Issuu on Google+

Recurso: «Teatro dos Sentidos» Actividade: Guião de Construção de Peça de Teatro Interativa

Junho, 2012

1

FINANCIADO POR:

CO-FINANCIADO POR:


Índice

Pág. Introdução

3

Enquadramento conceptual do recurso

5

Narrativa da prática

13

Elementos ilustrativos

19

Instrumentos e ferramentas utilizadas

19

Avaliação do recurso

20

Considerações finais

23

Bibliografia

24

Anexos

25

2

FINANCIADO POR:

CO-FINANCIADO POR:


“O teatro não é uma forma a mais de manifestação. Ele é essencial ao ser humano. Nesse grande teatro existencial o homem é espectador de si mesmo, nenhum animal faz indagação da sua existência, o homem faz. O teatro para mim é isso: ninguém tem o saber, o saber nasce do espectáculo e com o espectáculo. Sou feliz…” (Boal, in Teixeira 2007)

Introdução O presente dossiê apresenta o recurso do Projeto “Escol(h)as em Boa Hora” (NC-117) – Programa Escolhas - designado por «Teatro dos Sentidos» e a sua estruturação através da atividade Guião de Construção de Peça de Teatro Interativa. Este recurso nasce a partir da identificação da atividade “Teatro dos Sentidos” enquanto geradora de impacto entre os participantes do projeto. É uma atividade regular do nosso Plano de Atividades, integra crianças e jovens das três principais Escolas (2º e 3º ciclos do ensino básico, secundário e profissional) do concelho de Vagos, é atractiva e tem provocado um processo de mudança e melhoria quanto ao desenvolvimento integral de muitos dos seus participantes regulares. Caracteriza-se

como

sendo

um

recurso

de

suporte

à

motivação,

(re)socialização, mediação, inserção social e de acompanhamento de públicos (nomeadamente jovens dos 11 aos 24 anos) em situação de vulnerabilidade que participam de forma regular em atividades de expressão dramática, assim como uma metodologia de animação pedagógica e de ensino/aprendizagem. Com efeito, a sua área estratégica de intervenção é a Inclusão escolar e educação não formal, assim como a Dinamização comunitária e cidadania na medida em que tem demonstrado (na fase de auto-avaliação) que contribui para a promoção do sucesso escolar, prevenção do abandono escolar através do desenvolvimento de várias competências por via da educação não formal e por apresentar-se como uma atividade lúdico-pedagógica, de cariz artístico e cultural que promove a informação e apoio à comunidade, inclusivamente sob o ponto de vista terapêutico (cf. Ficha de caracterização do Recurso devidamente atualizada na sequência das sessões de consultoria e das atividades de experimentação).

3

FINANCIADO POR:

CO-FINANCIADO POR:


O Recurso que apresentamos pretende responder às seguintes problemáticas junto dos jovens (participantes regulares em atividades de dramatização):  Dificuldade de estruturação de guiões de peça de teatro de forma autónoma (carência na organização de ideias e sistematização da informação);  Dificuldades de expressão/comunicação;  Baixa auto-estima e baixo nível de auto-confiança;  Ausência de identificação e pertença grupais;  Dificuldade em estabelecer relações sociais. O presente “Guião de construção de peça de teatro interativa” serve para apoiar as atividades de dramatização e/ou teatro orientando técnicos/as e jovens na construção de um produto coerente, eficaz e inovador. Servirá sobretudo para os destinatários se autonomizarem gradualmente na construção de histórias, personagens, cenários, através de uma orientação de base que potencia as artes de expressão e o desenvolvimento integral dos seus intervenientes.

4

FINANCIADO POR:

CO-FINANCIADO POR:


Enquadramento conceptual do recurso

Teatro, brincadeira e jogo Vários autores da literatura sobre jogos dramáticos reconhecem existir uma combinação e complementaridade entre o teatro e jogo, resultando numa nova atividade: o jogo dramático. Contudo, apesar das grandes afinidades entre ambos, o conceito de jogo dramático é ainda bastante recente. O recurso «Teatro dos Sentidos» e a sua estruturação através do presente “Guião de Construção de Peça de Teatro Interativa” apoia-se conceptualmente na existência de uma forte integração do JOGO no TEATRO. Tal como defende a autora MOTTA “…o jogo pressupõe uma ação que visa um objetivo que pode ser o próprio jogo, que tem ritmo, contexto e regras que regem os jogadores e o próprio jogo. (…) O jogo, portanto, não é sinónimo de brincar ou de lúdico (1995: 2). ROOYACKERS, nesta mesma linha, explica que “os participantes aprendem não só a brincar com os outros, mas a dar às suas ações uma forma dramática. Os participantes contam e representam histórias e experiências, dizem o que é que acham importante numa dada situação e o que pensam e sentem sobre ela e como é que a traduziriam num jogo dramático. Relacionam-se com os pares, pois todos sabem que os outros estão a preparar e a representar algo que eles próprios imaginaram (2003: 16). Tal como afirma DATNER

(in

MOTTA,

1995:85)

“os

jogos

dramáticos,

apresentam

características próprias, não podendo ser confundidos com um jogo qualquer, pertencendo à metodologia psicodramática e sociodramática.” Na linha deste esclarecimento conceptual também pretendemos reforçar a opinião de vários autores que defendem que os jogos dramáticos não são representações formais num palco e com público. A dramatização é em si um outro jogo específico, original e criativo que procede ao lúdico, para brincar e jogar. Tal como explica ROOYACKERS “num jogo dramático vive-se num mundo diferente do nosso e usamos a nossa imaginação para representar algo através das nossas ações. Representar o que criamos é uma parte muito importante dos jogos dramáticos (2003:15). 5

FINANCIADO POR:

CO-FINANCIADO POR:


MONTEIRO (in MOTTA, 1995: 26) define jogo dramático como “toda a atividade que propicie ao indivíduo expressar livremente as criações do seu mundo interno, realizando-as na forma de representação de um papel, pela produção mental de uma fantasia, ou por uma determinada atividade corporal.” De uma forma simples, é todo o jogo que acontece no contexto dramático, no “como se”. Jovens e jogos dramáticos “O jogo dramático é uma das técnicas mais utilizadas quando se trabalha com jovens” (MOTTA, 1995: 25). Normalmente o que inicialmente parece difícil de ser exteriorizado, acaba por encontrar no espaço do jogo um ambiente facilitador à comunicação e revelação. O jogo tem um grande impacto entre os seus participantes porque cria um ambiente descontraído, informal e lúdico que facilita a abordagem de determinados temas que normalmente quando colocados verbalmente são mais difíceis de serem expostos e explicados pelos jovens. Por outro lado, é uma técnica que controla a agitação dos mais irrequietos e ajuda-os a sintonizarem com o seu mundo interno através de objetos intermediários “O jogo dramático fornece maneiras criativas de se lidar com os conflitos, pois propõem sempre que a abordagem do tema seja em campo relaxado de conduta” (CASTANHO in MOTTA, 1995:24). Muitos autores realçam o papel fundamental dos jogos dramáticos nas diferentes etapas de desenvolvimento da adolescência e transição para a vida adulta reforçando que “os mais simples jogos desempenham um papel fundamental em nossas vidas nos momentos de tensão. É a possibilidade de retomar a espontaneidade bloqueada pela emoção” (CASTANHO in MOTTA, 1995:24). A coesão do grupo é fundamental para esse clima relaxado e espontâneo “No campo relaxado do lúdico, os conflitos, as dificuldades, as facilidades, as complementaridades, o encontro e a comunicação são vividos, conhecidos e reconhecidos pelo grupo” (DATNER in MOTTA, 1995: 87). A importância dos jogos dramáticos para o desenvolvimento pessoal, escolar e social dos participantes Os jogos dramáticos demonstram um amplo valor pedagógico e são apreciados mesmo pelos participantes com pouca experiência teatral. 6

FINANCIADO POR:

CO-FINANCIADO POR:


Todos os autores que se dedicam à investigação na área da dramatização são unânimes a reconhecer as potencialidades dos jogos dramáticos no processo educativo dos seus participantes. Seguidamente apresentam-se as razões pelas quais se devem usar os jogos dramáticos na atividade de teatro/dramatização (ROOYACKERS, 2003): Os jogos dramáticos contribuem para o desenvolvimento social e emocional. Ou seja, encorajam os participantes a expressar o seu mundo interior e a sua fantasia, reflexo da sua realidade própria, ajudando-os a integrarem-se no mundo exterior dentro do seu esquema de pensamento. Como os participantes são confrontados diante de problemas reais que exigem uma solução, desenvolvem a imaginação e aprendem a organizar as suas ideias, formas de reação e de comportamentos. Alargam o conhecimento sobre si mesmos porque utilizam várias formas de comunicação – oral e expressão física – o que faz com que se diga mais coisas a seu respeito. ROOYACKERS afirma que “A representação é como um espelho: ajuda-nos a perceber o que podemos fazer” (2003:18). Com efeito, promove e desenvolve a concentração e a confiança em si e nos outros porque partilham-se experiências diferentes em relação à vida quotidiana. Os jogos dramáticos desenvolvem a personalidade pois através deles aprende-se a explorar e gerir a imaginação e a processar de forma consciente e organizada as experiências de relacionamento com os outros. Desenvolve-se também o controle sobre o que se diz, como se diz, ou seja, o modo como se movem os participantes, verificando-se melhorias ao nível da autoestima. O trabalho da imaginação envolve a transferência do “eu” para uma situação diferente ou não presente, ou para uma identificação com “outro”. Esta modalidade mental ajuda para uma compreensão mais clara de como as outras pessoas vivem e sentem, fomentando as relações sociais salutares. A imaginação está na essência de toda a criatividade, transformando experiências e imagens acumuladas, em novas ideias. Os jogos dramáticos desenvolvem a expressão oral e física. A representação desenvolve a capacidade de expressão porque promove a aprendizagem de novas palavras e diferentes formas de comunicação, assim como ensina a lidar com situações desconhecidas. O contato direto com o “outro” desenvolve a 7

FINANCIADO POR:

CO-FINANCIADO POR:


capacidade de expressão de sentimentos e ideias com recurso a um vocabulário mais adequado, mais rico e intenso (entoações, palavras com força emocional), desenvolvendo-se formas de comunicação mais autênticas e originais. “Num jogo dramático, os jogadores tendem a ficar mais próximos das outras pessoas do que o fariam no quotidiano. Interagem com os outros de uma forma mais direta, tem mais contacto físico com os outros” (ROOYACKERS:2003:18). Os jogos dramáticos desenvolvem também a criatividade. Num jogo dramático aprendemos a ver a autoexpressão, os outros participantes, as situações, os assuntos de uma forma nova. Passa-se a explorar o mundo que nos rodeia, a relação com os outros e a desenvolver ideias em grupo e individualmente. “Estas experiências expandem a capacidade de brincar e ajudam-nos a gerir os pensamentos e os problemas do nosso quotidiano de forma mais criativa” (ROOYACKERS:2003:17). “Pois a criatividade, elemento fundamental do jogo dramático não tem limites” (MAZZOTTA in MOTTA, 1995: 11). Os jogos dramáticos ajudam a desenvolver a capacidade de composição. Esta capacidade relaciona-se com o aspeto visual da peça (forma e conteúdo), a compreensão da história. Tal como o autor explica “É preciso trabalhar no jogo para o tornar agradável de ver, para que os outros possam apreciar a forma de representar, de contar a história, o movimento e o aspeto cénico” (ROOYACKERS:2003:18). Os jogos dramáticos são relaxantes e apreciar um jogo é muito importante e para isso os participantes têm que se sentir confortáveis e à vontade com os outros elementos do grupo, partilhando as suas opiniões de uma forma livre e espontânea. Todos os assuntos – sérios e cómicos – devem produzir satisfação nos participantes e o fato de envolver brincadeiras não implica que se tenha de estar sempre a rir para apreciar o desempenho do outro. Os jogos dramáticos também desempenham um papel preponderante no processo de inclusão social. O grupo de participantes está indiferenciado e defendido, as pessoas não se conhecem e com o jogo inicia-se a estrutura de coesão grupal. Quando o grupo já se conhece, desenvolve-se o relacionamento já iniciado, experienciando novas formas de estar em grupo, sem os estereótipos inicialmente vivenciados. Estes jogos são designados de jogos para a integração e são definidos como “aqueles em que as pessoas interagem em 8

FINANCIADO POR:

CO-FINANCIADO POR:


conjunto e o grupo funciona como bloco buscando criar uma identidade” (MOTTA, 1995: 29). Apesar da existência de uma grande diversidade de jogos pedagógicos, na construção de um guião de peça de teatro interativa devem ser selecionados os seguintes: jogos de aquecimento, jogos de auto e hetero-conhecimento, jogos utilizando objetos intermediários, jogos de integração, jogos cooperativos e jogos de personagens. No ponto seguinte pretendemos abordar o papel terapêutico dos jogos dramáticos aliados ao sociodrama. Para além das potencialidades já analisadas anteriormente ao nível desta técnica “o objetivo do jogo dramático é permitir uma aproximação terapêutica do conflito” (CUKIER in MOTTA, 1995: 26). O que mais caracteriza um jogo dramático é a possibilidade de mudança e crescimento no jogador/participante. “O jogo dramático deve, de alguma forma, comover, isto é, envolver emocionalmente o participante na atividade de expressar as criações do seu mundo interno (o que é criado na sua subjetividade)” (CASTANHO in MOTTA, 1995: 26). MOTTA defende as potencialidades dos jogos dramáticos revelando que “acredito na possibilidade de todo e qualquer jogo ocorrido no contexto dramático ter o poder de transformar internamente o jogador à medida que se possa jogar com espontaneidade” (MOTTA, 1995: 26). O jogo dramático e o sociodrama O “guião de construção de peça de teatro interativo” tem a peculiaridade de acrescentar ao jogo dramático, o sociodrama. Com efeito, a combinação destas duas técnicas permite articular a componente socioeducativa com a terapêutica, como demonstraremos seguidamente. A complementaridade do sociodrama com o jogo dramático constitui uma nova resposta para os jovens e técnicos que participam em atividades de dramatização/expressão dramática (no projeto “Escol(h)as em Boa Hora” esta atividade foi designada por «Teatro dos Sentidos») e que se defrontam com dificuldades em estruturar guiões de peça de teatro de forma autónoma. O acesso a esta ferramenta de intervenção social possibilita encontrar uma solução para a inclusão social dos jovens oriundos de contextos socioeconómicos 9

FINANCIADO POR:

CO-FINANCIADO POR:


vulneráveis através de técnicas que garantem o desenvolvimento pessoal, social e escolar – como analisamos anteriormente ao nível do valor pedagógico dos jogos dramáticos – e de um método terapêutico, o sociodrama como evidenciaremos através da fundamentação teórica que a seguir apresentamos. O sociodrama é uma técnica de intervenção pedagógica e terapêutica com vista à mudança de comportamento nos grupos. Foi desenvolvida por Jacob Moreno, nos EUA, nos anos 30 do século XX. Este concluiu que partindo da avaliação dos problemas sentidos no passado e no presente da vida de um grupo, procuram-se formas adequadas de resolução das situações e conflitos mais delicados. Este processo passa pela dramatização das experiências individuais dos vários elementos do grupo que entram no jogo da cena. Na atividade «Teatro dos Sentidos» realizada no projeto “Escol(h)as em Boa Hora” é a vida do grupo que tem sido dramatizada em contexto de sessão sociodramática. TEIXEIRA (2007: 188) afirma que utilizando as técnicas dramáticas do sociodrama estamos a colaborar para a compreensão e a busca de alternativas para problemas pessoais e comunitários (interpessoais). O trabalho que o projeto “Escol(h)as em Boa Hora” desenvolve junto dos jovens, dentro da Escola, no âmbito da atividade «Teatro dos Sentidos» caracteriza-se pela “intervenção social no processo educativo ou uma ação educativa, como proposta de intervenção, pressupõe uma ação intencional sobre os indivíduos, grupos ou comunidades, com a finalidade de gerar mudanças e melhorias.» (TEIXEIRA, 2007: 26). A atividade teatral realizada pelo projeto contribui para a compreensão do indivíduo e contextualização dos fatos sociais. O sociodrama torna as relações entre os elementos do grupo mais saudáveis, mais espontâneas do que formais, daí o papel fundamental que assume os jogos dramáticos neste processo de conquista da confiança no grupo. Tal como refere FERREIRA 2010: 17) “utiliza práticas pedagógicas que privilegiam a educação vivencial, com a liberdade de expressão. Constitui-se uma maneira descontraída de trabalhar o grupo social e o indivíduo no grupo, com possibilidades de experimentar várias soluções para os conflitos quotidiano, despertando no ser humano uma atitude ativa perante a vida. No sociodrama, o grupo é o protagonista porque as pessoas aprendem a expressar as suas opiniões, focalizam os seus dramas.» 10

FINANCIADO POR:

CO-FINANCIADO POR:


O sociodrama é constituído por 3 fases: aquecimento, dramatização e comentários. O «aquecimento» “é o início do sociodrama, momento em que o participante e o ambiente de confiança são preparados para que se possa emergir o tema que será trabalhado durante a prática…” (FERREIRA, 2010:33). Os jogos dramáticos que ajudam ao aquecimento do grupo, tal como sugeridos anteriormente, têm nesta fase um papel preponderante. A «dramatização» é o momento em que se “trabalha(m) a(s) cena(s) fruto do aquecimento. A(s) cena(s) é(são) dramatizada(s) com o objetivo de se ter uma circunstância atual do grupo e das possíveis alternativas de superação da situação presente…” (FERREIRA, 2010: 36). Esta segunda etapa faz com que cada participante do grupo, através de cenas dramáticas (“como se…”), assuma o papel de ator/atriz e inclusivamente de espectador. A fase dos «comentários» reúne o grupo para partilhar sobre as experiências vividas durante a fase de aquecimento e dramatização. Nesta etapa “os participantes são estimulados a expressarem tanto o significado da prática como as suas implicações futuras (…) é uma fase importante para verificar o que da prática foi absorvido e foi capaz de modificar o participante” (RAMALHO E SANTOS in FERREIRA, 2010:40). Nesta articulação jogos dramáticos/sociodrama não podemos deixar de tecer alguns comentários sobre o teatro-fórum como elemento também integrador deste recurso. No ponto seguinte deste dossiê, iremos focalizar a nossa atenção em todos os passos que constituem o guião de construção de peça de teatro interativo. Neste guião, o teatro utilizado no sociodrama tem o objetivo de produzir uma peça de teatro porque envolve os participantes numa iniciativa de dinamização comunitária, uma das áreas estratégicas de intervenção deste projeto, para além de se apresentar como uma oportunidade dos jovens do projeto revelarem, diante da comunidade, a sua participação e co-responsabilização, para além de ser uma estratégia de marketing e divulgação do projeto. Com efeito, iremos mencionar que a história/peça deve ser atrativa para o público ao ponto de

11

FINANCIADO POR:

CO-FINANCIADO POR:


envolvê-lo na peça. Esta interação com o público desenvolve-se no teatro-fórum que abordaremos de forma breve, neste último ponto da fundamentação teórica. Teatro-fórum Um dos aspetos do presente guião de construção de peça de teatro interativo que revela a sua inovação e utilidade é o envolvimento que procura dar ao público. Como veremos mais adiante, o desenrolar da peça deve colocar o espectador a refletir sobre os conflitos e/ou dilemas e as consequências das ações/opiniões de cada personagem, assim como levá-lo a desejar opinar sobre o tema/s central/ais. Teatro-fórum é uma das técnicas do teatro do oprimido (método brasileiro de Augusto Boal), em suma é um espetáculo em que o público/plateia se torna em ator social. “Através de jogos teatrais, o público analisa a realidade em que vive e teatraliza as situações que deseja ver transformadas” (BOAL in TEIXEIRA, 2007: 212). São os destinatários finais deste recurso (jovens que participam na atividade do projeto «Teatro dos Sentidos») que levantam os temas sobre os quais o grupo gostaria de realizar um teatro-fórum. No teatro-fórum “A metodologia baseiase deste modo, na criação de pequenas situações reais, normalmente em oficinas de algumas horas, situações nas quais se verificam uma clara situação de opressão, representadas posteriormente para uma plateia que é convidada a participar, substituindo os atores, equacionando todas as possibilidades. No Teatro-Fórum, como técnica teatral é utilizada uma pergunta feita pelo elenco aos espectadores. É apresentado um problema objetivo, através de personagens opressores, que entrem em conflito por causa dos seus desejos e vontades contraditórias. Nesta luta pelo seu objetivo, o oprimido fracassa sempre, cabendo ao espectador apresentar/representar as suas alternativas para os problemas dramatizados, intervindo diretamente no espetáculo, substituindo assim o personagem oprimido (Boal in TEIXEIRA, 2007: 103).

12

FINANCIADO POR:

CO-FINANCIADO POR:


Narrativa da Prática Educação pela Arte - O teu recurso para o Teatro…Passo a Passo… Este recurso visa apoiar técnicos/as, jovens e adultos participantes em projetos de intervenção social e de cariz artístico na construção de guiões de peças de teatro interativas, fomentando simultaneamente o desenvolvimento de competências artísticas, sociais e pedagógicas com vista ao bem-estar de tod@s! Seguidamente, passamos a explicitar o modo de utilização desta ferramenta para que a possas utilizar de forma autónoma nos teus contextos de intervenção.

Passo I… Jogo… Expressão… Lúdico… Dramatização…Conhecimento… São expressões que definem o passo I deste manual. Assim, jovens e adultos deverão empolgarse no faz-de-conta ou no falar-sem-dizer para exercitar alguns temas ou capacidades: exercício da imagem corporal e social, trabalho de projetos de vida, desenvolvimento da cooperação e discussão de temas variados. Deve-se ainda, fazendo uso do lúdico, explorar alguns temas e conceitos que permitam o grupo compreender melhor esta expressão artística, nomeadamente: a história do Teatro, tipologia de teatros, elementos do teatro, entre outros. Assim, sem preconceitos nem constrangimentos, arrisquem a desenvolver os jogos dramáticos abaixo propostos. Contudo, salientamos que deverão experimentar cada jogo antes de o pôr em prática.

Jogo de integração e heteroconhecimento Cada participante escolhe três objetos pessoais (ex.: pulseira, boné, telemóvel…) que correspondam a três dos seus nomes (ex.: Andreia Soares e Silva). Irá apresentar-se ao grupo falando como se fosse o objeto, ou seja, na 1ª pessoa e partilhando o seu valor (ex.: Eu sou a pulseira Andreia. Tenho 1 ano e fui uma oferta muito especial do Tiago…). O grupo pode fazer perguntas.

13

FINANCIADO POR:

CO-FINANCIADO POR:


Jogo de equipa/cooperativo O grupo deverá, rapidamente e sem falar, organizar-se numa fila, em sentido crescente, por data de nascimento, num tempo limite definido pelo/a dinamizador/a. De seguida, devem-se explorar os recursos utilizados e valorizar o sucesso da atividade ou explorar as razões da sua não concretização. Posteriormente, devem formar-se três sub-grupos e cada um deverá organizar uma pequena dramatização que reflita situações distintas: uma conflituosa, uma cómica, uma trágica. Podem ou não basear-se em situações reais. Após exporem as pequenas dramatizações ao grande grupo, deve fomentar-se a discussão acerca das capacidades reveladas pelas equipas e valorizar o trabalho em equipa.

Jogo de personagens O grupo deve ser dividido de modo a criar equipas de 3 ou 4 elementos. A cada equipa deverá ser entregue um papel com uma personagem ou contexto (ex.: Padre; Prisão; Cabeleireiro). O objetivo será cada equipa criar uma estátua que represente o definido no papel e as restantes equipas terão que acertar em três tentativas. No final, deve refletir-se sobre as opções tomadas, a capacidade de criação de personagens e os meios utilizados para atingir o objetivo. (Fonte: 100 Jogos para Grupos)

Jogo de Sensações/relaxamento Num ambiente de relaxamento – música tranquila, luz reduzida, velas de cheiro -, o/a dinamizador/a deverá propor aos participantes que se sentem ou deitem confortavelmente para «abrirem asas à imaginação». Todo o grupo deve estar em silêncio enquanto serão proferidas frases de relaxamento e de motivação à construção de lugares paradisíacos na mente individual (ex.: Respirem profundamente enquanto se abstraem do mundo real. Sintam o vosso corpo em contato com o chão/cadeira, num percurso mental ascendente, da ponta dos dedos dos pés até ao couro cabeludo – o/a dinamizador/a deve explicitar cada zona do corpo. Agora reflitam sobre como se sentem neste momento: 14

FINANCIADO POR:

CO-FINANCIADO POR:


estão ansiosos, cansados, tristes, felizes… Conscientes do nosso estado de espírito devem imaginar um local belo, feliz e só vosso. Esse local – quinta, praia, campo, lago, etc… - tem um portão e só vocês têm a chave. Abram-no e entrem com a certeza que só encontrarão o que desejarem. Sintam os cheiros, vejam as cores, toquem no que desejam, observem o que contém e criem o que pretendem. Aqui não há problemas, ansiedades, medos ou conflitos… existem apenas sensações boas (continuem este discurso de acordo com as especificidades dos grupos). Podem vir a este lugar sempre que quiserem pois ele existe na vossa mente. Saiam fechando a porta e guardando a chave junto ao coração. Vão regressando ao mundo real, sentindo os cheiros do espaço onde estão, ouvindo os sons, tateando o chão. Lentamente vão-se sentando e abrindo os olhos, adaptando-os à luz.) No final cada indivíduo pode partilhar como é o seu lugar, o que viu e sentiu. Deve-se concluir a atividade valorizando a capacidade de imaginarmos e de experimentarmos diferentes sensações, competências importantes para o desenvolvimento individual ao nível do teatro. Os jogos dramáticos propostos a título exemplificativo, deverão fazer parte das atividades de teatro como elementos de «aquecimento» do grupo, integração atividade ou conclusão da mesma. Trabalham competências transversais à dramatização e ao desenvolvimento cognitivo do indivíduo, como tal são imprescindíveis para a formação do grupo (cf. Ponto 1 - Fundamentação teórica do recurso) e para a construção de uma peça de teatro, o passo II deste manual.

Passo II… Para construírem uma peça de teatro têm que ter em atenção vários critérios, indicadores e ordem de elaboração. Verifiquem, fazendo-o vocês própri@s A) Definam um tema (em grupo, devem discutir sobre um tema interessante para os participantes; pensar no público-alvo; refletir sobre a inovação do tema); B) Pesquisem sobre o tema (recorrendo à internet ou a bibliotecas escolares ou municipais, procurem informações sobre o tema e peças de teatro que já tenham abordado o tema; para saberem mais, para além da contextualização teórica 15

FINANCIADO POR:

CO-FINANCIADO POR:


realizada no início deste recurso, procurem informações sobre o teatro-fórum, como uma vertente do teatro do oprimido, em outros locais ou procurem assistir a uma sessão; deixem que o tema surja no grupo através das sessões de sociodrama); C) Construam, em grupo e num clima de interajuda e cooperação, um guião de peça de teatro tendo em consideração os seguintes aspetos: personagens, cenários, adereços, locais de apresentação da peça, referências cénicas, construção das falas, recursos humanos, materiais, financeiros e, sem dúvida, a forma de promover o envolvimento do público.

Passo a Passo… 1º) Após escolherem um tema e promoverem no grupo atividades dramáticas que fomentem a construção de personagens e falas, devem começar por construir o guião dividindo-o consoante as regras básicas das peças de teatro, em atos e cenas. Os atos constituem uma série de cenas interligadas pelo tema ou temas da peça. As cenas dividem-se conforme as alterações no número de personagens em cena, quando entra ou sai do palco um/a ator/atriz, ou de cenário/contexto. 2º) Dividido em atos e cenas, o guião deve indicar claramente as personagens presentes em palco, as suas falas (estas devem ser antecedidas do nome da personagem que vai proferi-las) e posturas/ações, ou seja as indicações cénicas – estas indicações permitem ao/à encenador/a direcionar os/as atores/atrizes para o estado emocional que devem ter, as suas posições no contexto e atitudes, todavia não devem restringir os/as atores/atrizes, permitindo que se libertem e se exprimam na «arte de representar». 3º) A história/peça deve ser dinâmica e expor algum conflito ou dilema, como elemento atrativo para o público. Para criar um guião de peça de teatro em que haja interação com o público, à semelhança do teatro-fórum1, devem-se construir personagens que se contrastem, ao nível da opinião, sobre o tema central ou que se vejam perante vários caminhos e opções sem certezas da mais 1

Procurar mais informações no site http://www.apele.org de A Pele – espaço de contacto social e cultural.

16

FINANCIADO POR:

CO-FINANCIADO POR:


acertada. O desenrolar da peça deve colocar o espectador a refletir sobre os conflitos e/ou dilemas e as consequências das ações/opiniões de cada personagem, assim como levá-lo a desejar opinar sobre o tema/s central/ais. Para tal, a peça deve ser relativamente realista, fomentando assim a identificação do público com as personagens ou temas, todavia deve ter ênfase e algum drama que transcenda o quotidiano para não desmotivar o público e manter a peça na sua vertente artística e de entretenimento. A ênfase pode ser dada por uma fala, uma ação mais intensa ou mesmo uma mudança drástica nas luzes ou sons. O momento do clímax, na construção de uma peça interativa, existe quando a ação vai em crescente complicação, convergindo para um impasse cuja solução será dada ao público para conceber. Conceber um final para uma história será então o trabalho do espectador com o apoio dos/as atores/atrizes (Ver anexo I – modelo de guião de peça de teatro interativa no âmbito da atividade «Teatro dos Sentidos», pp. 25-35). Ou seja, a relação entre o/a

ator/atriz e a plateia, deve atingir um nível de proximidade capaz de atingir a «alma» do/a(s) recetores(as), promovendo, para além do entretenimento, a educação e o conhecimento. A utilização da técnica sociodramática com os/as atores/atrizes, em atividade, semanalmente, e em paralelo com a construção da peça, é de extrema importância para a desconstrução de mitos e conflitos sobre o tema assim como para exercitar algumas técnicas de representação – ex.: solilóquio – momento em que o indivíduo «pensa alto», promovendo a partilha das suas reflexões perante a espontaneidade, no momento do sociodrama, e que poderá integrar a peça de teatro para explicar algo ao espectador ou partilhar com ele os seus pensamentos ou sentimentos. Por acharmos que o sociodrama é uma mais-valia para a construção de um guião de peça de teatro interativa, exploraremos de seguida esta técnica de intervenção pedagógica e terapêutica.

Passo III… A inovação deste recurso, relaciona-se com o aliar a construção de peças de teatro, à interação com o público e ao trabalho do ator/atriz enquanto ser social através do sociodrama. Este recurso visa ainda autonomizar os indivíduos na 17

FINANCIADO POR:

CO-FINANCIADO POR:


construção de peças interativas e promover a sua capacidade de (re)criação própria e interação social saudável. De assinalar que a técnica sociodramática2, deve ser desenvolvida por uma equipa

especializada,

nomeadamente

com

experiências,

formação

e

conhecimentos ao nível da mesma – é importante que estejam sempre presentes 2 elementos especializados assim como estejam reunidas as condições para a realização de uma sessão de sociodrama; pela experiência, aconselhamos a presença de educadores/as e psicólogos/as e/ou psiquiatras em virtude da espontaneidade da sessão que pode levantar questões pessoais e íntimas disruptivas. Tal como referido anteriormente, as sessões de sociodrama devem desenvolver-se com o grupo, semanalmente, à medida que se vai trabalhando o guião da peça e após algumas sessões onde são trabalhadas as capacidades de pensar e estar positivamente em grupo assim como a confiança entre os elementos que o constituem. Adaptando o sociodrama à atividade de Teatro, podem propor um tema ao grupo, após dar indicações claras da intervenção de cada um (ex. 1: O tema pode ser «Agora já é tarde»; cada participante deve dramatizar uma situação em que empregou esta frase ou que sente de acordo com o seu conteúdo; os restantes apenas podem expor soluções ou alternativas sem nunca julgar ou depreciar o/a protagonista; ex.2: percebendo-se problemas de conhecimento ou compreensão de certos temas podem-se abordar os mesmos nestas sessões, como por exemplo «O namoro e as sexualidades»; «A violência nas relações», etc.) – se sentirem conflitos no grupo que podem ser trabalhados em sessões de sociodrama e/ou perceberem que o grupo exporá rápida e facilmente algum tema, deixem que a espontaneidade reine. Muita atenção na utilização deste método pois podem «acordar fantasmas» que depois não conseguem controlar. Todavia, com todos os critérios inicialmente indicados obedecidos, recorram ao sociodrama para ajudar os participantes a criar projetos de vida concertados, a trabalhar bem em equipa, a resolver conflitos internos, a aprender a partilhar e a guardar sigilo assim como para

2

Para obter mais informações sobre o Sociodrama e a formação nesta técnica para a dinamização de sessões sociodramáticas devem navegar no site http://www.sociedadeportuguesapsicodrama.com, onde encontrarão os contatos da Sociedade Portuguesa de Psicodrama.

18

FINANCIADO POR:

CO-FINANCIADO POR:


exercitar técnicas fulcrais para a construção de personagens para peças de teatro.

Elementos ilustrativos De modo a verificarmos as evidências e impacto da aplicação deste recurso, realizamos algumas entrevistas a alguns/mas jovens participantes na atividade «Teatro dos Sentidos», com o/a(s) quais aplicamos as técnicas e metodologia acima explanadas. Com efeito, encontra-se em anexo (p. 25) os seguintes documentos: Anexo II – Guião de Entrevista ao grupo de participantes, p. 37; Anexo III – Instrumento Audiovisual «Entrevista ao grupo participante», p. 38 (por ser um documento audiovisual, foi partilhado no dropbox com o Programa Escolhas); Anexo IV – Grelha de Avaliação das Entrevistas, pp. 39-40.

Instrumentos e ferramentas utilizadas Para aplicares este recurso deves munir-te de vários instrumentos e ferramentas nomeadamente: o manual; um espaço propício para ensaios e aplicação do recurso (com palco, cadeiras e luzes); adereços para a peça e para as sessões de sociodrama (ex.: panos para fazer de «espelhos» - pesquisar técnicas de sociodrama), conhecimentos de base sobre teatro e sociodrama e recursos humanos especializados e preparados para a aplicação do recurso (técnico/a com bases de teatro para a aplicação dos jogos dramáticos; técnico/a(s) especializado/a(s) e com formação em sociodrama, nomeadamente de educadores/as e psicólogo/a(s) e/ou psiquiatras). As ferramentas necessárias para a aplicação do guião (que se complementa através do recurso a jogos dramáticos e ao sociodrama) e operacionalização do mesmo através da apresentação pública da peça de teatro interativa são: comunicação interna salutar, cooperativa e criativa (entendendo-se o «interna» entre os indivíduos do grupo de teatro); recurso a meios de informação atuais para pesquisas e construção, em formato digital, do guião (computadores com acesso à internet; impressoras para entregue do guião final a cada ator/atriz); construção de instrumentos de divulgação da peça

19

FINANCIADO POR:

CO-FINANCIADO POR:


(folhetos, cartazes, convites); espaços na comunidade para a apresentação da peça – com palco que corresponda às necessidades da apresentação. Fundamentalmente, estes são os instrumentos e ferramentas imprescindíveis para a aplicação do guião e exposição pública da peça de teatro, todavia, mediante a peça construída, poderão haver outro/a(s) cujo recurso seja indispensável.

Avaliação do recurso A aplicação do manual, no momento da fase de avaliação/validação do recurso, realizada por diferentes técnicos/as da comunidade (professores/as e técnicos sociais de Escolas e Associações) – ver Anexo V, p. 41 – em atividades similares ao «Teatro dos Sentidos», com diferentes públicos (grupos de crianças, grupos de jovens e grupos de adultos) e a avaliação desses/as mesmos/as técnicos/as, permitiu-nos concluir que o recurso promoveu o aumento de competências (quer para os grupos-alvo quer para os/as responsáveis das atividades) e evidenciou-se como um auxiliar inovador e prático para os/as aplicadores/as. Após análise das entrevistas de avaliação do recurso (aos destinatários finais) assim como das observações em diário de bordo da atividade «Teatro dos Sentidos», no qual se descreveram sentimentos, competências, participação, empenho, autonomia, iniciativa e evolução dos/as participantes, e das grelhas de validação do recurso aplicadas a diferentes indivíduos e instituições da comunidade, concluímos que este recurso incorpora os 5 critérios de qualidade de um Recurso Escolhas. Uma breve análise ao conteúdo das grelhas de validação realizadas por algumas entidades (Escola Secundária de Vagos, Escola Profissional de Vagos e Associação Boa Hora) permite-nos concluir que este recurso respeita a: - INOVAÇÃO: “abordagem de temáticas sociais atuais em contexto dramático e o apelo à participação do espectador levando-o a interagir com o elenco e a colaborar no desfecho da peça” (Diretora Pedagógica, Associação Boa Hora); - PERTINÊNCIA: “muito pertinente, pela promoção da abordagem de temas/problemas e necessidades sociais/culturais, através do debate de ideia, 20

FINANCIADO POR:

CO-FINANCIADO POR:


exposição de situações reais e procura de soluções” (Coordenadora do Curso “Organização de Eventos”, Escola Secundária de Vagos); - UTILIDADE: “a peça de teatro transporta a partilha de experiências, o que permite alertar e despertar para as questões sociais vividas pelos destinatários”; “assume uma utilidade crescente numa sociedade que cada vez mais deve procurar ajudar os jovens a reolver conflitos internos através da partilha em grupo de confiança” (Coord. Curso “Organização de Eventos”, Escola Secundária de Vagos); “desconstrução de mitos e conflitos acerca de tema vividos pelos próprios protagonistas” (Coord. Curso Animação Sociocultural, Escola Profissional de Vagos); - CAPACITAÇÃO/AUTONOMIA: “a trajetória implicada nesta metodologia promove meios para aquisição da autonomia” (Diretora Pedagógica, Associação Boa Hora); “a união da técnica sociodramática com a construção de uma peç a de teatro e a possibilidade de interação com o público traduz-se num potencial a valorizar” (Coord. Curso “Organização de Eventos”, Escola Secundária de Vagos); - TRANSFERABILIDADE: “pode ser utilizado em múltiplas situações de intervenção, sendo de fácil compreensão e utilização” (Coord. Curso “Organização de Eventos”, Escola Secundária de Vagos); “o teatro e jogos interativos

são

situações/oportunidades

para

criar

situações

de

ensino/aprendizagem, no qual a descoberta e a construção de conhecimentos estão sempre presentes; é fácil utilizar este guião” (Diretora Pedagógica, Associação Boa Hora). Na fase de experimentação, concluímos (junto de técnicos e participantes jovens e adultos) que o manual realizado inicialmente tinha uma linguagem pouco concreta/adequada e direcionada para o objetivo. Face a esta avaliação, adaptamos a linguagem e organizamos um manual de uma forma mais prática, interativa e aplicável por qualquer pessoa/instituição com interesse pela intervenção social e pelo teatro. A tipologia do “Guião de peça de Teatro interativo” é um “Package Pedagógico” constituído por um manual e um “CD-ROM”. Esta ferramenta audiovisual resultou numa aplicação informática interativa que permite um acesso mais 21

FINANCIADO POR:

CO-FINANCIADO POR:


fácil, inovador e prático a este recurso. Durante a fase de experimentação surgiu a dificuldade de realizar esta aplicação, contudo após processo de validação, optámos por investir num técnico externo ao projeto para o enriquecimento desta tipologia.

22

FINANCIADO POR:

CO-FINANCIADO POR:


Considerações finais O presente manual procurou focar os aspectos imprescindíveis para a aplicação do guião e exposição pública de uma peça de teatro, todavia, mediante a peça construída, poderão haver outro/a(s) cujo recurso seja indispensável, e que devem ser apropriados pelos futuros incorporadores. Um aspecto a não menosprezar são os custos de implementação associados a este recurso. As várias despesas com equipamentos (computador, vídeoprojetor, impressora, scanner, instalação de Internet em Banda Larga etc.); recursos humanos (técnicos na área da saúde, na área da intervenção social, na área artística, monitores, formadores, etc.), funcionamento e desenvolvimento das atividades (guiões, caracterização, cenografia, espaço, etc.) envolvem custos que facilmente podem ser rentabilizadas por parcerias locais (como são habituais desenvolver-se em projetos promovidos por instituições/associações sem fins lucrativos). Os futuros incorporadores deste recurso não devem menosprezar ainda que as despesas dependem dos cenários a construir; que na técnica do sociodrama é obrigatória a presença de um técnico especializado na área da intervenção social e que os jogos dramáticos, sociodrama e Teatro-Fórum exigem espaços com determinadas características - dimensão ajustada ao grupo e às dinâmicas a realizar, palco e espaço com plateia (no caso do Teatro-Fórum).

23

FINANCIADO POR:

CO-FINANCIADO POR:


Bibliografia

FERREIRA, C. P. B., (2010), A expressividade no Sociodrama. Brasília: Universidade de Brasília, Faculdade de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, 17-40. JARES, X., (2007), Técnicas e Jogos Cooperativos para Todas as Idades. Porto: Edições Asa. MOTTA, J. M. C. (Org.), (1995), O Jogo no Psicodrama. S.Paulo: Ágora. ROOYACKERS, P., (2003), 101 Jogos dramáticos: Aprendizagem e diversão com jogos de teatro e faz-de-conta. Porto: ASA Editores, S.A. TEIXEIRA, T. M. B., (2007), Dimensões Sócio Educativas do Teatro do Oprimido: Paulo Freire e Augusto Boal. Tese de Doutoramento, Universidade Autónoma de Barcelona, 26-212.

24

FINANCIADO POR:

CO-FINANCIADO POR:


Anexos

25

FINANCIADO POR:

CO-FINANCIADO POR:


ANEXO I – modelo de guião de peça de teatro interativa construída no âmbito da atividade Teatro dos Sentidos

Guião da Peça «Lua da Joana»,

criada e adaptada a partir do livro «Lua de Joana» de Maria Teresa Maia Gonzalez

PERSONAGENS Dr. Brito, pai de Joana Bé, mãe de Joana Diogo, irmão de Marta Avó Ju, avó da Joana Joana Narrador/a CENÁRIOS A – Quarto de Joana Constituem elementos deste espaço cénico: inicialmente o quarto está todo pintado de branco, com colcha branca e decoração totalmente branca. O quarto tem uma janela através da qual se vêm nuvens e o ceú e um baloiço em forma de uma Lua, pendurada. Existe também um puff que tem uma colcha branca no início e depois tira-se para que fique preto. A decoração muda com a colocação dos caleidoscópios no quarto. Depois vêem-se pinturas negras e uma manta colorida na cama. B – Átrio de entrada no prédio Constituem elementos deste espaço cénico: Existe um elevador e umas escadas. Talvez umas caixas de correio. C- sala de estar da casa da Joana Constituem elementos deste espaço cénico: um sofá, uma mesinha com o portaretratos do avô da Joana e, mais tarde, da avó Ju. Esta sala tem uma janela para o exterior D – Sala da casa do tio Augusto Constituem elementos deste espaço cénico: uma mesa e uma cadeira. ACTO I CENA l CENÁRIO A - Quarto de Joana O quarto está pouco iluminado, incidindo um foco de luz branca sobre o baloiço em forma de meia-lua. DR. BRITO (Entra cabisbaixo, senta-se no puff preto, trazendo na mão as cartas de Joana, e começa a reler a última, pausadamente.) 26

FINANCIADO POR:

CO-FINANCIADO POR:


Dr. Brito - «... Não está ninguém em casa...» (Faz uma pausa breve, olhando em seu redor.) «Acho que vou telefonar a alguém. Talvez à Rita. O Lucas é óptima companhia, mas não fala...» (Paz nova pausa e sorri tristemente.) Dr. Brito - «Pode ser que, dentro de alguns anos, com o avanço da tecnologia, dêem voz humana aos cães. E toda a gente ficará menos só.» «Um beijo da tua amiga Joana.» (Tira um lenço de assoar do bolso das calças e limpa os olhos; volta a pegar na carta e relê.) Dr. Brito - «Não está ninguém em casa...» (Olha novamente em redor e, abanando a cabeça em jeito de negação, repete, em voz mais alta, dirigindo-se ao público.) Dr. Brito - «Não está ninguém em casa!...» (Levanta-se, sempre com as cartas na mão, e dirige--se para o baloiço em forma de lua; baixa-se e permanece acocorado por algum tempo, a olhar a lua; depois, acaricia o baloiço.) (fecha a cortina) NARRADOR/A – «2 ANOS ANTES…» ACTO II CENA l CENÁRIO A — quarto da Joana Está uma luz forte a incidir sobre a Joana. JOANA (está sentada no chão, encostada à cama, vestida com cores fortes, de jeans e t-shirt; o quarto está branco, com a Lua a um canto e a cama no centro) Joana – «A decoração do quarto está tal como eu queria. Pelo menos para a decoração a minha mãe é fantástica!» (com um ar de cinismo) Joana – «Faz hoje um mês que … Oh Marta sinto tanto a tua falta! Não consigo perceber!» (olha pela janela tentando encontrá-la no céu) Joana – (nesta parte a Joana está a fazer que escreve e relata a próxima fala tal como se a estivesse a escrever) «Olha, demorei muito para me resolver … precisava de desabafar e tu eras a minha única confidente, portanto resolvi escrever-te. Fiz hoje anos mas foi o pior aniversário de sempre pois sem ti não tem piada! Adivinha o que o meu pai me deu???? Pois é, mais um relógio. Para uma pessoa que não tem tempo para mim é curioso que me dê sempre relógios!» (Joana olha o relógio que está no pulso e abana a cabeça negativamente) 27

FINANCIADO POR:

CO-FINANCIADO POR:


Joana – «A avó Ju como sempre deu-me um presente especial… uns brincos que eram dela quando era mais nova…Se não fosse a avó Ju não sei o que seria de mim! » (pausa: suspiro e sorriso triste) Joana – (boceja) «Estou a ficar com sono… vou tentar não sonhar novamente contigo… são pesadelos dolorosos. È terrível!» (ar de choro) «Um beijo da Joana» (pousa o diário na cama, apoia os braços e a cabeça e adormece) (fecha a cortina) CENA 2 CENÁRIO C – Sala de estar da casa da Joana (Avó Ju está sentada no sofá a fazer renda) Joana – (entra na sala com um ar triste, dá um beijo carinhoso à avó e senta-se ao seu lado) Avó Ju – (pousa as agulhas e a renda e vira-se para a neta com um ar dócil e compreensivo) «Então minha querida porque estás tão triste? Não gosto de te ver assim…» Joana – «A vida é uma seca avó. (esta fala é dita aos berros, Joana levanta-se e, andando de um lado para o outro, relata) «Nada de bom acontece…O pai nunca está em casa, a mãe vira a casa do avesso, o pré histórico» (a avó arregala-lhe os olhos), ok, o Jorge, põe a música aos berros que nem consigo ouvir os meus próprios pensamentos e a escola está quase a começar. E pior, a Marta não está cá pois abandonou-me!» (fica com os olhos lacrimejantes e deixa-se cair no sofá, desgastada) Avó Ju – «Querida, cá em casa estou eu para te apoiar e a tua família que te adora embora por vezes não o demonstrem. A escola vai ser boa para ocupares a cabeça e mostrares o que és capaz… sempre foste boa aluna e tenho muito orgulho em ti! A Marta não te abandonou querida… ela morreu, tens que encarar isso. Ela está sempre no céu a olhar por ti, nunca te deixará. Tal como o avô nunca me deixou» (olha para o retrato do marido pousada numa mesinha e sorri) Joana – (a chorar encostada ao ombro da avó) «Mas… sinto-me tão só!» NARRADOR/A – 1 MÊS DEPOIS CENA 3 CENÁRIO C – Sala de estar da casa da Joana (avó Ju a limpar o pó; Joana entra com a mochila vinda da escola) Joana – (cumprimenta a avó Ju com um beijo e tem um ar mais animado) «Olá avó. Queria-te contar uma novidade… Lá na escola, para além de ter sido eleita delegada de turma outra vez, o que não me deixa muito satisfeita mas pronto… 28

FINANCIADO POR:

CO-FINANCIADO POR:


eu percebo… acham-me responsável e respeitam-me e essa parte é boa, o meu amigo João Pedro teve uma ideia brilhante de fazer uma peça de teatro inspirada na história da Marta para alertar o pessoal para a estupidez de consumirem drogas. Que achas?» Avó Ju – «Acho uma óptima ideia querida. Assim todos poderão saber os malefícios dessas coisas. Então delegada novamente??? És o meu orgulho querida!» (abraça a neta por momentos; depois põe um ar algo preocupada) Joana – «Estás bem avó?» (Joana olha para a avó atentamente) Avó Ju – «Sim querida mas tenho algo para ti e receio um pouco pela tua reacção…(pausa) A mãe da Marta esteve cá e deixou um saco para ti… (entrega o saco à Joana) quero que o vejas com calma e carinho e sem tristezas está bem minha querida?» Joana – (pega no saco, acena com a cabeça para a avó e força um sorriso,) (toca o telefone a avó sai de cena para o atender e não regressa) Joana – (abre o saco e tira alguns objectos da Marta entre os quais a colecção de caleidoscópios e analisa-os atentamente; sorri) «Marta, tenho que te confessar que sempre invejei a tua colecção de caleidoscópios! Agora é minha… mas não a queria assim… preferia que tivesses sido tu a oferecer-ma quando te casasses e o teu marido não quisesse isto lá em casa! Sim, porque eu nunca vou casar… uhhh, que nojo!» ( no final da fala a Joana faz um ar mais divertido) CENA 4 Cenário B – átrio de entrada no prédio (Joana está a chegar do treino de basquetebol de fato de treino e um ar contente; Diogo está cabisbaixo, vestido de preto e irritado; está a descer as escadas do prédio para sair) Joana – (fica embaraçada quando vê o Diogo) «Olá Diogo. Tudo bem?» Diogo – (com as mãos nos bolsos e com a cabeça baixa e em tom sarcástico) «Pois… vai estando!» Joana - «Já não te via há imenso tempo… então que tal é o secundário? Estou ansiosa que termine este ano para também ir para essa escola!» Diogo - «É uma seca. Mas também não tenho aparecido muito por lá!» Joana – (com um ar preocupado) «Mas tens faltado às aulas??? Olha que isso não é uma cena fixe! Os teus pais não vão ficar nada contentes e sabes que eles não precisam de mais motivos para ficarem triste né Diogo???» Diogo – (em tom agressivo) «Pára de me dar sermão… não tens esse direito Joana» 29

FINANCIADO POR:

CO-FINANCIADO POR:


Joana – (com os olhos lacrimejantes e cabeça baixa) - «Desculpa…» Diogo – (levanta a cabeça e olha directamente para a Joana) - «Não, desculpa eu! Não queria ser agressivo… tu não mereces! Desculpa, a sério!» Joana – (mais animada) «Então que tens feito??? Eu vim agora do treino de basket. Aquilo está cada vez mais puxado… não sei se aguento com tudo: ser delegada de turma, estar na Associação de estudantes, a peça de teatro… (pausa, fica embaraçada)» Diogo – (finge-se interessado) «Andas no teatro agora?» Joana – (com a cabeça baixa e falando em sussurro) «É uma peça que vamos fazer lá na escola sobre… sobre a história da Marta. Para alertarmos o pessoal para as drogas, ‘tás a ver? Acho que a Marta ia curtir, que achas?» Diogo – (novamente sarcástico) – «Ela não está cá para dizer pois não??? Fica bem Joana. Xau» (sai apressadamente; Joana fica a olhar para o Diogo com ar de culpada) (fecha a cortina) Ouve-se Jingle Bells de fundo. NARRADOR/A – ENTRETANTO APROXIMA-SE O NATAL… CENA 5 Cenário C - sala de estar da Joana JOANA E DIOGO (Joana está a ouvir música quando o Diogo toca à porta) Diogo (com uma ar de culpado e um presente na mão) - «Olá Joana» Joana (olha para Diogo com surpresa pela visita) - «Olá Diogo, entra.» Diogo - «Olha queria desejar-te um Bom Natal e essas cenas todas e entregar-te um presente… É uma cena fixe que encontrei numa loja, espero que gostes… Não é nada de especial… Também te queria pedir desculpa pela última vez que nos encontramos… fui má onda contigo…» Joana - «’Tá-se bem. Já esqueci. Obrigada pelo presente mas eu ainda não comprei nada… sabes, aqui está a única coisa em que sou parecida com a minha mãe: deixo as compras sempre para a última!» Diogo (sorri) - «Então como correu a peça de teatro lá na Escola? A minha mãe veio de lá emocionada!»

30

FINANCIADO POR:

CO-FINANCIADO POR:


Joana (admirada com a pergunta) - «Foi baril. Estava imensa gente e acho que a mensagem passou mesmo. Pelo menos espero que sim... Sabes, estava aqui a ouvir música e lembrei-me daquele Natal em que fomos os três, eu, tu e a Marta, roubar luzes dos jardins… que cena… lembras-te?» Diogo (fica com um ar triste) - «Não. Desculpa, tenho de ir. Bom Natal Joana.» (dá-lhe um beijo rápido no rosto e sai apressadamente) (Joana fica espantada com a mudança de humor do Diogo; já depois de ele sair fala) Joana - «Bom Natal Diogo» Joana fica com ar de quem está a pensar na reacção do Diogo quando o telemóvel toca. Joana - «Sim. Ah, Olá João Pedro. Sim, está tudo bem e contigo? Cinema? Sabes não me apetece muito… Sim, tens razão estamos de férias e temos que aproveitar mas ainda tenho os presentes de Natal para comprar portanto não vai dar! … Vens comigo???? Sabes, era uma cena que costumava fazer com a Marta… (fica triste) Ok, mas aceito a tua ajuda. No shopping daqui a 30 min, pode ser? Até já então.» NARRADOR/A – A Primavera aproxima-se e com ela grandes mudanças… CENA 6 Cenário A – Quarto da Joana Joana está na Lua a escrever no seu diário (ar triste e preocupado)… Joana - «Querida Marta, tenho andado muito… acho que a palavra correcta é desmoralizada! Por isso não te tenho escrito muito nem tão pouco pintado, um passatempo que gostava tanto… Como sabes a avó Ju está muito doente… o coração está fraco e já nem sai da cama para jantar connosco! Estou mesmo preocupada! Outra novidade muito má: o Diogo veio cá a casa (com muita surpresa minha!) e contou-me que os teus pais se vão separar… Foi uma bomba, sempre pensei que eram feitos um para o outro! Sem ti, todo o mundo está a mudar… para pior! Ontem fiz um teste de Matemática e não consegui responder a duas perguntas… acho que estou a perder qualidades e nem na escola as coisas me correm bem! Vou parar de escrever. Prometi à avó Ju que hoje levava o jantar para o quarto e lhe fazia companhia. Um beijo da Joana» (apagam-se as luzes e Joana desloca-se lentamente da Lua para a cama) NARRADOR/A – Duas semanas depois… CENA 7 Cenário A – Quarto da Joana 31

FINANCIADO POR:

CO-FINANCIADO POR:


Bé entra no quarto toda vestida de preto e ar desgastado Bé - «Joana, ainda não estás pronta? O funeral é daqui a 30 minutos. Despachate!» Joana - «Não vou… Esquece.» (aos berros) Bé - «O teu pai vai ficar muito desapontado contigo, afinal a avó Ju era mãe dele ou esqueceste-te disso???» Joana - «Quero lá saber do que o pai pensa… Ele também não se importa com o que eu penso ou sinto! Deixem-me em paz!» (esta frase é dita aos berros; depois a chorar e quase sem forças diz: «Sem a avó Ju esta família está perdida!» Bé - «Não há quem perceba estes jovens…» (com ar de indignação e a sair do quarto, enquanto ajeita a decoração) Joana - «Oh Marta, ajuda-me…» (em desespero) Apagam-se as luzes. CENA 8 Cenário A – Quarto da Joana Acendem-se as luzes lentamente enquanto se ouve Joana ao telefone com a DT, de pé junto à janela do quarto. Está vestida com um fato de treino preto. Joana - «Sim, s’tora eu volto para as aulas para a semana mas ainda não estou bem. … Ok, obrigada. .. Não, não se preocupe eu peço os cadernos ao João Pedro e apanho a matéria rápido… Obrigada, para si também!» (desliga a chamada e revira os olhos) «Agora parece que toda a gente quer mandar em mim… Vou para a escola quando me apetecer!» (batem à porta do quarto…) Joana (aos berros e irritada)- «Não estou para ninguém» Diogo vem vestido de preto, tipo punk, com olheiras e ar de toxicodependente. Diogo (abre lentamente a porta e espreita) - «Este ninguém pode entrar???» Joana (ar surpreso) - «Diogo? Quem te abriu a porta? Pensei que estava em casa só com o traumatizado do meu irmão…» Diogo (entrando) - «Sim, foi ele que me abriu a porta pois ia a sair quando eu toquei. Então, como estás? Sinto muito pela morte da tua Avó!» (fica um silêncio estranho e abraçam-se, de pé) 32

FINANCIADO POR:

CO-FINANCIADO POR:


Joana (a choramingar) - «Obrigada…» (pausa) «E tu, estás com um ar abatido…» Diogo (a disfarçar) – «Pois, ando a dormir mal. Mas ‘tá-se bem.» Joana - «Sei o que isso é… Durmo bué de mal também. Antes tinha pesadelos com a tua irmã… agora é com ela e com a minha avó… (pausa, começa a chorar) Já não aguento mais Diogo. Só acontecem merdas na minha vida!» (senta-se no chão a chorar agarrada às pernas) Diogo senta-se junto à Joana e abraça-a. Depois, olham-se intensamente nos olhos e começam a beijar-se. Diogo tira a sua camisola e depois, lentamente, tira a da Joana (esta fica com um top de alças). Rebolam no chão enquanto o pano se vai fechando. (fecha a cortina) CENA 9 Cenário A – Quarto da Joana Vê-se Joana a pintar com raiva numa folha de cavalinho um grande círculo negro. Joana está com o cabelo amarrado, com olheiras, em fato de treino. O quarto está modificado – deixou de ser totalmente branco e tem agora uma colcha colorida e vários desenhos a preto nas paredes. Joana - «Sim, Deus é isto… Um grande círculo negro… Um buraco escuro… pois se assim não fosse não me deixava ficar assim, tão abandonada!» ACTO III CENA 1 CENÁRIO C – Átrio do prédio É de madrugada. Diogo está sentado no chão, a tremer, com os lábios a deitar sangue e um olho pisado. Pega no telemóvel com dificuldades, pois tem o braço magoado, e marca um número. Em cena ouve-se a voz de Joana, ensonada - «Diogo??? Que horas são? Estás bem?» Diogo - «Desce as escadas, estou na entrada do prédio. Preciso de ti…» Joana entra em cena e agarra Diogo que se queixa com dores. Diogo - «Cuidado… Dói.» Joana fica de cócoras perto de Diogo - «O que te aconteceu?» Diogo - «Não faças perguntas pf. Ajuda-me. Liga para a Rita, está o número no meu telemóvel e combina com ela para me ires buscar uma dose de cavalo. Por favor Joana.» 33

FINANCIADO POR:

CO-FINANCIADO POR:


Joana (com ar indignado e a gaguejar) - «’Tás a falar a sério? A Rita, aquela com quem fomos à festa no outro dia vende droga? (depois cai em si e fica ainda mais indignada; falando muito baixinho diz : Tu consomes droga????» Diogo - «Estou muito mal Joana. Por favor… Dói-me tudo! Depois explico-te, prometo. Já agora, tens dinheiro que me emprestes? Depois dou-te, prometo!» Joana (começa a caminhar de um lado para o outro aflita, sem saber o que fazer) Diogo (está muito abatido e queixa-se de dores) - «Joana, por favor é só mais esta vez, prometo. Não ‘tou agarrado. Saio quando quiser, vais ver.» Joana (olha para Diogo e pega no telemóvel) a gaguejar diz - «Rita? È a Joana, amiga do Diogo… Olha, ele precisa de… sabes, ele ‘tá com dores e… merda… é assim, bateram-lhe, ele não tá bem pediu-me para te comprar… sim, isso… Ok, vou ter contigo…Sei onde é… Quanto????» (fecha-se a cortina) NARRADOR/A – Os meses vão passando. Joana quer ajudar o Diogo a deixar a droga mas a estratégia que encontrou não foi a melhor. Joana está num beco…encontrará a saída? CENA 2 CENÁRIO A- quarto da Joana Joana está enrolada numa manta, com olheiras, sentada no chão e só se ouve um telefonema a terminar. Joana - «Rita, traz-me outra dose… Não, não te vou pagar outra vez com relógios… (envergonhada pergunta) Aceitas brinco de ouro???» (Joana pega no diário, e junta-o ao peito, congelando em estátua. Ouve-se a sua voz gravada dizendo: «Querida Marta, Nestes últimos tempos aconteceu tanta coisa que nem sei como te contar… A DT chamou a minha mãe à escola para falar sobre as minhas notas que estão péssimas. Escusado será dizer que levei um sermão descomunal mas nem me perguntou o porquê… obrigou-me a ir ao psicólogo! Enfim… gastando dinheiro a minha mãe vai achar que está a resolver tudo! O meu irmão, por incrível que pareça, é o único cá em casa que se apercebeu da minha cena... Até veio falar comigo, naqueles grunhidos que ele faz, para perguntar se eu tava bem e para não me meter em cenas maradas. As palavras dele foram «Então deixaste de ser a menina certinha para seres a bad girl? Olha que essas cenas maradas que andas a usar são do pior. Nunca mais te safas, Joana… não vás por aí, a sério» E saiu. Nem sei o que dizer acerca disto! O pior… tenho que vender os brincos da avó Ju para pagar uma dose. Se não te dissesse isso acho que rebentava! Sou uma fraca, uma covarde. Tenho nojo de mim. Mas agora já te perdoo, pois já te percebo! Desculpa, não consigo escrever mais… doem-me as mãos, os braços, o 34

FINANCIADO POR:

CO-FINANCIADO POR:


corpo todo! Tenho saudades de ti, da avó Ju e do meu pai porque é como se ele também não estivesse cá… Um beijo da Joana» CENA 3 CENÁRIO B – Sala de estar da casa da Joana Vê-se uma foto da avó Ju perto da do marido. Bé e Dr. Brito estão de pé, com um ar preocupado, a conversar. Bé - «O psicólogo disse que o melhor é a Joana afastar-se do ambiente onde compra aquelas porcarias.» Dr. Brito - «Sim, é o melhor. Como é que isto aconteceu Bé? Como é que não vimos antes?» Bé - «Não nos vamos culpar. Temos o nosso trabalho e os miúdos tinham que cumprir com o deles, estudar e não se meterem em sarilhos. Mas a vida não quis assim…» Dr. Brito - «Pois… Mas tudo se vai resolver. Vou ligar para o meu irmão para ver se ele acolhe a Joana lá na casa dele de Sintra durante uns tempos.» (Dr. Brito pega no telemóvel e liga ao irmão. Enquanto isso a esposa olha pela janela com ar pensativo.) Dr.Brito - «Olá. Sim…. Olha, preciso da tua ajuda… A Joana pode ir aí passar uma temporada?... Óptimo. Eu próprio a levo no fim-de-semana. Até lá. Abraço.» Bé olha para o marido com ar interrogativo. Dr.Brito - «Diz à Joana que faça a mala pois no fim-de-semana vamos lá levá-la. Agora tenho que sair pois tenho doentes à espera.» (Dá um beijo leve na face da esposa e sai.) Bé - «Espero que a Joana aceite. (Pega na foto da sogra) Preciso da sua ajuda minha sogra!» (fecha a cortina) CENA 4 CENÁRIO D – Casa do Tio da Joana Projecta-se uma imagem da Joana sentada numa mesa a escrever à Marta e ouve-se: «Querida Marta, Estou em casa do meu Tio Augusto. O Diogo entrou num programa de desintoxicação e por isso eu também aceitei vir passar cá uns dias para ver se me livro daquela porcaria. As dores já passaram pois o médico deu-me umas pastilhas para ajudar, mas eram horríveis! O pior agora é que não posso falar com o Diogo… lá no centro de reabilitação disseram que ele não pode contactar 35

FINANCIADO POR:

CO-FINANCIADO POR:


com ninguém que também consumisse com ele. Tenho saudades dele mas sinto que agora tudo vai melhorar. A minha mãe veio cá ontem e conversamos, melhor, ela falou durante horas sobre a nova decoração da loja. Tenho pena dela… ela esforça-se mas não consegue estar lá para mim, à séria, como eu precisava! O meu pai ainda não veio cá… Ligou a desculpar-se com o trabalho, como sempre! Quando voltar a casa vou ter uma conversa séria com ele. Vou dormir um pouco. É estranho, sinto-me cansada. Deve ser dos remédios… Um beijo da Joana» CENA 5 CENÁRIO A – QUARTO DA JOANA Joana entra no quarto com a mochila às costas. Deixa-a cair no chão e diz: Joana - «Que merda… só me faltava mais esta…vou reprovar de ano!» (as luzes ficam muito fracas; Joana abre uma caixa que está debaixo da cama e tira uma seringa) NARRADOR/A – Joana está sozinha em casa. Sente-se só, sem ninguém com quem desabafar. Que mal fará só mais uma vez? Vê-se Joana a levantar a manga da camisola e a injetar-se. (neste ponto o/a diretor/a /responsável da peça diz «Stop». Os/as atores/atrizes ficam em estátua enquanto o/a diretor/a /responsável da peça pede ao público sugestões para o término da mesma. Quem sugerir, deve ir a palco e colocar-se no lugar de uma das personagens e, com a ajuda do grupo de teatro, dar um final à peça – técnica utilizada no teatro-fórum.)

36

FINANCIADO POR:

CO-FINANCIADO POR:


ANEXO II – Guião de entrevista a grupo representativo dos/as participantes

Guião de Entrevista 1. Que técnicas/métodos que foram desenvolvidos na atividade regular Teatro dos Sentidos promoveram para o teu sucesso escolar e inclusão social? 2. Existiram momentos na atividade do Teatro dos Sentidos que promoveram para tua criatividade ou capacidade de construir peças/ guiões de teatro? Como? 3. Que ações desenvolvidas no decurso da atividade Teatro dos Sentidos te apoiaram na construção de personagens, sempre que tal te foi solicitado? 4. Como caracterizas o desenvolvimento da técnica sociodramática no teatro e qual o impacto que teve em ti? 5. Julgas que as peças de teatro de interação com o público produziram para um maior envolvimento do mesmo? De que forma? 6. Quais as competências pessoais e sociais que adquiriste ao participares na atividade, nomeadamente através da participação numa peça de teatro e no desenvolvimento do seu guião?

37

FINANCIADO POR:

CO-FINANCIADO POR:


Anexo III – DVD: Avaliação do recurso realizada pelos jovens, envolvidos na atividade «Teatro dos Sentidos», através de entrevistas em grupo

Partilhado

no

espaço

dropbox

com

Drª.

38

FINANCIADO POR:

CO-FINANCIADO POR:

Tatiana

Gomes.


Anexo IV – Grelha de avaliação das entrevistas

Grelha de avaliação da entrevista filmada – avaliação das afirmações dos/as jovens e do impato da atividade Teatro dos Sentidos, na qual foi desenvolvido e aplicado o recurso escolhas Impato nos jovens

1 – Sim,

2 – Sim,

em

um pouco

Fatores

grande

evidenciados pelo recurso

medida

A- Promoção do sucesso escolar

100%

0

3- Não Exemplos

0

-“ganhei motivação e à vontade para os estudos que não tinha” - “participei mais nas aulas e tinha mais confiança em mim” - “ajudou a estarmos mais concentrados nas aulas e a ter maior capacidade de compreensão»

B – Promoção da inclusão social

100%

0

0

- “os jogos ajudaram a libertarmo-nos mais, a ter confiança em nós próprios e a interagir melhor com as pessoas em geral” - “o grupo de teatro era muito diferente mas integramo-nos todos devido ao trabalho desenvolvido e também na comunidade escolar em geral”

C – Desenvolvimento da

100%

0

0

criatividade

39

FINANCIADO POR:

CO-FINANCIADO POR:

- “os jogos dramáticos promoveram para a criatividade”


D – Capacidade de construir guiões

40%

60%

0

de peças de teatro interativas

- “com o passar do tempo no teatro sentia-me mais à vontade e desenvolvi mais rapidamente o que era pedido” - “ajudou-me a ser mais autónoma e a criar a minha própria peça de teatro este ano”

E – Aumento da autonomia

100%

0

0

- “o teatro faz-nos sonhar e ter vontade de alcançar os nossos sonhos” - “ajuda-me a tomar decisões e tenho maior motivação para lutar pela profissão que desejo”

F – Acréscimo de competências

100%

0

0

cognitivas e sociais

- “comecei a sociabilizar mais com outras pessoas e a aceitar opiniões e críticas” - “tenho maior capacidade de adaptação ás situações e pessoas” - “comecei a colaborar mais com os colegas, a trabalhar mais em grupo” -“ajudou-me a crescer pessoalmente” - “sinto mais bem-estar, mais confiança nos outros, tenho uma melhor dicção e projeção de voz; participo mais noutros contextos – aulas e outras atividades do Escolhas; tenho mais iniciativa própria”

G- Facilidade na utilização do

100%

0

0

recurs

se conseguir fazer uma boa peça de teatro”

40

FINANCIADO POR:

-“o recurso tem todas as instruções e toda a informação para

CO-FINANCIADO POR:


Anexo V – Grelha de validação do Recurso Escolhas

A aplicação do manual, no momento da fase de avaliação/validação do recurso, realizada por diferentes técnicos/as da comunidade (professores/as e técnicos sociais de Escolas e Associações). 1) IPSS – Associação Boa Hora, Coordenadora pedagógica

41

FINANCIADO POR:

CO-FINANCIADO POR:


42

FINANCIADO POR:

CO-FINANCIADO POR:


2) Escola Profissional de Agricultura e Desenvolvimento Rural de Vagos (EPADRV), Coordenadora Curso Profissional de Animação Sociocultural

43

FINANCIADO POR:

CO-FINANCIADO POR:


3) Equipa Técnica do projeto “Escol(h)as em Boa Hora”

44

FINANCIADO POR:

CO-FINANCIADO POR:


4) Escola Secundária de Vagos, Coordenadora do Curso Profissional “Organização de Eventos”

45

FINANCIADO POR:

CO-FINANCIADO POR:


Teatro dos sentidos