Issuu on Google+

Título: Treinar, capacitar, desenvolver: a essência do MEJ impactando a empresa e a sociedade Categoria: Práticas Internas. Temática: Pessoas

Resumo A capacitação dos membros deve ser uma prioridade para a Empresa Júnior. O aumento da capacidade técnica dos consultores melhora a qualidade e a eficiência dos projetos e os membros se sentem mais motivados para trabalhar na empresa. Por esta razão, foi realizado um projeto de Prática de Formação de Membros, fazendo uso de cursos e treinamentos, durante o ano de 2013. Houve o envolvimento da EJ, além de alunos não membros, alunos da pósgraduação e professores do departamento. Os resultados foram satisfatórios, com 105 vagas preenchidas em sete cursos organizados. Ainda, o relacionamento entre a empresa e o departamento melhorou e a empresa conseguiu obter uma renda extra. Introdução Devido à inexistência de um semestre mínimo para ingressar na Empresa Júnior, há uma diferença entre os conhecimentos técnicos e acadêmicos dos membros. Ainda, há poucos membros capazes de exercer um trabalho de alta qualidade em projetos que é necessário conhecimento técnico, porque este é, muitas vezes, abordado em disciplinas de final de curso ou em cursos extracurriculares. Por essa razão, a EJ resolveu desenvolver um projeto de Prática de Formação de Membros, com cursos e treinamentos, com o objetivo de capacitar os membros. Os cursos foram ministrados por professores, alunos da pósgraduação e da graduação desta e de outras universidades e abertos para a inscrição de alunos membros e não membros da empresa e de fora da


Universidade, enquanto que os treinamentos foram feitos pelos diretores da empresa e somente membros puderam participar. A realização destes cursos melhorou a capacidade técnica dos integrantes da EJ, além de melhorar o relacionamento entre o departamento e a empresa, por estarem envolvidos alunos não membros e professores. Também, auxilia na formação dos alunos do departamento e de pessoas que não fazem parte da Universidade, possibilitando contatos para a empresa. Além disso, alguns cursos tiveram taxa de inscrição, gerando renda extra. A participação nos treinamentos foi obrigatória para todos os membros da empresa e estes foram planejados para simular uma situação prática de projeto. Além de nivelar os conhecimentos dos membros, houve feedbacks positivos da empresa e de professores. Após uma reunião com professores do departamento, estes decidiram implementar a mesma metodologia para seus alunos, a fim de complementar as práticas de aprendizagem em sala de aula. Desenvolvimento Durante o desenvolvimento dos projetos em 2012 foi observado que a maioria dos membros possuía pouco conhecimento prático. Para complementar o que é colocado de situações práticas pelos professores em suas aulas, principalmente para alunos dos primeiros semestres, foi pensado, no início da gestão de 2013, um projeto para a capacitação dos membros com cursos e treinamentos. Os cursos abordaram uso de softwares importantes para o desenvolvimento dos projetos e os treinamentos para simularem etapas de um projeto. Desde dezembro de 2012, a diretoria de desenvolvimento da empresa organizou sete cursos, sendo que alguns eram exclusivos para membros e outros não. A escolha do tema do curso era feita de acordo com a necessidade da empresa. Após a escolha do tema, era escolhido o ministrante. Procuraram-se

ministrantes

na

pós-graduação

e

na

graduação

do

departamento, no corpo docente de professores, com os membros da empresa


e com estudantes de outras universidades. O contato era realizado por e-mail e a confirmação para o ministrante só era feita após a confirmação do local. Os cursos foram realizados utilizando o espaço da própria universidade. Para tal, era necessário que um professor fosse responsável por reservar a sala. O número de vagas era definido de acordo com a disponibilidade de lugares na sala de aula ou de computadores disponíveis e levando em consideração a opinião do ministrante do curso. Nos cursos em que foi cobrado a inscrição, a empresa e o ministrante dividiam o lucro, após o abatimento dos custos com a realização. A divulgação dos cursos foi feita pela Diretoria de Marketing da empresa. Esta era responsável por criar cartazes e material de divulgação para a internet. O prazo mínimo utilizado para o início da divulgação era de 10 dias antes do início do curso. As inscrições eram feitas pelo e-mail da diretoria de desenvolvimento, e esta era responsável por gerenciar o número de inscrito e criar um banco de dados da fila de espera. Os pagamentos de inscrição foram feitos de duas formas, dependendo do valor. Quando foi um valor baixo o pagamento era feito no primeiro dia de curso. Para valores altos, era necessário fazer uma transferência para conta da empresa e enviar o comprovante do banco por e-mail. Só assim havia a confirmação da vaga. Durante todos os dias do curso houve controle dos presentes. Somente as pessoas que possuíam presença acima de 75 % da carga horária recebiam certificado de participação. O certificado é emitido pela própria empresa e assinado pelo Diretor Presidente. O custo para a impressão de cartazes e emissão de certificados é baixo e, quando o ministrante era de outra cidade, a inscrição do curso cobriu os gastos. Portanto, os gastos totais com a realização dos cursos não são altos.


Foi realizado somente um treinamento dentro deste projeto. Este foi ministrado pelo Diretor de Desenvolvimento e o Diretor de Negócios. A empresa foi dividida em grupos de até 6 pessoas. Durante uma semana, todos da empresa participaram do treinamento. A duração foi de 1 hora dividida da seguinte forma: 30 minutos para a resolução do problema e 30 minutos para discussão do resultado apresentado. No início, uma situação problema foi apresentada para o grupo. Após apresentação da solução, era apresentada a solução correta com consideração sobre os erros e acertos do grupo. Resultados Dentre os sete cursos realizados pela empresa desde dezembro de 2012, foram abordados quatro temas diferentes e totalizadas 101 horas de aulas. A repetição de três temas aconteceu por conta da procura pelos cursos por alunos não membros da empresa. Foram preenchidas 105 vagas somando-se todos os cursos. Destas, 46 (43,81%) foram preenchidas por membros da empresa e 59 (56,19%) por não membros. Os ministrantes dos cursos foram sete alunos da pós-graduação da instituição de ensino, dois estudantes de graduação, sendo um desta, um de outra universidade e um professor do departamento. Dentre os monitores, foram um membro da empresa, dois alunos da pós-graduação e um professor. Foi cobrado inscrição para três cursos. O valor total gerado foi de R$ 5580,00, sendo que deste valor, 50% ficou para a empresa, R$ 2790,00. Os custos com o planejamento e organização são muito baixos, dado que a impressão de um cartaz é R$ 2,50 e os certificados são impressos na própria empresa. Na média, são impressos cinco cartazes por curso. Os cursos aumentam a visibilidade da empresa pelos estudantes não membros e possíveis ingressantes. Os cartazes de cursos sobre temas relevantes para a


formação deles, organizados pela EJ, são um propaganda positiva da empresa. Após o segundo curso organizado pela a empresa de um determinado tema, o ministrante, aluno da pós-graduação, foi convidado pela professora de uma disciplina para aplicar seu curso de 8 horas durante as aulas. Ainda, o modelo do treinamento desenvolvido pela empresa será adotado por uma professora em sua disciplina a fim de complementar a formação teórico-prática de sua matéria. Um participante de um dos cursos, que não é estudante da Universidade, quer formar uma parceria com a empresa para um projeto voluntário de educação dentro de uma escola pública. No período em que foi efetuado o treinamento, havia 28 membros na empresa. Foram 25 membros treinados, porque dois diretores ministravam e houve uma ausência. O projeto de capacitação de membros resultou em uma melhoria da relação entre o departamento do curso e a EJ. Isto acarreta em maior apoio dos professores em projetos internos e externos. Além disso, a estrutura física da empresa depende, muitas vezes, do departamento. Portanto, uma boa relação entre os dois traz muitos benefícios para a empresa. Conclusão O projeto desenvolvido pode ser aplicado à maioria das empresas. Além de capacitar os próprios membros, este tipo de projeto melhora a visibilidade da empresa dentro do departamento. Ainda, pode ser uma fonte geradora de renda. Grande parte dos professores e estudantes não membros apoiam a organização dos cursos e, pelo fato dos cursos serem abertos para fora da empresa, podem gerar parcerias ou possíveis clientes, porque aumenta a rede de contatos da empresa, assim como a busca de ministrantes em diferentes


instituições. A organização dos cursos não apresenta custos altos e demanda pouco pessoal da empresa para o trabalho, não afetando o desenvolvimento de outros projetos. A participação de membros da empresa nos cursos e no treinamento foi satisfatória e pode ser utilizada como política de motivação. A inscrição em curso pode ser uma bonificação para o trabalho apresentado.

Anexo Tabela 1: Relação dos cursos ministrados, com a carga horária, instituição dos ministrantes e monitores, composição dos participantes, valor da inscrição e total gerado. Deste último, 50% do valor ficou para a EJ. Mês

Curso

Carga horária

Ministrante

Monitores

Dezembro de 2012

1

20 horas

Estudante de outra Universidade

Janeiro de 2013

2

16 horas

5 Alunos da Pós Graduação

Fevereiro de 2013

3

8 horas

Maio de 2013

4

3 horas

Maio de 2013

5

3 horas

Maio de 2013

6

8 horas

Junho de 2013

7

40 horas

2 Alunos da Pós Graduação Professor do Departamento

Professor do Departamento

2 Alunos da Pós Graduação Membro da empresa

Participantes

Valor da inscrição

Total gerado

Membros

Não membros

Membros

Não membros

Membro da empresa

10

1

160

200

1800

----

7

8

0

0

0

2 Alunos da Pós Graduação

10

2

0

0

0

Professor

2

27

0

0

0

11

0

0

0

0

----

2

9

0

20

180

Membro da empresa

4

12

150

250

3600

Professor


Figura 1: Composição dos participantes dos cursos divididos entre membros e não membros.


Prêmio Concentro - Prática de formação de membros - 1º lugar: ECOFLOR