Issuu on Google+


esporte@comunidadeemacao .com.br esporte@comunidadeemacao.com.br Copa Centenário

Não é desta vez que o Tupinense vai para El Salvador Em jogo disputadíssimo que tinha uma curiosidade nos nomes dos times, Tupinense e Tupinambás decidiam o título da Copa Centenário. O Tupinambás levou a melhor com o placar de 3 a 1, conquistou o direito de representar Belo Horizonte na Copa Internacional de Futebol de El Salvador (Coinfes). A curiosidade são os nomes dos clubes que tem origem nas tribos indígenas brasileiras. Tupinense deriva da palavra Tupi e o Tupinambás. Curiosidades a parte, o Tupinense apresentou futebol superior e merecia melhor sorte na partida. Dominava o jogo, mas concluía mal, a superioridade era evidente que o Tupinambas somente conseguiu ir ao ataque aos 18 minutos do primeiro tempo quando fez o primeiro gol. Periquito abriu o placar. O Tupinense reclamou impedimento no lance. O time continuou em cima, mas o tricolor da regional norte sentiu o gol e garotada ficou nervosa. Criava as oportunidades, dominava o jogo e cometia os mesmos erros quando aproximava do gol. No segundo tempo o time encontrou o caminho do gol, aos 10 minutos o Tupinense empatou com Mateuzinho. Com o empate, as duas equipes demonstravam nervosismo, com o Tupinambás superando pela condição física. O Tupinense mandou a segunda bola na trave. Aos 14 minutos, o Tupinambás desempatou com um gol de Mateus. Aos 20, Frederico Godart fez o terceiro gol do time da zona leste, em cobrança de falta e selou o placar que deu a vitória

a equipe do Horto. O Tupinense ainda perdeu um gol com Douglas, que driblou o goleiro e bateu para fora. Alegria por parte do Tupinambas com a vitória e direito de disputar um torneio internacional, do outro lado, a tristeza e lágrimas estavam estampados no rosto dos jogadores do bairro Tupi.

Rumo a El Salvador A equipe campeã vai representar o Brasil na Copa Coinfes realizada em El Salvador entre os dias 12 e 19 de novembro. Por isso a disputa na categoria infantil terminou primeiro em função do calendário. A Prefeitura terá tempo suficiente para preparar toda a documentação dos garotos e tomar as demais providências para a viagem para o país da América Central. Foram 32 equipes de olho na viagem internacional. No ano passado a Secretaria de Esporte levou para El Salvador uma seleção que tinha seis atletas do Tupinense representando o país. Este ano será a quarta participação do time de Belo Horizonte. Desta vez a Secretaria de Esportes resolveu premiar o campeão da Copa Centenário na categoria infantil. Na avaliação de Sidney Zabeu, gerente de Programas e Eventos Esportivos da Secretaria, a Copa Centenário ampliou a oferta para os jovens, dando a eles a oportunidade de viagem, uma nova experiência para muitos. “Essa viagem soma na formação social, é um intercâmbio cultural e esportivo que essas crianças jamais irão se esquecer”, afirmou Zabeu.

Fotos: Marcos Silva / JCA

O Tupinense dominou a partida na maior parte do jogo ...

...e até comemorou o gol de empate mas perdeu a partida


Outubro/ 2011

Será que no futuro teremos o Dia da Árvore? Marcos Silva*

Foto: Marcos Silva - Arquivo JCA

marcos@comunidadeemacao.com.br

O

Dia da Árvore é comemorado no dia 21 de setembro. No bairro Tupi, Região Norte de Belo Horizonte, duas árvores marcam a paisagem e estão ligadas ao surgimento deste bairro. Na praça Cândido Portinari tem o frondoso ipê amarelo que destaca-se no meio das outras árvores. O outro é um coqueiro da rua Furquim Werneck próximo à Avenida Saramenha, ambos pertencem a antiga mata nativa do Tupi, época em que a região era apenas uma fazenda. Na temporada da florada o Ipê Amarelo se sobre sai no meio das árvores que foram plantadas na praça, como o Ficus Italiano ou as demais árvores que compõem o local por iniciativa do poder público. Aquele Ipê Amarelo da praça foi motivo de muita brigas. Lembro que na minha infância presenciei por diversas vezes o Seu Lândico, um dos primeiros corretores do loteamento do Tupi, brigando com várias pessoas que insistiam em arrancar casca do tronco do ipê. Na época, a cultura e crendice popular atribuía poderes de cura de varias doenças ao chá feito com a casca do ipé. Vale lembrar que naquele tempo a defesa do meio ambiente ou militância ecológica era uma atividade totalmente desconhecida. Pelo contrario o que mais se ouvia dizer e praticar era o desmatamento para abrir espaço para o desenvolvimento. Mas o Seu Lândico estava lá como fiel escudeiro do Ipê Amarelo que sobreviveu as agressões. O ipê é até hoje uma testemunha das mudanças do bairro Tupi. Debaixo da sua copa aconteceram vários fatos que mudaram a história da região, de festas à assassinatos, das brincadeiras de criança aos comícios políticos. O local era o point do bairro com o comércio e o ponto final da linha de ônibus 79, atual 1505. O coqueiro – dizem que é babaçu eu não sei se é verdade, é outro sobrevivente. Tem resistido ao tempo e hoje tem uma função especial. Abriga entre as suas folhas ninhos de pássaros pretos e serve de referencia para pessoas que vem de fora do bairro localizar a rua Furquim Werneck. Ora você deve estar pensando o porquê da abordagem destes fatos. Nada de saudosismo, é para chamar atenção para a forma que a comunidade tem tratado as nossas árvores. Estejam elas em vias públicas ou em nossos quintais. Estamos assistindo a supressão de várias árvores na Região Norte com ausência da Prefeitura de Belo Horizonte e ou de forma irregular sem autorização do poder publico. Em muitos casos ficam estampados que os cortes são para atender interesses comerciais. Exemplos: são de lojas e supermercados que sentem prejudicados com suas faixadas encobertas pelas copas das árvores que estão na calçada. E outros motivos que vão desde o receio de que uma árvore possa cair, até à insatisfação com as folhas que se acumulam na calçada ou no quintal. Por causas disto corta-se as árvores. De acordo com o artigo 49 da Lei Federal 9.605, de 12 de fevereiro de 1998, que “dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente”, constitui crime contra a flora “destruir, danificar, lesar ou maltratar, por qualquer modo ou meio, plantas de ornamentação de logradouros públicos ou em propriedade privada alheia”. A Lei prevê pena de detenção de um a seis meses, ou multa, se o crime for culposo, ou seja, se não há intenção de cometer danos sobre a flora, e de seis meses a um ano, ou multa, em caso de crime doloso, ou seja, quando a intenção existe. Ninguém duvida de que um quintal ou rua arborizada é muito mais frescas e bonita do que um espaço sem árvores, e o que todo mundo literalmente percebe na pele é confirmado em estudos. Um espaço sem árvores em dias quentes costuma ter até 4 graus a mais na temperatura do que um ambiente próximo que seja arborizado, segundo estudos realizados no centro de Belo Horizonte. O mesmo estudo aponta como benefícios da arborização o aspecto estético e o auxílio no controle das poluições sonoras e atmosférica. As árvores bloqueiam a propagação dos ruídos e purificam o ar, quando fazem a fotossíntese. Se continuar assim, com o corte das árvores, chegara um tempo em que teremos Dia da Árvore Virtual. Marcos Silva é diretor e editor do Jornal COMUNIDADE EM AÇÃO Morador do bairro Tupi há 44 anos

15 ANOS DE COMPROMISSO COM A COMUNID ADE COMUNIDADE


4

veículos Resenha de Boteco

Outubro / 2011

Economia é a palavra de ordem Consumo de 1.0 com desempenho de 1.4 segundo a montadora este é o carro mais economico do país

Marcos Silva marcos@comunidadeemacao.com.br

Mudança de Hábitos Um dos indicadores que o homem está ficando velho, é quando ele troca a porta do boteco pela porta da farmácia para encontrar com os amigos. Tem outro, quando a prosa do cotidiano na barbearia deixar de ser o futebol ou a mulher do vizinho e passa falar de bula de medicamentos.

Cofre vazio E o deputado federal mineiro em seu primeiro mandato estava indignado com a atitude de seus colegas de partido há frente do Ministério do Transporte. Em entrevista a uma rádio da capital o deputado reclamou das denuncias de fraudes nas licitações publicadas na imprensa e do comportamento do seus pares. Ele até ameaçou a mudar de partido. Nos bastidores diziam que ele estava era com raiva porque encontrou o cofre vazio.

Remédio eficiente E o freguês que chegou na farmácia do Cristiano Areal e disse: - Quero o remédio que vai na padaria para você! E o Cristiano perguntou no mineres: - BUSCOPAM ?

Definição para Seleção Brasileira com o futebol que está apresentando: “Errar é o Mano” afff!!!

O Novo Fiat Uno acaba de ganhar mais uma interessante versão. Batizada de Economy, graças a enorme redução no consumo de combustível, seja com gasolina ou etanol, ela é fruto de um profundo trabalho de engenharia, originando um veículo com ótimos valores de consumo de combustível. Baseado na mecânica da versão Attractive 1.4, reconhecida pelo baixo consumo de combustível, o novo Uno Economy eleva este patamar de economia, sem perder a agilidade e o prazer ao dirigir, adjetivos elogiados do motor 1.4 Evo. O motor Powertrain 1.4 Evo já traz uma plataforma moderna. Usa coletor de admissão em plástico, melhorando as trocas térmicas e a fluidinâmica de entrada do ar, bobinas sequenciais (economizam energia, comandando somente a vela do cilindro que estiver na fase de explosão), bloco do motor com circulação de água tipo U Circulation (mesma tecnologia empregada nos motores turbinados T-Jet, que garante um arrefecimento uniforme em todos os cilindros) e variador de fase no comando de válvulas com tecnologia CVCP (Continuously Variable Cam Phaser), que melhora os índices de torque e dirigibilidade. Na nova versão, a central eletrônica 7G do motor 1.4 Evo recebeu uma nova calibração. Nela, patamares como curva do pedal do acelerador, estratégias de CUT-off e outros cenários que convergem em um motor mais econômico foram adotadas sem comprometer o desempenho ou as respostas de aceleração. O Novo Uno Economy torna-se o carro mais econômico de seu segmento no Brasil e um dos mais econômicos do mundo com motores 1.4 litro, garantindo a mesma agilidade.

Prova disso é que aceleração não foi prejudicada em relação à versão Attractive, perfazendo o zero a 100 km/h no mesmo tempo (11,1 segundos com gasolina e 10,8 segundos quando abastecido de etanol), assim como a velocidade máxima (170/ 172 km/h, gasolina/etanol respectivamente). Mantendo o mesmo conceito fun to drive da versão Attractive, o Novo Uno Economy conquista uma invejável redução no consumo de combustível. Com gasolina, os valores de 14,7 km/litro e 19,4 km/litro atingidos em uso urbano e estrada, passaram para 16,3 km/litro e impressionantes 21,5 km/ litro na estrada. Com álcool, o ganho também foi significativo, pulando de 10,3 km/litro e 12,8 km/litro para 11,3 km/litro e 14,7 km/litro nas mesmas condições, uma redução no consumo de combustível de 10 a 15%. No interior, a versão se destaca pelo uso do Econômetro em conjunto com o conta-giros, uma exclusividade desta nova versão, assim como a nova moldura do painel de instrumentos – Insert Molding e os demais itens de acabamento da versão Vivace. Por fora, o Novo Uno Economy traz para choques, maçanetas e retrovisores pintados na cor da carroceria, rodas aro 14 e pneus 175/65 com baixa resistência à rolagem e revestimento externo na coluna central das portas, além de um exclusivo logotipo com fundo verde, fazendo alusão a sua economia de combustível e respeito ao meio ambiente. A nova versão ainda pode ser equipada com novo kit de personalização externa de fábrica – Kit Ecology. A economia do Novo Uno Economy não se traduz apenas na hora de abastecer. Posicionado na gama de oferta entre as versões equipadas com motor 1.0 e 1.4, o Economy é o 1.4 mais barato do mercado. A versão duas portas tem preço sugerido de R$ 28.120, enquanto a quatro portas será comercializada por R$ 29.950.


INTEGRAÇÃO NORTE