CRN-5 em Revista 11

Page 1

Publicação do Conselho Regional de Nutricionistas da 5ª Região (Bahia e Sergipe)

Ano 6 – nº. 11 – 2014

Código de Ética do Nutricionista está sendo reformulado pág.10

Entrevista sobre as condutas do Nutricionista nas Redes Sociais

Estudantes de Nutrição da UNEB fundam Ligas Acadêmicas

pág. 06

pág. 15


Editorial

O fim do ano chegou e juntamente com ele, como de praxe, surge a necessidade de uma auto avaliação pessoal e profissional. Institucionalmente, no CRN-5, também costumamos avaliar nossas ações ao término de cada ciclo. Ao fazer isso, nos satisfaz saber que nossas realizações valeram a pena, ao tempo em que os planos para o novo ano nos motivam a seguir em frente no intuito de continuar fazendo o que está dando certo e de promover as conquistas que estão por vir. Uma dessas conquistas será o novo código de ética do nutricionista, que está sendo reformulado pelo Sistema CFN/CRN com a colaboração da categoria em todo o Brasil. Em âmbito regional, temos feito a nossa parte, organizando fóruns de escuta da categoria e estimulando o acesso ao questionário disponibilizado pelo Conselho Federal de Nutricionistas (CFN), conforme reportagem sobre o tema publicada nesta edição. Por falar em ética, aproveitamos para esclarecer dúvidas frequentes a respeito das condutas do nutricionista nas redes sociais. Além disso, através da reportagem “Transforme sonhos em oportunidades de negócios”, que resgatou um pouco do conteúdo do Bem Viver Nutrição 2014, nosso evento comemorativo ao Dia do Nutricionista, incentivamos o desenvolvimento de ações de empreendedorismo entre a categoria.


Além de apresentar um balanço das atividades desenvolvidas pela unidade de fiscalização do CRN5, nesta edição nós destacamos, no âmbito da formação profissional, a Liga Acadêmica de Nutrição da Bahia (LANUB) e a Liga Acadêmica Baiana de Segurança Alimentar e Nutricional (LABSAN), que foram fundadas por estudantes de nutrição da Universidade do Estado da Bahia (UNEB) em setembro último. Aproveitamos para parabenizar os responsáveis pelas iniciativas, as quais divulgamos a fim de incentivar o surgimento de novas ligas acadêmicas. Além de dicas e notas importantes de interesse da categoria, você poderá conferir, ainda, um artigo sobre o perfil do Nutricionista frente aos desafios da transição nutricional no contexto das atuais políticas públicas brasileiras. Enfim, caprichamos nesta edição e esperamos que faça bom proveito dela. Além de desejar uma boa leitura, aproveitamos para deixar os melhores votos de um Feliz Natal e um Ano Novo repleto de muita paz, saúde e alegrias!

Diretoria do CRN-5

*

Interação

O CRN-5 em Revista é um meio eletrônico que busca interagir com os seus leitores e facilitar o acesso às nossas informações. Por isso, caso deseje, é possível compartilhar a revista nas redes sociais ou enviar para alguém através de email. Além disso, buscando uma maior comodidade para a leitura, também é possível fazer o download da Revista para o seu computador, tablet ou celular. Para isso, ao acessar o site da Revista, clique no link “compartilhar”, na barra inferior de informações. Alguns links ao longo da revista são interativos, com informações complementares às notícias divulgadas. É possível acessá-los clicando no botão interativo, sinalizado por este símbolo + . Boa leitura!

Confira todas as edições do CRN-5 em Revista no nosso site: www.crn5.org.br


Nesta Edição

06

Destaque Entrevista com Leny Strauch Condutas Éticas do Nutricionista nas Redes Sociais.

......................................................

10

Capa Comissão de Ética

18

Comissão de Fiscalização Fiscalização do CRN-5 é intensificada em 2014.

..........................................................

22

Comissão de Comunicação & Comissão de Eventos Eventos e ações que “movimentaram” o CRN-5 em 2014.

..........................................................

24

Comissão de Comunicação & Comissão de Eventos Controle de qualidade das refeições transportadas. Código de Ética do Nutricionista

..........................................................

......................................................

26

12

..........................................................

está sendo reformulado.

Comissão de Ética CRN-5 promove Fórum de Escuta sobre dilemas éticos dos Nutricionistas.

......................................................

15

Artigo Por Anderson Carvalho dos Santos.

28

Mercado de Trabalho Transforme sonhos em Oportunidades de Negócios.

..........................................................

Destaque Comissão de Formação Profissional

32

Estudantes de Nutrição da UNEB fundam Ligas Acadêmicas.

CRN-5 participa do IV Congresso de Nutrição da Bahia.

......................................................

..........................................................

Curtas


Expediente

34

Publicação do Conselho Regional de Nu-

CRN-5 participa do IV Congresso de Nutrição da Bahia.

Salvador (BA): Rua Dr. José Peroba, 149, 10°

Curtas

......................................................

35

Curtas

tricionistas da 5ª Região (Bahia e Sergipe) - Ano 6 – nº. 11 – 2014

andar, sala 1001, Centro Empresarial Eldorado, Stiep. CEP: 41770-235 – Telefax: (71) 32375652. Aracaju (SE): Praça Tobias Barreto, Centro Médico Odontológico, Sala 502, São José. CEP: 49.015-130 - Telefax: (79) 3211-8248.

CRN-5 participa do IV Congresso de Nutrição da Bahia.

Conselheiros efetivos: Carlene Moura Palma Brito (CRN-5/ 1157); Diva Eleonora da Rocha

......................................................

Lima (CRN-5/044); Emerson Ornelas Palmeira

36

(CRN-5/3178); Gilcélio Gonçalves Almeida

Curtas CRN-5 participa do IV Congresso de Nutrição da Bahia.

(CRN-5/ 1776); Flávia Damasceno Mira Leis (CRN-5/2087); Márcia Cristina A. Magalhães Oliveira (CRN-5/1513); Márcia M. de Melo Paranaguá (CRN-5/0434); Rita de Cássia Ferreira Silva (CRN-5/ 1887) e Valquiria da Conceição Agatte – CRN-5/1830.

......................................................

Conselheiros suplentes: Anderson Carv-

37

West Nano Rêgo (CRN-5/4040); Flávia Mar-

Curtas CRN-5 participa do IV Congresso de Nutrição da Bahia.

......................................................

38 Dica

Nutricionistas e TND devem se identificar corretamente em atos inerentes ao exercício profissional.

......................................................

alho dos Santos (CRN-5/2098); Claudia Maria tins da Silva (CRN-5/1225); Janaína Sant’Anna Queiroz Costa (CRN-5/0366); Joceli Sousa Santos (CRN-5/2521); Noelia Fonseca Ramos Caires (CRN-5/0366); Rosemary Lima Barreto (CRN-5/0062); Zelice Maria de Melo Pessoa (CRN-5/0856). Redação, Edição, Jornalista responsável: Carla Santana – DRT 2563 Revisão Técnica: Leny Strauch Ferreira (CRN-5/1580) Fotos: Arquivo do CRN-5 e sites de domínio público. Editoração eletrônica: Pipa Comunicação Integrada


06


Entrevista

Condutas Éticas do Nutricionista nas Redes Sociais

As redes sociais facilitam o acesso e a difusão de informações, mas o Nutricionista deve estar atento para não infringir nenhum artigo do Código de Ética Profissional (Resolução CFN nº 334/2004) ao usá-las como ferramenta de trabalho. Como o CRN-5 tem recebido questionamentos e denúncias relacionadas à conduta profissional nas mídias sociais, elaboramos uma entrevista sobre as dúvidas mais frequentes sobre o tema. A entrevistada foi a assessora técnica do CRN-5, Nutricionista Leny Strauch Ferreira* que, entre outras funções, atua no Conselho dando suporte técnico à Comissão de Ética do Regional. CRN-5 em Revista - O Nutricionista pode utilizar redes sociais (Facebook, WhatsAPP, Intagram, outras) para divulgar produtos alimentícios, suplementos alimentares, fitoterápicos e nomes de empresas ligadas à alimentação e nutrição? Por que? Leny Strauch - Não. De acordo com o Código de Ética do Nutricionista, é vedado ao nutricionista valer-se da profissão para manifestar preferência ou para divulgar ou permitir a divulgação, em qualquer tipo de mídia, de marcas de produtos ou nomes de empresas ligadas às atividades de alimentação e nutrição.

07


CRN-5 em Revista - A utilização de imagens de

(caso seja menor de idade ou incapaz), com os

pacientes mostrando o “antes e depois” da in-

detalhes sobre local e finalidade da publicação.

tervenção nutricional é proibida nas redes dos Nutricionistas? Por que?

CRN-5 em Revista - Como é avaliada a postura de Nutricionistas que recebem algum tipo de

Leny Strauch - Depende. De acordo com o Có-

remuneração ou vantagem pela “propaganda”

digo de Ética do Nutricionista, é vedado ao nu-

de produtos ligados à alimentação e nutrição?

tricionista divulgar dados, depoimentos ou informações que possam conduzir à identificação

Leny Strauch – Estes profissionais estão desobe-

de pessoas, de marcas ou nomes de empresas,

decendo o Código de Ética do Nutricionista, o

ou de nomes de instituições, salvo se houver

que constitui infração ético-disciplinar, passível

anuência expressa e manifesta dos envolvidos

de penalidades pelo Conselho Regional. É ve-

ou interessados. Da mesma forma, o nosso Có-

dado ao nutricionista exercer a profissão com

digo de Ética proíbe o nutricionista de produzir

interação ou dependência, para obtenção de

e/ ou divulgar material técnico-científico que

vantagem de empresas que fabricam, manipu-

contenha voz e imagens de indivíduos que este-

lam ou comercializam produtos de qualquer

jam ou tenham estado sob sua responsabilidade

natureza e que venham ou possam vir a ser ob-

profissional, ou que contenham indicações físi-

jeto de prescrição dietética.

cas capazes de associar a pessoa a que se refiram, sem que para tanto obtenha autorização

CRN-5 em Revista – O Nutricionista pode uti-

escrita do indivíduo ou de seu responsável le-

lizar e-mails e redes sociais para realizar pres-

gal. Sendo assim, o antes e o depois poderão

crição dietética ou avaliação nutricional, so-

ser divulgados apenas com a autorização as-

licitando dados de peso, altura, percentual de

sinada por parte do paciente ou o responsável

gordura, etc?

08


Leny Strauch – Não. De acordo com o Código

CRN-5 em Revista – Que outras considerações

de Ética do Nutricionista, é vedado ao nutri-

sobre as condutas éticas do Nutricionista nas

cionista utilizar os recursos de divulgação ou os

Redes Sociais devem ser destacadas?

veículos de comunicação para divulgar conhecimentos de alimentação e nutrição que pos-

Leny Strauch – Devemos lembrar que somos

sam caracterizar a realização de consultas ou

profissionais de saúde e temos o compromisso

atendimentos, a formulação de diagnósticos ou

com a promoção da saúde da população. As re-

a concessão de dietas individualizadas. É proi-

des sociais têm um alto poder de abrangência e

bido também realizar consultas e diagnósticos

são direcionadas a um público muito heterogê-

nutricionais, bem como prescrição dietética,

neo, o que quer dizer que foge completamente

através da Internet ou qualquer outro meio de

ao princípio de que a orientação alimentar dada

comunicação que configure atendimento não

por um nutricionista ao seu paciente deve ser

presencial.

individualizada, após realizada a devida anamnese e avaliação do estado nutricional de cada

CRN-5 em Revista – O que o Nutricionista pode fazer quando o paciente solicita a indicação de produto para que possa seguir a orientação nutricional feita no consultório? Leny Strauch – Neste caso, o nutricionista deve indicar duas ou três marcas similares para que o paciente possa escolher, mostrando o motivo daquela seleção e ensinando o paciente a fazer a leitura do rótulo para identificar outras marcas que possam atender o objetivo, eximindo-se de qualquer compromisso com a marca A ou B. Muitas vezes, há diferença de preço ou dificuldade de encontrar uma marca ou outra e isso não pode ser um fator que inviabilize o cumprimento do planejamento alimentar. O nutricionista deve deixar claro para o paciente que não tem vínculo ou interesses comerciais com

um.

O nutricionista deve deixar claro para o paciente que não tem vínculo ou interesses comerciais com nenhuma marca. Leny Strauch Ferreira

nenhuma marca.

*Leny Strauch Ferreira, Assessora Técnica do CRN-5, é Nutricionista graduada pela UNEB, pós-graduada em Segurança e Inspeção de Alimentos pela UFBA e pós graduanda em Nutrição Clínica pelo Centro Universitário Estácio da Bahia.

09


10


Comissão de Ética

Nutricionista, ajude a construir o novo Código de Ética da sua profissão! O Código de Ética do Nutricionista será modificado. As mudanças no conteúdo desse importante documento estão sendo construídas com a colaboração de nutricionistas de todo o Brasil. A primeira fase para a coleta de sugestões aconteceu em setembro, durante o XXIII Congresso Brasileiro de Nutrição (Conbran). Mas a coleta de contribuições continua, agora através do questionário que pode ser acessado no link https://pt.surveymonkey.com/s/HHTWWPD

+

. Nele, o Nutricionista responde a

algumas perguntas que serão aproveitadas para orientar a escolha dos temas que serão tratados no novo código. Mais de 2500 respostas a este questionário já foram contabilizadas. Além de incentivar o acesso ao questionário disponibilizado no site www.cfn.org.br

+

, os Conse-

lhos Regionais de Nutricionistas estão se organizando para realizar eventos presenciais, onde a categoria possa expor, com maior riqueza de detalhes, as questões e os conflitos éticos que permeiam a sua prática profissional. O esforço é para que o documento a ser construído expresse a realidade das situações efetivamente vivenciadas e possa propor condutas compatíveis com a postura ética esperada do nutricionista, delineada a partir das peculiaridades da prática profissional da atualidade. O objetivo é enriquecer a base de dados e envolver a categoria nessa grande discussão.

11


CRN-5 promove Fórum de Escuta sobre dilemas éticos dos nutricionistas Com o intuito de identificar conflitos éticos e

“Na preparação do I Fórum de Escuta da Ca-

técnicos da prática profissional individual e cole-

tegoria no Regional, foram promovidas reuniões

tiva do nutricionista para subsidiar a construção

deliberativas em conjunto com a diretoria e pre-

do novo Código de Ética, mais abrangente e

liminarmente com a Comissão de Ética do CRN-

contextualizado, o CRN-5 promoveu o “I Fórum

5, que culminaram na formação da Cecet, uma

de Escuta da Categoria – Falando e Escutando o

comissão especial de caráter temporário”, expli-

meu Ser Nutricionista” dia 11 de novembro, na

cou a conselheira coordenadora da Comissão

Faculdade Ruy Barbosa, em Salvador. O evento

de Ética e vice-presidente do CRN-5, Márcia

foi organizado pela Comissão Especial do Có-

Paranaguá, que em nome da presidente da enti-

digo de Ética do Nutricionista (Cecet) do CRN-5,

dade, Valquíria Agatte, abriu o Fórum de Escuta

instituída pela Portaria CRN-5 nº 21/2014.

com palavras de saudação e agradecimentos.

“Cumprimos nossa meta de levantar o posi-

Além de enfatizar a importância do evento, a

cionamento de nutricionistas de Salvador que

conselheira falou da certeza de obtenção de

atuam nas mais variadas áreas em relação aos

bons resultados, respaldada pelo conhecimento

dilemas éticos vivenciados pela categoria no

do grupo de profissionais que acataram a con-

dia a dia”, comemorou a coordenadora da Ce-

vocação e se fizeram presentes no Fórum. “Este

cet do Regional, Nutricionista Fátima Christina

marco decisório caracteriza um momento sin-

Santana. Os dados levantados serão enviados

gular de socialização da categoria em torno da

ao Conselho Federal de Nutricionistas (CFN), a

revisão de uma lei que trata das relações inter

fim de colaborar com a revisão do Código de

e intraprofisionais, como é o Código de ética”,

Ética Profissional que está sendo realizada com

destacou Paranaguá.

o apoio direto de nutricionistas de todo o Brasil. Até março de 2015, pelo menos dois outros

Após definir conceitos de ética e moral, a coor-

fóruns serão realizados pela Cecet do CRN-5,

denadora da Cecet Regional explicou a metodo-

fora de Salvador, em área de abrangência do

logia do fórum, dividindo os participantes em

Regional. O prazo estabelecido pelo CFN para a

cinco grupos de discussão liderados por um “an-

finalização completa da revisão é 2016.

fitrião” (representante da Cecet ou da Comissão

12


de Ética do CRN-5). Os grupos receberam uma lista contendo 14 temas* para discussão de apenas três que fossem, entre todos, considerados os mais importantes. As discussões dos temas escolhidos deram origem a quadros resumidos de escutas da categoria, que foram sinteticamente compartilhados por representantes de cada grupo. Os dados, que buscaram refletir os perfis dos profissionais atuais e o que eles almejam para o futuro, estão sendo avaliados pela Cecet. O resultado final do Fórum será compilado em um relatório que será divulgado em breve pelo Regional e encaminhado para o Conselho Federal de Nutricionistas.

Psicóloga Ana Luiza Rubini, Advogada Valma Calil e Nutricionista Fátima Christina Santana

Márcia Paranaguá, vice-presidente do CRN-5 e membro da CECET

O Fórum contou, ainda, com uma oficina em que cada participante respondeu em uma ou duas palavras às perguntas: “Quem somos enquanto categoria?” e “Quem queremos ser ou onde pretendemos chegar?”. As respostas foram coladas em um quadro e, em seguida, os participantes tiveram a oportunidade de dar depoimentos pessoais, alguns emocionados, sobre as respostas. Frases como “Não desanimem diante das dificuldades”; “Quando eu mudo, o mundo muda” e “Vamos em frente!”, deram o tom positivo de encerramento do evento. 13


Membros da CECET e conselheiros da Comissão de Ética do CRN-5

* Temas que estão sendo discutidos por Nutricionistas de todo o Brasil para construção no novo Código de Ética profissional 1) Conflito de interesse com a indústria e comércio de alimentos; 2) Invasão das competências do nutricionista; 3) Sigilo profissional; 4) Remuneração/salário; 5) Adoção de práticas não convencionais; 6) Abrangência e limites da responsabilidade profissional; 7) Relações profissionais com chefias, colegas e subordinados; 8) Identificação profissional e títulos: graduação, especialização e especialidade; 9) Responsabilidade Técnica e anotação de RT; 10) Limites e potenciais da utilização da TI (Tecnologia da Informação) na prática profissional; 11) Políticas e Programas Públicos de Alimentação e Nutrição – papel do nutricionista; 12) Potencial e Limites da atuação em equipes multiprofissionais; 13) Relação entre docente e discentes; 14) Publicidade na mídia. 14


Comissão de Formação Profissional

Ligas Acadêmicas otimizam formação de estudantes de Nutrição As ligas acadêmicas são entidades criadas e organizadas por estudantes, professores e profissionais que apresentam interesses em comum, especialmente em áreas de especialidade do campo da saúde. Seu objetivo principal é complementar a formação acadêmica por meio de atividades que atendam aos princípios do tripé universitário de ensino, pesquisa e extensão. Os integrantes das Ligas realizam atividades extraclasse e desenvolvem ações voltadas para a promoção da saúde e educação, criando oportunidades de trabalhos científicos, didáticos, culturais e sociais no espaço acadêmico, contribuindo para o desenvolvimento científico e aprimoramento da área da saúde. De acordo com a coordenadora da Comissão de Formação Profissional do CRN-5, Márcia Magalhães, as ligas acadêmicas são iniciativas que devem ser cada vez mais valorizadas e difundidas, “não apenas por estimular a pesquisa científica acadêmica e aprimorar a formação profissional dos seus integrantes, mas sobretudo pelo seu potencial de facilitar o diálogo entre a Academia e a sociedade, através dos projetos que são desenvolvidos por elas”, resumiu a Nutricionista. No Brasil, algumas poucas ligas acadêmicas ligadas às áreas de nutrição e segurança alimentar foram fundadas há mais de cinco anos, como é o caso da Liga Acadêmica de Segurança Alimentar e Nutricional (LASAN), do Centro Universitário de Volta Redonda (Unifoa), fundada em 2007. Grande parte das que existem hoje surgiu nos últimos três anos. Em 2013, por exemplo, a Liga Acadêmica de Nutrição e Culinária Saudável (Lanuc) foi fundada na Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUCGO), em Goiânia-GO. Este ano, surgiram a Liga Acadêmica de Nutrição Funcional (LANF), também na PUC-GO e a Liga Acadêmica de Nutrição em Diabetes e Hipertensão (LANDH), na Faculdade Santa Terezinha (CEST), em São Luís do Maranhão-MA. Em setembro de 2014, a Liga Acadêmica de Nutrição da Bahia (LANUB) e a Liga Acadêmica Baiana de Segurança Alimentar e Nutricional (LABSAN) foram fundadas na Universidade do Estado da Bahia (UNEB). “E foram as primeiras do Norte/Nordeste, pelo que sabemos. Existem outras sete ligas acadêmicas na Uneb, mas todas ligadas a outros cursos da área de saúde, embora sejam abertas à participação dos estudantes de nutrição, não apenas desta universidade mas também de outras instituições”, explica o orientador da LANUB, Fábio Rodrigo dos Santos, que também é vice-presidente do Conselho Federal de Nutricionistas (CFN). 15


De acordo com o Nutricionista, a LANUB é

Atualmente, a LANUB é composta por 13

voltada para os saberes das diversas áreas da

membros distribuídos entre presidência, vice-

nutrição, tratando-as de forma que não sejam

presidência, diretoria financeira, diretoria de en-

vistas como áreas individuais e sim áreas inte-

sino, diretoria de comunicação e eventos, dire-

gradas de atuação. “Desenvolvemos eventos e

toria de extensão e diretoria de pesquisa. Todos

atividades extra curriculares de introdução na

têm suas funções definidas baseadas no esta-

área de pesquisa, ensino e extensão. Nosso in-

tuto e regimento interno próprios. Os membros

tuito é melhorar a qualidade da formação dos

participam de atividades como leituras de artigo,

graduandos e, juntamente com eles, compar-

projetos de ensino e extensão, produções como

tilhar conhecimentos com a comunidade”, de-

sessão aberta e simpósios. Para ser admitido, o

clarou.

graduando em nutrição deve ser aprovado em seleção específica e estar devidamente matricu-

Nas reuniões da LANUB também é possível am-

lado em uma instituição de ensino superior. As

pliar as discussões de temas pouco explorados

reuniões são semanais. Hoje, a estudante de

em sala de aula e apresentar vivências de cunho

Nutrição da UNEB Tâmara Praxedes é a presi-

mais prático, além de metodologias ativas que

dente da LANUB.

privilegiem o debate e a construção coletiva do saber, onde o docente atua como mediador e

Atualmente, esta liga desenvolve um projeto

não como centralizador das discussões. Neste

que tem como base a Alimentação Escolar.

sentido, explica Fábio, o papel do orientador das

“Como somos uma liga recente, estamos em

Ligas deve ser basicamente “estimular a pesqui-

fase de planejamento

sa, a empregabilidade de metodologias ativas

pesquisa e extensão que possam abranger todas

de aprendizagem e a experimentação da práti-

as áreas da Nutrição. Nossa meta é incentivar

ca profissional, quer seja de maneira dialógica,

cada vez mais a busca de novos conhecimentos

aplicada ou referenciada por experts nos referi-

e atualidades na área”, concluiu o professor do

dos campos”.

curso de Nutrição da UNEB, Fábio Rodrigo.

Membros da Liga Acadêmica Baiana de Segurança Alimentar e Nutricional (LABSAN) e o orientador Nutricionista Anderson Carvalho

16

de outros projetos de


Membros da Liga Acadêmica de Nutrição da Bahia (LANUB), com o orientador Nutricionista Fábio Rodrigo dos Santos e uma colaboradora, a Nutricionista Lindanor Santana Neta

LABSAN O orientador da recém criada Liga Acadêmica Baiana de Segurança Alimentar e Nutricional (LABSAN) é o Nutricionista Anderson Carvalho, professor do curso de nutrição da UNEB e atual conselheiro do CRN-5. Para ele, a iniciativa dos estudantes de se organizar neste sentido deve ser valorizada. “Eles entendem a necessidade de aprofundar temas que não são discutidos em seu aspecto transversal, como é o caso da Segurança Alimentar. Isso é ótimo”, enfatizou. Atualmente, a LABSAN, que também possui estatuto e regimento próprios, realiza atividades semelhantes às da LANUB, embora voltadas especificamente para a discussão e aplicação do conhecimento sobre Segurança Alimentar e Nutricional (SAN). A liga reúne apenas estudantes de Nutrição da UNEB e de outras Faculdades de Nutrição de Salvador-BA. Mas, de acordo com a vice-presidente da Liga, Aline Santana, o objetivo é reunir estudantes e profissionais de diferentes áreas ligadas à SAN. “Nosso intuito é desenvolver nossa autonomia não só como pesquisadores, mas também aplicando conhecimentos na prática, a fim de melhorar o quadro da Segurança Alimentar e Nutricional em nosso estado e divulgar, perante a comunidade, tudo o que aprendermos sobre as boas práticas relacionadas à SAN”, declarou a estudante de Nutrição da UNEB. As reuniões da LABSAN são semanais e se se baseiam em um calendário de estudo interno, que também abrange a realização de cursos internos e externos. Estes últimos permitem divulgar para a comunidade as implicações do tema SAN. A atividade externa organizada mais recentemente foi um Simpósio sobre sociobiodiversidade e agricultura familiar. O atual presidente da LABSAN é o estudante de Nutrição da UNEB Ismael Oliveira. 17


Comissão de Fiscalização

Fiscalização do CRN-5 é intensificada em 2014

Nutricionis

Ao longo de todo este ano, por meio do Projeto: “Fiscalização do cumprimento das atribuições do nutricionista da alimentação escolar – gestor público em Sergipe”, as visitas fiscais do CRN-5 aos Responsáveis Técnicos (RT) da alimentação escolar dos 75 municípios do Estado de Sergipe foram intensificadas. Além disso, em diversos municípios da Bahia, em parceria com o Ministério Público Federal (MPF), foram realizadas perícias de verificação da qualidade da alimentação do escolar. Outra meta anual traçada e cumprida pela Unidade de Fiscalização do Regional foi a ampliação do número de cadastros de prefeituras junto ao Conselho, especialmente no Estado de Sergipe. “Os municípios cadastrados, por sua vez, passaram a receber orientações fiscais regulares”, explicou a coordenadora da Fiscalização do CRN-5, Mariluze Bahia. Muitas Instituições de Ensino Superior (IES) que não possuíam cadastro no Regional foram cadastradas através do preenchimento de formulário específico. A partir daí, as fiscais do CRN-5 orientaram os coordenadores dos cursos de nutrição quanto à manutenção do cadastro da IES que, além de permitir a agilidade na entrega de documentos solicitados ao CRN-5, mantém a IES regular, conforme estabelece a legislação. Ao incentivar o registro de denúncias sobre inadequações no exercício profissional, a Fiscalização do CRN-5 pôde apurar não conformidades e tomar as providências cabíveis no sentido de corrigir infrações ligadas ao exercício profissional de nutricionistas, técnicos em nutrição e dietética e leigos exercendo uma dessas profissões.

18


sta Mariluze Bahia, coordenadora de Fiscalização do CRN-5 Robson Fiaes, assistente administrativo da Unidade Fiscal do Conselho

Equipe da Fiscalização trabalhando juntamente com as conselheiras Janaína Queiroz Costa e Claudia Maria West

19


Além disso, por intermédio da Fiscalização, foi criado no CRN-5 o setor de conciliação, que possui o objetivo de mediar conciliações de débitos de Pessoas Físicas e Jurídicas. A unidade também atualizou os formulários de visitas fiscais de Pessoas Físicas e Jurídicas. “Também para otimizar nossos processos, estamos fazendo um levantamento intensivo de todos os processos de infração no regional, para padronização das ações junto ao Sistema CFN/CRNs e consequente adequação dos relatórios às exigências das novas legislações”, explicou a coordenadora da fiscalização. Para permitir o avanço do setor, a equipe técnica da fiscalização foi ampliada com a contratação de um estagiário e de um auxiliar administrativo. “Outra conquista foi a aquisição de duas viaturas oficiais, com o objetivo de melhorar os deslocamentos das fiscais quando em atividade. Uma viatura atende a sede em Salvador e outra foi direcionada para a delegacia do CRN-5 em Aracaju”, conta Mariluze.

Acima, Fiscais do CRN-5: Diva Aragão, Tatiana dos Santos e Izabelle Gasparine ao lado da coordenadora Mariluze Bahia (3ª da esquerda para a direita). ......................................................................................... Veículo utilizado pelo CRN-5 nas visitas fiscais foi adquirido este ano (ao lado).

20


NÚMEROS

1.000 visitas Até o final do corrente ano, mais de 1.000 visitas fiscais terão sido realizadas pelo CRN-5.

1.700 documentos Como resultado das visitas realizadas, quase 1700 documentos serão lavrados pelas fiscais, entre termos de visita, termos de notificação, autos de infração e notificação.

85 denúncias e 36 processos Até novembro, 85 denúncias foram apuradas pelo CRN-5, as quais deram origem a 36 processos administrativos. Algumas foram resolvidas administrativamente ou por meio de visita fiscal e outras julgadas improcedentes foram arquivadas.

VISITAS FISCAIS ITINERANTES Em Sergipe, receberam visitas fiscais itinerantes do CRN-5 ao longo deste ano os municípios de Tobias Barreto, Poço Verde, Simão Dias, Canindé de São Francisco, Poço Redondo, Porto da Folha, Monte Alegre de Sergipe, Feira Nova, Gararu, Graccho Cardoso, Itabi, Nossa Senhora da Glória, Itabaiana, Areia Branca, Campo do Brito, Moita Bonita, Malhador, Lagarto, Riachão do Dantas, Macambira, São Domingos, Aracaju, Nossa Senhora do Socorro, São Cristovão, Barra dos Coqueiros, Santo Amaro da Brotas, Laranjareiras, Maruim, Rosário do Catete, General Mainard, Carmopólis, Riachuelo, Pedrinhas, Salgado, Boquim, Arauá, Itabaianinha, Umbauba, Tomar do Geru, Cristinapolis, Carira, Pinhão, Pedra Mole, Frei Paulo, Ribeiropolis, Nossa Senhora Aparecida, Capela, Siriri, Divina Pastora, Santa Rosa Lima, Idiaroba, Santa Luzia do Itanhém, Estância, Itaporanga D’ajuda, Nossa Senhora das Dores, Cumbe, Aquidabã, Malhada dos Bois, Muribeca, São Miguel do Aleixo, Pirambu, Japaratuba, Jaboatã, Pacatuba, Brejo Grande, Ilha das Flores, Neopólis, Santana do São Francisco, Propriá, São Francisco, Cedro de São João, Telha, Amparo de São Francisco, Canhoba, Nossa Senhora de Lourdes. Na Bahia, a fiscalização do CRN-5 chegou à Vitória da Conquista, Cruz das Almas, Itabuna, Ilhéus, Ibicaraí, Juazeiro, Jacobina, Ourolândia, Teixeira de Freitas, Ibirapuan, Itamaraju, Jucurucu, Conceição de Feira, Ipecaetá, Pé de Serra, Alagoinhas, Itaberaba, Serrinha, Santo Antônio de Jesus, Feira de Santana, Lauro de Freitas, Camaçari, Dias D’avila, São Francisco do Conde, Madre de Deus, Simões Filho e São Sebastião do Passé.

21


Comissão de Comunicação & Comissão de Eventos

Eventos e ações que “movimentaram” o CRN-5 em 2014 Muitas foram as ações organizadas e divulgados pelas Comissões de Eventos e de Comunicação do CRN-5 em 2014. Além das Cerimônias mensais de entregas da Carteira de Habilitação Profissional do CRN-5 em Salvador-BA e Aracaju-BA e de encontros com coordenadores e estudantes dos cursos de Nutrição e de formação de TND; o CRN-5:

Realizou o Simpósio “Nutricionista como Empreendedor: da Consultoria à Microempresa” Fevereiro – Feira de Santana-BA; Promoveu o Bate-Papo Temático “Atuação do Nutricionista no PNAE” – Março – Internet; Apresentou a Mesa Redonda “O Nutricionista nas estratégias de Segurança Alimentar e Nutricional” Março – Salvador-BA; Organizou Encontros conduzidos pela Coordenação Geral de Alimentação e Nutrição (CGAN) do Ministério da Saúde para discutir a Revisão do Guia Alimentar para a População Brasileira Abril – Aracaju-SE e Salvador-BA; Realizou o II Treinamento Básico de Mídia (Media Trainning) a fim de capacitar nutricionistas para entrevistas à imprensa – Abril – Salvador-BA; Participou do Ação Global 2014 – Abril – Salvador-BA; Ajudou a divulgar as Eleições e a Cerimônia de Posse do novo Plenário Gestão 2014-2017 Maio e Junho – Bahia e Sergipe; Promoveu Eventos comemorativos ao Dia do TND – Julho e Setembro – Salvador-BA e Aracaju-SE; Organizou o Bem Viver Nutrição 2015 – Evento Comemorativo ao Dia do Nutricionista Agosto e Setembro - Salvador-BA e Aracaju-SE; 22


Divulgou a Segunda Edição do Prêmio Angeolina Rossi – Categoria Trabalhos Científicos Agosto – Salvador-BA; Participou do Congresso Brasileiro de Nutrição (Conbran), onde apresentou o pôster do Projeto “Fiscalização do cumprimento das atribuições do Nutricionista da Alimentação Escolar – Gestor Público na Bahia” – Setembro – Vitória-ES; Promoveu Bate-Papo Temático “Controle de Qualidade nas Refeições Transportadas” Outubro – Internet; Realizou o Café com a Presidente – Outubro – Salvador-BA; Participou do Congresso de Nutrição da Bahia (BahiaNut), onde montou um stand com banner alusivo ao Dia Mundial da Alimentação (16 de outubro); Organizou os Vídeos-debates sobre o filme “O Veneno está na Mesa II” Outubro e Dezembro – Feira de Santana-BA e Salvador-BA. Participou da V Jornada de Comunicação e da Oficina de Comunicação do Sistema CFN/CRN Outubro e Novembro – Brasília-DF.

Além de promover e apoiar estes e outros eventos, a Comunicação de Comunicação, através da unidade de Assessoria de Comunicação, realiza, periodicamente, outras atividades, tais como redação e edição da” CRN-5 em Revista”; assessoria de imprensa (atendimento à imprensa); atualização do site institucional; gerenciamento da Fan Page (Facebook); elaboração, edição e envio de boletins informativos; criação e envio de e-mails direcionados aos profissionais registrados no Conselho (convites, cartazes, cartões; informes, certificados; etc); atualização de mural interno; promoção de campanhas temáticas (Outubro Rosa; Novembro Azul, entre outras). 23


Controle de qualidade das refeições transportadas Uma das distintas ações organizadas pela Comunicação de Comunicação do CRN-5 este ano foi o chat temático “Controle de qualidade das refeições transportadas”, realizado em outubro, Facilitado pela nutricionista Flávia Martins (foto à direita), o encontro teve como objetivo compartilhar com nutricionistas e demais interessados informações e dicas que precisam ser consideradas nos casos em que o local de produção de alimentos (Unidades de Alimentação e Nutrição – UAN) encontra-se distante do ambiente de distribuição ou consumo. O controle de qualidade das refeições transportadas compreende desde o planejamento do cardápio e escolha da matéria-prima, preparação dos alimentos e acondicionamento adequado, até o transporte, distribuição ao local destinado e consumo. Em todas essas etapas, o nutricionista deve se responsabilizar pelo monitoramento rigoroso dos procedimentos de higienização e desinfecção, manipulação, controle de temperatura e coleta de amostra, para atender as normas das RDC nº 216, RDC nº 218 e RDC nº 275. Para ter êxito neste processo, “o Nutricionista precisa estabelecer uma rotina de boas práticas para o serviço de alimentação, a fim de garantir as condições higiênico-sanitárias satisfatórias para prevenção de toxinfecções alimentares, atendendo para as características sensorias do produto preparado”, destaca Flávia Martins. E completa: “A logística de acondicionamento dos alimentos deve ser eficiente para garantir sua chegada ao comensal em temperatura adequada. O binômio tempo e temperatura é imprescindível para o sucesso deste processo”. A distribuição pode ser feita individualmente em marmitex ou o alimento pode ser acondicionado em caixas térmicas para ser colocado em um balcão térmico no local de destino. Em ambas as opções, é preciso considerar o Ponto Crítico de Controle (PCC), cujo objetivo é “impedir a multiplicação de células microbianas que resistem ao aquecimento por esporulação ou células vegetativas que tenham contaminado o alimento ou até mesmo por uma biomassa microbiana produtora de toxinas”, diz a nutricionista 24


Desafios

novos mercados e bons resultados, é importante que o nutricionista se qualifique. Para

A Conselheira do CRN-5 acredita que o maior

isso, o profissional pode fazer cursos de Espe-

desafio do Nutricionista que atua no controle da

cialização voltados para Segurança Alimentar

qualidade de refeições transportadas é a con-

em Unidades Produtoras de Refeições (UPR) e/

scientização/sensibilização diária da equipe de

ou Controle de Qualidade, os quais proporcio-

trabalho. “Além de treinamentos periódicos, é

nam ao Nutricionista um bom aprimoramento

importante manter um diálogo diário com os

dos conhecimentos sobre o controle higiênico

colaboradores para discussão de assuntos, re-

sanitário do alimento”, finaliza Flávia.

visão de problemas e planejamento de ações corretivas. Isso requer muito equilíbrio e co-

Além de Bacharel em Nutrição, Flávia Martins

nhecimento técnico do nutricionista, que atua

é graduada

como o maestro de uma orquestra que deve ser

em Ciências de Alimentos; Especializada em

afinada todos os dias”, compara.

Metodologia do Ensino Superior e em Nutrição

em Ciências Biológicas; Mestre

Clínica e Metabólica. Além disso, acumula exQualificação para atuar na área

periências nas áreas de dietoterapia; produção em unidade hospitalares e restaurantes; desen-

Apesar da alimentação transportada ser uma

volvimento de programas de treinamento para

realidade nacional, os estudos estatísticos e

manipuladores de alimentos e implantação do

dados científicos sobre o segmento ainda são

serviço de refeição transportada, entre outras. É

escassos. “Para garantir a satisfação do cliente,

Conselheira componente do atual plenário do

o reconhecimento do trabalho, a aquisição de

CRN-5. 25


Artigo

Uma contribuição à discussão sobre o

Perfil Profissional do Nutricionista

frente aos desafios da transição nutricional no contexto das atuais políticas públicas brasileiras Por Anderson Carvalho dos Santos* Num contexto de intensas transformações sociais, onde as questões alimentares e nutricionais ganham centralidade, se faz cada vez mais necessária a abertura de profunda discussão acerca do ideal de profissional que se espera no interior de uma categoria que se propõe a ser protagonista no combate às iniquidades no campo da segurança alimentar e nutricional e na promoção da saúde. Em uma profissão generalista como a nossa, a noção de sistema alimentar pode contribuir para perseguirmos a construção de um perfil interdisciplinar, integral e mais conectado às demandas sociais. O sociólogo Carlos Dória, que se dedica à questão alimentar a partir do domínio culinário, define sistemas alimentares como o “conjunto de soluções de vida de uma população para resolver os problemas de nutrição, sempre considerando as possibilidades que o ambiente dispõe e das ideias dessa população sobre a incorporação, que podem se formar em outros domínios da cultura, como a religião” (DORIA, 2009). Para nós, essa noção poderia ser interpretada como a indissociabilidade entre a natureza (representada pelas matérias-primas alimentares), o homem (sujeito e objeto das transformações alimentares) e a técnica (a transformação das matérias primas alimentares em técnicas, produtos e padrões). Isso define, por si só, que tanto o ato de comer, já complexo em si mesmo e pela rede de relações que cria, quanto o sistema alimentar que produz, sustenta e influencia o comer das populações e dos indivíduos, são expressões de um mesmo fenômeno complexo, portanto indissociável à investigação científica. Dito isso, deveria ser quase que inimaginável uma situação onde a atuação clínica do nutricionista descuide da compreensão da rede de relações que definem as escolhas alimentares. Ou que esse 26


mesmo profissional não compreenda de maneira sistemática como enfrentar no seu campo de trabalho o avanço dos agrotóxicos e dos alimentos transgênicos e quais as alternativas produtivas viáveis para lidar com este panorama. Da mesma forma, deve ser de se estranhar que um profissional que atue na atenção básica do SUS não tenha domínio no manejo de técnicas básicas no campo clínico e culinário no combate ao processo de homogeneização alimentar, buscando aproximar produção e consumo, o consumidor das técnicas culinárias. Vários poderiam ser os exemplos flagrantes da dissociabilidade entre as áreas da nutrição. A triste constatação é de que caminhando sozinhas e sem diálogo, construímos uma profissão mais precária, mais prescritiva, mais dependente da atuação de outros profissionais (como médicos e especialistas não-nutricionistas da alimentação e nutrição) e, portanto, menos eficaz no manejo dos agravos alimentares e nutricionais da população. Na verdade o que deveríamos buscar é justamente a noção sistemática desde a formação, onde a já precarizada divisão do trabalho da nutrição fosse uma mera questão didática e não condicionasse o pensamento científico. Para isso, precisamos atuar em conjunto no fortalecimento das instituições de ensino a partir do fomento a uma capacitação técnica mais ajustada, uma formação política mais presente e um preparo ético transversal a todas as disciplinas do conhecimento. O maior desafio na conformação profissional talvez comece com a compreensão da nutrição enquanto um campo, onde o diálogo entre os domínios disciplinares esteja a favor da construção de um ofício generalista mais ético, eficaz e humano.

O maior desafio na conformação profissional talvez comece com a compreensão da nutrição enquanto um campo... Anderson Carvalho

*Anderson Carvalho (foto acima) é Nutricionista, Mestre em Ciências Sociais e professor da Universidade do Estado da Bahia (UNEB) e da Faculdade Ruy Barbosa (FRB).

27


Mercado de Trabalho

Transforme sonhos em oportunidades de negócios

“Transforme seus sonhos em oportunidades de negócios”. Esta foi a principal mensagem deixada pela edição 2014 do Bem Viver Nutrição, evento promovido pelo Conselho Regional de Nutricionistas da 5ª Região em parceria com o Sebrae no dia 30 de agosto no Hotel Fiesta, em Salvador, durante comemoração ao Dia do Nutricionista (31/08). Através de palestras focadas em como montar e divulgar o seu negócio na área de alimentos e nutrição, o público de quase 200 pessoas presente no evento aprendeu que não basta ter ideias: para empreender, é preciso planejar, conhecer, perseverar e acreditar. Esta mensagem foi reforçada pela Mesa Redonda “Empreendedores de Sucesso”, marcada por cases de sucesso relatados com um toque especial de emoção pelas Nutricionistas Márcia de Melo Paranaguá, Diva Rocha Lima, Andréa Souza e Silva e Domitila Santos Amaral, com mediação do Conselheiro do CRN-5 Emerson Palmeira. Outro momento especial do Bem Viver Nutrição 2014 foi a segunda edição do Prêmio Drª Angeolina Rossi, mediado pela Conselheira Márcia Cristina Magalhães. A premiação valorizou todos os trabalhos científicos inscritos, destacando Luiza de Jesus Santos, da Universidade Federal da Bahia (UFBA), pelo primeiro lugar na categoria Painel, com o trabalho “Tempo e Temperatura da Alimentação Transportada destinada ao Restaurante Universitário na cidade de Salvador-BA”. Já a vencedora da categoria oral foi a estudante Sabrina Feitosa da UFBA, pelo trabalho “Efeito da Fritura por Imersão nos Minerais do Acarajé”. Quem também acabou “ganhando” com o evento foi a ONG Lar Vida, beneficiada com 159 pacotes de fradas doadas pelos participantes do Bem Viver a partir do incentivo do CRN-5. “Acreditamos na seriedade do trabalho que esta instituição faz em defesa do cuidado e valorização de pessoas com deficiência”, comentou a diretora do CRN-5, Diva Rocha Lima.

28


29


Dicas de empreendedorismo

caminho para se empreender começa com a identificação de uma oportunidade, passa pelo

“Nem todo empresário é empreendedor e vice-

teste da viabilidade e tomada de decisões, até

versa. Quem quer empreender, deve se preparar

chegar à implementação do negócio e adminis-

para isso, conhecer tendências de mercado e

tração do empreendimento propriamente dito”,

investir nelas com base em um Plano de Negó-

completou Susart.

cios bem estruturado”, disse Joaquim Susart, palestrante do Sebrae, que iniciou sua aborda-

Para explicar como uma oportunidade de negó-

gem apresentando as principais características

cio deve ser avaliada, o administrador estimu-

do comportamento empreendedor, entre as

lou os nutricionistas a responderem algumas

quais destacam-se: assumir riscos controlados;

perguntas: 1) Aquele negócio atenderá neces-

buscar oportunidades e iniciativas; ser eficiente,

sidades de algum público?; 2) Há perspectivas

persistente, comprometido, dinâmico e auto-

de lucros?; 3) Por quanto tempo?; 4) É possível

confiante; estabelecer metas realizáveis; plane-

recuperar o dinheiro investido?; 5) Existe possi-

jar e monitorar ações sistematicamente; ter per-

bilidade de expansão? e 6) Todas essas questões,

suasão e, claro, ter uma boa rede de contatos.

se respondidas positivamente, podem ser detalhadas no papel? Este detalhamento citado por

“O dono da empresa deve estar à frente do

Susart deve estar registrada em um Plano de

negócio, embora não precise, necessariamente,

Negócios, que é um instrumento por meio do

estar presente na empresa full time. Ele precisa

qual são organizados dados, informações e pre-

estar permanentemente informado sobre tudo

visões a respeito do empreendimento, a fim de

o que acontece e conduzir as ações de acor-

orientar na tomada de decisões estratégicas e

do com as metas estabelecidas”, destacou. “O

minimizar os fatores de risco.

“Este plano não garante o sucesso empresarial,

Quem quer empreender, deve se preparar para isso, conhecer tendências de mercado e investir nelas com base em um Plano de Negócios bem estruturado Joaquim Susart

mas auxilia no estudo de viabilidade do negócio; ajuda no financiamento e empréstimos, além de facilitar a busca de parceiros e sócios”, resumiu. Um bom Plano de Negócios deve definir o produto ou serviço; identificar o mercado consumidor, o mercado fornecedor e o concorrente; avaliar o ponto de venda; levantar o investimento fixo e estimar os cursos fixos e com pessoal. O palestrante incluiu em sua abordagem os 10 pecados capitais que precisam ser evitados por quem quer ter sucesso ao empreender: 1) Não ter capital; 2) Misturar despesas pessoais e empresariais; 3) Não ter capacidade administrativa; 4) Escolher mal o negócio; 5) Errar no mix de produtos; 6) Escolher um ponto ruim; 7) Desconhecer o mercado; 8) Apostar em modismos; 9) Operar na ilegalidade e 10) Não ser, de fato, um empreendedor.

30


Joaquim Susart, consultor do Sebrae, incentivou o empreendedorismo

Como divulgar o seu negócio Ao abordar a importância da divulgação do negócio, Susart destacou os objetivos da comunicação empresarial e os canais através dos quais é possível atingir o público-alvo, “que deve ser muito bem definido”, enfatizou. “Embalagens, produtos, eventos, propaganda, boca a boca, empregados, publicidade, promoções, merchandising e call center são alguns dos meios que o empreendedor pode utilizar para levar consumidores a experimentar o novo, afastá-los dos produtos concorrentes (sem falar mal dele!), aumentar a compra dos produtos existentes, manter e recompensar um consumidor real e/ou construir o relacionamento com clientes e potenciais clientes”, disse. “O empreendedor não pode esquecer de estabelecer o orçamento que será investido em comunicação e, ao fim de cada ação, avaliar os resultados”, frisou. Além dos canais de comunicação não pessoais, como cartazes, panfletos, carros de som, anúncios, uniforme dos vendedores, limpeza e arrumação do ponto de venda e cartões de visita, o palestrante mencionou a importância da pessoa do empreendedor no processo de divulgação do seu negócio. “A presença dele em feiras e exposições ou em entrevistas para rádios, TVs e demais espaços jornalísticos das mídias podem fazer uma grande diferença na divulgação do negócio”, concluiu.

31


32


Curtas

CRN-5 participa do IV Congresso de Nutrição da Bahia Entre os dias 16 e 18 de outubro, o CRN-5 participou do IV Congresso de Nutrição da Bahia (BahiaNut) no Centro de Convenções. No estande da autarquia, fiscais e conselheiros interagiram com nutricionistas e estudantes de nutrição participantes do evento. No local, um Banner de apoio à Agricultura Familiar lembrou o tema escolhido pela FAO para o Dia Mundial da Alimentação: “Agricultura Familiar: alimentar o mundo, cuidar do planeta”. Além disso, houve plantão fiscal para atualização cadastral de nutricionistas e esclarecimento de dúvidas relacionadas à atuação profissional.

33


“Café com a Presidente” aproxima Conselho de estudantes

A fim de estreitar o relacionamento com futuros nutricionistas, o CRN-5 realizou a primeira edição do “Café com a Presidente” no dia 13 de novembro, na sede do Conselho, em Salvador. Na ocasião, a presidente do CRN-5, Valquiria Agatte, conversou com estudantes de nutrição de diversas Faculdades a respeito dos papeis do Conselho e das expectativas do mercado de trabalho em relação aos futuros Nutricionistas. “Nossa intenção foi motivar os alunos a se engajarem na defesa e valorização da profissão de Nutricionista desde sua formação profissional”, resumiu a conselheira.

34


Vídeos-debates sobre o filme “O Veneno está na Mesa II” Para celebrar o Dia Mundial da Alimentação, o CRN-5 promoveu no dia 24 de outubro um vídeodebate sobre o filme “O Veneno está na Mesa II”, com foco na relação entre agrotóxicos e saúde humana. O evento foi realizado no auditório da Faculdades Unidas de Feira de Santana (FUFS). O facilitador do debate foi o engenheiro agrônomo Johannes Carjfram de Santana Leandro e a mediadora, a Nutricionista Noélia Caires, Conselheira do CRN-5 e professora do Curso de Nutrição e Enfermagem da FUFS. No dia 4 de dezembro, um vídeo-debate sobre o mesmo o filme foi promovido pelo CRN-5 no auditório da Assembleia Legislativa da Bahia. Neste, o facilitador foi o agrônomo e Secretário Executivo da Câmara Governamental de Segurança Alimentar e Nutricional (GGSAN), Flávio Bastos, e a mediadora a Nutricionista da Secretaria de Desenvolvimento Social e Combate à Pobreza (SEDES) e Conselheira do CRN-5, Zelice Maria de Melo Pessoa. Sucesso total!

Acima, Agrônomo Flávio Bastos, da CGAN (à esquerda) e Nutricionistas Zelice Pessoa, da SEDES, e Terezinha Raposo, da Assembleia Legislativa da Bahia (à direita).

35


Novo Guia Alimentar para a População Brasileira é lançado

O Ministério da Saúde lançou no dia 5 de novembro o novo Guia Alimentar para a População Brasileira. A intenção da publicação é promover a saúde e a boa alimentação, combatendo a desnutrição e prevenindo enfermidades em ascensão, como a obesidade, o diabetes e outras doenças crônicas, como AVC, infarto e câncer. Redigido em linguagem acessível, o Guia Alimentar se dirige às famílias diretamente e, também, a profissionais de saúde, educadores, agentes comunitários e outros trabalhadores cujo ofício envolve a promoção da saúde da população. A versão impressa do documento, com 151 páginas ilustradas, será distribuída às unidades de saúde de todo o país, e a versão digital pode ser conferida neste link

+

(http://portalsaude.saude.gov.br/images/pdf/2014/novembro/05/

Guia-Alimentar-para-a-pop-brasiliera-Miolo-PDF-Internet.pdf). 36


Sindnut Bahia oferece gratuidade para filiação

O Sindicato dos Nutricionistas no Estado da Bahia (Sindnut Bahia) oferece gratuidade até o dia 31 de dezembro de 2014 para a associação/filiação. Após essa data, os nutricionistas que desejarem dar continuidade ao vínculo pagarão o valor da taxa anual (R$70). A decisão foi tomada porque a entidade precisa ser representativa em ações judiciais para fechar dissídios coletivos, recuperação do FGTS na justiça e contra alguns concursos públicos. Para ser representativo, o Sindnut Bahia necessita de mais associados/filiados. Para se associar ao Sindnut Bahia, o nutricionista deve acessar o endereço eletrônico www.sindnutba.org.br/associe-se

+ , preencher a ficha associativa, imprimir,

assinar e enviar escaneada para o e-mail contato@sindnutba.org.br. Ao se associar ao Sindicato, todos receberão a carteira do Sindnut Bahia, além de ter direito aos benefícios dos convênios. Para saber mais, acesse www.sindnutba.org.br

+

37


Dica

Nutricionistas e Técnicos em Nutrição devem se identificar corretamente em atos inerentes ao exercício profissional

Um dos deveres do Nutricionista e do Técnico

CRN-5/ T-xxxx/P, se for provisória; ou CRN-5/ T-

em Nutrição e Dietética (TND) é identificar-se

xxxx/S, se for secundária (Conforme Resolução

corretamente nos trabalhos e atos inerentes ao

CFN N. 485/2011).

exercício profissional. Neste sentido, esses profissionais devem informar sempre, junto ao seu

O “x”, nestes exemplos, está representando o

nome, a profissão e o número de inscrição no

número fornecido pelo Regional, referente ao

Conselho Regional de Nutricionistas com a res-

registro do profissional no Conselho.

pectiva jurisdição. “Embora o CRN-5 sempre oriente os profissioNutricionistas devem apresentar junto ao seu

nais neste sentido, não é raro recebermos e-

nome e sobrenome, a profissão e a inscrição

mails ou até mesmo documentos elaborados

CRN-5/ xxxx, se sua inscrição junto ao conselho

pelos profissionais com identificações erradas,

for definitiva; CRN-5/ xxxx/P, se for provisória;

tais como CRN xxxx (sem o número 5 que iden-

ou CRN-5/ xxxx/S, se for secundária.

tifica a jurisdição do Regional) ou apenas T xxxx (sem o CRN-5), entre outras formas erradas de

Os Técnicos (TND) devem apresentar-se com

identificação. É preciso respeitar a legislação e

o nome e sobrenome, a profissão e a inscrição

adotar a forma correta”, alerta a assessora téc-

CRN-5/ T-xxxx, se sua inscrição for definitiva;

nica do CRN-5, Leny Strauch.

38


Outro erro comum é a não identificação. Neste sentido, a assessora Técnica chama a atenção para o fato de que “todo documento ou comunicação formal dever ser acompanhada pela identificação e/ou assinatura correta do profissional (a exemplo de orientações, manuais, plano alimentar, dieta, anotações no prontuário, parecer técnico, no caso de nutricionistas, ou relatórios elaborados por ambos os profissionais)”. As orientações relacionadas a este assunto estão disponíveis na Resolução CFN nº 334/2004 (Código de Ética do Nutricionista); na Resolução CFN nº 466/2010 (que dispõe sob a inscrição de Nutricionistas nos CRN), Resolução CFN nº 333/2004 (Código de Ética do TND), e Resolução

Embora o CRN-5 sempre oriente os profissionais, não é raro recebermos e-mails ou documentos com identificações erradas... É preciso respeitar a legislação e adotar a forma correta.

CFN N. 485/2011.

Leny Strauch Ferreira

Exemplos de identificações corretas: Leny Strauch Ferreira - Nutricionista CRN-5/1580 Joel Santana - Técnico em Nutrição e Dietética CRN-5/ T 0367

39



Millions discover their favorite reads on issuu every month.

Give your content the digital home it deserves. Get it to any device in seconds.