Issuu on Google+

CULTURA Opções de lazer podem ajudar a ir melhor no ENEM página 5

JORNAL-LABORATÓRIO DO CURSO DE JORNALISMO ● ANO 10 - EDIÇÃO Nº 36 ● JUNHO DE 2014

WAGNÃO DE OLHO NO UFC

DESTA VEZ É

Viçosense pode levar seu talento para a maior organização de MMA do mundo página 8

Fotografia por Agner Lehner

NO BRASIL! Conheça os principais detalhes da Copa, tudo sobre as novas tecnologias em campo, quem são os viçosenses voluntários e onde assistir aos jogos. Encarte

50 ANOS

DO GOLPE Entenda como o país mergulhou numa ditadura que censurou, torturou e exilou artistas brasileiros e que durante 21 anos dividiu opiniões. página 4

TROTE

REATIVAÇÃO DA LINHA FÉRREA

UNIVERSITÁRIO

CONTROLE

Proposta para solução da mobilidade urbana página 16

Fotografia por Yane Guadalupe

Fotografia por Juliana Souza

DE P R ECIA CALOUROS

DE QUALIDADE Estação de tratamento de água da UFV, uma das poucas no país, realiza análise sensorial. página 10

VACINAÇÃO ALCANÇA META Mais de 1.300 adolescentes, entre 11 e 13 anos, foram imunizadas contra o HPV em Viçosa. página 6

MARCO CIVIL DA INTERNET Proibido desde 2006 o trote violento e injurioso ainda acontece na cidade. As consequências da recepção vão de calouros sujos de estrume a lixo abandonado em ruas públicas. página 3

Privacidade ou censura? Saiba mais sobre a aprovação do projeto que dividiu as opiniões dos usuários da rede. página 12

GRIFES E

PERSONALIDADE Não deixe que as marcas consumam você. página 14


OPINIÃO

OUTROLHAR JUNHO DE 2014

AO LEITOR Grandes acontecimentos já tomam conta da opinião pública do país neste ano: as eleições presidenciais, que vão ocorrer em outubro próximo, e a Copa do Mundo da FIFA. O país, que durante 20 anos ficou impedido de opinar sobre a situação vigente na época e de escolher seu presidente nos chamados “Anos de Chumbo”, hoje, democraticamente, tem a possibilidade de optar pela permanência de sua mandatária ou de alterar esse quadro para eleger um novo presidente para o Brasil. Assim como os “Anos de Chumbo”, quando prevaleceram a censura, a tortura e outras atrocidades, a Copa do Mundo também divide opiniões das cidadãs e dos cidadãos brasileiros. Muitos têm posições contrárias à sua realização em território nacional, tendo em vista que muito do legado prometido pelas autoridades, no sentido de que a competição fosse organizada pelo país, jamais podem sair do papel. Nesta edição, esses dois te-

mas foram pautados, embora, que com vistas à Copa, apenas trazemos informações que vão servir para elucidar detalhes que gravitam em torno do evento. Paralelamente, fatos locais, como a participação do viçosense “Wagnão” no programa TUF (The Ultimate Fighter Brasil) da Rede Globo, a escassez de água no município, um projeto para restaurar e reativar a linha férrea que corta a cidade, entre outros, são assuntos abordados no jornal. Tudo cuidadosamente previsto, apurado e produzido, essencialmente, para você que é nosso leitor. O OutrOlhar cumpre assim sua meta que é a de levar até você, leitor, informações úteis não só para que sejam utilizadas no seu dia a dia escolar, mas também para a sua conscientização em temas que envolvem a cidadania, a vida e a sociedade. Esperamos que também esta edição seja do seu agrado. Uma boa leitura. Joaquim Lannes Editor

SOBRE A MESA Uma crônica de Camila Denadai

Engraçado como as pessoas sempre buscam por uma mesa vazia. Os olhos aflitos buscam por uma cadeira solitária – mesmo que haja muitos lugares, eles preferem estar a sós. O restaurante está cheio e vazio ao mesmo tempo. Cada mesa ocupada por uma única pessoa. Mesmo nas que acomodam grupos, cada um parece imerso em seu próprio mundo, resumido a uma tela de algum dispositivo móvel. Perto de quem está longe, longe de quem está perto. Sacam o celular ou tablet, acomodando-os junto ao prato enquanto comem para manter a conversa em dia, de olho nas atualizações do “Facebook” ou nas do e-mail recebido, muitas vezes esquecendo-se da pessoa ao lado, do amigo ou namorado. Sem

risos, beijos ou conversas. Quem acaba de entrar, reluta, fica de pé e dá voltas. Desviam os olhos da tela para o atendente, esperando com ansiedade que uma das mesas seja limpa. Mas só um se senta. Os outros permanecem no lugar em que estão, esperando, de volta ao celular. Alguns desistem e vão procurar outro lugar para comer. Poucos (ou ninguém) optam por dividir a mesa. Se o fazem, caso vejam a que está ao lado ser desocupada, se mudam imediatamente. Um a um, vão se acomodando para aproveitar de suas solitárias refeições. Assim, perdem-se oportunidades. O que poderia ser seu melhor amigo ou até o grande romance, simplesmente, passa despercebido em meio à imersão no mundo virtual.

Um ponto de vista democrático sobre as religiões por Lucas Kato

é necessário saber conviver com o pluralismo identitário e moral. Para viver em sociedade, é preciso não apenas tolerar a diferença, mas também construir, aceitar e estimular a manifestação de ideias diferentes.

89% para 64,6%. A partir dos anos 90, o número de brasileiros sem religião dobrou, passando para 8%. O número de evangélicos também dobrou, contabilizando cerca de 20% da população e estima-se que, até 2020, os protestantes sejam a religião predominante no país. (Dados coletados da revista

‘‘

2

‘‘

Jornal-laboratório do Curso de Jornalismo da Universidade Federal de Viçosa (UFV), atualmente sob responsabilidade da turma de 2012, na disciplina Jornal Laboratório II. TURMA

Ana Abreu, Ana Costa, Ana Moreira, Ana Richardelli, Ana Ventura, Bruna Guimarães, Bruna Santos, Camila Denadai, Camila Macedo, Caroline Bacelar, Caroline Mauri, Cássia Lellis, Dayane Pereira, Fernando Cézar, Gabriel Novais, Gabriela Dalton, Graziele Oliveira, Isadora Canela, Juliana Souza, Letícia Natalina, Lhaís Carvalho, Lucas Kato, Marco Neves, Mariana Elian, Monique Bertto, Pedro Cursi, Pedro Lavigne, Pedro Vital, Thaiss Moreira, Yane Guadalupe. EDITOR

Prof.° Joaquim Sucena Lannes MONITORA

Jéssica Santana DIAGRAMADORES

Camila Denadai, Gabriel Novais EDITOR DE ARTE

Gabriel Novais

ESTADO LAICO E LIBERDADE DE EXPRESSÃO

É compreensível que todos nós, de certa forma, sempre defendemos nossa ideologia baseados em valores próprios de ordem filosófica e/ou religiosa. Quando entramos na esfera política brasileira, estes valores podem perder o sentido ou são deturpados. Questões de ordem cultural e a constante disputa pelo poder podem nos proporcionar uma visão turva a respeito da prática da laicidade. De acordo com a Constituição, o Estado secular, ou laico, é caracterizado pelo dever de construir políticas públicas indistintamente. Sem favorecer, nem privilegiar nenhuma religião ou credo. Ela proporciona abertura para a expressão e defende que quaisquer crenças, ou falta delas, tenham direitos iguais dentro do país. É importante pensarmos que o Brasil ainda possui uma doutrina catolicista fortemente incorporada na cultura e no nosso dia a dia. Entretanto, desde a década de 80, o número de católicos no país diminuiu de

E X P E D I E N T E

SuperInteressante, Edição 226 - Novembro de 2013). Entretanto, não podemos deixar de lado o fato de que o Brasil é um país multicultural e plurirreligioso. Um país cuja construção e tradição histórica, cultural e social também são marcadas pela presença de várias crenças. Por

isso, é preocupante o pensamento político de alguns segmentos religiosos que nos representam no governo. Segmentos que ainda utilizam da lógica da intolerância e do desrespeito. Devemos ter clareza e compreensão como seres humanos para compreendermos e respeitarmos nossa posição na sociedade. É contra isso que votamos. Do contrário, como o livre arbítrio e a liberdade de expressão podem ser respeitadas em um país com a diversidade cultural tão grande? A democracia pode se tornar contraditória e sempre será alvo fácil do relativismo, mas isso é justamente porque ela é um conceito em constante construção. Também é possível que ela seja radical, afinal, ela apenas aceita democratas. Dessa forma, é necessário saber conviver com o pluralismo identitário e moral. Para viver em sociedade, é preciso não apenas tolerar a diferença, mas também construir, aceitar e estimular a manifestação de ideias diferentes.

EDITOR FOTOGRÁFICO

Lucas Kato REVISORA

Graziele Oliveira APOIO

Centro de Ciências Humanas Letras e Artes - CCH REITORA

Prof.ª Nilda de Fátima Ferreira DIRETORA DO CCH

Prof. Maria das Graças Floresta CHEFE DO DCM

Prof.° Joaquim Sucena Lannes COORDENADORA DO CURSO DE JORNALISMO

Prof.° Mariana Lopes Bretas ENDEREÇO

Vila Gianetti, casa 34, Campus Universitário 36570-000 Viçosa - MG Tel.: 3899-2879 www.com.ufv.br

Os textos assinados não refletem necessariamente a opinião da Instituição ou do Curso, sendo da responsabilidade de seus autores e fontes. Cópias são autorizadas, desde que o conteúdo não seja modificado e que sejam citados o veículo e o(s) autor(es).


OPINIÃO

OUTROLHAR JUNHO DE 2014

NOVOS ALUNOS E VELHOS HÁBITOS As consequências do trote universitário por Yane Guadalupe

Fotografia por Yane Guadalupe

Todos os anos, a UFV recebe, aproximadamente, 2500 novos alunos. É claro que os calouros são bem vindos. Temos uma das melhores Universidades do país e queremos esses jovens que aqui vêm estudar e movimentam o comércio da cidade. O problema de todos os anos tem sido o trote. Banhos de tinta e cabelos raspados são compreensíveis desde que o calouro não seja pressionado a nada. Entretanto, a questão vai além. Fezes de animais, bebidas alcoólicas em botinas velhas e a troca de bala Halls pela boca entre indivíduos do mesmo sexo são apenas algumas ações absurdas que acontecem durante os trotes. Desde 2006, o trote violento e injurioso foi proibido pela Universidade dentro do campus e fora dele. Dentro da UFV, há um controle maior por parte dos seguranças que coíbem e responsabilizam os líderes. Os responsáveis são prontamente identificados por câmeras de segurança espalhadas pela Universidade e sofrem processo administrativo que pode levar à jubilação do aluno, segundo explica o diretor

No dia seguinte ao trotes, todo material utilizado pelos veteranos são abandonados em espaço público de Logística e Segurança da UFV Belmiro Zamperlini. Por outro lado, é mais difícil ou menos conveniente coibir os trotes violentos fora das Quatro Pilastras, tarefa que cabe à polícia civil do município. Os moradores dos arredores de onde acontece a balbúrdia devem comunicar a polícia imediatamente. Os guardas só poderão fazer alguma

coisa se os calouros que recebem as “brincadeiras” sem nenhuma graça alegarem que estão sendo forçados a participar delas. Mas que aluno recém-chegado num mundo novo, onde quer fazer parte de um grupo social, irá ousar ir contra seus veteranos? Ninguém quer ser excluído da tribo. É um dia de óleo de cozinha na cabeça, fezes de

porco pelo corpo, em troca do respeito dos mais antigos no Curso. Com a vantagem de que, no próximo ano, tem-se a oportunidade, senão o dever, de descontar todas as injúrias que tolerou. Esses acontecimentos ocorrem, principalmente, nas ruas da cidade, onde a sujeira é deixada nos próprios locais após os trotes. Pergunte a qualquer mo-

rador de Viçosa e ele dirá como ficam as ruas nessas épocas. O morador Rodrigo Costa, pai de uma criança de dois anos, afirma que é falta de responsabilidade todas as coisas que acontecem nessas atividades. Segundo Rodrigo, “os estudantes deixam o lixo todo na pracinha e não se tem como deixar o filho brincar em meio a vidros e fezes de animais”.

UMA ANTIGA PAIXÃO DIGITALIZADA Camila Macedo mostra os novos rumos da leitura na era digital A sobrevivência do livro impresso e o estímulo da leitura à “moda antiga” vêm preocupando pais e educadores. A importância do contato de jovens e crianças com a literatura é indiscutível. Por meio dela, enriquecemos nosso vocabulário, estimulamos a nossa criatividade e interpretação, ganhamos novos

‘‘

valores, descobrimos novas culturas e vivemos experiências. Mas vivemos em tempos de cibercultura, de letramento digital, e a inserção destas tecnologias ao meio educacional se faz cada vez mais necessário. De acordo com a pesquisa “Retrato da Leitura no Brasil”, realizada em 2011 pelo Instituto Pró-Livro

(IPL), o brasileiro está lendo menos. O levantamento nacional mostra que o número de brasileiros considerados leitores – aqueles que haviam lido ao menos uma obra nos três meses que antecederam a pesquisa – caiu de 55% em 2007 para 50% em 2011. Para os amantes da literatura, nada irá subs-

O LIVRO DIGITAL PODE TRAZER UMA GRANDE CONTRIBUIÇÃO PARA A DEMOCRATIZAÇÃO DA LEITURA NA MEDIDA EM QUE ELE SE TORNE MAIS ACESSÍVEL À SOCIEDADE

‘‘

Com o crescente desenvolvimento da tecnologia digital, a internet, os e-books, os jogos eletrônicos e muitos outros aparatos tecnológicos enchem os olhos e ocupam o tempo de crianças e adolescentes. A modernidade e a facilidade de acesso são grandes atrativos para quem está acostumado a processar as informações de forma mais rápida e resumida. As mídias digitais estão conquistando cada vez mais espaço e muito se tem discutido sobre os rumos da leitura em meio à agilidade dos hipertextos, megabytes, downloads e e-readers. O fato é de que estamos na contemporaneidade, na era da tecnologia, na qual os discos de vinil perderam espaço para o MP3, o vídeo cassete foi substituído pelo DVD, e os livros digitalizados vêm ganhando cada vez mais espaço.

tituir o prazer de virar as páginas, de sentir o cheirinho de livro novo, escolher o marcador de página, de poder fazer anotações no rodapé da folha, de ter uma estante cheia deles. Mas o livro digital pode trazer uma grande contribuição para a democratização da leitura na medida em que ele se torne mais acessível à sociedade. A realidade é que o surgimento do e-book não significa o fim dos livros em papel. Cada um com sua particularidade, a expectativa é que eles se complementem e que o livro continue levando conhecimento para cada vez para mais pessoas, seja na sua forma impressa ou digital. O importante é mergulhar no universo da literatura e experimentar as mais diversas sensações ao ler um bom livro.

3


CULTURA

OUTROLHAR JUNHO DE 2014

LEGADOS DE 21 ANOS DE CENSURA Ana Moreira apresenta as principais consequências do golpe de 1964 na cultura brasileira Literalmente, entre 1968 e 1978, mais de 600 filmes, 500 peças teatrais, vários livros, músicas, reportagens, foram proibidos no país. - Tudo passava por avaliação antes de ser publicado ou exibido. Entre 29 de março de 1973 a 3 de janeiro de 1975, por exemplo, foram censuradas 1.136 matérias do jornal “O Estado de São Paulo”. – comenta Patrícia Compreendido como um período de “modernização conservadora”, hoje, vemos seu legado no meio cultural. A música popular brasileira ganhou destaque e consagrou Caetano Veloso, Chico Buarque, Gilberto Gil, Tom Zé e outros artistas como grandes intelectuais da música. Ainda, podemos destacar várias obras deste período. Os livros: “O casamento” (1966), de Nelson Rodrigues; “A revolução brasileira” (1966), de Caio Prado Junior; “Torturas e torturados” (1966), de Nelson Werneck. Os filmes: “Terra em transe” (1967), de Glauber

Rocha; “Opinião Pública” (1967), de Arnaldo Jabor; “Macunaíma” (1969), de Joaquim Pedro de Andrade. A novela “Roque Santeiro”, de Dias Gomes e Aguinaldo Silva, censurada em 1975 e exibida, posteriormente, em 1985, quando houve a abertura política. Há também um reflexo na produção de filmes hoje em dia que abrange o cenário daquela época e leva o espectador a se sentir em meio aquela atmosfera. Como destaque, a produção cinematográfica “O ano em que meus pais saíram de férias” (2006), de Cao Hamburger, indicado e premiado em diversos festivais, e o documentário, “O dia que durou 21 anos” (2013), de Camili Galli Tavares. Músicas, filmes e livros são formas de revelar as marcas da ditadura daquela época presentes até os dias de hoje. Uma maneira de curar suas feridas e, assim, fecharmos mais um episódio da história brasileira.

Fotografia por Ana Moreira

Este ano completa 50 anos desde que, em 1964, os militares assumiram o governo no lugar de João Goulart e nele permaneceram por 21 anos. Nacionalistas, porém conservadores, eles desejavam o progresso e temiam que o comunismo chegasse até o Brasil. Para evitar que seus temores se realizassem, criaram os “Atos Constitucionais” e estabeleceram a censura prévia à arte e aos meios de comunicação. Para a historiadora da UFV, Patrícia Vargas, o estabelecimento da censura é uma forma de domínio. - A censura é um mecanismo repressor, por meio da qual se avaliam trabalhos artísticos ou informativos, utilizando critérios políticos e morais. Tentava-se assim, controlar a sociedade brasileira para transparecer uma estabilidade social e impedir a oposição e as críticas ao governo. – disse ela. Os censores garantiam a boa imagem do governo.

Oprimido, o povo foi mergulhado no escuro de seus ideais

PEQUENAS BANDAS, GRANDES HISTÓRIAS Pedro Cursi fala sobre a interação entre grupos musicais e público

4

da plateia e é quase possível ouvir a voz do cantor e os instrumentos que estão sendo tocados, tornando as caixas de som desnecessárias. E não para por aí. Além de poder ouvir e quase sentir a música de forma diferente, existe mais um fator nesse tipo de festa que é a integração com os músicos. Imagine você, cantando e dançando durante todo o show e, ao final dele,

conversar com a pessoa que proporcionou esses momentos de euforia e felicidade. E não é diferente para quem está no palco, cantando e tocando para a galera. Pedro Machado é guitarrista da banda “Faixa Onze”, de Barbacena, e afirma que sua motivação para melhorar e progredir como músico vem da empolgação e interação que acontece nos shows. Para

ele, não há nada mais importante para uma banda pequena do que ver um sorriso no rosto das pessoas que vão prestigiar sua música. Isso faz com que ele afirme que o melhor show da sua vida vai ser sempre o último que tocou, pois as emoções ainda estão frescas em sua cabeça. Muitos podem não considerar esses pequenos show como forma de cultura. Mas

qual a definição “certa” para cultura? Será que ela realmente existe? Se você é uma dessas pessoas que gosta de música e acha que Viçosa anda mal de eventos culturais, não deixe de prestigiar os shows de bandas pequenas que acontecem por aqui. Eles ocorrem, praticamente, em todos os finais de semana. Basta procurar, se informar e ir se divertir.

Guitarrista Pedro Machado ensaia mais de quatro vezes por semana nas vésperas das apresentações

Fotografia por Pedro Cursi

Você já participou de algum evento cultural? A resposta de quase todas as pessoas para essa pergunta é a mesma: sim. Mesmo que você não saiba, a chance de ter estado presente em algum desses movimentos é imensa. Uma reunião de amigos para tocar uma viola, um palco improvisado montado na varanda de uma república ou uma roda de samba no barzinho da esquina, podem todos ser considerados eventos culturais, pois, de acordo com o dicionário Aurélio, cultura é toda forma de conhecimento, ideias, técnicas e atitudes. Há quem pense que shows com bandas famosas, em festivais nas capitais e com preços absurdos são festas imperdíveis. Tudo bem, cada um tem seu gosto e ele deve ser respeitado. Mas será que os shows pequenos, com bandas de garagem e músicos também dedicados ficam para trás? Leonardo Bueno (19) é estudante da UFV e conta que, dependendo da banda que vai tocar, prefere as festas pequenas. A proximidade com os integrantes do conjunto musical criam uma atmosfera única e vibrante. Na maioria das vezes, o palco fica a menos de um metro


CULTURA

OUTROLHAR JUNHO DE 2014

DESVENDE A LITERATURA NO ENEM Ana Richardelli aponta como se dar bem nas questões literárias dos exames principalmente, para alunos do Ensino Médio. Segundo ele, esse estudo deve sempre ser estimulado: - A literatura desperta nos estudantes uma postura crítica em relação à realidade e ao mundo que os cercam, proporcionando-lhes mais informação, postura crítica, sensibilidade, capacidade de visualização. Além disso, também acelera a interpretação e impulsiona a aquisição de um vocabulário vasto, o que, consequentemente, irá favorecer suas produções textuais – argumentou. Soma-se a esses, outro motivo que torna o estudo da literatura ainda mais importante no dia-a-dia dos estudantes: o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM). Nele, tem-se cobrado cada vez mais questões correspondentes ao tema, com o objetivo de fazer com que o estudante seja capaz de reconhecer a presença de valores sociais e humanos no patrimônio literário brasileiro. Para saber como se dar bem nesse tipo de questão, Marcelo dá a dica:

Fotografia por Ana Luisa Moreira

Famoso poeta brasileiro do século XX, reconhecido por sua criticidade. Augusto dos Anjos é conhecido por intercalar propriedades dos estilos parnasiano e simbolista (vide box) em suas obras, de características formalmente trabalhadas em uma linguagem cientificista-naturalista. Neste ano, completa-se cem anos desde que esse célebre paraibano nos deixou, deixando também um forte legado no que se refere à poesia nacional. Augusto dos Anjos se junta ao seleto grupo de grandes poetas brasileiros, capazes de despertar admiração até nos mais leigos sobre o assunto. Olavo Bilac, Carlos Drummond de Andrade, Ferreira Gullar, entre outros. Homens que enriqueceram a literatura com suas inúmeras contribuições, todas de valores incalculáveis. O professor de Literatura do Colégio Equipe, Marcelo Ramos, afirma que conhecer as obras desses autores e o ensino dessa disciplina nas escolas é uma ferramenta essencial,

ESCOL AS LITERÁRIAS BRASILEIRAS Parnasianismo: Os autores parnasianos se utilizam de linguagem rebuscada, vocabulário culto e temas mitológicos. Simbolismo: Os simbolistas dão valor aos mistérios da morte e ao mundo dos sonhos, usando uma linguagem abstrata e sugestiva. Destaque para o misticismo e para a religiosidade das obras.

Ler é imprescindível para um bom desempenho nas provas - Acima de tudo, é de extrema importância que se faça a leitura dos grandes clássicos, entre eles: José de Alencar, Machado de Assis, Olavo Bilac, Augusto dos Anjos. Autores modernistas como Manuel Bandeira, Mário de Andrade, Oswald de Andrade e Carlos Drummond também são cobrados em larga quantidade

nas provas do ENEM, portanto devem ser estudados. Marcelo sugere que, para um bom desempenho no exame, o estudante tenha em mente que a Literatura lhe auxiliará também no conhecimento histórico, principalmente, quando os textos literários estiverem relacionados à Literatura de Informação, ao Barroco e Arcadismo.

Barroco: As obras são marcadas pela angústia e pela oposição entre o mundo material e o espiritual. Metáforas, antíteses e hipérboles são as figuras de linguagem mais utilizadas. Arcadismo: Destaque para o objetivismo e a retomada da razão. A linguagem mais fácil é recuperada e os ideais de vida no campo permeiam as grandes obras.

FILMES TAMBÉM PODEM AJUDAR VOCÊ

Montagem de Bruna Santos

Bruna Santos mostra para o estudante que lazer e conhecimento caminham juntos

Na hora do ENEM, filmes de diversos temas históricos auxiliam bom resultado O ano em que se presta vestibular é um dos mais decisivos na vida dos jovens. Só quem já passou ou passa por esta situação sabe o quanto é estressante e ocupa todo o tempo possível de quem pensa em fazer uma graduação após se formar no Ensino Médio. Momentos

ligados ao lazer, muitas vezes, são deixados de lado, ou, no mínimo, reduzidos. Entretanto, previamente, é possível conciliar os estudos com momentos de diversão e descanso. Uma enorme variedade de filmes relata fatos e histórias que contribuem para o aprendizado do estudante e assisti-

-los pode ser também uma forma de se descontrair. Pesquisas realizadas pelo site do G1, Guia do Estudante e UOL, apontam alguns filmes como de grande ajuda para questões de vestibulares. Dentre estes, podemos citar “Olga” (2004), “O ano em que meus pais saíram de férias”

(2006), “Tempos Modernos” (1936), “Casanova e a Revolução” (1986), “Vampiros de Almas” (1956), “Carlota Joaquina, princesa do Brazil” (1995), “O pianista” (2002), “Lincoln” (2012), “O menino do pijama listrado” (2008), “Preciosa” (2009), “Adeus, Lênin” (2003), “Diamante de sangue” (2009), “Diários de motocicleta” (2004), “O nome da rosa” (1986), “Lawrence da Arábia” (1962), “Xingu” (1912), “A lista de Shindler” (1993), “O baile perfumado” (1996), “Maria Antonieta” (2006) e “Django Livre” (2012). Temas como a ditadura militar, o período da escravidão e o nazismo são os mais abordados quando se trata do cinema como método de ensino. Como ferramenta educacional, esta forma de arte insere na sala de aula a possibilidade de desenvolver habilidades como identificação, percepção da realidade e interpretação, fazendo com que a abordagem de aspectos históricos, literários e

cinematográficos do estudante seja facilitada. Apesar de os filmes serem capazes de proporcionar uma grande bagagem intelectual, para Renata Quintão (34), professora de português, literatura e redação, é necessário vincular a obra a alguma noção de conteúdo já existente. Só assisti-lo, sem saber em que contexto está situado ou se é real ou ficção, não terá para o aluno grandes contribuições. Lydiane Vilella, agora estudante de Pedagogia, garante que a memória visual que ela tem de certas cenas de filmes já a auxiliou em várias situações. Os filmes, de fato, ajudam a fixar conteúdo. Lydi, como gosta de ser chamada, não teve a sorte de ser pedido em sua prova algum tema que ela já tenha assistido, por isso também, a jovem indica a todos que tenham acesso ao máximo de filmes possíveis, já que ele é cultura, conhecimento, lazer, distração e pode ajudar a realizar o sonho de muitos jovens de ingressar em uma faculdade.

5


VIDA E SAÚDE

OUTROLHAR JUNHO DE 2014

VACINAÇÃO CONTRA HPV

TEM BONS RESULTADOS EM VIÇOSA

Fotografia por Lhaís Carvalho

Lhaís Carvalho aponta os números da campanha e a necessidade da prevenção

O Governo lançou, em março, a campanha de prevenção nacional contra o HPV. A vacina está sendo distribuída, gratuitamente, para meninas entre 11 e 13 anos, além de tornar-se obrigatória no car-

tão de vacinação. A meta do Ministério da Saúde é imunizar 5,2 milhões de garotas em todo o Brasil. O Papiloma Vírus Humano (HPV) é transmitido durante a relação sexual no contato direto com pele

e mucosa infectadas ou de mãe para filho no parto. A mulher pode desenvolver verrugas intrauterinas que se proliferam, desencadeando o câncer de colo de útero. As lesões do HPV também podem aparecer

Quatro tipos do vírus HPV são erradicados pela vacina, dois deles causadores do câncer

no ânus, na boca e na garganta. Quatro tipos do vírus são erradicados pela vacina. Entre eles, estão os dois causadores do câncer. O Ministério da Saúde e o Ministério da Educação levaram a vacina para as escolas brasileiras. Em Viçosa, os colégios receberam uma cartilha explicativa e um termo de assinatura para os responsáveis que não aprovassem a medida. Cada instituição ficou responsável por informar os alunos sobre o HPV antes da vacinação. Segundo a diretora do Colégio Anglo, Lúcia Duque Reis, a adesão dos pais foi de 100% e mais de 110 meninas receberam a imunização. A enfermeira da Policlínica Municipal, Daiana Alves, afirma que 1.364 garotas foram vacinadas no município, o que corresponde a quase 80%. - As adolescentes que completarem 11 anos podem se vacinar na Policlínica, inclusive as que fizeram 14 a partir do dia 10 de março. A vacina é segura,

eficaz e não compromete os ovários - acrescentou ela. Gabriela Santiago (11) entende a necessidade de ter sido vacinada. - O HPV, ao causar o câncer, me impediria de ter filhos futuramente. A mãe, Lúcia Mara Gonçalves, relata que, aos 24 anos, descobriu que abrigava as lesões em seu útero, mas não chegou a desenvolver o tumor. Ela apoia a iniciativa de unir educação e saúde para alcançar o público-alvo da campanha, acreditando ser uma importante forma de conscientização dos perigos que essa doença oferece. A vacina contra o HPV é composta por três doses. A segunda deve ser tomada seis meses após a primeira, e, a última, cinco anos após o início do ciclo. Na rede privada, cada dose custa R$ 500.00, onde os meninos também podem se prevenir. A campanha continuará nos próximos anos e o governo pretende oferecer a vacina para meninas de 9 a 11 anos a partir de 2015.

GRAVIDEZ SEM RISCOS NA ADOLESCÊNCIA Fernando Cézar mostra os cuidados que mães jovens devem ter para uma gestação saudável

6

sempre tomar precauções para que nem a adolescente gestante e nem o bebê possam sair prejudicados. São ações básicas que fazem a diferença. Em artigo, a ginecologista Adriana Lippi Waissman alerta que o primeiro passo é ter um diálogo aberto com os

pais. Muitas vezes, o pré-natal é adiado por causa de uma relação não muito próxima entre mãe e filha, pai e filha. Vários fatores contribuem para que a gravidez na adolescência seja de alto risco. De acordo com Adriana, a incidência de hipertensão, doen-

ça frequente na gravidez, é cinco vezes maior nas adolescentes, que também são mais vulneráveis a ter anemia. Portanto, os cuidados devem ter início logo nas primeiras semanas de gestação. No pré-natal, problemas como o da hiper-

Com o pré-natal, adolescente pode previnir problemas na nutrição, pressão arterial e outros

Fotografia por Sheila Alves

Todo mundo já sabe que a adolescência é caracterizada por uma série de transformações físicas e psicológicas. É a época da importante transição da vida infantil para a vida adulta, além de ser marcada pela busca de identidade. E quando surge uma gravidez em meio a esse turbilhão de novas informações, os cuidados para uma boa gestação devem ser ainda maiores. São realizados no Brasil, anualmente, cerca de 700.000 partos em adolescentes e jovens de até 20 anos, de acordo com pesquisa realizada pelo Hospital das Clínicas de São Paulo. A gravidez precoce está presente em todas as classes sociais, tanto nas mais abastadas quanto nas mais baixas. Os problemas e os rumos dados pela gravidez que são variáveis nas diferentes classes. Independente do estrato social em que se encontra, é necessário

tensão são controlados se forem diagnosticados no começo. Além disso, a menina grávida deve realizar uma avaliação do estado nutricional, isso evita a restrição de crescimento ou má formação fetal. A boa alimentação também auxilia em um maior conforto para a adolescente grávida. No período de gestação, o funcionamento do intestino tende a ficar mais irregular; com a ingestão de frutas, legumes e bastante água este problema é minimizado. Outro fator de risco apontado pela ginecologista é o estresse. Por isso, a gestante deve sempre ter um acompanhamento de equipes multidisciplinares (psicólogos, fisioterapeutas, enfermeiros...) para que a mantenha em um bem-estar e que, ao final de nove meses, todos os esforços e as precauções resultem em uma nova e saúdável vida que chega ao mundo.


VIDA E SAÚDE

OUTROLHAR JUNHO DE 2014

O BOOM DA GERAÇÃO NO PAIN, NO GAIN Supermercado e redes sociais. Já reparou em como estes dois lugares estão se relacionando? No supermercado, os carrinhos chegam aos caixas lotados de ovos, frango e batata doce. Nas redes sociais, são postadas fotos de saladas que antes poucos comeriam e de corpos sarados que costumávamos ver só nos filmes de ação. Estes novos hábitos são os efeitos da geração no pain, no gain (lê-se “nou pén, nou guén”). Você já deve ter ouvido essa expressão. Do inglês “sem dor, sem ganho”, a frase é usada na área da musculação como incentivo para o pessoal que está na busca do corpo saudável. Para o estudante Patrick Oliveira (18), a internet o influenciou nessa escolha. - Vendo meus amigos indo treinar e conseguindo um corpo e saúde melhores, eu não quis ficar para trás. Quando percebi a minha melhora, minha confiança au-

Fotografia por Graziele Oliveira

Graziele Oliveira mostra o estilo de vida adotado pelos jovens marombeiros mentou e passei a compartilhar essa evolução nas redes sociais. – confessa Patrick, que malha de 5 a 6 vezes por semana, há 3 anos, por mais ou menos 90 minutos. A nutricionista Manuella Lavinas acredita que essa busca pela musculação no mundo jovem é pela moda, e que os adolescentes acabam usando a desculpa de que os

exercícios são para sair do sedentarismo. - O real motivo é que a sociedade impõe um novo padrão de beleza, que é o fitness, o no pain no gain, a batata doce com frango. – justifica Manuella. Essa chamada “dieta maromba” (composta por alimentos ricos em proteínas, carboidratos e fibras) não

Marcellus Mattos tatuou seu lema de vida nos braços

é um mito. O personal trainer Marcellus Mattos lembra que “estamos sujeitos às tentações dos fast foods e os problemas cardiovasculares e a obesidade estão mais frequentes; portanto, é o equilíbrio entre alimentação, atividade física e boas noites de sono que promoverá a perda de gorduras, o ganho de músculos e a prevenção daquelas doenças”. Segundo a fisioterapeuta dermato-funcional Ilídia Moreira, sessões de tratamentos estéticos também podem ser feitas como um complemento aos exercícios praticados na academia e à reeducação alimentar para se conquistar novas medidas para o corpo. Ela relata que “até mesmo o pessoal que só quer ter um porte atlético ou estilo “panicat” está percebendo uma elevação na qualidade de vida”. Marcellus Mattos esclarece que cada pessoa deve treinar conforme a própria necessidade. Segundo ele,

“quem pega peso é guindaste; os músculos aparecem quando se pega uma carga que permite executar cada movimento com perfeição”. Além disso, o personal trainer alerta sobre o perigo do uso de esteroides anabólicos e de bebidas alcoólicas quando o jovem opta pela musculação. - Muitas vezes, o garoto quer o “caminho mais fácil” e faz uso dessas substâncias sem qualquer conhecimento. O álcool, por exemplo, dificulta a absorção de vitaminas e minerais, desidrata o corpo e sobrecarrega o fígado. – explica Marcellus, que entende a musculação como algo além de levantar peso e exibir o corpo. - Ninguém vai poder comer por você, treinar por você ou dormir por você. Seu sucesso ou fracasso depende de você mesmo. Isto é o que faz um homem bem sucedido no fisiculturismo ou em qualquer área da vida. – encerra.

ANABOLIZANTES, SUPLEMENTOS E OS GRANDES RISCOS PARA A GALERA DA ACADEMIA

Fotografia por Ana Costa

Ana Costa mostra que esses produtos podem causar efeitos devastadores no organismo É visível que o interesse dos jovens pela malhação aumentou nos últimos tempos. Todos querem ter um corpo bonito e sarado, adotando o estilo de vida “maromba”. O problema é que os resultados não são rápidos, exigem tempo, muito treino e boa alimentação. Por isso, muitos recorrem a certas substâncias de fácil acesso que trazem resultados rápidos na

formação de massa muscular: os suplementos alimentares e anabolizantes. O personal trainer Fabrício Vieira conhece alguns jovens que já fizeram uso de alguma droga anabólica. Nenhum deles teve supervisão médica durante o uso e não usaram nenhum tipo de proteção ou terapia pós-ciclo para remediar os efeitos colaterais. Fabrício explica que

o uso de esteróides anabolizantes na adolescência é muito mais prejudicial do que quando usados na fase adulta. - A grande maioria sabe que as drogas trazem efeitos colaterais, mas não imaginam que os danos são muito maiores e, às vezes, irreversíveis quando você está em fase de crescimento. – explica.

Há muitas opções de suplementos, mas é perigoso tomá-los sem orientação

Essas substâncias promovem o crescimento dos músculos, mas desencadeiam outros efeitos, como: acne severa, distúrbios do comportamento, tremores, retenção de líquido no organismo, aumento da pressão arterial, aumento do colesterol, estrias, diminuição da testosterona, esterilidade e sérios danos ao fígado, colocando em risco a vida do usuário. Um exemplo disso na mídia é o caso do cantor Netinho, que adquiriu um tumor benigno no fígado devido ao uso de anabolizantes. Quando o adolescente faz uso de anabolizantes, os níveis dos hormônios são muito instáveis, o que aumenta os efeitos colaterais da substância no organismo. A substância também faz com que a hipófise (glândulamestra do sistema nervoso, situada na base do cérebro) feche e o crescimento do jovem em altura, simplesmente, pare. Mesmo os suplementos alimentares podem fazer mais mal do que bem se

forem consumidos sem orientação de um profissional. A estudante A.C. começou a tomar suplementos aos 16 anos, e não teve uma boa experiência. - Eu queria ganho de massa magra e procurei na internet suplementos indicados para mulheres. Comecei a tomar whey protein e dextrose, pois pensei que estimularia muito meu ganho de massa, como, de fato, ajudou durante um tempo. Mas eu tomava o suplemento e não malhava corretamente, então, ao invés de ganhar massa magra, eu ganhava gordura. Engordei mais ainda depois que parei de malhar, além de murchar nos locais onde havia massa muscular, o que me fez ganhar estrias e celulites. – conta. Há mais de mil produtos disponíveis no mercado brasileiro, mas somente endocrinologistas e nutricionistas podem indicar o correto para cada pessoa e como otimizar os resultados ao invés de prejudicar a aparência do corpo e a saúde.

7


ESPORTE

OUTROLHAR JUNHO DE 2014

“TREINO DURO, LUTA FÁCIL” Em entrevista exclusiva, o lutador Wagnão conta a Caroline Mauri sua história no MMA neste tipo campeonato. Então, somando tudo, já vai fazer doze anos que eu venho treinando e competindo. OO: Quando foi que você decidiu fazer isso profissionalmente? W: Mesmo quando eu só treinava jiu-jitsu, sempre gostei de competir, até já fui campeão brasileiro e vice-campeão internacional. Apesar de sempre ter levado a luta a sério, foi só depois que começou essa onda de MMA que eu percebi que poderia viver disso um dia. Após um desacordo entre eu e o mestre da academia que eu frequentava aqui em Viçosa, decidi abrir a minha com equipe própria. E foi exatamente neste momento em que a ideia se concretizou. Eu podia me sustentar com a academia e com a receita dos eventos de MMA. Foi quando eu recebi muitos elogios e decidi me profissionalizar. OO: Como está sendo participar de um programa como o TUF, que possui tanta visibilidade? W: A minha vida mudou drasticamente no ano passado, quando me mudei para o Rio de Janeiro e comecei a me dedicar mesmo para os treinos. Eu deixei a minha família e a minha academia aqui, abri mão de tudo para me arriscar. Lá na

seletiva, com mais de duas mil pessoas, eu estava muito tranqüilo porque eu achava que nem ia passar. Este foi o meu diferencial, tanto nas etapas técnicas quanto nas entrevistas. E depois desse TUF minha vida é outra. OO: A adaptação em outra cidade foi difícil? W: O Rio de Janeiro é onde a pessoa define se quer isso para a sua vida ou não, porque os treinos são muito intensos, apenas com lutadores. Às vezes, dá até vontade de chorar, de desistir! Mas faz parte, não adianta um treino leve, já que na luta o adversário vai bater forte. A gente sempre fala: treino duro, luta fácil. E eu estou gostando, mesmo apanhando muito (risos). OO: Como você avalia sua vitória no “Watch Out Combat Show” (WOCS) para se tornar um dos 32 finalistas? W: Um dos requisitos para a seletiva era o cartel, ou seja, ter no mínimo três lutas e duas vitórias. Essa luta no WOCS foi a minha terceira vitória, nenhuma derrota no cartel. Isso foi muito importante até porque o evento foi considerado o melhor de MMA do país no ano passado. Contou muito como critério no TUF, além de ter sido uma experiência inédita por ser um

evento de grande porte, com quatro mil pessoas no ginásio e transmitido ao vivo. OO: Independente da final, quais suas expectativas depois de participar de um programa dessa grandeza? W: É a questão de patrocínio. Me manter no Rio é um custo altíssimo. Eu sobrevivo da minha academia, mas muitas pessoas não têm essa renda. É por isso que o nosso esporte não evolui como nos outros países, porque lá fora se tem mais incentivo. Participar desse TUF com um bom desem-

penho aumenta as chances de aparecer patrocínio. Mas o meu objetivo maior é o de sair com o contrato do UFC. Sei que é uma oportunidade rara, que a maioria ali dentro não vai ter. Eu fiz boas lutas e estou na expectativa de receber essa ligação para assinar o contrato. Infelizmente, na semana anterior ao fechamento da edição, Wagnão perdeu a semifinal por finalização para Warlley. Porém, sua boa campanha mantém suas chances de assinar um contrato com o UFC.

Wagnão incentiva a prática do MMA entre os viçosenses

ESCOLHA JÁ O SEU GOLPE

Gabriela Dalton investiga as características e os benefícios das principais artes marciais em Viçosa As artes marciais são disciplinas físicas e mentais que têm como objetivo a autodefesa de seu praticante por meio de diversas técnicas. São também sistemas para treinamento de combate, geralmente, sem o uso de armas de fogo. Existem diversos estilos e escolas de artes marciais. Além de proporcionarem um grande desenvolvimento físico a partir da prática de exercícios, suas organizações e técnicas prezam por um combate coerente, trabalhando a evolução mental e espiritual do praticante. Atualmente, as artes marciais vêm sendo praticadas por diversos motivos: a melhora do condicionamento físico, o treinamento para defe-

8

sa pessoal, o aumento da coordenação física, a participação em um grupo social e a estruturação de uma personalidade mais tranquila, já que a prática da luta acaba possibilitando o extravasamento de tensões pessoais pelas quais o praticante esteja passando. Tulio Martins é estudante e instrutor de muay thai em Viçosa, já deu aulas de boxe e também pratica o boxe chinês. Pelos seus trabalhos realizados em academias na cidade, Tulio acredita que o muay thai é o esporte mais procurado para treinamento, seguido do jiu-jitsu . As aulas de boxe acabaram não sendo tão atrativas para o público viçosense, mas agora surge o projeto de criar turmas para

treinamento de kombato , modalidade ainda inédita na região. Muitas pessoas que não praticam artes marciais têm certa curiosidade em saber como diferenciar tais tipos de lutas. Procurado pelo OutrOlhar, Tulio explica as principais características do muay thai, jiu-jitsu e kombato . - O muay thai é conhecido por ser uma luta em pé, onde a gente usa os punhos, cotovelos, joelhos e pés para desferir diversos golpes. Por isso, ela é conhecida como a “arte das oito armas”. Já o jiu-jitsu é conhecido pela luta no chão, na qual o praticante aprende diversas técnicas de estrangulamento, de torções, de chaves, que são aplicadas contra o oponente no solo. É uma

luta em que você aprende a derrubar o adversário para poder aplicar a técnica contra ele. Existe também o ensinamento de técnicas para serem aplicadas em pé, mas, em sua maioria, o jiu-jitsu é aplicado no chão. E acrescentou: - O kombato visa um misto dos dois, existe nele um pouco de luta aplicada no chão e um pouco de luta em pé. Sua diferença é o fato de ter como objetivo a defesa pessoal, já que não é considerado uma modalidade esportiva. Suas técnicas são ensinadas visando que o praticante possa se defender de um agressor na rua, por exemplo. Você aprende até a desferir golpes nos órgãos genitais ou acertar os olhos do opo-

nente com os dedos, o que não é válido em modalidades esportivas como o muay thai e o jiu-jitsu. Mas como seu objetivo é a defesa pessoal, para se defender vale tudo. – explica o instrutor. Além de exaltar os benefícios que a prática de artes marciais traz para o corpo, como o gasto calórico e o fortalecimento cardiovascular, Tulio aponta que o treinamento faz com que as pessoas superem seus limites. A prática exige que você chegue ao máximo do que seu corpo aguenta e ainda o supere. Ele acredita que isso é de extrema importância para o desenvolvimento da autoconfiança da pessoa, que percebe que é capaz de fazer o que acreditava não ser possível.

Fotografia por Caroline Mauri

Está rolando a terceira temporada do reality show “The Ultimate Fighter Brasil” (TUF), no qual 16 lutadores estão divididos nas equipes de Chael Sonnen e Wanderlei Silva entre as categorias de peso-médio e peso-pesado para disputar a permanência no programa a cada domingo. O vencedor e, possivelmente, alguns outros selecionados ganham a chance de assinar um contrato com o “Ultimate Fighting Championship” (UFC), a maior organização de artes marciais mistas (MMA) do mundo. Nesta edição do programa da TV Globo, temos um participante nativo da cidade de Viçosa: o lutador Wagner Silva Gomes (27), conhecido como Wagnão. No início do mês de abril, Wagner esteve na cidade ministrando uma aula em sua academia. Aproveitando a folga do programa, o atleta concedeu ao OutrOlhar uma entrevista contando como foi sua trajetória até ter seu desempenho reconhecido por todos. OutrOlhar: Qual foi seu primeiro contato com a luta? Wagnão: Eu comecei no jiu-jitsu aos 16 anos, treinava duas vezes por dia e já competia. Só em 2009 que eu comecei a me interessar pela parte do MMA e do muay thai. No mesmo ano, eu fiz minha estreia


ESPORTE

OUTROLHAR JUNHO DE 2014

EXERCÍCIOS FÍSICOS TÊM NOVA OPÇÃO NA UFV Você já imaginou usufruir de todos os benefícios de uma academia sem pagar nem um real por isto? Essa é uma das propostas das “academias ao ar livre”, equipamentos de ginástica que são instalados em espaços públicos para facilitar o acesso da população à atividade física. Atualmente, grande parte das cidades brasileiras tem em sua infraestrutura pelo menos uma academia ao ar livre. Com a vantagem de estar em um ambiente agradável, perfeito para quem não é muito chegado à agitação da academia, esses aparelhos ajudam a trabalhar a força muscular e a ativar as articulações. Mas é preciso ter cuidado. Por não ser comum o acompanhamento de um profissional durante essas atividades, o risco de lesão é muito maior. Segundo a fisioterapeuta Marcelle Pinheiro, é fundamental fazer um alongamento

Fotografia por Monique Bertto

Confira as vantagens da atividade ao ar livre com Monique Bertto muscular antes de iniciar o aparelho. Realizar movimentos de forma lenta e progressiva, mantendo uma boa postura, também é um fator importante, assim como usar roupas e tênis adequados.

Você que está se perguntando como pode usufruir de tantos benefícios estando em Viçosa, provavelmente, ainda não conhece o projeto da UFV, “Academia no Campus”. Segundo o chefe da Divi-

são de Esporte e Lazer da instituição, Próspero Paoli, o objetivo do projeto é o de oferecer a toda a comunidade o acesso a equipamentos para a prática de atividade física e, consequentemente,

Equipamentos para academia ao ar livre já estão na UFV, agora só falta montar

promover socialização, inclusão, integração, lazer e bem-estar aos seus beneficiados. - Esperamos contribuir para a melhoria da qualidade de vida da população, promovendo a igualdade de oportunidades e incentivando a prática de atividade física. – afirma o professor. O projeto prevê a construção de uma estação de atividade física ao ar livre no campus da UFV. O lugar ainda não foi decidido, pois depende de autorização da Comissão de Espaço Físico da Universidade. Diariamente, as atividades serão desenvolvidas com a orientação de um profissional e de estudantes de graduação da instituição. Serão formados ainda grupos de alongamento, caminhada, corrida e musculação para oferecer opções de atividades físicas que se complementem.

UM ESPORTE PARA TODAS AS IDADES Letícia Natalina traz os pontos positivos que só a natação oferece de seis meses de idade. A professora Karina Fonseca, de uma escola de natação de Viçosa, afirma que o esporte é indicado para todas as idades, mas que apresenta resultados mais rápidos de acordo com o momento em que for iniciado. - A natação não apresenta restrição de idade, qualquer pessoa pode fazer. Muitos aspectos podem ser trabalhados na água, como, por exemplo, a questão do sobrepeso, problemas de asma e bronquite, e o desenvolvimento do corpo – diz ela. E acrescenta: “Eu tenho uma aluna, criança, que tinha problema na perna, ela apresentava atrofia e tem o pé torto, mas a natação a ajudou a minimizar este problema. Hoje, ela não tem mais atrofia. O fisioterapeuta recomendou, inclusive, que ela nunca deixe a natação.” Karina ainda reforça que a atividade física, de forma geral, proporciona mais qualidade de vida, autoconfiança e também autocontrole. É um espor-

te que auxilia nos estudos porque, ao unir corpo e mente, a pessoa tende a apresentar um melhor rendimento. Além disso, segundo ela, a natação é indicada para modelar o corpo e queimar gorduras, pois exige esforço muscular sem causar problemas para as articulações. Para as crianças, é uma

importante forma de desenvolvimento tanto físico quanto mental. Para os jovens, é uma atividade que resulta em um corpo “sarado”, já que esta é uma preocupação atual. Os adultos se beneficiam com uma forma de praticar exercícios e de retardar o envelhecimento; e, nesse sentido de evitar dores

ou amenizar problemas já existentes, os idosos também estão incluídos. Ou seja, os benefícios da natação são direcionados para todas as idades e a recomendação dos especialistas é a de que a procura seja feita o quanto antes para um melhor aproveitamento das condições que o corpo oferece.

Especialistas recomendam a prática do esporte desde os primeiros anos de vida

9

Fotografia por Letícia Natalina

Atualmente, as academias têm sido procuradas unicamente como um espaço onde se pode conseguir um corpo esculpido. Na maior parte das vezes, as pessoas preferem deixar de lado a preocupação com a saúde, o acompanhamento de um profissional e uma alimentação equilibrada. Em meio a esse cenário, a natação pode ser uma alternativa saudável para se trabalhar o corpo e não deixá-lo parado. Por trabalhar os músculos e os sistemas cardíaco, respiratório e nervoso, ela é considerada um dos esportes mais completos que existem. O exercício da natação ainda proporciona maior flexibilidade, resistência e concentração, tendo o risco de lesão reduzido, pois não existe atrito intenso e a água proporciona um ambiente agradável e altamente seguro. Para os professores da modalidade, quanto mais cedo se iniciar a prática da natação, melhor. As escolas disponibilizam turmas para crianças a partir


MEIO AMBIENTE

OUTROLHAR JUNHO DE 2014

PALADAR E OLFATO DEFINEM

QUALIDADE DA ÁGUA

Pedro Vital acompanha análise sensorial na Estação de Tratamento de Água da UFV após a reunião, os membros do Painel chegarem à conclusão de que a nota é inferior a 6, a água está aprovada para consumo. - Os integrantes do Painel devem ser treinados para aguçar os sentidos e perceber ligeiras alterações. A análise sensorial é uma técnica já consolidada, similar ao que se faz na indústria de alimentos, como

os provadores de café. – explica o professor da UFV e chefe da DAG, Rafael Bastos. Atualmente, o Painel é composto por 12 pessoas, entre eles estão servidores e professores da Universidade. A coordenadora do Painel, Adriana Magalhães, lembra que os integrantes passam por constante treinamento.

- O treino não para nunca. Os painelistas devem continuar sempre aguçando a percepção. Por exemplo, eles distinguem bem quando a água tem cheiro de mofo, de terra, de peixe ou de algum produto químico. Esta ação da DAG, de acordo com Adriana, beneficia quase 20 mil pessoas que passam todos os dias

Painelista avalia quinzenalmente a qualidade da água a partir dos sentidos

Fotografia por Pedro Vital

Incolor, inodora e insípida. É desta maneira que esperamos encontrar a água ao abrir a torneira. Mas não é exatamente assim que ocorre. Essas são propriedades da água pura (H2O), que praticamente não existem. Em seu ciclo na natureza, a água incorpora várias substâncias que podem alterar a sua aparência e provocar algum gosto e odor. Como o seu tratamento para consumo humano nem sempre remove 100% dessas substâncias, nem sempre a água terá aquelas três propriedades na torneira das casas. Para que esse líquido vital não seja rejeitado pelo consumidor, o Ministério da Saúde exige, desde 2011, que as estações de tratamento de água realizem a análise sensorial da água. O problema é que poucas estações no país se adequaram à exigência federal. Parte de um grupo restrito no país, a Divisão de Água e Esgoto (DAG) da UFV já realiza este tipo de verificação. Como funciona A análise sensorial é uma técnica de avaliação. Utilizando, principalmente, o olfato e o paladar, pessoas treinadas avaliam a qualidade da água de maneira objetiva. Quinzenalmente, elas se reúnem num “Painel Sensorial” onde dão nota de 0 a 12 ao líquido depois de prová-lo e cheirá-lo. Se,

pelo campus universitário. - O grande benefício é a melhora do serviço prestado em termos de segurança da água fornecida para consumo no campus – acrescenta o chefe da DAG. De onde vem a água A água que é consumida na Universidade vem do Ribeirão São Bartolomeu. Em seu trajeto, o curso d’água corta o campus universitário e sofre cinco barramentos consecutivos que deram origem às cinco lagoas da UFV. É na segunda – mais conhecida como Lagoa da Funarbe – que a Estação de Tratamento de Água da UFV capta 50 litros de água por segundo para abastecer o campus. De acordo com o professor Rafael Bastos, a comunidade universitária reclama, às vezes, do gosto ou do cheiro da água fornecida. - Mesmo não sendo ainda um manancial intensamente eutrofizado (com excesso de nutrientes), nós temos, eventualmente, problemas de proliferação de microalgas que geram inconvenientes de gosto e cheiro, às vezes de terra e, quando está mais intenso, de mofo. É como se estivesse bebendo água de uma moringa – o professor Rafael, contudo, lembra que – isso não traz problemas à saúde, mas é algo que gera rejeição ao consumo. A pessoa acha que a água está contaminada. – encerra.

CAMINHOS DA DIVERSIFICAÇÃO ENERGÉTICA Ana Ventura mostra vantagens e desvantagens do uso de fontes alternativas

A demanda por energia cresce cada vez mais. No Brasil, surge o desafio de diversificar a produção de forma sustentável. Segundo o relatório oficial do Ministério de Minas e Energia, cerca de 75% da energia produzida no Brasil ainda provém das hidrelétricas e menos de 7% tem como origem fontes alternativas. Essas fontes, no entanto, poderiam ser melhor aproveitadas. - O Brasil tem um potencial muito grande para a exploração de outras fontes energéticas. A energia

10

solar fotovoltaica (gerada pelos efeitos da radiação solar sobre materiais semicondutores), a eólica (gerada a partir do vento), a da biomassa (pelo bagaço da cana de açúcar) e a do lixo orgânico (pelo uso de biodigestores) seriam as alternativas mais viáveis no contexto brasileiro. – explica o professor José Tarcísio de Resende, do Departamento de Engenharia Elétrica da UFV. De acordo com estudo do Centro de Gestão e Estudos Estratégicos encomendado pelo Governo

Federal, um dos obstáculos para a expansão do uso da energia solar no Brasil é o alto custo na fase de instalação de equipamentos. Já as vantagens são o baixo impacto ambiental e a compatibilidade com as condições climáticas brasileiras. No entanto, só há geração de energia quando há luz solar. Resultado: durante a noite, o sistema é ineficiente. Assim como a energia solar, a eólica também apresenta a intermitência como desvantagem, já que os ventos são irregulares e

nem sempre sopram quando a energia é necessária. Segundo o Portal Brasileiro de Energias Renováveis, houve redução nos custos dos equipamentos nos últimos vinte anos, tornando a energia eólica economicamente mais viável. Entre as vantagens, estão a não emissão de gases, a não geração de resíduos, e o fato de que é inesgotável. A geração de energia da biomassa também se caracteriza pelo baixo risco ambiental, além do fato de que as cinzas (resíduos do processo), mesmo que

exigentes de um maior cuidado durante a produção, são menos agressivas ao meio ambiente do que aquelas produzidas por combustíveis fósseis, que são derivados do petróleo. Das quatro fontes citadas, a menos aproveitada no Brasil é o lixo orgânico. Para se ter uma ideia, só com os dejetos produzidos por uma cidade do porte de São Paulo já seria possível gerar energia suficiente para abastecer cerca de 400 mil casas, segundo a revista Mundo Estranho.


MEIO AMBIENTE

OUTROLHAR JUNHO DE 2014

AGRICULTURA FAMILIAR INCENTIVA

PEQUENO PRODUTOR A SEGUIR NO CAMPO

Fotografia por Ana Abreu

Ana Abreu vai ao bairro Palmital e conhece o trabalho da família Malta Rodrigues Segundo a definição do Dicionário Aurélio, “agricultura” é o cultivo do solo e os cuidados que a terra exige para produzir. Ainda de acordo com a obra, “família” é um grupo de seres que apresentam características comuns. Quando esses dois termos se juntam, isto é, quando um conjunto de pessoas relacionadas se unem para cultivar o solo e plantar,

temos a “agricultura familiar”. Mateus Crispim Malta Rodrigues (19), aluno da Escola Estadual Dr. Raimundo Alves Torres (ESEDRAT), conhece bem este tipo de atividade. Ele é um dos 69 estudantes da Escola que moram na zona rural. Desde os 13 anos, ajuda os pais na lavoura de café e na plantação de alimentos diversos, o que

sustenta a família há pelo menos sete anos. Mateus é um dos sete filhos de Sônia Maria Malta Rodrigues e de Mauro Lúcio Rodrigues. Ambos nasceram na zona rural e, até hoje, permanecem onde, segundo Sônia, se sentem bem e recuperam suas energias. Donos de, aproximadamente, dois alqueires de terra localizados no bairro Palmital,

Mateus e sua família já colhem os frutos do investimento na pequena propriedade rural

Sônia e Mauro possuem 26 mil cafeeiros. O casal abre constantemente sua propriedade para visitas de Cursos da UFV. Lá, os alunos veem como é feito o processo de agricultura desde a plantação até a colheita. Sônia fez alguns cursos no Centro de Tecnologias Alternativas da Zona da Mata (CTA) para aprimorar seus conhecimentos no cultivo da terra. A produção da família aumentou nos últimos anos e, hoje, eles abastecem oito escolas de Viçosa por meio do Programa Nacional de Alimentação Escolar, o PNAE. Entre os produtos distribuídos semanalmente estão couve, alface, cebola, temperos, farinha e café. Além disso, eles vendem alimentos na cidade por intermédio da Rede de Prosumidores Agroecológicos Raízes da Mata (Rede)*. O negócio da família está sendo bastante lucrativo. Sônia decidiu, então, investir em uma loja de aluguel de roupas de casamento há poucos meses. E foi a partir desta segunda atividade que a mãe de Mateus acabou descobrindo que sua verdadei-

ra paixão é o campo. O adolescente também já dá evidências de que herdou essa paixão da mãe. Segundo Mateus, que trabalha na propriedade todos os dias, o desejo de fazer um Curso Superior existe, mas largar o campo não será uma tarefa fácil. A família de Mateus, Sônia e Mauro vive de forma sustentável, produzindo alimentos ecologicamente corretos. O quê eles plantam e colhem faz parte de 67% da produção nacional do feijão e 25% da produção do café. São chamados de “pequenos produtores”. O que certamente não é pequeno é o esmero com que cuidam da terra que tanto os retribui. *Nota da Redação A Rede é um projeto desenvolvido na Casa 18, localizada na Vila Gianetti, no campus da UFV. Lá, os produtores familiares entregam produtos agroecológicos que foram encomendados anteriormente. Os consumidores buscam esses produtos às sextas-feiras e realizam o pagamento. Esse dinheiro é repassado aos produtores posteriormente. Qualquer pessoa pode participar da Rede, basta se cadastrar.

CONSTRUÇÕES AFETAM O TEMPO EM VIÇOSA Marco Neves mostra como as alterações no meio ambiente se relacionam com as edificações - A construção civil é conhecida pelo grande poder de destruição do meio ambiente, provocada pelo alto volume de resíduos e entulhos dos canteiros de obras, e também pela enorme utilização de energia e outros recursos, como a água. Depois de finalizados esses espaços, é uma das atividades que acentuam as alterações. Com o passar dos anos, o rápido desenvolvimento urbano de Viçosa tem propiciado danos ao meio ambiente. O resultado pode ser percebido no nosso cotidiano. Como, por exemplo, a formação de ilhas de calor no centro da cidade. - Com muitos prédios, asfalto e pouca área verde, o centro é uma região na qual a radiação solar é absorvida pelo concreto

e convertida em ondas de calor que ficarão armazenadas nesses locais, não sendo dissipadas pelos ventos, levando a uma diminuição da evaporação e ao aumento da rugosidade e da capacidade térmica da área. O resultado disso tudo é uma interferência que ajuda na inconstância climática, já que um dos efeitos é a própria alteração no clima local – explica Gustavo. Ainda de acordo com o professor, há como reverter esse quadro que se agrava na cidade. O conceito de sustentabilidade apresenta novas formas para minimizar os impactos ambientais provocados pela construção civil: - Claro que não é uma nova forma com o ideal de não tocar no meio am-

biente, mas sim de minimizar seus impactos. Porque onde há desenvolvimento, automaticamente, há uma utilização irreversível dos recursos naturais.

Nesse sentido, cabe ao poder público fiscalizar e ao setor privado buscar novos meios para as construções não afetarem tanto a cidade.

Prédios da cidade dividem espaço com vias fluviais

11

Fotografia por Marco Neves

Conhecida por ser uma cidade fria na maior parte do ano, Viçosa é também uma confusão climática. Afinal, não são raras as vezes em que os seus habitantes são pegos de surpresa por uma chuva em um dia de céu azul, ou saem pela manhã sentindo frio para reclamarem do forte calor logo depois do almoço. Estes são fatos que fazem dessa cidade da Zona da Mata mineira uma incógnita na hora de sair de casa. Mesmo o tempo oscilante sendo natural da região, segundo o professor de Geografia Gustavo Andrade, alguns fatores externos são também responsáveis pelas constantes variações de temperatura, como a construção civil desenfreada pela cidade:


CIÊNCIA E TECNOLOGIA

OUTROLHAR JUNHO DE 2014

MARCO CIVIL DA INTERNET A LEI QUE REGULAMENTA O USO NO PAÍS

Entenda as possíveis consequências da aprovação deste projeto com Caroline Bacelar ritório nacional. Ou seja, o Marco Civil irá agir como uma constituição referente à utilização do meio. O documento que passou pela aprovação em votação simbólica possui três pontos fundamentais em seu texto. Eles dizem respeito à preservação da privacidade do usuário, a liberdade de expressão e a neutralidade da rede. Ele também reconhece a importância da Internet para o exercício da cidadania. Para muitas pessoas, a aprovação do projeto significa um avanço no país, por possibilitar a regulamentação de um meio que atinge mais de 105 milhões de brasileiros, de acordo com pesquisa realizada no ano passado pelo Ibope Media. Para se ter uma ideia da importância dos dados, esse número torna o Brasil o 5º país mais conectado no mundo.

Ao mesmo tempo que muitos são a favor, outras pessoas se demonstram contra a aprovação do Marco Civil. O principal argumento utilizado é que isso pode permitir aos órgãos governamentais analisar o conteúdo que será divulgado. A estudante Amanda Gama (16) acredita que o projeto de lei pode comprometer a li-

‘‘

berdade de expressão na internet: - Acho que governo está usando a desculpa de uma lei que vai proteger os direitos humanos para regular o que está sendo falado na internet. Daqui a pouco, os sites que são a favor do aborto ou discutem o casamento homossexual vão acabar sendo proibidos e penalizados por isso. – disse a jovem.

O documento possui três pontos fundamentais: a preservação da privacidade do usuário, a liberdade de expressão e a neutralidade da rede.

‘‘

Você sabe o que é o Marco Civil da Internet? Se a resposta for não, ao menos nas últimas semanas deve ter escutado falar um pouco sobre ele. Afinal de contas, do que se trata o assunto que, só de ter a palavra internet inclusa, já é capaz de despertar a curiosidade de vários jovens e adultos por todo o Brasil? O Marco Civil da Internet é um projeto de lei criado no ano de 2009, e que foi aprovado no dia 25 de março deste ano na Câmara dos Deputados. Durante esse tempo, o texto original passou por algumas alterações. O documento foi analisado pelo Senado e passou pela sanção da presidente, Dilma Rousseff. Por fim, o Marco Civil se tornou uma lei que estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da rede em ter-

A psicóloga Luciana Oliveira (33) defende o projeto de lei. Segundo ela: - O Marco Civil surgiu para retornar com o bom senso na rede social. Muitas pessoas esquecem que o mundo virtual não se distancia tanto do real, e que o que foi dito na rede pode surtir consequências concretas aqui fora. Acredito que a lei vá garantir a neutralidade na rede prevenindo a integridade de todos. Para os jovens, que estão em processo de crescimento físico e psicológico e estão começando a formar e defender suas ideias, o Marco Civil é primordial. – finaliza.

PROFISSÃO ONLINE APARECE COMO ALTERNATIVA PARA UM NOVO ESTILO DE VIDA Mariana Elian aborda o conceito dos “nômades digitais”

12

Determinadas a fugir do tédio cotidiano e buscando a realização pessoal e profissional, essas pessoas ganham a vida com o trabalho digital e online. A ruptura das barreiras físicas, gerada pela internet, permite que esses trabalhadores façam o serviço

no aconchego do lar ou em qualquer outra parte do globo. - No começo, pensei que não teria dinheiro para viajar e ganhar o mundo. Descobri que essa barreira poderia ser quebrada se eu escolhesse um país no qual a moeda valesse menos do

que o real, a Argentina, por exemplo. A partir disso, fui fazendo minhas conquistas financeiras e culturais. Viajar é muito bom, adoro conhecer novos espaços e pessoas, aguça a criatividade e amplia conhecimentos. – afirma Branko Jâss, que trabalha com edi-

Pode parecer férias, mas não para os nômades digitais que trabalham viajando o mundo

Montagem por Mariana Elian

Com a evolução tecnológica, surgiram diversas maneiras de experimentar o mundo. As novas oportunidades virtuais vão além das redes sociais e dos entretenimentos e, recentemente, trazem renovações para a vida profissional. O novo modelo de trabalho inova por sua flexibilidade ao se exercer uma atividade; basta estar conectado à internet para que possa executar suas funções, permitindo autonomia para que ajustem seus horários e interesses pessoais de acordo com seu desejo, tornando-as, assim, potencialmente mais produtivas e agradáveis. Muitos jovens encontram dificuldades em escolher uma profissão a seguir. A dúvida, geralmente, está entre o dinheiro e o prazer, o consumo e a realização, ou até mesmo em não encontrar motivação no leque das profissões convencionais. A alternativa escolhida por diversas pessoas foi o estilo de vida “nômades digitais”.

ção de conteúdos virtuais e, há mais de um ano, é um “nômade digital”. A ideia, entretanto, não pode ser confundida com simples diversão. É importante considerar que esta é uma nova forma de trabalho e, como tal, exige responsabilidades. A mobilidade deste exercício profissional propõe realocar seu tempo para fazer aquilo que o satisfaz e, ao mesmo tempo, que o sustente. Para isso é preciso dedicação e esforço, já que esta combinação pode acabar se transformando em lazer e ócio. Segundo Branko, as novas condições e relações do trabalho online são uma alternativa àqueles que não conseguem se imaginar satisfeitos em nenhum emprego tradicional, ou que não se identifiquem com eles. As possibilidades digitais são amplas e a demanda por serviços online vem aumentando a cada dia, bem como os adeptos a este novo estilo de vida.


CIÊNCIA E TECNOLOGIA

OUTROLHAR JUNHO DE 2014

NOVO JEITO DE FAZER CINEMA Gabriel Novais conta sobre novas tecnologias usadas pela indústria cinematográfica câmeras profissionais utilizadas em qualquer estúdio de fotografia e que hoje já gravam em alta definição. Mesmo sendo relativamente caras, cerca de dois mil reais, antes o gasto com uma filmadora não saía por menos de cinco mil reais. A diferença de preço é mais da metade e torna o mercado cinematográfico acessível a muitos produtores independentes. Não é difícil de perceber a grande quantidade de longas e curtas, entre outros formatos audiovisuais, feitos hoje no Brasil com baixos orçamentos. O cinema nacional se beneficiou com essa tecnologia e se consolida cada vez mais com obras de qualidade e diversificadas. - As DSLRs não vieram para salvar a produção audiovisual, mas torná-la mais acessível. Uma das principais barreiras era o alto custo dessa etapa, que está caindo consideravelmente, não só o das câmeras, mas o de todo tipo de acessório feito

Montagem por Gabriel Novais

Produzir um filme nunca foi tão fácil. Hoje, com câmeras muito menos robustas e muito mais baratas, é possível gravar imagens de altíssima qualidade. Diretores independentes e, até mesmo, da tradicional Hollywood utilizam cada vez mais câmeras que até então eram usadas apenas para produzir fotografias. “Os Vingadores”, “Homem de Ferro 2”, “Cisne Negro” e muitas outras metragens fazem uso dessa tecnologia. Graças aos avanços tecnológicos aplicados às chamadas “DSLRs”, os gastos no orçamento caem e as imagens não deixam nada a desejar. DSLR é uma câmera digital que usa um sistema mecânico de espelhos e um pentaprisma para direcionar a luz da lente para um visor óptico na parte traseira da câmera. Em vez de a imagem ser capturada por um sensor e, assim, ser reproduzida numa tela atrás da câmera, a imagem é refletida por um espelho direto para um visor. São aquelas

DSLR’s são câmeras profissionais com sistema de espelhos que facilitam o trabalho fotografico para ela. Isso nos permitiu gravar um documentário sobre um momento histórico muito importante de Viçosa. O que gastaríamos com fitas e coisas do tipo foi investido em outras etapas da produção graças ao baixo investimento

na própria produção – diz o diretor de fotografia e roteirista Rodrigo Castro. Mesmo em uma cidade pequena como Viçosa, Rodrigo, junto com uma equipe formada por jovens recém-formados, realizou um documentá-

rio de qualidade sobre o “Banana da Terra”, espaço cultural marcante na história do município. A aceitação das DSLRs pela indústria cinematográfica quebra uma barreira e encoraja uma juventude à produção audiovisual.

MITOS E VERDADES SOBRE A HOMEOPATIA Entenda como funciona a ciência homeopática com Isadora Canela Fotografia por Isadora Canela

A Homeopatia é um sistema medicinal alternativo de tratamento de desequilíbrios. Ao contrário do que muitos acreditam, o método não só é cientificamente comprovado, como é o segundo mundialmente mais usado no tratamento de doenças e é, também, aplicado no tratamento de animais e plantas. A palavra “homeopatia” vem do grego “homois pathius”, que significa “semelhante” e “doença”. O método se baseia no princípio de que semelhante cura semelhante. Dessa forma, como explica Patrícia Resende, presidente da ONG de plantas medicinais da UFV – Entre Folhas, os medicamentos homeopáticos consistem em informação energética, ou seja, os princípios ativos das substâncias que estão causando determinada doença ou sintoma passam por um processo drástico de diluição, até serem transformados em princípios energéticos. Assim,

Homeopáticos são utilizados em diversas situações ao ser ingerida, a informação energética entrará em contato com o organismo, “familiarizando-o” com a substância de modo a anular o desequilíbrio ou a do-

ença que o princípio ativo dela esteja causando. O método homeopático é testado, primeiramente, em pessoas saudáveis, ou seja, se determinado princí-

pio energético causar, por exemplo, dores de cabeça em uma pessoa que antes não apresentava este sintoma, ele poderá ser usado no tratamento daqueles que estão com dores de cabeça para que, assim, os sintomas sejam anulados. Então, o método se baseia na cura de doenças a partir do equilíbrio energético para que este equilíbrio se reflita, posteriormente, no corpo físico. O tratamento homeopático busca atingir a origem do problema, enquanto o método tradicional, ou alopático, atua nos sintomas físicos. - Existem várias diferenças entre o método alopático e a homeopatia, a principal delas é a forma de atuação. A homeopatia usa do princípio dos semelhantes, a medicina tradicional atua com o princípio dos contrários. Se você tem uma doença causada por uma bactéria, a alopatia tratará com um antibiótico, “anti”, que

significa contrário. A alopatia também atua em sintomas locais, específicos. A homeopatia não. Ela vai tratar a origem daquela dor de cabeça, vai curar o desequilíbrio que está se refletindo como forma de dor – afirma Patrícia, que é também professora do curso de homeopatia oferecido como forma de extensão pela UFV. Algumas pessoas ainda não acreditam na eficácia do tratamento homeopático. Este era o caso da estudante de história da UFV, Maria Brumano, que sofria com fortes dores no estômago. Após varias tentativas frustradas com a medicina tradicional, procurou a homeopatia. Suas dores tinham origem ansiosa e, por isso, a medicina tradicional, atuante nos sintomas, não conseguiu resolver o problema. Segundo Maria, a homeopatia “curou totalmente as dores e ainda acalmou minha ansiedade, que antes me atrapalhava em tudo”.

13


COMPORTAMENTO

OUTROLHAR JUNHO DE 2014

SER OU CONSUMIR, EIS A QUESTÃO Pedro Lavigne mostra como o vício em compras pode afetar a sua personalidade Fotografia por Pedro Lavigne

Um jargão comum do nosso século é a “Ditadura das Marcas”, termo geralmente relacionado ao uso ostensivo de marcas caras de roupas, também conhecidas como roupas de grife. Existem vários pontos de vista diferentes quando tocamos nesse assunto e, por isso, é importante ponderar mais e generalizar menos. Na sociedade brasileira, como um todo, mas principalmente entre jovens, vemos uma grande aceitação e um respeito por algumas marcas, e por outro lado, vemos uma parcela menor, mas considerável, de jovens que optam por não consumir esses produtos. A psicóloga Roberta de Araújo atenta para o fato de que o consumismo exagerado pode trazer alguns transtornos, principalmente, para pessoas que ainda não têm a sua independência financeira. - É uma característica natural dos jovens adquirir itens para estar sempre se enquadrando nos grupos que eles fazem parte. Mas, se esse desejo

Roberta Araújo esclarece os possíveis efeitos do hábito no comportamento dos jovens de consumo passa do limite em que o jovem começa a comprar mais do que pode ou quando isso passa a reprensentar algo muito grande na vida desse jovem, isso pode sim atrapalhar no desenvolvimento dele. – explica. O argumento mais comum que escutamos é algo do tipo “compro roupas de marca porque duram

mais, têm melhor qualidade”. São dois extremos do problema, não precisa ser uma camisa de baixa qualidade, mas também não precisa ser uma camiseta de R$120. A estratégia principal das grifes é, através da propaganda, conferir à mercadoria o status de artigo de luxo. A ideia que a publicidade passa, direta e indiretamente, é

a de que as pessoas que usam determinado produto também compartilham dos seus valores, ou seja, são pessoas que sabem apreciar o luxo, pessoas descoladas. - Esse consumismo pelas marcas pode atrapalhar na formação desses jovens quando isso passa caracterizar essa pessoa mais pelo que ela veste do

que pelo que ela é. E isso é um problema porque os jovens hoje são os maiores alvos das grifes. E, apesar de eles não terem independência financeira, geralmente, são a maior influência dentro de casa para o consumo desses bens. – completa a psicóloga, que acredita que os pais têm o papel importante de controlar esse desejo consumista dos filhos. Temos que levar em consideração que a maior parte do preço de uma roupa de grife é conferida a ela simbolicamente. Isto é, não reflete somente no quanto foi gasto para a sua produção, mas sim em todos os valores que são “comprados” junto com ela, ou seja, a sensação de pertencimento e o status de “luxo”. Ao longo de toda a nossa vida, a sociedade tentará nos impor maneiras de viver e se comportar. É necessário um esforço para se adequar, mas devemos ponderar isso e não termos as marcas como um complemento da nossa personalidade.

ALIMENTAÇÃO PODE PREVINIR DOENÇAS Dayane Pereira investiga práticas que auxiliam a ter uma vida saudável Fotografia por Lucas Kato

Frutas tropicais, como laranjas e bananas, são ricas em vitaminas C e potássio e trazem diversos benefícios à saúde Como anda a sua alimentação? Você se alimenta corretamente? E como seria essa maneira de se alimentar? Muitas pessoas não se preocupam com o assunto. Geralmente, elas acabam consumindo as chamadas “calorias vazias”, que são ricas em gordura, sal, açúcar,

14

e não fornecem quantidade significativa de vitaminas, minerais, fibras, nutrientes, que são importantes para a saúde. A nutricionista Hatanne Moraes atende na Divisão de Saúde da UFV e explica que “precisamos consumir nutrientes importantes para

a fase de crescimento, principalmente, o ferro, o cálcio, o zinco e a vitamina A. Uma alimentação saudável pode prevenir doenças relacionadas tanto à deficiência quanto ao excesso de alguns compostos, como as alterações de colesterol, o aumento da pressão alta, o excesso

de peso, o aumento da glicemia. Nutrindo-se bem, se pode até prevenir o desenvolvimento do diabetes”. Ainda segundo Hatanne Moraes, a maioria desses problemas eram encontrados em pessoas a partir de 40 ou 60 anos. Hoje, os nutricionistas os encontram

com bastante freqüência em adolescentes, sendo que eles poderiam ter se prevenido. No geral, devemos consumir todos os grupos alimentares em uma proporção adequada durante o dia. Há alguns grupos que fornecem nutrientes que o nosso corpo precisa em maior quantidade, e outros grupos que precisam ser consumidos em menor quantidade para se evitar a deficiência e também o excesso deles. Café da manhã, almoço e jantar (ou o lanche que substitua o jantar) devem ser refeições mais completas, contendo vários grupos alimentares. Os lanches intermediários, lanche da manhã, lanche da tarde e a ceia são pequenos e nutritivos, devendo ter menos calorias e, por isso, se costuma incluí-los em apenas um grupo. - Quanto mais você conseguir variá-los, mais você consegue todos os nutrientes que o organismo necessita – recomenda Hatanne.


CIDADE

OUTROLHAR JUNHO DE 2014

VIÇOSA ENFRENTA SUA MAIOR SECA NOS ÚLTIMOS 30 ANOS Bruna Guimarães mostra a importância do consumo consciente da água galhães, engenheiro e assistente técnico do SAAE, quando chove as pessoas acreditam que já é o suficiente e voltam aos velhos costumes de desperdício. Mas as recentes chuvas não estão com volume para encharcar o solo e reter a água, por isso, as políticas de conscientização e fiscalização permanecem. O Brasil detém cerca de 13% de toda água potável do mundo e essa visão de abundância favorece o desenvolvimento de uma consciência de que a água aqui é inesgotável. Marcos explica que este fator deve ser relativizado, pois grande parte dessas águas encontra-se em lugares com baixo nível populacional, como, por exemplo, a Amazônia, ou estão em locais subterrâneos de difícil acesso. O enge-

Fotografia por Bruna Guimarães

A situação é alarmante. Nos últimos meses, Viçosa enfrenta o problema da falta de água, assim como outras localidades brasileiras. A ausência de chuvas e as altas temperaturas chegam a diminuir em até 40% os níveis dos reservatórios da cidade. O quadro que vem se formando desde dezembro do ano passado teve seu ápice no mês de janeiro deste ano, quando o nível de chuvas foi praticamente zero. É a pior seca dos últimos 30 anos. Engana-se quem acha que as chuvas das últimas semanas são suficientes para contornar a situação. O Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Viçosa (SAAE) estende o alerta sobre o risco de racionamento também para o mês de abril. Segundo Marcos Ma-

Estação de Tratamento de Água I, localizado na UFV, é o principal reservatório da cidade nheiro ainda alerta que a água é um bem fixo, sua quantidade não se altera no planeta, ou seja, não é possível se “fabricar” mais água, logo, seu uso cons-

ciente é tão importante. - Cabe a cada um ser fiscal de sua própria consciência. – explica ele. A água é item essencial para a manutenção da

vida e é importante tratá-la como tal. É preciso se livrar da cultura do desperdício e incorporar ao dia-a-dia o uso consciente e responsável desse bem.

VIOLÊNCIA, A DOENÇA QUE NÃO SE CURA Thaiss Moreira apura que o tráfico de drogas é a principal causa de crimes no município Divulgação PM

O jornal OutrOlhar já trouxe, em outras edições, as condições de segurança em Viçosa. Tráfico de drogas, roubos, furtos e homicídios são crimes constantes na cidade. Os moradores vivem com medo e com receio de poder ser a próxima vítima de algum crime. Este é o caso do estudante Lino Serpa (24), que, em uma semana, foi assaltado duas vezes na rua onde mora. Para ele, a violência em Viçosa está atingindo níveis muito elevados. Morador da cidade há quatro anos, vem percebendo que a criminalidade aumenta muito nos últimos tempos. Dados da Polícia Militar mostram que o tráfico de drogas é o principal causador da violência na cidade. Os crimes mais recorrentes são receptações, roubos, furtos e homicídios. No ano passado, em um período de 5 meses, foram registradas 41 ocorrências e 57 pessoas foram presas graças aos boletins de ocorrências (BO) registrados pelas vítimas. Segundo a Sargento Ivone Barbosa, do 97° Ba-

VIÇOSA ESTÁ ENTRE AS

300 CIDADES MAIS VIOLENTAS DO BRASIL Ela está em 286°. No ranking das cidades mais violentas de Minas Gerais, ela ficou com a 14° posição. Os dados são do site Exame.com: 1º São Joaquim de Bicas - habitantes 26.104 2º Aimorés - habitantes 24.948

Objetos apreendidos pela Polícia Militar de Viçosa

3º Esmeraldas - habitantes 61.283

talhão da Polícia Militar de Viçosa, um crime tem mais incidência que outros dependendo da época. Em um momento, são registrados muitos assaltos, em outro, são registrados mais homicídios, e a maioria deles tem algum tipo de relação com o tráfico de drogas. Nas estatísticas, os bairros com maior registro de ocorrências são o Santo Antônio, Nova Viçosa, Nova Era, Santa Clara, Centro e Bom Jesus. Atualmente, a rua que tem dado mais trabalho para a Polícia Militar é a Avenida Olivia Castro Almeida, a rua do mercado Casa Men-

4º Betim - 383.571

des, no Clélia Bernardes. Finais de semana, de quinta-feira a domingo, e durante a madrugada, são os principais dias e horários de incidência de assaltos na cidade. Os bandidos escolhem pessoas que estão andando sozinhas em locais mais desertos. Para que a Policia Militar tenha ciência dos crimes, as vítimas precisam fazer o Boletim de Ocorrência. O BO, além de ajudar a vítima a recuperar seus bens perdidos, também serve para a polícia colocar os crimes ocorridos na cidade em estatísticas e facilitar a apreensão dos criminosos.

5º Governador Valadares - 264.960 6º Vespasiano - 106.685 7º Juatuba - 22.649 8º Ribeirão das Neves - 299.729 9º Nanuque - 40.774 10º Matozinhos - 34.295 11º Sarzedo - 26.470 12º Passos - 106.987 13º Belo Horizonte - 2.385.640 14º Viçosa – 72.786 15º Ibirité – 160.943 16º Contagem - 608.715

15


CIDADE

OUTROLHAR JUNHO DE 2014

VIÇOSA CORRE RISCO DE

PERDER SEUS TRILHOS Juliana Souza mostra a discussão a respeito da mobilidade urbana viçosense Fotografia por Juliana Souza

Quem passa pelas ruas de Viçosa e observa a antiga linha férrea, hoje parte integrante e indissociável do asfalto e dos paralelepípedos, não imagina a quantidade de organizações não governamentais (ONG’s), entidades e cidadãos que se sentem ofendidos pela sua inutilização e pelo seu esquecimento. Com a Resolução 4.131 de 2013, deferida pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), foi autorizada a extinção de, aproximadamente, 1.760 km de linhas ferroviárias que, até o momento, estavam sob a administração da Ferrovia Centro-Atlântica, concessionária responsável pela sua manutenção. Em resposta, representantes de ONG’s, prefeitos da região e a própria Universidade manifestam repúdio à resolução e solicitam a reativação das linhas existentes na cidade e nas redondezas. Sebastião Tavares de Rezende, Pró-Reitor de Planejamento e Orçamento da UFV, diz que a Universidade se interessa no assunto, já que o problema dos transportes também atinge o campus e que há estudiosos e professores locais qualificados em transporte e mobilidade urbana, que podem contribuir para uma solução: - Do ponto de vista de mobilidade urbana, que interessa à Viçosa enquanto município e à Universidade, todos podem fazer par-

Linha, bicicletas, motos, carros e pedestres disputam espaço na Rua dos Estudantes te de uma única solução, em uma integração. Qual a solução? Isso ainda será amplamente discutido. – comenta Sebastião Tavares. José Luiz Rangel Paes, professor do Departamento de Engenharia Civil e assessor especial de Gestão da Qualidade e Inovação em Infraestrutura da Comissão de Espaço Físico da UFV, salienta que é importante ter uma discussão qualificada, com a presença de técnicos e o envolvimento da comunidade: - O transporte no Brasil está muito ligado a um só

modo, enquanto no mundo as soluções multimodais estão sendo adotadas amplamente. Se nós queremos melhorar a qualidade de vida das pessoas, é importante considerar soluções modernas. O trem é uma oportunidade para rediscutir alternativas que podem contribuir com a mobilidade urbana. Segundo o vereador viçosense Geraldo Luís Andrade (Geraldão), o poder legislativo municipal e o executivo estão atentos e acompanhando cada passo deste processo de discussão e apoiam a

inciativa de reativação. O único ponto desfavorável seria a possibilidade de um trem de carga na região: - Quanto a isso, entendendo que já temos uma mobilidade urbana complicada. Mesmo sendo o transporte ferroviário um indicativo de desenvolvimento, a gente entende que é complicado. Um trem turístico, ou em um VLT (Veículo Leve Sobre Trilhos), nós vemos com bons olhos. Aguinaldo Pacheco, presidente do Núcleo de Preservação Ferroviária de

Viçosa, propõe a instalação de um VLT que, em princípio, seria turístico, podendo chegar a meio de transporte coletivo intermunicipal: - O VLT convive com a cidade. É um veículo menos poluente, mais controlado, com maior capacidade. Por que um trem turístico? Primeiro porque ele é mais fácil de implantar. Não precisa funcionar todo dia, pode funcionar fins de semana ou eventualmente. Seria uma forma de recuperar nossa linha férrea. Pacheco enumera ainda algumas características e vantagens do VLT: - Além de pequeno (aproximadamente 30 metros), não é um trem de alta velocidade, podendo chegar a 80 km por hora em regiões sem habitação e a 10 km dentro da cidade; obedece a sinais de trânsito; não há a necessidade de plataformas elevadas para a descida de passageiros; existem sensores; possui freio ABS e também um motoneiro. Mais reuniões e assembleias serão realizadas em integração com a população, prefeituras e Universidade. Acredita-se que a solução para o caos na mobilidade urbana da região está na linha férrea. Para entender melhor algumas propostas, o leitor pode acessar o site http://vicosacidadeaberta.blogspot .com.br.

POLÍTICA ATRAI POUCOS JOVENS EM VIÇOSA Cássia Lellis revela o grau de interesse dos adolescentes pela cidadania

Em anos eleitorais, é muito comum ressurgirem discussões a respeito da importância do voto, já que ele é nossa melhor forma de expressão política. Por meio dele, escolhemos os representantes que devem buscar assegurar nossos direitos e trazer melhorias para a sociedade. No Brasil, o voto é obrigatório para maiores de 18 anos, e jovens de 16 e 17 anos têm a opção de querer ou não votar. Dessa forma, aqueles que escolhem fazê-lo estão praticando o exercí-

16

cio da cidadania, buscando participar da vida política do local onde moram. O voto significa a nossa voz, a nossa vontade. Buscando-se fazer apenas uma demonstração do público de 16 e 17 anos que já possui título de eleitor, em um grupo de dez adolescentes dessa faixa etária escolhidos de forma aleatória, apenas três deles vão votar neste ano de 2014 e, mesmo assim, dois deles alegam que tiraram o título de eleitor por necessidade, já que é um documento obrigatório para se matricular na Universidade. Apenas

Daniel Cabral tirou o título por vontade própria, pois ele afirma adorar política e acreditar que, além de ser uma forma de protesto e reivindicação, o voto é um instrumento para construir um país melhor. Já entre aqueles que não possuem título, todos dizem não sentir necessidade de votar e acham que seus votos não fazem diferença, que irão votar aos 18 anos apenas por ser pleito obrigatório. Para quem se interessa pela política da cidade e deseja ter uma participação mais ativa nas decisões da Câmara de Viço-

sa, o Parlamento Jovem é uma das oportunidades. Ele existe desde 2010 e é fruto de uma parceria entre a UFV e a Câmara Municipal, sendo desenvolvido pelo Departamento de Ciências Sociais. Os objetivos do projeto são mostrar a importância da participação política e a formação cidadã de jovens estudantes do Ensino Médio – a partir da inserção deles em atividades realizadas na Câmara Municipal e da discussão de temas expressivos em plenárias e audiências públicas. Neste ano, as escolas participantes

serão o Colégio de Aplicação da Universidade Federal de Viçosa (Coluni), a E.E. Effie Rolfs, E.E. Dr Raimundo Alves Torres (ESEDRAT), E.E. José Lourenço de Freitas e E.E. Raul de Leoni. O período para a aquisição do título de eleitor vai até o início de maio, e quem se interessar deve procurar o Cartório Eleitoral, localizado no Fórum de Viçosa, na Rua Gomes Barbosa, 865, e apresentar um documento oficial com foto e comprovante de residência.


OutrOlhar 37 - Junho 2014