Page 307

“Internacionalismo e nativismo” parecem ser duas formas de linguagem opostas, mas que convergem na formação de um único discurso nessa obra de Villa-Lobos, ou em outras palavras: um dialogismo, caracterizando um fenômeno linguístico, pode ser ouvido nessas 'Proles'. Refletindo sobre os mecanismos que cercam a compreensão da formação de uma cultura musical, busquei algumas bases teóricas oriundas da crítica literária elaboradas por Mikhail Bakhtin6. O dialogismo do círculo de Bakhtin coloca-se como um fundamento propriamente constitutivo da linguagem observada na obra em questão, na qual a construção social e o caráter coletivo são prementes na acepção das significações. Nesse sentido, “as falas/vozes” ou implicações permeiam a narrativa do discurso musical de diversas formas oriundas do uso da polissemia “concertada” de acordo com o contexto. Dialogia ou dialogismo foi o termo que Bakhtin utilizou para descrever a vida do mundo da produção e das trocas simbólicas, composto não como um universo dividido entre bons e maus, novos e velhos, etc., mas como um universo composto de signos, dos mais simples até os enunciados mais complexos, cujos valores e significados não eram dados estáticos, mas extremamente ambíguos e mutáveis, sendo assim, não concluídos (RONCARI, 2003, p. X). A dialogia vem a ser a condição do sentido do discurso. No dialogismo não há a presença da relação eu-tu, mas um entendimento interacional do deslocamento do conceito de sujeito que perde o papel de centro e é substituído por diferentes vozes sociais que o tornam histórico e ideológico (BARROS, 2003, p. 2). Ao definir o dialogismo bakhtiniano, aponto alguns comentários levantados por Brait (2003) que destaca como em Bakhtin “a investigação é necessariamente um diálogo e que a compreensão se instaura a partir da atuação de duas consciências, de dois sujeitos discursivos” e assim um jogo de entonações, propósitos e silêncios, é confinado à multiplicidade dos participantes daquela “prosa (...) ao pé da história” (BRAIT, 2003, p. 13). Assim, na música, além do diálogo representado pelo material composicional utilizado pelo compositor/locutor, a participação do performer pode tornarse inerente à construção do dialogo pleno da obra musical como arte permanente na história e no tempo. Instaura-se, assim, um conceito de vozes que preserva continuamente uma incompletude, consequentemente, pela brecha palavra/signo pessoal X palavra-signo do outro como um processo em que a linguagem provoca uma ação dialética, uma forma de interação (BRAIT, 2003, p. 15). Todas as ideias que, de alguma maneira, são alheias, como condição discursiva, isto é, tornam-se estruturadoras do discurso individual, constituem o discurso próprio de forma que suas

6

Filósofo da linguagem, trans-linguístico, russo, viveu durante os anos 1895-1975. (Disponível em: http://www.shef.ac.uk/bakhtin, acesso em 15/01/2009).

CONGRESO INTERNACIONAL DE PIANO - La música latinoamericana para piano

~ 300 ~

Profile for Congreso Piano

Congreso Internacional de Piano  

Congreso Internacional de Piano "La música Latinoamericana para piano" 18 al 21 de Noviembre de 2010 Buenos Aires Argentina

Congreso Internacional de Piano  

Congreso Internacional de Piano "La música Latinoamericana para piano" 18 al 21 de Noviembre de 2010 Buenos Aires Argentina

Advertisement