Page 1

Boletim Voz do Movimento “Um informativo do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) do Baixo Sul da Bahia” ANO I – N° 1 – ABRIL/2012

“Abril Vermelho”

-No mês de abril o MST pinta de vermelho o calendário com várias ocupações e mobilizações. A Regional Baixo Sul trouxe para esse mês a construção de novos acampamentos e diversas ocupações de norte a sul da região. -O que aconteceu no Abril Vermelho? “Voz do Movimento” vai te contar! – Páginas 03,04 e 05

- Veja os melhores momentos da Ocupação em Salvador na Galeria de Fotos –

-Veja um pouco da arte produzida nos Acampamentos e Assentamentos. –

Página. 06

Página. 07 1


EDITORIAL

Quem somos? O que queremos? Nascido da necessidade de se comunicar com a militância e com as diversas famílias acampadas e assentadas no Baixo Sul baiano, o Boletim Voz do Movimento vem da voz aqueles que estão calados pelo sistema capitalista. Infelizmente, vivemos em um país onde poucos controlam os meios de comunicação.

(...) o Boletim Voz do Movimento vem da voz aqueles que estão calados pelo sistema capitalista. Ou seja, quando ligamos a TV ou lemos um Jornal, estamos absorvendo informações repletas de

interesses. Que interesses são esses? Interesses capitalistas. O interesse do simples LUCRO, do ganhar dinheiro. O Boletim Voz do Movimento quer se comunicar com você trabalhador da cidade e principalmente com os trabalhadores rurais. Nesta primeira edição, em pleno Abril Vermelho, trago para você querido leitor, as diversas ocupações e mobilizações feitas na Bahia e claro, no Baixo Sul. Ocupações que relembram com muita dor o massacre ocorrido em Eldorado dos Carajás, Pará, que durante uma ocupação de terra cerca vinte e um trabalhadores rurais foram mortos covardemente pela polícia e muitos outros estão desaparecidos. Queremos trazer para estas paginas o clamor por justiça, igualdade social e Reforma

EXPEDIENTE: Capa: Coletivo de Juventude, Comunicação e Cultura - Regional Baixo Sul/BA Textos e Galeria de Fotos: Setor de Comunicação e Cultura – Regional Baixo Sul/BA Edição: Revisão: Edição de Imagens: Wesley Lima Diagramação: Wesley Lima Contatos: comunicacao.mst@gmail.com / www.vozdomovimento.blogspot.com

Queremos trazer paras estas páginas o clamor por justiça, igualdade social e Reforma Agrária. Agrária. Pois, foi representando esta luta que aqueles trabalhadores foram mortos. O luto é indiscutível, por isso que vários trabalhadores rurais ligados ao MST querem pintar o mês de abril de vermelho. A Voz do Movimento presta seu luto e muita força para aqueles companheiros e companheiras que estão de cabeça erguida, gritando, lutando por aquilo que lhes é de direito. Reforma Agrária!Por Justiça Social e Soberania Alimentar. Coletivo de Juventude e Comunicação – Regional Baixo Sul/BA 2

Boletim Voz do Movimento – Abril/2012


ACONTECEU NO ABRIL VERMELHO

Famílias ocupam fazenda na Costa do Dendê Na madrugada do dia 08, domingo, cerca de 150 famílias ligadas ao MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) ocuparam a Fazenda Norla, mais conhecida na região como Fazenda Mamão, localizada entre os municípios de Igrapiúna e Camamu. A desapropriação daquelas terras para fins de Reforma Agrária é o que motivou a ocupação. Para Wilson Pianissola, um dos coordenadores do MST na região, as terras da fazenda não estão cumprindo sua função social, ou seja, estão improdutivas e nada mais justo do que a desapropriação desse espaço para garantir alimentos saudáveis às famílias que estão nesta ocupação.

A proprietária da fazenda, Neli Guine, juntamente com seu assessor entrou em contato com os integrantes do movimento e estão negociando pacificamente.

Mediante o ato, surge na entrada da fazenda um acampamento titulado com o nome Luana Carvalho. Neste espaço as famílias acampadas aguardam a vistoria das terras pelo Incra (Instituto de Colonização e Reforma Agrária) e conseqüentemente a desapropriação da fazenda.

Teolândia: Famílias sofrem ameaças em Ocupação Na manhã do dia 12 cerca de 60 famílias vinculadas ao MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) ocuparam a Fazenda Ocobal, localizada na Região do Algodão no município de Teolandia - BA. No intuito de gerar soberania alimentar a cada pessoa envolvida neste ato, os integrantes do MST montaram acampamento na cede da fazenda. A Fazenda Ocobal pertence

a Dedé de Marães, porém a mesma encontra-se nas mãos de seus oito filhos, os supostos herdeiros. De acordo com Edimael, um dos coordenadores do MST na região, quando a fazenda foi ocupada os herdeiros se dirigiram até a cede e ameaçaram os integrantes do movimento para desocuparem a localidade, porém não sairemos até conseguimos uma negociação com os órgãos

responsáveis. Aparentemente a fazenda encontra-se improdutiva. Existem muitas capoeiras e o pouco plantio de cacau está perdido pelo matagal. Se os herdeiros entrarem em um acordo com o movimento, os integrantes do MST aguardam o Incra (Instituto de Colonização e Reforma Agrária) para realizar os tramites legais e a desapropriação da fazenda. 3

Boletim Voz do Movimento – Abril/2012


ACONTECEU NO ABRIL VERMELHO

Fazenda é ocupada em Aurelino Leal Tendo como finalidade a desapropriação de terras improdutivas para fins de agricultura familiar, cerca de 50 pessoas ligadas ao MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) ocuparam na tarde do dia 13 a Fazenda Boa Lembrança, localizada no município de Aurelino Leal, interior da Bahia. A fazenda pertence a Zezinho Mendes, tendo como únicos trabalhadores nove meeiros. O gerente da Fazenda foi o único que negociou com os acampados. O mesmo afirmou que já esperava a ocupação por conta do descaso e o abandono da fazenda. Os integrantes do MST receberam o apoio de alguns meeiros que pretendem se unir ao movimento e se acampar para receber um pedaço de terra quando for desapropriada. Enquanto não é dada uma resposta positiva para os Sem Terras, os mesmos encontram-se acampados próximos a cede da fazenda. Portanto, resta-se esperar que o Incra (Instituto de Colonização e Reforma Agrária) possa realizar a vistoria da fazenda para fins de Reforma Agrária.

Fazenda em Valença é Ocupada No intuito de gerar trabalho e soberania alimentar, na madrugada do dia 27 cerca de 70 famílias ligadas ao MST ocuparam a fazenda Lagoa Dourada no município de Valença, interior da Bahia. A ocupação aconteceu de maneira pacifica. O Proprietário Renaldo Magalhães, até o momento não deu nenhum depoimento sobre o fato. Porém, os trabalhadores que estão na fazenda marcaram uma reunião entre as famílias e o proprietário. Para os integrantes do MST, a fazenda esta em completo abandono e é mais do que justo a desapropriação dessas terras para fins de Reforma Agrária.

As famílias montaram acampamento em frente à fazenda e só sairão daquele espaço enquanto o proprietário negociar com o Incra (Instituto de Colonização e Reforma Agrária) a desapropriação da fazenda.

Fazenda Cabaíba é ocupada Na tarde do dia 16, cerca de 75 famílias ligadas ao MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) ocuparam a Fazenda Cabaíba. No intuito de desapropriar a terra para fins de Reforma Agrária, as famílias se acamparam na sede da fazenda. De acordo com Maria Lia, uma das coordenadoras do movimento na região, as famílias estão lutando por aquilo que lhes é direito, o acesso a terra. E não importa quais são as circunstâncias, as famílias

querem trabalhar e a terra será um espaço para construir a soberania alimentar de cada família. O proprietário da fazenda, Paulo Magalhães, mandou um assessor até a localidade para negociar. O assessor chegou até a cede da fazenda com a polícia, porém, não houve nenhum tipo de confronto e as negociações estão sendo encaminhas de forma pacifica pelo proprietário.

4 Boletim Voz do Movimento – Abril/2012


ACONTECEU NO ABRIL VERMELHO

Trabalhadores desocupam o Incra/BA após grandes negociações Após onze dias acampados na cede do Incra, cerca de dois mil trabalhadores ligados ao MST, MTD, CETA e Pastoral Rural, desocuparam o Órgão Público. Esta ocupação ocorreu em todos os estados brasileiros no intuito de cobrar agilidade do Governo Federal no processo de Reforma Agrária no Brasil. Por meio das ocupações a nível nacional, os Movimentos Sociais conquistaram a liberação de apenas 100 milhões de reais. Para o estado baiano será designado 20 milhões de reais, que de acordo aos movimentos sociais envolvidos na ocupação, não é o suficiente para suprir as necessidades das áreas de Reforma Agrária existentes na Bahia. Nólia Oliveira, uma das Coordenadoras do CETA, acredita “que é importante que os movimentos lutem juntos (...). As nossas ações foram ótimas e mostramos que não viemos brincar.” A superintendência do Incra na Bahia teve uma reunião com o Presidente do Incra. Nesta reunião foi discutidos pontos que visão as áreas de Assentamentos e Acampamentos. Neste caso, houve um acordo em liberar

recursos para a desapropriação de terras, obras e créditos nos assentamentos do semi-arido.

professores da UFBA (Universidade Federal da Bahia) e outros.

De acordo com Marcos Neres, Superintendente do Incra/BA, “Este é um compromisso assumido por nós. Trabalharemos para que todas as ações voltadas as áreas de Reforma Agrária sejam realizadas e que 2012 seja melhor que 2011”.

Nas Oficinas foram discutidos temas que de alguma maneira, fazem referência ao Trabalhador Rural, como: o Trabalho escravo no campo; Saúde, educação, esporte e lazer; Teatro; Gênero; entre outros.

Para Marcio Matos, um dos Coordenadores do MST/BA, “A prioridade do Incra deve ser desapropriar terra para as famílias acampadas. Nossas negociações foram longas mas conseguimos avanços. A luta é o único instrumento para conseguirmos a vitória. A luta não para”. Um espaço para o estudo Durante a ocupação os Trabalhadores Rurais participaram de oficinas. Estas oficinas tinham como objetivo criar um espaço de troca de aprendizagem. Além de estarem reivindicando diante dos órgãos públicos, os movimentos sociais acreditam que o estudo é essencial para luta da classe trabalhadora. Para a realização das oficinas houve a contribuição voluntária de algumas entidades que apoiam a luta dos movimentos, como: o Movimento Estudantil,

Ocorreu também uma gincana, coordenada pelos educadores da Ciranda Infantil. Neste espaço as crianças participaram de brincadeiras educativas, que contribuiu para o processo de formação durante o período de ocupação. Lazer Nos dias de ocupação os movimentos sociais desenvolveram espaços de lazer para os Trabalhadores, com o objetivo de agitar os acampados a permanecerem na luta. Houve o Cinema da Terra que trouxe filmes que fazem referência ao camponês e noites culturais, nas quais os próprios trabalhadores animaram a noite, cantando músicas populares, como: samba de roda, MPB e forró pé de serra.

5 Boletim Voz do Movimento – Abril/2012


Galeria de fotos

Ocupação ao Incra/BA-Salvador

Reforma Agrária é Assim Precausa de nós sofrê iguá o boi na manjarra, samo abrigado a fazê Reforma Agrária na marra, pra neto, pra fio e pai a Reforma Agrária sai, que achem bom ou que achem ruim, seja na guerra ou na opaz, seu doto a gente faz Reforma Agrária é assim.

Patativa do Assará

6 Boletim Voz do Movimento – Abril/2012


Arte popular

MST 25 anos Por causa de famílias exploradas Expulsas da terra A CPT começa organizar o povo O povo sem-terra A partir de 1979 Começam surgir ocupações Em Rio Grande do Sul Mas sem nenhumas preocupações De se criar um movimento De início A luta pela terra não era fácil Dias de amargura Momento de insegurança Tempo de Ditadura Militares sem pena e sem dó Comandado pelo Tenente Curió O povo não desiste Parece coisa do destino Esse povo de qual eu falo É o povo da Encruzilhada Natalino

Foram escolas e assentamentos Vários cursos... Resgatemos uma parte de nossa cultura Uma parte de nossa história

“Na luta de classes todas as armas são boas: PEDRAS,

Temos nossa própria escola Respeitada e reconhecida Formando novo cidadão Preparado para vida Fazer parte dela É uma emoção É sentir o coração batê Essa escola de qual eu falo É a Itinerante, conquista do MST Falta unir campo e cidade Se queremos transformar Unir forças para não ter perigo Os nossos inimigos vamos derrubar. “Pedro Francisco Bagatin”

Durante esses 25 anos Tivemos várias conquistas

POEMAS.” Paulo Leminsk

Quer ver sua produção artística nesta página? SIM? Mande para comunicacao.mst@gmail.com ESPERAMOS POR VOCÊ!

AGENDA

Maio 04,05 e 06 – Aniversário de 15 anos do Assentamento Paulo Jackson/Local: Assentamento Paulo Jackson;

A luta vai em frente Surgem ocupações a todo lado, a todo o momento A solução era a não ser Em criar um movimento Até que em janeiro de 1984 Cascavel Paraná Lutando por justiça e pela terra Surge o MST Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra

NOITES e

18,19 e 20 – Encontro Intersetorial Regional/Local: Brigada Vale do Jequiriça; DATAS HISTÓRICAS 01 - Dia Internacional do Trabalhador; 02 - Morre o educador Paulo Freire, 1997; 05 - Nascimento de Karl Marx, 1818; Dia da Comunicação;

Latuff

15 – Surgimento do Jornal Sem Terra, 1981;

7 Boletim Voz do Movimento – Abril/2012


VIVA AOS 25 ANOS DO MST NA BAHIA! Venha participar você também desta festa. Saiba mais pelo email: secmstba@yahoo.com.br Site: www.mst.org.br

Participe dessa campanha para acabar com os agrotóxicos!

Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e pela Vida

Você conhece a “Via Campesina”? NÃO?

contraosagrotoxicos@gmail.com

ACESSE: www.viacampesina.org

Boletim Voz do Movimento: Participe você também da construção desse trabalho coletivo! Mande seu comentário para o email: comunicacao.mst@gmail.com e acesse o nosso blog: www.vozdomovimento.blogspot.com 8 “Se você é capaz de tremer de indignação a cada vez que se comete uma injustiça no mundo, então somos companheiros.” (Ernesto Che Guevara)

Boletim  

Produzido pelo Setor de Comunicação e Cultura. Regional Baixo Sul/MST/BA

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you