Page 1


Equipa Projeto 11º Ciclo Cenáculo Nacional www.cenaculo.cne-escutismo.pt www.facebook.com/cnecenaculonacional ep@cenaculo.cne-escutismo.pt (+351) 96 78 640 34 Segunda Edição, setembro 2013


Representação

O Entroncamento é uma cidade portuguesa pertencente ao distrito de Santarém, região Centro e sub-região do Médio Tejo. Alberga cerca de 20.000 habitantes, num centro urbano principalmente relacionado com o sector ferroviário. A mesma cidade deve o seu nome ao facto de aí se entroncarem todas as linhas ferroviárias do país. A região escutista de Santarém conta com um total de cerca de 2275 escuteiros, sendo dos quais 219 pertencentes à IV secção (Fonte: CNE em números, 2009). O 2º encontro do 11º Ciclo do Cenáculo Nacional, realizado de 19 a 21 de abril de 2013, decorreu no Centro Paroquial do Entroncamento, da paróquia local, na sede do Agrupamento 542 Encontroncamento e no Parque do Bonito. Participaram neste encontro 118 caminheiros de todo o país, 52 do 11º Ciclo e 66 do 12º, representando 9 regiões e 17 núcleos.

Região de Santarém

Algarve Aveiro Braga - Barcelos Braga - Braga Braga - Fafe Braga - Famalicão Braga - Guimarães Coimbra Évora Lisboa - Barra Lisboa - Moínhos de Vento Lisboa - Oeste Lisboa - Oriental Lisboa - Serra da Lua Lisboa - Solarius Madeira Portalegre e Castelo Branco Porto - Centro Norte Porto - Cidade do Porto Porto - Douro Sul Porto - Este Porto - Litoral Porto - Norte Santarém Viana do Castelo Viseu 3 3


Mensagem dos Coordenadores

O quê? Mais um ciclo de Cenáculo chegou ao fim? Sim, é verdade, já chegamos ao 2º Encontro do Cenáculo Nacional. Neste 2º encontro do 11º ciclo quisemos que todos os Caminheiros e Companheiros descobrissem a essência da seguinte frase: ‘Há quem nos conheça desde sempre.’ Há Alguém que não conheces mas que expressa a sua Cor da mesma maneira que tu expressas a tua e que está destinada a cruzar caminho contigo. Na tua vida podes ter alguém que te conheça desde sempre. Tu conheces-te desde sempre. Deus conhece-te desde sempre.

4

Tendo isto em conta, os Caminheiros e Companheiros tiveram a oportunidade de se conhecerem melhor, de entrarem em contacto com a sua espiritualidade e de descobrirem como é vivida a espiritualidade uns dos outros. Então Caminheiro/Companheiro, já sentes uma estranha sensação de harmonia? Este foi o momento perfeito para conheceres o teu coração. Alcançaste o que te propusemos… Expressaste a Tua Cor! A Coordenação


O 2º encontro, tal como a cidade que o acolheu, é marcado por chegadas e partidas. Assim, os representantes do 12º ciclo chegaram ao Entroncamento com um turbilhão de sentimentos, dúvidas para esclarecer e um forte desejo de partir à descoberta e encontrar os seus novos companheiros de caminho. O trabalho do 12º ciclo começou por ser explicado através de uma simples folha de papel. Cada representante foi convidado a realizar o seu avião e fazê-lo voar. Mais tarde, e depois de um momento de partilha, onde se apresentou uma técnica para dobrar o papel e alcançar o avião, todos conseguiram lança-lo mais longe. Esta metáfora permitiu recordar a cada um dos representantes que conhece o Cenáculo, mas o resultado do diálogo de todos, alcança um Cenáculo mais forte, fazendo com que o projecto voe mais alto e mais longe.

diferentes momentos (que abarcavam questões especificas da Comunicação, da Animação, da Logística e do Fórum) permitiram reconhecer alguns percalços que podem surgir aquando da organização do Cenáculo de Núcleo/Região e dotar a EP de valiosos contributos para o desenho do 12º ciclo. Num momento de partilha, ouviram-se testemunhos de pessoas que já passaram por este projeto e que podem ser bastante úteis para nos organizarmos a nível local e nacional, pois permitiram dar a conhecer o funcionamento de uma equipa projecto, as funções das diferentes equipas já mencionadas. Para além de tudo isto, neste encontro aberto, existiu uma grande articulação entre os dois ciclos, nomeadamente no trabalho desenvolvido no âmbito da Espiritualidade. Deste modo, o 12º ciclo participou aprofundadamente nas várias etapas no caminho do fórum.

Os representantes tiveram também a oportunidade de contribuir para o futuro ciclo. As respostas para as várias situações apresentadas em

O 12º ciclo do Cenáculo Nacional já começou o caminho! Agora, há novos sonhos para alcançar!

Um novo Ciclo 5


A Fé dos Outros Dinamizou-se uma sessão de perguntas e respostas com jovens das religiões Hindu, Budista, Muçulmana e Católica, que se traduziu num verdadeiro momento de partilha e ecumenismo. Foram abordados vários assuntos como as tradições de cada um, as experiências religiosas mais marcantes e a ligação que a fé estabelece no quotidiano.

A Minha Fé

A Nossa Fé

Foi apresentada a relação existente entre o CNE e a Igreja, mostrando a visão da Igreja relativamente ao Escutismo; explicado como o Escutismo Católico pode ser um meio para um aprofundamento da Fé e respondendo a dúvidas dos representantes acerca de rituais, práticas e dogmas da Igreja.

Tendo por base as palavras do Papa Emérito Bento XVI, que questionava se o afastamento dos jovens da Eucaristia podia estar relacionado com a forma como ela é dinamizada, a última etapa do nosso caminho foi um momento para todos pensarmos na dinamização da Eucaristia proporcionando uma forma nova e diferente de viver a Fé em comunidade.

6


Neste 2º Encontro do 11º Ciclo de Cenáculo, fomos convidados a redescobrir a forma como vivemos a nossa espiritualidade e como ela se manifesta no nosso dia-a-dia, como Caminheiros/Companheiros de Cristo. Orientamos o nosso trabalho num caminho de três etapas: “A minha Fé”, “A Fé dos outros” e a “A nossa Fé”. Neste Ano da Fé, pretendemos abordar esta área de forma diferente daquilo a que estamos habituados, tendo sido uma ótima oportunidade para aprofundar o nosso sentimento de espiritualidade. Desta forma, neste fim de semana, encaramos o trilho espiritual de uma forma distinta. Sabendo que por vezes, este trilho se torna difícil de alcançar, mostramos que há diferentes formas de viver a Espiritualidade no dia-a-dia e no escutismo. Assim, através de trabalhos de tribo, apresentações, debates, bem como uma nova abordagem à Eucaristia, desbravamos os caminhos deste trilho. Vimos, sentimos e aprofundamos aquilo que realmente nos guia!

A Minha Fé Os primeiros momentos de plenário focaram-se na problemática “A Minha Fé” onde inicialmente houve uma breve apresentação por parte dos representantes, de uma proposta lançada no 1º Encontro, de atividades que permitam alcançar determinados Objetivos Educativos Finais (OEF’s) na área Espiritual. Posteriormente, o segundo e o terceiro momento interrelacionaram-se, já que no segundo os Caminheiros e Compa-

nheiros, em Tribo, prepararam-se para o terceiro momento que consistiu numa sessão de plenário/debate com o Padre Jorge Sobreiro, no tema “ A Igreja e o Escutismo”. Nesta sessão, foi apresentada a relação existente entre o CNE e a Igreja, mostrando a visão da Igreja relativamente ao Escutismo; explicando como o Escutismo Católico pode ser um meio para um aprofundamento da Fé e respondendo a dúvidas dos representantes acerca de rituais, práticas e dogmas da Igreja. Após estes momentos, as conclusões dos representantes centraram-se no facto de a Igreja ser parte intrínseca do CNE e que é essencial encontrar a Fé a nível pessoal e que só através do sacramento da confissão nos reconciliamos totalmente com Deus. Também foi frisado o facto de o Vaticano desempenhar um papel fundamental na ajuda humanitária e de todos nós termos também esse dever, pois não existe ensino que se compare ao exemplo. Foi debatido também o papel do Assistente de Agrupamento/Núcleo e as conclusões frisaram que, se o CNE é parte da Igreja, é necessária uma pessoa que funcione como elo de ligação, sendo de extrema importância no agrupamento. A perpetuação da Fé no Agrupamento/Núcleo/nível pessoal, depende, para além de nós próprios, dos responsáveis da Igreja, assim como do apoio que nos prestam. No fundo conclui-se que o CNE é um verdadeiro complemento da Fé de cada escuteiro. Desta forma, esta manhã foi um momento de aprofundamento da nossa Fé, e tal como nos diz Bento XVI “Pela fé, vivemos também nós, reconhecendo o Senhor Jesus vivo e presente na nossa vida e na história” e o Princípio do Escuta “O escuta orgulha-se da sua Fé e por ela orienta toda a sua vida”. 7


temunhos de escuteiros de outros países. Cada testemunho foi importante para percebermos como é que as questões espirituais, nomeadamente a Fé, são vivenciadas pelas suas organizações escutistas. É importante referir que este trabalho só foi possível graças à colaboração da Secretaria Internacional e dos representantes portugueses no Agora 2013.

“Pela Fé, vivemos também nós” A Fé dos Outros No sábado à tarde, foi tempo de compreender “A Fé dos Outros”. Este momento iniciou-se com a visualização de um filme que apresentava tes8

Seguiu-se então uma “Sessão Café” onde participaram jovens convidados, de religiões distintas, nomeadamente Hindu, Budista, Muçulmana e Católica. Este momento traduziu-se num verdadeiro momento de partilha e ecumenismo. Dos vários assuntos abordados, os mais incidentes prenderam-se com as tradições de cada um, bem como o significado que se lhes atribui, as tradições religiosas mais marcantes e a ligação que a Fé estabelece no seu quotidiano. O objetivo desta abordagem foi dar a conhecer as diferentes religiões e a forma como vivem a sua Fé, indo ao encontro do Objetivo Educativo Final E6 - “Conhecer as principais religiões distinguindo e valorizando a identidade da Igreja Católica”. No final deste plenário conseguimos compreender que apesar de no nosso mundo conviverem religiões diferentes, há aspectos que as aproximam, nomeadamente a felicidade dos Homens. Por isso, há espaço para o diálogo

inter-religioso, para nos conhecermos melhor respeitando as diferenças e acentuando as semelhanças. Foi um momento onde tivemos oportunidade de aprofundar a nossa Fé, ao conhecermos a Fé de outros, aproveitando para esclarecermos algumas dúvidas.

A Nossa Fé O último momento de plenário foi dedicado à temática “A Nossa Fé”, baseando-se nas palavras do Papa Emérito Bento XVI que questionava se o afastamento dos jovens da Eucaristia podia estar relacionado com a forma como ela é dinamizada. Assim, esta etapa do nosso caminho foi um momento para todos pensarmos na dinamização da Eucaristia. Os Caminheiros e Companheiros trabalharam alguns momentos da Eucaristia, tendo tido o acompanhamento do Padre Filipe Diniz. A Eucaristia revelou-se assim um momento de enorme partilha e proporcionou uma forma nova e diferente de viver a Fé em comunidade.


Qual o papel do Desafio no Programa Educativo da IVª Secção? Sendo o Cenáculo uma Oportunidade Educativa, após ter sido realizado um questionário aos participantes, a área Espiritual do Programa Educativo destacou-se como aquela com menos Objetivos Educativos Finais alcançados. Além disso a questão do Desafio, como parte integrante do Programa Educativo, revelou-se também como algo que muito poucos Caminheiros e Companheiros realizam na parte final do seu percurso nesta secção. Juntando estes 2 aspetos foi apresentado de forma breve e dinâmica aquilo que deve ser o Desafio pelos dirigentes Rui Francês e Diana Cardoso. “O Desafio é individual, mas não é egoísta nem solitário” – Esta é uma das frases-chave para entender em que consiste o Desafio. O projeto idealizado deve ser algo aliciante, que faça o Caminheiro/Companheiro sentir-se útil e que lhe traga algo mais para a sua formação. Tem uma duração mínima de 3 meses e a sua planificação deve envolver todo o Clã e respetiva equipa de animação. Acima de tudo, tem de ser desafiante! Depois deste momento, os participantes juntaram-se em tribos e idealizaram propostas de

Desafio a serem realizadas no âmbito da área “Espiritual” do Programa Educativo, entre elas: • Participar ativamente na comunidade, por exemplo sendo catequista; • Preparar um retiro espiritual com ações voluntariado; • Criar o hábito de reflexão/introspeção no seu Clã/Agrupamento, utilizando textos de reflexão; • Animação da Eucaristia em paróquias com pouca assembleia eucarística; • Organizar quinzenalmente, durante seis meses, momentos de reflexão abertos à comunidade, com diversas temáticas; • Encontros mensais com oradores de diferentes religiões, promovendo o diálogo inter-religioso.

Youth Empowerment No final da tarde, realizou-se uma sessão de plenário com o dirigente Joaquim Freitas que se centralizou na forma como cada escuteiro se deve valorizar pela educação e oportunidades que o CNE lhe vai proporcionando ao longo da sua formação e como pode passar isso para o mundo laboral, culminando com a apresentação do documento “Valoriza-te” da Equipa Youth Empowerment. 9


O Fabuloso Destino de Amélie Para continuarem o seu lema de serem felizes fazendo os outros felizes, os representantes do 11º Ciclo foram convidados a guiar os representantes do 12º vendados por um corredor de sensações repleto de objetos relacionados com os Cenáculos de todo o país. Mas depois disso, foi altura de perceberem, tal como Amélie Poulain, que ser feliz não consiste apenas em fazer felizes os outros, mas também em pensarmos tanto em nós como em quem nos conhece desde sempre. Chegada a noite de sábado, os representantes entraram no espírito francês e participaram numa festa em Montmartre do Entroncamento. No meio de muita música e diversão, Amélie Poulain tentou descobrir o dono do álbum de fotos que encontrou, um tal Nino Q. No fim da festa dedicámo-nos a um momento mais calmo, o momento do baú, que revelou como se tinha feito Cenáculo no 11º Ciclo. Para além de apresentarem o seu encontro e o objeto que queriam deixar como recordação, os representantes foram interpelados a dizer algo do que sentiam ou iriam sentir falta neste percurso, porque parte de nós é partida, mas a outra parte é saudade. No final deste 11º Ciclo, os representantes percorreram o seu caminho levando não só as memórias como um pedacinho da luz do Cenáculo, para que nunca se esqueçam de “fazer ricochete” nas suas Regiões e Núcleos. E, mais importante de tudo, que o caminho se faz sozinho, mas é muito mais completo se estivermos acompanhados. Para os do 12º Ciclo, o início de um sonho. Apenas mais um que irão alcançar, vivendo, partilhando e avançando.

11


Comunicação A Comunicação Online no período de preparação do segundo Encontro consistiu, à semelhança do primeiro Encontro, em plataformas virtuais como o Facebook e o Site Oficial. No Facebook, a ferramenta mais acessível aos representantes, mantiveram-se ativos e atualizados os Grupos de trabalho das tribos, o Grupo do 11º Ciclo e a página oficial de Cenáculo Nacional. De um modo mais informal, mas não por isso menos útil, estas plataformas foram o principal meio de comunicação entre os representantes. Após o segundo encontro, surge também o Grupo destinado aos representantes do 12º Ciclo, um espaço que estimulará a motivação e a partilha entre representantes até ao seu primeiro 12

Encontro.

soas externas ao CNE.

Num plano mais formal, o Site Oficial e o e-mail da Equipa de Projeto foram os principais instrumentos utilizados. O Site Oficial mantém-se atualizado com todos os documentos formais referentes ao 11º Ciclo e, tal como as restantes plataformas online, pode ser visitado por qualquer pessoa. O e-mail da Equipa de Projeto foi também essencial para o envio de Pegadas e para contatos extra com os representantes, principalmente em casos de dúvidas individuais ou avisos.

Mas como num mundo como o que conhecemos hoje em dia a tecnologia já não é novidade, fez algum sentido voltar às origens e reconhecer o valor de outras boas formas de comunicação. Como forma de sensibilização e inovação, todos os representantes do 11º Ciclo receberam nas suas moradas uma carta postal que serviu de convite para o segundo Encontro. O feedback foi muito positivo, tendo vários representantes partilhado que lhes tinha sido muito importante e emocionante receber o postal de surpresa.

De um modo geral, as novas tecnologias de comunicação e informação mostraram-se novamente uma mais-valia, permitindo a comunicação e criação de laços entre todos os caminheiros envolvidos no Projeto. É notável também a eficácia na divulgação do Projeto, já que todas as páginas, à exceção dos Grupos de trabalho das Tribos, são partilhadas com o público, permitindo o acesso da informação a todos os Caminheiros, Companheiros, Dirigentes e pes-


Espaço Aproveita Mais uma vez, o Espaço Aproveita teve grande importância como espaço de dinamismo, atividade e descontração, tanto para representantes como para Oradores, durante os encontros. À semelhança do primeiro Encontro, criou-se um espaço parecido ao espaço da PhotoCabine, desta vez com adereços que os representantes podiam utilizar para se mascarar. Como fundo das fotografias, ia sendo construída uma Torre Eiffel em cartolina onde os representantes escreviam frases ou pensamentos que aludissem às seguintes questões “O que levas do Cenáculo?” e “O que queres partilhar com os outros?”. No final, a Torre Eiffel estava completa e cheia de inscrições escritas pelos representantes, servindo de fundo às fotografias. Este espaço foi talvez o que melhor cumpriu o objectivo da descontração e diversão. A adesão foi grande e as fotografias deram origem a mais um álbum de fotografias originalmente representadas como no álbum que Amélie encontra no filme. Seguindo ainda o espírito que nos fez sentir Amélie Poulain, o mural “Before I die…” regressou ao Espaço Aproveita. No primeiro Encontro, os representantes criaram uma teia de fios com

Post-its escritos com sonhos ou desejos que gostariam de concretizar em vida. A ideia de fazer regressar este mural era que os representantes escrevessem, desta vez, o que já tinham feito para realizar o seu sonho. A adesão a esta dinâmica foi menor, talvez por não ter sido bem passada a mensagem e também pelo facto de os representantes do 12º Ciclo não terem conhecido a dinâmica antes. Tal como no primeiro Encontro, manteve-se o jogo das mãos, em que são desenhadas duas mãos numa cartolina colada à parede e duas pessoas devem colocar cada uma a sua mão no desenho e conversar um pouco, tirando as mãos só depois de se conhecerem melhor. Desta vez, uma mão era destinada a uma pessoa do 11º Ciclo e a outra era destinada a uma pessoa do 12º Ciclo, por forma a estimular a interação e partilha de experiências entre os representantes dos dois Ciclos. Mais uma vez, a adesão a esta dinâmica foi grande, proporcionando momentos divertidos e memoráveis.

do Cenáculo, que tiveram muito mais procura que o habitual. De um modo geral, o Espaço Aproveita deste segundo Encontro foi um espaço dinâmico e agradável, permitindo momentos de descontração e partilha bem merecidos. Apesar de nem todas as dinâmicas planeadas terem sido levadas a cabo, o objectivo foi cumprido: os participantes envolveram-se, usufruíram do espaço e deram-lhe mística, espírito e momentos inesquecíveis.

Por fim, a banca de vendas esteve particularmente movimentada. Para além do café, estavam expostas as t-shirts, fitas e sacos de pano 13


Representantes 11º Ciclo Algarve Tiago Filipe Rodrigues Antunes

1201 - Conceição de Faro

Coimbra Ana Laura Miranda Domingos Rui Jorge Moreira Augusto

162 - Santa Clara 162 - Santa Clara

Aveiro Daniela Marisa Maio Ferreira José Diogo dos Santos Gomes Rui Alberto Ferreira Moutela

794 - Vilar 794 - Vilar 233 - Estarreja

Lisboa - Barra Bernardo Jobling dos Santos Machado Filipa Alexandra Leong Ruela

774 - Queijas 71 - Parede

Braga - Barcelos Bruno Matos Dos Santos Liliana Cortês da Silva

332 - Vila Cova 250 - Adães

Lisboa - Moínhos de Vento João Bernardo Rebelo de Sousa e Silva Rita Andreia da Conceição Marques

1100 - Parque das Nações 495 - Santo António dos Cavaleiros

Braga - Braga Elsa Margarida Almeida de Sousa

459 - Palmeira

Lisboa - Oeste Paulo Ricardo Tavares Nunes

753 - Óbidos

Braga - Fafe Sara Marília Gonçalves Freitas

287 - Santa Maria de Antime

Lisboa - Oriental Cátia Cunha Rodrigues José Pedro dos Santos Ribeiro

67 - Bairro da Encarnação 66 - Lumiar

Braga - Famalicão José Pedro Abreu Silva Pedro Miguel Lopes Oliveira

133 - Mogege 227 - Carreira

Lisboa - Serra da Lua Ana Bárbara Barroso de Matos Joana Alexandra de Oliveira Gonçalves

1271 - São Brás 255 - Damaia

Braga - Guimarães Francisco Assis Gonçalves Freitas Pedro Diogo Lemos

858 - Lordelo 386 - Selho

Lisboa - Solarius Samuel José Sanches Silva

272 - Sobral Monte Agraço

14


Madeira João Fábio Gomes Gouveia João Pedro Pestana Spínola Maurice Albert Freitas Escorcio Portalegre e Castelo Branco Emanuel Alexandre Matos Silva Filipa Alexandre Prata Domingos Francisco José Militão Nunes Raquel Alexandra Afonso Sabino de Sousa Louro Porto - Centro Norte Ana Isabel Martins Gonçalves Joaquim David Fontes Ribeiro

1347 - Álamos 825 - Machico 921 - Santa Cruz 1053 - Alferrarede 160 - Castelo Branco 142 - Portalegre 160 - Castelo Branco 1189 - Corim 7 - Ermesinde

Porto - Cidade do Porto Clara Sena Leite António Tomás Durán Castro

6 - Bonfim 10 - Cedofeita

Porto - Douro Sul Diogo Miguel Fernandes da Rocha Fábio Guilherme Sousa Mota

274 - Espinho 210 - Oliveira do Douro

Porto - Este Andreia Sofia Silva e Castro Nuno Marcelo Carneiro Moreira

1267 - Sobrosa 1155 - Lordelo

Porto - Litoral Filipa Maia Aroso Ramos Luís Miguel Teixeira Malva

572 - Mindelo 572 - Mindelo

Porto - Norte Cláudia Filipa Maia Azevedo Joana Maria Maciel Guimarães

94 - Trofa 94 - Trofa

Santarém Ana Cristina Freitas Peixoto Miranda Mesquita 44 - Tomar Ana Rita Goucha de Carvalho 403 - Rio Maior David Damásio Francisco 44 - Tomar Viana do Castelo Jacinta Diana Carmo Rego Tiago Viana Oliveira Vilas

452 - Vila Nova Anha 453 - São Teotónio - Valença

Viseu Catarina Matos Lima Daniela Alexandra Lages Nogueira João Fernando Ramalho da Costa Sofia Vanessa Dias Almeida

1185 - São Miguel de Bodiosa 649 - Campia 1185 - São Miguel de Bodiosa 1234 - Mundão

15


Representantes 12º Ciclo Algarve Daniel Lima Martins Filipa Alexandra Soares Roque João Pedro Guerreiro Rodrigues

598 - Armação de Pêra 413 - Ferragudo 1201 - Conceição de Faro

Coimbra Diogo Miguel Da Silva Andrade Inês Sofia Pedro Baptista Joana Sofia Bigares Grangeia Maria Costa Catré

1067 - Pampilhosa 1035 - Condeixa-a-Nova 109 - Santo António dos Olivais 109 - Santo António dos Olivais

Aveiro Francisco Miguel Melo Tavares Nuno Manuel Pires da Silva Costa Telma Inês Lopes dos Santos

141 - Santa Eulália de Águeda 141 - Santa Eulália de Águeda 141 - Santa Eulália de Águeda

Évora João Filipe Matos Coelho João Pedro Mira Caroço

890 - Évora 979 - Portel

Braga - Barcelos Diva Felix Costa Carvalho José Carlos Ferreira Peixoto

595 - Arcozelo 1350 - Alvelos

Braga - Braga Maria Helena Braga Martins Nuno Filipe Vieira Rodrigues

Leiria Catarina da Silva Virgílio Daniela Gomes Pereira João Pedro Machado Trilho Joel Filipe Dias Francisco

1318 - Aljubarrota 682 - Fátima 1318 - Aljubarrota 1211 - Santa Catarina da Serra

1 - Sé Braga 208 - Ferreiros

Lisboa - Barra Francisco da Cruz Correia Proença Mendes Maria Lobato de Carvalho Bruno Lagos

407 - Oeiras 297 - Algés

Lisboa - Moínhos de Vento Carlos André Rebelo Mariana Pereira Sanches

879 - Póvoa de Santo Adrião 1287 - Portela

Lisboa - Oeste João Pedro Franco dos Santos Marisa Ferreira Bernardino

1188 - Milharado 522 - Coz

Lisboa - Oriental Gonçalo Ayala Botto Ferreira Alves João Pedro Gomes Louro

683 - Telheiras 66 - Lumiar

Braga - Fafe Ana Rita Cunha Pereira Braga - Famalicão Márcia Filipa Ferreira Silva Sara Daniela Valinhas Rodrigues

287 - Santa Maria de Antime 27 - Bairro 291 - Calendário

Braga - Guimarães Catarina Andreia Silva Oliveira 366 - Brito Pedro André Lopes Teixeira de Sousa 307 - Ponte Braga - Vila Verde Eduardo Manuel Oliveira Peixoto

16

418 - Vila Verde


Lisboa - Serra da Lua Filipe Miguel Costa Cravo Francisco Manuel Brandão de Melo Vinagre

55 - Amadora 1134 - Sintra

Porto - Este Ana Raquel Gomes Pacheco Fábio Isidro Dias Maia

765 - Seroa 765 - Seroa

Lisboa - Solarius Delfina Soares Pereira Patrícia Marques Teixeira

524 - Aveiras de Cima 513 - Alenquer

Porto - Litoral João Miguel da Costa Freitas Sérgio Miguel Caxide Lopes Ribeiro

902 - Moreira 902 - Moreira

Madeira Ana Catarina de Andrade Hamuzá Eusébia Catarina Almeida Rodrigues Nuno Filipe Ornelas Caires Simone Ponte de Sousa

571 - Santo Amaro 432 - Sagrado Coração de Jesus 943 - Assomada 571 - Santo Amaro

Porto - Norte Ana Cláudia da Cruz e Silva Luís Carlos Marques Dias

447 - Santiago de Bougado 447 - Santiago de Bougado

Santarém Miguel Maria Calçada de Sousa Rita Alexandra Colaço Calisto

68 - Salvaterra de Magos 403 - Rio Maior

Portalegre e Castelo Branco Ana Mafalda Rosa Matias Inês dos Anjos Parente Luis Miguel Moura Marques Rodrigues Miguel Anastácio Pereira

170 - Sertã 326 - Idanha-a-Nova 1093 - Chainça 697 - Rossio ao Sul do Tejo

Setúbal Inês Sofia Soares Gomes Lains Cardoso Miguel Ângelo Fernandes Gracioso

510 - Cacilhas 586 - Palhais

Porto - Centro Norte Hugo Miguel Osório do Patrocínio Joana Catarina Ferreira Gonçalves

7 - Ermesinde 7 - Ermesinde

Viana do Castelo Luís António Barbosa Gonçalves Oscar Sousa Costa

538 - Darque 85 - Sao Pedro - Barroselas

Porto - Cidade do Porto Ana Filipa Pereira Lima Daniel Fernandes Gomes

6 - Bonfim 391 - Santo António das Antas

Porto - Douro Sul Cláudia Sofia Monteiro Leal Marcelo Filipe de Sousa Mota

Viseu Beatriz Lopes da Silva Daniel Ricardo Ferreira Edgar Alexandre Soares Gonçalves Teresa Isabel Pereira de Almeida

956 - Repeses 1344 - Lordosa 577 - S. José 605 - Carvalhais

274 - Espinho 210 - Oliveira do Douro

17


Cenáculos Regionais e de Núcleo Durante o 11º Ciclo realizaram-se 30 Cenáculos Regionais e de Núcleo (13 Regionais e 17 de Núcleo), aumentando para setenta e cinco por cento o número de Regiões/Núcleos onde os Caminheiros e Companheiros participam ativamente numa atividade que promove uma melhor vivência escutista a nível local. Nas Regiões de Beja, Bragança, Leiria, Setúbal e nos Núcleos Cego do Maio, Póvoa do Lanhoso, Vieira do Minho, Vila Verde (Braga), Lisboa Ocidental (Lisboa) e Terras de Santa Maria (Porto) não se realizou Cenáculo. No total, 1514 Caminheiros e Companheiros de todo o país estiveram reunidos nos seus Cenáculos locais, nomeando novos representantes que estiveram presentes no 2º Encontro do Cenáculo Nacional. Ressalvamos, ainda, que o garante da qualidade pedagógica destes encontros está depositado no Dirigente Observador, que deverá acompanhar o projeto em todas as suas fases (preparação, realização e avaliação).

19


Cenรกculo Nacional Equipa Projeto 11o Ciclo

Cyarta 11º Ciclo Cenáculo Nacional  

Documento oficial do Cenáculo Nacional, com todas as informações e conclusões do ciclo.

Cyarta 11º Ciclo Cenáculo Nacional  

Documento oficial do Cenáculo Nacional, com todas as informações e conclusões do ciclo.

Advertisement