Page 135

115  |  Iatrogenias, Manifestações Oculares de Doenças Sistêmicas e ... de Worst pelo canalículo íntegro tem alto risco de lesão medial, pois a curvatura do instrumento nem sempre é compatível com a dos canalículos. Opta-se por esse dispositivo apenas nos casos em que a exaustiva procura pelo coto nasal do canalículo lacerado não obteve êxito.

Modeladores A passagem e fixação de tubo de silicone ou outros modeladores nas cirurgias (suturas de lacerações, dacriocistorrinostomia ou intubações) também é potencialmente traumatizante. No pós-operatório, se há tração (particularmente da alça do tubo de silicone anodada sem folga na cavidade nasal), os pontos e canalículos podem ser progressivamente rasgados pelo modelador. Normalmente, essas lesões, denominadas cheese wiring, afetam pequena parte dos canalículos, que acabam por apresentar stomia em fenda permanente. A única intervenção necessária é a remoção ou reposicionamento do modelador, pois a função canalicular quase sempre é preservada (Fig. 1).

Fig. 1  Alça de tubo de silicone tracionada medialmente, com laceração parcial da porção inicial do canalículo (seta) e dificuldade de abertura palpebral.

Radioterapia Seus efeitos nas vias lacrimais podem ser agudos ou tardios. Os primeiros geralmente melhoram após o término do tratamento, enquanto os últimos costumam ser permanentes e incluem fibrose, necrose dos tecidos moles, ossos e cartilagem. As lesões muitas vezes ocorrem por dano ao tecido conjuntivo vascular, levando à radionecrose de tecidos moles, inclusive os que recobrem os ossos e cartilagens. Há fibrose do tecido subcutâneo e músculo, criando a textura endurecida (Fig. 2). Todos os mecanismos citados podem levar à estenose do sistema lacrimal, que deve ser profilaticamente intubado com tubo de silicone.

Fig. 2  Perda das vias lacrimais altas e baixas após ressecção de carcinoma basocelular de pele com invasão nasal e radioterapia complementar.

Iatrogenias  
Iatrogenias