Issuu on Google+

Universidade Federal do ABC

COTAS PARA TODAS No último dia 29 de agosto, pouco tempo após a declaração da constitucionalidade das cotas pelo STF, a Presidenta da República sancionou a Lei 12.711, que estabelece cotas em todas as Instituições Federais de ensino superior e de ensino técnico de nível médio. O sistema estabelecido tem poucas diferenças em relação ao que vigora na UFABC desde o início de suas atividades em 2006. As principais são: a) 50% dos cotistas terão que ser oriundos de famílias com renda igual ou inferior a 1,5 salário mínimo per capita; e b) as cotas raciais passam a ser discriminadas para autodeclarados pretos, pardos e indígenas. A UFABC será provavelmente a Universidade com menos dificuldade para se adaptar a essa Lei, pois já temos experiência com este sistema. Infelizmente, os Reitores não foram consultados sobre a sua implantação, apesar de serem responsáveis por ela, como de praxe. Se consultados, poderíamos ter apontado os inegáveis aspectos positivos do sistema. Poderíamos também ter alertado para um ponto importante, mas um tanto desprezado pelo debate público: é que as cotas sociais trazem um custo, que não é pequeno. Há o custo das bolsas de permanência, necessárias para manter o aluno na Universidade. Há também os custos da retenção e da tutoria, necessárias para minimizar as jubilações. E há o próprio custo das jubilações, arcado em parte pelos alunos atingidos. A Lei é omissa sobre a cobertura dos custos adicionais que ela impõe sobre as IFES. E não há sinalização de aumento significativo dos recursos do PNAES para 2013, de onde sairiam as bolsas de permanência para os novos cotistas. Ao encerrar o debate jurídico sobre as cotas, a decisão do STF abriu assim a questão do financiamento das políticas de promoção da igualdade social e racial. Helio Waldman

Informativo interno • nº 107 • setembro de 2012

A vitória do diálogo O término da greve dos professores e dos técnicos administrativos encerrou um ciclo e deu início a um novo tempo na UFABC. Fundadas no diálogo, as discussões da Universidade jamais radicalizaram suas posições a ponto de impedir a continuidade das conversas. Tanto a Reitoria da Universidade quanto as lideranças grevistas das duas categorias de servidores com atividades paralisadas mantiveram o canal de diálogo aberto no que diz respeito às tratativas relacionadas ao âmbito da UFABC. Na esfera federal também houve conquistas. Os TAs obtiveram reajuste de 15,76%, parcelado em três anos. O percentual de reajuste do incentivo à qualificação para servidores nível D graduados foi de 10% para 25% e para os servidores – tanto nível D como E - com título de especialização houve acréscimo de 27% para 30%. O Auxílio- Alimentação subiu de R$ 304 para R$ 373 e o Auxílio-Saúde aumentou de 15% a 30%. Em relação à pauta interna, segundo o coordenador-geral do sindicato dos técnicos administrativos, Alexsandro Carvalho, foram criados grupos de trabalho para discutir a jornada de 30 horas de trabalho, além do aprofundamento da discussão para a criação de creche na UFABC. A greve terminou. A UFABC agora é outra: mais aberta, democrática e arejada.


UFABC estabelece contato com empresas em feira na USP Empresas, estudantes de ensino médio e a comunidade acadêmica da USP tiveram oportunidade de conhecer o trabalho da UFABC durante a primeira Feira de Inovação e Empreendedorismo da Universidade de São Paulo (USPiTec), realizada nos dias 23, 24 e 25 de agosto, na Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH) – USP Leste. Promovido pela Agência USP de Inovação, o evento apresentou trabalhos de professores, pesquisadores, alunos e empresas parceiras, além de pesquisas desenvolvidas em demais universidades públicas como Unesp, Unifesp, Univesp e UFRO (Universidad de la Frontera), do Chile. A USPiTec ainda contou com a participação de agências de fomento e de organizações como Sebrae, Fiesp e Abit. O contato entre pesquisadores e empresários, um dos principais objetivos da USPiTec, foi intensamente realizado no estande da UFABC. Durante a feira, empresas como MAHLE, 3M e BASF tiveram conhecimento dos projetos desenvolvidos por pesquisadores e alunos da Universidade. O Pró-reitor de Pesquisa da UFABC, Klaus Capelle, também compareceu ao evento e acompanhou a participação da instituição na USPiTec . A UFABC foi representada no evento pelos técnicos administrativos Armando Franco (ProPes) e Vitor Bittencourt (NIT), que divulgaram o potencial de pesquisa aplicada e o perfil de atuação da Universidade, com o objetivo de estabelecer contatos com empresas interessadas. As facilidades para supercomputação e a Central Experimental Multiusuário, que possui um conjunto de 13 laboratórios para

realização de experimentos nas áreas de Física, Química, Biologia e Engenharias, foram destaques do estande da UFABC na USPiTec. Os estudantes do ensino médio que visitaram o estande institucional da UFABC também puderam encontrar informações sobre a instituição, principalmente o projeto pedagógico da Universidade e o sistema de ingresso para cursos de graduação.

Envie suas sugestões para comunicacao@ufabc.edu.br Informativo Interno da Fundação Universidade Federal do ABC ● nº 107 – setembro de 2012


Reitoria organiza visita às obras do Câmpus Santo André e constata ritmo adequado da evolução das frentes de trabalho A Reitoria da UFABC organizou na última terça-feira (28) vistoria às obras do Câmpus Santo André. A visita ocorreu com as presenças do reitor Helio Waldman e seu vice, Gustavo Dalpian, além dos diretores de centro, representantes de pró-reitorias e auditoria, acompanhados pelo prefeito universitário, Júlio Facó, e o coordenador da obra, Guilherme Madeira. A vistoria começou com uma caminhada pelas lajes em construção, que interligarão os diversos blocos, facilitando a locomoção de pedestres dentro do câmpus, e que servirá também de cobertura para o estacionamento de veículos. Esta grande laje, que também é um espaço de convivência para toda a comunidade acadêmica, deverá estar totalmente pronta até o final deste ano. O coordenador aproveitou a oportunidade para dar mais esclarecimentos sobre o início da execução do projeto paisagístico, com a plantação de árvores no estacionamento e de palmeiras em frente ao Bloco B. Outras obras já iniciadas foram comentadas e mostradas pelo coordenador, como a galeria de águas pluviais, que inicia próximo ao acesso da rua Abolição e caminha junto ao muro de divisa até o desague no rio Tamanduateí; o muro de fechamento na divisa com o Carrefour; o reservatório inferior de água próximo à entrada da rua Santa Adélia; e o espelho d´água entre os Blocos A e B. O grupo também visitou as futuras instalações do Bloco Cultural, onde estão as áreas destinadas à Biblioteca e aos auditórios, que estão com as obras transcorrendo dentro do previsto, assim como a construção da Torre do Relógio, mirante do câmpus e referencial urbanístico na região. O coordenador Madeira também explanou sobre as obras do Bloco Esportivo, que estão sendo licitadas. Finalizando, os dirigentes visitaram o subsolo do Bloco A, que abrigará laboratórios e algumas áreas administrativas da universidade, cujas obras civis foram finalizadas em abril deste ano, e se encontra em fase de instalação de mobiliários e equipamentos.

CONSULTORIA AVALIARÁ PERICULOSIDADE E INSALUBRIDADE NA UFABC

No último dia 02 de agosto, por meio do pregão eletrônico nº 75, foi contratada a empresa para avaliação qualitativa e quantitativa dos ambientes de trabalho na UFABC, visando caracterização de insalubridade e periculosidade, atendendo à exigência da Orientação Normativa nº 2/2010, da Secretaria de Recursos Humanos do Ministério do Planejamento. A empresa vencedora da licitação foi a Health Total Medicina e Segurança do Trabalho Ltda, que começou os trabalhos no dia 03 de setembro. A Prefeitura Universitária montará um cronograma de trabalho juntamente com a empresa e a seguir fará os contatos com as áreas da UFABC para agendamento das atividades.

Envie suas sugestões para comunicacao@ufabc.edu.br Informativo Interno da Fundação Universidade Federal do ABC ● nº 107 – setembro de 2012


Arquipélago de Alcatrazes tem história e beleza reveladas em livro Obra inédita resgata a importância ecológica de conjunto de ilhas localizado em São Paulo Há cerca de doze mil anos, o litoral norte do Estado de São Paulo é enriquecido pela beleza e biodiversidade de cinco ilhas, além de rochedos e ilhotas, que formam o Arquipélago de Alcatrazes, localizado a 45 quilômetros do município de São Sebastião. Milhares de aves marinhas, a característica mais marcante das ilhas, dividem espaço com 170 tipos de plantas, 160 espécies de peixes e animais de passagem como tartarugas e baleias. Além destes, golfinhos, pinguins e lobos marinhos já foram avistados na região. As riquezas desta área são reveladas no livro “Alcatrazes”, a primeira obra totalmente dedicada ao arquipélago. Ilustrada por fotos da região, a publicação também apresenta textos de pesquisadores, entre eles o professor do curso de Ciências Biológicas da UFABC, Fernando Zaniolo Gibran. Além de abordar questões históricas, biológicas, oceanográficas e turísticas, o livro discute a conservação e importância turística do Arquipélago de Alcatrazes, atualmente considerado como Unidade de Conservação Federal de Proteção Integral. Apesar do acesso restrito a pessoas autorizadas, o turismo controlado e a proibição da pesca, a área é utilizada para exercícios de tiro da Marinha do Brasil. O potencial turístico do litoral paulista, a criação de novas Unidades de Conservação e a importância do controle da poluição e ocupação da região também são temas do livro. A obra ainda aborda a ideia de recategorização do arquipélago em Parque Nacional Marinho, complementando a conservação local com atividades econômicas rentáveis e geração de emprego. “Alcatrazes” teve lançamento oficial realizado na Bienal do Livro e está disponível nas livrarias. Além da colaboração do prof. Fernando Gibran como co-autor , o livro apresenta fotos de Cristian Dimitrius e Fernando Clark e textos de Ronaldo Bastos Francini-Filho, Rodrigo Leão de Moura, Kelen Leite e Guilherme Kodja.

Dormindo mal

Saiba o que fazer quando cair no sono fica cada vez mais difícil

Dormir mal tem diferentes causas e muito impacto na vida do paciente. Estimase que 40% dos brasileiros tenham dificuldade para iniciar ou manter o sono. A insônia, apontam os especialistas, não é definida pelo tempo que uma pessoa dorme ou gasta para cair no sono. A necessidade de sono varia conforme o perfil e hábitos do indivíduo. O número de horas de um sono reparador também varia. As causas da insônia podem variar do estresse ao efeito colateral de remédios. A insônia crônica é a mais complexa e deriva de uma série de fatores, incluindo fatores orgânicos ou psíquicos. Uma das causas mais comuns é a depressão, mas também fatores relacionados ao estilo de vida como o consumo de cafeína e álcool também influenciam. Para tratar a insônia, é necessário antes descobrir as suas causas. O uso de remédios para dormir não está descartado. No entanto, tanto a prescrição do medicamento quanto o acompanhamento de sua eficácia devem ser acompanhados por um médico para que os efeitos colaterais sejam minimizados. Expediente:

Planejar, gerir e administrar são imperativos em qualquer atividade profissional. Reconhecer, identificar méritos e parabenizar são nossas obrigações no seu dia.

Produção Assessoria de Comunicação e Imprensa Edição, Redação e Revisão: Alessandra de Castilho • Denilson R. de Oliveira - MTb: 54421 • Maria Eunice R. do Nascimento • Mariana Almeida Lopes •Vanessa do Carmo Editoração: Edna Atsué Watanabe •Isabel B L Franca Leandro F Lima • Sandra Felix Santos

Envie suas sugestões para comunicacao@ufabc.edu.br Informativo Interno da Fundação Universidade Federal do ABC ● nº 107 – setembro de 2012


Comunicare 107