Page 1

CONFERÊNCIA ENCONTROS PARA O FUTURO II TEATRO CAMÕES

ESTÚDIOS VICTOR CÓRDON


Este encontro pretende refletir sobre os caminhos futuros que vislumbrem servir eficazmente a prática da Dança em Portugal, assim como as suas diversas dimensões. Problemas, soluções e políticas favoráveis são os conceitos de partida, assumidos como fluxos múltiplos e linhas de continuidade para o trabalho das temáticas identificadas no encontro anterior, dedicado, em exclusivo, ao ensino da Dança em Portugal. A educação do corpo na área performativa, as necessidades públicas de políticas legislativas e de ação que alicercem educação e prática, associados aos

TEATRO CAMÕES

ESTÚDIOS VICTOR CÓRDON


desafios e mutações dos públicos a quem chega a Dança Portuguesa, abrem-se à congregação de profissionais e à reflexão sobre medidas concretas. Estas medidas são vistas como necessidades essenciais para articular a Disciplina, a sua prática na educação, na cultura e nas artes em geral. O Ensino da Dança: Políticas, Práticas e Públicos tornam-se conceitos mote das Conferências Encontros para o Futuro II. Esta segunda edição dos Encontros para o Futuro conta com a colaboração da Escola Superior de Dança do Instituto Politécnico de Lisboa.

TEATRO CAMÕES

ESTÚDIOS VICTOR CÓRDON


TEATRO CAMÕES

ESTÚDIOS VICTOR CÓRDON


CONFERÊNCIA ENCONTROS PARA O FUTURO II O ENSINO DA DANÇA: POLÍTICAS, PRÁTICAS E PÚBLICOS

15 MAR – 16 MAR 2019 TEATRO CAMÕES ESTÚDIOS VICTOR CÓRDON REFERÊNCIAS PROPOSTAS Estúdios Victor Córdon Escola Superior de Dança

ESTÚDIOS VICTOR CÓRDON

5


CONFERÊNCIA I DIA — 15 MARÇO

OBJETIVOS

TEATRO CAMÕES ABERTURA DA CONFERÊNCIA ESPETÁCULO DOM QUIXOTE, CNB 17H30 — 23H15

OBJETIVOS GERAIS

II DIA — 16 MARÇO ESTUDIOS VICTOR CÓRDON CONFERÊNCIA 9H00 — 19H30

Promover e fomentar uma reflexão conjunta e inclusiva de todos os intervenientes deste encontro, unindo evidências e experiências na identificação de fluxos de soluções e de políticas favoráveis para a resolução de problemas identificados nas áreas da educação, exigências do profissional, da comunidade da Dança e dos desafios face ao público que a consome. OBJETIVOS ESPECÍFICOS — Promover uma reflexão sobre o ensino artístico em Portugal, em específico da Dança; — Cruzar experiências e diferentes pontos de vista na área da formação de formadores assim como as suas condições e realização; — Refletir de forma inclusiva sobre as políticas para uma definição de programas e conteúdos na área do ensino em Dança; — Identificar as necessidades reais e atuais dos profissionais da dança (bailarinos, professores, coreógrafos, investigadores); — Pensar o território e as mudanças que influenciam as práticas do ensino, a aproximação do público à área; — Promover conexões entre as várias classes profissionais.

ESTÚDIOS VICTOR CÓRDON

6


TEATRO CAMÕES

ESTÚDIOS VICTOR CÓRDON


CONFERÊNCIA PROGRAMA I DIA — 15 MARÇO TEATRO CAMÕES 17H30 — 23H00

17H30 – 18H00 Receção e acolhimento dos participantes (Foyer do Teatro) 18H00 – 19H30 CERIMÓNIA DE ABERTURA Os passados encontros servem um presente futuro abrindo espaço para uma clarividência na reflexão sobre a Dança, nas suas mais variadas formas e dimensões. Aborda-se, neste painel, a importância da Dança para o país e para o setor cultural, sendo a reflexão assente em medidas concretas, vistas como necessidades essenciais para articular a Disciplina, a sua prática na educação, na cultura e nas artes em geral. O Ensino da Dança: Políticas, Práticas e Públicos tornam-se os motes iniciais. Com: CARLOS VARGAS Presidente do Conselho de Administração do OPART PAULO MORAIS-ALEXANDRE Pró-Presidente para as Artes do IPL JOÃO SOBRINHO TEIXEIRA Secretário de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior JOÃO COSTA Secretário de Estado da Educação GRAÇA FONSECA Ministra da Cultura Orador principal: RUI CUNHA MARTINS 19:30 – 20H30 Jantar dos participantes 21H00 Espetáculo Dom Quixote pela CNB

ESTÚDIOS VICTOR CÓRDON

8


TEATRO CAMÕES

ESTÚDIOS VICTOR CÓRDON


CONFERÊNCIA PROGRAMA II DIA — 16 MARÇO ESTÚDIOS VICTOR CÓRDON 9H00 — 19H30

9H00 – 9H30 Receção e acolhimento dos participantes (Foyer dos EVC) 9H30 – 11H15 PAINEL 1 PARADIGMAS DO ENSINO ARTÍSTICO ESPECIALIZADO DA DANÇA Abordagem e abrangências dos planos de estudos, estrutura e organização curricular, autonomia pedagógica, habilitações para a docência: submissão, autonomia e crítica. Este painel integra um conjunto de profissionais que acompanharam a evolução do ensino artístico especializado da Dança, fora dos grandes centros urbanos. Entre a criação dos cursos, o período de experiência pedagógica e monitorização, a autonomia pedagógica e as constantes alterações da legislação, objetiva-se refletir sobre o seu impacto na atualidade. Com: ANA MANZONI BIANCA TAVARES ISABEL BARRETO Moderação: JOÃO FERNANDES *na duração do painel está contemplado um período de debate e reflexão com a audiência

11H15 – 11H30 Coffee Break

ESTÚDIOS VICTOR CÓRDON

10


CONFERÊNCIA 11H30 – 13H00 PAINEL 2

14H30 – 16H15 PAINEL 3

POR VOCAÇÃO À MESA

PENSAR O TERRITÓRIO, DO ENSINO, ÀS PRÁTICAS, AOS PÚBLICOS

As diversas realidades - artísticas, pedagógicas, de regulamentação e legislativas - têm diferentes causas e efeitos, manifestando-se na forma de atuação dos profissionais. Diferentes grupos de trabalho partem da análise do relatório final das Conferências Encontros para o Futuro ’18, e do tema desta edição para a partilha de informação, de experiências e de formas diferentes de pensar o meio e as suas necessidades. MESAS DE TRABALHO Moderação: (cada mesa terá um moderador do próprio grupo) 13H00 Pausa para almoço

Refletir sobre o conceito de território, tendo a temática da Dança como ponto de partida, sendo fundamental a atualização conceitual para ajustar o processo de transformação da realidade vivida com as discussões contemporâneas, a relação entre a prática social e a reflexão teórica. Este painel incide nos novos desafios e realidades dos projetos culturais e a sua importância na formação, no ensino, nas práticas e nos públicos da Dança em Portugal. Com: LUÍS FERREIRA PAULA GARCIA RUI TORRINHA Moderação: EZEQUIEL SANTOS 16H15 – 16H30 Coffee Break

ESTÚDIOS VICTOR CÓRDON

11


CONFERÊNCIA 16H30 – 18H15 PAINEL 4 DESCOBRIR O DESCONHECIDO: DANÇA. PROBLEMÁTICAS E EDUCAÇÃO ARTÍSTICA Os projetos educativos surgem de um conjunto de ações organizadas para determinado fim pedagógico. A conceção, planificação e concretização de atividades, necessárias para a sua aplicação, implica uma mobilização importante dos diversos recursos e agentes disponíveis em determinado contexto. As potencialidades da Educação Artística e os recursos e fragilidades do meio são elementos contextuais fundamentais na génese do Projecto de Formação Artística Contínua na área da Dança. Sendo a Dança uma área com as suas especificidades tão definidas abordam-se neste painel conceitos como formação para a comunidade/trabalho com a comunidade/projetos comunitários, as tendências/experiência de aproximação às comunidades. Com: CARLA ROSA JORGE RAMOS DO Ó MARIA DE ASSIS Moderação LUIZ ANTUNES *na duração do painel está contemplado um período de debate e reflexão com a audiência

18H15 – 18H30 Pausa

ESTÚDIOS VICTOR CÓRDON

18H30 – 19H30 MESA DE ENCERRAMENTO Discussão/Balanço Final/Debate/ Reflexão das Mesas de Grupos Na mesa de encerramento são apresentadas as sínteses dos documentos de trabalhos sedimentados numa escuta plural mediatizada pelo ecletismo do aparelho metodológico aplicado no Painel 2. Procura-se abordar o projeto em profundidade, sistematizando os objetivos planificados, as atividades concretizadas e os efeitos educativos. Refletir os desafios dos meios de profissionalização assim como o seu reconhecimento, tendo por base a ideia que o conhecimento é precedente da execução e constructo de uma personalidade com formação científica. Compreender a competência como percurso de treino de habilidades, desde a ausência de senso até ao conhecimento tácito e capaz de tomada de decisão, alia instrução formal e prática, erigindo também o papel da autorregulação para um exercício profissional com independência técnica. Este painel aborda as necessidades legislativas de autorregulação do Ensino da Dança em Portugal, tendo por base o core das competências essenciais, a carência tutelar sentida na prática e a forma de relacionamento com as estruturas políticas. Com: LUÍS SÁ NOGUEIRA LUIZ ANTUNES NOTAS: Todas as sessões contarão com a presença de um relator cujas notas de cada sessão serão alvo de um relatório e texto final; O programa pode estar sujeito a alterações.

12


BIOGRAFIAS ANA MANZONI Natural de Lisboa, estudou na Escola de Dança do Conservatório Nacional, com os professores Patrick Hurd, Anna Mascolo, Ana Pereira Caldas, Elisa Worm, Vasco Wallemkamp, Wanda Ribeiro da Silva, Manuela Valadas e Águeda Sena. Licenciatura e Mestrado em Performance Artística/Dança pela Faculdade de Motricidade Humana, cuja dissertação refletiu O Ensino Vocacional de Dança em Portugal – Diferenças e Similitudes no Espaço Europeu: Espanha e França. Curso de Profissionalização em Serviço na Universidade Aberta. Obteve o Teaching Diploma da Royal Academy of Dance, com as especializações em Anatomia, História da Dança e Metodologia da Dança. Cursou com Jean McDonnell, Debora Wayne, Jacqueline Ferguson, Sallie Lewis, Jean Nuckey, Pauline Dodds, Jacqui Dumont; Erna kuenen, Gilian Antony. Participou em diversos cursos com Alain Davesne, Carlos Caldas, Cora Benador, Igor Ivanov, Maria Luisa Carles, Margaret Foyer, Tony Hulbert e Violette Quenolle, entre outros. Em Saint Petersburg, frequentou o Estágio Internacional de Dança Clássica, Dança de Carácter e Repertório, com os professores Tania Vassilieva, N. Kovmiz, M. Alfimova, da Escola Vaganova e do Ballet Kirov. Em Paris, organizado pela Association Française dês Maitres de Danse Classique, frequentou o Stage Pedagogique orientado por Alain Davesne, Carole Arbo, Catherine Vesque, Claudette Scouarnec, Jean-François Boisnon e Marie-José Redont. Durante 5 anos integrou o corpo docente do Estágio Internacional de Dança de Las Palmas (Ilhas Canárias) e foi professora convidada do 1º e 2º Estágio de Dança do Centro Norton de Matos (Coimbra) e do Estágio de Verão realizado no Teatro Sá da Bandeira (Santarém). Como professora, lecionou e integrou o júri de provas de diversas escolas de Dança. Na Escola de Dança do Orfeão de Leiria, desde a sua oficialização (1999), exerceu o cargo de professora (até 2018) e Directora Pedagógica (até 2016). Participou na organização do Festival Dança em Leiria incluindo Cursos para Professores e Alunos de Dança, de 2001 a 2016. BIANCA TAVARES Natural do Porto, inicia os seus estudos de ballet clássico aos 6 anos na escola de dança do Colégio Nossa Senhora da Bonança, posteriormente estudou na Academia de Bailado Clássico Pirmim Treku e em 2000 ingressa na Northen Ballet School, no Reino Unido. Realizou formação com diversos professores e bailarinos de renome internacional em diferentes escolas e país, entre elas o Royal Ballet School, no Reino Unido. Atualmente, mestre em ensino de Dança, pela Escola Superior de Dança - IPL, é professora membro da Royal Academy of Dance - RAD, Tutora e Supervisora do Ensino Prático do curso de professores da RAD – Certificate in Ballet Teaching Studies, e Tutora RAD nos cursos do Continuing Professional Development. Fundadora e diretora pedagógica do Conservatório de Dança do Vale do Sousa, escola vocacional de Ensino Artístico Especializado, e fundadora da APDança - Associação Portuguesa de Dança. Paralelamente à dança, estudou música durante todo o seu percurso académico, formou-se em psicologia e fez formação em administração de negócios. CARLA ROSA Natural de Lisboa estudou Realização Plástica do Espetáculo e Design de Cena na Escola Superior de Teatro e Cinema, onde se licenciou. Prosseguiu a sua formação técnico-artística e pedagógica na área do Audiovisual e Multimédia, pelo Instituto de Comunicação Multimédia, tendo colaborado como formadora certificada do IEFP, em cursos de Aprendizagem e de Certificação Pedagógica (CET). Frequentou ainda o programa de Mestrado em Ensino de Artes Visuais, da Universidade de Lisboa. Professora do Ensino Artístico Especializado no domínio das Artes Visuais e dos Audiovisuais, na Escola Artística António Arroio, desde 1999, tendo-se


BIOGRAFIAS profissionalizado na área das Técnicas Especiais, pela Escola Superior de Educação de Lisboa. Ao longo do seu percurso profissional, tem lecionado várias disciplinas das componentes de formação científica e técnico-artística, onde desenvolveu, colaborou e orientou projetos no âmbito artístico e cultural. Paralelamente à atividade pedagógica, participou ainda em diferentes iniciativas no âmbito do teatro, publicidade e na produção de eventos. Coordena, desde setembro de 2018, a Equipa de Educação Artística da Direção-Geral da Educação, Ministério da Educação. EZEQUIEL SANTOS É psicólogo e psicoterapeuta, docente e investigador na ESHTE na área das indústrias criativas e do dark tourism. Combina, desde 1991, a promoção da saúde mental, as práticas artísticas e a curadoria internacional em artes do espectáculo. Programador convidado pela EIRA para Cumplicidades – Festival Internacional de Dança em Lisboa (2015 e 2016) e curador no Forum Dança. Foi intérprete de Madalena Victorino, Rui Nunes e Francisco Camacho entre 1990-1996. Escreveu para publicações de arte e divulgação científica em Portugal e na Europa, territórios onde participa frequentemente em colóquios como moderador ou conferencista. É doutorando em arte contemporânea no Colégio das Artes da Universidade de Coimbra. ISABEL BARRETO Nasceu em Peniche em 1972. Iniciou os seus estudos em Dança aos seis anos com o professor José Correia, na Casa da Cultura em Caldas da Rainha. É licenciada pela Escola Superior de Dança – Ramo Espetáculo do IPL. No âmbito da ESD participou como interprete e coreografa do Grupo Pró-Criação no Fonthys Danse Festival (Holanda/ Bélgica). Paralelamente à sua formação na ESD integrou o Grupo de Dança Teatro “A Torneira” de Bruno Cochat e Filipa Francisco. Em 99/00 como coreógrafa convidada repõe para FMH “Prelúdio para um soluço” com o qual participa no Prague Danse Festival. Em 02/03, em parceria com Vanda Aguiar, funda a Escola Vocacional de Dança de Caldas da Rainha, EVDCR, na qual assume a Direção Pedagógica. Em 2004, na FMH, participa como preletora no âmbito do Ensino Artístico Especializado/ Escolas Vocacionais, no 1ºEncontro Nacional “A Dança no Sistema Educativo Português”. Co-fundadora do GED, Grupo Experimental de Dança da EVDCR. Em 2011 realizou PEEA - Formação de Formadores no âmbito do Desenvolvimento Curricular em Artes. Atualmente é Diretora Pedagógica da EVDCR onde leciona nos Cursos Livres e Oficiais, Dança Criativa, Expressão Criativa e Composição Coreográfica. JOÃO FERNANDES Natural de Leiria, iniciou a sua formação em dança em 2002. É professor na Escola Superior de Dança (ESD), desde 2013, lecionando na Licenciatura em Dança e colaborando nas orientações de Estágio no Mestrado em Ensino de Dança. Atualmente é Subdiretor da ESD e membro do Comissão Científica da Licenciatura para o mandato 2017/2020. É investigador associado no Instituto de Etnomusicologia – Centro de Estudos em Música e Dança. É mentor e programador do MetaDança – Festival de Artes Performativas em Leiria desde 2012 e coreógrafo independente desde 2009. Doutorado em Motricidade Humana (Especialidade em Dança) na Faculdade de Motricidade Humana da Universidade de Lisboa (2018). Em 2010, conclui a Licenciatura em Dança na ESD; em 2012, concluiu o Mestrado em Criação Coreográfica Contemporânea na ESD e em 2014 concluiu o Mestrado em Ensino de Dança na ESD. Em 2010 e 2012 foram-lhe atribuídos o “Prémio Mérito de Melhor Diplomado” da Licenciatura em Dança e do Mestrado em Criação Coreográfica Contemporânea, respetivamente. Em 2017, foi distinguido pelo IPL com o “Prémio de Reconhecimento de Atividades com


BIOGRAFIAS Relevância na Comunidade – Prémio de Excelência”. Destaca do seu percurso o contacto com profissionais como: Rui Horta, Paulo Ribeiro, Rui Lopes Graça, Clara Andermatt, Francisco Camacho, Madalena Victorino, Teresa Ranieri, entre outros. Foi professor da Studio k – escola de dança de 2008 a 2014 e docente do Ensino Artístico Especializado, na Escola de Dança do Orfeão de Leiria de 2010 a 2016. Colabora, desde 2011, como Júri de provas em escolas de ensino artístico especializado e ensino profissional. Em 2018, integrou a comissão de apreciação para o Concurso de Apoio à Criação da DGArtes. JORGE RAMOS DO Ó É Professor Associado com agregação do Instituto de Educação da Universidade de Lisboa. Tem escrito sobre análise do discurso história da política, histórica cultural e das mentalidades, especialmente durante o período do Estado Novo, e também sobre história da educação e da pedagogia, num período mais longo e que se estende de meados do século XIX a meados de Novecentos. Orienta um seminário de pósgraduação sobre as articulações entre leitura e escrita. Integra a Comissão Científica do Doutoramento em Artes (Artes Performativas e da Imagem em Movimento) da Universidade de Lisboa e do Instituto Politécnico de Lisboa. Co-director do Doutoramento em Educação Artística oferecido pelas Universidades do Porto e de Lisboa. Editor de Sisyfus – Journal of Education. LUÍS FERREIRA É formado em Design Industrial (ESAD.CR, 2006), diretor do 23 Milhas, projeto que agrega os quatro espaços culturais do município de Ílhavo e restantes eventos culturais. Simultaneamente, é comissário cultural, na Comunidade Interurbana do Médio Tejo, com destaque para o projeto intermunicipal Caminhos. É fundador e diretor artístico do BONS SONS, que nasce em Cem Soldos, em 2006, com uma programação dedicada à música portuguesa. Entre 2013 e 2015, assume a coordenação de produção e desenvolvimento da Experimentadesign. Entre 2009 e 2013, colaborou com a Experimentadesign, tanto na área de produção e desenvolvimento da Bienal EXD, como na programação regular do Palácio Quintela e do Convento da Trindade. Entre 2006 e 2008, trabalhou no Centro de Estudos de Novas Tendências (CENTA) como produtor cultural, tendo sido ainda responsável pela coordenação e produção do projeto “Experimenta o Campo 06/09”. Como designer freelancer, tem desenvolvido vários projetos independentes além da coordenação de projetos de desenvolvimento sustentável para a aldeia de Cem Soldos iniciados em 2010. Paralelamente, foi dirigente da associação cultural SCOCS, entre 1999 e 2017, dos quais seis como presidente. Em 2013, foi co-fundador do coletivo-mente e, em 2015, foi consultor da empresa Opium e cronista no Jornal Novo Almourol. LUÍS SÁ NOGUEIRA Licenciado em Enfermagem pela ESEAR, frequentou o curso de especialização conducente ao grau de Mestre em Epidemiologia pela FML. Atualmente a frequentar o 9º Curso de Especialização e Mestrado em Enfermagem Médico-Cirúrgica – Nefrologia da ESEL. Licenciado em Estudos de Cultura e Comunicação pela FLUL. Co-fundador da Heurtebise Associação Cultural, desenvolvendo atividade na área da criação de texto, comunicação e produção de trabalhos artísticos.


BIOGRAFIAS LUIZ ANTUNES Pessoa da Dança, nasceu em Lisboa. Formação em Música pelo Conservatório. Licenciado em Dança pela F.M.H. da Universidade de Lisboa, candidato ao título de mestre em Gestão Cultural pelo ISCTE na Business School. Foi aluno e assistente de Anna Mascolo. Foi estagiário do ex-Ballet Gulbenkian e assistente de Olga Roriz. Trabalha como coreógrafo e intérprete em Portugal e em vários países. Publicou trabalhos na área de investigação em Dança. Estudou e trabalhou com João Fiadeiro, René Bom, Né Barros, Jorge Levy, Allan Falieri, Tânia Carvalho, Rogério Nuno Costa, André e. Teodósio, Joana Sá, Miguelinho Loureiro, João Bento entre outros. Co-fundador do colectivo-me e Presidente da Heurtebise – Associação Cultural. Autor da série documental Portugal que Dança para a RTP2 e curador das Conferências para o Futuro - Estúdios Victor Córdon. MARIA DE ASSIS Tem-se dedicado nos últimos dez anos ao desenvolvimento de projetos experimentais assentes em práticas colaborativas entre instituições e entre agentes educativos, designadamente artistas, professores e mediadores, com o objetivo de estimular novas ferramentas e metodologias de aprendizagem em diferentes contextos de educação (formal, não formal e informal). Estudou dança e música em Lisboa e Bruxelas e iniciou a sua carreira profissional como pianista. Licenciou-se em História pela Universidade de Lisboa (1988) e tem uma pós graduação em Gestão das Artes do INA – Instituto Nacional da Administração e Fundação Centro Cultural de Belém (1998). Durante dez anos (1984/1994) a sua atividade esteve ligada à comunicação social enquanto jornalista, crítica de dança e autora e apresentadora de programas culturais para a rádio e a televisão (RTP, TVI e Antena 2). Tem textos sobre dança e artes performativas contemporâneas publicados em livros e revistas da especialidade. Foi consultora de programação para dança e teatro no Centro de Arte Moderna da Fundação Gulbenkian entre 1995 e 2003 e no Teatro Viriato, em Viseu, entre 1998 e 2019. Assumiu o cargo de Vice-Presidente do Instituto das Artes do Ministério da Cultura entre 2003 e 2005. A partir de 2006 regressa à Fundação Gulbenkian para a área da educação cultural e artística e entre 2013 e 2017 assumiu a direção do Programa Gulbenkian Educação para a Cultura e Ciência. Atualmente é Assessora do CA da EGEAC para a área educativa e responsável pelo planeamento e desenvolvimento estratégico do DESCOLA, um projeto de atividades criativas para alunos e professores que resulta do trabalho conjunto dos equipamentos culturais da Câmara Municipal de Lisboa. Integrou o grupo de trabalho Sinergias entre Educação e Cultura constituído pela Comissão Europeia no âmbito do Método Aberto de Cooperação em 2008/2009 e novamente em 2014/15. É membro do Conselho Consultivo da Arte em Rede desde 2015 e Presidente da Direção da Companhia Maior desde 2016. PAULA GARCIA Inicia o seu percurso dentro do Teatro Viriato em 1998 e desde então tem colaborado ativamente na definição da estratégia de programação da instituição; na criação/ consolidação de relações de parceria nacionais e internacionais; bem como no desenvolvimento de conceitos e conteúdos artísticos que têm alicerçado projetos de produção própria do Teatro Viriato. O seu nome é coresponsável pela concepção e implementação de projectos artísticos de extroversão e com forte impacto ao nível nacional. Nos últimos anos tem sido convidada para proferir comunicações em conferências/encontros de âmbito nacional e internacional. Em dezembro de 2016 foi nomeada Directora Geral e de Programação do Teatro Viriato.


BIOGRAFIAS RUI CUNHA MARTINS É Professor da Universidade de Coimbra, onde desempenha funções de investigação e docência na área dos estudos contemporâneos. Entre as suas principais áreas de estudo – gradualmente estruturadas em torno da problemática da contemporaneidade – contam-se: a questão das estéticas da mudança e das modalidades transicionais, no quadro das gramáticas da temporalidade e dos regimes de historicidade; a problemática da fronteira e do limite, seja no horizonte político-constitucional, seja nos diversos âmbitos da mobilização contemporânea desses conceitos; e a temática dos regimes processuais da prova e da decisão, no contexto da intersistemicidade das arenas sociais, estéticas e jurídicas; linhas, por conseguinte, de manifesta confluência transdisciplinar. Nessas áreas tem orientado diversas dissertações de mestrado e doutoramento. É investigador do Centro de Direitos Humanos da Faculdade de Direito / Ius Gentium Conimbrigae (integrando a respetiva direção com as funções de Coordenador para as Relações Académicas Luso-Brasileiras) e do Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX dessa mesma Universidade (do qual foi Vice-Coordenador Científico entre 2011 e 2012 e onde dirige a linha de pesquisa “Fronteira, Democracia e Direitos Humanos”). Integra atualmente a Coordenação e a Comissão Científica do Curso de Pós-Doutoramento em Democracia e Direitos Humanos da Universidade de Coimbra, uma iniciativa conjunta daqueles dois Centros. É, ainda, nessa mesma universidade, docente da FLUC, no quadro do Departamento de História e Estudos Europeus, membro do Instituto de História e Teoria das Ideias e membro integrante da Comissão de Supervisão do Programa de Doutoramento em Altos Estudos Contemporâneos, de que é docente, bem como dos Programas de Doutoramento em Estudos Europeus e em Altos Estudos em História e do Programa inter-universitário Master in Contemporary Studies “Roads to Democracy”. Está ainda ligado, quer enquanto Professor Visitante de programas de pós-graduação, quer enquanto membro de redes e grupos de pesquisa, a diversas instituições universitárias espanholas, francesas e brasileiras, designadamente em Barcelona, Salamanca, Amiens, São Paulo, Porto Alegre, Rio de Janeiro, Curitiba, Recife e Belo Horizonte. Recebeu, em 2011, a medalha EMERJ, que lhe foi atribuída pela Escola de Magistratura do Estado do Rio de Janeiro em atenção “aos relevantes serviços prestados à cultura jurídica, ao poder judiciário e à sociedade brasileira”. É autor, entre outros trabalhos, de Teoria do Contemporâneo [no prelo], A Hora dos Cadáveres Adiados: Corrupção, Expectativa e Processo Penal [São Paulo: Atlas, 2013], O Ponto Cego do Direito. The Brazilian Lessons [Rio de Janeiro: 3ª ed. Ed. Atlas, 2013; 2ª ed. Ed. Lumen Juris, 201; 1ª ed. Ed. Lumen Juris, 2010], O Método da Fronteira: Radiografia Histórica de um Dispositivo Contemporâneo (matrizes ibéricas e americanas) [Coimbra: Almedina, 2008; livro originariamente editado em Espanha: El Método de la Frontera, Salamanca: Ediciones de la Universidad, 2007], Decisão Judicial. A Cultura Jurídica Brasileira na Transição para a Democracia (em co-autoria) [Madrid-Barcelona-Buenos Aires-São Paulo: Marcial Pons, 2012], e, como coordenador, de Portugal 1974: Transição Política em Perspectiva Histórica [Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2011]. Dirige, além disso, a Colecção “O Tempo e a Norma”, na Editora Almedina. RUI TORRINHA É atualmente o co-director artistico d’A Oficina e responsável pela sua missão de internacionalização. É o diretor artístico do Centro Cultural Vila Flor (CCVF) e dos festivais anuais GUIdance, Westway LAB e Gil Vicente que dedicam um olhar mais forte à dança, música e teatro complementados por uma intensa programação regular ao longo de todo o ano no domínio das artes performativas. É também responsável pela gestão de projetos europeus (ex: AEROWAVES, INES, CircusNext) e das redes nacionais (ex: 5 Sentidos), acumulando também a responsabilidade dos programas de apoios à criação através do plano de coproduções e residências artísticas que decorrem em permanência no Centro de Criação de Candoso. Em 2012 integrou a equipa de programadores de Guimarães 2012, Capital Europeia da Cultura.


CONFERÊNCIA ENCONTROS PARA O FUTURO II O ENSINO DA DANÇA: POLÍTICAS, PRÁTICAS E PÚBLICOS

Conceção e Produção: ESTÚDIOS VICTOR CÓRDON Curadoria: LUIZ ANTUNES Apoio à conferência: (Escola Superior de Dança) JOÃO FERNANDES MADALENA XAVIER Redação: LUÍS SÁ NOGUEIRA Apoio à comunicação: (Escola Superior de Dança) CÉLIA CARDOSO MARTA TAVARES Apoio à produção: (Profitecla Lisboa – Escola Profissional) ELISABETE RODRIGUES (estagiária) JOANA CONSTANTINO (estagiária) RODRIGO TORRES (estagiário) Assistência à produção: (Profitecla Lisboa – Escola Profissional) CINTIA ALMADA CLÁUDIA MONTEIRO CRISTIANA SANTOS FELISBERTO SILVA JOÃO ABREU JOÃO MOREIRA JOICE RIBEIRO LEONOR GRAÇA MARIA ALICE SOUSA MARIA INÊS MONTEIRO MARIANA NOGUEIRA MARIANA REIS NUNO SANTOS RAQUEL ANTUNES RICARDO FORTES SORAIA LOPES SORAIA SEHAHY TERESA BARBOSA TIAGO REIS


ESTÚDIOS VICTOR CÓRDON ONDE COMER

HONORATO Largo Rafael Bordalo Pinheiro 12, Chiado, Lisboa 910 285 425 13€ p/ pessoa (aprox.) KAFFEEHAUS Rua Anchieta 3, Chiado, Lisboa 210 956 828 / 915 158 335 15€ p/ pessoa (aprox.) MESA COM PÃO Rua Nova da Trindade 7, Chiado, Lisboa 210 196 586 / 927 740 448 6€ p/ pessoa (aprox.) VERTIGO CAFÉ Travessa do Carmo 4, Chiado, Lisboa 213 433 112 9€ p/ pessoa (aprox.) AO 26 (vegetariano) Rua Vítor Cordon, n.º 26, Chiado, Lisboa 967 989 184 9€ p/ pessoa (prato+sopa) ARMAZÉNS DO CHIADO (centro comercial) Rua do Carmo, n.º 2 Restaurantes: Portugália Balcão; Capri; McDonald’s; Joshua’s Shoarma; Vitaminas; Pateo; Companhia; Loja das Sopas; Wok to Walk; MadPizza; Sr. Frango da Guia; Sushi Corner; Hó Tapioca. THE B TEMPLE (hamburgueria) Rua Serpa Pinto, n.º 10, Chiado, Lisboa 214 079 398 7€-15€ p/ pessoa TO B. (hamburgueria) Rua Capelo, n.º 24, Chiado, Lisboa 213 471 046 / 926 370 976 7€-12€ p/ pessoa NOOD (japonês, chinês, oriental) Largo Rafael Bordalo Pinheiro, n.º 20, Chiado, Lisboa 213 474 141 9€-18€ p/ pessoa


ESTÚDIOS VICTOR CÓRDON COMO CHEGAR

GPS 38º42’29.9’’N 9º08’27.9’’W METRO Baixa-Chiado: Linha Azul ou Linha Verde ELÉTRICO 15E: Corpo Santo 25E: Corpo Santo 28E: Rua Victor Córdon / Rua Serpa Pinto AUTOCARRO 714: Corpo Santo 728: Corpo Santo 732: Corpo Santo 735: Corpo Santo 736: Corpo Santo 758: Rua do Alecrim 760: Corpo Santo 781: Corpo Santo 782: Corpo Santo PARQUES DE ESTACIONAMENTO 1 – Estacionamento Baixa-Chiado (Largo da Boa Hora) 2 – Estacionamento Camões (Praça Luís de Camões) 3 – Parque de Estacionamento do Chiado (Rua Almirante Pessanha, n.º 3) 4 – Parque de Estacionamento da Calçada do Combro (Calçada do Combro, n.º 56)


DOZE JOVENS BAILARINOS DE TODO O PAÍS Coreógrafos

ALEXANDER EKMAN MAURICE CAUSEY

BILHETES: 5€

LISBOA – TEATRO CAMÕES 19 JUL 2019  21H

Filme

CNB.PT SAOCARLOS.PT

12 BIs

(Realização alunos do Ar.Co)

PORTO – TEATRO CARLOS ALBERTO 27 JUL  19H E 28 JUL 2019  16H

APOIOS À DIVULGAÇÃO

EDIÇÕES CNB

10%

DESCONTO

PARA PARTICIPANTES NA CONFERÊNCIA

O ESSENCIAL SOBRE A COMPANHIA NACIONAL DE BAILADO

DA VIDA DA OBRA COREOGRÁFICA

MÓNICA GUERREIRO

MARIA JOSÉ FAZENDA


ESTÚDIOS VICTOR CÓRDON RUI LOPES GRAÇA COORDENAÇÃO

MARIA LUÍSA CARLES GESTÃO DE PROJETO

TÂNIA ALVES PRODUÇÃO EXECUTIVA

MÁRIO OLIVEIRA ASSISTENTE DE PRODUÇÃO

JOÃO ALEGRIA PATRIMÓNIO

PEDRO MASCARENHAS (COORDENAÇÃO) JOSÉ LUÍS COSTA MARCO ARANTES (ARQUIVO/EDIÇÃO DE VÍDEO) COMUNICAÇÃO E MARKETING CNB

RAQUEL MALÓ ALMEIDA BRUNO FRANGO JOÃO MENDONÇA

(COORDENAÇÃO)

COMUNICAÇÃO E MARKETING TNSC

Rua Victor Córdon, 20 1200-484 Lisboa T. 21 347 40 48 E. estudiosvictorcordon@estudiosvictorcordon.pt /estudiosvictorcordon cnb.pt saocarlos.pt

ESTÚDIO JOÃO CAMPOS FOTOGRAFIAS © CHRISTIAN SCHWARM e ALCEU BETT

Apoio EVC:

Parceria:

Mecenas principal CNB:

Apoio TNSC e CNB:

Apoio TNSC:

Profile for Companhia Nacional de Bailado

Programa Completo :: O ENSINO DA DANÇA: POLÍTICAS, PRÁTICAS E PÚBLICOS - Mar. 2019  

New
Advertisement