Issuu on Google+

2ª Série - Ensino Médio Turmas: A, B, C e D

1

COLÉGIO ESTADUAL EURÍDICE SANT’ANA

INFORMÁTICA II Unidade HARDWARE

O que chamamos de computador não é propriamente um único aparelho: é um sistema constituído por diversos dispositivos, cada um encarregado de uma parte das tarefas básicas que todos os computadores realizam: receber, processar e apresentar informações. Esses dispositivos são divididos em duas partes principais: Hardware e Software. Hardware é a parte física da máquina, formada por componentes eletrônicos como peças, fios e chips. Podemos citar como exemplos de itens que fazem parte desta categoria o monitor, o teclado, o microprocessador, entre outros. Cada dispositivo tem uma função específica, vamos conhecer agora alguns dos principais componentes de um computador. Gabinete: O gabinete é onde se encontram as partes do computador que são responsáveis por armazenar e processar as informações. A maioria das descrições a seguir refere-se a dispositivos que são colocados no interior do gabinete. A maioria dos gabinetes possui, externamente, um botão de força (chave liga/desliga), e um botão de reset que serve para reinicializar o computador. Placa-mãe: Também chamada de mother board, é a placa mais importante, pois abriga o microprocessador, as memórias RAM e ROM e todas as outras placas, por exemplo, a placa de vídeo. Microprocessador: Também conhecido como processador ou CPU (Unidade Central de Processamento), é o cérebro do computador. O processador nada mais é que um chip de silício, onde uma combinação de circuitos controla o fluxo de funcionamento da máquina. Como o próprio nome diz, o processador é responsável pelo processamento das informações, ou seja, é quem lê e executa todas as instruções dos programas. Existem diversas marcas e fabricantes de processadores no mercado, dentre eles, os mais famosos no Brasil: Intel e AMD. Atualmente a Intel é a principal fabricante de processadores para PC. É comum batizar o computador pelo modelo do processador, ou seja, quando dizemos que um computador é um Duo Core 3 GHz, o que estamos dizendo é que seu processador é um chip Dual Core de 3GHz. Por isso mesmo você já deve ter ouvido falar de Intel Celeron 1.8 Ghz, AMD Sempron 2.8 Ghz, Intel Core 2 Quad 2.5GHz, AMD Athlon II X3 de 3.2GHz, Intel Core i3 de 3.06 Ghz, etc. Todos esses números, na verdade, são modelos de processadores fabricados nos últimos anos. Memória: Para o bom funcionamento de um computador e de seus programas, quanto mais memória RAM, melhor. Existem dois tipos de memória: ROM (Read Only Memory) e RAM (Random Access Memory). A memória ROM possui instruções básicas gravadas pelo fabricante do equipamento, que não podem ser alteradas. É responsável, entre outras coisas, pelo autoteste inicial, quando o computador é ligado, e pela carga do sistema operacional. A memória RAM é a memória de trabalho do computador. Ela é composta por módulos


2 (“pentes”) colocados diretamente na placa-mãe. Os dados e programas ficam na memória RAM enquanto estão sendo processados. Quando um trabalho é concluído e arquivado e o programa encerrado, a memória RAM é liberada para novos dados e novos programas. A memória RAM é volátil, pois quando o computador é desligado, seu conteúdo se perde. Drive de Disquete: O drive de disquete permite ler e gravar disquetes. Atualmente, o drive de disquete está caindo desaparecendo e dando espaço aos leitores de cartão de memória e instrumentos USB. Os disquetes mais comum é de 3 ½ polegadas com 1,44 MB de capacidade. Leitor USB: Universal Serial Bus (USB) é um tipo de conexão "ligar e usar" que permite a conexão de periféricos sem a necessidade de desligar o computador. Antigamente, instalar periféricos em um computador obrigava o usuário a abrir a máquina, o que para a maioria das pessoas era uma tarefa quase impossível pela quantidade de conexões internas, que muitas vezes eram feitas através de testes perigosos para o computador, sem falar que na maioria das vezes seria preciso configurar jumpers e interrupções IRQs, tarefa difícil até para profissionais da área. O surgimento do padrão PnP (Plug and Play) diminuiu toda a complicação existente na configuração desses dispositivos. O objetivo do padrão PnP foi tornar o usuário sem experiência capaz de instalar um novo periférico e usá-lo imediatamente sem mais delongas. o avanço notável desta versão seria o aumento da largura de banda disponível tornava-se agora possível, com um único driver, transferir som, vídeo e ainda assim usar a impressora, por tudo isto pelo mesmo canal - até um total de 480 Megabit/s no usb 2.0, e 4,8 Gigabit/s no usb 3.0.

Disco Rígido: O disco rígido também é conhecido como Winchester ou HD, do inglês Hard Disk. Sua função é armazenar dados e programas do usuário. Ele fica “oculto” dentro do gabinete e possui grande capacidade de armazenamento ( 250 GB, 500 GB, 1 TB, etc. ) Os drives são representados por letras, geralmente, da seguinte forma: Drive 3 ½ ........................ A: Disco Rígido ................... C: CD/DVD-ROM................. D: USB................................. E: O HD fica dentro do gabinete do computador, e além de não estar visível, é totalmente lacrado, impedindo que qualquer impureza penetre no disco e o danifique.

Drive de DVD-ROM: Hoje em dia a maioria dos programas são comercializados em CD-ROM e DVDROM. Sua principal vantagem é sua grande capacidade de armazenamento. Um único DVD-ROM pode armazenar o equivalente a milhares de disquetes. Isso é útil para programas grandes e de conteúdo multimídia (animação, sons e vídeo).


3 Teclado: O teclado de computador é um tipo de periférico utilizado pelo usuário para a entrada manual no sistema de dados e comandos. Possui teclas representando letras, números, símbolos e outras funções, baseado no modelo de teclado das antigas máquinas de escrever. Basicamente, os teclados são projetados para a escrita de textos, onde são usadas para esse meio cerca de 50% delas, embora os teclados sirvam para o controle das funções de um computador e seu sistema operacional. Essas teclas são ligadas a um chip dentro do teclado, responsável por identificar a tecla pressionada e por mandar as informações para o PC. O meio de transporte dessas informações entre o teclado e o computador pode ser sem fio (wireless) ou a cabo (PS/2 e USB). Tecla ESC F1, F2, F8 ...

TAB CAPS LOCK SHIFT

CTRL ALT Barra de Espaço BACKSPACE Setas INSERT

DELETE HOME PAGE UP PAGE DOWN PRINT SCREEN SCROLL LOCK PAUSE NUM LOCK ENTER

Função Com esta tecla cancelamos operações ou fechamos telas em diversos programas. São as chamadas teclas de função. A utilidade destas teclas muda de acordo com o programa em que são empregadas. Geralmente, a tecla F1 chama a ajuda (help) do programa. Equivale à tecla de tabulação das máquinas de escrever. Corresponde à tecla da máquina de escrever que trava o teclado em maiúsculas. Qualquer tecla pressionada em conjunto com a tecla Shift aparece como maiúscula ou minúscula conforme o estado da tecla Caps Lock, se for uma letra; outras teclas, quando pressionadas em conjunto com Shift, produzem o caractere que aparece em sua parte superior. Essa tecla é chamada de Control e serve para alterar o resultado do pressionamento simultâneo de outras teclas. Funciona de forma semelhante à tecla CTRL Funciona como a barra de espaço da máquina de escrever. Apaga o caractere que estiver a esquerda do cursor. Servem para mover o cursor (que indica onde a próxima ação do usuário vai ter efeito na tela do programa) Em processadores de texto, alterna entre os modos de sobrescrever (se você digitar sobre algo que já está escrito, o que escreveu antes é substituído pelo que digitou depois) e de inserir (o que você digitar empurra” o que já está escrito para a direita). Apaga o caractere que estiver a direita do cursor. Em aplicativos que usam linhas, move o cursor para o início da linha. Em aplicativos onde há rolagem de tela, rola uma telapara cima. Em aplicativos onde há rolagem de tela, rola uma tela para baixo. Envia (captura) a tela para área de transferência. Trava a rolagem de tela em alguns aplicativos. Pausa (interrompe) o programa em execução. Se estiver ativada, fará com que os números correspondentes apareçam, caso contrário, funcionarão as teclas de movimentação. É uma tecla de “confirmação” na maioria dos programas. Em grande parte dos processadores de texto, encerra um parágrafo. Tem outras funções, dependendo do programa em que é utilizada.


4 Mouse: É considerado um dispositivo de apontamento, ou seja, é um dispositivo de entrada que o usuário emprega para apontar para determinado item na tela, solicitando assim que o programa realize determinada ação. Em geral, seu funcionamento consiste em posicionar o cursor (ponteiro do mouse) sobre o item desejado, exibido na tela, e dar um ou dois cliques em um dos botões. O mouse original possuía dois discos que rolavam nos eixos X e Y e tocavam diretamente na superfície. O modelo mais conhecido de mouse é provavelmente o mouse baseado em uma esfera, que roda livremente, mas que na prática gira dois discos que ficam em seu interior. O movimento dos discos pode ser detectado tanto mecanicamente quanto por meio óptico. Monitor: O monitor é um dispositivo de saída do computador, cuja função é transmitir informação ao utilizador através da imagem, estimulando assim a visão. Os monitores são classificados de acordo com a tecnologia de amostragem de vídeo utilizada na formação da imagem. Atualmente, essas tecnologias são duas: CRT (Cathodic Ray Tube), em inglês, sigla de (Tubo de raios catódicos) é o monitor "tradicional", em que a tela é repetidamente atingida por um feixe de elétrons, que atuam no material fosforescente que a reveste, assim formando as imagens. LCD (Liquid Cristal Display, em inglês, sigla de tela de cristal líquido) é um tipo mais moderno de monitor. Nele, a tela é composta por cristais que são polarizados para gerar as cores.

Impressora: Uma impressora ou dispositivo de impressão é um periférico que, quando conectado a um computador ou a uma rede de computadores, tem a função de dispositivo de saída, imprimindo textos, gráficos ou qualquer outro resultado de uma aplicação. Herdando a tecnologia das máquinas-de-escrever, as impressoras sofreram drásticas mutações ao longo dos tempos. Também com o evoluir da computação gráfica, as impressoras foram-se especializando a cada uma das vertentes. Assim, encontram-se impressoras otimizadas para desenho de imagens complexas, e outras otimizadas para texto. Atualmente, as principais em uso são: 1. Matricial: impressora matricial ou impressora de agulhas é um tipo de impressora de impacto, cuja cabeça é composta por uma ou mais linhas verticais de agulhas, que ao colidirem com uma fita impregnada com tinta (semelhante a papel químico), imprimem um ponto por agulha. Assim, o deslocamento horizontal da cabeça impressora combinado com o acionamento de uma ou mais agulhas produz caracteres configurados como uma matriz de pontos. A definição (qualidade) da impressão depende, basicamente, do número de agulhas na cabeça de impressão, da proximidade entre essas agulhas e da precisão do avanço do motor de acionamento da cabeça de impressão. As impressoras encontradas têm 9, 18 ou 24 agulhas. 2. Jato de Tinta: utilizam sistemas dotados de uma cabeça de impressão ou cabeçote com centenas de orifícios que despejam milhares de gotículas de tinta por segundo, comandados por um programa que determina quantas gotas e onde deverão ser lançadas as gotículas e a mistura de tintas.


5 3. Laser: é um tipo de impressora que produz resultados de grande qualidade para quem quer desenho gráfico ou texto, utilizando a tecnologia do laser. Esta impressora utiliza o raio laser modulado para a impressão e envia a informação para um tambor, através de raios laser. O modo de funcionamento é muito semelhante ao dos fotocopiadoras. O funcionamento das impressoras a laser baseia-se na criação de um tambor fotossensível, que por meio de um feixe de raio laser cria uma imagem eletrostática de uma página completa, que será impressa.

Placa de vídeo: Depois do processador, memória e HD, a placa de vídeo é provavelmente o componente mais importante do PC. Originalmente, as placas de vídeo eram dispositivos simples, que se limitavam a mostrar o conteúdo da memória de vídeo no monitor. A memória de vídeo continha um simples bitmap da imagem atual, atualizada pelo processador, e o RAMDAC (um conversor digital-analógico que faz parte da placa de vídeo) lia a imagem periodicamente e a enviava ao monitor. A resolução máxima suportada pela placa de vídeo era limitada pela quantidade de memória de vídeo. Na época, memória era um artigo caro, de forma que as placas vinham com apenas 1 ou 2 MB. As placas de 1 MB permitiam usar no máximo 800x600 com 16 bits de cor, ou 1024x768 com 256 cores. Estavam limitadas ao que cabia na memória de vídeo. As placas de vídeos estão classificadas por: 1. Avulsas (Off-board): om a evolução das placas 3D, os games passaram a utilizar gráficos cada vez mais elaborados, explorando os recursos das placas recentes. Isso criou um círculo vicioso, que faz com que você precise de uma placa razoavelmente recente para jogar qualquer game atual. As placas 3D atuais são praticamente um computador à parte, pois além da qualidade generosa de memória RAM, acessada através de um barramento muito mais rápido que a do sistema, o chipset de vídeo é muito mais complexo e absurdamente mais rápido que o processador principal no processamento de gráficos. As placas 3D off-board também incluem uma quantidade generosa de memória de vídeo (512 MB ou mais nos modelos mais recentes), acessada através de um barramento muito rápido. 2. Integradas à placa-mãe (On-Board): Longe do mundo brilhante das placas de alto desempenho, temos as placas on-board, que são de longe as mais comuns. Elas são soluções bem mais simples, onde o GPU é integrado ao próprio chipset da placa-mãe e, em vez de utilizar memória dedicada, como nas placas offboard, utiliza parte da memória RAM principal, que é "roubada" do sistema.

Placa de Rede: Uma placa de rede (também chamada adaptador de rede ou NIC) é um dispositivo de hardware responsável pela comunicação entre os computadores em uma rede. A placa de rede é o hardware que permite aos computadores conversarem entre si através da rede. Sua função é controlar todo o envio e recebimento de dados através da rede. Cada arquitetura de rede exige um tipo específico de placa de rede; sendo as arquiteturas mais comuns a rede em anel Token Ring e a tipo Ethernet. Além da arquitetura usada, as placas de rede à venda no mercado diferenciam-se também pela taxa de transmissão, cabos de rede suportados e barramento utilizado (On-Board, PCI, ISA ou Externa via USB). As placas de rede para Notebooks podem ser on-board ou PCMCIA. Quanto à taxa de transmissão, temos placas Ethernet de 10 Mbps / 100 Mbps / 1000 Mbps e placas Token Ring de 4 Mbps e 16 Mbps. Como vimos no trecho anterior, devemos utilizar cabos adequados à velocidade da placa de rede. Usando placas Ethernet de 10 Mbps, por exemplo, devemos utilizar cabos de par trançado de categoria 3 ou 5, ou então cabos coaxiais.


6 Scanner: O scanner é um aparelho que digitaliza uma imagem. É como uma máquina de fotocópia, mas ao invés de copiar, torna cada ponto de cor em uma imagem digitalizada. Através do scanner podemos “extrair” imagens de fotos, jornais, desenhos, e colocá-las em nossos textos. É uma ferramenta muito útil para pessoas que trabalham com editoração eletrônica e desenvolvimento de páginas para a Internet. Para usar um scanner de mesa, primeiramente colocamos uma imagem dentro dele, em seguida acionamos seu mecanismo e, em seguida, a imagem é transferida para o computador. É necessário um programa de editoração de imagens para trabalharmos o objeto “escaneado”. Além disso, existem inúmeros formatos de imagens para diferentes finalidades.

Webcam: é uma câmera de vídeo de baixo custo que capta imagens e as transfere para um computador. Pode ser usada para videoconferência, monitoramento de ambientes, produção de vídeo e imagens para edição, entre outras aplicações. Atualmente existem webcams de baixa ou de alta resolução (acima de 2.0 megapixels) e com ou sem microfones acoplados. Algumas webcams vêm com leds (diodos emissores de luz), que iluminam o ambiente quando há pouca ou nenhuma luz externa. A maioria das webcams é ligada ao computador por conexões USB, e a captura de imagem é realizada por um componente eletrônico denominado CCD.

GLOSSÁRIO BARRAMENTO: conjunto de linhas de comunicação que permitem a interligação entre dispositivos, como a CPU, a memória e outros periféricos. BIT: Unidade mínima de informação possível de ser interpretada e armazenada pelo computador. CABO COAXIAL: tipo de cabo condutor usado para transmitir sinais. CCD: (charge-coupled device) é um sensor para captação de imagens formado por um circuito integrado que contém uma matriz de capacitores acoplados. CHIP: forma reduzida para microchip. CHIPSET: designação genérica dada ao conjunto de circuitos de apoio ao processador, presente na placa-mãe de um computador. ETHERNET: tecnologia de interconexão para redes locais - Rede de Área Local (LAN) - baseada no envio de pacotes. FOSFORESCENTE: espécie química tem de emitir luz, mesmo no escuro. É um fenômeno particular de um fenômeno geral denominado luminescência. FÓTON: partícula elementar mediadora da força eletromagnética. FOTOSSENSÍVEL: objeto que reage ao receber a estimulação de fótons da luz. GPU (Graphics Processing Unit, ou Unidade de Processamento Gráfico): unidade de processamento visual, é o nome dado a um tipo microprocessador especializado em processar gráficos em computadores pessoais, estações de trabalho ou videogames. IRQ: é a forma pela qual componentes de hardware requisitam tempo computacional da CPU. É a sinalização de um pedido de interrupção de hardware. LED (Light Emitting Diode): sua funcionalidade básica é a emissão de luz em locais e instrumentos onde se torna mais conveniente a sua utilização no lugar de uma lâmpada. OSI (Open Systems Interconnection): Camadas OSI ou Interconexão de Sistemas Abertos. PAPEL QUÍMICO: também chamado de papel carbono é um tipo de papel dotado num dos lados de uma camada de tinta ou pigmento transferível, geralmente por contato. Qualquer coisa que colida com o lado oposto deste papel faz a tinta transferir. PERIFÉRICO: todo o dispositivo que se pode conectar à CPU de um computador. PS/2: um padrão de interface para teclados e mouses para computadores pessoais. TOKEN RING: protocolo de redes que opera na camada física (ligação de dados) e de enlace do modelo OSI dependendo da sua aplicação WIRELESS: termo que designa sistemas de telecomunicação em que sinais são transmitidos por ondas eletromagnéticas, dispensando o uso de fios.


Apostila de Informática II Unidade