização In Vitro, tanto da porteira para dentro, com melhorias nas taxas de concepção e redução de perdas embrionárias, gestacionais e após o nascimento, quanto nas áreas que envolvem a produção de embriões (maturação, fecundação e cultivo in vitro), técnicas de congelamento e transporte até o campo (logística e equipamentos). Com o uso da técnica de FIV na reprodução de bovinos leiteiros, o caminho da seleção e do melhoramento genético pode ser encurtado em três gerações cerca de 9 anos, permitindo rápidos saltos na qualidade dos animais e do leite. Para Walace Leite, médico veterinário da In Vitro Brasil, que atende os produtores de leite da COAPERIODOCE, a FIV permite ao produtor de leite mudar rapidamente as características do rebanho. Selecionando animais com grande potencial produtivo é possível obter, já na próxima geração, animais de excelente qualidade, conforme as características desejadas. “No gado de leite, a FIV permite produzir até 10 embriões com uma dose de sêmen, dependendo da raça. Esta tecnologia viabiliza aos cooperados a utilização dos melhores touros do mercado, gerando uma considerável diluição do custo da genética paterna. Esta é a síntese do Projeto Crê$er Genética, democratizar a tecnologia para que tanto o médio como o pequeno produtor de leite tenham acesso a FIV, melhorando seu rebanho e, consequentemente, a qualidade do leite e sua renda. Na FIV, os oócitos (óvulos) são aspirados de vacas superiores (doadoras) e fecundados em laboratório, com sêmen de touros comprovados como melhoradores. Os embriões originados desse processo são transferidos a uma fêmea receptora e podem ser transferidos em qualquer fêmea que tenha atingido a idade reprodutiva e esteja saudável à reprodução. A FIV permite que as melhores vacas do rebanho produzam maior

www.cooperativa.coop.com.br

In Vitro Brasil

13


DEMOCRATIZAÇÃO GENÉTICA FIV

COOPERJORNAL | Outubro 2017

quantidade de filhas por ano, enquanto na Inseminação é possível obter apenas um descendente a cada ano”, explica Walace.

14

“Acompanho o Projeto Crê$er Genética desde o início em 2014, ano em que se iniciou o projeto. Através das visitas as fazendas procuramos atender todas as demandas, analisando o perfil do produtor de leite para saber qual a genética mais interessante para ele adotar em seu plantel. Apesar da maior parte dos cooperados ser atendida com genética 1/2 sangue, tem cooperados que pedem 5/8 ou 3/4. Por isso é importante conversar com cada um para conhecer as suas necessidades, entender o que é melhor para ele e direcionarmos a melhor genética. Depois que fazemos este levantamento, programamos as visitas e começamos a fazer o trabalho de seleção de receptoras. Nas fazendas selecionamos as receptoras, fêmeas que farão o papel de barrigas de aluguel e orientamos os produtores quanto a vacinação, para prevenir aborto e perdas no decorrer da gestação. Além disso, orientamos sobre nutrição, mineralização e manejo a fim de obtermos melhores resultados. Depois que fazemos toda esta avaliação, visitando os cooperados avaliando seus animais, programamos o Dia 0, que é o início do protocolo, onde iremos protocolar as receptoras para que elas apresentem cio ao mesmo tempo, no dia da transferência dos embriões. Na sequência temos um dia destinado à aspiração das doadoras nas fazendas parceiras. Os oócitos coletados vão para o laboratório IVB onde acontece a FIV e depois de sete dias os embriões estão prontos para serem transferidos para as receptoras, que estão nas propriedades dos cooperados”, afirma. Após três anos do Projeto Crê$er Genética, Walace mostra que os resultados obtidos pela Cooperativa são extremamente satisfatórios. “Estamos começando a colher os frutos agora, os primeiros animais de FIV dos cooperados já estão parindo e os resultados são bem satisfatórios com animais produtivos, bonitos, bons úberes, estrutura de corpo, garupa, pernas, enfim, já demonstram uma superioridade genética. De 2014 até agora já foram realizadas 17 rodadas de transferência de embriões pela Cooperativa, atendendo 103 cooperados. O total de embriões transferidos foi 2802 com 1121 prenhezes obtidas com média de 40.01% de concepção.

Temos propriedades que estão alcançando a taxa de 50,78%, o que mostra que a parceria entre Cooperativa Vale do Rio Doce, In Vitro Brasil e os produtores cooperados é um sucesso. Independentemente da taxa de concepção na parceria da Cooperativa no Crê$er Genética o cooperado só paga a prenhez se houver a confirmação de fêmea”, conclui Walace Leite.

Fazenda Estância Paraíso A Fazenda Estância Paraíso, em São Geraldo do Tumiritinga é um exemplo de sucesso na atividade leiteira. Com produção de mais de 100 mil litros de leite/mês, com vacas Girolando, concilia produção e rentabilidade. Na Paraíso, o sucesso com a FIV dentro do Projeto Crê$er Genética é absoluto, os números são incontestáveis e comprovam o sucesso da tecnologia. Edberto Resende conta que participa do Crê$er Genética desde a primeira rodada da FIV em 2014. “Participamos de todas as rodadas de transferência de embriões, as fêmeas frutos do primeiro trabalho já estão paridas. Hoje fechamos com 193 embriões implantados com 98 prenhezes, o que dá a média de 50% que é muito boa, e superou nossas expectativas. Temos alcançados bons resultados na reprodução e nossa meta é chegar a 100 prenhezes/ano. Nossas bezerras da primeira transferência são vacas, que já estão no curral produzindo e agora estamos entrando na segunda geração, diz Edberto”. “Estamos começando a colher os frutos agora, os primeiros animais que estão parindo são de uma beleza extraordinária, úbere avantajado, boa estrutura corporal e excelente genética. Temos seis vacas que começaram a parir com média de 30 kg de leite, são animais muito jovens que, com pouco mais de dois anos já estão em lactação. Comparando com animais de genética comum, que levariam três anos para emprenhar, já ganhamos uma lactação. Essas vacas ainda tem muito potencial para desenvolver, irão ganhar carcaça, angular mais e criar potencial para expressar toda sua qualidade genética. Temos uma vaca, a Kalilpy que produziu 14 embriões com 20 prenhezes, realmente é um ponto fora da curva em termos de produtividade”, diz Edberto com entusiasmo.


DEMOCRATIZAÇÃO GENÉTICA FIV

Manejo Nutricional

“O ganho genético que temos com a FIV é extraordinário. É difícil falar em quantidade de produção específico, o que percebemos é uma grande uniformidade genética dos animais. Hoje já temos algumas novilhas paridas da primeira rodada e a diferença de produção entre elas é muito pequena. Esta uniformidade é fruto da genética diferenciada, com mais de 50 anos de seleção, ofertada pelos fornecedores da IVB. A tecnologia traz economia de tempo e dinheiro. Com ela é possível atingir em uma geração (aproximadamente 3 anos) o que outras técnicas, como a IATF, levariam quatro gerações para atingir (aproximadamente 12 anos)”, conclui Edberto Resende.

COAPERIODOCE – Modelo de Genética FIV Pedro Ivo Henriques Silveira, Coordenador de Projetos por parte da In Vitro Brasil, afirma que a Cooperativa Vale do Rio Doce foi pioneira entre as cooperativas e laticínios na adesão deste modelo de trabalho, que originou o Crê$er Genética FIV, comercializado pela IVB como Projeto Mais Produtividade. “Para nós essa parceria é motivo de muito orgulho pois confirma que é possível democratizar a genética de alta qualidade a produtores de todos os portes. Depois do Crê$er Genética FIV, o “Mais Produtividade” já foi difundido para outros 7 estados do país e entregou mais de 13 mil prenhezes. Além disso, esse modelo de trabalho, em breve, será implementado em cooperativas e laticínios do México, onde a IVB passou a atuar desde o ano passado.

www.cooperativa.coop.com.br

Ambientes satisfatórios para bezerros recémnascidos e em crescimento devem proporcionar conforto físico, térmico, psicológico e comportamental. Edberto diz que o sistema de criação e manejo é fundamental para o sucesso com as bezerras. “Dividimos o sistema em quatro fases onde a primeira etapa é a do nascimento. As bezerras vão para o bezerreiro tropical argentino como é conhecido onde são alimentadas com leite, porém sem mamar nas vacas, o leite é fornecido apenas pelo tratador e os animais também recebem ração concentrada. Esta primeira fase tem a duração de 90 a 100 dias quando atingem 90 kg, já estão aptas para seguir adiante. A segunda fase é a da desmama. Nós paramos de dar o leite, colocamos as bezerras em piquetes coletivos e elas continuam comendo ração concentrada e começamos a fornecer volumoso, silagem e feno. Na terceira fase, a de recria, as bezerras saem dos piquetes coletivos e vão para o pastejo intensivo. Elas são suplementadas com sal proteinado e quando atingem a maturidade é feito o trabalho reprodutivo para que elas possam emprenhar e passar para a quarta fase, a de parto e terminação. Neste estágio as novilhas começam a parir e entram na produção de leite. Os cooperados que participam do Projeto Crê$er Genética da Cooperativa Agropecuária Vale do Rio Doce recebem a orientação para que as bezerras nascidas tenham todas as condições para se tornarem excelentes vacas no futuro”, acrescenta.

15


COOPERJORNAL | Outubro 2017

5º Concurso Leiteiro de Marilac: Incentivo a produção e à solidariedade

A Cooperativa Agropecuária Vale do Rio Doce juntamente com a Prefeitura de Marilac, realizou a 5ª edição do Concurso Leiteiro a nível de fazenda. Tendo a participação de 16 cooperados da região, foram 1. 532,170 quilos de leite in natura produzidos em duas ordenhas, numa média de 33,560kg de leite por animal. A cerimônia de encerramento aconteceu no dia 28 de setembro na Fazenda Agrobraga, do cooperado Ricardo Silveira Braga.

16

Foi uma noite espetacular! Sou muito agradecido por ter participado, ter ganhado e principalmente por ter recebido a todos em minha fazenda. Acredito que atendemos às expectativas de todos”.

Ricardo Braga (Ganhador das categorias Conjunto e Acima de 40kg)

Foram disputadas 3 categorias: até 39,999kg, acima de 40 kilos e conjunto. Na categoria até 39,999kg, o cooperado ganhador foi o João Batista Diamantino tendo 39,993kg de leite produzidos. Já na categoria Conjunto e acima de 40kg, teve como ganhador o anfitrião da noite, Ricardo Silveira Braga, produzindo 100,650kg na categoria Conjunto, e 50,900kg na categoria acima de 40kg.


5º CONCURSO LEITEIRO DE MARILAC: INCENTIVO A PRODUÇÃO A SOLIDARIEDADE

A cada ano nos superamos e nos surpreendemos com a bacia leiteira de Marilac. Começamos este concurso com 6 cooperados, e neste ano subimos para 16! Um crescimento que se deve ao potencial presente na nossa terra. Fico orgulhoso de fazer parte e acredito que os frutos que temos colhido se dão a esse incentivo que temos buscado para a região”.

CATEGORIA ATÉ 39,999 KG ANIMAL COOPERADO CAMPEÃ NEGONA JOÃO BATISTA DIAMANTINO DA SILVA RES.CAMPEÃ MOÇA RICA LÚCIO CUNHA DE MELO 3º LUGAR UBERLÂNDIA ADEMAR FELICIANO LEITE  

CATEGORIA ACIMA DE 40 KG CAMPEÃ RES.CAMPEÃ 3º LUGAR

Cooperado Mario Dias Leão (Conselheiro administrativo da Cooperativa)

O concurso a nível de fazenda promove o desenvolvimento do cooperado, tendo o objetivo de incentivar a produção de qualidade dentro da realidade local. Outro diferencial está na prestação de solidariedade com as entidades da região. Todo o leite produzido durante o concurso será convertido em leite UHT que posteriormente será doado a uma creche da cidade. O vice-presidente da Cooperativa, João Marques Pereira Neto afirma que o interesse pela comunidade amplia a força do cooperativismo.

Marilac está em uma das grandes áreas de atuação da Cooperativa. Temos um carinho e uma admiração por todo o trabalho de crescimento que vem sendo desenvolvido. A doação do leite que fazemos logo após a realização do concurso é uma forma de agradecer pela confiança depositada no trabalho da Cooperativa. Acreditamos que isso estimula não somente em produzir mais, mas também a voltar o olhar para as necessidades de onde fazemos parte”. João Marques Pereira Neto (Vice-presidente da Cooperativa)

TOTAL 39,993 38,880 38,755

ANIMAL 1065 GÊMADA 899

COOPERADO RICARDO SILVEIRA BRAGA JUSCELINO RODRIGUES COELHO RICARDO SILVEIRA BRAGA

TOTAL 50,900 49,840 49,750

CATEGORIA CONJUNTO CAMPEÃO RES.CAMPEÃ 3º LUGAR

COOPERADO RICARDO SILVEIRA BRAGA JUSCELINO RODRIGUES COELHO KELYENE SUED LEITE RABELO

TOTAL 100,650 85,140 81,320 www.cooperativa.coop.com.br

O conselheiro administrativo da Cooperativa e um dos idealizadores do concurso, Mario Dias Leão, reforça que o concurso de Marilac é exemplo e incentivo para todas as comunidades.

17


COOPERJORNAL | Outubro 2017

É um privilégio para o povo de Marilac ter a Cooperativa Agropecuária Vale do Rio Doce como parceira. Já são anos de história que, juntos, contruímos o desenvolvimento de toda a região. O 5º Concurso Leiteiro de Marilac é sinônimo de que a nossa cidade segue avançando!” Aldo França Souto (Prefeito de Marilac)

HOMENAGENS:

Durante a cerimônia de encerramento do Concurso foram realizadas duas homenagens. Ao senhor Ramiro Felipe Monteiro, cooperado mais antigo da região de Marilac, e ao senhor Pedro Souza Chaves, exparticipante do Concurso e doador de uma vaca de ouro entregue na premiação.

18

sementespastagens pastagens sementes sementes pastagens

``de Produtor pra Produtor´´ ``de ``deProdutor Produtor pra pra Produtor´´ Produtor´´

``AMaier MaierSementes Sementesapoia apoiaos os ``A ``A Maier Sementes apoia os produtoreseeeooocooperativismo cooperativismo produtores cooperativismo produtores agradeçeà CooperativaAgropecuária Agropecuária eeeagradeçe Cooperativa Agropecuária agradeçe ààCooperativa doVale Valedo doRio RioDoce Docepela pelaconfiança confiançaeee do Doce pela confiança do Vale do Rio parceria.´´ Antonio Montagner Maier - -Diretor parceria.´´ Antonio AntonioCarlos Carlos Montagner Maier - Diretor parceria.´´ Carlos Montagner Maier Diretor

www.maiersementes.com

www.maiersementes.com www.maiersementes.com


ária ria e

Produtor rural, você quer obter os benefícios e financiamentos do Governo Federal? Os Sindicatos Rurais que operam com a Declaração de Aptidão ao Pronaf (DAP) precisam realizar o recadastramento de caráter obrigatório, conforme rege a Portaria No 234/2017, da Secretaria Especial de Agricultura Familiar e Desenvolvimento Agrário (SEAD). A primeira etapa do Recadastramento da Rede de Emissores de DAP é restrita às Unidades Operacionais (Sindicatos) do Sistema CNA. Desde a assinatura do Decreto No 9.064/2017, da Casa Civil da Presidência da República, a CNA acompanha as mudanças e os avanços da SEAD em relação ao Cadastro Nacional do Agricultor Familiar (CAF). O CAF tem como objetivo substituir a Declaração de Aptidão ao Pronaf (DAP), documento que identifica os agricultores e empreendedores familiares rurais. A emissão de DAP compreende importante serviço executado pelos Sindicatos aos produtores rurais.

Para mais informações procure no Sindicato dos Produtores Rurais de Governador Valadares pelo telefone (33) 3212-8900 (Carlos ou Elizeth), e identifique-se como cooperado da Cooperativa Agropecuária Vale do Rio Doce.

Como faço o recadastramento?

1 - O recadastramento deve ser realizado

exclusivamente por meio eletrônico, através dos seguintes endereços: • dap.mda.gov.br/recad, ou • http://smap4.mda.gov.br/recad, ou • dap.mda.gov.br, opção RECAD

2 - Usar o mesmo login para emitir a DAP 3 - Usar a mesma senha para emitir a

DAP

4 - Clique em: ENVIAR

5 - Preencha as informações solicitadas, se

necessário, consulte o Manual do Usuário.

www.cooperativa.coop.com.br

Faça o recadastramento dos Sindicatos Rurais para Emissão de DAP.

19


COOPERJORNAL | Outubro 2017

Alunos da Universidade Federal de Viçosa visitam a Cooperativa

20

Aproximadamente 40 estudantes do curso de Cooperativismo da Universidade Federal de Viçosa (UFV) visitaram a Cooperativa no dia 4 de setembro. Com a participação da diretoria, conselheiros fiscais e colaboradores de diferentes áreas, os alunos puderam perceber na prática o cotidiano da instituição, além de conhecer o Armazém Matriz. Na oportunidade, participaram da reunião do Comitê Educativo, onde a relação cooperativa e cooperado se faz mais forte através das lideranças das comunidades ali representadas. A Cooperativa foi escolhida por ser referência na Organização do Quadro Social (OQS), que há mais de 30 anos, ininterruptamente, desde 1981, realiza reuniões cooperativistas na área de sua atuação. O aluno Guilherme Braga, presidente da Campic (Empresa Júnior do Curso) relata que a experiência foi inspiradora:

Vendo na prática do modelo cooperativista, é possível ganhar mais motivação na faculdade. A oportunidade nos proporcionou um novo olhar sobre o dia a dia de uma cooperativa” Guilherme Braga (aluno e presidente da Campic)

De acordo com Bianca Lima Costa, professora do Departamento de Economia Rural, a visita atingiu o objetivo.

“Tanto pelo que nos foi relatado quanto pela experiência, acredito que para os estudantes, após um dia intenso de atividades, foi enriquecedor, principalmente pelos processos aqui relatados. Para eles, acompanhar uma reunião com os associados debatendo sobre questões econômicas, por exemplo, é fundamental para o desenvolvimento como profissional que irá se inserir no mercado cooperativista. Essa é uma prática proporcionada apenas pela convivência” Bianca Lima Costa (Departamento de Economia Rural)

O educador cooperativista Marciano Adalberto, ressalva a importância desse tipo de atividade enquanto ainda se está na academia:

“Uma cooperativa busca estabelecer uma relação diferente entre gestor e associado. Para aqueles que pretendem ingressar na carreira cooperativista são oportunidades como essa que irão apresentá-los a esta realidade. E não somente os alunos ganham com isso, mas as cooperativas também. Com engajamento de jovens motivados na atividade cooperativista, é possível renovar a credibilidade na organização e mesclar os benefícios em diferentes gerações” Marciano Adalberto (Educador Cooperativista)


Parceria Cooperativista

Mineiro, natural de São João Del Rei, Carmélio Simas Coelho, casado com Helena Godoy, e pai de duas filhas, é formado há 35 anos em agronomia pela Universidade Federal de Lavras (UFLA). Com um olhar voltado para a fraternidade e a caridade, tem uma vida religiosa operante, como diácono permanente há 10 anos na Paróquia Cristo Redentor, em Governador Valadares.

www.cooperativa.coop.com.br

Cooperado desde 2006 ingressou no cooperativismo pela persistência do sogro. Hoje proprietário da Fazenda da Saudade, situada em Periquito, consegue encontrar no cooperativismo laços de irmandade. E tem a confiança que a Cooperativa busca o melhor para os cooperados.

Sozinhos nós não somos ninguém. Eu me preocupo? Sim, mas me preocupo mais com a produção aqui do leite do que com o mercado. Porque eu tenho essa confiança na Cooperativa. De que ela irá me garantir, não apenas na colocação do produto nosso, que é o leite, mas também nos fatores, para produção. Seja no treinamento, seja nos insumos, no material que eu compro no Armazém, a preços melhores que o mercado. Isso traz uma certa tranquilidade pra nós. Eu mesmo já viajei com os cooperados algumas vezes. E essas viagens, como por exemplo, a visita à Embrapa de Juiz de Fora, me ajudaram muito. Essas visitas que, são treinamentos, abrem a mente, a visão da gente.”

21

Carmélio concilia sua paixão pela atividade agropecuária e pela região do Vale do Rio Doce com o cargo de diretor comercial da Mayor Química, uma empresa que produz materiais diferenciados de interesse do produtor rural. E por isso, são mais de 20 anos de parceria da empresa com o Armazém Cooperativa, um relacionamento do qual se orgulha em fazer parte.

A Mayor Química tem uma atenção muito grande com a Cooperativa. Nós fazemos todo o esforço para manter, de forma que possamos caminhar juntos.”


22 COOPERJORNAL | Outubro 2017


MARCELO DE AQUINO BRITO LIMA Engenheiro agrônomo; professor universitário; fiscal estadual agropecuário do Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA); especialista em fertilidade do solo e nutrição de plantas no agronegócio e em educação e gestão ambiental.

A Lei nº 12.305 de 02 de agosto de 2010 que institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) é bastante atual e contém instrumentos importantes para permitir o avanço necessário ao país no enfrentamento dos principais problemas ambientais, sociais e econômicos decorrentes do manejo inadequado dos resíduos sólidos. Prevê a prevenção e a redução na geração de resíduos, tendo como proposta a prática de hábitos de consumo sustentável e um conjunto de instrumentos para propiciar o aumento da reciclagem e da reutilização dos resíduos sólidos (aquilo que tem valor econômico e pode ser reciclado ou reaproveitado) e a destinação ambientalmente adequada dos rejeitos (aquilo que não pode ser reciclado ou reutilizado). Institui a responsabilidade compartilhada dos geradores de resíduos: dos fabricantes, importadores, distribuidores, comerciantes, o cidadão e titulares de serviços de manejo dos resíduos sólidos urbanos na Logística Reversa dos resíduos e embalagens pós-consumo. Cria metas importantes que irão contribuir para a eliminação dos lixões e institui instrumentos de planejamento nos níveis nacional, estadual,

www.cooperativa.coop.com.br

Vacinação Sem Resíduos

microrregional, intermunicipal e metropolitano e municipal; além de impor que os particulares elaborem seus Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos. Também coloca o Brasil em patamar de igualdade aos principais países desenvolvidos no que concerne ao marco legal e inova com a inclusão de catadores de materiais recicláveis e reutilizáveis, tanto na Logística Reversa quando na Coleta Seletiva. Além disso, os instrumentos da PNRS ajudarão o Brasil a atingir uma das metas do Plano Nacional sobre Mudança do Clima. A Logística Reversa é um instrumento de desenvolvimento econômico e social, caracterizado por um conjunto de ações, procedimentos e meios destinados a viabilizar a coleta e a restituição dos resíduos sólidos ao setor empresarial, para reaproveitamento, em seu ciclo ou em outros ciclos produtivos, ou outra destinação final ambientalmente adequada. As Regionais (Rio Doce) do Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA) e da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg) em parceria com o Lions Clube GV Ilha, Faculdade Pitágoras, Cooperativa Agropecuária Vale do Rio Doce, União Ruralista Rio Doce, Sindicato Rural e Prefeitura Municipal de Governador Valadares criaram o projeto “Vacinação Sem Resíduos”. O projeto visa realizar a coleta de frascos de vacinas (resíduos químicos e biológicos) encaminhando estes materiais para a destinação ambientalmente correta. O projeto conta inicialmente com a colaboração dos produtores rurais vinculados à Cooperativa Agropecuária Vale do Rio Doce, realizando junto aos cooperados um importante trabalho de educação ambiental. Os frascos de vacina que até então poderiam ser inutilizados de maneira inadequada nas propriedades rurais deverão ser levados pelos produtores rurais para os postos de recebimento: IMA, Armazém da Cooperativa, União Ruralista Rio Doce e Sindicato Rural de Governador Valadares. O setor agropecuário deve caminhar rumo a uma atividade sustentável e, ao mesmo tempo, ter uma imagem mais positiva perante a sociedade, obtendo, inclusive, ganhos com serviços ambientais. Seja um produtor responsável, não deixe este lixo em sua propriedade rural, encaminhe os frascos vazios de vacinas aos pontos de coleta e colabore com o meio ambiente.

23


Pitadas

Posse da nova diretoria do Silemg

COOPERJORNAL | Outubro 2017

O presidente da Cooperativa, Guilherme Olinto Resende, é empossado como Conselheiro de Mercado da nova diretoria do Silemg. A posse aconteceu no dia 31 de agosto, na sede da Fiemg, em Belo Horizonte. Além dos convidados, participaram do evento o secretário de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais, Pedro Claudio Coutinho Leitão (representando o governador Fernando Pimentel) e o deputado estadual e presidente da Comissão de Agricultura e Pecuária da ALMG, Antônio Carlos Arantes.

24

Visita da Ocemg A Cooperativa recebeu no dia 28 de agosto a equipe técnica da OCEMG. A visita teve o objetivo de certificar e apresentar o nosso desempenho no GDA - Mapa de Indicadores do Sistema que medem a Capacidade Financeira e Econômica de uma Entidade Cooperativista. A Cooperativa Agropecuária Vale do Rio Doce está entre as 10 melhores Cooperativas entre as 79 participantes do Ramo Agropecuário. Parabéns para todos os envolvidos!

Comitê Educativo – Novos Coordenadores No dia 7 de agosto foi realizada no auditório da Cooperativa a Reunião do Comitê Educativo com os líderes das comunidades. Durante a reunião aconteceu a eleição por aclamação dos novos coordenadores: Adair Soares dos Anjos (efetivo) e Francisco Pires Neto (suplente); e dos secretários Nilton Borges (efetivo) e José Luiz Teixeira (suplente).

Aula Magna – Curso em Agronegócio/Univale No dia 17 de agosto, o gerente geral da Cooperativa, Gilmar Oliveira, participou da Aula Magna do Curso Superior de Tecnologia em Agronegócio - Univale, ministrando a palestra “O Cooperativismo como oportunidade para o Agronegócio”.


PITADAS

Interleite 2017 A Cooperativa participou do Interleite 2017, nos dias 2 e 3 de agosto, em Uberlândia. A décima sétima edição do Interleite reuniu os diversos elos da cadeia produtiva: produtores, técnicos, laticínios, empresas de insumos, formuladores de políticas públicas, universidades, centros de pesquisa e entidades setoriais. O evento teve foco único e exclusivo na Inovação e Empreendedorismo na Produção de Leite, a partir de casos de sucesso.

A Cooperativa participou no dia 2 de agosto da inauguração da Casa do Médico. Um empreendimento idealizado pelos dirigentes da Associação Médica, Conselho Regional de Medicina e Sindicato dos Médicos. Estiveram presentes convidados e autoridades da cidade e região. Casa do Médico, uma conquista para Valadares e região. Parabéns!

II Seminário Nacional de Autogestão para Cooperativas Agropecuárias A Cooperativa participou nos dias 27 e 28 de julho, na sede do Sistema OCB, em Brasília, do II Seminário Nacional de Autogestão para Cooperativas Agropecuárias. A segunda edição do seminário foi uma grande oportunidade de alinhar processos e traçar os rumos que as cooperativas pretendem seguir. O Programa de Acompanhamento Econômico Financeiro (GDA) foi parte da programação.

www.cooperativa.coop.com.br

Inauguração – Casa do Médico

25


Aula Magna: O Cooperativismo como Oportunidade para o Agronegócio

Fui convidado para estar ministrando a Aula Magna[1] do curso de graduação AGRONEGÓCIO, oferecido pela academia UNIVALE, um curso com nota 4 pelo MEC. Quanta honra!

Falar de COOPERATIVISMO é algo inerente à minha essência, pois fui agraciado por Deus por ter tido a oportunidade de encontrar nesse sistema o lugar onde pude crescer e desenvolver todas as minhas habilidades e competências. Já são 20 anos de casa! O cooperativismo nasceu com um PROPÓSITO: “Vencer desafios comuns pela força da comunidade”! Foi assim que o sistema criado em 1844, na Inglaterra, pelos 28 tecelões de Rochdale, se espalhou e ganhou o mundo.

COOPERJORNAL | Outubro 2017

Hoje somos 1 bilhão de associados espalhados por todo o planeta. De cada 7 habitantes no mundo temos um associado ligado a algum ramo de cooperativas.

26

Esse sistema está devidamente organizado, tendo sua representação maior na ACI (Aliança Cooperativista Internacional) com sede em Bruxelas, na Bélgica, já tendo sido presidente, o brasileiro produtor agrícola e professor – Roberto Rodrigues. Em cada continente, a ACI tem uma estrutura própria. Nas Américas, a ACI Américas (ou Cooperativa para as Américas), congrega cerca de 50 mil cooperativas e mais de 300 milhões de cooperados em todo o continente. No Brasil, o sistema é representado pela OCB – Organização das Cooperativas do Brasil e suas OCEs, que, no caso de Minas, é a nossa OCEMG/SESCOOP, onde somos afiliados. O cooperativismo em Minas é pujante e tem uma representação significativa, contribuindo conforme o último anuário OCEMG/SESCOOP, com 43,3 bilhões do PIB MINEIRO, tendo nos ramos AGROPECUÁRIO, CONSUMO, CRÉDITO e SAÚDE seus principais segmentos, empregando mais de 90% dos 360 mil empregados do sistema em Minas. Joséph Stiglitz, Prêmio Nobel da Economia em 2001, afirmou recentemente, numa conferência internacional realizada no Quebec, Canadá, pela ACI, que “as cooperativas são o melhor modelo para lidar com os riscos que a sociedade apresenta e com a volatilidade econômica da próxima década. São a melhor alternativa ao modelo econômico atual, baseado no egoísmo e que fomenta as desigualdades”. Diante disso, o cooperativismo se apresenta como uma oportunidade para o agronegócio brasileiro, contribuindo para sua socialização, cabendo dentro de suas premissas ideológicas, o conjunto de mais de 5 milhões de produtores que, juntos, têm sustentado este país. Evoluímos muito. Em 2017, o recorde foi atingido. Uma safra de mais de 232 milhões de toneladas. Somos gigantes na produção de carne, café, leite, açúcar, soja, milho, frango, laranja, banana e óleo de soja. Alimentamos o mundo. E ainda temos espaço para crescer. [1] Observação: Baixe no site www.cooperativa.coop.br, os slides da palestra.

O cooperativismo em todos os segmentos tem implementado ferramentas de gestão e governança corporativa, que elencam seus modelos entre os das melhores organizações do mundo, como é o caso do PDGC, GDA, programas implantados para medir a eficiência da gestão e da produção de riquezas através de indicadores de desempenho aliados às melhores práticas do mercado. Nossa Cooperativa utiliza-se dessas ferramentas e destaca-se em todos os indicadores de medição, consolidando-se como referência de gestão e governança. Por tudo isso, o cooperativismo se apresenta pelos seus valores e conteúdos, como o sistema que mais poderá unificar de forma sinérgica a nossa capacidade de produção, com o propósito comum que é transformar o mundo. Um dos princípios seculares do cooperativismo é a Educação. O mestre Paulo Freire, em uma de suas inúmeras frases eternas e verdadeiras, disse: “A Educação não muda o Mundo. A Educação muda as pessoas. E pessoas mudam o mundo”. Foi assim que a ONU reconheceu no COOPERATIVISMO o sistema capaz de salvar o mundo do pragmatismo e egoísmo que estão aí, ao instituir em 2012 o Ano Internacional do Cooperativismo. Temos contribuído efetivamente em nossa região por isso. Participamos do PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL SUSTENTÁVEL – PDRS, em parceria com o Sicoob Crediriodoce, União Ruralista e Sindicato Rural. Esse programa foi premiado com o terceiro lugar no 11º Congresso do Cooperativismo de Crédito realizado em 2016. Nossa Cooperativa Agropecuária Vale do Rio Doce recentemente ganhou as páginas da revista internacional promovida pela IVB – In Vitro Brasil, a maior empresa de transferência de embriões do mundo, da qual somos parceiros em nosso projeto CRÊ$ER GENÉTICA FIV. Na matéria, consta que o que estamos fazendo na região Vale do Rio Doce é a verdadeira “DEMOCRATIZAÇÃO DA GENÉTICA”. Nosso modelo já foi exportado para 07 estados brasileiros e, agora, está indo para o México. Eu acredito no cooperativismo. Ele é oportunidade para o Agronegócio e para todo aquele que quer desenvolver-se como pessoa e como empreendedor. Podemos transformar a vida das pessoas e tornar este mundo melhor. Tão importante quanto alimentar o mundo é termos um mundo alimentado por pessoas com PROPÓSITO. Se este for o seu, o Cooperativismo é a sua oportunidade! GILMAR OLIVEIRA Advogado, pós-graduado em Direito Público, Direito Tributário, Direito Civil e Empresarial e MBA em Gestão Estratégica de Cooperativas. Está há 20 anos como funcionário da Cooperativa e, nos últimos 9 anos, exercendo a função de Gerente Geral.


1/10 1/10 2/10 2/10 2/10 2/10 2/10 3/10 3/10 3/10 3/10 3/10 4/10 4/10 4/10 5/10 6/10 7/10 7/10 7/10 7/10 8/10 9/10 9/10 9/10 9/10 9/10 10/10 10/10 10/10 10/10 10/10 10/10 10/10 11/10 11/10 11/10 11/10 11/10 11/10 12/10 13/10 13/10 13/10 13/10 13/10 13/10 14/10 14/10 14/10 14/10 15/10 15/10 15/10 16/10 16/10 16/10 16/10 17/10 17/10 20/10 20/10 20/10 21/10 21/10 21/10 22/10 22/10 22/10

Airton Severino Neves Altamiro OlÍmpio de Souza ADALTO PINTO DE ANDRADE DIONÍZIO PEREIRA DE OLIVEIRA HÉLIO de Lima Rosa Lívio CABRAL Júnior MARIA DE LOURDES REZENDE Alessandro Mozer dos Santos Antônio VIEIRA DOS SANTOS José CARLOS FERNANDES Mário FRANCISCO DE ASSIS SILAS DIAS COSTA Geraldo Amaral de Oliveira Jaciva Passos Rafael Lima RAIMUNDO VALADARES DA SILVA GERALDO PINTO DE ANDRADE Waldemar Arantes Antônio LUIZ DA CUNHA Antônio XAVIER SOBRINHO ARNALDO PEREIRA FILHO Guilherme Romeiro Vitt GERVANDO FERREIRA GOMES AMINTAS RODRIGUES DA COSTA BÁrbara Lúcia Fernandes dos Santos DURVAL DANIEL ZEFERINO João Ferreira Brito Filho José Diniz Flávio Pereira Duarte GILBERTO ALVES VIEIRA SANTOS JOB DIAS FILHO José LUCCA LORAINE VIEIRA REGGIANI DINIZ Marcos Caetano de Souza Nilson Pereira da Silva EVA PEREIRA DE ANDRADE CAMELO HERMANO VILELA DA COSTA FILHO Ivo Cardoso da Cunha Júnior João BATISTA DE SOUZA PAULO CEZAR DE OLIVEIRA Sebastião CAMELO SOBRINHO GERRY ADRIANE FERREIRA DIAS ARCENDINO MARTINS DE FREITAS BENEDITO LUciaNO DE MIRANDA NETO CÉLIO RODRIGUES ROCHA ILDEU FRÓIS BRAGA FILHO JEFERSON RIBEIRO DE AMORIM MELISSA COURA A. MACHADO MOREIRA ADILSON DE FIGUEIREDO PESSOA AGOSTINHO PEREIRA SANTOS HERCULANO MARTINS SAMPAIO NECHICILES LOPES GUEDES FRANCISCO FERREIRA DA SILVA NEDITH MINERVINA LIBORIO NIVALDO CASSEMIRO DE PAIVA ELZA AMARAL OLIVEIRA EUNICE MARTINS SILVA GERALDO Antônio BIRRO COSTA MIGUEL MADUREIRA DUQUE EDMILSON PIRES COELHO MOACIR RODRIGUES DA SILVA EDSON CONSTANTINO RAMOS José MILTON SANTOS Nelson Germano Vitt ILDEU César DA COSTA Marciel Martins da Costa RENATO MACHADO DE ALMEIDA DENILSON MARIANO DE PAULA Filipe Lima Batista GILSON LEAL DE CARVALHO

22/10 22/10 23/10 23/10 23/10 23/10 24/10 24/10 24/10 24/10 24/10 24/10 25/10 25/10 25/10 26/10 26/10 26/10 26/10 26/10 27/10 27/10 27/10 28/10 28/10 28/10 30/10 30/10 31/10 31/10 31/10

José MARIA DE ARAUJO WILSON TEOTONIO DA SILVA ERON Antônio SANTIAGO ISMAR RODRIGUES Gonçalves IVAN DE ALMEIDA Sebastião DE SOUZA RODRIGUES ADAURI MAGALHAES DE ANDRADE Célio SANCHES BRAGA DÁRIO MARTINS PEREIRA ELIOMAR DE OLIVEIRA BARBALHO João MARQUES PACHECO Mansur Abdala Soares ERNANE APARECIDO CUNHA Marcos Alves Pereira MARIA José ALVES LACERDA Gonçalves ELÍSIO SODRE GOMES Gonçalves Gilson Luiz dos Santos José BATISTA DUARTE MINONDAS JACOB DA COSTA Sinval Antônio de Oliveira Antônio VITOR DE SOUZA Job Domingos de Oliveira Leite José CARLOS VILAS NOVAS Flávio Valério Brandão GERALDO ISALTINO LEMOS JOSIAS BATISTA NETO MARCOS TEIXEIRA ALVES ULICIO RODRIGUES DOS SANTOS CARMELITA DE SOUZA ARAUJO FRANCISCO DE ASSIS MARCHIORI GLAYDSON CABRAL FABRI

NOVEMBRO 3/11 3/11 3/11 4/11 4/11 4/11 4/11 4/11 4/11 5/11 5/11 5/11 6/11 6/11 7/11 7/11 8/11 8/11 8/11 8/11 9/11 9/11 11/11 11/11 12/11 13/11 13/11 14/11 14/11 15/11 15/11 15/11 16/11 16/11 16/11 16/11

ANTENOR PINTO RIBEIRO FILHO João PATRICIO DA COSTA José MARIANO SOBRINHO AMARILDO MONTEIRO ESPERANCA JUNIOR ANA DA SILVEIRA NEVES Elias Luiz Ton João de Oliveira NELICILIS BATISTA CORREA OMORIL LUIZ DE OLIVEIRA João BRAZ DA SILVA José DE OLIVEIRA FILHO Laureno da Silva Costa Daniel Ferreira do Amaral IRACI GOMES PAINS Anderson Ferreira da Cunha CLEBER LOPES DE OLIVEIRA GECI MOREIRA DA SILVA José MARTINS SAMPAIO Josias Nico NILDO PATROCINIO RIBEIRO GERALDO GUSTAVO VIEIRA DOS SANTOS HAMILTON SILVA DUARTE Antônio MARTINS ODILON COSTA DE OLIVEIRA MÁRIO RIBEIRO DE FREITAS Erlete Vitor Lessa Marcone Sebastião Moreira RENATO JOSAFÁ DA ROCHA Ronivaldo Goulart Lopes VICENTE LUIZ COSTA Washington Ronan Almeida Bacelar ZILDA DE OLIVEIRA FREITAS AILTON AGOSTINHO DE ABREU Juarez Teixeira da Silva Maria da Penha Furtado Soares MÁRIO VIANA DE SOUZA

16/11 18/11 18/11 18/11 20/11 20/11 20/11 20/11 21/11 21/11 21/11 22/11 22/11 23/11 24/11 25/11 25/11 26/11 26/11 26/11 27/11 28/11 28/11 28/11 29/11 29/11

OTAVIANO ALVES SARAIVA Antônio ALVES COELHO Delvano de Oliveira Silva WALACE ALVES RAMOS CLAUDIOMIRO COSTA PEREIRA GERSON SOARES DA SILVA Joel Rodrigues da Cruz ROBSON RUBES DE REZENDE ALEXANDRE VILLELA CARNEIRO DINAK BOENO NUNES DA COSTA José AVELINO DE SIQUEIRA GILTO RIBEIRO LúCIA MARIA SIMãO SANTOS José PEREIRA DO VALE ALEXANDRE HENRIQUE BOY DE CARVALHO GERY CAETANO DE SOUZA MAGNO EUSTACHiO PACHECO ADRIANO FERNANDES DE OLIVEIRA João Quirino da Silva REINALDO FELICIANO DA SILVA LUIZ CARLOS DO AMARAL ISAIAS PEREIRA DE ARAúJO Joel Mendes Maria EmÍlia Drumond AMADO SILVA VIEIRA Narciso Augusto dos Reis

DEZEMBRO 1/12 1/12 1/12 1/12 2/12 2/12 2/12 4/12 6/12 6/12 6/12 7/12 7/12 7/12 8/12 8/12 9/12 9/12 10/12 10/12 10/12 11/12 11/12 11/12 12/12 12/12 12/12 13/12 14/12 14/12 14/12 14/12 15/12 16/12 16/12 16/12 17/12 17/12 18/12 19/12 19/12

Célio LEITE CELSO CHAVES DE SÁ RONALDO BATISTA DE CARVALHO SALVADOR PEREIRA DOS SANTOS GUILHERME OLINTO A. L. RESENDE José CAMPOS MADRONA Raimundo Dornelas Filho ADEMAR FELICIANO LEITE Fabiano Alves Moura MARIA Gonçalves DE SOUZA LEITE OTACíLIO DE SOUZA PERPETUO ADEILTON GOMES DA SILVA EDNILDA ROSA COSTA PABLO José ANDRADE José AFONSO CAMELO Milton Joviano Pereira FERNANDES José DE OLIVEIRA ZILDA BATISTA DE FIGUEIREDO GERALDO SOUZA GOURLARTE José LAVIOLA NETO DE LIRA WILSON FERREIRA DE SÁ CARLOS José RODRIGUES JUAREZ PEDRO SALES DA SILVA WEMERSON José SOARES ANTONINO ANDRADE Gonçalves João GOMES DE OLIVEIRA Sebastião DE ALMEIDA MÁrcio Geovany Ferreira ANADELIA PIRES DE SOUZA COSTA ANDERSON FERREIRA DA SILVA Rubens Antônio Pissimilio VALDEMAR GESTEIRA DE SANTANA Manoel Vicente Ferreira ADELSON VASCONCELOS PINTO FLáVIO ALVES DE LIMA Gilmar da Silva Antônio Carlos Braga Filho DOUGLAS RIBEIRO Gonçalves RAMOS ADAIRTON DIAS DA SILVA CLóVES ANDRADE SILVA WALDEMAR CAMILO DA SILVA

20/12 20/12 20/12 20/12 21/12 21/12 21/12 21/12 22/12 22/12 22/12 22/12 22/12 23/12 24/12 24/12 25/12 25/12 26/12 26/12 27/12 27/12 28/12 29/12 29/12 30/12 31/12 31/12 31/12 31/12

CARLOS SOUZA CARVALHO ÉLCIO DA SILVA BOARETO Gilberto Martins de Andrade José FIGUEIREDO DOS REIS ADILSON MARTINS DE OLIVEIRA DANIEL Antônio LUCAS MARIA APARECIDA FERREIRA SOUZA MAXWELL OLIVEIRA TERTO DA COSTA CELSO Gonçalves DIAS Genilson da Silva Dias GERSONEY RUELA DE OLIVEIRA José BARRETO LOPES JUNIOR Wesley Cardoso dos Santos Dilson Pieper José PEDRO DE OLIVEIRA LUIZ MOURA DA SILVA EUDES TADEU DO NASCIMENTO WANDERLEI PEDRO BARBOSA José Daniel Zeferino PAULO ROBERTO MARTINS REGINO João ROSA Sebastião Celso de Aguiar Guerra LUZIA REIS DE SOUZA ELIAS DE OLIVEIRA ALVES JOAQUIM FERREIRA NETO FERNANDO FERNANDES ANDRÉ AUGUSTO DE OLIVEIRA Áurea Alves de Sousa Daiany Suellen de Lima Machado SILVESTRE INÁCIO DE OLIVEIRA

PARA BENS

Colaboradores

www.cooperativa.coop.com.br

OUTUBRO

OUTUBRO

12/10 16/10 20/10 25/10 31/10

José DOS PASSOS DE OLIVEIRA GERALDO Antônio BIRRO COSTA EDSON CONSTANTINO RAMOs LÁZARO NICHOLAS ANDRADE DE JESUS FáBIO CALDEIRA BRANT

NOVEMBRO 15/11 ITAMAR Gonçalves DE OLIVEIRa 17/11 GILMAR DE OLIVEIRA 29/11 Sebastião OLIVEIRA FIGUEREDO

DEZEMBRO 02/12 08/12 16/12 24/12 26/12 30/12

GUILHERME OLINTO ABREU LIMA RESENDE Antônio RODRIGUES PINHEIRO MAYARA LEMOS CASTELAR ERLAINE DE OLIVEIRA DRUMOND SéLIO FRANCISCO ALVES FRANCIELLY DA CUNHA REIS

27


28 COOPERJORNAL | Outubro 2017

Profile for cooperativagv

COOPERJORNAL DE OUTUBRO DE 2017  

O Cooperjornal é a revista da Cooperativa Agropecuária Vale do Rio Doce que mantém seus cooperados e públicos de interesse informados sobre...

COOPERJORNAL DE OUTUBRO DE 2017  

O Cooperjornal é a revista da Cooperativa Agropecuária Vale do Rio Doce que mantém seus cooperados e públicos de interesse informados sobre...

Advertisement