Page 1

26ª edição Novembro de 2019

Arte e diversão,

nas lições da cultura africana


Índice

3

5 14

16

19 18

22

24 25

26

28

PALAVRA DO DIRETOR Expediente A Revista do Colégio Mauá é uma publicação semestral desta instituição, integrante da Rede Sinodal de Educação. MANTENEDORA: Sociedade Escolar Santa Cruz DIRETOR GERAL: Nestor Raschen VICE-DIRETOR GERAL: Mártin B. Goldmeyer COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA: Maristela Fortuna, Cláudia Kniphoff Kroth, Maribel Carvalho, Waldy Lau Filho e Rafael Fetter CONSELHO EDITORIAL: Nestor Raschen, Mártin B. Goldmeyer e Ana Cristina Santos TEXTOS: Four Comunicação, professores, alunos e colaboradores PROJETO GRÁFICO: Elefante CW DIAGRAMAÇÃO: Cristiano Henrique Schindler FOTOS: Banco de imagens do Colégio Mauá ILUSTRAÇÕES: www.freepik.com IMPRESSÃO: LupaGraf TIRAGEM: 2.000 exemplares JORNALISTA RESPONSÁVEL: Ana Cristina Santos - MTb-RS 9072 COLÉGIO MAUÁ - RUA CRISTÓVÃO COLOMBO, 366 FONES: (51) 3711-2144 / 3056-8300 MAUA@MAUA.G12.BR

Ao finalizar o ano de 2019, expressamos o nosso agradecimento a todos da grande família Mauá por nossas realizações. Foi um ano de muito aprendizado e vivências que nos enriqueceram como pessoas e engrandeceram o nome do Mauá. Preciso destacar a 55ª ONASE, que fez toda a escola se mobilizar na organização e que mostrou todo o potencial de alunos, professores, funcionários, famílias e comunidade. Foi um evento de muito sucesso e grande repercussão. O ano de 2019 também se caracterizou pela implantação do currículo bilíngue na Educação Infantil, com resultados excelentes. Em 2020, este programa se estenderá para o 1º ano do Ensino Fundamental. Para a nossa alegria, em 2020, teremos, junto com a nossa Educação Infantil, a Escola Criança e Cia, que passa a integrar o projeto pedagógico e administrativo do Mauá. Somos gratos ao bom Deus que abençoou, com amor e cuidado, todo o nosso pensar, sentir e realizar. Desejamos a todos um abençoado Natal e um ano de 2020 de muitas realizações nos 150 anos do Mauá.

FACEBOOK.COM/COLEGIOMAUA INSTAGRAM.COM/COLEGIOMAUA

Prof. Nestor Raschen Diretor Geral


CANTINHO DA BIBLIOTECA

ESPAÇO EDUCAÇÃO INFANTIL No espaço da Educação Infantil, a biblioteca atende 196 alunos nos turnos manhã e tarde, contemplando os níveis 2,3,4 e 5. São feitas retiradas de livros de literatura infantil e contação de histórias alternando língua portuguesa e inglesa. O uso do Storytelling (contação de histórias em inglês), em que as narrativas apresentadas auxiliam a exploração das habilidades cognitivas e ampliam o vocabulário das crianças.

Na expressão do rosto de cada criança, o encanto aconteceu.

No momento da escolha dos livros que levarão para casa.


CANTINHO DA BIBLIOTECA

Belas amizades

A Ponte

Meninos e meninas

Katie Kazoo: Meninas não têm piolho

de Eliandro Rocha Alexandre da Costa Durigon – T.931

de Nancy Krulik

O livro que eu li se chama “A Ponte”, de Eliandro Rocha. Nele, conta a história do coelho Nestor, um coelho muito feliz. Ele vivia numa casa à beira do rio e, do outro lado, vivia um vizinho que fazia muito barulho de serrote e martelo. Quando Nestor chegou perto do rio, viu que o vizinho construía uma ponte e de lá estava acenando. Essa ponte serviu para atravessar o rio e criar uma bela amizade entre eles.

Larissa Spengler Sins – T. 946

Um simples convite para o aniversário deu início a uma verdadeira guerra entre os meninos e as meninas da turma 3A. Os garotos descobriram que a festa seria apenas para garotas, ficaram chateados e espalharam que todas as colegas tinham piolho. Eles espirram um spray invisível de piolho e começa a confusão! Será que meninos e meninas podem se unir e resolver suas diferenças?

Imaginação

Pontos de vista

A cinco passos de você de Rachael Lippincott Gabrielly Saldanha – T.981

No livro “A cinco passos de você”, temos o ponto de vista de uma típica adolescente americana, chamada Stella, e de Will, um “bad boy” que tenta ao máximo esconder seu lado sensível. Os dois possuem uma doença chamada fibrose cística; devido a isso, precisam ficar 1,5 metro de distância. Ao longo do livro, eles nos mostram que é possível existir conexão sem toque e também temos a visão de como é ter uma doença incurável. Eu gostei muito do livro e, na minha opinião, é impossível não se emocionar e não ter empatia e compaixão pelos personagens.

A arte de questionar – A filosofia do dia a dia de A. C. Grayling Agatha Schultz Schaefer – T.232

A obra é uma compilação de artigos curtos e bem estruturados que convidam o leitor a refletir sobre diferentes temáticas do cotidiano. O autor usa argumentos simples e lógicos para fundamentar suas ideias, o que torna o livro perfeito para quem busca enriquecer não só o repertório linguístico, como também o de conhecimento geral. Além disso, proporciona uma boa base para aqueles que têm dificuldade em formar argumentos bem estruturados. A leitura se torna leve e interessante devido aos mais diversos assuntos e o modo objetivo como são tratados.


SALA DE AULA

QUERO BRINCAR, AQUI NO BRASIL, LÁ NA ÁFRICA... Para a apresentação aos pais e familiares os 1º Anos trouxeram a cultura africana, retratada na obra Eva, de Margarida Botelho, autora que visitou a escola numa das atividades do projeto literário do Colégio Mauá. Na noite do dia 22 de outubro, no Teatro da escola, os presentes participaram de um encontro com outras crianças, que assim como aqui no Brasil, vão à escola, brincam, ouvem histórias... Experiências infantis universais, culturas semelhantes e diferentes nos conectando de alguma forma, nos permitindo conhecer o outro e a nós mesmos. Eva foi a inspiração para conhecer esse mundo tão diferente e tão encantador, mas mais do que o

conhecimento que acrescentou, nos remeteu a importância de cuidar do outro, como a única forma de pertencimento em uma comunidade. O sentido de que só existo com o outro nos remete à importância de estar com o outro por algo maior, que é o grupo. O “todo” é esta essência que alimenta a humani-

CRIANÇAS, CUIDADO, COMUNIDADE. “Em nós, ainda em nós, sempre em nós, a infância é um estado de alma” (Bachelard)

dade. UBUNTU, mensagem trazida pelas crianças, tem em sua tradução “Eu sou com o outro”. A infância representada através do cenário, enredo e figurino sensibilizou a plateia com esta mensagem: o outro me completa naquilo que não sou e faz com que eu reconheça em tudo aquilo que somos.


SALA DE AULA

BRINCADEIRAS E BRINQUEDOS DO FOLCLORE As brincadeiras folclóricas constituem-se em práticas ricas e significativas para os alunos, podendo ser utilizadas com objetivos diversos para o desenvolvimento infantil. Neste semestre os alunos dos 2º Anos pesquisaram, aprenderam e conheceram sobre este vasto universo das brincadeiras folclóricas, através de muitas vivências: cantaram e brincaram de passa-passará, ciranda-cirandinha, pobre e rico, passa anel, dentre outras. No pátio da escola brincaram com brinquedos, tais como: carrinho de rolimã, pular corda, bambolê, bilboquê, peteca, cinco Marias. Um dos objetivos do projeto, desenvolvido a partir das aulas de Música, é proporcionar a continuidade das práticas culturais transmitidas de geração em geração, contribuindo com que estas não venham a ser esquecidas. Com o resgate das brincadeiras folclóricas é possível perceber a participação ativa, o interesse e a motivação das crianças durante as aulas. Na conclusão do projeto, todas as crianças do 2ºAnos ganharam um jogo de Cinco Marias confeccionado por senhoras do Projeto Alegria e Esperança, mantido pela OASE, e receberam este “presente” em um momento especial na sala de Atividades Múltiplas. Foram criadas diferentes maneiras de jogar e todos divertiram-se muito. Veja nas imagens:

“É por meio da utilização de brincadeiras, jogos e brinquedos que a criança já conhece, que ela interage no mundo e na sociedade, aprende regras, torna-se crítica, é incentivada a falar e ouvir os outros”

(ROLIM, 2003)


SALA DE AULA

CONHECENDO A HISTÓRIA DOS IMIGRANTES ALEMÃES Todos os anos, os 3º Anos estudam o município de Santa Cruz do Sul. Em 2019, o nosso município comemora 170 anos da imigração alemã. Para conhecer mais sobre a história, os alunos participaram de uma palestra com a professora Maria Luiza Schuster, coordenadora do Museu do Colégio Mauá, no dia 11 de setembro. O momento foi de escuta, entusiasmo e aprendizado sobre fatos e objetos que marcaram a história de pessoas que, com coragem e trabalho, vieram em busca de uma vida nova.

“Relembrar a nossa história nos torna mais ricos em culturas e nos ajuda a valorizar nossos antepassados que construíram o que usufruímos hoje. É preciso conhecer a história de nosso local de origem para que compreendamos a história do mundo e da humanidade.” Maria Luiza Rauber Schuster

Um objeto que encantou os alunos e professoras, foi um livro de orações todo escrito à mão e em alemão

Este é um pedaço de uma das velas de uma embarcação que quase naufragou com imigrantes alemães. E ao final da viagem o capitão dividiu com as famílias que conseguiram sobreviver

Depoimentos de alguns alunos sobre a palestra com a professora Maria Luiza “A palestra foi interessante porque aprendi sobre a vinda dos imigrantes alemães para nossa região. Eu também aprendi que devemos valorizar o que temos, pois naquela época eles passaram por muitas dificuldades para começar uma nova vida.”

“Eu acho importante saber sobre a história do nosso município para conseguir entender melhor como ele é hoje. Eu amei ver alguns objetos daquela época, ainda mais porque eu faço parte dessa história e moro aqui.”

Antônia Weschenfelder Pozzebon Turma 932

Gabriela Lima Knak Turma 932

“ É importante sabermos sobre a história do nosso município, porque quando a gente estuda o passado entendemos quase tudo do presente e do futuro. Pesquisando sobre as histórias e as lembranças da cidade ficamos sabendo como as pessoas pensavam, faziam e como viviam naquela época. Entendendo a história, podemos melhorar o futuro.” Inácio Poerschke Leopardo Turma 932


SALA DE AULA

PROJETO LITERÁRIO: “DIÁRIO DE PILAR NA ÁFRICA” Para o 2º semestre de 2019, as turmas dos 4º Anos do Colégio Mauá reservaram a leitura conjunta do livro “Diário de Pilar na África”, de Flávia Lins e Silva. A personagem principal, Pilar, uma menina curiosa, esperta e corajosa logo conquistou as turmas. Os meninos se identificaram com Breno, amigo e companheiro de aventuras de Pilar. E ainda temos Samba, o gato de Pilar, que traz um toque cômico em todas as confusões nas quais se envolve (e não são poucas). Aproveitamos cada detalhe do enredo para tecermos relações com alguns conteúdos já “visitados” pelas turmas: nossas origens, a triste história da escravidão... A aventura de Pilar e seus amigos na África funcionou como um fio condutor para que nos aprofundássemos nessa parte da nossa história. As turmas envolveram-se, trocaram informações, escolheram o que era relevante para compartilhar, organizaram cartazes e slides e, o mais importante, apresentaram suas descobertas para os colegas. Através dessa leitura visitamos um pouco desse rico universo cultural que é a África, conhecemos suas savanas, seus costumes, mergulhamos no intenso pôr do sol e nos divertimos com o “pilarês”, espécie de dicionário com palavras criadas por Pilar. Enfim, uma leitura que proporcionou boas experiências, momentos enriquecedores e compartilhamentos valiosos.

DEPOIMENTO DOS ALUNOS “Eu adoro a Pilar! Ela é uma garota esperta que luta pelo que ela acha que é certo! Gostei muito do livro, ele traz muitas informações sobre a cultura africana.”

“ Eu gosto que a Pilar leva seu gato Samba em suas aventuras. Ele é muito divertido.”

Juliane Pacheco - Turma 947

Heitor Abaid - Turma 947

“ Eu achei muito interessante o livro, pois trata de uma época muito difícil (escravidão). Adorei o fato de Pilar participar da história e ter ajudado sua amiga Fummi.”

Eu queria ter um super bolso e uma rede mágica como da Pilar. Assim eu poderia levar o que eu quisesse para onde eu fosse e visitar vários lugares ou países.”

Victoria Horta - Turma 947

Francisco Poll - Turma 947


SALA DE AULA

Histórias, histórias e mais histórias... Pensando sobre a temática “Ler é viajar por mundos desconhecidos”, as professoras dos 6º anos, Sheila Bischoff e Tatiane Ribeiro, realizaram uma seleção de diversos títulos de narrativas consagradas da literatura infanto-juvenil como sugestão de escolha para o trabalho de leitura. O mesmo consistia em transformar o enredo narrativo numa história em quadrinhos, aproveitando os melhores e mais importantes momentos da história. Para tanto, foram realizadas leituras prévias e o estudo das histórias em quadrinhos. Os alunos, além de reescrevê-las, deveriam ilustrá-las, inserir diálogos e fazer uso de recursos gráficos, típicos das HQs. O resultado foi muito significativo, devido ao envolvimento e criatividade abordados nas criações...tão coloridas e ricas de fantasia, ou seja, as crianças deixaram-se fluir pelo mundo da fantasia, imaginação e, por que não, da reflexão social.

RETIRO 6º ANO

Histórias em quadrinhos das turmas dos sextos anos

“Fazer a história em quadrinhos foi muito legal e divertido, pois tivemos a oportunidade de escolher um livro, entre vários de uma lista. Foi bom porque eu trabalhei a minha criatividade e aumentei o meu conhecimento sobre HQs e histórias em geral. No começo, achei que seria um pouco complicado, mas, depois, vi que não era difícil, mas muito divertido. Também foi um jeito legal de resumir um livro em imagens e poucas palavras.”

“Acho que foi uma experiência muito boa de se colocar em prática. Foi necessário realizar a atividade com muito esforço e dedicação, e isso foi muito bom porque, ao final, aprendi a ter mais responsabilidade e a estar atenta às orientações do trabalho.”

Rafael Luciano Lange Waechter Turma 961

Luísa Hoffmann Ritt Turma 962

DEPOIMENTO DOS ALUNOS

A convivência harmoniosa entre as pessoas têm sido a palavra-chave de um mundo que passa por enormes dificuldades. Precisamos saber dividir espaços, respeitar diferentes opiniões e reconhecer o outro como um indivíduo que merece nosso respeito e nosso olhar.

cinema e momentos livres de convivência, incluindo atividades com os Grupo Escoteiros Santa Cruz 181, com a professora Vivian B. Trentini e com as psicólogas da escola, Gabriela Machado e Fernanda Steffen Culau Bertazzoni.

Com o objetivo de enriquecer os projetos e conteúdos desenvolvidos em sala de aula, melhorar as relações, intensificar laços e vivenciar momentos de fé e convivência, durante o primeiro semestre os professores conselheiros organizaram um retiro com os alunos do 6º ano.

Cada turma foi acompanhada pela professora conselheira e professores que executaram e auxiliaram nas atividades (Professor Marco Aurélio dos Santos, Marcelo Tatsch e Eleno Hausmann), com o objetivo de compartilhar ideias, vivências e conhecimentos.

A atividade foi desenvolvida no Seminário São João Batista. Para que o momento fosse realmente intenso e significativo, passamos uma tarde, uma noite e uma manhã juntos, realizando atividades de reflexões, gincanas,

Conselheiras dos 6ºs anos: Julia Giehl Zart , Juliana Canedo Sebben , Manoela Panta Santos, Tatiane Nunes Ribeiro, Virgínia Tartari Klein

O retiro foi uma experiência incrível. Superou todas as minhas expectativas. Quer um conselho? Quando você for para o retiro, aproveite cada segundo, porque o que faz o retiro ser inesquecível é você, a forma como você decide aproveitar esse momento único. Todas as atividades foram incríveis, pensadas em cada detalhe. O retiro foi um ótimo momento de reflexão e convivência. Muito obrigada aos professores do Colégio Mauá e aos nossos pais por nos proporcionarem essa atividade. Tenho certeza, que todos os momentos que eu vivi no retiro, com meus professores e colegas ficarão guardados em minha memória para sempre.

Laura Schmitt - Turma 961


SALA DE AULA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A VIDA! A Educação Ambiental é uma maneira de conscientizar e chamar a atenção de todas as esferas da população para os problemas ambientais e para a importância da preservação dos recursos naturais, que até então eram considerados, por muitos, inesgotáveis. No nosso trabalho como educador, principalmente deste segmento, faz-se necessário um pensar mais amplo, num país de tamanhas riquezas, em especial na biodiversidade de plantas, animais e paisagens, mas também suscetível a muitos percalços. Pensando sobre esse tema, a área de Ciências da Natureza desenvolveu diversas atividades, sendo que muitas delas terão continuidade durante nosso ano letivo.

Professor Mártin B. Goldmeyer que abordou o tema da importância das abelhas nativas para alunos dos sétimos anos

A temática água foi abordada com os alunos do 5º ano através de atividades práticas e projetos científicos. Nos 7º anos, foi realizada uma apresentação com uso de Data Show utilizando imagens do pátio do Colégio Mauá, colocando em evidência a riqueza da nossa flora e fauna, bem como de alguns problemas encontrados. Após os alunos foram ao Laboratório de Biologia onde tiveram uma palestra com o Professor Mártin B. Goldmeyer que abordou o tema da importância das abelhas nativas (sem ferrão) para a polinização das plantas. Os alunos foram instigados a observar as caixas com as quatro principais espécies nativas da nossa região, realizando vários questionamentos sobre as mesmas. Um meliponário está sendo, inclusive, instalado na instituição.

dos mesmos, assim como os cuidados com estes recipientes tanto no seu descarte como na sua reutilização. Lembrando de estudos sobre os tipos de plásticos e suas mudanças de fórmula em contato com o calor intenso e a liberação de substâncias tóxicas à saúde humana. Os alunos de 9º ano realizaram um trabalho sobre Reciclagem de Materiais, nas disciplinas de Química e Física. Em tal estudo, os alunos pesquisaram sobre oito diferentes materiais para reciclarem e seus respectivos processos, impactos ambientais e econômicos. Após a pesquisa, os alunos organizaram uma

Nos estudos sobre alimentação, os alunos dos 8º anos explanaram o assunto sobre as embalagens e a conservação Professora Carla Silva Ciências da Natureza

apresentação demonstrando o processo de reciclagem e reutilização. Os alunos do 1º ano do Ensino Médio realizaram um estudo sobre os diferentes meios de geração de Energia (Renováveis e Não-Renováveis), nas disciplinas de Física e Geografia. Neste trabalho, os alunos pesquisaram sobre 13 diferentes meios de geração de energia, seus impactos ambientais e financeiros, relacionando-os com as condições geográficas necessárias para a sua geração. Após, foram feitas chamadas no sistema interno de som, em que foram repassadas as principais informações desse estudo. Dando continuidade as nossas práticas ambientais, em agosto, tivemos um encontro com a empresa responsável pela compensação e monitoramento ambiental do Lago Dourado. Este foi realizado em uma sexta-feira à tarde com um grupo de alunos do 7º ano, e teve como objetivo apresentar as ações desenvolvidas em prol da preservação dos espaços verdes da nossa cidade.


SALA DE AULA

A HISTÓRIA COMO RECURSO PARA CONSTRUIR E VIVENCIAR VALORES Na Educação Infantil do Colégio Mauá, as práticas pedagógicas também são fundamentadas em valores éticos e sociais, tendo em vista a importância destes para o desenvolvimento integral da criança. Partindo dessa premissa, as turmas do Nível 5 realizaram um estudo sobre o livro “A árvore generosa” de Sil Silvestrein, que traz valores como a amizade, empatia e generosidade. Durante o estudo, diferentes atividades foram realizadas, como contação de história à sombra de uma linda pitangueira, circuito de atividades junto à natureza, pintura ao ar livre, tema de casa com envolvimento da família, confecção de uma grande árvore coletiva, entre outras. Através dessas propostas, as crianças vivenciaram experiências significativas e compreenderam de forma efetiva a importância da prática de atos de generosidade através do diálogo e reflexão realizados junto ao grupo.


SALA DE AULA

EDUCAÇÃO INFANTIL: ESPAÇO DE VIVÊNCIA E APRENDIZAGEM As crianças vivenciam diversos momentos durante a rotina escolar, principalmente nas brincadeiras e interações. Elas são extremamente curiosas e questionadoras e essas características auxiliam no processo de aprendizagem, dando significado ao estudo e às vivências. Na escola, a criança se entrega para experiências cheias de significado, desenvolvendo sua autonomia e aprendendo a respeitar o próximo. Para isso, é fundamental que os professores ofereçam materiais, organizem espaços e oportunizem o tempo necessário para que a aprendizagem seja efetiva. O desenvolvimento acontece quando o aprendizado se encaixa com a experiência e é no cotidiano da escola que a criança vai criando diferentes contextos, transformando espaços, protagonizando momentos únicos, garantindo pluralidade, fazendo a criança imaginar, pintar, cantar, correr, brincar, jogar, comemorar, investigar, desafiar e ser e cuidar de si, do outro e da natureza. Atualmente, percebe-se uma forte

presença de brinquedos tecnológicos e industrializados na vida dos pequenos. Em contrapartida, fica evidente a necessidade de oportunizar momentos de desenvolvimento da inovação e da criatividade. Com base nisso, a utilização de materiais não estruturados na educação infantil possibilitam a construção de aprendizagens significativas e experiências fundamentais para o desenvolvimento das crianças. Uma simples caixa de papelão apresenta inúmeras possibilidades de brincadeiras. Transformando-se em carro, navio, casa, robô... Enfim, tudo o que a imaginação permitir. Nesses momentos, as crianças interagem, negociam, criam, constroem, reconstroem, resolvem problemas e aprendem. O ambiente vai se modificando e as habilidades vão sendo desenvolvidas. Nessa perspectiva, durante o projeto literário sobre o livro A Caixa de Jéssica, do autor Peter Carnavas, as professoras do nível 4 prepararam uma vivência com diversas caixas de papelão em tamanhos

e formatos variados. As crianças foram convidadas a brincar livremente neste espaço, onde construíram muitas aprendizagens. Neste projeto, além de explorar diversas caixas, as crianças construíram com seus familiares uma caixa personalizada para que colocassem algo que lhes fosse especial dentro e compartilhassem esta vivência com os colegas. Durante a aula de culinária também fizeram bolinhos para presentear amigos de outra turma da escola e aproveitando o contexto da caixa, conversamos sobre a temática reciclagem e sua importância para a nossa sociedade. É na vivência que a criança irá se constituir, ter lembranças e construir sua jornada, da qual será muito importante para a sua vida.


SALA DE AULA


ONASE

ONASE REÚNE 600 ESTUDANTES Com competições de basquete e voleibol, a 55ª Olimpíada Nacional da Rede Sinodal de Educação (ONASE) movimentou Santa Cruz do Sul entre os dias 25 e 27 de setembro. O Colégio Mauá entrou para a história por ter conquistado os troféus de primeiro lugar nas quatro categorias do basquete, fato inédito na competição que reuniu mais de 600 atletas. Na contagem geral, o Mauá ficou com o segundo lugar, com apenas dois pontos atrás do campeão, o Colégio Sinodal, de São Leopoldo. “Ainda que não tenhamos ficado com o título, estamos felizes pelo sucesso da competição e o quanto as escolas ficaram satisfeitas pelo acolhimento em Santa Cruz do Sul. E comprovamos que Santa Cruz continua

sendo a terra do basquete”, enfatizou o diretor geral, Nestor Raschen. Na classificação geral, o Colégio Sinodal, de São Leopoldo, ficou em primeiro lugar com 60 pontos, enquanto que o Colégio Mauá conquistou a segunda posição com 58. A terceira colocação ficou com o Centro Ensino Médio Pastor Dohms, de Porto Alegre, com 24 pontos. “Estamos muito agradecidos às famílias que receberam atletas de outras cidades, à comunidade, que abraçou a Olimpíada e a todos aqueles que tornaram possível a realização deste grandioso evento”, destacou Raschen. No entendimento do diretor Executivo do Rede Sinodal, Ruben Goldmeyer, os jogos entraram para a

história. “A 55ª ONASE estava inserida nas comemorações dos 150 anos do Colégio Mauá, a serem celebrados em 2020, e estamos felizes por estar participando deste momento”, frisou no encerramento. O Colégio Mauá sediou a Olimpíada pela oitava vez. No total, a competição reuniu 633 estudantes de 20 escolas do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná. Os alunos disputaram modalidades de basquete e vôlei, masculino e feminino, nas categorias Infantil e Infanto-Juvenil, com jogos nos ginásios do Mauá, do Esporte Clube União Corinthians, no Poliesportivo e na Universidade de Santa Cruz do Sul (Unisc).


ONASE

COLÉGIO MAUÁ GANHOU NO BASQUETE EM TODAS AS CATEGORIAS

PATROCINADORES A realização da ONASE contou com o importante patrocínio das empresas: Grupo Prato Feito (patrocínio master), Prefeitura Municipal, Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC), Esporte Clube União Corinthians, Associação de Pais e Mestres (APM) Mauá, Grêmio Estudantil José de Alencar e Associação de Professores e Funcionários (APF) Mauá


TURNO INTEGRAL

ESTUDO SOBRE AS ABELHAS SEM FERRÃO Visando despertar o interesse pela pesquisa e aguçar a curiosidade para o querer aprender, realizamos no Turno Integral o projeto: “ABELHA JATAÍ NÃO FAZ MAL, FAZ MEL” . Foram realizadas diversas atividades lúdicas e abordagens sobre a ABELHA JATAÍ, sem ferrão e sua importância na polinização de inúmeras espécies de plantas. Para isso as crianças conheceram um pouco mais sobre o papel da Abelha na natureza e os benefícios que o mel proporciona na nossa saúde. Desta forma, pensamos em sensibilizar as crianças sobre alguns valores que a vida deste inseto traz, como: organização, paciência, união, a vida em comunidade e o respeito, buscando resgatar uma cultura de união com a natureza, entendendo que somos parte dela e que nossos atos refletem em toda a biodiversidade. As crianças ouviram importantes informações do nosso vice-diretor, Mártin Brackmann Goldmeyer, sobre o Ciclo evolutivo da Abelhas sem ferrão e sua função na Colmeia. Na escola foram colocadas caixas para observarmos a proliferação destas abelhas, que produzem um mel saboroso e suave. Pesquisaram e descobriram que este mel é bastante procurado por suas

propriedades medicinais no tratamento de resfriado, bronquite, glaucoma e catarata, além de ser bactericida e atuar na cicatrização de feridas. No Turno Integral foram projetados vídeos e filmes baseados nas dúvidas e curiosidades das crianças sobre o assunto. Compartilharam as informações com os colegas, provaram mel, construíram jogos, painéis, confeccionaram abelhas com materiais alternativos, fizeram teatro e exploraram a literatura Infantil através de contação de histórias. As crianças ficaram felizes em poder

levar para casa a “ABELHA MASCOTE”, um livro de história e um jogo para interagir com a família. Desenvolver esse Projeto despertou a curiosidade, das crianças, em conhecer um pouco mais sobre as abelhas que não fazem mal (sem ferrão) e sim mel e possibilitou uma visão ampla da responsabilidade que temos para a preservação da natureza. Maria Luiza Cardoso Coordenadora


TURNO INTEGRAL

DEPOIMENTO DOS ALUNOS “Descobri no estudo das abelhas, que muitos dos alimentos que nós comemos dependem da polinização delas . Como por exemplo o morango e o maracujá.” Linda Sarah Fernandes Porto - Turma 937

“Gostei de aprender, que existem vários tipos de abelha sem ferrão e que a abelha Jataí fecha a entrada da Colmeia para os outros bichinhos não entrarem.” Rafaela Fank Martins Furtado - Turma 916

“Aprendi muitas coisas sobre as abelhas sem ferrão. Elas não nos fazem mal e sim mel. Na escola o vice-diretor colocou quatro caixas com diferentes espécies destas abelhas. Agora nós temos que cuidar delas.” Poliana Carra Percher - Turma 946

“O mel é muito saudável para nossa saúde. Não tem validade. Ele pode aliviar resfriados e cicatrizar mais rápido alguns ferimentos”. Lara Scneider - Turma 956

“Aprendi que existem abelhas que são preguiçosas e roubam o mel das outras, é a abelha Limão. As abelhas Jataí, na entrada da colmeia, constroem um tubo feito de cera. Gostei muito da palestra do Vice-diretor, porque ele nos ensinou várias coisas sobre as abelhas que nós não sabíamos.” Nicolas Persson Schuck - Turma 917

“No Turno fizemos jogos, olhamos filmes e pesquisamos muitas coisas sobre a abelha Jataí. Não precisamos ter medo porque elas não picam.” Valentina do Amaral dos Santos Turma 925

“Achei muito legal o projeto das abelhas! Aprendi muito de como elas vivem e agora sei que elas trabalham muito.” Martha Bublitz Soares Turma 914

“O que eu mais gostei do projeto das abelhas foi quando a colega Antonella trouxe mel para nós cheirar e experimentar”. Miguel Witt Furquim - Turma 912

OPINIÃO DAS FAMÍLIAS “O Projeto foi muito importante e abordou uma temática fundamental: a necessidade de preservarmos as abelhas. Através dos jogos conseguimos interagir e aprender juntos.” Tatiana Luiza Rech Responsável pela Talita (Turma 946)

“Parabéns pelo Projeto! Tanto pela importância de preservação, respeito com a natureza , importância das abelhas na polinização , o valor do mel e seus benefícios. A forma de integração com as atividades achei muito benéfica. A felicidade da Carol em chegar em casa com a mascote abelha Jataí mostra o interesse dela no projeto.” Karina Knak - Mãe da Carolina (Turma 931)

Lindo projeto! É muito importante que as crianças entendam que cada ser vivo tem características incríveis e super preparadas para seu modo de vida. Nenhuma espécie melhor ou pior que outra, apenas diferente e adaptada para o que necessitam. Também é importante desmistificar os animais que as crianças tem medo, como as abelhas. Além de termos muito a aprender com elas pois vivem em sociedades super organizadas e cooperativas. Belo Trabalho. Parabéns! Ana Paula Maciel - Mãe da Gabriela (Turma 928) e Isabela (Turma 947)

Miguel ficou muito empolgado em trazer a abelha ZUM ZUM pra casa, e assim, nos contou tudo o que sabia sobre as abelhas. Com a vivência do projeto acabou nos ensinando curiosidades que não conhecíamos. Parabéns! Adoramos! Deise Witt - Mãe do Miguel (Turma 912)

Excelente Projeto! De forma lúdica estão educando e demonstrando a importância da abelha para o ecossistema e o quanto podemos aprender com a forma de trabalho delas. Parabéns pela iniciativa! Thaís Calderaro - Mãe da Alice (Turma 918)

Quando deixo o Lucas no Turno ele sempre comenta do Projeto. Mostra seus desenhos e mostra-se interessado pelo tema. Na semana passada fomos ao supermercado e ele fez questão de comprar MEL, já que é um alimento que “faz muito bem a saúde”, como ele falou. Ficou muito feliz com o Mascote Ariel. Parabéns pela iniciativa, despertando nos pequenos o interesse por acontecimentos da natureza. Clauciane Venzke Zell - Mãe do Lucas (Turma 56)

“Aprendi que existem vários tipos de abelhas com cores diferentes. A abelha Jataí é menor e mais amarela, que as abelhas normais que tem ferrão”.

“As abelhas trabalham unidas. Uma colabora com a outra para fazer o mel. Assim deve ser nossa vida. Nós podemos copiar o exemplo delas”.

O Projeto está sendo sensacional para a ampliação do conhecimento das crianças tanto sobre alguns processos da natureza quanto a importância de escolhas para uma alimentação saudável. Miguel apresentou com alegria a Ariel para a família e vivenciamos momentos de diversão e estudo desde a leitura do livro até as brincadeiras com o jogo de memória. Parabéns Turno integral por proporcionar a todos nós esta bela experiência!

Estevão Santiago da Silva - Turma 935

Fernanda Steffen Culau Bertazzoni - Mãe do Miguel (Turma 56)

Sofia Rosa Maciel - Turma 917


CELEBRAÇÃO

CELEBRAÇÕES NO COLÉGIO MAUÁ Vamos celebrar a vida - viver é celebrar! Vamos celebrar o amor - amar é celebrar! /: Celebrar o passado - celebrar o presente, Celebrar a futuro - tendo Deus sempre presente. :/ Frei Wilson João Sperandio

A cada mês os alunos e as alunas – da Educação Infantil aos 6º anos – do Colégio Mauá se reúnem para um momento de meditação, um momento de parar para refletir sobre a nossa vida, nossa relação com Deus e com o próximo. A sala de atividades múltiplas, junto ao prédio novo, transforma-se em um ambiente agradável e convidativo para a pausa necessária para a reflexão. A cada encontro um assunto diferente é abordado e são desenvolvidas diferentes temáticas. Em alguns momentos as turmas dos 4º Anos foram desafiadas a auxiliar nas celebrações, trazendo uma mensagem através da música, jogral e/ou leitura bíblica previamente preparado com o auxílio da professora de música Gislaine ou das professoras regentes Aline, Ana Lisete, Michele e Gisela. Vivian Bayer Trentini - Diácona e Professora


SALA DE AULA

SIMULAÇÃO DA ONU Os alunos do 3º ano Ensino Médio Lucas Morá Pereira, Laura Ferreira, Sofia Sauer Guia, Julia Valim e Ana Carolina Viçosa, integrantes do Clube do Debate da escola, acompanhados pelo professor responsável pelo clube Samuel Machado, participaram do IX MundoCMPA (Modelo das Nações Unidas do Colégio Militar de Porto Alegre), nos dias 30, 31 de agosto e 1º de setembro. O Colégio Mauá foi o primeiro educandário civil fora da região metropolitana de Porto Alegre a participar do evento. O MundoCMPA procura fornecer a experiência mais completa de um Modelo das Nações Unidas a seus participantes. Com um alto nível acadêmico, o modelo auxilia no desenvolvimento de habilidades essenciais para o mundo moderno, como liderança, respeito,

trabalho em equipe e prática da oratória, competências que se destacam nas Relações Internacionais. O evento vem crescendo a cada ano com o objetivo de ampliar a experiência de todos os envolvidos. Os alunos do Colégio Mauá receberam Menção Honrosa pela participação no evento, a qual também foi estratégica

para o Clube do Debate, que pretende realizar atividades semelhantes no futuro. Além do mais, a participação dos alunos também entra no pacote de atividades pedagógicas que marcam, neste ano, a comemoração dos 10 anos do projeto Clube do Debate do Colégio Mauá. Dia 1º de outubro foi realizado o Concurso de Oratória, e dia 7 de outubro, o Grande Debate, no Teatro Mauá.

ABAIXO, UM BREVE RELATO DOS PARTICIPANTES IX MUNDOCMPA: "Participar do IX Mundo CMPA foi uma experiência totalmente nova para mim. O evento cumpriu perfeitamente o seu papel de mostrar para nós, alunos, como a diplomacia e o debate ocorrem no cenário internacional. O comitê que escolhi era uma simulação da Guerra das Malvinas e me fez sentir como se eu realmente estivesse vivendo o conflito, me forçando a tomar decisões e organizar táticas com meu grupo". Lucas Moré Pereira

“Para mim, o IX MundoCMPA foi a oportunidade de por em prática o que eu espero estar realizando no futuro. Os Modelos das Nações Unidas ensinam a ouvir e respeitar as opiniões, pois cada delegado, ali presente, representa o seu país com sua política externa. Ter aprendido e entendido como um delegado age em comitês como esses, a seriedade que eles têm que ter, fez com que eu me encantasse ainda mais com esse mundo. A boa relação entre países é essencial para um mundo melhor”. Sofia Sauer Guia

“Participar do MUN no CMPA foi uma experiência única. Cada um de nós foi posto em uma situação nada usual. Tivemos que pensar sobre refugiados, fome, guerra, soberania, educação, e muitos outros. Dentro daquelas Casas não éramos mais alunos de Ensino Médio, mas Delegados de países que, talvez, nunca nem visitamos. Poder viver essa Simulação, que nos pôs em conflito, uns com os outros e com nós mesmos, foi enriquecedor para o espírito de cidadania mundial de todos nós”. Julia Valim

“Durante o tempo que passamos na simulação da ONU no CMPA, pudemos exercitar não somente nossa argumentação, mas também a observação, a paciência e o companheirismo. Apesar de lidarmos com pessoas de diferentes idades e pontos de vista no clube de debate, em Porto Alegre pudemos conhecer uma diversidade ainda maior de ideologias. Além do mais, em apenas três dias entramos em vários conflitos, mas, sobretudo, conseguimos formar alianças para solucionar os problemas propostos. Todos eram extremamente competentes e foi uma verdadeira honra sermos o primeiro colégio civil fora da região metropolitana de Porto Alegre a participar do mundo CMPA”. Ana Carolina Viçosa

“Como ministra da simulação do STF, participei de vários processos jurídicos. Como realizado em 2015 pelos verdadeiros ministros, debatemos a crise do sistema carcerário brasileiro. Em um total de oito sessões, concluímos as fases denominadas de "admissibilidade" e "mérito", discutindo cada medida cautelar. Ao final, cada membro redigiu seus votos, optando por deferir ou indeferir cada uma dessas medidas. De modo geral, só tenho a agradecer por essa experiência de extrema importância para área de meu interesse – o direito”. Laura Ferreira


SALA DE AULA

UMA AULA DE BIOLOGIA DIFERENTE Os conteúdos de Biologia no 3º ano do Ensino Médio abrangem todos os reinos. Neste contexto, o professor de Biologia Marco Aurélio dos Santos utilizou o próprio espaço disponível na escola para realizar uma trilha ecológica. Nesse local, há uma grande biodiversidade vegetal, animal e ecossistemas naturais e artificiais, sendo possível observar diversas interações dos organismos com o ambiente. A trilha permitiu a observação de seres vivos em seu próprio habitat e algumas características de seus nichos ecológicos. Assim, os alunos presenciaram e visualizaram “in loco” alguns conteúdos abordados em sala de aula, melhorando assim o seu aprendizado e dando maior significado para as questões ambientais abordadas. Em outro momento, as turmas foram divididas em grupos para o registro fotográfico da biodiversidade e a realização de um relatório com a apresentação dos dados coletados e sugestões para a preservação de nosso ambiente escolar. Marco Aurélio dos Santos - Professor

“Durante a realização do trabalho de biologia, foi possível visualizar a grande diversidade de plantas presentes no Colégio Mauá. Através da procura das plantas requisitadas pelas plaquinhas permitiu ilustrar e aproximar-nos do conteúdo aprendido em sala de aula, desse modo fomos capazes de entender o conteúdo de maneira eficiente e duradoura. Embora pudéssemos utilizar o material de apoio, a independência garantida pelo professor durante o processo foi fundamental para a emancipação do conhecimento, proporcionando um modo diferente de estudo prático.” Relato dos Alunos: Lara Gorreis Weigel, Jessica Folgiarini Correa, Arthur Bodini Freire da Rocha e Rafaela Vetoretti


SALA DE AULA

OLIMPÍADA CIÊNTÍFICA A OLIMPÍADA CIENTÍFICA, realizada no Mauá é composta pelas disciplinas de Biologia, Química, Física e Matemática. Nesta tarefas, os alunos do 1º ano do ensino médio participam de três atividades em cada trimestre: Gincana, Programa de Auditório e Simulado. A Gincana é uma atividade interativa com a participação de todos os alunos, com tarefas lúdicas e de conhecimento. Nesta etapa os mesmos são mobilizados a participar de campanhas, que possibilitam a inserção social e possível desenvolvimento de projetos extraclasse. No Programa de Auditório ocorre a participação dos alunos em trios, respondendo questões das áreas do conhecimento (Ciências da Natureza e Matemática), envolvendo atividades artísticas e culturais, que possibilitam o descobrimento de novos talentos e lideranças. A terceira etapa, Simulado, são atividades de forma individual que testam os alunos nas habilidades e competências relacionadas ao Enem. Marco Aurélio dos Santos, Manoela Panta Santos, Márcia Goettemes, Mérion Linck, Samuel Raschen e Douglas Faccin

Relato das alunas Eduarda Schmidt e Natalia Silva Machado “A gincana foi uma mistura de sentimentos. Enquanto corríamos de um lado para o outro pelo pátio da escola, seja procurando por plantas, como o manjericão ou dando uma pausa e bebendo o chazinho gelado, dava para sentir um ar de cumplicidade naquela tarde. Não só entre as equipes, mas no grupo como um todo. O que só víamos na teoria virou uma brincadeira , que ajudou a consolidar o que tínhamos aprendido em aula e integrar as turmas. No programa de auditório, lidamos com o nervosismo e a pressão de subir no palco e colocar nossos conhecimentos a prova (o medo de

dar um branco é real). Mas nem por isso a experiência deixou de ser divertida. Seja levantando as plaquinhas lá na frente ou aproveitando a música entre os intervalos, a programação foi no mínimo inédita. E com o nosso excelentíssimo grupo de jurados, apresentadores e a presença do nosso vice-diretor Martin, nosso auditório estava completo. Após duas programações bem fora da rotina, voltamos à sala de aula para fazermos uma prova. “O simulado funcionou como uma preparação para as trimestrais, que estavam por vir.”

VIAGEM DO CONHECIMENTO – PR/SC Entre os dias 23 e 27 de outubro, acompanhados pelos professores Jeferson Melo e Marco Aurélio dos Santos, os alunos dos segundos anos do Ensino Médio do Colégio Mauá partiram para uma aventura do conhecimento. Foram quatro dias de imersão nas áreas de Biologia, História e Geografia nos Estados do Paraná e Santa Catarina. No Paraná, visitaram a cidade de Curitiba e seus diversos atrativos, com destaque para a visita ao Jardim Botânico e ao Museu Oscar Niemeyer. Em Santa Catarina, houve a exploração do mangue, o mergulho na praia de Bombinhas e a visita ao parque do Beto Carrero World. É importante salientar que as viagens de estudo oferecem um ótimo espaço de aprendizagem que proporciona ao aluno(a) uma vivência única em sua caminhada escolar. Professores Jeferson Melo e Marco Aurélio dos Santos


NOTAS

CORAZONAR O Grupo Artuando, composto por alunos do Ensino Médio do Colégio Mauá, apresentou, dia 16 de outubro, a peça Corazonar. O espetáculo, dirigido pela professora Simone Bencke, aborda a história de um povo, com sua trajetória e experiências. “Com muita poesia e música, os alunos mostram através da peça, a perspectiva deles sobre nossa sociedade, trazendo luz em meio a tanta escuridão”, ressalta Simone. A peça Corazonar foi apresentada, também, na 41ª Amostra de Teatro Estudantil da Rede Sinodal de Educação (Atese), realizada na Sociedade Educacional Três de Maio (Setrem), em Três de Maio. A montagem do espetáculo aconteceu por meio das ideias dos integrantes, que foram debatidas, aprimoradas e

PROJETO NOSSO VÔLEI COMEMORA 10 ANOS

aprofundadas, até a formação do roteiro. Os alunos do Artuando se reúnem semanalmente com intuito de trabalhar a linguagem teatral, com a

Impactar positivamente a vida das pessoas através do esporte é um dos objetivos do Projeto Nosso Vôlei, do Programa Movida, mantido pelo Colégio Mauá, de Santa Cruz do Sul. Um evento, dia 31 de outubro, no Teatro do Mauá, marcou o lançamento do vídeo institucional do projeto e também as comemorações de 10 anos da iniciativa. O lançamento da produção, que mostra uma perspectiva plural sobre a importância do projeto para a comunidade regional, contou com a presença de crianças e adolescentes participantes da atividade, famílias, diretores de

exploração de técnicas, jogos e processo criativo. “O trabalho desenvolvido é o que dá voz ao aluno”, destaca a professora.

escolas, empresas parceiras e pessoas físicas que contribuem com o Nosso Vôlei. O Projeto Nosso Vôlei surgiu em outubro de 2009. Nesta década de trabalho, o projeto atendeu 2 mil crianças e adolescentes, um total de aproximadamente 60 mil atendimentos diretos de forma gratuita. A iniciativa conta com o apoio do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (Comdica), empresas locais, pessoas físicas, Sociedade Ginástica e mantenedora do Colégio Mauá.


NOTAS

CRIANÇA & CIA O Colégio Mauá anunciou, no mês de julho, a expansão das atividades na área de educação infantil. A partir do próximo ano, a instituição assume a gestão administrativa e pedagógica da Escola de Educação Infantil Criança & Cia. Com a mudança, a escola passará a usar a denominação Colégio Mauá - Educação Infantil, a partir de 2020. A Escola Criança & Cia, fundada em 1988, tem atualmente 250 alunos e 44 funcionários, no berçário à Pré Escola, nos turnos da manhã, tarde e integral. Conforme o diretor do Colégio Mauá, Nestor Raschen, a condução pedagógica não deverá sofrer grandes alterações neste primeiro momento. A estrutura física da escola, localizada na Rua Osvaldo Cruz, 510, em Santa Cruz do Sul, também deve permanecer inalterada. “Sempre tivemos um excelente relacionamento com a Criança & Cia e estamos muito felizes em poder dar continuidade a este projeto de educação infantil que já tem mais de 30 anos de história na comunidade santa-cruzense”, frisa Raschen. Para Cristine Löwenhaupt, a parceria com o Colégio Mauá foi um processo absolutamente natural, em virtude do alinhamento de objetivos e a busca incessante pela qualidade e satisfação dos alunos. “Esta parceria foi se consolidando com muito diálogo, troca de experiências e respeito mútuo. Estamos entrando numa nova fase, unindo forças para oferecer aos nossos alunos, pais e comunidade de Santa Cruz do Sul, uma estrutura diferenciada e pautada nos princípios e qualidade de ensino sempre oferecidos pelas duas instituições”, enfatiza.

SEMANA SIPAT Entre os dias 16 e 22 de outubro ocorreu, no Colégio Mauá, a Semana Interna de Prevenção de Acidentes de Trabalho (SIPAT) com o tema “Quem semeia segurança, colhe qualidade de vida”. Durante o evento, ocorreram várias atividades que primaram pela saúde e integração dos funcionários da instituição, como ginástica laboral, atividades de orientação, aferição de pressão arterial e lanche saudável.


CLICK MAUÁ

Diretor Nestor Raschen recebeu o título de Cidadão Honorário de Santa Cruz do Sul

Alunos dos quintos anos lançaram livro Aquarela de Memórias

Formandos do Científico de 1969 foram homenageados no Dia do Ex-Aluno

Ginasta Alice Silva foi destaque no Brasileiro de Ginástica Rítmica

Equipe de Ginástica de Trampolim representou escola em Goiás


APM

UM LUGAR E SUAS INÚMERAS HISTÓRIAS Uma biblioteca, em qualquer lugar do mundo, pode ser comparada a um lugar sagrado. Nela, milhares de histórias se entrelaçam e esperam ganhar vida ao serem lidas. Daí o significado (quase poético) da leitura. Mais que letras, cada livro guarda um mistério. Por outro lado, esse espaço tão encantador não nos chama, às vezes, a atenção. Perdemos o olhar poético para a biblioteca cedo demais. Porém, a Associação de Pais e Mestres (APM) do Colégio Mauá conseguiu resgatar o nosso olhar cheio de surpresa. Com muito empenho, propôs aos leitores um novo significado para o espaço da biblioteca do prédio principal. As cores, as citações, as imagens, os “cantinhos” para a leitura e para o estudo estão irreconhecíveis. Agora, disputados pelos alunos, é ainda mais gostoso ler e o próprio estudo ganhou ‘um ar’ de convite. É isto: nossa biblioteca transformou-se em um convite. Somos diariamente convidados a viajar pelo conhecimento.

Computadores novinhos, pufes aconchegantes, graminha artificial (que é quase mais confortável que o sofá) e prateleiras tão bonitas quanto os livros que nelas estão. É isso que vemos quando entramos na nova Biblioteca. A mudança agrada aos olhos e até nos deixa animados para ler. Faz com que voltemos seguidamente só para estudar, mesmo podendo fazê-lo em casa. Meu lugar preferido são as mesas em frente às janelas. Eu as abro e recebo um ventinho enquanto estudo, mas a maioria dos alunos prefere a sala do fundo, e eu os entendo. Lá, encontramos mesinhas particulares, pinturas na parede e a parte mais legal, na minha opinião: tem tomada. Sinceramente, eu adorei a transformação das coisas. A evolução da Biblioteca mostrou que o Colégio Mauá está se adaptando aos desejos dos seus alunos e isso causa uma grande diferença em ações trabalhosas e cansativas como o próprio estudo, permitindo que ele se torne agradável. Isadora Kristina Dutra Kannenberg -Turma 993


GENTE MAUÁ

UM LINDO PERÍODO DE VIDA Criatividade, expressão, engajamento, responsabilidade, integração e imaginação são algumas das palavras que marcam a trajetória escolar e que fazem parte da vida da ex-aluna do Colégio Mauá, Naíma Lorber. No auge dos seus 26 anos, a publicitária por formação se dedica, hoje, à gestão de projetos, como co-criadora de experiências de aprendizagem e autodesenvolvimento, em um centro de retiros internacionais localizado em Florianópolis (SC). Com gosto para atividades que convidam as pessoas a serem protagonistas, Naíma considera que o Colégio Mauá foi uma grande contribuição para a sua caminhada profissional e de vida. “Sinto que a diversidade que o colégio proporciona de atividades, faz com que a gente possa se experimentar nas mais diversas áreas e já ir sentindo o que gostamos ou não de fazer”, destaca. Conforme a co-criadora, o poder experimentar foi fundamental para se descobrir na prática.

Naíma Lorber Publicitária

A época escolar “foi um período muito lindo na minha vida, e acho que isso é devido à conexão que se estabelecia na escola”. Naíma passou aproximadamente 11 anos no educandário santa-cruzense. As lembranças são diversas, entre elas, os festivais de dança, teatro, jogos de integração, aulas no pátio e as conversas mais profundas com os professores. Além disso, a época concedeu grandes amigos, amizades que cultiva até hoje, pessoas que entraram com ela no educandário com seis anos de idade.

a alhando na al Vanessa trab Palácio Piratini do l residencia

Quando concluiu o curso de graduação, a recém publicitária foi morar por um tempo na Suíça, onde trabalhou e estudou francês. Na busca constante por conhecimento, ela fez cursos em diversas áreas, como empreendedorismo criativo, liderança disruptiva e facilitação de ambientes de aprendizagem. As experiências profissionais passaram pelo marketing e pela gestão de projetos com foco em metodologias criativas. Ela também deu aulas de meditação e conduziu grupos em experiências de autoconhecimento.


GENTE MAUÁ

INTEGRAÇÃO A ex-aluna lembra com carinho do anfiteatro da escola, que fica em meio à natureza, e da área do bar, ambiente de encontros, conversas, trocas, integração e risos. “Os jogos de integração, apresentações de teatro e o Dançarte eram eventos os quais eu sempre me engajava e que me nutriam muito”, frisa. Estes momentos permitiam criatividade e expressão, com destaque para a integração de todos fora da sala de aula e das pessoas que não faziam parte da turma. “Achava incrível esses espaços que tínhamos para ‘fazer acontecer’ algo que nascia em nossa imaginação”, recorda.

GRATIDÃO Naíma enaltece a contribuição dos professores pela escolha de uma carreira que não fosse engessada por expectativas externas, da sociedade como um todo. “Toda educação quando é voltada para a vida e não somente para uma ‘prova, teste ou vestibular’ é de suma importância para nosso desenvolvimento enquanto ser humano. Agradeço a todos professores que nos faziam pensar a respeito. Agradeço ao Colégio por proporcionar espaço para essas trocas”, enfatiza ela, em tom de gratidão. Ela ainda afirma que todos os educadores contribuíram de alguma forma para a sua formação e impactaram em sua vida das mais diversas maneiras.


FORMANDOS

TERCEIRÃO 2019 Turma 231

Agatha Schultz Schaefer, Aline David, Amanda Dockhorn, Ana Carolina de Oliveira Vicosa, Ana Carolina Ripplinger, Ana Clara Hackenhaar Kellermann, Antonia Zacharias Kirst, Barbara Heuser, Bruna Grasel, Bruna Karnopp, Bruna Rafaela Hermes Moenke, Bruno Reis Kothe Jannuzzi, Carolina Loebens Hinterholz, Carolina Thomas Lau, Caroline Mendonca Bianchini, Chaiane Silveira Mello, Christopher Heling, Eduarda Aparecida Roos, Eduardo Jose Eisenhardt Braun, Fernanda Beckemkamp, Gabriel Loeblein Eidt, Giordano Schwertz Cadona, Giovana Luisa da Silveira, Jairo Jose dos Santos Junior, Laura Mueller Ferreira, Leandro Seibel, Luana Tayani Willms, Lucas Coelho Gamba, Maria Eduarda Molz Oliveira, Maria Eduarda Renner, Maria Gabriela Eckert, Maria Luisa de Azevedo Konzen, Martina Assmann Gothe, Matheus Werner Rasche, Nathalia Schilling , Pablo Martinez Morales, Sofia Sauer Guia, Uri Noah Lange de Vasconcelos e Vinicius Molz Schubert

Antonio Ramos Jungblut, Arthur Bodini Freire da Rocha, Arthur Frantz Machado, Barbara Eich Reyes, Camila Luisa Rodrigues, Carolina Eduarda Vergutz, Cassiana Nadine Marques, Eduarda Filter Schuh, Eduarda Maria Staub Schroeder, Eduardo Baldo Moraes, Erica Luisa Poll, Erick Jacques Regert, Gabriela Paula Mohr, Gabrielle Nicolay Rosa, Heloisa Franke, Isaac Andre Back da Silva, Isadora Pellegrini Marques, Isadora Sehn Schwingel, Jessica Folgiarini Correa, Julia de Moura Valim, Julio Gabriel Boscaini, Lara Gorreis Weigel, Larissa Goebel Cremonese, Laura Assmann Biasibetti, Leticia de Moraes Martins, Lucas Flores de Almeida, Lucas More Pereira, Lucas Silva Arend, Luisa Matos Garcia, Luiz Eduardo Werle Buchele, Luiza Fleig Seabra, Maria Eduarda da Fontoura, Maria Fernanda Hermes Olinto, Mariana Alge Zanettini Masella, Milena Goncalves, Moises Henrique dos Santos, Pedro Dias Silva Retzke e Rafaela Vetoretti

Turma 232

Turma 233

Alice Elvira Teixeira dos Santos, Amanda Larissa dos Santos, Ana Carolina Teixeira Lau, Anabel Richter Santolin, Arthur Rodrigues Werlang, Bernardo Zambrano Bolzan, Bruna Rodrigues Matte, Catharina Hermes Frantz, Eduarda Lima Brum Magalhaes, Fernanda Carolina Zillmer, Fernanda Luiza Back , Gabriel da Silva Santos, Guilherme Ebert, Henrique Tadano Martins, Isabella Schweitzer Hiller, Jullia Flores Pritsch, Leonardo Paul, Lucas Armando Jahn da Silva, Lucas Fischer Azevedo, Lucas Rambo Knapp, Luiza Neumann Bay, Maite Andraschko Cano, Mariana Teixeira Pereira, Marilia Helena Neis, Martina Keller Eidt, Matheus Henrique Griebel, Matheus Reusch, Pedro Montagner Conceicao Lacroix, Pedro Tassinari Bandinelli, Sofia Willrich Bueno e Vitoria Eduarda Andraschko Simon

Profile for Colégio Mauá

Revista do Colégio Mauá - Novembro 2019  

Revista Colégio Mauá - Edição Novembro de 2019

Revista do Colégio Mauá - Novembro 2019  

Revista Colégio Mauá - Edição Novembro de 2019

Advertisement