Page 236

216  |  Iatrogenias, Manifestações Oculares de Doenças Sistêmicas e ... É importante ressaltar que os traumas decorrentes de mordedura são classificados como de alto risco (com relação ao tétano) e como graves (para a profilaxia da raiva, por estarem localizados na face) e, portanto, devem seguir as recomendações apropriadas com relação à profilaxia para tétano e raiva. As lacerações decorrentes de outros tipos de trauma (que não mordedura), com relação à profilaxia de tétano, serão consideradas como de alto risco quando apresentarem lesões profundas, com bordas sujas, presença de tecido necrótico, corpo estranho, queimaduras e/ ou múltiplos traumas.

Laceração conjuntival As lacerações de conjuntiva têm indicação de sutura apenas nos casos de exposição de musculatura ocular extrínseca e/ou lacerações maiores que 10 mm. Nesses casos, sempre deve ser realizada exploração cirúrgica para identificação e reparo de lesões esclerais associadas e/ou identificação de corpo estranho subconjuntival.

Corpo estranho superficial Se afastada a hipótese de trauma aberto, devemos então avaliar a conjuntiva tarsal, com eversão da pálpebra superior, na tentativa de identificar presença de corpo estranho. Os casos de corpo estranho comprometendo a esclera e/ou córnea devem ser cuidadosamente avaliados pelo oftalmologista, com auxílio da lâmpada de fenda para determinação de sua localização exata (profundidade). Nos casos de dúvida ou com aspecto sugestivo de localização profunda, o corpo estranho deve ser retirado apenas no centro cirúrgico, com preparo para reparo (sutura ou até mesmo patch) escleral. Em todos os casos de corpo estranho superficial, deve ser orientado retorno após 24 horas para reavaliação e exclusão de processo infeccioso.

Trauma em córnea As lacerações de córnea sem comprometimento de espessura total podem ser tratadas clinicamente com curativo oclusivo ou lente de contato terapêutica. As lacerações corneanas comprometendo espessura total e menores que 2 mm podem ser tratadas com uso de adesivo tecidual. As microperfurações podem ser tratadas com uso de lente de contato terapêutica. Na criança, as perfurações corneanas (teste de Seidel positivo) têm sempre indicação de tratamento cirúrgico independente de sua extensão, sob anestesia geral. A sutura deve ser realizada com fio de náilon 10-0, pontos profundos (90% do estroma) e simétricos. Como nos adultos, sempre que possível, deve-se evitar a colocação de sutura no eixo visual, e, se isto não for possível, devem-se fazer pontos menores nessa região. A não observação desses cuidados pode resultar em irregularidades da córnea, com defeito na lubrificação, dificuldade para cicatrização e astigmatismo.

Iatrogenias  
Iatrogenias