Page 1

1


Catarina Alves Vasco Botelho da Costa Tiago Gil Curado Frederico Duque dos Santos Pedro Lauret Viçoso Joana Oliveira João Ulrich Artur Alves Frederico Sapage Pereira Luís Macedo

2


ESTRUTURAS Introdução Falemos do distrito de Lisboa da Juventude Popular, um distrito que nos dois últimos anos cresceu, evoluiu, um distrito que pela mão de uma equipa assumiu no decorrer do tempo as mais diversas posições. O distrito de Lisboa foi o que mais cresceu nas últimas legislativas, tendo sido eleitos directamente mais dois deputados para a Assembleia da República do que em 2009, representando assim dois terços do crescimento total do CDS-PP. Esta é a prova que com um distrito em notável crescimento no que toca a militantes e simpatizantes, a Juventude Popular tem uma importância acrescida, numa altura em que cada vez mais as juventudes partidárias necessitam de ser credíveis. Apresentamos objectivos, bem como a forma e os meios para os atingir. Temos um projecto a desenvolver em dois anos, e este documento tem como objectivo apresentar as linhas orientadoras para um mandato que pretende motivar, crescer e implantar.

3


ESTRUTURAS Introdução Apresentamos um conjunto de propostas para o distrito de Lisboa, não tencionamos utilizar o presente documento para elaborar grandes dissertações sobre o tema A ou B, mas apresentar um conjunto de ideias objectivas, práticas e claras, a desenvolver a curto, médio e longo prazo. Acreditamos que a base de uma distrital assenta em três pilares essenciais que iremos desenvolver ao longo do nosso programa: Estruturas, Formação e Dinamização.

4


Base 1

ESTRUTURAS < Concelhias < Situação Actual < Acompanhamento < O Oeste < Comissão Política < 5


ESTRUTURAS Concelhias As concelhias são a base essencial de um distrito. Não falamos de concelhias vulgarmente denominadas de “fantasmas” eleitas para favorecer outrem, mas de concelhias que representem os jovens locais, que questionem os problemas locais. Uma distrital é quanto mais sã, quanto mais produtivas forem as suas concelhias, sendo esta um reflexo das mesmas. É do conhecimento de todos a delicada situação das concelhias de Alenquer, Arruda dos Vinhos, Azambuja, Loures, Lourinhã e Vila Franca de Xira. Propomos um plano de implementação e acompanhamento das concelhias anteriormente referidas. Numa primeira fase caberá à estrutura da distrital, pugnar junto dos órgãos competentes, pela resolução das impugnações decorrentes das eleições dessas mesmas concelhias, bem como pela limpeza e averiguação da veracidade dos cadernos de militantes.

6


ESTRUTURAS Concelhias Uma vez resolvida cada situação, cabe à distrital preparar, proporcionar e motivar os militantes de cada uma das concelhias, de modo a garantir a representatividade da Juventude Popular nesse mesmo local. Durante o processo de implantação de determinada concelhia, propomos a eleição da figura do Coordenador Concelhio, eleito em Conselho Distrital, de modo a fazer uma melhor articulação com a equipa distrital e os militantes base. Situação Actual Somos ambiciosos. Não seria coerente não estabelecer o objectivo da implantação total no distrito, o nosso desafio é atingir o pleno de concelhias, pois caso contrário estaríamos a ignorar aquele que tem sido o crescimento do CDS.

7


ESTRUTURAS Concelhias Acompanhamento Queremos ir além da implantação total do distrito, queremos concelhias acompanhadas. Uma concelhia necessita de ser apoiada para além do momento da sua eleição. Uma distrital tem como dever, fazer o devido acompanhamento constantemente. Este acompanhamento pode ser feito através de diferentes meios, uma simples reunião ou visita local, a disponibilização de meios, a agilização de recursos, ou até mesmo a elaboração de uma base de documentos de apoio (convocatórias tipo, termos de candidatura, actas, entre outros) que permitam o desenvolvimento eficaz do trabalho concelhio.

8


ESTRUTURAS Oeste O Oeste Os objectivos no Oeste terão que passar pela fundação de novas estruturas e pela consolidação das já existentes. Em relação à região Oeste, é necessária uma estratégia política distinta, na medida que a distância do núcleo central do Distrito arremessa a região para uma circunstância diferente. Posto isto, é fundamental mais entrosamento entre as estruturas (do Oeste). Entre elas, poderá desenvolver-se um trabalho de cooperação, com objectivo de tornar as concelhias mais unas, com mais potencial e mais dinâmicas. Eis que, fomentando ideias, actividades e projectos (através da colaboração entre si), a volatilidade ou a efémera existência de estruturas na região será solucionada, chegando ao propósito mais elevado desta moção: o pleno do Distrito.

9


ESTRUTURAS Oeste Contudo, é fundamental perpetuar consistentes elos entre a Comissão Política Distrital e as concelhias do Oeste. O intransigente desígnio será tornar todas as concelhias homogéneas e idóneas, facultando uma moção coerente e consciente, concebendo uma posição estratégica e audaz para a valorização das Comissões Políticas Concelhias. Ora, deverá dar-se anuição ao Oeste para progredir num mecanismo distinto, para que tenha igual oportunidade de desenvolvimento e incremento. A Comissão Política Distrital terá que ter o discernimento para colocar as concelhias da região supra mencionada num funcionamento distinto, pois as circunstâncias e realidades são diferentes. Peremptoriamente, para o progresso da região não basta existirem as concelhias, mas torná-las cooperantes para que possam trabalhar mais e melhor, com o objectivo de evidenciar o seu potencial. Isto é, em consequência do bom e pleno funcionamento das concelhias do Oeste, poderá elevar-se o número de militantes – quer na JP, quer no CDSPartido Popular – e também o número de votos em eleições vindouras.

10


Em suma, no presente projecto serão dadas competências acrescidas a um Vicepresidente direccionado para o Oeste, com delegação de competências e legitimidade para desenvolver estratégias específicas para a zona.

Comissão Política Uma distrital deve ir além da sua comissão política, queremos com isto dizer que pretendemos levar a efeito reuniões alargadas a todos os presidentes concelhios frequentemente.

11


Base 2

FORMAÇÃO < Gabinete de Estudos < Gabinete Autárquico < Livro de boas vindas < 12


FORMAÇÃO Gabinete de Estudos Consideramos que a segunda base para o bom funcionamento de uma distrital é a preparação e a formação dos seus militantes. Cabe à distrital promover o debate interno e a discussão de ideias. Acima de tudo é necessário criar condições de formação intelectual com qualidade, ao mesmo tempo que se promove a autonomia de pensamento. Gabinete de Estudos Propomos dar continuidade ao Gabinete de Estudos. No entanto queremos apostar num gabinete com outro tipo de postura. Queremos um Gabinete de Estudos Distrital inédito, repleto de temas igualmente originais. Antes de se poder tomar uma posição sobre determinada realidade, é necessário conhecer a mesma, pelas mais variadas perspectivas, tanto à esquerda, como à direita,

13


FORMAÇÃO Gabinete de Estudos incluindo o centro. Só através deste leque se poderá fundamentar uma orientação. Com este Gabinete, falaremos sobre tabus! Garante-se não só trabalho, mas inovação, salientamos: feitura de estatísticas, para que se possa estar a par da opinião dos militantes, conferências sobre os mais diversos temas da actualidade, publicação de um jornal e a formação de um clube de debate. Só assim, conseguiremos ter a ambicionada formação política, motivo pelo qual se constituiu esta Juventude. Queremos no entanto uma formação para os nossos militantes que vá além da absorção de conhecimento passiva, queremos militantes preparados para intervir em público, porque afinal de contas não podemos esquecer que somos uma juventude partidária. É de extrema importância investir em workshops de oratória e postura, programas que permitam aos nossos militantes uma melhor preparação para as mais diversas intervenções sejam elas a nível interno ou autárquico.

14


FORMAÇÃO Gabinete Autárquico No âmbito do Gabinete de Estudos, pretendemos ainda a criação de módulos de palestras/ debates para apresentar em escolas secundárias e básicas. Possibilitando assim uma maior aproximação dos jovens à política, bem como fazer transparecer a importância da participação na mesma. Gabinete Autárquico As autárquicas de 2013 estão à porta e nesse sentido, quanto mais formados e preparados estivermos melhor representaremos os ideais da nossa juventude e do nosso partido nas realidades locais. Nesse âmbito este projecto visa a criação de um gabinete inovador – o Gabinete Autárquico, com dois objectivos principais. Em primeiro lugar a criação das “Jornadas Autárquicas 2013”, um ciclo de formações nas concelhias, a desenvolver num plano trimestral, de forma a captar a realidade da autarquia local, bem como, quem são os autarcas do CDS, o que fizeram, e o que propõem.

15


FORMAÇÃO

Numa segunda fase, já em 2013, é proposta a criação da “Cimeira Autárquica 2013”, destinada aos jovens, autarcas ou não, no sentido de formar e preparar, com o recurso a debates/palestras, workshops, entre outros. Guia de Introdução à JP Propomos a criação de um guia de introdução ao militante. Este livro tem como objectivo fazer uma aproximação ao militante, de forma simples e assertiva. Queremos ainda o reconhecimento estatutário nos Conselhos Distritais dos Gabinetes, à semelhança do que acontece a nível nacional com o Gabinete de Estudos.

16


Base 3

DINAMIZAÇÃO < Agilização dos Recursos < Projecto “ O meu concelho” < Dinamização da sede < Gabinete de Comunicação < Campanha de filiação < Campanha do Oeste < Associativismo < Iniciativas < 17


DINAMIZAÇÃO

A participação social e política exige formação, animação e a dinamização de todos. Queremos uma distrital dinâmica, que concilie sinergias. Uma distrital que seja mais visível em relação às outras juventudes partidárias, uma distrital que motive, que promova. Agilização dos Recursos Humanos O trabalho em rede, e o espírito de interajuda deve ser uma constante. Queremos uma melhor e maior interacção com as concelhias, só com uma agilização de recursos entre concelhias podemos mostrar a nossa força e capacidade de mobilização. Projecto “O meu concelho” Pretendemos lançar um projecto inovador “O meu concelho”. A ideia é propor a cada concelhia, a realização de uma apresentação a nível distrital, a fim de dar a conhecer a realidade do seu concelho (população, problemáticas dos jovens, resultados autárquicos, entre outros).

18


DINAMIZAÇÃO

Este projecto prevê também a realização de várias iniciativas, que promovam o conhecimento de determinado concelho, com a organização por exemplo de visitas ou actividades locais. Dinamização da sede A dinamização de uma distrital pode ser levada a efeito sobre as mais diferentes formas, uma delas será certamente uma maior e melhor utilização do nosso espaço na sede nacional do CDS-PP.

19


DINAMIZAÇÃO Gabinete de Comunicação Gabinete de Comunicação Pretendemos dar continuidade ao Gabinete de Comunicação, criando assim uma equipa que tenha como objectivo criar e divulgar uma marca distrital, que permita um melhor conhecimento de quem somos e o que fazemos. Neste ponto salientamos a extrema importância do marketing, na comunicação com o exterior. As ferramentas a utilizar podem ser as mais diversas, passando pela renovação do sítio de internet ou pela constante “alimentação” da presença nas redes sociais. Um dos objectivos do presente gabinete será também a criação de duas bases de dados. Uma base de dados de emails dos militantes do distrito, sendo este o meio de comunicação por excelência. Em segundo lugar pretendemos criar uma base de dados de contactos de imprensa que permita a difusão mais rápida e eficaz das nossas actividades e propostas, quer a nível

20


DINAMIZAÇÃO

distrital, como a nível concelhio. Ajudando e acompanhando as concelhias na relação com a comunicação para o exterior. Campanha de Filiação Existe no nosso distrito um longo caminho a percorrer no que toca ao contacto com os jovens. São várias as vezes em que nos deparamos com a incerteza sobre qual será a melhor forma de abordagem, aproximação e contacto. Uma dessas formas será certamente a realização de uma campanha de filiação, que seja simples e apelativa. Nesse sentido queremos uma melhoria das nossas fichas de filiação, que passe pelo desenvolvimento de um pequeno folheto, que vá além de uma simples ficha de dados, mas que contenha um pouco da história da Juventude Popular, do passado, do presente e quais são as nossas sugestões para o futuro.

21


DINAMIZAÇÃO

Campanha do Oeste A campanha de filiação pode ser adaptada a outras realidades, no caso específico do Oeste propomos uma campanha que consiga abordar os problemas locais. Associativismo O associativismo jovem é uma das ferramentas para melhor contacto com a população jovem das escolas secundárias e universidades. Pretendemos acompanhar e pugnar sempre que possível pela criação de NEPS, e pela participação activa na vida associativa. Iniciativas As iniciativas a desenvolver pela distrital podem ser as mais diversas, salienta-se a organização de um churrasco/arraial na sede com a marca da distrital, do lanche de natal, da

22


DINAMIZAÇÃO

angariação e recolha de géneros para apoiar uma associação, ou até mesmo a realização de um rally do distrito, uma campanha de praia, entre outros.

23


As ideias são muitas, mas só uma equipa com provas dadas no distrito poderá criar as condições necessárias para levar a efeito um mandato de dois anos produtivo, que vá além da guerrilha interna, um mandato que promova a união.

Devemos acreditar, participar, lutar e confiar na força que temos e exigir, pois a nossa força é um instrumento de transformação.

24


Moção B - Trabalho, Mérito Seriedade  

Moção B - Trabalho, Mérito Seriedade

Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you