Page 1

Alongar é preciso Alongamento é um santo remédio para a postura e ajuda você a se livrar se uma série de malefícios

Obesidade: questão de saúde pública

Gestação saudável começa pela boca Acompanhamento multiprofissional, envolvendo diversas áreas proporciona gravidez mais saudável

o ã ç di E 1ª 1

R E V I S TA D A C A S S E M S ▪ J U N H O ▪ 2 0 0 9


2

R E V I S TA D A C A S S E M S ▪ J U N H O ▪ 2 0 0 9


E D I T O R I A L

ANO MARCANTE PARA A CASSEMS

O

ano de 2008 foi marcante para a história da CASSEMS. Nele conseguimos realizar diversos objetivos traçados no início da criação da Caixa. Nós conseguimos trazer de volta a certeza de que o beneficiário será atendido, o que significa o resgate da dignidade de quem necessita de atendimento. Com o passar dos anos, percebemos a importância de se trabalhar com medidas de saúde preventiva, que, nos dias de hoje, são de grande importância, e desenvolvemos projetos como o Viva Saúde e Odontologia para Bebês. A Caixa busca promover a responsabilidade social e, a respeito disso, sempre está apoiando campanhas de vacinação, programas para a terceira idade, disponibilizando informações de combate à dengue e à leishmaniose, entre outras atividades. Além desses programas citados, nós estamos trabalhando para aperfeiçoar outros serviços já existentes, tais como o Benefício Póstumo, o Benefício Medicamento, a ampliação da rede de ambulatórios, além dos convênios com a CABESP e a GEAP. As Unidades Hospitalares de Dourados, Ponta Porã, Nova Andradina, Aquidauana e Paranaíba são a certeza do crescimento da Caixa. Além desses hospitais, nós já adquirimos o prédio que abrigará mais uma unidade hospitalar, localizada em Campo Grande. Todas essas Unidades Hospitalares têm como objetivo descentralizar o atendimento à saúde. Isso gera economias tanto pra Caixa quanto para você, beneficiário, que não tem gastos com deslocamento que certamente o servidor teria se necessitasse se deslocar até Campo Grande. Esse é o nosso grande objetivo, trabalhamos dia-a-dia para melhorar ainda mais nossos serviços. São conquistas como essas que devem ser comemoradas por todos nós, pois cada vez mais nos alegramos em dizer o quanto temos orgulho de ser CASSEMS!

Expediente

Lauro Sérgio Davi

Presidente da CASSEMS

Este impresso teve suas emissões compensadas pelo Programa Carbono Zero da Posigraf. A Posigraf monitora de acordo com as orientações do GHC Protocol e neutraliza as emissões de CO2 resultantes de seu processo produtivo, comprovando sua preocupação com o meio-ambiente.

Tiragem: 55 mil exemplares

CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO TITULARES: Lauro Sergio Davi, Ademir Cerri, Alexandre Junior Costa, Felix Nazario Portela, Carlos José S. dos Santos, SUPLENTES: Cecília D. Jeronymo Serra, Élcio Oliveira Bastos, Jurandir R. de Carvalho, Mara E. Carrara Silva, Noestor J. Ferreira Leite, CONSELHO FISCAL TITULARES: Maria das Graças Freitas, Cecília Domingos, Cláudio M. S. Menezes de Souza, Volindomar Paimel de Queiroz, Flávio Humberto Bernardinis, SUPLENTES: Auxiliadora Darc B. Espíndola, Geraldo Celestino de Carvalho, Sirlei Izabel de Freitas, Jurema Lorenzini, GESTÃO EXECUTIVA: PRESIDENTE - Lauro Sergio Davi, DIRETORIA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE E REDE PRÓPRIA HOSPITALAR - Ricardo Ayache, DIRETORIA DE ASSISTÊNCIA ODONTOLÓGICA - Denise Garcia Sakae, DIRETORIA DE FINANÇAS - Maria Antônia Rodrigues, DIRETORIA DE CLIENTES - Jucli T. Stefanello Peruzo, DIRETORIA JURÍDICA - Flávia Cristina Robert Proença, OUVIDORIA - Cecília D. Jeronymo Serra, GERÊNCIA REGIONAL: Valéria Lucena MAtos - Aquidauana, Maria Helena Nadra Jeha - Campo Grande, Rosana Lídia da Silva Pereira - Corumbá, Paulo Alves de Souza - Coxim, Vera Lucia de Lima - Dourados, Lindamar Aparecida Pereira Rocha - Jardim, João Inácio de Farias - Naviraí, Ivone Ramos Pereira - Nova Andradina, Soraya Rita Eterna de Lima Paranaíba, Aline Davi Sanches - Ponta Porã, Aelton M. Amancio de Oliveira - Três Lagoas, ASSESSORIA: Sabrina da Conceição Possas - da Presidência, Samuel Rees Dias - Gestão de Pessoas, Karoline Grubert Bezerra - Comunicação Social, Sonilza de Souza Lima - Interior, Cleidemir de Paula - Atuarial, Margareth Flores Nunes Viana - Gestão, AT Contábil - Contabilidade, Ascoplan - Auditoria Independente, AZ Informática - Tecnologia de Informação, COORDENAÇÃO GERAL: Karoline Grubert Bezerra, PROJETO GRÁFICO: Oceano Comunicação e Novos Negócios JORNALISTA RESPONSÁVEL: Leandro Ferreira DRT/MS 668, Larissa Rolim, REDAÇÃO: 67 3314-1065 / assessoriacassems@gmail.com

Rua Antônio Maria Coelho, 6065 • Vivendas do Bosque • CEP: 79021-170 •

(67) 3314-1065

R E V I S TA D A C A S S E M S ▪ J U N H O ▪ 2 0 0 9

3


B O M

A P E T I T E

Amêndoas

podem diminur o colesterol Seis estudos apresentados na Conferência da Experimental Biology (EB) acrescentam razões para o consumo de amêndoas. Os estudos indicam que ingerir uma porção de amêndoas diária, como parte de um estilo de vida saudável, pode diminuir os níveis do colesterol “ruim”, ou o LDL, e ajudar a reduzir o risco de doença cardíaca. Segundo os cientistas, para cada 1% na redução do colesterol há uma redução de 2% do risco de uma doença cardíaca. Isso significa que caso uma pessoa tenha um nível de colesterol de 200 miligramas por decilitro ou superior -ou seja, aproximadamente 102,3 milhões de americanos - 53,8 milhões de mulheres adultas e 48,2 milhões de homens adultos podem diminuir seus níveis de colesterol para 190 miligramas por decilitro ao consumir amêndoas, como parte de uma dieta saudável, e reduzir o risco do desenvolvimento de uma doença cardíaca em 10%.

Consumo de vegetais diminui risco de câncer, segundo cientistas Uma pesquisa realizada pelo Instituto Nacional do Câncer dos Estados Unidos aplicou um teste em cobaias para avaliar a atuação de vegetais na luta contra os tumores do esôfago. Os cientistas chegaram à constatação de que o risco de adquirir um tumor nesta área diminui quando vegetais são mais consumidos. Já nas cobaias que comeram mais carne vermelha, em detrimento aos vegetais, os cientistas observaram um aumento das chances delas obterem um câncer daquele tipo. Pesquisadores brasileiros atribuem esse efeito benéfico a substâncias fitoquímicas sulfuradas, monoterpenos e bioflavonóides. O governo americano sugere que, para evitarmos problemas deste tipo, devemos ingerir por dia nove vegetais, são eles: mamão papaia, acerola, alface, cenoura , brócolis, mexerica, banana, repolho e mandioca

4

R E V I S TA D A C A S S E M S ▪ J U N H O ▪ 2 0 0 9

Chá Verde protege as artérias O sabor é amargo, mas logo você vai descobrir que o sacrifício de beber algumas xícaras de chá verde todos os dias vale a pena. Só para começar a lista de benefícios: ajuda a secar gordurinhas. É sério! Essa bebida milenar (e tão na moda atualmente) tem o poder de emagrecer. E existe comprovação científica. Uma pesquisa publicada no American Journal of Clinical Nutrition, conceituada revista da Sociedade Americana de Nutrição, comprova que o chá verde acelera o metabolismo, desintoxica e facilita a digestão.


R E V I S TA D A C A S S E M S ▪ J U N H O ▪ 2 0 0 9

5


B O M

A P E T I T E

Fast Food sem culpa

Fonte: www.vidasaudavel.powerminas.com

Pela dieta ou pela saúde, muitas pessoas evitam este tipo de alimento, e, quando comem, se sentem culpadas. A verdade é que é difícil não cair nesta tentação; além de deliciosos, os pratos são rápidos e não causam grandes danos ao bolso. Depois de serem muito criticadas e terem até virado tema de documentário cinematográfico, as redes de fast-food resolveram entrar na linha. A maioria já tem sua opção de pratos menos gordurosos. Quem sai ganhando com isso é você, que agora não precisa rejeitar o convite dos amigos para jantar fora ou se esquivar destas delícias. É claro que ainda há muitas bombas nos cardápios. Por exemplo, fuja das escolhas mais calóricas, que quase sempre são também as menos saudáveis: frituras, empanados, doces ricos em gorduras, recheios e coberturas. Colesterol em níveis altos e diabetes são duas das graves consequências de uma alimentação descuidada. Aproveite as opções de salada, dando preferência a sanduíches com carnes grelhadas e sem maionese. Deixe os molhos e coberturas de lado. Sucos naturais e água-de-coco são algumas das opções megasaudáveis do fast-food. Se quiser mesmo um refrigerante, vá de light ou diet. Agora é só maneirar no consumo.

Comida Japonesa: aprecie com moderação Nunca se comeu tanta comida japonesa no Brasil como nos últimos anos. Os restaurantes japoneses viraram moda e agradam a todas as idades. Por incluir alimentos naturais, como peixes, legumes, frutas e algas marinhas, trata-se de uma culinária, geralmente, equilibrada e saudável. Segundo a nutricionista Teresina Mendes dos Santos, o consumo desses alimentos deve ser moderado. “Alguns pratos são menos calóricos do que os outros, mas se qualquer um deles for consumido em excesso, haverá ganho de peso. Não é porque a comida é natural que não possui calorias, afirma a nutricionista. Ainda de acordo com a especialista, o molho de soja, típico dessa culinária, contém alta concentração de sódio e não deve ser amplamente utilizado, pois pode aumentar os níveis

da pressão sanguínea. É preciso também tomar muito cuidado na hora de consumir peixe cru (sashimi), pois um prato mal preparado pode conter bactérias extremamente perigosas. As pessoas devem ficar atentas na escolha do restaurante. Quando elaborada por profissionais qualificados, a comida japonesa traz inúmeros benefícios ao paladar e à saúde. Muito utilizados na culinária japonesa, os peixes mais indicados são: salmão, atum, robalo, namorado e linguado. “Antes do consumo, é muito importante observar a aparência, que deve estar com cor suave e fibras firmes. O odor também deve ser suave”, ressalta a nutricionista. Por se tratar de peixes crus, devemos lembrar que se deterioram facilmente quando elaborados e armazenados de forma incorreta.

Fonte: www.sentirbem.uol.com.br

6

R E V I S TA D A C A S S E M S ▪ J U N H O ▪ 2 0 0 9


R E V I S TA D A C A S S E M S ▪ J U N H O ▪ 2 0 0 9

7


CASSEMS EM FOCO Preço baixo

Benefício Medicamento

Reciprocidade

Convênio CASSEMS e CABESP é restabelecido para garantir melhorias A CASSEMS restabeleceu convênio com a CABESP - Caixa Beneficente dos Funcionários do Banco do Estado de São Paulo, por sua preocupação em garantir a melhor qualidade em atendimento aos beneficiários de todo MS, em especial ao interior. O propósito do convênio é melhorar o atendimento na região do Bolsão (Anaurilândia, Aparecida do Taboado, Bataguassu, Brasilândia, Inocência, Paranaíba, Santa Rita do Pardo, Selvíria e Três Lagoas). Para garantir a continuidade do projeto, deverão ser respeitadas as novas regras de utilização para os Termos de Adesão 2008, as quais estabelecem que o pagamento do Fator Participativo será efetuado posteriormente, mediante os relatórios de cobrança enviados pela CABESP e serão descontados na folha de pagamento dos beneficiários titulares. As internações clínicas e cirúrgi-

8

R E V I S TA D A C A S S E M S ▪ J U N H O ▪ 2 0 0 9

cas continuarão necessitando de autorização prévia da CASSEMS. Vale ressaltar que os procedimentos realizados em discordância com as regras de cobertura da CASSEMS serão cobrados no valor integral apresentado na cobrança da CABESP. Reciprocidade Os interessados em aderir ao convênio de Reciprocidade poderão solicitá-lo na Unidade CASSEMS de seu município, preenchendo o requerimento próprio de solicitação e efetuando o pagamento da taxa referente ao cartão no valor de R$ 4,50. Os cartões serão enviados para o município da residência dos beneficiários titulares. O benefício é exclusivo aos beneficiários residentes nos municípios citados acima. Outras informações: 67 3314-1058

O Benefício Medicamento tem como objetivo levar aos associados remédios a preços abaixo dos praticados no mercado, como forma de facilitar o tratamento em saúde. O Benefício Medicamento “Facilitar o não dispõe de tratamento de estoque, por isso saúde com não trabalha com remédios a preços mais pronta entrega. acessíveis é O medicamento a função do deve ser solicitado Benefício Medicamento” com antecedência diretamente nas unidades da Caixa ou através do telefone 0800 704 0304. Vale lembrar que os medicamentos controlados só podem ser adquiridos mediante prescrição médica. Cartão de benefícios Os medicamentos do Benefício Medicamento podem ser adquiridos utilizando o Cartão de Benefícios como forma de pagamento, facilitando ainda mais a aquisição pelos que necessitam de mais prazo em suas compras. Ligue para nossa Central de Atendimento e adquira o seu Cartão de Benefícios: 0800 704 0304.


R E V I S TA D A C A S S E M S ▪ J U N H O ▪ 2 0 0 9

9


Serviço

Novo site da CASSEMS traz melhorias ao beneficiário

Atendimento

Garanta atendimento durante viagens com o passaporte CASSEMS/GEAP Em janeiro de 2007, a CASSEMS firmou convênio com a GEAP – Fundação de Seguridade Social, com objetivo de ampliar a rede de atendimento médico-hospitalar para fora do Estado de Mato Grosso do Sul. De acordo com o presidente da Caixa, Lauro Sérgio Davi, o acordo disponibiliza aos beneficiários dos planos serviços de alta complexidade nas mais diversas capitais do País, ou seja, os mais de 130 mil usuários CASSEMS poderão ser atendidos pela GEAP e, em contrapartida, os servidores Públicos Federais poderão usar o plano CASSEMS aqui em MS. “O convênio firmado entre as instituições garante o atendimento médico em qualquer lugar do Brasil”, garante o presidente.

10

R E V I S TA D A C A S S E M S ▪ J U N H O ▪ 2 0 0 9

Passaporte Saúde CASSEMS/ GEAP - Lançado em dezembro de 2007, o benefício é um serviço temporário de férias para os beneficiários titulares da CASSEMS e seu núcleo familiar que estiverem em viagem para fora de MS. O passaporte é um documento que o beneficiário leva em mãos, devendo fazer sua solicitação com 10 dias de antecedência. O interessado deve fazer o requerimento na própria CASSEMS. Outras informações: 67 3314-1039

GEAP

• Convênio de Reciprocidade ideal para uso em férias • Permite tratamentos em centros de referência • Não utiliza cartão GEAP • Necessária a pré-autorização

O novo site da CASSEMS começou a rodar no dia 5 de janeiro de 2009 e trouxe uma ótima impressão por parte de quem acessou o site na internet. Com novo visual, novos serviços e áreas de acesso, o site trouxe ao beneficiário uma maior facilidade de navegação. Com esse site, é possível fazer o download da Lista de Credenciados da CASSEMS ou mesmo realizar a busca por médico, especialidade ou ainda tipo de assistência. Todos esses serviços foram feitos para gerar maior comodidade para quem acessa o site. É possível também ficar por dentro das notícias da CASSEMS e recebê-las diretamente por email. Para isso, basta que o beneficiário acesse o site e se cadastre no serviço de newsletter. Sempre que houver uma notícia nova, ele receberá em seguida na sua caixa de e-mail. Pelo site é possível conhecer a história da CASSEMS, como começou, quais são e onde ficam as unidades da CASSEMS, conhecer os benefícios que a Caixa oferece aos seus associados, além de ficar por dentro dos programas de prevenção que a CASSEMS realiza durante todo o ano. O endereço de acesso continua o mesmo: www.CASSEMS.com.br.


R E V I S TA D A C A S S E M S ▪ J U N H O ▪ 2 0 0 9

11


12

R E V I S TA D A C A S S E M S ▪ J U N H O ▪ 2 0 0 9


M A M Ã E

&

B E B Ê

Gestação saudável começa pela boca Acompanhamento multiprofissional, envolvendo diversas áreas, proporciona gravidez mais saudável

N

e halitose (mau hálito). O tratamento o período da gravidez, a mulher passa por diversas indicado pelo periodontista é a remoção da placa bacteriana e do tártaro, transformações metabólicas, psicológicas e corporais, por isso feitos pela técnica de raspagem. A o acompanhamento da gestante não gengivite, quando não tratada, passa deve se limitar apenas às consultas ao para um estágio mais grave, em que as ginecologista e obstetra. É necessário bactérias penetram no tecido ósseo, um acompanhamento multiprofissiocausando a reabsorção óssea, mobilinal, envolvendo também as áreas de dade dos dentes, retração da gengiva e perda dos dentes. nutrição, pediatria, odontologia, endocri“Nem toda gengivite acarreta a periodonnologia, entre outras. Doenças bucais bac- “Segundo dados tite grave, mas toda terianas nas gestantes, de Periodontia, periodontite grave como a periodontite, tem a sua origem na pelo menos 30% das gengivite” alertam os propiciam e aumentam mulheres grávidas o risco de doenças graespecialistas. possuem gengivite, ves tanto para a mãe causada principalmente Periodontite quanto para o bebê. Por isso, o acompanha- pela negligência no na gravidez mento do profissional cuidado com a Segundo dados de Periodontia, pelo mede odontologia desde saúde bucal”. os primeiros meses nos 30% das mulheres de gravidez promove, grávidas possuem gengivite, causada principalmente além do cuidado com a saúde bucal e bem-estar da futura mamãe e do bebê, pela negligência no cuidado com a a diminuição das doenças que colocam saúde bucal. A periodontite durante em risco a vida de ambos. a gestação pode desencadear o parto prematuro e a perda de peso do feto. O QUE É PERIODONTITE? A As doenças ou infecções bucais ainda podem aumentar em até 50% as chanperiodontite é uma doença crônica de ces da gestante sofrer o AVC (Acidente origem bacteriana que causa a inflamação do periodonto originada na Vascular Cerebral) e a pré-eclâmpsia, que aumentam o risco de óbito da mãe placa bacteriana que irrita a gengiva, acarretando a inflamação, a chamada e do bebê. gengivite. E GENGIVITE? Os sintomas mais Prevenção Prevenir ainda é o melhor remédio e comuns da gengivite, ainda de acordo com especialistas, são: sangramento e neste caso não é diferente. No que diz edemas na gengiva, flacidez gengival respeito à manutenção da boa saúde

bucal de qualquer pessoa em qualquer idade, portanto: escove os dentes de maneira correta após cada refeição ou longos períodos sem escovação, utilize pasta e fio dental e, se possível, anti-sépticos bucais, os conhecidos enxaguatórios, com a presença do componente químico clorexidina, antibactericida de grande eficácia, muito recomendado pelos profissionais de odontologia. Quanto mais cedo a gestante procurar o tratamento dentário, melhor será o resultado, sendo ideal começar o pré-natal odontológico desde os primeiros meses de gravidez e a visitação mensal da gestante ao odontólogo. Tratamento Ao contrário da gengivite, que geralmente desaparece com um bom cuidado bucal, a periodontite exige cuidados profissionais. Um paciente com uma boa higiene bucal pode limpar apenas 2 mm sob a linha gengival, enquanto o dentista pode limpar bolsas com até 5 mm de profundidade, utilizando equipamentos específicos. Como a gestação é um período que requer mais atenção e cuidado com a saúde da mulher, os tratamentos odontológicos são desenvolvidos especialmente para esta fase. O período mais indicado para quaisquer tratamentos realizados pela gestante é o 2º trimestre de gestação, cujo risco de aborto e de nascimento prematuro é menor. Não perca a próxima edição da Revista. Vamos falar da importância da nutrição durante a gestação.

R E V I S TA D A C A S S E M S ▪ J U N H O ▪ 2 0 0 9

13


M A M Ã E

&

B E B Ê

Odontologia para Bebês Projeto reestruturado mostra as novas regras

O

Projeto de Prevenção que atende bebês de zero a 24 meses e os acompanha até os cinco anos de idade foi reestruturado e traz agora algumas novidades. O objetivo do Projeto é criar uma consciência preventiva, tornando os pais e as crianças multiplicadores de conhecimentos sobre saúde bucal. Embora as exigências para a inclusão no Projeto sejam as mesmas, que incluem as palestras e as visitas à dentista a cada três meses, houve algumas alterações, como a inclusão do tratamento curativo, ou seja, as crianças com necessidades de procedimentos restauradores, isto é, que apresentam lesões de cárie, têm agora o tratamento efetivo, com os dentes restaurados.

O uso tópico de flúor adotado como medida preventiva permanece no Projeto, sendo aplicado somente pelo profissional, por apresentar resultados efetivos e mais seguros ao bebê. Outra mudança é o acompanhamento dos atendimentos pela equipe de auditores/peritos. Eles opinam sobre os procedimentos restauradores que devem ser utilizados. Com as alterações, atualmente todos os procedimentos são incluídos no sistema, o que é importante para a Caixa, para fins estatísticos e de controle, bem como facilita o acompanhamento das crianças nas datas agendadas como retorno, trimestralmente. As gestantes que procuram orientações são agendadas para participar, em grupo, de uma palestra educativa. Se houver necessidade

de tratamento, serão orientadas e receberão encaminhamento efetivo. Atendimento É realizado no ambulatório da CASSEMS, em Campo Grande. Para iniciar no Projeto é necessário agendar a participação na palestra educativa para que a criança seja, posteriormente, incluída. Para participar, os pais podem frequentar as palestras passados 20 dias do nascimento do bebê, devendo ter a criança até dois anos de idade para inclusão no Projeto. A criança participará do Projeto até os cinco anos completos, com retornos a cada três meses. Os pais cujos filhos tenham idade acima de 24 meses são orientados a procurar atendimento na Odontopediatria. No atendimento, os pais ou responsáveis recebem orientações sobre a higiene bucal e as crianças que já possuem dentes recebem a limpeza com a aplicação tópica de flúor. No caso das que ainda não possuem dentes, os pais recebem orientações sobre a limpeza bucal com gaze e soro fisiológico. Palestras Educativas, abordam assuntos como a higiene bucal, a alimentação, a amamentação, o uso de chupetas e mamadeiras, visitas ao dentista e traumatismos dentários. Estas palestras são semanais, realizadas às segundas-feiras no período da manhã e às terças ou quintas-feiras à tarde. Os pais recebem orientações sobre a participação no Projeto nas palestras. Para agendar a palestra: 3314-1075/ Projeto de Prevenção. Atenção para os novos horários de atendimento: • 2ª 4ª e 6ª: das 07h30min às 10h30min; • 3ª e 5ª: das 14h às 17h.

14

R E V I S TA D A C A S S E M S ▪ J U N H O ▪ 2 0 0 9


R E V I S TA D A C A S S E M S ▪ J U N H O ▪ 2 0 0 9

15


F I T N E S S

ALONGAR É PRECISO Alongamento é um santo remédio para a postura e ajuda você a se livrar se uma série de malefícios

O

s alongamentos são exercícios voltados para o aumento da flexibilidade muscular, que promovem o estiramento das fibras musculares, fazendo com que elas aumentem o seu comprimento. O principal efeito dos alongamentos é o aumento da flexibilidade, que é a maior amplitude de movimento possível de uma determinada articulação. Quanto mais alongado um músculo, maior será a movimentação da articulação comandada por aquele músculo e, portanto, maior a sua flexibilidade. Os alongamentos conseguem esse resultado por aumentarem a temperatura da musculatura e por produzirem pequenas distensões na camada de tecido conjuntivo que revestem os músculos. E nossos músculos, que são responsáveis pelos nossos movimentos, possuem, entre outras características importantes, a elasticidade, que lhes permite voltar ao tamanho normal depois de alongados. Entretanto, devido à vida sedentária, posturas inadequadas, estresse diário e a não realização de alongamentos, o ser humano pode ter estruturas do corpo comprometidas pelo desalinhamento ou sobrecarga que sofrem. Com os músculos tensos ou encurtados, não haverá amplitude normal de movimentos, nem uma boa circulação sanguínea, além de causar desconfortos e até dores. Isso mostra a importância de realizarmos alongamentos com frequência, entretanto, mais importante do que realizá-los, é fazê-los de maneira correta. Os alongamentos são fáceis, mas quando realizados de forma incorreta podem, na realidade, fazer mais mal do que bem. Alongamentos antes e depois da exercitação mantêm a flexibilidade e ajudam na prevenção de lesões comuns. Os alongamentos podem ser realizados toda vez que você

16

R E V I S TA D A C A S S E M S ▪ J U N H O ▪ 2 0 0 9


F I T N E S S

Dicas para Alongamentos 1. Se for inseguro para realizá-los, procure um profes-

sor de educação física nível superior ou uma boa academia o mais perto de sua casa para obter auxílio;

2. Escolha posições seguras para realizá-los, mantendo

um bom alinhamento corporal;

3. Alongue-se até sentir uma sensação de tensão. Se por acaso sentir dor intensa, a posição deve ser relaxada para evitar micro lesões na musculatura. Toda pessoa deve respeitar seus limites e aumentar lenta e gradualmente a intensidade dos exercícios; 4. Mantenha o alongamento de 10-60 segundos por ar-

ticulação. Evite balançar-se na execução (pois assim estará estimulando um reflexo de contração ao invés do propósito de alongar);

5. Faça um pré-aquecimento (pode ser uma pequena caminhada ou uma pedalada de 5-10 min antes de realizá-los .Os melhores resultados ocorrem quando eles estão mais estimulados, fazendo também no resfriamento após os exercícios; 6. Mantenha uma regularidade de 3-5 vezes por semana a fim de obter bons resultados no ganho de flexibilidade.

sentir vontade. No trabalho, no carro, assistindo TV. Podemos e devemos nos alongar de manhã, antes de começar o dia, no final do dia para aliviar as tensões acumuladas, depois de ficar sentado ou em pé muito tempo e principalmente antes e depois de atividades físicas. Todas as pessoas podem aprender a fazer alongamentos independente da idade e do condicionamento físico. É gostoso fazer alongamentos quando se procede de forma correta, respeitando a sua estrutura muscular,

sua flexibilidade e seus limites pessoais. A regularidade e o relaxamento são os fatores mais importantes para o alongamento, que deve ser feito lentamente e sem tensionamento. Nada de balanceios, pois estes enrijecem o músculo que você esta tentando alongar. Assuma uma posição confortável e sustente-a, relaxando o músculo. Permaneça nesta posição de 10 a 30 segundos. Não segure a respiração, mantenha-se respirando de forma lenta e controlada.

R E V I S TA D A C A S S E M S ▪ J U N H O ▪ 2 0 0 9

17


D E N G U E

CASSEMS convoca seus beneficiários para combater o mosquito da dengue

C

ada vez que chega o verão, junto com ele chegam o calor, as chuvas e a dengue. É preciso que a população ajude no combate à doença, enquanto os órgãos competentes cumprem seu papel – eles ajudam na conscientização das pessoas, ao passo em que fiscalizam seus terrenos e aplicam os larvicidas e inseticidas. O mosquito transmissor da dengue é o Aedes aegypti, que se reproduz em água parada e limpa. Dados da Secretaria de Vigilância em Saúde, do Ministério da Saúde, mostram que no período de janeiro a março de 2008 foram registrados 120.413 casos de dengue clássica, 647 casos de Febre Hemorrágica da Dengue e a ocorrência de 48 óbitos em todo o Brasil. Ao compararmos com o ano de 2006, observamos um aumento de 136.488 casos de dengue no País, sendo o mês de março aquele com o maior número de notificações no período, correspondendo a 102.011 casos. A Região Centro-Oeste apresenta a maior taxa de incidência do País – notificou 20.936 casos de dengue, uma redução de 71,72% quando comparado ao mesmo período de 2007. Reduções foram notadas nos Estados de Mato Grosso do Sul (-96,10%) e Mato Grosso (-57,70%). De acordo com dados da Prefeitura Municipal de Campo Grande, foram constatados mais de 1000 casos nos primeiros 11 dias do ano de 2008, o que fez com que a Capital decretasse estado de emergência. Foram intensificadas as ações de combate à doença, que contaram com o apoio do exército e da aeronáutica. Em 2007 foram quase 4 mil casos confirmados da doença, com 8 mortes. Conforme informações da Secretaria de Estado de Saúde de MS, nos dois primeiros meses de 2009 o número de casos notificados de dengue em Mato Grosso do Sul caiu 77,4% em relação ao mesmo período de 2008. No total, foram 1.153 registros este ano. Na Capital, ainda conforme

18

R E V I S TA D A C A S S E M S ▪ J U N H O ▪ 2 0 0 9

estatística da SES, foram notificados 301 casos em janeiro e fevereiro deste ano contra 565 nos mesmos meses do ano passado, redução de 46,72%. Além disso, não houve óbito causado por dengue no Estado este ano bem como no ano passado todo. Mas a comemoração não deve ser precipitada. Uma pesquisa realizada também pela Prefeitura apontou que 90% dos entrevistados sabiam o que era a dengue e como combatê-la, mas apenas 15% deles tomavam alguma medida preventiva. Prevenção Mas há as medidas preventivas que, se forem adotadas, são capazes de evitar novas epidemias. O primeiro passo é

eliminar o mosquito transmissor, o que não é nada fácil devido às condições climáticas do Brasil e, em especial, do Mato Grosso do Sul. Logo, deve-se combater a larva. É importante lembrar que os ovos que carregam o embrião do mosquito podem suportar até três anos depois que a água já baixou e o recipiente secou, mas assim que ele entra novamente em contato com a água, o ciclo de desenvolvimento da larva se completa. Para se combater a doença, seguem abaixo algumas dicas muito importantes: Não deixe acumular água em pratos de vasos de plantas e xaxins. Na hora de lavar o recipiente, passe um pano grosso ou bucha nas bordas. Substitua a água dos vasos de plantas por areia grossa umedecida. Dê preferência a lugares cobertos. Todo material descartável que acumula água, como copos de plástico, latas e tampinhas de garrafa, deve ser jogado no lixo. Pneus velhos são um dos lugares preferidos do mosquito da dengue. Por isso, eles devem ser guardados em lugar coberto. Mantenha as caixas d’água, poços, latões e filtros bem fechados. Aos primeiros sintomas da dengue, como dor de cabeça, dores musculares, febre alta e vermelhidão no corpo, deve-se procurar atendimento médico. Lembre-se sempre de que a dengue é simples, mas pode matar.


R E V I S TA D A C A S S E M S ▪ J U N H O ▪ 2 0 0 9

19


N U T R I Ç Ã O

Programa de Nutrição CASSEMS Adiantando-se as novas regras da ANS e aprimorando as medidas preventivas, a CASSEMS amplia mais um programa preventivo

D

ando continuidade às metas com foco na prevenção e promoção à saúde, a CASSEMS lançou oficialmente no dia 08 de maio na Unidade Regional Dourados, o Programa de Nutrição CASSEMS. O objetivo do programa é melhorar a qualidade de vida e bem-estar dos beneficiários. Segundo o Diretor de Assistência à Saúde da CASSEMS, Ricardo Ayache, “a CASSEMS vem aprimorando suas ações preventivas, buscando organizar um novo modelo de atenção à saúde do servidor público, baseado na manutenção da saúde”. Lauro Davi, presidente da CASSEMS, apontou o Programa de Nutrição como um dos compromissos assumidos para esta gestão, tratando a saúde dos

20

R E V I S TA D A C A S S E M S ▪ J U N H O ▪ 2 0 0 9

servidores em termos de prevenção para evitar doenças, trazendo economias ao plano de saúde dos servidores. Programa de Nutrição O Programa já existe há algum tempo, sendo que agora, com a ampliação do Programa, cada Unidade Regional CASSEMS conta com nutricionistas para fazerem o atendimento aos beneficiários da Caixa. Desde o lançamento oficial, foram totalizados 866 atendimentos nas unidades regionais motivados por várias patologias sendo em ordem decrescente: • Excesso de peso, • Hipercolesterolemia, • Hipertriglicerídeos, • Gastrite, • Hipertensão arterial, • Diabetes, • Hipotireidismo, • Colelitíase, • Esofagite, • Refluxo gastroesofágico, • Osteoporose, • Cirurgia Bariátrica, • Diverticulite, • Litíase Renal, • Hipotensão, • Doença celíaca e • Labirintite.

Após adoção das novas orientações alimentares, foi percebida uma melhora geral do quadro acima descrito, sendo relatadas observações como “sensação de bem estar”, “melhoria na qualidade do sono”, “o intestino passou a funcionar regularmente”, “diminuiu o cansaço e não sinto mais câimbras”, entre outras. É possível observar também o empenho dos pacientes na correção dos hábitos alimentares e na realização de atividades físicas regulares. Quanto à perda de peso, registrou-se uma perda percentual de 3 a 4% do peso corporal, sendo uma média considerada saudável. As nutricionistas, juntamente com os gerentes das unidades, estão indo aos locais de trabalho dos usuários da Caixa para divulgarem o Programa de Nutrição e as regras gerais do atendimento nutricional e realizando palestras aos interessados, nos temas relacionados à alimentação. Para ter atendimento nutricional, o beneficiário precisa ter o encaminhamento médico para a primeira consulta. Para mais informações, procure a Unidade Regional mais próxima.


R E V I S TA D A C A S S E M S ▪ J U N H O ▪ 2 0 0 9

21


O U V I D O R I A

Ouvidoria CASSEMS:

um elo de comunicação para o beneficiário Ouvidoria comemora dois anos de atuação, interagindo com a Caixa em busca da melhoria dos serviços para nossos usuários A Ouvidoria da CASSEMS completou dois anos de atividades em março de 2009. Criada com o objetivo de estreitar as relações da Caixa com seu associado, é um canal de comunicação no qual os beneficiários podem externar suas críticas e sugestões em relação à CASSEMS, seus ambulatórios, hospitais, serviços e rede credenciada. Sob o comando da ouvidora Cecília D. Jerônymo Serra, que vem desempenhando a função de elo entre o beneficiário e a Caixa, procura minimizar as reclamações através do aperfeiçoamento dos serviços prestados pela CASSEMS. Segundo a ouvidora Cecília D. Jerônymo Serra, as manifestações são recebidas e repassadas para diretoria competente e, após o parecer da diretoria, transmitidas ao beneficiário como solução para o seu problema. Em 2008, foram mais de 110 atendimentos ao público, divididos em reclamações, sugestões, denúncias e elogios. Entretanto, o número de sugestões é bastante grande sendo que, na maioria das vezes, os beneficiários solicitam custos menores para inserir mais agregados, local exclusivo para entrega de cartões, inclusão de atividades médicas e exames, por exemplo. De acordo com as caixas de coleta espalhadas na sede da Caixa, 346 registros indicam a excelência no atendimento, estando divididos em itens como cortesia, receptividade, presteza, qualidade, ambiente e atendimento ao telefone. Ainda dentro desses quesitos, 373 registros indicam um bom atendimento, outros 130 acham o atendimento apenas regular, além de 99 considerar o atendimento ruim e 96 muito ruim. Mesmo com boa avaliação, “a Caixa está trabalhando incessantemente para melhorar os serviços prestados e com isso diminuir, ainda mais, o número de reclamações por parte de seus beneficiários”, enfatizou a ouvidora Cecília. Como utilizar a Ouvidoria - Para deixar sua crítica ou sugestão, basta: Ligar no número 67 3314-1080 ou entrar em contato através do e-mail ouvidoria@CASSEMS.com.br

22

R E V I S TA D A C A S S E M S ▪ J U N H O ▪ 2 0 0 9

Canal FALE CONOSCO no site ou Caixa de sugestão nos hospitais e ambulatórios. Mais informações sobre os serviços CASSEMS: www.CASSEMS.com.br


R E V I S TA D A C A S S E M S ▪ J U N H O ▪ 2 0 0 9

23


24

R E V I S TA D A C A S S E M S ▪ J U N H O ▪ 2 0 0 9


R E V I S TA D A C A S S E M S ▪ J U N H O ▪ 2 0 0 9

25


O B E S I D A D E

Obesidade: questão de saúde pública A obesidade já é vista como uma epidemia mundial

A

obesidade afeta mais de 300 milhões de pessoas no mundo. Acomete todas as faixas etárias e tem aumentado significativamente nos últimos anos. É uma doença complexa, que não apresenta uma única causa ou cura e é influenciada por muitos outros fatores como histórico familiar, o tipo de trabalho que o indivíduo realiza, a raça e o ambiente. De acordo com dados de um estudo realizado por pesquisadores das universidades de Brasília (UNB) e de São Paulo (USP), o número de obesos mórbidos cresceu, no Brasil, 255% nas últimas três décadas, afetando em torno de 600 mil brasileiros com mais de 20 anos em 2003. A pesquisa identificou ainda que o problema atinge mais as mulheres que os homens. Os pesquisadores dizem que os resultados são preocupantes e que a tendência é que o índice aumente ainda mais nos próximos anos.

26

O que é ser obeso? É ter uma doença crônica ocasionada por um excesso de gordura corpórea. A obesidade é identificada quando há um desequilíbrio energético, ou seja, a energia ingerida (a quantidade de calorias que você come) é maior do que a energia despedida (número de calorias usadas pelo seu metabolismo, durante atividade física e na formação de calor) por um longo período de tempo. De acordo com as tabelas da Metropolitan Insurance Life Company (Nova Iorque, EUA), uma pessoa é considerada obesa quando seu peso for no mínimo 20% maior do que o considerado ideal para sua altura. Embora a sociedade constantemente discrimine a pessoa obesa, como se ela fosse a única responsável por seu estado físico, muitas vezes o obeso nada mais é do que vítima de uma série de fatores orgânicos, ambientais e psicossociais que têm implicações fortes para o controle da doença. (Fonte: Emagrecentro) O que leva uma pessoa a se tornar obesa? - “Em primeiro lugar, os maus hábitos alimentares”, explica a nutricionista Lílian Herrera. Aliada à falta da atividade física. Existem, ainda, os fatores ambientais, sociais, hereditários e em menor grau os fatores orgânicos. O método de emagracimento mais aconselhável e o único que realmente funciona é a reeducação alimentar. Os piores são as privações radicais (anorexia), vômitos (bulimia), os medicamentos e as dietas da moda, por exemplo. Pense bem: se mudar radicalmente sua alimentação, diminuindo drasticamente a quantidade e a variedade dos alimentos, você vai emagrecer, mas este não será o seu ritmo nem seu estilo de vida. No momento em que voltar a comer normalmente, voltará a engordar e, não raro, ganhará mais peso do que o perdido anteriormente. R E V I S TA D A C A S S E M S ▪ J U N H O ▪ 2 0 0 9


R E V I S TA D A C A S S E M S ▪ J U N H O ▪ 2 0 0 9

27


O B E S I D A D E Risco de doenças Conforme informações do Portal Minha Vida – Saúde, Alimentação e BemEstar, se você está obeso e a gordura se concentra ao redor do estômago, terá mais chances de desenvolver diabetes do tipo 2, pressão alta, colesterol e triglicérides altos, doenças coronarianas, derrame e apnéia, entre outras, do que pessoas magras ou com gordura localizada no quadril. Com a perda de peso, o risco cai. Obesidade x Infância Conforme informações do Portal Terra, estudo recente realizado pela Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia revelou que 15% das crianças brasileiras são obesas. De acordo com o Professor Livre Docente de Pediatria da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, especialista em Nutrição Enteral Parenteral pela Sociedade Brasileira de Nutrição Parenteral Enteral (SBNPE) e presidente do Departamento de Suporte Nutricional da Sociedade de Pediatria de São Paulo (SPSP), Rubens Feferbaum, em seus quase 30 anos de prática pediátrica foi constatado que a criança obesa passou a ser motivo frequente de consulta ao pediatra e, muitas vezes, ao endocrinologista. “A criança obesa é motivo de preocupação dos familiares e, no caso dos adolescentes, ocasiona apreensão pela imagem corporal negativa que o indivíduo tem de si: os paradigmas da beleza não admitem sobrepeso e muito menos obesidade”, aponta. Ainda segundo o especialista, diversos estudos apontam para o risco de doenças ligadas à obesidade infantil que podem se manifestar na fase adulta, tais como coronariopatias, hipertensão arterial, diabetes tipo 2, entre outras. O tratamento da obesidade infantil não é uma tarefa fácil. “Os maus hábitos alimentares, adquiridos pela criança dos adultos com quem convive, é ponto central na abordagem terapêutica. Por este motivo a prática demonstra que a

28

R E V I S TA D A C A S S E M S ▪ J U N H O ▪ 2 0 0 9

atuação conjunta do médico e do nutricionista é fundamental nestes casos”, ressalta Rubens. Postura dos pais A nutricionista Lilian Herrera adverte que quem decide quais alimentos entram em casa são os pais. Partindo desse princípio, é importante os pais lembrarem que o exemplo é maior que a palavra e procurarem manter hábitos alimentares saudáveis. “É preciso procurar fazer durante a semana uma alimentação equilibrada, colorida, rica em verduras e frutas para que, quando chegar o final de semana, a criança possa sabo-

rear algum lanche e refrigerante sem culpa. “Não é necessário que isso vire regra. Temos que pensar que os alimentos mais calóricos quando são ingeridos eventualmente não se tornam um problema. O problema acontece quando os alimentos saudáveis são eventuais”, adverte a nutricionista. “É bom porque às vezes nós não temos tempo de fazer os exames de rotina. Com o Viva-Saúde, nós somos obrigados a fazer. É um programa de extrema importância, que eu não quero perder nunca! Eu admito não ter cumprido com todos os meus deveres. Com certeza era pra eu obter melhores resultados”, diz Elisir Ferreira Lino (50) – Detran

Viva Saúde promove novos hábitos entre os servidores estaduais A CASSEMS iniciou em 30 de agosto de 2007 o Viva Saúde – Programa de Medicina Preventiva CASSEMS, com o foco na prevenção e promoção à saúde. O objetivo do programa é melhorar a qualidade de vida e bem-estar dos beneficiários que, levando uma vida mais saudável e equilibrada, estarão menos propensos a desenvolverem doenças crônicas e fatores de risco. De acordo com o Diretor de Assistência à Saúde da Caixa, Ricardo Ayache, “com o Viva Saúde buscamos oferecer programas de ações preventivas, que implicarão na mudança e organização de um novo modelo de atenção à saúde do servidor público”. Primeiramente implantado em Campo Grande, o Viva Saúde realiza seus trabalhos, desde então, com grupos das esferas legislativa, executiva e judiciária do Estado, promovendo palestras educativas, acompanhamento e ensino de pequenas ações preventivas e atividades físicas. Em maio de 2008 foi realizado o I Encontro do Programa Viva Saúde – Cuidados do Coração no anfiteatro da Moderna Associação Campo-grandense de Ensino (MACE). O presidente da

Caixa, Lauro Sérgio Davi, abriu o Encontro explanando sobre os projetos que a gestão pretende concretizar até 2010, como tornar a Regional Campo Grande, na Abrão Júlio Rahe, em um Centro de Diagnósticos ou de Fisioterapia, disponibilizando serviços de qualidade como ultrassom e raios-X, no primeiro caso, ou fisioterapia, hidroginástica e academia, no segundo. Outro projeto é criar um spa com o objetivo de proporcionar conforto e bem-estar a quem sair de licença médica. “São programas modestos e possíveis para garantir a qualidade de vida a nossos beneficiários”, afirma o presidente. Mais informações sobre o Viva Saúde: 67 3352-8024


R E V I S TA D A C A S S E M S ▪ J U N H O ▪ 2 0 0 9

29


A T E N D I M E N T O

CASSEMS trabalha para facilitar a vida dos beneficiários Caixa amplia serviço de autorização de consultas e exames via internet e busca maior comodidade para usuários

O

beneficiário CASSEMS já pode contar com maior agilidade e transparência nas autorizações de consultas e exames. A Caixa desenvolveu um sistema próprio online chamado e-autorizador, visando estabelecer uma solução atualizada e em tempo real para autorização de procedimentos e estreitamento de relacionamento com prestadores e beneficiários, trazendo mais facilidades para os nossos usuários que, por muitas vezes, precisavam se deslocar até a Caixa e enfrentar filas para autorizar determinados procedimentos. O procedimento de autorizações via internet não é novidade, mas com o e-autorizador os mesmos procedimentos que anteriormente ainda necessitavam da visita do beneficiário à CASSEMS para autorização do Auditor Médico, agora são autorizados diretamente no credenciado. Ao todo, o sistema já conta com 732 credenciados que possuem o e-autorizador instalados em seus consultórios ou clínicas, mas futuramente esse número pode aumentar. Além de consultas e exames, em breve o sistema contemplará também os tratamentos seriados, internações e procedimentos cirúrgicos, que por enquanto permanece com as autorizações sendo realizadas nas Unidades de Atendimentos da Caixa. Segundo a assessora de assistência à saúde, Tatiane Alves de Andrade, responsável pelos treinamentos à rede credenciada, “o principal objetivo do e-autorizador é a qualidade do atendimento prestado aos beneficiários da CASSEMS devido à

30

R E V I S TA D A C A S S E M S ▪ J U N H O ▪ 2 0 0 9

comodidade oferecida por um sistema ágil e confiável, diminuindo, com isto, as filas de autorizações enfrentadas pelos pacientes”. Além de facilitar a vida do beneficiário, o programa ainda possibilita a troca de informações entre a CASSEMS e a rede credenciada, padrão exigido pela

Agência Nacional de Saúde SuplementarANS para a TISS (Troca de Informações em Saúde Suplementar). Os credenciados de todas as Regionais do Estado estão aptos a fornecer este tipo de atendimento. Para mais informações basta ligar no número 67 3314-1058.


R E V I S TA D A C A S S E M S ▪ J U N H O ▪ 2 0 0 9

31


32

R E V I S TA D A C A S S E M S ▪ J U N H O ▪ 2 0 0 9


R E V I S TA D A C A S S E M S ▪ J U N H O ▪ 2 0 0 9

33


C A M PA N H A

Parto Normal Deixe a vida acontecer naturalmente

Campanha visa conscientizar população sobre o parto normal; somos campeões mundial de cesarianas A Caixa de Assistência dos Servidores do Estado de Mato Grosso do Sul – CASSEMS, representada por sua diretora jurídica, Flávia Cristina Robert Proença e atendendo à convocação da Agência Nacional de Saúde Suplementar, participou do Encontro ANS 2008, que aconteceu nos dias 6 e 7 de maio, em Brasília. O evento teve como principal objetivo o lançamento da campanha nacional de estímulo ao parto normal e redução das cesáreas desnecessárias, cuja palestra foi ministrada por José Gomes Temporão, ministro da saúde. Também participou do evento o diretor-presidente da ANS, Fausto Pereira dos Santos, entre outros nomes da saúde no país. A campanha, intitulada “Parto Normal – Deixe a vida acontecer naturalmente”, de acordo com o diretor do departamento de ações estratégicas do Ministério da Saúde, Adson França, teve como objetivo diminuir os altos índices de partos cesáreos desnecessários no Brasil, derrubando mitos e informando sobre os riscos aos médicos, gestantes e sociedade em geral. Segundo o ministro da Saúde, para que esses números, que na saúde suplementar giram em torno de 80% e na saúde pública chegam a 26%, diminuam, é necessária uma intervenção política com a participação de todos os agentes do setor. O índice de partos cesarianas na CASSEMS, de acordo com Flávia Proença, é de aproximadamente 91%. Conscientização O parto normal é muito importante e precisa ter suas vantagens mais divulgadas, pois, conforme o ministro da saúde José Gomes Temporão, o Brasil vive uma epidemia de cesarianas. “Nós sabemos que o parto cesárea não indicado adequadamente pode gerar sérios problemas de saúde ao bebê e à mãe, além de atrasar e interferir no processo de aleitamento materno, que é fundamental para a saúde

34

R E V I S TA D A C A S S E M S ▪ J U N H O ▪ 2 0 0 9

do bebê”, afirmou o ministro durante o Encontro ANS. O médico e também diretor do departamento de ações estratégicas do Ministério da Saúde, Adson França, reforça o alerta: “a cesariana tem indicações técnico científicas, se constitui em avanço da ciência para as situações de risco para a mãe e/ou bebê, mas tem sido comum a cirurgia ser marcada desnecessariamente, sem uma indicação precisa, o que aumenta as chances de complicações e morte para ambos”. Malefícios da cesariana De acordo com dados do Ministério da Saúde, a alta prevalência das cesáreas leva a uma série de prejuízos para o bebê, para a mãe e para a gestão dos serviços de saúde. Estudos demonstram que fetos nascidos entre 36 e 38 semanas, antes do período normal de gestação (40 semanas) tem 120 vezes mais chances de desenvolver problemas respiratórios agudos e, em consequência, acabam precisando de internação em unidades de cuidados intermediários ou mesmo UTI Neonatal. Além disso, no parto cirúrgico há uma separação abrupta e precoce entre mãe e filho, num momento primordial para o estabelecimento de vínculo, o que não acontece no parto normal. Para as mães, o parto cirúrgico apresenta mais chances de hemorragia, infecção no pós-parto e uma recuperação mais difícil, além de determinar custos mais elevados e desnecessários para a saúde pública e privada. “Por essas e outras razões, queremos incentivar as mulheres a reivindicar o direito de dar à luz por meio do parto normal, com autonomia, humanização no seu acompanhamento e segurança”, afirma Adson França. O Ministério da Saúde também esclarece que cesáreas anteriores, gestação de gêmeos e fetos grandes não determinam, por si só, a indicação do parto cirúrgico.


R E V I S TA D A C A S S E M S ▪ J U N H O ▪ 2 0 0 9

35


C O N T Á G I O

Previna-se contra a Leishmaniose Veja aqui como evitar o contágio desta doença transmitida pelo mosquito palha A leishmaniose é uma doença infecto-contagiosa causada por um protozoário (Leishmania), que pode ser classificada como zoonose pelo fato de ser transmissível do animal ao homem e vice-versa. São várias as espécies deste grupo capazes de causar a doença, mas todas têm em comum o fato de necessitarem, para se reproduzir e atingir a forma adulta, de um hospedeiro invertebrado, obrigatoriamente um mosquito que, no Brasil, é chamado, dentre outros nomes, de mosquito-palha. O mosquito tem hábitos noturnos e, ao sugar o sangue da vítima, transmite para o novo hospedeiro, animal ou homem, a doença, que assume duas formas distintas: leishmaniose cutânea ou tegumentar e leishmaniose visceral. A doença já se tornou uma preocupação da saúde pública, pois a incidência está aumentando rapidamente em centros urbanos e, diferentemente da dengue, que possui ciclos de reprodução, a leishmaniose faz vítimas durante todo o ano. Formas da Doença Leishmaniose Tegumentar – Leishmaniose Tegumentar Americana (LTA) é uma doença infecciosa, não contagiosa, causada por protozoários do gênero Leishmania, que acomete pele e mucosas. É primariamente uma infecção zoonótica, afetando outros animais que não o homem, o qual pode ser envolvido secundariamente. De acordo com o Ministério da Saúde não há transmissão de pessoa a pessoa. O modo de transmissão habitual é através da picada de insetos que pode pertencer a várias espécies de flebotomíneos. O período de incubação da doença no homem é, em média, de 2 meses, podendo apresentar períodos mais curtos (duas semanas) e mais longos (2 anos). Na apresentação cutânea da LTA as lesões de pele podem caracterizar a forma localizada (única ou múltipla), a forma disseminada (lesões muito numerosas em várias áreas do corpo) e a forma difusa. Na maioria das vezes a doença apresenta-se como uma lesão ulcerada única. Leishmaniose Visceral – É uma doença crônica, sistêmica, caracterizada por febre de longa duração, perda de peso e anemia, dentre outras manifestações. Causada por um protozoário do gênero Leishmania e transmitida pelo inseto flebotomíneo, a doença afeta vários animais, além do homem. No Brasil, os reservatórios mais importantes são o cão e a raposa, que agem como mantenedores do ciclo da doença. A doença no cão pode se apresentar com animais aparentemente saudáveis, até cães com doença em estágios avançados. Os sinais clínicos mais comuns da leishmaniose visceral canina são: perda de pelos, febre prolongada, emagrecimento, ulcerações rasas em orelhas, articulações, focinho e cauda. Dados do Ministério da Saúde revelam que, quando não tratada, a leishmaniose visceral pode evoluir para óbito em mais de 90% dos casos. O mosquito transmissor vive, preferencialmente, ao nível do solo, próximo à vegetação em raízes e/ou troncos de árvores, podendo ser encontrado em tocas de animais. O transmissor gosta de lugares úmidos e com pouca luz, sem vento e que

36

R E V I S TA D A C A S S E M S ▪ J U N H O ▪ 2 0 0 9

tenham alimento por perto. As fêmeas precisam ingerir sangue para o desenvolvimento dos ovos e costumam picar a partir do pôr-do-sol até a madrugada Tratamento O tratamento humano é feito com medicamentos específicos e pode durar meses. No caso dos cães não há um tratamento eficaz. Em algumas situações, drogas humanas são utilizadas, porém nos cães esse tratamento é mais difícil e arriscado, pois a leishmaniose mostra-se mais resistente neste animal. Combate Deve-se combater o mosquito hospedeiro, como forma mais eficiente, o que necessita de esclarecimento e orientação à população para que seja feito o uso adequado de inseticidas em residências e criatórios. Deve-se, também, investigar os animais suspeitos que apresentem lesões na pele e enviar material ao laboratório ou Centro de Controle de Zoonoses para a realização de diagnóstico diferencial entre a leishmaniose e as neoplasias, micoses profundas e sarna. O uso de repelentes nos animais também é recomendado. Pontos a considerar • Um cão só infecta novos mosquitos (e estes por sua vez infectarão novos cães) se estiver na fase ativa e visível da doença, ou seja, na fase terminal, com chagas na pele, as quais estão infectadas com leishmanias. • O cão tratado com medicamentos é portador, mas não é infectante para os mosquitos! Pode ter uma vida normal sem qualquer sintoma e sem infectar novos mosquitos. •A doença em humanos é controlável e muito menos perigosa do que nos cães. As pessoas que desenvolvem as formas mais severas de leishmaniose visceral são normalmente crianças ou pessoas imunodeprimidas, mas mesmo nestas existe cura. • Os cães estão menos protegidos contra a leishmania, daí que os sintomas sejam muito graves acabando sempre por sucumbir à doença mais tarde ou mais cedo. • Os grandes disseminadores da leishmania acabam por ser os animais selvagens, os roedores e muitos dos animais abandonados, pois estes não estão sujeitos a tratamento como os nossos cães e estão completamente à mercê dos mosquitos. • Até agora, a única forma de nos defendermos deste mosquito é evitar passeá-los em áreas sujas e contendo matéria orgânica em decomposição. Usar coleiras repelentes de mosquitos e pulverizar a área dos canis. Aplicar redes mosquiteiras nas janelas.


R E V I S TA D A C A S S E M S ▪ J U N H O ▪ 2 0 0 9

37


E N T R E V I S T A

Aprimore seus conhecimentos sobre Gastroenterologia Sabemos que a gastroenterologia é a área da medicina que estuda e trata o aparelho digestivo. Mas, afinal, quais são as doenças diagnosticadas por esta especialidade? Quais os procedimentos para tratamento das doenças? O que você precisa fazer para não visitar o médico gastroenterologista tão cedo? Nesta entrevista com a Drª Ágatha Christie Molinari, especializada nesta área, ela esclarece algumas das principais dúvidas em relação a essa temática. Segue a entrevista: CASSEMS: Como sabemos, a Gastroenterologia estuda e trata o aparelho digestivo. Mas, afinal, quais são os órgãos que compõem este aparelho e são estudados por esta especialidade? Drª Ágatha: O aparelho digestivo é bastante complexo, iniciando-se na boca e passando pelo esôfago, que conduz os alimentos ao estômago. Depois, este bolo alimentar passa para o intestino delgado, quando recebe uma série de substâncias produzidas nas glândulas, fígado e pâncreas para realizar a digestão, e segue para o intestino grosso, terminando no ânus. Todos estes órgãos e suas peculiaridades pertencem ao aparelho digestivo, hoje denominado de Sistema Digestório pela nova nomenclatura. CASSEMS: Quais são as doenças mais comuns do aparelho digestivo? Drª Ágatha: As doenças que acometem este aparelho são muito frequentes e são várias, como aftas, halitose, esofagite, gastrite, úlceras, apendicite, constipação intestinal, diarreia, hemorroidas, verminoses, hepatites, litíase vesicular (as famosas “pedras na vesícula”), cirrose hepática e pancreatite. Fora estas, ainda existem outras tão importantes, mas menos comuns, como doenças inflamatórias intestinais, tumores, diverticulite, entre outras. CASSEMS: A genética influencia em alguma das doenças no aparelho digestivo? Drª Ágatha: Sim. Está comprovado

38

R E V I S TA D A C A S S E M S ▪ J U N H O ▪ 2 0 0 9

que a genética tem influência. Em alguns tipos de câncer gástrico e intestinal, além de determinados déficits como os de lactase e galactase, bem como na mucoviscidose ou nas doenças inflamatórias intestinais como Crohn, estes são alguns exemplos de influência genética. CASSEMS: O que é endoscopia? Como ela é realizada? Qual sua utilidade? Drª Ágatha: A endoscopia é um método diagnóstico simples, rápido, seguro, pouco invasivo e de fácil execução, que tem como objetivo visualizar a mucosa de órgãos como esôfago, estômago e duodeno, no caso da Endoscopia Digestiva Alta. Os exames são realizados com um jejum prévio. É aplicado um anestésico tópico na garganta e, então, administramos um sedativo endovenoso, que provoca uma sonolência durante o exame, permitindo um exame bastante confortável. Também existe a Colonoscopia, um exame que visualiza todo o intestino grosso, incluindo a porção final do intestino delgado. É feito um preparo intestinal anterior ao exame e, normalmente, um médico anestesista faz a sedação do exame, permitindo que este seja indolor e confortável. A endoscopia não só realiza o diagnóstico de várias patologias, como também permite a coleta de material para biópsias e faz alguns procedimentos terapêuticos, como retirada de corpos estranhos (moeda, espinha de peixe, medalhas, etc), retirada de pólipos (pequenas verrugas), dilatações, esclerose ou ligadura elástica de varizes esofági-

cas, passagem de sondas, gastrostomia, entre outros. CASSEMS: E quanto aos métodos diagnósticos da motilidade digestiva? Drª Ágatha: Bem, os métodos diagnósticos para avaliar a motilidade esofágica consistem em exames como a Eletromanometria e a pHmetria, que são utilizadas para realizar o diagnóstico e nortear o tratamento de várias doenças, principalmente àquelas relacionadas ao refluxo gastro-esofágico. A Manometria é indicada para o estudo da motilidade (ondas de contração para a propulsão do alimento) do esôfago - diagnosticando os distúrbios nesse órgão causados por doenças, como em determinadas doenças reumáticas ou na doença de Chagas, além de ser um exame utilizado no pré-operatório dos indivíduos que são candidatos à cirurgia de correção da doença do refluxo gastro-esofágico. Neste procedimento, é introduzida uma sonda pelo nariz (que tem a narina previamente anestesiada) que permanecerá no esôfago por aproximadamente 20 minutos. O exame, além de não causar dor alguma, não interfere na respiração do paciente. Já a pHmetria é realizada para o estudo de doenças relacionadas ao refluxo de ácido do estômago para o esôfago, sendo também um exame pré-operatório essencial para o diagnóstico correto e melhor indicação ou não da cirurgia de correção da doença do refluxo. Atualmente, a realização da pHmetria é de fundamental importância, pois são evitados vários procedimentos desnecessários, além de ser considerada “padrão ouro” para o diagnóstico e seguimento


Drª Ágatha Christie Molinari, especializada em gastroenterologia pós-operatório desses pacientes. Na pHmetria é introduzida uma sonda bem fina, de aproximadamente 2mm, pelo nariz até o estômago. A narina, assim como na manometria, é anestesiada previamente. Na pHmetria, a sonda permanece no esôfago do paciente de 20 a 24 horas, sendo que sua extremidade externa fica visível. O exame também não causa dor ao paciente e tem como objetivo analisar a quantidade de ácido que reflui do estômago para o esôfago. CASSEMS: O que é gastrite e quais são seus sintomas? Drª Ágatha: A gastrite é uma inflamação na mucosa do estômago e pode causar desconforto como dor (normalmente como queimação), azia e lentificação na digestão. Algumas gastrites melhoram ou pioram após a ingestão de alimentos, principalmente dependendo do tipo de alimento. O diagnóstico é realizado através da

endoscopia. Já o tratamento consiste no uso de medicações que diminuem a secreção ácida gástrica. Também é sugerido que sejam evitados alimentos ácidos e que contenham cafeína. Pode ainda estar associada a uma bactéria chamada “Helicobacter pylori”, hoje considerada um dos maiores vilões do aparelho digestivo e cujo diagnóstico é feito pela endoscopia. CASSEMS: Existe algum exame que possa prevenir o câncer no aparelho digestivo? Drª Ágatha: Sim. Atualmente recomenda-se que pessoas com idade superior a 50 anos, fumantes ou etilistas, bem como orientais ou indivíduos que ingiram frequentemente gengibre e temperos “quentes” da culinária japonesa, ou ainda que tenham passado de úlceras ou antecedentes familiares de câncer do aparelho digestivo realizem uma vez por ano consulta com um gastroenterologista

que poderá vir a solicitar a endoscopia digestiva alta ou a colonoscopia para esclarecer eventuais dúvidas. A visita deve ser abreviada caso apareçam alguns sintomas antes disso, como sangramentos, dores, emagrecimento, anemia, fraqueza, alterações da consistência das fezes, sua coloração ou seu calibre (ficar mais “fina”). CASSEMS: Quais são as dicas mais importantes para a prevenção de doenças? Drª Ágatha: As dicas são: possuir uma alimentação saudável com uma dieta rica em fibras vegetais; tomar bastante água; comer frutas; não pular os horários de alimentação, que são o café-da-manhã, lanche, almoço, lanche, jantar e ceia; mastigar bem os alimentos, comendo pausadamente; evitar cigarro e bebidas alcoólicas em excesso; praticar atividades físicas regularmente e, principalmente, ser feliz, cultivando a calma, a paz e a serenidade.

R E V I S TA D A C A S S E M S ▪ J U N H O ▪ 2 0 0 9

39


R E G I O N A L

Inaugurado hospital da CASSEMS em Paranaíba Inaugurado no dia 06 de Março, este é o quinto hospital da Rede Própria e promete atender não só à cidade de Paranaíba, mas a toda região do bolsão

O

investimento inicial para a reforma do prédio e a compra de materiais que serão utilizados no Hospital da CASSEMS em Paranaíba foi de R$ 1,5 milhões e o hospital possui salas cirúrgicas, pronto-atendimento, consultórios e 27 leitos, além de equipamentos para diversos tipo de exames que poderão ser feitos no próprio hospital, tais como raio-x, tomografia computadorizada, ultrassonografia, entre outros. Lauro Sérgio Davi, presidente da Caixa, disse aos que assistiam ao seu discurso estar orgulhoso de mais essa inauguração. “Este hospital representa o comprometimento com nossos beneficiários, com a qualidade no atendimento e a preocupação em sempre oferecer o melhor”, declarou o presidente. O diretor de assistência à saúde da Caixa, Ricardo Ayache, disse a todos que a CASSEMS dará, em relação ao mais novo hospital, passos grandes no que diz respeito a melhorias, mas, como tem sido, “tudo no seu tempo”, enfatizou o diretor. Rede Própria A Rede Própria é uma das conquistas da CASSEMS, que leva ao beneficiário garantia em seu atendimento, além de excelente qualidade nos serviços oferecidos. A aquisição dos hospitais representa economia de recursos que é reinvestida na Caixa, para que seus beneficiários tenham acesso cada vez melhor à saúde de qualidade. Unidade Dourados Foi o primeiro hospital adquirido pela Caixa, no dia 1º de setembro de 2004. A Unidade Dourados, referência em cardiologia, atende a todas especialidades

40

R E V I S TA D A C A S S E M S ▪ J U N H O ▪ 2 0 0 9

médicas e passa por reforma atualmente. As obras de ampliação da Unidade Hospitalar do município de Dourados aumentam a capacidade do hospital de 40 para 70 leitos. Os leitos da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) passarão de quatro para 10. Dois leitos de Unidade Coronariana serão criados, além de um pronto-socorro moderno e uma Unidade Cardiológica de Urgência. Unidade Nova Andradina O hospital é o segundo da Rede Própria e foi assumido no dia 14 de julho de 2006. Nova Andradina tem conseguido atrair novas especialidades, antes inexistentes no município. A parceria existente entre a Unidade Hospitalar de Nova Andradina e a Prefeitura Municipal tem facilitado a chegada dos profissionais ao município. O hospital realiza, além de plantão diário, internações clínicas e cirúrgicas, exames laboratoriais,

raio-x, mamografia, entre outros. Unidade Ponta Porã O terceiro hospital da Rede foi inicialmente projetado para atender baixa complexidade, mas já atende casos de média complexidade. Com a aquisição do hospital, os problemas com atendimento de urgência e emergência das pessoas residentes na fronteira foram prontamente sanados. Unidade Aquidauana Penúltimo hospital a ser adquirido pela Rede Própria, foi inaugurado no dia 29 de fevereiro de 2008. É, atualmente, a mais moderna estrutura hospitalar em operação da Rede Própria CASSEMS. A área de 2.638m² foi adquirida devido à preocupação com os beneficiários daquela região, que tinham que se deslocar até Campo Grande para receberem um atendimento de qualidade.


R E V I S TA D A C A S S E M S ▪ J U N H O ▪ 2 0 0 9

41


42

R E V I S TA D A C A S S E M S ▪ J U N H O ▪ 2 0 0 9


R E V I S TA D A C A S S E M S ▪ J U N H O ▪ 2 0 0 9

43


C A S S E M S

POR DENTRO DA CASSEMS REGIONAL AQUIDAUANA Em Bodoquena a sede da CASSEMS mudou para a Avenida Manoel Rodrigues de Oliveira, 702 - Centro. Fone: 67 3268-1581. ■ O Ambulatório Odontológico está funcionando plenamente com uma nova dentista credenciada: Keli Cristina Leidens na Rua Manoel Antônio Paes de Barros, 540 – Centro. Tel.: 67 3241-2469. Já a nutricionista do Programa de Nutrição CASSEMS está realizando atendimentos no Hospital CASSEMS de Aquidauana na Rua José Bonifácio, 115. Tel.: 67 3241-7429 REGIONAL CAMPO GRANDE A Regional é a sede do Benefício Medicamento e está preparada para enviar remédios a todas as cidades que possuem unidades CASSEMS sem custo adicional de frete ou taxa de envio. Os descontos fornecidos pela farmácia vão de 11% a 50%, sendo o pagamento facilitado através do Cartão de Benefícios, ou cheque (a vista ou pré), ou cartão de crédito Visa. O Benefício Medicamento CASSEMS tem convênios com Farmácia de Manipulação. ■ Também se encontra nesta Regional a Psicologia. Para ter acesso ao tratamento psicológico é necessário passar pela entrevista de encaminhamento no Setor de Psicologia, que fica na Rua Abrão Júlio Rahe, 97 - Centro. Realizadas com hora marcada, seu agendamento pode ser feito pelo tel.: 67 3314-2559. ■ Desde o dia 01/06/2008, as autorizações das sessões de psicoterapia já podem ser solicitadas no próprio consultório do psicólogo através do Eautorizador. A CASSEMS oferece Tratamento Psicológico em Psicoterapia Breve em situações de Crise e os beneficiários têm por direito realizar até 24 (vinte e quatro) sessões por ano no tratamento. ■ Também está disponível, o Programa de Nutrição CASSEMS. Para participar, é necessário encaminhamento médico. REGIONAL CORUMBÁ A nutricionista Laura Maria Vinagre Coelho está atendendo no Ambulatório da CASSEMS às quartas, quintas e sextas em turno integral (manhã e tarde). É preciso lembrar que o Cartão de Benefícios CASSEMS está disponível na Regional localizada na Rua Luís Feitosa Rodrigues, 886 - Centro. Fone: 67 3231-2385.

44

REGIONAL COXIM Beneficiário terá preferência em hospital A CASSEMS firmou um acordo com o Hospital Sociedade Beneficente de Coxim, no qual o beneficiário poderá ocupar meio apartamento sem nenhum custo adicional, mesmo possuindo o plano básico da Caixa. Além disso, o atendimento no Pronto Socorro local também será preferencial para o beneficiário CASSEMS. Essas novidades visam melhorar a qualidade de atendimento na Região de Coxim. O Hospital fica na Rua Virginia Pereira, 240. Fone: 67 3291-3580 ■ Também está disponível o Programa de Nutrição CASSEMS à Rua General Mendes de Moraes, s/nº. Telefone: 67 3291-3853. Para participar é necessário encaminhamento médico. REGIONAL DOURADOS Recebe solenidade de lançamento do Programa de Nutrição e ganha nova gerente regional Foi lançado oficialmente o Programa de Nutrição CASSEMS com o objetivo de melhorar a qualidade de vida e bem-estar dos beneficiários. As Unidades Regionais CASSEMS contam com nutricionistas para fazerem o atendimento aos beneficiários da Caixa. Para ter atendimento, o beneficiário precisa ter o encaminhamento médico para a primeira consulta. Nesta Regional, o atendimento é na Av. Mato Grosso, 1470 - Jd. SantoAndré.Tel.:673411-7530. ■ A Regional CASSEMS de Dourados tem nova gerente. Vera Lima foi nomeada pelo presidente da Caixa para ser a nova gerente regional. Vera tem como meta estreitar os laços entre os beneficiários e a CASSEMS, conforme foi dito pelo presidente Lauro Davi. “A Vera vai desempenhar bem suas funções nesse novo desafio em sua vida”, enfatizou Lauro Davi. REGIONAL NAVIRAÍ A CASSEMS inaugurou, em 27 de março, um gabinete odontológico em Sete Quedas. O gabinete fica na Rua Monteiro Lobato, 446 - Centro. O telefone para contato é o 67 3479-2221. E o horário de atendimento é das 8h às 17h. ■ Foi inaugurado em agosto de 2007, em Paranhos, a Unidade Local CASSEMS, na Rua Dr. João Ponci de Arruda, 2130. ■ Também está disponível o Programa de Nutrição CASSEMS na Av. Dourados, 569 - Centro. Tel.: 67 3461-5153. Para participar é necessário encaminhamento médico.

R E V I S TA D A C A S S E M S ▪ J U N H O ▪ 2 0 0 9

REGIONAL NOVA ANDRADINA A nutricionista do Programa de Nutrição CASSEMS está realizando atendimentos no Hospital CASSEMS de Nova Andradina na Rua Walter Hubacher, 748. Telefone: 67 3441-2444. É necessário encaminhamento médico. REGIONAL PARANAÍBA O Convênio de Reciprocidade com a CABESP voltou a funcionar depois da reformulação das regras. ■ Também está disponível o Programa de Nutrição CASSEMS na Rua Barão do Rio Branco, 1425 - Centro. Tel.: 67 3669-4044. Para participar, é necessário encaminhamento médico. ■ Foi nomeada gerente do Hospital CASSEMS – Unidade Paranaíba Suely Cota de Jesus, que era gerente regional da CASSEMS em Paranaíba. Agora a nova gerente da regional é Soraia Rita Lima. REGIONAL TRÊS LAGOAS Tem ala em hospital preferencial para beneficiários A CASSEMS firmou uma parceria com o Hospital Nossa Senhora Auxiliadora, no qual a Caixa fará a reforma de 12 grandes quartos. Nessa reforma estão previstas a climatização, a criação de uma recepção específica, além das melhorias no atendimento para os beneficiários CASSEMS. O investimento para a reforma é de R$ 400.000.00 e faz parte do acordo entre CASSEMS e o Hospital, que terá validade enquanto houver necessidade de atender a população de Três Lagoas e Região. O Hospital fica na Rua Rosário Congro, 1533. Tel.: 67 3509-3500. ■ Também está disponível o Programa de Nutrição CASSEMS na Rua Elmano Soares, 250 - Centro. Tel.: 67 3521-9046. Para participar é necessário encaminhamento médico. REGIONAL PONTA PORÃ O atendimento do Programa de Nutrição está sendo realizado no Hospital CASSEMS de Ponta Porã na Rua Guia Lopes, 1785. Tel.: 67 3431-4907. REDE CREDENCIADA REGIONAL AQUIDAUANA Foi credenciado o Instituto do Rim e Hipertensão (Nefrologia). REGIONAL CAMPO GRANDE Foi credenciada, em Água Clara, a médica Paula Lidiane de Souza Possete, na especialidade Ginecologia e Obstetrícia.

REGIONAL CORUMBÁ Foram credenciados novos dentistas para atendimento na Regional: Thatiane Mustafá e Marcelo Guedes Colombo, que atendem de segunda à sexta, turno integral (manhã e tarde). REGIONAL DOURADOS Foi credenciado o Hospital SIAS - Sociedade Integrada de Assistência Social - em Fátima do Sul localizada na Rua Tenente Antônio João, 1858 - Centro. Tel.: 67 3467-1161. ■ Além deste, três novos credenciados estão atendendo no Hospital Dourados: Alessandro Pina Pedroso (cardiologista); Gean Marcel Galleti (dermatologista); Karlson Loyola (pneumologista), único de Dourados que atende pela CASSEMS. Todos atendem também no ambulatório da Caixa na Avenida Mato Grosso, 1470 - Centro. Tel.: 67 34117530. REGIONAL NAVIRAÍ Foram credenciados Giancomini Furian (psicóloga); Rúbia Maria Rodrigues da Silva (clínica geral); Rejane Sambrana Trelha (clínica geral); Camila Spessatto Clivatti (nutricionista). Todos atendem com hora marcada no Ambulatório de Naviraí à Avenida Dourados, 569 - Centro. Fone: 67 3461-5153. REGIONAL NOVA ANDRADINA Foi credenciada na cidade de Bataguassu a Irmandade Santa Casa de Misericórdia de Bataguassu na Rua Dias Barroso, 220 - Centro. Fone: 67 3541-1385. REGIONAL JARDIM Para atender os beneficiários, o Laboratório Santa Bárbara tem unidades em Bonito, na Rua Luiz da Costa Leite, 1894 - Centro. Fone: 67 3255-1444 e Jardim, na Rua 1º de Maio, 700 - Centro. REGIONAL TRÊS LAGOAS Foram credenciados Juliana Prado (nutricionista) atendendo na Rua Elmario Soares, 250 - Centro, telefone: 67 3521-1277 e Kleber Ronaldo dos Santos Caetano (angiologia e cirurgia vascular) atendendo na Avenida Dr. Eloy Chaves, 340 - Centro, telefone: 67 3521-8131. Também foi credenciada a Clínica JG Vita Psicomed localizada na Avenida Rosário Congro, 881 Centro. Fone: 67 3521-2013. Exames de Rotina Guarde os seus exames de rotina, pois eles podem ser utilizados em várias consultas. Este cuidado gera economia para o seu bolso! Nas situações abaixo, os seguintes exames podem ser realizados sem autorização prévia na CASSEMS: PSA (Antígeno específico da próstata): Paciente com idade entre 45 e 75 anos, que não tenha realizado o exame no último ano.


C A S S E M S Densitometria Óssea: Paciente com mais de 65 anos de idade, que não tenha realizado o exame nos últimos dois anos. Mamografia: Paciente com mais de 40 anos, que n ão tenha realizado o exame no último ano. Em situações especiais, solicite ao seu médico que justifique a realização do procedimento na guia de solicitação, a fim de que ela possa ser analisada pela Auditoria Médica da CASSEMS. Autorizações de Exames PAAF (Punção por Agulha fina, Guiada por Ultrassom): Trazer os exames de ultrassom anteriores para análise da auditoria. Captura Híbrida: Trazer os resultados da Colposcopia (“preventivo”) para auditoria. Cirurgia (exceto em casos de emergência): Trazer laudo do exame que comprove a necessidade de realização do procedimento pela auditoria. Cirurgia por Vídeo Nos casos de cirurgias realizadas por vídeo, o beneficiário deve participar com uma taxa de R$100,00 (cem reais) r eferente à franquia do equipamento a ser utilizado pelo cirurgião. Cirurgia de faco Devem ser agendadas previamente na CASSEMS. CADASTRO Bebês com até 30 dias podem utilizar o cartão do beneficiário titular. Dentro desses 30 dias é importante que seja efetuado o cadastro do bebê junto à CASSEMS, para que ele possa continuar a receber atendimento pelo plano. Osdocumentosnecessários paraocadastrosão: Carteira de identidade do beneficiário; Cartão da CASSEMS do beneficiário e Certidão de Nascimento do bebê. ■ Informamos que o período para inclusão de agregado e adesão ao plano especial em folha de pagamento é do dia 1° a 5° de cada mês. Inclusão de agregado através de boleto bancário de 1° a 10° de cada mês. Cadastro em Dia Atualize seu cadastro no site da CASSEMS no canal “Atualize seus dados” ou pelo fone 67 3314-1039.

CASSEMS realiza Assembleias e garante unanimidade em votações No último dia 23 de abril, a CASSEMS realizou a VIII Assembleia Geral Ordinária de Prestação de Contas – Exercício 2008 e a III Assembleia Geral Extraordinária, que teve como objetivo colocar em votação propostas para a reformulação do Estatuto da Caixa. Os eventos ocorreram no Centro de Convenções Arquiteto Rubens Gil de Camilo, em Campo Grande, e contou com a presença de aproximadamente 900 servidores públicos, titulares com direito a voto, que vieram de todas as partes do Estado. As votações ocorreram em clima de tranquilidade e tanto as contas como a reforma estatutária da CASSEMS tiveram quase 100% de aprovação por parte de todos os presentes. Entre os pontos mais importantes da votação, estava a proposta de possibilidade de inclusão de cônjuges ou companheiros do mesmo sexo como dependentes do plano, mediante comprovação. Na visão do presidente da Caixa “isso é uma tendência da sociedade e a CASSEMS não pode deixar de atender a essas pessoas”, ressaltou Lauro. Com as contas e a reforma estatutária aprovadas, o presidente da Caixa disse que as principais metas da CASSEMS para 2009 são o término da ampliação do Hospital CASSEMS – Unidade Dourados e o início da implantação do Hospital CASSEMS em Campo Grande.

R E V I S TA D A C A S S E M S ▪ J U N H O ▪ 2 0 0 9

45


46

R E V I S TA D A C A S S E M S ▪ J U N H O ▪ 2 0 0 9


R E V I S TA D A C A S S E M S ▪ J U N H O ▪ 2 0 0 9

47


48

R E V I S TA D A C A S S E M S ▪ J U N H O ▪ 2 0 0 9


R E V I S TA D A C A S S E M S ▪ J U N H O ▪ 2 0 0 9

49


50

R E V I S TA D A C A S S E M S ▪ J U N H O ▪ 2 0 0 9


R E V I S TA D A C A S S E M S ▪ J U N H O ▪ 2 0 0 9

51


52

R E V I S TA D A C A S S E M S ▪ J U N H O ▪ 2 0 0 9


Revista Cassems  

Veículo corporativo coordenado pela Contém Comunicação, criado por Karoline Grubert Bezerra com conteúdos produzidos pelos jornalistas da Ca...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you