Page 1

2010

Abril

Jornal da Junta de Freguesia Mensal - Ano 5

Nº53

Marvila DISTRIBUIÇÃO GRATUITA

Desporto e Saúde • Oriental traz estrelas do triatlo a Lisboa - PÁG. 4 • Nem a chuva parou o XVIII Grande Prémio do Futuro em Atletismo - PÁG. 4 • Acção de Formação Atletismo - PÁG. 6 • Patinar também ajuda a crescer - PÁG. 7 • A Saúde em Marvila Entrevista a Fátima Quitério Agrupamento dos Centros de Saúde de Lisboa Oriental - PÁG. 3 • Estilos de Vida Saudáveis: Mais do que dar anos à vida, urge dar vida aos anos... - PÁG. 5

Marvila BemServir

António Alves, vogal do Pelouro Habitação, explica nesta edição este novo serviço da Junta de Freguesia para dar apoio à população mais envelhecida da Freguesia.

Entrevista a Roberta Medina Vice-Presidente do Rock in Rio “O Rock in Rio agrega uma mensagem muito positiva a Marvila” PÁG. 8


Marvila 2010 Nº53 Executivo eleito para o mandato 2009-2013 Belarmino Silva Presidente

Belarmino Silva

Cara a Cara

ABRIL

Marvila mais activa A presente edição deste jornal tem como temas de fundo duas áreas a que muita atenção deve ser dada: a saúde e o desporto. Isto porque, quer queiramos, quer não, uma não se separa da outra, e para além do trabalho que mais regularmente os cidadãos associam aos representantes do poder local, também é responsabilidade do executivo em funções providenciar todas as condições para que cada habitante ou visitante de Marvila possa receber os cuidados necessários ao seu bem-estar e beneficiar de serviços complementares que sejam bons para o seu desenvolvimento. Esta foi também a razão que nos levou a consultar alguns dos especialistas da nossa freguesia nestes temas e foram “curiosas” as conclusões que nos avançaram. No ano em que se assinala um pouco por todo o mundo o combate à pobreza e à exclusão social, é importante lembrar que, em muitos casos, a exclusão de que tanto se fala começa exactamente na dificuldade de acesso a cuidados básicos, uma realidade que, mais do que ser detectada, tem de continuar a ser combatida. Colada está a necessidade de dinamização de actividades físicas que ajudem a prevenir problemas maiores ou mais graves no futuro, algo que só com uma consciencialização individual forte pode levar ao sucesso. Em vez de levar o carro até perto do destino, porque não deixá-lo um pouco mais longe e andar o resto do percurso a pé? Ao invés de preferir a comodidade de um centro comercial ao fim-de-semana, leve a sua família ao parque e veja como uma bicicleta, um par de patins ou mesmo uma bola fazem maravilhas pela disposição. Pequenas (grandes) atitudes como estas têm influências muito positivas na vida de todos e merecem todo o apoio estrutural da Junta de Freguesia para uma Marvila ainda mais saudável e activa!

Ficha Técnica Mensal - Ano 5 – n.º 53 Abril de 2010 Director: Belarmino Ferreira Silva Propriedade: Junta de Freguesia de Marvila Avenida João Paulo II, lote 526, 1.º A 1950-159 Lisboa – Telefone: 21 831 03 50 Fax: 21 831 03 59 e-mail: info@jf-marvila.pt Depósito Legal: 237649/06 Tiragem: 17.500 exemplares Redacção: Green Media Produção gráfica: Grafe Publicidade, Lda. Impressão: Sogapal

02

jmmaximo@jf-marvila.pt

antonio.alves@jf-marvila.pt

Coordenação Pelouros Administração e Funcionamento Relações Institucionais

Recursos Humanos Urbanismo Património

Atendimento ao público 2.ª feira das 16H00 às 18H00 (Por marcação prévia)

Jorge Máximo Secretário

Isabel Fraga Vogal

Vítor Simões Vogal

Pelouro Sociedade Civil e Desenvolvimento Económico Comunicação e Marca Marvila Estratégia Orçamental e Financeira

Pelouro Acção Social Saúde Tempos Livres Educação Conselho Educativo

Pelouro Espaço Público Calçadas e Passeios Transportes e Trânsito Iluminação Pública Mobiliário Urbano

isabel.fraga@jf-marvila.pt

Atendimento ao público 5.ª feira das 10H00 às 12H00 (Por marcação prévia)

vitor.simoes@jf-marvila.pt

Atendimento ao público 5.ª feira das 16H00 às 18H00 (Por marcação prévia)

António Alves Tesoureiro

Vítor Morais Vogal

Júlio Reis Vogal

Pelouro Habitação

Pelouro Desporto, Juventude e Cultura

Pelouro Espaços Verdes Higiene Urbana Ambiente Saneamento

Atendimento ao público 2.ª feira das 10H00 às 12H00 (Por marcação prévia)

vitor.morais@jf-marvila.pt

Atendimento ao público 4.ª feira das 18H00 às 20H00 (Por marcação prévia)

julio.reis@jf-marvila.pt

Atendimento ao público 6.ª feira das 16H00 às 18H00 (Por marcação prévia)

Calendário de Iniciativas da Freguesia Em Maio: Acções de Formação de 1ºs Socorros Local e Hora: a definir 3, 7, 10, 14, 17, 21, 24, 28 e 31 de Maio: Aulas de Patinagem Local: Polidesportivo do Vale Fundão Hora: Segundas-feiras das 18h às 19h e Sextas-feiras das 17h às 19h De 7 a 8 de Maio: 12º Festival Bandas ACULMA 7 de Maio: Concerto de Gala, na Igreja de S. Maximiliano Kolbe, às 21h00 8 de Maio: Actuações diversas, no recinto da Escola Básica 2.3 de Marvila, com início às 14h30

8 de Maio: Acção de Formação de Atletismo Local: Auditório do Espaço Juventude do Bairro do Armador (Teórica); Pista de Atletismo da Escola Secundária D. Dinis (Prática). Inscrições na Sede da Junta de Freguesia de Marvila Hora: 9h30 - 17h30 9 de Maio: 41º Aniversário Futebol Clube Recreativo do Rossão Local: Sede do Clube Recreativo 10 de Maio: 7º Cross de Marvila (Prova de Atletismo para jovens com deficiência intelectual) Local: Mata do Vale Fundão Hora: Início às 10h00

Informações úteis Saúde Centro de Saúde de Marvila - Rua Dr. Estevão de Vasconcelos, 56 Tel: 21 862 07 51 / 21 868 69 51 Centro de Saúde Dr. José Domingos Barreiros - Beco da Mitra, 2 - Tel: 21 861 86 00 Unidade de Saúde dos Lóios - Tel: 21 836 60 75 Unidade Local de Saúde da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa do Bairro do Armador - Av. Virgílio Ferreira, Lt. 770, R/C - Bairro do Armador Tel: 21 831 07 90/5 Clínica de Chelas - Av. Dr. Augusto Castro, Lt. 107, Lj. A e B Tel: 21 859 30 40 / 21 837 30 40 Centro Médico D. Dinis - Via Principal de Peões, Lt, 107, Loja 3 Telf. 218 595 875 / 218 590 504 Farmácias Farmácia Almeida Vaz - Rua Luís Cristino da Silva, Lt. 248 Lj. 92 - Tel: 21 859 56 73 Farmácia Barros Gouveia - Rua Vale Formoso de Cima, 79 B - Tel: 21 859 51 80 Farmácia Falcão - Rua Rui de Sousa, Lt. 65 A - Tel: 21 859 65 65 Farmácia Freitas - Rua Vale Formoso, 23 A - Tel: 21 868 11 36 Farmácia de Marvila – B.º Marquês de Abrantes, Lt. 35 e 36 - Tel: 21 859 48 00 Farmácia Sacramento – Rua Actriz Palmira Bastos, 42 Lj. Dt.ª - Tel: 21 859 09 04 Farmácia Santo António – Avenida Paulo VI, 14 Lj. - Tel: 21 839 43 14 Farmácia Santos Silva – Praça Raul Lino, Lt. 226, Loja 22 - Tel: 21 859 12 65 Farmácia Serejo – Avenida João Paulo II, Lt. 531, Lj. B - Tel: 21 859 26 11 Farmácia Pontes Leite – Av. François Mitterrand, 39 B - Tel: 21 859 37 20 Farmácia Bela Vista – Av. República da Bulgária, Lote 12, Loja C - Telf. 218 682 241 Segurança PSP 14.ª Esquadra Amendoeiras - Tel. 21 837 40 60 16.ª Esquadra Condado - Tel. 21 837 48 82 38.ª Esquadra Flamenga - Tel. 21 837 39 88 Tel: 21 859 30 40 / 21 837 30 40

De 15 a 22 de Maio: Passeio Mistério 2010 Local: Saída da Junta de Freguesia (inscrições limitadas) Hora: Início às 8h00 18 de Maio: Peça “O Bergantim” Local: Auditório Fernando Pessa (Espaço Municipal da Flamenga) Hora: 15h00 26 de Maio: Seminário Amo-te, mas… Local: Auditório Fernando Pessa (Espaço Municipal da Flamenga) Hora: Entre as 9h00 e as 17h00

Segurança GNR Comando - Tel. 21 321 70 00 Polícia Judiciária - Tel. 21 726 80 22 Polícia Municipal - Tel. 21 782 52 00 Regimento de Sapadores Bombeiros - Tel. 21 396 31 41/ 808 20 32 32 Transportes CARRIS - Tel: 21 361 30 38 CP - Tel: 808 208 208 Metropolitano - Tel: 21 355 84 57 Táxis - Tel: 800 20 01 43 / 800 20 08 46 / 800 20 66 23 Serviços Públicos EPAL (Assistência Domiciliária) - Tel: 800 201 101 EPAL (Roturas) - Tel: 800 201 600 EDP (Fugas de gás) - Tel: 21 868 53 09 Intoxicações - Tel: 21 795 01 43 Linha Vida - Tel: 1414 (gratuita) SOS Voz Amiga - Tel: 21 354 45 45 B.S. Bombeiros - Tel: 21 342 22 22 Atendimento Social Serviço de Acção Social da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa Praça José Queiroz, 1 Piso 3 - Edifício Entreposto - Tel: 21 855 41 00 Espaço “LX Jovem” - Tel: 21 831 41 83 Outros Atendimentos Dentista – Dr. Daniel Guerreiro - Tel: 21 831 03 53 - Segundas, Quartas e Sextas, das 16 às 20 horas Consulta com Psicoterapeuta - Dra. Joana Gonçalves 3.ª e 5.ª feira das 16h00 às 19h00 Apoio Psico-Social - Dra. Elizabete Silva 3.ª feira das 10h00 às 12h00 Consultas Jurídicas - Dr. Jorge Nascimento 3.ª feira, das 18h00 às 20h00


A Saúde em Marvila

“Não é preciso pagar ginásio para ter actividade física!” Entrevista a Fátima Quitério Agrupamento dos Centros de Saúde de Lisboa Oriental JM - É possível traçar um perfil da situação de Saúde Pública na freguesia de Marvila? FQ - A característica mais evidente da Freguesia de Marvila em relação ao conjunto da zona oriental e até à cidade de Lisboa, tem que ver com a sua estrutura etária - a população é muito mais jovem. Logo à partida isto condiciona a necessidade de olharmos com mais atenção para um conjunto de problemas em que a idade é determinante: aspectos relacionados com a saúde materno-infantil, e o planeamento familiar. Em Marvila temos uma percentagem de população jovem (até aos 15 anos) que representa 15% do total, enquanto nas zonas da Graça, Penha e S. João este valor não chega aos 10%. Mesmo na freguesia dos Olivais, que é também bastante jovem, este grupo não atinge os 12%. Na área dos Centros de Saúde de Marvila e Olivais nascem mais de 50% das crianças do nosso agrupamento, portanto claramente o planeamento familiar, a saúde materna e a vacinação são aspectos que nos preocupam e que temos que privilegiar. JM - A promoção da saúde e a promoção da actividade física vivem a par – de acordo com a sua sensibilidade, a população está consciente do verdadeiro impacto desta relação positiva? FQ - Penso que, em geral, as pessoas estão cons-

cientes da importância da actividade física para a preservação da saúde e para a prevenção de algumas doenças. O que temos é, por um lado, uma sociedade muito pouco propícia a que essa consciência tenha uma tradução prática, e por outro lado, uma visão um pouco distorcida daquilo que se entende por actividade física. Vivemos numa sociedade sedentária, em que cada vez mais as tecnologias se sobrepõem à mobilidade natural das pessoas e há que salientar que actividade física não é o mesmo que exercício físico - não é preciso pagar ginásio para isso! Bastaria que andássemos mais a pé – 30 a 45 minutos por dia é suficiente. Se aproveitarmos a oportunidade de subir um ou dois lanços de escadas, andarmos em transportes públicos ou pelo menos deixarmos o carro um ou dois quarteirões mais longe de casa, se em vez de passarmos o fim-de-semana no centro comercial preferirmos jogar à bola com as crianças ou andar de bicicleta, estamos a fazer muito pela nossa saúde e sem custos!

que inversamente, sabemos que um mau estado de saúde pode ser um determinante significativo de pobreza e exclusão. Estas iniciativas são uma oportunidade de reflexão para toda a sociedade e para os órgãos de decisão, e todas as iniciativas que contribuam para diminuir as desigualdades em saúde e promovam a equidade, são bem-vindas.

JM - Fenómenos como o sedentarismo e doenças dele resultantes são hoje considerados epidemias – o que pode ser feito ao nível do poder local para os combater? FQ - A cultura e os estilos de vida moldam a nossa saúde. Contudo, muito pode ser feito pelos governos e pelo poder local no desenvolvimento de estratégias que favoreçam opções mais saudáveis pelas populações. Isto é verdade para o sedentarismo como para as opções alimentares ou para os consumos. Trata-se de identificar e implementar estratégias com essa finalidade, e particularmente as orientadas para as crianças e para os jovens, grupos em que podemos ter maior efeito a longo JM - Que reflexos têm iniciativas como o prograprazo, mas sempre com envolvimento amplo da fama “2010 - Ano Europeu de Combate à Pobremília e das escolas, porque as medidas têm que za e à Exclusão Social” no âmbito de acção do ser contextualizadas. Aspectos relacionados com o Agrupamento dos Centros de Saúde de Lisboa planeamento e ordenamento urbano, facilitadoras Oriental? da mobilidade, estratégias que promovam opções FQ - Os serviços de cuidados de saúde primários de consumo alimentar ou outras mais saudáveis, sempre deram uma atenção especial aos problepodem ser iniciativa das autarquias, e devem tammas da pobreza e da exclusão social, porque tebém ser bem estudadas e sustentadas. Marvila & Bea mos a noção do impacto que estes fenómenos têm Marvila Beato Marvila Beato 2015 na saúde das pessoas e das sociedades, e por-

o

o

o

Congre

2015

Crianças da freguesia vão desenhar o logotipo do Conselho Educativo A Escola EB1 Dr. João dos Santos acolheu no passado dia 12 de Abril a primeira reunião de Plenário do Conselho Educativo de Marvila. Um encontro que serviu não só para todos os agentes educativos escolares já envolvidos elegerem a Comissão Permanente que a partir de agora encabeçará o novo órgão, mas também para as vinte entidades representadas serem identificadas, apresentando-se e dando a conhecer os seus sucessos e problemas/ necessidades. Às apresentações seguiu-se a eleição da comissão permanente, que fica assim estabelecida: Presidente – Isabel Fraga, Vogal do Pelouro da Educação; Secretária – Joana Gonçalves; Agrupamento de Escolas de Marvila – Lucinda

Silva; Escola Secundária D. Dinis – José António Sousa; ISEL – Isabel Melo; CERCI – Julieta Sanchez; Centro Social e Paroquial S. Maximiliano Kolbe – Cristina Cruz; Associação Tempo de Mudar – Mónica Santos.

dia 10 de Maio, assim como a proposta de serem as próprias crianças da freguesia, em cada uma das escolas, a desenhar o logotipo a adoptar pelo novo órgão.

Esta Comissão Permanente - que manifestou o desejo de perspectivar futuras parcerias - irá reunir-se entre as reuniões do Conselho Alargado. Já se lançaram alguns projectos educativos em comum, como por exemplo, trabalhos dedicados ao tema: “Que visão para Marvila 2015”, de acordo com o tema do Congresso Marvila*Beato 2015. Desta reunião saiu ainda a data do próximo encontro, o

4.º Congresso de Marvila - “MarvilaBeato 2015” já mexe

“Como gostaria de ver Marvila em 2015?” Este ano, o tema do Congresso de MarvilaBeato 2015 procura antecipar como iremos e queremos viver a nossa freguesia na segunda metade desta década. Por esse motivo, e se é um marvilense interessado, então a sua opinião é importante! Envie-nos para conselhomarvilense@jf-marvila.pt um pequeno texto (máximo 10 linhas) com a sua visão do nosso futuro comum, evidenciando as ameaças, as oportunidades e as sugestões que considere relevantes. Os textos recebidos serão publicados nos canais de divulgação da Junta de Freguesia e do Conselho Marvilense - Jornal Mensal, Facebook (na página do Conselho Marvilense), Site (www.jf-marvila.pt) e Blog (conselhomarvilense2010.blogspot.com) - e a respectiva súmula submetida para apreciação e discussão em Junho, no Congresso de MarvilaBeato 2015. Participe e faça parte do nosso futuro comum!

Congresso

“Que pessoa e instituição considera merecerem os Prémios Cidadania 2010 de Peço Marvila”? alteração ao logotipo, mediante as seguintes informações do Cliente: do algarismo 4, é o algarismo 1, bem nítido enquanto tal; Envie-nos a sua sugestão para: conselhomarvilense@jf-marvila.pta)b) ao perna sinal entre Marvila e Beato passa a estrela; Coloco no separador "Ficheiros" um desenho ilustrativo do objectivo do Cliente.

03


Marvila 2010 Nº53 ABRIL

Nem a chuva parou o XVIII Grande Prémio do Futuro em Atletismo

Apesar da chuva na manhã do passado dia 18 de Abril, muitos foram os participantes no XVIII Grande Prémio do Futuro em Atletismo, uma corrida or-

ganizada pela Casa do Concelho de Arcos de Valdevez que trouxe às ruas de Marvila muitos atletas de Lisboa e de outras localidades. Joaquim Brito, Presidente da Casa do Concelho de Arcos de Valdevez destacou com entusiasmo aquela que considera “a prova rainha” entre as muitas actividades desportivas realizadas pela associação, lembrando também que o evento marcou o início das comemorações do 55º aniversário da Casa, cujo ponto alto será o Grande Almoço Arcuense, a 2 de Maio, na Quinta Valenciana, Seixal, e encerramento na Festa da Amizade, dias 26 e 27 de Junho, na Mata do Parque Vale Fundão. No fim da prova, foram entregues medalhas a todos os participantes, pelo seu esforço e espírito desportivo, e taças aos primeiros classificados,

além da oferta de algumas iguarias, como presunto e bacalhau. No evento estiveram também presentes algumas individualidades: Dra. Luísa Mendes, Presidente da Comissão Cultural da Assembleia Municipal de Lisboa, Dr. Luís Marques, Presidente do Conselho de Administração da Gebalis, Prof. Jorge Valadares, Presidente da Casa de Trás-os-Montes e Alto Douro, Belarmino Silva, Presidente da Junta de Freguesia de Marvila e Vítor Morais e Júlio Reis, Vogais do Desporto, Cultura e Juventude e dos Espaços Verdes. E porque o lema desta iniciativa foi “Desporto e Cultura de Mãos Dadas”, não faltou à tarde a animação do Grupo de Cavaquinhos, e do Rancho Folclórico da Casa do Concelho de Arcos de Valdevez e do Grupo de Violas da Casa de Trás-os-Montes e Alto Douro, na Praça Dr. Fernando Amado.

Oriental traz estrelas do triatlo a Lisboa “Uma prova de reconhecido valor internacional, onde participam os melhores atletas do mundo”. Foi desta forma que o presidente do Oriental, José Nabais, classificou o Triatlo Internacional de Lisboa de Longa Distância, prova cuja quinta edição foi organizada pelo popular clube de Marvila e contou com a participação de alguns dos melhores atletas

O ambiente em redor do percurso foi animado e marcado pela boa disposição. Muitos participantes contaram com o apoio de familiares, que não quiseram deixar de estar presentes para lhes dar uma força extra. Esta prova contou com a participação de atletas de países tão distintos como a África do Sul e a Ucrânia, destacando-se o numeroso contingente espanhol que se fez notar pela presença de muitas famílias que vieram do país vizinho para torcer pelos seus favoritos. Mas no final, foram os belgas que mais festejaram, com a vitória nos sectores masculino e feminino. Dennis DeVriendt, com o tempo de 3 horas, 47 minutos e 4 segundos, superou o francês Bertrand Billard (a 1m e 36s) e o alemão Markus Fachbach (a 3m e 37s), que ocuparam respectivamente o segundo e terceiro lugar do pódio. Já no sector feminino, Sophie Goos foi a mais rápida (4h, 14m e 38s), seguida da inglesa Alison Rowatt (a 7m e 15s) e da holandesa Eva Janssen (a 15m e 33s). Quanto aos atletas portugueses, o grande destaque foi para Pedro Gomes, do Clube Olímpico de Oeiras, que terminou a prova no sexto lugar, e para Vanessa Pereira, do Compeed/Tri-Oeste, que conseguiu o sétimo melhor tempo no sector feminino.

Rainha do Mar Europa é portuguesa da modalidade, como o belga Dennis DeVriendt, o alemão Markus Fachbach ou o francês Nicolas Fernandez. Esta competição fez parte do International Sports Weekend, evento desportivo realizado no fim-de-semana de 24 e 25 de Abril, que também incluiu a prova de natação de águas abertas King & Queen of the Sea. O Parque das Nações serviu de palco a todo o evento, proporcionando aos atletas um cenário magnífico e condições de temperatura ideais para a prática desportiva. A competição de triatlo teve lugar no Sábado e começou pelo segmento de natação (1,9 km), disputado à volta do Oceanário, na Doca dos Olivais; prosseguiu com a etapa de ciclismo (90 km), num percurso de 4 voltas entre o Pa­vilhão Atlântico e a zona de Santa Iria e terminou com o segmento de corrida (21,1 km), sempre na área do Parque das Nações.

04

Ao todo, a edição deste ano do Triatlo Internacional de Lisboa de Longa Distância teve a participação de 530 atletas, menos 120 do que os inicialmente inscritos. O elevado número de desistências ficou-se a dever, como nos explicou o Presidente do Oriental, José Nabais, ao encerramento dos aeroportos europeus.

No Domingo, disputou-se o King & Queen of the Sea, composto por duas provas de natação: uma para definir o Rei do Mar Europa (5 km), e outra aberta a todos os interessados (1,5 km). O alemão Alexander Studzinski e a portuguesa Soraia Ribeiro foram coroados Rei e Rainha do Mar Europa, numa prova muito disputada e que também serviu para apurar representantes europeus para o Desafio Elite Rei do Mar Brasil. Em jeito de balanço, o presidente do Oriental mostrou-se satisfeito pela organização de um fim-de-semana desportivo de grande sucesso, mas lamentou a falta de comparência da RTP: “Vamos fazer um protesto veemente à RTP por não ter feito qualquer tipo de abordagem ao evento, apesar de todas as nossas solicitações. Esta é uma prova de reconhecido valor internacional, onde participaram alguns dos melhores atletas do mundo. Ainda por cima, a prova de triatlo contava para o Campeonato Nacional de Triatlo Longo que tem sido acompanhado pela RTP 2.” José Nabais adiantou, no entanto, que já pensa na edição do próximo ano e não só: “Já temos outras iniciativas em vista, nomeadamente um grande evento desportivo para as três freguesias do Oriente: Marvila, Beato e Olivais”.


Dança foi mote do Festival Outros Ritmos O Pavilhão da Escola EB 2/3 Damião de Góis foi o local escolhido para a realização do Festival de Dança Outros Ritmos, uma iniciativa decorrida a 8 de Abril, com organização do Sub-Grupo Comunitário Bairro dos Lóios – Área de Intervenção com Jovens e que reuniu cerca de 70 dançarinos.

grupos de dança: GOLDEN STAR - Escola EB 2/3 Damião de Góis; RHYTHMIC STEPS – Associação Tempo de Mudar; G_DANCERS, SCML – Centro de Promoção Social PRODAC; AFRICANS QUEENS – C.R.C. Marvila Jovem/ São Maximiliano Kolbe; E.T.DJERK CREW – Associação Futuro Autónomo – Bairro do Armador; TSF – SCML - CDC Bairro dos Lóios; ACTIVE DANCE – Centro Social Comunitário Bairro da Flamenga e um grupo da freguesia do Beato, o JOVENS UNIDOS – Grupo Recreativo Cultural Onze Unidos. De mencionar ainda que este evento não teria sido possível sem a parceria do projecto “Crescer com o Desporto” da CPCJ Oriental, da Junta de Freguesia Marvila e da empresa Go Natural.

Tendo como principais objectivos o incentivo à participação activa dos jovens e a promoção de estilos de vida saudáveis em tempo de férias escolares, o festival permitiu o estreitamento de relações entre as diferentes instituições participantes - Associação Juvenil Eco-Estilistas, Associação Tempo de Mudar, Centro de Desenvolvimento Comunitário Bairro dos Lóios - SCML e Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família da Escola EB 2/3 Damião de Góis – e a apresentação do trabalho de sete

Reunião da Assembleia de Freguesia Nos passados dias 19 e 28 de Abril, a Assembleia de Freguesia de Marvila reuniu no Salão de Festas do Vale de Fundão, para entre outros pontos: discutir e apreciar as contas de gerência da JFM relativos ao ano de 2009, aprovar a 1ª revisão orçamental de 2010 e apreciar a informação escrita do Presidente, conforme previsto na legislação em vigor.

Os documentos apresentados foram aprovados por maioria e poderão ser consultados publicamente no sítio da Junta, na internet em www.jf-marvila.pt Como habitualmente, os partidos com assento na JFM tiveram aina oportunidade de submeter, apresentar e votar moções e recomendações sobre assuntos de diferente natureza, como são o já habi­ tual louvor ao 25 de Abril.

Comilão oferece visita educativa a crianças do Centro Maximiliano Kolbe Foi com antecipação e entusiasmo que as crianças do Atelier de Tempos Livres do Centro Social e Paroquial S. Maximiliano Kolbe receberam no passado dia 9 de Abril o convite da mascote Comilão para uma visita educativa conjunta da Associação 5 ao Dia ao Mercado Abastecedor da Região de Lisboa (MARL), no âmbito do prémio ganho pelo Centro, no Marvila dos Sabores de 2009. No período da manhã a iniciativa permitiu o contacto directo dos mais pequeninos com nutricionistas que lhes ensinaram os princípios para uma alimentação saudável e ajudaram numa actividade lúdica: preparar salada de fruta com os alimentos do mercado. Já da parte da tarde as crianças visitaram algumas plantações de tomate, onde puderam verificar qual a origem dos legumes e das frutas que habitualmente encontram à venda no supermercado. Esta é uma aprendizagem que, de acordo com a educadora Cristina Cruz, os alunos do Atelier de Tempos Livres do Centro Social e Paroquial S. Maximiliano Kolbe já conhecem, uma vez que existe uma hortinha biológica no próprio centro, mas que nunca é demais reforçar. Já no regresso, todas as crianças cantaram alegremente o tema musical do Comilão no autocarro e receberam das mãos dos responsáveis pela visita um CD com as músicas da mascote.

Consultório Médico

Estilos de vida saudáveis: mais do que dar anos à vida, urge dar vida aos anos… Por João Longo, Professor Adjunto da Escola Superior de Saúde Ribeiro Sanches

Segundo dados do Instituto Nacional de Estatística, nunca os cidadãos portugueses viveram tantos anos, e a sua esperança média de vida continua a aumentar, situando-se no momento actual aproximadamente nos 75 anos no caso dos homens e nos 81 anos no caso das mulheres (INE, 2010). Porém, a saúde da população em geral, está longe de ser a ideal! Estudos epidemiológicos revelam que as doenças crónicas não transmissíveis (doenças cardiovasculares, cancro, patologia respiratória crónica, diabetes mellitus, doenças osteoarticulares e as perturbações da saúde mental, como a depressão) constituem, hoje, a principal causa de morbilidade e mortalidade nas sociedades desenvolvidas. São também estas doenças as principais responsáveis por situações de incapacidade, muitas vezes permanente, e perda de qualidade de vida, com expressão muito significativa no consumo de serviços de saúde, meios complementares de diagnóstico, medicamentos e dias de internamento, representando, em 2000, a nível europeu, cerca de 75% da carga da doença (European Health Report, OMS, 2002). Tendo presente que Saúde é considerada, actualmente, como um “(…) estado e, simultaneamente, a representação mental da condição individual, o controlo do sofrimento, o bem-estar físico e o conforto emocional e espiritual” (OE, 2003), importa que a população veja não apenas aumentar a sua expectativa de vida mas também a qualidade dessa mesma vida. Porém, o ambiente no qual as pessoas vivem e se desenvolvem é constituído por elementos humanos, físicos, políticos, económicos, culturais e organizacionais, que influenciam/condicionam os estilos de vida e que se repercutem no conceito de saúde. Por isso, a forma como cada pessoa gere o seu próprio capital de saúde ao longo da vida, através de opções individuais expressas no que poderemos entender como estilo de vida, constitui o factor determinante e a questão fulcral na génese da saúde individual e colectiva. Tal situação exige assim, que seja consagrada uma atenção especial a factores, que dada a sua dimensão, começam a ser considerados problemas de saúde pública, tais como o consumo de álcool, o tabaco e drogas psicotrópicas; os erros alimentares; a obesidade; a má gestão do stress; o sedentarismo e a actividade física inadequada. A via de eleição para promover a modificação de estilos de vida/ comportamentos é a educação para a saúde. Neste âmbito e, seguindo o Plano Nacional de Saúde 2004-2010, a Educação para a Saúde deverá focalizar-se nas atitudes e comportamentos de saúde no sentido de promover a auto-estima e a auto-confiança nas pessoas, de forma a capacitá-las - “empowering” - a terem mais controlo sobre a sua própria saúde designadamente nas seguintes áreas: (i) prevenção do consumo de tabaco nos jovens e abandono do tabagismo entre fumadores; (ii) prevenção do consumo excessivo de álcool; (iii) prevenção do consumo de drogas ilícitas; (iii) promoção de uma nutrição saudável; (iv) incentivo à actividade física regular; (v) promoção do combate à violência. De modo a atingir tal desiderato, as autarquias têm vindo a incorporar este conceito - educar para a saúde - envolvendo todos os parceiros sociais (profissionais de saúde e do ensino, organizações e famílias) na promoção da saúde das populações dada a posição de proximidade. Com efeito, as autarquias, designadamente as Juntas de Freguesia, são as entidades que melhor e mais profundamente conhecem as questões que afectam a comunidade, para não falar da sua natural vocação para mobilizar as energias e as vontades locais na construção de um ambiente mais saudável e solidário pois, como diz o adágio: mais importante do que dar anos à vida, é dar vida aos anos!

05


Marvila 2010 Nº53 ABRIL

Voz Activa

Acção de Formação Atletismo

Que melhorias gostaria de ver no seu bairro? Francisco Gomes, Bairro do Armador

Carla Fonseca, Bairro do Armador

Tenho 5 filhos e 4 netos e no prédio onde habito vivem 20 crianças com idades compreendidas entre um ano de vida e os 16. Notamos, no Bairro do Armador, a inexis­ tência de espaços onde crianças, jovens, adultos e idosos, pudessem também coexistir. As crianças não têm espaços para brin­ carem, para actividades de entre­tenimento, onde possam dar azo à energia que têem. Também não há colectividades. Há lojas e espaços vazios que poderiam ser utilizados para estes fins, penso eu. A Junta de Freguesia poderia informar-nos como fazer e nós estamos dispostos a tomar a iniciativa e a responsabilidade de ocupação de tais espaços. Há bons exemplos da iniciativa da Junta em outros bairros.

Sou mãe de 3 filhos: 5, 12 e 16 anos e trabalho. A minha preo­cupação é a ocupação dos tempos livres deles. E de tantos outros, como por exemplo outras 14 crianças e jovens no prédio onde moro. Há uma população muito jovem neste Bairro. Muitas crianças vão para o bairro da Flamenga, onde se dão aulas de boxe, kickboxe, ginástica, luta livre, que a Junta de Freguesia ajudou a criar. Aqui também poderia haver. Tanto tempo livre e o que fazem os miúdos na rua? Maldades. Porque a energia é mal canalizada. Os mais idosos também precisam de um ou mais sítios onde se encontrarem, conviverem, jogarem às cartas ou pra­ticarem outras actividades. Temos gente disposta a colaborar nessas actividades.

O Jornal de Marvila criou este espaço para intervenção dos seus leitores. Queremos dar voz activa aos seus comentários, sugestões e notícias, para um jornal ainda mais próximo da freguesia! Envie a sua correspondência para: conselhomarvilense@jf-marvila.pt

Frota reforçada para resposta mais eficaz à população A Junta de Freguesia acaba de comprar uma carrinha nova para colmatar necessidades especiais há algum tempo identificadas, uma aquisição que reforça a capacidade da Junta para permitir uma maior eficácia na resposta a pedidos de limpeza no espaço público ou até de movimentação de equipamentos. Júlio Reis, vogal da Junta responsável pela gestão dos espaços verdes afirmou ao Jornal de Marvila que esta aquisição representa “um contributo importante que atesta o compromisso do executivo em prestar melhores serviços aos marvilenses”.

Quer ver o seu Evento noticiado no Jornal de Marvila? Envie-nos informações como data, hora, local e promotor do evento para conselhomarvilense@jf-marvila.pt Nota de Redacção: Por lapso na edição de Março, Duarte Sá foi mencionado como Presidente de Direcção da Casa do Concelho de Cinfães desde há 13 anos. Tal não corresponde à verdade, sendo que este assumiu a Presidência da instituição em Julho de 2009. A redacção lamenta o erro.

BemServir

Por António Alves - Pelouro Habitação O envelhecimento populacional é um facto real da nossa sociedade. Envelhecer não é um problema! O envelhecimento deve ser entendido como um triunfo e uma grande conquista da Humanidade. Acrescentamos mais anos à nossa existência, devemos dar dignidade a esses anos, juntar esforços colectivos para que as pessoas que alcançaram mais anos nas suas vidas possam viver em suas casas e na comunidade onde estão inseridas com qualidade, dignidade e respeito... este é o grande objectivo do BemServir. O objectivo principal consiste na realização de pequenas reparações/ adaptações em casas de moradores na freguesia, idosos ou com incapacidade temporária ou permanente cujo rendimento “per capita” baixo, e para os quais, a execução desses serviços seja determinante para o seu bem-estar, para o processo de reabilitação e em última aná-

06

lise para a sua permanência no domicílio, com a maior qualidade de vida possível, retardando ou anulando o recurso à institucionalização. O BemServir, não é nada mais nada menos que uma oficina social, colocando ao dispor dos moradores na freguesia mão-de-obra disponível, com competências nas áreas mais diversas, i.e., electricidade, carpintaria, pintura, entre outras. Tendo como mote a frase “Marvila de Futuro é uma responsabilidade de todos”, este executivo, depois de ouvir e sensibilizar algumas pessoas da sociedade civil, reformadas, residentes na freguesia com competências nessas áreas, lançou-lhes um repto, no sentido de se disponibilizarem para fazerem parte de uma bolsa de profissionais nas áreas mencionadas, de uma forma organizada a fim de assumirem estes serviços de âmbito social. Nesta linha de orientação, foi criada a Associação de Reformados do Bairro do Condado que vai criar essa bolsa e que, em colaboração com

a Junta, irá assumir esta prestação de serviços, de uma forma cívica, aos moradores da freguesia. Com esta parceria temos a certeza que estamos a valorizar as pessoas que querem sentir-se úteis à sociedade e que têm condições para isso mesmo. Queremos uma sociedade solidária e participativa. A operacionalidade deste serviço partirá sempre, pela comunicação da necessidade aos serviços da Junta que, mediante alguns parâmetros prédefinidos, analisará o pedido e comunicará à Direcção da Associação a necessidade de intervenção, colocando ao dispor os meios necessários exigidos para essa intervenção. Este serviço do BemServir que disponibilizamos, em conjunto com a Associação, assenta só na mão-de-obra. Cada morador terá de adquirir o material.


Presidente da República

Breves

inaugura Avenida Marechal António de Spínola

Acção Praia-Campo 2010

O Presidente da República e o Presidente da Câmara Municipal de Lisboa procederam, no dia 11 de Abril, ao descerramento da placa toponímica da Avenida Marechal António de Spínola. Presentes na cerimónia estiveram, também, Fernando Spínola, o embaixador João Diogo Nunes Barata, António Ramalho Eanes (ex-Presidente da República) e elementos do executivo municipal, incluindo Belarmino Silva, Presidente da Junta de Freguesia e José Alexandre, Presidente da Assembleia de Freguesia, entre outras altas individualidades. Após descerramento da

placa, ao som do Hino Nacional, executado pela Banda do Regimento de Sapadores Bombeiros de Lisboa, diversas personalidades evocaram a memória do Marechal António de Spínola, cujo nome foi agora cedido ao arruamento com início na Avenida dos Estados Unidos da América, confluência com a Avenida Gago Coutinho, e término na Avenida Infante D. Henrique, em Marvila. Em discurso a todos os presentes, Cavaco Silva referiu-se a António de Spínola como “um distintíssimo oficial de Cavalaria, que recebeu as mais elevadas condecorações, se notabilizou em combate, foi um patriota e um homem de grande coragem - como todas as grandes personalidades - uma figura controversa, que suscitava paixões”.

Alunos de viola clássica deixam música no ar Já em preparação para a actuação agendada para o 4º Congresso de Marvila, assim como para a audição de final de ano, os alunos de viola clássica da turma 2009/2010 concluíram recentemente uma actuação no Auditório Lx-Jovem do Armador que reuniu uma plateia de mais 50 pessoas e se prolongou por cerca de uma hora. Sob responsabilidade do professor Ulisses Pinto, que caracterizou a audição como “muito boa e já com carácter de concerto”, a turma de cerca de 15 alunos interpretou um reportório que incluiu temas

conhecidos de todos como “Balão do João”, “Hino da Alegria” e Tears in Heaven”, numa adaptação do professor Silvestre Fonseca. No final, espaço ainda para um quarteto de Pieter V/d Staok, interpretado pelas alunas Ema Almeida, Beatriz Barradas, Daniela Godinho e Patrícia Almeida, que arrebatou todos os presentes e deixou no ar a expectativa em relação ao concerto já em preparação para o próximo grande evento da freguesia.

Intervenções em Marvila discutidas em colóquio do ISCTE Depois da realização da exposição “O impacte das novas infra-estruturas - Marvila: Regeneração Urbana”, o Grande Auditório do Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa (ISCTE-IUL) foi o espaço escolhido para o colóquio de análise dos melhores projectos feitos por alunos diplomados do Mestrado Integrado em Arquitectura da referida instituição, como possibilidades de intervenção urbana no núcleo antigo da freguesia. Para além dos alunos responsáveis pelos quatro trabalhos que mais se destacaram, foram ainda oradores os arquitectos e professores do ISCTE-IUL, Paulo Tormenta Pinto, Gonçalo Byrne e Pedro Botelho, bem como Jorge Máximo que, em representação da Junta de Freguesia de Marvila, apresentou uma rectrospectiva histórica e uma antevisão do futuro projectado de Marvila, aos cerca de 60 alunos de arquitectura e urbanismo presentes. No final da iniciativa, louvada por todos os presentes pela componente de utilização de uma situa­

ção urbana real e complexa para criação de projectos de recuperação, deu-se a intervenção do público presente, onde se encontrava Belarmino Silva, Presidente da Junta de Freguesia de Marvila, que não esqueceu a menção estratégica às grandes obras – terceira travessia do rio Tejo, Hospital de Todos os Santos, Instituto de Oncologia – que se avizinham para a zona.

Com a aproximação do tempo quente regressa também a oportunidade de inscrição para a acção Praia-Campo, uma iniciativa promovida pela Junta de Freguesia de Marvila que permite dias de diversão a miúdos e graúdos. A inscrição nesta actividade tem o valor de cinco euros e deve ser assegurada nas instalações do poder local. São três os turnos de datas disponíveis: Turno A, de 5 a 16 de Julho (inscrições até 14 de Maio), Turno B, de 19 a 30 de Julho (inscrições até 28 de Maio) e finalmente, Turno C, de 2 a 13 de Agosto (inscrições até 5 de Junho).

Patinar também ajuda a crescer A Junta de Marvila estabeleceu uma parceria com a Associação de Patinagem de Lisboa que permite às crianças da freguesia experimentar a modalidade e aprender a ocupar os tempos livres de forma saudável, através do desporto. A iniciativa recebeu o nome ”Crescer e Aprender a Patinar” e acontece no Polidesportivo do Vale Fundão, às Segundas-feiras, das 18H00 às 19H00 e às Sextas-feiras, das 17H00 às 19H00.

Orçamento Camarário 2010 chumbado O orçamento da Câmara Municipal de Lisboa para o ano 2010 foi chumbado na Assembleia Municipal, órgão onde todos os partidos da oposição se uniram para votar contra os planos apresentados por António Costa, Presidente da Autarquia. Desta decisão decorre que o município funcione com um orçamento transposto do do ano anterior e que de cada vez que se verifique a necessidade de realizar uma despesa que não se enquadre, o assunto terá de ser submetido à apreciação do executivo. Inscritos no documento entretanto rejeitado estavam 666,3 milhões de euros a financiar tanto através de impostos directos, como indirectos.

“Ocupa as Tuas Férias!” Este ano, as férias escolares da Páscoa foram ainda mais divertidas com o projecto “Ocupa as Tuas Férias!”, uma iniciativa organizada no âmbito do projecto Intervir em Marvila, promovido pela Junta de Freguesia, e que se destinou aos jovens dos 12 aos 18 anos. Estes tiveram oportunidade de visitar o Padrão dos Descobrimentos, o Aquário Vasco da Gama e o Museu da Ciência Viva. Foram igualmente realizados vários jogos ao ar livre, no Parque da Bela Vista, assim como uma sessão de cinema, um atelier de culinária, um torneio de Playstation, entre outras actividades.

Aniversário comemorado com prova desportiva A secção de atletismo do Grupo Desportivo de Chelas levou a efeito no passado dia 28 de Março o 20º Grande Prémio de Atletismo, uma prova integrada nas comemorações do 28º aniversário desta colectividade e que teve como pano de fundo os arruamentos do Bairro das Amendoeiras. Uma prova que contou com o apoio da Junta de Freguesia de Marvila, da Câmara Municipal de Lisboa, da Associação de Atletismo de Lisboa, da Federação Portuguesa de Atletismo, da Polícia de Segurança Pública e dos Bombeiros Voluntários de Cabo Ruivo e do Montijo.

07


Marvila 2010 Nº53 ABRIL

Entrevista a Roberta Medina Vice-Presidente Executiva do Rock in Rio

“O Parque da Bela Vista confere uma magia especial ao festival” sugestão do Parque da Bela Vista por parte da Associação de Turismo de Lisboa, que desde logo encetou contacto simultâneo com Carmona Rodrigues, então vereador na Câmara Municipal de Lisboa, e com Santana Lopes, na altura Presidente desse Executivo. Visto que se tratava de um espaço completamente abandonado, a ideia foi avançando, mas posso dizer que das primeiras vezes que lá fomos, o mato davanos pela cintura… Não tivemos dúvidas de que se tratava de um local privilegiado, com bastante espaço e muito perto da acessibilidade provida pelo aeroporto, mas que ao mesmo tempo ninguém frequentava ou sequer conhecia.

Em rápida contagem decrescente para o dia 21 de Maio, data de abertura dos portões do Parque da Bela Vista para mais uma edição do Rock in Rio Lisboa, Roberta Medina, Vice-Presidente Executiva da organização do festival falou com o Jornal de Marvila, destacou a magia da localização paredes meias com Marvila e revelou algumas das novidades a descobrir este ano na Cidade do Rock. JM - Que benefícios concretos para Marvila destaca na realização do Rock in Rio Lisboa? RM - Acho que o Rock in Rio foi e continua a ser um elemento de promoção da freguesia. Lembro o desafio de tentar ressaltar mais o nome Marvila do que Chelas e, de acordo com a minha experiência pessoal, sinto já uma grande diferença. Além disso, a realização do Rock in Rio possibilitou o investimento em muitas infra-estruturas no Parque da Bela Vista, transformando-o num espaço único para a realização de eventos. Temos tido óptimas relações com a população do Bairro da Flamenga, tanto no dia-a-dia ao longo da construção da Cidade do Rock como no nosso movimento de prestigiá-los com a cedência de bilhetes. Com a Junta de Freguesia também são cedidos bilhetes para a realização de iniciativas que mobilizam a população local, iniciativas estas promovidas pelo próprio Executivo. Incentivamos ainda todos os patrocinadores e parceiros do evento a contratar pessoas da freguesia de Marvila para trabalhar no Rock in Rio. Acima de tudo, creio que o festival agrega uma mensagem muito positiva a Marvila, mostrando a região como grande hospitaleira e freguesia capaz de acolher iniciativas de todo o perfil e porte. JM - Que motivo vos fez escolher o Parque da Bela Vista para localização do festival? RM - Quando a organização do evento chegou a Lisboa e se começou a pensar nas localizações possíveis para o festival, apontaram-se vários locais, mas rapidamente percebemos que nenhum comportava a dimensão do Rock In Rio. Só mais tarde surgiu a

08

JM - Foram então necessárias várias intervenções de fundo para transformar o espaço na Cidade do Rock… RM - É verdade. Percebemos de imediato que o parque era propício à realização de eventos, mas o traçado natural trazia algumas complicações, já que não existia nenhuma zona plana. Foram feitas intervenções mínimas ao nível do espaço, como as escadas de acesso à entrada e a abertura da área onde é hoje encaixado o Palco Mundo, mas muitas em termos de infra-estruturas, nomeadamente por causa das condições de segurança. Comparando, por exemplo com Madrid, onde foi criado um espaço propositadamente para acolher o Rock in Rio, assim como outros eventos do género, percebemos que a magia não é a mesma. JM - Como correu o processo de preparação do espaço para a primeira edição do festival em Lisboa? RM - Foi muito engraçado porque, no início, muita gente me perguntava se eu não tinha medo de passar tantas horas sozinha no parque, e eu, vinda de um lugar como o Rio de Janeiro, respondia divertida que não! A ajudar tivemos o facto de muito rapidamente termos criado relação com as pessoas do Bairro da Flamenga e só tenho pena que de então para cá o espaço não tenha evoluído mais. Não tenho dúvidas que para se usufruir do parque terá de haver presença física, porque as pessoas não vão sentir-se seguras só com algum sistema de vídeovigilância; é preciso fazer nascer serviços, porque não um café, ter infra-estruturas que as pessoas possam utilizar para aproveitarem melhor o jardim e o parque. Brevemente vai surgir mais uma ponte e esta zona vai sentir o aumento do volume de pessoas, faz sentido que aquele local seja reabilitado e não viva apenas quando o Rock in Rio lá está. JM - Que análise faz do impacto positivo causado por esta iniciativa naquela zona da capital? RM - É fantástico porque sentimos que, de uma maneira ou de outra, o Rock in Rio dá uma função e atrai uma actividade diferente à zona. Contudo, também vale a pena assumir que nunca tivemos a mínima ideia que as coisas iam acontecer desta forma. Como em qualquer outra cidade, a nossa chegada a Lisboa foi muito rápida e não houve tempo para parar e pensar muito. Avaliámos os impactos negativos, como o possível incómodo para os moradores, o corte de acessos e o controlo das ruas, a segurança, a limpeza e trabalhámos para que as nossas exigências a estes níveis fossem cumpridas.

JM - Tinham algum conhecimento das instituições ou dos serviços presentes nas freguesias que rodeiam o Parque da Bela Vista? RM - Não conhecíamos nada. Fizemos uma avaliação de impacto do festival e criámos relação com a freguesia desde o primeiro instante, mas isso foi algo espontâneo. Contactámos a Junta de Freguesia, travámos conhecimento com os moradores dos bairros, inclusivamente oferecemos bilhetes a algumas camadas específicas, mas em verdade, ninguém nos procurou para se apresentar ou desenvolver nada. Por exemplo, a única promoção que os hotéis da cidade disponibilizaram por causa do Rock in Rio foi proposta por nós. Para a edição deste ano pensámos que seria interessante atrair não só pessoas desta cidade mas de todo o país, através do Rock in Rio Express, mas se não se dinamizar um conjunto de serviços paralelos, as pessoas vêm ao festival e depois vão para casa porque ninguém está preocupado em retê-las cá! E reforço aqui o que já tive oportunidade de dizer outras vezes – estamos super abertos a novas ideias! JM - Como analisa a evolução que o evento tem tido cá? RM - É realmente impressionante, mas não posso deixar de pensar que também é algo por que temos lutado muito, portanto vejo a evolução como uma grande vitória. Conseguimos envolver as pessoas, cada vez mais elas querem fazer parte do projecto e nós aprendemos muito com elas. O objectivo passa por conseguir continuar a surpreender a cada dois anos, especialmente aqueles que já esperam isso de nós. JM - O Parque da Bela Vista é uma aposta ganha… Para manter? RM - Em princípio, sim. Renegociamos o nosso acordo com a Câmara Municipal de Lisboa para que as duas próximas edições se mantenham no parque e quando o Hospital de Todos os Santos avançar, veremos como fazer. Penso que o mais importante é pensar que, mesmo sem Rock in Rio, o parque deve ser aproveitado. Era importante levar as pessoas a passear por ali, fazer piqueniques, praticar desporto ou simplesmente apanhar sol! Não se trata de melhorar a imagem, de chamar Marvila em vez de chamar Chelas ou Zona J, tem de se efectivar o facto, cativar o público e prolongar a recreação no parque. JM - Que novidades podemos esperar encontrar na edição Rock in Rio deste ano? RM - Fomos informados de uma pesquisa externa que foi feita sobre o Rock in Rio e ficámos a saber que 73% das pessoas vão ao festival fazem-no pelo convívio. Então é nosso investimento escolher os artistas prioritários para atrair as pessoas e criar um parque de música e diversão ainda mais divertido que o do ano anterior. Este ano, para além da programação deliciosa, com misturas de músicos muito especiais, vamos ter brincadeiras incríveis… JM - Porque não convidar todos os leitores de Marvila a participar? RM - Claro que sim! Preparámos uma grande festa se quiser passar bons momentos com a sua família e amigos, o Rock in Rio vai ser o lugar certo!

Jornal Marvila nº53  

Edição de Abril do Jornal de Marvila

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you