Issuu on Google+

II –São Paulo, 54 (156)

Diário Oficial da Cidade de São Paulo

sábado, 22 de agosto de 2009

Texto: Gisleine Caron e Patrícia Gelmetti gcaron@prefeitura.sp.gov.br pgelmetti@prefeitura.sp.gov.br

A

Secretaria de Controle Urbano interditou nesta sexta- feira, dia 21, uma loja de material de construção, localizada no centro da Cidade, que vendia e estocava telhas de fibrocimento contendo amianto, produto cujo uso, venda ou fabricação é proibido na cidade de São Paulo, por ser nocivo à saúde. A operação contou com o apoio da Comissão Integrada de Fiscalização (CIF), Departamento de Controle do Uso de Imóveis (Contru), Secretaria do Verde e do Meio Ambiente e Subprefeitura Sé. Técnicos fiscalizadores da Secretaria do Verde e do Meio Ambiente intimaram o proprietário da loja a dar uma destinação adequada ao produto, além de aplicar multa no valor de R$ 7.700. Como o estabelecimento não apresentou licença de funcionamento no momento da vistoria, os agentes vistores da Subprefeitura Sé intimaram o proprietário a apresentar o documento no prazo máximo de cinco dias. Além disso, os engenheiros do Contru identificaram uma série de problemas referentes à segurança da edificação, como instalações elétricas inadequadas, extintores com cargas vencidas, falta de iluminação de emergência, ausência de corrimão em

Foto: cortesia Secretaria de Controle Urbano

Secretaria interdita loja no Centro que comercializava telha de amianto

O amianto é um dos produtos mais nocivos à saúde humana escadas, botijão de gás colocado em local inadequado e perigoso, material combustível em contato com fiação elétrica exposta, falta de sinalização de saída de emergência e falta de brigada de combate a incêndio. O PERIGO DO AMIANTO O amianto é um dos produtos mais nocivos à saúde humana. Vários países já proibiram definitiva e completamente seu uso. Sua inalação é considerada extremamente prejudicial, causando

diversos tipos de doença pulmonar - como enfisema, quadros de fibrose, asma e bronquite crônica. As fibras de amianto também são responsáveis pelo aumento do risco de câncer de pulmão em trabalhadores expostos diariamente a essa substância, como os que atuam na construção civil, profissionais que precisam manipular o amianto ou produtos que contêm essa substância e mineradores. As doenças se desenvolvem muito tempo após a exposição a esses elementos. Os sintomas podem

levar até 50 anos para aparecer. No Brasil é permitido o uso da crisotila, uma variedade do amianto, mas para isso é necessária uma série de recomendações e esclarecimentos do fabricante e do vendedor para o consumidor, conforme determina o Código de Defesa do Consumidor. No entanto, também a crisotina tem seu uso e comercialização proibidos por lei municipal na cidade de São Paulo por apresentar, tanto quanto o amianto, elementos nocivos à saúde.

Alimentação é tema de workshop nas quartas-feiras de setembro Foto: João Luiz G.Silva/SECOM

para a degustação dos participantes. “É importante que as pessoas saibam que não precisam se prender a uma dieta, mas saber balancear os alimentos A Secretaria Municipal de Participação e prepará-los de forma segura para o e Parceria (SMPP) promoverá, nos dias 2, consumo”, ressalta Vivian. 9, 16 e 23 de setembro, o workshop “Da As vagas são limitadas a 50 particiHorta à Mesa”. O evento será aberto a pantes e as inscrições podem ser feitas ONGs, a servidores, ao público e aos pelos telefones 3113-9710 ou 3113alunos da Estufa-Escola. 9717. O workshop será realizado no Será uma realização da Coordenado- auditório da SMPP, localizado na Rua ria de Convivência, Participação e Empre- Líbero Badaró, 119 – térreo. endedorismo Social (Conpares), numa extensão do “Programa Estufa-Escola D ECRETO Lucy Montoro”. O objetivo é promover O “Programa Estufa-Escola Lucy hábitos de alimentação saudável a partir Montoro” foi instituído em julho de da abordagem dos temas diabetes, segu- 2009 pelo Decreto nº 50.741 e teve rança alimentar, obesidade e aproveita- como piloto o projeto “Mãos à Horta”. mento de alimentos. Para complementar Gerido pela SMPP, o Estufa-Escola é um a experiência, os participantes receberão programa da Prefeitura de São Paulo que brindes, livro de receitas, um folder expli- tem como objetivo a geração de renda e Número de vagas no “Da Horta à Mesa” é limitado a 50 participantes cativo do tema do dia e um folheto com melhoria da alimentação. a receita utilizada na palestra. Para isso, os alunos são capacitados As atividades serão iniciadas com para se tornarem agentes multiplicadores, uma dinâmica de grupo, cuja finalidade conhecedores de técnicas e de conceitos é estimular uma reflexão a respeito da de cultivo de hortaliças e de outras plantas. parte emocional envolvida na ingestão do Além disso, a Estufa-Escola promove visitas alimento e de como ela afeta o indivíduo. monitoradas para professores e alunos. “Tudo no ser humano é voltado para a O projeto resgata a idéia do Programente, que está ligada ao lado emocional ma Hortas Comunitárias, idealizado por da pessoa. Se ela não estiver bem, isso Lucy Montoro quando primeira-dama do afetará como ela vai se alimentar”, explica Estado. Duas unidades já estão instaladas a psicóloga responsável pela dinâmica, - uma em Parelheiros e outra em Casa VerProgramação Datas Maria Elizabeth Bueno Vasconcellos. de - e a previsão é que sejam inauguradas Workshop “Da Horta à Mesa” 2/9 – Diabetes Após a reflexão, a nutricionista Vivian outras cinco nas regiões de Vila Prudente, Horário: das 9h30 às 11h 9/9 – Segurança alimentar Cristina Pivetta Pirani falará sobre a parte Mooca, M’Boi-Mirim, Pinheiros e Jaraguá. Local: Auditório da SMPP, rua Líbero 16/9 – Obesidade nutricional e teórica dos alimentos, além A meta é expandir o programa a mais 29 Badaró, 119 – térreo 23/9 – Aproveitamento de alimentos de aplicar receitas práticas e oferecê-las subprefeituras. (Colaborou Marcela Braz) Texto: Diego Mendes dmmendes@prefeitura.sp.gov.br


22.08.09_Loja que vendia telha de amianto_DOM.mht