{' '} {' '}
Limited time offer
SAVE % on your upgrade.

Page 1


Revista NónaPalavra

A revista “Nonapalavra” apresenta os trabalhos produzidos pelos nonos anos do Colégio Oswald de Andrade, em 2019. Há textos opinativos, narrativos, poemas, além de ilustrações. Tudo produzido pelos próprios alunos! Aqui, você, leitor, encontrará uma nova forma de apreciar diferentes pontos de vista sobre temas diversos e atuais ligados às juventudes. Em Projeto de escrita, matéria exclusiva do nono ano, o tema geral foi juventudes. Seus desdobramentos levaram-nos a produzir três artigos de opinião, cujos temas foram definidos e separados em três momentos distintos.


O primeiro tema propunha uma pesquisa sobre os espaços legítimos da juventude em nossa cidade. De que formas as juventudes se inserem no contexto urbano? “Escola para quê?”, foi a pergunta norteadora para o segundo tema de trabalho. Como consulta e referência assistimos a três documentários em sala: “Nunca me sonharam” (Cacau Rhoden), “Quando sinto que já sei” (Anderson Lima, Antonio Lovato e Raul Perez) e “Pro dia nascer feliz” (João Jardim). Também usamos, como material de base, o texto “Pátria Iletrada”, escrito por Rafael Cariello e Tiago Coelho. A partir disso, os alunos pesquisaram experiências educativas diversas, dados oficiais, índices de avaliações internacionais etc. O último tema desenvolvido pelos alunos de nono ano foi mais abrangente: “Juventudes desdobramentos”. Gravidez precoce, saúde mental, violência e criminalidade, cultura e arte, tecnologia. Cada um podia escolher com o que queriam trabalhar, entre temas pré-definidos pelos próprios alunos com a mediação do professor. Na disciplina de Língua Portuguesa, as produções foram criadas a partir dos livros e contos lidos durante o ano. Trabalhamos com o autor Machado de Assis e nos concentramos no conto “Pai contra mãe”. A partir de sua leitura, escrevemos uma nova versão do conto, com um novo narrador e com deslocamento do foco narrativo - cada aluno pode escolher seu narrador, bem como o foco narrativo a ser empregado. Depois da leitura da obra de Graciliano Ramos, “Vidas Secas”, produzimos textos que retratam a vida da família, descrita no livro, fugindo da seca, rumo à cidade grande.

Veja como foi o processo de trabalho do nono ano e embarque nesta jornada intelectual. Aproveite cada segundo!


SUMÁRIO Escola Pra que? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Carolina Bonetti Trovato. 9°A Fernanda Castro 9ºB . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Isabela Ardito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Laura Freeman 9º A . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Luan D. Araujo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Pedro Micheletti .Faria . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Rodrigo Falcão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Sophia Farias Yasmin Sandoval Rocha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

01 02 03 04 05 06 07 08 09

Juventude na Cidade

10

Ana Clara Asprino – André Martins . . . . . . Anouk Yahn Alice crisci - 9ª . . . Beatriz Delfim . . . . . . Beatriz Issa . . . Beatriz Polak Beatriz Ramos . . . . . . Beilnto G . . . Carmen Lima

11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41

9º . . . . . . . . . . . . . . . . . .

A. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Diogo Ferreira 90 ANO A . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Felipe Cury Lopes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Felipe Iannarelli Martins . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Francisco Nascimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Isabela Stefanutto Ardito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . João Montoro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Joaquim Trevisan Weis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Jorge Santos 9-B . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Luan D. Araujo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Laura Freeman Marinho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Laura Oliveira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Leo Mattiazzo Montenegro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Luís Felipe Silvério . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Mariana Casolari . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Miguel Galizia Soares Valério de Sousa. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Pietra de Holanda coimba . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Rita Morelli . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Sofia Prado Javadd Leite Malik . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Sabrina Pegorin Brier . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Tom Altman . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Yasmin S. Rocha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .


SUMÁRIO Sessão Literária Alice Pontual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . André Rocha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ana Luiza Valente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Beatriz Issa Kimura Corazzini . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Bianca Miki Tokudome . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Bruno Pagliatto Velloso Lopez . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Clara Benedetti Cordeiro Rocha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Clara Visibelli . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Catarina Prado Leite 9ºA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Dara Basali . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Diego Oliveira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . eduardo destro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Eduardo Vianna Zorzi . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Fabrizzio Lombardi . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Felipe Jannarelli Martins . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Francisco Luís Almeida do. Nascimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Jorge Correa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Júlia Kaufmann . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Luan Dantas Araújo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Luana Torres . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Luisa Pires . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Mariana Casolari Landell Balbino Maria Clara Sirelli 9B . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Manoela Tagnin . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . PEDRO MORELI . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Olivia Bussoloti Ribeiro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Tom Himmelstein Altman . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Tom Altman 2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Victoria Miyuki 9ª . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27


No Brasil, em 2016, de acordo com o IBGE, mais de 51% da população com mais de 25 anos possuía somente o ensino fundamental completo.

Carolina Bonetti Trovato

será que é assim que as coisas acontecem realmente? E se não cumpre a esse papel original, para que a escola realmente serve? E a quem serve? A escola se transformou em um ambiente não dedicado ao ócio, mas sim a memorização de diversos conteúdos, por exemplo, além de constantemente promover uma imagem de hierarquia social dentro da própria instituição’. Existem muitos filmes que relatam o ambiente escolar como um espetáculo de exibições e enaltecem específicos grupos sociais. A diferença também é clara entre por exemplo o ensino de escolas públicas e particulares; desde a formação dos profissionais dessas instituições até o dia a dia escolar dos alunos, onde as preocupações se divergem muito, visto que estudantes de escolas particulares na maioria das vezes não se preocupam com como chegarão a escola visto que não há brigas na rua da escola, por exemplo, como vimos no documentário assistido em aula.

Ainda entre esta faixa etária, apenas 8,8% da população negra possuía ensino superior, enquanto para os brancos esse percentual era de 22,2%. A taxa de analfabetismo no geral era de 7,7%. Um ambiente escolar perfeito seria aquele onde alunos e profissionais competentes possam realmente discutir sobre a educação e o ensino, como originalmente a proposta da escola dizia que tinha que ser. Porém, que outro incentivo o mundo tem para movimentar a educação se não a economia? E visto que uma alteração nesse modo de ensino não beneficiará imediatamente o segundo, porque qualquer um faria qualquer coisa?

Como podemos perceber, as escolas, no geral, ensinam e educam seres que no futuro contribuirão no mercado convencional de trabalho. Aqueles que aparentemente não contribuirão são desvalorizados, pois há este ciclo vicioso, onde se investe naqueles que parecem mais propícios. Este ciclo há de ser quebrado, nos resta investir na ideia.


Antonio Amazonas Cabral Fernanda Castro Antonio Amazonas Cabral 9A A escola é uma instituição fundamental para a sociedade, ela se dedica ao processo de ensino e aprendizagem entre alunos e orientadores. A escola existe com a finalidade de inserir as crianças em um círculo social, nela o aluno recebe várias informações importantes para o seu cotidiano na sociedade, porém, também é nela que se aprende e começam as desigualdades sociais e preconceitos existentes na sociedade.

Além do aluno aprender informações variadas, ele vive realidades que não são iguais a sua atual, mesmo ele não participando em guerras, ele adquire conhecimento do que aconteceu nelas e de uma forma consegue "viver" uma parte delas, vendo o que a sociedade da época daquele momento sofreu, reagiu.

Entretanto, a realidade de algumas escolas públicas brasileiras é outra, alguns estão lá querendo aprimorar o seu conhecimento e sonhando em fazer faculdade, eles não têm oportunidade de fazer parte uma escola com um ensino superior, onde o professor não falte, e se faltar tem um substituto, onde as condições de ensino são melhores. Mesmo alguns alunos não estudando, pegando recuperação e até reprovando, é melhor eles estarem lá do que no mundo das drogas, fazendos coisas ilegais e sofrendo o risco de serem mortos a cada dia, mas isso continua mesmo quando estudam em uma escola, porém essa instituição de ensino pode mudar essa ideia de que eles só vão ganhar dinheiro com as drogas, e quando estão na escola eles não estão neste mundo tão perigoso. Mas nem todos estudam, segundo o levantamento feito pelo Todos Pela Educação, com base nos resultados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad), o Brasil possui 2.486.245 crianças e adolescentes de 4 e 17 anos fora da escola, segundo o G1, a lista de causas é muito ampla e abrange desde fatores externos, como o uso de drogas, até questões ainda não resolvidas, como a qualidade do ensino.

A educação no Brasil não é boa, existem jovens que não fazem parte desta instituição, o ensino em escolas públicas não é de mesma qualidade das escolas particulares. Não sei bem dizer se a escola melhorou ou piorou, em uma parte melhorou, pois agora já não são mais permitidos castigos físicos e psicológicos só porque a criança não foi bem na prova ou desrespeitou alguma regra, já vendo de outro modo, continua bem parecida, alunos sentados, anotando e colaborando com o seu orientador que está de pé na frente de todos, uma coisa monótona e cotidiana. Eu percebo que em uma parte da carreira acadêmica o aluno começa a perder o interesse em certas matérias, pois sabe que para a carreira que gostaria de seguir ela não vai ser muito útil, eu acho que uma mudança que poderia ocorrer na educação do Brasil seria reduzir as aulas de certas matérias que você não vai usar muito em sua profissão e aumentar as mais importantes para a mesma, além de que todos deveriam ter o mesmo nível de qualidade e oportunidade nos estudos. A escola é muito importante para o seu crescimento, porém eu acredito na frase "A escola mata os artistas", eu interpreto esta frase como se a escola tirasse uma parte da criatividade de seus alunos, os fazendo acreditar que só existe uma solução para tudo. Nas provas só existe uma resposta correta, já na sociedade, existem outras respostas, outros modos de se ver e arrumar as coisas. Como Einstein dizia, "Se você julgar um peixe pela sua capacidade de subir em uma árvore, ele vai gastar toda sua vida acreditando que ele é estúpido", ou seja, você pode ser bom em exatas, mas te julgam pois você não vai tão bem em humanas, então você vai passar o resto da vida acreditando que você é estúpido, burro, achar que não tem talento, que é ruim em tudo.


Antonio Amazonas Cabral Ardito AntonioIsabela Amazonas Cabral 9A As escolas surgiram e foram se aprimorando de acordo com as necessidades da sociedade de cada época. Foram se apresentando desde trocas de experiências entre os mais sábios e os aprendizes, às conversas filosóficas dos primórdios da cidadania, à educação religiosa, à profissionalizante, chegando na contemporaneidade, como uma mescla desses diferentes estágios. De acordo com uma pesquisa de Harvard, o principal determinante para uma vida bem sucedida é autocontrole e a saúde emocional. Considerando que o significado de “escola”, segundo o dicionário Infopédia, é uma instituição que tem o encargo de educar. E a palavra “educação” tem como objetivo dar todos os cuidados (a alguém) para pleno desenvolvimento da personalidade, segundo o dicionário Michaellis. Então, a escola deveria ser a responsável por auxiliar os alunos para reconhecer e desenvolver suas melhores potencialidades. Mas na realidade as escolas não disponibilizam meios para que isso aconteça. Ao invés disso, os alunos passam aproximadamente 5 horas por dia na escola, o equivalente a 900 horas por ano. Se contássemos do 1º ano do Ensino Fundamental até a 3ª série do Ensino Médio, somariam 10.800 horas na escola. Para no final de todo esse percurso o aluno sair despreparado para a vida adulta, já que na escola ele não foi devidamente ensinado sobre assuntos que serão utilizados no dia a dia, e sim assuntos distantes do cotidiano. Como se não bastasse a quantidade de assuntos que muitas vezes só serão estudados para serem testados em uma prova que julgará a inteligência do aluno, as escolas ainda passam inúmeros trabalhos e deveres de casa. Ou seja, no momento em que os jovens deveriam se concentrar em seu bem-estar, acabam fazendo os deveres. Um estudo realizado por pesquisadores americanos alerta que estudantes que passam mais de três horas por dia fazendo deveres de casa, embora tenham mais engajamento durante as aulas, apresentaram-se muito mais estressados academicamente, com problemas de saúde e desequilíbrio entre a escola e a vida pessoal.

O que vem se perguntando é: será que as escolas estão atendendo às necessidades da atualidade? “O Brasil ainda tem uma escola do século XIX, professores do século XX e alunos do século XXI”, afirma Mozart Neves Ramos, integrante do Conselho Nacional de Educação. Este dado mostra que claramente a educação no Brasil não conseguiu ficar em sintonia com as exigências da modernidade. Einstein uma vez disse: “Todo mundo é um gênio. Mas se você julgar um peixe pela sua habilidade de subir em árvores, ele viverá o resto de sua vida acreditando que é um idiota.” Cada aluno em uma sala de aula terá sua habilidade única, seu meio de aprender. Se ensinam de um mesmo jeito para todos os alunos, muitas habilidades que poderiam não só beneficiar o próprio aluno, mas também o mundo, podem nunca aparecer. Einstein uma vez disse: “Todo mundo é um gênio. Mas se você julgar um peixe pela sua habilidade de subir em árvores, ele viverá o resto de sua vida acreditando que é um idiota.” Cada aluno em uma sala de aula terá sua habilidade única, seu meio de aprender. Se ensinam de um mesmo jeito para todos os alunos, muitas habilidades que poderiam não só beneficiar o próprio aluno, mas também o mundo, podem nunca aparecer.

A ESCOLA, QUE DEVERIA SER UM ESPAÇO PARA O ALUNO SE SENTIR CONFORTÁVEL PARA SE EXPRESSAR, PUNE OS ALUNOS PELOS ERROS QUE COMETEM EM SEU PROCESSO DE APRENDIZAGEM, REPRESENTANDO O CONHECIMENTO POR UM NÚMERO.


A falta de incentivo da criatividade dos alunos cria gerações com mentes fechadas e que acreditam que só há uma resposta para um problema, já que na prova só será válida uma resposta para a pergunta insinuada. Sem contar que grande parte das escolas no Brasil são matutinas e, segundo um estudo realizado na Universidade de Tubinga, na Alemanha, constata-se que é muito mais difícil para o nosso cérebro realizar atividades de manhã. De acordo com a pesquisa PnadC, feita pelo IBGE, em 2018 quase 4 em cada 10 jovens de 19 anos não concluíram o Ensino Médio, sendo que 55% deles já haviam abandonado a escola no Ensino Fundamental. DESMOTIVAÇÃO É UM DAS CAUSAS PARA A EVASÃO. A Escola em sintonia com as características do século XXI precisa dar oportunidade para o aluno desenvolver seu projeto de vida pessoal e social. Conduzindo o ensino por competências e não por conteúdos. Há Escolas em todo o mundo, inclusive no Brasil, que estão se modernizando. Estão repensando o ensino por projetos e não por séries ou disciplinas. Estão desenvolvendo metodologias de aprendizagem com dinâmicas em que o aluno desenvolve as competências. Respeitam as necessidades fisiológicas, começando as aulas mais tarde e estando atentas ao tempo de concentração para as atividades teóricas. O Brasil está passando por uma remodelação curricular para dar oportunidade dos alunos seguirem trajetos de aprendizado de acordo com seus interesses e necessidades. Já são importantes mudanças. O caminho é criar um novo sistema de ensino aproveitando as experiências bem-sucedidas já conquistadas.

Laura Freeman Não é nenhuma novidade que as escolas, principalmente no Brasil, precisam de uma reforma urgente. Mas também sabemos que a escola é uma instituição que dá base para nossa sociedade. Mas do que adianta fazer os alunos irem à escola e decorarem um monte de matérias sendo que a maioria dos estudantes de classe baixa no Brasil não vão conseguir um bom emprego por diversos motivos da sociedade brasileira? TALVEZ NÃO SEJA SÓ A ESCOLA QUE DEVE MUDAR PARA QUE ISSO MELHORE, MUITAS COISAS NA SOCIEDADE BRASILEIRA PRECISAM MUDAR TAMBÉM. As escolas públicas também precisam de transformações porque muitas vezes, nessas instituições, os professores faltam, não tem aula por qualquer coisa, o ensino é de baixa qualidade, a própria escola é precária e não têm materiais para todos, o que acaba desincentivando os alunos a estudarem. A qualidade de ensino da maioria das escolas públicas no Brasil é muito ruim, um exemplo disso são as crianças que se encontram no 6º ano do Ensino Fundamental e ainda não dominam totalmente a habilidade de ler e escrever. Basicamente todos os atuantes da educação recebem salários extremamente baixos, professores desestimulados que enfrentam muitas dificuldades diárias da realidade escolar, além de pais que não participam da vida escolar dos filhos, entre muitos outros problemas. De acordo com a PNADC (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua) do IBGE, quase quatro (36,5%) em cada dez brasileiros de 19 anos não concluíram o Ensino Médio em 2018, idade considerada ideal para esta etapa de ensino. Entre eles, 62% não frequentam mais a escola e 55% pararam de estudar ainda no Ensino Fundamental. Grande parte desses estudantes que não completaram o Ensino Médio ou Fundamental pararam com seus estudos por questões familiares, como ajudar na renda da casa.


ria deles. Esses alunos não são tão ingênuos para acreditarem que vão conseguir uma vida boa, a vida de seus sonhos, o que desincentiva boa parte deles a estudarem. Há outros agravantes que desincentivam os alunos, como exemplo de que muitos alunos reclamam que a grande maioria dos conteúdos aprendidos obrigatoriamente na sala de aula nunca vão ser usados na vida deles. Também, o que acaba desestimulando os jovens a estudar é que as instituições escolares (públicas principalmente) passam os alunos de ano de qualquer jeito, o que faz os alunos pensarem que não é preciso esforço na escola. Esses jovens desestimulados muitas vezes acabam indo para o tráfico de drogas e para caminhos não bem vistos na sociedade. Bom, escola para quê? Isso de fato é um questionamento muito importante, e ao mesmo tempo muito complicado. Não podemos também dizer que não servem pra nada. As escolas são de extrema importância para a sociedade, são indispensáveis e insubstituíveis para o desenvolvimento das pessoas e também da sociedade. É claro que muitas escolas aqui no Brasil (e em outros lugares também) são tão precárias que alguns estudantes nem aprendem essas coisas básicas, devido à péssima qualidade de ensino, mas nem sempre é assim. É na escola que grande parte dos jovens aprendem uma enorme variedade de conhecimentos, que provavelmente não vão obter em outros lugares. Uma escola preparada deve dar um ensino de qualidade e que respeite as individualidades de cada um. As escolas são decisivas para que os jovens compreendam o mundo em que vivem e para que possam intervir crítica e responsavelmente na vida social.

Luan D. Araujo A escola é como se fosse um lugar para tirar os alunos que têm exposição maior à violência. Mas ocorre uma grande evasão por situação social e dinâmica familiar. Uma pesquisa de 2009 da Fundação Getúlio Vargas mostrou, com base nos dados da Pnad de 2006, que 40,3% dos jovens de 13 a 17 anos tinham abandonado os estudos por falta de interesse. Não é apenas o aluno que tem desinteresse, há uma questão com o professor. Salário baixo e desinteresse dos alunos fazem os professores se cansarem de dar aulas e, assim, há um desequilíbrio na relação entre professor e aluno. Novos dados revelam que 12,9% e 12,7% dos alunos matriculados na 1ª e 2ª série do Ensino Médio evadiram a escola entre os anos de 2014 e 2015 (Censo Escolar). Hoje, o conhecimento se multiplicou, as escolas se expandiram como em nenhuma outra época, mas não estamos formando jovens criadores de ideias, jovens que traçam metas e objetivam cumpri-las, sendo capazes de enfrentar seus obstáculos para alcançá-las. É por isso que os alunos perderam o prazer de aprender, a escola deixou de ser uma aventura agradável, onde não se aprende nada, não faz mais sentido ir à escola. Para quê? Fazer o quê? Para fingir que aprende, só perdendo tempo, é melhor ficar em casa, pois lá você aprende mais através da internet e da TV. Atualmente estão tendo reformas da educação, por exemplo, a reforma do Ensino Médio. A Reforma do Ensino Médio é uma iniciativa do MEC – Ministério da Educação -, com o propósito de organizar a estrutura necessária e melhorar os indicadores desta etapa da educação. As disciplinas necessárias para a conclusão dessa fase do ensino foram divididas em cinco áreas do conhecimento, conforme segue: Linguagens e suas tecnologias; Matemática e suas tecnologias; Ciências da natureza e suas tecnologias; Ciências humanas e sociais aplicadas e; Formação técnica e profissional.


Consideradas como pontos essenciais da capacitação necessária para os jovens, as disciplinas matemática e português serão obrigatórias durante toda a fase. Um dos principais pontos da Reforma do Ensino Médio é a flexibilização da grade curricular, permitindo ao aluno a escolha da área do conhecimento que entende ser sua vocação. O que deveria mudar, em minha opinião, são as matérias tidas como ‘inúteis’, pois não vão agregar nada em seu futuro no mercado de trabalho, deixando que o aluno escolha os tipos de área que ele quer seguir para ter um futuro no mercado de trabalho. No Brasil, em cada dez jovens, quatro não completaram o Ensino Médio (de acordo com o site do G1), pois sabem que se eles chegarem no mercado de trabalho não vão ter chance com uma pessoa de classe alta, de escola privada, resultando em uma desmotivação. De acordo com o IBGE, nos últimos dez anos, o índice dos alunos entre 15 e 17 anos que desistiram da escola passou de 5% para 19% em 2004, e a maioria desses jovens acaba caindo no mundo das drogas e das armas e, levando ao extremo, cometendo crimes.

Rodrigo Falcão A Educação tem uma função extremamente importante em qualquer sociedade na atualidade. Como instituição, ela é uma das principais responsáveis pela função de formar cidadãos. Formar cidadão inclui ensinar as regras que devem ser seguidas em uma sociedade democrática, o respeito e o incentivo a que as pessoas convivam, mesmo quando pensem de diferentes maneiras, desenvolver e atualizar conhecimento para que a sociedade possa evoluir, entre outras coisas. A escola, historicamente, é o lugar onde a educação é transmitida. Embora a família e outras instituições também tenham essa função, a escola representa o lugar onde se ensina. Assim, a escola deve ser valorizada. Ela está presente na vida de praticamente todas as crianças e jovens como espaço para formar pessoas capazes de ter opinião própria de base científica e serve para educar os jovens, tanto em variados conteúdos, como preparar para a vida adulta, com a profissão que o jovem deseja. Segundo o IBGE, 73,5% crianças que estão no ensino básico estudam em escolas públicas. Quando olhamos para os dados dos jovens até 19 anos, idade em que deveriam estar concluindo o ensino médio, dados do IBGE de 2018 mostram que quase 4 de 10 jovens não concluíram o ensino médio. Metade destes abandonaram a escola ainda no ensino fundamental. Em números absolutos, o Brasil possui 2,5 milhões de jovens de 4 a 17 anos fora das escolas, segundo pesquisa “Todos pela Educação”. Estes dados alarmantes mostram problemas sérios nas escolas brasileiras: evasão e reprovação. A evasão pode ter muitas causas e a reprovação seguida de alunos que não conseguem avançar nos estudos, pode ser uma dessas causas. As escolas foram criadas há muito tempo atrás, mas no início elas só eram voltadas para os nobres e, depois, para a elite. A ideia da universalização do ensino surgiu a partir da Revolução Francesa. E, desde aquela época, é uma questão importante, até mesmo no nosso país. Aqui no Brasil, a proposta de universalização do ensino só chegou no século 20, com as escolas públicas.


Mas as escolas públicas não foram a salvaçã o do ensino pois elas tendem a ter diversos problemas. Os mais comuns são falta de materiais necessários para os estudo dos alunos, a falta de professores, a desvalorização deles e a péssima infraestrutura. A falta de materiais acontece principalmente porque o governo não tem dinheiro para comprar os recursos necessários como mesas, cadeiras, computadores, livros e principalmente alimentos (merenda escolar). Segundo o site Campo Grande New, em uma escola do Campo Grande a escola teve que vender produtos para amenizar o problema de falta de merenda em uma de suas escolas municipais. A falta de professores é outro problema sério que existe em muitas escolas no Brasil. Esse problema ocorre principalmente porque o governo paga quantias extremamente baixa para estes profissionais, deixando-os desmotivados de trabalharem nos seu respectivos empregos. E por fim, é preciso falar da péssima infraestrutura das escolas. O investimento do governo é baixo, os recursos são cortados ano após ano e, mesmo quando o governo promete grandes projetos para as escolas, estes não chegam ao final, muitas vezes ficando no projeto. Diante da importância das escolas para a educação de crianças e jovens, porque elas são o instrumento para a formação de cidadãos e para que estes jovens consigam uma profissão e um lugar melhor na sociedade, é preciso valorizar as escolas. No Brasil, elas tendem a ter vários problemas, mas as escolas não podem ser desacreditadas pois elas são de extrema importância na sociedade como ferramenta de ensino da educação.

Sophia Farias A escola é algo central em um país como o Brasil. Diante de desemprego, violência, saúde precária, fome e desigualdade social, a sociedade depende da educação para uma formação tanto profissional como pessoal dos cidadãos. A escolaridade nos permite entrar em contato com algo que a sociedade construiu, que não temos acesso através da internet, como a filosofia; biologia e química. Porém, de acordo com a definição de escola o termo também abrange outros conteúdos, sendo a “instituição que fornece o processo de ensino para discentes (alunos), com o objetivo de formar e desenvolver cada indivíduo em seus aspectos cultural, social e cognitivo.” Contando com essa definição, a escola funciona? A partir de reflexões e leituras, acredito que essas instituições de ensino funcionam somente para uma parte da população, com a maioria tendo melhor estabilidade financeira e, consequentemente, mais oportunidades em sua vida, como a de estudar em melhores escolas. De acordo com dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), 23% dos jovens de 15 a 29 anos não estudam. ‘Entre eles, 41,3% disseram que o motivo era a falta de interesse. E entre os jovens de 15 a 25 anos de idade, 75,6% disseram que o motivo de não estudarem era trabalho ou estarem a procura de emprego. A partir da Pnad Contínua (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua), 73,5% dos jovens que estudam frequentam escolas públicas, enquanto 26,5% frequentam as privadas. Infelizmente, as instituições públicas no Brasil têm a qualidade de ensino inferior à de privadas. De acordo com o MEC (Ministério da Educação), considerando 10% das escolas com maiores notas do ENEM 2017, 82% são de escolas privadas, e 18% de escolas públicas. Outros dados mostram que entre 10% das escolas com menores notas, todas são públicas. Mas por que essa diferença ocorre? Segundo o site “Emiliano Zapata”, de uma forma geral, as escolas públicas no nosso país “possuem suas salas lotadas, poucos recursos de infraestrutura, e algumas têm problemas de falta de professores”.


Sobre esses professores de instituições públicas, uma pesquisa realizada pelo Ibope (Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística) diz que 48% afirmam que não recomendariam a própria profissão para outra pessoa, pela desvalorização da carreira e má remuneração. Além disso, o site “Gestão Escolar” diz que a partir de levantamentos do Iede (Interdisciplinaridade e Evidências no Debate Educacional), mais de 60% dos diretores das escolas públicas enfrentaram problemas com falta de livros didáticos para seus alunos em 2017. De acordo com os alunos, “a insuficiência de recursos financeiros e a indisciplina foram apontados (...) como fatores que mais dificultaram o funcionamento das escolas”. Nas salas de aula, 51,8% dos professores de 5º ano não conseguiram cumprir o conteúdo programado para o ano; 61% dos professores de 9º ano não conseguiram cumprir o conteúdo programado para o ano; e 59,6% dos professores de 3º ano do Ensino Médio não cumpriram o conteúdo programado. A partir do site “FIA”, em 2017 o IBGE realizou uma pesquisa onde foi identificado que no Brasil ainda existem 11,8 milhões de analfabetos, colocando nosso país na oitava posição com maior número de analfabetos. Foi descoberto que no Ensino Médio, a situação atual dos estudantes é a pior comparada as outras etapas da educação. Então, o MEC tomou a iniciativa de organizar uma “Reforma do Ensino Médio”, com a intenção de “organizar a estrutura necessária e melhorar os indicadores desta etapa da educação”. O site diz que a reforma busca tornar o currículo mais atraente e aderente aos alunos, e que “é uma medida de extrema importância, para tornar o processo atrativo para os jovens, não somente no ingresso, mas na retenção até a conclusão dessa etapa da educação”. Os dois principais objetivos da reforma são: o combate à evasão ou abandono escolar e a melhora da qualidade do ensino. Concluindo, as instituições de ensino como as privadas têm melhores resultados, assim como seus alunos (como no colégio Santa Cruz, que tem avaliações no Google como “bons professores e infraestrutura”, e “melhor colégio do mundo, ensina tudo mas de um jeito divertido”). Podemos retomar que o conceito de escola diz que ela forma e desenvolve cada indivíduo em seus diferentes aspectos, porém é muito difícil atingir os objetivos dessa definição, diante dos problemas na educação que enfrentamos no Brasil. Ou seja, a escola “funciona” para uma parte da população.


ARTIGOS DE OPINIÃO


Antonio Amazonas Cabral AnaAmazonas Clara Asprino Antonio Cabral 9A

A JUVENTUDE NA CULTURA A juventude “ganhou” uma representação cultural apenas no século XX, que foi o período que deu início à expressão “teenagers”. O termo foi criado para definir a categoria de jovens com idades entre 14 e 18 anos nos Estados Unidos. Esse termo também tem uma forte relação com a Segunda Guerra Mundial, porque após a guerra os Estados Unidos promoveram uma jogada de “marketing”, os “teenagers”, que era a imagem do jovem como consumidor. Em 1985, a ONU estabeleceu o Ano Internacional da Juventude e o mundo passou a ter um outro olhar para os jovens em si, que passaram a ser reconhecidos como cidadãos com direitos sociais próprios da juventude. Atualmente, os jovens, em meio ao sistema capitalista, ainda são conhecidos pela imagem de consumidores. Ao longo do tempo, o jovem veio ganhando novas representações em matéria de arte e cultura, mas o jovem não é apenas um consumidor da cultura. Os jovens criam sua própria cultura como meio de se expressar na sociedade. Podemos encontrar exemplos na música, fotografia, artes plásticas, cinema, teatro, grafite, danças (hip-hop, roda de samba, capoeira, rock, funk…), desenhos animados, fanzines etc. Além disso, a juventude tem tido um grande papel nas novas tecnologias de comunicação, como: instagram, youtube, twitter e snapchat. Essas tecnologias têm de certa forma contribuído para a disseminação da cultura jovem. Essas possibilidades trazidas pela tecnologia permitem que os jovens cumpram seu dever como cidadãos, expressando seu ponto de vista crítico sobre a sociedade. A desigualdade nas classes sociais afeta muito a participação do jovem na arte e na cultura. O jovem que, por razões sociais ou econômicas, não tem acesso aos vários tipos de manifestações culturais, muitas vezes acaba pulando essa fase da vida, com grandes prejuízos.

No caso do acesso ao mundo digital, esses jovens ficam excluídos dos debates e assuntos de interesses juvenis. Essa indisponibilidade ao material não só digital, mas também a outros tipos de material cultural, acaba se ligando a fatores muito importantes, como o jovem sendo levado ao crime, ao uso de drogas, violência, entre outros. Com esses dados, podemos concluir que o papel do jovem na cultura e na arte em geral é de muita importância para toda a sociedade.


Antonio Amazonas Cabral Anouk Yahn Antonio Amazonas Cabral 9A

Juventude e violência Atualmente a violência é um dos problemas mais presentes no cotidiano dos brasileiros, principalmente no período da juventude. Temos os jovens como grandes atuantes no meio da violência, tanto como vítima quanto como agressor. De acordo com dados da Unicef, 16 crianças e adolescentes brasileiros morrem por dia sendo vítimas de homicídios. Entre eles, jovens de 15 a 18 anos representam 86,35% dessas vítimas. Por quem eles são mortos? E por quê? No período de um ano, foi constatado que a população jovem negra é alvo de homicídio três vezes mais do que a população branca. Tais mortes nos mostram que a realidade em que vivemos reflete em estarmos sujeitos a esse tipo de violência, e diante disso podemos ver o quanto as desigualdades, social e racial, influenciam na vida dos jovens de hoje em dia. O BRASIL É CONSIDERADO UM DOS PAÍSES QUE MAIS MATA POR QUESTÕES RACIAIS, PRINCIPALMENTE PELO RACISMO ESTRUTURAL. O racismo estrutural, infelizmente, é tão evidente que quase não carece de exemplos maiores, mas, de qualquer forma, para clarividência, temos como exemplo a porcentagem de homens negros e homens brancos na população carcerária, o índice de educação da população negra, entre outros serviços básicos em que vemos a qualidade do fornecimento evidentemente desigual para a população negra e para a população branca. Em virtude dos fatos mencionados, temos em vista a presença da desigualdade racial na juventude e como, principalmente nos dias de hoje, isso tem os afetado. Movimentos vêm sendo feitos, programas de reinserção social criados, a população negra vem se manifestando, e, mesmo com pequenos avanços, temos muito o que evoluir quanto a isso. Como dito no poema Preto no Branco, escrito por Cristiane Sobral, devemos "desafiar o mito da democracia racial / Preto no branco / ocupar páginas em branco / com palavras negras / para refletir a nossa luz".

Alice crisci

Espaços das juventudes Segundo o censo de 2010, o estado de São Paulo tinha 41.252.160 habitantes. Desse número, 6.941.596 eram jovens. Eles têm uma grande necessidade de ocupar a cidade, então, para observar isso temos que pensar em espaços públicos legítimos ou criados pelos próprios jovens a partir da necessidade de mais espaços legítimos na capital. Com uma população tão grande de jovens, a cidade tem que ter muitos espaços culturais para ajudar na formação deles. Segundo o Governo do Estado de São Paulo, há cerca de 4497 espaços culturais no estado. Na cidade de São Paulo temos cerca de 235, sendo que 221 estão localizados nas regiões norte e oeste, que tem uma renda média de 2174,75 reais e cerca de 888.623 habitantes. Na parte sul e sudeste da cidade, temos só cinquenta e oito espaços culturais e aproximadamente 2.272.079 com renda média de 1.125 reais. A partir desses dados, podemos ver que os jovens não estão com falta de espaços para pensar, refletir, criar, aprender e se expressar na cidade, ou pelo menos nem todos, pois a população com uma fonte de renda mais alta tem acesso a muitos desses espaços culturais e públicos, mas para a população com renda mais baixa há mais dificuldade de acessar esses espaços. A juventude que mora nas zonas sul e sudeste da capital do estado de São Paulo também tem a desvantagem de ter acesso ao centro da cidade mais restrito, em relação aos transportes públicos. A prefeitura tem vários espaços culturais que os jovens podem frequentar, mas existem menos desses espaços na periferia do que deveriam, então, sim, há espaços legítimos das juventudes na cidade, só que alguns não são de fácil acesso a todos.


Antonio Amazonas Cabral Beatriz Ramos Antonio Amazonas Cabral 9A

A gravidez nas juventudes O conceito de juventude remete a um período da vida humana, no qual o indivíduo passa pela puberdade e atinge a idade adulta. O termo revela heterogeneidade social e cultural, uma vez que esse marco se diferencia nas experiências de cada um e no contexto e condição de vida que cada jovem encara. Tal período é concretamente definido como o momento do ciclo de vida que se inicia aos quinze anos e termina aos vinte e nove, atualmente representado por um quarto da população brasileira, o que equivale a 51,3 milhões de jovens vivendo no país.

Entre os vários aspectos que afetam os jovens está a gravidez precoce. Há uma alta taxa de natalidade entre os mesmos, principalmente aqueles de baixa condição financeira e escolaridade, e poucas perspectivas intelectuais, sociais e profissionais. Além do que, a maioria das mães é negra e vive nas regiões economicamente menos desenvolvidas do país, ou seja, os índices apontam desigualdade social.

Organização Mundial da Saúde, o Brasil tem 68,4 bebês nascidos de mães adolescentes a cada mil meninas de quinze a vinte e nove anos. Esse índice está acima da média latino-americana, estimada em 65,5. Há uma menina de dez a quatorze anos que se torna mãe a cada vinte e um minutos. Dados do IBGE também apontam que, em 2014, de cada mil jovens, 60,5 tinham pelo menos um filho, o que equivale a 17,4% da taxa de fecundidade total. Além disso, a cada cinco partos realizados, um é em uma mãe adolescente. A gravidez precoce desencadeia problemas emocionais, físicos e sociais. Embora haja preparação sexual, e o organismo de uma menina adolescente já esteja pronto para uma gestação, não há maturidade e estabilidade emocional perante a todas as transformações que o corpo da jovem vai sofrer, e a responsabilidade de criar e sustentar uma criança. O peso se torna ainda maior, tendo em vista que, por conta do período da adolescência e também de outros fatores, os rapazes muitas vezes abandonam a relação e os filhos, gerando um aumento no número de crianças sem registro ou presença paterna. Dados do Conselho Nacional de Justiça mostram que o Brasil é um país com quase seis milhões de crianças sem registro paterno.

Além dos riscos para a mãe e para o bebê, e conflitos psicológicos e familiares que as jovens precisarão enfrentar, é visto que há uma grande tendência de abandono aos estudos, e mais tarde, dificuldades de inserção no mercado de trabalho. A gravidez precoce é uma das principais causas de evasão escolar. Um estudo da Fundação Abrinq revelou que aproximadamente 30% das mães adolescentes, com até dezenove anos, não concluíram o Ensino Fundamental, ou seja, estudaram menos de sete anos. É durante a adolescência que boa parte do futuro começa a ser pensada e posta em prática, e com o nascimento de uma criança muitas responsabilidades e desafios surgem, mudando as prioridades da mãe adolescente, que acaba precisando abrir mão e sacrificar justamente aquilo que poderia dar um futuro melhor à sua família. Dessa forma, a gravidez precoce é um fator que propaga a pobreza para a geração seguinte, tendo em vista que a jovem provavelmente não se forma, consequentemente não tem acesso a bons postos de trabalho e, assim, está propensa a construir uma família que também enfrentará baixas condições financeiras.


Antonio Amazonas Cabral A gravidez precoce potencializa o risco de bebês prematuros e de baixo peso, e diminui conforme aumenta a escolaridade das jovens. Tem prevalência em famílias de baixa renda, é maior em áreas rurais e, nas cidades, ocorre mais nas periferias. Também é possível perceber que a maioria dos casos se deve à desestruturação familiar. Contam igualmente o histórico de gravidez adolescente na família, sendo que, em 66% dos casos, as jovens vivenciam a mesma situação vivida por suas mães e avós, e falhas na orientação sobre sexualidade. Dessa forma, conclui-se que o país precisa investir em políticas públicas impactantes para que os índices sejam reduzidos. Entre ações que podem ter um impacto positivo estão o fortalecimento da educação integral em sexualidade, a inclusão dos homens nas ações preventivas, a ampliação de serviços de saúde sexual e reprodutiva nos países e a legalização do aborto, seguro e gratuito. Tal medida poderia garantir a redução da evasão escolar, o acesso das jovens ao estudo e trabalho e a diminuição de mulheres mortas pelo procedimento realizado incorretamente em abortos clandestino

Beatriz Polak

A violência doméstica sofrida por jovens Os jovens são aproximadamente 25% (censo de 2010) da população brasileira. Eles são caracterizados principalmente por faixa etária, mas também é uma construção social e cultural, uma fase marcada por mudanças psicológicas e fisiológicas, tais quais como quando o corpo abandona a infância, amadurece e recebe a idade adulta. Não podemos esquecer que isso é definição geral, pois, hoje em dia, existem diferentes tipos de juventudes. Por ser uma fase de um significativo ganho de autoconhecimento, descobrimento e transformações, os jovens estão extremamente expostos a diversos tipos de violência.

Além disso, é a parte da vida em que perdemos a proteção absoluta de nossos pais e começamos a criar nossas individualidades e métodos de proteção. Mas enquanto não estamos completamente preparados para nos proteger, estamos vulneráveis a sofrer violências, desde a criminal até a doméstica.

A violência doméstica é classificada como uma violência que ocorre dentro de casa, entre pessoas que se conhecem. Essas agressões se encontram em diversos tipos de relação, como a de um casal e entre pais e filhos, e podem se expressar através de abusos psicológicos (como chantagem emocional), físicos e sexuais. Em 2015, a cada sete minutos uma mulher sofria algum abuso de violência doméstica no Brasil, e 70% tem chance de sofrer alguma vez na vida.

Em especial, dentro das agressões domésticas, há a violência sexual, particularmente feita contra os jovens. Entre crianças de 1 a 5 anos, a quantidade dos que sofrem abusos sexuais dentro de casa é de 51,2%; já entre pré-adolescentes de 10 a 14 anos, a chance aumenta para 67,8%. Além disso, também há o recorte de gênero. Entre os adolescentes, as meninas são as que mais sofrem, sendo 92,4% dos alvos da violência. O meio mais comum de abusar sexualmente crianças e adolescentes é o estupro, quando há uma relação sexual sem consentimento de uma das partes. Cerca de quatro meninas (menores) são estupradas por hora no Brasil. Isso equivale a aproximadamente um estupro a cada 15 minutos. Além disso, 33,7% dos casos não são esporádicos, ou seja, ocorrem com certa periodicidade. Aproximadamente três quartos dos agressores são conhecidos da vítima, como pais, padrastos, avôs, vizinhos e etc. O número de casos começa a crescer principalmente a partir dos sete anos de idade e atinge o seu pico aos treze. Segundo os dados do Ministério da Justiça sobre vítimas de violência doméstica no Brasil de 2013, estimam que menos de 10% das vítimas de violência sexual notificam a polícia. Segundo os especialistas, o principal meio para diminuir os casos seria ter uma educação sexual na escola e um canal para denúncias que fosse acessível a todos e todas.


Antonio Amazonas Cabral IssaCabral 9A Antonio Beatriz Amazonas

Aborto, legal ou ilegal? De acordo com uma pesquisa feita pelo PNAD Contínua (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua) em 2018, a população jovem (até 24 anos) feminina representa 17,5% da população total. É esse o grupo de pessoas que sofre com a ilegalidade do aborto. Consideramos juventude o período dos 15 aos 29 anos da vida do ser humano compreendido entre a infância e o desenvolvimento pleno de seu organismo. Agora pensamos: se uma menina de 16 anos engravidar, ela terá que arranjar um modo de cuidar de si (futuramente do seu filho também), lidar com a infelicidade de seus familiares e amigos, abandonar a escola e nunca se sabe se o pai da criança será presente e ajudará na criação da criança. Nem sempre as coisas são difíceis assim, porém, a vida sempre é mais fácil para quem está inserido na classe média alta. Caso ocorra do bebê não ser bem-vindo, só quem tem dinheiro consegue bancar o aborto de forma segura. Um representante do Ministério da Saúde relatou em entrevista para o site do Conselho Federal de Enfermagem, o COFEN, que uma mulher morre a cada dois dias por aborto inseguro, realizado clandestinamente por pessoas despreparadas, que não possuem formação e em locais sem higiene. Pela ilegalidade do aborto, quando uma mulher não quer ter o seu filho, ela realiza métodos inseguros para retirada do feto, prejudicando, além da sua saúde, o seu emocional. Já houveram várias manifestações e protestos no Brasil para que o aborto seja legalizado. O maior passo que nossa sociedade deu nesse quesito foi legalizar apenas em casos de estupros, risco na saúde da mãe ou anencefalia. Se o aborto for realizado por motivos que não se encaixam nesses parâmetros, a mulher pode pegar de 1 a 3 anos de cadeia e quem realizar a operação e quem levar a gestante a abortar pode pegar de 3 a 10 anos de pena, segundo os artigos 124 a 127 do Código Penal.

Vários países Europeus como Reino Unido, Noruega, Espanha, Polônia e Alemanha já legalizaram o aborto até 12 semanas de gravidez. Isso nos leva a pensar do porquê o Brasil ainda não. Nosso país deveria esquecer as questões morais, religiosas e étnicas e deixar a gestante escolher o que quer fazer com sua vida. É melhor mais um bebê vir ao mundo, correr o risco de ser abandonado nas ruas ou em um abrigo (que já estão lotados, com cerca de 47 mil crianças, segundo “O Globo”) ou privar a criança dessa vida (que pode ser bem difícil) apenas aprovando a lei do aborto?! Alto número de mortes entre as gestantes que abortam, gravidez de risco entre jovens, dificuldade em bancar os custos com a nova vida que virá ao mundo, essas são apenas algumas das dificuldades e preocupações que as mulheres grávidas poderiam parar de passar caso o aborto seja legalizado. AS MULHERES MERECEM TER O DIREITO DE VIVER A VIDA DELAS DO JEITO QUE ELAS QUISEREM, ESCOLHENDO SE TERÃO UM FILHO OU NÃO. LEGALIZAR O ABORTO NÃO É SÓ PARA “AJUDAR” A MÃE, MAS TAMBÉM A CRIANÇA QUE NÃO MERECE SER INDESEJADA, MAL AMADA E MAL TRATADA.


Antonio Amazonas Cabral Beatriz Delfim Antonio Amazonas Cabral 9A

Juventudes e o movimento estudantil no Brasil No início de 2019, o contingenciamento do orçamento do Ministério da Educação provocou uma série de protestos no Brasil e mostrou a força do movimento estudantil no país. Na época, milhares de estudantes, ao lado de professores e servidores, foram às ruas e chamaram a atenção da sociedade para as controversas decisões do atual governo em relação à educação pública. Embora o presidente Jair Bolsonaro tenha chamado os manifestantes de “idiotas úteis”, o Ministro da Educação, Abraham Weintraub, precisou prestar esclarecimentos aos deputados federais no plenário da Câmara dos Deputados sobre as descabidas decisões da pasta. Entretanto, não é de hoje que o movimento estudantil atua como personagem importante nos acontecimentos políticos do Brasil. Os estudantes, de forma geral, começaram a se organizar no país no início do século XX, com o aumento do número de escolas. A partir da Revolução de 1930, eles se dividiram em quatro vertentes: juventude comunista, juventude integralista, Federação Vermelha dos Estudantes e União Democrática Estudantil. Com a criação da UNE (União Nacional dos Estudantes), em 1937, o movimento ganhou impulso e uma de suas primeiras lutas foi protestar contra o nazi-fascismo e o apoio do presidente Getúlio Vargas aos países do Eixo. Outro momento relevante da atuação do movimento estudantil ocorreu durante a ditadura militar (1964-1985). É importante observar que, no final da década de 1950, o ensino superior no país começou a crescer, com a criação de universidades e faculdades. Muitos jovens de classe média se tornaram universitários a partir daquela época e vivenciaram ali um ambiente simpático às ideias de esquerda. Quando o golpe de 1964 estourou, muitas lideranças estudantis foram contra o novo regime e acabaram sendo perseguidas pelos militares.

Algumas manifestações aconteceram nos anos 1960, mas o movimento estudantil foi desarticulado pelo governo no final daquela década, perdendo sua força e prestígio. Na época, muitos estudantes entraram para a luta armada com o objetivo de derrubar o governo, mas não obtiveram sucesso. O movimento estudantil participou da campanha “Diretas Já”, em 1984, mas depois passou um longo período adormecido. Em 1992, ele renasceu por um breve momento quando os estudantes foram às ruas contra o presidente Fernando Collor de Mello, que foi deposto naquele ano. A partir dos anos 2000, os estudantes tomaram frente em uma série de pautas a favor da educação. Uma das mais significativas foi a aprovação do Plano Nacional de Educação, em 2014, que garantiu 10% do PIB para o setor. Além disso, 75% dos royalties do petróleo e 50% do Fundo Social do Pré-Sal acabaram sendo revertidos para educação. Vale lembrar também das paralisações contra o fechamento de escolas no estado de São Paulo, em 2015, quando alunos ocuparam unidades de ensino e ruas. Assim, conseguiram que o governo suspendesse a medida e demitisse o secretário de Educação. Nos últimos anos, a pauta do movimento estudantil vem se diversificando. No caso, além da educação, ela abraça temas como feminismo, cotas e meio ambiente. Mas, diante dos descalabros do atual governo, não tem jeito: todos estão unidos a favor do direito de estudar em uma escola pública de qualidade. Vida longa ao movimento estudantil!


Antonio Amazonas Cabral Bento GilCabral 9A Antonio Amazonas

Juventudes e espaço Os jovens no Brasil não têm muitos espaços destinados especialmente a eles. A maioria desses espaços públicos também é visado aos jovens, mas se for reparar, não existe lugar destinado inteiramente aos jovens. Tem os parques, as praças, que são lugares para todos. Acredito que os jovens poderiam ajudar na criação e construção desses espaços, com a ajuda do estado lógico, pois eles são os que mais sabe o que querem. Os lugares da cidade que são mais ocupados por eles são as ruas, onde eles criam seu espaço, onde também fazem batalhas de rima, andam de skate, e muitas vezes, acabam se rendendo às drogas, o que é outro assunto.

Carmen Martin Lima

A juventude de São Paulo Na cidade de São Paulo há uma diversidade enorme de grupos sociais e de espaços. Apesar da imensa diversidade de ofertas de lazer e entretenimento, isto não significa que todas as classes sociais estão usufruindo dessa riqueza. Na cidade há 3 milhões de jovens segundo o site da Rede Brasil Atual. Adultos, como provavelmente seus pais, avós e até mesmo os influencers, que muitas vezes são os jovens mesmo, têm a visão de dois lados da juventude. Uma é que a palavra jovem é o verdadeiro significado de rebeldia, violência, irresponsabilidade e todos querem ser eternamente jovens, a vontade, curiosidade de viver e a energia de fazer as coisas.

Vou citar um exemplo de um jovem que gosta de futebol ou basquete. Esses que muitas vezes não tem dinheiro para pagar um título milionário de um clube, ou entrar em algum curso pago. Não têm quase nenhum espaço para jogar e se divertir, existe uma ou outra quadra, em parques geralmente, que possui uma péssima condição, às vezes não tem nem gol. E mesmo assim, ficam completamente lotadas. Nessa idade, é muito importante fazer atividades físicas; no Brasil, 4 a cada 5 jovens são sedentários, um número que assusta.

A maior preocupação nesses dias de hoje é a educação, isso sem dúvidas segundo o governo de São Paulo, porém está claro que não é aplicada para todas as classes sociais. Em São Paulo, de acordo com o estudo pela Fundação S para o Fórum SP século 21, promovido pela Assembleia Legislativa do estado, 44,3% dos jovens de 18 a 24 anos fora da escola nem sequer completaram os oitos anos de escolaridade obrigatória. Segundo a educadora Vera Masagão Ribeiro, na cidade de São Paulo o problema maior está na educação básica, na escolaridade do jovem, pois em enorme maioria é uma rotina constante de saída antecipada escolar diretamente ao trabalho, porém o trabalho em grande maioria também exige habilidades que estão ligadas ao básico.

A falta desses espaços pode contribuir para o número grande de depressão por parte dos jovens, por exemplo. Acredito que a mais frequente convivência com os mesmos, pode ajudar nesses casos, segundo o site “saúde abril”, subiu em 37% o número de casos de depressão entre jovens, e os sintomas depressivos, muitas vezes influenciam no maior consumo de drogas.

Mas também segundo dados do IBGE, a demanda do ensino médio está aumentando, o índice dos jovens que estudam 11 ou mais anos passou de 23,2% para 36,1%, isto porque as estatísticas indicam uma melhora no desempenho dos alunos no ensino fundamental entre 94 e 98, a aprovação aumentou de 77% para 93,4%, e a evasão caiu de 8,9% para 4,6%, assim aumentando o número de estudantes em condições de avançar.

No geral, quase não existem lugares realmente visados aos jovens, sem ser as próprias escolas, e segundo o G1, no Brasil, os jovens representam ¼ da população.

Acho que existem lugares bons sim, mesmo não sendo destinados só aos jovens, como os parques de São Paulo que são lindos, as praças públicas nas ruas, mas em geral, são poucos.


Antonio Amazonas Cabral A conclusão feita após estes dados é que:\será mesmo que são os jovens que representam o problema de uma evoluçãona cidade, de um estudo avançado e evoluído ou será que são as estruturas e a falta de comprometimento do estado na educação que tarda isto de ocorrer?

Diogo Ferreira A definição da palavra juventude do site “Queconceito” é: “A juventude é o período de vida que normalmente ocorre entre a infância e a idade adulta. De acordo com as disposições estabelecidas pelas agências das Nações Unidas agências a juventude acontece entre 15 e 25 anos, sendo, portanto, uma das etapas mais importantes da vida, momento de definir a pessoa, seus interesses, seus projetos e suas relações com o mundo ao seu redor”. E de acordo com a UNESCO(2004): “É uma construção histórica e social e não meramente uma condição etária”. “A definição, de caráter biopsicológico, devem se agregar outras dimensões de análise que ressaltem a heterogeneidade presente na vivência da juventude de acordo com variados contextos e circunstâncias.” “as experiências, representações e significados que definem a juventude não são únicos”.

QUANTOS SÃO OS JOVENS NO BRASIL? CINQUENTA E UM MILHÕES DE HABITANTES SÃO JOVENS. Há espaços legítimos das juventudes em São Paulo? “O shopping não consegue oferecer o que uma praça e/ou um parque bem organizado podem proporcionar”. Como está sendo dito no jornal “Hoje em dia”. Concordamos com o jornal pois um parque é um espaço público, onde jovens de diferentes classes sociais podem socializar-se. O shopping acaba barrando pessoas, como em uma notícia do site da G1 que diz: “Shopping barra jovens desacompanhados em BH para evitar “rolezinho””. Por isso, podemos discordar que o shopping é um espaço legítimos para as juventudes.

odemos discordar que o shopping é um espaço legítimos para as juventudes. Um parque é um espaço legítimo para as juventudes pelo fato dele ser público, e portanto ele consegue fazer com que todas as juventudes irem nele. “É um lugar para as juventudes praticarem esportes, conhecimento, expressarem cultura, além de propiciar e permitir a inclusão social, sobretudo com pessoas com deficiência”, como está sendo dito no jornal “Hoje em dia”. O parque da juventude tem várias partes, a parte esportiva tem oito quadras de diferentes esportes, sendo uma delas exclusiva para pessoas com deficiência, então o parque tende a ser um espaço legítimo pois tem esportes, cultura e inclui qualquer classe social por ser público.

Felipe Cury Lopes

Drogas na Adolescência Podemos concordar que hoje em dia as drogas são um grave problema na nossa juventude, que está experimentando essas substâncias cada vez mais cedo, acarretando aos seus usuários problemas físicos e mentais. No Brasil, o panorama mudou completamente nas últimas décadas. Até o início da década de 80, os estudos epidemiológicos não encontravam taxas de consumo alarmantes entre estudantes. No entanto, levantamentos realizados a partir de 1987 pelo Centro Brasileiro de Informações sobre as Drogas Psicotrópicas da Universidade Federal de São Paulo (CEBRID) têm documentado uma tendência ao crescimento do consumo. Estudo realizado em 1997 pelo Núcleo de Estudos e Pesquisas em Atenção ao Uso de Drogas da Universidade Estadual do Rio de Janeiro avaliou 3.139 estudantes da quinta série do primeiro grau à terceira série do segundo grau de escolas públicas, possibilitando comparar as taxas de uso experimental ao longo da vida com as de uso habitual (últimos 30 dias).


O estudo encontrou um consumo ao longo da vida e nos últimos 30 dias, respectivamente, de 77,7% e 19,5% para álcool; 34,9% e 4,6% para tabaco; 9,2% e 2,8% para inalantes; 7,1% e 1,6% para tranquilizantes; 6,3% e 2,0% para maconha; e 1,9% e 0,6% para cocaína. Isso mostra a grande porcentagem dos jovens que usam algum tipo de droga, esses dados nos mostram que nossa juventude brasileira está consumindo muitas drogas e isso trará muitos problemas mais para frente. Esse problema não é somente da juventude brasileira, é um problema global. Outro país que tem dados alarmantes é os Estados Unidos, como mostra uma pesquisa feita entre estudantes estadunidense do Ensino Médio, mostrando que 50% desses jovens consomem álcool pelo menos uma vez por mês. E outro estudo feito entre jovens de 13 a 18 anos mostra os seguintes dados: 12% fumam um maço ou mais por dia, 15% cinco ou mais doses por dia (dos últimos 15 dias eles beberam 3 ou mais dias) e 5% usam regularmente maconha (20 ou mais vezes no último mês). Isso nos mostra que a atração dos jovens pelas drogas é algo muito grande e está cada vez ficando mais preocupante, e esse tema será e é um problema global, pois as drogas de hoje em dia estão cada vez mais fortes, pelo avanço da ciência, e isso fará com que muitas vezes elas sejam mais viciantes e com o tempo seus usuários terão muitos problemas de saúde. Eu acho que devíamos explicar para os jovens o problema de usar drogas ou os incentivar a pelo menos postergar o primeiro uso, pois já estarão com o seu corpo formado e não terão os mesmos danos de prová-las enquanto seu corpo e seu cérebro não estão formados. E explicar o que elas podem fazer no futuro, pois aí eles saberiam os problemas de usá-las, então iriam pensar duas vezes antes de provar, por que teriam noção do que ela fará em seus corpos e, assim, provavelmente não usariam. Para as pessoas que já são viciadas, sugiro um espaço para dependentes químicos que os ajude a largar as drogas. Isso deveria ser feito pelo governo, com médicos bons e pessoas que os incentivem a entrar nesses lugares, e que todos possam ter acesso a essas clínicas sem gastar dinheiro, pois um tratamento desse tipo é muito caro e pessoas de classes mais baixas muitas vezes não tem dinheiro para isso.

Felipe Iannarelli

Juventude e criminalidade Hoje em dia no Brasil temos cerca de 49,9 milhões de jovens, que cerca de 11 milhões não trabalham e nem estudam. A imensa maioria sequer concluiu o ensino fundamental, onde também 12,2%, são filhos de famílias com renda per capita de até um quarto do salário mínimo (segundo o IPEA). No Brasil temos cerca 812.564 presos, que 41,5% (337.126) são provisórios, país 366,5 mil mandados de prisão pendentes de cumprimento, dos quais a grande maioria (94%) de procurados pela Justiça. Juventude é um período da vida em que começa-se a criar hábitos e padrões, começa a buscar aspectos que desejam incorporar a sua realidade pessoal, basicamente quando começa a criar uma identidade própria. Por ser uma fase tão transitória, também é uma fase bem dificil, ainda mais, quando não se tem uma família que tenha condição de sustentar o jovem financeiramente e mentalmente, pelo excesso de trabalho, pela simples ignorância entre outros diversos motivos. Podemos exemplificar, um menino perde seu pai, ainda jovem, por ter entrado no mundo do tráfico ilegal e sua mãe agora tem que trabalhar o dia inteiro para conseguir sustentar os dois, a mãe não consegue mais ficar com o filho, então ele começa a ficar muito mais na rua, onde, junto com a adolescência, a pressão de ter que ajudar sua mãe financeiramente e influenciado pelo querer de “ter poder” (segurar uma arma), passa a seguir nesse ramo tão perigoso. Vemos que o Brasil tem um povo pobre e sem uma estabilidade familiar. Podemos crer que quando esses aspectos se juntam à fase da juventude, temos um resultado de descontrole, que seria a ida desse adolescente para o crime e para o tráfico de drogas.


Antonio Amazonas Cabral

É um trabalho fácil de se conseguir, que faz dinheiro (não em grande quantidade, mas que ajuda) e que dá ostentação e uma certa honra, trazendo as inúmeras prisões feitas pelo descontrolado sistema policial. Podemos pegar como exemplo a fala de um policial em um bairro pobre de São Paulo “ser ladrão aqui é a melhor profissão. […] Todos o respeitam, pois a população admira os esbanjadores, os emergentes, a ostentação e o consumismo.” (apresentado em uma matéria do G1).

Juventude é um período da vida humana que ocorre durante os 15 e 29 anos. Mas, na mídia, todas as pessoas nessa faixa etária são representadas como jovens? Em uma reportagem da Record, de 28 de março de 2014, observamos o título “Menor suspeito de matar garoto por causa de tênis é apreendido em SP”. Em outra reportagem, feita pelo O Globo, encontramos a frase “Menor é apreendido com facas após ferir um aluno em escola na Zona Norte do Rio”.

A partir desses dados, vejo que a melhor forma seria investir em escolas, mas não focadas em dar matéria, mas sim em ensinar arte, pois assim poderíamos começar a criar um povo mais crítico perante o mundo (a arte é a materialização do pensamento), também deixando a escola mais atraente. Trazendo esse meio social que existe na rua para as escolas, onde seriam ensinados a criticar e criar opiniões, que poderiam ser usadas para o combate a esse déficit brasileiro de criminalidade.

Ambas as reportagens usam o termo “menor” ao invés de “jovem”. Termo que é uma abreviação vinda do Código de Menores (CM), a antiga legislação que atuava sobre sobre jovens que haviam cometido algum delito. Com a criação do ECA (Estatuto da Criança e Adolescente) em 1990, o CM deixou de vigorar, mudando a visão sobre direitos dos jovens. O ECA foi pensado para ajudar e proteger os jovens, não apenas para punir aqueles que não seguem as normas. “No Código, havia um caráter discriminatório, que associava a pobreza à ‘delinquência’, encobrindo as reais causas das dificuldades vividas por esse público, a enorme desigualdade de renda e a falta de alternativas de vida” (Ana Silvia Ariza de Souza, PUC-SP). Mas vários veículos de mídia ainda usam o termo menor, como a Record e O Globo, um termo que diferencia os jovens que cometem crimes dos outros, criando mais barreiras para a inclusão desses jovens na sociedade.

Felipe Iannarelli

Todos os jovens, são jovens? Hoje, no Brasil, temos uma realidade muito violenta. De acordo com o G1, em 2017 foram registrados 59.128 mortes por crimes violentos letais e intencionais. Desses, os que mais matam e morrem são os homens, jovens, pobres, de bairros periféricos.

O atlas da violência feito pelo IPEA aponta que “há uma maior probabilidade de ocorrência de homicídios entre os homens mais jovens, em que o pico se dá aos 21 anos de idade. Com efeito, 55,0% dos homicídios de homens acontece no período da juventude, entre 15 e 29 anos” e “75,5% das vítimas de homicídios foram indivíduos negros (definidos aqui como a soma de indivíduos pretos ou pardos, segundo a classificação do IBGE”. Outro dado referente a classe e cor é de que mais da metade dos presos é formado por homens de 18 a 29 anos e 60% deles são negros.

A mídia revela uma visão brasileira em que se naturaliza a violência contra os “menores”. Também traz um olhar muito comum no Brasil, que desumaniza esses jovens e, assim, naturaliza a massiva quantidade de mortos e presos em massa nesta faixa etária de determinada classe e cor. Um aspecto social que parece não ter mudado do século XIX para cá é o olhar para jovens pobres, como sendo menos jovens do que os outros, assim como mostra Ilana Katz na análise do quadro “duas crianças e um pedinte”.

A partir dessa análise, concluo que, no Brasil, a representação dos jovens na mídia é uma questão de classe, em que alguns jovens parecem menos jovens que outros.


Antonio Amazonas Cabral João Montoro Em 2014 51 milhões de brasileiros eram jovens, sendo que a população total era de 204 milhões, de acordo com o censo IBGE. De acordo com o Dicionário Aurélio, juventude é o período entre a infância e o desenvolvimento pleno de seu organismo. A juventude é um período da vida, que muitos querem estar, como crianças que querem crescer rápido e adultos querem voltar a essa época. Grande parte das pessoas veem como uma época com muita alegria e liberdade, podemos ver isso em nosso cotidiano. Em minha opinião a juventude é algo incrível como muitos pensam, e acredito que grande parte dos adolescentes também, por conta das mudanças corporais e psicológicas muitos adolescentes ficam confusos e até tristes, com depressão por exemplo. Outros sofrem e praticam bullying que pode levar a outros problemas mais sérios como a própria depressão, suicídio ou ações violentas como massacres em escolas, que tem sido muito frequentes nos EUA. Um caso recente de bullying no Brasil que se transformou em algum ataque foi o ataque de Suzano que duas crianças que sofriam constantes brincadeiras de mal gosto, pegaram armas e mataram pessoas, entre elas as pessoas que faziam essas “brincadeiras” com eles. As formas de como esses ataques são vistos e tratados tem que ser revista pois como podemos ver a forma que estamos executando não está dando certo, as escolas deveriam apoiar mais as crianças e acompanhar quem sofre bullying, pois a escola é um espaço legítimo para a juventude. Apesar de no Brasil termos muitos jovens, temos poucos espaços legítimos para eles, mas um deles são as escolas, que pelo menos em sua teoria é legítimo, a sua função é educar os jovens, sendo privada ou pública. As duas têm diferenças grandes como a variedade de pessoas em cada uma. Na pública temos uma variação maior de raças por exemplo e de classes sociais, mas a grande maioria é média baixa. Na privada é diferente, temos uma variação menor de pessoas sendo que a maioria são brancos de classe média alta.

. Além dessas variações temos também a diferenças de ´professores já que os melhores estão em escolas privadas por conta do salário mais alto. Eu acho importante a escola pois além da educação também tem uma convivência que é importante para o desenvolvimento das relações sociais de cada um, se alguém não tem essa convivência provavelmente vai ter problemas comunicativos e sociais. O G1 publicou uma matéria dizendo que o Sesi de Belo Horizonte está recebendo inscrições para quem não conseguiu completar os estudos, tem vagas para o ensino fundamental e médio. Esse “passo” é importante pois se não tivermos jovens que estão educados, não teremos sociedade futura além de isso ser importante individualmente para o psicológico de cada um, para que essas pessoas conheçam outras e terminem os seus estudos. Esse ato do Sesi é o começo de uma reformulação importante para que todos tenham terminado a escola e também para que os Brasileiros, especialmente de classe média alta, olhem com outros olhos para quem não terminou seus estudos, já que muitos dizem que são preguiçosos e não se esforçam. Apesar disso tudo ainda falta muito para que haja uma reformulação total de pensamento e atitudes dos mais ricos para ajudar os mais pobres a completar seus estudos.

Joaquim Weis

Gravidez na adolescência A juventude é entendida como sendo a forma imatura de um ser vivo, sendo o período antes da maturidade sexual. Para o ser humano, esta fase refere-se ao período entre a infância e a maturidade, podendo ser aplicada a ambos os sexos e podendo haver variações no período de idade que ocorre, de acordo com a cultura. Nesta fase, grande parte do aprendizado ocorre fora das áreas protegidas do lar e da religião, e a conversa torna-se parte importante do processo. No território brasileiro, a juventude tem alguns "desafios" para superar, como o uso de drogas (lícitas ou ilícitas), acesso a armas e violência, abuso e dentre outras coisas.


Antonio Amazonas Cabral Segundo a Organização Mundial de Saúde, o Brasil tem 68,4 bebês nascidos de mães adolescentes a cada mil meninas de 15 a 19 anos. O índice brasileiro está acima da média latino-americana, estimada em 65,5. No mundo, a média é de 46 nascimentos a cada mil. A gravidez na adolescência causa muita dor e sofrimento, tanto para a mãe quanto para o bebê, há muitos fatores para causar o sofrimento de ambos, mas os principais são: deficiências físicas. Devido ao fato da jovem não estar pronta fisicamente para uma gestação, há maior chance de parto prematuro, rompimento precoce da bolsa e aborto espontâneo. Além disso, há chance de que ocorra diminuição do peso, anemia e alterações no processo de formação de vasos sanguíneos da placenta, podendo resultar no aumento da pressão arterial, também conhecida como pré-eclâmpsia. Outro fator que a gravidez precoce pode causar é a alteração psicológica. Normalmente as meninas que se encontram em uma gestação precoce também não estão preparadas emocionalmente, por isso, pode ocorrer depressão pós-parto ou durante a gravidez, diminuição na autoestima e problemas afetivos entre a mãe e o bebê. Isso faz com que, muitas vezes, essas crianças sejam colocadas para a adoção ou criadas pelos avós, sem qualquer contato maternal. Outra consequência é a dificuldade de entrar no mundo do trabalho. É muito comum que, durante e após a gravidez indesejada, a menina abandone os estudos, pois acredita que podem conciliar as duas coisas, além de sofrer uma imensa pressão da sociedade, e muitas vezes da própria família, em relação ao casamento e pelo fato de estar grávida ainda na adolescência. Não é só a mãe que sofre neste processo, muitas vezes o bebê vai ser o mais afetado, o fato da mãe não estar preparada fisicamente e emocionalmente pode aumentar as chances de parto prematuro, com nascimento do bebê com baixo peso e, até mesmo, risco de alteração no desenvolvimento da criança.

Devido a todas as implicações que a gravidez precoce pode provocar, esta gestação é considerada uma gravidez de alto risco e deve ser acompanhada por um médico para evitar/diminuir o impacto das consequências.

Outro assunto que deve ser tratado para a diminuição da gravidez na adolescência e a prevenção, a distribuição de contraceptivos gratuitamente principalmente nas periferias, a inclusão desse assunto em todas as escolas, que não é um assunto muito discutido. A legalização do aborto no Brasil iria ajudar muitas meninas a escapar da gravidez, mas este não é um assunto que pretende ser posto em prática, agora, pelo menos, pois é um tema muito delicado, que tem muitas relações com a religião, e o Brasil é um país super religioso. A legalização do aborto salvaria muitas vidas, porém não vai ser resolvido tão cedo. Então nossa sociedade tem que aprender a conviver sem isso, encontrando outros modos de prevenção e colocar na cabeça dos jovens que ter filhos nessa idade é uma péssima escolha.

Jorge Santos

Juventude e criminalidade Juventude, também conhecida como idade moça, mocidade, adolescência e juventa, é nomeada pela Wikipédia como sendo o período antes da maturidade sexual. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), existem 51 milhões jovens no Brasil. Um número tão expressivo de pessoas confirma o fato de que as juventudes correspondem a um segmento que precisa de um tratamento específico de políticas públicas direcionadas a eles. Sabemos que os jovens têm abandonado a educação formal encampados de trabalhos mais precários e alimentando o crime organizado. Brasil é o terceiro país com maior número de pessoas presas, atrás dos Estados Unidos e China, segundo Wilson Dias/Agência Brasil. O total de pessoas encarceradas no Brasil chegou a 726.712 em junho de 2016. Em dezembro de 2014 era de 622.202. Houve um crescimento de mais de 104 mil pessoas. Cerca de 40% são presos provisórios, ou seja, ainda não possuem condenação judicial. Mais da metade dessa população é de jovens de 18 a 29 anos e 64% são negros.


Antonio Amazonas Cabral Laura Mateus de Oliveira No Brasil há cerca de 50 milhões de pessoas entre 15 a 29 anos. Desse grupo 11,1 milhões não trabalham e nem estudam, sendo conhecidos com nem nem. A porcentagem de quem não estuda e nem trabalha no Brasil vem aumentando, estando hoje aos 23% de acordo com os dados do IBGE. O fato de não estarem estudando também significa que eles não estão se preparando para o mercado de trabalho, cada vez mais competitivo e exigente. O Plano Nacional de Educação (PNE) está com a meta de que até 2024, 33% das pessoas entre 18 e 24 anos devem estar matriculadas no ensino superior. Em 2017, essa porcentagem foi de 23,2%, e se manteve estável em relação a 2016, segundo a Pnad. Mantendo-se nessa tendência é difícil alcançar a meta. No caso das pessoas pretas e pardas a situação é pior, pois eles representam 64,2% desse grupo, ainda de acordo com a Pnad. Com baixa oportunidade de trabalho, baixo nível de escolaridade, quais seriam suas oportunidades? E qual seria a saída? Muito deles por falta de oportunidade, acabam se envolvendo no mundo da criminalidade, em especial os negros, que também são as maiores vítimas de homicídio. Entre 2007 e 2017, mais de 107 mil jovens entre 10 e 19 anos foram assassinados no Brasil. Para cada sete vítimas, cinco são negras segundo dados da Unicef. Embora os jovens de 15 a 29 anos representam aproximadamente 26% da população do país, sua participação no total de homicídios chega a 60%.

MAS QUEM É O RESPONSÁVEL PELA POLÍTICA PÚBLICA PARA A JUVENTUDE?

Segundo Carla Coelho de Andrade, pesquisadora do IPEA, Brasil avançou muito na última década: “Dentre os avanços, cabe destacar o arranjo institucional criado a partir de 2005 no âmbito do governo federal, que inclui a Secretaria Nacional de Juventude (SNJ), o Conselho Nacional de Juventude (CNJ) e os programas específicos para os jovens, notadamente o Programa Nacional de Inclusão de Jovens (ProJovem), carro-chefe da política nacional de juventude. ” De acordo com essa pesquisadora, fazer um programa de inclusão de jovens vulneráveis foi correto, não apenas para os que estão vulneráveis, mas a política pública tem que ser para todos os jovens no Brasil.

Laura Mateus de Oliveira Juventude: o período da vida compreendido entre a infância e o “desenvolvimento completo” do ser humano. Em 2017, o Brasil tinha em torno de 48,5 milhões de jovens, ou seja, pessoas com idades entre 15 e 29 anos, sendo que 11,1 milhões delas não trabalhavam nem estavam matriculadas em qualquer escola.

O QUE SÃO OS ESPAÇOS LEGÍTIMOS? HÁ ESPAÇOS LEGÍTIMOS PARA OS JOVENS EM SP? ESSES ESPAÇOS SÃO SUFICIENTES? Os espaços legítimos são os espaços pensados especificamente para os jovens. Há alguns espaços pensados para os jovens, como as escolas ou a Fundação Casa, mas os jovens nem sempre gostam ou se sentem à vontade nesses espaços. Lugares como a praça Roosevelt e estações de metrô foram “tomados” pelos jovens para atividades de seu interesse como andar de skate, bicicleta etc. ou fazer batalhas de rima. Lugares como o MASP também são frequentemente utilizados por eles com diversas finalidades. Esses espaços nem sempre são suficientes por isso a juventude vem encontrando novos lugares para ficar e se divertir.


Antonio Amazonas Cabral Shoppings também são muito frequentados, embora parte de seu público jovem tenha começado a frequentar outros lugares que são de maior interesse ou que proporcionam mais facilidade para realização das atividades desejadas que nem sempre se enquadram no espaço de um grande centro de compra. Com a falta de recursos ou até de segurança em lugares públicos os jovens tendem a recorrer a lugares privados, como shoppings, mas, em grande parte dos casos, há um certo preconceito em relação a alguns grupos cujos integrantes aparentam pertencer a uma classe social mais baixa, embora isso não seja explícito, é perceptível em alguns casos. Recentemente, em São Paulo, houve dois casos que reforçam a ideia de que centros como shoppings não são realmente “abertos”. Um dos casos aconteceu no Shopping Higienópolis, cuja administração decidiu impedir a entrada de menores de idade desacompanhados, querendo obviamente impedir que crianças pobres que fossem pedir esmolas no shopping entrassem. O caso saiu na imprensa e houve vários protestos. Outro caso aconteceu no Shopping Iguatemi JK, onde um grupo de crianças, vindas de uma escola pública de Guaratinguetá,que iria ver a exposição feita em homenagem aos 90 anos do personagem Mickey da Disney, foi impedido de entrar por uma responsável pela exposição, que alegou que o shopping era para pessoas “da elite”. O caso também saiu na imprensa, e a funcionária foi demitida.

Como vemos, há espaços abertos para a juventude mas, na maioria dos casos há certas “restrições” em relação aos jovens de classes baixas, ou menos favorecidos financeiramente.

Mariana Casolari

O espaço ocupado pelo movimento estudantil Juventude é o período de tempo em que o indivíduo passa pela infância em direção à vida adulta, em que ocorrem mudanças físicas e psicológicas nos indivíduos. Juventudes está no plural pois não podemos caracterizar, rotular um tipo de juventude, a partir de experiências e impressões comuns pré-determinadas. Os jovens ocupam um quarto da população do Brasil (51,3 milhões de jovens de 15 a 29 anos). 53,5% dos jovens trabalham, 36% estudam e 22,8% trabalham e estudam. Apenas 16,2% dos jovens chegaram ao ensino superior, 46,3% chegaram ao ensino médio e 35,9% tiveram apenas o ensino fundamental. Entre os jovens de 15 a 29 anos, 70% trabalham ou procuram trabalho e apenas 12% ainda estudam. A importância do jovem na sociedade, caracterizado como algo mais do que um “adulto mirim”, começou a surgir quando estudantes que vinham de universidades do exterior, impulsionados pelas ideias do iluminismo, se envolviam em discussões sociais, influenciando o pensamento dos filhos de senhores de engenho (os únicos jovens que tinham acesso à educação formal) com um inovador discurso. Mas como eram uma porcentagem muito pequena da população, sua presença era sutil e, na maioria das vezes, o pensamento era individual. As ações estudantis só tiveram sua presença fortemente marcada na segunda fase do período Imperial. Nesse momento, são criadas as sociedades acadêmicas que tiveram um papel importante no desenvolvimento político das iniciativas discentes. Durante a Revolução de 1930 no Brasil, os estudantes se organizaram em grupos como a Juventude Comunista, Juventude Integralista, Federação Vermelha dos Estudantes e a União Democrática Estudantil.


Antonio Amazonas Cabral Essas organizações influenciaram o desejo da criação de uma única entidade que representasse os estudantes e a luta por uma sociedade mais justa. Fundada em 11 de agosto de 1937, a União Nacional dos Estudantes (UNE) é uma organização estudantil brasileira, uma das principais representantes de alunos do ensino superior do país, tendo sede em São paulo, além de subsedes no Rio de Janeiro e Goiás. Recentemente, a UNE esteve presente nos protestos contra o governo de Michel Temer. Em 2018, participaram do Movimento “Ele Não”, manifestações populares lideradas por mulheres tendo como principal objetivo protestar contra a candidatura à presidência da República do então deputado federal Jair Bolsonaro. Em 2019, durante o governo Bolsonaro, a UNE liderou os protestos estudantis em defesa da educação e contra cortes na educação do ensino básico ao superior e congelamentos nas áreas de desenvolvimento de ciência e tecnologia, com papel de destaque nessa liderança para Marianna Dias. Marianna é estudante de pedagogia na Universidade do Estado da Bahia (UNEB) e ativista brasileira, filiada ao Partido Comunista do Brasil (PCdoB). Atual presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE) 2017-2019.. No movimento estudantil, é militante da União da Juventude Socialista. Foi diretora de cultura da União dos Estudantes da Bahia (UEB), entidade que presidiu entre 2013 e 2015. Em seguida foi eleita à diretoria da UNE. UNE também convocou os estudantes para apoiarem a greve geral no Brasil, movimento que aconteceu em 14 de junho de 2019, o movimento foi um protesto contra a reforma da previdência do governo Jair Bolsonaro e contra cortes na educação. Até as 20 horas do dia 14, 189 cidades de 26 estados e o Distrito Federal tinham registros de protestos. 19 capitais brasileiras tiveram o sistema de ônibus afetado e a quantidade de capitais atingidas chegou a 21. Ao contrário da UNE, uma das características mais importantes do movimento secundarista é sua horizontalidade; junto com o movimento dos caminhoneiros, é um das poucas organizações que não possui representante único, um rosto que o simbolize.

“Não existe representação, é um movimento horizontal. Então as informações são deliberadas em assembleia, assim como as pautas, as reivindicações. [...] Eu comecei com seis anos de idade porque minha mãe era coordenadora da União Municipal dos Estudantes Secundaristas de São Paulo e eu entrei nesse meio político, fui estudar. Não quis seguir Trotsky nem Lenin. Ainda acho que tenho uma ideologia comunista, porém não acredito na hierarquia.” Disse o presidente de grêmio do Colégio Caetano de Campos, Lucas Penteado Kóka. O colégio, localizado na Avenida Consolação, ficou ocupado por dois meses no final de 2015 como protesto contra o projeto de reorganização escolar. Desde que a juventude passou a se organizar politicamente nos discursos, nenhuma pauta pública foi alheia a eles. Embora os estudantes estejam muito ligadas a educação, é muito comum que pautas não só da juventude, como a luta pela qualidade dos serviços públicos, a urbanização, a questão dos transportes públicos, tudo isso passou a ser um fator de mobilizações sociais da juventude como mecanismos de pressão dos poderes. “A juventude não é somente formada, mas também forma” (Evandro Rodrigues da Silva).


Antonio Amazonas Cabral Miguel Galizia Soares A juventude no Brasil corresponde a um segmento social muito diverso, com diferenças regionais, sociais, econômicas e étnicas. Os jovens ocupam hoje um quarto da população existente no país. Isso significa um total de 51,3 milhões de pessoas que estão na faixa etária de 15 a 29 anos, sendo 84,8% nas cidades e 15,2% no campo, de acordo com pesquisa do IBGE de 2018. Uma das principais questões que afligem esse segmento social é a criminalidade. A juventude é exposta a inúmeras violências, como: doméstica, policial, tráfico de drogas, etc. Dados do Atlas de Violência 2019, que faz mapeamento das mortes violentas no país feito pelo IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), mostra que houve, em 2017, 65,6 mil homicídios no país, a maioria afetando homens jovens. Toda a violência que cerca a nossa sociedade também pode ser refletida pela população carcerária. Atualmente, no Brasil, segundo dados do Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias (Infopen), existem 726,7 mil pessoas presas, onde mais da metade são jovens na faixa de 18 a 29 anos, correspondendo a 64% dos presos. Um dado que sem dúvida deixa a população jovem muito vulnerável à criminalidade são as altas taxas de desemprego e subutilização nessa faixa etária, que chega à 41,8% da população entre 18 a 24 anos. Lembrando que subutilizados são aquelas pessoas desempregadas, que desistiram de procurar emprego ou tinham disponibilidade para trabalhar por mais horas. Em números absolutos, temos 7,337 milhões de jovens brasileiros subutilizados conforme a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) feita no 1º trimestre de 2019. Nos últimos tempos, tornou-se premente a missão de discutir e implantar medidas capazes de enfrentar esse fenômeno. Infelizmente, nesse cenário de medo e insegurança sempre surgem teses arriscadas e precipitadas, como a que joga toda a culpa da escalada da violência em cima da juventude. É necessário agirmos com cautela nesse debate. Lamentavelmente, temos constatado que uma pena duríssima já é aplicada, na prática, a milhares de adolescentes todos os dias.

As estatísticas mostram que a violência se transformou em uma das principais causas de morte de jovens. De acordo com o Unicef, 16 crianças e adolescentes brasileiros morrem por dia, em média, vítimas de homicídios. E as pessoas com idades entre 15 e 18 anos representam 86,35% dessas vítimas. Enquanto a taxa de mortalidade por homicídios de adolescentes está em torno de 35 por 100 mil habitantes, a da população em geral encontra-se em 27 por 100 mil segundo dados do Datasus. Por outro lado, de acordo com o Ilanud (Instituto Latino-Americano das Nações Unidas para Prevenção do Delito e Tratamento do Delinqüente), o percentual de jovens com idade inferior a 18 anos que comete atos infracionais é de menos de 1% da população total nessa faixa etária. No universo de crimes praticados no Brasil, os delitos cometidos por adolescentes não chegam a 10%. Mas hoje o que vemos é a priorização das medidas de internação em instituições que mais parecem depósitos de jovens. Em vez de oferecerem oportunidades para eles se desenvolverem e reconstruírem suas vidas, funcionam como verdadeiras escolas para a criminalidade. Levantamento do IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) revelou que 71% dessas entidades não estavam adequadas às necessidades da proposta pedagógica prevista pelo ECA. Inadequações que iam da inexistência de espaços para atividades esportivas e de convivência até as péssimas condições de manutenção e limpeza É diante desse panorama que devemos agir. Recentemente, a Secretaria Especial de Direitos Humanos e o Conanda (Conselho Nacional de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente) apresentaram o Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (Sinase), um documento que detalha os parâmetros traçados pelo ECA e estabelece diretrizes nacionais para nortear as políticas públicas voltadas para os adolescentes infratores. .Portanto, ele pode e deve ser um ponto de partida para a transformação da realidade. Uma de suas principais propostas é a ênfase às medidas em meio aberto (de prestação de serviço à comunidade e a liberdade assistida) em detrimento da internação, que deve ser um último recurso.


Antonio Amazonas Cabral Para que isso dê certo, porém, é preciso envolver toda a comunidade, família, escola, rede de saúde e assistência social, e melhorar os mecanismos de acompanhamento desses jovens, oferecendo-lhes alternativas para a construção de um novo projeto de vida, baseado em valores como a cidadania, a ética, o respeito, a honestidade e a solidariedade. Se queremos inverter a cruel lógica da violência e viver em uma sociedade justa e fraterna, não podemos descuidar, um minuto sequer, das nossas crianças e adolescentes.

Pietra de Holanda coimba Denomina-se jovem a pessoa que se encontra em um período inicial de seu desenvolvimento orgânico. A extensão da juventude pode variar desde os 10 até os 23 anos. Atualmente, o jovem está exposto a uma série de problemas, que são próprios deste momento histórico específico, como a criminalidade A violência sempre foi presente nas civilizações, porém nessas últimas décadas, fixa-se nesse cenário de adolescentes e crianças. Nos últimos anos, houve um aumento significativo no índice da criminalidade entre os jovens brasileiros. Dentre os principais fatores que contribuem para isso foi a ausência de políticas públicas inclusivas e aumento da vulnerabilidade social dos jovens. No ano de 2016, foram quase 60 mil ocorrências registradas por tráfico de drogas pelas varas de infância e juventude. O tráfico de drogas é o crime mais cometido por adolescentes no Brasil, esses adolescentes respondem hoje por 249,9 mil atos infracionais, já que a mesma pessoa pode responder por mais de um delito. Só por roubo qualificado, que encabeça a segunda posição no ranking de crimes mais cometidos por adolescentes entre 12 e 17 anos de idade, são 51,4 mil ocorrências. Sem muitas perspectiva, muitos dos jovens sem dinheiro, com pouca estabilidade familiar e com escolas que ao invés de atrair os afastam, sabem que a disputa pelo mercado de trabalho não dá nenhuma nenhuma chance, pois eles podem disputar com pessoas com muitas mais possibilidade de estudos e dinheiro.

Algumas das soluções possíveis, o aumento de emprego para os jovens, mais investimento em educação para fazer a reaproximação dos jovens, obviamente não seria automático, mas atrairia vários jovens que conseguirem desviar dessa realidade de drogas e crimes.

Rita Morelli

JUVENTUDE GRÁVIDA A maternidade, na vida de uma mulher, é um momento importante, que muda o rumo de sua vida pela responsabilidade de criar um filho. No passado as mulheres menstruavam mais tarde, em torno de 17, e já casadas tinham muitos filhos. Hoje porém as meninas menstruam já aos 11 ou 12 anos, possibilitando a gravidez na adolescência. Este fato tem ocorrido com maior frequência na classe de nível socioeconômico mais baixo. Uma das causas da maior incidência de adolescentes grávidas na classe menos favorecida é a liberdade que elas têm, devido à necessidade dos pais trabalharem o dia inteiro fora de casa, não tendo condições de deixá-las com alguém responsável. Essa liberdade pode acabar em uma gravidez não esperada, muitas vezes não sendo um fato espantoso para a família, pois isso já pode ter acontecido com a própria mãe da adolescente. Outro fator é que enquanto as jovens de classe social mais alta querem se formar, arrumar um emprego, sair da casa dos pais, para depois pensar em ter filhos, na outra classe social muitas mulheres não têm uma pessoa na família para se espelhar, que tenha conseguido estudo e melhora de vida. Inclusive, algumas delas acabam largando a escola para trabalhar, devido a necessidade de ajudar em casa. desta forma elas desistem de seus sonhos, ou de ter uma carreira e acabam engravidando ainda adolescentes, permanecendo na ignorância e miséria. A taxa de natalidade desse grupo é dez vezes maior. Outro aspecto a ser considerado é que pela falta de acompanhamento pré-natal, muitas adolescentes ou seus filhos acabam falecendo. Outro fator da mortalidade também ocorre pelos abortos clandestinos, realizados em locais precários.


Antonio Amazonas Cabral Outro aspecto a ser considerado é que pela falta de acompanhamento pré-natal, muitas adolescentes ou seus filhos acabam falecendo. Outro fator da mortalidade também ocorre pelos abortos clandestinos, realizados em locais precários. Esta decisão é tomada pelas adolescentes por vários motivos como: medo de revelar à família sua gravidez; não se sentir capaz de criar um filho; ou não ter condição financeira, principalmente pelo frequente abandono do pai da criança, entre outros. Mudar essa realidade depende de três grandes pilares, que pela falha deles esses fatos ocorrem, que são educação, saúde e família. Na área da educação é necessário que os alunos tenham mais informação e conhecimento sobre esse assunto como aulas, palestras e divulgação de material educativo; além do estímulo à promoção de atividades culturais e esportivas. Na área da saúde pública, é preciso que tenham programas e atendimentos para meninas grávidas e além disso, quanto à prevenção, os adolescentes sejam orientados e tenham acesso aos anticoncepcionais e preservativos. A família é o principal ponto pois muitos atos cometidos de jovens de espelhamento familiar. Muitas famílias não estruturadas e que tem problemas socioeconômicos, acabam tendo problema como diz Drauzio Varella muitas mulheres que têm cedo um filho podem acabar sendo um marginal e podem acabar engravidando de meninas jovens.

Sabrina Pegorin Brier

Colega de Classe JUVENTUDE GRÁVIDA Dizem que a escola serve para formar as pessoas e aspecto social e econômico, as inserindo na sociedade. Há uma grande importância dessa instituição para formar o caráter social dos jovens, os inserindo do ambiente em que vivem. A escola pode ser representada por milhões de jovens como um lugar para simplesmente comer, o que prova que o motivo de sair de casa todos os dias para ir estudar pode ser muito diferente para cada indivíduo e isso se reflete.

Porém, o que realmente se aprende na escola é conhecer pessoas novas, entender o que elas falam e responder de forma coerente, fazendo com que elas entendam suas ideias. Não existe uma matéria para ser uma pessoa sociável, mas essa seria a mais importante e também a que a pessoa vai levar para a vida toda. Entre os 65 países avaliados por uma pesquisa, o Brasil está 55ª em leitura, 58ª em matemática e 59ª em ciências. Além disso 17,8% dos brasileiros ainda eram classificados como analfabetos funcionais em 2013 e em 2012, 11,3% da população do país tinha nível superior. Esses dados representam o índice de educação no Brasil e, com eles, podemos perceber que a educação deve ser transformada para ter, por exemplo, mais equilíbrio entre as diferentes cidades e classes sociais do Brasil. Começando pela maior oportunidade às pessoas mais pobres e pensando mais nelas. Isso seria uma ótima ideia, mas é claro que não pode ser tão fácil assim - afinal, o preconceito existe e muitas vezes se esconde por trás da conta bancária do sujeito que acha que “pobre não vira médico porque não se empenhou o suficiente”. No Documentário chamado “Nunca me sonharam”, podemos notar com clareza essa diferença entre os problemas que os alunos de uma escola simples do interior e os de uma escola de classe média alta em uma cidade grande enfrentam, onde uma menina rica de São Paulo reclama por que tem muita prova para estudar mas ao mesmo tempo não tem tempo o suficiente no dia por causa da sua aula de yoga e de natação. Enquanto isso muitos jovens morrem à caminho da escola com muita vontade de aprender. Entendemos que o ambiente escolar não se trata apenas de estudar para “ser alguém na vida” mas lida com o social da cabeça de cada jovem. Muitos deles gostam de ir à escola e levar um pouco de conhecimento pra casa mas ver seus colegas de classe pode acabar sendo o mais importante no psicológico de um adolescente e é o que o move para levantar da cama todos os dias.


Antonio Amazonas Cabral Sofia Prado Javadd

A internet afeta a saúde Saúde mental não é apenas a ausência de doenças mentais. Pessoas com saúde mental são equilibradas, sabem como lidar com conflitos, situações novas e mudanças, como também com sentimentos tanto bons quanto ruins. Conseguem identificar para quem pedir ajuda quando estão lidando com problemas, traumas ou situações difíceis e conhecem seus recursos e os próprios limites. Segundo a Gestalt, as pessoas não ficam doentes sozinhas, mas sempre dentro de um contexto. Os jovens estão constantemente lidando com o novo, como as mudanças do próprio corpo, a escolha de uma profissão, a procura de parceiros, a descoberta sexual, enfim a construção da identidade, e dessa forma precisam se ajustar de maneira criativa para continuar o processo de crescimento. Ao longo dos tempos, os garotos e garotas vem sofrendo muita pressão da escola, dos pais e do futuro que querem construir. Somado a isso, no contexto atual a questão da internet. Com as redes sociais, as pessoas compartilham uma vida perfeita: um corpo padrão que a sociedade impõe, casas grandes, mostram roupas de marcas, tecnologias de última geração… O adolescente que não tem isso acaba de alguma forma se sentindo mal. Por exemplo, uma jovem acima do peso considerado ideal, pode querer emagrecer, e assim começar a sofrer de algum distúrbio alimentar. Além disso, têm acesso a conteúdos que podem não estar emocionalmente preparados para ver, ou esses conteúdos podem ser um gatilho para um jovem já deprimido ficar mais deprimido ainda. Como no filme “Suicide Room” onde o menino principal passou a ser influenciado por um grupo de pessoas suicidas em um jogo online. A internet pode trazer benefícios, mas também desvantagens. Por ser uma plataforma de comunicação muito rápida, onde ocorrem novidades sucessivas, os sujeitos passam a querer acompanhar essas notícias o que pode gerar ansiedade.

Outra questão muito ocorrida dentro de redes sociais é o cyberbullying: uma prática de bullying dentro da rede. Psiquiatras apontam que o sentimento que o ato gera na vítima é o mesmo de como se fosse na “vida real”. Um artigo publicado na revista Academia Americana de Pediatria analisou o assunto e compartilhou uma meta análise de 131 estudos que mostra que adolescentes que passam por essa experiência tendem a ter mais chances de ter problemas mentais ou físicos. Também foi dito que a vivência de ser vítima de cyberbullying associa-se a mais pensamentos suicidas e a automutilação. Além de todos esses fatores, quando se passa tempo demais na internet, o sono pode ser encurtado e o indivíduo fica mais sedentário, o que pode ser prejudicial para a saúde mental. A OMS diz que um em cada cinco jovens têm doenças mentais, que normalmente começam na faixa etária dos quatorze anos. Uma das enfermidades mais comuns entre esses sujeitos hoje em dia é a depressão. Segundo o Ministério da Saúde, entre 2015 e 2018 houve um aumento de 115% de casos desse distúrbio entre jovens de 15 a 29 anos. No período de 2011 a 2018 houveram 339.730 casos de violência autoprovocada, 33% com tentativa de suicídio. Rapazes e meninas de 15 a 29 anos representam 45% desse total. A depressão, quando muito severa pode chegar ao suicídio, a OMS aponta que esta é a segunda maior causa de morte entre esse público. Outro problema gerado pelo adoecimento, é o uso de álcool e drogas ilícitas, e tal uso pode levar a comportamentos autodestrutivos, como por exemplo dirigir embriagado e o sexo não seguro. Outro transtorno grave entre os jovens é o distúrbio alimentar. Como já dito antes, a sociedade impõem um modelo de corpo ideal para ser seguido, e a beleza é uma preocupação muito grande entre adolescentes. Com isso, pessoas que se consideram um pouco acima do peso imposto, ou de outra maneira fora do ideal, podem sofrer com anorexia ou bulimia. Uma pesquisa de Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo feita com 150 mulheres com idades entre 10 e 24 anos, aponta que 77% das entrevistadas correm risco de sofrer com algum distúrbio alimentar, isso porque 53% fazem dieta sem orientação médica e 40,5% admitiram que já usaram medicamento para emagrecer.


Antonio Amazonas Cabral A solução para estes problemas não é simples, mas a OMS recomenda: “a inclusão de serviços de saúde mental na cobertura universal de saúde; a conscientização e capacitação de pais e professores; o oferecimento de atendimento psicossocial em escolas e espaços comunitários, especialmente em contextos de emergência, como situações de conflito e desastres naturais”. Uma questão que considero importante apontar, é que os jovens patologizam qualquer coisa que estejam sentindo. Ao mesmo tempo que há todo o reconhecimento necessário sobre o assunto, alguns acabam exagerando e se auto diagnosticando como depressivos. Acho que os garotos e garotas que fazem isso, deveriam tentar reconhecer o que é uma tristeza e o que é uma doença grave como a depressão antes de dizer que tem tal transtorno. Ainda em relação a este assunto, entendo que é difícil não se sentir doente com a indústria farmacêutica de hoje. As empresas de remédios estão lucrando muito, pois existe medicação para qualquer mal estar físico, psíquico ou social. Toda vez que alguém sai do “normal” há um remédio aguardando o indivíduo. Dois exemplos de críticas sobre essa indústria são: o filme da cantora Melanie Martinez, “K-12”, que mostra uma escola na qual toda vez que um dos alunos sai do seu devido lugar, é medicado com injeções ou comprimidos. E a música “Medication” do YUNGBLUD, que aponta que hoje em dia não precisamos mais lidar com nossos sentimentos, e com o processo de lidar com estes, os remédios “substituem” essa função.

JUVENTUDE GRÁVIDA

Com base em tudo isso concluo, que mesmo não sendo fácil ser jovem na atualidade, precisamos aprender como lidar com os nossos sentimentos ao invés de achar que um remédio pode fazer esse trabalho por nós. Diante dos outros temas incluídos no texto, acho difícil tirar uma conclusão “exata”, mas se começássemos a desconstruir essa vida perfeita nas redes, e se usássemos a internet de um jeito menos tóxico, poderiam ter resultados positivos na sociedade de jovens.

Tom Altman

Gravidez precoce Juventude é o Período da vida do ser humano compreendido entre a infância e o desenvolvimento pleno de seu organismo. Ela corresponde a um setor social muito plural. Plural, muito diverso regionalmente, etnicamente e culturalmente. De acordo com ONU (Organização das Nações Unidas) 28% da população mundial é constituída por jovens. Apenas no Brasil em 2015, foram cerca de 574 mil crianças nascidas vivas de mães entre 10 e 19 anos, ou seja Mães, que como disse anteriormente, que não desenvolveram completamente o seu organismo. Isso é chamado de gravidez precoce. A maioria das vezes os fatores que levam a gravidez na adolescência seria: estupro, falta de conhecimentos dos métodos contraceptivos, dificuldade de acesso aos métodos contraceptivos, e também pode ocorrer de a família da menina/menino ser conservadora e não comentar sobre o assunto. Isso na maioria das vezes pode oferecer grande consequências econômicas, sociais, psicológicas e até físicas para vida da mãe e do filho. A ginecologista Sheila Sedicias nos conta algumas consequências físicas que a mãe pode ter:”Devido ao fato da mulher não estar totalmente pronta fisicamente para uma gestação, há maior chance de parto prematuro, rompimento precoce da bolsa e aborto espontâneo, por exemplo. Além disso, é possível que ocorra diminuição do peso, anemia e alterações no processo de formação dos vasos sanguíneos da placenta, podendo resultar em aumento da pressão arterial, cuja situação recebe o nome de pré-eclâmpsia”. De acordo com o site Tua Saúde, às vezes as grávidas podem ter grandes pressões da família e amigos, fazendo com que elas fiquem envergonhadas e acabem até desenvolvendo uma depressão no processo de gravidez ou pós. Isso pode gerar uma baixa auto-estima, que faz a mãe não ter condições psicológicas de cuidar de uma criança. Uma opção é a adoção e outra, que cria muita polêmica no país, se deveria ser legalizado ou não, é o aborto.


Antonio Amazonas Cabral O aborto é uma maneira de você eliminar o feto logo no início da gestação, mas por conta de as meninas serem jovens, terem vergonha de contar para familiares ou amigos, não ser legalizado e principalmente por não ter condições de pagar, elas acabam realizando em lugares clandestinos, onde correm risco de vida pela falta de profissionalismo e manutenção na hora da cirurgia. É bem frequente que as jovens mães abandonem a escola, por não saber gerenciar as duas responsabilidades, que faz com que futuramente não consigam encontrar empregos e fazem os familiares carregarem uma grande dependência econômica. E estar grávida na escola pode gerar uma grande onda de preconceito que faz a mãe se retirar, ou a escola tomar “providências” sobre o assunto. Um filme que aborda esse assunto é Juno do diretor Jason Reitman que estreou em 22 de fevereiro de 2008. Ele conta a história da adolescente Juno, de apenas 16 anos, que engravida de seu melhor amigo. Com a ajuda da família e da amiga ela opta pela adoção, e procura a família perfeita para seu filho. Esse filme mostra como seria o cotidiano de uma adolescente grávida de classe média. Ganhou vários prêmios, inclusive Oscar de melhor roteiro original. Sabemos que a gravidez precoce acontece muita vezes por falta de informação dos jovens sobre sexo, como se prevenir e por que. Por isso podemos concluir que todas as escolas e famílias deveriam ensinar aos seus filhos, em uma determinada idade, sobre orientação sexual. Além disso poderíamos fazer com que o governo, legalizasse o aborto em qualquer circunstância, sendo estupro, falta de prevenção ou acidente.

Yasmin S. Rocha

Juventude e Violência Doméstica Violência é usar a agressividade de forma intencional e excessiva para ameaçar ou cometer algum ato que resulte em acidente, morte ou trauma psicológico. Ela se manifesta de diversas maneiras, em guerras, torturas, conflitos étnico-religiosos, preconceito, assassinato. Um dos meios mais comuns é a violência doméstica, que é todo tipo de violência praticada entre os membros que habitam um ambiente familiar em comum. A violência doméstica pode ser subdividida em violência física, psicológica, sexual, patrimonial e moral. Também é considerada violência doméstica o abuso sexual de uma criança e maus tratos em relação a idosos. A criança ou adolescente, vítima de violência, sofre frequentemente fortes traumas e reage a eles de maneira diversa. Assim, alguns modificam seu comportamento regular, tornando-se tristes, agressivos, rebeldes, tensos ou infantis para sua idade. Às vezes, apresentam dificuldade em compreender os ensinamentos, recusam-se a participar das atividades propostas e faltam às aulas. Entre 2011 e 2017, o Brasil teve um aumento de 83% nas notificações gerais de violências sexuais contra crianças e adolescentes, segundo boletim epidemiológico divulgado pelo Ministério da Saúde. Nos últimos 12 meses de 2018, 1,6 milhões de jovens, dentre eles, mulheres, foram espancadas ou sofreram tentativa de estrangulamento no Brasil, enquanto 22 milhões (37,1%) de brasileiras passaram por algum tipo de assédio. Dentro de casa, a situação não foi necessariamente melhor. Entre os casos de violência, 42% ocorreram no ambiente doméstico. Esses dados são alarmantes! Não pode ser mais aceito uma criança ou um adolescente ser mal tratado e ser vítima de traumas dentro de sua própria casa! O ambiente que deveria ser seu “porto-seguro” se transforma em um pesadelo.


Antonio Amazonas Cabral

O apoio, a ajuda que deveria ter de seus pais, acabam em espancamentos e lesões. Por isso, acabam criando jovens com falta de uma estrutura familiar que os ajudariam a criar seus valores para uma vida adulta saudável. E uma forma viável de ajudá-los é, ao perceber sinais de violência contra crianças, pais e profissionais devem notificar o Conselho Tutelar. Para fazer uma denúncia, basta discar o número 100 ou enviar um e-mail (disquedenuncia@sedh.gov.br), ou denunciar no site do conselho. Dia 26 de julho de 2014 foi decretada a lei de número 13.010, conhecida como Lei da Palmada, que proíbe o uso de castigos físicos ou tratamentos cruéis e degradantes contra crianças e adolescentes no Brasil. Essa lei foi justamente criada para conscientizar os pais, mostrando que as crianças devem aprender a fazer o que é correto não por medo de apanhar, mas sim por compreender os princípios básicos dos valores morais, éticos e comportamentais que regem uma sociedade. Para isso, a principal ferramenta a ser utilizada é a educação orientada desde os primeiros anos de vida.


SESSÃO LITERÁRIA


Alice Pontual

Terra Molhada São Paulo. - disse Fabiano, soltando, em um suspiro, o resto de ar que guardava em seu peito. Foi a primeira coisa que disse em uma semana. Até mesmo seus grunhidos haviam cessado, seus barulhos estavam em outro lugar. Há dias sua mente corria livremente em seu corpo preso que andava mecanicamente na terra arenosa. A seca, tal como havia chegado, o fez tomar a decisão de partir. Não havia como domá-la ou controlá-la. A fuga sem pensamento foi necessária, e o caminho ao ser traçado lentamente, a cada passo que o grupo andava, descalçava a terra amarelada. Nunca passara por sua cabeça que havia um jeito de transformar a escassez de água, que o perseguia, em mera lembrança ruim. Cá estava, junto de seu pequeno gado familiar, graças a, ainda linda, Sinha Vitória. Onde se encontravam, havia mais garoa que árvores e mais automóveis que cabras. Como era peculiar essa cidade da terra molhada! O cansaço era indescritível e Fabiano já não sabia se as imagens de dor de que se lembrava neste momento eram do percurso de alguns anos antes ou do que acabara de completar. Muito sol, pouca água e bucho esburacado. Disso se recordava. Dos roncos altos do Menino mais novo, que depois de tentar por tempos ficar acordado como o pai, soltava roncos fortes e secos no colo da mãe. Haviam andado por dias e poupado cada respirada, com medo de que qualquer palavra que fosse, lhes tirasse a concentração e trouxesse dor. Suas pernas dormentes aos poucos paravam de movimentar-se com clareza, os passos eram cada vez menores. A noite estava chegando, e ao observar dois juazeiros despidos de folhas alguns passos à frente, resolveu que era em seus troncos que encostariam suas cabeças para, enfim, descansar.

Agora, cercado pelo manto negro que era aquela noite, a dor de Fabiano parecia ter suavizado. Sem dúvidas era aquele céu. \Como amava quando o céu tinha mais de três estrelas! A noite ia sumindo, mas as pálpebras estavam voltadas para as estrelas. Manter os olhos abertos, agora, era questão de sobrevivência. Caso dormisse, sonharia demais.

Ana Luiza Valente

A despedida Ano passado, na festa de despedida de uma amiga, ouvia calada e com atenção seu dolorido discurso sobre o quanto ela se preocupava com a decisão de ir embora. Dizia se preocupar com a saudade antecipa da da família, com a tristeza em deixar um amor pra trás e com a dor de se afastar dos amigos. Ela iria embora para Londres com tantas incertezas sobre cá e lá, que o intercambio mais parecia uma sentença ao exílio. Dentre dicas e conselhos reconfortantes de outras amigas, lembro-me de interromper a discussão de forma mais fria e prática do que gostaria: Ela engoliu seco e balançou a cabeça afirmativa. Penso que na época poderia ter adoçado o conselho. Mas fato é que a minha certeza era irredutível, tudo que ela precisava era perspectiva. Olhar a situação de outro ângulo, de cima, e ver seus dilemas e problemas como quem olha o mundo de um avião. Óbvio, eu não tirei essa experiência da cartola. Eu, como ela, já havia sido a garota atormentada pelas dúvidas de partir, deixando tudo pra trás rumo ao desconhecido. Hoje sei que o medo nada mais era do que fruto da minha obsessão em medir ações e ser assertiva. E foi só com o tempo e com as chances que me dei que descobri que não há nada mais libertador e esclarecedor do que o bom e velho tiro no escuro. Hoje a minha amiga não tem mais dúvida. Celebra a vida que ela criou pra ela mesma lá na terra da rainha, onde eu mesma descobri tanto sobre minha própria realeza.


Ironicamente – e também assim como eu – ela aprendeu que é preciso muitas vezes uma certa distância do ninho. Aprendeu que nem todo amor arrebatador é amor pra vida inteira. Que os amigos, aqueles de verdade, podem até estar longe, mas nunca distantes. Hoje ela chama o antigo exílio de lar, e adora pegar um avião rumo ao desconhecido. Outras, como eu, e como ela, fizeram o mesmo. Todas entenderam que era preciso ir embora.

É preciso ir embora. Ir embora é importante para que você entenda que você não é tão importante assim, que a vida segue, com ou sem você por perto. Pessoas nascem, morrem, casam, separam e resolvem os problemas que antes você acreditava só você resolver. É chocante e libertador – ninguém precisa de você pra seguir vivendo. Nem sua mãe, nem seu pai, nem seu ex-patrão, nem sua pegada, nem ninguém. Parece besteira, mas a maioria de nós tem uma noção bem distorcida da importância do próprio umbigo – novidade para quem sofre deste mal: ninguém é insubstituível ou imprescindível. Lide com isso.

Então vá embora. Vá embora do trabalho que te atormenta. Daquela relação que você sabe não vai dar certo. Vá embora “da galera” que está presente quando convém. Vá embora da casa dos teus pais. Do teu país. Da sala. Vá embora. Por minutos, por anos ou pra vida. Se ausente, nem que seja pra encontrar com você mesmo. Quanto voltar – e se voltar – vai ver as coisas de outra perspectiva, lá de cima do avião. As desculpas e pré-ocupações sempre vão existir. Basta você decidir encarar as mesmas como elas realmente são – do tamanho de formigas

André Rocha

Vidas secas na cidade Infelizmente, a seca chegou, tivemos que fugir porque se não fugíssemos seria sentença de morte, porém não foi fácil achar um transporte, pois a cidade grande é distante, fui à feira em busca de alguém para nos ajudar, consegui que um cabra nos levasse à cidade, também, quando chegássemos lá, ele nos garantiu que ia dar emprego para mim e para a Sinha Vitória, porém seria no próximo dia, fiquei feliz por conseguir achar alguém com tanta bondade. No outro dia, estávamos na feira à espera do homem, ouvi outro a gritar o meu nome, fui ver o que era, quando cheguei o cabra estava em uma picape velha, porém na caçamba tinha uns bancos. Eu perguntei para o homem que nos ajudou: -É neste carro que nós vamos?

-Ele afirmou com a cabeça. Por um momento achei que iríamos só a minha mulher os meus dois filhos e eu, porém veio uma cambada de pessoas, depois de uns dez minutos partimos, enquanto ia passando o tempo o sol ardia em nossas cabeças, parecia que o calor estava sendo pregado em nós, eu via as crianças quase desmaiando de tanto calor estava, fiquei muito apreensivo com elas. Tive uma ideia de pegar as camisas e fazer uma espécie de sombra, com o decorrer dos dias, podíamos ver que não tinha nada ao longo do caminho, somente cactos e plantas rasteiras, também a água estava acabando. Quando estávamos bem perto de São Paulo, a água já tinha se acabado, as crianças estavam pálidas e não conseguiam ficar de olho aberto, eu ficava mais preocupado diante desta situação. Chegamos a São Paulo, quando estávamos passando pelas ruas vimos uns prédios gigantes, que nunca tinha visto! O motorista parou em um canteiro, disse para todos saírem do carro.


Beatriz Issa Novamente a seca atacou, mas diferentemente da primeira vez, agora eles partiam com a esperança que suas vidas iriam mudar, para melhor. Foi uma viagem longa, horas e mais horas caminhando no calor seco do sertão nordestino, até finalmente chegarem ao tão sonhado destino. Uma pequena pousada, esse era o local onde Fabiano, Sinhá Vitória, Menino mais novo e Menino mais velho tinham se estabelecido ao chegarem na grande cidade de Salvador. Era um local simples e pequeno, os meninos não tinham mais todo aquele quintal para brincar, não existiam animais nem plantações, mas existia uma coisa que fazia falta no sertão, água. Eles estavam em um quarto estreito, o mais barato do local, tinha apenas um banheiro com um chuveiro e privada e duas camas, não era igual a pertencente ao Seu Tomás da Bolandeira, era mais simples, mas Sinhá Vitória poderia dizer que seu sonho tinha se realizado. Os dois principais objetivos e aflições de Fabiano já haviam sido vencidos, eles já tinham conseguido moradia e empregos. Como Sinhá Vitória sabia costurar, cozinhar e era um pouco alfabetizada, a melhor opção que ela arranjou foi de empregada doméstica. Fabiano teve mais dificuldade em arranjar trabalho, ele sabia apenas pastorear e cuidar de gado e não seria possível viver a base disso na cidade grande, além disso sua alfabetização era mais precária que a de sua mulher, porém ele conseguiu emprego como segurança de uma loja, era só ficar em sua porta e não falar muito com as pessoas que passavam ao redor, tarefa simples para Fabiano. Nenhum dos salários eram altos, mas daria para viver dessa forma por um tempo, até arranjarem empregos melhores. As crianças sofreram mais do que os pais com a ida para Salvador. O Menino mais novo sentiu que teve seu sonho interrompido, imaginou que não poderia mais montar em sua cabra e ser um vaqueiro, igual ao pai que ele tanto admirava. O Menino mais velho já vinha sofrendo há algum tempo. Quando sua melhor amiga Baleia morreu, ele passou a sentir-se sozinho, com a mudança para um local novo, onde não conhecia nada e nem ninguém, estava com mais saudades de sua grande companheira de aventuras.

As crianças sofreram mais do que os pais com a ida para Salvador. O Menino mais novo sentiu que teve seu sonho interrompido, imaginou que não poderia mais montar em sua cabra e ser um vaqueiro, igual ao pai que ele tanto admirava. O Menino mais velho já vinha sofrendo há algum tempo. Quando sua melhor amiga Baleia morreu, ele passou a sentir-se sozinho, com a mudança para um local novo, onde não conhecia nada e nem ninguém, estava com mais saudades de sua grande companheira de aventuras. Os meninos sofriam na escola também, por nunca terem estudado, terem uma condição econômica mais baixa que a dos outros alunos e terem vindo do sertão, não conseguiam se enturmar e sofriam com piadas dos outros estudantes. Isso os chateava mais ainda.

A vida deles melhorou para alguns, mas piorou para outros. Fabiano e Sinhá Vitória estavam mais felizes, até agora eles não viam lado ruim em viver na cidade grande. As crianças estavam mais tristes, o Menino mais novo teve seu sonho de vida destruído e o Menino mais velho perdeu sua melhor amiga. Os problemas rurais podem ter sido resolvido com a vinda para cidade grande, agora eles tinham os problemas urbanos para resolver...


Bianca Miki Lá estava eu, andando em uma avenida escura, indo me abrigar na casa de uma moça muito amável que conheci quando foi á casa de meu senhor. De repente vejo um homem vindo em minha direção onde não podia reconhecer seu rosto pela escuridão da noite, só ô via com uma corda, tento me escapar das mãos violentas do homem bruto, mas ele me amarra e me leva em uma direção familiar. Eu sabia os motivos de ele estar me amarrando e para onde ele estava me levando. Eu estava grávida de um escravo, seu nome era Guilherme, e estávamos estupidamente apaixonados, porém se o senhor descobrisse q eu estava grávida, ele iria escravizar meu bebê desde pequeno e iria castigar a mim e o escravo que fosse pai da criança. Tentei me soltar de qualquer forma, implorei àquele senhor que me soltasse, porém com suas mãos robustas segurando as minhas mãos só me dizia para seguir. Em pouco tempo chegamos a casa de meu senhor, lá fiquei jogada do chão do corredor, de tanta dor que senti pelas tentativas de me soltar daquele homem, que era conhecido por todas e todos, Candido Neves. Ele era recém casado com uma moça chamada Clara, era uma moça que trabalhava com sua tia relacionado a costura, isso de acordo com os boatos que corriam pela cidade. Naquela noite quando cheguei e Guilherme foi correndo me ver no corredor, pois era ele quem tinha insinuado a ideia de fugir para poder ter o nosso filho livre e longe de sofrimento. O senhor ordenou que ele se afastasse de mim, me chamando de vadia, porém como ele era um homem muito cavalheiro e muito teimoso, permaneceu lá. Como castigo, mandou Guilherme me torturar no tronco, ele se recusou e então o senhor levou nós dois até lá e mandou o feitor nos castigar. Eu já estava toda dolorida pelas amarras e pelas tentativas de fuga e muito fraca, porém o feitor não teve pena de mim nem de Guilherme. Começou a chicotear-nos violentamente como se quiser nos matar, tinha fúria em seus olhos de como se quisesse acabar com nossa raça.

Eu estava cansada de tanto chorar, então ele me deu a mão, e foi aí que senti tudo ficando em câmera lenta e então senti meu último suspiro na terra. Se passaram sete segundos dos melhores momentos da minha, até que senti a conexão mais próxima entre mim e meu filho. Consegui senti-lo em meus braços e fui andando até uma porta que estava toda iluminada. Vou contar como tudo isso aconteceu. Três meses antes eu e Guilherme éramos muito próximos, era o escravo com quem eu mais conversava. Até que teve um noite em que o senhor e sua senhora saíram para uma compra de novos escravos, e então eu e Guilherme fomos até um local que chamávamos de “nosso” onde sempre nos escondíamos para conversar , nos beijamos e fomos mais a fundo. Um mês depois comecei a sentir muito enjoo, porém eu já tinha certeza de que estava grávida. Fui contar a Guilherme em um desespero de medo e agonia do que poderia nos acontecer, pois por mais que nós nos amássemos muito não podíamos ficar juntos. Éramos condenados a uma vida difícil, sofrida, solitária e vivida a base de trabalho pesado e maus tratos. Guilherme dizia que iria ficar tudo bem, que nós tínhamos que arrumar um plano de fuga. Então na mesma semana desses acontecimentos, cheguei a atender uma moça jovem muito bonita e muito gentil. Ela me disse que sentia vibrações nas pessoas e sentiu uma vibração a mais em mim, então me disse que se eu precisasse de ajuda ela estaria lá para receber meu bebê e a mim. Fiquei espantada com uma mulher dessas, agradeci a oferta e escondi um papel que ela me deu (era direção de sua casa) entre meus seios e fui de volta para o trabalho. Ficou passando pela minha cabeça de como uma mulher no século XIX poderia querer ajudar uma mulher negra, grávida e escrava de um senhor que ela conhecia. Contei para Guilherme logo em seguida, e então me disse que a melhor escolha seria eu me abrigar na residência dessa moça e deixa-la com o nosso filho até que conseguirmos a nossas cartas de alforria.


Aceitei a ideia, pois Guilherme era um homem muito sábio. Esperei mais um mês para fugir. Quando chegou o dia Guilherme se despediu rapidamente e me deixou em um lugar que ele conhecia e sabia que ninguém iria me pegar, esperamos a noite chegar, e então me fui. Fui embora sem olhar para trás, fui embora carregando uma vida dentro de mim, fui embora deixando quem eu amo, fui embora sem nem um pingo de esperança. Quando eu estava na avenida da moça bonita, foi onde minha vida acabou. Não sei se Guilherme sobreviveu, não sei o que fizeram com o meu corpo. Sei que estou feliz com meu filho aqui no céu.

Bruno Pagliatto

Quem oferecerás? Parecia um dia nublado, morgan se perguntava o que sonhara esta noite, a janela entreaberta dava a entender que acordara no horário certo. se preparava do mesmo modo que antes, andava pela mesma rua que antes, olhava para a mesma escola detonada de antes, atendia às mesma classes que antes e passava pelo mesmo mendigo que antes, todos em sua cidadezinha tinham dó daquele mendigo. até seu roberto que era muito pobre sentia dó dele. O dia decorreu como normal, sem nada de especial, morgan gostaria que algo extraordinário acontecesse, gostaria que algo fantástico como ela ficar milionária da noite pro dia acontecesse. Então, qual o seu maior sonho? uma figura pálida que parecia sair do canto de sua sala repetia esta frase várias e várias vezes, morgan estava com medo e confusa, achava que sua hora havia chegado, naquele momento lembrará de uma história que seu professor a havia feito ler, um conto sobre um homem muito pobre que conversou com a morte e dividiu com ela um peru, então ela suplicou: Me de mais um pouquinho de tempo compadre. -Quem disse que eu quero levá-la senhorita, estou aqui para realizar um sonho seu.

-Sonho meu?! -Sim é só ofer Morgan pensou e começou a lembrar de seu dia a dia, tentou oferecer sua escola, às comidas de sua casa e etc. Até que se lembrou de alguém. -Que tal eu te oferecer a vida de um mendigo que “mora” em frente ao cemitério de la luz, ouço todos os dias pessoas falando que sentem dó dele, mas não o dão um centavo sequer, acho que ninguém vai notar o seu sumiço dele eu diria. ecer algo em troca que te darei 100 milhões. -Cem milhões! Ela dizia isto como se não estivesse espantada de verdade com a proposta do ser. -bem, eu posso te oferecer esta tv ou esta geladeira ou até minha coleção de posters… Antes que morgan pudesse terminar o ser a interrompeu com uma espécie de grito metálico -Eu não quero estes materiais tanto quanto inúteis para mim! não teria algo mais vivo do que uma geladeira?

-Bem, acho uma ótima ideia a sua de dar a vida de alguém inutil para a sociedade, eu já conheci muitas pessoas como você até piores eu diria. Eu Aceito seu pacto. Morgan acordara com um susto estava deitada no sofá e apenas escutava sua mãe cozinhando os pequenos repolhos que conseguira comprar para o jantar. No dia seguinte morgan estava mais do que convencida de que convencida que aquilo havia sido só um sonho, até chegar ao cemitério de la luz ela perceberá que o mendigo não estava mais lá. Morgan começou a se preocupar e se alegrar ao mesmo tempo.ro disse que não entregou isso aqui, então alguém deixou aqui! -Nossa! agora nossa vida vai de mal a melhor. A vida de morgan ficou perfeita após o encontro com o ser misterioso, nada conseguia tirar eles da riqueza agora. porém depois de 20 anos os pais de morgan adoeceram ela teve um filho que com um pouco de tempo adoeceu também em um surto de sarampo.


surto de sarampo. Em uma madrugada ela foi checar em seu filho e percebeu que ele estava muito febril: - Ó deus por que me castiga desta forma, tudo o que mais desejo é ver meu filho recuperado. -É isso que você deseja? -Você?! -O que você daria por isso? -Minha vida -A sua, eu não quero -Então dou a do meu pai que está no hospital -Azar o seu, ele morreu esta noite Em lágrimas morgan ofereceu a vida de seu marido, funcionários e atde sua mãe porém a figura apenas recusava: -Olha, eu não posso pegar a vida de nenhum deles, mas eu posso pegar a vida de um. -Que? Bruno Pagliatto -Seu filho, daqui a dez anos ele terá uma cegueira temporária devido às sequelas deste sarampo, então ele andará pelo meio da rua sem ver nada e será atropelado por um caminhão - Então eu devo escolher entre matar meu filho agora tendo uma morte calma ou deixar meu filho viver só para ser morto dolorosamente? -Exato, que bom que entendeu, agora você lhe oferecerá a mim.

Catarina Leite

Quem oferecerás? Reescrita Pai contra Mãe- Machado de Assis Meu nome é Arminda. Fui escrava a vida inteira, sempre maltratada e abusada em todos os sentidos. Eu tinha um senhor chamado João. Ele não desgrudava de mim e com frequência, me assediava e fazia atos nojentos comigo. Tudo aquilo era um pesadelo. Havia tentado fugir, não sei como pensei que conseguiria, aquilo era uma prisão sem fim, não sabia o que fazer. Um dia, estava cozinhando quando senti uma mão na minha cintura. Levei um susto e quando me virei era João tentando me abusar de novo.

Sacudi-me, tentei me soltar, até cheguei a gritar, mas ele era muito mais forte, ele segurou meus braços com uma mão e com a outra tampou minha boca, abafando o som que eu emitia. A partir daí não me lembro de muita coisa, só sei que ele me jogou no chão e rasgou minha roupa em um ato bruto. Depois disso tudo do que eu me recordo é um borrão preto. Por mais que eu soubesse o que ele havia feito, me recusava a ter essa memória dentro de mim. Mas, infelizmente, tive que ficar revivendo isso durante muito tempo, pois mais ou menos depois de um mês que isso tinha acontecido, descobri que estava carregando um filho de meu senhor. Nos próximos quatro meses, chorei durante toda a noite, imaginando o que seria da vida da criança que estava se desenvolvendo dentro de mim. Ela não merecia passar por tudo que passaram, então por ela e por mim, decidi fugir daquele inferno. Comecei a fazer meus planos, sempre com muito cuidado para João não desconfiar de nada. Ele ainda ficava muito no meu pé, me batia muito e dizia que era minha culpa que toda essa situação desagradável estava acontecendo, e que eu não devia ter atraído ele desse jeito. Eu ficava destruída com as coisas tão maldosas que ele dizia, minha única motivação era a esperança de o meu plano dar certo, e finalmente eu estar liberta de tudo aquilo. Passaram-se algumas semanas, minha barriga estava enorme, então decidi que era a hora de fugir, ir para a cidade. Lá as coisas ficariam melhores, eu tinha certeza. Chegou a noite, todos estavam dormindo, havia alguns escravos na senzala ainda acordados, mas nada com o que me preocupar. Coloquei um vestido escuro para tentar me camuflar com a escuridão da madrugada, e acho que funcionou, pois a fuga havia sido concluída com sucesso. Depois de fugir do lugar que passei quase toda minha vida, mesmo grávida, fui correndo a caminho da cidade. Era muito adrenalina e isso foi bom para mim, pois parecia que eu estava duas vezes mais rápida que o normal. Depois de algumas horas cheguei à cidade, estava muito feliz e emocionada, mas com muito medo também, tudo aquilo era muito diferente e estava sendo uma loucura.


Refugiei-me e me escondi durante uma semana, ficava dormindo em cantos na calçada e, em dias de chuva, ficava embaixo de tendas espalhadas por aí. Com um passar do tempo, vi que em alguns lugares havia cartazes dizendo que estavam à minha procura. Com essa notícia, surgiu um desespero dentro de mim, fazendo com que eu não dormisse nos próximos dias. Por causa dessa situação tão desagradável comecei a sentir fortes dores de cabeça e achei que ir para farmácia fosse uma boa ideia. Fui até lá tentando ser o mais discreta possível, ficando quieta e andando calmamente. Cheguei à drogaria, pedi o remédio e paguei com o único dinheiro que tinha. Logo depois saí meio apressada, estava andando rápido para o lugar onde me refugiei noite passada. Mas no meio do caminho escutei meu nome, e virei por reflexo mesmo. Sem nem ter tempo de reagir, senti meus pulsos serem amarrados por cordas grossas e ásperas. O homem que me segurava era alto e estava com uma expressão de alívio e cansaço, também era muito forte, pois tentei lutar com ele mas não tive chance nenhuma. Eu implorava para ele me soltar, dizia que eu estava grávida, mas ele ignorava. Então gritei, gritei o mais alto que pude,mas depois percebi que tudo isso era em vão, afinal quem iria ajudar uma escrava fugida? Ele me levou até a farmácia de que eu tinha acabado de sair, me jogou no chão, até aí eu estava péssima, tremendo de desespero, soluçando de tanto chorar, com muita tontura e me sentia mal, um mal-estar muito grande. Não sei bem o que aconteceu depois disso sei que eu vi uma mancha vermelha que escorria nas minhas pernas, ficando cada vez maior. Depois disso desmaiei. Quando acordei estava em uma cama, e João estava logo, ao meu lado sentado em uma cadeira velha de madeira. Ele me olhava com uma expressão de desgosto e raiva. Estava muito assustada e comecei a chorar muito, gritava e pedia desculpa, mas isso não adiantou de nada, ele começou a me espancar. Chutava-me e me socava como eu nem fosse um ser vivo. As lágrimas e o sangue se misturavam em meu rosto, não sabia mais o que estava acontecendo. Depois de ver que eu estava ensanguentada, ele parou, deu meiavolta e saiu do quarto em que estávamos. Voltei a fechar meus olhos, desejando que tudo aquilo fosse um pesadelo, mas não era, era tudo verdade.

Clara Lacoma Visibelli

Os encontros de Antônio Antônio tinha o que muitos chamam de vida incrível. Havia herdado uma herança do seu pai, um renomado juiz, conhecido por ser correto e íntegro. Tinha uma esposa ótima que sempre o ajudava a tomar as mais difíceis decisões e era um médico respeitado em seu ramo. De vez em quando a única coisa que Antônio queria era ter uma vida normal, a qual todos o tratariam como igual, ele não teria tanta pressão sobre ele, onde a riqueza não fosse tudo. Ele achava que pelo fato do dinheiro nunca ter sido um problema na sua vida, as pessoas tratavam-no diferente. Em alguns momentos uma vida normal era a única coisa que o médico pedia. O homem havia acordado, sentido que aquele dia seria diferente, alguma coisa dentro de si parecia fora do lugar, ele se sentia desconfortável mas não conseguia achar um motivo. Levantou-se da cama e se dirigiu ao banheiro. Depois foi para a cozinha. Um dia normal na sua vida, mas ele ainda tinha aquela sensação estranha dentro de si, que o impedia de ficar tranquilo. -O senhor parece meio pálido hoje.- disse a empregada da casa, que já preparava o café da manhã. -Obrigada pela preocupação.- ele finge um sorriso, que faz a mulher fazer o mesmo, e se senta em uma das banquetas que davam para o grande mármore onde se encontravam um solitário prato, um par de talheres e uma pequena xícara.

A empregada serviu Antônio e saiu da cozinha, deixando o homem comendo sozinho. Ele tivera que acordar mais cedo devido a um médico com o braço quebrado que não poderia fazer o seu plantão. Ele bebericou o café recém preparado e deu uma mordida no pão quentinho pensando que poderia se sentir melhor após ingerir algo. Não tivera êxito. O homem continuava se sentindo indisposto.


Era algo que ele nunca tivera experimentado antes, ou pelo menos dessa vez era diferente. Quando se sentiu satisfeito, levantou da banqueta e se dirigiu ao closet para recolher a roupa que usaria no dia que acabará de começar. Se vestiu e desceu, com a pasta e as chaves do carro na mão. - Tchau Maria.- ele disse em um tom cansado. Ela acenou para ele se despedindo. Antônio abriu a porta do carro sem ânimo mas percebeu que mesmo cansado, preferia sentir a brisa da manhã batendo em seu rosto. Enquanto caminhava notava o quanto ele estava realmente cansado. Andava corcundo, cabisbaixo, olhando seus pés se movimentarem. -O senhor está bem?- era uma voz metálica, que tinha um tom quase insuportável. Antônio levantou a cabeça para olhar o ser que estava a sua frente. Era uma velha que vestia muitos colares, pulseiras e roupas caras. A senhora era esquelética mas o que mais chamava atenção de Antônio eram seus olhos, que mesmo com o rosto cheio de rugas, se mostravam ardilosos.Ela deu um sorriso, mostrando-se solícita mas na verdade tentava disfarçar suas reais intenções.

-Eu insisto! O senhor está meio pálido, não parece bem. -Por favor, senhora, eu preciso ir!- disse Antônio se desvencilhando da estranha figura. Ele usou o resto de energia que tinha para correr da mulher estranha que acabara de falar com ele. Depois de correr por meio quarteirão, ele ousou olhar para trás. A senhora não se encontrava mais lá. Ele olhou para todos os lados mas não a viu em nenhum lugar. De repente, estava sozinho. Antônio voltou a andar, no mesmo ritmo de antes, lento e cabisbaixo, mas um pouco mais cansado devido a sua corrida inesperada. Pelo fato de não estar prestando atenção no que estava fazendo, ele tropeçou em um pequeno degrau da calçada de uma casa. -O senhor precisa de ajuda?- falou uma voz tranquila, quase cantada.

Ele olhou para cima com um pouco de dificuldade e se encontrou diante de homem. Um moço bonito, novo, rosto angelical, cabelos loiros e olhos azuis, alto e usava roupas claras. O ser estendia a mão para Antônio. -Muito obrigado- ele disse aceitando a ajuda do estranho. -O cavalheiro não parece muito bem... Eu posso ajudar? -Ah meu caro amigo, nem eu sei o que está acontecendo.- disse Antônio rindo. -Se precisar de ajuda, eu estou aqui.- falou a doce figura, que sumiu logo depois de dizer aquelas palavras estranhas, deixando Antônio confuso e sem reação. O homem começou a achar que a loucura estava prevalecendo em sua mente, talvez fosse sintoma da doença. Ele ficou pensando sobre as duas pessoas que havia encontrado à pouco tempo. -O senhor precisa de ajuda? Antônio se deparou com uma mulher, belíssima, olhos marcantes, rosto magro, pele branca, estranhamente bela, longos cabelos escuros. Ela levava consigo um guarda-chuva, de cabo muito longo. Ela estendia a mão ao homem, que agora se sentia exausto, desanimado e sem vontade de viver. -Eu posso ajudá-lo. - A moça disse mexendo a ponta dos dedos, chamando a atenção de Antônio. As mãos se encostaram e tudo ficou preto.


Dara Basali

Pai contra Mãe Apesar de minha mãe ter falecido pouco depois de eu nascer e meu pai nunca ter sido um rosto conhecido para mim, não posso dizer que minha infância foi ruim. Passei a minha vida com minha tia Mônica, irmã da minha mãe, que se surpreendeu ao saber da morte dela e do meu nascimento, minha mãe era uma moça misteriosa. Quando pequena minha atividade preferida era dançar, eu não era boa como essas outras mulheres, apenas mexia meu corpo sem ritmo algum. Conforme eu fui crescendo essa atividade foi se afastando mais de mim, afinal, costurando diariamente com a titia era difícil fazer qualquer outra coisa, mas não estou tentando me fazer de coitada. Quando fiz doze anos tive meu primeiro namorado, eu sempre fui atrasada comparada às outras garotas, minha tia não se importava tanto, eu, por outro lado ficava muito aborrecida. Com essa idade as moças já se casavam, e eu não era feia, era apenas comum. Aos vinte e dois conseguia contar alguns, não muitos, relacionamentos que tive durante esses dez anos de mulher, eu estava passando da idade de casar e, mesmo que eu ame minha tia, não gostaria de acabar como ela. Eu não era exigente, se fosse pedida casaria com qualquer um que eu havia namorado, mas por algum motivo nenhum se interessava por mim a nível de casar, mas no mesmo ano conheci Cândido, ele já estava mais velho e trabalhava entalhando ofícios. Já namorávamos há quase um ano quando Candinho, comecei a chamá-lo assim para ser mais carinhosa, pediu a minha mão, eu aceitei sem hesitar ou escutar os conselhos que minhas amigas davam, era a minha única chance e ele não era um homem ruim, apesar de não ter emprego no momento. Mas eu não o amava mais ou menos do que qualquer outro homem que fizera parte da minha vida, como eu disse, casaria-me com qualquer um. Acho que essa é a minha justificativa por tê-lo traído. Foi pouco após o nosso casamento que comecei a conversar com outro homem, não sei explicar o que me levou a fazer isso, afinal Candinho não era ruim, acho que eu buscava intensidade.

Algumas semanas depois percebi que estava grávida, contei ao meu marido e à titia, Cândido ficou muito animado ao saber da novidade, ele pensava que o filho era dele, minha tia, por outro lado, sabia do meu caso com outro homem, e acho que esse foi um dos motivos para ela ter sido contra esse bebê desde o início, sugerindo que o colocássemos na roda. No começo discordei da ideia, assim como Candinho, mas ao passar das 38 semanas ambos percebemos que ter mais uma boca para alimentar não era uma ideia sensata. No dia nove de junho nasceu meu filho, mulato. Meu marido não disse nada a respeito, mas começou a olhar para mim diferente, parecia desprezar-me. Não muito tempo depois do nascimento, Cândido foi levá-lo à roda. No momento em que a porta fechou eu desabei, chorei por uma hora seguida, sabendo que nunca mais veria meu bebê, e que eu era a única que se importava com ele, pois assim como eu, meu filho nunca conhecera o rosto de seu real pai. Fiquei aflita por muitas horas, seis ou sete, talvez mais, foi quando ouvi a porta se abrindo e vi não só Candinho, como meu pequeno, que ainda não havia sido nomeado. Na hora acho que o sentimento foi alívio, um alívio bem maior do que eu já tinha sentido na vida, não só por ter meu pequeno comigo, mas também por saber que meu companheiro havia, de certo modo, o aceitado como seu também. Enquanto peguei meu neném, titia já perguntava o que ele estava fazendo dentro de casa, e Cândido contou que enquanto andava na rua encontrou Arminda, uma escrava que estava sendo procurada e quem a encontrasse ganharia uma recompensa de cem-mil réis. Ele então fez o procedimento de captura, apesar de a escrava estar grávida, assim como eu estava pouco tempo antes, e quem sabe, do mesmo homem. Não conseguia parar de pensar em como éramos parecidas, eu e Arminda, apesar de nunca tê-la conhecido, e também não parava de pensar que talvez eu estivesse errada em relação ao meu marido e que talvez meu filho nunca seja dele.


Diego Oliveira

Vidas Secas na cidade No capítulo 13, denominado “Fuga”, a seca havia chegado, os animais morreram, então Fabiano e Sinhá Vitória discutiram sobre suas vidas, o que seria dali para frente, Fabiano achou bom o diálogo pois faria a viagem parecer passar mais rápido, e seria uma forma de distração, queriam ir para a grande cidade, pensaram nesta possibilidade pois não teriam de fugir toda vez da seca, Sinhá Vitória não queria que o destino de seus filhos fossem vaqueiros como Fabiano, mas pelo contrário, o pai não via outro futuro que não fosse este. Durante a viagem, Fabiano e Sinhá Vitória falavam muito sobre o futuro e como achavam que seria ao chegarem na cidade, então dias depois, a família finalmente chega a São Paulo, sem ter nenhuma ideia do que fazer à partir daquele momento. A família chega desesperada, com fome e principalmente à procura de moradia, então como não tinham dinheiro e nem ideia de como era viver na cidade grande, se direcionaram para debaixo de uma ponte e esperaram até o dia seguinte. Depois de todos acordarem, foram até uma feira andando e descobriram que não teriam como pagar pela alimentação, então o único caminho que a família enxergava era começar a pedir dinheiro rua à fora, então viram que nos dias de hoje, na situação em que eles estavam, viver na grande cidade, não era uma opção boa como imaginavam, perceberam que não teriam moradia para o resto de suas vidas, e nenhuma oportunidade de trabalho, já que viviam na fazenda, e só conheciam aquela área. Fabiano então mandou os filhos para pedir dinheiro no sinal, os familiares viviam como nômades, então todos dias, enquanto ainda havia sol, eles pediam dinheiro, e quando a noite chegava, procuravam sempre juntos algum lugar coberto para dormir e então no dia seguinte fazer a mesma coisa, assim perceberam que teriam de viver assim, até o resto de suas vidas e que não teria oportunidades melhores de vidas como imaginava Fabiano e Sinhá Vitória durante o caminho da viagem, onde tiveram vários diálogos sobre o futuro dos filhos.

Tempos depois de ter se adaptado ao novo local de vida, perceberam a desigualdade social presente na sociedade e as desvantagens da pobreza, falta de educação e oportunidade para quem não é nativo do local e vem de outras áreas. A única vantagem era que eles não teriam que todo ano fugir da seca, de resto não tem nem como descrever todas as desvantagens de viver na cidade grande sendo extremamente pobre, sem saúde e moradia, ainda mais no século XXI.

Eduardo Destro

A vida é um jogo Quando eu tinha mais ou menos quatro anos, eu fui introduzido a uma das minhas coisas favoritas: video games. Todo dia eu assistia meu pai jogar. E depois de dois anos eu finalmente consegui jogar. Podemos dizer que foi amor ao primeiro jogo!Desde aquele dia, eu comecei a ver a vida como um jogo ( e as vezes eu queria que ela realmente fosse um) e conforme os anos foram passando,e eu fui crescendo, a vida começou a parecer...diferente. Para os meus pais eu estava indo para a escola, mas para mim eu estava indo para uma masmorra perigosa.Certo dia, eu estava na aula de história e de repente eu acabei viajando nos meus pensamentos. Percebi que tinha me distraído e quando voltei a prestar atenção, vi que eu estava de pé em cima dos corpos dos meus colegas de classe. Quando, de repente, eu vi um brilho no corpo do meu professor. Quando me aproximei eu vi um aviso que dizia:“aperte x para procurar” e quando fiz isso eu achei um inventário com uma espada estranha. Quando eu o peguei vi que um tipo de tutorial apareceu na lousa que dizia ¨a espada tinha um poder especial que carregava com o tempo” e “ derrote inimigos para aumentar a velocidade da carga”. Não sabia bem o que ela fazia, mas achei que poderia ser útil. Depois de lutar contra alguns inimigos e o chefão para sair da escola, eu fui para o que eu achava ser minha casa.


Assim que eu cheguei, eu caí em um alçapão e achei uma porta. Atrás dela estava meu pai sentado atrás de uma mesa. Depois de nos encararmos por um tempo eu comecei a me perguntar se eu deveria mesmo lutar contra o homem que me ensinou sobre tudo isso. Eu não tinha escolha eu tinha que fazer isso para sair desse lugar maluco, a única coisa que eu tinha para lutar era uma adaga que encontrei perto da porta junto de alguns kits médicos e a minha espada(que eu ainda não sabia o que fazia), eu claramente não estava preparado para isso, mas eu ia lutar de qualquer jeito, eu precisava. Ele avançou na minha direção para me atacar e eu me desviei por pouco para logo depois sentir algo e desmaiar.Eu acordei na porta da sala e percebi que tinha morrido então tentei denovo dessa vez consegui dar um golpe nele mas morri de novo. Continuei insistindo e cada vez eu chegava um pouco mais perto de derrotar ele, eu já tinha perdido a conta de quantas vezes eu tinha morrido quando lembrei que minha espada tinha uma habilidade que estava quase carregada.Entrei mais uma vez e ouvi o discursinho dele mais uma vez e começamos a lutar e percebi algo estranho, ele lembrava dos ataques que eu tinha usado em lutas passadas e como contra-ataca-los, mas eu também lembrava dos ataques dele quando eu estava prestes a morrer de novo eu percebi que a habilidade da minha espada estava carregada. Quando ativei a habilidade pareceu que o tempo parou por alguns segundos e quando percebi a espada estava pegando fogo, então voltei a lutar e finalmente comecei a vencer era golpe atrás de golpe atrás de golpe quando de repente eu não conseguia me mover e a sala escureceu e percebi que tinha vencido.Eu vi um brilho mistérios no meio da sala eu achei que era a saída então quando toquei a luz e fui levado para um lugar que eu não conhecia, um tipo de deserto, tinha certeza que não era minha casa. Depois de andar um tempo eu achei uma pessoa quase desmaiada, essa pessoa era você. E foi assim que eu cheguei aqui e encontrei você. Agora vamos indo temos um longo caminho a nossa frente.

Eduardo Vianna Zorzi

Cidade grande Não foi fácil chegar na cidade grande, por várias razões. Foram três semanas de viagem, às vezes a pé, a cavalo e vez ou outra de carona na caçamba de um caminhão. Fabiano e sua família não tinham nada, faltava comida, água e onde dormir. Sobreviveram às custas da ajuda de um estrangeiro, cujo o nome era Jarvis e estava vindo do Rio de Janeiro para trabalhar em São Paulo como um professor de geologia. Fabiano e Jarvis se conheceram num bar de meio de estrada. Jarvis havia arrumado uma briga com um sujeito mal encarado, com uns 2 metros de altura. Fabiano ia entrando no bar para pedir alguma comida quando o grandalhão sacou uma faca e quase esfaqueou Jarvis. Não conseguiu aplicar o golpe pois Fabiano o empurrou contra a parede. Agradecido, Jarvis ofereceu mantimentos para a família e uma carona para a cidade. No caminho, Jarvis contou para Fabiano seus planos de trabalho, que iria dar aula na Universidade de São Paulo e perguntou o que a família pretendia fazer. Fabiano, um homem de poucas palavras, contou que estava fugindo da seca da caatinga, da miséria e da discriminação. Buscava uma vida nova na cidade grande para poder sustentar sua família e tinha a esperança de poder colocar seus filhos na escola. Comovido pela história de Fabiano, Jarvis decidiu dar-lhe um empurrão inicial, ofereceu seu carro e celular para ele trabalhar como um motorista da Uber como agradecimento por salvar a sua vida. Fabiano não aceitou de jeito nenhum. Ele disse: “como um retirante da caatinga, que não sabe ler nem escrever vai aprender a dirigir e a mexer em seu sei lá o que?”. Jarvis concordou que a proposta era muita novidade para o retirante. E perguntou: - Fabiano, o que você sabe fazer? - Eu sei colher, plantar e cuidar de terra. - Aqui na cidade não temos plantações, só asfalto, mas me diga, Fabiano, o que mais você sabe fazer? - Nada mais


Jarvis levou Fabiano, Sinhá Vitória, o menino mais velho e o menino mais novo para um abrigo no centro da cidade, para poderem passar a noite. Se despediram, desejando boa sorte.Lá no abrigo Fabiano viu as condições de outras famílias pobres. Eram pessoas simples, mal vestidas, sem trabalho e sem um lar. Ele se identificou, a cidade grande também tinha miséria.

A mãe da mulata era uma escrava muito bela, com olhos lindos como os de uma branca, e com ela gerei uma filha, que é a mulata que fugiu. Dei-lhe o nome de Arminda.

Precisou de uma semana saindo todo dia cedinho para procurar trabalho. Um dia, vagando pelas ruas, ele se deparou com uma mulher brigando e despedindo um funcionário de sua loja de roupas. Viu ali uma oportunidade e se ofereceu para ficar no lugar dele como um carregador. Deu certo, seus braços fortes conseguiram o emprego. A esposa também teve a sua oportunidade. Depois de duas semanas, um casal muito rico apareceu no abrigo para doar roupas e comida. Viram Sinha Vitória ajudando na cozinha e perguntaram se ela gostaria de trabalhar com empregada doméstica na casa deles. Ela aceitou, receosa pois não conhecia oque era ser uma empregada doméstica.

Já faz 21 dias desde que mandei cartazes de procurada. Não aguento mais essas rebeliões e, semana passada, o escravo que a engravidou fugiu, mas em menos de um dia foi devolvido, ele estava com bastante medo de ser espancado. Contudo, desde que Arminda fugiu, estou triste e não tenho energia para nada. Amava-a tanto quanto o resto de meus filhos.Nem me importo com os outros escravos e os chicoteio para descontar minhas frustrações. Mas, ela eu nunca maltratei.

Eles tiveram uma grande chance na cidade grande, uma sorte que poucos tem e se esforçaram para aproveitá-la. Trabalharam com dedicação, puderam alugar uma casa simples e realizar o grande sonho de colocar os filhos em uma escola pública.Quem diria que um homem do campo conseguiria se encaixar em São Paulo nos dias de hoje.

Fabrizzio S. Lombardi

A fuga da mulata Eu sou um fazendeiro e dono de escravos bem rico. Chamo-me José. Mês passado, a minha escrava mulata fugiu, mesmo estando grávida (motivo pelo qual achava que ela não fugiria). Com tanta raiva por causa da fuga, nos primeiros dias eu torturei ainda mais meus escravos, porém depois não conseguia mais torturá-los por tamanha tristeza causada pela fuga de Arminda.Eu a amei mais do que meus filhos. Os escravos, também por causa da mulata, começaram a se rebelar muito, como, por exemplo, parar de fazer o trabalho para vagabundear pela fazenda.

Quando ela completou quatro anos, a submeti ao trabalho doméstico.Com quinze anos, Arminda se envolveu com um escravo e acabou por ficar grávida.

Ontem, um homem chegou com Arminda toda machucada e amarrada. Não me importei, afinal ela estava aqui de volta e havia abortado a criança. Ainda bem, sempre odiei aquele vagabundo que a engravidou. O nome do gentil rapaz que trouxe a mim a mulata, era Cândido Neves. Ele me contou que seu filho havia nascido e estava levando-o para a roda. Acabou vendo Arminda circulando; então, deixou seu filho com Robson, o farmacêutico, e foi capturá-la. Fico feliz que Arminda esteja de volta e, além disso, efetuei uma nobre bondade: ajudei um bebê a vingar. Um ano se passou desde que Arminda perdeu o bebê e continua não falando com ninguém e não comendo quase nada. Tentei colocá-la em trabalho doméstico, mas não funcionou. A mulata continua não comendo nada; pelo menos já está interagindo com as outras escravas.


Francisco Nascimento

A vida de Arminda Meu nome é Arminda e já nasci sendo escrava, meus pais vieram das terras do outro lado do mar. De minha mãe Kaliane não lembro das feições, não tive tempo suficiente com ela, mas carrego comigo o calor de seu abraço. Ela ficava mais fraca e pálida a cada dia que passava, não conseguia mais fazer o trabalho árduo. Foi tomada pelo banzo, tinha uma profunda melancolia ao se lembrar de sua terra, sua família e de todos os rituais que lá fazia. Certo dia ela me entregou uma boneca, disse que seu nome era Abayomi, lembro até hoje de suas palavras: “Arminda, essa boneca é um pedaço de mim, toda vez que sentir alguma angústia ou saudade, aperte-a com força”. Alguns dias depois ao entrar na choupana me deparei com uma terrível cena, uma multidão de escravos paralisados e sem fala, vi uma mão estendida no chão, e não demorei muito para compreender o que estava acontecendo, após uma série de calafrios horríveis, derramei um pranto de lágrimas, Dandara, uma das escravas que trabalhava com minha mãe veio me acudir, disse que me acolheria e me protegeria. Eu amava Abayomi, sempre brincava com ela no horario do trabalho, só tomava cuidado para que o sinhô Armando não visse. Armando é um patriarca, proprietário de terras, sempre tive muito medo dele, ele esfolava qualquer criança que via brincando na hora do trabalho, parecia aliviado ao dar as surras nos escravos. Mas quem mais me assustava era seu filho, João Inácio. Um menino pouco mais velho que eu e que adorava ver os escravos apanhando, toda surra que acontecia ele observava com toda atenção. Divertia-se também de forma bem perversa, atrapalhava o nosso trabalho, como na vez em que Zaire, um homem idoso e muito sábio, estava consertando a porta de um velho relógio amado pelo sinhô, na entrada da casa grande. Enquanto ninguém via o menino derrubou o relógio e culpou Zaire, furioso, Armando levou-o para o pelourinho e deu-lhe uma surra. Ninguém viu Zaire depois disso.

João, o menino mais perverso e desprezível que conheço, também já me traumatizou de uma forma que eu nunca imaginei que seria possível, ele sabia da Abayomi, já tinha me visto brincando com ela, mas nunca contou para o Armando ou outra pessoa da casa, ele fez pior. um dia eu brincava na beira do rio, próximo da choupana, João, ao me ver lá, logo se aproximou: - Ei neguinha me entregue essa boneca agora - Não, ela é minha, Vá embora!- O menino enraivecido gritou -Sua preta fedida!- e se jogou em cima de mim, ele era muito mais forte, me derrubou no chão e me chutou, eu tentei revidar mas foi em vão. João pegou a boneca e começou a rasgá-la, com muito ódio, olhando no fundo dos meus olhos, enquanto eu chorava e suplicava para que ele parasse. Eu fui correndo falar com Dandara, ela me deu um pouco de pão e água, e na hora começou a fazer outra. Com toda delicadeza e cuidado em duas horas de trabalho havia feito uma linda boneca, com um vestido amarelo igual à luz do sol, e com tranças belíssimas, mas eu sabia que essa nunca seria igual à feita pelas mãos de minha mãe. Eu pensava que tinha visto o ápice de crueldade de João Inácio, mas infelizmente estava errada. E agora vem a pior parte, é terrível apenas pensar nisso e quando me lembro sinto calafrios gelados subindo a minha espinha. Essa foi uma das experiências mais traumáticas que já tive. Sentir meu corpo invadido por aquele monstro que tanto odeio e ser castigada com com uma semente dele em meu ventre. Fiquei confusa, nos dias seguintes fiquei muito enjoada e fraca, não tinha forças para lidar com a realidade. Mas uma luz no fim do túnel apareceu, finalmente tive esperança, Amon me contou que estava planejando uma fuga há algum tempo, e que ela aconteceria daqui a alguns dias. Todos os meus companheiros estavam muito inquietos, tentando não levantar suspeita para a grande fuga que aconteceria. O dia chegara, Amon tinha planejado tudo, enquanto uma grande festa aconteceria na casa grande nós iríamos atravessar o rio e fugir para a cidade. Estava tudo acontecendo como o planejado, já acreditávamos na possibilidade de liberdade, mas o inesperado aconteceu, um grupo de homens brancos que navegava pelo rio nos viu, e logo foram alertar Armando.


Uma perseguição intensa se iniciou, vários negros estavam sendo capturados, e quanto mais nós corriamos menor ficava o grupo. Os cachorros famintos se deliciavam com a carne que conseguiam abocanhar, e os homens brancos vinham correndo logo atrás. Eu me perdi do grupo, e acredito que fui a única que conseguiu fugir, muito cansada achei um canto no meio da mata para descansar. Dormi lá por alguns dias e fui para a cidade. A essa altura já estava preocupada com o bebê, havia percebido que era apenas uma criança inocente e iria criá-la com todo amor e carinho. Fui procurar alguma comida e analgesicos. Deitei-me em um canto da rua e por lá fiquei algumas horas. Alguns dias depois reparei que um homem estava rondando a região a todo momento, achei suspeito mas não imaginei que ele estaria atrás de mim. Para minha infeliz surpresa, quando percebi qual era o objetivo desse homem, já era tarde demais. Ele veio correndo em minha direção, não tive tempo para reação, ele pulou em mim e amarrou meus punhos. Eu implorei para que não fosse levada até o Armando, mas o homem não deu atenção às minhas súplicas. Cheguei exausta à fazenda, não tinha força nenhuma, enquanto Armando conversava com o homem que havia me capturado e me levado à força até lá. Eu senti uma dor muito forte junto a uma sensação de desconforto inimaginável. Percebi que todo aquele esforço desgastou o meu corpo, que não resistiu e acabou abortando o bebê, eu olhei com as mãos ensanguentadas para Armando, e nesse momento percebi que não tinha mais nenhuma esperança.

Jorge Correa

Pai contra mãe Meu nome, é Cândido neves,minha vida foi muito difícil e complicada. Me entreguei a pobreza quando virei caçador de escravos fugidos. Eu tinha um problema que chamavam de caiporismo, um problema de estabilidade que me impedia de ficar nos mesmos empregos ou ofícios por um longo período de tempo. Cheguei a tentar tipografia, mas percebi que precisava de muito tempo para aprender a compor bem.

O comércio me chamou a atenção e entrei para um armarinho como caixeiro,mas em 6 semanas de trabalho, lá estava eu de novo nas ruas . Mas eu não havia sido demitido; a necessidade de servir a todos feria meu orgulho, então decidi procurar um novo emprego. E depois de muitas tentativas para obter emprego, resolvi adotar o ofício de meu primo, aliás, eu já havia tomado algumas lições sobre a profissão. Mas eu quis aprender cedo, e acabei aprendendo mal. Minha função era fazer garras para sofás e relevos comuns para cadeiras, nada de obras finas e complicadas.

Júlia Kaufmann

Clareira Todos me dizem que fui deixada na roda dos enjeitados por minha mãe, meu pai me abandonara também, não me lembro deles, não sei onde estão, e nem quero saber. Na época da história que agora vou lhes contar eu vivia uma vida relativamente boa, com o meu marido Cândido, e a minha tia Mônica, conseguíamos sobreviver com as coisas que tínhamos, mesmo não sendo uma vida luxuosa, era bem confortável. Mas tudo mudou após uma notícia inesperada. Eu estava grávida. O que eu iria fazer agora? Não tínhamos dinheiro para sustentar mais uma pessoa, Cândido não achava trabalho. Poderíamos dar um jeito, dizia a ele, mas ele estava tão culpado por não poder ajudar que estava cego para tudo isso. O tempo passou e nós não comentávamos mais sobre a gravidez, mas conseguíamos sentir que todos estavam agoniados. No oitavo mês de gravidez tia Mônica resolveu falar sobre como a situação deveria ser resolvida. Sentamos à mesa de jantar e ela começou: -Vocês sabem muito bem que essa criança não pode viver nessa casa, então vocês pretendem levá-la para a roda? Pois eu penso que essa seria a decisão mais sensata.


Essas palavras me doeram o coração, não queria abandonar minha criança, senti que Cândido também sofria ao meu lado. Pensei em falar o que sentia, o que pensava sobre o destino de uma pessoa que veio de mim, mas logo desisti, pois só estaria gastando palavras. despertei-me dos meus pensamentos com a voz de Cândido respondendo a tia Mônica: -Mônica, não sei o que fazer, eu como homem dessa cada devo tomar a decisão. não encontro mais escravos fugidos, se achasse somente um já seria o suficiente para sustentar o bebê por meses. Ele pensou por um tempo e depois voltou a dizer: - Se não conseguimos dinheiro até o nascimento damos a criança para a roda Mais uma vez queria dizer algo, precisava dizer: - Não! Comecei, mas recebi um olhar de desaprovação, então parei. Já estava com dor nas costas, por causa da gravidez, não aguentaria mais dor, não naquele dia. Permaneci quieta, mais uma vez. Já tinham passado nove meses desde que tínhamos recebido aquela noticia e nós nem comíamos três refeições por dia, mas mesmo se eu pudesse comer mais, não comeria, eu não tinha mais fome. No dia 23 de agosto nasceu minha filha, ela era tão linda, mas eu não poderia me apegar àquela criança. Doía-me tanto pensar que n ão teria ela em meus braços, que não veria ela crescer. Queria tanto ter fugido com ela naquele momento, mas e depois o que eu faria? Naquele dia à noite Cândido levaria nossa filha a roda dos enjeitados. Não me mexi, fiquei ali, com a minha bebê no colo, até chegar a hora. Minha tia Mônica veio e pegou a criança dos meus braços. Candido foi levá-la e eu e minha tia fomos para casa. Hoje ainda falta uma parte de mim, que ficou com a minha filha. Cândido desapareceu depois daquele dia, a última pessoa que o viu foi o farmacêutico, quem ficou com minha filha, pois eu e minha tia não teríamos condições de mantê-la Cândido nessa noite também devolveu uma escrava fugida para seu dono que em troca ele lhe dera cem mil réis.

Estou aprendendo a ler e escrever com meu noivo, João, mas o que eu mais gosto de fazer é trabalhar na casa da Dona Lucy. Brinco com sua filha, enquanto ela ajuda seu marido na farmácia.

Luisa Pires

voar Na Beira de uma colina existia uma pequena e sombria casa, onde vivia uma família composta por uma mãe, um pai e três filhos um destes filhos era uma menina seu nome era Aisha, ela se sentia muito sozinha. Sua mãe era criticada pelos seus próprios filhos e marido pelo seu instinto superprotetor causado por um acidente fatídico, aconteceu há três anos onde uma família havia acabado de perder um de seus familiares, esta criança foi tirada de seus pais por uma simples doença pela visão de sua mãe, mas ao passar dos dias o quadro da criança foi se agravando ela estava pálida e fria como se a morte já houvesse a ela chegado. Em sua casa, Aisha sentia-se obscura envolta pela solidão em seu quarto, onde ninguém perguntava por ela, a única coisa que fazia Aisha se sentir leve era seu velho balanço pendurado por uma corda em sua árvore no quintal, quando fechava seus olhos ela se sentia voando entre as nuvens no céu. Mas em um dia não tão bonito no qual Aisha estava em seu balanço as cordas dele acabaram se partindo e a pequena menininha se encontrava no chão desmantelada. Quando sua mãe avistou-a naquela situação a proibiu de sair de casa até que tivesse responsabilidade. Durante toda a sua adolescência sua mãe não a deixava sozinha em sua casa. Aisha cresceu, após muitos anos foi ir morar só e encontrar uma casa em alguma cidade onde ela se sentisse livre. Após poucas tentativas ela encontrou uma bela casa e também um emprego. Aisha durante anos se reconhecia satisfeita com sua bela vida, mas ao passar dos anos sua família foi diminuindo até Aisha ser a única que restara, mais também seu sentimento de serenidade não era mas o mesmo, havia voltado a sensação de solidão em sua casa e seu trabalho.


Então em um dia ensolarado Aisha resolveu voltar a sua cidade natal e visitar sua antiga casa, quando chegou notou em seu jardim seu velho balanço no mesmo estado em que o deixara mas com uma pequena carta sobre ele. A carta dizia: ”Aisha, desculpe pelos meu atos do passado, você deveria ter sido livre para fazer suas próprias escolhas e não ter ficado isolada em sua casa, então minha filha voe para onde quiser”.

Manoela Tagnin Galan

Grito silencioso Meu nome é Arminda e eu trabalhava numa fazenda no sul do Rio de Janeiro até os meus quinze anos. Eu sou adotada, meus pais biológicos me deixaram na roda quando eu era bebê e eu não sei quem eles são, só sei que assim que eu percebi que tinha uma diferença nos nossos tons de pele, que eu era negra o Duarte, meu pai era branco, ele me contou que ele tinha me pego lá. Eu e meu pai morávamos na fazenda desde que eu nasci, tinha uma casa onde ele passava a maior parte do dia, ela era muito bonita e bem grande, mas eu só podia entrar nela para trabalhar, senão tinha consequências severas. Era um domingo de manhã e eu estava fazendo o meu trabalho na horta, de repente Duarte chegou em mim sem nem falar nada e pegou no meu braço começando a me puxar à força em direção a casa, fiquei muito confusa, pensei que eu ia apanhar, mas não tinha feito nada de errado, então tentei me soltar ou até mesmo perguntar o por quê de ele estar me puxando tão forte. Ele não respondeu, só começou a me puxar mais forte e mais depressa. Quanto mais perto da casa a gente chegava, mais eu ficava nervosa, não conseguia respirar nem andar direito de tão em pânico que eu estava. Meu pai me empurrou no chão da sala e falou para eu subir para o quarto dele, o mesmo eu fiz. Depois de uns minutos ele chegou e disse pra mim que se eu falasse alguma coisa naquele momento, coisas ruins iriam acontecer comigo, como eu não podia fazer nada além de concordar, disse que não iria fazer nenhum barulho.

Antes que eu ficasse com mais dúvidas, ele começou a passar a mão na minha perna, colocou suas mãos entre os meus cabelos e sussurrou no meu ouvido "Não se preocupe querida, tudo vai ficar bem". Meu coração acelerou, eu queria sair dali imediatamente, mas sabia que não podia, o que eu faço então? Eu deixo se aproveitar de mim? Obviamente eu deixei, pois ele não ia ligar se eu pedisse para parar e eu também não poderia falar nada. Algumas semanas após isso eu fui percebendo algumas mudanças em meu humor e corpo, achei que era só alguma doença então deixei passar. Três meses depois eu estava com a minha barriga maior do que o normal, me toquei que eu poderia estar grávida. Eu entrei em pânico, o suor começou a escorrer do meu rosto e meu coração acelerou muito. Duarte estava viajando e eu estava sozinha na fazenda, sabia que ele não iria ligar para o bebê, mas eu não poderia simplesmente abandoná-lo assim que o mesmo nascer. Decidi então fugir, tentar talvez achar algum lugar em que alguém me ajude ou que eu possa criá-lo, mesmo que seja sozinha. Assim que eu arrumei as minhas coisas fugi para a cidade. Encontrei uma casa abandonada meio distante do centro, e me estabilizei ali e fiquei por um bom tempo. Passaram-se alguns dias e percebi que havia alguns cartazes espalhados pela cidade com imagens minhas. Deduzi então que meu pai estava à minha procura, pois como eu não era alfabetizada, não conseguia ler a descrição. Assim que percebi que os caçadores de escravos estariam vindo atrás de mim, tive que me esconder até resolver o que eu iria fazer. Alguém com certeza iria me encontrar e me entregar para Duarte. Alguns meses se passaram e nesses eu quase não saía do abrigo, eu sempre tentei ser o mais discreta possível pela segurança do bebê. Eu estava no fim da gestação e com muito mais enjoos do que eu estava acostumada. Eu vomitava quase toda hora e precisava de comida. Então fui a um lugar perto de uma farmácia, onde as pessoas jogavam fora os restos de suas coisas. Eu estava com esperança de que houvesse restos de comida, mas não achei nada. Estava voltando para o meu refúgio mas fui surpreendida por um homem.


Ele me pegou pelas costas e começou a me puxar com uma força imensa, ele parecia preocupado com alguma coisa, mas aliviado ao mesmo tempo, eu tentei gritar para alguém me socorrer, mas ninguém iria se importar, então fiquei calada. Eu fiz força para me soltar das mãos dele mas eu não conseguia, começamos a chegar perto de uma casa, eu não a reconheci, mas assim que o homem abriu a porta eu vi, lá estava Duarte, ele me pegou e me jogou no chão, ele sacou a carteira do bolso e deu uma quantia de dinheiro para o homem orgulhoso. De repente eu comecei a sentir uma dor imensa na barriga, gritei muito de dor, mas ninguém se importou, as dores eram muito fortes e parecia que eu iria ter meu filho naquele momento. Passaram-se alguns minutos e eu acabei desmaiando, quando acordei não tinha nenhum bebê ali, estava com muito sangue no chão e sentia que havia algo estranho na minha barriga, mais especificamente no meu útero, estava com náuseas e não estava sentindo o coração do meu filho, percebi então que poderia ter tido um aborto espontâneo. Depois de tudo o que aconteceu, Duarte entrou no cômodo como se nada tivesse acontecido e olhou no fundo dos meus olhos, ele estava com um olhar de ódio e eu conseguia sentir que ele iria me bater. Cada vez mais ele estava chegando mais perto do meu rosto com o seu punho, mas parou e se levantou. Ele foi para um lugar que se parecia com uma cozinha, pegou um objeto estranho e voltou para mim. Eu estava muito tonta para conseguir identificar o objeto estranho, mas quando foi chegando mais perto eu vi o que ele segurava. Era uma faca, ele estava segurando-a na mão e veio bem devagar com ela, mas parou e disse para mim: "Quem você pensa que é para ter feito isso? Fugiu de mim, agora terá sua consequência". Não deu mais um segundo e eu já estava com o objeto

Maria Clara Sirelli

Pai contra mãe Quando nasci, minha família tinha boas condições econômicas, e eu era muito feliz. Eu fui crescendo, e, enquanto isso, meus parentes já estavam procurando em diversas famílias, uma pessoa com a qual eu pudesse me casar quando completasse quinze anos. Depois de muito buscarem pelo parceiro ideal, encontraram um garoto que tinha mais ou menos a mesma idade que a minha. Ele era muito bonito, tinha cabelos castanhos e olhos claros. Nossos pais eram muito amigos, e nos pareceu uma boa ideia casar. Seria um bom negócio para as duas famílias. Tudo estava correndo muito bem, até que, quando completei quatorze anos de vida, meus pais sofreram um terrível acidente e acabaram falecendo. Pelo fato de eu ser uma mulher, toda a herança que nos restava foi dada ao meu irmão mais velho, e eu fiquei sem nada. A partir desse ponto, tudo começou a dar errado. Meu casamento fora desarranjado, devido a minha falta de condições, e eu não tinha nenhum familiar próximo que pudesse me sustentar. Fui encaminhada para uma tia que eu mal conhecia, e que morava no interior. Chegando lá, percebi que suas condições não eram boas, e que a mulher não tinha marido. Mesmo assim ela me educou, e tentou me ensinar tudo que sabia. A Tia Mônica nunca teve filhos, e eu não tinha mais mãe. De certa forma nós acabávamos completando-nos. Passaram-se oito anos desde a morte dos meus pais. Eu já tinha vinte dois, e quanto mais o tempo passava, mais difícil ficava realizar meu sonho de formar uma família, já que os homens geralmente se casavam com meninas mais novas. De um modo geral eu estava desesperada para arranjar um marido. Tentei chamar atenção dos homens dos mais diversos tipos, mas nenhum deles estava buscando um casamento sério. Foi então que encontrei Cândido Neves. Um rapaz com não muito dinheiro, e que não gostava de se empenhar e nem de trabalhar. Ele acabou se apaixonando rapidamente por mim. E, como eu realmente queria um marido, nosso casamento ocorreu rapidamente.


Cândido acabou se focando em trabalhar pegando escravos fugitivos e entregando-os aos seus senhores. Era um trabalho que não trazia muito retorno financeiro, e cada vez mais, a nossa condição de vida piorava. Eu acabei me dedicando mais à costura, junto com a minha tia. Nós tentávamos vender em alguns lugares as peças que conseguimos fazer. Mas nosso esforço também quase não trazia retorno. Mesmo não estando em nossas melhores condições, nosso sonho era ter um filho. Tia Mônica sempre me avisava que uma criança nos traria muito prejuízo. Ela ameaçava, dizendo que todos nós morreríamos de fome. Com o tempo, começaram a aparecer sinais de que o tão sonhado bebê estava por vir, e a titia ficava cada vez mais preocupada. Eu entendia seu medo. Mas esse era meu sonho desde pequena. O dono de nossa casa veio nos cobrar dinheiro que não tínhamos, e além de tudo, as ofertas de escravos fugindo estavam acabando. Cândido ficou muito tempo sem trazer dinheiro para casa, e eu e a tia Mônica tivemos que costurar muito para que tivéssemos o mínimo de economias para a nossa sobrevivência. ândido certo dia ficou obcecado por capturar uma determinada escrava. Esse acabou virando seu principal objetivo. Pouco tempo depois, nosso bebê nasceu. A tia Mônica acabou nos convencendo de que a melhor ideia seria colocar nosso filho na roda. Eu nunca mais o veria, e essa ideia estava acabando comigo. Mas nossas condições financeiras só pioravam e nós acabamos concordando com a ideia. Eu não tinha condições emocionais para acompanhar meu marido, quando ele fosse levar a criança. Ele acabou indo sozinho. A angústia me sufocava. Eu tinha a impressão de que algo aconteceria, e que nossos planos não ocorreriam como previsto. Eu acabei pegando no sono, e quando acordei, Cândido havia voltado com muito dinheiro e com nosso filho em mãos. Não tenho palavras para descrever minha felicidade. Mas algo em Cândido havia mudado. Algo havia ocorrido e ele não quis dar muitos detalhes. Sua única frase a respeito do que havia ocorrido foi: Nem todas as crianças vingam.

Mariana Casolari

Vidas Urbanas Fabiano chegou em casa, se é que uma pilha de tijolos formando quatro paredes pode ser chamada de casa. Tinha uma expressão centrada, séria, como se contasse os dias desde quando chegaram ao Rio. Não conseguia se lembrar, talvez algumas semanas, talvez um mês, ainda estava tentando se acostumar com o acelerado cronograma da cidade grande. Refletiu por mais alguns minutos, mas seu pensamento foi interrompido por Sinha Vitória, que chegava aos prantos segurando em cada mão um dos filhos. Disse que os tinha visto jogando bola com outras crianças do bairro enquanto deveriam estar no sinal vendendo balas para ajudar a sustentar a família: “Trabalhar porque não existe mais tempo para diversão”. Sinha Vitória foi a que se adaptara mais rápido à nova rotina. Acordava às quatro e meia da manhã para pegar dois ônibus e um trem para chegar ao trabalho, onde ficava até às sete da noite cuidando de duas mimadas meninas. Chegava em casa às nove, e ainda cozinhava para o resto da família. Mas a comida era estranha, o feijão não tinha mais cor, era cinza, assim como o resto da cidade, e os grãos não pareciam mais obra da natureza, tinham gosto de plástico. Sinha sabia sobre o anormal gosto da comida, apenas olhando as péssimas expressões faciais de seus filhos, sentia-se mal, era uma das únicas coisas que fazia-a se sentir realmente mal, afinal, sua comida era sua marca, seu reconhecimento, se não conseguisse nem preparar um decente jantar o que faria direito? Fabiano ficava espantado com a natural e calma atitude de Sinha Vitória, como se ela morasse na cidade grande desde sempre. Não conseguia entender como ela superara todas as perdas e os traumas tão rápido, será que os tinha superado mesmo? Ou apenas fingia não sentir nada, como sempre? Já os meninos, se sentiam completamente perdidos, mas gostavam das novas aventuras da cidade grande, por isso a batizaram Cidade do Rio Novo, um lugar onde tinham amigos e podiam brincar o dia inteiro, contanto que vendessem as “malditas balinhas” que a mãe lhes entregava.


Na maioria das vezes, os meninos esqueciam-se das balinhas e iam jogar bola, e supriam a falta do dinheiro batendo carteiras nas ruas. Assim quando a mãe chegasse teria um problema a menos para se preocupar. O Menino Mais Velho havia se tornado um adulto mirim, devido a uma precoce juventude e a necessidade de ajuda em casa, ele não compreendia o motivo da mudança tão drástica, mas aprendeu a não fazer mais perguntas, apenas obedecer. Sua grandiosa mente foi contaminada pelo pensamento prático, reto. Na cabeça do Menino Mais Novo, a jornada de sua família, do nordeste ao Rio era uma fantasia, um lugar onde convivia com mais do que só os pais e o irmão, onde poderia ter amigos e brincar o dia todo. Só poderia ser uma miragem. Era muito pequeno para perceber o que acontecia a seu redor, parecia que sua criatividade tomara conta de todo o seu pensamento, poupando-o de muito sofrimento, um sofrimento que logo i ria chegar. Finalmente era domingo, o tão esperado domingo, o único dia da semana que a família passava vinte e quatro horas junta. O único dia em que Fabiano podia acender o cachimbo e refletir seus pensamentos mais profundos como se fossem comuns questionamentos sobre a maneira que essa nova sociedade se organizava, o único dia em que Sinha Vitória podia ter certeza de que tudo estava em seu devido lugar, as crianças brincado, Fabiano fumando e a casa arrumada. O único dia em que o sentimento de prazer era presente. Diferente de todos os outros domingos, e ste veio acompanhado não apenas de uma segunda-feira, mas de todas as segundas-feiras até o resto de suas novas urbanas vidas.

Olivia Bussoloti Ribeiro

Você é um cabra. Você é um rato Há algum tempo o solo tinha mudado, a família não mais pisava na terra seca, mas sim em um chão escuro e duro. Fabiano, que nunca encontrara algo assim, imaginou que estavam chegando na cidade.

Logo sua teoria foi confirmada quando o filho mais velho soltou uma exclamação apontando para frente, onde se via uma construção como nada que nenhum deles já vira. Era alto e esguio, feito de cimento, maior do que várias árvores que Fabiano já tinha visto, este contemplou como estrutura tão grande e tão reta e sustentava em pé. Depois de alguns quilômetros chegaram na cidade, cansados mas felizes por terem finalmente chegado ao seu destino, com esperança de talvez uma vida melhor. Sinhá Vitória olhava as pessoas que passavam à sua volta. Usavam roupas estranhas e andavam rápido, como se com pressa para chegar em algum lugar. O que mais a impressionava, porém, era que ninguém parecia o outro, não trocavam uma palavra, um olhar sequer, todos ocupados com o que se passava nas próprias cabeças e próprias vidas. O menino mais novo achava tudo interessante e novo, as possibilidades e aventuras que o esperavam nesse novo ambiente. O que mais chamava atenção do garoto era um lugar, perto de onde ele estava sentado na calçada, onde várias pessoas estavam reunidas, conversando e comendo, e um cheiro delicioso saia do lugar. Fabiano e o Menino Mais Velho estavam pensando mais ou menos as mesmas coisas. A cidade era grande e assustadora, cheirava mal e era feia, e aquelas construções enormes se erguiam por todo lado. Era um território estranho e hostil. Dormiram do lado de fora no primeiro dia, em um espaço com grama e embaixo de árvores, mesmo tendo que passar a noite na rua, estavam maravilhados com a quantidade de plantas e verde em um pequeno espaço. Quando começou a chover foi incômodo e frio, mas impressionante para a família que estava tão acostumada com a seca. Alguns dias se passaram desse jeito, descansando em espaços aleatórios da cidade e comendo o que conseguiam achar por aí, Fabiano notava como olhavam para ele e sua família, como se fossem algo nojento. Finalmente Sinhá Vitória insistiu que achassem um lugar permanente para ficarem.


O Menino Mais Velho e Fabiano saíram e venderam seus pertences, que não eram muitos, mas conseguiram um pouco de dinheiro, o suficiente para pagar a estadia de um mês em uma pequena casa em uma ladeira, infestada de ratos, cercada por várias outras moradias. Não era chique, longe disso, mas era um começo. Um mês tinha se passado desde que a família tinha chegado na cidade, e as coisas foram se acomodando pouco a pouco. Sinhá Vitória conversou com algumas pessoas de sua vizinhança e consegui arranjar um trabalho limpando casas. Fabiano conseguiu um favor com um homem que conheceu em um bar e foi contratado por uma empresa que cuidava de jardins. Não era o que ele estava acostumado, mas foi o mais perto de suas habilidades que conseguiu achar na cidade. As coisas melhoraram, mas a infestação de ratos piorava. Os meninos gostavam de espantar as criaturas, mas elas sempre voltavam. Malditas criaturas que faziam barulho a noite e roíam móveis. A vida na cidade era mais bem provida, havia mais comida e mais roupa. Fabiano, porém, se sentia miserável na cidade, sentindo que todos olhavam para ele e sua família como algo para ser exterminado, algo incômodo, não muito bonito de se olhar e que ninguém sentiria falta deles se simplesmente sumissem, na verdade suas vidas seriam melhores. Eram como os roedores em sua casa. Você é um rato, Fabiano.

Victória Miyuki

Pai contra mãe Entre os galhos de árvores que arranhavam minha pele, a adrenalina tomando conta de meu corpo e o desespero de uma fuga em que por mais que quisesse olhar para trás e voltar para o colo de meu senhor, eu jamais poderia, tinha de colocar meu fruto como uma prioridade.

Mal saindo do enorme terreno, dou meia volta e olho ao redor, tinha de ter certeza que ninguém estava me seguindo ou pior, se o meu senhor, havia acordado. Observo a casa principal com o coração em minha boca, felizmente a residência estava tão escura quanto a pele de minha mãe. Solto um longo suspiro de alívio, porém vejo que logo as luzes da grande casa se acendem e uma pessoa sai pela porta principal. Sempre arrumei confusão com as outras mulheres negras que viviam comigo, por algum motivo sempre acabava apanhando quando retrucava uma ordem do grande senhor, ou quando espirrava perto de um dos homens de cor branca como açúcar que de doce tinham nada. Enquanto as mulheres vaidosas apareciam na grande casa para se divertir, eu tinha de cozinhar para agradá-las e como tinha apenas dez anos não alcançava a boca do fogão, logo necessitava de um banquinho de madeira para conseguir cozinhar. Uma vez as ouvi debochando de mamãe e decidi retrucar e defender a mulher que trabalhava arduamente debaixo do sol escaldante, não ganhei nada mais e nada menos que um belo soco no estômago. Com o aflorar da idade comecei a notar que minha presença chamava a atenção dos homens que passavam por mim. Ouvi meu senhorio conversar com diversos rapazes sobre algo de venda ou troca e por algum motivo meu nome sempre estava envolvido, felizmente o senhor sempre fechava a cara ao receber tais propostas e as negava. Além de notar minha exuberância, aprendi a me portar como o mundo a minha volta esperava, sempre quieta, sem jamais reclamar. No entanto um jovem rapaz, filho do dono de terra em que vivíamos, veio de São Paulo para sua terra natal e assim que nossos olhos se cruzaram pude sentir meu coração bater mais rápido. Não é difícil uma escrava como eu se apaixonar por seu senhorio, com mamãe foi assim e teve diversos casos como o nosso senhor.O jovem rapaz, loiro, de olhos esverdeados, vinha regularmente me ver trabalhar, não sei se era para ter certeza que eu não estava roubando-lhes algo da cozinha ou outra coisa. Em um fim de tarde seu pai havia saído para fazer uma negociação com os vizinhos e eu fiquei sozinha com o seu filho na pequena cozinha da grande casa principal.


Fiquei tão distraída que acabei encostando minha mão na fervente panela de ferro, tentei gritar mas a dor foi tão intensa que minhas cordas vocais travaram, minha próxima reação foi lentamente desgrudar a mão da panela. Percebendo o que havia acontecido o loirinho desencostou-se da bancada e lentamente se aproximou de mim e continuou a olhar intensamente para a mão com enormes bolhas avermelhadas, estava tão próximo de meu corpo que podia escutar sua respiração em minha orelha. Com uma das mãos ele me segurou no ombro e a outra deslizou pelo meu braço até chegar à mão que havia sido queimada, sussurrando, disse: -Isso é jeito de se machucar? Deixe-me cuidar disso. Afastou-se e pediu gentilmente que eu o seguisse, obedeci, fomos até uma sala no segundo andar onde me mandou entrar, sem me virar ouvi-o fechar a porta. Pegou uma caixa de primeiros socorros, nos sentamos e ele cuidou do meu ferimento, feito isso lhe agradeci e fiquei surpresa por ter falado algo e não ter apanhado instantaneamente, pude ver sua expressão mudar, abriu um sorriso malicioso e ficou a me encarar. Após alguns minutos desconfortáveis disse: -Não foi de graça, ainda me deve uma por ter te ajudado com a sua queimadura. Esquivei o olhar para um jarro de porcelana que estava ao meu lado, sabia o que queria e tentei fortemente segurar minhas emoções que pesavam sobre meu coração, fiquei de pé e apenas o deixei fazer o que ele queria fazer comigo desde o dia em que nos vimos pela primeira vez, mesmo que não quisesse não poderia fazer nada contra, afinal ele ainda era o filho do senhor, ainda era superior a uma mulher negra e escrava. A sala não tinha nada mais nada menos do que um tapete, uma mesa onde o jarro se encontrava e uma enorme estante cheia de livros. Ficou de pé e me empurrou em direção à mesa, arrancou minha roupa, deitou-me de bruços contra a madeira da mesa e começou a beijar meus ombros e minhas costas. Não sou de chorar, mas algumas lágrimas começaram a aparecer e a nublar minha visão. Não disse mais nada, nem mesmo quando ele entrou dentro de mim. Prometi que não iria me deixar cair em tentações da paixão e prazer. Senti-me como um almofariz e ele como o pistilo.

Quando tudo acabou coloquei minhas roupas novamente e voltei correndo para a senzala. Passadas algumas semanas desde aquela noite, comecei a sentir náuseas frequentes mas pensei que não fosse nada, com o tempo uma barriga começou a crescer e não era de gordura em excesso porque mal comia. Sem dúvidas, estava grávida do meu senhor. Logo as outras mulheres da senzala também começaram a notar e me deram todo o apoio que precisava. A barriga ia crescendo e crescendo, ficando maior a cada lua que se passava, a única coisa em que pensava era que logo meu filho ou filha nasceria nesse inferno e passaria por todo o sofrimento que passei. Como todas me apoiaram, especialmente minha pequena irmã Chuki, sugeri uma pequena ideia, poderia fugir, como muitos já haviam feito. Deveria apenas ter cuidado com o capitão do mato que caçava os escravos fugidos e os devolvia aos seus respectivos senhores. Se o capitão me encontrasse, tudo estaria perdido. Em uma noite, aguardamos todos da casa principal caírem em um sono e quando todas as luzes se apagaram eu, minha irmã e tia me ajudaram a sair escondido. Teria de correr muitos metros até as cercas que estavam implantadas ao redor do enorme terreno, se conseguisse chegar às cercas ao sul, as quais separavam as plantações de cana da escura floresta, estaria livre, ninguém conseguiria me perseguir por lá. Então, corri o mais rápido que pude. A barriga pesava, mas minha motivação era de tal tamanho que não poderia parar, não agora que faltava tão pouco. Observei a casa principal que já não parecia tão grande e vi que uma pessoa saiu pela porta. Com o coração na boca continuei correndo, passei pela cerca, entrei no matagal e por lá corri sem parar até ficar sem fôlego, parei por alguns instantes e procurei um abrigo. Faz quase uma semana desde que parti e meu bebê está inquieto hoje, encontrei um abrigo perto de uma farmácia onde por fim pude descansar, mas sempre alerta. Sentia falta de ver o cabelo loiro do filho de meu senhor, sentia falta de todos que me ajudaram, porém agora era uma mulher livre das mãos do senhor, mas ainda presa aos preconceitos sociais. Sai de meu esconderijo para "caçar" algo para aquietar a minha fome, no meu caminho para ir a uma horta que havia pelas redondezas, quase me esbarrei com Cândido Neves, um capitão do mato, implorei em silêncio para que não me visse mas minhas preces foram tão altas que ele me viu.


Tentei fugir, desesperada, como um mero rato fugindo de um gato. Senti uma tremenda força me puxar para trás, fui imobilizada pelo homem que me amarrou com grossas cordas. Tentei gritar, porém sabia que ninguém jamais me ajudaria, afinal eu é que estava errada, ainda por cima era uma mulher negra. Tentei me soltar mas de nada adiantou, fui arrastada por alguns quilômetros. Eu apenas conseguia chorar e implorar internamente para que ele me soltasse. Reconheci a cerca e depois o terreno com a casa grande no centro, o sol que se punha atrás dela a fazia parecer ainda maior, estava em casa pensei e o desespero bateu ainda mais forte. Quando pude perceber já estava semi-inconsciente no corredor, dentro da casa, fui jogada no chão com força e antes de apagar senti uma pressão enorme em meu abdômen, um fluido quente saiu de meu corpo, me fez chorar, pois sabia que estava perdendo meu bebê. Vi Cândido pegar o dinheiro e sair pela porta. Meu senhor a fechou e com a partida de Neves, que ia feliz para casa, pois poderia sustentar por mais um tempo seu filho. Não o culpo, afinal, é a lei da sobrevivência que prevalece, o gato precisou matar um rato para deixar sua família assistir o amanhecer mais uma vez.

Tom Himmelstein Altman

Pai contra mãe Agora deitada no chão, vendo os restos do meu filho esparramados. Ele, o homem de cabelos grisalhos e olhos famintos, que estragou minha vida e a de todos que eu amava. Minha mãe se chamava Adia, ela foi tirada de seu vilarejo na África com cinco anos de idade, e foi forçada a trabalhar desde pequena. Já com seus 7 anos de idade ela cuidava de um menino chamado Carlos, dava-lhe de comer e colocava-o no banho. Carlos cresceu com ela, e acabou ficando grávida dele. Sim, eu nasci de um ato violento. Nos poucos momentos em que podíamos ficar juntas, minha mãe dizia para nunca chamar Carlos pelo seu nome, e sim por "Ele".

- Eu juro que eu tentei encontrar um pai decente para você, Arminda, mas não consegui. Em vez disso, vejo minha filha sofrer todos os dias na mão de um homem. Não posso deixá-la o considerar como um pai. Minha mãe foi vendida para outro senhor por estar "muito velha". Eu lembro do dia: Homens nos acordando em um estábulo (onde eu minha mãe dormíamos), eles arrastando minha mãe; ela grita meu nome enquanto eu sou trancada em um sótão por “Ele’’. Não sei onde minha mãe está agora. Sinto que ela deve estar pensando em mim, viva ou morta. Passei duas semanas no sótão presa por “Ele”. Recebia pouca comida (menos do que a pouca comida que já comia), e não recebia luz do sol. Enquanto estava presa, “ele” se casou. Marilene, a mulher mais horrível e perversa que eu já vi, me batia, me mordia, e me ameaçava todos os dias. Depois de meses nasceu o primeiro filho do casal perverso, isso eu já tinha vinte anos, uma criatura adorável. Fui encarregada de cuidar dele, brincar e fazer tudo que minha mãe fazia com “Ele”. Ao passar dos anos ele me defendia, queria ser meu amigo, eu como, sempre não deixava, falava que ia ser ruim para nós dois. Com o tempo Marilene e “ele” já achavam que não era mais adequado deixar o garoto brincar com uma mulher, e me proibiram de chegar perto do menino. Em seguida compraram um novo escravo, alto e esbelto, muito bonito. Chamava Nailo. Foi então que ele começou a cuidar do garoto e o garoto acabou esquecendo de mim. Com o passar dos anos consegui ficar próxima de Nailo. Dormíamos no mesmo estábulo, e comíamos a mesma comida grotesca que nos davam. Acabei me apaixonando, mas era arriscado, pois “Ele” não poderia saber, corria o risco de morte Acabei engravidando, fiquei feliz pela primeira vez na minha vida, nunca tinha sentido essa sensação. Porém pensei em como esconderia o bebê. Contei para Nailo, ele não aparentava muita felicidade, sabia que esse bebê não duraria, ou viraria mais um escravo. Pensei em fugir, não poderia deixar meu filho ter uma vida tão miserável como a minha. Nunca cogitei em fugir, pois sabia que não tinha nenhum futuro fugindo. Sem mais nem menos fugi. Não pensei em Nailo, nem em ninguém, nesse momento eu só conseguia pensar no meu filho.


Pulei a cerca da fazenda e corri pela estrada de terra até chegar na cidade grande. Lá passei dois dias me esgueirando pelas ruas e pegando sobras de comida que encontrava no lixo. Não sabia onde eu ficaria. Meu objetivo era sobreviver e dar à luz meu filho. Comecei a ver cartazes a minha procura, vi que “Ele” estava oferecendo muito dinheiro por mim. Num certo dia senti uma mão gelada e desesperada pegar na minha cintura enquanto ficava em um beco, vi que era um caçador de escravos, tentei gritar e me soltar mas ele não desistia. Tentei falar: - Por favor me solta, estou grávida ! Mesmo assim ele continuou até eu chegar na fazenda de novo. Jogou-me no chão. E nisso senti um líquido escorrer de mim, e vi um feto no chão. No momento não me dei conta, estava muito confusa. Em seguida quando o caçador de escravos foi embora “Ele” virou pra mim e falou: -Tive que tirar três vidas para vocês aprenderem a ter respeito comigo - Três vidas ? Olho para a esquerda e vejo Nailo com uma marca de bala na cabeça. Tento me levantar mas em seguida vejo a arma diante de mim e… Essa foi a minha vida. Arminda, uma escrava que nunca pôde saber o que é felicidade.

Profile for Colégio Oswald de Andrade

REVISTA NÓ NA PALAVRA 2019  

REVISTA NÓ NA PALAVRA 2019  

Advertisement