Issuu on Google+

DONATIVOS PARA A CAUSA DO PADRE USERA

VENERÁVEL JERÓNIMO M. USERA Y ALARCÓN Fundador da Congregação das Irmãs do Amor de Deus (1810-1891)

Espanha: A. Herrera; A.R.B.; M. André e família; J.A.; J. Pastrana; D. Rodríguez; A. Cela y T.; Sras. de Pizarrales; P. del Prado; J.A. Manjarrés e irmãos. Portugal: P. Amorim. Anónimos: 1.250€; 20€; 40€; 50€; 25€. ORAÇÃO Para rezar em privado - Com licença eclesiástica

Senhor, Vós que concedestes a Jerónimo Usera um dom especial de amor gratuito, dai-nos também a nós um zelo infatigável e um amor ardente que nos leve a entregar-nos ao bem dos irmãos e concedei-nos por sua intercessão a graça que hoje vos pedimos... Glória ao Pai...

«Deus é luz e nele não há trevas» (1 Jo 1,5)

«A espiritualidade do Servo de Deus continua viva na Congregação que o Espírito Santo lhe inspirou que fundasse. Estende-se também a Associações que, de algum modo, têm relação com a Congregação, assim como a outras pessoas que encontraram nele um modo concreto de viver o Evangelho» (Pos. pág. 439) Para dar sugestões, comunicação de graças, consultas e envio de donativos para a Causa, podem dirigir-se a: DEPARTAMENTO DE CAUSAS Causa de Canonização do Padre Usera Calle Asura, 90 - 28043 MADRID Tel: 913 001 746 E-mail: dptocausas@amordedios.net www: amordedios.net/bolusera

mestre e testemunha de santidade

NO ANO DA FÉ- II A fé torna-nos fecundos, porque engrandece o coração na esperança e permite dar um testemunho fécundo: com efeito, abre o coração e a mente dos que escutam para acolher o convite do Senhor a aceitar a sua Palavra para ser seus discípulos. A fé só cresce e se fortalece acreditando; não há outra possibilidade para ter a certeza sobre a própria vida do que abandonar-se nas mãos de um amor que se experimenta sempre como maior, porque tem a sua origem em Deus. Desejamos que este Ano suscite em todo o crente a aspiração a confessar a fé com plenitude e renovada convicção, com confiança e esperança. Durante este tempo, teremos o olhar fixo em Jesus Cristo, «que iniciou e completa a nossa fé» (Heb 12,2): nele, o anelo do coração humano e todo o desejo encontram o seu pleno cumprimento. A alegria do amor, a resposta ao drama do sofrimento e da dor, a força do perdão perante a ofensa recebida e a vitória da vida perante o vazio da morte, tudo tem o seu cumprimento no mistério da sua Encarnação, do seu fazer-se homem, do seu partilhar connosco a debilidade humana para a transformar com o poder da sua ressurreição. Que este Ano da fé faça cada vez mais forte a relação com Cristo, o Senhor, pois só nele temos a certeza para olhar o futuro e a garantia de um amor autêntico e duradoiro. Confiemos à Mãe de Deus, proclamada «bem-aventurada porque acreditou neste tempo de graça». (Carta Apostólica do Papa Rento XVI) 1

2013 143

Pedimos às pessoas que obtêm graças por intercessão do Venerável P. Usera, e no-las comunicam, que tenham a bondade de assinar a descrição das mesmas a fim de que estas possam ser publicadas.

Não podemos deixar que o sal se corrompa e a luz permaneça oculta (cf. Mt 5,13-16).

«A fé levou o Servo de Deus a percorrer países e nações pela salvação das almas e esta mesma fé foi a que o impulsionou a realizar grandes obras pela salvação das almas» (Pos. 527).


Jerónimo Usera e a sua vivência da fé

Jerónimo Usera e a sua vivência da fé

O Novo Testamento apresenta a fé como atitude global da existência e da vida do cristão. Encontramos esta conceção global da fé, sobretudo, nos milagres dos evangelhos: «Tem fé e basta»; «A tua fé te curou» (Mc 5,34.36, entre outros). A fé entendida como atitude fundamental, só é possível como resposta à experiência da fidelidade, da misericórdia e do amor de Deus tal como, em síntese e definitivamente, se nos manifestaram em Jesus Cristo, na sua vida, na sua morte e na sua ressurreição. Assim, a fé, é o ato fundamental do homem perante Deus; mais ainda, a situação fundamental do homem diante de Deus. Esta fé manifesta-se na conversão radical, na confiança e na paciência, na serenidade interior e na paz, na liberdade e na justiça. Esta fé, cujo apoio e conteúdo é Deus, é a vida do homem. Ao refletir em Jerónimo Usera como crente, como homem de fé, temos que nos remeter necessariamente às suas raízes cistercienses. O Servo de Deus viveu dez anos no Cister e ali bebeu a espiritualidade contemplativa com os matizes introduzidos por São Bernardo. Para chegar a possuir deveras a Deus, é necessário procurá-lo sinceramente, sem cessar e com perseverança. Desse modo, chega-se ao cume do amor de Deus. Ele procurou Deus no silêncio e na ação. Ativo e contemplativo, encontrou em Deus Amor o núcleo de sua espiritualidade e a força que tornava compatível a constante presença interior e a entrega aos outros até ao esgotamento. O Servo de Deus, filho fiel da Igreja, aderiu na sua mente e no seu coração, defendeu e proclamou a profissão do credo que nos une a todos os que acreditamos. Para ele Deus foi sempre o motor das suas ações: «Tudo por Deus e só por Deus, nada por respeitos humanos»; «...coloca Deus acima de tudo, a tudo renuncia por Deus, tudo sofre pelo santo amor de Deus». A centralidade da pessoa de Jesus Cristo na sua vida pode ver-se proclamada pelos seus escritos, mas sobretudo, pelo seu testemunho de vida. Jerónimo iniciou o seu conhecimento e amor a Jesus Cristo no seio materno. No ambiente familiar foi consolidando a sua fé. Lê a sua vocação desde a fé e assim o expressa quando responde positivamente à mesma: «Esta é a vontade de Deus e por isso vou com o coração animado».

A fé do Servo de Deus no Espírito Santo não aparece expressamente nos seus escritos, temos que nos remeter à sua ação para afirmar que deixou entrar o Espírito na sua vida e se deixou guiar por Ele. O Espírito é a presença de Deus em nós, é força que nos anima na ação de «continuar a criação». Jerónimo Usera deixou correr em caudais esta força criativa e disso dão testemunho as suas muitas obras. Movido pelo Espírito seguiu o chamamento de Deus para «fazer o bem na terra». O Espírito empurra-o a abrir novos caminhos que tornem presente o Reino. As suas obras vão ao encontro da libertação da pessoa das situações de injustiça para lhe devolver a dignidade de filhos de Deus. É o Espírito o que, nos momentos de prova, o enche com o dom de fortaleza e de sabedoria para dizer a verdade e continuar a fazer o bem. Jerónimo Usera fez da vida «um hino a Deus Amor». Acreditou, obediente e fiel à vontade do Pai, não descansou de «fazer o bem». Essa tinha sido a sua opção inicial e disso falam as suas obras, convertendose em testemunho vivo do Amor que Deus nos tem. A fé deu coerência e unidade à sua vida, susteve a sua procura de Deus e moveu o seu apostolado. Apoiado nela, procurou a identificação progressiva com Cristo, unindo-se assim à grande nuvem de testemunhos, que «correram com constância o caminho que se nos é proposto, com os olhos fixos em Jesus que inicia e consuma a fé». O justo vive da fé e o Servo de Deus, Jerónimo Usera, é um homem de fé. Ele quer uma fé que entenda, que conheça a essência do que o cristianismo é em si mesmo. É um homem de ação e nunca ficou numa fé teórica. A sua fé consubstancia-se em obras. É a fé que sustém o seu inquebrantável otimismo, a sua confiança na bondade do homem.


Usera febrero 2013