Page 1


Boa leitura!

EDITORIAL .....

Há 25 anos a Cocapec trabalha incansavelmente na busca de melhorias para os nossos cooperados. Não faltaram esforços nem criatividade para oferecer boas alternativas e os melhores negócios. Sempre atentos à missão e aos objetivos da cooperativa. Para atender esses objetivos, foram feitos investimentos em infraestrutura, ampliando a capacidade de armazenagem, em capacitação profissional de cooperados e colaboradores. Estas ações foram realizadas de acordo com a disponibilidade e iniciativa de cada uma das diretorias que por aqui passaram, e nos últimos anos, sempre com recursos próprios. O mérito de conseguirmos atingir nossos objetivos está alicerçado no envolvimento de nossos cooperados que sempre respeitaram e honraram seus compromissos assumidos com a cooperativa e a transformaram numa instituição sólida, confiável e reconhecida no mercado. Acabamos de viver um momento importante para a gestão da cooperativa, a prestação de contas da gestão atual. Por isso, realizamos no dia 30 de março a Assembleia Geral Ordinária com a aprovação do último exercício que pelo sexto ano consecutivo distribui resultados e projeta novos investimentos. Os resultados positivos são fruto do empenho de nossos cooperados para cumprir suas obrigações legais e financeiras. Tanta dedicação tem gerado cooperados mais fiéis que se beneficiam com essa atitude, recebendo sua parcela das sobras proporcional às transações realizadas com a cooperativa. Tais atitudes geram resultados positivos para os cooperados, os parceiros comerciais e financeiros e a Cocapec. Não podemos esquecer que estamos já nas vésperas do início da colheita e o produtor deve se preocupar com a preparação para a safra vindoura. Pensando nisso, a equipe de Comercialização e Técnica da Cocapec preparou um guia prático de orientação e recomendações para o ciclo que se aproxima. Nas próximas páginas destacamos, ainda, a realização do 3º Simcafé que se tornou um grande evento de agronegócio de café para a Alta Mogiana. Tratou de temas importantes para a cafeicultura regional como manejo da adubação, qualidade da bebida e gestão da propriedade. Buscamos também esclarecer os cooperados sobre assuntos atuais como Legislação Ambiental associada a Sistemas Agroflorestais. Estamos num momento ímpar da cafeicultura e devemos aproveitar para nos tornarmos mais eficientes em nossa atividade. Portanto, devemos olhar para a Cocapec com seriedade e empreendedorismo, sem nos esquecer do comprometimento e da fidelidade que uma cooperativa necessita.

.................................................................................................................................................

ENCERRAMOS 2010, QUE VENHA 2011

Carlos Sato Diretor Vice-Presidente


Diretoria Executiva Cocapec João Alves de Toledo Filho – Diretor-presidente Carlos Yoshiyuki Sato - Dir. Vice-presidente Ricardo Lima de Andrade - Dir. secretário

Conselho de Administração Cocapec Giane Bisco Amílcar Alarcon Pereira João José Cintra Paulo Eduardo Franchi Silveira Erásio de Grácia Júnior José Henrique Mendonça

Conselho Fiscal Cocapec Zita Cintra Toledo Renato Antônio Cintra Ricardo Nunes Moscardini

EXPEDIENTE

Órgão informativo oficial da Cocapec e Credicocapec, destinado a seus cooperados

Cocapec Franca Avenida Wilson Sábio de Mello, 3100 - CEP: 14406-052 Franca-SP - CEP:14400-970 - CAIXA POSTAL 512 Fone (16) 3711-6200 - Fax (16) 3711-6270

Filiais Capetinga: (35) 3543-1572 Claraval: (34) 3353-5257 Ibiraci: (35) 3544-5000 Pedregulho: (16) 3171-1400

Diretoria Executiva Credicocapec Mauricio Miarelli - Dir. Presidente José Amâncio de Castro - Dir. Administrativo Ednéia Aparecida Vieira Brentini de Almeida - Dir. Crédito Rural

ÍNDICE 06 TÉCNICA 12 TÉCNICA 15 NEGÓCIOS

Coleta recolhe quase 22 mil embalagens de agrotóxicos

Safra: o momento mais esperado do ano

Simcafé supera expectativa de público

Conselho de Administração Credicocapec Carlos Yoshiyuki Sato Divino de Carvalho Garcia Élbio Rodrigues Alves Filho Paulo Henrique Andrade Correia

Conselho Fiscal Credicocapec João José Cintra Cyro Antonio Ramos Marcos Antonio Tavares

26 CAFÉ E ALGO MAIS 40 CREDICOCAPEC Café vai bem com tudo

Credicocapec realiza Pré-Assembleias e AGO

Credicocapec Fone (16) 3712-6600 - Fax (16) 3720-1567 - Franca-SP PAC - Pedregulho:(16) 3171-2118 PAC - Ibiraci (35) 3544-2461 credicocapec@francanet.com.br - www.credicocapec.com.br

Coordenação Eliana Mara Martins

Núcleo de Criação Comunicação/MKT COCAPEC

Diagramação Ideia Fixa Publicidade e Propaganda Apoio Gráfico / Fotos Marcelo Siqueira

Redação Luciene Reis Bruna Malta

Jornalista Responsável Realindo Jacintho Mendonça Júnior - MTb/ 24781

Tiragem: 2.550 exemplares Home Page www.cocapec.com.br É autorizada a reprodução de artigos publicados nesta edição, desde que citada a fonte.

A revista não se responsabiliza pelos conceitos emitidos em artigos assinados, mesmo sob pseudônimo, que são de inteira responsabilidade de seus autores.

4

Revista COCAPEC - Maio / Junho 2011

22 CAPA COCAPEC

APROVA NOVOS INVESTIMENTOS

EM AGO


TÉCNICA

LABORATÓRIO RECEBE SELO DE QUALIDADE DO IAC Pelo décimo sexto ano consecutivo a Cocapec é aprovada por programa de qualidade Bruna Malta Setor de Comunicação

O trabalho sério e dedicado do Laboratório ANÁLISES DE SOLO E FOLHA da Cocapec foi novamente reconhecido pelo Instituto A análise de solo e folha já se tornou um proceAgronômico de Campinas (IAC). O selo adquirido desde dimento padrão entre os agricultores da Alta Mogiana. 1996 e renovado ano a ano certifica novamente a qua- O Laboratório da Cocapec é uma referência na região lidade dos serviços prestados através das análises de pela qualidade e garantia dos resultados apresentados. solo. Atualmente, com a ampliação e aquisição de O programa do IAC tem como objetivo quali- novos equipamentos, o Laboratório está ainda mais ágil ficar os laboratórios para a prestação de serviços com e eficiente em suas análises. O prazo de entrega dos competência técnica. Em 2000, apenas 15% dos labo- resultados de folhas que chegou a ser de 21 dias, em ratórios analisados alcançaram conceito “A”. Atualmen- momentos de pico, diminuiu para cinco dias, acelerante, esta porcentagem atinge 50% das avaliações. Esta do as tomadas de decisão do produtor. evolução nos índices de aprovação demonstra que o Estas ferramentas são importantes para a utiPrograma está contribuindo para elevar a lização racional dos insumos, beneficiando qualidade dos serviços presdiretamente o produtor, pois tados pelo setor privado orienta o uso correto Este resultado traz ainda mais no Brasil. O Programa dos fertilizantes na lado IAC também busvoura, evita-se assim credibilidade para o laboratório ca a uniformização de desperdícios e reduz que funciona há 23 anos métodos e procedimentos impactos ambientais. ligados às análises do solo. Com a otimização da produtividaEste resultado traz ainda mais credibilidade de, amplia-se o resultado do produtor, com redução dos para o laboratório que funciona há 23 anos e atende custos unitários. cooperados e clientes da região com análises de solo e Os fertilizantes respondem por cerca de 30% folha. dos custos de produção agrícola. Conhecer o tipo a O laboratório da Cocapec também recebeu ser aplicado e a quantidade necessária é decisão imem novembro de 2010 o selo de qualidade para análi- portante por ter relação direta com a produtividade da ses de folha da Escola Superior de Agricultura Luiz de lavoura. Sem análise de solo, esta decisão não é feita Queiróz (Esalq), adquirido pela primeira vez em 2004, com bases técnicas e corre-se mais o risco de errar e um ano após ser implantado. perder dinheiro.

O laboratório de análises de solo e folha mais uma vez recebe os selos dos programas de qualidade do IAC e da Esalq.

Revista COCAPEC - Maio / Junho 2011

5


TÉCNICA

COLETA RECOLHE QUASE 22 MIL EMBALAGENS DE AGROTÓXICOS Trabalho da Cocapec facilita a entrega para 226 cooperados da região Rômulo Alves Tomaz Setor Técnico

A Cocapec realizou em março, nas cidades de Claraval, Este trabalho atende às necessidades de produtores disCapetinga, Ibiraci e Pedregulho, a tradicional coleta itinerante de tantes das centrais e postos de recebimento, promovendo a retiraembalagens vazias de agrotóxicos. A cooperativa realiza este tipo da das embalagens vazias das propriedades rurais, já que quande trabalho desde 2006, juntamente com a Faculdade Francisco do mal acondicionadas podem ser possíveis contaminantes dos Maeda (Fafram) e a cada ano os números de cooperarecursos naturais e prejudiciais à saúde humana, além dos participantes superam as expectado cumprimento legal de responsabilidativas. Esses resultados demonsde do produtor de dar a destinação Este trabalho atende às necessidades tram o nível de conscientização correta dos vasilhames. dos cooperados que são orienO trabalho foi facilitado pela de produtores distantes das centrais tados sobre o uso correto de organização dos cooperados que e postos de recebimento defensivos e as recomendações trouxeram todas as embalagens lavaacompanhadas por engenheiros agrônodas, separadas e contadas, agilizando e redumos que indicam, de forma racional a dosagem necessária para zindo o tempo de espera da entrega. cada lavoura. Tudo isso acontece aliado a outras práticas de maEm 2011 participaram 226 cooperados e foram recolhinejo que venham minimizar a utilização dos agroquímicos. das 21.829 embalagens.

6

Revista COCAPEC - Maio / Junho 2011


TÉCNICA

Todas as embalagens coletadas foram enviadas para o posto de coleta da Associação das Revendas de Produtos Agrícolas de Franca e Região (Arpaf), localizado na Avenida Wilson Bego, 401, Distrito Industrial, Franca-SP. ENTENDA O PROCESSO A operacionalização de todo o sistema é simples: após utilização do produto no campo, o produtor deve fazer a tríplice lavagem, furar o fundo

do vasilhame e armazenar por um período de até um ano na propriedade, a partir da data da compra. Dentro deste prazo, o agricultor deve entregar as embalagens num posto ou central de recebimento ou aguardar a coleta itinerante promovida pela Cocapec que ocorre nas filiais uma vez ao ano. A coleta permitiu cumprir o compromisso com a preservação do meio ambiente, adequação ambiental da propriedade no que tange a destinação das embalagens.

“Bags” com as embalagens recolhidas em Ibiraci e Pedregulho

Revista COCAPEC - Maio / Junho 2011

7


TÉCNICA

ADEQUAÇÃO AMBIENTAL D E O USO ECONÔMICO DA R Saiba como se adequar para evitar possíveis problemas legais

A legislação ambiental tem exigido cada vez mais que o agricultor se adéque as suas exigências. Entre elas destacamos a Reserva Legal e a Área de Preservação Permanente (APP). Diante desta demanda a Cocapec, Coonai, Prefeitura Municipal de Franca, Associações de produtores e entidades de ensino, pesquisa e extensão rural da região se propuseram a instalar quatro unidades de referência de sistemas agroflorestais (SAFs) em parceria com a Embrapa Meio Ambiente de Jaguariúna. Foi implantada uma área modelo de APP na Fundação do Café da Alta Mogiana e duas áreas de sistemas agroflorestais em uma propriedade particular e outra no assentamento da Fazenda Boa Sorte. Estas áreas servirão de base para transferência de tecnologia e informação para produtores interessados na implantação destes sistemas em suas propriedades. Em Franca, para alcançar esses objetivos, foram realizados alguns eventos, entre eles um Workshop, seguido de um Dia de Campo de implantação da Unidade de Referência em APP na Fundação do Café da Alta Mogiana em uma área de aproximadamente 3.000 m² de extensão que protege a cabeceira de uma nascente. Foram plantadas em torno de 400 árvores nativas, intercalando espécies pioneiras e secundárias com espaçamento de 4m entre linhas e 2m entre árvores. Existem pelo menos 30 espécies nativas distintas, dentre estas espécies, no mínimo 10 espécies nativas que servem 8

Revista COCAPEC - Maio / Junho 2011

de alimento para animais. Para recomposição de APP, ainda é exigido um mínimo de 600 indivíduos por hectare revegetado. As espécies pioneiras são aquelas árvores que apresentam crescimento rápido e facilidade em germinar e desenvolver em pleno sol. Tem um ciclo de vida de até 10 anos, atingem de 4 a 20 metros de altura e sua madeira é leve. Já as espécies secundárias são aquelas árvores que crescem mais devagar, apresentando um ciclo de vida maior, de 20 até 50 anos, atingem até mais de 20 metros de altura e apresentam madeira pesada. Estes SAFs são sistemas complexos de interação entre árvores nativas e biodiversas com cultivos de espécies de interesse econômico. Estes sistemas unem a real necessidade de, ao mesmo tempo, preservar o meio ambiente e produzir alimentos. Podem produzir mel, madeira, frutas, culturas anuais (milho, feijão, mandioca), horticultura, entre outras, tanto em áreas com restrições legais (Reserva Legal e APP) quanto em áreas livres de restrições. RESERVA LEGAL É uma área de uma propriedade rural, necessária ao uso sustentável dos recursos naturais, à conservação e reabilitação dos processos ecológicos, à conservação da biodiversidade e ao abrigo e proteção de fauna e flora nativas. A vegeta-


TÉCNICA

L DA PROPRIEDADE RURAL A RESERVA LEGAL Rômulo Alves Tomaz Setor Técnico

Guilherme U. Zamikhowsky Articulador da Embrapa em Franca

ção da reserva legal não pode ser suprimida, podendo apenas ser utilizada sob regime de manejo florestal. A Área de Reserva Legal é regulamentada pela Lei 4771/65 e em muitos estados da federação existem leis que complementam a lei acima, entre eles: Minas Gerais e São Paulo. A recomposição da Reserva Legal pode ser feita de diversas maneiras: • Plantio de árvores nativas em até 30 anos, sendo um décimo a cada 3 anos, em propriedades sem mata nativa; • Plantio consorciado de nativas com espécies de interesse econômico em até 8 anos, sendo um oitavo por ano; • Ou apenas conduzindo a regeneração natural da mata, isolando os fatores de degradação se a área já tiver um banco de sementes e outras condições propícias para regeneração. É possível compensar a Reserva Legal por outra área equivalente em importância ecológica e extensão, desde que pertença ao mesmo ecossistema e esteja localizada na mesma microbacia hidrográfica, conforme critérios estabelecidos em regulamento.

a biodiversidade, a fauna e flora, solo e assegurar o bem-estar humano. Os exemplos de APP são as áreas de mananciais, as encostas com mais de 45 graus de declividade, os manguezais e as matas ciliares. Essas áreas são protegidas pela Lei Federal nº 4771/65 (alterada pela Lei Federal nº 7803/89), CONAMA 302 e CONAMA 303. Qualquer intervenção em APP deve somente ser feita mediante autorização da CETESB (Companhia de Tecnologia e Saneamento Ambiental) e em Minas Gerais a intervenção em APP deve-se a IEF (Instituto Estadual de Florestas). Caso contrário será considerado crime ambiental, conforme dispõe a Lei Federal nº 9605/98, passível de pena de detenção de 1 a 3 anos e multa de até R$ 50 mil por hectare danificado. É permitida a intervenção em APP em alguns casos de interesse social como o manejo agroflorestal sustentável (SAFs), praticadas na pequena propriedade ou posse rural familiar, que não descaracterizem a cobertura vegetal e não prejudiquem a função ambiental da área.

APP

INFORMAÇÕES: Guilherme U. Zamikhowsky - Articulador da Embrapa em Franca guilherme.ubiali@uniagro.com.br (16) 9222-0619

As Áreas de Preservação Permanente (APP) são áreas de grande importância ecológica, pois tem como função preservar os recursos hídricos, a paisagem, a estabilidade geológica,

Revista COCAPEC - Maio / Junho 2011

9


TÉCNICA

CAFÉS ENXERTADOS RESISTENTES AOS NEMATÓIDES

Fundação do café é espaço para mais este experimento do IAC A implantação das mudas foi acompanhada por técnicos da Cocapec e IAC

Wallace Gonçalves Pesquisador do IAC.

O Centro de Café Alcides Carvalho do Ins- que os resultados obtidos são contraditórios. tituto Agronômico de Campinas (IAC) realiza pesAssim, instalou-se um experimento com o quisas que visam o desenvolvimento de cafeeiros objetivo de estudar o comportamento de cafeeiros resistentes a nematóides. Ao contrário do que se da cultivar Mundo Novo, enxertados ou não, em proverifica nos cafeeiros arábicos, fontes de resistên- gênies de 13 clones de C. canephora selecionados cia a esses parasitos estão sendo detectadas mais como resistentes a nematóides. Foram instalados facilmente em Coffea canephora (cafés robustos e em áreas infestadas por esses parasitos e um em conillon). área isenta dos mesmos. Esse último experimento A técnica da enxertia hipofoi implantado em janeiro de 2011, cotiledonar, já utilizada com parcelas de 15 caEsse último experimento foi rotineiramente em feeiros e com seis implantado em janeiro de 2011, com algumas regiões, repetições, totalipermite a utilizazando em torno de parcelas de 15 cafeeiros e com seis ção dessas fontes 1.000 plantas, na repetições, totalizando de resistência a curto área da Fundação do 1.000 plantas prazo, visto as restrições climátiCafé da Alta Mogiana, em Franca. cas ao cultivo do café robusta nas principais regiões Juntamente com este campo foram implancafeeiras do Estado de São Paulo. tadas mudas de Mundo Novo em saquinhos, TNT e Sabe-se que em outras culturas, como fru- em tubetões com (Obatã Amarelo, Catuai amarelo e tíferas, seringueiras, ornamentais e hortaliças exis- Mundo Novo), totalizando uma área total de 1,7 hectem amplas e variadas interações entre copa e porta tares e após 60 dias do plantio todas apresentaram enxerto, que afetam as características vegetativas, um bom desenvolvimento. qualitativas e quantitativas. Em razão disso, diverMais um campo experimental enriquece a sos trabalhos foram realizados com cafeeiros en- Fundação do Café e colabora com desenvolvimento xertados em áreas isentas de fitonematóides, sendo dos cafés da Alta Mogiana.

10

Revista COCAPEC - Maio / Junho 2011


Revista COCAPEC - Maio / Junho 2011

11


TÉCNICA

12

Revista COCAPEC - Maio / Junho 2011


TÉCNICA

Revista COCAPEC - Maio / Junho 2011

13


TÉCNICA

14

Revista COCAPEC - Maio / Junho 2011


NEGÓCIOS

SIMCAFÉ ATRAI MAIS DE MIL PARTICIPANTES EM DOIS DIAS Evento oferece atualização para cafeicultores e oportunidade de bons negócios A terceira edição do Simcafé – Simpósio do Agronegócio Café da Alta Mogiana aconteceu nos dias 13 e 14 de abril, no Salão de eventos do Castelinho, com a presença de quase mil participantes entre cafeicultores, familiares, estudantes e profissionais ligados à agricultura, revelando o perfil de um público atento e participativo, principalmente durante as palestras. O evento é realizado pela Cocapec com o objetivo principal despertar no empresário rural o interesse em informações ligadas aos processos de gestão de seu negócio, para que, da mesma forma que as tecnologias de produção foram adotadas, as ferramentas de gestão sejam desenvolvidas e implantadas nas propriedades. “O Simcafé surgiu de um diagnóstico realizado pela Cocapec em parceria com o Sebrae, onde foram levantados pontos que deveriam ser aprimorados para eficiência da cafeicul-

Bruna Malta Setor de Comunicação

tura e melhoria econômica e social do produtor de café da Alta Mogiana”, afirma Ricardo Lima de Andrade, diretor da Cocapec. Na abertura estavam presentes autoridades regionais e parceiros do evento como Sebrae e Sistema Ocesp. João Alves de Toledo Filho, presidente da Cocapec, falou sobre oportunidade de troca com os cooperados e da interação com as novas tecnologias e com os mecanismos “fora da porteira” como políticas de preço do café. “Com o Simcafé promovemos o desenvolvimento sustentável e a modernidade da cafeicultura da Alta Mogiana”, conclui o presidente. Já Márcio Lopes de Freitas, cooperado da Cocapec e presidente da OCB – Organização das Cooperativas Brasileiras destacou a importância do simpósio para o desenvolvimento da cafeicultura regional e o momento único de aquisição de conhecimento pelo produtor rural. Revista COCAPEC - Maio / Junho 2011

15


NEGÓCIOS

Márcio Lopes de Freitas - presidente da OCB

Aramis Moutinho Júnior - representante do Sistema Ocesp

Iroá Nogueira Arantes - diretora regional do Sebrae Franca

Gustavo Valone - representante do MDA 16

Revista COCAPEC - Maio / Junho 2011

João Alves de Toledo Filho - presidente da Cocapec

Os parceiros também tiveram oportunidade de se pronunciar. Para Aramis Moutinho Júnior, do Sescoop/SP, o Simcafé avançou nas parcerias e o apoio de instituições como Sebrae e Sistema Ocesp fortalece esta iniciativa. Já o Sebrae, representado pela diretora regional de Franca, Iroá Nogueira Arantes ressalta o diagnóstico realizado em 2008 que forneceu informações à Cocapec que permitiu investir no aprimoramento das tecnologias de gestão junto aos cooperados. O Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) foi representado por Gustavo Valone, que aproveitou a oportunidade para conhecer o perfil da cafeicultura regional, associando às políticas públicas do MDA para agricultura familiar. Para finalizar a cerimônia de abertura, o diretor secretário da Cocapec, Ricardo Lima de Andrade, enfatizou a importância do Simcafé pela geração de informações, capacitação técnica, contribuindo para as tomadas de decisão na propriedade rural. “O simcafé fortalece nossos cooperados através da divulgação de informações, criação de ferramentas de análise de custo e acesso a mercados. Afinal, cooperado forte é cooperativa forte”, finaliza o diretor da Cocapec. Os palestrantes convidados são escolhidos pela sua bagagem e facilidade de transmitir ao cafeicultor seus conhecimentos sobre a gestão da atividade cafeeira. No primeiro dia do evento, a palestra foi ministrada pelo professor, Antonio Eduardo Furtini Neto, professor da UFL A - Universidade Federal de Lavras que tratou da importância da análise de solo, um assunto recorrente na cafeicultura pelo seu valor. Para o professor, eventos como Simcafé contribuem para que o produtor desperte para a importância de assuntos básicos como a fertilização do solo e a economia gerada através da análise. À tarde, a programação contou com uma palestra sobre manejo de doença do professor Edson Pozza da UFLA. De acordo com Pozza, as doenças do cafeeiro estão associadas a um conjunto de fatores que associam um ambiente propício a presença do patógeno (fungos/bactéria) e a disposição da planta. Por isso, o produtor deve sempre estar atento às condições gerais da la-


NEGÓCIOS

Ricardo Lima de Andrade - diretor secretário da Cocapec

voura para o controle adequado das doenças. Para encerrar o primeiro dia de evento João Carlos Peres Romero, consultor em agronegócio café, falou sobre as perspectivas de produção de café. Romero conhece a cafeicultura mundial e destacou a importância da cafeicultura brasileira neste contexto. No segundo dia de evento, o palestrante Flávio Borém, professor da UFLA e especialista em produção de qualidade. Falou sobre cafés especiais, um assunto recorrente no mercado. Quando questionado sobre o desafio de se falar sobre este tema numa região conhecida mundialmente pela qualidade natural dos seus grãos, Borém reconhece a qualidade do produto da região da Alta Mogiana, mas acredita que mesmo neste cenário, o produtor pode adquirir cafés finos na busca pela ampliação da sua renda. Em seguida, o pesquisador do IAC - Instituto Agronômico de Campinas Joel Fahl tratou da fisiologia do cafeeiro com destaque para aspectos vegetativos associados à floração e desenvolvimento dos frutos. Para Fahl, 2011 está sendo um ano muito bom para o desenvolvimento da planta devido às chuvas equilibradas. “Com a oferta maior de água, o cafeeiro se desenvolve bem, gerando mais galhos e folhas para a floração que acontecerá em setembro. Sem esquecer que a planta precisa do período de dormência, ou seja, sem chuva. Isso deve ocorrer nos meses de junho e julho”, ressalta o pesquisador. Para finalizar as apresentações, Milton Verdade, consultor em gestão do Agronegócio Café, discutiu com os cafeicultores sobre o grande desafio da cafeicultura nacional, a gestão da propriedade rural. De acordo com o palestrante, o cafeicultor já está despertando para a necessidade de gerenciar a produção como uma empresa rural. Mas ainda tem muito trabalho a ser feito. “O perfil do cafeicultor está mudando, e está se capacitando cada vez mais”, avalia Milton Verdade. O evento proporcionou novos conhecimentos e reciclou algumas informações que os produtores já tinham, mas que com a evolução das pesquisas vão se aprimorando. O cooperado Divino Garcia, este ano, conseguiu participar ativamente do evento.

Antônio Eduardo Furtini Neto - UFLA

Edson Pozza - UFLA

João Carlos Peres Romero - engenheiro agrônomo

Flávio Borém - UFLA Revista COCAPEC - Maio / Junho 2011

17


NEGÓCIOS

Joel Irineu Fahl - IAC

Público em visitação aos stands

“Participei dos dois dias de Simcafé e gostei muito. As palestras foram objetivas e práticas. Acho que este foi o melhor tanto pela programação, quanto pela organização e espaço”, afirma Divino.

Equipe organizadora do evento

CAFETERIA A cafeteria Senhor Café ofereceu uma variedade de bebidas com café, desde cappuccinos e espressos até frosens e cafés gelados a base de laranja, gengibre, sorvete e chocolate. Os visitantes puderam apreciar o Senhor Café em várias versões e confirmar a excelência do café gourmet produzido pela Cocapec através do produto de seus cooperados. O Tulha Velha também atraiu os apreciadores da bebida tradicional, com características marcantes como corpo e sabor. PARCERIAS Desde a primeira edição do Simcafé, os parceiros apóiam e incentivam esta iniciativa. Em 2011 foram mais de 40 empresas expositoras. Com objetivo de estarem ainda mais próximos dos cafeicultores, as empresas tiveram a oportunidade de interagir com os cooperados demonstrando sua linha de produtos. Algumas utilizaram meios criativos como atrações artísticas e tecnológicas para atrair o público. Essa oportunidade oferece aos produtores rurais conhecimento sobre as inovações do mercado de máquinas, implementos e defensivos agrícolas.

Cafeteria Senhor Café

Milton Verdade - consultor em agronegócio café 18

Revista COCAPEC - Maio / Junho 2011

MÁQUINAS Aconteceram simultaneamente, as visitas aos stands e as rodadas de negócios com modalidades de créditos especiais para o simpósio, como troca de café por implementos e descontos para compras à vista. De acordo com Daniel Carrijo, coordenador da área na cooperativa, o 3º Simcafé foi um dos melhores eventos realizados pela Cocapec, não só em volume de vendas como também em interação da equipe de vendores e dos representantes das empresas participantes. Muitos cooperados compraram máquinas e equipamentos para pagamento em agosto de 2012. “Na parte de máquinas


NEGÓCIOS

Vista panorâmica dos stands

Público atento à abertura do evento

realizei a compra de uma carreta e uma trincha pela modalidade de troca, que facilita a compra e tem maior prazo para pagamento”, comenta o cooperado de Patrocínio Paulista, Divino Garcia. MULHERES Profissionais da cidade realizaram, em parceria com a Cocapec, as oficinas de maquilagem e cultivo de orquídeas. Foram oferecidas 60 vagas de cada modalidade, atraindo o público feminino para o “Espaço Mulher”. No período da manhã, o cultivo de orquídeas presenteou as participantes com uma muda da planta. “Fiz a oficina de orquídeas e pude tirar todas as minhas dúvidas sobre os cuidados com a planta. Adorei a oportunidade e o cultivo de orquídeas é muito mais simples do que eu imaginava”, declara Lucinha Oliveira Cintra, de Claraval. No período da tarde, as mulheres participaram do curso de maquilagem, onde puderam aprender as técnicas para uma produção perfeita.

Vista panorâmica dos stands

TRILHA DA VIDA É uma oficina ambiental que tem como propósito contribuir para a preservação do meio ambiente e conscientização do ser humano sobre o seu papel na sociedade e como agente responsável pelas transformações degradantes da natureza. Ambiente de negociação da área de máquinas INSTITUCIONAL COCAPEC O stand da Cocapec foi desenvolvido para divulgar duas importantes ferramentas criadas para auxiliar os cooperados na gestão da propriedade e no acesso a informação que são CPC e site (www.cocapec.com.br), respectivamente. Com dois computadores ligados ao CPC e na internet, os associados eram orientados sobre o conteúdo e forma de utilização de cada uma das opções. SERVIÇOS Interessados em conhecer o CPC podem ligar para 16 3711-6235 ou através do e-mail cpc@cocapec.com.br e falar com Danilo.

Espaço de demonstração das máquinas e implementos Revista COCAPEC - Maio / Junho 2011

19


ESPECIAL

Bruna Malta Setor de Comunicação

COCAPEC PARTICIPA DE MOBILIZAÇÃO PELA APROVAÇÃO DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL Reuniões em Ribeirão Preto e Brasília reafirmam o apoio dos produtores e pede urgência na votação do congresso Grupo de cooperados da Cocapec que estiveram em Brasília no dia 5 de abril

A Cocapec e os cooperados por ela representados estiveram presentes nos dias 28 de março e 5 de abril em Ribeirão Preto e Brasília, respectivamente, para manifestar o apoio ao Novo Código Florestal de autoria do deputado federal Aldo Rebelo. “Com este dois eventos conseguiu-se chamar a atenção da opinião pública para a importância do Código Florestal para o agronegócio, o código atual inviabilizaria até obras públicas de contenção de enchentes”, destaca João Alves de Toledo Filho, presidente da Cocapec. O Código Florestal em vigor foi editado em 1965, quando a agricultura e a pecuária brasileira eram atividades tradicionais de baixa produtividade e de reduzidas dimensões. As grandes transformações da produção rural, que tornaram o Brasil o segundo maior exportador de alimentos, só começariam dez anos mais tarde. A extensão e a natureza dessas transformações, por si só, já tornam as regras do Código Florestal obsoletas, ultrapassadas e com várias lacunas. RIBEIRÃO PRETO Cerca de mil produtores rurais e líderes do agronegócio regional e nacional atenderam a convocação feita por diversas entidades da região de Ribeirão Preto, e se reuniram, para reafirmar o apoio do setor às mudanças na legislação ambiental. Compareceram ao evento os Deputados Federais: Moreira Mendes (PPS/RO), Presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária; Duarte Nogueira (PSDB/ SP), líder do PSDB; Mendes Thame (PSDB/SP); Marco Ubiali (PSB/SP); Marcos Montes (DEM/MG); Nelson

20

Revista COCAPEC - Maio / Junho 2011

Marquezelli (PTB/SP); e os Deputados Estaduais: Baleia Rossi (PMDB/SP); Welson Gasparini, (PSDB/SP) e Roberto Engler(PSDB/SP), juntamente com o ex-ministro Roberto Rodrigues e Paulo Saquy, representante do Ministério da Agricultura, Peduária e Abastecimento. Destaca-se o engajamento dos deputados francanos, Marco Ubiali e Roberto Engler por compreenderem a urgência e a necessidade da defesa, divulgação e comprometimento com a aprovação desse projeto. A Diretora Executiva da ABAG/RP, Mônika Bergamaschi, lembrou que é fundamental que a nova lei ambiental se torne o mais efetiva para meio ambiente e menos prejudicial ao setor produtivo. Segundo ela, a reunião foi idealizada para que os produtores e empreendedores rurais reafirmem o anseio do setor pela imediata votação do Projeto de Lei do Novo Código Florestal. Os deputados Mendes Thame, Nelson Marquezelli, Marcos Montes e Marco Ubiali, parlamentares que apóiam o setor, falaram dos esforços que estão fazendo juntos às suas bancadas, e com deputados de outros partidos pela imediata votação e aprovação do texto. BRASÍLIA A Cocapec disponibilizou um ônibus para levar representantes da região para Brasília. Cerca de 24 mil produtores rurais de todo o Brasil estiveram presentes na mobilização. O presidente, João Alves de Toledo Filho, além de Brasília, participou também em São Paulo de uma reunião promovida pela Federação das Indústrias do Estado de


ESPECIAL

São Paulo (Fiesp), onde a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira demonstrou bom senso e capacidade de aglutinar os diversos interesses que permeiam este tema. O evento permitiu mostrar ao Congresso Nacional a necessidade de atualização do código através de conversas com parlamentares e solicitação de apoio na votação, além de mostrar para a população os reais intuitos da reforma do código. Os produtores rurais e representantes do setor agropecuário brasileiro nunca estiveram tão unidos em prol de um objetivo comum: mostrar para os parlamentares e para toda a sociedade a necessidade de urgência da modernização do Código Florestal Brasileiro. O deputado federal Aldo Rebelo (PCdoB-SP), contou sua tragetória até chegar a proposta que pretende atender às necessidades dos produtores rurais do Brasil. Baseado no que viu nas andanças pelo interior do Brasil, Aldo Rebelo acredita que sua proposta é viável para o Brasil. A presidente da CNA, senadora Kátia Abreu lembrou que, ao defender a modernização do Código, os produtores rurais não querem desmatar mais áreas, como apontam erroneamente os críticos à proposta de revisão da lei ambiental. Afirmou que as atuais áreas de produção são suficientes para aumentar a produção de grãos em três

Autoridades presentes no evento de apoio ao código em Ribeirão Preto

Quase mil pessoas prestigiaram evento de apoio ao novo código

vezes e a produção de pecuária em quatro vezes. “Nós queremos apenas legalizar esse patrimônio que não é dos produtores rurais, é do Brasil. É um terço do PIB, um terço das exportações e um terço dos empregos”, afirmou.

Revista COCAPEC - Maio / Junho 2011

21


AGO

AGO APROVA CONTAS E NOVOS INVESTIMENTOS Assembleia elege novo Conselho Fiscal com mandato de um ano. 22

Revista COCAPEC - Maio / Junho 2011

Bruna Malta Setor de Comunicação


AGO

A Assembleia Geral Ordinária (AGO) da Cocapec aconteceu no dia 30 de março. É na AGO que os cooperados exercem seus direitos e deveres perante a sociedade. São apresentadas as contas do exercício, destinação das sobras, fixação de valores de pró-labore e cédulas de presença dos conselheiros, avaliação de possíveis investimentos e eleição de novos conselheiros. Neste ano a AGO registrou a presença de 227 cooperados vindos das cidades de Capetinga, Claraval, Ibiraci em Minas Gerais, e Pedregulho, Jeriquara, Cristais Paulista, Ribeirão Corrente, São José da Bela Vista, Restinga, Franca, Patrocínio Paulista, Itirapuã e Serra Negra, em São Paulo. A Diretoria da Cocapec participou ativamente das reuniões Pré-assembleia realizadas durante o mês de março nos comitês educativos mineiros e paulistas (veja matéria na página 30), apresentando

e debatendo os resultados do exercício de 2010 e propondo os novos investimentos para 2011. Durante a AGO, João Alves de Toledo Filho, presidente da Cocapec, destacou o compromisso da diretoria em buscar melhorias e condições para redução de custos de seus cooperados com investimentos contínuos em serviços e ferramentas que facilitam a produção agrícola e armazenagem de café aos cooperados, além de investimentos na promoção das marcas comerciais de café torrados e moído. A primeira deliberação do dia, de acordo com o edital de convocação da AGO, foi a prestação de contas do Conselho de Administração, apresentação do balanço do exercício de 2010, acompanhada pelos pareceres favoráveis da Auditoria Independente e do Conselho Fiscal, sendo aprovado com unanimidade pela Assembleia. As sobras do exercício de 2010 que alcan-

Neste ano a AGO registrou presença de 227 cooperados

Cooperados participam ativamente da AGO; João Toledo, presidente da Cocapec, em momento de explanação.

Revista COCAPEC - Maio / Junho 2011

23


AGO

Novo Conselho Fiscal eleito até março de 2012

Votação secreta para conselheiros fiscais

Cooperados atentos durante apresentação do balanço

çaram o total de R$ 5.910.465 milhões foram colocadas à disposição dos cooperados, para que decidissem a destinação dos valores. Após a discussão de pontos importantes e referentes à destinação das sobras, o plenário aprovou pela maioria de votos a proposta do Conselho Administrativo, em que o montante será distribuído entre novos investimentos como aquisição de terreno e construção da nova filial de Claraval e promoção das marcas de café torrado, manutenção de programas já existentes, como taxa administrativa e sacaria, créditos nas lojas para os cooperados e aumento do capital social, estes dois últimos, proporcionais a movimentação de cada cooperado no exercício de 2010. EM 2010 Repasse aos cooperados de mais de 444 mil sacas no mercado futuro e CPR O Departamento de Comercialização de Café apresentou as realizações de 2010 com destaque para o repasse aos cooperados de mais de 444 mil sacas no mercado futuro e Cédula de Produtor Rural, com preço médio de R$ 292,52. A área 24

Revista COCAPEC - Maio / Junho 2011

Comercial destacou os investimentos na qualificação técnica, a segunda edição do Simcafé, ampliação do laboratório de análises de solo e folha e as coletas itinerantes de embalagens de agrotóxicos. ELEIÇÃO Para o próximo ano, os cooperados presentes elegeram os novos membros do Conselho Fiscal: CONSELHEIROS FISCAIS EFETIVOS Zita Cintra Toledo Renato Antônio Cintra Ricardo Nunes Moscardini SUPLENTES Marcos Antônio Tavares Tarciso Botto Reinaldo Gomes da Cunha


ESPECIAL

CAMPANHA DIVULGA TULHA VELHA NA REGIÃO Investimento busca divulgação das novas embalagens e fixação da marca entre os consumidores Anselmo Magno de Paula Setor de Comercialização

A Cocapec investe desde o início da década de 90 em marcas próprias de café torrado e moído. Atualmente são três marcas: Tulha Velha, Cocapec e Senhor Café Superior e Gourmet. Cada uma com suas características específicas atendem públicos variados e paladares exigentes. Em Franca e região o café Tulha Velha se destaca pelo sabor forte e marcante. Agrada quem não abre mão de um bom cafezinho fresco feito em casa.

Velha segue o padrão de exigência do consumidor brasileiro, com qualidade inigualável. Vale ressaltar que o sabor encorpado e o bom rendimento são características marcantes do café tulha velha. A campanha é um sucesso e o tema da campanha “Pó Pô Pó” já está fixado na mente dos consumidores.

Em Franca e região o café Tulha Velha se destaca pelo sabor forte e marcante

Para atender este público, em março, a Cocapec lançou a nova campanha publicitária do café Tulha Velha. A ação tem como objetivo divulgar as novas embalagens, reforçar a qualidade e tradição da marca e fixá-la na memória do consumidor. O café Tulha velha é selecionado e industrializado pela Cocapec e produzido por pequenos e médios cafeicultores da região da Alta Mogiana. Tradicional desde 1990, o café Tulha Revista COCAPEC - Maio / Junho 2011

25


CAFÉ E ALGO MAIS

CAFÉ VAI BEM

Com o crescimento do consumo de café suas variações ganham novas formas, mas sempre com o sabor inigualável da bebida.

O aroma do café passado na hora é convidativo para se degustar uma boa xícara da bebida, de manhã, então, oferece ânimo para um dia inteiro. Para os amantes do café esse ritual não pode faltar e para felicidade desses consumidores, o cafezinho está ganhando espaço em bares, cafeterias e restaurantes. Portanto, além de ser uma das bebidas mais consumidas no mundo, está se tornando ingrediente especial em muitos pratos tanto doces quanto salgados. Basta observar com um pouco mais de atenção que você vai encontrar o café em sorvetes, brigadeiros, carnes, massas. Com criatividade os “chefs” de cozinha inserem o sabor

Com criatividade os “chefs” de cozinha inserem o sabor do café e tornam comidas simples em algo encantador.

PUDIM CREMOSO DE CAFÉ COM CALDA DE CARAMELO Ingredientes Pudim 1 lata de leite condensado A mesma medida de café coado bem forte 3 ovos Grãos de café para decorar Caramelo 2 xícaras de açúcar 1 xícara de água Modo de Preparo: Bata todos os ingredientes do pudim no liquidificador por dois minutos. Caramelize uma forma metálica para pudim (com buraco no meio) com o açúcar e a água. Despeje a mistura do pudim na forma 26

do café e torna comidas simples em algo encantador. De acordo com profissionais da área, o café é um elemento que combina bem com chocolate, frutas cítricas, peixes, aves, filé bovino e bebidas como vinhos e conhaques. Para uso culinário, ele deve ser fresco e cada receita exige um tipo de preparação que pode ser o café de coador ou espresso. Não pense que as variações culinárias do café estão restritas apenas aos “chefs” de cozinha, muito se pode fazer em casa e apreciar com toda a família. Pensando nisso, a equipe da Revista Cocapec buscou algumas sugestões de receitas que podem ser rápidas, práticas e conhecidas por todos.

Revista COCAPEC - Maio / Junho 2011

caramelizada e leve para assar em banho-maria por 45 minutos em forno a 180ºC. Deixe esfriar, desenforme, decore com grãos de café e sirva. Acompanha muito bem um expresso curto. Autoria: Chef Carlos Ribeiro Fonte: IG/Cozinha


CAFÉ E ALGO MAIS

EM COM TUDO Bruna Malta Setor de Comunicação

BRIGADEIRO DE CAFÉ Ingredientes 1 lata(s) de leite condensado 50 ml de café forte 1 colher(es) (sopa) de chocolate em pó 1 colher(es) (sopa) de margarina Quanto baste de açúcar cristal para cobrir Modo de Preparo: Misture o leite condensado com o café, o chocolate em pó e a margarina. Cozinhe em fogo médio até soltar do fundo da panela e das laterais da panela. Despejar em um prato untado. Enrole depois de frio e passe no açúcar cristal ou no coco ralado.

MOUSSE DE CAFÉ Ingredientes: 3 xícaras (chá) de açúcar 6 ovos (clara e gemas separadas) 2 xícaras (chá) de leite quente 1/2 xícara de (chá) de café forte coado 3 envelopes de gelatina em pó sem sabor 1 caixa de creme de leite chantilly para decorar (comprado pronto)

solvida conforme instruções da embalagem, o creme de leite e as claras batidas em neve. Misture delicadamente e coloque em uma fôrma de buraco no meio de 20cm de diâmetro umedecida. Leve à geladeira por 4 horas. Desenforme, decore com chantilly e sirva.

Modo de Preparo: Na batedeira, bata o açúcar com as gemas até dobrar de volume. Adicione o leite quente misturado com o café e mexa bem com uma colher. Transfira para uma panela e leve ao fogo baixo, mexendo até engrossar, mas sem deixar ferver para não talhar. Retire do fogo e coloque em uma tigela. Adicione a gelatina disRevista COCAPEC - Maio / Junho 2011

27


CAFÉ E SAÚDE

CAFÉ E ASPIRINA AJUDAM CONTRA RESSACA, DIZ Paula Rothman INFO Online

28

A ciência parece ter comprovado a sabedoria popular: quando a ressaca bate forte, nada como um bom café e uma aspirina para combater a dor de cabeça. Segundo um estudo recém-publicado por pesquisadores americanos, a cafeína e os ingredientes anti-inflamatórios dos analgésicos reagem com os compostos do etanol e ajudam a eliminar os efeitos daquela que, cientificamente, recebe o nome de veisalgia cephalgia, a ressaca. A dor de cabeça causada pela ressaca é fruto do acetato produzido pelo álcool. De acordo com o trabalho do Professor Michael Oshinske, da Universidade Thomas Jefferson, na Filadélfia, esse mecanismo de como o etanol causa as dores ainda é bastante desconhecido. O intuito da pesquisa liderada por ele era justamente compreender como funcionavam essas

Revista COCAPEC - Maio / Junho 2011

reações e, para isso, foram usados ratos. Durante o experimento, a equipe induziu essas dores de cabeça nos animais usando pequenas doses de etanol.

quando a ressaca bate forte, nada como um bom café e uma aspirina para combater a dor de cabeça.

De quatro a seis horas após o “porre” nos roedores, os cientistas tentaram tratar a dor de cabeça com algumas técnicas. Esse período de tempo foi escolhido, pois sabe-se que a dor de cabeça da ressaca ocorre de quatro a 24 horas após o término da ingestão alcoólica. Após a administração de doses de cafeína e anti-inflamatório, notou-se uma significativa melhora, além de nenhum efeito colateral – como a desidratação.


COOPERATIVISMO

PARTICIPAÇÃO ECONÔMICA DOS MEMBROS O terceiro princípio determina a responsabilidade financeira do sócio

Bruna Malta Setor de Comunicação

Vivemos numa sociedade capitalista e as operações fi- proporcionalmente ao seu patrimônio, beneficiando todo o grupo nanceiras são a base de qualquer negócio. Em uma cooperati- com a prestação de serviços e produtos. va a parte financeira também é muito importante e não pode ser A quantia integralizada também varia de acordo com a deixada de lado. Para que uma cooperativa cumpra seu papel de cooperativa. Na Cocapec, o produtor ao se associar integraliza prestar serviços aos seus cooperados, ela precicom 70% do salário mínimo para cada hectasa estar saudável financeiramente. re de café. Para propriedade sem café Esta saúde vem de uma boa é 10% do salário mínimo para cada Para que uma cooperativa administração e da contribuição hectare de terra. Este valor compõe cumpra seu papel de prestar dos sócios. Cada cooperativa tem o capital social de cada cooperado serviços aos seus cooperados dentro da Cocapec. Os resultados sua forma particular de solicitar a participação financeira de seus cofinanceiros apresentados a cada ela precisa estar saudável operados. Algumas são pagamentos ano também podem servir para aufinanceiramente. mensais, outras anuais ou, simplesmente, mentar este capital social, sempre prona adesão, como o caso da Cocapec em que os porcional ao movimento (aquisição de produtos, cooperados integralizam o capital quando se tornam cooperados. depósito e comercialização de café) com a cooperativa, se asO importante neste tipo de sociedade é que cada membro pague sim aprovado em assembleia.

3º - Participação econômica dos membros Os membros contribuem equitativamente para o capital das suas cooperativas e controlam-no democraticamente. Parte desse capital é, normalmente, propriedade comum da cooperativa. Os membros recebem, habitualmente, se houver, uma remuneração limitada ao capital in-

tegralizado, como condição de sua pelo menos será, indivisível; adesão. Os membros destinam os benefícios aos membros na proexcedentes a uma ou mais das se- porção das suas transações com a guintes finalidades: cooperativa; e apoio a outras atividades aprovadesenvolvimento das suas coope- das pelos membros. rativas, eventualmente através da criação de reservas, parte das quais, (Fonte: www.ocb.gov.br) Revista COCAPEC - Maio / Junho 2011

29


SOCIAL

Comitê de Pedregulho

COMITÊ DE PRÉASSEMBLEIA TEM PARTICIPAÇÃO DE 220 PESSOAS Reuniões permitem aos cooperados discutirem as propostas para a assembleia Júlia Sandoval Oliveira Setor de Comunicação

Comitê de Capetinga

A primeira rodada de comitês de 2011 foi realizada na primeira quinzena de março com a participação de 220 pessoas. Foram realizadas reuniões de comitês nas cidades de Claraval, Franca, Ibiraci, Pedregulho e Capetinga. O comitê de Itirapuã e Patrocínio Paulista participou juntamente com o comitê de Franca e o de Jeriquara com o de Pedregulho.

Mais uma vez, o comitê se posiciona como uma importante ferramenta para as cooperativas

Comitê de Franca

Comitê de Claraval

Os assuntos discutidos serviram de preparação para a Assembleia Geral Ordinária da Cocapec e Credicocapec. Foram apresentados os balanços de cada cooperativa e todas as realizações que a Cocapec teve durante o ano de 2010. A diretoria da Cocapec apresentou a proposta do Conselho de Administração para o ano de 2011 e dessa maneira possibilitou que os cooperados tivessem uma melhor discussão e pudessem expor suas opiniões de acordo com a região em que atuam. Mais uma vez, o comitê se posiciona como uma importante ferramenta para as cooperativas Cocapec e Credicocapec usarem da transparência e exporem os assuntos tratados na assembeia, levando em consideração a opinião dos cooperados e contribuindo para que as cooperativas tenham um melhor desempenho ao longo de 2011.

O QUE É?

Os comitês educativos são meios usados pelas cooperativas para manter um elo de comunicação entre a instituição e seus associados. O objetivo do comitê é a aproximação do cooperado com a cooperativa, para que juntos partilhem conhecimentos sobre assuntos relacionados aos negócios ou outros acontecimentos de interesse da comunidade.

30

Revista COCAPEC - Maio / Junho 2011

Comitê de Ibiraci


SOCIAL

COOPERJOVEM INICIA NOVA TURMA EM ABRIL

Escolas Sueli Contini e Fausto Alexandre fazem parte do programa em 2011 Bruna Malta Setor de Comunicação

O Sescoop/SP, Secretaria Municipal de Educação de Franca (SME) e as cooperativas parceiras – Cocapec, Coonai, Credicocapec e Unimed Franca realizam a partir de 14 de abril uma nova formação de professores do Programa Cooperjovem. Este ano participarão as escolas Emeb Fausto Alexandre Teodoro, Emeb Sueli Contini Marques e a EMEI João Luis Garcia. Serão 26 alunos, todos professores da rede municipal de ensino, que participarão do curso “Educar na Cooperação, para cooperação e o Cooperativismo”, ministrado por um profissional contratado pelo Sescoop/SP especialmente para atender a turma de Franca. Os educadores estiveram numa palestra de sensibilização, na qual puderam entender a proposta do programa através de uma apresentação feita pela equipe do Sescoop/SP e das cooperativas. Aqueles que aderiram ao Cooperjovem realizarão

o curso mensal de 60 horas, que acontecerá entre os meses de abril e novembro no prédio da SME e também participarão das oficinas, encontro e eventos do Programa. CONHEÇA O PROGRAMA O Cooperjovem tem como objetivo incentivar a prática da cooperação e a disseminação do cooperativismo nas escolas e comunidade, buscando a integração entre as cooperativas e as comunidades locais. O Programa acontece em Franca desde 2008 e é realizado em parceria com as cooperativas e com a Secretaria de Educação de Franca. As cooperativas participam desta iniciativa e cumprem dois dos princípios básicos que regem uma sociedade cooperativista, que são “o interesse pela comunidade” e o “educação, formação e informação”.

Revista COCAPEC - Maio / Junho 2011

31


SOCIAL

DOAÇÃO DE ÁGUA AJUDA VÍTIMAS DO RIO Cooperados e colaboradores contribuíram para encaminhar água aos desabrigados pela enchente no Rio de Janeiro

Ao todo foram 122 pessoas que contribuíram para compra de 417 fardos de garrafas de água.

A solidariedade de colaboradores e cooperados permitiu que 3.696 litros de água chegassem até as vitimas das enchentes do Rio de Janeiro em janeiro deste ano. Uma iniciativa simples traz grandes resultados e transforma problemas em soluções. Foi pensando assim que um grupo de colaboradores da Cocapec, coordenados pelo idealizador da campanha Zaqueu Paulo dos Santos, se mobilizou para arrecadar dinheiro para aquisição de água que fosse encaminhada para

32

Revista COCAPEC - Maio / Junho 2011

Bruna Malta Setor de Comunicação

o Rio de Janeiro. Ao todo foram 122 pessoas que contribuíram para compra de 417 fardos de garrafas de água. A parceria com o cooperado Antenor Faleiros, produtor de água mineral engarrafada na região de Capetinga, permitiu que o produto fosse comprado com facilidade, multiplicando os R$ 1664 arrecadados durante o período de campanha. Tanto a Matriz como as filiais da Cocapec participaram e colaboraram para o sucesso da arrecadação.


Revista COCAPEC - Maio / Junho 2011

33


ESPECIAL

HORA DO CAFÉ No Brasil são comemorados dois dias do café, um nacional (24/5) e outro internacional (14/4). Bruna Malta Setor de Comunicação

no Brasil comemoramos o Dia Nacional do Café em 24 de maio, e o Dia internacional em 14 de abril.

34

Revista COCAPEC - Maio / Junho 2011

O Brasil caminha para ser, além do maior produtor, o maior consumidor de café. Para a Associação Brasileira das Indústrias de Café (Abic), a expectativa é que em 2012, o Brasil terá deixado os Estados Unidos para traz e assumirá a ponta do ranking de consumo. Tal fato tem sido atribuído ao gosto que o brasileiro tem adquirido por um café de qualidade. Tanta devoção a esta bebida não poderia ficar sem um dia especial. Por isso no Brasil comemoramos o Dia Nacional do Café em 24 de maio e o Dia internacional em 14 de abril. Datas importantes e pouco divulgadas na mídia. Durante muito tempo o tradicional cafezinho não passou de uma bebida caseira. Mas nos últimos 10 anos, a bebida passou por uma revitalização. A princípio sem muitas variações, o café, hoje, pode ser encontrado nas versões forte, suave, orgânico, torrado, moído, solúvel e etc. Além disso, vivemos um “boom” de cafeterias, renovando o hábito brasileiro de tomar café. Os produtores também estão atentos às mudanças e se adequando para ganhar este mercado consumidor cada vez mais exigente, tanto no Brasil quanto no exterior.

Por isso, o dia-a-dia de muitas propriedades está voltado para os cuidados com a colheita, com objetivos claros de produzir cafés especiais (consulte página 12). HISTÓRIA DO CAFÉ A primeira muda de café chegou ao Brasil em 1727, desde então viajou muitos estados e rapidamente se espalhou pelas terras do Paraná, Minas Gerais, Goiás e Rio de Janeiro. Mas foi nas terras férteis de São Paulo (conhecido como ‘terra roxa’) que o café mostrou todo o seu potencial econômico. Já em meados do século XIX, o estado estava entre os primeiros produtores do país. Os “Barões do café”, donos das grandes fazendas de café, além de deterem poderes econômicos, ocupavam cargos importantes na política brasileira. Atualmente, Minas Gerais é o maior produtor de café do país. Responde por mais de 50% da produção. Em 2011, segunda a previsão da Conab, o estado mineiro produzirá quase 24 milhões de sacas. Já São Paulo, ocupa o terceiro lugar, atrás do Espírito Santo, com uma estimativa para a próxima safra de 4,3 milhões de sacas.


ESPECIAL

VAI UM CAFEZINHO? Aqui preparamos algumas dicas que podem fazer do café que já era bom ainda melhor. Para preparar o tradicional café, simples cuidados podem potencializar o sabor as bebida que encanta o Brasil inteiro. Escolha um pó moagem média ou fina. Recomenda-se 80g a 100g de pó para um litro de bebida (5 a 6 colheres de sopa). A medida correta deve ser experimentada até encontrar aquela que melhor atenda ao seu paladar. Coloque o pó de café no filtro e espalhe de maneira uniforme. É importante não compactar apertando a camada de pó de café. A água utilizada deverá ser filtrada ou mineral, para não ter gosto de cloro. Esquente a água até um pouco antes da fervura a 90ºC. Despeje a água sobre o café começando da beirada para o centro do coador,quando todo o café estiver umedecido, despeje a água vagarosamente no centro do filtro, sem misturar com a colher. Utilize as mesmas medidas e tipo de café para Cafeteiras Elétricas. Nos modelos superiores a 12 xícaras, o maior tempo para o preparo levará a um sabor mais amargo. O ideal é fazer uma quantidade menor de xícaras a cada vez.

Revista COCAPEC - Maio / Junho 2011

35


ESPECIAL

COCAPEC RECEBE CERTIFICADO DO INMETRO Aferição das balanças rodoviárias traz segurança e confiabilidade para a cooperativa, cooperados, clientes e fornecedores.

Anselmo Magno de Paula Setor de Comercialização

Preocupados com a qualidade dos serviços oferecidos ainda passarão pelo mesmo processo ainda este ano, de acore com a transparência nas relações comerciais, a Cocapec dis- do com a agenda do órgão mineiro responsável. põe de balanças rodoviárias em todas as suas Este procedimento garante à cooperativa e unidades, onde estes equipamenaos cooperados que as balanças estos passam por manutenção tão de acordo com a legislação Este procedimento garante à freqüente, visando seu funmetrológica pertinente e atencooperativa e aos cooperados que cionamento exato e preciso. de os requisitos técnicos para as balanças estão de acordo com a Além deste cuidado, o Instituto a função a que se destina, legislação metrológica Nacional de Metrologia, Normamantendo as condições normais lização e Qualidade Industrial (Inmede funcionamento e utilização. Diante tro), realiza avaliações freqüentes das balanças da da aprovação é emitido um Certificado de Verificacooperativa. Já foram aferidos em 2011 os equipamentos da ção, assinado pelo Técnico do IPEM, para ser fixado em local Matriz, Armazéns Gerais e Pedregulho. As unidades mineiras visível ao público.

36

Revista COCAPEC - Maio / Junho 2011


CONHEÇA SUA COOPERATIVA

Bruna Malta

Equipe Classificação de Café

Setor de Comunicação

CLASSIFICAÇÃO DE CAFÉ recebidas pelas unidades e encaminhadas para matriz onde são classificadas e degustadas. Ao todo são 12 profissionais dedicados aos serviços de comercialização, classificação e degustação das amostras recebidas em todos os armazéns da cooperativa.

Matriz - Franca

Coordenador de Classificação de Café Airton Rodrigues Costa / (16) 3711-6224 cafemogiana@cocapec.com.br

DE CAFÉ

CONTATOS DA EQUIPE DE COMERCIALIZAÇÃO

O Departamento de Comercialização e Classificação de Café da Cocapec atua diretamente na Matriz e nas filiais de Pedregulho e Ibiraci. Nas filiais de Claraval e Capetinga os cooperados também contam com estes serviços com apoio do departamento em Franca. As amostras são

Supervisor

Carlos Aurélio de Freitas Júnior / (16) 3711-6232 setor.cafe@cocapec.com.br Pedro Rodrigues Alves Silveira / (16) 3711-6276 apoio.gerencial@cocapec.com.br

Assistente/Auxiliar

Eliane Soares de Souza Oliveira / (16) 3711-6272 negocios.cafe@cocapec.com.br Helder Barros Mendes / (16) 3711-6281 apoio.cafe@cocapec.com.br Fabrício Silva Villani Glayker Bucci Silva Leonardo Gabriel da Silva (16) 3711-6231/ 3711-6282 classificacao@cocapec.com.br Eduardo Henrique Oliveira Vioto Revista COCAPEC - Maio / Junho 2011

37


BOLETIM Veja nos quadros abaixo os índices pluviométricos coletados na matriz em Franca/SP e na filial de Capetinga/MG. Os dados apresentam um comparativo dos últimos cinco anos.

Índice pluviométrico* de Franca nos úl mos 5 anos Ano 2007 2008 2009 2010 2011 Média

jan 545 325 382 461 328 408,2

fev 175 230 228 158

mar 113 128 282 274

145 365 187,0 232,2

abr 117 108 53 16

mai 45 38 58 17

jun 4 32 32 12

jul 72 0 21 1

ago 0 26 30 0

set 3 39 137 110

146 88,0

39,5

20,0

23,6

14,1

72,1

out 75 87 262 102

nov 190 168 77 339

dez 273 410 382 221

131,5 193,5 321,6

*Dados em milímetros ob dos na Cocapec Matriz - Franca, SP

Índice pluviométrico*

nos úl mos 5 anos

Ano

jan

fev

mar

abr

mai

jun

jul

ago

set

out

nov

dez

2007 2008 2009

745 573

238 236

135 116

66 78

61 40

0 5

0 0

0 26

69 37

58 113

217 222

280 428

354

249

286

165

54

21

17

24

128

156

193

389

2010

327

95

206 538 399 120 479,6 187,6 256,2

51

12

6

0

0

87

116

302

235

136 99,2

41,8

8,0

4,3

12,5

80,3

2011 Média

*Dados em milímetros ob dos na Filial da Cocapec

38

Revista COCAPEC - Maio / Junho 2011

110,8 233,5 333,0


BOLETIM

Acompanhe nas tabelas que seguem a média mensal do preço de café arábica, milho, boi e soja segundo índice Esalq/BM&F.

Média mensal do preço de Café Arábica* lndice Esalq/BM&F** 2010

US$

US$

Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro

280,75 278,68 279,70 282,18 289,46 305,99 302,36 313,93 328,23 327,15 355,51 387,04

157,51 151,36 156,48 160,51 159,35 169,18 170,77 178,37 190,88 194,01 207,33 228,21

433,37 495,98 524,27 524,48

258,54 297,29 315,94 330,82

Média Anual

310,92

177,00

494,53

300,65

**Saca de 60 kg líquido, bica corrida, tipo 6, bebida dura para melhor

Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Média Anual *Fonte: Índice Esalq/BM&F

R$

Média Anual *Fonte: Índice Esalq/BM&F

88,51

US$

39,80 37,70 34,14 34,49 35,59 36,16 38,58 41,32 42,59 44,88 48,96 48,52

22,36 20,50 19,10 19,62 19,59 19,99 21,79 23,47 24,77 26,61 28,55 28,61

49,63 49,28 49,54 47,19

40,23

22,91

48,91

29,69

Média mensal do preço* de Milho

2011 US$

R$

US$

42,47 41,84 44,22 46,83 44,49 45,41 47,51

103,07 104,30 105,46 104,23

61,49 62,52 63,55 65,74

104,27

63,33

50,54 54,37

59,66 65,91 61,85 50,43

R$

2010

2010

75,70 77,03 79,03 82,33 80,81 82,16 84,12 88,95 93,49 100,62 113,01 104,90

US$

29,61 29,54 29,86 29,76

Média mensal do preço* de Boi Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro

2011

2010 R$

2011 R$

R$

Média mensal do preço* de Soja

Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Média Anual *Fonte: Índice Esalq/BM&F

2011

R$

US$

R$

US$

19,66 18,35 18,46 18,16 18,67 19,43 18,81 20,57 24,35 25,15 28,29 28,26

11,04 9,96 10,33 10,33 10,28 10,73 10,62 11,69 14,16 14,92 16,49 16,72

30,35 31,68 31,44 29,94

18,11 18,99 18,94 18,88

21,51

12,27

30,85

18,73

Revista COCAPEC - Maio / Junho 2011

39


CREDICOCAPEC REALIZA P Proposta apresentada pelo Conselho de Administração é aprovada pelos cooperados O Demonstrativo Financeiro e o Resultado do Exercício 2010 foram apresentados e amplamente discutidos pela Diretoria, Conselho de Administração e cooperados, em reuniões de Pré-Assembleia, dos municípios atendidos pela Credicocapec. As reuniões realizadas nas cidades de Claraval/MG, Capetinga/MG, Ibiraci/MG, Pedregulho/SP e Franca/SP entre os dias 10 e 17 de março, reuniram 220 cooperados, que diante das apresentações da Diretoria, tiveram a oportunidade de fazer perguntas e esclarecer dúvidas sobre os resultados em evidência e, também, sobre outros assuntos de interesse da sociedade. Os cooperados foram, ainda, convidados e incentivados a participar da Assembleia Geral Ordinária (AGO), tendo a oportunidade de colocar em prática o direito de votar e decidir sobre o destino da cooperativa. Assim, conforme Edital de Convocação, no dia 18 de março, realizou-se a AGO da Credicocapec na presença de 122 associados, que cientes da importância de sua participação, deliberaram sobre diversos assuntos. Os cooperados presentes

Cooperados em votação durante a AGO 40

Revista COCAPEC - Maio / Junho 2011

aprovaram a proposta apresentada pelo Conselho de Administração, sobre a destinação das Sobras Líquidas disponíveis no valor de R$ 1.526.912,99 (Um milhão quinhentos e vinte e seis mil novecentos e doze reais e noventa e nove centavos) para o Fundo de Reserva Legal, que junto ao Capital Social, compõe o Patrimônio Líquido apresentado no valor R$ 22.738.934,00 (Vinte e dois milhões setecentos e trinta e oito mil novecentos e trinta e quatro reais). Com a eleição do Conselho Fiscal, a Credicocapec encerrou os trabalhos do dia, apresentando os novos Conselheiros Efetivos e Suplentes, respectivamente: Cyro Antonio Ramos, João José Cintra, Marcos Antônio Cintra e, Ricardo Nunes Moscardini, Jácomo Melani e Reinaldo Gomes da Cunha, que assumirão seus postos após homologação do Banco Central. A Credicocapec agradece a todos os presentes em suas reuniões Pré-Assembleias e na Assembleia Geral Ordinária, pois o comparecimento de nossos cooperados nestas sugere reciprocidade, fortalecendo ainda mais o vínculo entre cooperativa e cooperado.


A PRÉ-ASSEMBLEIAS E AGO

Revista COCAPEC - Maio / Junho 2011

41


CLASSIFICADOS

PROCURA-SE

VENDE-SE

VENDE-SE

VENDE-SE

VENDE-SE

VENDE-SE

VENDE-SE

VENDE-SE

VENDE-SE

PROCURA-SE

PROCURA-SE

VENDE-SE

PROCURA-SE

PROCURA-SE

PROCURA-SE

VENDE-SE

VENDE-SE

PROCURA-SE

PROCURA-SE

PROCURA-SE

VENDE-SE

VENDE-SE

VENDE-SE

PROCURA-SE

PROCURA-SE

PROCURA-SE

PROCURA-SE

VENDE-SE

PROCURA-SE

PRESTAÇÃO DE SERVIÇO

Sítio para arrendar. Tratar: Dircélia. Fone: (16) 8133-1966

Ordenhadeira Westfalia usada, R$ 5.000,00. Tratar: Clayson. Fone: (16) 3701-3514 (16) 8107-6285

Retireiro ou serviços gerais. Fones: (35) 9991-1810 (16) 9991-0149

Ordenhadeira completa com duas saídas ou troca- se por implementos para café ou irrigação. Tratar: José Henrique. Fone: (16) 9173-4535 (16) 3749-1601

6 novilhas leiteiras cruzamento de Gir e Hol (3/4; ½ ; 5/8). Uma parida e 5 prenhes, R$2.000,00 cada. Tratar: Clayson. Fone: (16) 3701 3514 (16) 8107-6285

Casal sem filhos com pouca experiência para trabalhar com cana e café. Tratar: Lécio Nascimento Junior. Fone: (16) 8122-5327 (16) 8110-1325 42

Touros, matrizes Gir leiteiro. Tratar: Duarte. Fone: (16) 9998-7842

Tourinho nelore, com 2 anos e 3 meses. Ótima linhagem. Tratar: Samuel. Fone: (16) 9239-6552

Picadeira e trituradeira para seco e verde, Nogueira tipo 2. Tratar: Geraldo/Paulo Fone: (16) 9967-0330 (16) 9969-0227

Máquina de bater feijão, acoplada de trator e derriçadeira para café lateral. Tratar: Geraldo/Paulo Fone: (16) 9967-0330 (16) 9969-0227

Trator cafeeiro, MF-235, ano 1989, pneus novos, capota, diferencial reforçado, pintura original e motor com 300 horas de uso. Tratar: Francisco. Fone: (16) 9999-2913

Serviço em fazenda, tenho experiência em administração, gado, café e milho. Tratar: José. Fone: (16) 3701-4198 (16) 9156-2051

Revista COCAPEC - Maio / Junho 2011

Leitões. Tratar: Vitor. Fone: (16) 9969-0804

Motor de picadeira com 10 cavalos e bomba d’ água Tratar: Laércio Fone: (16) 3727-2137

Tratorista com experiência em café, oferecemos moradia e cesta básica. Tratar: Bruno. Fone: (16) 8168-0345

Funcionário para trabalhar em lavoura de café e serviços gerais, com experiência em trator. Tratar: Mosair. Fone: (16) 3723-7101 (16) 9999-1810

Conjunto de processador de ração de suínos, aves e bovinos. Com capacidade para 3,5 kg/ dia. Tratar: Geraldo/Paulo Fone: (16) 9967-0330 (16) 9969-0227

Colhedeira de milho Jumil, tipo rabo de foguete com depósito acoplado. Tratar: Geraldo/Paulo Fone: (16) 9967-0330 (16) 9969-0227

Silo 150 toneladas, R$ 70,00 a tonelada. Tratar: Edmilson. Fone: (16) 9120-0037

Esterco e cama de frango com casca de amendoim. Tratar com: Walter de Souza. Fone: (16) 3722-1276/ 99678685/ 9307-6491.

Serviço de caseiro em rancho na região de Cássia. Tratar: Marcos. Fone: (35) 9151-8072

Emprego de serviços gerais em fazenda. Possuo experiência com gado, cavalo e porco. Tratar: Fernando. Fone: (16) 3703-4084 (16) 9222-2729

Funcionário para trabalhar em fazenda, que tenha experiência com café, trator e serviços gerais e possua referências. Tratar: Zaina Barros. Fone: (16) 3761-0905

Serviço de tratorista, retineiro etc. Experiência em amansar cavalos e bois e também inseminação. Tratar: Antônio Raimundo. Fone: (16) 9102-6135

Gado leiteiro. Tratar: Laís Bianco. Fone: (16) 8144-3848 (16) 9307-4400

Funcionário para serviços gerais. Tratar: Wilson. Fone: (16) 3727-9011 (16) 9969-2240

Serviço de caseiro em sítio. Tenho experiência com gado e trator. Tratar: Calito. Fone: (16) 9108-4629

Serviço de retireiro, tratorista e tenho experiência com gado de corte. Tratar: Celso. Fone: (16) 9229-4154

Serviço de administrador de fazenda. Possuo experiência e referência. Tratar: Ronaldo. Fone: (16) 9107-5768

Diagnóstico de gestação, inseminação artificial, assessoria na propriedade, reprodução animal e controle zootécnico. Tratar: Danilo. Fone: (16) 9177-2673


Revista COCAPEC - Maio / Junho 2011

43


44

Revista COCAPEC - Maio / Junho 2011

Revista Cocapec 73  

Revista Cocapec 73

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you