Page 1

Amarás aoteu proximo como ati mesmo

E

xaqui, devoto leitor, as expressoens do Divino Mestre para

satisfazer a pregunta dos Saduceos que pertendião saber qual era o Mandamento grande na Ley. Exaqui, o Preceito segundo o Decalogo semelhante ao primeiro, que nos manda amar a Deos com todo o coração, com toda a Alma, e com todo o entendimento; som estes os dous únicos pontos de que pende toda a Ley e os Profetas. Este amor tam recomendado nas Escrituras Santas, esta Caridade em beneficio dos nossos Irmaons, é a que forma um vinculo de todas as virtudes, que compõem a perfeição de nossa Alma, como dis São Paulo aos Colosensses; pois que todas aquelas a servem como sua Raynha e para ella, e por ella se infundem no nosso Espirito, sendo para este aquilo mesmo quem é o Sol para os sentidos do Corpo; dis um grande Padre da Igreja. Ceste amor só mais bem sedeviza quando parte comos emonosso próximo constetuido no mayor desamparo humano; que Ley não vemos já sobre nossos hombros e nós convencidos portantos pontos quantos os motivos q há para os socorrermos não imputsos de hum simples Concelho sim poe forma e valentia de hum preceito natural, e Divino e mandado pella Ley escrita, e pela da Graça, pois q a estes nossos Irmãos não podemos ter amor verdadeiro, se podendo os socorrer, e amparar nas suas graves afliçoens, enecessiodades e não exercemos com eles.


Eque mayor, que mais grave q mais ponivel indigência do que aquela q padecemos nossos próximos, os nossos Irmaons, constetuidos em hum impedimento pa se poderem alimentar, adeligencias próprias. Sim, quando porinteira dos pobres, nada tem, nem ainda podem mendigar para o seu ordinro Sustento. Amesma Ley natural está chamando em seu favor quando dislhe famosos o mesmo que nos postos emsimilhantes circunstancias quiséramos, e julgamos era devido, q comnos outros se fizere. E se então quizera-mos q todos exercitassem o nosso Resp.to emamparo danossa vida avirtude maxima; convencidos estamos adar aceites pobrinhos osmeyos de se poderem alimentar. Eque ideia mais humana e mais sigura q a da construção de hum Hospital para recolher esta porção donosso mesmo sangue p.a ali ser tratado comamor eonde sem sofeciais, cheyos de Zello Santo desvelados exercitem com eles todas as virtudes ministrando-lhe aquelas esmolas que em seu nome suplicão epara ressobem da Caridade dos Fieis Catholicos. Epois que a Divina Providencia quis Lanssar já osprimeiros Fundamentos a esta grande Caza, grande pelo fim aqese dedica, resta q’ o homem trabalhe na sua fabrica ecomempenlo seexercite e madquirir os meyos paoprompto socorro eamparo dos Filhos de Jesus Cristo q’ porintrevados pobres seachão nos devidos termos de conheserem as formas donosso amor sobre existência dasua vida sobre aterra. Epara que não trema, ou searuine emalgum tempo este edifício tão pio eagradavel a Deos, esenão confundãoas Lingoas no meyo deexercicios tão Santos hé indespençavel aunião fraternal e ser esta administrada por sete Sugeitos, como poroutras tantas Colunas fortíssimas, capazes despoderem sustentar no Combate dasmayores tempestades. Entre eles deve existir hum Padrão, emque estejam gravadas todas suas qualidades etodo deu ministério para que não ignorados estes deixe de padecer todo Corpo desta grande fabrica; Este hé o Padrão este o Monumento, esta aLey para a Caza da Admnão da Caridade.


Capitulo 1º Forma deproceder a eleição

N

o Domingo precedente ao dia vinte e seis de

Abril em cada hum anno sefará eleição dosofeciais que hão de reger e servir esta Congregação no prezente anno. Esta será feita portoda a Meza, naqual votarão também querendo, (mas sem ahi terem assento) todos os Irmaos sendo-lhes propostos tres acada ocupassão; para oq’ serão convidados geralmente pelas Ruas ao som de Campainha evos do Irmão Andador, fazendo-lhes certo namanhãa doproprio dia, áhora pa aquelle acto natarde proxima. Recolhidos osvotos detoda a Congregação, q’ concorreo a Meza Fará eleisão dosmais capazes para osministerios daCaridade; ehavendo algum empate ou embaraço, poderá ser admetido o Superior, q’ immediatamte expedio, ealgum mais dosque tiverem servido este cargo, pelos tempos preteritos. Nella seelegerá porforsa devotos eprudentes reflexoens embenef.o desta Congregação; a saber hum Superior, hum Vice-Superior, Difinidor, Secretario, Thizoureiro, dous Procuradores da Congregação eesmollas, e hum Andador, q’ portodos formão omisteriozo numero de Sete Sugeitos, emhonra e veneração dasmais pricipaes Dores de Maria Santissima, cujos p.a aboa conservação deste Congresso eexercicios da Caridade, devem ser deboa índole despidos deamor proprio, capazes desua união fraternal comsubmissão


eobediencia ao Superior como Chefe detoda esta devota aSemblea. Completa aeleição, ficando toda ella emsegredo para ogeral, serão so osnovos eleitos avizados porescrito, pello Secretario, emq’ ofaça certo acada hum dosescolhidos, para q’ nodia dapublicação não hajão duvidas sobre assuas aceitaçoens. Sebem q’ esta eleição assim prudentemte feita não deve ser rejeitada, pois q’ todo oespirito comque cada hum pede querer ser a Lista do aos Livro da Congregação, não há ser outro mais que osubjeitar-se aoexercicio destes cargos para Serv.ço de Deos, honra de Maria Santissima, edezempenho da Card.e para comosfieis Catholicos entrevados pobres, q’ padessem indigências, enão tem quem de lhestrate. Esta eleição será Lida epublicada pello Pregador da Festevidade principal, porhum papel volante (enão pello respectivo Livro, emque deve já estar Lançada), cujo orador Lerá tambem primro poroutro papel semelhante, emrezumo toda areceita, edespeza feita pella Mesa q’ acabou desdeq’ tomou asua entrega até o dia da conta geral fechada pello Secretario, ficando para se declarar e Lançar naconta do Seguinte anno, toda areceita edespeza q’acrescer nosdias q’ mediarem dadata dascontas dosrespectivos ofeciais, ate odia daposse q’derem aoutros q’ recebão osseus cargos, tudo para q’ atodos conste a Fedelid.e comq’ setratão asesmolas oferecidas esuplicadas pelos Fiéis embeneficio do Hospital, ecomisto sefexem todas asportas aFins torcidos opostos a Caridade. Etres dias depois desta Solemnidade serão obrigados osnovos elleitos atomarem posse deseus officios emprezença da Meza velha, como sedispoem no Capitullo 12.


Capitulo 2º Do Superior

E

ste como aprincipal pessoa da Congregação será

portodos oscongregados obedecido erespeitado; emseus hombros carrega o cuidado e vigilância sobre todos osofficiais da Meza e Hospital sabendo eexaminando seFazem bem eFielm.te suas obrigações, edando asprovidencias necess.as para oestabalescim.to econservação desta Congregação. Ecomo a Caridade, deq’ deve estar revestido, hé sua virtude, cuja segunda propriedade (como dis São Paulo) hé ser benigna; Elle deve adoestar aobom, ereprehender com suavid.e qualquer defeito q’encontrar ecomeste proceder aFavel Lançará sua prizão deouro sobre os Corações dehuns, eseconformará comelles sós, para ganhar o detodos (como aconselha omesmo Apostollo nasua primeira carta aosde Corintto). Deve assestir atodas as Mezas q’ forprecizo fazeremse estando desembaraçado; Elle, terá emseu poder sua chave do Cofre. Aelle pertence dandar inFormar pelos Procuradores (eainda poroutras pessoas fidedignas e dezapaixonadas) aindigencia dospertendentes ao hospital, e esmolas depessoas pobres q’aelle não queirão hir eseachão intevadas, sem terem quem deles trate e cuide. Emacto de Meza despachará osnovos Congregados para fazerem sua entrada. Emoutro igual acto mandará Fazerentrada nohospital aosFieis que forem bem informados. Inquirirá comtoda abrevidade do Irmão Tizour.o , semandou Fazer os Sufragios devidos aos Irmãos falecidos, esehé descuidado, ou remisso emapromptar onecessario epedido


pello hospiraleiro para osintrevados, equando ache emqualq.r destas couzas algum descuido, inquira omotivo, edé aprovidencia que julgar ser prudente, convocando para isso toda a Meza, selhe parecer, eocazo for digno disso.. Porem neste ponto, como emoutro qualq.r que depender devotos, não se deve desvelar, nem trabalhar poratrahir osditos votos aosseu ditame, devendo so dizer seu parecer emtodos osajuntam.tos da Congregação, e Ficando socrgado deixando a Deos oexito daquelle negocio deque setrata emabono da Caridade, Lembrando-se para isso dequanto dis o Apostolo, isto hé, q’ havendo zellos econtendas entre os Irmãos, hé signal que são Carnaes, eq’ seobra terrena m.te , pois q’ aterceira propried.de da Caridade nosentir do Dor da Gentes, hé não seaFerrar aoseu ditame, eproprio juízo, não seFiar nem estribar na sua prudencia. Sendo-lhe oFerecido algua esmola para a Caridade aFará entregar ao Tizoureiro, deixando Lembrança emseu poder daquantia que seofereceo edequem, para poreste mapa (deque fará entrega ao Secretario) poder este tomar conta ao dito tizour.o dareferida esmola. Visitará o Hospital miúdas vezes emp.ar ; ededous emdous Meses convocará a Meza para q’ toda esta Congregação vá observar otratam.to dosentrevados eaceyo da Caza, sem q’ para esta visita sefaça aviso ao hospitaleiro mas antes será máximo louvável q’ assim odisponha nofim dealgua Meza dentro desse tempo que aoutro destino se fizer; Equando fizer assuas vezitas particulares, ou nas Geraes, terá grande merecim.to se seexercitar em algua asção depiedade e acto caritativo porq’ esta virtude tem também porsegunda propriedade se seexcitar digo propriedade esaber-se inclinar aosexercicios mais baixos ehumildes, quando opede anecessidade, dis o Apostollo.


Sendo avizado pello Hospitaleiro doobito dequalquer entrevado, Fará darparte pello Andador aquém pertencer oseu enterro. Providenciará sobre algum facto, ou alfaya queficar de algum pobre defunto, mas sempre este espolio seja para beneficio de Sua alma, mandando dizer Missas, ou comprando Bullas, equando para qualq.r couza destas não chegue, ou acresça tanto ouquanto, isso Lance na Caixa dasesmolas comuás para ohospital. Avizará hum dia antes ao Andador pa publicar aprocissão do Tersso, quando esta sehouver defazer, ou dedia ou denoute. Eacompanhará asditas procissões comasua insígnia, que será conForme seestabelecer, no capitulo 13, pois que este he todo o Forte para amossão dos Corações dos Catholicos, aofim estabalecido da Caridade; Ecomo na Alma do Superior deve reinar esta virtude, que também inda tem porsegunda propriedade osaber abrassar osexercicios dadevossão. Elle senão dispensará más antes nestas funções sehá delembrar deser omais edeficativo exmplar comForme dispõem aos Superiores o Apostolo falando comoseu discípulo dito. Enoponto principal davirtude da Caridade para comosffieis, lho recomenda omesmo Doutor das Gentes na Pesçoa de Timoteo, bem entendido q.’ Deficultozam.te obrarão osmais indivíduos seus deveres senocheFe senelle Superior, como sua principal Cabeça, não virem osprimr.os passos para osactos recomendáveis; assim ocerteFica o grande Doutor da Igr.a Santo Agostinho, pois que são inuteis todas aspraticas eexpreções emquem domina, ou quer instruhir, falhando oexemplo; este hé opensçamento detodao os Santos Padres, exposto porS. João Chriszostomo.


Capitulo 3º DoVice Superior DiFinidor

N

elle devem concorrer como Vice Superior

iguais qualid.es que o Superior, elle pertencem asmesmas obrigações emsua aozencia, ou impidimento. Ecomo Difinidor executará quanto lhe pertence notitullo de seu cargo.

Capitulo 4º Dos DeFinidores

T

odo oque houver de ser eleito para diFinidor, terá

já exercido algum emprego na Congregação, serão sempre dous, advertindo q.’ hum delles hé emtodo oquefor Vice Superior. Acompanharão asprocissões doTerço dedia edenoute. Terão porobrigação assistiremtodas as Mezas ejuntas da Congregação para darem seu voto edeFinirem noq.’ houver duvida, inclinando-se sempre aopio, eaprovando tudo quanto estiver posto na razão, porque a virtude de Caridade de que devem estar revestidos, tem porquinta propriedade obrar fingida, astuta ou maleciozam.te , sim falla emtudo consinceridade, como dis S.Paulo.


Capitulo 5º Do Secretario

S

erá pessoa inteligente que saiba escrever e contar,

acompanhará dedia edenoute o Terço. Emseu poder devem estar todos oslivros epapeis pertencentes á Congregação; Lerá acada hum dosnovos offeciais ocapitollo q’ lhe pertencer nodia desua entrega ou posse. Fará hua Tabela, ou pauta q.’ fixará em lugar publico na Cappella da Congregação, poronde conste quaes são os offeciais da Meza nova, paraq’ assim não sedeficulta, más anteshé muito fácil esuave aospobres oconhecim.to dequem hé o Superior, para osseus requerimentos. Lavrará osaSentos dosIrmãos que entrarem, efaLescerem, enodo óbito deixará hua margem capâs denella sepoder decLarar estarem os sufrágios satisFeitos, quando para isso tiver certeza do Irmão Tizour.o para oq.’ Tendo avizo dodito Tizoureiro, acerca doobito dequalquer Irmão Fará vir ásua prezença oLivro dos Irmãos (cazo nesta ocazião esteja já namão dos offeciais, aquem pertence cobrallos) everá seo Irmão falecido tem cumprido tudo, equando veja hé devedor dealgum Annal opartecipará ao Superior para este determinar oque for justo àFace destes Estatutos. Mas achando tem tudo satisFeito, avize aodito Tizoureiro para que mande cumprir os Sufragios devidos. Não tendo o Tizoureiro mandado satisFazer os Sufragios recomendados embreve tempo, o Secretario avize ao Superior, para este dar asprovidencias precizas. Aelle pertencedar hum bilhete aonovo Irmão p.a este hirentregar ao Tizoureiro, poronde conste foi recebido


áCongregação, epoder-lhe entregar aesmola nelle estipulada, eelle dito Secretario guardará ovilhete (que tambem há depassar aoTizoureiro) dadita entrega cujo aceitará só damão donovo Irmão (enão dodito Tizoureiro) para porelle lhe pedir conta da esmola recebida aodala da sua receita, e Logo que aesmola estiver entregue, Fará otermo daentrada aonovo Irmão. Enaentrega q’ lhe fizer onovo Irmão do bilhete do Tizoureiro, Lerá aomesmo Irmão o Capitulo 13, 14, e 15, emque sedeclarão asobrigações geraes, osbeneFicios para osvivos, e Sufragios para osmortos. Detudo quanto o Tizoureiro recebe noacto também dasua primeira entrega, lhe fará termo, cujo odito Tizoureiro aSignará (sabendo escrever, ou não sabendo fazendo seu signal, deq’ costuma usar, eemhum eoutro cazo sempre) asignarão comelle od.o termo osdous Definidores como Tt.as Tem obrigação deassistir indespençavelm.te atodas as Mezas, aelle pertence Ler eescrever tudo quanto for preciso na Congregação. Terá hua chave do Cofre. Deve emtudo encher sua obrig.am não revelando os defeitos quehle forem maniFeitos, poronde não possão ser atendíveis osrequerim.os dospertendentes aohospital, ou aobeneFicio daesmolla particullar. Deve principiar adar suas contas em Mesa oito dias antes dodia da Eleição ecompletadas omais tardar ate véspera dadita eLeição para oque lhe deve ter dado já assuas tambem o thizoureiro emtempo acto, como sedispoem no Capitullo 6. Enotomar-lhe as contas cubra comomanto da Caridade os defeitos q’ nellas achar, q’ não forem prejudiciais à Congregação eintrevados pobres, edesimule suas im perfeissões, por q’ nasua Alma deve habitar avirtude da Caridade, q’ tem por oitava propriede ser pacifica, etoda


comtudo Suavide , este openssamto do Apostolo, quando diz que a caridade senão irrita. Enascontas q’ fizer fixar e Lançar no Livro eder ao Pregador, declare q’ aquelas contas tiveram principio nodia da entrega dapreze Mesa, até q’ os oficiais derão suas contas, ficando para as seguintes tudo quanto acresceo esedespendeo desdeodito dia datomada decontas, até o daposse dosnovos oficiais. Enafactura dasditas contas novas, assim mesmo oexponha emparagrafo separado, preceptivel atodos.

Capitulo 6º Do Thizoureiro

S

erá sempre pessoa abonada. Tem assistência

preciza nas Mezas. Acompanhará asprocissões do Terço dedia e denoite. Terá hua chave do Cofre q’ estará emseupoder (parecendo a Mesa) oqual será obrigado conduzir aella quando para isso for avizado. Guardará todas as Alfayas da Congregação que não pertencerem à Secretaria, deq’ terá invento Asignará comduas Aaes que ficão nomeadas no Capp.o 5º hum termo doque receber em Mesa plena, não só pella sua primeira principal entrega, mas todas asvezes que recolher ao Cofre algua quantia. Receberá asesmollas dasentradas dosnovos Irmãos, sendo lhe prezentado bilhete do Secretario dequanta seja, cujo bilhete guardará, e Logo pello mesmo novo Irmão) enão porsi (entregará recibo dadita quantia eesmola aodito Secretario,


para porestes bilhetes elle lhe poder ajustar sua conta, quando noFim ader, econFerir comasua Receita. Não deve despender couza algua, sem avizo do Superior por escrito, ou de toda a Mesa que sendo desta, todos assignarão o mandato, cujos escritos prezentará aodar assuas contas sem oque senão atenderá sua despeza respectiva. Más oq’ selhe mandar dispender o Faça sem demora. Logo que qualquer Irmão falecer, etiver noticia daparte dequem andar noenterro, avizará o Irmão Andador, para hir, coma Campainha, dando signal do falecimto, eno dia doenterro hirá comainsignia da Congregação associado deduas tochas, acompanhar o Irmão á Sepultura, ou deitar-lhe agoa benta onde quer q’ estiver depositado, comadertencia denão voltar, eretirar-se da Igreja do depozito enquanto o Corpo não estiver na Sepultura, acujo acto devem rigorozamte assistir, poisque são asultimas honras, q’ dão aoseu Irmão, tudo naconformidade disposta no Capitulo 15. Avizará ao Secretario dodito obito, etendo delle ordem para lhe fazer osSufragios ocumprirá emtermo breve, ecobrará Certidão dosditos Sufragios feitos, para prezentar ao dar suas contas. Não poderá receber esmolla algoa para a Caridade, e Admenistração do hospital, eintrevados pobres, sem q’ lha mande receber o Superior porescrito, declarando nelle aoferta que seoferece. Ora isto bem entendido hé sendo aoferta avultada. Conssumido odinheiro que lhe foi entregue para os gastos ordinários, requererá a Mesa, para seabrir o Cofre edarselhe nova porsão, debaixo dasseguranças ponderadas no Capitulo 5º.


Aelle pertence tomar ascontas aos Procuradores e Procuradoras dasesmolas todos os Meses, edará resalva áquelles deq.m recebeo que eles guardarão para obuziar duvidas emqualquer tempo, eprincipalm.e para conferir em Mesa (sendo preciso) comaconta geral q’ há dedar o Secretario, aq’ todos devem estar atentos, pelas respectivas entregas, que tem feito, excepto as Procuradoras, que pornão hirem á Mesa poderão mandar asditas resalvas, porqualquer vogal. Recebendo algua esmola demantimento, faça Logo avizo ao Superior, para queeste adisponha, segundo a mayor necessidade, a favor dosintrevados. Tomará tambem contas aos Procuradores dos Annaes tres semanas antes dodia daeLeição. Entregará porinventario aohospitaleiro tudo oq’ pertencer aohospital deque fará termo, assignado pello mesmo hospitaleiro, sabendo escrever, enão sabendo, alguém porelle comtres testemunhas. Edetres emtres Meses vizitará ohospital, edará novo balanço aoque lhe pertence pello dito inventario que terá emseu poder. Principiará adar suas contas ao Secretario quinze dias antes daeLeição easFindará omaistardar, oito dias antes dadita eLeição. Nisto eemtudo omaisque pertence a seu cargo deve Ser muito pronto, erevestido do Fervor da Caridade, virtude q’ não procura osseus próprios regalos, virtude q’ obriga aojugo eexercicio doseu emprego, eFas queseja diligente para otrabalho aquelleq’ sededicou ássuas Leys, sim hua Alma posta emCaridade, deve crusificar seus comodos, para gozar dosdeLeites eternos, q’ há desobecitar àcusta dapropria morteFicação, oque hé útil paraosoutros; assim orecomenda nas pessoas dosseus amados Corinthos o Apostollo S. Paulo.


Capitulo 7º DoProcurador da Congregação e esmolas

A

eles pertence procurar todo oaumento da

Congregação eaequirir esmolas para ohospital, eintrevados pobres particulares; Assistirão emtodas as Mesas, eacompanharão asprocissões do Terço dedia edenoute. Tomarão hua exacta informação áface dasvozes doseu Superior sobre aindigencia dos pertendentes, elhe darão hua fiel edezapaixonada conta doque alcançarem. Hu aves cada Mês denoute, que será noprim.O Domingo ou dia Santo (sena Semana ohouver) eahoras oportunas sahirão pelas ruas pedindo esmola para entrevados pobres, aosom de Campainha, hora cantando a Ave Maria, ealguas Jaculatorias, hora movendo osFieis comalguas vozes, e passagens próprias das Sagradas Escrituras, e Santos Padres taes quaes podem ser as Seguintes AMADOS IRMÃOS EM JESUS CRISTO deveis saber que a Caridade hé a Raynha entre todas as virtudes, eentre assobre naturaes a mayor virtude, hé aque dá graça emForma todas eacada hua dellas. Dis o Espirito Santo no Livro da Sapiencia. Atendei aoque dis o Profeta Izaias, que manda Deos partamos opam comquem tem fome. Dis David, que Deos há depremiar aquém socorre onecessitado.


OUVI AO Espirito Santo pello Ecleziastico, que dis; Aquelle que dá esmola, adá como deemprestimo, porque porella há dereceber avansses. Afirma São João Crizostomo que crescem osbens aquém osgasta comospobres. Dis Deos por Salomão que nunca terá necessidade aquelle que socorre opobre. Clama Santo Agostinho, edis, day hum piqueno denteiro, e recebereis hum Reyno. Tornai aouvir o Espirito Santo que afirma q’ todos osque dispendem esmollas aosnecessitados, são já bem aventurados. Tambem poroutras palavras lhes podem anunciar osbons frutos daesmola dizendo: Tendo porcerto, Amantissimos Irmãos, que oser esmoler e mizericordiozo comospobres, hé signal deser para o Ceo escolhido, segundo aspalavras de Jesus Cristo: Vinde benditos demeu Pay, porque tive fome emedestes decomer. Ella Livra demuitos pecados, emquanto pello acto de Mizericordia comospobres secompadese Deos dopecador, concedendo-lhe auxílios, para dofundo deseus vícios seapartar Serve aesmola para demenuhir apena dasculpas, e satisfazer pellas morteficações penaes, q’ não podermos suportar emnossos Corpos. Hé aesmola como hua Advogada, q’ ao Tribunal de Deos assiste persuadindo aque sede a Smça a Favor doesmoler epiedozo comosnecessitados. Porhum acto decompaixão comospobres, Levanta muitas vezes Deosahua Alma ahum grande acto devirtude. AoesmoLer porprovidencia Divina, nem lhe falta para si, nem para dar.


EmFim aesmola q’ sedá, custuma aumentar os bens temporaes. Advertindo que devem principiar esta pia acção por hua parte da Villa, ecompletar seu peditorio noFim damesma (para não emFadarem) destrebuindo para cada noute seu numaro deLuas, aque puderem vencer, indo commuita pauza, para darem Lugar, aque os Fieis movidos, lhe possão entregar suas Caridades. Este peditorio farão tambem sempre q’ o Terço sahir ou denoute, ou dedia indo noFim detodos, dando suas vozes decompaixão, echegando se àquellas pessoas que encontrarem, ejulgarem ospodem Socorrer. Sempre que constar haver algum concursso devoto emqualquer parte da Villa, serão obrigados achar-se noatrio damesma Igreja, eahi deligentemte pedirem para Fim tão Santo emeritorio. Elhes será muito Louvavel, ede Deos premiado seu trabalho, sepello tempo das Colheitas fizerem sua digressão, sahindo pellas povoassões vezinhas aesta Villa, pedindo esmola para ohospital da Caridade, Levando para isso odespacho doRespectivo Superior, para não serem impedidos pellos Reverendos Parocos, ou Justissas, aquém primeiro lho prezentarão. Detudo quanto reseberem emtodas assobreditas occaziões, farão entrega noFim década Més ao thizouro (ou quando este lho hája depedir mais cedo) dequem reseberão recibo, que guardarão, e Levarão a Mesa no dia da conta geral, advertindo que asesmoLas que reseberem demantimento asdevem Logo assim mesmo emespecie entregar para senão perderem.


Farás huap.ar deligencia porcobrar os Annaes, edelles darão conta ao thizoureiro tres Semanas antes dodia daeLeição Para tudo isto sedevem revestir dehua abrazada Caridade, ecomo esta virtude tem porprimeira propriedade oser paciente comodis S. Paulo, elles devem porisso Levar com suFrimento todo oincomodo nopedir dasesmollas, ecompaciencia alguns improperios editos, que osmal intencionados eociozos lhes disserem, porq’ tudo vem damão de Deos, ou opermite, e Suposto isso lhes seja para opaLadar CaLiz deamargura, hé para asua Salvação muito util esperando hum gLorioso premio digno doseu trabalho, pois todo oque seexercita emobras de Caridade asigura para si hua morte precioza como testefica ogrande Doutor da Igreja São Jeronimo. As Irmáns que sehouverem deeleger para Procuradoras dasesmoLas, devem ser escolhidas asdemais Zello, Ellas devem tomar sobre si esta asção depiedade, não empedir geralmte massim procurando pellas Cazas particulares, aque só hirão hua ves cada Mês, supLicar osocorro para os Irmaos intrevados pobres; Ellas serão obrigadas noFim doseu Mês aFazerem entrega ao Thizour.o doque adquirirem, conForme sedispoem no Cap.o 6 eneste 7º aos Procuradores. Edeste exercício tão pio egLoriozo a Deos einteressanta aoproximo, podem as ditas Irmáns esperar hum grande premio, poisque o Todo Podorozo não deixa deremunerar com Liberalidade qualq.r acto de Relegião quando este seexecuta, comosolhos nos Divinos preceitos emaximas do Evangelho.


Capitulo 8º DoAndador

E

ste terá obrigação deavizar para asMezas ejuntas

da Congregação osoFficiais que lhe forem nomeados, indo asuas Cazas, epara aeLeição irá pellas Ruas mais publicas namanháa doproprio dia aosom de Campainha fazendo certo atodos osIrmãos que quiserem hir votar naeLeição dosoFficiais da Caridade, opoderem Fazer natarde próxima fuctura; Emtodas asocazioés de Meza, estará, não mui Longe daquele Lugar, para que sendo preciso algua couza possa ouvir qualquer chamamento. Quando houver desahir o Terço ou dedia ou denoute, sahirá pella manhã comaCampainha, pubLicando isto aopovo, para que quem quizer, etiver devossão deacompanhar, opassa Fazer, más nunca oFassa sem primeiro ter expecial avizo do Superior. Estará sempre pronto para executar todas asordens que emanarem inmediatam.te do Superior, em Serviço da Congregação. Tendo avizo do Thizoureiro doFalecim.to dealgum Irmão sahirá comaCampainha, dando signal, enodia doenterro seapromptará para hir comtocha acompanhar abandeira, ou insígnia da Caridade. Faltando algum dos Procuradores dasesmoLas, suprirá seu Lugar nopeditorio das mesmas que entregará ao thizoureiro naconFormidade que está disposto para odito Procurador.


Sendo repreendido ou admoestado, como sua Alma há deestar posta em Caridade (como verdadeiro Filho desta Congregação) Lembrese que aquarta propriedade desta virtude, como dis S. Paulo, hé não buscar nassuas obras oaplauzo nem oseu comodo, eporisso senão ensobrevesa pella reprehenssão, sim antes sedeve muito humilhar. Emhua palavra: Toda sua occupação há deexerser com zello edeboa vontade, pois que oque Fás serem todas asnossas obras meritórias, hé unicamente anossa vontade, ou aquela boa vontade comque asexercitamos, assim oaFirma Santo Agostinho no Segundo Livro desuas retratassoéns.

Capitulo 9º Do Hospitaleiro

D

eve este ser sugeito deboa conducta envida

ecostumes; Receberá porinventr.o tudo quanto pertenser aohospital, deque asignará termo feito pello thizoureiro, dequem receberá esta posse; Ede tres emtres Meses será obrigado amaniFestar tudo, odeque seencarregou, aodito thizoureiro. Porá abom recado qualq.r roupa ou ALfaya dos pobres que Falecerem, eofará Logo saber ao Superior, para este dispor disso, segundo lhe pareser servisso de Deos ebem da Alma dodeFunto. Haverá da Congregação aqueLe Salario que pareser à Mesa; Viverá sempre na Casa dohospital, sem que dedia ou denoute dezampare aosintrevados. Não admita Sugeito algum aohospital sem despacho, etambem escrito decomo seconFessou ecomungou para Fazer sua entrada.


Elle deve ser para comelles muito aFavel, echaritativo procurando todo seu alivio e Limpeza, edetempos emtempos advirtiLos para que recebão os Sacramentos; Equando vir algum commayor precizão avizará o Ministro Sagrado, aquém pertenser sua administração para o Sacramentar, eajudar amorrer bem. Falecendo qualq.r nohospital, avizará Logo ao Superior. Emcada noute Fará que todos em Coro da Sorte que puderem, rezem a Coroa de Maria Santissima, ou oseu Terço. Trará toda roupa Limpa easeada, edamesma Sorte toda a Caza. Precizando dealgua couza para otratamento dosintrevados, requererá ao Superior, paraeste daraprovidencia. Nodia daprincipal Solemnidade da Congregação seesmerará em terohospital muito aseado detudo quanto lhe for pocivel, perFumado, easCamas dos doentes comroupas Lavadas enesse dia terá ohospital patente, edará entrada atoda apessoa, afim de Lucrarem as indulgencias nesse dia, concedidas aquem vezitar odito hospital C.a Sendo convencido emalgua couza neste Capitolo, será admoestado, primeira, segunda e terseira ves, enão seemmendando será expulsso. Deve Fazer timbre Santo denão aFrouxar neste pio exercicio, conFiado nagrassa Divina, que hé fiel edá Forsas, para obrar quando setabalha pella sua Gloria eutilidade doproximo, constetuido emnessecidade, eque porsi senão pode valer.


Capitulo 10 Como serão admitidas aspessoas aserem Irmáns desta Congregasão

T

oda equalq.r pessoa assim homem, como m.er que

quizer ser Congregado, Fará petição ao Superior e Mesa, osquais tomando inFormação deseus costumes, eachando não seembriagarem, ou padecerem nota de pouco fieis, poderão ser admitidos, dando deesmoLa porsua entrada aSaber: Sendo deidade devinte ate trinta anos, dous tostoes, detrinta ate quarenta três tostoes, mas excedendo estes anos, ficará aoarbitrio da Mesa aesmoLa dadita entrada, atentas asidades, econstetuhição década pertendente, eaquantidade de Sufragios q’ sempre sesalvarão. Advertindo que sendo m.er passando dequarenta anos, deve dár mayor esmoLa, atendendo aque não podem ser obrigadas aempregos na Congregação. Esta esmoLa, será pello mesmo novo Irmão entregue ao Thizoureiro, comhum vilhete do Secretario que adecLare, eomesmo Irmão cobrará recibo do Thizoureiro, que entregará aodito Secretario, para este lhe Lavrar termo daentrada. Toda aesmoLa dasditas entradas, como também ados Annaes ficará emreceita particollar, para sedispender unicamente nos Sufragios dos Irmaos deFuntos, egastos da Congregação, porque para nada disto devem concorrer asesmoLas obLatadas pelos Fieis, para osintrevados pobres.


Capitulo 11 Quem deve ser admitido ao Hospital e como devem Fazer sua entrada

N

este hospital só serão admitidos aquelles

Sugeitos dehum eoutro Sexo, que totalmente nada tiverem, nem poderem procurar o Socorro necessário para sealimentarem, nem ainda mendigando-o, oupor sua idade, ou porimpossibilid.e corporal; qual pode ser aleijões, enão tiverem quem deles trate. Para seadquirir hua individual noticia desta indigência seinFormarão osprocuradores da Congregação, pormandado do Superior como lhe esta disposto no Capitullo 7, ou ainda este porpessoas fidedignas, como sedis no Capitulo 2º. Ehavendo diFerentes Sugeitos que seachem nosverdadeiros termos dealcansarem obeneFicio dahospitalidade, serão Sempre preFeridos osque Forem Irmãos desta Congregação. Logo que forem inFormados, edespachados para serem recebidos nohospital, apessoa que tiver aseu cargo ocuidado daspessoas recolhidas, nelle onão admita, sem que seja pordespacho da Mesa, que guardará eporescrito do ConFessor, ou Parocho, emcomo seconFessou, e Comungou, nodia da sua pertendida entrada, ou devespera.


Capitulo 12 Dasobrigações Geraes da Mesa

D

eve juntar-se para oacto dascontas, que há

deprincipiar adar o Secretário oito dias antes da eLeição ecompletadas omais tardar na Vespera daeLeição; Deve juntar-se para afactura daeLeição e todas asvezes que for necessário para utelidade desta Congregação e pobres. Havendo algum Irmão remisso emsatisfazer seu Annal farse-há Meza para seravisado, esperandose-lhe até o Seg.te anno, enão satisFazendo então ambos, será riscado dos Livros da Congregação. No segundo Domingo década Mês detarde ou estando este impidido poralgum incidente emoutro que onão esteja (que será signalado pello Superior eadvertido ao Andador) Sahirá a Meza com Bandeira, ou outra insígnia da Congregação e comtodo oaparato Relegiozo, e pio pellas Ruas cantando o Tersso aFim deaFervorar os Fieis àdevossão de Maria Santissima, devossão capás de sustentar o mundo, reconsiLiar-nos com o Senhor, deter eembarassar suas iras, eFazer chover sobre nós assuas Misericordias, segundo ocomum sentimento dos Santos Padres; Exercicio, tambem capás demover osanimos aodezempenho da Caridade, indo noFim detodo opovo os Procuradores pedindo para oSocorro dohospital. Para dar Lugar aque commayor proFuzão e atendendo àsvozes de Jezus Christo, quando por São Matheus nosdis que aesmoLa sehá dedispender sem estrepito, esem pubLisidade para evitar operigo davaidade, ao dispender osbeins aFavor


dosintrevados pobres. Hua noute emcada hum dostresseiros Domingos década més, estando opurtuna, aLiás dentro desse més nanoute do Domingo ou dia Santo que mais própria estiver (que será advertida pello Superior ao Andador) sahirá a Meza cantando o Terso, Levando sempre ou ao menos asvezes q’ puder ser emsua Companhia hum Sacerdote, que vá persuadindo aos Fieis avirtude da esmola para hum Fim tão Louvavel. Fassa refLexão a Meza na aplicação da esmoLa dasentradas e Annaes, segundo odisposto no Capitulo 10. Terá aprovidencia deter Medalhas, para todos osoficiais que tiverem voto etambem alguas ópas para osactos dos enterros e Funçõens da Congregação, cujas serão cor deFogo, commurrsas azuis, cor ceLeste, como sedis no Cap.o13

Capitulo 13 Obrigaçóes gerais p.a osIrmáos

C

ada Irmáo será obrigado auzar da sua Medalha,

emtodas asFunssoéns pubLicas da Congregaçáo, selhá derem, etambem poderá vestir habito taLar, que costa detunica cor deFogo (signal davirtude da Caridade) e capa azul (gerogLifico daposse do Ceo que espera gozar, pello desempenho davirtude maxima que proFessa nesta Congregaçáo) tudo feito àsua custa, excepto a Medalha ou opas que apromptará a Congregaçáo.


Todos osIrmáos acompanharão osactos da Congregaçáo comsua diviza, ou habito tendo-o, ou ainda sem elle cazo onáo tenháo. Porcada Irmão que Falecer rezará cada hum dosvivos hum Tersso, ou a Coroa da Senhora porsua Alma. Confessar-seháo e Comungaráo nasprincipaes Festas da Senhora, emuito emparticular nadassuas Dores, cujas Comunhoens aplicarão porvivos e deFuntos desta Congregaçáo. Podendo, ouvirão Missa cada dia. Cada dia teráo meya hora de oração mental. Cada dia rezaráo o Tersso ou a Coroa de Maria S.ma Jejuaráo todas as Sextas Feiras, emobzequio às Dores da Sr.a Efaráo todos osexercicios penaes q’ lhes forem aconselhados pelos seus Confessores. Advertindo que nada disto obriga debaixo de culpa, mas não obstante devem ponderar, oquanto comisto chegão ao complemento detodas as virtudes, pois que executão amayor detodas ellas, etanto doagrado do Senhor, que comestes exercícios (que podem aplicar pellos deFuntos) alivião dasincomparaveis penas do Purgatorio, aquellas amigas domesmo Senhor, porcujo refrigério elle tanto seinteressa. Emcada hum anno pagarão três vinteis, bem entendido, satisfeito isto por encheyo hum mez antes do dia daeleisão, cujo Annal deve principiar acorrer desdeodia da sua entrada (eseja quandofor) efindará notal tempo dasua cobrança sobredita, inda que rigorosamente não passados os doze Meses, que formão oanno porquanto comessa porsão assim oferecida, seevitão muitas confuzoens encita oferta aoparesser violenta eimpropria porinda não ter hum anno de Irmão não


devem reparar osnovos Congregados, poisofim para que se recebe hé muito doagrado de Deos. Falescendo qualquer Irmão, ou seja logo q’ entrar ou emqualquer Mês doanno, serão seus herdeiros obrigados a satisfazer por inteiro todo o Annal doprezente anno, como se disse assima, e levará os Sufragios todos enão satisfazendo seus herdeiros, ficará odefunto, privado de hua Missa daquelas que lhe são estipuladas. Havendo algum Irmão remisso emsatisfazer seu Annal será avizado separado até o seguinte anno e não satisfazendo então ambos, será riscado dolivro da Congregação. Querendoqualquer Irmão remir seus Annaes a Meza oatenderá. Acompanharão o Terso sempre que sahir pellas Ruas dedia edenoute, excepto os Irmãos, porque de noute lhes está prohibido. Falescendo qualquer Irmão seus herdeiros avizarão Logo ao Thisoureiro, para este dar parte ao Andador, e obrar omais que se dispoem no Capitullo 6º.

Capitulo 14 Beneficios para os Irmãos vivos

S

empre que acompanharem o Terso gozão demuitas indulgencias, que lhes são concedidas. Gozarão também deoutras muitas grassas espirituais, que se esperão requerer ecostumão conceder-se.


A Missa principal da festevidade, e todas asmais que para o tempo fucturo se houverem de Celebar, emcertos dias do anno, todas srão aplic adas por vivos e mortos. Estando emestado depobreza, eindigencia tal qual seja preciso, para severeficar nesses Irmaons o Capitulo 11, terão preferencia aosmais pobres naentrada aohospital.

Capitulo 15 Sufragios para os mortos

S

eu falescimento, será advertido aos Fieis pellas Ruas publicas ao som de Campainha, inda que expire auz.te desta Villa. Seu corpo será acompanhado à Sepultura, com a Bandeira, ou insígnia principal da Congregação, eduas tochas, ou com aquellas que para o fucturo sedispozer; Enão tendo acompanhamento, osmesmos Irmaons que o haverião deacompanhar, lhe hirão comomesmo aparato lanssar agoa benta, bem entendido falescendo nesta Villa; Com advertência porem, que desdeque sahirem até que serecolhão hirão pellas Ruas rezando a Sagrada Coroa de Maria Santissima; pella Alma daquele Irmão emvos branda, masterna maviosa, isto hé vos fúnebre edepois delle lançarem agoa benta porsehão todos os Irmaons dejoelhos, excepto oque levar a Crús erezarão ahi nasobredita Vós sete Padres nossos, e outras tantas Ave Marias, ehum Requiem eternam, nofim de tudo com a Sobredita aplicação, eda Igreja do depozito se não retirem emquanto o corpo não estiver na Sepultura, decujo oficio da Sepultura devem rigorosamente assistir.


Porcada Irmão que falescer, semandarão dizer sinco Missas, ou asque pello tempo fucturo, selhe acrescentarem advertindo que estas serão ditas corpo presente.

O

rdena-se que para o tempo vindouro, sepossão reformar estes Capitulos, aumentando-se, ou demenuindo tudo ou parte, segundo pareser justo, cujos serão guarda dos pelos Irmaons inteiram.te sendo estes hua mesma couza , hua Alma, hum coração, eque como pedras deste edifício contribuão para asua mayor subsistência, tomando cada hum o Sitio e lugar já Supremo, já medio, já imfimo emq’ o Colocar o Soberano Artifice, pello meyo dehua prudente eLeisão, afim deq’ unidos todos com ovinculo doamor reciproco formem hum misterioso corpo, animado do Espirito da Caridade, e governados pello Espirito de Deos, emquem, porquem edequem lhes hádevir toda avirtude para cada hum cumprir suas obrigaçoêns eempregos, para q’ forem destinados, com Sujeição eobediencia aoseu Superior, e Seguindo exactam.te a Ley de Jezus Cristo, caminho seguro para avida eterna. Estes os Estatutos que depois de serem Lidos epublicados naprezença da Meza plena pello Superior Foi dito que setinhão osprezentes algua couza mais que advirtiredizer, emseu nome, ou dosaozentes Irmãons, orequere-sem, e declara-sem, ecomo responde-sem que tudo julgavão estar racionavelmente disposto, ebem prudenciado sederão os Capitulos porcompletos e acabados, que o dito Superior o Rd. Joze Alvares Ramos, firmou, etodos os Menssarios asignarão, eeu Manoel Joze da Silva, Secretario q’ o Sob escrevi

P. Joze Alves Ramos – Superior Jeronimo de Carvalho Martins – Vice Superior Antonio Moreira Couto – Tezour.ro


Luiz Joze Boucinha – Proc.or Joze Antonio Alves – Zelador Joao Ro.iz Lima – Proc.or Ant.io Joze Bar.za de Mira.da – Defenidor Pedro Joze da Costa – Andador Antonio Pr.a – 2º zelador Joze Fran.co Bastos Manoel Fern.do Lima Fran.co Pr.a de Araujo Feleciano Antonio da Costa Pedro Roiz de Castro


Dizem

o Superior, e Mensarios do Governo da Congregação e Hospital da Caridade desta Villa, que para milhor regímen domesmo Hospital e Corporação comaprovação dosmenbros desta estabaleserão osprezentes Estatutos, epara sua intregal observância. Aprezentem os Livros das contas, e os mais per tencentes a Congregação e Hospital, e depoes re metida ao Prom.or Machado

Lavim se sirva, dosprecisos exames, mandar passar Alvará deaprovação


Sr Dor Provedor Exeminei os prezentes Estatutos, exeminei os Libros da Reçeita e Despeza e todos os mais que servem em a Congregação e Hospipal o coal fui tambem. Em toda a Comarca não há Corporação mais bem Regullada mais útil eque os Seus membros Satisfação com mais zello as suas Respetiveis obrigaçoens oque tudo observei por exatas obrigaçoens. Os prezentes Estatutos fixão as Regras enpretireneis p.a a Conservação do mesmo zello da devoção da devoção caumento da intereçãnte obra do Hospital no coal sachão já oito camas e outros tantos emtrenados pobres com o oratório Caza de despacho e mais ofesinas e já se não sera acabarem a vida lastimozam.te alguns pobres aforça de necessidade para o aumento da caridade são próprios dos presentes estatutos que não contem Sircunstancia, que não respire virtude e caridade epor isso e omais q’ V.me exeminou pervalm.te sefazem dignos de aprovação os m.mos Estatutos cinda se facem possível de promoverse o aumento desta pia Congregação. Vme mandava oque for presto Vianna 9 de Abril de 1789


Alvara de confirmação

O S Doutor Bernardo Xavier Alves Machado cavaleiro professo da Ordem de Cristo do Dezembargo de sua Magestade contador da Real Fazenda e Provedor com alçada nesta Camara de Vianna, Faço saber aos que oprezente alvará virem como em virtude do poder que tenho aprovo, e authorizo os Capitulos contendos nestes estatutos vista a resposta do Promotor exame a que procedi; aprova que seobservem etenhão vigor lhe interpondo minha autoridade ordinária com decreto judicial, e mando seimprimão e guardem como nelles secontem. Dado sob meu sinal esello em Vianna aos 10 de novembro de 1789. Deste 80 de assinatura esello 78. Antonio Jose Pereira Caldas Escrivão da Provedoria que oescrevy Bernardo X.er Alz Machado


Senhora O Corregedor da Comarca informe com o seo pruvimento 7 de Janeiro de 1790

O Superior, eoficiaes da MeZa do governo da Congregação, erecta por simples devoção em a Villa de Viana fóz do Lima, para administrar o Hospital da charidade estabelecido por hum Devoto, em oqual se recolhem, ealimentão os Pobres Entrevados, destituídos da preciza subsistência para aconservação davida formárão, por generalidade devotos de toda a Congregação, osprezentes Estatutos, para omelhor regímen, eaugmento domesmo Hospital, que sendo obra tão pia, etão vantajosa ao espiritual, não hé menos interessante á sociedade, epor estas circunstancias merecem o Real Beneplacito de V.ª Mag.e , que os Reccorrentes implorão, e

L. aV.ª Mag.e aGraça de lhos aprovar, emandar passar Provizão de confirmação, para sua maior validade, eexacta observância, pois que a sua utilidade se evidencia da Approvação do D.or Provedor da Comarca, eResposta do Promotor, que ambos procederão aos precizos exames, eaveriguaçoens.


Dona Maria por graça de Deos Rainha de Portugal edos Algarves daQuem edalem mar em Africa, e Senhora de Guine; Faço saber que o Superior e maquis Officiais da Meza, e Congregação do Hospital dacharidade da Villa de Vianna, lhe apresentarão por sua petição; Que elles obom regímen damesma Corporação eaugmento da Louvavel devoção, comque nomesmo Hospital erão Soccorridos os pobres desamparados, tinhão formado os Estatutos, offerecião, Pedindo-lhe fosse Servida confirmarlhos e aprovarlhos, para o fim delhes ficarem Servindo como Ley, e observar todo o disposto nelles; Evisto seu Requerimento, oque constou por informação que mandei tomar pelo Corregedor da Comarca de Vianna, e resposta do Procurador de Minha Real Coroa, aquém sedeo vista, e não teve duvida, oque tudo Me foi prezente em consulta da Meza dp Meu Dezembargo do Paço Hey porbem fazer merce aos suplicantes delhes confirmar, e aprovar, como com effeito confirmo, eAprovo, e Hey por confirmados, e aprovados os Estatutos deque fazem menção, que costão de quinze Capitulos escriptos em quinze meyas folhas de papel; Com declaração que será riscado o $º quinto do Cap.º primeiro, que respeita a serem nomeadas dozed mulheres para pedirem particularmente esmolas para o Hospital, assim como todas as mais dispoziçoens, e $$os que ao Sobredito se referem; cumprindose, eguardandose muito inteiramente essa Provizam como nella Seconthem e declara, evalera posto que o Seu effeito haja de durar mais de hum anno, Sem embargo da ordenação do Lº 2ª Uº 40 em contrario. Pagou de novos direitos quatrocentos reiz, que secarregarão ao Thezoureiro deles a p309.2 do Lº 10. Desua Receita e SeRegistou o conhecimento emforma no Lº 47 do registo geral a p146.. A Raynha Nossa Snra.


Mandou por Seu Especial Mandado pelos Ministros abaixo assignados do seu Concelho Seus Dez.res do Paço Joao do Espirito Santo e Aguiar afez em Lisboa a dezassete de Novembro de mil setecentos e noventa anos; Desta novecentos e sessenta reiz edeassignar outocentos reiz.

Jose Federico Ludovico João Teles de Sª M.el Riscotão Ab.es Negrão Jose Ricalhe Pra de Castro Pagou quatrocentos reis, e aos Officiais novecentos e setenta r.s , eao Chanceller Mor nada por quitar. Lisboa 18 de Nov.bro de 1790.

Jeronimo José Corra de Carvalho

Rog.da

nalhanc.ria Mor da Corte e R.no no Lº de officios e Mercês ap6p Ls.ª 18 de Novembro de 1790.

Antonio Joaq.m Serrão

Por resolução de Sua Mag.de de 30 de Agosto de 1790. Tomada em consulta do Dezb.o do Paço.


Exm.mo e R.mo Snr.º

Dizem o Superior eofiçiais da Meza da Congregação erecta da Administração do Hospital da Carid.e dos pobres entrevados debaixo da invocação do Sm.mo Coração de Jezus e Maria na Villa de Vianna deste Arcebispado Primaz por ordem de V.Ex.cia forão avizados p.ª apresentarem os seus Estatutos ao ordinário Haja vista o Dez.or Pro.dor Geral da Mitra P.a VExª D.ma sedigne Ma.ar passar Provizão Deconfirmação

Estão legitimamte e real.te confirmados os estatutos em nada se opoem ao Culto Divino; e por isso todos os direitos Diocesanos eos Paroquiais ??? espiritual ???


O Doutor Francisco Joze de Souza Lima Arcediago de Neiva na Se Primaz Dez.or e Provedor nesta Corte, e Arcebispado pelo Ex.mo e R.mo Sr. D. Fr. Caetano Brandão Arcebispo e Senhor de Braga Primaz das Hespanhas. Pelo prezente vistos estes Estatutos da Congregação debaixo da invocação do S.mo Coração de Jezus e Maria, na Villa de Vianna e Resposta do Dez.or Procurador G.al da Mitra, na gorma della e suas clauzulas Hei por bem aprovar e Confirmar os mesmos no que pretence ao Culto Divino, lhe dou eentreponho minha autoridade Ordinaria com Decreto Judicial, e mando se cumprirão e guardem como nelles se contem, ficando salvos os Direitos Archipiscopais e Parochiais, e será Registada no Reg.to G.al desta Corte sem oque não valha. Dada em Braga sob meu Signal e Sello desta Corte aos 25 de Maio de 1805 e Eu P.de Jose Antonio Irm.a da Cruz Amarante Escrivão da Cam.a Eu Adm.ao de Vallença asobcrevi

Francisco Jose de Souza Lima Ao Reg.to G.al seu regim.to Provizão de aprovação e Confirmação destes Estatutos no que pertence ao Culto Divino na forma acima P.o Vill.a ver e assignar. Freg.fa no Reg.to G.al aelf 235 V.so Braga 25 de Mayo de 1805

Domingos Jose Rodrigues


Tem estes Estatutos binte e quatro meias folhas q. todas sĂŁo pormim numeradas, e rubricadas comomeo apelido de Machado deq. Uso. Bianna Novembro de 1789.

Bernardo X.er Alz. Machado Rubrica gratiz

Transcrição dos Estatutos de 1789  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you