Issuu on Google+

Press JB

A revista da Grรกfica JB - Ano 6, numero 20 Fevereiro de 2007

isoes para 2007 v e r P


Diretor-presidente João Batista Monteiro Xavier Diretor comercial Luiz Sérgio Carneiro Baptista Diretor de produção Alex Cristiano de Oliveira Xavier Gerente comercial Ismael Fernandes Barros Gerente de Comunicação Flávia Rocha flavia@grafjb.com.br Sede Rua Monsenhor Walfredo Leal, 681 - Tambiá João Pessoa - PB CEP: 58.020-540 Fone: (83) 3015-7200. João Pessoa - PB E-mail: comercial@grafjb.com.br Site: www.grafjb.com.br

CONTATOS Paraíba Luciana Duarte - (83) 9372-6424 Cláudio Régis - (83) 9352-8490 Adriano Palmeira - (83) 9352-8806 Martinho Filho - (83) 9372-6205

Publicação Bimestral da Gráfica JB João Pessoa. Fevereiro 2007

Pernambuco Lauro Venâncio - (81) 9105-8693 Fábio Pimentel - (81) 9105-3657 Marcos Luna - (81) 9107-8073 Carlos Alberto Martins - (81) 9108-5743

Editor: Allysson Teotonio

Rio Grande do Norte José Adalberto Alves - (84) 9124-1579 Cláudio José da Costa - (84) 9124-1590

Rua Fernando de Noronha, 42 Bairro dos Estados, João Pessoa-PB. Telefax: (83) 3243-9503. E-mail: faz@fazcomunicacao.com.br

Alagoas Eurivaldo Alves Melo - (82) 9116-6268

Criação, edição e produção FAZ Comunicação

Reportagem: Alexander Rocha Direção de Arte: Franklin Fernandes

Impressos em Papel Couché Brilho Lumimax 170g/m2 (capa) e Papel Couché Brilho Lumimax 115g/m2 (miolo) da Votorantim Celulose e Papel.


Apontada pela Heidelberg como exemplo de eficiência, a Gráfica JB recebeu a visita de diretores e empresários do setor gráfico de vários estados, através do Tech Tour Nacional da Heidelberg do Brasil, em novembro passado.

08 Agencia Uma história de amor que vem dando certo. Assim podemos resumir a trajetória da Brasil Comunique, de Alagoas. Após dois assaltos que abalaram a estrutura da agência, em 2007 ela ressurge em nova sede e mais preparada do que nunca para atender o mercado.

Nesta Edicao

06 Registro JB

10 Portfolio As soluções das equipes da Raf Comunicação, do Rio Grande do Norte; Jump Produções, de Pernambuco; Antares Publicidade, de Alagoas; da Paletta Arquitetura e Comunicação, da Paraíba

14 Onde estamos A JB marcou presença no Maximídia 2006, em João Pessoa. O evento foi transmitido, através do MaximídiaSat, para 20 cidades. A gráfica ainda apoiou a VII Mostra Estadual de Teatro Para Crianças, o I Festival de Nacional de Música Mulheres Cantam Mulheres e os postais do fotógrafo Ricardo Peixoto.

16 Capa As previsões dos publicitários sobre as mídias e acontecimentos que vão reger o mercado em 2007. Quem não quiser perder espaço deve se adequar aos clientes, se renovar e pensar sempre positivo para evitar desgastes.

19 Dicas As vantagens do flash digital e como tirar proveito do equipamento nas peças publicitárias.

20 GenteJB 22 Tudo “Os Desafios Contemporâneos para a Liderança de Resultados”, esse foi o tema do V Encontro de Líderes, realizado pela CDL de João Pessoa, em novembro passado. O evento reuniu cerca de 800 pessoas, entre empresários, profissionais liberais, estudantes e formadores de opinião.

26 Mercado O sociólogo Dario Caldas escreve sobre as tendências para o mercado de comunicação. Ele acredita que, neste ano, dois fenômenos merecem destaque: o consumidor e a convergência das mídias.

PressJB Fevereiro 2007

O operador de dobradeira, Ronaldo Araújo, destaca a importância do aprendizado na trajetória profissional.

05


Registro

ias a ndênc iro, e p e d suas e Jane beu em ritiba, Rio d e c e r e Cu dor e , a JB embro es gráficos d onte, Salva Tour v o n e r iz ch ld to or No fina tários e dire gre, Belo H través do Te ser a le rie or gráfica e prop Porto A lhida p , visita d ulo, Brasília, conhecer a JB foi esco ompetência ase 20 c A m a . q a e il P r d s á o ie a h u r v lo Sã a, que elberg do B lemã, exemp que mantém nhecer como z le a t r o eid ia Fo aa m de c parcer al da H ossos mpres Nacion rada, pela e ão, além da da visita, alé pouco dos n ç o e ro consid ia e organiza esa. O motiv também um ma das quat r r c u eficiên m essa emp , foi conhece ão. A JB foi o iç B c J u s ib a ano áfic distr a a Gr ção e trabalh os de produ Brasil. s proces visitadas no s a ic f g rá

PressJB Fevereiro 2007

Visitas

06

B J a n s i especia


Registro oa o o Pess ã o J a de mos trouxe esa paulista cerrar com 6 0 0 2 r os mp io en l de No fina Caldas da e inais, ele ve alestra, tivem S p io e go Dar tório d Após a sociólo ias Observa to Qualifiq. ráfica. G c je dos os tendên e ouro o Pro na sede da sença de to urante o d d re chave fraternizaçã radecer a p edores que alidade ao n g c u o a e c q ais para e forn uma 7 itamos s, parceiros aram a dar m que em 200 e v o r p d o A s ju o ig o a m m que nos s, a rma cliente no de 2006 vocês. Info lidade para a mais a e a d u d todo o e cada um ais nossa q estreitar ain s! o d a m r d tempo mos ainda utilizado pa 007 para to e r 2 amplia e vocês seja . Um ótimo d to tempo lacionamen e r nosso

PressJB Fevereiro 2007

o ã ç a z i n r e t a r f Con

B J s e t n e i l c e d

07


Agencia

Brasil Comunique Agência ganha nova sede e prova que

PressJB Fevereiro 2007

existe

08

razão nas coisas feitas pelo coração

Paixão à primeira vista poderia muito bem ser o slogan da Brasil Comunique, de Maceió. Criada, há pouco mais de dois anos, pelo casal Cybelle Souza e Carlos Eduardo Correia, a agência é fruto de uma relação sólida, iniciada por acaso, mas que ainda rende bons frutos como toda história de amor que se preza. Voltando um pouco o tempo, tudo começou no escritório de uma empresa de comunicação, onde cada um foi fechar uma mídia para seus clientes. Até aí, nosso casal não se conhecia. “Entramos na sala juntos, fomos apresentados e passamos mais de uma hora

conversando e nos conhecendo. Eu me apaixonei naquele instante”, confessa Cybelle. Suspiros à parte, nenhum dos dois perdeu tempo. Numa festa do meio publicitário, Cybelle foi apresentada aos antigos sócios de Eduardo e logo foi convidada para integrar o grupo. Como o resultado rendeu além do esperado, os apaixonados resolveram trilhar juntos seus próprios caminhos, finalmente casaram e assim nasceu uma das empresas mais promissoras de Alagoas. Hoje a família está maior e conta com o apoio de nove colaboradores. “No setor de Criação


Agencia de proporcionar um ambiente mais bonito e agradável a todos. “Acertamos. Temos certeza de que o clima de nossa empresa será sempre o melhor, porque fazemos aquilo que gostamos; aqueles que pensam como a gente serão sempre bem vindos, e os que não, serão bem vindos também, porque nós adoramos desafios!”, vibra Eduardo. “Resumimos nossa história como duas pessoas que se apaixonaram pelas mesmas coisas que a vida nos apresentou. Sabemos que não tem mistério algum, basta você gostar do que faz, gostar de trabalhar, ter humildade para aprender sempre e correr ao lado do sucesso, porque atrás dele você não aparece”, ensina o casal. O amor realmente é lindo.

PressJB Fevereiro 2007

temos um diretor de arte com experiência de quase 20 anos em grandes agências do país e no mercado gráfico. Nosso redator é graduado em Publicidade e o restante da equipe tem o mesmo perfil. Posso dizer que estamos afiados”, diz a publicitária. A Brasil Comunique ainda é dona de uma cartela de clientes de peso, como a Unicred Alagoas, INEI Maceió, Coc Vestibulares, Unicred N/NE, Tec Pneus, Federal Cred, Juriscred, Vip Brind´s e a TV Pajuçara, afiliada da Rede Record. Depois de passar por algumas situações complicadas – dois assaltos que obrigaram os dois a recomeçar do zero – , a Brasil Comunique seguiu em frente e tem bons motivos para comemorar: no fim de janeiro foi inaugurada a nova sede com a intenção

09


Portfolio PressJB Fevereiro 2007

ia Santiago ís N l a ci n e d si e R o Plaquete d l que tem

10

óve nte com um im os Seduzir o clie ra tu ru st o e infra-e i a tarefa da na localizaçã fo a ss ciais. E n re ife d is a p criar a princi , de Natal, ao tiago, o çã a ic n u m o Raf C ia San esidencial Nís plaquete do R ar. O material, composto u na capital potig s e dobras, trouxe as a in m lâ s com p o r du a reendimento, uto p m e o d s a iv perspect outro atrib rea de lazer, imagens da á vestidor. para atrair o in

iliários imentos Imob nd ee pr m E Cliente: CLC Comunicação Agência: Raf ete, aberto 63x45,8 cm, qu Formato: Pla 5,8 cm. x4 21 o fechad fosco 230g Papel: couché Cor: 4x4 0 Tiragem: 2.50 Lo dy Ju : o çã Produ : Márcia Leite Atendimento de Sousa lo on Torres Criação: Sau Filho e Janils ão Jo e: rt A e Direção d


Portfolio enho sulta Mostrar os re a alimentação no desemp do d e a p ci pal a lo a importân rais é o princi s, para a ru s re o d a lh dos traba de Alagoa as pela Antares, ue, ao repor folder criado a rt terial ale q vés dos a m O . o çã ia Nutr s, atra trabalhadore usineiros estão energias dos os s, re ta alimen re suplementos ra a saúde do trabalhado ça, a p pe o A d . e in idad contribu ndo a produtiv utos, ainda ra o lh e m so com is s prod m as fotos do V. que contou co a aplicação de verniz U m co foi realçada

PressJB Fevereiro 2007

ão Folder da Nutrdiaosçde uma pesquisa sobre

utricionais uplementos N S o çã ia tr u N Cliente: ade tares Publicid chado Agência: An 5x30,5 cm, fe 6 o rt e b a r, e ld Formato: Fo cm ,5 0 x3 ,6 21 é 230g Papel: couch Cor: 4x4 0 Tiragem: 50 jo ucineide Araú L : o ã ç u d Pro a im L la : Fabío Atendimento ue Brasileiro nriq Criação: He e: Henrique Brasileiro rt A e d o Direçã

11


Portfolio PressJB Fevereiro 2007

Class Magazine

12

Magazine : Class Recife es rtura dos e te b n e co li a C n a n a lacu mp Produçõ , fechado Preencher um culturais da capital Agência: Ju rto 46x31 cm e b a a s , iu a to rg n st e vi su e m , aconteci a proposta Formato: R na. Com ess ela Jump p a d lo em ra o pernambuca b la e 23x31 cm. ché 145g, mio gazine, u a a M co íd fe m u e ci ib e a tr p R is d ca Class ue é Papel: publicação, q ,é ax 70g Produções. A m 150 pontos da cidade couché Starm e , te n e gratuitam etenimento Cor: 4x4 mpras e entr , 00 um guia de co ainda aborda sociedade da. Tiragem: 5.0 a Guerra e o u m q , à arl o s C d o : a d o s liga sofistic Produçã nomia e tema sal já está na ro st : Simone Sato a g to , n o e sm im n d e n turi m te e A d a eriodicid rla Guerra o apurado. A revista de p Criação: Ca e: Carla Guerra projeto gráfic iz, o m u m te e rt o A vern 11ª ediçã Direção de aplicação de a m a co d a a n p a ca fic a Além d a e não apel de revist do mercado. miolo utiliza p is a n o ilares naci dever às sim


Portfolio u timida O que começo mídia da extinta boate a n e como reforço pital paraibana, cresceu ca a n Acrópolis, A Acrópolis a de revista. rquitetura e ganhou form pela Paletta A cobertura a d ita d e , e n a na Magazi uma referênci e. Com 144 é , o çã a ic n u Com cidad badalados da ibuída dos eventos tr is d é o bre blicaçã páginas, a pu ainda traz reportagens so e te n e m gratuita ra. moda e cultu

PressJB Fevereiro 2007

Revista Acrópolis mente, há 10 anos,

a e Freitas icação Cliente: Lun tura e Comun ado ite u rq A a tt le Agência: Pa a, aberto 45x31 cm, fech st Formato: revi cm iolo em 22,5x31 uché 170g, m co m e a p ca Papel: couché 90g Cor: 4x4 00 Tiragem: 6.0 tta ale P : o ã Produç tta : equipe Pale to n e im d Aten ré Melo Criação: And e: André Melo rt A Direção de

13


Votorantim Celulose e Papel www.vcp.com.br/papeisgraficos

VOCÊ PODE FAZE E O MELHOR, COM

A VCP tem uma linha comple temos um papel de qualidade pa peça papel pelo nome e sob

Printmax Sinônimo das melhores apostilas. E também de cadernos, livros, agendas e formulários em geral. Papel offset ultrabranco com maior opacidade, mais sedoso e resistente, proporcionando melhor printabilidade. 2 Gramaturas: 50, 56, 60, 63, 70, 75, 90, 120, 150 e 180 g/m .

Top Print Sinônimo de manuais impressos com qualidade. E também de livros, revistas e tablóides. Papel offset pigmentado com boa printabilidade. 2 Gramaturas: 63 e 75 g/m .


ZER TUDO COM OS PAPÉIS VCP. M O DIFERENCIAL VOTORANTIM.

pleta de papéis. Seja qual for a sua necessidade, nós para oferecer. Invista no resultado final do seu trabalho, obrenome. Qualidade é Votorantim Celulose e Papel.

Starmax

Lumimax

Sinônimo do melhor papel para revistas. E também de encartes, malas - diretas, materiais promocionais e catálogos.

Sinônimo de livros de arte bem impressos. E também de materiais promocionais, encartes e revistas.

Papel couché on machine que oferece ótima qualidade de impressão. 2 Gramaturas: 70, 80, 90 e 115 g/m .

Papel couché off machine que oferece excelente qualidade de impressão e maquinabilidade. 2 Gramaturas: 90, 115, 150, 170 e 230 g/m .


Onde estamos PressJB Fevereiro 2007

16

es”. Mulher Mulheres m a t n a com po de res C “Mulhe ado pelo Gru nto foi criado ção e u Organiz uitéria”, o ev ulgar a prod os a iv Q d e ia d e r a a ilid “M unir ib e r is e v d o o têm o d o intuit acional, dan ininos que nã o n local e musicais fem suas obras a ias d r s talento idade de leva ado entre os ra u z n oportu público. Reali Casa de Cult pital a c a e n a d , d n gra rico neiro ó t ja is e d H com 11 e 13 s, no Centro oi encerrado in lf icas Lúcio L a, o Festiva as mús n m a o c ib a par o CD ução d a prod ras. o ganhad

Postais do fotógrafo Ricardo Peixoto A versão paraibana do projeto Arte Postal, através da agência de fotografia paraibana Ensaio, que retrata numa linguagem contemporânea o cotidiano urbano, as manifestações populares e religiosas do país, suas cidades, festas, crenças e costumes.


O Maximídia é o maior e América La v tina, e esse ento do setor na ano foi tran para mais d sm e todo o Bras 20 cidades, via satélite itido il através do ,e MaximídiaS m tema do ev ento desse AT. O ano foi Foc Resultado, o& no comunicaçã vos caminhos no merc o. Para disc ado da u alguns dos principais n tir esse tema, omes da comunicaçã o mundo, entr e marketing no Brasil e no e apresentad eles o publicitário e or Roberto Jus José Bonifá cio de O. S tus, o empresário obrinho (Bo economista ni) e o E edição, o M duardo Giannetti. Em sua 16ª aximídia re pre vitrine da in dústria da c senta a grande omunicação todo o Bras il. No estad em o evento foi tr d azido pela T a Paraíba, o V Tambaú, SBT, e conto afiliada u com o ap oio da JB.

Onde estamos

Aconteceu na segunda semana de outubro, no Espaço Cultural, na capital paraibana. A mostra contou com apresentações de peças teatrais, musicais e dança, além de mostra de vídeos com uma seleção de curtas de animação. A Mostra proporcionou também oficinas e debates para professores, nas áreas de teatro e dança, voltados para o público infantil.

PressJB Fevereiro 2007

Na VII Mostra Estadual de Teatro Para Crianças

17


Capa PressJB Fevereiro 2007

Publicitários indicam jogo de

18

Depois de um ano bastante animador para o meio publicitário, marcado por eventos importantes como as eleições, o mercado aposta suas fichas na renovação para obter o esperado saldo positivo. Apesar de não ser marcado por acontecimentos grandiosos, pelo menos para a maioria dos publicitários do Nordeste, 2007 chegou com a perspectiva de novos clientes e empolgado com o crescimento da internet. “Acho que é uma tendência mundial explorar os caminhos da comunicação na internet. Diversos fatores são explicativos dessa tendência: o crescente ritmo da audiência nesse meio, a interatividade, a junção em uma mesma mídia de imagem, som e movimento, as inúmeras possibilidades de publicidade e o grande poder de direcionamento e de mensuração das ações comunicativas”, acredita a publicitária

Simone Monte, da Trupe Comunicação e Design, do Recife. “A mídia mais explorada continuará sendo a TV, não teremos em 2007 mudanças significativas que justifiquem grandes migrações das verbas. Acredito que poderemos ter, em breve, um grande avanço da mídia por celular, com a possibilidade de poder veicular conteúdo de televisão, mas não podemos afirmar que isso acontecerá em 2007 de maneira significativa”, conclui o publicitário Anderson Pires, da agência paraibana Signo. Apesar de concordar com a supremacia da televisão, o publicitário Aloísio Alves, da Chama Publicidade, de Maceió, afirma que o mercado deve procurar ter jogo de cintura e buscar novas saídas para não perder clientes. “O exercício da criatividade nunca foi tão importante. O uso das ferramentas de marketing tem sido a


Capa bola da vez, com promoções atrativas, relacionamento cada vez mais profissional com o mercado. Não podemos subestimar a inteligência do consumidor e, acima de tudo, oferecer qualidade e diferenciais de produtos e serviços”, sentencia Aloísio. Já Max Leal, diretor da Três Comunicação, de João Pessoa, é cético em relação às previsões sobre o veículo mais utilizado e ressalta que o uso de cada mídia surge com a necessidade. “A área mais explorada será a mais adequada para cada tipo de situação. A Três trabalha com planejamentos sérios, elencando alternativas que resolvam o problema de comunicação do cliente. E cada planejamento reúne características que são únicas para cada anunciante naquele dado momento”, defende Max. Superada a decepção com a Copa do Mundo (principalmente para

os publicitários), o Pan Americano foi incluído na gama dos novos investimentos. “Para nós, será um evento importante, visto que um dos nossos clientes é patrocinador oficial do judô brasileiro e isso já está gerando demandas. Acredito que muitas outras agências terão ações voltadas para o evento pela sua dimensão e o destaque que receberá”, ressalta Anderson. “Eventos sempre existem, e contribuem para os negócios da agência, não como um Pan, mas eventos regionais como, por exemplo, o São João, Paixão de Cristo e eventos culturais. Eles sempre mobilizam clientes, agências, veículos e principalmente o publico em geral. Assim resultando em faturamento”, pondera Max. Acompanhando a tendência verificada em outros estados, o

PressJB Fevereiro 2007

cintura e renovação para crescer em 2007

19


Capa

mercado está otimista com o crescimento do varejo e do setor imobiliário em 2007. “A Liquida Maceió proporcionou um crescimento de 38% com relação ao ano de 2005. No imobiliário, lançamentos foram bem consumidos como, por exemplo, dois grandes complexos empresariais, condomínios e loteamento de luxo no litoral e há projeção de novos e importantes investimentos para o início deste ano”, destaca Aloísio.

PressJB Fevereiro 2007

“Hoje o mercado publicitário vive uma realidade diferente de 5, 10 anos atrás. Cada vez mais, verbas que eram dirigidas para a publicidade padrão de massa (TV, revista, jornal etc.) estão sendo deslocadas para áreas mais direcionadas como a de promoções. Mas, apesar dessa migração de verbas, essas mídias não deixaram de existir, o que está acontecendo é uma fase de adaptação para essa nova realidade. No entanto, apesar de alguns meios se destacarem, haverá uma comunicação integrada”, avalia Simone.

Simone Monte Trupe Comunicação e Design

20

Aloísio Alves Chama Publicidade

Max Leal Três Comunicação

Anderson Pires Signo.


Dicas PressJB Fevereiro 2007

lica o lizado”, exp eiro a it ig d l e in com pa dy, pion uma ddy Hollan a Paraíba . o ja T e s fo e d ra g m tó e n fo qu al é quipamento arativo, Ideal para it e ig o d d h o s s a u fl no o comp precisa, o Como efeit com o iluminação nto de iluminação de ue, me mos dizer q encional, 40 um equipa o, que utiliza a mais e d o p çã to conv última gera ologia em fotografia. equipamen rescentes numa sala n c te uo moderna isíveis em lâmpadas fl das de uma vez só, dos mais v a lt u to s m e m re a lv ri m o nv Co as acende árias que e , o flash é it c li interruptor b u m p u s om e a s d foto o o m m o c o tempo. C s, o as e m s s s e e p m a , s s o s a to e u e prod roproc vançado acionass por um mic ntos mais a s de 10 e m a ip u controlado q e os m grupo enderiam e tema digital, fotógrafo, c o a dor. d s la ro e a p is A cada d lisam com o sis a vez, mente ana em 10. Já ta ia d e ma de cad al total im u s a e m e h e s d iv a s n fl e lu c s c n o , in elas a ao profissio s formações orcionando ação do objeto a todas as in ica, evitando potência p ro p tr s min corrente elé tre os diversos ponto ntrole da ilu o c n e fado. diferentes ser fotogra ipamento é muito “Qualquer ida pelo . o ã ç a in m e ea b O qu de ilu do e atend logo perce l a é z li e ti d u a r d e ri a s irregula simples de e estão acostumados o e o paine um rn te in r o d a e u q process te de luz missão d fotógrafos idencia a e ento ainda fastar a fon ade, v a ro u p o l r a a it ig im d aprox . O equipam sua intensid controlar a ashes sinal sonoro le remoto, também ra a p tro z nos fl possui con como se fa como os ais, assim , que para n io c n e v n o c os mais técnic a luz fotógrafos d ia c incidên modificar a trolar a potência on preferem c o teclado do flash. n diretamente

21


Gente JB PressJB Fevereiro 2007

22

Em oito anos de trabalho na Gráfica JB, o operador de dobradeira, Ronaldo Araújo, 31, conta que aprendeu muita coisa. No lado profissional, ele domina uma das mais avançadas máquinas da indústria gráfica, a dobradeira Stahl 52, mas na vida pessoal afirma ter aprendido uma lição que vale para sempre: o valor da solidariedade. Motivo para isso ele tem de sobra. Há 12 anos, foi graças à indicação da irmã que ele decidiu enveredar pelo setor gráfico e nunca mais parou.


Gente JB PressJB Fevereiro 2007

Nessa época, numa empresa da capital paraibana, Ronaldo foi auxiliar de plastificação, auxiliar de dobra e chegou a dobrador. Pouco tempo depois, ele se viu sem emprego e mais uma vez foi salvo pelas amizades. Em 1999, com uma nova indicação, foi admitido na Gráfica JB. “Aqui eu me sinto em casa. Só quem trabalha na JB sabe quanto o ambiente é familiar. Além disso, temos muitas oportunidades. Agora mesmo, fiz muitos serviços extras e desta forma posso ganhar mais dinheiro”, explica. No cargo que ocupa, Ronaldo trabalha com um auxiliar e o serviço requer muita atenção. “Qualquer deslize pode comprometer o resultado. Temos que estar afinados, ensina”. Além da concentração, outra característica dele é ajudar sempre que é preciso. Quando operou a máquina dobradeira, ele lembra que deu dicas importantes para colegas que estavam começando. “É bom você ensinar o que sabe”. Como nem só de trabalho vive o homem, nas horas de folga Ronaldo gosta de jogar futebol, praticar outros esportes e ir à praia. Em 2007 pretende continuar na JB, trabalhando com a dedicação de sempre, mas caso precise haver mudança “estou preparado”.

23


Tudo

V Encontro de Líderes

a João Maison Blu'nelle, o evento trouxe par Realizado no final de novembro, na das e do cenário nacional na área de ven Pessoa alguns dos maiores nomes motivação. Raul Candeloro, editor da Rev ista Ven da Ma is; Lei la Navarro; Carlos Hilsdorf e Waldemar Niclevicz, alpinista brasileiro que vem conquistando platéias de todo o país com sua forma peculiar de tratar de assuntos como planejamento estratégico, superação e aut oco nfia nça . Cer ca de 800 pes soa s, ent re em pre sár ios , m do e formadores de opinião participara profissionais liberais, estudantes Encontro.

PressJB Fevereiro 2007

Abigraf inaugura Regional em Natal

24

A Associação Brasileira da Indúst ria Gráfica (Abigraf) inaugurou sua 15ª Regional, na cidade de Natal, no Rio Grande do Norte. A cer imônia aconteceu no final de outubro e contou com a presença do preside nte da entidade, Mário César de Camarg o, e dos principais líderes gráficos do país, além de autoridades locais. Fundad a em 1965, a Abigraf tem sede na capital do Estado de São Paulo e reúne cer ca de 4.600 associados. A sede da nova Regional funciona na av. Senado r Salgado Filho, 2860, sala 14, Bairro Lagoa Nova.


Tudo

GuiaMais JP

is JP Mapas traz Impresso na Gráfica JB, o GuiaMa informações sobre reportagens especiais, todas as e ferroviário, seções transporte urbano, aéreo, rodoviário ias, telefones úteis, sobre assistência médica, delegac ndário de eventos, tábuas de marés, feiras livres, cale bio, classificados e caixas eletrônicos, casas de câm turísticos da capital delivery, além de todos os pontos ações no site: paraibana. Maiores Inform www.guiamaisjp.com.br.

A 13ª edição do Prêmio Criativid ade das TVs Cabo Branco e Paraíba (afiliadas Rede Globo) que neste ano aconteceu em Campina Grande , foi mais que especial para a agência Três Comunicação, ganhadora de nada menos que 5 dos 9 prêmios que foram entregues nesta edi ção . A Zag , com duas premiações, a Faz Faz vence a categoria mais conc orrida e a Mix com um prêmio cada, completaram os ganhadores da noite. O Prêmio Criatividade é um dos mais importantes prêmios da publicidade paraib ana e prima sem pre pel a con sag raç ão dos tale nto s loc ais na cria ção e na pro duç ão de Três leva cinco prêmios comerciais.

PressJB Fevereiro 2007

O Grand Prix da Propaganda Paraibana

25


a i c n ê d n e T mercado d Por Dario Caldas*

Dois fenômenos marcam fortemente o cenário geral das tendências para o mercado de comunicações em 2007, um deles ligado ao consumidor, o outro ao universo das mídias. De um lado, vemos a emergência do “consumidor móvel”, conceito criado pelo Observatório de Sinais para definir a figura do consumidor infiel, racional e nômade, que zapeia pelas marcas, serviços e produtos como quem troca os canais da TV. O “consumidor móvel” é seduzido pela inovação, pelas tendências, pelas boas ofertas ou por qualquer outra razão que afete o seu humor e a sua disposição de comprar. Em uma palavra: ele só é comprometido com a mudança e a liberdade de movimentarse pelo mercado. De outro lado, olhando para as mídias, uma palavra define melhor que qualquer outra o quadro atual: fragmentação. De fato, às mídias tradicionais somam-se as mídias emergentes, fazendo com que a

26

escolha da mídia apropriada para atingir o consumidor torne-se, muitas vezes, um verdadeiro quebra-cabeça para os profissionais do setor. Se olharmos mais atentamente o que vem acontecendo nos últimos anos para identificar tendências, veremos que as mídias que mais têm perdido espaço nos investimentos dos anunciantes são os jornais e os outdoors; que as revistas têm mantido seu espaço; e que a TV e o rádio ganharam terreno. Muita coisa ainda vai acontecer, com a chegada da TV e do rádio digital (fala-se em uma nova “revolução” para esta última mídia). É claro que a grande vedete desse cenário é a internet – aliás, o seu uso dentro das estratégias de propaganda é apenas mais uma faceta das múltiplas implicações que esse meio vem trazendo à sociedade e ao consumo. Mas não podemos deixar de enfatizar a relevância do varejo, hoje visto como centro de difusão da marca, e também dos celulares, a mídia que se expande mais rapidamente no país. Por outro lado, uma tendência já apontada, mas cuja importância convém rediscutir, é a convergência de mídias, um caminho inevitável e que significa que, em pouco tempo, todas


emergentes. Para isso, as agências precisam mudar a sua forma de atuação no mercado (o que já têm feito, transformando-se num misto de consultorias de marketing e de organizadoras de eventos, além das funções tradicionais). Mas essa mudança passa por outra, muito mais profunda: é preciso, de uma vez por todas, focar no foco do consumidor, procurando parceiros estratégicos que somem com ferramentas e metodologias que possibilitem uma verdadeira compreensão dos comportamentos e das macrotendências que os estruturam.

*Dario Caldas é sociólogo e diretor do Observatório de Sinais (www. observatoriodesinais.com.br), escritório de consultoria empresarial em tendências, estudos e pesquisa.

PressJB Fevereiro 2007

as plataformas de distribuição – TV digital, internet, satélite, cabo e outras – terão conteúdos de diversas fontes ao mesmo tempo (áudio, vídeo, texto, conteúdo interativo e sob demanda). No ano de 2006, as grandes feiras internacionais de tecnologia, como a de Las Vegas, mostraram que uma forte tendência em produto é o midia center, uma plataforma multimídia que servirá como gerenciador de todos os conteúdos que fazem parte da vida das pessoas. Outra idéia, decorrente da anterior, é até que ponto as mídias vão se substituir ou desaparecer. É o que se especula na relação do papel com os meios digitais, por exemplo. Projeções mostram que, em cinco ou dez anos, apenas 30% dos investimentos em publicidade serão feitos em mídias tradicionais (o dado é do último Festival da Publicidade de Cannes). No entanto, é sabido que nenhuma mídia nova substitui completamente a anterior. O que geralmente ocorre são modificações de uso, especializações, novos arranjos e integração entre as diversas mídias, que continuam coexistindo. Para as agências de publicidade, é cada vez mais estratégico conseguir coordenar os meios tradicionais e os

Mercado

o a r a p as de comunicações

27



PressJB | A revista da Gráfica JB | Edição 20