Page 1

Respostas de Sérgio Luis Pompéia ao Jornalista Carlos Juliano Barros em 30/11/12. 1) O licenciamento do porto da Cargill em Santarém tem sido objeto de acaloradas discussões e de inúmeras denúncias que se arrastam há mais de uma década. Quando concordou em realizar o EIA RIMA do empreendimento, a CPEA sabia que estava entrando em um verdadeiro vespeiro político. Esse fator foi considerado pela direção da CPEA? O senhor se arrepende de ter assumido a missão de fazer o EIA RIMA? − A CPEA tinha pleno conhecimento da complexidade técnica do assunto e de sua conjuntura, mesmo antes de participar da concorrência para a elaboração do EIA e, por isso, incluiu no trabalho um extenso levantamento comunitário prévio e uma equipe técnica com especialistas em Amazônia. Realizamos um trabalho meticuloso, obedecendo a todos os quesitos metodológicos necessários para a elaboração de um estudo desse tipo, e o conduzimos com total transparência e isenção. Temos absoluta segurança sobre a qualidade dos estudos, os quais foram realizados por uma equipe de especialistas com alta qualificação e conhecimento da região e dos diversos temas abordados. Não há do que se arrepender. 2) Na ação movida pelo MPE-PA, o órgão acusa a CPEA de elaborar o EIA RIMA “em desconformidade com as normas da ABNT” e de ter inserido “informações parcialmente incongruentes, as quais apontam desconformidades entre os textos utilizados como pilares para a construção dos argumentos favoráveis ao Licenciamento Ambiental da empresa Cargill S.A. e os resultados dos próprios autores quanto às suas conclusões”. − Não há desconformidades com as normas da ABNT que possam influenciar qualquer conteúdo dos estudos, nem há informações parcialmente incongruentes. O EIA, como não poderia deixar de ser, apresenta posições de diversos autores e seus respectivos pontos de vista e analisa de forma objetiva os impactos decorrentes da implantação do terminal graneleiro de Santarém, bem como as medidas mitigadoras que visam garantir o controle desses impactos em níveis aceitáveis e dentro dos padrões legais. 2.1. Dentre os dados supostamente distorcidos pela CPEA, por exemplo, encontram-se estatísticas sobre o desmatamento na zona rural de Santarém, que teriam sido modificadas de forma a não correlacioná-las diretamente à instalação do porto da Cargill. Como a CPEA rebate essas críticas? − É necessário dizer que não houve qualquer dado distorcido sobre o desmatamento nas áreas de influência do empreendimento. Todas as informações apresentadas na avaliação de impactos relacionados aos efeitos do terminal sobre o desmatamento foram realizadas por técnico com alta qualificação técnica e experiência em desflorestamento na Amazônia. Todos os dados apresentados foram embasados em imagens de satélite produzidas pelo Instituto de Pesquisas Espaciais – INPE e a metodologia adotada, que é reconhecida no meio técnico-científico, encontra-se descrita no próprio EIA mas não foi percebida pelos técnicos do Ministério Público Estadual do Pará. Respostas de Sérgio Luis Pompéia ao Jornalista Carlos Juliano Barros em 30/11/12.

Página 1


− A suspeição do MPE-PA, que motivou a ação em curso, decorreu de um equívoco na análise do EIA realizada por seus assistentes técnicos quanto à origem de um conjunto de cinco figuras do EIA que demonstravam a evolução do desmatamento na área de influência do empreendimento. A nossa menção da fonte das imagens do INPE, utilizadas como base das figuras produzidas (exatamente como descrito na metodologia apresentada no EIA e não observada pelos técnicos do MPE-PA), foi interpretada como sendo atribuída por nós a um autor renomado que, evidentemente, não tem qualquer relação com as mesmas. Este equívoco dos técnicos do MPE-PA foi exposto de forma precipitada durante a primeira audiência pública em Santarém, sendo que poderia ter sido evitado, sem maiores consequências, se fosse levantado em reuniões realizadas entre nossa equipe e representantes do Ministério Público antes da Audiência Pública ou encaminhada à equipe técnica da SEMA para verificação, como é de praxe nesses casos. − É importante frisar que os EIAs analisam os impactos considerando as medidas adotadas para o seu controle e propondo medidas mitigadoras adicionais se necessário. No caso dos reflexos da implantação do terminal portuário sobre o desmatamento no oeste do Pará, as medidas em vigor para a sua prevenção demonstraram ser muito eficientes e com o devido controle técnico e social. Essas medidas foram estabelecidas no âmbito da Moratória da Soja e no Projeto Soja Responsável da Cargill, sendo este com o monitoramento da TNC, uma respeitada organização internacional dedicada à conservação da natureza. Corrobora com esta visão o fato do órgão ambiental responsável pelo licenciamento do empreendimento, a SEMA-PA, após uma longa e rigorosa análise do EIA, inclusive considerando os pareceres do MPE-PA, ter emitido as licenças para o terminal, o que significa sua aprovação do estudo com todas as suas recomendações. 3) Entidades que trabalham em parceria com movimentos sociais e populações tradicionais também acusam o EIA RIMA de não levar em consideração os problemas sofridos por algumas comunidades do Planalto Santareno descendentes de indígenas e de quilombolas, impactadas diretamente pelo plantio e pelo transporte da soja. Qual é a avaliação da CPEA sobre essa questão? − As áreas indígenas e de quilombolas existentes na área de influência indireta do empreendimento foram todas relacionadas e analisadas dentro do diagnóstico do EIA/RIMA, sendo que nenhuma destas encontra-se dentro da área de influência direta do empreendimento, conforme delimitada. Ressalta-se que todas as propriedades que fornecem soja para a Cargill na região oeste do Pará são monitoradas e não estão em áreas indígenas ou de quilombolas. − Durante a elaboração do EIA tomamos o cuidado de ouvir as entidades locais, independentemente de seu posicionamento, para balizar nossa avaliação de impactos. De forma inédita, incluímos a percepção da comunidade como um item na avaliação de cada impacto considerado no EIA. Esta decisão visava à transparência do estudo e ao respeito ao ponto de vista de cada liderança ou entidade ouvida sobre as consequências da implantação do terminal em Santarém.

Respostas de Sérgio Luis Pompéia ao Jornalista Carlos Juliano Barros em 30/11/12.

Página 2


4) A direção da Cargill chegou a fazer algum tipo de pressão – velada ou explícita – para influenciar na realização do EIA RIMA? − Jamais ocorreu qualquer tipo de pressão por parte da Cargill, o que seria absolutamente ineficaz. A independência de nosso posicionamento técnico em relação aos estudos ambientais produzidos pela nossa equipe é pré-condição em qualquer contratação da CPEA e todos os nossos clientes tem pleno conhecimento deste fato. Com a Cargill não foi diferente. 5) O MPE-PA foi criticado por movimentos sociais e ONGs ambientalistas por ter oferecido a denúncia apenas contra a CPEA, desresponsabilizando a Cargill sobre as supostas fraudes contidas no EIA-RIMA da qual ela seria a beneficiária. No texto da ação, o MPE justifica postura afirmando que, por contrato, a Cargill não poderia ser responsabilizada criminalmente por eventuais “incorreções e/ou negligências da contratada”. O contrato assinado entre a CPEA e a Cargill previa de fato que a CPEA seria a única responsável criminal pelo EIA-RIMA? − É importante frisar que não houve incorreções ou negligências na elaboração do estudo e que todas as informações apresentadas no EIA foram baseadas em dados oficiais e confiáveis, além de checados por nossa equipe em todas as instituições envolvidas. − A contratação de um estudo técnico, como é o caso de EIAs, pressupõe uma equipe multidisciplinar cuja composição deve refletir a responsabilidade técnica sobre cada tema e especialidade, inclusive com a devida anotação de responsabilidade técnica nos respectivos órgãos de classe. Não há, nesses casos, a responsabilidade técnica do contratante. Quanto à ação contra a minha pessoa, deve-se ao fato de eu ser o coordenador geral do estudo, função para a qual me encontro plenamente qualificado na medida em que sou engenheiro agrônomo, com mestrado e doutorado em ciências biológicas e trabalho em avaliação de impactos ambientais desde 1986. − Ressalta-se que a responsabilidade técnica do estudo cabe aos profissionais (pessoas físicas) que o elaboraram dentro de suas respectivas atribuições profissionais. Por fim, cabe informar que as pessoas jurídicas (no caso a CPEA) não podem ser responsabilizadas criminalmente nos termos em que pretende o MPE-PA. 6) Seguindo a linha da pergunta anterior, o senhor tem a impressão de que foi utilizado como uma espécie de “bode expiatório” para limpar a imagem da Cargill? Não é muito cômodo para a Cargill que o ônus e o desgaste decorrentes de um processo criminal sejam transferidos exclusivamente para a CPEA e para o seu diretor? − O trabalho da CPEA foi realizado com isenção e seriedade profissional e está à disposição da sociedade, que pode constatar a lisura e a competência com que foi elaborado. Todos os aspectos abordados no estudo possuem bases técnicas e científicas, fontes fidedignas e são defendidas por toda a equipe de forma transparente em qualquer fórum de discussão ou análise. Lembro que entre os princípios de atuação da CPEA (www.cpeanet.com.br ) e que constam de seu código de conduta assinado por todos os seus colaboradores estão a atuação dentro da ética e da legalidade, o embasamento científico de seus estudos e o comportamento claro e transparente com todos os interlocutores (clientes, órgãos Respostas de Sérgio Luis Pompéia ao Jornalista Carlos Juliano Barros em 30/11/12.

Página 3


ambientais, Ministérios Públicos e demais atores envolvidos e representantes das comunidades). 7) Depois da instalação do processo, como tem sido a relação entre a Cargill e a CPEA? − Continuamos com o mesmo relacionamento do início do trabalho, mantendo o respeito mútuo e o empenho em conduzir todo esse processo de forma correta e ética. 8) Qual é a sua expectativa para o desfecho desse processo na Justiça? − Confio plenamente na Justiça e nas instituições envolvidas e não tenho dúvidas de que o processo se encerrará quando da demonstração em juízo dos equívocos ocorridos na análise técnica produzida pela equipe do MPE-PA.

Gostaria de fazer uma colocação final sobre a minha visão da questão da governança no controle do desmatamento na Amazônia: tenho com grande clareza que a conservação do patrimônio natural da Amazônia é fundamental para o país e para o planeta. A sua ocupação deve ser orientada de forma estratégica para que promova o desenvolvimento da região, com benefícios para sua população e, ao mesmo tempo, garanta a perpetuação de extensas áreas naturais que trarão benefícios ambientais (e também econômicos por seus serviços e produtos) para todos. Paradoxalmente, o projeto do terminal portuário que propiciou uma alternativa de uso do solo em áreas já alteradas no oeste do Pará, e que poderia ser um indutor de desmatamento na região, também resultou na criação de um dos modelos mais eficientes de controle desse desmatamento, que é o Projeto Soja Responsável, sob responsabilidade da TNC. Cabe lembrar que o conceito e a implantação do CAR – Cadastro Ambiental Rural,implantado no Pará e hoje entendido para o resto do país, teve um grande desenvolvimento a partir das discussões sobre a governança da expansão da soja na região. A meu ver, um planejamento sustentável do uso do solo na Amazônia, associado a mecanismos de valorização da floresta em pé e de controle dos desmatamentos como o criado pelo projeto da TNC, é o caminho para garantir a conservação do maior ecossistema florestal dos trópicos. Tenho a convicção de que, se a atividade pecuária e a extração de madeira fossem controladas com mecanismos como esse, veríamos despencar os índices de desflorestamentos na região, sem requerer a tutela do poder público que, apesar de todos os esforços, não consegue evitar o avanço do desmatamento.

Respostas de Sérgio Luis Pompéia ao Jornalista Carlos Juliano Barros em 30/11/12.

Página 4

Respostas_Sergio_Pompeia (1)  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you