Issuu on Google+

Companheiros do Ano II.: Nº 19.: 1ª Quinzena

novembro – 2010

VERDE

Informativo do Meio Ambiente e Cidadania

entrevista – Amauri sena motta Acompanhe nossa entrevista na página 06 com o diretor do Parque Nacional de Brasília, Amauri Sena Motta, e conheça o trabalho desenvolvido numa das mais importantes Reservas da Biosfera.

“O Parque Nacional de Brasília tem bons projetos para seu futuro próximo e o cenário planejado pela direção do Icmbios é de promover sua revitalização.”

OAB/DF pelo Meio Ambiente A importância do contrato de seguro ambiental Pág. 5

Feira dos Importados terá coleta seletiva Pág. 5 Aprenda a fazer sua horta em pequenos ambientes Pág. 10


Companheiros do

2

Ano II.: Nº 19 – 1ª Quinzena

VERDE

Novembro 2010

NOSSAS PRAÇAS

EDITORIAL P

arques Nacionais, reservas brasileiras de toda riqueza animal e vegetal, abrigo de diversas nascentes dos principais rios brasileiros. Este é o nosso tema principal nesta edição, com uma entrevista com o Diretor do Parque Nacional de Brasília, Amauri Sena Motta, contando como foi o incêndio no período de seca e os projetos do Instituto Chico Mendes, a partir de 2011, para tornar o Parque Nacional de Brasília uma referência de conservação da natureza. Na página 02, algumas fotos da Praça do Conjunto Nacional, local agradável para uma paradinha após as compras. Aproveite para acompanhar no nosso site www.companheirosdoverde.com.br, galeria de fotos de várias Praças e Parques de Brasília. Pessoas de vários países têm acessado para conhecer as belezas de Brasília. Cada vez mais instituições do governo, associações, organizações em geral tem adotado novo comportamento em relação aos cuidados com o meio ambiente, vale ressaltar que mais higiene e economia também estão incluídos no novo modelo, principalmente em locais de grande circulação de pessoas. Na editoria comunidade , página 05, saiba como a Feira dos Importados se organizou para enfrentar esta campanha mundial no tratamento dos resíduos sólidos. Ainda na página 05, o Câmera na Cidade, estará mostrando algumas cenas que devemos banir do cenário da capital como: lixos e entulhos no centro de Brasília. Nesta edição nr 19 tenha uma ótima leitura!

Praça do Conjunto Nacional Brasília

Localizada entre o Conjunto Nacional, o Teatro Nacional e a Rodoviária, este lindo espaço tem sido preservado com bancos, flores e árvores antigas para o lazer e descanso de todos os brasilienses que quiserem dar um passeio pelo coração da cidade.

Olga Christina Pedra Diretora editoriaisdoverde@blogspot.com

TELEFONES PÚBLICOS DE EMERGÊNCIA Corpo de Bombeiros..............................193 Defesa Civil..........................................199 Disque-denúncia...................................181 Polícia civil..........................................197 Polícia Militar.......................................190 Secretaria dos Direitos Humanos............100 Delegacias Especializadas de Atendimento à Mulher.................................................180

EXPEDIENTE

TELEFONES ÚTEIS Central De Serviços Alcoólicos Anônimos..................................3226.0091

COMPANHEIROS DO VERDE companheirosdoverde@gmail.com

Publicação: Solução Audio Visual Ltda. End.: Condomínio San Diego, Lt. 15, sobreloja 03 Jardim Botânico - CEP 71.680-362 Fone/fax: (61) 9666 2947 Email: companheirosdoverde@gmail.com dircompanheirosdoverde@gmail.com Direção Geral: Olga Christina Pedra Direção Administrativa e Financeira: Evelynne Pedra Projeto Gráfico / Diagramação: Sérgio Linhares

CVI – Centro de Valorização do Idoso.................................0800 644 1401 Delegacia de Proteção ao Menor e Adolescente..............................3361.1049 Promotoria de Defesa do Consumidor.............................. 3343.9851 SERVIÇOS DE UTILIDADE PÚBLICA CEB....................................0800 61 0196 CAESB................................................115 PROCON.............................................151 DETRAN..............................................154 Contatos para consultas sobre espaço publicitário: dircompanheirosdoverde@gmail.com Colaboradores: André Gubert, Leonardo Barreto. Webmaster: Felipe Gelbcke Fontes de pesquisas: Ag. Câmara, Ag. Senado, Ag. Brasil, Embrapa, Adasa, Ministério do Meio Ambiente, Ag. Brasília, Emater/DF, OAB/DF, IBAMA. Distribuição gratuita: Órgãos do GDF, Administração do Lago Sul, Administração do Jardim Botânico, Câmara Legislativa, Câmara Federal e Senado, Esplanada dos Ministérios, Campus do Uniceub, Rodoviária do Plano Piloto e locais de grande circulação em Brasília e na cidade de Goiânia. *Os artigos assinados não traduzem a opinião do jornal ‘Companheiros do Verde’.

Agradecemos: Convite do Jardim Botânico do Rio de Janeiro para o relançamento da edição especial da Revista Scientific American “Brasil maior diversidade do Mundo”, em comemoração à Semana Nacional de Ciência e Tecnologia.


MEU BRASIL Novembro 2010

Companheiros do

VERDE

Na Câmara Obrigatoriedade de alerta em publicidade sobre composição de alimentos A publicidade de alimentos com quantidade elevada de açúcar, de gordura saturada, de gordura trans e de sódio e de bebidas com baixo teor nutricional poderá ter alerta sobre os perigos do consumo excessivo desses nutrientes. A medida está prevista no Projeto de Lei 7644/10, do deputado Chico Alencar (Psol-RJ). Pela proposta, as mensagens de alerta serão definidas em resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). O projeto também torna obrigatória a veiculação do alerta em amostras grátis desses alimentos e bebidas e em cupons de desconto em promoções.

A proposta proíbe ainda que a publicidade desses alimentos e bebidas atribua a eles características nutritivas superiores àquelas que realmente possuem. Conforme o projeto, as propagandas não poderão sugerir, por exemplo, que o alimento é saudável ou benéfico para a saúde. Resolução da Anvisa, de 15 de junho de 2010, já estabelece parâmetros para a propaganda desses alimentos e bebidas. Porém, segundo Chico Alencar, entidades ligadas ao setor de produção de alimentos vêm contestando na Justiça a resolução. O objetivo do deputado, com o projeto de lei, é reforçar as orientações da agência reguladora.

Resumidas

Governo faz avaliação sobre segurança para minas do país Depois do acidente que deixou 33 trabalhadores presos na Mina San José, no Chile, o ministro de Minas e Energia, Márcio Zimmermann, pediu uma avaliação do setor para ver se o país está cumprindo as regras de segurança na mineração. Apesar de ter 64 minas subterrâneas, algumas com a mesma profundidade da mina do Chile, o Brasil tem uma das melhores normas reguladoras do mundo para o setor, que obriga todas as minas a terem duas saídas, ao contrário da Mina San José, que tinha apenas uma saída.

Criada nova secretaria de saúde indígena O governo criou a Secretaria Especial de Saúde Indígena, subordinada ao Ministério da Saúde. Além de gerenciar os atendimentos relacionados à saúde indígena, a nova secretaria vai cuidar do saneamento básico em aldeias. Antes, essas áreas eram coordenadas pela Fundação Nacional de Saúde (Funasa). O novo órgão ficará responsável também pela preservação das fontes de água limpa, construção de poços ou captação à distância nas comunidades sem água potável, construção de sistema de saneamento, destinação final ao lixo e controle de poluição de nascentes.

Comemoração especial no Jardim Botânico do Rio Aproveitando às comemorações da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, o Jardim Botânico do Rio de Janeiro relançou a edição especial da revista Scientific American “Brasil Maior Biodiversidade do Mundo”, com série de palestras sobre preservação e pesquisa.

Ano II.: Nº 19 – 1ª Quinzena

3

Política sustentável! O trabalho começa agora!

O

Leonardo Barreto – Cientista Político e autor do blog www.casadepolitica.blogspot.com

encerramento das eleições não é o fim do processo político, mas seu início. A tarefa do eleitor não se encerra ao apertar a palavra “confirma”. Pelo contrário. É agora que o trabalho começa. Considerando que nenhum dos candidatos eleitos (nacional e distrital) assumiu uma agenda verde de forma clara, a pressão que nós devemos realizar sobre eles deve ser triplicada. Afinal, políticos e políticas só fazem algo se sentem que isso pode afetar positivamente suas chances de se reelegerem. Como fazer para pressionar as instituições: o método tradicional é o envio de cartas para os gabinetes e para os jornais, e-mails, serviços de ouvidoria, para os partidos, mobilizações, atos públicos, etc. Qualquer coisa é válida. Menos se omitir. Acredite. Muitos políticos queixam-se de que quando chegam ao poder são abandonados pelos eleitores de bem. Ficam acompanhados apenas dos interesses particularistas e clientelistas. Portanto, quem aparecer com boas idéias e intenções, tem boas chances de ser bem recebido. Vamos tentar?


internacional

4

Ano II.: Nº 19 – 1ª Quinzena

Companheiros do

VERDE

Bolívia expulsa brasileiros que exploravam ouro ilegalmente no país

A

Bolívia expulsou um grupo de 27 brasileiros que explorava ouro de forma ilegal no departamento de Santa Cruz. As informações são da agência oficial de notícias da Bolívia, ABI. De acordo com a diretora do Serviço Nacional de Migração, María René Quiroga, uma operação militar conduzida pela Forças Armadas no município de San Ramón encontrou os brasileiros explorando ouro no local. Segundo ela, o grupo foi deportado porque estava “roubando recursos naturais” bolivianos e por ter ingressado no país de forma ilegal, sem a documentação necessária.

Apesar de mais de 3 mil infectados, governo do Haiti fala em estabilização da epidemia de cólera O número de casos de cólera no Haiti já ultrapassa 3 mil e as mortes somam mais de 250. O diretor-geral do Departamento de Saúde do país, Gabriel Thimote, disse que foi registrada uma diminuição no número de mortes e de pessoas hospitalizadas e que a tendência é que o quadro da doença se estabilize. De acordo com a BBC Brasil, cinco casos de cólera foram registrados na capital Porto Príncipe, mas autoridades da Organização das Nações Unidas (ONU) informaram que os pacientes foram rapidamente diagnosticados e isolados. Cerca de 1 milhão de pessoas que sobreviveram ao terremoto que atingiu o Haiti em janeiro deste ano ainda vivem em barracas próximas a Porto Príncipe, sem saneamento básico e com acesso limitado à água potável. Acredita-se que o surto de cólera tenha sido provocado pelo consumo de água contaminada do Rio Artibonite. A doença apresenta sintomas como febre alta, diarréia, vômitos e desidratação e pode matar rapidamente se não for tratada com reidratação e antibióticos. No último sábado (23), o presidente do Haiti, René Preval, afirmou que as autoridades estão tomando providências para que o cólera não ultrapasse os limites do foco original. Agências humanitárias divulgaram, entretanto, que a doença pode estar chegando à fronteira com a República Dominicana. Especialistas dizem que esta é a primeira epidemia de cólera em um século e, por essa razão, a população mundial não tem qualquer imunidade contra a bactéria.

A

No Itamaraty exposição sobre 65 anos das Nações Unidas

s Nações Unidas estão marcando seu aniversário de 65 anos com uma exposição sobre a cooperação da organização com o Brasil. O evento que ocorre no saguão de entrada do Palácio Itamaraty, ficará até dia 07 de novembro aberto ao público com entrada franca. A mostra foi inaugurada pelo coordenador-residente da ONU no país, Jorge Chediek, e pelo secretário-geral do Itamaraty, Antonio Patriota. “A colaboração é muito ampla. Por um lado, a ONU apoiou o Brasil no processo de redemocratização e modernização. Ao mesmo tempo agora que o Brasil tem uma posição técnica e financeira muito favorável, o Sistema ONU está apoiando o Brasil a ajudar outros países em desenvolvimento”, afirmou. A exposição ‘Nações Unidas e Brasil: 65 anos de cooperação, 65 anos de realizações’ conta, por meio de fotos históricas e inéditas, a participação do país no processo de criação e consolidação da ONU, fundada em 1945. A mostra também presta uma homenagem aos brasileiros que dedicaram suas vidas e marcaram a história das Nações Unidas.

Novembro 2010 Copa do Mundo de 2014 pode impulsionar mercado de produtos orgânicos no Brasil

U

ma Copa do Mundo orgânica e sustentável em 2014 para consolidar o Brasil na liderança global do meio ambiente e da sustentabilidade é a idéia que está sendo discutida nas feiras Biofach América Latina e Exposustentat, em São Paulo. Segundo Hermínia Sica de Moraes, diretora de comunicação e projeto da IP Desenvolvimento Empresarial e Institucional - um dos três parceiros do projeto Copa Orgânica Sustentável, o trabalho deve ser iniciado até o primeiro trimestre do próximo ano e a expectativa é que sirva para impulsionar o mercado de produtos orgânicos no Brasil. De acordo com Arnoldo Anacleto de Campos, diretor de Geração de Renda e Agregação de Valor do Ministério do Desenvolvimento Agrário, a Copa do Mundo será uma “grande vitrine”, onde poderão ser exibidos produtos regionais tipicamente brasileiros, como sucos feitos de cupuaçu e açaí, bombons produzidos com castanha brasileira e até objetos decorativos do artesanato nacional, feitos com fibras naturais. Esses produtos poderão estar em bares, hotéis, restaurantes, em eventos e nos próprios estádios. Segundo dados da assessoria de imprensa das feiras, o mercado internacional de produtos orgânicos alcançou a marca de US$ 50 bilhões em 2008, puxado especialmente pelos Estados Unidos, que representam US$ 24,8 bilhões desse total.


comunidade Novembro 2010

Companheiros do

VERDE

Ano II.: Nº 19 – 1ª Quinzena

5

Coleta Seletiva Solidária na Feira dos Importados Será implementado o projeto Coleta Seletiva Solidária na Feira dos Importados, que funciona no Setor de Indústria e Abastecimento (SIA), Trecho 7. A expectativa do GDF é levar a iniciativa a todo o Distrito Federal, de acordo com o Decreto Presidencial nº 5.940, de 25 de outubro de 2006, que incentiva um novo modelo de gestão dos resíduos. O Serviço de Limpeza Urbana (SLU) passará duas vezes por semana pela Feira dos Importados – às segundas e quintas-feiras – recolhendo todo o lixo e o encaminhando às cooperativas que farão o processo de separação do material seco, molhado, reciclável e orgânico. Duas cooperativas serão responsáveis pelo processamento do material. Além disso, a partir do início do projeto, serão distribuídas cartilhas educativas juntamente com sacolinhas de lixo para veículos. O SLU realizará um plano de treinamento social com o intuito de educar a sociedade a colaborar, de forma efetiva, no projeto de coleta seletiva solidária. São 29 cooperativas de catadores de materiais recicláveis trabalhando no setor. Dessas, seis associações trabalham com o lixo coletado pelo SLU. A estimativa é que cerca de 10 mil toneladas de material seja reaproveitado por essas cooperativas, a cada mês.

Câmera na Cidade A situação pede mudanças urgentes. Será que vamos precisar ver as doenças se alastrarem feito epidemias, típicas neste período de chuvas, para medidas serem tomadas contra o acúmulo de entulho de obras e lixos jogados bem próximos à Esplanada dos Ministérios?

Foto: Nunes da Costa

VIDA EM EXTINÇÃO

Codorna buraqueira São aves que raramente voam. Alimentam-se de frutinhas, sementes e pequenos insetos. Encontrada nos estados de São Paulo, Paraná, Minas Gerais, Goiás, Distrito Federal e Mato Grosso do Sul. Estão ameaçadas de extinção pela caça, queimada, ainda são vítimas de gatos, cães, inseticidas, atropelamento em rodovias semi-urbanas, de iscas venenosas para formigas e inseticidas para carrapatos (insetos que são base de sua alimentação). Leia mais, conheça e participe do companheiros

A importância do contrato de seguro ambiental Com a questão ambiental alçada ao primeiro nível da agenda nacional, as empresas brasileiras têm mostrado uma mudança de comportamento na tentativa de se tornarem eco-eficientes. Essa modificação na postura empresarial tem colaborado para o surgimento de uma série novos negócios na área ambiental. É nesse cenário que o mercado de seguros tem criado soluções para a proteção contra os riscos ambientais. O contrato de seguro ambiental surge como a ferramenta mais importante de prevenção dos desastres ecológicos. A instituição pioneira no Brasil foi a Unibanco AIG Seguradora, que já conta com cerca de quinze seguradas, dentre as quais, empresas de petroquímica. A maior vantagem do contrato de seguro é tornar mais célere a reparação do dano ambiental por meio da redução da burocracia. Ao invés de um longo processo judicial para a determinação da culpa e para a quantificação da indenização, a seguradora repara imediatamente o dano. E caso se comprove que o dano ocorreu por culpa ou dolo, a seguradora pode ajuizar uma ação regressiva contra o segurado. Os empresários podem, em uma primeira análise, se mostrar contrários ao seguro, por considerá-lo oneroso. Porém, para as empresas que pretendem compor o Índice de Sustentabilidade Empresarial da Bovespa, o seguro ambiental conta pontos extras, e há uma tendência mundial dos investidores em procurar empresas sustentáveis para aplicação de recursos (investimento ético). Embora, como se vê, as vantagens do seguro ambiental sejam notáveis, o mercado de seguro ambiental enfrenta atualmente um círculo vicioso: as seguradoras não ofertam coberturas ambientais abrangentes por não haver demanda, mas não há demanda porque não existe disponibilidade de coberturas. Esse círculo vicioso tem se tornado um entrave para a evolução desse instrumento de proteção ambiental. Reside aí a necessidade da intervenção do Estado para extinguir esse círculo vicioso e fortalecer esse importante instrumento de política ambiental. Essa ação estatal pode se realizar tanto por meio do Poder Judiciário, quando pelo Poder Legislativo. A atuação da Justiça se dará a partir do momento em que as condenações por danos ambientais se fizerem severas, freqüentes e, principalmente, efetivas. A partir daí, as empresas perceberão a importância de contratar um seguro ambiental. No que se refere ao Parlamento, mostra-se fundamental que, para certas atividades de risco, a contratação de seguro ambiental se torne obrigatória. A implementação dessas políticas fortalecerá o seguro ambiental como um importante instrumento de preservação ambiental à disposição de um setor empresarial compromissado. Liliane de Carvalho Gabriel, advogada, membro da omissão de Meio Ambiente da Seccional do Distrito Federal da Ordem dos Advogados do Brasil.

do verde também na Internet: www.companheirosdoverde.com.br


entrevista

6

Companheiros do Ano II.: Nº 19 – 1ª Quinzena

VERDE

Novembro 2010

Amauri de Sena Motta Diretor do Parque Nacional de Brasília.

A

pós o incêndio que atingiu o Parque Nacional de Brasília, o Companheiros do Verde entrevista com exclusividade o diretor do Parque, Amauri de Sena Motta, sobre a recuperação da área, e projetos de revitalização de um dos maiores Parques Nacionais do mundo, reconhecido pela Unesco como Área Núcleo da Reserva da Biosfera , e coração de dezenas de nascentes que contribuem para a formação de 3 importantes bacias hidrográficas: Tocantins, Paranoá e o São Francisco. Companheiros do Verde – Após o incêndio ocorrido no Parque Nacional, qual a sua avaliação de recuperação da fauna e flora do Parque? Amauri Sena Motta – O último grande incêndio ocorrido no parque foi em 2007 quando foram atingidos 11.000 hectares. Este ano 11.200 hectares foram queimados, mas em outra área do Parque. Considerando os aspectos ecológicos do bioma cerrado, com característica única entre os biomas brasileiros, devemos levar em conta a grande adaptabilidade que ele tem ao evento do fogo. Na questão da flora, a grande maioria delas tem o poder de se recuperar, algumas em curto espaço de tempo, voltando a renascer nos espaços atingidos. As chuvas já estão se anunciando e vão contribuir para acelerar o processo de regeneração. A questão da fauna é um pouco mais subjetiva de mencionar. Aqui ocorrem animais em extinção, como tatu-canastra, lobo-guará, onça-parda, e Tamanduá Bandeira o que nos causa uma maior preocupação. As matas ciliares dos córregos e riachos que formam a bacia hidrográfica da represa Santa Maria e Lago Paranoá servem de local de abrigo e alimentação para esta fauna que procura proteção contra o fogo no interior destas matas. CV – Quais projetos estão previstos para o Parque Nacional de Brasília?

ASM – O Parque Nacional de Brasília tem bons projetos para seu futuro próximo e cenário planejado pela direção do ICMBIO é de promover sua revitalização. O Parque deverá ser beneficiado com investimentos a serem realizados em alguns parques brasileiros, em razão da copa do mundo 2014. O investimento será voltado para qualificar a área de uso público , em especial na área das duas piscinas de água mineral, trilha da capivara e do cristal d’água. O projeto pretende construir um centro de visitante fora do parque, devendo ser uma referência para o cerrado brasileiro, com toda informação necessária para o visitante entender como funciona este bioma, que tem 1/3 da biodiversidade do país. A idéia é que a partir destas mudanças possamos ofertar aos brasileiros e estrangeiros que visitam o Parque Nacional de Brasília uma maior interação com o Parque , mais qualificada. Capaz de ajudar as pessoas a entenderem que estão interagindo com uma das melhores estratégias para a conservação da natureza, os parques nacionais.

Uma simples observação na internet pode nos revelar que, quase toda área verde que se encontra no mundo, é uma Unidade de Conservação, mostrando a importância das ações de conservação, preservação e investimento nesta área.

CV – Qual a sua avaliação da proximidade do Parque com a cidade? ASM – Brasília teve a felicidade de nascer praticamente juntamente com o Parque Nacional de Brasília, isto é um privilégio, terem pensado nesta preservação naquela época foi muito importante. Com a pressão imobiliária que sofrem as áreas em torno de Brasília, esta região de 42.389ha protegida pelo Parque Nacional certamente estaria totalmente destruída. 28% da água potável que abastece Brasília é retirada do interior do Parque Nacional de Brasília. Esta água é de altíssima qualidade porque nasce dentro do Parque Nacional, limpa, uma riqueza incalculável, uma água pura. Um Parque Nacional ao lado do governo central de nosso País, precisa vir a ser modelo para o nosso país em todos os aspectos. Uma parcela dos investimentos que serão feitos na área do esporte deverá sim ser aplicada na melhoria da estrutura e dos serviços do Parque Nacional de Brasília, porque ele certamente será um dos destinos de muitos dos turistas que virão ao nosso País, ávidos por conhecer nossas riquezas naturais.


Companheiros do

Novembro 2010

VERDE

Ano II.: Nº 19 – 1ª Quinzena

Inscrições até 18 de novembro.

7


saúde e bem viver

8

Ano II.: Nº 19 – 1ª Quinzena

Companheiros do

VERDE

Higienização dos alimentos requer cuidados especiais

Conheça as etapas, passo-a-passo, para manter os vegetais saudáveis

P

ara garantir qualidade e segurança na hora de consumir produtos de hortifruti, a higienização é essencial. Apesar de poder reduzir em até 90% os micro-organismos dos vegetais, a lavagem em água corrente não é suficiente. O ideal  é utilizar sanitizantes eficazes, como água sanitária e vinagre.  De acordo com a nutricionista do Oba Hortifruti Priscila Arruda, alguns alimentos precisam de uma atenção especial na hora da higienização. “É o caso das frutas, sobretudo quando consumidas com casca (morango, goiaba, uva, amora, pêra), verduras folhosas (alface, couve, rúcula, agrião) e legumes, principalmente aqueles consumidos crus (cenoura, pepino)”, exemplifica. A profissional sugere um passo-a-passo para o processo de higienização: 1 - Prévia limpeza do local de lavagem dos alimentos e utensílios (pia, tábua, recipiente); 2 - Seleção dos vegetais: descartar folhas, frutas e legumes danificados;

T

3 - Lavagem criteriosa dos vegetais folhosos (folha a folha), das frutas e legumes (um a um); 4 - Sanitização dos vegetais, que devem permanecer de molho por 15 minutos nas soluções sanitizantes e enxaguados em água filtrada e corrente. Para a preparação dos sanitizadores, a recomendação é 10 ml (1 colher de sopa rasa) de água sanitária para cada 1 litro de água ou 20 ml (2 colheres de sopa rasa) de hipoclorito de sódio a 1% em 1 litro de água. Após a higienização, o alimento pode ser armazenado, desde que o recipiente tenha sido limpo e higienizado corretamente. Além disso, é importante escorrer o alimento para evitar o acúmulo de água. As folhas  podem ser armazenadas com um papel toalha por cima, para ajudar na absorção da água, o que evita a “queima” das folhas. Depois, o que manda é a criatividade. Basta utilizar os alimentos no preparo de pratos saudáveis e saborosos.

Emater promove seminário sobre agroecologia

rocar experiências e formular propostas para a as práticas agroecológicas no Distrito Federal: este é o objetivo do II Seminário de Agroecologia do DF, promovido pela Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater-DF) e pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa Hortaliças). O seminário, dirigido para agricultores, pesquisadores, extensionistas, estudantes e ao público em geral, de 9 a 11 de novembro, no auditório da Embrapa, no final da Asa Norte.

O seminário será composto de mesas-redondas, oficinas e visitas técnicas a três propriedades que adotam os princípios da agroecologia — o Sítio Semente (Lago Oeste), a Fazenda Malunga (PAD-DF) e o Sítio Vida Verde (Ceilândia). Durante as oficinas e debates, serão levantadas questões como comercialização, certificação orgânica, uso de agrotóxicos, dentre outros temas. As inscrições custam R$ 10 e podem ser feitas na hora. Agricultores familiares estão isentos da taxa. Informações com Ascom / Emater-DF

Novembro 2010

Lavar as mãos contribui para evitar contaminação pela superbactéria KPC, diz médico

C

uidados como lavar as mãos com freqüência e usar álcool gel, em procedimentos hospitalares diários, são essenciais para evitar a contaminação pela superbactéria Klebsiella pneumoniae carbapenemase (KPC). Segundo o presidente do Conselho Regional de Medicina da Paraíba, João Medeiros, esses são os cuidados básicos que todos os profissionais de saúde devem tomar. “É evidente que temos que tomar as precauções e isso começa com os médicos e outros profissionais de saúde que lidam diariamente com isso. A primeira medida é a higienização das mãos, as comissões de infecção hospitalar têm que ser atuantes”, observou. O médico disse ainda que a KPC está restrita ao ambiente hospitalar, por isso não há risco de ser encontrada em outros ambientes. Foi publicada no Diário Oficial da União uma resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que torna obrigatório o uso de álcool (líquido ou gel) para higienização das mãos nas unidades de saúde de todo o país. A medida é considerada a mais importante para a prevenção e o controle das infecções em ambientes hospitalares, principalmente pela superbactéria. O produto também deverá ser colocado em salas onde haja atendimento de pacientes. O uso do álcool gel a 70% será obrigatório nos estabelecimentos públicos e particulares, que terão 60 dias, a partir de hoje, para o cumprimento da norma. O uso do produto, porém, não dispensa a lavagem das mãos.


saúde e bem viver Novembro 2010

Companheiros do

VERDE

Canteiro Medicinal

O

Ano II.: Nº 19 – 1ª Quinzena

9

Couve

Manjericão

manjericão é uma planta herbácea, aromática e medicinal, conhecida desde a antiguidade pelos indianos, gregos, egípcios e romanos, considerado sagrada entre alguns povos hindus, mas é mais amplamente conhecido pelos seus poderes culinários. Existem mais de 60 variedades diferentes de manjericão, com variações na cor, tamanho e forma das folhas, porte da planta e concentração de aroma.

E

sta hortaliça é muito rica em Cálcio, Fósforo e Ferro, minerais importantes à formação e manutenção de ossos e dentes e à integridade do sangue. Contém ainda vitamina A, indispensável à boa visão e à saúde da pele; e vitaminas do Complexo B, que tem por funções proteger a pele, evitar problemas do aparelho digestivo e do sistema nervoso.

Ingredientes: 1 e ½ quilos de pêssegos sem casca e sem caroço 2 xícaras de chá de pêssego em calda 1 xícara de chá de suco de pêssego 1 xícara de chá de iogurte natural 1 envelope de gelatina sem sabor 1 caixinha de leite condensado 1 caixinha de creme de leite 4 colheres de sopa de mel .

Oferece: Sabores saudáveis

Pêssego

O pêssego, fruta da estação, possui grandes quantidades de vitaminas A, C e D, além de diversos minerais como ferro, fósforo e potássio. O pêssego é de baixo teor calórico . Mas em contrapartida , é rico em fibras importantes para o bom funcionamento do Interstino. Em menor quantidade aparece a vitamina B5 (niacina) que evita problemas de pele.

Receita

Receita de Mousse de pêssego fresco: Lívia Nogueira - CRN 4073 DF

Modo de preparo:

Colocar no liquidificador os pêssegos, o creme de leite, o leite condensado, o suco de pêssego e bater por 2 minutos , ou até obter um creme homogêneo. Dissolver a gelatina de acordo com as intruções da embalagem e adicionar ao creme de pêssegos. Bater por mais 1 minuto. Acrescentar o iogurte e o mel e bater por 2 minutos, ou até ficar homogêneo. Forrar taças individuais com os pêssegos em calda. Distribuir por cima a mousse e levar a geladeira por 4 horas , ou até endurecer.

Delivery

109 Sul 61.3242-1736 306 Norte 61.3349-9575 QI09 Lago Sul 61.3364-2625

209 Norte .61.3038-8159 302 Sudoeste .61.3341-4588 Águas Claras 61.3051-5001

Ligue para as nossas lojas e faça seu pedido pelo DELIVERY

coluna pessego.indd 1 18/10/2010 16:19:35 “Virá o dia em que a matança de um animal será considerada crime tanto quanto o assassinato de um homem.”

Leonardo da Vinci


cidadania

10

V

Companheiros do Ano II.: Nº 19 – 1ª Quinzena

VERDE

Faça sua horta em pequenos ambientes

ocê já pensou em fazer uma horta em sua casa ou em seu apartamento? Isso é fácil! É possível aproveitar varandas de apartamentos e pequenos quintais para o cultivo de hortaliças para o consumo familiar ou para um pequeno negócio. Na confecção de canteiros existem inúmeras alternativas. A opção por uma delas vai depender da criatividade de cada pessoa, de conformidade com o ambiente em que se pretende instalar a horta. Sugerimos alguns tipos de canteiros que poderão servir para uma horta em seu ambiente: Canteiro de tubo plástico Materiais - Tubos de PVC com 20 cm de diâmetro - Serrote; e - Cap de PVC Efetue um corte horizontal – no meio - nos tubos de “PVC 200 mm”, de modo a obter duas calhas com 10 cm de profundidade. Em seguida, use o “cap” de PVC 200 mm, cortado no meio - no sentido vertical, de modo que as duas partes do cap possam ser encaixadas das extremidades dos tubos anteriormente cortados para evitar escoamento da água. Na parte inferior dos tubos cortados, deixe alguns orifícios para a saída de excesso de água. Para a fixação dos tubos, pode-se usar suporte de ferro. O comprimento varia de acordo com o espaço disponível. Canteiro de pneu Materiais - Pneu usado - Faca afiada, umedecida com água ou óleo; - Pregos e martelo; - Tampo de madeira. Retire, em um dos lados, a parte dura que se prende no aro, cortando com uma faca afiada. Em seguida, vire o pneu ao avesso. Para evitar a sujeira de terra no ambiente e facilitar a remoção, prega-se uma tábua do tamanho do círculo, formando uma bacia. Deixe alguns orifícios para escoamento do excesso de água. Enchimento dos canteiros Para encher os canteiros de PVC ou pneu, você vai precisar de:

VERDE EM EXTINÇÃO

- Terra; - Cal hidratada; - Adubo orgânico (esterco de galinha); - Adubo químico NPK 4 -14 -8; Misture os materiais na seguinte proporção: Para cada 20 litros de terra, use 20 a 50 gramas de cal hidratada, 7 litros de adubo orgânico, 50 a 100 gramas de adubo NPK 4 -14 -8, que podem ser comprados em lojas de produtos agropecuários. Localização dos canteiros Os canteiros deverão ser colocados em ambientes arejados e iluminados, para propiciar o desenvolvimento normal da planta. Como exemplo, citamos: varandas ou áreas de serviço de apartamentos ou nos quintais calçados das residências. Espécies de hortaliças mais recomendadas Para canteiros de 10 a 15 cm de altura (bordadura), plantar: agrião, alface, cebolinha, salsa, morango e rabanete. Para canteiros de 25 a 40 cm de altura, plantar: beterraba, cenoura, couve-manteiga, couve-brócolo, repolho, couve-flor, ervilha-torta, pepino, pimentão e tomate. Plantio Esta operação é feita com semeadura direta ou plantio de mudas - oito dias após o enchimento dos canteiros. Em semeadura direta, deve-se distribuir duas a três sementes nas covas, já previamente abertas e espaçadas, conforme a exigência da hortaliça. Quando as mudas tiverem com duas folhas definitivas, fazer o raleamento, deixando uma planta por cova. O plantio de mudas consiste em transplantá-las, de preferência com duas a três folhas definitivas, nas covas previamente abertas e espaçadas. Tratos culturais Irrigação – recomenda-se fazer uma vez por dia, de preferência à tarde. Depende das condições climáticas e do tipo de desenvolvimento da planta. Normalmente, são feitas de três a cinco por semana. Capina – Retirar manualmente todo o mato que, por ventura, venha a aparecer na horta. Controle de pragas e doenças – Deve-se dar preferência aos métodos que não contaminem o ambiente como: catação manual – consiste em retirar os ovos, larvas de lagartas, besouros e pulgões das plantas. Prática cultural – consiste em retirar as folhas doentes, eliminar plantas doentes ou fazer rotação de cultura. Somente no caso de ataque intenso de pragas é que se recomendam os inseticidas caseiros: solução de água de fumo ou solução de água e sabão. Ascom/EMATER-DF.

Mogno

Atualmente tem corte proibido no Brasil. Incidência em toda a região amazônica, sendo freqüente na região sul do Pará. Madeira dura, com resistência ao apodrecimento e ataque de cupins. Por seu alto valor comercial e grande aceitação no mercado internacional, o mogno brasileiro já desapareceu de grandes áreas da Amazônia brasileira e resiste apenas em regiões de difícil acesso e em áreas protegidas - que são sistematicamente invadidas por madeireiros, principal motivo de estar na lista de extinção. A madeira é muito usada e apreciada na produção de móveis pela facilidade com que é trabalhada, pela sua estabilidade e duração, além do seu aspecto, castanho-avermelhado brilhante, depois de polida; e também na produção de instrumentos musicais pelo seu timbre característico e ressonância sonora, que tendem ao médio-grave, notadamente guitarras e violões mas, ainda, em alguns tambores percussivos.

Novembro 2010

9ª Ciranda da Alegria

N

o dia 12 de outubro o Supermercado Baratudo realizou a 9ª Ciranda da Alegria, sendo uma tradição em Santa Maria no dia das crianças, o evento contou mais de 10 mil pessoas que circularam no local. A festa teve início às 9 horas com o agradecimento do Diretor do Supermercado Baratudo Antônio Luís Uchôa. O dia foi de muita brincadeira para a criançada, haviam muitas opções de brinquedos como: pula-pula, cama elástica, piscina de bolinhas e contou com 02 shows da banda High School Music cover e Claudia Leite cover que aminaram todas as crianças presentes na festa, além do Grupo Ciranda da Alegria e o palhaço Tiririca cover. Apesar do sol forte na manhã inteira, crianças e adultos se refrescaram com muito refrigerante, picolé, cachorro quente, algodão doce e pipoca.

Foram distribuidos mais de 7.000 mil brinquedos para os dono da festa, informação do idealizador e cooordenador da festa Antônio Luís que era só alegria. “ É muito gratificante ver o sorriso no rosto das crianças ao ganhar um brinquedo num dia tão especial. Essa é uma forma que temos de agradecer a todos os clientes e amigos pela preferência que eles dão ao Supermercado Baratudo”,disse Luís. A 9ª Ciranda da Alegria foi um grande sucesso e Antônio Luís garantiu que no próximo ano tem mais.

“A compaixão para com os animais é das mais nobres virtudes da natureza humana.”

Charles Darwin


gastronomia Novembro 2010

Companheiros do

VERDE

11

Ano II.: Nº 19 – 1ª Quinzena

CURIOSIDADES DA GASTRONOMIA com André Gubert

Curiosidades do Feijão

H

oje falaremos um pouco sobre a maravilhosa e complexa história do feijão. O feijão em suas mais diversas variedades é considerado como um dos mais antigos alimentos utilizado pelo homem, tornando-se parte importante da dieta de várias civilizações. Estão entre as primeiras plantas a serem domesticadas e cultivadas, inserido na própria invenção da agricultura. Descobertas arqueológicas que datam aproximadamente de 10.000 a.C., sugerem que o feijão cultivado tenha sua origem na América do Sul, mais precisamente no Peru, em um local conhecido como sítio arqueológico Caverna Guitarrero e posteriormente levados para regiões mexicanas, onde os vestígios encontrados indicam que o feijão fora domesticado desde 7.000 a.C. Quase todos lugares da terra tem seus tipos específicos de feijões, onde tiveram importante papel na formação sócio cultural de várias civilizações, seja por motivos religiosos, sociais ou meramente alimentícios. Na Roma antiga os feijões eram utilizados como moedas em jogos de apostas e na elaboração de sofisticados pratos para Imperadores, existem registros de receitas assinadas por Apicius, um dos mais famosos gourmet que viveu

Ingredientes*

ada ão roxinho. o mole) cort ã x 150 g de feij co , o h n ti rne (pa a também. 600 g de ca ode ser moíd p s, o h in b em cu tes picados. mate. • 2 toma de sopa de poupa de to eres • 5 colh picada. a. o • 1 ceb la de sopa de azeite de oliv es er • 5 colh rado. milimetrica de alho tritu • 1 dente dedo-de-moça pequena ta • 1 pimen da. p mente ica ho em pó. pó. as de comin d a it p 2 • de páprica em á ch e d sa ra • 1 colher o-reino a gosto. -d ta en • pim o. st o • sal a g

• •

andre.bistrot@gmail.com

na época do Imperador Augusto (já falamos dele em outros artigos). Algumas tribos indígenas da América do Norte consideravam o feijão como um dos três “irmãos” que eram responsável pela base de sua alimentação: feijão, milho e abóbora. Os Budistas, na busca de uma dieta ideal, onde não contavam com carnes, encontraram no feijão um grande aliado para manter sua alimentação saudável. Na Grécia clássica, o feijão era oferecido como um lanche em simpósios, quando os homens se reuniram para discutir política ou filosofar depois do jantar. No Brasil, o consumo de feijão não poderia ser diferente de muitos países, onde é um dos principais pratos que formam a base alimentar. O famoso prato de feijão com arroz torna como o mais típico prato da culinária brasileira. Os mais conhecidos no Brasil são: Feijão preto, roxinho, fradinho, mulatinho, branco, rosinha, verde, carioca, entre outros. Os mais consumidos pelos brasileiros são o carioca, preto e o roxinho. O feijão é responsável por um dos pratos mais famosos da culinária mundial, a Feijoada. Mas esse assunto fica para uma próxima oportunidade!


reciclagem

12

A

Companheiros do Ano II.: Nº 19 – 1ª Quinzena

VERDE

Capital do MS lança programa de reciclagem de óleo

Prefeitura Municipal de Campo Grande por meio da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano (Semadur) lançou o Programa de Coleta e Reciclagem de Óleos Residuais de Cozinha (Recol). O objetivo do programa é dar uma destinação final, ambientalmente adequada, para o óleo de cozinha usado que é jogado na pia, no lixo, no vaso sanitário, nos ralos ou no solo e causa danos ao meio ambiente. Em contato com a água, esse resíduo líquido passa por reações químicas que resultam em emissão de metano e/ou CO2. Quanto mais o cidadão evitar o descarte do óleo na rede de coleta de esgoto ou no lixo comum, mais estará contribuindo para preservar o meio ambiente.

Este óleo será reutilizado e transformado em biodiesel, ração animal, sabão, detergentes e outros derivados. O programa visa também promover a consciência ambiental em todos os setores envolvidos, desde os seus idealizadores até aqueles que, de alguma maneira, possam contribuir doando o óleo de cozinha usado, para que este tenha uma destinação ecologicamente correta. O programa baseia-se na implantação de um sistema de coleta, com o oferecimento de uma rede de pontos de coleta voluntária do óleo para a população em geral, e a coleta dos resíduos produzidos pelos grandes geradores, tais como condomínios, bares e restaurantes. O programa será apoiado em ações de fiscalização, de sensibilização e educação ambiental. Além disso, o programa prevê a articulação de parcerias para garantir o tratamento e destinação final do óleo residual como fonte de matéria-prima para outros produtos. Com estas ações, espera-se a minimização dos impactos causados pela deposição irregular do óleo, a diminuição dos problemas ambientais, redução de resíduos incluindo práticas ambientalmente seguras de reutilização, reciclagem ou disposição adequada. Espera-se também o engajamento da população nas ações propostas, despertando a consciência de co-responsabilidade socioambiental.

“A compaixão pelos animais está intimamente ligada a bondade de caráter, e pode ser seguramente afirmado que quem é cruel com os animais não pode ser um bom homem.”

Arthur Schopenhauer

Novembro 2010


Companheiros do Verde Ano II.: Nº 19