__MAIN_TEXT__

Page 1

COOPERJORNAL | Fevereiro 2016

1


EDITORIAL

EXPEDIENTE:

Palavra do Presidente

Mercado do Leite

Nos últimos anos o setor leiteiro tem passado por modificações, o perfil do consumidor já não é mais o mesmo. Os produtos lácteos ainda fazem parte da nossa mesa, porém hoje, consumimos não só o leite, mas queijos, iogurtes, leite em pó, entre outros produtos derivados do leite. Mas o que essa mudança tem a ver com o produtor rural que faz a ordenha todas as manhãs na sua fazenda? A indústria tem necessitado de mais leite para produzir, e o produtor consequentemente necessita aumentar a sua produção. Os processos estão interligados, a indústria precisa dos produtores e os produtores precisam das indústrias, para fazerem os seus negócios darem lucros. Essa demanda em aumento da produção está diretamente ligada ao gasto com a logística, quanto menos ela gasta, maior o lucro. Para a indústria é melhor ter produtores produzindo mais leite. No ano passado tivemos aumento nos insumos, logística mais cara, e um período de estiagem, dificultando a produção. Diferente de outros setores, o nosso negócio além de acompanhar o mercado financeiro está diretamente ligado a fatores climáticos. E mesmo com essas mudanças, o mercado do leite, se manteve com quedas leves nos últimos anos, diminuímos o consumo, em cerca de um kilo, por habitante/ano. O consumo era 176 litros, e agora é 175 litros, sendo que a Organização Mundial de Saúde indica 200 litros de leite por habitante/ano, ou seja consumimos abaixo do que é indicado. A dica para o produtor se manter no mercado oferecendo produto de qualidade é investir em técnicas para aumentar a produtividade e produção. Com o auxílio de tecnologias podemos aprimorar a produção, melhorando significativamente a qualidade do nosso produto. Na parte da alimentação vale destacar que estamos no momento de plantio para a produção de volumoso, um fator de fundamental importância no custo da produção. Quanto maior a produção de volumoso de qualidade, como silagem de milho, sorgo, cana de açúcar entre outros, menor é o gasto com a ração concentrada. Lembrando que a alimentação é um dos itens de maior

Sumário

2

COOPERJORNAL | Fevereiro 2016

Conselho Administrativo Antônio Carlos Brandão Edson Constantino Ramos Fernando Antônio Ferreira Geraldo Antônio Birro Costa Guilherme Olinto Abreu Lima Resende João Marques Pereira Neto Mário Dias Leão Elias de Oliveira Alves Maurício Francisco de Souza Diretoria Executiva Guilherme Olinto Abreu Lima Resende Diretor-presidente João Marques Pereira Neto Vice-presidente Conselho Fiscal Ademar Feliciano Leite Gabriel Martins Neto José Barreto Lopes Marcos Leite Costa Orlando Pereira Mendes Turíbio Alves Modesto TEXTOS Departamento de Comunicação e Eventos Juliana Pio – 12.137/MG Luciely Elorrany (estagiária) REVISÃO Tarciso Alves Fotos Arquivo Cooperativa Ramalho Dias Ronaldo Pardins Colaboração Técnica Gilmar Oliveira (Gerente Geral) Pedro Repossi Júnior (Médico Veterinário) Roberto O. Costa Filho (Eng. Agrônomo) Marciano de Jesus (Educador Cooperativista) Projeto Gráfico e Diagramação Pop Comunicação Inteligente Tiragem – 3000 exemplares Impressão – Gráfica Nacional

Rua João Dias Duarte, 1371/1395 Bairro São Paulo – 35030-220 Governador Valadares – MG Fone: (33) 3202-8300 cooperativagv@gmailcom


BÔNUS FIDELIDADE

Bônus Fidelidade

A Cooperativa Agropecuária Vale do Rio Doce distribui quase R$ 2.000.000,00 para os cooperados em 2015.

No dia 18 de dezembro foi realizado o Encerramento Anual da Cooperativa Agropecuária Vale do Rio Doce 2015. O evento aconteceu no Parque de Exposições José Tavares Pereira e contou com a presença de aproximadamente 600 cooperados que puderam participar da palestra “Tendência sobre o Mercado de Leite”, ministrada por Marcelo Pereira de Carvalho, co-fundador e diretor-executivo da Agripoint, sorteio de uma Moto realizada pela Virbac, e a entrega do Bônus Fidelidade. Em palestra, Marcelo falou de assuntos como o mercado lácteo brasileiro diante do mercado global, a posição do cooperado enquanto produtor e empreendedor, entre outros assuntos que abrangeram a nova etapa que estamos vivendo nacionalmente “Estamos tendo uma modificação no mercado. Nos últimos 15 anos houve um crescimento do setor de 3% por pessoa/ ano. Hoje, estamos perdendo este ganho no consumo e passando por uma transição tecnológica, que fazem momentos como este, oportunidades únicas de compartilhar informações que serão aplicadas futuramente.” conclui Marcelo. Segundo o vice-presidente João Marques Pereira Neto o momento é de reflexão e planejamento “É de extrema importância saber em que posição nós produtores estamos diante desta economia desestabilizada. Planejar o próximo passo pode ser o diferencial da eficiência na fazenda na hora de colher os frutos. O leite é um ótimo negócio, basta saber como explorá-lo.”

Bônus Fidelidade 2015 O momento mais esperado do evento foi o Bônus Fidelidade, que este ano foi entregue pelo quinto ano consecutivo. O bônus é um valor em dinheiro pago ao cooperado pela fidelidade depositada na cooperativa. O valor é de 30% da média do leite que o cooperado, entregue do dia 1º de janeiro a 30 de novembro, na Cooperativa, e assim foram quase R$ 2.000.000,00 distribuídos ao final do evento, para esses cooperados. Para Guilherme Olinto Resende, presidente da Cooperativa, é uma satisfação poder entregar ao cooperado a bonificação. “Ao final de todos os anos realizamos este evento, é um momento de conhecimento, confraternização e bonificação para os cooperados. Mesmo com todas as adversidades que estamos passando, encerramos o ano de 2015 com o saldo positivo e conseguimos cumprir com o nosso calendário, realizando os nossos eventos e levando ao cooperado soluções e inovações na agropecuária leiteira, nossa missão como cooperativa” destaca Olinto. Durante o evento, a cooperada Meire de Azevedo, recebeu o Cartão do Cooperado, representando todos. Meire Azevedo sentiu-se lisonjeada por representar todos os cooperados. “Acho muito importante o bônus fidelidade, ter essa oportunidade em representar todos os cooperados, para mim, foi um reconhecimento do setor.”

A Virbac em parceria com o Armazém da Cooperativa sorteou uma moto zero km, durante o Encerramento Anual 2015. A cada R$50,00 em compras de produtos Virbac, realizados em 2015 no Armazém da Cooperativa, o cliente ganhava um cupom, que dava o direito a participar do sorteio. O sorteio foi realizado pelo o Samerson Machado, coordenador de vendas da Virbac, Sr. Armando Tavares, representando o Armazém da Cooperativa, e pelos Sr. Guilherme Olinto, presidente da Cooperativa, e Sr. João Marques, vice-presidente. O ganhador foi o cooperado, Enéas de Oliveira Pinho.

COOPERJORNAL | Fevereiro 2016

3


Diretor do Milk Point é entrevistado com exclusividade pela Cooperativa. Marcelo Pereira de Carvalho Engenheiro agrônomo, formado pela ESALQ/USP em 1992. Mestre em Ciência Animal e Pastagens pela ESALQ/USP em 1998. MBA Executivo Internacional pela FIA – Fundação Instituto de Administração em 2005. É sócio-fundador e diretor-executivo da AgriPoint, que opera os sites MilkPoint, CaféPoint e FarmPoint, sendo coordenador do MilkPoint. A rede AgriPoint possui mais de 210.000 pessoas cadastradas de 55 países, já treinou mais de 22.000 pessoas em cursos online e realizou 15 grandes eventos do setor leiteiro, entre eles o Interleite. Foi membro do Comitê Assessor Externo da Embrapa Gado de Leite e do Conselho Administrativo da Láctea Brasil. É membro do Comitê de Política Econômica da Federação Internacional de Lácteos (FIL-IDF), International MilkPromotion Group e fundador e gestor do Global Dairy Economists Group, grupo que reúne cerca de 20 economistas atuantes no mercado de leite em diversos países. Tem participado de eventos nacionais e internacionais do setor lácteo, muitos dos quais como palestrante especializado em mercado, marketing de lácteos e tendências de consumo.

Marcelo Pereira de Carvalho

CJ – Na sua visão, o mercado de leite tem se desenvolvido mesmo diante do período que estamos passando?

CJ – Qual a importância em discutir no Vale do Rio Doce as Tendências sobre Mercado de Leite? MP – O setor lácteo vem passando por grandes mudanças. Tanto na questão de profissionalização da atividade, quanto o crescimento no consumo. Ainda temos também o fator de está lidando com a economia de baixo crescimento, sendo que aqui, no Vale do Rio Doce há um nível tecnológico reduzido. Esse tipo de assunto traz oportunidades de falarmos o que está sendo pautado hoje no mercado, mas também trazer elementos que as pessoas possam ref letir sobre o quadro atual. 4

COOPERJORNAL | Fevereiro 2016

MP – Tivemos um crescimento surpreendente do mercado nos últimos 15 anos. De 2000 para 2014, crescemos praticamente 70% no volume. Agora, o que vem acontecendo em função da queda de renda, é que no ano de 2015 sofremos uma perda de 2,5% em comparação a 2014. Chegamos a cair um kilo por habitante aproximadamente, e a previsão é que em 2016 chegue a cair até quatro kilos por habitante, ou seja, uma retração do consumo. Existem seguimentos que mesmo com este quadro há um aumento de consumo no momento. Por exemplo, os iogurtes grego, produtos com baixa lactose, e sem lactose, entre outros, estão aumentando e isso é que faz a produção, mesmo sofrendo queda, seja compensada. A tendência é que seja um ano de variação de preços mesmo com oferta.

CJ – A expetativa é que 2016 seja um ano de variações, e qual dica você deixa para o produtor rural consiga passar por este período sem prejuízos? MP - Sempre temos que olhar o que está acontecendo a longo prazo. Hoje, o preço do leite no Brasil tem sido atrativo. Nos últimos cinco anos, o investimento na produção tem crescido, com vários novos projetos, e atividade tem ganhado bastante atenção. Acho que o grande desafio da região é trabalhar o aumento da produtividade, ou seja, o aumento de produção por fazenda. Porque as empresas estão sendo pressionadas a aumentar a produção, e isso afeta o produtor que vai ter que aumentar a escala. Por isso, os papéis dos projetos como o Educampo, e da Cooperativa são importantes, pois o produtor precisa colocar recurso. É uma questão de se planejar.


UNIVERSIDADE DO LEITE

Universidade do Leite forma a sua primeira turma

A Universidade do Leite concluiu a sua primeira turma em dezembro de 2015, com cerca de 100 participantes. No dia 18 de dezembro de 2015, foram realizadas as últimas aulas práticas, e a entrega dos certificados, no Parque de Exposições de Governador Valadares. O curso é fruto de uma parceria da Cooperativa Agropecuária Vale do Rio Doce e a MSD Saúde animal, um projeto inovador no Vale do Rio Doce. Com o objetivo de qualificar os cooperados e seus colaboradores a prestação de serviços diferenciados, focados na melhoria da qualidade e no aumento da produtividade leiteira. Com duração de aproximadamente sete meses e dividido em 10 módulos, entre teóricos e práticos, foram explorados temas variados como: criação de bezerras, aplicação de medicamentos injetáveis, prevenção, diagnóstico e tratamento de mastite. O presidente da Cooperativa, Sr. Guilherme Olinto Resende, disse em discurso que a Universidade do Leite cumpriu com os seus objetivos, buscando qualificação para os seus cooperados. “É mais um projeto que cumpre a nossa missão de levar desenvolvimento tecnológico aos cooperados, com o objetivo de melhorar a qualidade dos serviços prestados”, afirma Olinto.

COOPERJORNAL | Fevereiro 2016

5


Cadastro Ambiental Rural CAR O prazo encerra em maio de 2016

O Cadastro Ambiental Rural – CAR é um registro público, eletrônico, de abrangência nacional, criado pelo Novo Código Florestal Brasileiro, com o intuito de regularização ambiental, e não regularização fundiária. Todas as propriedades ou posses rurais devem ser inscritas no CAR até maio de 2016, isso independente da situação das terras: com ou sem matrícula, registros de imóveis, ou transcrições. O CAR é a principal ferramenta prevista na nova lei ambiental para a conservação do meio ambiente, a adequação ambiental de propriedades, o combate ao desmatamento ilegal e o monitoramento de áreas em restauração, auxiliando no cumprimento das metas nacionais e internacionais para manutenção de vegetação nativa e restauração ecológica de ecossistemas. O CAR facilitará a vida do proprietário rural que pretende obter licenças ambientais, pois a comprovação da regularidade da propriedade acontecerá por meio da inscrição, aprovação do CAR e o cumprimento no disposto no Plano de Regularização Ambiental, que será em breve instituído. Com isso, não haverá mais a necessidade de procedimentos anteriormente obrigatórios, como a averbação em matrícula de Reservas Legais no interior das propriedades. Todo o procedimento para essa regularização poderá ser feito online. Além disso, só poderão obter crédito agrícola aqueles proprietários que inscreveram suas propriedades no CAR. Caso uma propriedade ou posse não esteja inscrita no CAR até o limite do prazo, seu proprietário ou posseiro poderá sofrer sanções como advertências ou multas, além de não poder mais obter nenhuma autorização ambiental ou crédito rural. Somente com o CAR será possível aderir, em breve, ao Programa de Regularização Ambiental, que permitirá obter o uso consolidado de Áreas de Preservação Permanente que já estavam sendo utilizadas em 22 de julho de 2008, conforme os critérios da Lei. Mais informações acesse o site: http://car.gov.br 6

COOPERJORNAL | Fevereiro 2016


COOPERJORNAL | Fevereiro 2016

7


JANEIRO 1/1 1/1 1/1 1/1 1/1 2/1 2/1 2/1 2/1 3/1 3/1 4/1 5/1 5/1 5/1 7/1 8/1 8/1 9/1 10/1 10/1 11/1 11/1 13/1 13/1 14/1 14/1 14/1 15/1 15/1 15/1 15/1 15/1 15/1 15/1 16/1 16/1 16/1 16/1 17/1 17/1 19/1 19/1 19/1 20/1 20/1 20/1 20/1 20/1 21/1 21/1 22/1 22/1 22/1 23/1 24/1 24/1 24/1 25/1 25/1 25/1

8

ELIANA MACHADO DE ALMEIDA ELIEZER LOURENCO DOS SANTOS JOAO FERNANDES NETO Adalto Pinto JOSE GARCIA VALADARES Dionízio JURACI ALVES DO AMARAL ANTONIO CARLOS MARTINS GUEDES EDILSON RIBEIRO DOS SANTOS JOSé MOISES DO NASCIMENTO RENATO LEITE SILVA NILCEIA GONCALVES DE SOUZAMário NILZA APARECIDA MOREIRA SILVA JOÃO ALBANO DE SOUZA ANDREIA ARAUJO CAMPOS MENEZES ERLON PEREIRA GUALBERTO GILMAR LOPES FRAGA DARCI LUCIANO DE PINHO JOSé MARIA DE SOUZA MANOEL LOPES FRAGA Joaquim Coelho Pinheiro ANDRESSA MARQUES ROELLA HUMBERTO DE OLIVERIA FARIAS IDARIO DOS SANTOS PENA Nair Elgita de Oliveira MARIA AIRES ANDRADE SUELI DOS REIS REZENDE JOãO DOMINGOS FERREIRA NETO JOSé EURICO LUIZ DE ALMEIDA José Menezes Da Silva ADELCIO CALDEIRA DOS SANTOS DAVI CRUZ EDIGAR FRAGA GERALDO MAGELA BORGES JOSé MACHADO PEREIRA LUCAS MARCIO FERNANDES APOLONIO MAURO LOPES BOTELHO ERLEI NATO DA COSTA MARCELO DE MATOS FERREIRA SEBASTIANA MARTINS DA SILVA SUELI SANGIORGIO ANTôNIO DA SILVA COSTA JUAREZ RUY BARBOSA LUCINéIA GOMES DA SILVA ROBERTO CARLOS DE OLIVEIRA VAISMAN CELESTINO MIRANDA HILDEBRANDO CABRAL FILHO JARDELISON GILANY DA SILVA MARCOS MOREIRA DA SILVA PEDRO PEREIRA CARDOSO JUNIOR VITALINA MARCELINA ROMAO Carlos Quirino Vieira OSVALDO VICENTE DOS SANTOS AIRTON BESSA SOUTO GERRI CRISTOVãO LUCAS VALDECIR PINTO DE FARIAS VANTUIL TEIXEIRA DE SOUZA HERSON DE OLIVEIRA José Luiz Buzette KENNER VIANA COELHO ADAIR SOARES DOS ANJOS CERVO PAULO DO CARMO EDNA APARECIDA SILVEIRA

25/1 25/1 26/1 27/1 27/1 27/1 27/1 28/1 28/1 28/1 29/1 29/1 29/1 30/1 30/1 30/1 31/1 31/1

JOAQUIM RAPOSO BARBOSA JOVENTINO NUNES RUSEMBERGUE MARTINS GUALBERTO ABEL DE OLIVEIRA FILHO HéLIO MACEDO DE QUEIROZ JOSé FERREIRA DE SOUZA LEONIDAS DA SILVA PEREIRA ADEMAR CANDIDO AVELINO éRIKA FANE VIDAL PEDRO GONçALVES CHAVES FRANCISCO PIRES DE SALES MARIA DE LOURDES PEREIRA WILSON ALBARES DE Sá CELMA GONCALVES DE ANDRADE SILVA GERALDO LOPES VASCONCELOS NILSON DOS SANTOS FERNANDO LUIZ PARDINI ALHAIS GILBERTO ANTONIO BRAGA GARCIA

FEVEREIRO 1/2 1/2 1/2 2/2 2/2 4/2 4/2 4/2 4/2 4/2 4/2 5/2 5/2 5/2 6/2 6/2 6/2 6/2 6/2 7/2 7/2 7/2 8/2 8/2 9/2 9/2 9/2 9/2 9/2 10/2 11/2 11/2 11/2 12/2 12/2 12/2 13/2 13/2 13/2 13/2 13/2 14/2 14/2 14/2 14/2 14/2 14/2 15/2 16/2 16/2 18/2 18/2 19/2

COOPERJORNAL | Fevereiro 2016

CANDIDO GARCIA DE OLIVEIRA Ilko Nunes Goveia JOSE LEANDRO FILHO LAERTE DE OLIVEIRA Uander Rene Aires Costa AGNALDO MARINS ROCHA ALTAMIRO REIS BRUM Geraldina Monteiro Neves JOSE BATISTA LAGE JOSE MARTINS ANDRADE Victor Tissianel Nicoli JAIR SOARES PEREIRA JOSE CARLOS DE ARAUJO Maria da Gloria Oliveira Souza ALDINEI GONCALVES BARBOSA Eder Augusto Catao Jose Tito Diogo NONATO LINS DANTAS PAULO CESAR DE OLIVEIRA ANDREIA GARCIA DE SOUSA POMAROLI IVO GONCALVES DE OLIVEIRA JOSE GERALDO DA COSTA AFONSO MIGUEL DE ALMEIDA REGINALDO ANTONIO VILELA ADEMIR PAULINO NEVES GENSERICO BARROSO FILHO GERALDO RODRIGUES DOS SANTOS HELENA IRANY FERNANDES DA SILVA Sirlene Ferreira da Silva Garcia DEVAIR FRANCISCO DA SILVA DAVID PINTO COELHO GERALDO RAMOS SILVERIO RODRIGO COELHO FAVA AILSON DE SOUSA PIMENTEL FARIDE ALVES DOS SANTOS SILAS DIAS COSTA JUNIOR Gerson Pereira Arruda JOAO FAUSTINO BRAZ LUIZ DE ALMEIDA E SILVA MATHEUS PIGORETTI DE SOUSA Silvano Silveira Ribeiro ABEL LUCAS EVANGELISTA DANIEL GUALBERTO ALBERGARIA ERVANO LOPES BOTELHO IOLANDA QUINTAO DE SA MARINHO JOSE DE OLIVEIRA FILHO MARCELO SOARES DE ANDRADE ADENIR VENTURA DA SILVA GERALDO PINTO PEREIRA MILTON JOSE GUSMAO EUDES DA SILVA PINTO SILVIO MATHEUS DE ARAUJO Elton Jose de Sa

19/2 19/2 19/2 20/02 20/02 20/02 20/02 20/02 21/02 21/02 22/02 22/02 22/02 22/02 22/02 23/02 23/02 23/02 23/02 23/02 23/02 24/02 24/02 25/02 25/02 25/02 25/02 25/02 26/02 26/02 26/02 26/02 27/02 27/02 27/02 27/02 28/02 28/02 28/02

Eneida Silva Costa FRANCISCO MARTINS DE SOUZA NELSON PAULO DA SILVA ARILSON CAMPOS DE SOUSA FAUSTINO XAVIER SOARES Julio Cesar de Almeida Mendonca MARCIO PIMENTA DE FIGUEIREDO THIAGO DOS SANTOS FIGUEIREDO MAURICIO FRANCISCO DE SOUSA MAURO FRANCISCO DE SOUSA ADILIO GOMES DE BRITO ELPIDIO CARLOS DOS SANTOS FRANCISCO SERGIO SILVESTRE RICARDO TERTULIANO DE SOUZA SERAFIM FERREIRA BRUNO RICARDO TERTULIANO DE SOUZA SERAFIM FERREIRA BRUNO GEOVANE PAIS DIAS GERALDO DE SOUZA PERPETUO GERALDO GONCALVES DE SOUZA Jose Ciqueira de Oliveira ROBERTO YVAN LEMOS PEREIRA WARLEN DA SILVA XAVIER ANTONIO MODESTO AGUIAR NETO Jose Neto ANTONIO DA MATA REZENDE GERALDO MAGELA DE PAULA HELBAS DOS SANTOS MOTTA JOSE LUIZ TEODORO ALVES LUIZ EUSTAQUIO SOUZA FRANCO Eliomar Rodrigues da Silva GERALDO MAGELA SOARES JOSE ANTONIO NETO Marcus Eduardo Diniz Figueiredo JOSE AUGUSTO DA FONSECA JOSE GONCALVES FILHO JOSE RINALDO PEREIRA MARCIUS GOMES DE OLIVEIRA COSTA CARLOS MACHADO PEREIRA Elias Godoy Nogueira LUIZ CONTIM

MARÇO 1/03 1/03 1/03 1/03 1/03 1/03 1/03 1/03 1/03 2/03 2/03 2/03 3/03 3/03 3/03 3/03 4/03 4/03 4/03 4/03 4/03 5/03 5/03 6/03 6/03 7/03 7/03 7/03 8/03 8/03

ARISTOTELES GOMES NETO ENEIAS FERREIRA BRAGA GERALDO CARLOS TURCO HELIO DA SILVEIRA LEITE JOSE ALVES JUNIOR JOSE RODRIGUES DE PAULA MARINETH ANDRADE SOARES REGINALDO CECILIO DE SOUZA SILVERIO ALBERTO DE CARVALHO CELIO PROCOPIO CORREIA IDESIO ALVARENGA DE PINHO VANDERLEI JOSE DA COSTA ELIMAR ALVES DOS SANTOS EUSTAQUIO NUNES DOS SANTOS JOSE FELIPE DA ROCHA UBERALDO FELIPE HOFFMANN ADELIDIO ALBINO DA COSTA DINALDO DE OLIVEIRA EXPEDITO CALAZANZ DE SOUZA JOZIAS MOREIRA DA SILVA MARIA JOSE AUGUSTO ANDRADE VILELA DOUGLAS BEZERRA ADILSON LAIR MACHADO MADRONA ANTONIO VITOR SAN SEVERINO Guilherme de Almeida Rodrigues ANTONIO ALVES DOS SANTOS HERMINIO PINTO DE CARVALHO MARCIO JOSE DE FREITAS MARTINS CAZERINA CAL SOARES CLERIO MARCELINO DE SOUZA FILHO

9/03 9/03 9/03 10/03 10/03 10/03 10/03 10/03 10/03 11/03 11/03 11/03 11/03 11/03 12/03 13/03 13/03 13/03 14/03 14/03 14/03 14/03 14/03 14/03 14/03 15/03 15/03 16/03 16/03 16/03 17/03 17/03 18/03 18/03 19/03 19/03 19/03 19/03 19/03 20/03 20/03 21/03 22/03 22/03 23/03 23/03 23/03 23/03 23/03 23/03 23/03 24/03 25/03 25/03 25/03 25/03 26/03 26/03 27/03 27/03 27/03 28/03 28/03 28/03 29/03 29/03 29/03 30/03 30/03 30/03 31/03 31/03 31/03 31/03

CLEMILSON FERNANDES JOSE OLIMPIO ROSA WALTRUDE VICENTE VIEIRA AMILTON CAIO DE FIGUEIREDO GERALDO ALVES PEREIRA GERALDO MOREIRA DE OLIVEIRA JABES SABINO GONCALVES JAIR MODESTO JOAO FERREIRA DOS SANTOS Antonio Walter Braga Diego Ribeiro Inacio JOAO MARQUES PEREIRA NETO NIVALDO DE LIMA PEREIRA RAMON LAZARO VAZQUEZ PEITIEIROS Edylson Daladiel DOMINGOS TEMPONI FILHO JOSE TEIXEIRA PRIMO OLDAIR MARTINS SOARES FILHO ANTONIO PEDRO BRAGA NETO DINAH REZENDE DE MACEDO HELOISA CELIA LORENTZ MAGALHAES JOSE EVANGELISTA OZEIAS BATISTA RAMOS SEBASTIAO AUGUSTO DE OLIVEIRA SEBASTIAO PEREIRA DE JESUS OLIVEIRO MEIRELES MENDES OZELIO FERREIRA BARBOSA EUNILSON OLIVEIRA COSTA JUNIOR JASMO ANTONIO BRAGA JOAO CARLOS RAMOS CATHARINA GONCALVES PORCARO JOSE DOS ANJOS MODESTO DE SOUZA ALEANDO LIMA DA SILVA Luiz Carlos Rodrigues de Freitas ELIAS JOSE MOREIRA Higino Lana Forneas JOSE FRANCISCO DE LIMA MILTON DIAS GODINHO VICENTE LOXE MADRONA ELVECIO SOUTO DE ALMEIDA VICENTE MATOLA TOMAZ LUIZ BENTO DE CARVALHO EUSANIA KARLA MIRANDA DA COSTA MOISES BICALHO DE PINHO EDSON INACIO FERNANDES JOAQUIM MARCAL NETO LINALDO BARBOSA GOULARTE MARCELA DE SOUSA MARTINS RUBENS FERREIRA NEVES WILLIAN CLEBSON DE SOUZA WILSON NEVES DE OLIVEIRA MARCIO SANTOS FIGUEIREDO Euler Fernandes Junior GRIMALDO LEITE JOSE DE FREITAS DA COSTA Jurandir Alves de Neiva ANILDO LUIZ NETO ILMO COELHO DA SILVA CELIO COUTINHO JUNIOR EDMAR DIAS DE ANDRADE MARILDA LIDYA SOARES TEIXEIRA EDWARD MARIANTE JOSE FERREIRA DE ALMEIDA FILHO JOSE PERPETUO LACERDA ANTONIO LUCIO PEREIRA JONATAN MACHADO SILVANI APARECIDO DO NASCIMENTO ELENILTON FERREIRA DA SILVA ITAMAR BARRETO DOS REIS NEOMIZA MARIA PEREIRA ANDRADE FLAVIO VINICIUS GUIMARES Jose Marcio Soares de Sales KELYENE SUED LEITE RABELO LINDOMAR CASTELANE

PARA BENS

Colaboradores JANEIRO 07/01 24/01 13/01 19/01

Fabiane Cristina da Silva Brant Armando de Oliveira Tavares David Oliveira Santos Cleber Gomes Silva

FEVEREIRO 09/02 17/02 17/02 18/02 25/02 28 /02

David Oliveira Santos Edson Rosa de Jesus Heber Costa dos Santos Márcio Luis Martins de Almeida Roberto de Oliveira Costa Filho Adriana Ferreira Lopes

MARÇO 03/03 07/03 11/03 11/03 16/03 22/03 30/03

Delvair Pires de Sousa Donisete Sousa de Siqueira Joao Marques Pereira Neto Marcos Roberto dos Santos Albino Enezio dos Santos Jaqueline Alves da Silva Souza Samuel Luchesi Nascimento Souto


A EVOLUÇÃO DO REBANHO EM SUAS MÃOS

A evolução do rebanho em suas mãos

Mais uma rodada de FIV na Cooperativa

Benefícios e pontos importantes:

Seleção do material genético Gerar o embrião sexado de fêmea Escolha e fertilização da barriga de aluguel Acompanhamento da gestação Prenhez de matrizes (doadoras) dos bancos genéticos/ raçadores das principais fazendas de leite do Brasil Touro provados e aptos ao FIV do banco genético da In Vitro Visita do Veterinário subsidiada pela Cooperativa por meio de Programa Crê$er Genética Protocolo Hormonal abaixo do preço de mercado Prenhez parcelada em até 10 vezes e descontada direto na Folha do Leite

A Cooperativa Agropecuária Vale do Rio Doce oferece desde 2014 para todos os cooperados, o que existe de mais avançado em genética bovina em todo o país, o programa de Fertilização In Vitro (FIV). O FIV faz parte do Projeto Crêser Genética, que visa modernizar a atividade leiteira e garantir a qualidade de vida para a família cooperativista. Utilizando recursos da própria Cooperativa e subsídios de parceiros, o cooperado tem a oportunidade de melhorar a qualidade genética do seu rebanho, seja ele, pequeno, médio ou grande, com um atendimento diferenciado realizado pelos técnicos do Departamento de Campo da Cooperativa.

A Fertilização In Vitro é uma técnica de reprodução que tem como objetivos:

obter pré-embriões de boa qualidade que serão transferidos, posteriormente, para a cavidade uterina, permitindo que se obtenha o melhor material genético dos pais, resultando em um embrião já sexado de alta qualidade.

aumentar o potencial genético do rebanho, para que os cooperados tenham matrizes reprodutoras de altíssima qualidade, durante o período de IATF e para a produção de leite em geral.

COOPERJORNAL | Fevereiro 2016

9


EDUCAÇÃO COOPERATIVISTA

Educação Cooperativista

10

Caro cooperado, como sabemos, o ano de participativa na gestão da cooperativa dução e contribuam para o desenvolvi2015 não foi um ano fácil, enfrentamos através das reuniões de comunidades e mento sustentável da cadeia produtiva crise econômica e instabilidade política. reunião do Comitê Educativo (forma- do leite. E para esse ano, segundo a previsão de do pelas lideranças das comunidades Nos mais de 50 municípios que a coopealguns especialistas, o desafio em relação cooperativistas juntamente com a dire- rativa atua, trinta comunidades repreaos mesmos fatores serão maiores. Mas toria) que tem como principal objetivo sentadas por cooperados e associações é com imenso prazer que comemora- aproximar o cooperado da cooperativa se reúnem junto ao Educador Coopemos esse ano os 57 anos da Cooperativa e vice-versa munindo-os de informações rativista, que representa a cooperativa, Agropecuária Vale do Rio Doce que de- os serviços prestados por ela e também bimestralmente para tratar de assuntos vido a sua natureza de ser da cooperativa e das comunie atuar como uma verdadades referentes à prestação deira cooperativa venceu de serviço da cooperativa se o ano de 2015 com as conestão atendendo suas expecCooperativa é uma associação tas positivas e ainda distativas na condição de donos autônoma de pessoas que se une para tribuiu o bônus fidelidade do empreendimento coletivo. para o cooperado. Como Em 2015 foram mais de 140 atender as necessidades, econômicas, Especialista em Gestão reuniões realizadas abrangenEstratégica de Cooperatido no total um número acima políticas e culturais, através de vas posso afirmar que já de 2000 participações e foram um empreendimento coletivo, era esperado esse resultaquase 30.000 km rodados para do, não simplesmente pelo esse fim. democraticamente gerido. fato de ser cooperativa mas Como já é de costume, o capela forma que o empreenlendário institucional da codimento coletivo é admioperativa, contendo todas as nistrado, principalmente agendas de reuniões e eventos pela gestão participativa, atendendo a ouvir dos cooperados quais são os seus já foi entregue aos cooperados. O número definição do que é uma cooperativa. reais anseios, necessidades e sugestões de participações estão bons, mas podem Cooperativa é uma associação autônoma referente ao setor lácteo e a cooperativa melhorar e, para esse ano contamos com de pessoas que se une para atender as ne- através dessa forma de gestão ela vem todos os cooperados, familiares e demais cessidades, econômicas, políticas e cul- cumprindo sua missão que é Promover interessados nos assuntos da cooperativa turais, através de um empreendimento o desenvolvimento tecnológico dos coo- a participar para continuarmos conscoletivo, democraticamente gerido. perados, oferecendo produtos e serviços truindo junto um futuro melhor para o Assim o cooperado participa de forma inovadores que aprimorem a sua pro- nosso setor através da cooperação. COOPERJORNAL | Fevereiro 2016


PITADAS

Pitadas

A Cooperativa Agropecuária Vale do Rio Doce em parceria com entidades participa do projeto de recuperação da Bacia do Rio Doce. Em fevereiro deste ano a Cooperativa Agropecuária Vale do Rio Doce, o Sindicato dos Produtores Rurais, a União Ruralista Rio Doce, o Sicoob Crediriodoce e a Univale se reuniram em uma iniciativa pioneira que prevê a elaboração de um projeto técnico e captação de verba para a recuperação de áreas degradadas, redução da emissão de gases do efeito estufa e consequentemente a recuperação da Bacia do Rio Doce. O projeto atenderá cerca de 1900 propriedades rurais dos associados das entidades participantes. A empresa YKS Serviços Ltda especializada em desenvolvimentos de projetos e negócios com sustentabilidade será responsável pela elaboração das ações de gerenciamento e execução de um projeto de recuperação ambiental.

Doação de Leite a entidades em Governador Valadares. A Cooperativa Agropecuária Vale do Rio Doce juntamente com a In Vitro Brasil realizou em janeiro deste ano a doação de mais de 1.000 litros de leite. As caixas do leite Ibituruna foram distribuídos entre a: Associação Santa Luzia, Lar dos Velhinhos e Abrigo Esperança. Participaram da distribuição o representante da In Vitro Brasil, Walace Leite; o presidente da Cooperativa Guilherme Olinto, o vice-presidente João Marques, o gerente geral Gilmar Oliveira e o representante do Armazém da Cooperativa, Armando Tavares.

A Cooperativa Agropecuária Vale Do Rio Doce completou 57 anos A Cooperativa completou 57 anos no dia 25 de janeiro. A cooperativa tem como missão promover o desenvolvimento tecnológico dos cooperados, oferecendo produtos e serviços inovadores que aprimorem a sua produção e contribuam para o desenvolvimento sustentável da cadeia produtiva do leite. COOPERJORNAL | Fevereiro 2016

11


Se programe!

12

COOPERJORNAL | Fevereiro 2016

As rotas definidas por regiões são para garantir maior eficiência e agilidade nas entregas do Armazém da Cooperativa.

Profile for cooperativagv

COOPERJORNAL MARÇO DE 2016  

O Cooperjornal é a revista da Cooperativa Agropecuária Vale do Rio Doce que mantém seus cooperados e públicos de interesse informados sobre...

COOPERJORNAL MARÇO DE 2016  

O Cooperjornal é a revista da Cooperativa Agropecuária Vale do Rio Doce que mantém seus cooperados e públicos de interesse informados sobre...

Advertisement