Page 1

CENTRALIZANDO Igreja Batista Central de Brasília Ministério Pastor Vilarindo Lima - Junho 2010

UMA DÉCADA A SERVIÇO DO REINO

UMA IGREJA NO CENTRO DA VONTADE DE DEUS


UMA DÉCADA A No dia 21 de maio de 2000, no templo sede, foram ordenados dois pastores, um ministro de música e duas missionárias. Juntos a Ricardo Espindola e Francisco Neto, ordenados ao ministério pastoral, foram consagrados Joaquim Espindola ao Ministério de Música, e Aldair Espindola com Maria de Lourdes Calheiros assumiram a função de missionárias. De todas, porém, uma figura sobressaiu pelo dinamismo, mas também pela polêmica. O neto do pastor Vilarindo, Ricardo Espindola, havia finalmente acatado o chamado do Senhor. Figura polêmica, fosse pela forma direta de abordagem de suas mensagens, ou por quebrar paradigmas. Anteriormente à sua ordenação, atuou por 5 anos como administrador da igreja, onde realizou várias empreitadas, mudando a estrutura física da igreja, deixando uma marca de dinamismo associada a uma forma rígida de gerência, característica essa que o estigmatizou. Foi nesse tempo que o templo sede teve sua reforma mais ampla, como o asfaltamento do estacionamento, construção de guaritas, reforma da nave, e dos edifícios de educação. Isso sem falar na atuação junto às congregações, onde foram reformadas as igrejas de Flamboyant, Guará e Planaltina de Goiás, bem como a criação de uma nova igreja na Ceilândia. E já se vão 15 anos. Nesse

período também assumiu, ao lado da saudosa missionária Lívia Duarte a Classe de Catecúmenos, como era chamada a Classe de Preparação para o Batismo. Ao longo desses 10 anos, muita coisa mudou, muitas lutas seguidas de muitas vitórias, o amadurecimento veio junto, e a produção de algumas ações marcaram o pastorado de Ricardo. Logo no início de sua atividade ministerial propôs algumas mudanças na liturgia dos cultos para dar maior fluidez. Implantou e dirigiu os Encontros de Renovação da Batista Central, bem como o projeto Ação Central onde a igreja sede se deslocava até as cidades onde possuía congregações em comunidades carentes para prestar assistência médico-odontológica, psicológica e realizar evangelismo explosivo. Criou os Jogos Internos, que durante anos foi a atividade que proporcionou integração entre as igrejas do Ministério Batista Central. O 1º.Concílio Teológico Batista, realizado em Pirenópolis-GO, proposto pelo pastor Ricardo foi um marco na discussão de assuntos relevantes na atualidade cristã. Propôs a criação do Ministério de Dança, de quem é conselheiro, bem como da Cia de Teatro. Dirigiu, junto com Vladmir Vivaldi, a produção dos dois CDs de louvor da igreja. Mais recentemente, esteve à frente do Grupo de Trabalho que desenvolveu a nova marca institucional da Batista Central. Entretanto, talvez as ações de maior impacto do seu ministério foram a implantação da Faculdade Teológica e a Semana da Restauração, que este ano teve sua nona edição. Neste aniversário, a produção e lançamento do livro Desertos, marca a data.

1

1 - Min. Música Joaquim e Pr. Ricardo em viagem a Israel 2 - Min. Música Joaquim, Miss. Aldair e Pr. Ricardo 3 - Pr. Ricardo e Beatriz 4 - Nádia, Telma, Pr. Ricardo, Kika e Isaura (gastrônomia) 5 - Pr. Ricardo e Carmem

3

2 4

5


Missionárias

SERVIÇO DO REINO Quando foi proposta a consagração das irmãs Lourdinha Calheiros e Aldair Espindola, a igreja nada mais fez do que reconhecer um trabalho realizado. Aldair Espindola, filha do pastor Vilarindo Lima, e mãe do pastor Ricardo Espindola, sempre foi presente de forma atuante na vida da igreja. Filha mais velha de três irmãs, foi quem primeiro se casou dos 5 filhos do casal Lima. Desde os idos de 60 no Rio de Janeiro, a vida voltada para a fé e a ajuda ao próximo marcaram a trajetória dessa mulher. Um dos fatos que mais marcou a sua história foi a conversão da sua mãe, Carmem Lima, quando ainda a gestava. Ela já nasceu em berço cristão. Atuou em diversas áreas do ministério. Ainda no tempo do “barracão”, dirigia os chamados “Cultos do Bebê”, quando a igreja se fazia presente na casa das famílias que recebiam um novo membro. Prática essa que se institucionalizou. Foi a responsável pela criação e implantação do Ministério de Intercessão. Atuando também no Ministério Infantil, ao lado da missionária Maria Guilherme, durante alguns anos, partiu para o que representou o maior desafio da sua vida – a assistência social da Igreja. Área que atua até hoje, foi presidente do IVL, e é diretora do ministério que presta soMiss. Lourdinha

Música

Na cidade de São Vicente, na Baixada Santista, onde nasceu, Joaquim Espindola aprendeu piano ainda criança e na adolescência, com 15 anos já era regente do coro da Igreja Congregacional de São Vicente. Ao se casar com Aldair, foi transferido para Brasília em 1970. Onde junto com o sogro, pastor Vilarindo Lima, iniciou sua atuação na Batista Central. Os primeiros acordes entoados por um coro na igreja foram ecoados pela maestrina Eunice Lima, de saudosa memória. Sob esse fundamento, Joaquim assumiu a área de música, criando o primeiro coral da igreja, o Coro Shalom, que junto com o coro infantil, dirigido pela “tia Carly”, formaram o dueto que deu origem ao Ministério de Música, hoje estruturado com 7 coros, algumas equipes de louvor, pianistas e tecladistas e solistas. Alguns fatos marcaram essa vida dedicada à obra do Senhor. Quando ainda era militar do Exército, iniciou o curso superior de Contabilidade, e depois da conclusão decidiu preparar-se para um concurso do TCU, visando melhorar a condição da família. Porém, apesar do esforço e das noites em claro nos estudos, a obra sempre veio em primeiro lugar. Nunca se negou a estar

corro aos necessitados. Um verso tem marcado sua gestão à frente dessa obra, “se nos calarmos ao clamor do necessitado, clamaremos e não seremos atendidos”. Quando o esposo Geraldo partiu para o Senhor, Maria de Lourdes Calheiros, mais conhecida como Lourdinha, achegou-se à igreja e a primeira área de atuação foi ao lado de Aldair no trabalho de visita a hospitais, Joaquim e Miss Aldair depois no Tele-Cristo. Esse foi o ponta-pé para o desenvolvimento de uma vida mais que atuante na igreja. Atuante, e com uma característica singular, a simpatia, que fez com que conquistasse os corações que tocava. Dirigiu, ao lado de Aldair, os Encontros Femininos de Renovação, e com o pastor Ricardo esteve à frente do projeto Ação Central. Dedicou-se também ao Ministério de Música através do Coro Shalom, atividade que mantém até hoje concomitante à EBD, onde é professora da Classe de Discipulado, e ao Ministério Aprisco, onde lidera um grupo. Hoje a figura da missionária Lourdinha se confunde com da Faculdade Teológica, onde é vice-diretora. Seu empenho e o amor à Obra tem marcado a história recente da Igreja. presente aos ensaios, ou se licenciar em detrimento aos estudos. Por fim, vieram as vitórias: a conclusão do curso e a tão sonhada vaga no Tribunal, mudando toda uma vida marcada pelo trabalho e dedicação. Hoje, o ministro Joaquim Espindola, passa pelo deserto mais árido enfrentado em sua vida. Acometido, em fevereiro desse ano por um GBM, um tumor cerebral de alta malignidade, foi submetido a duas cirurgias, além do tratamento com radio e quimeoterapia. Entretanto o que tem sido alento nestes tempos de afastamento são os momentos nos quais tem se debruçado sobre o teclado e tocado os hinos que marcaram sua vida. Em meio a todas as dificuldades impostas, ora pela doença, ora pelo tratamento, sua capacidade musical permanece intacta, tanto na leitura das partituras quanto no dedilhar dos teclados. Como diz o salmista no Sl 84, “o homem justo passando pelo deserto, faz dele um manancial.”

Joaquim Espindola


Meu avô

Durante meus 40 anos, algumas pessoas marcaram minha vida. Algumas marcas foram tão profundas que ecoam até hoje. A bagagem que adquirimos é ligada diretamente às pessoas que nos cercam e que caminham conosco. Dentre tantas pessoas, uma gravou sua história na minha carreira - meu avô. Li certa feita um livro que era intitulado “Meu pai era pastor”. Pois eu poderia muito bem escrever um chamado “Meu avô é “o” pastor”. São lembranças que acalentam a alma. Experiências compartilhadas que fortalecem a fé. A simplicidade do evangelho como poder de Deus para salvar, curar e libertar, aprendi vendo seu ministério ímpar. A perseverança e disposição na maturidade causam inveja aos mais jovens. Pois a Palavra já dizia que os jovens cansam e se fadigam, mas os que esperam no Senhor renovam suas forças. E meu avô é a prova concreta de que a palavra é real e funciona. Ricardo Espindola Neto, com muito orgulho

DESERTOS Pr. Ricardo Espindola lança novo livro O dia 27 de junho será uma data a ser lembrada, não apenas pelas festividades de 10 anos de ordenação ministerial do pastor Ricardo Espindola como também pelo lançamento da sua primeira obra literária solo, intitulada Desertos. Esse livro surgiu da idéia de compartilhar a pregação realizada na Igreja Batista Central de Brasília, no dia 24 de janeiro de 2009, sobre o mesmo tema, o qual; ao longo de suas páginas; percorre os caminhos da revelação bíblica estampada nas ricas e edificantes experiências vividas pelas mais importantes personagens que passaram por situações desérticas para extrair delas lições úteis e preciosas resultantes da aridez da vida no deserto. O livro, de leitura leve, agradável e de fácil compreensão, é organizado em quatro capítulos. Nasceu da idéia de ministrar na IBCB; uma mensagem específica sobre esse mesmo tema que, sem dúvida, enseja a todos nós a oportunidade de meditação e reavaliação dos nossos caminhos, com vistas à possibilidade de sairmos do ponto onde nos encontrarmos no deserto dessa vida árdua e repleta de perigos e retornarmos, sempre que necessário, ao primeiro amor, alvo fundamental para todo cristão Expediente: Igreja Batista Central de Brasília SGAS Qd.603 Cj.D Brasília-DF, CEP: 70.200-630 Telefone: (61) 30384000 - www.ibcb.org Textos e direção: Pastor Ricardo Espindola Criação e diagramação: Marcelo Guimarães

verdadeiro, pois como enfatiza o autor “um deserto não é lugar para morrer. Deserto não é lugar para sentar, chorar, entregar os pontos”. Realmente, as coisas assim acontecem porque o Senhor está conosco, confere-nos sua amorável proteção e, sobretudo, trabalha em nós na travessia do deserto, que não é um destino, nem o ponto de chegada, mas um lugar transitório. O autor não teve a pretensão de esgotar a abordagem do tema sobre o deserto, mas no seu papel de pregador do evangelho, oferece-nos valiosa contribuição quando nos estimula a meditar e a refletir sobre os três personagens que passaram parte de suas vidas naquele ambiente perigoso e hostil; quais sejam Moisés, Elias e Jesus; sendo este o mais importante. O escopo do livro, como salienta o autor, é, acima de tudo, ensinar aos leitores como vencer seus próprios desertos, bem como moldar seu caráter em Cristo, de modo a crescer na graça, experiência e no conhecimento de Deus.

Centralizando Especial junho 2010  

Centralizando especial junho 2010

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you