Page 1

RE VI STA O

FI

CIAL

NOVO CRIME

ATACAM COM ÉTER DISFARÇADOS DE VENDEDORES DE PERFUME

FALÊNCIA

DOS BANCOS ALIMENTAÇÃO

ANDAMOS A "INTOXICAR-NOS" À MESA COIMBRA

ALTA RECUPERA ANIMAÇÃO DE OUTROS TEMPOS

TENSÕES

SOCIAIS

Como viver em

bancarrota REFORMADOS REFORMADOS

EM CASA DE

SEM

PENSÕES

FAMÍLIA CATALÃO RECEBEU A EM TENTÚGAL

FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS

NÃO

RECEBEM

1,50€ REVISTA SEMANAL 13 OUTUBRO 2011 • Nº 37 •

Num clima de incertezas é natural que os depositantes se interroguem – que futuro para o meu dinheiro? A procurou pistas em várias fontes, que aqui deixamos para análise e reflexão sobre um futuro possível.

CLUBE DE EMPRESÁRIOS EMPOSSA NOVOS DIRIGENTES


C22

assinaturas@cnoticias.net


C59


editorial

Grupo

Propriedade/ Editora: MEDINFORMA, LDA; NIPC: 509711537; Capital Social: 50.000€; Rua Combatentes da Grande Guerra, 109; 3045-469 - Taveiro - Coimbra; email: geral@cnoticias.net Tel.: 239981303; Fax.: 239981304;Tlm.: 916987300 Gerência: António Gomes Abrantes; Maria Eugénia C. Figueiredo Abrantes; Inês Micaela Figueiredo Abrantes Capital Social da Entidade Proprietária: Beirastexto, SA – 87%; Outros – 13%

SOARES REBELO Diretor

Mondego ignorado

O problema já não é só uma malversação da natureza; é também incúria do homem.

à regularização do cauda torrencial do Mondego, com a barragem da Aguieira. Até aí, apenas haviam sido tomadas, contra as cheias, algumas medidas avulsas. Outra iniciativa foi o "Regimento dos Marachões", publicado em 1606, também ele destinado a "impedir os grandes estragos que continuamente faz o Mondego" e de que o mosteiro de Santa Clara-a-Velha ficaria para a história como uma das principais "vítimas". A comunidade clarista que, entre os séculos XIV e XVII, o ocupava, teve de abandoná-lo, devido à submersão do monumento pelas águas. Os aluviões carreados pelo rio soterraram ainda velhas pontes, como a de Santa Clara, e antigos monumentos, como os conventos de Santana, S. Francisco e S. Domingos. Deste último, edificado no século XIII, garante Frei Luís de Sousa que aparecia "muitos dias feito ilha, e posto em cerco".

CNotícias

Diretor:

Soares Rebelo (soares.rebelo@cnoticias.net) Chefe de Redação:

Mário Nicolau (mario.nicolau@cnoticias.net) Redação:

Bruno Vicente (bruno.vicente@cnoticias.net) Marco Roque (marco.roque@cnoticias.net), Marta Varandas (marta.varandas@cnoticias.net) Sílvia Diogo (silvia.diogo@cnoticias.net) Vasco Garcia (vasco.garcia@cnoticias.net) Colunistas:

Alexandra Dinis, António Alegre, António Pedro Pita, Carlos Fiolhais, Helena Albuquerque, Hélio Loureiro, Joana Benzinho, Jorge Bento, José Carlos Neves, Luís Lavrador, Luís de Matos, Luís Pirré, Manuel Rebanda, Margarida Regêncio, Mário Ruivo, Mira Lagoa Sobral, Paulo Leitão Colaboradores: José Lorena, Márcia de Oliveira; José Manuel Alves Fotografia:

Pedro Ramos (pedro.ramos@cnoticias.net) Direção de Arte:

Inês Abrantes e Jorge Caninhas Relações Públicas- Diretora:

O MONDEGO foi, durante séculos, no centro

HOJE , ali mesmo em frente à Baixa citadina,

do País, a única via de comunicação entre o interior e o litoral. "Navega-se muita parte dele com barquinhos jangas, em que trazem a Coimbra e adiante, madeira e tavoado a vender. E de Coimbra, como já leva mais água, se navega em maiores barcas até ao mar", escrevia, em 1610, Duarte Nunes de Leão.

estão acumulados mais de 1,2 mil milhões de litros de sedimentos! Ainda assim, o desassoreamento, desde há meia dúzia de anos (pelo menos) considerado imprescindível, tem sido sistematicamente protelado. Explicação: necessidade, por questões de impacte ambiental, da reformulações sistemáticas do planeamento físico e financeiro da intervenção.Traduzimos: escasseia o dinheiro, não há vontade política, empata-se o projeto. O habitual! Simplesmente, o bateau-mouche, trazido há 18 anos de França, tornou-se parte da cidade - que não pode calar, por isso, a sua indignação. Até, de interpelar os políticos que a representam em Lisboa. O problema já não é só uma malversação da natureza; é também incúria do homem.

AS EMBARCAÇÕES saíam de Penacova carregadas de madeira, lenha, carqueja e carvão com destino a Coimbra e à Figueira da Foz, trazendo, no regresso, sal, pescado, milho, pipas de vinho e mercearias várias. Em Ceira e nas Torres do Mondego, onde as lavadeiras faziam as barrelas e punham a roupa a corar, carregavam-se as trouxas com destino à cidade e aos "senhores doutores".

O MONDEGO foi fonte de inspiração para TUDO MUDOU. O único barco de algum

porte que ultimamente lhe sulcava as águas, transportando turistas ou ao serviço de eventos sociais, teve de ser retirado para reparação em doca seca. O assoreamento voltou a ser tão grande, na respetiva rota, entre o açude ponte e a Lapa dos Esteios, que o "Basófias", com a areia a "entupir-lhe" o motor, acabou, desta vez, por sucumbir. MUITO SOFRERAM as gentes ribeirinhas até

4

muitos escritores e poetas, Camões dedicou-lhe inclusivamente versos arrebatadores. Compreende-se a distinção: além de ser o único grande curso de água inteiramente nosso, banha, no seu percurso entre a Serra da Estrela e a Figueira da Foz, paisagens de rara beleza, recantos de poderosa carga emotiva, sítios há muito poderosamente enraizados no imaginário nacional. Volta a não merecer, ainda assim, a atenção devida. Os "desalinhos" continuam a mantê-lo ignorado.

13 OUTUBRO 2011

Eugénia Abrantes Produção:

André Navega e Tiago Carvalho Serviços Comerciais Diretor Comercial:

Luís Figueiredo (luis.figueiredo@cnoticias.net) Técnicos de Vendas:

Fernando Gomes (fernando.gomes@cnoticias.net) José Alberto (jose.alberto@cnoticias.net) PUBLICIDADE E ASSINATURAS

CNotícias Rua Combatentes da Grande Guerra, 109; 3045-469 Taveiro - Coimbra Tel.: 239 981 303 - Fax: 239 981 304 Tlm: 916 987 300 Email: publicidade@cnoticias.net

assinaturas@cnoticias.net Diretor Marketing:

Bruno Vale (bruno.vale@cnoticias.net) Diretor de Sistemas de Informação:

Rolando Rocha (rolando.rocha@cnoticias.net) Projeto Gráfico: Pedro Góis / Góis Design e Bruno Vale

IMPRESSÃO: LISGRÁFICA

Impressão e Artes Gráficas SA Queluz de Baixo (Oeiras)

DISTRIBUIÇÃO:

VASP – MLP, MediaLogistics Park Quinta do Granjal – Venda Seca Tiragem Média: 10.000 ex. Registo na ERC com o n.º 126017, de 12/01/2011. Depósito Legal n.º 322204/2011. Periodicidade: Semanal, à quinta-feira Interdita a reprodução de todos os conteúdos editoriais, fotográficos, ilustrações para qualquer meio ou fim, mesmo comerciais.

Assine e divulgue a Assinatura anual 55€ Email: assinaturas@cnoticias.net Telm.: 916 355 014


índice

CAPA

AO MICROSCÓPIO

6 20 23

Assaltos em parques de estacionamento Amostra de "perfume" faz desmaiar vítimas Histórias de Vida Cândido Carvalho é proprietário da Casa das Meias Que é feito de si? Mário Mendes foi árbitro durante 24 anos

Imagine o país na bancarrota

40

O que acontece se Portugal deixar de pagar as suas dívidas? Todo o país sofreria, em particular as famílias, que se veriam arrastadas numa espiral que iria agravar ainda mais a recessão económica. Economistas garantem que este é um cenário que não pode ser colocado de parte.

SOCIEDADE 24 Noites na Alta Regresso às aulas traz nova animação à zona histórica de Coimbra 26 A essência de Baden-Powell Escuteiros do 309 de Ceira estiveram na Serra da Estrela

economia

dinheiro

ER E SE HOUV TA? BANCARRO

CÉREBROS 36 Como usar água eficientemente Investigador da UA faz parte de grupo internacional sobre o tema

POR EM CADEIA DE DESPESA DO NA ECOM A REDUÇÕES IMENTO GERA DARIA ORIGE DO ESTADO EGO E O REND TAS ZINDO O EMPR NTO POR PARTE OS ECONOMIS O INCUMPRIME ESAS E DAS FAMÍLIAS, REDU ECONÓMICA, PREVEEM SÃO PARTE DAS EMPR E AGRAVANDO A RECES NOMIA,

DINHEIRO

déde reduzir os ser capazes omissos. Aos por não os seus compr de viabilidade". fices e honrar respetivo "rating s hipotecários de uesa ter, gecrédito anteriores caram" a banca APESAR da banca portug assado com que "intoxi ira Fi- alto risco está agora a desmesura- neralizadamente, ultrap e a que foi finance o r aí stress al, de de notaçã a compromete o os testes a passada, mundi A AGÊNCIA não gados Estados ado: sucess atrás, isso baixa, a seman os portu- da dívida tida meses ração. Result tch reviu em da a seis bancos Mil- seriamente a recupe à concessão de subme sua solidez. Os mais expost a itos, a nota atribuí o seriaas restrições Geral de Depós às em- rante estão mesm gueses – Caixa Montepio Geral, Banif drástic , tanto às famílias como dívida grega de que- à BPI, ados. queda atrás lenium BCP, aneamente, crédito mente ameaç Totta. Simult que Por- presas e, na Bolsa, e Santander cotações. l que os & Poor’s alertou uma re- da nas respetivas destes é natura que a Standard com a- Num clima se interroguem – confrontar design a vai s, se tugal da do que E: os banco depositantes ro? E se houmais profun PERGUNTA-S , terão cao meu dinhei falir? cessão ainda 0,5 por cento futuro para mais frágeis esperada – Se o meu banco damente os choque? A inicialmente resistir ao os 0,2 por cenver bancarrota? 2014, contra pacidade para ão mundial , entre 2011 e de uma recess no míniprevistos. em várias fontes perspetiva to anteriormente mercados, procurou pistas para análise e reições A a deixar os deixamos – e as institu aqui realmente, está que iados tam, dos angust S enfren de 2008, mo, OS BANCO as de que alguns flexão. dos subprimes pante, bancárias receos acabem, afinal, depois da crise preocu s devedores o deveras te, ao estado uma situaçã a, nomeadamen no que respeit

VASCO GARCIA

A CORDA "ESTAR COM "apertar o AO PESCOÇO", vacas tempo das cinto" ou "o expressões magras" são ueses, dos portug conhecidas esperam não mas que todos ter que sentir

48 Sucesso Estúdio "m" promete revolucionar fotografia na cidade 49 Freguesia Qualidade de vida em S. Martinho do Bispo 50 Topo de Gama Conheça a nova versão do Opel Astra ecoFLEX

41

SOCIAL 52 Em casa de Cristina Paiva e Jorge Catalão Descubra o lar dos empresários

38 Académica na Taça

CULTURA

Os "estudantes" vão estrear-se na edição deste ano da Taça de Portugal, esta semana. O histórico Oriental, de Lisboa, é o primeiro adversário. O avançado da Académica Rui Miguel garante que a equipa está a encarar o jogo com seriedade e respeito.

72 Punk em Coimbra Exposição "We Love 77" relembra movimento iniciado nos anos 70

SOCIAL

ESPECIAL

56

CEC empossou novos dirigentes Os novos orgãos sociais do Clube de Empresários de Coimbra tomaram posse numa cerimónia que decorreu na Quinta das Lágrimas. António Henriques é o novo presidente da instituição.

OPINIÃO

Dia Mundial da Alimentação Mais de metade da população portuguesa vive com excesso de peso. O número comprova que os portugueses se afastaram das boas práticas alimentares, características da dieta mediterrânica.

30

10 Magalhães Cardoso

22 António Pedro Pita

74 Luís de Matos

Urbanismo de Coimbra

A Casa da Escrita

Steve Jobs

MAIS 64 MODA Daniel Casteleira apresenta a nova coleção de Egídio Alves 66 VIDA NOVA Diamantina Domingos ficou com um visual renovado 68 VIAJAR Cabo Verde: um país, 10 destinos

5


atual

ao microscópio

ESQUEMA

Assaltantes usam éter como se fosse perfume A "TÁTICA" TEM O ESTACIONAMENTO DOS CENTROS COMERCIAIS COMO CENÁRIO IDEAL. EXPERIMENTAR UM PERFUME É O MOTE...

MÁRIO NICOLAU

O PRIMEIRO caso ocorreu a norte. M. Soa-

res foi abordada no estacionamento do Gaia Shopping, por dois homens que lhe perguntaram qual o tipo de perfume que usava, convidando-a a experimentar uma marca sensacional, que a dupla vendia a um preço muito acessível. A mulher só não aceitou a proposta porque mão amiga enviou, por email, um aviso sobre "o golpe do perfume". Segundo o relato de M. Soares, os dois colocam-se entre os automóveis estacionados, mas nalgumas situações, a sul, há registo da intervenção de uma mulher que assume o comando das operações: convida as vítimas a experimentar o perfume e conta com o apoio dos dois homens na fase final do esquema, ou seja, no assalto. No dia em que foi confrontada pelos "amigos do alheio", M. Soares conseguiu escapar e avisou outras utilizadoras do estacionamento da zona comercial onde ocorreu a situação. O medo de represálias levou-a a

6

ESTACIONAMENTOS dos centros comerciais ou de parques públicos são o terreno escolhido para os ataques

não apresentar queixa, mas desde o dia em que foi atacada não tem parado com os avisos quer via email, quer nos contactos pessoais no dia-a-dia. No relato de M. Soares há vários factos curiosos: quando abordam as pessoas, os dois homens ou a mulher oferecem o perfume "OLER", que mais não é do que éter. A

Dois homens e uma mulher propõem o teste de um perfume que mais não é do que éter. Quando a vítima fica sem reação, os assaltantes aproveitam para uma "limpeza geral" substância é utilizada para descontrolar a vítima que, no momento da abordagem, estará nas imediações da viatura ou preparando-se para colocar as compras na bagageira. A abordagem é estrategicamente calculada, já que mal a vítima fica sem vontade própria,

Burlões também atacam na internet com "engenho e arte" A DIFICULDADE na investigação e na identificação dos responsáveis deve-se ao facto de que "a maior parte dos sítios onde aparecem as propostas de vendas se encontram domiciliados no estrangeiro". As vendas através de lojas virtuais têm tendência a aumentar, mas todo o cuidado é pouco. Assim, procure comprar em lojas virtuais conhecidas; digite sempre o endereço para o sítio respetivo; antes de comprar, informe-se sobre a garantia do produto, compare qualidade e preços; resista à pressão do vendedor que muitas vezes procura fragilidades demonstradas pelos clientes; propostas para uma transação particular, fugindo à comissão da empresa gestora do site, devem evitar-se.

13 OUTUBRO 2011


PJ aconselha CONTACTADO pela , o Gabinete de Relações Públicas da Polícia Judiciária informou não ter em mãos nenhuma queixa, mas recomenda que as vítimas, mesmo no caso de um ataque sem consequências, informem as autoridades.

como atuam?

1.

SELECCIONAM as vítimas, normalmente mulheres que se dirijem com compras para o carro

SUGEREM que cheire um perfume de marca Oler, que é apenas éter.

3.

2.

AS VÍTIMAS ficam atordoadas e sem reação

O CAMINHO fica livre para roubar carteiras e bagagens

4.

os assaltantes aproveitam para levar tudo o que puderem. As carteiras são um alvo, mas o interior das viaturas é o principal objetivo. Fonte do Gabinete de Relações Públicas da Polícia Judiciária (PJ) disse à desconhecer qualquer ocorrência deste tipo. NA SOLUM, em Coimbra, foi utilizado, pelo menos uma vez, um "esquema" que é diferente, mas que tem o mesmo objetivo: o roubo. Neste caso, um casal observou durante alguns dias o movimento num dos prédios desta zona habitacional da cidade do Mondego e escolheu um andar ocupado por um casal de idosos. No dia escolhido para o ataque, e aproveitando uma "hora morta", após o almoço, "o homem e a mulher, estrangeiros", introduziram-se no prédio e despejaram àgua junto à porta de acesso ao apartamento, com o objetivo de forçarem os moradores a deixarem-nos entrar. A "INUNDAÇÃO" foi detetada no interior da habitação, mas felizmente o casal de idosos não estava sozinho. Mesmo assim, os assaltantes ficaram a um curto passo de ter êxito, pois só a intervenção da empregada doméstica impediu o casal de idosos de abrir a porta.

A funcionária, alertada para a presença da água no hall, utilizou o óculo de vigilância para perceber o que se passava e detetou os dois desconhecidos. A água continuou a entrar, mas a empregada recusou abrir a porta e contactou um dos filhos do casal de idosos. Perante a recusa em abrir a porta, e percebendo que existia n o interior do apartamento uma terceira

Na Solum, os assaltantes já chegaram a simular uma inundação para forçarem a entrada no apartamento pessoa, os dois estrangeiros abandonaram o edíficio, gorando-se a tentativa de assalto. Como apurou a , a quantidade de água utilizada na tramóia é substancial, pelo que a utilização de um reservatório maleável (junto ao corpo) pelos assaltantes não é de descartar. Apesar dos avisos que circularam no prédio e no círculo de amigos do casal de idosos, a tentativa de assalto não chegou ao conhecimento das autoridades. O medo de represálias foi, mais uma vez, o motivo para o silêncio dos visados, mas fonte do Gabinete de Comunicação e Relações Públicas das PJ disse à que a atitude a tomar deverá ser bem diferente: o contacto com as autoridades é fundamental e o sigilo é sempre garantido.

7


ao microscópio

sete sóis, sete luas

OLIVEIRA DO HOSPITAL

Especialistas recordam Amato Lusitano

direito

direto

ESPECIALISTAS em áreas como

FILIPE VEIGA OLIVEIRA Advogado

O Estado Social O ESTADO social mais não é

(foi?) do que o desígnio de tornar o desenvolvimento económico, que surgiu sobretudo a par tir da segunda metade do século XX, numa ordem social mais justa. Portugal é um Estado de Direito Social, como o é a maioria dos estados europeus. No entanto, o que se verifica é que a descapitalização destes Estados está a pôr em causa a sustentabilidade da sua matriz social. Como poderão, por exemplo, continuar a subsidiar um sistema de segurança social ou a proteção da saúde através de um serviço nacional de saúde, quando não têm os meios suficientes para o fazer? Pela crescente compar ticipação dos cidadãos no financiamento de um sistema do qual cada vez beneficiam menos. A recente alteração das regras de aplicação das taxas moderadoras e o fim da isenção de algumas taxas moderadoras são exemplo deste caminho que levará a um retrocesso social sem precedentes para o qual o Estado de Direito parece não estar preparado. A atividade determinada e limitada pelo direito terá de ser reequacionada e redirecionada para a garantia do não retrocesso social, acautelando-se os direitos e deveres no qual assenta o Estado Social de Direito.

8

O médico e professor universitário é natural de Meruge

Agostinho Almeida Santos distinguido NO ÂMBITO das comemorações do feriado municipal de 7 de outubro,

a Câmara Municipal de Oliveira do Hospital distinguiu Agostinho Almeida Santos, o FC O. Hospital, a Rádio Boa Nova e o Queijo Serra da Estrela. Agostinho de Almeida Santos, natural de Meruge e que nunca perdeu o contacto com as suas origens, recebeu a medalha de ouro do munícipio. Nascido em 1940, Agostinho de Almeida Santos é ginecologista e professor universitário aposentado desde 2010. Foi administrador dos HUC, membro do Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida e, desde 2009, cônsul honorário de Cabo Verde para a região Centro.

a arqueologia, a medicina, a história e a arquitetura vão debater, domingo e segunda-feira, em Castelo Branco, a vida e obra de Amato Lusitano e os vestígios materias e imateriais do judaísmo, cripto-judaísmo e cristãos novos, nos séculos XVI e XVII. O Congresso "Amato Lusitano – A Memória e o Tempo" terá a presença do embaixador de Israel, da embaixatriz dos Estados Unidos, representantes das comunidades judaicas em Portugal e do presidente da Associação Portuguesa de Estudos Judaicos.

Jovens vencem crise no Fundão A FÁBRICA de concentrados de frutas Biofun, no Fundão, comprada há oito anos por estudantes universitários, está a contrariar a crise e deverá terminar 2011 com vendas acima das expetativas. O sucesso deve-se à exportação: 80 por cento da produção, certificada com os selos Portugal Kosher e da União Ortodoxa Internacional, é comprada por clientes em Inglaterra, Espanha, Alemanha, Áustria e Suécia.

MUSEUS

Visitas pagas aos domingos O SECRETÁRIO de Estado da

Cultura, Francisco José Viegas, decidiu acabar com a entrada gratuita nos museus ao domingo, admitindo reservar apenas um dia por mês para as visitas livres. Segundo o governante, as entradas pagas são "necessárias para conservar" os museus e permitir que estes obtenham mais receitas para financiar horários mais alargados de abertura ao público. A percentagem de entradas pagas nos museus é, atualmente, de 36%, quando o nível ideal seria de 80%.

Futuramente, só uma vez por mês haverá visitas grátis

13 OUTUBRO 2011

Paulinho no BTT "Trilhos da Raia" O CORREDOR português Sérgio Paulinho, da equipa internacional RadioShack e medalha de prata na prova de estrada dos Jogos Olímpicos de Atenas 2004, vai participar na sétima edição do BTT "Trilhos da Raia", no próximo domingo, 16 de outubro, em Idanha-a-Nova. Marco Chagas, vencedor de quatro Voltas a Portugal em bicicleta e Carlos Baltazar, da Barbot-Efapel, integram a organização da prova, de iniciativa da câmara municipal.


ASSOCIATIVISMO

Casa de Lafões há um século na Baixa de Lisboa

Instituição promove em Lisboa imagem dos concelhos de Oliveira de Frades, Vouzela e S. Pedro do Sul A CASA DE LAFÕES em Lisboa co-

memorou, no passado domingo, 100 anos de existência. O espaço, que inclui bar, internet e televisão, já não organiza os antigos bailes, que chegaram a dar em casamentos, mas continua a desenvolver atividades muito variadas. Alberto Sousa Figueiredo, presidente da direção, queixa-se da falta de apoios, sobretudo para levar anualmente Lafões a Lisboa - com folclore, bandas filarmónicas,

artesanato e gastronomia, que "esbarram com licenças e as burocracias todas". Para ser-se sócio da Casa de Lafões - situada na Rua da Madalena, em plena Baixa lisboeta - que agrega os concelhos de Oliveira de Frades, Vouzela e S. Pedro do Sul, tem de ser natural da região ou conhecê-la, ter ligação afetiva com alguém dali originário (através de casamento, por exemplo) ou então ser para tal convidado pela direção.

foto legenda

C120

A Causa Real assinalou, em Coimbra, a fundação da nacionalidade – o tratado de Zamora data de 5 de outubro de 1143. E transportou D. Duarte numa charrete. Só que o cavalo escorregou no fim da viagem, na Praça 8 de Maio, e a falta de tato do condutor impressionou quem assistiu à cena. Acontece.


ao microscópio

consultório de

urbanismo

MAGALHÃES CARDOSO * Coimbra tem uma situação equilibrada em termos de urbanismo? O CONCELHO de Coimbra possui níveis reconhecidos de qualidade das suas infraestruturas urbanas e de qualidade de vida, nas diversas dimensões, com destaque para a educação, para a cultura e para a saúde. São conhecidos diversos estudos técnicos e científicos que comprovam que se vive bem em Coimbra. Há, porém, um longo caminho a percorrer. Eu diria que é preciso tornar a cidade apetecível para os que podem vir para cá e para os que cá estão. Ao primeiro destes níveis, corresponde uma estratégia de marketing territorial que vá buscar investimento externo e o traga para o nosso hinterland, que o acolha e que lhe dê condições de sucesso. É o que se está a fazer com o Parque Tecnológico de Coimbra. O iParque combina, de facto, condições de acolhimento empresarial que considero excelentes. Quanto a uma dimensão mais virada para os habitantes, diria que teremos de afinar um urbanismo de escala humana, sempre a pensar nas pessoas.

São necessários novos parques industriais? A questão assenta numa falsa ideia sobre localização de atividades económicas no Município de Coimbra, que não se cinge a esses três espaços de promoção quase exclusivamente municipal.

sete sóis, sete luas

Coimbra assume-se como grande polo de conhecimento tecnológico, dispondo de uma das maiores concentrações, em termos nacionais, de ensino superior, centros tecnológicos, institutos de novas tecnologias, centros de transferência tecnológica e unidades de investigação e de incubação de empresas. Dispõe ainda de um conjunto de áreas vocacionadas para o acolhimento de atividades empresariais. O Parque de Taveiro insere-se numa mancha destinada a atividades económicas com cerca de 120 hectares. Podemos considerar que está consolidado, mas ainda muito há a fazer no sentido da sua qualificação. O Parque de Eiras localiza-se numa mancha com cerca de 260 hectares (que inclui a área do Plano de Pormenor da Estaco e Zona Envolvente). Corresponde a uma área com capacidade de acolhimento de novas empresas, mas cujo desenvolvimento estará, em minha opinião, condicionado pela concretização da nova Estação Ferroviária de Coimbra-C. O iParque tem uma área de 100 hectares e será para esta área que se encaminharão os investimentos mais estruturantes para o desenho de uma nova economia local. Será essencial para este projeto uma ligação muito forte à melhor incubadora mundial e ao projeto de instalação de uma aceleradora de empresas, ambas sob a égide do prestigiadíssimo Instituto Pedro Nunes. Ora, estas três zonas, já numa visão alargada, correspondem a cerca de 480 hectares. Mas Coimbra tem um total de 25 áreas de localização de atividades económicas, representando cerca de 1.270 hectares. Apostaremos em duas dessas áreas num futuro mais ou menos próximo: a Plataforma Logística Souselas/Pampilhosa e o Parque Empresarial de Coimbra/ Norte, ambos beneficiando das excelentes condições de acesso rodoviário, ferroviário e até portuário.

* Magalhães Cardoso é o diretor Municipal da Administração do Território na Câmara Municipal de Coimbra. Envie as suas questões para redacao@cnoticias.net, que serão respondidas neste espaço

10

OUTONO QUENTE

Calor atrai banhistas, mas já não há nadadores salvadores

Praias continuam

a fazer negócio

REFRIGERANTES, cafés e cerveja são dos produtos mais vendidos

nas bares e cafés de praia, que se têm visto obrigados a pedir a ajuda de familiares e amigos para dar vazão ao aumento de clientes arrastados pelo bom tempo. Os concessionários congratulam-se com o facto de não terem, nesta altura, de suportar o encargo dos nadadores salvadores, mas a Marinha já alertou os banhistas para a necessidade de cumprirem as regras de segurança nas praias, muitas delas agora sem vigilância devido ao fim da época balnear, mas ainda muito frequentadas devido à continuação do bom tempo. Nos últimos dias registaram-se alguns acidentes no mar diretamente associados ao não cumprimento das regras de segurança.

FIGUEIRÓ DOS VINHOS

Biblioteca na "elite mundial" A BIBLIOTECA Municipal de Figueiró dos Vinhos conquistou o certificado de associada da UNESCO, "uma distinção que enche o concelho de orgulho e o liga a uma elite mundial", congratulou-se o presidente da câmara, Rui Silva. Atualmente, são apenas seis em Portugal e cerca de 500 em todo o mundo, as bibliotecas que possuem este estatuto. A biblioteca Simões de Almeida é também uma das poucas que, desde 2010, integra no nosso país a biblioteca digital Europeana.

13 OUTUBRO 2011

Rui Silva releva ligação do concelho à UNESCO


Câmara de Mortágua mantém impostos baixos para apoiar as famílias MANGUALDE

CINEECO

300 mil visitantes na praia artificial de água salgada

Cinema ambiental até sábado em Seia

A PRAIA artificial de água salgada de Mangualde terminou a primeira época de funcionamento com cerca de 300 mil visitantes, o que a empresa promotora, a "Live is Well Events", considera um sucesso, apesar do verão chuvoso. Entre 15 de junho e 30 de setembro, ficou garantido um retorno de 35 por cento de investimento final, de dois milhões de euros, revelou a administração da empresa, sublinhando que os resultados poderiam ter sido ainda melhores se "o verão não tivesse sido claramente anormal", com quase quatro semanas de chuva nos meses de julho e agosto, "aqueles em que seria de esperar uma maior afluência", nomeadamente pela presença de milhares de emigrantes no país.

SETE realizadores portugueses e oito estrangeiros estão presentes na XVII edição do CineEco, a decorrer em Seia até sábado, para apresentar os seus filmes e responder a perguntas do público. No festival, co-financiado por fundos comunitários e tendo como tema central a sustentabilidade ambiental, estão a concurso 275 filmes (128 curtas e 147 longas metragens), dos quais 65 são portugueses e outros 81 têm origem lusófona. O júri da competição internacional, que atribuirá dois prémios monetários para longa metragem, no valor de 2.500 euros, e para curta metragem, no valor de 1.250 euros, é composto por A na Isabel Strindberg, que coordena a área de cinema do Centro Cultural Malaposta, Pedro Barbosa, biólogo, e José Vieira Mendes, jornalista, crítico de cinema e programador. Nesta edição, será atribuído pela primeira vez um Prémio do Público, no valor de 1.500

Festival é apoiado por fundos comunitários

euros, que será votado por todos os espetadores das sessões competitivas. Os realizadores por tug ueses presentes são Francisco Manso, Graça Castanheira, André Santos, Marco Leão, Pedro Peralta, Mário Gomes, Tiago Pereira e Irene Strijdhorst dos Santos.

Geopark Naturtejo distinguido pela Unesco

A COMISSÃO de Coordenação da Rede Europeia de Geoparques confirmou ao Geopark Naturtejo da Meseta Meridional, por mais quatro anos, o estatuto membro da Rede de Geoparques da UNESCO. O parecer, que distingue a importância internacional do seu património geológico e o empenho na sua conser vação, foi votado por unanimidade, na reunião do organismo, em Larvik, na Noruega. O Naturtejo estende-se pelos municípios de Castelo Branco, Idanha-a-Nova, Nisa, Oleiros, Proença-a-Nova e Vila Velha de Ródão.

CONTINENTE COM O CABAZ MAIS CARO O cabaz de compras escolhido pela para esta semana teve, no seu conjunto, o preço mais elevado no Continente. O Jumbo foi o mais barato, enquanto o Pingo Dioce e o Supercor tiveram o mesmo valor. Apenas 11 cêntimos fizeram, no entanto, a diferença.

Côa Parque procura parceiros privados A FUNDAÇÃO Côa Parque quer

PREÇOS/KG/L

PINGO DOCE CONTINENTE

JUMBO SUPERCOR

Banana Importada (1kg)

0,99 €

1,09 €

0,98 €

0,99 €

Leite Mimosa M/G (1L)

0,59 €

0,59 €

0,59 €

0,59 €

Nestum Mel Clássico (300g)

1,49 €

1,49 €

1,49 €

1,49 €

Manteiga Mimosa com sal (250g) 1,39 €

1,39€

1,39 €

1,39 €

Coca-cola (2L)

1,39 €

1,39 €

1,39 €

1,39€

TOTAL

5,85 €

5,95€

5,84 €

5,85€

estabelecer parcerias com os agentes turísticos a operar na região, tendo em vista o incremento de visitas ao parque. "A palavra de ordem é fazer muito, com pouco", garante o presidente da instituição, Fernando Real, para quem o orçamento ideal para dar início às atividades seria de 2,3 milhões de euros. O plano de atividades da fundação será aprovado em novembro pelo Conselho de Fundadores.

:(

mais caro

11


ao microscópio

sete sóis, sete luas

EX-LÍBRIS GASTRONÓMICO

médico

Perdiz de escabeche esgotada em Idanha A SELEÇÃO da perdiz de esca-

Mais razões para NÃO fumar NO TRABALHO final do 6.º ano para a atribuição do grau de mestre, no âmbito do ciclo de estudos de mestrado em Medicina, Cláudia Reininho conclui que o tabagismo é atualmente o principal fator de risco prevenível da Síndrome da Morte Súbita do Lactente (SMSL), principal causa de morte pós-neonatal. O risco de SMSL aumenta com o tabagismo ativo na gravidez e com a exposição do lactente ao fumo do tabaco. A casa é a principal fonte de exposição passiva das crianças, onde só um ambiente 100 por cento livre de fumo do tabaco fornece proteção máxima. A legislação em vigor em Portugal não protege eficazmente os não fumadores, sendo necessário impedir as grávidas e crianças da exposição passiva. O profissional de saúde tem um papel primordial na avaliação e prevenção dos hábitos tabágicos da grávida e dos pais, da exposição das crianças, no apoio à cessação tabágica e prevenção da recaída. A aplicação de cinco "A's" - Abordar, Aconselhar, Avaliar, Ajudar, Acompanhar - tem sido um instrumento eficaz nas intervenções psicossociais personalizadas. Pelos inúmeros efeitos negativos, fumar em casa, fumar perto de grávidas ou de crianças deve ser visto como antissocial e inaceitável. • CENTRO PEDIÁTRICO E JUVENIL DE COIMBRA (WWW.CPJCOIMBRA.COM)

12

Região Centro está a aumentar capaciadde exportadora

boa notícia

JOSÉ CARLOS PEIXOTO Pediatra

beche como um dos 21 pratos finalistas do concurso "7 Maravilhas da Gastronomia" portuguesa tem atraído muita gente a Idanha-a-Nova na expetativa de saborear aquela que é considerada uma das mais emblemáticas ofertas dos restaurantes locais. "Os estoques estão praticamente esgotados, a participação no concurso teve realmente um retorno fantástico, sobretudo no que respeita à vinda de turistas", reconhece Armindo Jacinto, vice-presidente da câmara. Este prato histórico do território raiano esteve, de resto, em grande destaque na mostra de produtos locais que o Geopark Naturtejo fez no Navio Escola Sagres, onde foram devidamente apreciados por cerca de quatro dezenas de convidados, em representação dos setores

do turismo e da hotelaria e restauração. Puderam então ser saboreados, além da perdiz de escabeche, ainda com procedência da Beira Interior, enchidos de Proença-a-Nova, queijo de Castelo Branco, requeijão da Beira Baixa e sobremesas confecionadas com aguardente de medronho de Oleiros. Para acompanhar a mostra gastronómica, a escolha recaiu nos vinhos de Ermelinda Freitas, que acaba de conquistar o primeiro prémio numa prova cega de mais de duas centenas de vinhos de todo o mundo realizada em França. A gastronomia, desde que genuína, poderá ajudar, segundo Armindo Jacinto, "não só à promoção externa dos produtos portugueses, mas igualmente ao próprio desenvolvimento da economia nacional, neste tempo de crise". | JMA

O SECRETÁRIO de Estado Adjunto da Economia e Desenvolvimento Regional, António Almeida Henriques, acredita que a região Centro pode melhorar o saldo positivo que já regista entre os volumes de exportações e de importações. "A capacidade exportadora desta região tem vin-

A COMISSÃO EUROPEIA decidiu agilizar a assistência financeira a Portugal, que assim vai dispor mais rapidamente dos fundos comunitários que lhe foram concedidos pela UE.

Quatro dezenas de convidados apreciaram o ex-líbris da Beira Baixa

do a aumentar" e a "diferença entre importações e exportações está a crescer", mas esta prestação ainda pode melhorar, se as empresas exportadoras "apostarem mais na incorporação de bens e produtos nacionais", garantiu o governante, no decurso da sua recente visita a Coimbra.

MEIO MILHAR de pessoas morreu em acidentes rodoviários entre janeiro e setembro deste ano. Lisboa foi o distrito com mais vítimas (61), seguindo-se Porto (53) e Leiria (41). 13 OUTUBRO 2011

má notícia

visita de


desde desde

€ 24.140**

INSIGNIA

ADMIRADO EM FRANÇA. IMITADO NA COREIA. FABRICADO NA ALEMANHA. O O melhor melhor automóvel automóvel que que já já construímos. construímos. Gama Gama Insignia Insignia desde desde €24.140, €24.140, na na troca troca do do seu seu carro carro antigo. antigo. www.opel.pt www.opel.pt

Consumo 115 -- 169 169 g/km. g/km. Consumo Combinado: Combinado: 4,3 4,3 -- 7,2 7,2 ll // 100 100 km, km, Emissões Emissões de de CO CO2:: 115

AUTO-INDUSTRIAL, SA (COIMBRA) Identificação de Identificação de Concessionário Concessionário Av. Fernão de Magalhães, 333

Morada 3000-176 Coimbra Morada crm.coimbra@auto-industrial.pt Contactos Contactos Tlf 239 003 050 Site Site

C213

2 * Preço promocional referente à versão Insignia 4p Edition 1.4 Turbo (140cv) calculado sobre o PRVP deduzido do valor da Campanha de Retoma Opel, em vigor para veículos com mais * Preço promocional referente à versão Insignia 4p Edition 1.4 Turbo (140cv) calculado sobre o PRVP deduzido do valor da Campanha de Retoma Opel, em vigor para veículos com mais de 13 anos. Não inclui despesas de preparação, averbamento e transporte. Campanha válida de 01.09.2011 a 31.12.2011 nos Distribuidores Opel aderentes. O equipamento apresentado de 13 anos. Não inclui despesas de preparação, averbamento e transporte. Campanha válida de 01.09.2011 a 31.12.2011 nos Distribuidores Opel aderentes. O equipamento apresentado na imagem pode não corresponder à versão anunciada. na imagem pode não corresponder à versão anunciada.


ao microscópio

via do leitor

cartas ENVIE A SUA OPINIÃO CARTA: Rua 25 de Abril, n.º 7 Taveiro 3406 - 962 Coimbra EMAIL : redacao@cnoticias.net

As cartas deverão ser datilografadas com morada e número de telefone. A reserva-se o direito de selecionar as partes que considera mais importantes. Os originais não solicitados não serão devolvidos

O estádio de Leiria vai ser vendido pela câmara. É realmente altura de acabar com os elefantes brancos do Euro 2004.

As eleições para a Federação Portuguesa de Futebol Não entendo nada do que está a passar-se. Inicialmente, Benfica e Sporting estavam contra a candidatura de Fernando Gomes, antigo dirigente do Porto, agora apoiam-no para a presidência da FPF. A ver vamos em que é que tudo isto vai parar! RAUL OLIVEIRA, Coimbra

O Orçamento de Estado Vem aí um novo Orçamento de Estado, o primeiro do governo da coligação PSD-CDS/PP. As grandes linhas já são conhecidas – cortes em todos os setores, a mando da troika. Mas não estaremos a cavar ainda mais fundo o poço da recessão? O desemprego é, ninguém o nega, o principal problema com que se confronta o país. Deveria merecer, por isso, tratamento cuidado no âmbito das futuras políticas económicas e sociais. Impor-se-ia a tomada de medidas que garantissem o crescimento económico, mas sem investimento público, nada feito, já que com o privado, sem "boa-vontade" da banca, não devemos contar. As exportações têm aumentado, é certo, mas

to em Lisboa torna essa necessidade ainda mais premente. Numa altura de crise, criar sinergias é imprescindível, designadamente num país pequeno e exaurido como o nosso. Compatibilizar o tráfego militar e o civil naquela base do distrito de Leiria acarretava uma enorme economia de meios. Mais: ao que tem sido divulgado, haverá várias companhias aéreas interessadas em assegurar fluxos para Fátima, no âmbito de um setor do turismo, o religioso, cada vez com mais clientes. Com as infraestruturas de que atualmente Monte Real dispõe, a requalificação nem seria assim tão dispendiosa. ALFREDO PALMA, Marinha Grande

O flagelo dos incêndios

JOAQUIM ALVES, Leiria

continuamos a importar exageradamente, quando podíamos produzir cá dentro muitos desses produtos que compramos lá fora. Há em Portugal cada vez mais bolsas de pobreza, as desigualdades acentuam-se, não se vislumbram melhorias no horizonte. JOSÉ MARQUES, Viseu

A abertura de Monte Real a voos da aviação civil Volta a falar-se na adaptação da base área de Monte Real ao tráfego civil. Depois do chamado Movimento de Coimbra ter andado por aí a pregar a importância de tal medida para o desenvolvimento da região Centro do país, argumenta agora a Região de Turismo do Oeste que o adiamento, por parte do Governo, da construção de um novo aeropor-

www.cnoticias.net | conteúdos multimédia

Não será inédita, mas a situação é, no mínimo, preocupante. Não tem havido dia sem notícia de incêndios, ainda por cima, muitos deles, de grandes dimensões. As temparaturas altíssimas que se têm registado nestes dias de outono, mais o vento forte que também se tem feito sentir, têm provocado chamas a que os bombeiros se têm oposto com enormes dificuldades. Os seis distritos da região Centro, Aveiro, Castelo Branco, Coimbra, Guarda, Leiria e Viseu, têm estado sistematicamente em alerta de risco máximo. O presidente da câmara de Castanheira de Pera revelou mesmo à comunicação social não ter havido no concelho, desde há 19 anos, um fogo como o de há dias. As chamas destruíram, então, uma viatura dos bombeiros. Pior ainda aconteceu em Moimenta da Beira, onde o fogo causou queimaduras em três bombeiros, um dos quais teve de ser evacuado para os HUC. MARTA REIS, Coimbra

www.facebook.com/Cnoticias

www.twitter.com/cnoticiasnet

inquérito Portugal pode vir a ser contagiado pela Grécia? Participe com a sua opinião em www.cnoticias.net

14

FIGUEIRA DA FOZ

CEIRA

COIMBRA

Santana quer regressar à câmara

"Madeira e Ferro" atraiu multidão

Aleitamento de mãe deve ser prioritário

13 OUTUBRO 2011


cartas

o XVI

texto elaborado pelo gabinete de ficção da revista

A Sua Santidade o Papa Bent

uma pessoa umas vezes, sabe portanto que sou alg os rám ont enc nos já , bem e Conhece-m a impressão de que , a quem nada acontece. Tenho até crente, humilde, que não polemiza olvência política. r, nas cerimónias de Estado, a env nunca teve fada apenas vim ao mundo para decora , em suma, daquelas pessoas que Sou s. ívei cred e – es ant ress inte is , portanto, a E, por contraste, torná-las ma cardeal – e patriarca. Incumbe-me a im, ass da ain i, gue Che s. eda mo mente isso que me leva a escrevermadrinha, com bastão e sacos de resses de Deus na Terra. E é precisa inte dos sa defe da l áve lien ina de ções dos seus braços-armaresponsabilida ndo, são devidas todas as lucubra Mu do to aten or etad esp o com e, -lhe. Ao Sumo Pontífic dos em todo o mundo. to tanto de queimar cigarros? inveterado fumador. E porque gos um e, sab bem ito mu de tida San sei – foram dois maços. Sou, como Sua as, a formular juízos. Ontem abu idei ter a sar, pen a -me dam aju , vi-me transportado até Porque, como diria Eça Já na cama, a modorra a chegar, ou. ent aum o, clar é ia, ênc ivid Envolvi-me no fumo – e a clar Miguel Ângelo, sonhei. ação de Adão", essa obra-prima de Cri "A de o aix deb ali, e – ina Sist à Capela uma medida impresnte, autorizar os padres a casar. Era lme fina o, idid dec a tinh re Pad dar só porque muda Sonhei que o Santíssimo a Apostólica Romana não deve mu ólic Cat eja Igr a que e, ent cam ogi confrontado com cindível. Argumenta-se, teol ra senão a do Evangelho. Só que, out ser erá pod ais jam gem nsa ariamente a sociedade, uma vez que a sua me uma Igreja cada vez mais sumptu de ra ado ific clar osta resp sem e tes . Deixá-los casar seria uma problemas novos e angústias crescen s, à falta de padres, é a debandada plo tem nos e, – e ai-s retr nte cre o confinada à sacristia, alguma noção real do inferno. - e, simultaneamente, de dar-lhes es açõ voc as r lica ltip mu de a form ninguém se lembrou, nem no rto o sacerdócio às mulheres. Nunca abe bém tam a tinh de tida San Também nunca nenhuma foi Sonhei que Sua mulher na Santíssima Trindade. a um car colo de , bas cum cata , em conformidade, que glorioso período das tão próxima de Jesus. Solicito-lhe pre sem , ena dal Ma ria Ma Nem a, em média, convidada para apostola. a ciência, mais uns oito anos de vid ndo segu s, aliá , tem lher mu A o. is tempo, como livraria as mulhepondere sobre o sacerdócio feminin antida de quadros por muito ma gar só não im ass va fica ja igre A . do que o homem s. nunca foram realmente muito boa res da maldição da cozinha, onde de. É um livro inas Amarelas. Felicito Sua Santida Pág s pela a uíd stit sub sido a tinh Sonhei, finalmente, que a Bíblia aos fiéis do que os velhos Testamenuntos atuais, que interessam mais ass de nas ape ta tra que ico, âm dade extraordinária – e que, ao moderno, din novos, o que denota uma criativi ns age son per zir odu intr a pre são dados a conhecer tos. O autor está sem em complicações novelescas, antes dos eda enr gem sur não s, lico bíb gerações. É isso, no contrário dos protagonistas facilmente entendível pelas novas to, tan por e, ria sób ta, cur ica, sativos cigarros, mais precisa. através de uma linguagem técn os tempos e na síntese dos meus pen bad tur con tes nes eja, Igr a que de fundo, aquilo Beijo-lhe o anel,

Olivais), 13 de outubro de 2011 Quinta do Cabeço (Seminário dos

15


ex(sic)tações

ao microscópio

se eu mandasse

frases desfeitas

Dava outra vez crédito ilimitado a Portugal e aos portugueses

toda a gente. E dizia aos "mercados" para darem outra vez crédito ilimitado a Portugal. Todos, outra vez, a trocar de plasma, de micro-ondas, a irem de férias para toda a parte e a vestir-se bem. SÓ para as mulheres: criava o cheque cirurgia plástica. Totalmente gratuito, ilimitado e intransmissível. Para usar sempre que fosse preciso. A beleza e a alegria das mulheres é a melhor coisa do mundo. PARA os homens implementava

o cheque Brasil. Também ilimitado e também gratuito mas transmissível entre os amigos. Um programa nacional masculino que incluiria viagens, estadias, fundo de maneio e uma guia local.

possível regressar à Figueira da Foz. PEDRO SANTANA LOPES, ex-presidente da câmara Para cavar outro "buraco", à Alberto João Jardim?

JÁ NÃO HÁ HOMENS PROVIDENCIAIS JOÃO CAETANO, presidente do Centro Académico de Democracia Cristã (CADC) Boa, professor. Acaba de descobrir, embora muito provavelmente sem o saber, a cura para a normalidade.

HAJA UM DEUS QUE NOS GOVERNE JOÃO EVANGELISTA, pároco da Sé Velha Até hoje, ninguém o comparou, monsenhor, a Jesus Cristo. Mas ainda chega lá!

E o que será que escorre dos telefones dos outros ministros?

D. DUARTE PIO, pretendente ao trono de Portugal

É PRECISO FAZER NASCER MAIS CRIANÇAS AGOSTINHO ALMEIDA SANTOS, médico ginecologista e professor jubilado da Universidade de Coimbra Joga xadrez? Foi inventado, precisamente, para fazer e dar ao mundo "maternidades" de meninos prodígios...

16

FRANCISCO QUEIRÓS, vereador da câmara de Coimbra

Temos de inspirar-nos nos grandes nomes da nossa história, como D. Afonso Henriques, ou D. João IV, e ser capazes de mobilizar todo o povo. À espadeirada?

José Diogo, CEO Agenda Setting

O TELEFONE DO MINISTRO MIGUEL RELVAS ESCORRE SANGUE

DAVA outra vez crédito ilimitado a

Gostava que um dia fosse

PAGAVA as dívidas de todos os portugueses e de todas as portuguesas. Todas sem exceção. Dívidas particulares, dívidas das empresas, dívidas familiares, também pagava a dívida toda da República. A seguir ligava à senhora Merkl e pagava a dívida da Europa.

A INDEPENDÊNCIA E A IDENTIDADE DE PORTUGAL PODEM ESTAR AMEAÇADAS ANTÓNIO ARNAUT, advogado e antigo ministro dos Assuntos Sociais Touché! O senhor ainda é realmente do tempo em que Portugal era... português.

13 OUTUBRO 2011


retrato falado

elevador do mercado

figura da semana

Linhares Furtado

O pioneiro dos transplantes em Portugal vai receber o Prémio Nacional de Saúde

O MÉDICO, responsável pelo primeiro transplante em Portugal, foi galardoado com o Prémio Nacional de Saúde 2011, atribuido pela Direção-Geral da Saúde (DGS). O PRÉMIO consagra a "notabilíssima e duradoura contribuição para ganhos indiscutíveis de saúde" e "o elevado prestígio internacional das instituições de saúde às quais prestou relevantes serviços".

PINA PRATA abriu em Coim-

bra um FabLab, laboratório com tecnologia de ponta. Não há desculpa para novas ideias não se concretizarem.

ALEXANDRE Linhares Furtado, 78 anos, natural dos Açores, licenciou-se na Faculdade de Medicina de Coimbra com média de 19 valores e doutorou-se pela mesma instituição. EM JUNHO de 1969 realizou no país a primeira

transplantação renal, com colheita dos rins feita em dador vivo. Em 1980 efetuou a primeira colheita e transplantação de rins de um cadáver.

CELESTE AMARO está de regresso à Direção Regional de Cultura do Centro, que já liderou de 2002 a 2005. Situação de crise não lhe é estranha.

debate

Enquanto estivermos no Euro não me parecem existir razões para haver receio. A situação poderá alterar-se num cenário de saída do Euro. Mas é uma hipótese muito pouco provável.

a subir

Sim. Não é muito, mas foi ganho com muito trabalho. Há que tomar uma posição de força em relação a uma troika apoiada por um (des)governo que interessa a todos menos aos portugueses.

CARLOS CABRAL tem garantido uma programação cultural diversificada ao Cine-Teatro Messias, comprado há 10 anos pela câmara.

ÁLVARO SANTOS PEREIRA

teve uma atuação desastrada no Parlamento. A contestação aumenta à sua volta, havendo já quem diga que não temos ministro da Economia.

MÁRIO CASTRO Presidente da Secção de Basquetebol da Académica

a descer

Receia perder o dinheiro que tem no banco?

MIGUEL BAPTISTA Vereador da Câmara Municipal de Miranda do Corvo

17


ao microscópio

Procurava sucata encontrou tesouro HÁ DIAS de sorte, dizem os

cauteleiros. Rosen Todorov viveu um desses dias. O búlgaro, de 42 anos, desempregado, procurava metais velhos e sucata perto da cidade de Svishtov, nas margens do rio Danúbio, e acabou por encontrar um tesouro de ouro e bronze com mais de quatro mil anos, avaliado em um milhão e meio de euros. O homem entregou os 20 objetos ao museu de história da região, mas só depois de o tentar vender a um grupo organizado de tráfico ilegal de antiguidades. Ainda assim, livrou-se de ser acusado de roubo.

Pais intimam filho a sair de casa EM VENEZA, Itália, os pais de

um homem de 41 anos intimaram o filho a sair de casa, porque o "matulão", que tem um emprego fixo e ganha bem, nega-se a ir viver sozinho e pretende que a mãe lhe lave a roupa, a passe a ferro e cozinhe para ele. "Não conseguimos continuar assim", exclamou o pai. "A minha mulher está muito stressada com esta situação. Já é hora de o rapaz fazer a sua vida". O advogado da família assegura que o homem tem um trabalho estável e bom salário, que lhe permite sustentar-se e viver bem. Por esse motivo, deram-lhe um prazo de dez dias para arranjar

acredite se quiser

um alojamento e mudar-se. Caso contrário, continuarão com o processo e procederão a uma ação de despejo.

Mal-humorados raciocinam melhor DIZEM QUE rir faz bem, mas, pelos vistos, o mau humor também tem os seus benefícios. Investigadores australianos concluíram que uma pessoa mal-humorada raciocina melhor. Em comparação com os tipos irritantes e alegres, os mal-humorados são mais atentos e menos influenciáveis e especialmente cuidadosos na hora de tomar decisões, explicou Joe Forgas, líder do estudo feito na universidade de New South Wales.

Tentou estacionar carro... no rio

UM CONDUTOR de 42 anos, embriagado, tentou estacionar o carro num rio, depois de ter confundido uma rampa que ia dar a Ruess, na Suíça, com um parque de estacionamento subterrâneo. O nevoeiro pode ter contribuído para a confusão do

Heidi Klum atrai vírus informáticos A MODELO e apresentadora Heidi Klum é a celebridade mais perigosa do ciberespaço, infetando milhares de computadores com vírus e spams. Cameron Diaz foi a personalidade mais perigosa da lista de 2010 e ficou em segundo lugar este ano. 18

homem, mas o álcool deve ter ajudado mais. De tal forma que, no dia seguinte, quando regressou para retirar o veículo, ainda estava alcoolizado. De tal forma que acabou mesmo por ser detido.

Apanhados a fazer sexo no meio da claque NO RELVADO, o Bayer n de Munique jogava com o Hoffenheim mas o jogo parecia não estar a ser suf icientemente interessante para um casal, que decidiu dedicar-se a outra

HEIDI KLUM parece inspirar mais os hackers do que Cameron Diaz (em baixo)

"modalidade". À passagem do quarto de hora, homem e mulher baixaram as calças e começaram a fazer sexo no meio da claque do Bayern. Os "ultras" bávaros estavam concentrados na partida e nem ligaram muito ao sucedido, mas os seguranças do estádio (do Hoffenheim) não acharam muita piada e repreenderam o casal. Mas a excitação era tanta que, no intervalo, voltaram a repetir a façanha. Foram expulsos do recinto e tiveram sorte de não terem sido acusados de atentado ao pudor.


lente de contacto À SOMBRA DA MAÇONARIA

O D. QUIXOTE DE SOUSELAS

A inauguração do busto de Aguiar de Carvalho, Ainda há em Coimbra, felizmente, quem lute peantigo presidente da Câmara da Figueira da Foz, los seus ideais. Simplesmente, a cidade continua decorreu sob sol tórrido. a ser, como sempre Havia, entre os assistenfoi, madrasta para tes, quem transpirasse em os idealistas. UltiAquecimento global bica - como aquele antigo mamente, num dia, autarca de Coimbra, que deixou o advogado Coimbra é uma cidade no regresso a casa teve anti-resíduos a falar de hábitos. Che mesmo de comprar uma sozinho na Pr aça gado o verão, camisa... Mas há sempre da Repúblina . No morre. E, se for uma exceção: outro anoutro, a colar um alguém imtigo e mediático autarca cartaz na baixa para p o r t a n te n a manteve-se sempre "frio". o fotógrafo que lá cidade, vulgo Diziam uns: está curtido foi acompanhar o VIP, parte em por oito anos deste migrande acontecidireção ao croclima. Garantiam oumento.Não admidoce vento da tros: não estão a vê-lo ali ra que já lhe chaFigueira. Finda à sombra... da maçonaria? mem o D. Quixoa época estival, No dia seguinte, o mate de Souselas! regressa-se a caçon é que não gostou sa. Mas, este ano, a lá muito da "colagem", CAVALINHO Natureza não está de modas e decibem ilustrada nos jordiu prolongar o verão até outubro. SOFRE nais. Assim, os senhores doutores estão Desde muito cedo confusos. Voltamos para a cidade - as aulas até já começaram - ou continuque a nobreza esVISITAS GUIADAS amos na praia? A resposta não é fácil. colheu animais paAO WC REAL No entanto, no meio é que está a virra surgirem no seu tude. Volta-se para a cidade sim, mas Um conhecido restauranbrasão. Leão pela ainda em modo praia. te da Baixa de Coimbra cor agem, mocho inaugurou, recentemente, pela inteligência , novas casas de banho. Em cão pela lealdade. cima e em baixo. O proprietário, que tanto soO que um pobre cavalo não contava era, no 5 nhou com esta prenda para os seus clientes, ande Outubro, ser a personificação da monarquia. da eufórico. Não há praticamente senhora que Caiu e, por muito que o puxassem, não se levanlá vá almoçar (ou jantar...) que não seja convidatou por nada. Assustou-se com o herdeiro da para uma visita guiada ao WC, realmente, digda coroa portuguesa ou terá sido do sol no de reis. E ainda nenhuma se queixou... abrasador?

praça de

táxis Coimbra é uma cidade violenta ou o tiroteio da semana passada foi uma exceção? ANTÓNIO REIS

Eu acredito que o tiroteio que houve junto ao Estádio Universitário foi uma coisa pontual. Coimbra não é uma cidade violenta, continua até a ser muito calma em relação a outras cidades de média ou grande dimensão.

PAULO TEMUDO

As pessoas não devem ficar alarmadas com o que aconteceu na semana passada, porque aquele tiroteio foi um acontecimento que não é habitual para estes lados. Coimbra é, normalmente, uma cidade pacata, sem grandes perigos.

espelho meu

19


ao microscópio

vidas

DSDSDASDSDSADSA

Há décadas a vestir "notáveis" de Coimbra

SÍLVIA DIOGO

NASCEU EM PORTIMÃO e foi,

desde sempre, um apaixonado pelo setor do comércio. Terminou os estudos cedo: concluído o antigo terceiro ano, optou pelo caminho da moda. "O meu percurso profissional foi sempre ligado a esta área", afirmou à . Não sabe se é, ou não, uma paixão "genética", mas a verdade é que a moda é um amor de família. "Cresci com conversas sobre moda e negócios", recorda. Começou por ser empregado de escritório. Mais tarde, como todo o "bom homem" do seu tempo, foi para a tropa. Conheceu muitos locais fora de Portugal e teve muitas relações com a Europa. "Foi no estrangeiro que aprendi muito do que sei sobre moda. Tenho aqui fotografias que recordam esses momentos", revela à . REGRESSADO A PORTUGAL ,

começou a trabalhar, tinha en-

20

tão 32 anos, na Loja das Meias, na Baixa de Coimbra. "Tive uma forte ligação com o antigo proprietário da casa. Também se chamava Carvalho", relembra. Em Coimbra, pôs em prática as experiências que adquiriu na Europa. Aprecia a moda no seu todo, mas admite que aquilo de que mais gosta na sua profissão são as relações públicas, que se cria todos os dias com os clientes. "Tive a oportunidade de assistir à apresentação de

coleções de Christian Dior, em Paris. Em Londres, também assisti a várias passagens de modelos. Vivi esses momentos com muito entusiasmo. Na altura, Lisboa e Porto eram as cidades da moda", recorda. CÂNDIDO CARVALHO guar-

da histórias que gosta de partilhar, principalmente as que estão ligadas à loja e aos estudantes. Uma delas respeita a um rapaz, seu conhecido, da zona

Tive a oportunidade de assistir à apresentação de coleções de Christian Dior em Paris.

da Bairrada, que tinha por hábito visitá-lo, sempre com muita simpatia. Chamava-se Jorge da Quinta. "Um dia, ele precisou de comprar uma camisa, mas não tinha dinheiro. Ainda assim, vendi-lha, pensando que nunca me pagaria a dívida. Até que um dia, passados muitos anos, lá me aparece na loja, perguntando-me se eu me lembrava dele. Só depois vi que era o Jorge da Quinta, que me vinha pagar a dívida. Claro que não deixei que ele pagasse nada. Pagou-me só um fino na Brasileira", afirma. Outra história que recorda envolve um jovem vindo da guerra e hoje é advogado na Guarda. "Um dia comprou-me camisas, calças e gabardines e sobretudos, na época do verão. Com tanto calor, quis despachar-se e comprar a roupa toda para o inverno. Achei muita piada a essa situação", afirmou. Atualmente, é o filho de Cândido Carvalho que toma conta da loja. "Ao início ajudei-o muito. Hoje, está tudo entregue a ele", conclui.

C193

CÂNDIDO CARVALHO FAZ PARTE DA "MOLDURA" DA BAIXA DE COIMBRA. DESDE OS 32 ANOS QUE VENDE PEÇAS DE ROUPA DE MARCA A QUEM PASSA PELA LOJA DAS MEIAS


Não troca o que faz por nada deste mundo. O seu maior orgulho é manter, com a imagem de marca de sempre, a Casa das Meias, que ao longo dos anos conquistou um espaço muito especial na preferência, sobretudo, dos "notáveis" de Coimbra. Na Baixa da cidade, Cândido Carvalho tornou-se uma referência.

C193

PUB

FOTOS PEDRO RAMOS

Comerciante é uma profissão de eleição


opinião

A Casa da Escrita ANTÓNIO PEDRO PITA

UM TEXTO de Fernando Namora refere o lugar da escrita como "o casulo". Tem que se lhe diga, isto, do "lugar da escrita". Não podemos confundir o lugar onde se escreve com o espaço que a escrita instaura – porque a escrita instaura um espaço. Há universos literários mais respiráveis do que outros. Há-os soturnos, melancólicos, luminosos. O casulo, porém, tanto pode designar o lugar onde o escritor escreve como o lugar que a escrita segrega. O espaço onde o escritor se "isola" para escrever e o espaço próprio, singular, a que a escrita dá forma.

É UM ESPAÇO DE METAMORFOSE ONDE NOS DESLOCAMOS PARA A LUZ POSSÍVEL DE NÓS MESMOS.

TODOS conhecemos fotografias de escritores nos seus casulos. E o povoamento dos casulos, outras tantas marcas do habitante: as canetas (José Régio, diz-se, só escrita com tinta permanente e quando, em desespero de causa, para enviar uma carta mais urgente, era obrigado à esferográfica, pedia desculpa), os cachimbos (antes de querermos morrer todos saudáveis, quando se fumava na televisão, David Mourão-Ferreira abria as suas Imagens da Poesia Europeia puxando uma longa, prazeirosa cachimbada), livros, jornais, revistas, só papel (Eduardo Lourenço à mesa de trabalho na sua casa de Vence, Afonso Lopes Vieira na biblioteca de São Pedro de Moel: os livros entre a invasão e o rigor), a pintura (Eugénio de Andrade fotografado no seu apartamento da portuense Duque de Palmela ou na bela casa da Foz e por trás, mas projetando-se para

nós com toda a intensidade do deslumbramento, a luz da melhor pintura portuguesa). COMEÇAMOS a perceber: o espaço do escritor e o espaço da escrita são limitados por fora mas ilimitam-se a partir de dentro – nessa estranha profundidade de que um leitor de Simenon já fez a experiência quando, em duas frases, conhece o desespero de um homem acossado, um mundo de muitos mundos, ou o perfume em estrela de uma manhã parisiense, limiar de todo o encantamento do mundo. A CASA que foi de João José Cochofel, em Coimbra é singular: do ponto de vista da arquitetura, claro; por ter entrado na ficção, no romance de Namora, Fogo na Noite Escura. Sobretudo pelas razões que a levaram à ficção: foi o lugar onde toda uma geração (Namora, Carlos de Oliveira, Cochofel, Arquimedes, Joaquim Namorado: os que tinham vinte anos na II Guerra Mundial) ganhou consciência de si como futuro e modelou o futuro que quis ser pelo máximo de otimismo então possível. Foi o lugar dessa invenção de si por uma das gerações que mais frontalmente combateu, no fascismo, o poder do negativo, um casulo discreto onde o sol brilhou para dentro mas era como se todo o país se inundasse da sua própria liberdade. Muitos anos depois, o filósofo Jacques Derrida integra Coimbra na rede das cidades refúgio: um lugar para os escritores que não têm lugar. A Casa de Cochofel reencontra-se: ela é de quando ainda não havia Parlamento de escritores nem rede de cidades-refúgio mas já havia escritores, artistas, homens sem papéis e sem lugar. POR VIRTUDE do inventivo programa desenhado por José Carlos Seabra Pereira, curador discreto e ímpar, a Casa de Cochofel tornou-se hoje Casa da Escrita: um espaço de metamorfose onde nos deslocamos para a luz possível de nós mesmos.

| António Pedro Pita é professor universitário e assina regularmente este espaço de opinião |


o que é feito de si?

MÁRIO MENDES APÓS 24 ANOS NA ARBITRAGEM, O INSTRUTOR TÉCNICO MÁRIO MENDES DIVIDE O TEMPO ENTRE A EMPRESA DE HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO E OS TREINOS NO LUSO. HÁ MUITAS HISTÓRIAS PARA CONTAR...

Qual foi o jogo que mais o marcou? O primeiro jogo que dirigi continua gravado na memória. Foi um S. Caetano-Santa Clara, no Campo da Arregaça, num dia chuvoso. Foi um jogo do outro mundo, pois os auxiliares eram dois curiosos da arbitragem e o ambiente era de cortar à faca. Estava muito nervoso e na altura de lançar a moeda, ainda fiquei pior, pois a moeda caiu na vertical e ficou presa na lama. Não sabia o que fazer e um dos auxiliares disse-me: "anda, faz o lançamento outra vez...". E nos jogos grandes? Um Boavista-FC Porto que terminou com 3-4 e que foi uma guerra terrível. Os adeptos do FC Porto escavacaram as instalações sanitárias todas e, depois, atiraram para o relvado os tubos da canalização. Mais tarde, os presidentes do FC Porto e do Boavista pediram à comissão de arbitragem que dirigisse um FC Porto-Boavista. Correu bem, sem casos e ficou-me na memória porque foi um jogo de eleição.

Existem árbitros bons e árbitros maus? Hoje em dia, as condições são melhores. Os árbitros recebem apoio psicológico, treinam regularmente, estudam as leis do jogo, mas não há dúvida que o melhor árbitro é aquele que consegue criar mecanismos para conviver com o erro e que, acima de tudo, erra menos. Por vezes, quando observamos as imagens na televisão dizemos prontamente: "não era eu que estava ali..." sem nos lembrarmos que as imagens resultam de quatro câmeras ou mais e que a perspetiva do árbitro é só uma. Procuro transmitir esta experiência aos mais novos e digo-lhes: "vocês não conseguem ver tudo". O que é que sentia quando o seu desempenho era dado

como desculpa para o insucesso desportivo? Tenho um exemplo claro e que foi público: num Moreirense-Sporting, no final do jogo, tive a perceção que não assinalei uma grande-penalidade a favor do Moreirense. Naquela altura não tínhamos auriculares e quando olhei para o meu auxiliar percebi que tinha falhado. O presidente do Moreirense interpelou-me no balneário e eu pedi-lhe para ele não me dizer mais nada, pois tinha quase a certeza do erro. Pedi-lhe desculpa e ele continua a telefonar-me no dia dos meus anos. Ganhei um amigo. As funções de instrutor técnico no Centro de Treino de Aveiro/Coimbra atenuam as saudades do ativo? Não tenho saudades, pois estou

convicto das minhas capacidades físicas. Arbitrar, para mim, é passado, mas estas funções per mitem - me efetiv amente manter a ligação a um capítulo muito importante da minha vida. Tenho de agradecer ao Vítor Pereira, presidente da Comissão de Arbitragem da Liga, por se ter lembrado de mim. Este trabalho dura há seis anos. Concorda com a profissionalização dos árbitros? Esse pa sso representa mais tempo para a formação e para o treino, pelo que a arbitragem e o futebol em particular só têm a ganhar, pois permitirá errar menos. | MN

Num Moreirense-Sporting não assinalei uma grande-penalidade e após o final do jogo pedi desculpa ao presidente do Moreirense. Ganhei um amigo

mini currículo 1984 1986 1994 1995

Conclui o curso de árbitro Início da carreira na arbitragem Primeira época na 1.ª divisão Desce à 2.ª categoria

1996 Sobe à 1.ª categoria onde se

mantém até ao final da carreira 2005 Integra o grupo de instrutores da Comissão de Arbitragem da Liga

PEDRO RAMOS

Quando é que começou a carreira na arbitragem? Tirei o curso em 1984, ainda joguei durante dois anos, em Febres, e, depois, iniciei a carreira na arbitragem em 1986. Fui fiscal-de-linha do José Guímaro e mantive-me durante dois anos, tendo deixado a equipa quando ele subiu à 1.ª divisão. Cumpri a primeira temporada na 1.ª divisão em 94/95, a seguir desci de divisão e regressei à primeira categoria na temporada 96/97. Só deixei a primeira categoria no final da carreira.

23


reportagem

sociedade

ESTILOS

Regressaram as noites loucas à Alta de Coimbra UMA OU DUAS NOITES DE OLHOS BEM ABERTOS DEMONSTRARAM QUE A ALTA ESTÁ BEM E RECOMENDA-SE. SÃO NOITES SEMPRE A BULIR...

C

om a chegada da noite, a Sé velha ganha um estilo de vida alternativo; descendo ou subindo as ruas íngremes que dão acesso ao coração da Alta, o som da música e da animação é estimulante. As ruelas históricas são ocupadas por gente, muita gente, atraída pelo charme único da noite na Sé velha.

Os bares são uma mais valia para a Sé Velha, que não tinha gente "e atraía muitas coisas más". Hoje já não é assim... O Bigorna bar é um das referências. Possui um ambiente que celebra a liberdade, o multiculturalismo e a integração das pessoas. Ir tomar um copo ao Bigorna pode ser uma experiência diferente da padronização da maioria das casas reconhecidas de coimbra. Apostando na cultura rock alternativa, o bar não tem consumo minímo e, segundo Jorge Machado(Dj Ritz), um dos Dj´s da casa há três anos, existem várias razões que aproximam as pessoas da Sé velha. "Procuram o Bigorna como uma alternativa no início da noite, ou até mesmo para fugirem um pouco daquela padronização de outros bares, que impõem regras, como por exemplo a maneira de se vestir das pessoas. Aqui

24

celebramos a liberdade em todos os sentidos, e existe muito respeito entre todos, podemos perceber isso pela diversidade que vemos aqui", conta. Outro motivo, acrescenta, "é que o Bigorna é uma das poucas casas de Coimbra que trabalha com a cultura rock; hoje temos o NL(Noites longas), que também trabalha na mesma filosofia e o States, que tem um ambiente maravilhoso, mas infelizmente as pessoas não vão lá muito". O espaço reduzido não é problema para quem já aderiu a filosofia underground do Bigorna, que tem packs de bebidas atrativos para quem procura uma noite mais em conta e um Dj que aposta em músicas rebeldes e cheias de energia. OS FREQUENTADORES não se importam

com o espaço reduzido e alguns até descobrem vantagens. Filipe Almeida, estudante, frequenta os bares da Sé Velha duas vezes por semana. "Existem coisas que só acontecem no Bigorna, não vejo problemas com o espaço, aliás, aumenta o contacto entre as pessoas. Já conheci muitas pessoas aqui e fiz grandes amizades, que duram até hoje e, na realidade, o Bigorna é mais do que um bar, é um estado de espírito". Mais novo que o Bigorna, com três anos de existência, o Cabido bar começa a ganhar estatuto junto dos estudantes. É possível tomar um simples café com os amigos, ou nas noites

mais efervescentes, dançar ao som de música tradicional - e não só... MAS NEM tudo parece ser motivo de festeja.

Existe um diferendo entre os moradores da Sé Velha e os donos dos bares devido ao ruído. "Não entendo a reclamação de algumas pessoas, pois os bares são uma mais valia para a Sé Velha, que estava vazia, tinha problemas de drogas e de roubos, ou seja, não havia movimento e atraia coisas más", explica Rodrigo Silveirinha, gerente do Cabido. Entretanto, acrescenta, "continuamos a trabalhar dinamizando a zona, as pessoas ficam encantadas e felicitam-nos pelo nosso trabalho. É isso que vale a pena", sublinha Rodrigo Silveirinha. Ao virar da esquina e com quase quatro décadas de existência, o Moelas bar acumula histórias, tendo sido no passado uma república de estudantes. A crise e o medo de perder o emprego foram os motivos que levaram Américo de Sousa Machado, 63 anos, a investir no bar. "Cheguei aqui em outubro de 1974, numa altura que existiam muitas confusões e as

13 OUTUBRO 2011


NALGUNS casos, a fama das noites na Alta passa de pais para filhos e a visita aos bares da Sé Velha é um capítulo obrigatório para quem chega a Coimbra

empresas encerravam; senti o posto de trabalho em risco e resolvi arriscar". A aposta valeu a pena, já que o Moelas bar é ponto de encontro para muitos estudantes. SEGUNDO Américo de Sousa Machado, a casa "trabalha com lotação máxima" vários dias por semana. As pessoas procuram diversão e principalmente o petisco que deu nome ao estabelecimento, as moelas. É possível perceber a fama do petisco, que passou, entre os clientes, de pais para filhos... Luís Soares, caloiro do curso de engenharia informática e natural de Vila Real, frequenta o Moelas há pouco tempo, mas o pai, nos tempos de estudante, "vinha sempre ao Moelas e conta-me com nostalgia as noites que aqui passou com os amigos". Quando chegou a Coimbra, Luís Soares procurou de imediato o Moelas e confirmou o relato do pai. "É um bar muito acolhedor”, garante. A NOITE na Alta é mágica para muitos. Apesar da proximidade dos bares, é possível descontrair após um dia de trabalho.

Os estudantes dominam na clientela, mas turistas e os chamados futricas também ajudam à festa. O Quebra e o Piano Negro estão no topo das preferências da maioria dos clientes que preferem a tranquilidade e a música ao vivo, ainda que, ao fim-de-semana, aceitem o repto dos Dj´s. Neste momento, considera Diogo Silvei-

rinha, a Sé Velha "vive um momento feliz” e pretende manter o estado de graça "por muitos e bons anos". Quer os donos dos bares, quer os frequentadores querem que a Sé Velha seja um "local inesquecível" tanto para os habitantes de Coimbra, como para os turistas. "Tem um encanto especial”, garante João Oliveira, que se apaixonou por Coimbra há 15 anos.

25


sociedade

escutismo

MÁRIO NICOLAU

O "CAMPISMO" foi o tema do primeiro dia, preenchido com a cerimónia de abertura, seguindo-se a montagem do campo. BP dizia: "há quem fale na rudeza do acampamento. Sim, o 'pata-tenra' pode achá-lo rude e incómodo. Mas para um velho explorador não tem rudeza nenhuma, porque sabe olhar por si e conseguir comodidades". Nas várias secções – Lobitos, Exploradores, Pioneiros e Caminheiros –todos demonstraram as suas habilidades na construção de mesas e bancos, pórticos e na decoração dos seus campos, utilizando para o efeito apenas troncos, sisal, formão e maço. Dedicado ao "seguimento de pistas", o segundo dia foi orientado por um outro conselho do fundador: "uma das coisas mais importantes que um escuteiro tem de aprender, (…) é que nada escape à sua atenção". Assim, após a conclusão das construções, os escuteiros partiram para um jogo de vila, seguindo as pistas que lhes foram deixadas. No final ganhou a patrulha que conseguiu ser mais atenta, interpretar os pormenores durante o percurso e utilizar conhecimentos de orientação. Com o capítulo "história natural" como mote, os escuteiros do 309 Ceira realizaram, no terceiro dia do acampamento na Serra da Estrela, vários jogos e visitas a locais históricos. Estiveram atentos a aspetos de evolução da natureza e do homem em interação com a mesma. Os mais velhos participaram num raid (caminhada), apreciando a fauna e a flora, aprendendo a identificar pegadas de animais e caçar o jantar, pernoitando em abrigos im-

26

DR

O 309 de Ceira reviveu os primórdios do escutismo, inspirado no Manual "Scouting for Boys" criado pelo fundador, Robert Baden-Powell (BP) para transmitir a essência do movimento. Cada um dos dias foi vivido de acordo com um dos temas do livro e em que não faltaram atividades preparadas pelos chefes. Antes do recolher, os escuteiros partilharam os melhores momentos do dia que terminava.

ESCUTEIROS DO 309 CEIRA

Descobrir na Serra da Estrela a essência de Baden-Powell O GRUPO FOI ACOLHIDO EM VILA COVA À COELHEIRA, JUNTO A SÃO ROMÃO ( SEIA). FORAM DIAS INTENSOS NAS MARGENS DO RIO ALVA

"O escutismo é um belo jogo se o praticardes com vontade" "COMO acontece nos outros jogos, verificamos que, praticando-os, fortalecemos o corpo, o cérebro e o espírito. Mas lembrai-vos de que é um jogo para o ar livre, por isso todas as vezes que puderes, saí para o campo e boa sorte e boa caça", escreve Robert Baden-Powell no livro Scouting for Boys.

O acampamento do agrupamento de escuteiros de Ceira na Serra da Estrela confirmou este e outros mandamentos de Baden-Powell. A liderança, o serviço ao outro, a bondade, a generosidade, o agradecimento, a honestidade, a humildade, a lealdade contrariam "os mandamentos" de um tempo marcado pela globalização e pelo individualismo. A construção de uma sociedade solidária é objetivo que transcede o movimento lançado por Robert Baden-Powell, ainda que neste momento, à falta de outras referências, BP seja o "farol" que ilumina as novas gerações.

13 OUTUBRO 13 OUTUBRO 2011 2011


FORMAÇÃO Lobitos, Exploradores, Pioneiros e Caminheiros demonstraram as suas habilidades em várias áreas

provisados. Os Lobitos visitaram as escavações arqueológicas da Bobadela, em Oliveira do Hospital, aprendendo como o homem foi colocando a natureza ao seu serviço. "RESISTÊNCIA do escuteiro" dominou o

quarto dia. Bandos, patrulhas, equipas e tribos continuaram os raides pela Serra da Estrela. Enquanto os mais velhos caminharam cerca de 40 quilómetros, tendo os Exploradores conquistado a competência de andarilho, os mais pequenos (6 aos 10 anos), que realizaram um percurso menos sinuoso e mais curto, estiveram, à tarde, em Sandomil em exigentes atividades radicais. Neste dia, as recomendações de BP sobre a higiene pessoal, o exercício físico e a alimentação estiveram bem presentes. O quinto dia foi vivido sob o lema "fidalguia do cavaleiro". A liderança, o serviço ao outro, a bondade, a generosidade, o agradecimento, a honestidade, a humildade, a lealdade são alguns dos itens do código de honra que os escuteiros vivem sob a divisa "Alerta". Visitas

A desmontagem do acampamento "deixando-o melhor que encontraste" ocupou boa parte do último dia, antes do regresso a casa

Bispo foi a S. Romão No sexto dia, o mote foi "o salvamento de vidas", capítulo em que Baden-Powell aborda temas como primeiros socorros, técnicas de salvamento e a fé. A manhã foi preenchida com jogos de destreza e jogos de água. À tarde, preparou-se a celebração da Eucaristia, que contou com a presença do Bispo de Coimbra, D. Virgílio Antunes.

ao CISE-Centro de Interpretação da Serra da Estrela, para aprender de forma interativa, particularidades sobre aquela área protegida, atividades de serviço na comunidade (como a recuperação de um tanque de lavar roupa) e construção de casas para os pássaros preencheram este dia, seguindo-se um refrescante banho no rio Alva. À noite, o fogo de conselho divertiu toda a gente, com canções, representações teatrais e jogos. Após o recolhimento dos mais novos, realizou-se, para dirigentes, uma cerimónia de vigília, designada por "Velada de Armas", que antecedeu a promessa de uma escuteira candidata a dirigente. "Os nossos deveres como cidadão" foi a epígrafe do último dia do acampamento. Os valores do escuteiro, o papel individual na sociedade, as escolhas e respetivas consequências, a globalização e a aceitação da diferença guiaram as atividades deste dia. A desmontagem do campo "deixando-o melhor do que encontraste" ocupou uma boa parte do dia, seguindo-se o regresso a casa.

27


opinião

MIRA LAGOA SOBRAL

Sinais dos tempos OS AÇORES vão mudar a liderança ao fim de 16 anos. Por vontade própria do próprio. A perpetuidade não é encarada como fonte de progresso permanente. A longevidade controlada e consciente, sim. A MADEIRA não mudou de liderança. Mas vai mudar de vida. Que a não mudança, é uma outra forma de mudança. Não muda por dentro, muda por fora. Não muda por iniciativa própria, mas por enquadramento externo. É que o sacrifício é mesmo para todos os portugueses. Sejam quais forem as causas do desmando financeiro. Tem mesmo de haver solidariedade. Mesmo os Açores que não aplicaram o recuo de remunerações da função pública deveriam mostrar que são portugueses. Precisariam menos de todos os outros. Inclusivé dos madeirenses. HÁ 11 ANOS E MEIO (fevereiro de 2000) Cavaco Silva alertou para o Monstro do Orçamento, da incontrolabilidade das despesas públicas.

NEM OS ILUSIONISTAS TRABALHAM GRATUITAMENTE...

O ORÇAMENTO de 2012: continuará a revelar-se incapaz de controlar as despesas? Aumentem-se os impostos e todos os custos tipo impostos: transportes, energia elétrica, IVA, etc., etc.. Ainda há quem acredite que os monstros são só do lado das despesas. Temos que concordar que os nossos políticos, de vedores nada têm. Acreditam que há água em seca. Por caridade, dêem-se conta que não é uma questão de fé. É que a esperança não se alimenta de fé. E milagres na economia não existem. A VALIA de alguns empreendedores está à vista e são mag-

níficos case study. Para se mostrar o que se não deve fazer. Isto nunca esteve para muitas pinturas e muito menos enquadradas. A justiça da cultura bancária mostra bem como é o "transparente" mundo dos negócios à americana. As avaliações. As manipulações dos valores, que academicamente se conhecem pela supremacia da subjetividade valorativa em termos monetários, base de grandes "monstros" financeiros, a que a juridicidade excessiva das regras conforta na partilha das perdas, e garante no solitário dos proveitos. "Berar"emos. SCUTS. Acabaram. Finalmente um país homogéneo. Quem usa paga. A reclamar ainda de uma extensão de âmbito territorial às Regiões Autónomas. O país todo adora ter auto-estradas financiadas pela dívida, que no monstro da bola das despesas incontroláveis alguém há-de pagar, que é como quem diz todos pagamos. QUANDO teremos um país em que o Estado é garante da justiça e equidade na redistribuição do rendimento e da riqueza? Apenas e só quando os impostos forem iguais para todos. TEATRO Mirita Casimiro, em Viseu. Apenas o primeiro erro, do género, assumido. Acabou. Pelo país abundam exemplos destes. Alguns já gemem. Outros continuam como se nada fosse. Todos a pagar com míngua de todos o que só uns quantos têm acesso. A reter. É apenas o primeiro. Garantidamente, outros se seguirão. Bolsa de pobre e boca de rico … acabaram-se as ilusões. Nem os ilusionistas trabalham gratuitamente… AINDA bem que o secretário de Estado da Cultura acabou com a gratuitidade das visitas aos museus. Já todos sabem que não há pequenos-almoços gratuitos. E estão de acordo. Porque haveria de haver museus gratuitos? A ECONOMIA: onde anda? Claro que há que controlar custos. Claro que há que limpar a floresta infestada de parasitas. Mas quando se começam a preparar e a fazer as bases do futuro? Assim nunca mais teremos futuro. Seremos todos higienizados. Seremos todos espartanos. Mas quando estes acabarem, cadê os do devir?

| Mira Lagoa Sobral assina todas as semanas este espaço de opinião |

28

13 OUTUBRO 2011


C103


alimentação

sociedade

DESAJUSTADOS

Balança alimentar REAL dos portugueses Balança alimentar IDEAL

+2%

CEREAIS E TUBÉRCULOS

LEGUMINOSAS SECAS

LATICÍNIOS

CARNES, PESCADO E OVOS

Hortícolas, leguminosas e frutos escasseiam na maioria das mesas dos portugueses, que recorrem em excesso à carne, ao peixe e às gorduras

20%

16.3% +11,3%

0.7% -3,3%

30% +2%

18%

5%

4%

28%

BRUNO VICENTE E MARTA VARANDAS

RODA DOS ALIMENTOS DISTORCIDA

Portugueses comem mal e em demasia PORTUGAL NÃO DEVE IGNORAR O DIA MUNDIAL DA ALIMENTAÇÃO (16 DE OUTUBRO). O PAÍS, COM MAIS DE METADE DA POPULAÇÃO COM EXCESSO DE PESO, AFASTOU-SE DAS BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS

30

A DIETA ALIMENTAR praticada em Portugal coloca em evidência "uma roda dos alimentos distorcida" em relação aos valores nutricionais recomendados, alerta um estudo do Instituto Nacional de Estatística (INE). O Dia Mundial da Alimentação, celebrado a 16 de outubro, está à porta e os portugueses não se podem orgulhar dos seus hábitos alimentares. O valor recomendado para o consumo diário de um adulto varia entre 2.000 e 2.500 calorias, mas, por cá, consomem-se 3.883 calorias. Estes números levam a outros, igualmente preocupantes: mais de metade da população residente com idade superior a 18 anos tem excesso de peso ou obesidade. O AFASTAMENTO das boas práticas nutricionais e o desequilíbrio da dieta alimentar explicam-se pela ingestão, em excesso, de carne, peixe e gorduras e pela escassez, na mesa dos portugueses, de frutos, hortícolas e leguminosas. O estudo revela que os desvios mais acentuados ocorrem no grupo da "Carne, pescado e ovos", onde são consumidos mais 11 pontos percentuais em relação aos valores recomendados (roda dos alimentos ideal). No grupo dos "Hortícolas" as disponibilidades são deficitárias em cerca de 10 pontos percentuais.

13 OUTUBRO 2011


A RODA DOS ALIMENTOS é

13%

23%

-10%

AO LONGO do dia devem ser ingeridos todos os grupos que pertencem à roda dos alimentos e dentro de cada um devemos variar o mais possível esses alimentos. Na fruta, a nutricionista Marília Ferreira aconselha a escolha de peças diferentes, optando pela da época. Devem seguir-se as porções recomendadas em cada grupo.

ÓLEOS E GORDURAS

FRUTOS

HORTÍCOLAS

o melhor exemplo a seguir para fazer uma alimentação completa, variada e equilibrada.

14%

20%

-6%

6% -4%

2%

A RODA dos alimentos foi reestruturada em 2003, passando de cinco para sete grupos. No centro está a água, fundamental à vida. Deve beber-se, no mínimo, 1,5 litros por dia.

C126

C222

PUB


alimentação

sociedade

O valor recomendado para o consumo diário de um adulto varia entre 2.000 e 2.500 calorias, mas em Portugal consomem-se 3.883 calorias

ESFORÇO PARA MELHORAR? O estudo mais recente do INE sobre alimentação baseia-se em dados referentes a 2008. Os números são negativos, mas alguns especialistas acreditam que, nos últimos anos, os portugueses têm feito um esforço significativo para melhorar a sua dieta alimentar. Contudo, esta ideia não é consensual. "Damos cada vez mais importância a uma boa alimentação, também por reação àquilo que foi, durante algumas décadas, a proliferação da fast-food", começou por explicar o coordenador técnico da Escola de Hotelaria e Turismo de Coimbra, José Luís Marques. "Às vezes é preciso haver momen-

tos destes, de globalização, para depois haver outros em que se volta mais às origens. A verdade é que, nos últimos anos, a cozinha mediterrânica tem conseguido sobrepor-se à comida de plástico", acrescenta. A nutricionista Marília Ferreira defende também que "o ideal para uma boa alimentação seria a dieta mediterrânica" – à base de frutas, hortícolas, cereais derivados e tubérculos, leguminosas, frutos secos, azeite, peixe e carnes brancas - mas acredita que os portugueses ainda não estão no bom caminho. "Tem havido uma alteração progressiva destes há-

C223

PUB

Restaurante e Take Away www.acaffrao.com . Tel: 239 814 769 Rua dos Cantoneiros, Lote 16 D - R/c Dt.º - Casa Meada - Antanhol

32

bitos, predominando agora uma dieta do estilo alimentar anglo-saxónico, ou seja, mais à base de gorduras saturadas – manteigas e óleos – carnes vermelhas, leite e derivados gordos", afirma. Segundo a especialista, a passa-

CHEFS têm procurado sensibilizar a população para hábitos alimentares saudáveis, através de workshops

Coimbra tem oferta alimentar variada Gosta de comer bem e com diversidade? Vive em Coimbra ou perto da cidade dos estudantes? Então pode considerar-se um sortudo. É que, segundo os profissionais da área da restauração, a cidade é uma boa referência a nível nacional. "Coimbra tem uma oferta alimentar variada, que inclui a cozinha mais regional, de âmbito local, a cozinha tradicional portuguesa e a cozinha internacional. Podemos encontrar tudo isto em Coimbra, o que é uma grande mais-valia em relação a outras cidades, que não são tão completas", explica o coordenador técnico da Escola

13 OUTUBRO 2011

de Hotelaria e de Turismo de Coimbra, José Luís Marques, que destacou ainda a riqueza da doçaria conventual. A Universidade de Coimbra (UC) ditou muitas "regras" gastronómicas. "Se temos uma tradição secular é, sobretudo, graças à UC, que inevitavelmente deixou-nos as suas realidades a nível de alimentação, o seu próprio receituário", explica o especialista. A circulação deste saber gastronómico, ao longo de séculos, fez com que Coimbra tenha atualmente "a gastronomia de todo o país e alguma do mundo, sem contudo perder as suas características próprias".

C199

Só os grupos "Cereais e tubérculos" e "Laticínios" apresentam valores próximos do padrão alimentar aconselhado. O documento revela ainda outros dados interessantes: os portugueses preferem a carne de porco e de animais de capoeira, estão a substituir as raízes e tubérculos por cereais, bem como a margarina por azeite e, a partir de 2007, as disponibilidades de cacau e chocolate ultrapassaram as do café.


Comida saudável "é mais barata"

gem da dieta mediterrânica para outro tipo de alimentação está associada a fatores económicos: "começámos a rejeitar os alimentos que recordam a pobreza, como as batatas e os legumes, passando a priv ilegiar a quantidade, sinónimo de abundância e riqueza, incluindo as carnes vermelhas". BOA HIGIENE EM COIMBRA. Lidar com os alimentos exige bastantes cuidados. A displicência pode causar doenças graves nos consumidores.Mas, aqui, a cidade apresenta sinais saudáveis. O Mercado Abastecedor de Coimbra (MAC) é uma referência nacional na área da saúde alimentar, destacando-se na higienização das embalagens e na boa apresentação dos produtos. "Somos o único mercado do país que tem o serviço de higienização das embalagens

5 AO DIA A iniciativa do Mercado abastecedor de Coimbra, conta com a participação de nutricionistas, e pretende "suscitar o interesse dos miúdos numa alimentação saudável, à base de fruta e legumes".

José Manuel Silva, bastonário da Ordem dos Médicos, há pouco mais de um mês veio sugerir a criação de um imposto sobre fast-food e todos os alimentos prejudiciais à saúde, com excesso de sal, açúcar e gordura saturada, onde estão incluídos os hambúrgueres e os pacotes de batatas fritas. "A alimentação saudável é mais barata que a fast-food", defende. "O país está falido e o Estado precisa de aumentar os impostos para reduzir a despesa. Pode fazê-lo pela via clássica ou através de impostos inteligentes como é o caso do tabaco e deste, porque só os paga quem quer", explica o bastonário. Para José Manuel Silva, a medida vem "induzir na população um estilo de vida saudável, porque vamos prevenir a doença", sublinha. O dinheiro será para "financiar o SNS". O médico dá os exemplos da Hungria e mais recentemente da Dinamarca, onde vai haver um imposto sobre as gorduras saturadas.

C126

C199

PUB


sociedade

ao alcance de qualquer um dos utilizadores, seja o comprador ou o vendedor", explicou o presidente do Conselho de Administração do MAC, Luís Saavedra. A instituição volta a promover o programa "5 ao dia", a 20 de outubro. A iniciativa, que conta com a participação de nutricionistas, pretende "suscitar o interesse dos miúdos numa alimentação saudável, à base de fruta e legumes". A Escola de Hotelaria e Turismo de Coimbra está igualmente sujeita a regras exigentes no campo da saúde. "Existe atualmente um conjunto de normativos que regulam de forma bastante apertada as condições de higiene alimentar, nomeadamente em cozinhas", explica o coordenador técnico. Para José Luís Marques, a prioridade é transmitir as boas práticas de higiene na cozinha, o que exige que os profissionais tenham "uma higiene pessoal irrepreensível". O ATO DE COMPRAR comida

– uma inevitabilidade para o ser humano – é encarado com tanta naturalidade que, muitas vezes, os portugueses esquecem-se da importância que o setor da alimentação tem para a economia nacional.

O país é composto por quase 11 milhões de consumidores, que gastam mais de 15 por cento do seu orçamento em despesas com alimentação e bebidas não alcoólicas. Esta é mesmo a segunda área em que mais se investe, logo após a habitação. "O setor da alimentação é, naturalmente, muito importante e, nos últimos anos, tem-se afirmado cada vez mais. A prova disso é que os profissionais de cozinha são hoje bastante mediáticos, notando-se um trabalho de evolução na própria profissão", explicou à revista o coordenador técnico da Escola de Hotelaria e Turismo de Coimbra. O setor não funciona sozinho, sendo mesmo crucial para o desenvolvimento económico de outras áreas. "O que conseguimos observar é que existe uma clara inf luência positiva em atividades relacionadas com o turismo, a cultura, a história e até a ciência", concluiu José Luís Marques.

A contactou a Associação Portuguesa de Direito do Consumo (apDC), em Coimbra, para tentar perceber se os problemas relacionados com o setor da alimentação são frequentes ou pontuais. "Em comparação com outras áreas, existem poucas queixas da parte dos consumidores", esclareceu Teresa Madeira, jurista da entidade.

PUB

do dia

SOPA

Salada

de frango

de delícias do mar

Salada

C228

• PRAÇA DA REPÚBLICA, N.º 38

34

POR: MARÍLIA FERREIRA, NUTRICIONISTA

PEQUENO-ALMOÇO Leite simples (meio gordo) ou com cevada + pão de mistura (cerca de 50g) com fiambre de aves MEIO DA MANHÃ Iogurte de aromas + peça de fruta + bolachas simples (Maria, Torrada, água e sal ou tostas) ALMOÇO Sopa de legumes + 2.º prato com carne, peixe ou ovo + arroz, batata ou massa + hortícolas (saladas, legumes, hortaliças) + peça de fruta (alternar a fruta ao longo do dia) LANCHE Leite ou iogurte de aromas + pão de mistura com queijo ou manteiga/margarina (pouca) JANTAR Idêntico ao almoço, alternando entre carne e peixe ANTES DE DEITAR Chá ou cevada + bolachas ou tostas

Consumidores fazem poucas queixas

hamburguer vegetariano

COMER SAUDÁVEL SUGESTÃO DE DIETA

• ESTÁDIO CIDADE DE COIMBRA

Erros alimentares são frequentes Os erros alimentares "são muitos, quer por excesso quer por defeito", defende a nutricionista Marília Ferreira. A exemplificar o consumo por defeito está a substituição do leite e derivados por sumos e refrigerantes. As refeições pré-confeccionadas, que apresentam uma boa relação preço - fácil utilização são eleitas pelos consumidores em várias ocasiões. Pizza, lasanha, rissóis, croquetes e outros estão no topo da lista. O consumo excessivo de bebidas alcoólicas é outro erro alimentar. "O recomendado é um copo por dia, no caso das mulheres e dois para os homens, copos pequenos", salvaguarda a nutricionista. Aliam-se a estes erros maus hábitos como a inatividade física e saltar refeições: "fazer apenas duas ou três em vez de cinco ou seis. Devemos tentar não ficar mais de três horas e meia sem comer", defende Marília Ferreira. "Fazer pequenas merendas no meio das principais refeições 13 é oOUTUBRO ideal". 2011

Marília Ferreira Nutricionista

DICA: RECORTE PELO PONTILHADO E AFIXE NA PORTA DO FRIGORÍFICO

Muitas vezes, os portugueses esquecem-se da importância que o setor da alimentação tem para a economia nacional.

head alimentação


C229


recursos hídricos

cérebros

MARTA VARANDAS

A IMPORTÂNCIA do uso eficien-

te da água começa a preocupar cada vez mais a humanidade. Vários organismos internacionais e a própria Comissão Europeia já alertaram para o facto de Portugal ser um país que entre 15 a 20 anos pode sofrer de st ress hídrico, ou seja, passar a ter uma disponibilidade insuficiente de água para colmatar as necessidades, em especial a sul do país. As alterações climáticas são uma das causas. Com o objetivo de proceder à identificação de medidas e mecanismos necessários para assegurar, em toda a União Europeia (UE), uma utilização sustentável, a longo prazo, do uso de recursos hídricos, em edifícios, a Direção-Geral do Ambiente da Comissão Europeia criou o primeiro grupo de trabalho que reúne especialistas internacionais para a eficiência hídrica em edifícios. Armando Silva Afonso, docente do Departamento de Engenharia Civil da Universidade de Aveiro (UA) foi o único português convidado para integrar a equipa. "Tivemos para já uma primeira reunião com discussão de documentos entre os países da

UE presentes, sendo o primeiro objetivo implementar, no final de 2012, uma diretiva para todos os países membros", explica o professor da UA, acrescentando que está também em discussão se as medidas que vão ser implementadas serão voluntárias ou obrigatórias. "Pretendo dar o nosso know-how sobre como já funcionam as coisas em Portugal e ajudar a contribuir para um modelo de dimensão europeia e não só nacional", sublinha. A ANQIP. Armando Silva Afonso é também

presidente da ANQIP - Associação Nacional para a Qualidade nas Instalações Prediais. Recorda que em 2001 foi elaborado o Programa Nacional para o Uso Eficiente da Água, publicado em Diário da República em 2005. Como pouco foi feito ao nível da promoção da eficiência hídrica nas insta lações prediais, foi criada a ANQIP, "há cerca de três anos, uma ONG sem fins lucrativos, que tem entre os seus associados atualmente perto de 140 - diversas universidades e institutos politécnicos, empresas de referência, entidades gestoras". A UA é uma das fundadoras, sendo nos seus laboratórios que são feitos atualmente os ensaios da ANQIP. REDUZIR CONSUMOS DE ÁGUA. A ANQIP,

POUPAR ÁGUA

Docente da UA integra grupo europeu de eficiência hídrica ARMANDO SILVA AFONSO É O ÚNICO PORTUGUÊS A FAZER PARTE DO PRIMEIRO GRUPO DE ESPECIALISTAS INTERNACIONAIS SOBRE A MATÉRIA

36

13 OUTUBRO 2011


ciência & tecnologia que criou um sistema de rotulagem para os dispositivos que utilizam á g ua , tem feito várias auditorias de ef iciência hídrica por todo o país - meia centena de estudos em três anos -, havendo casas onde o consumo foi reduzido para 50 por cento. "Na auditoria feita ao Estádio Universitário de Coimbra, chegámos à conclusão que é possível reduzir até 37 por cento os consumos de água", avança Silva Afonso, referindo que as regas dos campos já são feitas recorrendo à água do Mondego. COMO GASTAR MENOS ÁGUA? Os consumos são

reduzidos através dos redutores nos chuveiros e torneiras e pela substituição de mecanismos interiores dos auto clismos, entre outras medidas. "Nos centros comerciais já reduzimos consumos até 24 por cento e em hospitais entre 20 a 30 por cento", assegura o docente da UA. Contudo, alerta para a existência de redutores à venda "made in China", que não são certificados pela ANQIP, acabando por não ter o efeito desejado. "Também já é corrente fazer-se o aproveitamento da água da chuva e das águas cinzentas (águas dos esgotos, lavatórios e

à lupa

chuveiros, com exceção das sanitas). Mas têm de ser criadas regras para isso, com especificações técnicas para a construção destes sistemas e certificação das instalações para assim garantir que são corretas e evitar riscos de saúde pública", explica Silva Afonso. POUPAR É PALAVRA DE ORDEM. Se fizermos contas, o docente da UA refere que cada um de nós podia poupar entre 25 a 30 por cento de água, sendo esta a média do país no setor residencial. Está estimado que "em Portugal a ineficiência do uso de água corresponde a 0,64 por cento do PIB, ou seja, 750 milhões de euros por ano", frisa Armando Silva Afonso. "É urgente fazermos alguma coisa para mudar esta realidade", termina.

Coimbra inaugura um FabLab

O FABLAB de Coimbra, o terceiro do género no país, foi inaugurado sob o lema "saber fazer". O projeto da Novotecna - Associação para o Desenvolvimento Tecnológico, é um laboratório que possibilita a fabricação de protótipos a baixo custo. Está equipado com vários dispositivos de impressão a três dimensões, bem como máquinas de corte e gravação. O FabLab, que se integra numa rede de 80 laboratórios a nível mundial, representa um investimento de 100 mil euros.

Cidades e territórios virtuais em congresso Laboratório de Hidráulica da UA onde se fazem os testes de eficiência hídrica em edifícios (à esquerda) e filtro de um sistema de aproveitamento de água da chuva para edifícios (em cima)

O 7.º CONGRESSO Internacional sobre Cidades e Territórios Virtuais (7CTV), a realizar-se na Universidade Nova de Lisboa, termina hoje. Os temas do congresso centraram-se na aplicação de novas tecnologias ao planeamento e gestão dos sistemas urbanos e à conceção e implementação de políticas com expressão territorial.

NOME

MÚSICA

Cultura de células em workshop no Biocant

DATA DE NASCIMENTO

PRATO

NO ÂMBITO da parceria Share-

NATURALIDADE E RESIDÊNCIA

HÓBIS

Armando Silva Afonso 20 de maio de 1951

Coimbra

Tango e clássica "Um peixinho grelhado" Música: toca acordeão na Orquestra dos Antigos Tunos da Universidade de Coimbra

UM AUTOR

Miguel Torga

VÍCIOS

"Pequenos..."

Biotech, o Biocant promove, no dia 15 de novembro, um workshop dedicado à Cultura de Células e Tecidos. O tema foi identificado como uma das necessidades com maior relevância no âmbito do levantamento de informação realizado a grupos de investigação e empresas da região Centro.

37


OS ADEPTOS da Académica querem entrar a ganhar em mais uma edição da Taça de Portugal

desporto

ACADÉMICA-ORIENTAL

Será desta? RECOMEÇA A FESTA DO FUTEBOL PORTUGUÊS. O HISTÓRICO ORIENTAL É O PRIMEIRO OBSTÁCULO DA ACADÉMICA NA CAMINHADA ATÉ AO JAMOR

REGISTO FAVORÁVEL À BRIOSA VASCO GARCIA

NA ÉPOCA passada, o sonho esteve quase

a tornar-se realidade. Depois de eliminar Cesarense, Beira-Mar, U. Madeira e V. Setúbal, a Académica acabaria por cair aos pés do grande rival. O Estádio Cidade de Coimbra encheu-se para tentar levar a equipa até à final do Jamor, mas o golo que o Vitória trazia de vantagem de Guimarães foi suficiente para apurar os vimaranenses para a final da Taça de Portugal, deixando a Briosa às portas do sonho. No domingo, os estudantes voltam a entrar em campo na prova que é considerada a festa do futebol português. As esperanças de jogadores, técnicos, dirigentes e adeptos renovam-se. Todos querem acreditar que será desta que conseguirão dar o pequeno passo faltou na época passada e, dessa forma, regressar ao Jamor, onde já não marcam presença desde 1969. Para já, o primeiro obstáculo a ultrapassar é o Oriental. A equipa de Lisboa milita na 2.ª

38

Divisão mas os responsáveis academistas sabem que isso não é sinónimo de facilidades. Aliás, na temporada passada, a equipa precisou do prolongamento para eliminar o modesto Cesarense. Está, por isso, avisada. A partida com o Oriental marca um reencontro entre dois históricos do futebol português. O primeiro confronto entre ambos foi precisamente para a Taça de Portugal, há 50 anos. Na longínqua época de 1950/51, a Briosa ganhou 2-3 em Lisboa e empatou 3-3 em Coimbra, tendo garantido o apuramento para os quartos de final da prova. Sete anos depois, voltariam a encontrar-se, novamen-

Depois de, na época passada, ter ficado às portas da final, os adeptos da Académica esperam que seja desta que a equipa chegue ao Jamor

Em 18 jogos entre Académica e Oriental, a Briosa venceu 11, empatou dois e perdeu cinco (40 golos marcados e 21 sofridos). Para a Taça de Portugal defrontaram-se em duas ocasiões, sempre com vantagem para os estudantes. 1974/75: Oriental 2-2 Académica 1974/75: Académica 0-1 Oriental 1973/74: Oriental 0-3 Académica 1973/74: Académica 3-0 Oriental 1957/58: Académica 3-1 Oriental 1957/58: Oriental 1-3 Académica 1957/58 (TP): Oriental 2-1 Académica 1957/58 (TP): Académica 2-0 Oriental 1956/57: Académica 2-1 Oriental 1956/57: Oriental 0-2 Académica 1953/54: Académica 2-1 Oriental 1953/54: Oriental 3-2 Académica 1951/52: Oriental 1-0 Académica 1951/52: Académica 2-0 Oriental 1950/51: Académica 5-0 Oriental 1950/51: Oriental 3-1 Académica 1950/51 (TP): Académica 3-3 Oriental 1950/51 (TP): Oriental 2-3 Académica RESULTADOS DAS PARTIDAS ENTRE OS CLUBES

13 OUTUBRO 2011


A PRIMEIRA

te nos oitavos de final. Mais uma vez, a Académica saiu vencedora, depois de ganhar 3-0 em casa e perder 2-1 fora. De resto, o registo dos confrontos entre as duas equipas é claramente favorável aos estudantes. Em 18 jogos, a Briosa venceu 11, empatou dois e perdeu cinco (40 golos marcados e 21 sofridos). A maioria das partidas foi disputada na década de 1950. Os últimos desafios – na época de 1974/75 – revelam uma vitória do Oriental em Coimbra e um empate em Lisboa. É certo que, pela história e pelo momento atual, a Briosa é claramente favorita para o embate de domingo. Mas fica o alerta…

Respeitamos o Oriental Como está a ser o regresso a casa? Está a ser aquilo que eu queria, que era regressar a casa. A Académica que encontrou é muito diferente daquela que conhecia quando saiu? Penso que não. A principal diferença é que tem uma estrutura mais forte e está mais implementada na Liga. E o futebol português, está diferente? Todos os anos entram e saem jogadores. Quando saí havia muita qualidade e continua a haver. Não difere muito. Como foram as experiências no estrangeiro? Foram muito enriquecedoras. Joguei na Liga Europa e na Escócia, que é um campeonato muito competitivo, onde as pessoas amam o futebol… O Kilmarnock foi o clube que o marcou mais? Não. Joguei dois anos e meio na Bulgária, dois dos quais no CSKA e gostei muito de lá estar. Aliás, tinha mais um ano de contrato e só saí porque, na altura, nasceu o meu filho e eu queria vir para mais perto de casa. Tem jogado nas alas. A adaptação foi fácil? Não, porque nunca joguei naquela posição. Mas, com os jogos e com os treinos, consegui adaptar-me bem.

PR

Taça de Portugal, disputada em 1939, foi ganha pela Briosa e está no Museu Académico

RUI MIGUEL

DR

O avançado, natural de Coimbra, regressou à Académica, depois de passar por Bulgária e Escócia

Há algum segredo para o bom início de época da Académica? Trabalhamos diariamente para chegar ao fim de semana e estarmos ao melhor nível. As coisas têm acontecido pelo melhor e isso é fruto do trabalho diário. Até onde pode chegar a Briosa na Taça? A Académica vai tentar disputar todos os jogos para chegar o mais longe possível, porque a Taça de Portugal é uma competição onde queremos chegar longe. Frente ao Oriental, não há possibilidade de a equipa facilitar? Não. Nós respeitamos todas as equipas. Jogamos com o FC Porto, com o Penafiel ou com o Oriental da mesma forma: com seriedade e respeitando o adversário. Já jogou na Liga Europa. Gostaria de o voltar a fazer pela Académica, via Taça ou Liga? Isso seria muito bom. Mas nós temos uma meta, que é a manutenção.. Quando atingirmos esse patamar, vamos, jogo a jogo, tentar o máximo de pontos possível para ficarmos bem classificados. Se conseguirmos chegar lá, fantástico.

39


economia

dinheiro

"ESTAR COM A CORDA AO PESCOÇO", "apertar o cinto" ou "o tempo das vacas magras" são expressões conhecidas dos portugueses, mas que todos esperam não ter que sentir


E SE HOUVER BANCARROTA? O INCUMPRIMENTO POR PARTE DO ESTADO DARIA ORIGEM A REDUÇÕES DE DESPESA EM CADEIA POR PARTE DAS EMPRESAS E DAS FAMÍLIAS, REDUZINDO O EMPREGO E O RENDIMENTO GERADO NA ECONOMIA, E AGRAVANDO A RECESSÃO ECONÓMICA, PREVEEM OS ECONOMISTAS

VASCO GARCIA

A AGÊNCIA de notação financeira Fitch reviu em baixa, a semana passada, a nota atribuída a seis bancos portugueses – Caixa Geral de Depósitos, Millenium BCP, BPI, Montepio Geral, Banif e Santander Totta. Simultaneamente, a Standard & Poor’s alertou que Portugal se vai confrontar com uma recessão ainda mais profunda do que a inicialmente esperada – 0,5 por cento entre 2011 e 2014, contra os 0,2 por cento anteriormente previstos. OS BANCOS enfrentam, realmente, depois da crise dos subprimes de 2008, uma situação deveras preocupante, no que respeita, nomeadamente, ao

respetivo "rating de viabilidade". Aos anteriores créditos hipotecários de alto risco que "intoxicaram" a banca mundial, aí está agora a desmesurada dívida dos Estados a comprometer seriamente a recuperação. Resultado: drásticas restrições à concessão de crédito, tanto às famílias como às empresas e, na Bolsa, queda atrás de queda nas respetivas cotações.

por não ser capazes de reduzir os défices e honrar os seus compromissos.

PERGUNTA-SE: os bancos, designadamente os mais frágeis, terão capacidade para resistir ao choque? A perspetiva de uma recessão mundial está a deixar os mercados, no mínimo, angustiados – e as instituições bancárias receosas de que alguns dos estados devedores acabem, afinal,

Num clima destes é natural que os depositantes se interroguem – que futuro para o meu dinheiro? E se houver bancarrota? Se o meu banco falir?

APESAR da banca portuguesa ter, generalizadamente, ultrapassado com sucesso os testes de stresse a que foi submetida meses atrás, isso não garante a sua solidez. Os mais expostos à dívida grega estão mesmo seriamente ameaçados.

A procurou pistas em várias fontes, que aqui deixamos para análise e reflexão.

41


dinheiro

BANCARROTA: "suspensão do pagamento dos juros da dívida pública e outros encargos de uma nação". Esta é a definição que encontramos no dicionário. Pedro Bação, professor da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra (FEUC) explica por outras palavras: "um país está em bancarrota quando não consegue pagar aos seus credores. Se o Estado não tiver receitas (vindas de impostos, privatizações, empréstimos ou outras fontes) que cheguem para pagar as suas despesas, algumas dessas despesas não serão pagas e o país estará em bancarrota". No contexto atual, este é um cenário que não podemos colocar de parte. Apesar de, claramente, "não ser desejável", afirma António Martins, também docente na FEUC. A confirmar-se, o preferível seria declarar uma bancarrota "ordenada". Ou seja, negociando com os credores um "perdão" de parte da dívida. Mas, o que poderá, então, ser feito para evitar esse desfecho trágico? "No curto prazo, ou o Governo encontra alguém que se disponha a emprestar-lhe dinheiro, ou corta nas despesas ou aumenta os impostos", afirma Pedro Bação. "O problema de países como Portugal e a Grécia é que já não encontram nos mercados financeiros quem lhes empreste dinheiro a taxas de juro comportáveis", refere. ORA, NA AUSÊNCIA deste financiamento externo, "o ajustamento na despesa e nos impostos seria brutal". Daí a necessidade de pedir ajuda à Troika, "que concede um financiamento temporário que permite suavizar o ajustamento, embora este não deixe de ser forte". Só que o financiamento assim obtido tem como contrapartida o compromisso de adotar medidas que, a curto/médio prazo, restaurem o equilíbrio das contas públicas, o que tem de passar por reduzir as despesas e aumentar os impostos, e criem condições para que a economia volte a crescer a médio/ longo prazo, o que se pensa que passará pelas famosas "reformas estruturais". "Neste momento, não temos muitas escolhas. Devemos cumprir o acordo com a Troika para reganharmos credibilidade nos mercados externos", acrescenta António Martins. "O grande problema é que as medidas de curto/médio prazo são elas próprias recessivas", declara Pedro Bação. IMAGINEMOS, então, que o Estado entra mesmo em incumprimento e chega à bancarrota. Que consequências isso teria para o país e, principalmente, para a vida de cada um de nós? "Os efeitos seriam muito graves. As nossas vidas seriam tremendamente afetadas",

42

economia

REFORMADOS

FALÊNCIA

DOS BANCOS

TENSÕES

SOCIAIS

SEM

PENSÕES

bancarro

NÃO RECEBER O QUE SE ESPERA define a condição de toda uma sociedade em bancarrota. O efeito domin faz ruir a estabilidade social. Os olhares preocupantes devem situar-se na capacidade de o estado, por um e, por outro, assegurar a liquidez das suas instituições bancárias

começa por dizer António Martins. "A situação de bancarrota, por definição, implica que alguém não receba o que esperava receber do Estado", afirma Pedro Bação. Por outras palavras: "os funcionários públicos poderiam não receber os vencimentos; os pensionistas poderiam não receber as pensões; outros beneficiários da segurança social poderiam não receber os subsídios respetivos; e os fornecedores de bens e serviços a entidades públicas também poderiam ficar sem pagamento". Esta situação levaria, provavelmente, essas empresas a interromper o fornecimento, "podendo colocar em causa o normal funcionamento dos serviços públicos".

Atualmente, o Fundo de Garantia de Depósitos garante o reembolso do dinheiro depositado até ao montante de 100 mil euros, mas é possível que, após 31 de dezembro, este valor desça para 25 mil euros POR OUTRO LADO, "os bancos que emprestaram dinheiro ao Estado, ou às empresas públicas dependentes de transferências da administração central, não receberiam os juros e os reembolsos devidos, o que poderia colocar o sistema bancário em sérias dificuldades, e levaria certamente à redução de empregos nesse setor". Quanto às famílias, além de "uma quebra acentuadíssima do nível de vida", sofrerão, certamente, "um aumento

O meu dinheiro no banco está garantido Segundo a DECO, quase todos os portugueses possuem pelo menos um depósito à ordem. Apesar de serem aplicações sem risco, existe sempre a possibilidade do banco falir ou enfrentar dificuldades que não lhe permitam devolver o dinheiro. Para fazer face a essa eventualidade foi criado o Fundo de Garantia de Depósitos (FGD), cuja tarefa é garantir o pagamento dos depósitos, nessas situações. Atualmente, o FGD garante o re-embolso do dinheiro depositado, no prazo máximo de um mês, até cem mil euros. Isto até final deste ano. Porque, depois de 31 de dezembro de 2011, é possível que esse valor desça para 25 mil euros. Trata-se portanto, de uma garantia parcial, pois quando os depósitos excedem esse valor, o saldo remanescente não é abrangido. No entanto, explica António Martins, esse fundo funcionará no caso de haver um banco a falir. A verificar-se uma falência geral do sistema bancário, de pouco valeria.

13 OUTUBRO 2011


A GRÉCIA tem servido de aperitivo nesta crise mundial que se prepara para ser servida

De olhos postos na Grécia FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS

NÃO

RECEBEM

rota

feito dominó é terrível, corrompe todas as relações e do, por um lado assegurar garantias de financiamento

dos juros que pagam" aos bancos. Ou seja: "quem precisar de crédito, por exemplo, para comprar uma casa, terá mais dificuldade em obter o crédito desejado". Para além disso, se os bancos forem afetados pelo incumprimento estatal, "é possível que as empresas portuguesas também so-

C69

PUB

fram as consequências da menor disponibilidade de crédito e que, pelo menos no curto prazo, a situação económica, nomeadamente em termos de emprego e de rendimentos, piore significativamente". Em suma, "o incumprimento por parte do Estado daria origem a reduções de despesa em cadeia por parte das empresas e das famílias, reduzindo o emprego e o rendimento gerado na economia, e agravando a recessão económica". NO PLANO INTERNACIONAL, "a imagem do país seria afetada negativamente, o que poderia tornar mais difícil o estabelecimento ou a manutenção de relações com o resto do mundo", declara Pedro Bação. A saída da Zona Euro é uma consequência possível. Uma possibilidade que, segundo António Martins, teria "efeitos muitíssimo graves", uma vez que levaria a uma "enorme desvalorização da moeda (o escudo ou outra)". Por isso, deixa o alerta: "vale a pena fazer todos os sacrifícios para não se chegar a essa situação". Mesmo que isso implique "perda de soberania" e "ingerência externa" na gestão das contas públicas.

Neste momento, o futuro de Portugal está "muito dependente" daquilo que se irá passar na Grécia e da reação dos vários agentes a uma bancarrota à qual o país helénico "dificilmente escapar". António Martins acredita que o facto de este ser um processo que vem sendo falado há muito tempo pode ajudar, uma vez que "as ondas de choque poderão ser menores". A verificar-se uma bancarrota em Atenas, seria também uma oportunidade para Portugal retirar alguns "ensinamentos" e precaver-se para um cenário semelhante. O professor da FEUC considera que 2011 e 2012 são "anos cruciais" e que o país deve "procurar demonstrar internacionalmente que pode cumprir aquilo que acordou". O docente prevê que os sacrifícios a fazer serão muitos e alerta para a necessidade de serem repartidos com "equidade" por toda a população.


dinheiro

economia

A confirmar-se o pior cenário possível, não seria a primeira vez que ele se verificaria em Portugal. Um decreto de 13 de junho de 1892 reduziu os pagamentos dos juros da dívida externa fundada do Estado português a um terço dos montantes contratuais e suspendeu a amortização da parte não consolidada dessa dívida. Foi esta a mais recente ocasião em que o Estado português deixou de cumprir os seus compromissos em termos de pagamento dos encargos da dívida pública.

Ontem como hoje, a resposta do Estado foi contrair empréstimos externos Numa realidade financeira que parece ameaçar uma repetição dessa situação, vale a pena comparar as condições em que a vida económica e financeira portuguesa chegou a ambos os casos de dificuldades extremas e as consequências que advieram da bancarrota portuguesa de 1892. A situação política é diferente. Na altura, vivia-se "um período de instabilidade política excepcionalmente grave, na sequência do conflito com a Grã-Bretanha sobre territórios da África Austral, que conduziu ao Ultimato britânico de Janeiro de 1890 e à tentativa de revolução republicana de 31 de janeiro de 1891", explica Maria Eugénia Mata, professora de História da Economia na Universidade Nova de Lisboa. No entanto, a realidade económica mostra preocupantes semelhanças com a que vivemos atualmente. "O ano de 1892 aparece enquadrado num período de recessão económica, desencadeado por uma crise da economia internacional". Ontem como hoje, "a resposta imediata do Estado português foi continuar a tentar contrair empréstimos externos". É certo que "os pormenores são diferentes", mas "o

44

REGRESSO AO PASSADO

Bancarrota não é novidade para

Portugal

NO FINAL DO SÉCULO XIX PORTUGAL DECLAROU BANCARROTA. AS SEMELHANÇAS COM A ATUALIDADE SÃO MUITAS. NA ALTURA, O PAÍS ADOTOU UM NOVO MODELO DE FINANCIAMENTO E NÃO SE SAIU MAL. COMO SERIA HOJE?

quadro geral de incapacidade de manter a confiança dos investidores é familiar", refere a docente. Os saldos comerciais – bem como os das contas públicas – no negativo revelam também "um paralelo uma vez mais familiar nos dias de hoje", conclui Maria Eugénia Mata. No entanto, a declaração de bancarrota, na altura, até teve consequências positivas. "Quando o Governo declara a bancarrota parcial, o que efetivamente estava a dizer era que se pretendia acabar com um tipo de financiamento e passar a outro". Portugal saiu do padrão-ouro, reescalonou a dívida externa e

5.409 O crédito malparado subiu 97 milhões de euros, para os 5.409 milhões de euros, com o maior agravamento do lado dos empréstimos às empresas ligadas à construção e ao comércio

13 OUTUBRO 2011

passou a financiar-se através de recursos internos, pela emissão de moeda. "Foi uma opção política clara", descreve Pedro Lains, professor do Instituto de Ciências Sociais de Lisboa. A alteração resultou. Mas também porque a economia internacional cresceu e absorveu a inflação. "A solução foi boa, no momento certo", declara o docente. Hoje, a realidade é outra e a solução também terá, necessariamente, de ser diferente. A opção monetarista não é popular e está impedida. "Não há uma massa de operariado como havia antes", já não influencia, conclui Pedro Lains. | VG


1.º PASSEIO TT 26/11/2011 PELOS TRILHOS DA REGIÃO CENTRO

MADRINHA

informações e inscrições passeiott@cnoticias.net

MAYA ORGANIZAÇÃO

LOGÍSTICA

APOIO


dinheiro

notícias

ECONOMIA

III Feira da Saúde no Dolce Vita

A PRAÇA central do Dolce

Vita Coimbra acolhe até hoje a terceira edição da Feira da Saúde, que proporciona a participação em acções de sensibilização e rastreios gratuitos, nomeadamente oftalmológicos, dentários, de glicemia, colesterol, tensão arterial e de podologia. Inclui ainda sessões de reiki, massagens terapêuticas e shiatsu.

Apicer organiza workshop

A ASSOCIAÇÃO Portuguesa da Indústria Cerâmica realiza hoje, no Centro Tecnológico da Cerâmica e do Vidro (Coimbra) um workshop sobre o Projecto Cer Responsável. "A Cerâmica decorativa na empregabilidade e promoção da igualdade de género" é o primeiro tema.

PWB-RE inaugura novas instalações

"Região Centro tem sido um bom motor para o país" A NTÓ N I O A LM E I DA Henriques, secretário de Estado Adjunto da Economia e do Desenvolvimento Regional, mostrou-se confiante nas potencialidades da região Centro para ultrapassar a crise. Embora "esteja a passar um momento difícil, como todo o país", a região "tem um tecido empresarial diversificado, com bons níveis de exportação". Por isso, sublinha, "o Centro tem dado um contributo positivo, tem demonstrado, ao longo dos últimos anos, ser um bom motor para o país". Em declarações após um encontro com a direção da Câmara do Comércio e Indústria do Centro (CCIC), no dia 7, o secretário de Estado garantiu que "as empresas viradas para o mercado externo estão a cumprir bem o seu papel". Assim, A lmeida Henriques garantiu que o Governo "pretende manter uma relação de proximidade com as empresas", como se pode comprovar "pela profunda reestruturação do QREN, que vai colocar esses fundos ao serviço das empresas

conversa de

quiosque

ALMEIDA HENRIQUES passou o dia em Coimbra e da competitividade". O encontro foi promovido no âmbito da iniciativa "Empresas à Sexta", do ministério da Economia, servindo para a "auscultação dos problemas que se vivem no território, nomeadamente no aumento das exportações, o principal enfoque do Governo". A região, revelou, "tem dado um contributo para as exportações do país". Os dados mais recentes apontam para um saldo positivo da balança comercial na ordem dos 1.469.567 euros. José Couto, presidente da

Papelaria "A Teia" Estrada da Beira, n.º 674 Coimbra - Tel. 239 714 649

A EMPRESA DE mediação

imobiliária do Grupo Catarino inaugura amanhã as novas instalações em Coimbra, na Rua Engenheiro Jorge Anjinho, lote 13 loja 2, R/C. A cerimónia está marcada para as 17H00 e contará, além da administração do grupo, com a presença de várias individualidades.

46

É no Alto de S. João que Lisete e João Borges dão, desde 1999, rosto à Papelaria "A Teia". O estabelecimento está aberto todos os dias, das 08H00 às 20H00, com exceção dos domingos, quando abre portas apenas durante a manhã. Lá pode comprar jornais, revistas,

tabaco, artigos de papelaria ou tirar fotocópias. "A Teia" é ainda agente Payshop e CTT. Os proprietários reconhecem que o tempo é de crise, mas não deixam de referir que a abertura de um supermercado e umas bombas de gasolina na zona tem puxado clientes.

13 OUTUBRO 2011

JOSÉ COUTO recebeu o secretário de Estado CCIC, reforçou que a reunião foi "uma troca de opiniões amigável, com alguém que conhece bem a região". |MR


OneCare permite vigiar utentes à distância A PARTIR de agora, os utentes

já não têm de se deslocar à unidade de saúde ou à farmácia para zelar pelo seu bem-estar. A ISA Intellicare desenvolveu uma solução que permite acompanhar o estado de saúde a partir de casa, nomeadamente de idosos e doentes crónicos. E com o acompanhamento de um profissional de saúde. O OneCare, desenvolvido pela ISA Intellicare, empresa sedeada em Coimbra e integrada no Grupo ISA – Intelligent Sensing Anywhere, é um novo e inovador produto centrado no utente e focado na prevenção. O OneCare centra-se numa pequena consola que comunica através de um sistema sem fios. Os utentes podem fazer as medições de parâmetros como a tensão arterial, peso e/ou glicemia, no conforto da sua casa. Por sua vez, os dados das medições são disponibilizados aos profissionais de saúde através de um portal web. Este sistema tem ainda a importante funcionalidade de enviar alertas nos casos em que os parâmetros ultrapassem os

Número de indivíduos que possuem conta ordenado em Portugal

950.000

Número de indivíduos que possuem conta jovem em Portugal.

52.000

Número de indivíduos afetos a atividades I&D

Tivoli Coimbra Hotel tem nova carta Em que se inspirou para produzir a nova carta? Inspirei-me na experiência do dia-a-dia. Realizei também muito trabalho de pesquisa. Não há segredos.

ONECARE centra-se numa pequena consola que comunica através de um sistema sem fios

limiares. A inovadora solução permite, entre outras, a significativa redução de custos, pela diminuição da afluência às unidades de saúde, de internamentos e de situações de urgência. O projeto-piloto foi implementado na Unidade de Saúde Familiar CelaSaúde, em Coimbra, com resultados muito positivos e relevantes, tanto para os profissionais de saúde, como para os próprios utentes.

números

2.200.000

os meus gostos

Continente assinala dia da alimentação A LOJA Continente de Coimbra

Quais os ingredientes principais deste novo "menu"? Os ingredientes da terra. A abóbora, os cogumelos, os pargos. Nas carnes optámos pelas costeletas e pelo borrego. Teve a preocupação de adaptar a carta ao outono? Claro. Estamos numa época de frio e cinzenta, pelo que tentamos fazer comida que anime as pessoas. Quando se apaixonou pela cozinha? Desde muito novo. Mas não a encarei logo como profissão. Sempre tive um gosto muito especial por esta área.

de cozinha? Todos os trabalhos devem ser feitos com paixão. Só assim somos bem sucedidos. Caso contrário tudo o que é transmitido para o exterior é mau e passa uma má imagem. Mostra a falta de cuidado que se tem. Qual o prato que tem mais gosto em fazer? Todos os dias tentamos criar algo de novo. Sempre que criamos uma carta, no dia a seguir, já estamos a tentar melhorá-la. É difícil escolher um prato. Quando prepara uma nova carta preocupa-se sobretudo com os gostos do público? Claro. Mas identifico-me sempre com o que produzo. Tenho de me preocupar com o público alvo. Os meus gostos pessoais contam pouco nestas alturas e as preferências do público são sempre uma prioridade.

Quais são os " ingre dientes" indispensáveis para um bom chef

Bruno Carvalho, Chef de cozinha do Hotel Tivoli Coimbra

promove a iniciativa "Quinzena da Alimentação", que decorre no âmbito do Dia Mundial da Alimentação, que se assinala a 16 deste mês. As atividades pensadas para este dia incluem a realização de rastreios à tensão arterial, peso, índice de massa corporal, índice de massa gorda, degustação de um pequeno-almoço saudável e de frutas e legumes, e divulgação da campanha "Prova dos 5".

47


dinheiro

sucesso

ESTÚDIO M

"É UM PROJETO de vida", afirma Mário

Monteiro, que levou algum tempo a arrumar as ideias. "Comecei a dar formação há três anos e percebi que Coimbra e a própria região Centro têm uma carência muito grande nesta área, pois a maioria dos cursos de fotografia profissionais são realizados em Lisboa ou no Porto. Assim, decidi alterar esta situação, pelo que, além dos cursos, a academia promoverá workshops com alguns dos melhores fotógrafos a nível nacional e internacional", explica. Neste momento, acrescenta, "existem várias tertúlias espalhadas pela cidade em que as pessoas discutem fotografia e saem para fotografar. Ora, na maioria dos casos não tiram partido do equipamento que possuem devido a falta de conhecimentos técnicos".

Academia é projeto de vida

Formaram-se em Coimbra várias tertúlias em que as pessoas, além do debate, saem para fotografar, mas sentem que precisam de mais conhecimentos

MÁRIO MONTEIRO está convencido que a evolução do mercado deixará de fora quem não se adaptar aos novos desafios que se colocam aos profissionais da fotografia

C

omeçou a trabalhar com o pai, aos 15 anos, e a paixão pela fotografia mantém-se hoje em dia com a mesma força. Mário Monteiro criou a própria empresa em 1997 e assumiu a qualidade como objetivo. A atual equipa conta com diversos profissionais e criativos nas áreas da fotografia, design, moda, publicidade e vídeo digital, mas o caso mudou recentemente de figura: Mário Monteiro tem nas mãos um novo projeto, o estúdio "m" - academia de fotografia. O espaço, localizado no Estádio Cidade de Coimbra, a paredes meias com o Bingo da Académica, confirma o "grande desafio": sala de exposição e de formação, gabinetes de edição vídeo e de fotografia, receção e... uma excelente área para o "que der e vier", um estúdio de moda ou a gravação de programas de televisão, por exemplo. A polivalência do espaço é tal que Mário Monteiro não coloca de parte a realização de eventos empresariais, ainda que o principal objetivo seja "a fotografia" nas suas variadas áreas.

48

Curso de fotografia à medida das necessidades e do grau de conhecimentos O PLANO do curso, segundo Mário Monteiro, tem em conta o grau de conhecimentos e as necessidades do formando. É constituído por aulas teóricas e práticas, complementandas com saídas fotográficas com vista a uma formação visual e técnica bastante completa. O curso tem por objetivo a formação visual e técnica. Destina- se a todos os interessados em desenvolver conhecimentos na fotografia e vontade de adquirir um conjunto de capacidades que permitam alcançar um bom nível de autonomia no processo de criação e utilização das imagens captadas. Os preços são acessíveis e o formando pode realizar o curso por módulos.

O estúdio "m" preenche uma lacuna na área da formação, mas Mário Monteiro deseja que vá mais além, tornando-se num local de encontro para os amantes da fotografia, sejam profissionais ou amadores. Hoje em dia, afirma, "toda a gente tem uma máquina, mas são muito poucos os que conseguem tirar partido do equipamento". O desejo de saber mais levou muitos amigos e clientes de Mário Monteiro a lançarem o desafio ao fotógrafo: "e se desse umas aulas?". A ideia ficou em banho-maria e quando foi convidado para fotógrafo oficial da Académica/OAF ocorreu o impulso definitivo: a existência do espaço e a necessidade de colocar ao serviço o equipamento arrumado no armazém. COM O APOIO de um professor do Instituto Português de Fotografia, a ideia de Mário Monteiro pretende transformar-se num "ginásio da fotografia" em que as pessoas têm acesso à formação por um preço competitivo e a todos os serviços na área da fotografia. O lazer também não foi esquecido, pelo que além do contacto com as edições (em livro) dos melhores fotógrafos a nível nacional e internacional, o estúdio "m", no espaço reservado à galeria de exposições, dará a conhecer a arte de quem vê o mundo com outros olhos. Para já, esta patente uma exposição da National Geographic que merece uma visita. |MN

13 OUTUBRO 2011


obra feita

SÃO MARTINHO DO BISPO freguesia de Coimbra, com 14,03 km2 e 14.246 habitantes (2001)

INTERVENÇÕES na Praça João Serrano, acesso ao Hospital dos Covões e rotunda da Igreja Paroquial. A piscina é uma obra emblemática

O

presidente da Junta de Freguesia de São Martinho do Bispo, Antonino Moura Antunes, está satisfeito com a obra realizada e destaca o apoio da Câmara Municipal de Coimbra, que "tem pago as verbas atempadamente". Segundo o autarca, a expetativa inicial, no domínio dos protocolos, apontava para os 100 por cento, mas, nos últimos 10 anos, os mesmos que Antonino Moura Antunes leva no cargo de presidente da junta de freguesia, a autarquia "já vai em 80 por cento quando comparada com o período anterior, o que é muito bom e tem permitido fazer obra". NA OBRA realizada, o autarca faz questão de separar o que é feito ao abrigo dos protocolos pela junta, de tudo o que é concretizado pela Câmara Municipal de Coimbra. "É o caso das instalações desportivas em que a junta de freguesia colabora,

INFRAESTRUTURAS EXEMPLARES

População com bem-estar garantido mas cujo papel principal cabe à câmara municipal. Os relvados sintéticos do Vigor, do Esperança e do Casaense, as piscinas, o parque infantil e geriátrico, o polidesportivo do Esperança e as obras no pavilhão do Centro Social S. João são exemplos de obras realizadas pela câmara e que contaram com investimento da nossa parte", explica. Nas escolas (Fala, Casais, Espí-

1064 data da

reconquista a ocupação de romanos, visigodos e muçulmanos terminou nesta data

rito Santo das Touregas), a junta de freguesia tem gasto "bom dinheiro", mas algumas precisam de grandes reparações, nomeadamente a escola da Póvoa, que "está no limite". O autarca compreende que a câmara, devido à dimensão do parque escolar, "não pode chegar a tudo", mas confia numa solução em tempo útil para os casos urgentes. As intervenções (rotundas, sepa-

14,3 km2 área

São Martinho do Bispo fica a 3,5 km de Coimbra, sentido oeste

52% setor terciário

radores, passeios e iluminação) junto à igreja paroquial e na Praça João Serrano, além do acesso ao Hospital dos Covões, são algumas das obras que a Junta de Freguesia de São Martinho do Bispo concretizou recentemente e que, à semelhança de outras, assegura Antonino Moura Antunes, têm um único objetivo: "o aumento do bem-estar das populações", conclui. | MN

ANTONINO MOURA ANTUNES salienta a melhoria da qualidade de vida na freguesia

atividades profissionais da maioria dos habitantes são neste setor

49


dinheiro

topo de gama

Motor com 300 cv na Alfa Romeo

Um depósito cheio e 2.161 quilómetros

A DUPLA norueguesa Knut Wil-

thil e Henrik Borchgervink fez 2.161 quilómetros com apenas um depósito de combustível na Mondeo ECOnetic Technology SW. A viagem começou de Murmansk, na Rússia, e terminou em Uddevalla, perto de Gotemburgo. Os dois viajantes conduziram um Ford Mondeo ECOnetic Technology na versão station wagon.

Grupo PSA reforça no meio académico PARA se manter um passo à frente nos produtos e serviços automóveis, a PSA Peugeot Citroën reforçou as relações com as universidades mais prestigiadas da Europa, Ásia, América Latina e América do Norte. Atrair os melhores talentos é o objetivo.

Nissan garante novo Juke-R

Astra poupadinho... NOVA VERSÃO ECOFLEX CONSOME APENAS 3,7 LITROS AOS 100 O MAIS ecológico e económico Opel Astra de

sempre chegou ao mercado português. A nova versão ecoFLEX do familiar compacto consome apenas 3,7 litros de gasóleo por cada 100 quilómetros no ciclo misto e emite apenas 99 gramas de CO2 por quilómetro. O Astra 1.7 ecoFLEX de cinco portas torna-se, assim, numa das referências do segmento, destacando-se por não sacrificar as performances em favor das emissões e da economia de combustível. Os 130 cv da nova versão ecoFLEX do Astra situam-se num patamar francamente superior face à potência média de 105 cv de outros familiares compactos criados mediante a filosofia de baixas emissões. A elevada potência, conjugada com um elevado binário máximo de 300 Nm, proporciona índices superiores de performance e dinâmica de condução. O Astra equipado com motor turbodiesel 1.7 CDTI está dotado das mais recentes tecnologias que garantem maior eficiência e chega ao mercado português com um preço de 25.150 euros.

Os componentes aerodinâmicos ativos, o evoluído sistema de regeneração da energia na travagem e a redução da resistência ao rolamento permitem, em conjunto com a apurada gestão térmica do motor 1.7 ecoFLEX, reduzir significativamente o consumo de combustível (menos 0,8 l/100 que o 1.7 CDTI de base, ou 17 por cento) e baixar as emissões de dióxido de carbono (um corte de 20 g/km). "A NOSSA estratégia de desenvolvimento de

versões ecoFLEX de menor impacte ambiental está a tornar-se cada vez mais abrangente. Ao contrário de outros produtos no mercado, os nossos modelos menos poluentes e mais económicos não sacrificam as performances. Pelo contrário, conseguimos aumentar a potência dos motores e diminuir os consumos, utilizando tecnologias que antes só estavam disponíveis em segmentos de mercado superiores", explica Guillermo Sarmiento, diretor-geral da GM Portugal.

O PRIMEIRO super crossover da

Nissan será alimentado pelo mesmo 3.8 litros V6 bi-turbo da primeira encarnação do Nissan GT-R (que debita até 480 cv). O veio propulsor modificado do sistema 4WD do GT-R funciona como "aperitivo" do novo bólide.

50

NA AGENDA

BMW COM HÍBRIDO O O novo Série 5 híbrido debita 306 CV, ao quais se juntam 55 CV do motor elétrico, alimentado por baterias de iões de lítio.

ASTON MARTIN EXCLUSIVO O DBS Carbon Edition inclui, entre outro equipamento, jantes exclusivas de 10 raios a negro e custa, sem impostos, 257,912 euros.

13 OUTUBRO 2011


O Clio Gordini RS tem o "ADN" Renault Sport e... pano para mangas!

JOÃO CARDOSO Administrador do Grupo Litocar SA

Equilíbrio na carga fiscal

Nissan Evalia já chegou ESPAÇO A BORDO E VERSATILIDADE SÃO ARGUMENTOS A NISSAN já está a comercializar no nosso país o novo Evalia, a versão monovolume do NV200 que pretende assumir-se como uma alternativa aos veículos dos segmentos B e C. O Evalia privilegia o espaço a bordo e a versatilidade (sete lugares disponíveis) e facilita o transporte de bagagens - permite transportar duas bicicletas inteiras sem ser necessário retirar a roda dianteira... A utilização dos sete lugares traseiros foi pensada à medida das necessidades dos utilizadores, já que os dois traseiros podem ser rebatidos para os lados ficando bloqueados nos vidros laterais

Chevrolet e Durant de parabéns

A CHEVROLET completa este

ano um século de existência. Foi no dia 3 de novembro de 1911 que Louis Chevrolet e William C. Durant fundaram a companhia.

traseiros. O motor 1.5 dCi de 110 cv com caixa de seis velocidades contribui para a confiança dos responsáveis da Nissan e o nível de equipamento é completo: ar condicionado com climatizador, câmara traseira, chave inteligente e sensor de luz e chuva. A Nissan propõe ainda dois packs de equipamento por 615 euros cada um. A GAMA inclui ainda com um motor 1.6 a gasolina de 110 cv. Os preços são de 20.410 euros para o gasolina e 23.953 euros para o Diesel. O cliente pode ainda optar entre uma versões de cinco e de sete lugares. A diferença entre ambas é de 554 euros.

Alves Bandeira lança pneus 4x4

Amarok cheia de fôlego

A HERCULES Tires é representada no mercado nacional pela Alves Bandeira que propõe uma gama completa de pneus 4x4. A marca americana tem sido bem aceite pela qualidade dos seus produtos.

A NOVA Amarok recorre ao

2.0 TDI – biturbo de 164 cv que devido à dupla sobrealimentação, produz 400 Nm de binário logo às 1500 rpm - e boa disponibilidade a baixos e médios regimes.

O MERCADO automóvel está, à semelhança do país, em estado de emergência. Vamos para um acumulado de cerca de 24 por cento de quebra relativamente a setembro, mas, de mês para mês, tem-se acentuado esta tendência. A perspetiva até ao final do ano é pouco animadora, já que as quebras poderiam atingir os 50 por cento. A este ritmo, o ano 2011 será o pior para o setor nas últimas três décadas. Não vejo que o Estado tenha condições para promover a animação do mercado, ainda que medidas como o apoio à troca dos veículos em fim de vida fossem muito importantes para estimular o consumo. Porém, mais importante que os programas de apoio, é necessário encontr ar uma forma equilibrada para aplicação do aumento do ISV que está previsto no acordo com a troika. Se este aumento não for seletivo, a situação do mercado tornar-se-á insustentável, já que crescerá o número de portugueses que ficarão sem possibilidade de comprar automóvel. Uma aplicação uniforme penalizará principalmente o segmento mais baixo do mercado, pelo que são necessários sinais do Governo de que esta aplicação será seletiva.

51


CRISTINA E JORGE

FAMÍLIA CATALÃO RECEBE SOCIAL

em casa de...

"NA ALTURA QUE CONSTRUÍMOS A CASA PROJETÁMOS TUDO AO PORMENOR, E VÁRIAS PESSOAS PERGUNTARAM SE TÍNHAMOS RECORRIDO A ALGUMA DECORADORA" ESTA SEMANA, A EQUIPA DA FOI CONHECER UMA JOVEM FAMÍLIA DA TERRA DOS PASTÉIS E DAS QUEIJADAS. IGUARIAS QUE A FAMÍLIA CATALÃO SABE DE COR E SALTEADO. NÓS PROVÁMOS… E APROVÁMOS. MÁRCIA OLIVEIRA

QUANDO SE PASSA em Tentúgal, ninguém

fica indiferente à casa cor-de-rosa situada mesmo junto à Nacional 111. Mas não só. Além da casa, existe uma quinta que tem crescido de ano para ano. Em tamanho e em

52

sucesso. Cristina Paiva e Jorge Catalão, ambos com 38 anos, são os jovens proprietários do espaço. Gerem a Quinta do Outeiro há mais de uma década. Começaram com um café em Coimbra, onde serviam pequenas refeições mas, depois do pai de Cristina ter adquirido

um pequeno espaço em Tentúgal, o casal passou a cuidar do negócio. Isso já foi há 14 anos… "Desde pequenina sempre disse que gostava de trabalhar na área da restauração e de ter um restaurante", explica Cristina. E realça: "o que faço é por gosto. Cada evento é um evento diferente e todos os pormenores

13 OUTUBRO 2011


FOTOS DE PEDRO RAMOS

EBEU A

são feitos a pensar em cada cliente. Além disso, tudo é feito na quinta, desde a decoração ao catering, panificação e pastelaria". O trabalho é muito, mas a equipa que trabalha na Quinta do Outeiro é bastante unida. "É uma equipa muito boa que já faz parte da família" destaca Jorge. Cristina e Jorge conheceram-se numa festa de aniversário, através de um amigo comum. Foi há 18 anos, um amor à primeira vista. Ela foi a primeira namorada dele e vice-versa.

Há 10 anos atrás decidiram construir a casa onde moram atualmente. Trata-se de uma moradia ampla, com algumas paredes curvas. No interior predomina a decoração clássica, onde se destacam os pormenores da madeira esculpida, assim como os tetos bordados. Na sala, espaço que elegem como o preferido em toda a casa, o clássico começa a conjugar-se com alguns aspetos mais modernos. "Se fosse hoje, faríamos as divisões mais amplas, mais modernas. Mas na altura

que construímos a casa projetámos tudo ao pormenor, e várias pessoas perguntaram se tínhamos recorrido a alguma decoradora para organizar os espaços da casa", explica a proprietária. No exterior, destaca-se um jardim enorme com diversas árvores de várias espécies, e uma ampla churrasqueira. A FAMÍLIA aumentou e hoje têm dois filhos: a Daniela, com 15 anos, e o Jorge Miguel, um

53


social

GOSTAMOS MUITO DE VIAJAR, DE CONHECER NOVAS CULTURAS sportinguista ferrenho com sete anos. "Quando viemos morar para esta casa, a Daniela já tinha cinco anos e preferia ficar em casa dos avós, não se habituou facilmente à nova habitação e ao facto de estar longe dos amigos", lembra Cristina. Nenhum dos filhos pretende seguir a área dos eventos, e é Daniela que acaba por dizer à jornalista que quer seguir Farmácia e partir para área de investigação. "Desde pequenina que gosta de mexer nas caixas dos medicamentos", garante a mãe. Segundo Jorge Catalão, o tempo que lhes sobra para estarem com os filhos é muito pouco, porque ao fim de semana estão sempre ocupados com os eventos da quinta. Mas todos os anos, fazem questão de tirar uma semana para irem para fora do país e desfrutarem do tempo

54

em família. "Gostamos muito de viajar, de conhecer novas culturas", diz Cristina. E a Daniela reforça essa ideia. "Adorámos ir a Nova Iorque. Já fomos lá duas vezes e já estamos a planear mais uma ida na Páscoa", afirma a adolescente. "Eles acabam por ser um pouco prisioneiros dos nossos horários durante o ano e por isso durante essa semana é otimo estarmos todos juntos" sublinha o patriarca. Sonhos? Para este jovem casal, ainda existem muitos sonhos por concretizar, mas neste momento grande parte dos desejos passa por ir inovando sempre a Quinta do Outeiro. No fim da entrevista ainda houve tempo para vermos como é que se confecionam as famosas queijadas na Quinta do Outeiro. Ver e provar. E…está aprovado.

13 OUTUBRO 2011


social

CONFRARIAS DISTINGUIRAM PERSONALIDADES

Carlos Beato entrega prémio Chefe Silva a Luís Lavrador (em cima), Madalena Carrito, Pedro Machado, Melchior Moreira e Carlos Beato (em baixo), Albano Alvares entrega prémio Boas Práticas à Confraria Nabos e Companhia (em baixo), Victor Alves entrega prémio Comendador Rui Nabeiro à Câmara Municipal Vila Nova de Poiares (ao lado)

C76

PEDRO RAMOS

A I Gala da Federação Portuguesa das Confrarias Gastronómicas, incluída no seu IV Congresso Nacional, realizou-se no Casino da Figueira da Foz. Madalena Carrito, presidente da Federação, afirmou que a instituição "participa ativamente como parceira das entidades de turismo do país".


"O ASSOCIATIVISMO TEM UM PAPEL MUITO IMPORTANTE"

social

CLUBE DE EMPRESÁRIOS DE COIMBRA EMPOSSOU NOVOS DIRIGENTES

Pedro Machado, Almeida Henriques, António Henriques e João Paulo Barbosa de Melo João Orvalho e Licínio Pereira

Nelson de Souza, João Luís de Sousa, Augusto Mateus e Fernando Carvalho

Luís Rocha e Jorge Bernardino

Ter eA

João Paulo Barbosa de Melo, Almeida Henriques, António Abrantes, José Couto e António Henriques

Jaime Devesa

FOTOS PEDRO RAMOS

Os novos órgãos sociais do Clube de Empresários de Coimbra (CEC) tomaram posse numa cerimónia pública realizada na Quinta das Lágrimas. Almeida Henriques, secretário de Estado adjunto da Economia e Desenvolvimento Regional, esteve presente e afirmou, à margem da cerimónia, que o associativismo tem um papel muito importante na sociedade portuguesa. "Conseguir juntar os empresários, no sentido de refletir os melhores caminhos para a recuperação do país, é fundamental", afirmou, concluindo que, "nestes tempos de resistência, é preciso que as empresas sejam um motor da economia". Para finalizar o dia decorreu a conferência intitulada "Os Desafios da Economia Portuguesa" com um jantar incluído.

João Ataíde e Nunes da Silva

Arnaldo Baptista e Pedro Baptista

Paulo Mendes e João Cardoso


José Relvão e Neves da Costa Teresa Carla e Alfredo Marques

Suzana Redondo e Maurício Marques

António Alves e Jorge Bernardino

Pedro Vaz Serra, Ernesto Vieira e Mário Ferreira

José Carlos Martins e Mário Miranda de Almeida

José Couto e João Moura

Fernando Gomes e Paulo Barradas

António Monteiro, Vasco Lucas e Manuel Rebanda

João Madeira e Jorge Marques

Jaime Soares e Maria Fernanda Carmo

Belarmino Azevedo, João Francisco Campos e Miguel Silvestre


social

ILUSTRES DO PSD INAUGURARAM NOVA SEDE Miguel Relvas esteve presente na inauguração da nova sede do PSD, na Rua Lourenço Almeida Azevedo, em Coimbra, a cujas salas foram dados os nomes de "notáveis" sociais-democratas do distrito. José Manuel Alves, Manuel Pereira e Alexandre Augusto Gouveia foram os homenageados.

Miguel Relvas, Manuel Oliveira, Carlos Encarnação e Marcelo Nuno (em cima), Requicha Ferreira, Saraiva Coutinho, Dias Coimbra, Marques da Silva, Manuel Antunes e Isabel Requicha Ferreira (em baixo), Olinto Vieira e José Manuel Ribeiro (ao lado)

AGUIAR DE CARVALHO COM BUSTO NA FIGUEIRA DA FOZ

O

antigo presidente da Câmara da Figueira da Foz, Aguiar de Carvalho, foi homenageado com o descerramento de um busto na Praça da Europa, que agora passa a ter o nome do falecido autarca. Estiveram presentes figuras conhecidas, entre elas Santana Lopes, antigo presidente da edilidade figueirense, e Manuel Machado, ex-presidente da autarquia de Coimbra. Vítor Pais, presidente da Assembleia Municipal da Figueira, destacou a "consciência de um homem que se realizava realizando também o coletivo". Para a filha do ex-presidente da Câmara da Figueira, Ana Paula Carvalho, a homenagem representou "a melhor união entre a autarquia e a memória do pai".

Manuela Aguiar de Carvalho, Joana Aguiar de Carvalho, Ana Paula Aguiar de Carvalho, João Ataíde e Vítor Pais (em cima). Santana Lopes e Manuela Aguiar de Carvalho (ao lado).


FABLAB PROMETE RÁPIDA CRIAÇÃO DE PROTÓTIPOS

C

Horácio Pina Prata, Almeida Henriques, João Paulo Barbosa de Melo e Nuno Malta, Lino Ferreira e Bruno Carvalho (ao lado)

NOITES MAIS LONGAS NO NB COIMBRA O NB Club Coimbra voltou a estar ao rubro durante toda a semana. Muitos foram os jovens que se entusiasmaram a dançar, na terça-feira, ao som de Pedro Cazanova e, no fim de semana, com o dj internacional Seb Skalski. O NB continua a trazer os melhores dj's e a organizar festas muito atrativas, para que todos se possam divertir e dançar, em bom ambiente, ao som da melhor música.

oimbra é a terceira cidade do país a apostar na criação de um FabLab, laboratório de fabricação digital e prototipagem rápida, que facilita a concretização dos projetos inovadores criados pelos empresários. A inauguração decorreu na sede da Novotecna, no Loreto, com presença do secretário de Estado adjunto da Economia e do Desenvolvimento Regional, Almeida Henriques, e do presidente da Câmara Municipal de Coimbra, Barbosa de Melo. O laboratório está equipado com uma impressora 3D, máquina de corte a laser, digitalizadora 3D, entre outros equipamentos de "luxo". O investimento rondou os 100 mil euros. "O objetivo é associar a prototipagem rápida e dinâmicas de empreendedorismo, sensibilizar gerações mais jovens para uma política de concretização", afirmou o empresário Pina Prata. O FabLab tem como grande objetivo contribuir para a democratização do acesso à tecnologia.

A ANIMAÇÃO DUROU A NOITE TODA AO SOM DE PEDRO CAZANOVA


social

ESPUMANTES SÃO DOMINGOS TÊM NOVA IMAGEM

O

Hotel Moliceiro foi o local escolhido para a apresentação da nova imagem dos espumantes São Domingos. A marca São Domingos visa transmitir dinamismo, empenho, dedicação, profissionalismo. Não fugir às origens e manter a sua linha simples continua a ser o principal objetivo da empresa. O elegante rótulo branco torna-o mais clean, evoluído e apelativo, graças à gargantilha de cores mais alegres. A cápsula dourada com o timbre São Domingos, "perfeito e imaculado", transmite classe a todo o conjunto.

AS CAVES SÃO DOMINGOS QUEREM ATINGIR NOVOS MERCADOS SEM FUGIR ÀS ORIGENS

José Espírito Santo, Manuel Janicas, Alexandrino Amorim, Naia Sardo, Cristina Durães e Alexandrino Amorim (ao lado)

MARBLE AVENUE "ARRASARAM" NO THEATRIX

O

espaço mais falado dos últimos tempos, em Coimbra, esteve ao rubro no passado dia 7 de outubro, com os "Marble Avenue". O Theatrix continua a apostar em grandes espetáculos e a sustentar um projeto artístico, cultural e lúdico. Todas as quintas-feiras, sextas e sábados, o espaço assume a vertente clubbing. No próximo dia 13 de outubro, o Theatrix vai receber Christian F, que acabou de lançar o seu primeiro original, juntamente com Mike Van Rose e Lia, intitulado "Bring it on now".

CASA APOSTA EM NOITES DE MÚSICA AO VIVO


DÂNIA NETO APRESENTOU DESFILE NO ATRIUM SOLUM

Dânia Neto

C227

FOTOS PEDRO RAMOS

O

centro comercial Atrium Solum, a comemorar o seu 7.º aniversário, promoveu, em parceria com as lojas sediadas naquele espaço de Coimbra, um desfile de moda em que participaram as atrizes Dânia Neto e Mariza Perez. Ao lado das duas modelos, desfilaram as candidatas do casting organizado pelo Dolce Vita Feelwoman Touch, ocorrido na semana passada. Na passarela, puderam ser vistos vestuário de adulto e infantil, calçado, ótica, decoração e outros acessórios. O evento foi organizado por uma agência profissional e teve como finalidade dar a conhecer aos seus clientes o que cada loja integra.


social

Mariza Perez

C224

PUB

C. C. ATRIUM SOLUM Av. Elísio de Moura 3030 - Coimbra Telf.: 239 406 659 Segunda a Sábado: 9h - 22h

C225

AL VA R

Á:

15

06

/2

00

8

www.coimbraatriumsolum.almeidaweb.com

Email: coimbra.atriumsolum@almeidaviagens.com

MELHORAMOS QUALQUER OFERTA!

C230

C189

JÁ ABRIU!

Centro Comercial Atrium Solum - Coimbra Av. Elísio de Moura, n.º 85, Loja 7 Telf.: 239 095 598 | Fax: 239 091 634


NO FIM DO VERテグ, AS LOJAS DO ATRIUM SOLUM DECIDIRAM MOSTRAR AS CORES DO OUTONO

C226

A INICIATIVA FOI UM SUCESSO E TROUXE MUITOS ESPETADORES AO ATRIUM


viver

moda

CALÇAS E BOTAS

Justas ou largas, são o look da estação Sofisticadas, confortáveis, de cintura média alta. Estas são as principais características que distinguem estas calças, como também os casacos de corte masculino. São uma das combinações perfeitas para um look moderno e muito urbano. Termine com um bom calçado, com destaque para o novo criador Egídio Alves. MODELO: Vânia | PRODUÇÃO: Black at White | FOTOGRAFIA: M. Crespo CABELOS E MAQUILHAGEM: Natália Lopes Cabeleireiros | ARTIGOS: BlackatWhite LOCAL: Jardim Botânico 64


FOTOS CEDIDAS POR EGÍDIO ALVES

OS PREFERIDOS DE

Marisa Cruz

A empresária e apresentadora do programa EUROMILHÕES apaixonou-se pelos sapatos de Egídio Alves e rapidamente os adoptou. "É um designer novo de S. João da Madeira que tem uma coleção original com sapatos confortáveis. Fiquei apaixonada pela coleção!" in CARAS

MARISA CRUZ usou o botim cinza numa recente apresentação da Dior


vida nova

viver

POR CARLOS GAGO ILÍDIO DESIGN, EMBAIXADOR L'OREAL

PRODUÇÃO GLOBAL: CABELEIREIRO ILIDIO DESIGN BY CARLOS GAGO FOTOGRAFIA: PEDRO RAMOS | MAQUILHAGEM: PERFUMARIA MARS BY KAZ HIRUMA, PRODUTOS GIVENCHY | ROUPAS E ADEREÇOS: B&A RICARDO COLAÇO - HELENA COLAÇO

a nt e s

cia "Adorei a experiên e aprendi muito a!" com o Kaz Hirum DIAMANTINA DO 40 ANOS

MINGOS,

HAIRSTYLIST Paula Rodrigues CORTE TONY &GUY 2011 COLORAÇÃO Duo de cor INOA 5.35 / 5.31

Se deseja mudar o seu visual, envie um e-mail, com o seu nome, idade e foto para vidanova@cnoticias.net

oi s

p de

A leitora procurava um estilo mais cuidado, mas ao mesmo tempo, um pouco "relaxado". A aposta no corte foi para linhas que enquadram o rosto, potenciando o olhar - intenso - da leitora . Os tons aplicados permitiram um visual homogéneo, mais adequado ao tom de pele e que se conjuga bem com uma maquilhagem simples mas muito eficaz para o dia a dia!

outono

PREVINA A QUEDA DE CABELO SAZONAL

66

Faça a prevenção. Vigie a sua alimentação, faça analises sanguíneas. Aconselhe-se com o cabeleireiro como prevenir a queda de cabelo. Depois do verão, se o cabelo está mais fragilizado opte por produtos que regeneram e preenchem a fibra capilar para recuperar o brilho, a suavidade.


figura

Inês Canha

C

OM 19,73 valores, Maria Inês Silvestre Rego Canha é a melhor classificada no universo de alunos que garantiram o acesso às Faculdades de Medicina de Coimbra, Porto e Lisboa. Em declarações à , a agora aluna da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra confessa que ficou surpreendida com a nota nos exames, ainda que tenha estudado "sempre" para garantir o objetivo - a entrada no curso de Medicina. Quando é que definiu o seu percurso académico e profissional? Comecei por frequentar o Colégio Rainha Santa e, depois, no ensino secundário, escolhi a Escola Secundária Infanta Dona Maria pelo prestígio e grau de exigência. A dedicação aos estudos limitou a sua vida pessoal? Considero que há tempo para tudo. Quando fui para a Escola Secundária Dona Maria consegui conciliar os estudos com o lazer. Queria mudar de ambiente e conhecer pessoas, o que consegui. A opção por Medicina surgiu nessa altura? Disseram-me que a Escola Secundária Dona Maria era muito boa e, já com o pensamento no curso de Medicina, matriculei-me em Ciências. A ambição foi sempre essa [o curso de Medicina] e o trabalho que desenvolvi ao longo do tempo teve sempre em conta esse objetivo. Quais foram as principais dificuldades? Para garantir a entrada no curso de Medicina é necessária aplicação e planeamento. Foi o que fiz, pois tinha receio, digamos, de acordar tarde e de não garantir os resultados necessários para a entrada no curso que desejava. Estamos, por isso, a falar de um grau elevado de exigência? É verdade e desde sempre foi assim. Tive boas notas desde pequenina e fui habituada a estudar para alcançar os resultados que me deixassem satisfeita. No ensino secundário não foi, por isso, necessário estudar muito mais do que já estava habituada. Lidei sempre muito bem com isso e considero que não fiz nada de mais. Tive efetivamente de trabalhar um pouco mais do que os restantes colegas, mas hoje tenho a recompensa desse trabalho.

Hoje tenho a recompensa de tanto trabalho!

O LADO "B" Inês Canha conseguiu conciliar os estudos com atividades como a dança e o inglês. Sair com os amigos é outros dos capítulos do dia-a-dia de Inês Canha, que concluiu com êxito os exames do 10.º, 11.º e 12.º logo na primeira fase. Os 19,73 valores no acesso ao curso de Medicina deixaram-na contente, devido à qualidade dos colegas, mas acima de tudo representaram o tão desejado passaporte para o curso de Medicina. TEXTO: MÁRIO NICOLAU • FOTOGRAFIA: PEDRO RAMOS • PASSAGEM DE MODELOS NO ATRIUM SOLUM (EM COIMBRA)

67


viver

viajar

Cabo Verde UM PAÍS, DEZ DESTINOS NOS ÚLTIMOS , Cabo Verde tem vindo a

afirmar-se como um destino de férias privilegiado, cobiçado por cidadãos de Portugal, Espanha, Itália, França, Reino Unido, Países Baixos, Alemanha, Dinamarca, Finlândia, entre outros. A apenas quatro, cinco horas de voo da Europa e com uma pequena diferença no fuso horário, o arquipélago, composto por dez ilhas (nove habitadas), torna-se elegível para quem procura descanso oumomentos relaxantes em família. Escolher Cabo Verde para a lua-de-mel é uma excelente opção. Com um clima ameno o ano inteiro, praias paradisíacas, excelentes condições para a observação da natureza, aves e animais marinhos, a sua cultura fascinante, uma gastronomia rica, tudo isso ligado ao som da morabeza e à simpatia das suas gentes, torna Cabo Verde num destino turístico único. Com 55 quilómetros de belíssimas praias, de areia fina e branca e um mar cor de esmeralda, a ilha da Boa Vista assume-se hoje como um dos principais pontos turísticos de Cabo Verde, graças a uma aposta recente na criação de infraestruturas adaptadas às necessidades do visitante.

68

A ILHA do Maio é também local de magníficas praias desertas em estado puro. A a reduzida exploração turística faz dela um local bucólico e tranquilo

COM um clima quente e seco constante, moderado pelos ventos alísios, o arquipélago oferece condições ideais para a prática de desportos náuticos

13 OUTUBRO 2011


C18

MOBILIÁRIO DE ESCRITÓRIO – ESCOLAR – GERIÁTRICO – HOSPITALAR - HOTELARIA

Morada: Estrada Ribeira de Eiras, Armazém n.º 7 Santa Apolónia - Coimbra

Tel. 239 439 256 Fax. 239 439364 Email: geral@sesis.pt Site: www.sesis.pt


à mesa

viver

vinhos

receita do chef

Gambas EM ALHO (4 PESSOAS) INGREDIENTES

LÚCIA FREITAS ENÓLOGA A REGIÃO do Douro é a região demarca-

da para a produção de vinho mais antiga do mundo. O Alto Douro Vinhateiro faz parte de uma pequena elite classificada como Património Mundial da Humanidade, pela Unesco, pela beleza paisagística e riqueza patrimonial. A paisagem é dominada por vinhas, entrecortadas pelo Rio Douro, plantadas em solo xistoso e dispostas em socalcos. Estas vinhas, algumas centenárias, originam os vinhos portugueses com maior reconhecimento a nível mundial. O vinho que apresento vem de uma pequena adega da aldeia de Casal de Loivos, propriedade de Paulo Duarte, que é daqui natural e desde sempre ligado à produção de vinho. As uvas são provenientes de várias parcelas, implantadas em terreno de xisto e dispostas em socalcos, todas localizadas na aldeia. A totalidade das parcelas, pertencente à família há várias gerações, é composta por cinco hectares de vinha com 50 anos e 12 hectares plantados há 15 anos. Conjugando estas características singulares, só poderia surgir um vinho distinto e de grande caráter.

baton DOC douro tinto 2008 Cor intensa, aroma de grande complexidade onde predominam os frutos silvestres, amoras, framboesas e mirtilos, notas de especiarias e tabaco. Os taninos são requintados. PREÇO: 19,00 €

70

800g de gambas black tiger 1cl de aguardente velha 2dl de azeite 6 dentes de alho 1 malagueta 1 raminho de salsa

MODO DE PREPARAÇÃO Deixe descongelar as gambas ao natural, descasque-as e tire a tripa linfálica nas costas (o fio preto) da gamba. Coloque o azeite numa sertã, junte as gambas ao azeite quente e frite-as de um lado (cerca de três minutos). Ao virar as gambas junte os alhos, amassados, e a malagueta. No final junte a salsa picada e a aguardente. Para terminar deve saltear cerca de trinta segundos e servir. (GONÇALO SOARES, CHEF DE COZINHA E PROPRIETÁRIO DO RESTAURANTE QUINTA DO VALE, EM OLIVEIRA DO BAIRRO)

Bavaroise DE MARACUJÁ INGREDIENTES 1 lata de leite condensado 500g de polpa de maracujá 2 pacotes de gelatina de ananás 250g de água 400g de natas

MODO DE PREPARAÇÃO Colocar a água a ferver e dissolver os dois pacotes de gelatina. Deixar arrefecer. Num recipiente colocar o leite condensado, adicionando, aos poucos, a polpa de maracujá, mexendo sempre. De seguida juntar a gelatina e voltar a envolver tudo muito bem. Entretanto, bater as natas até ficarem fofas e volumosas e juntar ao preparado, mexendo com uma colher até ficar tudo muito bem envolvido. Colocar o preparado numa forma previamente passada por água. Levar a solidificar cerca de seis horas. Nota: antes de desenformar, deve-se colocar a forma uns segundos em água quente para facilitar o processo. 13 OUTUBRO 2011


C196


CULTURA

agenda da semana qui.13 Peça "Imundação", pelo Teatro de Giz - Teatro Miguel Franco/ Leiria - 22H00

sex.14 Concerto "à Capella" - Centro Cultural à Capella/ Coimbra - 21H30

sáb.15 Apresentação do livro "O Filho de Mil Homens", de Valter Hugo Mãe - Fnac Coimbra - 17H00

dom.16 Melech Mechaya ao vivo - Fnac Coimbra - 17H00

seg.17 Exibição do filme "Cisne", de Teresa Villaverde - TAGV/Coimbra - 21H30

ter.18 Leituras Atravessadas: leitura de "Terror e Miséria no Terceiro Reich", de Bertolt Brecht (com debate) Tabacaria da Oficina Municipal do Teatro/Coimbra - 22H00

qua.19 Open Field String Trio ao vivo - Teatro Viriato - 22H00

72

Coimbra revela a arte do movimento punk A CULTURA PUNK está de volta

a Coimbra, graças à exposição de pintura "We Love 77", da autoria do duo luso-suíço Sardine (Vítor Silveira, músico dos Parkinsons e dos Tiguana Bibles) e Tobleroni (Jay Rechsteiner). Se entrar no Centro de Artes Plásticas até 29 de outubro vai encontrar 77 quadros que retratam as bandas que, desde os anos 70, mais se destacaram no movimento punk. Os trabalhos acabam por ter uma forte componente histórica, uma vez que recuperam momentos ou símbolos emblemáticos de grupos como os The Clash, Sex Pistols, Ramones, Joy Division, X-Ray Spex, Buzzocks, Black Flag, entre tantos outros.

O processo criativo do duo é peculiar. "O espírito do punk está no nosso próprio trabalho, que é quase todo baseado em montagens que fazemos em computador. Depois temos uma série de colagens mas, no final, a pintura acrílica é que remata a coisa", explicou Vítor Silveira à , no dia da inauguração da mostra, no passado sábado. Os artistas pintam em conjunto cada tela. "Faço sempre o lado direito, o Tobleroni fica com o esquerdo", atira Sardine, enquanto aponta para um quadro, evidenciando alguns pormenores que denunciam que foram pintados "a duas mãos". A mostra teve muito sucesso em Londres e na estreia em territó-

13 OUTUBRO 2011

rio luso, em Coimbra, as reações favoráveis dos primeiros visitantes parecem apontar para o mesmo caminho. MÚSICA E CINEMA. O tributo ao punk - 1977 foi o grande ano do movimento - fica completo com uma série de concertos no States Club, todos os sábados de outubro (The Parkinsons + Paul Collins Beat + Vic Godard and the Subway Sect + Ten O Seven + The Ricky C Quartet) e com quatro filmes/ documentários – na Casa das Artes, às quintas-feiras – comentados por especialistas, com o objetivo de abordar o impacto do movimento punk como expressão de contestação na atualidade.


POR BRUNO VICENTE bruno.vicente@cnoticias.net

Olga Roriz Teatro da Cerca de S. Bernardo Coimbra. 18 a 26 de outubro

Coimbra vai acolher uma das coreógrafas e bailarinas portuguesas que mais se tem destacado internacionalmente. A residência artística de Olga Roriz, no Teatro da Cerca de S. Bernardo, inclui os espetáculos de dança "Electra" (18 de outubro, 21H30), "Nortada" (21 e 22 de outubro, 21H30) e "Pets" – nova criação de 2011 - a 25 e 26 de outubro, 21H30). A iniciativa contempla ainda uma exposição de fotografia, uma masterclass, filmes e conversas em torno do trabalho de Olga Roriz, que nasceu em Viana do Castelo, em 1955, e que fundou a sua própria companhia de dança – com o seu nome em 1995.

Realejo Fnac Coimbra. 15 de outubro. 22H00 O álbum "Ruja Ruja - Quem Quiser Que Fuja!" marca o regresso do grupo, que explora as tradições europeias a partir da Idade Média.

"Globsesión" Teatro Municipal da Guarda. 15 de outubro. 16H00. 5€ Wily Monroe é um virtuoso do ilusionismo e da magia e um grande especialista na escultura de balões, bolas de sabão e puzzles.

"Lost Ride" TAGV/Coimbra. 19 de outubro. 21H30. 5€ a 7,5€ Este espetáculo de dança - com conceção e direcão artística de Francisco Camacho e co-criação e interpretação de Sílvia Real - apresenta figuras que confrontam-se com o espaço físico e psíquico que as constrange. "Lost Ride" habita na tensão, na ilusão das dicotomias. As sucessivas cenas, recheadas de rupturas, revelam diferentes camadas, emocionais e físicas, que se ocultam e desocultam.

Luísa Sobral Cine-Teatro de Estarreja. 22 outubro. 22H00. 6€ a 10€ "The Cherry on my Cake" é o primeiro disco assinado em nome próprio por Luísa Sobral, na sequência de uma viagem musical que começou logo aos 12 anos. O trabalho reúne músicas carregadas de imagens e vídeos imaginados para cada compasso da música. O single "Not There Yet" é bem a prova disso. Da onda pop-rock que a levou aos castings de um programa televisivo, passou para o jazz, onde se encaixa plenamente.

X-Wife Teatro Miguel Franco/Leiria. 14 de outubro. 22H00. 10€ a12€

"40º 11' N 8º 24' W" Oficina Municipal Coimbra. 13 a 15 de outubro. 21H30. 4€ Miúdos de vários bairros sociais de Coimbra, integrados no projeto de inclusão Bando À Parte, apresentam-se ao público nesta peça.

"Infectious Affectional" marca o regresso dos X-Wife a territórios mais próximos da música de dança, onde o groove e a eletrónica ganham espaço. "Keep on Dancing" é o single de avanço do álbum, que cruza sonoridades disco com pós-punk. A banda promete continuar a distribuir adrenalina por todo o país.

73


ideias dos outros

Steve Jobs LUÍS DE MATOS

O MEU PRIMEIRO encontro com um computador portátil Apple aconteceu em 1991, muito antes de saber o nome do génio que seria responsável por vinte anos sem vírus informáticos ou problemas que podem apenas fingir resolver-se com um "restart".

nacional. Steve Jobs parte quando todos sentíamos que o seu trabalho ainda só ia a meio. Ainda assim, Steven Paul Jobs, nascido em São Francisco a 24 de fevereiro de 1955, fez do nosso mundo um mundo melhor. O legado do menino adotado por Paul e Clara Jobs é incalculável e indelével.

STEVE JOBS, o fundador da Apple, partiu aos 56 anos. A sua obra e o seu exemplo viverão para sempre. O seu génio demonstrou que é possível pensar diferente. Demonstrou que a fé move montanhas. A fé numa visão pela qual lutou com genialidade, teimosia e tenacidade. Um caminho que não foi fácil e em que o número de detratores apenas foi servindo como indicador positivo da sua genialidade.

A TRANSFORMAÇÃO cultural e tecnológica por si desencadeada foi consistente, inovadora e profundamente estética. Steve Jobs deixou-nos os auscultadores brancos que usam os skaters e os corretores da bolsa, os iPads que vemos nas mãos dos pivôs de televisão e com que brincam as nossas crianças. Não mudou apenas a forma como as pessoas se comunicam, veem filmes, ouvem música e fazem compras na Internet, Steve Jobs tornou mais fácil e criativa a vida de todos nós.

O MUNDO CHORA UM DOS MAIS GENIAIS, VISIONÁRIOS E INFLUENTES PENSADORES…

STEVE JOBS abandonou a faculdade aos 18 anos de idade, fundou a Apple aos 21 na garagem dos seus pais e era multimilionário aos 25. Nunca parou. Pensar nele faz-nos querer não sucumbir às dificuldades. Revisitar a sua alocução aos recém-graduados da Universidade de Stanford em 2005, dá-nos força e inspira-nos. Como disse António Vilhena a propósito da morte de Steve Jobs, "há sempre uma outra vida, com as vidas daqueles que nos deixam a pensar".

STEVE JOBS foi um visionário. Viu o que outros não conseguiam sequer imaginar. Com brilho, paixão e energia, definiu a era digital e melhorou as nossas vidas pessoais e profissionais. Salvou e revolucionou o mundo da música com o iTunes, influenciou a sétima arte com a Pixar, reinventou as comunicações móveis com o iPhone, democratizou o software com a App Store, fez-nos reconhecer a imprescindibilidade de objetos que ontem desconhecíamos. Tudo isto depois de ter inventado os computadores pessoais e os transformar numa força de mudança social e económica. O LUTO GLOBAL sentido na sua partida não é sequer comparável ao vivido aquando do falecimento de um grande líder mundial ou de um qualquer ícone da música inter-

| Luís de Matos, mágico, assina semanalmente este espaço de partilha e opinião | Com a ajuda de um leitor de QR Code (a imagem pontilhada impressa nesta página) utilize o seu telemóvel ou webcam para descobrir o caminho apontado por Luís de Matos

74

13 OUTUBRO 2011


C78


C02

C_37_net  

SOCIAIS FALÊNCIA FALÊNCIA ANDAMOS A "INTOXICAR-NOS" À MESA ALTA RECUPERA ANIMAÇÃO DE OUTROS TEMPOS Num clima de incertezas é natural que os...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you